Sunteți pe pagina 1din 15

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ELEMENTOS DE MÁQUINAS: BICICLETA COM TRANSMISSÃO POR


ENGRENAGEM

ADRIANO MOTTA GASPAR - 131106


ANDRÉ FELIPE LATTARULLO DE LIMA DIAS - 138350
BEATRIZ D’ANTONIO DA CRUZ - 139543
GABRIELA BIANGAMAN PINHEIRO - 138446
GIOVANNA LANIGRA HUSNI – 139795

Santos – SP

2018
RESUMO

Neste trabalho foi abordado o tema de dimensionamento de motores, correias, e toda a matéria
tratada no semestre da disciplina de Elementos do projeto mecânico de máquinas, para montar uma
bicicleta motorizada. Será explicado em detalhes cada passo da operação, que foi desenvolvido
com a ajuda do professor em sala de aula.
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 4
1.1. METODOLOGIA .................................................................................................................................. 4
Para a execução deste trabalho escrito que serviu como um relatório de como dimensionar um sistema de
transmissão em uma bicicleta comercial onde será instalado um motor elétrico, sendo a transmissão
primária feita por engrenagens e a secundária por corrente. Foi considerada uma extensa revisão
bibliográfica e orientações com o professor.................................................................................................. 4
2. SOBRE A BICICLETA MOTORIZADA ................................................................................................ 5
2.1. HISTÓRIA ............................................................................................................................................. 5
3. CÁLCULOS ..................................................................................................................................................... 8
Abaixo será feito um passo a passo para o dimensionamento da bicicleta motorizada. ................................. 8
3.1. PRIMEIRO PASSO: DEMONSTRAR OS DADOS UTILIZADOS .................................................................... 8
Na tabela abaixo estará constando todos os dados utilizados para realizar este projeto. Os dados
adotados, de propriedades dos materiais, dimensões da bicicleta e dados calculados. ............................. 8
3.2. SEGUNDO PASSO: CÁLCULO DA POTÊNCIA NECESSÁRIA ..................................................... 9
3.3. TERCEIRO PASSO: DIMENSIONANDO AS ENGRENAGENS ...................................................... 9
3.4. QUARTO PASSO: DADOS PARA CÁLCULO DO MÓDULO ....................................................... 10
3.5. QUINTO PASSO: CÁLCULO DA FORÇA TANGENCIAL ............................................................ 11
 Apoio A/B ........................................................................................................................................... 12
 Apoio C/D ........................................................................................................................................... 12
3.6. SEXTO PASSO: DETERMINAÇÃO DO DIÂMETRO DOS EIXOS ............................................... 12
 Momento máximo atuante no eixo 1 ................................................................................................... 12
3.7. SÉTIMO PASSO: CÁLCULO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO NOS EIXOS ........................ 12
3.8. OITAVO PASSO: CÁLCULO DA TENSÃO NORMAL ATUANTE .............................................. 13
3.9. NONO PASSO: CÁLCULO DO DIÂMETRO DO EIXO .................................................................. 13
5. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ........................................................................................................ 15
‘’
1. INTRODUÇÃO

A bicicleta motorizada transforma idas e vindas em uma atividade rica e prazerosa. É um meio
de transporte rápido, eficiente, econômico, seguro e que contribui notavelmente para diminuir
a poluição e do tráfego em nossas cidades. Ideal para mobilidade e lazer.

As Bicicletas motorizadas possuem muitas vantagens em relação às motos, ciclomotores e


bicicletas comuns. Elas facilitam na hora de subir aquelas ruas mais inclinadas, sem exigir o
esforço das suas pernas, por exemplo. Oferecem também um deslocamento bem mais rápido,
tanto em velocidade quanto ao acesso as áreas onde automóveis e carros não são permitidos.

Outra vantagem é o fato de serem motorizadas, mas ainda assim serem bicicletas, podendo ser
utilizadas somente com os pedais a qualquer momento. Além disso, as cargueiras motorizadas
facilitam não só o transporte pessoal, como também o transporte de cargas de seu negócio,
sendo perfeitas para entregas e coletas. Devido a essas vantagens iremos dimensionar uma
bicicleta nos níveis seguintes.

