Sunteți pe pagina 1din 163

Campus Guarapuava

Tópicos de Matemática Básica

2018
Sobre este trabalho

No presente material vamos abordar os principais tópicos de mátemática básica


que são utilizados como pré-requisito em cursos de graduação com ênfase na área
de exatas. O conteúdo aqui abordado não pretende ser completo e nem autosufi-
ciente. Utilizaremos uma linguagem simples objetivando a melhor compreensão
dos temas propostos afim de estimular o leitor ao estudo, visando o desenvolvi-
mento, a autonomia e um aprendizado mais significativo.
Sabemos que o problema dos estudantes com matemática básica é antigo
e recorrente em cursos de graduação. A falta de familiaridade com os princi-
pais tópicos de matemática abordados no ensino médio torna-se, com toda cer-
teza, fator crucial para o abandono do aluno nos semestres iniciais dos cursos de
graduação. Baseado nas dificuldades apresentadas pelos alunos ingressantes nos
cursos de graduação da UTFPR - Campus Guarapuava, idealizou-se o desenvol-
vimento deste material de apoio, afim de estimular e desmistificar a matemática,
bem como combater a evasão existente nos cursos.
Esta apostila foi desenvolvida pelos alunos Annylayne Felema, Bianca Lourenço,
Bruna Karoline Oliveira, Carlos Henrique Herbst, Carlos Oliveira da Silva, Cláudio
Viomar Junior, Gabriel Rodrigues da Silva, Isabella Fillus, João Pedro, Júlia Stre-
mel, Marcela de Souza, Maria Laura Rivani, Maria Victoria Ziegemann Porteli-
nha, Mateus Blanski, Milton Sérgio de Araujo Junior, Paulo Henrique Baldson,
Suelen Santos da Maia, Thaiane Lincoln, Victória Assumpção de Oliveira e Vini-
cius Lucas Iurk, sob a orientação dos professores de Matemática Thiago Freitas,
Michel Teston, Alex Dantas e Alex Castilho. Todas as figuras deste trabalho foram
feitas no software livre GeoGebra.

2
Agradecemos a UTFPR - EDITAL PROREC 01/2017, pela bolsa disponibili-
zada para a realização deste trabalho.
Sumário

1 Temas Básicos da Álgebra 8


1.1 Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.1 Uma breve introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.2 Conjunto dos Números Naturais . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.3 Conjunto dos Números Inteiros . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.4 Conjunto dos Números Racionais . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.5 Conjunto dos Números Irracionais . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.6 Conjunto dos Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.1.7 Relação de Pertinência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.8 Relação de Inclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.1.9 Conjunto Vazio e Conjunto Unitário . . . . . . . . . . . . 12
1.1.10 Igualdade de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.1.11 Operações com Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.2 Fatoração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2.1 Números Primos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2.2 Decomposição em Fatores Primos . . . . . . . . . . . . . 14
1.2.3 Fatoração de Expressões Algébricas . . . . . . . . . . . . 14
1.3 Potenciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.3.1 Definição e Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.3.2 Raiz n-ésima de um número . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.4 Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.4.1 Expansão Polinomial de um Número . . . . . . . . . . . 26

4
1.4.2 Valor Numérico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.4.3 Completar Quadrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.4.4 Divisão de Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.4.5 Divisão de um Polinômio por um Outro da Forma ax + b . 29
1.5 Equações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.5.1 A Equação do Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.5.2 Equações do Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.5.3 Equações Exponenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
1.6 Inequações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.6.1 Inequação do Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.6.2 Resolução de Inequação . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
1.6.3 Inequação do Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . 37
1.6.4 Inequação-Produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
1.6.5 Inequação-Quociente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

2 Trigonometria 41
2.1 Sistema de coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.1.1 Segmento Retilı́neo Orientado . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.1.2 Reta Orientada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.1.3 Coordenadas no eixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.1.4 Distância entre dois pontos no eixo . . . . . . . . . . . . 43
2.1.5 Coordenadas no Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.1.6 Distância entre dois pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.1.7 Representação de figuras no plano . . . . . . . . . . . . . 46
2.2 Ângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.2.1 Medidas de Ângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.3 Introdução à trigonometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.4 Secante-cossecante-cotangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.5 Identidades trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.6 Cı́rculo Trigonométrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
2.6.1 Tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tangente para os ângulos
notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.8 Soma e subtração de arcos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

3 Funções 78
3.1 Construindo o conceito de função . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
3.2 O conceito de função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

5
3.3 Domı́nio, Contradomı́nio e Imagem . . . . . . . . . . . . . . . . 83
3.3.1 Estudo do Domı́nio de uma Função . . . . . . . . . . . . 85
3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora . . . . . . . . . . . . . . . 86
3.5 Função Par e Função Ímpar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
3.6 Funções crescentes, decrescentes e constantes . . . . . . . . . . . 94
3.7 Composição de funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.7.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3.8 Funções inversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.8.1 Ideia intuitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.8.2 Conceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.9 Função Afim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.9.1 Função Identidade: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.9.2 Função Linear: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.9.3 Função Constante: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
3.9.4 Translação da Função Identidade: . . . . . . . . . . . . . 104
3.10 Função Quadrática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.10.1 Coordenadas do vértice da parábola . . . . . . . . . . . . 107
3.10.2 Construindo o gráfico de uma função . . . . . . . . . . . 109
3.10.3 Raı́zes de uma função quadrática e estudo do sinal . . . . 109

4 Funções trigonométricas, exponenciais e logarı́tmicas 112


4.1 Função exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
4.2 Equações Exponenciais: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
4.3 Gráficos Exponenciais: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
4.3.1 Montando o gráfico de funções exponenciais . . . . . . . 116
4.4 Inequações exponenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
4.5 O Logaritmo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
4.5.1 Logaritmo de um número . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
4.5.2 Gráficos da função logarı́tmica . . . . . . . . . . . . . . . 122
4.6 Funções Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
4.6.1 Funções trigonométricas inversas . . . . . . . . . . . . . 126

5 Matrizes 127
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
5.2 Tipos Especiais de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
5.3 Operações com Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
5.4 Matrizes Escalonadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.5 Operações Elementares sobre as linhas de uma Matriz . . . . . . . 135

6
7

5.6 A inversa de uma Matriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

6 Determinantes 141
6.1 Como calcular determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
6.2 Propriedades dos determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
6.3 Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

7 Sistemas de Equações Lineares 150


7.1 Equações lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
7.2 Sistemas e Equações Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
7.3 Sistemas e Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
7.4 Resolução de um Sistema de Equações Lineares . . . . . . . . . . 153
7.5 Discussão sobre os tipos de soluções de um sistema de equações
lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
7.6 Regra de Cramer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
7.7 Lista de exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

Referências 163
CAPÍTULO 1

Temas Básicos da Álgebra

Vamos, nesse capı́tulo, recordar alguns dos principais temas de álgebra. Tais
temas serão cruciais para a sequência deste trabalho, bem como para qualquer
disciplina com enfase na área de exatas.

1.1 Números Reais


1.1.1 Uma breve introdução
Boa parte da linguagem utilizada nos vários ramos da Matemática foi influen-
ciada, durante o século XX, pela Teoria dos Conjuntos, definida a seguir.
Definição 1.1.1. Chamamos de conjunto um agrupamento de elementos com ca-
racterı́sticas determinadas, ou sucintamente, uma coleção qualquer de objetos.
Cada item dentro de um conjunto é chamando de elemento desse conjunto.
Exemplo 1.1.2. Conjunto dos números primos P = {2, 3, 5, 7, . . .}.
Exemplo 1.1.3. Conjunto das estações do ano A = {primavera, verão, outono,
inverno}.
Pode-se observar, através desses exemplos, que o número 2 é um elemento do
conjunto P e “verão” é um elemento do conjunto A.
1.1 Números Reais 9

Vale lembrar que existe uma regra para a escrita dos conjuntos, onde deve-se
seguir uma notação, usando letras maiúsculas para o nome do conjunto e letras
minúsculas para os elementos que estão dentro das chaves.
Os conjuntos podem ser finitos ou infinitos:

Exemplo 1.1.4. Conjunto dos números inteiros entre o 4 e o 20 é um conjunto


finito.

Exemplo 1.1.5. Conjunto dos números pares é um conjunto infinito.

A partir de agora, sabendo a definição e os conceitos de conjunto, pode-se


estudar de forma mais aprofundada estes conceitos, onde entram os conjuntos
numéricos.

1.1.2 Conjunto dos Números Naturais


Com a evolução do homem, surgiu a necessidade de contar objetos, animais,
pessoas e com o passar dos anos foi se desenvolvendo a simbologia surgindo os
primeiros números, usados até os dias atuais. São denominados Números Natu-
rais, tendo como notação N, e é representado da seguinte forma:
N = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, . . .} Conjunto dos Números Naturais
N∗ = {1, 2, 3, 4, 5, 6, . . .} Conjunto dos Números Naturais sem o zero

1.1.3 Conjunto dos Números Inteiros


Com a evolução ocorrendo, foram surgindo perguntas como: o que seria o
oposto de algo positivo? Foi então que os números com sinais começaram a
ser usados. Criou-se então o conjunto dos Números Inteiros, que é composto
por números positivos e negativos, com exceção das fações (decimais). Possui a
notação Z, e representação:
Z = {. . . , −4, −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, 4, . . .} Números Inteiros negativos, o
número zero e os Números Inteiros positivos.
Z+ = {0, 1, 2, 3, 4, . . .} Conjunto dos números Inteiros não negativos.
Z− = {. . . , −4, −3, −2, −1, 0} Conjunto dos números Inteiros não positivos.
Z∗ = {. . . , −4, −3, −2, −1, 1, 2, 3, 4, . . .} Conjunto dos números Inteiros sem
o zero.
1.1 Números Reais 10

1.1.4 Conjunto dos Números Racionais


Foram várias as questões enfrentadas pelo homem de como usar os números
dentro da sociedade, e uma das principais foi a necessidade de dividir as “coisas”
em partes iguais. Surgiu então os Números Racionais é o conjunto dos números
inteiros com a adição de decimais finitos e dı́zimas periódicas. Tem como notação
Q e possui algumas regras:
O conjunto contém qualquer número que possa ser escrito como a razão de
dois números inteiros, na forma ab onde b 6= 0, isto é: Q={ ab | a, b ∈ Z e b 6= 0}
(Lê-se: a dividido por b tal que a e b pertencem ao conjunto dos números inteiros
e b diferente de zero).
Observação:
• O número 12 pode ser escrito na notação decimal como 0, 5, ou seja, apesar
de não estar na notação aa , 0, 5 é um Número Racional.
• A dı́zima periódica 0, 33333333 . . . é um Número Racional, pois pode ser
representada por sua fração geratriz que é 13 . Lembre-se que dı́zima periódica
é uma sequência que se repete infinitamente.
• O Número Racional 36 representa o inteiro 2, logo qualquer número inteiro
pode ser representado na forma de um Número Racional.

1.1.5 Conjunto dos Números Irracionais


Os números irracionais são aqueles que não podem ser representados por uma
fração. O surgimento desses números veio de um antigo problema que Pitágoras
se recusava a aceitar, que era o cálculo da √ diagonal de um quadrado, cujo lado
mede uma unidade, diagonal essa que mede 2 2. Esse número deu inı́cio ao estudo
de um novo conjunto, representado pelos números irracionais.
Temos como exemplos de números irracionais:
• π = 3, 14159265358 . . . Número Pi, constante de Arquimedes.
• ϕ = 1, 61803398 . . . Número áureo ou número de ouro.
• e = 2, 7182818 . . . Constante de Euler.

1.1.6 Conjunto dos Números Reais


A união do conjunto dos números Racionais com o conjunto dos números Irra-
cionais resulta num conjunto numérico chamado de conjunto dos números Reais,
cuja notação é R.
1.1 Números Reais 11

Para melhor compreensão do significado do conjunto dos números reais, pode-


se representa-lo como uma linha reta, onde entre cada número racional há um
número irracional, formando uma linha contı́nua infinita.

1.1.7 Relação de Pertinência


A relação de pertinência indica se um elemento pertence ou não a um determi-
nado conjunto.
Considerando A = {0, 1, 2, 3, 4, 5}, temos que:

• 2 ∈ A: O elemento 2 pertence ao conjunto A.

• 8 6∈ A: O elemento 8 não pertence ao conjunto A.

Dica: Um elemento só pertence a um conjunto se ele é visı́vel ou listado no


conjunto.

1.1.8 Relação de Inclusão


A relação de inclusão indica se um determinado conjunto está ou não contido
em um outro conjunto.
Se todos os elementos de um conjunto pertencem a outro conjunto, então o
primeiro está contido no segundo. Basta um dos elementos do primeiro conjunto
não pertencer ao segundo para que o primeiro conjunto não esteja contido no
segundo.
Considerando A = {0, 1, 2, 3, 4, 5}, B = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10}, C =
{−3, −2, −1, 0, 1} e D = {−2, −1, 1, 2, 3}.

• A ⊂ B: O conjunto A está contido no conjunto B.

• C * D: O conjunto C não está contido no conjunto D.

• B ⊃ A: O conjunto B contém o conjunto A.

• C + D: O conjunto C não contém o conjunto D.


1.1 Números Reais 12

1.1.9 Conjunto Vazio e Conjunto Unitário


Um conjunto vazio é um conjunto que não possui elementos. Para representar
o conjunto vazio usamos: {} ou Ø.
Observação: Quando os sı́mbolos {} ou Ø aparecerem dentro de um con-
junto, o conjunto vazio deverá ser considerado um subconjunto do conjunto que
ele está incluso.

Exemplo 1.1.6. A = Ø, 1, 2, 3 é correto afirmar que para o conjunto A, Ø ∈ A,


pois Ø é um elemento do conjunto A.

Observação: A ∈ A significa que um conjunto é subconjunto dele mesmo. Já


o conjunto unitário é o conjunto que possui apenas um elemento.

1.1.10 Igualdade de Conjuntos


Dois ou mais conjuntos são iguais quando possuem os mesmos elementos, e
em qualquer ordem, sendo que elementos iguais num mesmo conjunto serão con-
siderados apenas uma vez.

Exemplo 1.1.7. Podemos afirmar que A = {a, b, c} = {c, b, a} = {a, a, a, b, b, c}

Simbolicamente, a igualdade entre conjuntos é definida como:

A = B ←→ A ⊂ B e B ⊂ A

1.1.11 Operações com Conjuntos


É possı́vel realizar operações entre dois ou mais conjuntos, são elas:
a) União: A união de dois conjuntos A e B é o conjunto de todos os elementos
pertencentes a A ou B ( e é representada por ∪).

Exemplo 1.1.8. Considerando A = {1, 2, 3}; B = {2, 3, 4} temos que A ∪ B =


{1, 2, 3, 4}.

b) Interseção: A interseção de dois conjuntos A e B é o conjunto formado


pelos elementos comuns entre A e B (e é representada por ∩).

Exemplo 1.1.9. Considerando A = {1, 2, 3}; B = {2, 3, 4} temos que A ∩ B =


{2, 3}.
1.2 Fatoração 13

c) Diferença: A diferença entre dois conjuntos A e B é o conjunto formado


pelos elementos pertencentes a A e não pertencentes a B (e é simbolizada por −).

Exemplo 1.1.10. Considerando A = {1, 2, 3}; B = {2, 3, 4} temos que A − B =


{1}.

Exercı́cios Propostos

(1) Para praticar os temas estudados, resolva os seguintes exercı́cios:


a) Dados os conjuntos A = {0, 1, 2, 3, 4, 5}, B = {4, 5, 6, 7} e C =
{4, 5, 6, 8}, descubra o resultado de: (A − C) ∩ (B − C).
b) Dados os conjuntos C = {15, 25, 30, 35} e D = {15, 25, 40, 50}, obte-
nha (A ∪ B).

1.2 Fatoração
1.2.1 Números Primos
Sejam d e n elementos de Z. Dizemos que d é um divisor de n em Z, se existe
b ∈ Z tal que n = db.
Dizemos que um inteiro p é um número primo de Z se p 6= ±1 e os únicos
divisores de p são ±1 e ±p.
Observe que esta definição de número primo é equivalente a seguinte: p ∈ Z é
um número primo se p 6= ±1 e toda vez que p = ab, com a, b ∈ Z, então a = ±1
ou a = ±p. Os primeiros primos, em ordem crescente, são: 2, 3, 5, 7, 11, 13, . . . .

Exemplo 1.2.1. Mostre que o número 13 é um número primo.


Resolução: O número 13 pode ser escrito como o produto de ±1 com ±13

p=a×b
13 = 13 × 1
13 = −13 × −1
13 = 1 × 13
13 = −1 × −13
e em todos os casos, a = ±1 ou a = ±p = 13. Portanto, 13 é um número primo.
1.2 Fatoração 14

Exemplo 1.2.2. Mostre que 6 não é um número primo.


Resolução: O número 6 pode ser escrito como:

6=2×3
onde a 6= ±1 e a 6= ±6. Portanto, 6 não é um número primo.

1.2.2 Decomposição em Fatores Primos


Os primos tornam-se cada vez mais raros, à medida que vamos considerando
números naturais cada vez maiores. Mesmo assim, a lista de primos é infinita; isto
é, existem infinitos números primos.
Todo número natural, exceto 1, ou é primo ou pode ser decomposto em fatores
primos. Por exemplo, considere o número natural 94.860 que obviamente não é
primo, pois
94.860 = 10 × 9.486.
Além do mais, 9486 é divisı́vel por 2, por 3 e também por 9. Portanto, pode-
mos escrever

94.860 = 10 × 2 × 9 × 527 = 2 × 2 × 3 × 5 × 527.

Se 527 fosse primo, a expressão acima seria a decomposição de 94.860 em


fatores primos. Mas 527 não é um número primo, porque 527 = 17 × 31. Assim,
a decomposição em fatores primos será:

94.860 = 2 × 2 × 3 × 3 × 5 × 17 × 31.

Note que começamos com um número particular 94.860, mas o processo con-
tinuaria funcionando qualquer que fosse o número natural n de partida. Pois, ou
n é primo, ou não é. Se não for, poderá ser decomposto em um produto de dois
números menores, digamos a e b, tais que n = ab. Cada um dos números a e
b, por sua vez, ou é primo ou pode ser decomposto em um produto de números
menores. Continuando este processo, n ficará completamente decomposto em um
produto de fatores primos.

1.2.3 Fatoração de Expressões Algébricas


As expressões algébricas também podem ser fatoradas. Para tanto, basta en-
contrarmos outras expressões que, multiplicadas, resultem nas expressões dadas.
1.3 Potenciação 15

Exemplo 1.2.3. 5y + 10x = 5(y + 2x)


Exemplo 1.2.4. 25ab2 − 10a2 b = 5ab(5b − 2a)
Exemplo 1.2.5. v 2 + 2v + 1 = (v + 1)2
Algumas fatorações são bastante comuns no cálculo algébrico e são conheci-
das por produtos notáveis:

Tabela 1.1: Produtos Notáveis

Produto da soma pela diferença (a + b)(a − b) = a2 − b2


Quadrado da soma (a + b)2 = a2 + 2ab + b2
Quadrado da diferença (a − b)2 = a2 − 2ab + b2
Cubo da soma (a + b)3 = a3 + 3a2 b + 3ab2 + b3
Cubo da diferença (a − b)3 = a3 − 3a2 b + 3ab2 − b3

1.3 Potenciação
1.3.1 Definição e Propriedades
Seja a um número real diferente de zero (R∗ ) e n um número natural maior
que zero. Definimos an como sendo o produto de a por ele mesmo n vezes, ou
seja:
an = a.a.a
| {z. . . a}
nf atores

Denominamos a de base e n de expoente.


Exemplo 1.3.1. 25 = |2.2.2.2.2
{z } = 32
5f atores

Exemplo 1.3.2. (3, 9)3 = (3, 9).(3, 9).(3, 9) = 59, 319


Devemos nos atentar para o seguinte fato: se a for um número negativo e
n um número natural par, o resultado da n-ésima potência de a será um número
positivo. Para o caso de n natural e ı́mpar, a n-ésima potência de a será um número
negativo. Para exemplificação, veja os exemplos a seguir.
Exemplo 1.3.3. (−3)2 = (−3).(−3) = 9
1.3 Potenciação 16

Exemplo 1.3.4. (−3, 7)3 = (−3, 7).(−3, 7).(−3, 7) = −50, 653.


Quando n é um número par, devemos notar que

(−a)n 6= −an ,

pois
(−a)n = (−a).(−a).(−a) . . . (−a),
| {z }
nf atores
−an = − a.a.a
| {z. . . a} .
nf atores
Agora, se n é um número impar, podemos afirmar que (−a)n 6= −an ? Deixa-
mos ao leitor esta verificação.
Exemplo 1.3.5. (−2)2 6= −22 , pois (−2)2 = (−2).(−2) = 4 e −22 = −4.
Nos casos a seguir, estaremos considerando a como sendo um número real
positivo. Dado um número inteiro n > 0, a potência an é definida como o produto
de n fatores iguais ao número a, isto é:

an = a.a.a
| {z. . . a} .
nf atores

Desta forma, temos válida a seguinte propriedade fundamental:


Propriedade 1.3.6. an .am = an+m onde n, m ∈ N∗ .
Demonstração: Para demonstrar essa propriedade, sejam n e m ∈ N∗ . Então,

an .am = a.a.a
| {z. . . a} . |a.a.a{z. . . a}
nf atores mf atores

Logo, temos a multiplicando por ele mesmo ”n + m vezes”, ou seja,

an .am = an+m ,

e isto finaliza a demonstração.

