Sunteți pe pagina 1din 2
Informativo mensal do Solar Bezerra de Menezes – Março de 2008
Informativo mensal do Solar Bezerra de Menezes – Março de 2008
PRINCIPAL A importância da evangelização infanto-juvenil “O homem será o que da sua infância se
PRINCIPAL
A importância da
evangelização
infanto-juvenil
“O homem será o que da
sua infância se faça. “
A criança incompreendida, resulta no
jovem revoltado e este assume a posição de
homem traumatizado, violento. A criança
desdenhada, ressurge no adolescente in-
seguro, que modela a personalidade do
adulto infeliz.
A criança é sementeira que aguarda, o jo-
vem é campo fecundado, o adulto é a seara
em produção.
Conforme a qualidade da semente tere-
mos a colheita.
Excetuam-se, é claro, os casos de espíri-
tos recalcitrantes, em recomeços difíceis,
reacionários por atavismo pretérito às
luzes da educação.
Mesmo em tais, os efeitos da salutar pe-
dagogia educacional fazem-se valiosos.
Ofertem-se pães, medicamento, agasa-
lhos, cuidados, instrução e educação à cri-
ança. Não se evangelizando hoje o ser que
surge, periclitará toda a segurança do edifí-
cio social e humano do futuro.
Impostergável, desse modo, o mistério
preparatório das gerações novas, guiando-
as para Jesus, a fim de que se construa,
desde agora, o reino de Deus, definitiva-
mente, no mundo.
“A infância é o período em
que melhor se aprende,
enquanto que na adoles-
cência se apreende”.
A tarefa da educação, por isso mesmo, é
de relevância, enquanto que a da
evangelização é de urgência salvadora.
Quem instrui, oferece meios para que a
mente alargue a compreensão das coisas
e entenda a vida.
Quem educa, cria os valores éticos cultu-
rais para uma vivência nobre e ditosa.
“Quem evangeliza, liberta
para a vida feliz”.
Evangelizar é trazer Cristo de volta ao
solo infantil como benção de alta magni-
tude, cujo resultado, ainda não se pode,
realmente, aquilatar.
Na idade adulta, mais facilmente se com-
preende, evitando-se o período em que o
ancião apenas repreende.
“Deixai que venham a mim as
criancinhas”– solicitou Jesus.
Tomemos dessa argila plástica, ainda não
compreendida pelos erros atuais e mo-
delemos com as mãos do amor o ho-
mem integral do porvir.
Evangelização espírita é sol nas almas, cla-
reando o mundo inteiro sob as constela-
ções das estrelas dos céus, que são os bem
aventurados do Senhor, empenhados em
seu nome, pela transformação urgente da
Terra, em “mundo de regeneração” e paz.
A criança evangelizada, torna-se jovem
digno, transformando-se em cidadão do
amor, com expressiva bagagem de luz
para toda a vida, mesmo que se transi-
tando em trevas exteriores.
Amélia Rodrigues
(do livro Terapêutica de Emergência,
psicografia de Divaldo P. Franco.)
de Emergência, psicografia de Divaldo P. Franco.) MENSAGEM DE CONFORTO Quando você se observar, à beira

MENSAGEM DE CONFORTO

Quando você se observar, à beira do desânimo, acelere o passo para frente , proibindo-se parar. Ore, pedindo a Deus mais luz para vencer as sombras.Faça algo de bom, além do cansaço em que se veja.

Leia uma página edificante, que lhe auxilie o raciocínio na mudança construtiva de idéias.

Tente contato de pessoas, cuja conversação lhe melhore o clima espiritual.

Procure um ambiente, no qual lhe seja possí- vel ouvir palavras e instruções que lhe enobre- çam os pensamentos. Preste um favor, especialmente aquele favor que você esteja adiando.

Visite um enfermo, buscando reconforto na- queles que atravessam dificuldades maiores que as suas.

Atenda às tarefas imediatas que esperam por você e que lhe impeçam qualquer demora nas nuvens do desalento.

Guarde a convicção de que todos estamos ca- minhando para adiante, através de problemas e lutas, na aquisição de experiência, e de que a vida concorda com as pausas de refazimento das nossas forças, mas não se acomoda com a inércia em momento algum.