1.1. METODOLOGIA

Para a execução deste trabalho escrito que serviu como um relatório de como dimensionar um
sistema de transmissão em uma bicicleta comercial onde será instalado um motor elétrico, sendo a
transmissão primária feita por engrenagens e a secundária por corrente. Foi considerada uma extensa
revisão bibliográfica e orientações com o professor.

4
‘’

2. SOBRE A BICICLETA MOTORIZADA

2.1. HISTÓRIA

Quando Sylvester Roper, um senhor de 73 anos, apareceu em uma pista de corridas de bicicletas
em Boston, em cima de sua máquina, uma bicicleta motorizada movida a vapor d’água (“steam-
powered”) os jovens pilotos riram da sua cara. Neste dia, primeiro de junho de 1896, Roper
completou 3 voltas ao redor da pista com sua bicicleta motorizada movida a vapor d’água em
pouco mais de 2 minutos, com uma velocidade média de 30 mph (50Km/h). Então ele tentou ir
ainda mais rápido. Na semana anterior, ele completara uma milha de distância em Dorchester
Avenue com uma velocidade média de 40 mph (66Km/h). O senhor não estava de brincadeira, era
corajoso, até demais.

Sua coragem causou um trágico evento que aconteceu durante a corrida, quando sua bicicleta
estava em alta velocidade, a máquina ficou instável, capotando e jogando o piloto para longe.
Roper havia falecido na hora, deixando para traz um legado de bicicletas movidas a vapor, que
durou quase 3 décadas.

Sua primeira bicicleta motorizada, que está em exibição no “Smithsonian Institution”, foi
construída em 1869, quase 20 anos antes da criação das bicicletas motorizadas a combustão interna
de Gottlieb Daimler.

As primeiras patentes de bicicleta elétrica datam do fim do século XIX. Em 1895, Ogdem Bolton
Jr. inventou um modelo sem engrenagens e com motor que alcançava 100 amperes de uma bateria
de 10 volts. Dois anos depois, Hosea W. Libbey of Boston inventou um modelo de bicicleta
elétrica que utilizava dois motores.

Diversos tipos diferentes surgiram durante o século XX. Como o de Jesse D. Trucker, que teve a
ideia de produzir um motor com engrenagens internas que permitiam que a roda da bicicleta ficasse
livre, sendo possível pedalar com ou sem o auxílio elétrico.

5
‘’
Nos anos 90, foram inventados os sensores de torque e controladores de potência. Com início da
era tecnológica, o mercado da bicicleta elétrica começou a se expandir graças à redução do preço
dos componentes e o surgimento de novas tecnologias, inclusive com formas inovadoras de
recarregar a bateria, como energia do movimento e solar.

Hoje, a bicicleta elétrica é um mercado em expansão com grandes indústrias pelo mundo. Em 2009,
foi estimada a existência de 200 mil bicicletas elétricas pelos Estados Unidos. Na Alemanha, a
produção ultrapassa a marca de 400 mil unidades. No Brasil, o mercado ainda está em
desenvolvimento e a maioria dos modelos presentes é importada, apesar de haver alguns locais que
fabricam ebikes brasileiras.

2.2 MANUAL DO USUÁRIO

A Bicicleta motorizada é um meio de transporte capaz de nos transportar a qualquer lugar,


mas devemos compreender que nunca deixará de ser uma bicicleta, e que deve ser conduzida
com responsabilidade e segurança, obedecendo as normas de trânsito aplicadas a sua
localidade, município ou estado.

Como nos automóveis e motocicletas, ela pode representar riscos para a integridade física do
condutor, especialmente se não forem respeitadas as medidas de segurança.
As medidas de segurança são:

 Usar com responsabilidade. Não utilizá-la para saltos, corridas, ou qualquer


tipo de manobra que ponha em perigo a vida do usuário ou a vida de terceiros.

 A bicicleta mantem as condições para o uso normal sem motor, além da opção
motorizada, independente do pedal.

 Pilote equipado. O uso de capacete não só é recomendável como obrigatório.

 Respeite sempre as leis de trânsito.

 A bicicleta terá velocidade máxima de 35 km/h e uma potência suficiente para subir
6
‘’
rampas de até 3° de inclinação, com velocidade mínima de 20 km/h.

 Nos modelos não equipados com farol e luz de posicionamento recomenda-se a


instalação de farol e luz de posicionamento.

 Fazer a sua manutenção conforme o manual.