Importante: Se quisermos definir a0 de modo a manter válida a propriedade


fundamental, devemos convencionar

a0 = 1,
1.3 Potenciação 17

a fim de termos a0 .an = a0+n = an .


Observação: Note que ao definirmos potências de números reais, nos restin-
gimos aos reais positivos. No entanto, tal definição pode ser facilmente estendida
para números reais negativos. No caso em que n é um número natural não nulo,
podemos inclusive calcular potências de zero, isto é,
0n = |0.0.{z
· · · .0} = 0.
nf atores

Porém, se a base é o número real nulo e o expoente também é nulo, não pode-
mos dar uma resposta conclusiva ao que denotarı́amos por 00 .
Estendendo a noção de potêcia aos expoentes negativos de modo a manter a
validez da propriedade fundamental, devemos ter:
an .a−n = an+(−n) = a0 = 1.
Assim, a única maneira de definirmos a−n a fim da propriedade fundamental
continuar válida é que:
1
a−n = n .
a
Uma consequência direta da propriedade acima é que
an
= an−m ,
am
com a ∈ R∗ , n e m ∈ Z.
Exemplo 1.3.7. 22 .23 = 22+3 = 25 = 32
Exemplo 1.3.8. 2−1 .22 = 2−1+2 = 21 = 2
35
Exemplo 1.3.9. 32
= 35−2 = 33 = 27
Dando continuidade, a propriedade fundamental vale para um número finito
de expoentes inteiros, ou seja:
am .an .ap .aq .ar = am+n+p+q+r ,
onde m, n, p, q, r ∈ Z.
Agora, consideremos todos os expoentes iguais a n, n ∈ Z e tomemos o pro-
duto de m fatores iguais a an . Então,
mf atores
z }| {
n n n n n+n+···+n
a
| .a .a .
{z · · · .a } = a = an.m .
mf atores
1.3 Potenciação 18

Mas, pela definição de potência de m, onde m ∈ N∗ , obtemos que


(an )m = a n n n
| .a .{z· · · .a} .
mf atores

Portanto (an )m = an.m , onde n ∈ Z e m ∈ N∗ .


A propriedade acima é facilmente estendida para m, n ∈ Z. Pois se m = 0,
do fato que a 6= 0 decorre que (an )0 = an.0 = a0 . Se m < 0 temos que m =
−k, k ∈ N∗ , assim:
1 1
(an )m = (an )−k = n k
= nk = a−(nk) = an(−k) = an.m .
(a ) a
Sendo assim, temos válida a seguinte propriedade:
Propriedade 1.3.10. (an )m = an.m onde n, m ∈ Z.
Outras propriedades de potenciação, envolvendo o produto e a divisão de a ∈
R por um número b ∈ R∗ são dadas a seguir:

Propriedade 1.3.11. (a.b)n = an .bn onde n ∈ Z.


Demonstração: Seja n ∈ Z. Então, pela definição de potenciação, se n > 0,
(a.b)n = (a.b).(a.b).(a.b) . . . (a.b) .
| {z }
nf atores

Como a ordem dos fatores não altera o resultado, podemos escrever


(a.b)n = (a.a.a . . . a) . (b.b.b . . . b) = an .bn .
| {z } | {z }
nf atores nf atores

Note que escolhemos n ∈ Z. Então, para o caso dele ser negativo, devemos
acrescentar a esta propriedade de acordo com a definição de expoentes negativos.
Seja m < 0 então m = −k, com k ∈ N:
1 1 1
(a.b)m = (a.b)−k = k
= k . k = a−k .b−k = am .bm .
(a.b) a b
Se k = 0, (a.b)0 = 1 = a0 .b0 .
Propriedade 1.3.12. Para n ∈ Z,
 a n an
= .
b bn
1.3 Potenciação 19

Demonstração: Temos que, se n > 0,


nf atores
an
 a n z }| {
a a a a a.a.a . . . a
= . . ... = = n.
b |b b {z
b b} b.b.b
| {z. . . }b b
nf atores nf atores

Se n = 0, então a afirmação é natural (verifique!!). Da mesma forma, para o caso


em que m < 0, m = −k precisamos reescrever de acordo com a definição de
expoentes negativos, isto é:
 a m  a −k 1 1 bk −k 1 a−k am
= = = = = a . = = .
b b a k ak a k b −k b −k b m

bk
b

Exemplo 1.3.13. Calcule aproximadamente quanto vale a aceleração da gravi-


dade através da Lei da Gravitação Universal de Newton:
M.m
F =G .
r2
Resolução: (Estamos interessados somente no valor numérico da aceleração
da gravidade, por isso, não nos preocuparemos com a direção e o sentido da força).
Sabemos que a força peso é dada por F = m.g. Igualando-a com a expressão da
força gravitacional acima:
M.m
F = m.g = G ,
r2
ou seja,
M
g=G .
r2
Aqui estamos considerando:
• G ' 6, 67.10−11 N.m2 /kg 2 , e é conhecida como constante gravitacional;

• M ' 5, 98.1024 kg, a massa da Terra;

• r ' 6, 37.106 m, o raio médio da Terra.


Substituindo os valores dados obtemos que,
(6, 67.10−11 ).(5, 98.1024 )
g' .
(6, 37.106 )2
1.3 Potenciação 20

Podemos reescrever a expressão anterior da seguinte forma:

(6, 67).(5, 98) 10−11 .1024


g' . .
(6, 37)2 (106 )2
Pela Propriedade 1.3.10 obtemos que

(6, 67).(5, 98) 10−11 .1024


g' . .
(6, 37)2 106.2
Pela definição de expoentes negativos,
(6, 67).(5, 98) −11 24 −12
g' .10 .10 .10 .
(6, 37)2
Agora, pela Propriedade 1.3.6
(6, 67).(5, 98) −11+24−12
g' .10 .
(6, 37)2

(6, 67).(5, 98) 1


g' .10 .
(6, 37)2
Por fim, resolvendo as demais operações temos que
39, 887 398, 87
g' .10 = .
40, 577 40, 577
e portanto, a aceleração gravitacional próximo a superfı́cie da Terra vale

g ' 9, 83m/s2 .

Exemplo 1.3.14. Simplifique a seguinte expressão


 a n  an m  an+m   a3m   a3n+4m 0
A= . n . . −2n+m . .
b b b2n b b3n
Resolução:
an an.m an+m a3m a(3n+4m).0
A= . . . .
bn bn.m b2n b−2n+m b3n.0
an .an.m .an+m .a3m .a(3n+4).0
A=
bn .bn.m .b2n .b−2n+m .b3n.0
1.3 Potenciação 21

an .an.m .an+m .a3m .a0


A=
bn .bn.m .b2n .b−2n+m .b0
an+nm+n+m+3m+0
A=
bn+nm+2n−2n+m+0
a2n+nm+4m
A= .
bn+nm+m
Exercı́cios Propostos

(2) Simplifique as expressões abaixo:


2
a) ( 43 )2 .( 35 ).( 45 )3
b) ( 13 )4 .( 13 )−3 .( 13 )−2 .( 312 )−3
c) ( 25 ).( 25 )2 .( 52 )2
2 4 3 2
d) ( ac.d.b3 )3 .( ca.b.d2 )5
e) (− ab )3 .( ab )−4 .( dc )5 .(− dc )−6 .( dc )2 .( ad )3 .( cb )−2
f) (a)−2 .(−b)−2 .(a)2 .(b)4 .(−a)2 .(ab)−5

1.3.2 Raiz n-ésima de um número


Dando continuidade, estendenderemos a noção de potência de um número real
a > 0 de modo a incluir expoentes racionais, ou seja, aqueles escritos na forma
n = pq , onde p e q ∈ Z e q > 0 (ou seja, q ∈ N∗ ). Além disso, queremos dar essa
definição de modo a manter as propriedades anteriores válidas.
Vamos começar com o seguinte resultado: dados a ∈ R, a > 0, e n ∈ N∗
quaisquer, existe um único número real b, também positivo, tal que

bn = a.

O número b é chamado a raı́z n-ésima de a e é representado pelo sı́mbolo



b = n a.

Observação: Note que por meio da definição anterior fica evidente que qual-
quer
√ raiz de um √ número positivo
√ é positiva
√ é sempre positiva. Desta forma,
4 = 2 e não 4 = ±2, e 9 = 3 e não 9 = ±3.
1.3 Potenciação 22

Observe também que nos exemplos anteriores, o ı́ndice da raiz foi omitido.
Nesse caso, ele vale 2, ou seja,

2

a = a.

A definição acima considera a > 0 pois estamos com valores de n que podem
ser pares ou ı́mpares e, no conjunto dos números reais, sabemos que não existe a
raiz n-ésima de a, quando a < 0 e n é um número par.

No entanto, se a < 0 e n é impar temos que n a está bem definida e seu
resultado é um número negativo. Por exemplo:

Exemplo 1.3.15. 3 −27 = −3.

Exemplo 1.3.16. 5 −32 = −2.

Retornemos ao nosso intuito de definir potências racionais. Como queremosp


que as propriedades anteriores sejam válidas, seja como for que definamos a q
onde a ∈ R, com a > 0 e p e q ∈ Z com q > 0, devemos ter
 p q p
a q = a( q ).q = ap .
p √
Logo, a q = q ap .
Em particular, se fizermos p = 1, teremos:
1 √
q
aq = a.
2 √
3

Exemplo 1.3.17. 2 3 = 22 = 3 4.
3 √2

Exemplo 1.3.18. 16 2 = 163 = 4096 = 64.
2 p
Exemplo 1.3.19. (−27) 3 = 3 (−27)2 = 9.

Observe ainda que podemos escrever


p √
q
p
aq = a .

Isso pode facilitar alguns cálculos. Considere os exemplos anteriores:


3 √2

Exemplo 1.3.20. 16 2 = 163 = ( 16)3 = 43 = 64.
2 √
Exemplo 1.3.21. (−27) 3 = ( 3 −27)2 = (−3)2 = 9.
1.3 Potenciação 23

Propriedade 1.3.22. Para m, n ∈ Z,

an .am = an+m .
p
Demonstração. Seja a ∈ R tal que a > 0 e sejam n = q
e m = uv , onde p, q, u e
v ∈ Z e q e v > 0. Então, ainda vale a propriedade

an .am = an+m .
p u
Sabemos que (an )q = (a q )q = ap e (am )v = (a v )v = au . Logo,

(an .am )qv = (an .am ).(an .am ) . . . (an .am ) = (an .an . . . an ) . (am .am . . . am )
| {z } | {z } | {z }
qvf atores qvf atores qvf atores

p u
= (an )qv .(am )qv = (a q )qv .(a v )qv = apv .auq
Como pv e uq ∈ Z, temos que apv .auq = apv+uq . Assim, (an .am )qv = apv+uq
e portanto, an .am é o número cuja qv-ésima potência vale apv+uq , ou seja,
pv+uq
an .am = a qv .

Como
pv + uq pv uq p u
= + = + = n + m,
qv qv qv q v
obtemos
an .am = an+m .

Propriedade 1.3.23. Se p, q ∈ Z e q > 0 então


p p p
(ab) q = a q b q .

Demonstração.
p
[(ab) q ]q = (ab)p = ap .bp ; a, b > 0; p, q ∈ Z; q > 0 (1.1)

Por outro lado, p


(a q )q = ap

p
(b q )q = bp
1.3 Potenciação 24

Daı́, tiramos:
p p
(a q )q .(b q )q = ap .bp
O que resulta em:
p p
[a q .b q ]q = ap .bp (1.2)
De 1.1 e da definição de raiz q-ésima:

q p
ap .bp = (ab) q

De 1.2 e da definição de raiz q-ésima:



q p p
ap .bp = a q .b q
p p p
Logo, (ab) q = a q .b q , ou ainda podemos escrever:
p √ √ q
q
(ab)p = q ap . bp .

Observação: Notemos que propriedade anterior mostra que a raiz q-ésima do


produto de dois números reais positivos é igual ao produto das raı́zes q-ésimas de
cada um deles. Para facilitar, considere os seguintes exemplos:
√ √ √ √ √
12 = 4.3 = 4. 3 = 2 3
√3

3
√3
√3
√3
54 = 27.2 = 27. 2 = 3 2

Exemplo 1.3.24. Encontre quanto vale a na expressão


5 2 √ √ 3 1
15a 3 = 3 3 .( 3). 27.5 9 .

Resolução:
5 2 1 1 2 1 1
15a 3 = 3 3 .3 2 .31 .5 9 = 3 3 + 2 +1 .5 9
5 13 1
15a 3 = 3 6 .5 9 e dividindo esta igualdade por 15 obtemos
13 1 13 1
5 3 6 .5 9 3 6 .5 9
a =
3 =
15 3.5
5 13 1 13 1
a 3 = 3 6 .5 9 .3−1 .5−1 = 3 6 −1 .5 9 −1
1.3 Potenciação 25

5 7 −8 3
a 3 = 3 6 .5 9 e elevando a igualdade por obtemos
5
5 3 7 −8 3
(a 3 ) 5 = (3 6 .5 9 )5

15 21 −24 7 −8
a 15 = a1 = 3 30 .5 25 = 3 10 .5 15

7
3 10
a= 8 .
5 15
√ 2 3
Exemplo 1.3.25. Encontre o valor de b em ( 5 2b)2 .b3 = 2 3 .4 10 .
Resolução:
2 2 3 2 6
(2b) 5 .b3 = 2 3 .(22 ) 10 = 2 3 .2 10

2 2 2 6 19
2 5 .b 5 .b3 = 2 3 + 10 = 2 5

2 17 19 2
2 5 .b 5 = 2 5 e dividindo esta igualdade por 2 5 obtemos

19
17 25 19 −2
b 5 = 2 = 2 5 .2 5

2 5

17 19 2 17 5
b 5 = 2 5 − 5 = 2 5 e elevando a igualdade por obtemos
17
17 5 17 5
(b 5 ) 17 = (2 5 ) 17
Logo b = 2.

m √
2n
a
Exemplo 1.3.26. Simplifique 2n√a.b . m√2a
b
.
Resolução:
√ √ r r r r
m
a 2n 2a a 2n 2a a 2n 2

m

. 2n = m
. = m . .
b a.b b a.b b b
1.4 Polinômios 26

√ √ √ 4
a. b. 3 a.b
Exemplo 1.3.27. Simplifique √
3 a
√ √
3
b
. a. b
Resolução:
√ √ √ √ √ √ √ r√ q
3
a. b. 4 a. 4 b 3
a. 4 a 4
a√ √ 4 a √
√3a √ √ = √ √ = √ . b. b = . b. b.
√3 . a. 3
b
3
a. a a a
b

Exercı́cios Propostos

(3) Simplifique as expressões abaixo:


p √
a) n ab . n a.b
√ √ √
n a. m a. n ab
b) √
m
a.b

(4) Encontre o valor de a nas expressões a seguir:


√ 1 2
a) 3 5a.3a2 = 5 3 .2 3
1 2 1 2
b) a 9 = 4 3 .7 5 .2a 7
4 2 1
c) a 3 .7a = 5 3 .7 6

Na quase totalidade dos livros de Matemática utilizados no Ensino Médio,


este seria o momento de se definir o logaritmo de um número x > 0, na base a.
No entanto, para que tal definição seja consistente, necessitamos explicar satisfa-
toriamente o que é uma potência com expoente irracional. Em outras palavras,
deverı́amos √ser capazes de responder a seguinte pergunta: O que significa, por
exemplo, 10 2 ?

1.4 Polinômios
1.4.1 Expansão Polinomial de um Número
O número 4.532 pode ser escrito como uma soma de milhares, centenas, de-
zenas e unidades, isto é:

4532 = 4 × 103 + 5 × 102 + 3 × 101 + 2 × 100

De maneira análoga, qualquer número natural pode ser representado sob a


forma:
an 10n + an−1 10n−1 + . . . + a2 102 + a1 101 + a0 100
1.4 Polinômios 27

em que n ∈ Z e cada um dos coeficientes an , an−1 , . . . , a0 é um número natural


menor que 10. Essa representação é chamada de expansão polinomial de um
número natural.
Vamos ampliar essa ideia. Toda expressão da forma

P (x) = a0 + a1 x + a2 x2 + . . . + am xm + . . . ,

onde ai ∈ R, ∀i ∈ N e ∃ n ∈ N tal que aj = 0; ∀j > n é denominada polinômio


sobre R em uma indeterminada x.
Observação: Se an 6= 0 e aj = 0; ∀j > n, dizemos que n é o grau do
polinômio P (x), que representamos por n = gr (P ) e indicamos P (x) = a0 +
a1 x + a2 x2 + . . . + an xn .

1.4.2 Valor Numérico


O valor numérico de um polinômio P (x), para x = a, é o número que se obtém
substituindo x por a e efetuando todas as operações indicadas pela expressão que
define o polinômio.
Exemplo 1.4.1. Se P (x) = x3 + 2x2 − x − 1, o valor numérico de P (x), para
x = 2 é: P (2) = 23 + 2.22 − 2 − 1 = 13
Observação: Se P (a) = 0, o número a é denominado raiz ou zero de P(x).
No polinômio P (x) = x2 − 5x + 6, temos P (2) = 0, logo 2 é uma raiz ou zero
deste polinômio.

1.4.3 Completar Quadrado


Exemplo 1.4.2. Considere o polinômio x2 + 5x + 4.
Queremos escrever esse polinômio na forma:

(x + a)2 + b.

Inicialmente, comparamos os dois polinômios

x2 + 5x + 4 e x2 + 2ax + a2 + b.

Para que eles sejam iguais, devemos ter que:


5
2a = 5 ⇒ a =
2
1.4 Polinômios 28

25 9
a2 + b = 4 ⇒ b = 4 − =−
4 40
Portanto,  2
2 5 9
x + 5x + 4 = x + − .
2 4
Exercı́cios Propostos

(5) Complete o quadrado do polinômio x2 + 6x + 10 como foi feito anterior-


mente.

1.4.4 Divisão de Polinômios


Sejam dois polinômios A(x) e B(x), com B(x) 6= 0. Efetuar a divisão de A(x)
por B(x) é determinar dois polinômios Q(x) e R(x) que satisfaçam as seguintes
condições:

(i) Q(x)B(x) + R(x) ≡ A(x);

(ii) gr (R) < gr (B) ou R(x) = 0.

Temos que A(x) é o dividendo, B(x) é o divisor, Q(x) é o quociente, R(x) é


o resto da divisão.
Observação: Quando A(x) é divisı́vel por B(x) ou B(x) é divisor de A(x),
dizemos que a divisão é exata, isto é, R(x) = 0.

Exemplo 1.4.3. Vamos dividir A(x) = x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 por B(x) =


x2 + 3x − 2.

Começamos dividindo x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 por x2 + 3x − 2 assim como

fazemos com divisão entre números:

x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 x2 + 3x − 2
. .
− x4 − 3x3 + 2x2 .. .. x2
0 − 2x3 − 5x2 + 9x − 1
1.4 Polinômios 29

em seguida utilizamos o mesmo processo para o polinômio −2x3 − 5x2 + 9x − 1:


x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 x2 + 3x − 2
. ..
− x4 − 3x3 + 2x2 .. . x2 − 2x
−2x3 − 5x2 + 9x − 1
.
2x3 + 6x2 − 4x ..
0 + x2 + 5x − 1
e continuamos o processo até o resto zerar ou se tornar um polinômio com o grau
menor do que o grau do divisor:
x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 x2 + 3x − 2
. ..
− x4 − 3x3 + 2x2 .. . x 2
| − {z
2x + 1}
3 2
−2x − 5x + 9x − 1 Q(x)
3 2 ..
2x + 6x − 4x .
0 + x2 + 5x − 1
−x2 − 3x + 2
0 + 2x + 1}
| {z
R(x)
Dessa forma podemos escrever:
A(x) = (x2 − 2x + 1)B(x) + (2x + 1).

1.4.5 Divisão de um Polinômio por um Outro da Forma ax + b


Calculemos o resto da divisão de P (x) = 4x2 − 2x + 3 por B(x) = 2x − 1.
Dividindo P (x) por B(x) temos que o resto é R(x) = 3.
A raiz do divisor é: 2x − 1 = 0 ⇒ x = 21 .
Calculemos, agora, P (x) para x = 12 .
 
1 1 1
P = 4. − 2. + 3 = 3.
2 4 2
Observe que R(x) = P 12 = 3.


No exemplo desenvolvido, mostramos que o resto da divisão do polinômio


4x − 2x + 3 por 2x − 1 é igual ao valor numérico de P (x), para x = 12 , que é a
2

raiz do divisor.
Este é um exemplo de uma regra geral, enunciada a seguir:
1.5 Equações 30

Teorema 1.4.4. (Teorema do Resto) O resto da divisão de um polinômio P (x)


pelo binômio ax + b é igual a P ( −b
a
). Neste caso temos que x = −b
a
é a raiz do
divisor.
O próximo resultado é um importante critério de divisibilidade.
Teorema 1.4.5. (Teorema de D’Alembert) Um polinômio P (x) é divisı́vel pelo
binômio se, e somente se, P ( −b
a
) = 0.
Exemplo 1.4.6. Determine quais são as raı́zes do polinômio:
x3 − 7x2 − 9x − 1.
Resolução: Pelo Teorema do Resto, temos que, se encontrarmos uma raiz do
polinômio, podemos dividir o polinômio por x − a, onde a é uma das raı́zes do
polinômio. Veja que -1 é raiz do polinômio dado, pois
(−1)3 − 7.(−1)2 − 9.(−1) − 1 = 0
Dessa forma, podemos dividir o polinômio por x − (−1), ou seja, x + 1.
Procedendo analogamente a divisão feita no Exemplo 1.4.3, obtemos um po-
linômio de grau dois
x2 − 8x + 1
o qual podemos resolver utilizando a Fórmula de Bhaskara. Obtendo assim as
outras raı́zes do polinômio dado.