André Luiz

(do livro Busca e Acharás, de Chico Xavier)

André Luiz (do livro Busca e Acharás , de Chico Xavier) MINUTO DE SABEDORIA “Se alguém

MINUTO DE SABEDORIA

“Se alguém queixar-se da vida a seu lado, responda com palavras de encorajamento.

Não aumento e peso a quem já sen- te demasiado o peso que carrega.

Se alguém se lamenta da vida, pro- cure mostrar os lados bons e belos da existência.

Não contribua com suas próprias lamentações para o desânimo do companheiro. Reanime-o com esperança e com bom ânimo, com palavras de incen- tivo e coragem.

Talvez desse remédio dependa a cura de seu coração desalentado”.

Pastorino

HOMENAGEM DO MÊS Batuíra Por Marcus Mazza Nosso homenage- ado do mês de Março é
HOMENAGEM DO MÊS
Batuíra
Por Marcus
Mazza
Nosso homenage-
ado do mês de
Março é Antônio
Gonçalves da
Silva, o Batuira,
que nasceu no dia
19 de Março de
1839 em Portu-
gal. Imigrou para o Brasil aos 11 anos, tendo
vivido 3 anos no Rio de Janeiro, e depois se
transferindo para Campinas.
ticantes da palavra do Cristo, tratando os
doentes com homeopatia e difundindo os
princípios espíritas. Fundou o jornal “Ver-
dade e Luz” em Maio de 1890 que chegou a
ter uma tiragem de 5 mil exemplares.
Abriu mão dos seus bens em favor dos ne-
cessitados.
Sua casa no Lavapés era ao mesmo tempo
hospital, albergue, farmácia, escola e asilo. Mais
tarde doou sua casa para a Instituição Benefi-
cente “Verdade e luz”. Recolhia os doentes e
desamparados, cuidando deles e infundindo-
lhes a coragem necessária para enfrentarem as
dificuldades de suas vidas.
O apelido “Batuira” foi dado por seus fregue-
ses, pois ele vendia jornais entregando de casa
em casa conquistando a simpatia e a amizade
de seus fregueses. Como corria lépidamente
daqui para acolá, sempre trabalhando, lem-
brava a narceja, ave peralta muito ligeira de
vôo rápido que frequenta os charcos em volta
dos lagos.
Residindo na capital passou a conviver com
os acadêmicos de Direito do Largo de São
Francisco. Àquela altura de sua vida passou
a fabricar charutos e fez prosperar suas fi-
nanças. Adquiriu diversos lotes de terrenos
no Lavapés, onde construiu sua casa, e ao
lado uma rua particular de casas que alugava
para pessoas humildes e que hoje se chama
rua Espírita.
Batuira perdeu também um filho de 12 anos
de seu segundo casamento, mas mesmo assim
continuou firme em sua fé. Quando do surto
de varíola que assolou a capital, trabalhou
incansavelmente em favor dos doentes, sem
pensar um minuto em si mesmo. Muito po-
deríamos falar à respeito do nosso homena-
geado do mês, mas vamos ficar com as pala-
vras de Afonso Schmidt que por ocasião do
seu desencarne disse: “ Batuíra faleceu à 22
de Janeiro de 1909. São Paulo inteiro co-
move-se com seu desaparecimento. Que ida-
de tinha? Nem ele mesmo sabia. Mas o seu
nome ficou por aí como um clarão de bon-
dade, de doçura, de delicadeza ao céu, des-
sas que vão se fazendo cada vez mais raras
num mundo velho sem porteira ”
Grande defensor da abolição da escravatura,
abrigava em sua própria casa escravos fora-
gidos e só os deixava sair de lá com suas
cartas de alforria. Despertado pela doutrina
espírita foi um dos mais significativos pra-
Assim meus irmãos, agradecemos à Jesus por
homens como esse que nos servem de exem-
plo e encorajamento na luta do dia a dia, pe-
dindo à Ele todas as bênçãos para nosso Batuíra.
pe- dindo à Ele todas as bênçãos para nosso Batuíra. CALENDÁRIO DAS REUNIÕES PÚBLICAS   Quarta-Feira

CALENDÁRIO DAS REUNIÕES PÚBLICAS

 