 Não é recomendada a utilização por menores de 16 anos. Fica sob


responsabilidade de seus pais, tutor ou encarregado legal a utilização de
bicicletas motorizadas pelos mesmo.

 Não conduzir sob os efeitos de droga ou álcool.

 Conduzir sempre na defensiva, já que é um veículo leve.

 Mantenha a bicicleta motorizada em bom estado. Revisá-la bem, antes de usá-la.

 Recomenda-se adotar uma velocidade média de 25 a 30 km/h porque a essa


velocidade, o usuário poderá reagir diante de imprevistos.

7
‘’

3. CÁLCULOS

Abaixo será feito um passo a passo para o dimensionamento da bicicleta motorizada.

3.1. PRIMEIRO PASSO: DEMONSTRAR OS DADOS UTILIZADOS

Na tabela abaixo estará constando todos os dados utilizados para realizar este projeto.
Os dados adotados, de propriedades dos materiais, dimensões da bicicleta e dados
calculados.

Símbolo Unidade Valor Origem


Velocidade Vplano m/s 9,7 Especificação do Produto
Máxima do
Plano
Velocidade Vinclinação m/s 6,9 Especificação do Produto
Mínima da
Inclinação
Coeficiente de µ adim 0,02 Valor adotado
rolamento
Massa m kg 120 Especificação do Produto
Gravidade g 𝑚 9,81
Rendimento ƞcorrente /𝑠 2
adim 0,95 Valor adotado
correntes
Rendimento ƞengrenagem adim 0,97 Valor adotado
par de
engrenagens
Tenção Mpa 90 Propriedade do material
𝜎
Admissível
(Aço)
Módulo de E Gpa 210 Propriedade do material
Elasticidade
do aço
Vida h horas 10000 Valor adotado
Dureza HB HB 𝑁 2300 Propriedade do material
2
Diâmetro da D roda /𝑚𝑚
mm 559 Dimensões da bicicleta
roda
Raio da roda R roda mm 279,5 Dimensões da bicicleta
Circunferência C roda m 1,75 Valor calculado
da roda
Ângulo de Ɵ graus (*) 20 Valor adotado
contato

8
‘’

Sendo que calculamos a circunferência da roda utilizando a equação: 𝐶 = 2𝜋𝑟


3.2. SEGUNDO PASSO: CÁLCULO DA POTÊNCIA NECESSÁRIA

 Potência no plano
𝐹 = 𝑚 × 𝑔 × 𝜇 = 120 × 9,81 × 0,02 = 23,54𝑁
𝑃 = 𝐹 × 𝑉𝑝𝑙𝑎𝑛𝑜 = 23,54 × 9,7 = 228,38𝑊

 Potência no plano inclinado de 3 graus

𝐹𝑟 = 𝐹 = 23,54𝑁

𝐹𝑡 = 𝑚 × 𝑔 × sin 3 = 120 × 9,81 × sin 3 = 61,6𝑁

∑ 𝐹 = 61,6 + 23,54 = 85,15𝑁

𝑃 = 𝐹 × 𝑉𝑖𝑛𝑐𝑙𝑖𝑛𝑎çã𝑜 = 85,15 × 6,9 = 587,54𝑊

Obtendo a potência necessária, dimensionamos o motor montando a tabela abaixo:


Motor escolhido
Potência 600W
Corrente 22ª
Tensão 36V
Rotação 3200rpm

3.3. TERCEIRO PASSO: DIMENSIONANDO AS ENGRENAGENS

 Rotação da roda
𝑉𝑝𝑙𝑎𝑛𝑜 9,7
𝑛1 = = = 5,54 × 60 = 332,57 𝑟𝑝𝑚
𝐶𝑟𝑜𝑑𝑎 1,75

 Relação de transmissão
𝑛1 3200
𝑖𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = = = 9,62
𝑛2 332,57
Utilizando i1 ideal como 4 encontramos i2 igual a 2,4.
 Número de dentes (Z1)
2
𝑍1 = ≅ 18 𝑑𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠
sin 202
 Número de dentes (Z2)

𝑍2 = 𝑍1 × 𝑖1 = 18 × 4 = 72 𝑑𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠

Então pudemos definir o par de engrenagens: 18/72 dentes


 Potência do motor corrigida

9
‘’