Exercı́cios Propostos
(6) Encontre as raı́zes do polinômio x3 − 2x2 − 5x + 6.
(Sugestão: Observe que x = −2 é uma raiz desse polinômio.)

1.5 Equações
Equação é toda sentença matemática aberta que exprime uma relação de igual-
dade. A palavra equação tem o prefixo equa, que em latim quer dizer ”igual”.
Por exemplo, temos:
(a) 2x + 8 = 0 (b) 5x − 4 = 6x + 8 (c) 3a − b − c = 0.
Como contraexemplos, isto é, exemplos de não equações, citamos:
(d) 4 + 8 = 7 + 5 (não é uma sentença aberta)
(e) x − 5 < 3 (não é uma igualdade)
(f) 5 6= −2 (não é sentença aberta, nem igualdade).
1.5 Equações 31

1.5.1 A Equação do Primeiro Grau


Toda equação geral do primeiro grau é da forma ax + b = 0, onde a e b
são números reais e a 6= 0. Ela se resolve de maneira simples: adicionando o
simétrico de b dos dois lados, obtemos:

ax = −b.
1
Multiplicando por a
(dos dois lados), temos a sua solução:

b
x=− .
a
Observe que a solução da equação do primeiro grau ax + b = 0, é a raiz do
polinômio P (x) = ax + b.

Exemplo 1.5.1. Resolva a equação 4x + 8 = 0.

4x = −8;
x = −2.

Exemplo 1.5.2. Resolva o polinômio P (x) = x + 3 para x = 0 e x = 1.

P (0) = 0 + 3;
P (0) = 3.
P (1) = 1 + 3;
P (1) = 4.

1.5.2 Equações do Segundo Grau


Uma equação em “x”é dita ser do segundo grau quando ela pode ser escrita da
forma ax2 +bx+c = 0, onde a, b e c são números reais, com a 6= 0. Resolver uma
equação do segundo grau significa determinar, por processos algébricos, os valo-
res de “x”(raı́zes do polinômio P (x) = ax2 + bx + c), que verificam a igualdade
correspondente à equação. Ou seja, determinar os valores de x que verificam

ax2 + bx + c = 0.
1.5 Equações 32

Multiplicando por 4a em ambos os lados da equação, obtemos:

4a2 x2 + 4abx + 4ac = 0.

Adicionando o simétrico de 4ac em ambos os lados, vem que

4a2 x2 + 4abx = −4ac.

Somando b2 de modo a obtermos o quadrado de uma soma

4a2 x2 + 4abx + b2 = b2 − 4ac

ou seja,
(2ax + b)2 = b2 − 4ac.
Extraindo a raiz quadrada

2ax + b = ± b2 − 4ac

e adicionando o simétrico de b em ambos os lados, temos



2ax = −b ± b2 − 4ac
1
Multiplicando por 2a
, obtemos:

−b ± b2 − 4ac
x= . (1.3)
2a
que é a famosa Fórmula de Bhaskara.
Exemplo 1.5.3. Resolva a seguinte equação: 2x2 + 5x + 3 = 0.
Resolução: Primeiramente, vamos encontrar os coeficientes da equação, ou
seja, os valores de a, b e c.
a=2
b=5
c=3
Agora, aplicamos a Fórmula de Bhaskara, substituindo os coeficientes:

−5 ± 52 − 4 × 2 × 3
x=
2×2

−5 ± 1
x=
4
1.5 Equações 33

−5 ± 1
x= .
4
Como é uma equação de segundo grau, obteremos duas soluções:
−5 + 1
x1 =
4
−4
x1 =
4
x1 = −1.
e
−5 − 1
x2 =
4
6
x2 = −
4
3
x2 = − .
2
Portanto, a solução da equação é S = −1; − 32 .


Agora, analisaremos o significado do valor do delta, que está dentro da raiz na


Fórmula de Bhaskara.
∆ = b2 − 4ac.
Se delta for igual a zero, podemos afirmar que as raı́zes serão iguais, e se for
diferente de zero podemos afirmar que são raı́zes distintas entre si. O delta sendo
diferente de zero, temos duas opções de valores: positivos e negativos. Como o
delta é um radicando, ou seja, está dentro de uma raiz, podemos afirmar que se
for um número negativo as raı́zes serão números complexos não reais, já se for
um número positivo obterá raı́zes reais. Portanto, a classificação do delta fica da
seguinte forma:

• ∆ = 0 → raı́zes reais iguais

• ∆ 6= 0 → raı́zes distintas

• ∆ < 0 → raı́zes complexas

• ∆ > 0 → raı́zes reais.

Exemplo 1.5.4. Classifique as raı́zes das seguintes equações através de seu delta:
1.5 Equações 34

(i) x2 − 3x − 10 = 0
Resolução: ∆ = (−3)2 − 4 × 1 × (−10) = 9 + 40 = 49, como ∆ > 0,
a equação possui raı́zes reais distintas.

(ii) 9x2 − 12x + 4 = 0


Resolução: ∆ = (−12)2 − 4 × 9 × 4 = 144 − 144 = 0, como ∆ = 0, a
equação possui raı́zes reais idênticas.

(iii) 5x2 + 3x + 5 = 0
Resolução: ∆ = 32 − 4 × 5 × 5 = 9 − 100 = −91, como ∆ < 0, a
equação possui raı́zes complexas não reais.

Uma importante relação entre os coeficientes da equação e as raı́zes da equação


é dado a seguir;
Se x1 e x2 são raı́zes da equação ax2 + bx + c = 0, então:
−b
x1 + x2 =
a
c
x1 .x2 =
a

1.5.3 Equações Exponenciais


Equações exponenciais são aquelas onde a incógnita x figura como expoente
de um número real não nulo a, da forma:

ax = b.

Para resolver uma equação exponencial, ou seja, para encontrar um valor para
a variável x tal que a igualdade anterior seja válida, precisamos conhecer as pro-
priedades de potenciação vistas anteriormente, e a decomposição em fatores pri-
mos, vista neste capı́tulo.
1
Exemplo 1.5.5. Determinar x em 3x = 81 .
Resolução:
3x = (81)−1
Decompondo 81 em fatores primos:

81 = 3.3.3.3 = 34
1.5 Equações 35

Substituindo na equação obtemos:

3x = (34 )−1 , e assim

3x = 34.(−1) = 3−4 .
Como as bases são iguais, a igualdade da equação será satisfeita se x = −4.

Exemplo 1.5.6. Resolva 49x = 4 343.
Resolução: Decompondo as bases em fatores primos:

49 = 72 e 343 = 73 .
Então, a equação inicial pode ser reescrita como
√4
(72 )x = 73 , e assim
3
72x = 7 4 .
Como a base é a mesma, a igualdade é satisfeita se 2x = 34 , ou seja, x = 83 .

Em alguns casos, além dos processos mostrados anteriormente, é necessário


fazermos uma mudança de variável na potência onde a base é a incógnita. Veja os
exemplos a seguir:

Exemplo 1.5.7. Resolva 2x−1 + 2x+2 = 36 :


2x
Resolução: Podemos reescrever a equação como 21
+ 2x .22 = 36.
Fazendo a mudança de variável 2x = β, temos:
β
+ β.4 = 36;
2
β + 8β 72
⇒ = ;
2 2

⇒ 9β = 72;

72
⇒β= = 8.
9
Retornando a mudança de variável obtemos que,
1.6 Inequações 36

2x = 8.
Como 8 = 23 , é a decomposição de 8 em fatores primos, temos que 2x = 23 ,
e para que a igualdade seja válida, x = 3.

Exemplo 1.5.8. Resolva a equação 22x − 3.2x + 2 = 0.


Resolução: A equação pode ser reescrita como:

(2x)2 − 3.2x − 2 = 0.

Fazendo 2x = β obtemos que β 2 − 3β − 2 = 0.


Resolvendo esta equação do 2o grau, temos que:
3±1
β= ,
2
e então β1 = 1 e β2 = 2. Assim,

2x = 1 ⇒ 2x = 20 , donde x = 0,
ou

2x = 2 ⇒ 2x = 21 , donde x = 1.

1.6 Inequações
Denominamos de inequação toda sentença matemática aberta por uma desi-
gualdade. Veremos a seguir alguns tipos de inequeção e estudaremos algumas
propriedades interessantes sobre elas.

1.6.1 Inequação do Primeiro Grau


As inequações do primeiro grau com uma variável podem ser escritas numa
das seguintes formas

• ax + b > 0

• ax + b < 0

• ax + b ≥ 0
1.6 Inequações 37

• ax + b ≤ 0,
com a, b ∈ R, (a 6= 0). Estas inequações podem ser resolvidas como as equações
do primeiro grau. Mas, devemos nos atentar para o fato que: se a > b então
−b > −a, onde a, b ∈ R, ou seja, −a < −b. Vejamos a segir um exemplo para
esclarecer todos os pontos abordados acima.
Exemplo 1.6.1. Se 3x ≤ 2, multiplicando a inequação por -1 temos que −2 ≤
−3x, ou seja, −3x ≥ −2.

1.6.2 Resolução de Inequação


Vamos resolver a seguinte inequação:

5x > 5 + x.

Observe que x pode ser 2 pois 5.2 > 5 + 2. No entanto, x não pode ser 1 pois
5.1 < 5 + 1. A pergunta natural que surge é a seguinte: Como determinar todos
os valores que satisfazem esta desigualdade?
Para resolvermos uma inequação, primeiramente utilizamos o princı́pio de
adição para juntar os termos com a mesma incógnita num dos membros da de-
sigualdade e os termos independentes no outro, ou seja,

5x − x > 5.

Dessa forma temos que 4x > 5.


Multiplicando cada um dos membros da desigualdade anterior por 41 , obtemos:
5
x> .
4
Logo a solução da inequação é o intervalo
 
5
I= ,∞ .
4

1.6.3 Inequação do Segundo Grau


Uma inequação do segundo grau na incógnita x é uma expressão que pode ser
escrita numa das seguintes formas:
• ax2 + bx + c > 0
1.6 Inequações 38

• ax2 + bx + c < 0

• ax2 + bx + c ≥ 0

• ax2 + bx + c ≤ 0.

Para resolvermos uma inequação do segundo grau devemos inicialmente estudar


o sinal da expressão correspondente a equação obtida trocando-se a desigualdade
pela igualdade. Localizando as raı́zes da equação, estudamos o sinal da equação
correspondente. Para isso, precisamos a abordagem que será feita a seguir.

1.6.4 Inequação-Produto
Considere a seguinte inequação do segundo grau:

x2 + 2x − 8 ≥ 0.

Fatorando o primeiro membro da desigualdade, temos:

(x − 2)(x + 4) ≥ 0.

Assim, transformamos um polinômio de grau 2 em um produto de polinômios


de grau 1. A solução desta inequação produto é o conjunto de todos os x reais tais
que (x − 2) ≥ 0 e (x + 4) ≥ 0, ou, (x − 2) ≤ 0 e (x + 4) ≤ 0.

Exercı́cios Propostos

(7) Encontre o conjunto solução das seguintes inequações produto:


a) (x + 3)(x − 2) > 0
b) (x + 2)(x − 1) ≥ 0
c) (x − 1)(x − 4) < 0
d) (x − 3)(x + 1) ≤ 0

1.6.5 Inequação-Quociente
Observe que as seguintes equações apresentam um quociente de polinômios
de 1o grau:
x+1
> 0, x − 1 ≥ 0;
x−1
1.6 Inequações 39

x+1
≤ 0, 3x − 2 6= 0;
3x − 2
2x − 1
< 0, x + 4 6= 0;
x+4
2x − 3
≤ 0, x + 2 6= 0.
x+2
Para resolver uma inequação-produto ou uma inequação-quociente, fazemos o
estudo dos sinais das funções polinomiais do 1o grau envolvidos. A seguir, deter-
minamos o sinal do produto ou quociente dessas funções, lembrando as regras de
sinais do produto e do quociente de números reais.
Exemplo 1.6.2. Determine os valores de x ∈ R tal que verifiquem
2
x+1> .
x+2
Resolução: Observemos que x 6= −2 para que a expressão faça sentido. As-
sim
(i) se x + 2 > 0, segue que (x + 1)(x + 2) > 2.
(ii) se x + 2 < 0, segue que (x + 1)(x + 2) < 2.
De (i), segue que x2 + 3x + 2 − 2 > 0, ou ainda,
x2 + 3x > 0
isto é,
x(x + 3) > 0.
Observe que as raı́zes da equação correspondente são: x = 0 e x = −3 e
a inequação é satisfeita para x > −3 e x > 0. Mas, neste caso, devemos ter
x > −2. Portanto, do item (i) segue que a solução é: (0, ∞).
De (ii), segue da mesma forma que
x(x + 3) < 0.
E a inequação neste caso é satisfeita para −3 < x < 0. Mas, neste caso,
devemos ter x < −2. Portanto, do item (ii), segue que S a solução é (−3, −2).
Assim, a solução da inequação dada é (−3, −2) (0, ∞).
No caso em que a inequação do segundo grau não possui raı́zes reais, não
é possı́vel escrever essa inequação na forma de uma inequação tipo quociente,
nesses casos uma análise mais qualitativa será muito útil.

Exercı́cios Propostos
1.6 Inequações 40

(8) Determinar o conjunto solução das inequações apresentadas nas seções Inequação-
produto e Inequação-quociente.
CAPÍTULO 2

Trigonometria

As primeiras noções básicas de trigonometrica advém das relações entre os la-


dos e os ângulos de um triângulo retângulo. Assim, iniciaremos este capı́tulo com
a trigonometria no triângulo retângulo e no ciclo trigonométrico. Porém, tanto o
triângulo quanto o cı́rculo são figuras geométricas planas (duas dimensões), então
seria conveniente que soubéssemos representar essas figuras do plano numa forma
algébrica. Para isso, definiremos a seguir um sistema de coordenadas do plano.

2.1 Sistema de coordenadas


2.1.1 Segmento Retilı́neo Orientado
A porção de uma reta delimitada por dois de seus pontos distintos é deno-
minada segmento retilı́neo. Os dois pontos são denominados pontos extremos do
segmento retilı́neo.
−→
Denotamos por AB o segmento retilı́neo orientado de A para B. Se a orientação
−→
for de B para A, denotamos este segmento orientado por BA. Assim:
−→ −→
AB = −BA.
2.1 Sistema de coordenadas 42

2.1.2 Reta Orientada


Uma reta é dita orientada se estabelecemos nela um sentido de percurso, que
denominaremos como positivo; o sentido contrário é denominado negativo. Dados
dois pontos, A e B, numa reta orientada, diz-se que o ponto B está à direita do
ponto A quando o sentido do percurso de A para B é positivo.

Figura 2.1

−→ ←−
Na figura 2.1, AB é uma reta, AB é uma reta orientada de A até B e AB é
uma reta orientada de B até A. Um eixo é uma reta orientada na qual se fixou um
ponto O, chamado de origem1 .

2.1.3 Coordenadas no eixo


Todo eixo E pode ser posto de forma a relacionar cada elemento de um con-
junto com apenas um elemento do conjunto dos números reais (R). A origem O
do eixo corresponde ao número zero. Cada ponto X de E à direita de O corres-
ponde um número real positivo x, cujo valor corresponde a distância d(O, X) de
X à origem O. Os pontos situados à esquerda de O correspondem números reais
negativos, cujos valores absolutos medem as distâncias desses pontos à origem.
Assim, cada ponto X em E corresponde um único número real x tal que x =
d(O, X) se X está à direita de O e x = −d(O, X) se X está à esquerda de O.
Este número real x, assim determinado, é a coordenada do ponto X.
1
O(0, 0)
2.1 Sistema de coordenadas 43

2.1.4 Distância entre dois pontos no eixo


Dados os ponto X e Y sobre o eixo E, se suas coordenadas são x e y, respec-
tivamente, então a distância do ponto X ao ponto Y é:

d(X, Y ) = x − y, se x ≥ y,
e,
d(X, Y ) = y − x, se x ≤ y.

2.1.5 Coordenadas no Plano


Lembremos que o produto cartesiano de A por B é dado por

A × B = {(a, b) | a ∈ A e b ∈ B}.

Por exemplo se A = {0, 1, 3} e B = {2, 5} temos que

A × B = {(0, 2), (0, 5), (1, 2), (1, 5), (3, 2), (3, 5)}.

Em particular, quando A = B = R, temos:

R × R = {(x, y) | x, y ∈ R}.

Denotamos, de maneira abreviada, R × R = R2 . Indica-se, então, por R2 o


conjunto formado pelos pares ordenados (x, y), onde x e y são números reais.
Dados (x, y) e (x0 , y 0 ) em R2 , tem-se (x, y) = (x0 , y 0 ) se, e somente se, x = x0
e y = y 0 . O número x, que é a primeira coordenadado do par (x, y), é chamado
de abscissa e o número y, que é a segunda coordenada do par (x, y), denomina-se
ordenada. Se um ponto P pertence ao eixo x, então a ordenada de P é zero. De
maneira semelhante, se P pertence ao eixo y, a abscissa de P é zero.
Observe, por exemplo, que os pares ordenados (2, 3) e (3, 2) são diferentes
pois a primeira coordenada de (2, 3) é 2, enquanto que a primeira coordenada
de (3, 2) é 3. Por outro lado, os conjuntos {2, 3} e {3, 2} são iguais, pois um
objeto pertence a um deles se, e somente se, pertence ao outro. Portanto, um
par ordenado não é a mesma coisa que um conjunto com 2 elementos. No par
ordenado (x, y), pode-se ter x = y mas se {x, y} é um conjunto com 2 elementos,
tem-se necessariamente que x 6= y.
Vamos considerar dois eixos OX e OY perpendiculares em O, e seja Π o plano
que os contém. Diz-se que o eixo OX é horizontal e o eixo OY é vertical, como
mostra a figura a seguir:
2.1 Sistema de coordenadas 44

Figura 2.2

Um plano Π munido de um sistema de eixos ortogonais põe-se, de modo natu-


ral, em correspondência biunı́voca (de forma bijetora) com R2 . Dado o ponto P do
plano, traçamos por ele retas paralelas aos eixos OY e OX. Essas retas interceptam
os eixos em pontos cujas coordenadas são x e y respectivamente. Ao ponto P do
plano Π, faz-se então corresponder o par ordenado (x, y) ∈ R2 . Reciprocamente,
a cada par ordenado (x, y) ∈ R2 corresponde o ponto P∈ Π, interseção da para-
lela a OX traçada a partir do ponto de OY cuja coordenada é y. Os números x e
y chamam-se coordenadas (cartesianas) do ponto P relativamente ao sistema de
eixos ortogonais fixado: x é a abcissa e y a ordenada de P.
No que se segue, a menos que seja feita explicitamente uma menção em
contrário, admitiremos que foi fixado um sistema de eixos ortogonais no plano,
que assim se identifica a R2 . Cada ponto P(x, y) do plano passa a ser a mesma
coisa que um par ordenado de números reais.
Os pontos pertencentes ao eixo OX (abcissas) têm coordenadas (x,0) e os
pontos pertencentes ao eixo OY (ordenadas) são da forma (0,y). O ponto O,
origem dos eixos, tem coordenadas (0,0).

Exercı́cios Propostos

(1) Localizar os pontos no plano cartesiano:


A(1, 2), B(−1, 3), C(−2, −2), D(3, −3), E(4, 4), F (−1, 1), G(0, 3) e H(1, 0).
2.1 Sistema de coordenadas 45

Figura 2.3

2.1.6 Distância entre dois pontos


Vamos representar dois pontos quaisquer, A e B, no plano cartesiano. A
distância entre os pontos representados é a medida do segmento que tem os dois
pontos como extremidade. Note, na figura 2.4, que as coordenadas dos pontos são
A(xa , ya ) e B(xb , yb ).
Sabemos que os eixos coordenados do plano cartesiano são ortogonais, logo,
podemos construir um triângulo retângulo utilizando os pontos A e B, como mos-
tra a figura abaixo.
2.1 Sistema de coordenadas 46

Figura 2.4

Observe a formação do triângulo retângulo ABC, onde BC e AC são catetos e


AB hipotenusa. Verificamos que a distância entre os pontos A e B é a hipotenusa
do triângulo retângulo. Resulta, então, do Teorema de Pitágoras, que:
p
d(A, B) = (xb –xa )2 + (yb –ya )2 (2.1)
Observe que as retas x e y delimitam o plano em quatro partes, os quais cha-
mamos de quadrantes. Note também que os sinais de x e y são bem determinados
em cada quadrante, e assim definimos a região onde x e y são positivos como
sendo o primeiro quadrante. Os demais quadrantes são organizados no sentido
anti-horário a partir do primeiro.
Exercı́cios Propostos

(2) Sendo A(−3, 2) e B(5, −4), calcular o comprimento do segmento AB.

