Sunteți pe pagina 1din 30

UFCD 3564 : Primeiros Socorros

Duração: 25 horas
Localidade: Covilhã
Formador@: Margarida Castro
UFCD 3564 : Primeiros Socorros
Duração: 25 horas
Localidade: Covilhã

MÓDULO 1 – TIPOS DE ACIDENTES


SUBM 1.1.1 - Prevenção do agravamento do acidente
SUBM 1.1.2 - Alerta dos serviços de socorro público
SUBM 1.1.3 - Exame do Sinistrado

Formador@: Margarida Castro


➢ Identificar os diferentes tipos de acidentes;
➢ Reconhecer o serviço nacional de proteção civil;
➢ Reconhecer a importância da prevenção de acidentes e de
doenças profissionais.
➢ Definir primeiros socorros;
➢ Distinguir os princípios gerais dos primeiros socorros;
➢ Distinguir os princípios básicos do socorrista;
➢ Identificar a informação dada no Alerta dos serviços de
socorro público;
➢ Distinguir avaliação primária e secundária do sinistrado.
ACIDENTE
➢ Acontecimento eventual ou a ação de que,
involuntariamente, resultam danos para as pessoas ou as
coisas.
O QUE SÃO PRIMEIROS SOCORROS?
PRIMEIROS SOCORROS
➢ São a resposta rápida e inicial a uma
emergência médica, através da
aplicação de técnicas simples e eficazes
para reduzir a gravidade da situação,
melhorando as hipóteses de
sobrevivência de uma vítima e
diminuindo o seu grau de sofrimento.
PRINCIPIOS GERAIS DOS PRIMEIROS
SOCORROS
➢ PREVENIR o agravamento do estado da vítima e acidente.
➢ ALERTAR corretamente o 112.
➢ SOCORRER a vítima até à chegada de pessoal especializado.
PRINCIPIOS BÁSICOS DE ATUAÇÃO
PERANTE A VÍTIMA
➢ 1º - Garantir a segurança do socorrista;
➢ 2º - Garantir a segurança da vítima;
➢ 3º - Solicitar ajuda dos circulantes;
➢ 4º - Determinar prioridades;
➢ 5º - Pedir Ajuda Diferenciada.
QUALIDADES DE UM SOCORRISTA
➢ Conhecimento básico sobre primeiros socorros;
➢ Iniciativa, auto controle, calma, autoconfiança, senso de
observação;
➢ Habilidade manual;
➢ Conhecer as próprias limitações e ter bom senso.
ALERTA DOS SERVIÇOS DE SOCORRO PÚBLICO
➢ O pedido de ajuda diferenciada é realizado através do
contacto telefónico para o número 112.
SOCORRISTA DEVE INFORMAR
➢ Local exato da ocorrência e pontos de referência para o
encaminhamento dos meios de socorro;
➢ Tipo de ocorrência (acidente, doença súbita, parto...);
➢ Número e estado das vítimas;
➢ Número de telefone onde se encontra.
Responder às perguntas que a central de emergência faz, respeitando
as indicações dadas;
Desligar o telefone somente quando a central de emergência indicar.
QUANDO SE CHEGA AO LOCAL DE UMA OCORRÊNCIA

➢ Perigos para o(s) socorrista(s) e para a(s)


vítima(s);
➢ Localização dos doentes e a sua posição;
OBSERVAR ➢ No caso de um acidente, em que estado estão
o(s) veículos(s), qual o grau de destruição e
posição;
➢ Se foi uma queda, de que altura ocorreu.
PRIORIDADES DURANTE A AVALIAÇÃO
1) Garantir a segurança da vítima, de terceiros e da equipa
durante toda a intervenção;
2) Identificar e corrigir as situações que implicam risco de
vida;
3) Não agravar o estado da vítima;
4) Limitar o tempo no local ao mínimo necessário para
estabilizar a vítima;
5) Recolher informações relevantes: CHAMU (Circunstâncias,
História, Alergias, Medicação e Última refeição).
AVALIAÇÃO LOCAL E SEGURANÇA
➢ Efetuar uma rápida avaliação do local da ocorrência para determinar a
segurança no local;
➢ Prestar atenção ao cenário/local e às suas caraterísticas, já que este
pode fornecer informações importantes sobre o padrão de lesão;
➢ A primeira preocupação deve ser a segurança da equipa, das vítimas
e/ou terceiros;
➢ Obter uma impressão geral sobre as caraterísticas da ocorrência (tipo
de ocorrência, o número de vítimas e a sua localização, os meios de
socorro disponíveis no local, necessidades especiais ou a existência de
problemas específicos).
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
Após avaliação do Local
5 Etapas

A. Airway: Permeabilização da Via Aérea com controlo da


coluna Cervical;
B. Breathing: Ventilação e Oxigenação;
C. Circulation: Assegurar a Circulação com controlo da Hemorragia;
D. Disability: Disfunção Neurológica;
E. Expose/Environment: Exposição com controlo de Temperatura
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
A. Airway: Permeabilização da Via Aérea com controlo da coluna
Cervical;
Corrigir condição com risco de vida: A OVA é uma emergência.