𝑁𝑝 = 𝑃 × 1,2 = 600 × 1,2 = 720𝑊

 Potência da roda corrigida

𝑛1 3200
𝑛2 = = = 800𝑟𝑝𝑚
𝑖1 4
 Cálculo do Torque 1:

𝑃 × 60 720 × 60
𝑇1 = = = 2,15𝑁𝑚
2 × 𝜋 × 𝑛1 2 × 𝜋 × 3200

 Cálculo Torque 2:

𝑃 × 60 720 × 60
𝑇2 = = = 8,94 𝑁𝑚
2 × 𝜋 × 𝑛2 2 × 𝜋 × 800

3.4. QUARTO PASSO: DADOS PARA CÁLCULO DO MÓDULO

Pegando os valores da tabela que utilizamos em sala de aula (Tabela 14.3) encontramos
o valor de (q), com a Tabela 14.5 encontramos (Ko) e com a Tabela 14.6 adotando que a
vida útil é de 10^7, encontramos o (Kl).
 q= 3,5
 Ko= 1,25
 Kl=1

Fazendo o cálculo para achar Kadmissível, obtivemos:


174 × 𝐻𝐵 2 174 × 13002
𝐾𝑎𝑑𝑚 = = = 13,81 𝑁/𝑚𝑚2
∛(ℎ × 𝑛) × 𝐸 ∛(10000 × 3200) × 210000
Cálculo do módulo adotando que a relação largura sobre módulo (bv) é igual a 10.

3 𝑇 1+𝑖 3 2,15 1 + 9,63


𝑚 = 39,3 × √ × = 39,3 × √ ×
𝑏𝑣 × 𝑍 2 × 𝐾𝑎𝑑𝑚 𝑖 10 × 182 × 13,81 9,63
= 1,48 𝑚𝑚
Fizemos o cálculo das engrenagens:
𝐷𝑝 = 𝑚 × 𝑧1 = 120
𝐷𝑒 = 𝐷𝑝 + (2 × 𝑚)
𝐷1 = 120 + (2 × 𝑚)

Z1= 18 Z2=72
26,64 mm Dp 106,56 mm

10
‘’

29,6 mm De 109,52 mm
23,09 mm Di 103,01 mm
3,26 mm h 3,26 mm
2,96 mm ap 2,96 mm
1,48 mm ac 1,48 mm
14,8 mm b 14,8 mm
4,65 mm p 4,65 mm
66,6 mm c 66,6 mm

Encontramos a velocidade periférica através da fórmula:


𝜋 × 𝑛 × 𝐷𝑝 𝜋 × 3200 × 26,64
𝑉𝑝 = = = 4,46 𝑚/𝑠
60000 60000
3,5 3,5
𝐾𝑣 = = = 0,62
3,5 + √𝑉𝑝 3,5 + √4,46
 Cálculo do módulo

3 𝑇×𝑞 3 𝐾𝑜 3 2,15 × 3,5 3 1,25


𝑚 = 12,6 × √ ×√ = 12,6 × √ ×√
𝑏𝑣 × 𝑍 × 𝑇𝑎𝑑𝑚 𝐾𝑣 × 𝑘𝑙 10 × 18 × 90 0,62 × 1
= 1,23𝑚𝑚
Olhando a Tabela 14.2 e usando o valor de módulo maior concluímos que o valor final
ficou de 1,73.

3.5. QUINTO PASSO: CÁLCULO DA FORÇA TANGENCIAL

2000 × 𝑇1 2000 × 2,15


𝐹𝑇1 = = = 161,41 𝑁
𝐷𝑃 26,64

2000 × 𝑇2 2000 × 8,94


𝐹𝑇2 = = = 167,8 𝑁
𝐷𝑃 106,56

𝐹𝑅1 = 𝐹𝑇1 × tan 𝜃 = 161,41 × tan 20 = 54,75 𝑁

𝐹𝑅2 = 𝐹𝑇2 × tan 𝜃 = 167,8 × tan 20 = 61,07 𝑁

11
‘’