2.1.7 Representação de figuras no plano


Já vimos que é possı́vel representar algebricamente pontos que pertencem ao
plano. Queremos agora representar algebricamente algumas figuras no plano. Isso
deve ser possı́vel, uma vez que uma figura nada mais é que um conjunto de pontos,
só precisamos encontrar uma relação para as coordenadas x e y para cada ponto
que pertence a esta.
Considere, por exemplo, um conjunto de pontos que equidistam 1 do ponto O.
Por definição sabemos que essa figura é uma circunferência unitária, que chama-
remos de S1 . Veja a figura abaixo:
2.2 Ângulos 47

Figura 2.5

Observe que, pelo Teorema de Pitágoras, podemos escrever:

x2 + y 2 = 1, (2.2)
para todo ponto pertencente à S1 .
Veja que conseguimos encontrar uma relação que é satisfeita pelas coordena-
das de todos os pontos pertencentes à S1 , logo, podemos definir a circunferência
S1 como sendo o conjunto de pontos (x, y) que satisfazem a relação 2.2, assim
temos:

S1 = {(x, y) ∈ R × R : x2 + y 2 = 1}.
Esta notável consequência da introdução de um sistema de coordenadas, for-
nece um método de estudo da geometria, em que as figuras são representadas por
equações, chamado de geometria analı́tica.

2.2 Ângulos
Para iniciarmos o nosso estudo da Trigonometria, precisamos ainda definir o
que é um ângulo. A noção de ângulo e de rotação estão intimamente ligadas,
é difı́cil falar em ângulos sem termos a ideia intuitiva de rotação, dessa forma
definiremos uma rotação e por meio desta definiremos ângulo.

Definição 2.2.1. Definimos a rotação de um objeto F em torno de um ponto O,


por uma transformação de F em uma figura F’ de tal forma que:
a) O ponto O é mantido fixo;
2.2 Ângulos 48

b) A distância de dois pontos quaisquer de F é mantida constante;


c) Se um ponto P de F, P6=0, é mantido fixo, então todos os pontos de F são
mantidos fixos.

Trataremos aqui do caso particular da rotação de um reta r em torno de um


ponto O, pertencente a r. Tal rotação dará origem a uma nova reta r0 . Pode-
mos trabalhar com dois sentidos de rotação, o sentido horário e o anti-horário.
Atribuı́mos, por convenção, o sinal positivo para rotações feitas no sentido anti-
horário.
Sejam CA e CB duas semi-retas com origem comum em C. Chamamos de
ângulo de A para B o conjunto dos pontos do plano (distintos de C), descritos por
uma rotação positiva que leva CA em CB. Este ângulo, denotado por ACB, [ está
representado na figura abaixo.

Figura 2.6

2.2.1 Medidas de Ângulos

O ângulo correspondente à metade de uma circunferência é chamado de ângulo


raso e o ângulo correspondente a um quarto de uma circunferência é chamado de
ângulo reto. Um ângulo raso é um pouco maior do que 3 rad, mais precisamente
é igual a 3,141592... rad, esse número é conhecido como número π (pi), ou seja,
π = 3, 141592..., assim temos que um ângulo raso mede π rad, um ângulo reto
mede π/2 rad e consequentemente uma circunferência inteira mede 2π rad. Veja
a figura abaixo.
2.2 Ângulos 49

Figura 2.7

Outra unidade de medida de ângulo bastante comum é grau, que definimos


1
como sendo 360 da circunferência que contém o arco a ser medido. Um ângulo
raso, em graus, é igual a 180◦ (uma vez que é a metade de 360◦ ) e consequen-
temente um ângulo reto mede 90◦ . Se por algum motivo precisarmos converter
medidas de graus para radianos, ou vice-versa, podemos usar a seguinte relação:

πrad = 180◦ .
Xrad = Y ◦ .
Então, temos:
π 180
= ,
X Y
onde X é a medida do ângulo em radiano e Y a medida do ângulo em grau.
Exercı́cios Propostos

(3) Converta os ângulos abaixo para radianos:


a) 30◦
b) 105◦
c) 210◦
d) 360◦
2.3 Introdução à trigonometria 50

2.3 Introdução à trigonometria


Trigonometria é o estudo que relaciona os três lados de um triângulo com os
seus três ângulos. A nomenclatura dos triângulos variam de acordo com o tama-
nho dos seus lados e ângulos. Veja a seguir exemplificações quanto aos triângulos.

• Quanto aos lados:


Triângulo Equilátero: o qual todos os lados possuem as mesmas medidas.

Figura 2.8

Triângulo Isósceles: o qual dois lados possuem as mesmas medidas.

Figura 2.9

Triângulo Escaleno: o qual todos os lados possuem as medidas diferentes.


2.3 Introdução à trigonometria 51

Figura 2.10

• Quanto aos ângulos:


Triângulo Acutângulo: o qual todos os ângulos internos são agudos, ou seja,
< 90o .
Triângulo Obtusângulo: o qual dois dos seus ângulos são agudos e o outro
é obtuso, ou seja 90o <ângulo< 180o .
Triângulo Retângulo: o qual possui um ângulo reto, ou seja, = 90o .

Nesta seção, estudaremos mais profundamente as relações trigonométricas no


triângulo retângulo, exemplificado a seguir.

Figura 2.11

Note que o ângulo reto está localizado no vértice A do triângulo, por isso dize-
mos que o triângulo ABC é retângulo em A. Num triângulo retângulo, cada lado
2.3 Introdução à trigonometria 52

recebe um nome especial. O lado oposto ao ângulo reto é chamado hipotenusa,


que é sempre o lado de maior medida. Os outros dois lados são chamados de
catetos, podendo ser cateto oposto ou cateto adjacente, o que é determinado em
relação ao ângulo que se toma como referência. Por exemplo, se pegarmos como
referência, no triângulo da figura 2.11, o ângulo β, então, o cateto AB é o cateto
adjacente, enquanto que o cateto AC é o cateto oposto. Já, se tomarmos o ângulo
γ como referência, teremos que o segmento AB será o cateto oposto e o segmento
AC o cateto adjacente.
Tomemos agora os triângulo da figura a seguir:

Figura 2.12: Semelhança de triângulos.

Dizemos que dois triângulos são semelhantes quando há correspondência en-
tre os vértices de um e do outro triângulo, de modo que os ângulos dos vértices
correspondentes sejam iguais sendo assim a razão entre os comprimentos do lados
correspondentes é a mesma.
Considerando que os segmentos de reta A1 A2 , B1 B2 e C1 C2 são semelhantes
pois possuem dois ângulos congruentes (α e o ângulo reto), logo eles possuem
os três ângulos ordenadamente congruentes e os lados homólogos proporcionais.
Assim, temos:
A1 A2 B1 B2 C1 C2
= = = k1 ,
OA2 OB2 OC2
onde k1 é a constante de proporcionalidade.
Observe que a razão entre a medida do cateto oposto pela hipotenusa no
triângulo OA1 A2 é exatamente igual à razão entre a medida do cateto oposto pela
hipotenusa no triângulo OB1 B2 , que é igual à razão entre a medida do cateto
2.3 Introdução à trigonometria 53

oposto pela hipotenusa no triângulo OC1 C2 e que é igual à constante de proporci-


onalidade k1 . Esse resultado nos mostra que o tamanho de um triângulo não altera
o valor das razões, desde que o ângulo α seja mantido constante. Dessa forma, po-
demos concluir que a constante k1 depende exclusivamente do ângulo α e não das
medidas dos catetos e da hipotenusa dos triângulos considerados. Assim, pode-
mos definir uma relação trigonométrica como sendo a razão entre o cateto oposto
de um triângulo retângulo pela hipotenusa. Essa relação deve depender somente
do ângulo α. Chamaremos a constante k1 de senα, podendo escrever:
medida do cateto oposto a α
senα = .
medida da hipotenusa
Voltando ao triângulo da figura 2.12, podemos escrever também:
OA1 OB1 OC1
= = = k2 ,
OA2 OB2 OC2
e também
A1 A2 B1 B2 C1 C2
= = = k3 .
OA1 OB1 OC1
Analogamente, podemos ver que as constantes k2 e k3 dependem exclusiva-
mente do ângulo α, assim podemos definir outras duas relações trigonométricas,
que são:
medida do cateto adjacente a α
cosα = ,
medida da hipotenusa
e,
medida do cateto oposto a α
tgα = .
medida do cateto adjacente a α
Sabemos que um triângulo retângulo possui apenas um ângulo reto, isso também
significa que não podemos ter ângulos maiores que π/2 neste triângulo, assim as
relações trigonométricas definidas anteriormente são válidas somente para ângulos
menores que um ângulo reto. Além disso, como essas relações são definidas em
termos da razão entre a medida de segmentos de reta, e essas são sempre positi-
vas, então, temos que essas relações resultam sempre em números positivos. No
caso do seno e do cosseno, como esses são definidos pela razão entre a medida
de um cateto pela hipotenusa, e a hipotenusa é sempre o lado de maior medida
do triângulo, então, tanto o seno quanto o cosseno não podem ser maiores que 1.
Resumindo, se α for um dos ângulos agudos de um triângulo retângulo, teremos:
2.3 Introdução à trigonometria 54

π
0<α< .
2
0 < senα < 1.
0 < cosα < 1.
tgα > 0.
Visto que algumas dessas propriedades são válidas apenas para triângulos
retângulos, existem, também, conceitos que podem ser utilizados para todos os
tipos de triângulos. Veja o triângulo da figura 2.13, mostrado abaixo:

Figura 2.13

Primeiramente, é traçado uma reta que forme um ângulo reto. Feito isso,
percebemos que formamos dois triângulos retângulos em ABD e ACD, podendo
aqui aplicar o Teorema de Pitágoras:

c2 = m2 + h2 ⇔ h2 = c2 − m2 . (2.3)
e,

b2 = h2 + (a − m)2 . (2.4)
Utilizando 2.3 em 2.4, temos:

b2 = c2 − m2 + a2 − 2am + m2 ,

b2 = c2 + a2 − 2am.
2.4 Secante-cossecante-cotangente 55

Como m = c.cosB, obtemos a seguinte equação:

b2 = c2 + a2 − 2a.c.cosB. (2.5)
E essa equação é chamada de Lei dos Cossenos!
Exercı́cios Propostos

(4) Considere um triângulo ABC, retângulo em C, cujo segmento BC mede 1


e o segmento AB mede 3. Encontre o valor do seno, cosseno e tangente do
ângulo α, onde α = CAB.
[

(Sugestão: use o Teorema de Pitágoras para encontrar a medida do segmento


AC.)

2.4 Secante-cossecante-cotangente
Além das três relações trigonométricas já conhecidas (seno, cosseno e tan-
gente), podemos definir de forma análoga mais três relações, que são elas: secante,
cossecante e cotangente.
Assim como o seno é definido como sendo o quociente da medida do cateto
oposto pela hipotenusa, podemos definir uma relação que seja dada pelo quociente
da medida da hipotenusa pelo cateto oposto. Tal relação é chamada de cossecante,
ou seja, tomando o triângulo da figura 2.11, temos:
BC 1
cossecβ = = .
AC senβ
Analogamente, podemos definir uma relação como sendo o quociente da me-
dida da hipotenusa pelo cateto adjacente, que denominamos secante. No triângulo
da figura 2.11, temos:
BC 1
secβ = = .
AB cosβ
A última das relações aqui apresentadas será a cotangente, que é definida como
o quociente entre a medida do cateto adjacente pelo cateto oposto, no triângulo da
figura 2.11, temos:
AB 1
cotgβ = = .
AC tgβ
2.5 Identidades trigonométricas 56

Uma vez que conhecemos os valores de seno, cosseno e tangente para os


ângulos notáveis, então podemos determinar os valores para secante, cossecante e
cotangente para esses mesmos ângulos.

2.5 Identidades trigonométricas


Agora que já conhecemos as relações trigonométricas no triângulo retângulo,
podemos estabelecer algumas relações entre elas. Para isso, considere o triângulo
da figura 2.11.
Sabemos que, se tomarmos o ângulo β como referência, teremos:
AC
senβ = .
BC
AB
cosβ = .
BC
AC
tgβ = .
AB
Já, se tomarmos como referência o ângulo γ, teremos:
AB
senγ = .
BC
AC
cosγ = .
BC
AB
tgγ = .
AC
Observe que:
AC
senβ = = cosγ.
BC
AB
cosβ = = senγ.
BC
AC 1
tgβ = = .
AB tgγ
Resumindo, num triângulo retângulo, cujos ângulos agudos são β e γ, temos:

senβ = cosγ.
2.5 Identidades trigonométricas 57

cosβ = senγ.
1
tgβ = .
tgγ
Sabemos que os ângulos β e γ são ângulos complementares 2 , logo:
π π
β+γ = ⇒ γ = − β.
2 2
Assim, temos:
π
senβ = cos( − β).
2
π
cosβ = sen( − β).
2
1
tgβ = .
tg( π2 − β)
Essas identidades nos dizem que o seno de um ângulo é igual ao cosseno do
complementar a esse ângulo, e vice-versa. E que a tangente de um ângulo é igual
ao inverso da tangente do ângulo complementar.
Ainda, a partir da figura 2.11, temos:
AC
tgβ = ,
AB
ou, também, pode ser escrito como:
AC
BC
tgβ = AB
.
BC

AC AB
Sabemos que, BC
= senβ e que BC
= cosβ, logo podemos concluir que:
senβ
tgβ = .
cosβ
Exercı́cios Propostos

(5) Considere um triângulo ABC, retângulo em A, cujo ângulo BCA vale 20◦ e
considere sen20◦ = 0, 342. Encontre os valores de seno, cosseno e tangente
dos ângulos 20◦ e 70◦ .
2
ângulos complementares são aqueles cuja soma é igual a um ângulo reto
2.5 Identidades trigonométricas 58

(6) Encontre os valores da tangente para os ângulos notáveis usando somente


os valores de seno e cosseno e compare os resultados obtidos com os já
conhecidos.

A próxima identidade a ser demonstrada nos dá uma relação entre o seno e o
cosseno de um mesmo ângulo. Tomemos novamente o triângulo da figura 2.11.
Do Teorema de Pitágoras, temos:

(AB)2 + (AC)2 = (BC)2 .


Se dividirmos a equação acima por (BC)2 , teremos:

(AB)2 + (AC)2 (BC)2


=
(BC)2 (BC)2
(AB)2 (AC)2
+ =1
(BC)2 (BC)2
 2  2
AB AC
+ = 1.
BC BC
AC AB
Por definição, temos: BC
= senβ e BC
= cosβ, logo:
π
sen2 β + cos2 β = 1, 3 0<β<
. (2.6)
2
Essa identidade desempenha um papel fundamental na trigonometria e é por
isso que é chamada de relação fundamental.
A partir da relação fundamental podemos demonstrar outras identidades trigo-
nomtricas. Primeiro, se dividirmos 2.6 por cos2 (β) obtemos:

sen2 (β) cos2 (β) 1


2
+ 2
=
cos (β) cos (β) cos2 (β)

tg 2 (β) + 1 = sec2 (β)


Agora, se dividirmos 2.6 por sen2 (β), temos que:

sen2 (β) cos2 (β) 1


+ =
sen2 (β) sen2 (β) sen2 (β)
3
sen2 β = (senβ)2
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 59

1 + cotg 2 (β) = cossec2 (β).

Exercı́cios Propostos
(7) Seja senα = 31 , encontre o valor de cosα e tgα.

(8) Sabe-se que α e β são ângulos complementares e que cosβ = 81 . Encontre


o valor de cosα.

(9) Dado secα = 85 , encontre:


a) cosα
b) senα
c) tgα
d) cossecα

2.6 Cı́rculo Trigonométrico


Uma circunferência unitária S1 (raio 1) pode ser percorrida em dois senti-
dos. Quando um deles é escolhido e denominado positivo, dizemos que a circun-
ferência está orientada.
Tradicionalmente, escolhemos o sentido anti-horário como sendo o positivo e
fixamos na circunferência orientada um ponto O, chamado de origem dos arcos
(figura 2.14).

Figura 2.14
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 60

Definiremos a medida algébrica de um arco OP dessa circunferência como


sendo o comprimento desse arco. Para cada número real s, vamos associar um
ponto P na circunferência do seguinte modo:

• Se s > 0, partimos de O e realizamos sobre a circunferência um percurso


de comprimento s, no sentido anti-horário.

• Se s < 0, partimos de O e realizamos sobre a circunferência um percurso


de comprimento s, no sentido horário.

A circunferência com origem no ponto O será chamada de cı́rculo trigo-


nométrico ou simplesmente ciclo.
O cı́rculo trigonométrico é dividido em 4 partes iguais, chamadas de quadran-
tes, onde todos os ângulos são medidos a partir da origem no ponto A, da seguinte
forma:

Figura 2.15

• 1o Quadrante: Possui arcos de 0 a 90o (ou 0 a π/2 radianos);

• 2o Quadrante: Possui arcos de 90 a 180o (ou π/2 a π radianos);

• 3o Quadrante: Possui arcos de 180 a 270o (ou π a 3π/2 radianos);

• 4o Quadrante: Possui arcos de 270 a 360o (ou 3π/2 a 2π radianos).

Se tomarmos um ponto P (Xp , Yp ) qualquer sobre o ciclo, teremos uma semi-


reta OP que descreve, com o eixo Ox, um ângulo central α. Observe que se
traçarmos, passando por P, uma reta paralela ao eixo Oy e uma paralela ao eixo
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 61

Ox, essas interceptam os eixos coordenados nos pontos Xp e Yp , respectivamente


(figura 2.14).
Veja que, de acordo com a figura 2.14, podemos escrever:
P Xp OYp
senα = = .
OP OP
OXp
cosα = .
OP
Por construção, temos OP = 1, x = OXp e y = OYp , logo, podemos escre-
ver:

y = senα.
x = cosα.
Esse resultado nos diz que o seno e o cosseno de um ângulo α podem ser inter-
pretados como sendo a projeção do ponto P (que delimita o ângulo α) sobre o eixo
Oy e Ox, respectivamente. Com essa nova visão das relações trigonométricas,
não precisamos ais restringir nosso estudo para ângulos pertencentes ao intervalo
]0, π2 [.
O próximo passo é estender as relações já estudadas de modo que essas possam
ser definidas para todos (ou quase todos) os números reais e que sejam mantidas
as relações:
sen2 α + cos2 α = 1; ∀α.
senα
tgα = ; ∀α : cosα 6= 0.
cosα
Além do mais, note que, como os valores de seno e cosseno são simplesmente
os valores de y e de x, respectivamente, esses podem assumir valores positivos,
negativos e até mesmo nulos.
Mas, observe que, como estamos trabalhando no ciclo trigonométrico, os va-
lores de x e y pertencem ao intervalo [-1,1], dessa forma, podemos concluir:

−1 ≤ senα ≤ 1, ∀α.
−1 ≤ cosα ≤ 1, ∀α.
Toda vez que um ângulo for superior a uma volta completa na circunferência
trigonométrica, pode-se calcular seu respectivo ângulo da 1a volta, ou seja, este
arco é equivalente a um outro arco inferior a 360o ou 2π radianos. Para encontrá-
lo, basta efetuar uma conta simples de divisão, onde o divisor é o valor de uma
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 62

volta completa (360o ou 2π), o dividendo é o arco a ser analisado, o quociente é o


número de voltas deste arco e o resto é o ângulo respectivo da 1a volta.

Exemplo 2.6.1. Encontre o respectivo ângulo da primeira volta e determine os


quadrantes dos seguintes arcos:
a) 500o
o
Resolução: Efetuamos a divisão direta: 500
360o
= 1 + 140o . Então, temos que
o ângulo respectivo da primeira volta é 140o , que, por estar entre 90o e 180o ,
encontra-se no 2o quadrante.
b) 11π
2
11π
Resolução: 2π
2
= 5 + π2 . Ou seja, o arco correspondente é π2 , que está no 1o
o
e no 2 quadrante.

Exercı́cios Propostos

(10) Determine em qual quadrante encontram-se os seguintes ângulos:


a) 30o
π
b) 4
c) 225o
d) 90o
e) 300o
f) 60o
g) 180o
h) 2π

i) 3

j) 2

(11) Encontre o valor das relações trigonométricas:


a) sen π2
b) cos0
c) senπ
d) sen 3π
2
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 63

Vimos que cada número real s está associado a um ponto P na circunferência


S1 , que determina com o eixo Ox um ângulo central α. Se tomarmos s > 2π, será
necessário dar mais de uma volta na circunferência S1 , no sentido positivo, para
atingir o ponto P.
Exprimimos este fato dizendo que s + 2kπ, com k inteiro, são as várias
representações do ângulo α. Assim, dizemos que s e s + 2kπ são côngruos,
querendo dizer com isto que a diferença entre eles é um múltiplo inteiro de 2π.

2.6.1 Tangente
Para estendermos o estudo da tangente para o ciclo trigonométrico, traçaremos
uma reta r passando por A e que seja perpendicular ao eixo Ox, veja a figura a
seguir:

Figura 2.16

Sabemos da definição de tangente que:


QA
tgα = ,
OA
por construção, OA = 1, então:

tgα = QA.