• Se trauma, garantir a estabilidade cervical.


• Pesquisar sinais de obstrução da via aérea.
• Permeabilizar a VA.
• Assegurada a permeabilidade da via aérea inspecionar o pescoço.
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA

B. Breathing: Ventilação e Oxigenação;

Uma vez garantida a Va permeável avalia-se a Ventilação da


vítima determinando se:

1) A Respiração é adequada ou inadequada?


2) Há necessidade de administração de Oxigénio
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
B. Breathing: Ventilação e Oxigenação;

Se vítima inconsciente :
• Efetuar o VOS (Ver, Ouvir e Sentir) até 10 segundos;
• Se não ventila, e após o segundo pedido de ajuda, iniciar
manobras de suporte básico de vida (SBV);
• Se ventila continuar a avaliação e ponderar a colocação
em Posição Lateral de Segurança se possível;
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
B. Breathing: Ventilação e Oxigenação;

Pesquisar, inspecionar e palpar:


• Pesquisar manifestações de dificuldade respiratória;
• Avaliar a presença de ruídos respiratórios;
• Pesquisar e identificar possíveis deformidades torácicas;
• A palpação do tórax pode identificar a presença de dor, de
instabilidade da parede torácica e de crepitações.
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
C. Circulation: Assegurar a Circulação com controlo da Hemorragia;
Determinar o estado de perfusão/oxigenação da vítima.

1) Identificar e Controlar Hemorragia;

1) Avaliar Perfusão: O estado de perfusão da vítima pode ser


obtido pela caraterização do pulso; coloração, temperatura e
humidade da pele e pelo Tempo de Preenchimento Capilar
(TPC).
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
C. Circulation: Assegurar a Circulação com controlo da Hemorragia;

Pesquisar, inspecionar e palpar:


• Pesquisar hemorragias visíveis;
• Avaliar a pele (coloração, temperatura e humidade);
• Palpar o pulso;
• Avaliar o tempo de preenchimento capilar.

Controlar hemorragia
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
D. Disability: Disfunção Neurológica;

• Se a vítima não está consciente e orientada as pupilas da


vítima devem ser avaliadas (tamanho e simetria);

• Se vítima está colaborante, pesquisar alterações na resposta


motora: músculos da face, membros superiores e membros
inferiores. Pesquisar alterações da linguagem.
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
D. Disability: Disfunção Neurológica;

Se a vítima não está consciente


e orientada as pupilas da vítima
devem ser avaliadas (tamanho
e simetria).
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
D. Disability: Disfunção Neurológica;

ESCALA DE AVDS
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
E. Expose/Environment: Exposição com controlo de Temperatura
Ter presente algumas das condições com risco de vida:
• Hipotermia;
• Amputação;
• Remover roupa e avaliar a vítima (tendo em atenção a privacidade e
dignidade da vítima);
• Se existirem membros amputados avaliar a possibilidade de reimplante e
preservar a porção amputada em condições apropriadas;
• Promover medidas para prevenir hipotermia (ex. cobertores, mantas
térmicas, temperatura da célula sanitária).
AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA
(Re)avaliar os parâmetros vitais

Vítima consciente, orientada e colaborante, continuar o


inquérito dirigido pela referência CHAMU:
➢ C: Circunstâncias do acidente;
➢ H: História anterior de doenças e/ou Gravidez;
➢ A: Alergias;
➢ M: Medicação habitual;
➢ U: Última refeição.
AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA
EXAME OBJETIVO
1. Cabeça e pescoço;
2. Tórax;
3. Abdómen;
4. Bacia e períneo;
5. Membros superiores e inferiores;
6. Dorso e superfícies posteriores.
➢ Primeiros socorros
➢ Alerta dos serviços de socorro público
➢ Exame do Sinistrado
▪ Avaliação do local
▪ Avaliação primária
▪ Avaliação secundária
UFCD 3564 : Primeiros Socorros

Duração: 25 horas
Localidade: Covilhã
Formador@: Margarida Castro