 Apoio A/B

1 1
𝐹𝑅 = × 𝐹𝑟1 = × 54,75 = 27,37𝑁
2 2

1 1
𝐹𝑇 = × 𝐹𝑇1 = × 161,41 = 80,70𝑁
2 2

𝑅𝑎 = 𝑅𝑏 = √𝐹𝑅 2 + 𝐹𝑇 2 = √27,372 + 80,702 = 85,21𝑁

 Apoio C/D

1 1
𝑅𝑐 = 𝑅𝑑 = × √𝐹𝑅22 + 𝐹𝑇22 = × √61,072 + 167,82 = 178,56𝑁
2 2

3.6. SEXTO PASSO: DETERMINAÇÃO DO DIÂMETRO DOS EIXOS

Adotando o valor de L como 0,2 mm fizemos as seguintes contas:

 Momento máximo atuante no eixo 1

𝐹𝑇1 × 𝐿 161,41 × 0,2


𝑀1𝑚𝑎𝑥 = = = 8,07 𝑁𝑚
4 4
 Momento máximo atuante no eixo 2

𝐹𝑇2 × 𝐿 167,8 × 0,2


𝑀2𝑚𝑎𝑥 = = = 8,4 𝑁𝑚
4 4

3.7. SÉTIMO PASSO: CÁLCULO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO NOS EIXOS

Adotando constantes Kt sendo igual a Km que é igual a 1,8.

 No eixo 1:
5 × 𝑇1 × 𝐾𝑡 5 × 2,15 × 1,8 19,35
𝜏1 = = =
𝑑3 𝑑3 𝑑3
 No eixo 2:

12
‘’

5 × 𝑇2 × 𝐾𝑡 5 × 8,94 × 1,8 80,46


𝜏2 = = =
𝑑3 𝑑3 𝑑3

3.8. OITAVO PASSO: CÁLCULO DA TENSÃO NORMAL ATUANTE


 No eixo 1:
10 × 𝑀1 × 𝐾𝑚 10 × 8,07 × 1,8 145,26
𝜎1 = = =
𝑑3 𝑑3 𝑑3
 No eixo 2:

10 × 𝑀2 × 𝐾𝑚 10 × 8,4 × 1,8 151,2


𝜎2 = = =
𝑑3 𝑑3 𝑑3

3.9. NONO PASSO: CÁLCULO DO DIÂMETRO DO EIXO

 No eixo 1:

𝜎1 2
𝜏𝑎𝑑𝑚 ≤ √[𝜏12 + ( ) ]
2

2 2
19,35 72,63
70 × 10 ≤ √(
6
) +( )
𝑑3 𝑑3

3 75,16
𝑑1 ≥ √ ≥ 10,24 𝑚𝑚
70 × 106

 No eixo 2:

𝜎2 2
𝜏𝑎𝑑𝑚 ≤ √[𝜏22 + ( ) ]
2

2 2
80,46 75,6
70 × 10 ≤ √(
6
) +( )
𝑑3 𝑑3

3 136,61
𝑑1 ≥ √ ≥ 12,5 𝑚𝑚
70 × 106

13
‘’

4. CONCLUSÃO

Através dos cálculos e pesquisas feitas, vimos que além de ser fácil e minucioso
dimensionar uma bicicleta motorizada, ela possui muitas vantagens no dia a dia de um
ciclista comum, tornando muito útil o estudo desse tópico em sala de aula.

14
‘’

5. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BICICLETA elétrica. Disponível em:


<http://img.submarino.com.br/manuais/118784550.pdf>. Acesso em: 25 set. 2018.

FLAMENBAUM, Daniel. HISTÓRIA DA PRIMEIRA BICICLETA MOTORIZADA.


2011. Disponível em: <http://www.bicimoto.com.br/blog/a-historia-da-primeira-
bicicleta-motorizada/>. Acesso em: 25 set. 2018.

BICICLETA elétrica: história, características, benefícios e problemas. 2013. Disponível


em: <https://www.ecycle.com.br/component/content/article/41-pegue-leve/2849-bikes-
eletricas-historia-mercado-expansao-motor-caracteristicas-vantagens-praticidade-
pedalar-trabalho-limitacao-fisica-custo-economia-acelerador-integrado-separado-solar-
movimento-beneficios-problemas.html>. Acesso em: 25 set. 2018.

MANUAL Bicicleta Motorizada. Disponível em:


<https://www.bicimoto.com.br/manual/Manual_Usuario_Bicimoto_80cc_2T.pdf>.
Acesso em: 25 set. 2018.

15