Isso significa que a tangente de um ângulo α pode ser compreendida como a


medida do comprimento QA, onde Q é o ponto de intersecção da reta r com a
semi-reta OP .
2.6 Cı́rculo Trigonométrico 64

Veja que se fizermos α = π2 , o segmento OP ficará paralelo à reta r, o que


significa que não haverá ponto de intersecção e consequentemente não existirá
um valor finito para a tangente de π2 . É por essa razão que não existe tangente de
π 3π 5π
, , 2 , . . . , ( π2 +nπ), onde n é um número inteiro. Esse resultado pode também
2 2
ser mostrado algebricamente:
π sen π2
tg = .
2 cos π2
Podemos ver no ciclo trigonométrico que: sen π2 = 1 e que cos π2 = 0, isso sig-
nifica que a tangente de π2 não está definida, uma vez que isso resultaria em uma
divisão por zero.
Exercı́cios Propostos
(12) Calcule, se existir:
a) tgπ
b) tg 3π
2
c) tg0

Já sabemos que:

y = senα.
x = cosα.
Sabemos também que x é positivo no primeiro e quarto quadrante, logo, temos
que o cosseno é positivo para ângulos do primeiro e quarto quadrante e negativo
para o restante. Já o valor de y é positivo no primeiro e segundo quadrante, logo,
temos que o seno é positivo para ângulos do primeiro e segundo quadrante e ne-
gativo no restante. Já a tangente é positiva no primeiro e terceiro quadrante e
negativa no restante, pois, como a tangente é o quociente do seno pelo cosseno,
podemos determinar onde ela será positiva, uma vez que já sabemos para o seno
e o cosseno neste quadrante.
Pode-se observar no ciclo trigonométrico que:
sen(−α) = −senα.
cos(−α) = cosα.
tg(−α) = −tgα.
Exercı́cios Propostos
2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tangente para os ângulos
notáveis 65

(13) Determine o sinal das seguintes relações:


(a) sen 5π
8

(b) sen 2
96
(c) tg 15
π
(14) Sabe-se que 2rad < α < πrad e que senα = 13 . Encontre o valor do cosseno
de α.

2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tan-


gente para os ângulos notáveis
Já sabemos que os valores de seno, cosseno e tangente dependem apenas do
ângulo, porém não sabemos quais são exatamente esses valors. Iremos agora en-
contrar esses valores para os ângulos 30o , 45o e 60o , que são chamados de ângulos
notáveis. Para isso, vamos proceder da seguinte forma: considere um triângulo
equilátero ABC, então, CAB
[ = ABC [ = BCA [ = 60◦ e AB = BC = CA = l.
Sabemos que num triângulo equilátero, sua altura é também a mediatriz e a bis-
setriz, assim a altura relativa ao lado AC é o segmento BM , onde M é o ponto
médio do segmento AC, veja a figura abaixo:

Figura 2.17

Observe que M\ BA = 30◦ uma vez que BM é a bissetriz. A altura BM pode


ser obtida usando o Teorema de Pitágoras, pois, o triângulo ABM é retângulo em
M.
2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tangente para os ângulos
notáveis 66

AB 2 = BM 2 + AM 2
l2 l2 3
l2 = h2 + ⇒ h2 = l2 − ⇒ h2 = l2
2 2 2
logo, √
3
h= l.
2
Assim, podemos escrever:
l
AM 1
sen30◦ = = 2 = .
AB l 2

3l

◦ BM 2 3
sen60 = = = .
AB l 2

3l

◦ BM 2 3
cos30 = = = .
AB l 2
l
AM 1
cos60◦ = = 2 = .
AB l 2
l

AM 1 3
tg30◦ = = √
2
=√ = .
BM 3l 3 3
2

◦ BM 2
3l √
tg60 = = l
= 3.
AB 2
Analogamente, consideremos agora um triângulo retângulo ABC, retângulo
em C, onde os dois catetos são congruentes e medem l. Sabemos que triângulos
isósceles possuem pelo menos dois ângulos congruentes e como a soma dos ângulos
internos de um triângulo devem ser igual a 180o , então, cada ângulo deve ser igual
a 45o . Veja a figura a seguir:
2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tangente para os ângulos
notáveis 67

Figura 2.18

A hipotenusa desse triângulo pode ser encontrada usando o Teorema de Pitágoras.

AB 2 = BC 2 + AC 2
AB 2 = l2 + l2 = 2l2
logo, √
AB = l 2.
Agora, podemos escrever:

◦ BC l 1 2
sen45 = =√ =√ = .
AB 2l 2 2

◦ AC l 1 2
cos45 = =√ =√ = .
AB 2l 2 2
BC l
tg45◦ = = = 1.
AC l
Embora tenhamos determinado o valor das relações trigonométricas de forma
geométrica, podemos fazer o mesmo de uma forma mais analı́tica. Os valores
dessas relações podem ser verificados a seguir:
π
• α= 4
Como π2 − α = π4 , temos que cos( π4 ) = sen( π2 − α) = sen( π4 ), donde da
relação fundamental teremos:
2 π 2 π 2 π
     
2 = sen + cos = 2cos ,
4 4 4
2.7 Determinando os valores de seno, cosseno e tangente para os ângulos
notáveis 68

logo, √
π  1 π  1 2
2
cos = ⇒ cos =√ = .
4 2 4 2 2
Assim, temos: √
π  π  2
sen = cos = .
4 4 2
 π  sen( π )
4
tg = = 1.
4 cos( π4 )
π
• α= 6
Da figura 2.17, concluı́mos que:
π  l
2 1
sen = =
6 l 2

Da relação fundamental, temos:


π  π 
2 2
1 = sen + cos ,
6 6
portanto,
π  1 3  π  √3
2
cos = 1 − = ⇒ cos = .
6 4 4 6 2
Por fim, √
π  sen( π6 ) 1
2 3
tg = = √ = .
6 cos( π6 ) 3 3
2
π
• α= 3
π π
Como 2
− 6
= π3 , temos que:
π  √
π  3
sen = cos =
3 6 2
π  π  1
cos = sen =
3 6 2
 π  sen( π ) √
3
tg = = 3.
3 cos( π3 )
2.8 Soma e subtração de arcos 69

Exercı́cios Propostos

(15) Usando os valores das relações trigonométricas, para ângulos notáveis, en-
contre os valores de x e y no triângulo ABC, retângulo em A, cujo lado
BC mede 3, o lado AB mede x e o lado CA mede y. Dado BCA = 60◦ .

(16) Uma escada rolante liga o térreo ao primeiro andar de uma loja. Sabe-se
que o comprimento da escada é de 12m e que essa forma, com a horizontal,
um ângulo de 30o . Determine a altura entre o térreo e o primeiro andar.

(17) Para ângulos diferentes dos ângulos notáveis, precisamos do auxı́lio de uma
calculadora cientı́fica. Com o auxı́lio de uma calculadora cientı́fica, calcule:
a) sen37◦
b) cos68◦
c) tg82◦

(18) Com o auxı́lio de uma calculadora cientı́fica, calcule o valor do ângulo α,


sabendo que:
a) senα = 0, 25
b) cosα = 0, 596
c) tgα = 25, 784

2.8 Soma e subtração de arcos


Já sabemos determinar os valores de seno, cosseno e tangentes de alguns
ângulos. Queremos agora determinar os valores dessas mesmas relações trigo-
nométricas para a soma ou a diferença de dois ângulos. Considere o ciclo trigo-
nométrico a seguir (figura 2.19), onde temos um ângulo que é igual à soma de
outros dois.
2.8 Soma e subtração de arcos 70

Figura 2.19

Nosso objetivo é determinar quanto vale cos(α+β) em função de senα, senβ,


cosα e cosβ. Para isso, façamos o seguinte: traçamos um segmento de reta, pas-
sando pelo ponto M, perpendicular ao segmento ON e que determina neste um
ponto R. Agora, traçamos um segmento de reta, passando por R, perpendicular
ao segmento P M e determinando neste um ponto S. A projeção dos pontos S e
R determinam, no eixo Ox, dois pontos: P e Q, respectivamente. Veja a figura
abaixo:

Figura 2.20

Observe que os segmentos OQ e SR são paralelos, o que implica que os


ângulos AON
\ e ORS[ são congruentes, uma vez que são alternos internos. As-
sim, temos: AON
\ = ORS [ = α. Observe também que o ângulo SRM \ é o
complementar do ângulo SRO,
[ e esse, por sua vez, é o complementar de SM
\ R,
2.8 Soma e subtração de arcos 71

logo, os ângulos SRO


[ e SM\ R são congruentes. Em outras palavras, temos:
SRO = SM R = α.
[ \
Observe que a medida do comprimento do segmento OQ é igual à soma das
medidas dos comprimentos dos segmentos OP e PQ, ou seja, podemos escrever:

OP = OQ − P Q. (2.7)

Sabemos da definição de cosseno que:

cos(α + β) = OP = OQ − P Q.
Esse resultado sugere que, se encontrarmos OQ e PQ separadamente e depois
tomarmos a diferença entre eles, teremos o valor de cos(α + β), que é o que
desejamos encontrar. Por definição temos, no triângulo OQR:
OQ
cosα = ⇒ OQ = ORcosα. (2.8)
OR
Do triângulo ORM , tiramos:
OR
cosβ = ⇒ OR = cosβ. (2.9)
OM
pois OM = 1 no ciclo trigonométrico.
Juntando 2.8 e 2.9, temos:

OQ = cosαcosβ. (2.10)

Se olharmos para o triângulo RSM , podemos escrever:


SR
senα = ⇒ P Q = SR = M Rsenα. (2.11)
MR
Já no triângulo ORM , temos a seguinte relação:
MR
senβ = ⇒ M R = senβ. (2.12)
OM
Consequentemente, temos:

P Q = senαsenβ. (2.13)

Tomando a diferença entre 2.10 e 2.13, temos:


2.8 Soma e subtração de arcos 72

cos(α + β) = cosαcosβ − senαsenβ.


As demais demonstrações para a soma e diferença de arcos serão feitas de
maneira algébrica.
A partir das identidades sen(−α) = −senα e cos(−α) = cosα, podemos
demonstrar uma identidade que permite trabalhar com a diferença de arcos do
cosseno.

cos(α − β) = cos(α + (−β)).


Das propriedades anteriores, temos:

cos(α + (−β)) = cos(α)cos(−β) − sen(α)sen(−β).


Sabemos que sen(−β) = −sen(β) e que cos(−β) = cosβ, logo, podemos
escrever:

cos(α − β) = cos(α)cos(β) − sen(α)(−sen(β)).


Assim, temos:

cos(α − β) = cosαcosβ + senαsenβ. (2.14)

Consideremos agora:

sen(α + β).
Sabemos que:

sen(α + β) = cos(90◦ − (α + β)) = cos((90◦−α ) − β).


Temos, também, que:

cos((90◦ − α) − β) = cos(90◦ − α)cosβ + sen(90◦−α )senβ.


Então, podemos escrever:

sen(α + β) = senαcosβ + senβcosα (2.15)

Uma outra forma de demonstrar estas relações vem a seguir.


Considere a figura 2.21, em que:
2.8 Soma e subtração de arcos 73

M (x1 , y1 ) = M (cosα, senα)


N (x2 , y2 ) = N (cosβ, senβ)

Figura 2.21

A distância entre os pontos M e N é dada por:

[d(M, N )]2 = (cosα − cosβ)2 + (senα − senβ)2


[d(M, N )]2 = cos2 α + cos2 β − 2cosα.cosβ + sen2 α + sen2 β − 2senα.senβ
[d(M, N )]2 = cos2 α + sen2 α + cos2 β + sen2 β − 2cosα.cosβ − 2senα.senβ
Lembrando que cos2 α + sen2 α = cos2 β + sen2 β = 1, então temos:

[d(M, N )]2 = 2 − 2[cosα.cosβ + senα.senβ] (2.16)

Calculemos agora a distância entre M e N, porém agora no novo sistema de


coordenadas, mostrada na figura 2.22.
2.8 Soma e subtração de arcos 74

Figura 2.22

N (1, 0)
M (cos(α − β), sen(α − β))
[d(M, N )]2 = (1 − cos(α − β))2 + (0 − sen(α − β))2
[d(M, N )]2 = 1 − 2cos(α − β) + cos2 (α − β) + sen2 (α − β)2
Como cos2 (α − β) + sen2 (α − β) = 1, temos:

[d(M, N )]2 = 2 − 2cos(α − β). (2.17)


De 2.16 e 2.17, temos que:

cos(α − β) = cosα.cosβ + senα.senβ.


A partir desse rsultado, podemos determinar cos(α + β).

cos(α + β) = cos(α − (−β)) = cosα.cos(−β) + senα.sen(−β)

cos(α + β) = cosα.cosβ − senα.senβ. (2.18)


O restante das demonstrações são feitas de forma análoga com às anteriores.
2.8 Soma e subtração de arcos 75

Exemplo 2.8.1. Calcule cos105o sem o auxı́lio de uma calculadora.


Resolução: A princı́pio parece uma missão impossı́vel. Porém, para a resolução
deste problema, basta conhecer o cos 60o e cos 45o , que são ângulos notáveis.
Primeiro, o ângulo de 105o pode ser reescrito na forma de uma soma: 105o =
45o + 60o (note que estamos trabalhando com ângulos notáveis). Assim, podemos
também reescrever cos 105o = cos(45o + 60o ).
A partir da fórmula 2.18, seguimos com os cálculos:

cos(45o + 60o ) = cos(45o ). cos(60o ) − sen(45o ).sen(60)


√ √ √
2 1 2 3
cos(45o + 60o ) = . − .
2 2 2 2
√ r
o o 2 6
cos(45 + 60 ) = −
4 4
√ √
o o ( 2 − 6)
cos(45 + 60 ) = .
4

Exemplo 2.8.2. Calcule o seno do arco de medida 255o .


Resolução: O valor do seno de 255o é desconhecido, mas pode ser obtido
a partir da soma de arcos. Uma das possibilidades é desmembrar o ângulo de
255o na soma 180o + 75o . Os valores de seno e cosseno de 180o são conhecidos,
entretanto, precisamos encontrá-los para o ângulo de 75o , o que pode ser feito a
partir da soma dos arcos de 30o e 45o :

sin(x + y) = sin x. cos y + sin y. cos x

sin(30o + 45o ) = sin 30o . cos 45o + sin 45o . cos 45o 5
√ √ √
o 1 2 2 3
sin 75 = .( )+( ).( )
2 2 2 2
√ √
2 6
sin 75o = ( +( ))
4 4
2.8 Soma e subtração de arcos 76

√ √
o 2+ 6
sin 75 = ( )
4

Vamos agora encontrar o valor do seno de 255o :

sin(x + y) = sin x. cos y + sin y. cos x

sin(180o + 75o ) = sin 180o . cos 75o + sin 75o . cos 180o
√ √
2 + 6
sin(225o ) = 0. cos 75o + ( ).(−1)
4
√ √
o 2+ 6
sin(225 ) = −( )
4
√ √
o − 2− 6
sin(225 ) = .
4
Exemplo 2.8.3. Se tg(x + y) = 33 e tg(x) = 3, quanto vale tg(y)?
Resolução: O cálculo da adição de arcos da tangente é dado por:

tg(α) + tg(β)
tg(α + β) = ,
1 − (tg(α).tg(β))
que podemos substituir por

tg(x) + tg(y)
tg(x + y) = .
1 − (tg(x).tg(y))
Sabendo que tg(x + y) = 33 e tg(x) = 3, temos:

3 + tg(y)
33 =
1 − 3.tg(y)

33 − 99.tg(y) = 3.tg(y)

100.tg(y) = 30
2.8 Soma e subtração de arcos 77

30
tg(y) =
100

tg(y) = 0, 3.

Exercı́cios Propostos:

(19) Demonstre as seguintes relações trigonométricas:


a) sen(α − β) = senαcosβ − senβcosα
tgα+tgβ
b) tg(α + β) = 1−tgαtgβ
tgα−tgβ
c) tg(α − β) = 1+tgαtgβ

d) sen(2α) = 2senαcosβ
e) cos(2α) = cos2 α − sen2 α
2tgα
f) tg(2α) = 1−tg 2 α
CAPÍTULO 3

Funções

Neste capı́tulo vamos estudar em sua totalidade o conceito de função. Este


tema pode ser considerado um dos mais importantes conceitos na matemática e
tem se mostrado uma grande ”pedra no sapato” dos estudantes ao iniciarem o en-
sino superior. Iniciamente, pretendemos de forma alternativa e intuitiva introduzir
o conceito de função, afim de favorecer um aprendizado mais significativo.

3.1 Construindo o conceito de função


A descoberta da energia elétrica foi, sem dúvidas, um dos fatos mais impor-
tantes do século XVIII. No Paraná, somente depois de decorridos dez anos do
advento da eletricidade em Curitiba é que uma segunda cidade no estado, Para-
naguá, passou a contar com tal benefı́cio: em 1902 a famı́lia Blitzkow colocava
em operação um sistema de geração com dois grupos a vapor de 65 kVA. Dois
anos mais tarde foi a vez de Ponta Grossa ter eletricidade. União da Vitória foi a
cidade seguinte.
Foi em 1910 que inaugurou a primeira hidrelétrica do estado, a Usina de Serra
da Prata, perto de Paranaguá, com potência de 400 kVA e que forneceu eletrici-
dade a cidade até o inı́cio da década de 70, quando foi desativada.
Com a criação da Copel, o abastecimento de energia no Paraná melhorou gra-
dativamente, tornado-se uma das melhores companhias de abastecimento e as-
3.1 Construindo o conceito de função 79

sistência do Brasil. Infelizmente, as tarifas com relação a energia elétrica foram


crescendo. Hoje, na conta de luz, são cobrados a Energia + Iluminação Pública,
tornando a conta cada vez mais cara.
Observação: A unidade que mede a quantidade de energia por aparelho é
kWh (quilowatts hora).
Complete a tabela a seguir:

Tabela 3.1: Tarifa média das concessionárias (custo do kilowatt hora)

Tarifa média na Europa US$0,115

Tarifa média nos Estados Unidos US$0,080

Tarifa média no Brasil Pegue a sua conta de luz e descubra você mesmo

(Observação: U S$1, 00 = R$3, 70)


O que você pode concluir em relação às informações dadas na tabela anterior?
Você já refletiu sobre o consumo de energia elétrica do seu computador por
mês? Será que ele contribui muito para o aumento da sua conta de energia elétrica?
Neste trabalho mostraremos o quanto alguns aparelhos domésticos contribuem
para o aumento de sua conta de energia e também faremos uma simulação de
economia. Muitos são os conceitos e as situações matemáticas que podem ser
exploradas de uma conta de energia elétrica. Uma companhia distribuidora de
energia elétrica informa aos seus consumidores que o gasto com energia elétrica
mensal de um aparelho elétrico pode ser calculado pela fórmula:
P.H.D
G=
1000
onde:
G é o gasto em quilowatts hora (kWh);
P é a potência do aparelho em watts (W);
H é o número de horas que o aparelho funciona a cada dia;
D é o número de dias que o aparelho funciona a cada mês.

Exercı́cios Propostos:
3.1 Construindo o conceito de função 80

(1) Com a fórmula anterior fica fácil saber quanto cada aparelho consome em
quilowatts hora, então, preencha a seguinte tabela:

Aparelhos Potência Dias de uso no mês Tempo de uso por dia Consumo Mensal

(2) Com base nas informações contidas nas contas de energia elétrica, preencha
a seguinte tabela:

Mês referente Consumo (kWh) Valor de cada kWh Valor iluminação pública Valor total

(3) Represente os dados da Atividade 2 no gráfico a seguir, indicando os meses


na linha horizontal e o consumo na linha vertical.

Figura 3.1
3.2 O conceito de função 81

(4) Como você poderia expressar matematicamente o valor da conta de luz em


função do seu consumo?

(5) Considerando a expressão que você desenvolveu na Atividade 4, responda


as seguintes perguntas:
a) Se uma determinada famı́lia consumiu 342kWh num determinado mês,
qual será o valor da sua conta de luz?
b) Suponha que você pagou 380 reais de conta de luz, qual foi aproximada-
mente o seu consumo?
c) Represente graficamente a expressão que você obteve para o valor da
conta de luz.

(6) Considerando a pesquisa sobre o consumo de energia elétrica e o valor a ser


pago, apresente algumas sugestões para reduzir sua conta de luz.

(7) Faça agora uma simulação de economia. Considere um aparelho elétrico


listado na Atividade 1 e faça uma redução do seu tempo de uso diário e
mensal e compare qual a influência disso na conta total de luz, justificando
sua escolha.
Observação: Com a fórmula que você encontrou na Atividade 4, note que,
quanto mais gastar em quilowatt hora maior será o gasto (em reais) de energia
elétrica, ou melhor, o gasto (em reais) está em função da quantidade de quilowatt
hora gasto.
O conceito de função é muito importante e muito estudado entre os matemáticos,
porém outras áreas de conhecimento utilizam esta ferramenta para relacionar di-
ferentes tipos de grandezas. Por isso veremos a seguir o conceito, propriedades e
aplicações desta ferramenta matemática.

3.2 O conceito de função


Definição 3.2.1. Sejam dois conjuntos não vazios A e B. Uma função de A em
B é uma regra que associa cada elemento x de A, a um único elemento y de B.
Podemos escrever f : A → B ou A → B para designar funções de A em B.
Lê-se: f é uma função de A em B.
Observação: A letra f é a mais comum na notação de função, porém podemos
usar qualquer outro sı́mbolo.
3.2 O conceito de função 82

Exercı́cios Propostos:

(8) Imagine que, juntamente com sua famı́lia, você foi ao shopping e teve que
deixar seu carro no estacionamento. A placa de tarifas dizia o seguinte: ”3
reais por 1 hora e 2 reais por cada hora adicional”. Com estas informações,
responda as seguintes perguntas:
a) Quantos reais você gastaria se utilizasse 4 horas de estacionamento do
shopping?
b) Construa uma função matemática que relaciona o preço a ser pago pelo
estacionamento com as horas utilizadas.