Quarta-Feira – 20 hs

Sexta-Feira – 15 hs

05/03 O Evangelho Segundo o Espiritismo Palestrante: Sandra Lemos Azeredo

07/03 Livro dos Espíritos - Questões 897 a 898

Palestrante: Eloi Vilela

12/03 Boa Nova

14/03 O Perispírito

Palestrante: Inês Catarina

Palestrante: Ondina Magalhães

19/03 Nosso Lar (parte 3)

21/03 FERIADO

Palestrantes: Sônia Amâncio e Rosângela Mariano

28/03 Brasil, Coração do Mundo

26/03 Páginas do Espiritismo Cristão

Palestrante: Luis Fernando Paulo

Palestrante: Marcus Mazza

Luis Fernando Paulo Palestrante: Marcus Mazza EXPEDIENTE Informativo do Solar Bezerra de Menezes|Campo
Luis Fernando Paulo Palestrante: Marcus Mazza EXPEDIENTE Informativo do Solar Bezerra de Menezes|Campo

EXPEDIENTE

Informativo do Solar Bezerra de Menezes|Campo de São Cristóvão, 402 (21) 2580-4445/2580-8478 Vice-Presidente: Fernando Pires da Silva Diagramação: Camila Simas Aceitamos contribuições compatíveis com a doutrina espírita

Entre em contato, dê sua opinião!|amigo.espirita@yahoo.com.br

Simplificando o Espiritismo

“Quem ouve estas minhas ”

palavras e as realiza

Disse-nos Jesus: “Quem ouve estas minhas pala- vras e não as realiza, esse se assemelha à um homem sábio que edificou a sua casa sobre ro- cha: desabaram aguaceiros, transbordaram os rios, sopraram os vendavais e deram de rijo contra essa casa, mas ela não caiu, porque estava construída sobre rocha.

Mas quem ouve estas minhas palavras e não as realiza, esse se assemelha a um homem insen- sato que edificou a sua casa sobre areia: desa- baram aguaceiros, transbordaram os rios, so- praram os vendavais e deram de rijo contra essa casa, e ela caiu, e foi grande a sua queda“.

Vemos aí que tanto o sábio como o insensato ouvem as palavras do grande Mestre; mas um as realiza e o outro não. Fica claro, portanto, que a diferença não está no ouvir, na teoria, mas em realizar. De que nos vale grandes ide- ais no coração e idéias na cabeça se não os conseguimos materializar em obras? Não nos basta, portanto, ouvir apenas: é preciso realizar.

Ouvir é inofensivo, pois muitos apreciam ouvir belas palavras; ter grandes idéias na cabeça e belos ideais no coração é tão suave e agradável; pode- mos até granjear fama de filósofos e poetas, ou mesmo produzir nos outros a impressão de ser- mos místicos e santos. Fundamental para o iniciante do espiritismo é compreender que, quando as idéias e os ideais passam da cabeça e do coração para as mãos, para os pés, para a vida total, então passam para

o campo da materialização de nossas vontades.

Só a prática real e constante da doutrina do Cris- to garante experiência profunda, e só essa expe- riência vital da alma do Evangelho é que é rocha viva para o edifício de nossa espiritualidade.

Jesus nos concita às realizações, transformando

o Sermão da Montanha num veemente apelo

para uma realização criadora do seu conteúdo. Vamos também nós construir a casa de nossas vidas sobre rocha viva, desafiando terremotos e tempestades.

Que a paz do nosso Mestre Maior se faça sem- pre entre nós.

a paz do nosso Mestre Maior se faça sem- pre entre nós. VOCÊ SABIA? Que a

VOCÊ SABIA?

Que a Lei foi dada aos homens para uni-los por um mesmo ideal: o Amor. Por isso é que Jesus - Cristo, resumindo-a, para nos facilitar sua com- preensão, pregava:

“Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu cora- ção, de toda a tua alma, e de todo o teu entendi- mento. Este é o máximo e o primeiro manda- mento. E o segundo, semelhante a este, é: Ama- rás a teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a lei e os profetas”.(Mateus, 22:37-40.).

Rodolfo Calligaris

(do Livro O Sermão da Montanha, pg. 57.)