(9) Seja ”L”o lado de um quadrado qualquer e ”A”sua respectiva área. Note
que quanto maior o lado do quadrado maior será sua área, concorda? Então
podemos dizer que a área do quadrado depende da medida do lado, ou seja,
a área está em função do lado.
a) Complete a tabela abaixo:

L A
2
5
16
169
v

b) Escreva a função matemática que relaciona a área do quadrado com sua


respectiva medida do lado.

(10) Analise o gráfico a seguir e complete a tabela.


3.3 Domı́nio, Contradomı́nio e Imagem 83

Figura 3.2

x f (x)
−2
0
0
150
z

Você conseguiria escrever a função que descreve o gráfico acima?

3.3 Domı́nio, Contradomı́nio e Imagem


Vamos primeiramente abordar de forma intuitiva o conceito de domı́nio, con-
tradomı́nio e imagem, através da figura a seguir:
3.3 Domı́nio, Contradomı́nio e Imagem 84

Figura 3.3

Conseguimos identificar dois conjuntos, A e B, onde A é formado pelos ele-


mentos {5, 12, 23} e B pelos elementos {5, 7, 14, 15, 16, 25, 26}. Observe que
os elementos de A se relacionam com os elementos de B através da função de
A → B (função de A em B) pela lei de formação f (x) = x + 2.
Observe:
f (5) = 5 + 2 = 7
f (12) = 12 + 2 = 14
f (23) = 23 + 2 = 25
Nessa relação, temos que x é elemento do domı́nio, e está presente no conjunto
A, como variáveis independentes da função:
Domı́nio: {5, 12, 23}.
Temos que y é elemento da imagem, presente em B, mas que tenha relação ao
elemento x do domı́nio, ou seja, y depende dos números x do domı́nio:
Imagem: {7, 14, 25}.
Já o contradomı́nio, são todos os valores presentes no conjunto B, sem ter,
necessariamente, relação com o conjunto A:
Contradomı́nio: {5, 7, 14, 15, 16, 25, 26}.
A partir disso, podemos definir, matematicamente, que a função é expressa da
maneira:
f (x) = y,
em que y depende do valor de x.

Definição 3.3.1. Dada uma função f de A em B, como na imagem 3.3, o conjunto


A é denominado domı́nio da função e o conjunto B é denominado contradomı́nio
3.3 Domı́nio, Contradomı́nio e Imagem 85

da função. Cada elemento de B que se relaciona, por meio da função f , com o


conjunto B chama-se imagem. O conjunto de todos os y é chamado conjunto
imagem da função f , indicado por Im(f ).

Exercı́cios Propostos:

(11) Dado o conjunto função
√ {−2, 0, 2, 4} e o contradomı́nio todos os números
reais (F:{−2, 0, 2, 4} → R), definida pela fórmula F (x) = 3x2 + 5. De-
termine sua imagem.
(12) A função é f : R −→ R definida por y = 5x + A. Encontre A, sabendo que
F (2) = 15.

3.3.1 Estudo do Domı́nio de uma Função


Existem funções em que precisamos analisar mais cuidadosamente seu domı́nio.
Exemplo 3.3.2. Determine o domı́no da função
x+1
f (x) = .
2−x
Resolução: Neste caso temos um problema, onde o denominador da função
não pode ser igual a zero. Identificamos, através da inequação 2 − x 6= 0 que x
não pode ser igual a 2 (basta adicionar 2 de ambos os lados da inequação), então
expressamos o domı́nio da função como: D = {x ∈ R|x 6= 2}.
Exemplo 3.3.3. Determine o domı́nio da função:

f (x) = x − 8.
Resolução: Como raiz não admite valores negativos, o número dentro dela
tem que ser maior ou igual a zero, portanto x − 8 ≥ 0, ou seja, x ≥ 8, então
expressamos o domı́nio da função como: D = {x ∈ R|x ≥ 8}.
Outro caso em que devemos analisar o domı́nio com mais atenção é quando
nossa função é logarı́tmica.
Exemplo 3.3.4. Determine o domı́nio da função:
f (x) = log(2x − 5).
Resolução: Como o domı́nio da função log só admite valores positivos, então
o logaritmando deve ser maior que zero, sendo 2x − 5 > 0. A partir disso,
podemos encontrar o domı́nio da função: D = {x ∈ R|x > 25 }.
3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora 86

3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora


Fazendo uso das noções de domı́nio, contradomı́nio e imagem, explicadas na
seção anterior, podemos introduzir algumas propriedades intrinsecas de certas
funções
Para a sequecia desta seção, usaremos as seguintes notações: A para domı́nio
e B para contradomı́nio.
Definição 3.4.1. Uma função f : A → B é dita sobrejetora se todos os elementos
do contradomı́nio estiverem associados a pelo menos um elemento do domı́nio,
ou seja, neste tipo de função a imagem é igual ao contradomı́nio.
Pode-se vizualizar isto melhor no diagrama de flechas abaixo:

Figura 3.4

Exemplo 3.4.2. Verifique se f : R → R, f (x) = 3x2 é sobrejetora.

Figura 3.5
3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora 87

Resolução: Analisando o domı́nio, contradomı́nio e imagem:


D(f ) = R;
CD(f ) = R;
Im(f ) = R+ ;
Como a imagem e o contradomı́nio diferem-se, não é sobrejetora.

Exemplo 3.4.3. Verifique se f : R → R, f (x) = 2x + 3

Figura 3.6

Resolução: Analisando o domı́nio, contradomı́nio e imagem:


D(f ) = R;
CD(f ) = R;
Im(f ) = R
Como a imagem é igual ao contradomı́nio, a função é sobrejetora.

Definição 3.4.4. Uma função f : A → B é dita injetora se x1 6= x2 , pertencentes


ao domı́nio, implicar f (x1 ) 6= f (x2 ) (ou equivalentemente se f (x1 ) = f (x2 ) então
x1 = x2 .

Observe que esta definição nos diz que Um elemento da imagem só está as-
sociado a um único elemento do domı́nio. A diferença para a função sobrejetora
é que um elemento do domı́nio pode estar associado a mais de um elemento da
imagem. Uma forma para descobrir se uma função é injetora é supor que f (x1 )
= (x2 ) e trabalhar algebricamente com a função. Para ilustrar, analise o diagrama
de flechas abaixo:
3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora 88

Figura 3.7

Exemplo 3.4.5. Discuta se f (x) = x3 é injetora.

Figura 3.8

Resolução: Tomemos que f (x1 ) = (x2 ), então:


x1 3 = x2 3
Tirando a raiz cúbica, têm-se:
x1 = x2
Portanto a função é injetora.
Definição 3.4.6. Para que uma função f : A → B seja bijetora um elemento
da imagem só pode estar associado a um unico elemento do domı́nio e o contra-
domı́nio tem que ser igual a imagem, ou seja, a função f (x) tem que ser simulta-
neamente injetora e sobrejetora.
3.4 Função sobrejetora, injetora e bijetora 89

Isto pode ser analisado no diagrama de flechas abaixo:

Figura 3.9

Exemplo 3.4.7. Analise os exemplos 3.4.2 e 3.4.5 e diga se as funções f (x), são
bijetoras.
Resolução: No exemplo 3.4.2 usou-se a f (x) = 3x2 , que não atendia o quesito
para ser sobrejetora, portanto ela também não é bijetora.
No exemplo 3.4.5 usou-se f (x) = x3 , já foi demonstrado que ela é injetora,
agora falta mostrar que ela é sobrejetora, para isso analisa-se o domı́nio, o con-
tradomı́nio e a imagem.
D(f ) = R;
CD(f ) = R;
Im(f ) = R;
Como a imagem é igual ao contradomı́nio esta função é sobrejetora, portanto
f (x) é bijetora.

Exercı́cios Propostos:

(13) Verifique em cada caso se a função f : R → R é injetora, sobrejetora ou


bijetora.
a) f (x) = −2
b) f (x) = ln(−2x + 1)
c) f (x) = x4 + 2
d) f (x) = ex
3.5 Função Par e Função Ímpar 90

(14) Classifique cada f : R → R, representada graficamente a seguir, em sobre-


jetora, injetora ou bijetora.

a)

Figura 3.10

b)

Figura 3.11

3.5 Função Par e Função Ímpar


Observe o gráfico abaixo:
3.5 Função Par e Função Ímpar 91

Figura 3.12

Definição 3.5.1. No gráfico anterior podemos notar a simetria em relação ao eixo


y, ou seja, em relação ao eixo vertical. Tal simetria exemplifica a função par que
atende a
f (x) = f (−x)
para todo x em seu domı́nio f .
Agora, observe o gráfico abaixo:

Figura 3.13

Definição 3.5.2. No gráfico anterior podemos notar a simetria em relação a ori-


gem. Tal simetria exemplifica a função ı́mpar que atende a
f (x) = −f (x)
para todo x em seu domı́nio f .
3.5 Função Par e Função Ímpar 92

Exemplo 3.5.3. Partindo da definição de função par e ı́mpar, classifique a função


f (x) = 2x2 − 4x.
Resolução: A definição diz que: f (−x) = f (x) para funções pares, e f (−x) =
−f (x) para funções ı́mpares.
Tomando x = -1,
f (−1) = 2.(−1)2 − 4. = −2,
e agora fazendo x=1
f (1) = 2(1)–4 = −2,
sendo assim, f (−x) = f (x) portanto a função é par.

Exercı́cios Propostos:

(15) A partir da função dada, verifique através da definição se a função é par ou


ı́mpar, ou nem par e nem ı́mpar:
a) f (x) = 3x2 + 4
b) f (x) = 2x
c) f (x) = x7 + 3x5 + 2x3 + 10

d) f (x) = 2x + 4
e) f (x) = 5

(16) Fazendo uso da ideia visual, verifique se a função a seguir é par ou ı́mpar :
a)

Figura 3.14
3.5 Função Par e Função Ímpar 93

b)

Figura 3.15

(17) Indique VERDADEIRO (V) ou FALSO (F) de acordo com a sentença:


1. ( ) A soma de duas funções pares é uma função par
2. ( ) A soma de duas funções ı́mpares é uma função ı́mpar
3. ( ) Toda função quadrática é uma função par
4. ( ) Toda função cúbica é uma função ı́mpar
5. ( ) O produto de duas funções ı́mpares é uma função ı́mpar
6. ( ) O produto de duas funções pares é uma função par
7. ( ) A função x4 –2x2 + 1 é uma função par
8. ( ) A função x5 –2x3 + 5x é uma função ı́mpar

(18) Assinale a alternativa cuja função é ı́mpar:


a) f (x) = 2x6
b) f (x) = x3 –3x
c) f (x) = 5
d) f (x) = 3x4 + 2
e) f (x) = |x|
3.6 Funções crescentes, decrescentes e constantes 94

3.6 Funções crescentes, decrescentes e constantes


Intuitivamente falando, a função crescente é uma função que quanto maior o
valor atribuı́do ao domı́nio, maior será o valor resultante na imagem. Também,
uma função é decrescente se ela apresenta um comportamento oposto à anterior,
isto é, quanto maior os valores do domı́nio, menores serão expressados na ima-
gem. Já uma função constante é fixa e se mantém, ou seja, aumentando os valores
atribuı́dos ao domı́nio (ou diminuindo), os valores na imagem não se alteram.
Tendo em vista esta noção inicial, apresentamos as definições formais.

Definição 3.6.1. Uma funcao y = f (x) e dita crescente num intervalo I se, para
qualquer x1 e x2 pertencentes a I, com x1 < x2 , tivermos f (x1 ) < f (x2 ).

Definição 3.6.2. Uma função y = f (x) é dita decrescente num intervalo I se,
para qualquer x1 e x2 pertencentes a I, com x1 < x2 , tivermos f (x1 ) > f (x2 ).

Definição 3.6.3. Uma função y = f (x) é dita constante num intervalo I se, para
qualquer x1 e x2 pertencentes a I, com x1 < x2 , tivermos f (x1 ) = f (x2 ).

Disto, temos a seguinte proposição:

Proposição 3.6.4. A função f (x) = ax + b é crescente para a > 0 e decrescente


para a < 0.

Exemplo 3.6.5. Classifique os gráficos abaixo em crescentes, decrescentes ou


constantes:
a)

Figura 3.16
3.6 Funções crescentes, decrescentes e constantes 95

Resposta: Crescente
b)

Figura 3.17

Resposta: Constante
c)

Figura 3.18

Resposta: Decrescente

Exemplo 3.6.6. Em que intervalos reais a função cujo gráfico é apresentado a


seguir é decrescente?
3.6 Funções crescentes, decrescentes e constantes 96

Figura 3.19

Solução: Existe somente um intervalo em que a função é decrescente em


(−1, 1).

Exemplo 3.6.7. A função f (x) = 3 − 2x é dita crescente ou descrencente para x


elemento de R?
Resolução: Tomaremos valores distintos de x e analisar o comportamento da
f (x), então:
para x = 0:

f (x) = 3 − 2.0 = 3
para x = 1:

f (x) = 3 − 2.1 = 1
para x = 2

f (x) = 3 − 2.2 = −1
para x = 3:

f (x) = 3 − 2.3 = −3
Podemos perceber que aumentando o valor de x o valor da f (x) diminui, ou
seja, a função é dita decrescente.

Exercı́cios Propostos:
3.7 Composição de funções 97

(19) Classique a função f (x) = 62x−90 em crescente, decrescente ou constante,


para x elemento de R.

(20) Podemos afirmar que a função f (x) = 2x é constante?

(21) Desenhe e classifique as funções abaixo:


a) f (x) = 7
b) f (x) = 2x − 1
c) f (x) = 2 − 4x

d) f (x) = x + 5
e) f (x) = 1 − 3x2

3.7 Composição de funções


A composição de funções é, de forma intuitiva, uma maneira de combinar duas
ou mais funções para se obter uma nova. Dada duas funções f e g, ambas com
o conjunto Domı́nio e Contradomı́nio pertencentes aos Números Reais (R), com
a composição de f e g, chamada de h, é possı́vel ”construir um caminho”do do-
minio da função f até a imagem da função g de forma direta por meio da função
h.
Exemplo 3.7.1. Sendo f (x) = 2x − 1 e g(x) = x2 , vamos determinar a imagem
de f (x).
Resolução: Quando x = 2:

f (2) = 2(2) − 1

f (2) = 3
Agora, vamos determinar a imagem de g(x) quando x = 3:

g(3) = (3)2

g(3) = 9
Com a função composta h(x), definida por meio da composição da f e g deve
conduzir x = 2 no dominio de f até o número {9}, que pertence ao conjunto
imagem de g. A figura a seguir nos mostra como podemos pegar um ”atalho”via
a função h.
3.7 Composição de funções 98

Figura 3.20

A pergunta que surge é: como construir tal função h que faça este papel des-
crito anteriormente? Veremos isso a seguir

3.7.1 Definição
Dada duas funções f : A → B e g : B → C (ou seja o conjunto imagem de f
está contido no conjunto domı́nio de g), a função composta h(x) é definida por
(g ◦ f )(x) = g(f (x)) (lê-se: função composta de g e f ).
Notações: (g ◦ f )(x) ou g(f (x)).

Exemplo 3.7.2. Dada as funções f (x) = x + 3 e g(x) = 3x + 2, encontre a


função h(x) = g(f (x)).
Resolução: Como Im(f ) ⊆ Dom(g), é possı́vel encontrar a função composta
de g e f , portanto:
g(f (x)) = 3.f (x) + 2
g(f (x)) = 3.(x + 3) + 2
g(f (x)) = 3x + 9 + 2
g(f (x) = 3x + 11

Exemplo 3.7.3. Se f (x) = x e g(x) = 4x2 , encontre a função (f ◦ g)(x).
Resolução: Como Im(g) ⊆ Dom(f ), é possı́vel encontrar a função composta
de f e g, portanto:
(f ◦ g)(x) = f (g(x))
p
f (g(x)) = g(x)
3.7 Composição de funções 99


f (g(x)) = 4x2
√ √
f (g(x)) = 4. x2
f (g(x)) = 2x
Exemplo 3.7.4. Dada a função f (x) = 2x + 3, encontre a função composta f ◦ f
Resolução: Como Im(f ) ⊆ Dom(f ), é possı́vel encontrar a função composta
de f e f , portanto:
f (f (x)) = 2f (x) + 3
f (f (x)) = 2(2x + 3) + 3
f (f (x)) = 4x + 6 + 3
f (f (x)) = 4x + 9
Exemplo 3.7.5. Dada as funções f (x) = 3x2 + 1, g(x) = 2x + 2 e h(x) = x + 3,
encontre f ◦ g ◦ h.
Resolução: Como Im(h) ⊆ Dom(g) e Im(g) ⊆ Dom(f ), é possı́vel encon-
trar a função composta f ◦ g ◦ h, portanto:

f ◦ g ◦ h = f (g(h(x)))

f (g(h(x))) = f (g(x + 3)
f (g(h(x))) = f (2(x + 3) + 2)
f (g(h(x))) = 3(2(x + 3) + 2)2 + 1
f (g(h(x))) = 3(2x + 6 + 2)2 + 1
f (g(h(x))) = 3(2x + 8)2 + 1
f (g(h(x))) = 3(4x2 + 32x + 64) + 1
f (g(h(x))) = 12x2 + 96x + 192 + 1
f (g(h(x))) = 12x2 + 96x + 193
Exemplo 3.7.6. Se f (x) = 2x–1 e f (g(x)) = x2 + 1, encontre a função g(x).
Resolução: Como f (g(x)) existe, então é possı́vel encontrar a função g(x),
portanto:
f (g(x)) = 2g(x)–1 = x2 − 1
2g(x) = x2 − 1 + 1
x2
g(x) =
2
3.7 Composição de funções 100

Exemplo 3.7.7. Dadas as funções f e g, tais que f (x) = 4x − 2 e f (g(x)) =


4x2 − 18, encontre o valor de g(−2)
Resolução: Como f (g(x)) existe, então é possı́vel encontrar a função g(x),
portanto:
f (g(x)) = 4g(x)–2 = 4x2 − 18
f (g(x)) = 4g(x) = 4x2 − 18 − 2
4x2 − 20
g(x) =
4
g(x) = x2 − 5
g(−2) = (−2)2 − 5
4–5 = −1

Exercı́cios Propostos:

(22) Seja f (x) = x2 + 9 e g(x) = 2x + 3, encontre:


a) f (g(x))
b) g(f (x))
c) f ◦ f (x)
d) g(f (−3))

(23) Se g(x) = 4x–9 e g(f (x)) = x2 , encontre a função f (x).

(24) Identifique as funções g e f que pode ser feita a composição na forma g ◦ f :


a) C(x) = sen(2x)
2
b) H(x) = xx2 −4x+4
+6x+9
√5
c) J(x) = x − 1

(25) Identifique as funções g e f que pode ser feita a composição na forma h◦g◦f
p
a) S(x) = 4 sen(3x)
1 2
b) V (x) = ( |x| )
3.8 Funções inversas 101

3.8 Funções inversas


Neste módulo, dando continuidade ao estudo das funções, será apresentada a
ideia de funções inversas. Para tanto, é crucial o bom entendimento sobre concei-
tos de domı́nio, imagem e de função bijetora já explicados nos capı́tulos anterio-
res.

3.8.1 Ideia intuitiva


Estudando a viabilidade de uma campanha de vacinação, os técnicos da Se-
cretaria da Saúde de um municı́pio verificaram que o custo da vacinação de P por
300P
cento da população local era de, aproximadamente, C = 400−P milhares de reais.
Suponha que os responsáveis queiram agora analisar a variação da porcenta-
gem da população em função do custo da campanha. Para obter essa função é
necessário isolar a variável P , obtendo-se então:

C(400 − P ) = 300P

400C − CP = 300P
400C = 300P + CP
400C = P (300 + C)
400C
P = .
300 + C

3.8.2 Conceito
Entende-se por uma função a relação entre duas variáveis, na qual há uma
variável dependente (x) e uma independente (y). A partir desse conceito, é
possı́vel definir a função inversa, essa é dada pela inversão da relação de de-
pendência entre as variáveis, dando origem, então, a uma nova função.
Para tanto, a função original deve ser bijetora. Assim, dada uma função bije-
tora f : A → B, existe a função inversa f −1 : B → A.
Para a obtenção da função inversa há o seguinte procedimento:

(i) Troca-se as variáveis;

(ii) Isola-se a variável independente.


3.9 Função Afim 102

É possı́vel saber se a função é invertı́vel se for um a um, isto é, cada elemento
pertencente à imagem está relacionado a somente um elemento do domı́nio. No
gráfico, quando traçadas retas horizontais sobre o gráfico, a função será cruzada
em somente um ponto, como na imagem abaixo.
Graficamente, as funções f e f −1 são simétricas em relação a reta bissetriz
dos quadrantes ı́mpares. Lembra-se que a bissetriz é a reta que divide um ângulo
em duas partes iguais, nesse caso, referimo-nos a reta y = x. Logo, nessa nova
função, D(f −1 ) = Im(f ) e Im(f −1 ) = D(f ).

Exemplo 3.8.1. Determine a função inversa de cada função dada por:


a) y = x + 8
Resolução: x = y − 8
f −1 = x − 8.
b) y = x2
1
Resolução: x = y 2
1
f −1 = x 2

Exemplo 3.8.2. Seja a função f : R → R definida por f (x) = 4x − 3. Se f −1 é


a função inversa de f , então quanto vale f −1 (5)?
Resolução: Sabemos que f é dado por y = 4x − 3 Vamos, então calcular a
sua inversa: y = 4x − 3 y + 3 = 4x x = y+3 4
Logo, sabemos que a inversa de f é
dada por: f −1 (x) = x+3 4
Aplicando a função no ponto 5 obtemos: f −1 (5) = 5+3
4
f −1 (5) = 2.

Exercı́cios Propostos:

(26) Considere a função f (x) = 2x+6


2
. Qual é o valor de f −1 (7)?
x+1
(27) Determine a função inversa da função dada por f (x) = x−2
.

(28) Dada a função f (x) = 3x−m


4
, e sabendo que f −1 (5) = 2, qual é o valor de
m?

3.9 Função Afim


Antes de definir o conceito de função afim, vamos inicialmente abordar um
problema cotidiano:
Problema: Um vendedor de móveis recebe mensalmente um salário com-
posto de duas partes, uma quantia fixa de 2000,00 reais e uma parte variável que
3.9 Função Afim 103

corresponde a uma comissão referente a quantidade de móveis que ele vendeu ao


mês, a comissão é de 7% (0,07). Sendo assim, o salário do vendedor de móveis
representa uma função afim dado a quantidade de móveis que ele vendeu durante
o mês na loja:
Salario do vendedor = 2000,00 + 0,07×(quantidade de móveis vendidos)

Definição 3.9.1. Uma função f : R → R é dita uma função afim se f (x) = ax+b,
onde a e b são números reais.

Exemplo 3.9.2.
f (x) = 3x + 1 → (a = 3, b = 1)

f (x) = −x + 10 → (a = −1, b = 10)

1 1
f (x) = x + 2 → (a = , b = 2)
2 2

f (x) = 5x → (a = 5, b = 0)

A seguir, alguns casos particulares importantes da função afim:

3.9.1 Função Identidade:


É a função f : R → R definida por f (x) = x para todo x ∈ R. Partindo da
definição de função afim, nesse caso devemos ter a = 1 e b = 0.

3.9.2 Função Linear:


É a função f : R → R definida por f (x) = ax onde a ∈ R. Partindo da
definição de função afim, nesse caso devemos ter b = 0.
Exemplos:

• f (x) = −2x

• f (x) = 51 x

• f (x) = 3x
3.9 Função Afim 104

3.9.3 Função Constante:


É a função f : R → R definida por f (x) = b onde b ∈ R. Partindo da
definição de função afim, nesse caso devemos ter a = 0.
Exemplos:
• f (x) = 3
3
• f (x) = 4

• f (x) = −2

3.9.4 Translação da Função Identidade:


É a função f : R → R definida por f (x) = x + b onde b ∈ R e b 6= 0.
Exemplos:
• f (x) = x + 2
1
• f (x) = x + 2

• f (x) = x − 9
O gráfico da função afim f (x) = ax + b sempre será uma reta. Geometri-
camente, b é a ordenada do ponto onde a reta intersepta o eixo y e o número a
chama-se inclinação ou coeficiente angular dessa reta em relação ao eixo horizon-
tal x.
Exemplo 3.9.3. Determine f (2) da função afim dada por f (x) = 54x − 3.
Resolução: f (2) = (54 × 2) − 3 = 105.
Exemplo 3.9.4. Seja f uma função f (x) = ax + b, em que a e b são números
reais. Se f (–1) = 4 e f (1) = 10, determine o valor de f (5).
Resolução: Substituindo primeiramente a f (−1), temos:

f (−1) = −a + b = 4

a=b−4
Agora substituindo f (1), obtemos:

f (1) = a + b = 10
3.9 Função Afim 105

Substituindo a da primeira equação na segunda, obtemos uma terceira equação


dependendo somente de b:

(b − 4) + b = 10

2b = 14

b=7
Voltando em qualquer uma das equações iniciais, obtemos:

a=7−4

a=3
Então, é possı́vel determinar agora a f (5):

f (5) = (3 × 5) + 7

f (5) = 22.

Exemplo 3.9.5. Determine a raiz da função y = 2x − 6.


Resolução: Como a raiz da função ocorre quando y = 0, temos que:

2x − 6 = 0

x=3
Concluimos então que a raiz da função é x = 3.

Exemplo 3.9.6. Trace o gráfico de y = 2 − 5x após encontrar dois pares orde-


nados que pertencem à função.
Resolução: Para encontrar os pares ordenados, é possı́vel chutar valores para
x e assim encontrar o y correspondente utilizando a função. Portanto, tomando
x = 0 e x = 1 obtemos:

y(0) = 2 − (5 × 0) = 2
3.9 Função Afim 106

y(1) = 2 − (5 × 1) = −3
Com esses dados é possı́vel construir o gráfico da função, que é dado abaixo:

Figura 3.21

Exercı́cios Propostos:

(29) Sabendo que f (2) = 10, f (1) = 0 e que f é uma função afim, determine:
a) f (3)
b) f (4)
c) f (100)

(30) Encontre o zero das funções:


a) y = 3 − 2x
b) y = 23 x − 2
c) y = 20x

(31) O rendimento R de certa aplicação pode ser expresso por R(t) = at + b


onde t é dado e meses. Determine o rendimento obtido após 2 anos sabendo
que R(1) = 20 e R(3) = 50.
3.10 Função Quadrática 107

3.10 Função Quadrática


Uma função f : R → R é dita quadrática se

f (x) = ax2 + bx + c,

onde a, b, c ∈ R, e a 6= 0.
O gráfico de uma função quadrática é uma parábola com eixo de simetria para-
←→
lelo a Oy. O ponto de interseção da parábola com o eixo de simetria denomina-se
vértice, que chamaremos de V .
Se na função a > 0, a concavidade do gráfico será para cima e o vértice será
um ponto de mı́nimo. Se a < 0, a concavidade será para baixo e o vértice será
um ponto de máximo. Estes detalhes serão explicitados dentro de um curso de
cálculo.

3.10.1 Coordenadas do vértice da parábola


Como já dito, o vértice da função será o ponto de máximo ou mı́nimo. Como
←→
a parábola cruza o eixo Oy na ordenada c, se substituı́mos y = c na função,
fatorando e resolvendo a equação chegará em:
b
x(ax + b) = 0 → x = 0 ou x = − .
a
b
Devido a simetria da parábola, xV é a metade de − a , assim obtem-se:
b
xV = −
2a
Agora, para encontrar a coordenada yV , substitua a coordenada xV na equação
geral. Depois de manipular a função, obtém-se

−b2 + 4ac
yV = .
4a
Portanto,

b −b2 + 4ac
V (x, y) = (− ; ).
2a 4a
3.10 Função Quadrática 108

Exemplo 3.10.1. Dada a função f (x) = −x2 + 4x − 9 determine as coordenadas


do vértice do gráfico da parábola formada por f (x).
Resolução: Podemos determinar as coordenadas do vértice utilizando inici-
almente a fórmula para encontrar o x do vértice. Temos que a = −1 e b = 4,
então:
−4
xv =
2 × (−1)
xv = 2
Para definir yv , usamos x = 2, então:

yv = −22 + 4 × 2 − 9

yv = −5
Assim, encontramos que as coordenadas do vértice são:

V = (2; −5)

Exemplo 3.10.2. Dada a função f (x) = x2 + 2x + 1, determine:


a) Os coeficientes a, b e c.
Resolução: a = 1, b = 2 e c = 1.
b) Determine o vértice da função.
b −b2 +4ac
Resolução: Para determinar o vértice da função, usa-se: V (x, y) = (− 2a ; 4a )
Com isso,
2
xV = − = −1
2×1
e

−22 + 4 × 1 × 1
yV = =0
4×1
Portanto,
V (−1; 0)
c) O vértice encontrado é ponto de máximo ou mı́nimo. Porquê?
Resolução: É ponto de mı́nimo, pois a > 0.
3.10 Função Quadrática 109

3.10.2 Construindo o gráfico de uma função


Para fazer o gráfico desse tipo de função, escolhe-se valores simétricos em
relação a abscissa do vértice.
Exemplo 3.10.3. Usando a função do exemplo 3.10.2, esboce o seu gráfico.
Resolução: Construindo a tabela, obteremos alguns pontos para fazer o gráfico.
Tabela de valores
x y = f (x)
x1 = −3 4
x2 = −2 1
xV = −1 yV = 0
x3 = 0 1
x4 = 1 4
Como já obtemos o xV e o yV , construiremos o gráfico, que está na figura
abaixo:

Figura 3.22

3.10.3 Raı́zes de uma função quadrática e estudo do sinal


Para determinar os zeros de uma função quadrática, basta isolar tudo de um
lado da equação, ou seja, basta fazer f (x) = 0 e utilizar a fórmula de Bhaskara
(1.3).
←→
No gráfico, as raı́zes indicam os pontos em que a parábola cruza o eixo Ox.
O estudo dos sinais da função quadrática, representado abaixo, pode ser realizado
diretamente no gráfico.
3.10 Função Quadrática 110

Estudo dos sinais


∆>0 a>0 concavidade para cima e duas raı́zes reais diferentes
∆>0 a<0 concavidade para baixo e duas raı́zes reais diferentes
∆=0 a>0 concavidade para cima e duas raı́zes reais iguais
∆=0 a<0 concavidade para baixo e duas raı́zes reais iguais
∆<0 a>0 concavidade para cima e duas e sem raı́zes reais
∆<0 a<0 concavidade para baixo e duas e sem raı́zes reais

Exemplo 3.10.4. Determine os valores de m, para que a função f (x) = (m–3)x2 –2x+
9 admita raı́zes reais.
Resolução: Para satisfazer essa situação, temos que ∆ ≥ 0:

b2 − 4ac ≥ 0

(−2)2 − 4(m − 3)9 ≥ 0

4 − 36(m − 3) ≥ 0

4 − 36m + 108 ≥ 0

−36m ≥ −112

36m ≤ 112

m ≤ 112 ÷ 36

28
m≤
9
Exemplo 3.10.5. O número de bolos feitos por Dona Maria em véspera de natal,
das 7 às 12 horas, é dado por f (t) = –t2 + 20t–293, em que 7 ≤ t ≤ 12 é a hora
desse dia. Qual foi o número máximo de bolos feitos nesse perı́odo do dia?
Resolução: Temos como função quadrática f (t) = –t2 + 20t–293 e podemos
observar que no gráfico a parábola tem concavidade para baixo, pois a < 0.
Assim, o t que faz a função ser máxima é o t do vértice, que pode calculado
através da fórmula:
3.10 Função Quadrática 111

−b −20
tv = = = 10
2a 2 × (−1)
Logo, t = 10 horas foi o momento de maior produção de bolo do dia. Para
encontrarmos quantos bolos foram feitos nesse momento fazemos:

t(10) = −102 + 20.10 − 293 = 7


Portanto, o número máximo de bolos feitos nesse perı́odo foi de 7 bolos.

Exercı́cios Propostos:

(32) Seja a função f (x) = 5x2 +bx+c, em que f (2) = 8 e f (−1) = 6. Encontre
b e c.

(33) Esboce o gráfico das funções a seguir:


a) (x − 1)(2x + 3) = 0
b) 4 − 2x2 = 6x + 3

(34) Encontre para quais valores a função f (x) = −2x2 + 4 é positiva.

(35) Um terreno retangular tem 150m2 de área, onde sua medida frontal tem 1m
a menos do que o dobro da medida dos fundos. Quantos metros de cerca
deverão ser colocados para fechar todo o terreno, considerando um vão de
portão de 3m de largura?
CAPÍTULO 4

Funções trigonométricas, exponenciais e


logarı́tmicas

Antes de abordar a definição de função exponencial, vejamos o problema a


seguir:
Problema: Vamos supor que você precise fazer um empréstimo em um banco
que usa o sistema de juros compostos, cobrando 2% de juros ao mês. Conside-
rando que você fez um empréstimo de 10000 reais e que quitaria a divida, seja ela
qual fosse, em 6 meses, quanto seria cobrado de juro?
Considerando E o valor do montante emprestado e V o valor da dı́vida após
os juros, podemos notar que no primeiro mês:

V1 = Ei + Ei × 2% = Ei (1 + 0, 02)
No segundo mês:

V2 = V1 (1 + 0, 02) = Ei (1 + 0, 02)(1 + 0, 02)


Portanto, em t meses:

Vt = Ei (1, 02)t
Aplicando a fórmula ao problema apresentado, encontramos a seguinte resolução:
4.1 Função exponencial 113

V6 = 10000(1, 02)6

V6 = 10000 × 1, 1261

V6 ∼
= 11261
Para calcularmos o quanto foi cobrado de juros fazemos:

Vj = V − Ei

Vj = 11261 − 10000

Vj ∼
= 1261
Portanto, o valor pago a mais para o banco, após 6 meses de juros composto,
é de 1261 reais.
2 t
A equação para a resolução do problema é V = Ei .(1 + 100 ) . Vamos então
investigar funções que tem esta forma a seguir.

4.1 Função exponencial

Definição 4.1.1. As funções exponenciais são representadas por uma base a ∈ R


e um expoente x (variável), na forma f (x) = ax , onde a > 0 e a 6= 1.

Observações:

• Se a = 0 ou a = 1, a função f (x) será constante e não exponencial, pois

f (x) = 0x = 0,

onde f (x) = 0, e
f (x) = 1x = 1,
onde f (x) = 1, para todo x ∈ R.
4.2 Equações Exponenciais: 114

• Se a < 0 e 0 < x < 1, não existiria ax em qualquer R, pois por exemplo

1 √
−2 2 = −2 = @
• Se a = 0, e x < 0, não existe ax , pois
1 1
0−2 = 2 = = @
0 0

4.2 Equações Exponenciais:


Quando as incógnitas estão nos expoentes de uma igualdade, dizemos que são
equações exponenciais, como as listadas abaixo:
• 4x = 32

• 25x+1 = 5x
• ( 13 )x = 81
Para resolvermos as equações utilizamos os conceitos de equações exponen-
ciais citados no Capı́tulo 2.
Exemplo 4.2.1. Resolva a seguinte equação:
3x+1 = 27
Resolução: Inicialmente, precisamos deixar ambos os lados da equação com
mesma base para aplicarmos os conceitos já estudados. Portanto,
3x+1 = 33
Analisando os expoentes, temos que:
x+1=3
x = 2.
Exemplo 4.2.2. Resolva a seguinte equação:
9
0, 75x =
16
Resolução:
 x  2
3 3
=
4 4
x = 2.
4.3 Gráficos Exponenciais: 115

4.3 Gráficos Exponenciais:


Para as Equações Exponenciais, podemos notar que:

• D(f ) = R

• CD(f ) = R

• Im(f ) = R

• A função é injetora, pois x1 6= x2 ⇒ ax1 6= ax2 ou x1 = x2 ⇒ ax1 = ax2 .

• A função é sobrejetora, pois para todo b > 0 existe algum x ∈ R tal que
ax = b.

• Logo a função é bijetora.

O gráfico de uma função exponencial pode ser representado de duas maneiras:

1. Caso a > 1:

Figura 4.1

Quando a > 1, a função é crescente, pois se a = 10:

10−2 < 10−1 < 100 < 101 < 102


0, 01 < 0, 1 < 1 < 10 < 100
4.3 Gráficos Exponenciais: 116

2. Caso 0 < a < 1:

Figura 4.2

Quando 0 < a < 1, a função é decrescente, pois se a = 12 :

1 1 1 1 1
( )−2 > ( )−1 > ( )0 > ( )1 > ( )2
2 2 2 2 2
1 1
4>2>1> >
2 4
O gráfico da função exponencial da forma 0 < a < 1 apresenta uma assı́ntota
horizontal em y = 0, porque à medida que x se torna um número positivo próximo
de +∞, a função f (x) se aproxima do eixo x, mas nunca o alcança.
Observação: Uma função exponencial f (x) = ax , onde a > 0 e a 6= 1, não
deve ser confundida com uma função potencial definida como f (x) = xn , com
x ∈ R. Podemos observar também que o ponto (0,1) está contido em todas as
funções exponenciais, pois quando x = 0 a função fica na forma f (0) = a0 = 1.

4.3.1 Montando o gráfico de funções exponenciais


1. Quando f (x) = ax − 1, desloca-se o gráfico 1 unidade para baixo

2. Quando f (x) = ax + 1, desloca-se o gráfico 1 unidade para cima

3. Quando f (x) = ax−1 , desloca-se o gráfico 1 unidade para direita

4. Quando f (x) = ax+1 , desloca-se o gráfico 1 unidade para esquerda


4.4 Inequações exponenciais 117

5. Quando a função for multiplicada por um número, ela comprime.

6. Quando a função for dividida por um número, ela estica.

4.4 Inequações exponenciais


As inequações exponenciais são desigualdades com equações exponenciais,
portanto a resolução é semelhante ao que já foi feito anteriormente.

Exemplo 4.4.1. Calcule 2x+7 < 32.


Resolução:
2x+7 < 32
2x+7 < 25
x+7<5
x < −2

Exemplo 4.4.2. Calcule ( 21 )x+1 ≥ 4x+3 .


Resolução:
(2−1 )x+1 ≥ (22 )x+3
2−x−1 ≥ 22x+6
−x − 1 ≥ 2x + 6
−3x ≥ 7
7
x≤−
3
Exemplo 4.4.3. Como saber quais são as raı́zes da equação 2x = x2 ?
Resolução: Podemos resolver jogando valores, assim encontramos que
Se x = 2, temos que 22 = 22 → 4 = 4.
Se x = 4 temos que 24 = 42 → 16 = 16.
Para saber se a função possui mais alguma raiz, desenha-se os gráficos das
funções y = 2x e y = x2 e onde eles se cruzarem existem raı́zes. O gráfico se
encontra na imagem abaixo.
4.5 O Logaritmo 118

Figura 4.3

É possı́vel observar que existe mais um ponto de interseção entre os gráficos.


Essa raiz pode ser encontrada através de métodos numéricos, melhor explicados
na disciplina de Cálculo Numérico presente nos cursos de Engenharia.

4.5 O Logaritmo
Primeiramente, para tentar entender a necessidade do uso dos logaritmos, va-
mos propor a seguinte questão:
Problema: Digamos que o valor da refeição de um Restaurante Universitário
aumente exponencialmente em 1% ao mês e você precise saber em quanto tempo
o valor da refeição irá dobrar.
Sendo R o valor da refeição, vamos representar os primeiros meses da seguinte
forma:

R1 = R × (1, 01)
Sendo 1,01 a porcentagem de aumento, o valor da refeição após 2 meses será:

R2 = R1 × (1, 01) = R × (1, 01) × (1.01)


R2 = R × (1, 01)2
Assim podemos deduzir o valor da refeição R, apos t meses:

Rt = R × (1, 01)t
4.5 O Logaritmo 119

Queremos saber em quanto tempo o valor da refeição irá dobrar, ou seja, qual
o valor de t quando Rt for o dobro do valor de R. Portanto:

Rt = 2R.
Mas, descobrimos anteriormente que o valor de R após t meses é representado
por Rt = R × (1, 01)t , portando substituindo na equação obtemos:

2R = R × (1, 01)t
Assim,
2 = (1, 01)t
Agora, para obter o tempo para que o valor da refeição dobre precisamos isolar
o t. E como fazer isso?

Definição 4.5.1. Uma função logarı́tmica é definida uma função da forma y =


loga x (que é equivalente a dizer que ay = x) onde a > 0 e a 6= 1.

Sabe-se que a é a base do sistema, x é o logaritmando e y é o logaritmo de x


na base a.
Através dessa relação matemática podemos resolver o problema anterior facil-
mente. Se ay = x é equivalente a dizer que y = loga x, então:

t = log1,01 2

Se colocarmos log1,01 2 na calculadora, obtemos que:

t = 69, 66

t∼
= 70
Ou seja, a resposta do nosso problema é 70 meses. Desse modo obtemos uma
função logarı́tmica, onde o x cresce ou decresce de acordo com o valor que é
determinado para y.
Além de poder ser utilizado em situações parecidas com a que exemplifi-
camos acima, os logaritmos são usados em praticamente todas as ciências para
determinação principalmente de taxas de crescimento.
Na quı́mica, os logaritmos podem ser usados para determinar o tempo de
desintegração de uma partı́cula radioativa, para calcular a idade de um fóssil ou
objeto antigo e ainda na taxa de resfriamento de um corpo. Na geografia, os
4.5 O Logaritmo 120

logaritmos são usados para medição da magnitude, epicentro e amplitude de ter-


remotos através da Escala Richter. Na medicina, quando um paciente ingere uma
droga, o logaritmo é usado para calcular por quanto tempo aquela droga ficará
presente no organismo do mesmo. Na matemática financeira, os logaritmos tem
diversas aplicações, por exemplo para cálculo que uma determinada aplicação irá
render em um banco de acordo com a taxa de juros.
Agora que entendemos para que servem os logaritmos, podemos estudá-los
melhor. Por que a base (a) deve ser maior que zero e diferente de 1?
Vamos tentar definir uma função logarı́tmica para a < 0 e a = 1:
Seja a = −1 e x = 1, então:

y = log(−1) 1
(−1)y = 1
Dessa forma temos infinitas soluções para a equação, pois para qualquer valor
de y que seja par e maior que zero a equação é satisfeita.
Agora, vamos supor que a = −1 e x = 2.

−1y = 2
Já nesse caso, não existe nenhum valor de y que satisfaça essa equação.
A função logarı́tmica também não está definida para valores de a menores que
zero. Por que?
Desafio: Tente definir uma função logarı́tmica para valores de a menores do
que zero.

4.5.1 Logaritmo de um número


Para resolver uma equação logarı́tmica, deve-se entender o princı́pio da fatoração.
Para conseguir chegar a uma resposta de uma equação do tipo ay = x, precisa-se
pensar da seguinte forma: “que número elevado a y é igual a x?”
Por exemplo, a equação 3y = 27. Se fatorarmos o 27 descobriremos que é
equivalente à 33 , então pode-se substituir na equação.

3y = 33 = 27

Logo, tem-se que y = 3.


4.5 O Logaritmo 121

Exemplo 4.5.2. Resolva e deixe no formato y = loga x a seguinte equação: 4y =


64.
Resolução: Fatorando o 64, temos que é equivalente a 43 , portanto:

4y = 43 ,

logo y = 3.
Como o 4 representa a base do logaritmo e 64 é o logaritmando, tem-se que

3 = log4 64

Exemplo 4.5.3. Resolva e deixe no formato y = loga x a seguinte equação: 5y =


1
125
.
Fatorando o 125 temos que é equivalente a 53 , portanto:
1
5y = = 5−3 ,
53
logo y = −3.
Com −3 representando o valor do logaritmo de 1/125 na base 5, ou seja
1
−3 = log5
125
Observação: Pode-se omitir a base do logaritmo quando a mesma for igual a
10. Exemplo:
log10 7 = log 7
Exercı́cios Propostos:
(1) Determine o equivalente a cada logaritmo usando potência:
a) log2 7 = x
b) logq m = k
c) log 0, 01 = −2

(2) Escreva uma igualdade com os números dados usando logaritmos:


a) 7, 49, 2
1
b) 6, −1, 6
c) 19, 19, 1
d) 8, 2, 64
4.5 O Logaritmo 122

(3) As funções logarı́tmicas f (x) e g(x) são dadas por f (x) = log3 x e g(x) =
log4 x. Determine:
a) f (9)
b) g(1)
c) g(4)
d) D(f )
e) Im(f )
f) x, tal que g(x) = 4
g) f (27) + g(16)
h) f −1 (1)

(4) Dados f (x) = log3 (x + 1), g(x) = 4 + log2 x e h(x) = log2 x, determine:
a) f (2)
b) g(2)
c) h(50)
d) g(1)
e) f (26)

f) g( 2)

4.5.2 Gráficos da função logarı́tmica


O gráfico de uma função logarı́tmica é definido para valores entre 0 e 1 e para
valores maiores que 1. Sendo que, quando 0 < a < 1 a função é decrescente, ou
seja, possui logaritmo negativo e quando a > 1 a função é crescente, possuindo
logaritmo positivo.
Função crescente: (a > 1)
O gráfico de uma função logarı́tmica crescente é representado a seguir:
4.5 O Logaritmo 123

Figura 4.4

Função decrescente: (0 < a < 1 :)


O gráfico de uma função logarı́tmica decrescente é representado abaixo:

Figura 4.5

Observações:

• Como f só está definida para valores de x maiores do que 0, gráfico está
totalmente à direita do eixo y.

• Intercepta o eixo x no ponto (1,0), pois se y = loga 1 então ay = 1, e


qualquer número elevado a 0 é sempre 1, ou seja, independente do valor de
a se x for 1 y sempre será 0.

• Quando a > 1 a função é crescente, pois x1 > x2 ⇔ loga x1 > loga x2 .


4.6 Funções Trigonométricas 124

• Quando 0 < a < 1 a função é decrescente, pois x1 > x2 ⇔ loga x1 <


loga x2 .

• A função logarı́tmica é a simétrica da função exponencial.


Demonstração:
y = ax

Uma função é dita simétrica (par) quando f (−x) = f (x), ou seja, para
encontrarmos a simétrica de uma função devemos trocar o x por y e isolar
o y, portanto temos:
y = ax ⇔ x = ay

Pela definição de logaritmo temos que:

x = ay ⇔ y = loga x

Portanto, pode-se dizer que a função logarı́tmica é a simétrica da função


exponencial.

4.6 Funções Trigonométricas


As funções trigonométricas estão relacionadas com as demais e com variadas
voltas no cı́rculo trigonométrico. As relações trigonométricas foram descritas no
capı́tulo 2.
Nos cursos de Engenharia, utiliza-se bastante estas relações trigonométricas
na parte de cálculo de limites, derivadas e integrais, e por essa razão é muito
importante conhecer tais relações. Os gráficos da função seno, cosseno e tangente
estão na imagem abaixo, respectivamente.
4.6 Funções Trigonométricas 125

Figura 4.6: Função Seno

Figura 4.7: Função Cosseno

Figura 4.8: Função Tangente


4.6 Funções Trigonométricas 126

4.6.1 Funções trigonométricas inversas


Outra parte fundamental da trigonometria muito vista será relacionada às
funções trigonométricas inversas, que basicamente são as inversas das funções
trigonométricas. Geralmente, são chamadas de função de arco, pois retornam ao
arco correspondente de uma certa função trigonométrica.
Existem duas notações diferentes para cada função inversa, ambas são bem
utilizadas e dependem da escolha de quem as usa.

• Função inversa do sin x:

sin−1 x = arcsin x

• Função inversa do cos x:

cos−1 x = arccos x

• Função inversa da tan x:

tan−1 = arctan x
CAPÍTULO 5

Matrizes

5.1 Introdução
Apresentaremos conceitos básicos sobre matrizes,um ente matemático mu-
uto importante na resolução de problemas que envolvem um grande número de
variáveis e/ou observações, cuja organização de forma ordenada e concisa torna-
se imprescindı́vel.
Chamamos de matriz uma tabela de elementos dispostos em linhas e colunas.
Por exemplo,ao recolhermos os dados referentes a uma companhia que vende pro-
dutos diferentes em diferentes mercados, uma tabela que propicia uma maneira
concisa de acompanhamento dos estoques é:

Esquis V aras Amarras Equipamentos


M ercado1 120 110 90 150
M ercado2 200 180 210 110
M ercado3 175 190 160 80
M ercado4 140 170 180 140
5.1 Introdução 128

Ao abstrairmmos os significados das linhas e das colunas temos:


 
120 110 90 150
200 180 210 110
E= 175 190 160 80 

140 170 180 140

Ao abstrairmos os significados das linhas e das colunas temos:


 
120 110 90 150
200 180 210 110
E= 175 190 160 80 

140 170 180 140

Representaremos uma matriz genérica de m linhas e n colunas por:


 
a11 a12 ... a1n
 a21 a22 ... a2n 
Am×n =   .

. ... . 
am1 am2 ... amn
Usaremos sempre letras maiúsculas para denotar matrizes e as corresponden-
tes minúsculas para seus elementos, que podem ser números, funções ou mesmo
matrizes. Quando quisermos especificar a ordem de uma matriz A, isto é, o
número de linhas, e colunas, escrevemos Am×n , onde m representa o número
de linhas e n o número de colunas. Um elemento genérico de tal matriz srá repre-
sentado então por aij , com i variando de l a m e j variando de l a n. Para a matriz
E acima temos por exemplo e23 = 210, e32 = 190 e e44 = 140.
Os elementos de uma matriz podem ser ainda dispostos entre parenteses ou
entre duas barras verticais de cada lado, como
  por exemplo:  
Definição 1: Duas matrizes Am×n = aij m×n e Br×s = bij r×s são iguais se
elas tem o mesmo número de linhas e colunas e todos os elementos que ocupam
posições correspondentes são iguais, isto é, se m = r, n = s e aij = bij para todo
i e todo j.
3 ( 15 )−1
 0 
  5
1 3 5 −4 . .
Exemplo: Se A = 1 e B = −22 0 1  temos
5 (−2)2 8 1
0,2
4 2−3
A = B, pois aij = bij , para todo i = 1, 2, 3 e todo j = 1, 2, 3.
5.2 Tipos Especiais de Matrizes 129

 
Definição 2: Dada uma matriz A = aij m×n , definimos a matriz tranposta
de A, denotada por A0 como a matriz At = bij n×m , cujas linhas são respectivas
 

colunas de A, isto é, bij = aij , para todo i e j.


 
2 1  
0 2 −1 4
Exemplo: Dada a matriz A = −1 0, então, A = e (At )t =
1 0 3
4 3
A
Exercı́cio 1: Mostre que (At )t = A, se A é uma matriz genérica AM ×n

5.2 Tipos Especiais de Matrizes


No que se segue considere sempre uma matriz genérica Am×n :

Matriz Quadrada é aquela cujo número de linhas é igual ao número de colu-


nas, isto é, m = n.  
  1 4 7
1 0   
Exemplos: , 2 5 8, 5
2 −3
3 6 9
Matriz Nula é aquela em que aij= 0, para todosi e j.
  0 0 0 0 0
0 0
Exemplos: 02×2 = , 03×5 0 0 0 0 0
0 0
0 0 0 0 0

 que possui uma única coluna, isto é, n = 1


Matriz Coluna éaquela
  −1
1    
Exemplos: , 0 e 5
2
3
Matriz Linha
 é aquela que   linha, isto é, m = 1.
  possui uma única
Exemplos: 1 −5 −1 , 0 0 0 0 e 5

Matriz Diagonal é uma matriz quadrada (m = n) onde aij = 0 para todo


i 6= j, isto é, oselementosque
 não estão
 na ”diagonal”são nulos.
5 0 0 0 0 0
Exemplos:0 −1 0, 0 0 0
0 0 2 0 0 0
5.2 Tipos Especiais de Matrizes 130

Exercı́cio 2: Defina diagonal de uma mattriz quadrada.

Matriz Identidade é toda matriz quadrada em que aij = 1 e aij = 0, para


i 6= j. Uma matriz identidadde será sempre representada por Im sendo m o
número de linhas oucolunas. 
1 0 0  
1 0
Exemplos: i3 = 0 1 0; I2 = .
0 1
0 0 1
Matriz Triangular Superior é uma matriz quadrada onde todos os elementos
abaixo da diagonal são nulos,
 é, aij
isto   = 0, para
 i > j.
  3 0 0 0 0 0
a b 
Exemplos: e 0 1 0 e 0 0 0.
0 c
0 0 5 0 0 0
Matriz Triangular Inferior é uma matriz quadrada onde todos os elementos
aij = 0, para
acima dda diagonal são nulos, isto é,   i < j.
  1 0 0 0 0 0
a 0 
Exemplos: , 0 1 0 e 0 0 0
b c
0 0 1 0 0 0
Matriz Simétrica é uma matriz quadrada onde aij = aji para todos i e j. Se
chamarmos de diagonal de uma matriz quadrada os elementos aij tais que i = j,
então uma matriz simétrica
 é simétrica
  em relaçãoà diagonal.
 
  3 0 0 8 9 −4 0 0 0
a 2 
Exemplos: , 0 1 0, 9 0 a  e 0 0 0
2 c
0 0 5 4 −a 0 0 0 0
Proposição 1: Uma matriz é simétrica se, e somente se ela é igual à sua trans-
posta, isto é, A = At .

Matriz Anti-Simétrica é uma matriz quadrada onde aij = −aji para todos i
e j.    
  0 9 −4 0 0 0
0 −2 
Exemplos: , −9 0 a  e 0 0 0
2 0
4 −a 0 0 0 0
Exercı́cio 3: Determine os valores de x, y, a e z para que a matriz
 
z x y2
A = −9 0 7
0 −2a 0
5.3 Operações com Matrizes 131

a) Seja simétrica;
b) seja anti-simétrica;
c) satisfaça a A = At

5.3 Operações com Matrizes


1. Adição: A soma de duas matrizes de mesma ordem, Amxn = [aij ] e Bmxm =
[bij ] é uma matriz mxn, que denotaremos por A + B, cujos elementos são
somas dos elementos correspondentes de A e B, isto é:

A + B = [aij + bij ]mxn


     
2 −1 5 1 7 0
Exemplo:  0 3  + 2 −1 =  2 2 
−2 4 0 8 −2 12

2. Multiplicação por escalar: Se A = [aij ]mxn e k é um número real, então


definimos a multiplicação da matriz A pelo escalar k como sendo uma nova
matriz kA, definida por kA = [kaij ]mxn .
Exemplos:
   
2 10 −4 −10
a) −2 =
1 −3 −2 6
  6 
3 2 10 5
6
b) 5 = 3 −9
1 −3 5 5
Propriedades da adição e multiplicação por escalar
Se A, B e C são matrizes de mesma ordem mxn e k, k1 e k2 são números
reais, então:
I) A + B = B + A (Comutatividade);
II) A + (B + C) = (A + B) + C (Associatividade);
III) Existe a matriz 0mxn , tal que A + 0mxn = 0mxn + A = A (Existência
do elemento neutro);
IV) Para cada matriz Amxn , existe uma matriz Dmxn tal que A + D = 0mxn
(Existência do elemento oposto);
V) 1A = A;
5.3 Operações com Matrizes 132

VI) k(A + B) = kA + kB;


VII) (k1 + k2 )A = k1 A + k2 A;
VIII) k1 (k2 A) = (k1 k2 )A;
Observação: As propriedades acima conferem ao conjunto das matrizes
mxn a estrutura de espaço vetorial.
IX) Para toda matriz A, 0.Amxn = 0mxn ;
X) Para todo escalar k, k0mxn = 0mxn ;
XI) Para todo escalar k e toda matriz A, (−k)A = −(kA);
XII) Quaisquer que sejam as matrizes A e B de mesma ordem, (A + B)t =
At + B t ;
XIII) Para todo escalar k e toda matriz A, (kA)t = k(At );
XIV) A é uma matriz antissimétrica se, e somente se At = −A.
3. Multiplicação de matrizes: Dadas duas matrizes A = [aij ]mxn e B =
[bjk ]nxp , chama-se produto AB a matriz C = [cik ]mxp tal que
n
X
cik = ai1 b1k + ai2 b2k + ai3 b3k + ... + ain bnk = aij bjk
j=1

para todo i = 1, 2, ..., m e todo k = 1, 2, ..., p.


Exemplo: Segundo a definição acima, temos, por exemplo, que
n
X
c11 = a11 b11 + a12 b21 + a13 b31 + ... + a1n bn1 = a1j bj1
j=1

e
n
X
c32 = a31 b12 + a32 b22 + a33 b32 + ... + a3n bn2 = a3j bj2
j=1

Observações:
1) Só podemos efetuar o produto de duas matrizes A = [aij ]mxn e B =
[bjk ]nxp se o número de colunas da primeira matriz for igual ao número de
linhas da segunda matriz. A matriz C resultanteterá o número de linhas da
primeira matriz e o número de colunas da segunda; isto é, C = AB é uma
matriz mxp;
5.3 Operações com Matrizes 133

2) O elemento cik da matriz produto é obtido multiplicando os elemtentos


da i-ésima linha da primeira matriz pelos elementos correspondentes da k-
ésima coluna da segunda matriz e somando estes produtos.
Exemplos: a) Dadas as matrizes
 
  1 0
2 1    
1 −1 −1 3 0 6 1
A = 4 2 ; B = ;C =  ;D = ,
0 1 5 4 3 8 −2
5 3
0 1

efetue, se possı́vel, os produtos AB, BA, CD e DC. Justifique quando não


for possı́vel.
Resolução: Os produtos BA e CD não existem, porque o número de colunas
de B é diferente do número de linhas de A e o número de colunas de D é
diferente do número de linhas de C.
Nos demais casos, temos:
 
    0 6 1
2x1 + 1x0 2x(−1) + 1x1 2 −1  9 18 −7
AB = 4x1 + 2x0 4x(−1) + 2x1 = 4 −2 , CD = 

12 62 −3 .

5x1 + 3x0 5x(−1) + 3x1 5 −2
3 8 −2

b) Sem calcular a matriz produto toda, determine a segunda linha e a terceira


coluna da matriz AD.
Propriedades da multiplicação de matrizes:
Se A, B e C são matrizes tais que as operações citadas estão definidas, te-
mos:
I) Se A é uma matriz mxn, então AIn = A e Im A = A (I = matriz identi-
dade);
II) A(B + C) = AB + AC;
III) (A + B)C = AC + BC;
IV) (AB)C = A(BC);
V) (AB)t = B t At ;
VI) Se A é uma matriz, então 0pxm A = 0pxn e A0nxk = 0mxk (0 = matriz
nula).
5.4 Matrizes Escalonadas 134

Observação: Em geral, temos que AB 6= A. Por exemplo, sendo


   
1 −1 1 1 2 3
A = −3 2 −1 , B = 2 4 6 ,
−2 1 0 1 2 3

temos que
   
0 0 0 −11 6 −1
AB = 0 0 0 , BA = −22 12 −2 ,
0 0 0 −11 6 −1

do que se conclui AB 6= BA. Note também que AB = 0 com A 6= 0 e


B 6= 0!

5.4 Matrizes Escalonadas


No que se segue, chamaremos de pivô o primeiro elemento não nulo de uma
linha não nula de uma matriz.
Definição 3: Será dito que uma matriz A = [aij ]mxn está na forma escalonada
se o número de zeros precedendo o pivô de cada linha aumenta por linha; no
caso de existirem linhas inteiramente nulas, estas aparecem abaixo das linhas não
nulas.
Exercı́cio: Verifique se as seguintes matrizes estão escalonadas:
     
  1 2 3 0 1 3 0 4 1 1 0 0 0
2 3 −1 1 0 0 1 0 0 0 1 −3 0 0 1 0 3
A = 0 0 2 3 , B =  0 0 0 , C = 0 0 0 1 2 0 , D = 0 0
    
1 5
0 0 0 0
0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0

Resposta: As matrizes A, B e D estão escalonadas.


Definição 4: Uma matriz Amxn está na forma escalonada reduzida por linhas,
se:
a) Amxn é escalonada;
b) O pivô de cada linha de A, se existir, é igual a 1;
c) Cada coluna que contém o pivô de alguma linha tem todos os seus outros
elementos iguais a zero.
Exercı́cios:
5.5 Operações Elementares sobre as linhas de uma Matriz 135

1. Verifique se as seguintes matrizes estão na forma escalonada reduzida por


linhas:
 
    1 0 0 0
0 1 −3 0 2 1 0 0 2   0 1 0 3
E = 0 0 0 1 2 , F = 0 1 0 0 , G = 2 1 0 , H =  0 0 1 5

0 0 0 0 0 0 0 1 1
0 0 0 1

Resposta: E e F são escalonadas reduzidas por linha.


2. Quando uma matriz coluna está na forma escalonada?
3. Exiba todos os tipos de matrizes 3x2 que estão na forma escalonada redu-
zida por linhas.

5.5 Operações Elementares sobre as linhas de uma


Matriz
São três as operações elementares sobre as linhas de uma matriz:

1. Permuta das i-ésima e j-ésima linhas (Li ⇔ Lj ).


   
1 0 1 0
Exemplo:  4 −1 L2 ⇔ L3 −3 4 
−3 4 4 −1
2. Multiplicação da i-ésima linha por um escalar não nulo k (Li ⇐ kLi ).
   
1 0 1 0
Exemplo:  4 −1 L2 ⇐ 3L2  12 −3
−3 4 −3 4
3. Substituição da i-ésima linha pela soma da mesma com k vezes a j-ésima
linha, sendo j 6= i (Li ⇐ Li + kLj ).
   
1 0 1 0
Exemplo:  4 −1 L3 ⇐ L3 + 2L2 4 −1
−3 4 5 2
Observação: Cada operação sobre as linhas de uma matriz Amxn resulta em uma
nova matriz A1 , que também pode ser obtida através da multiplicação de A, à
esquerda, por uma matriz E1 , de ordem m, conhecida como matriz elementar.
Esta matriz E1 , por sua vez, é obtida a partir da matriz identidade, efetuando-se
5.5 Operações Elementares sobre as linhas de uma Matriz 136

sobre as linhas da matriz identidade, a mesma operação elementar efetuada na


matriz A.
Exemplo: No exemplo da operação 1, efetuar a operação L2 ⇔ L3 sobre as
linhas de  
1 0
A =  4 −1
−3 4
é equivalente a efetuar o produto
  
1 0 0 1 0
E1 A = 0 0 1  4 −1 .
0 1 0 −3 4
Note que E1 é a matriz obtida realizando a operação L2 ⇔ L3 sobre as linhas da
matriz identidade I3 .
Exercı́cio: Construa a matriz elementar para cada um dos exemplos das operações
2 e 3 acima e efetue o produto para conferir o resultado.
Definição 5: Se A e B são matrizes mxn, dizemos que B é equivalente por
linhas a A se B for obtida através de um número finito de operações elementares
sobre as linhas de A. A notação A ∼ B é usada para indicar que A é equivalente
por linhas a B.
Exemplo: Dadas as matrizes
   
1 1 1 0
A =  4 −1 e B = 0 1
−3 4 0 0
dizemos que B é equivalente por linhas a A, pois B é obtida efetuando-se operações
elementares
 sobre
 as linhas de A,conformeos cálculos mostrados  a seguir.

1 1 1 1 1 1
 4 −1 L2 ← L2 − 4L1  0 −5 L3 ← L3 + 3L1 0 −5
−3 4   −3 4   0 7 
1 1 1 0 1 0
L2 ← L2 /(−5) 0 1 L1 ← L1 − L2 0 1 L3 ← L3 − 7L2 0 1
0 7 0 7 0 0
Teorema 1: Toda matriz Amxn é equivalente por linhas a uma única matriz
escalonada reduzida por linhas.
Definiçâo 6: O posto de uma matriz Amxn é o número de linhas nâo nulas de
alguma matriz escalonada, equivalente por linhas a A. Denotaremos o posto da
matriz A por p
5.6 A inversa de uma Matriz 137

 
1 2 1 0
Exercı́cio: Dê o posto da matriz A = −1 0 3 5.
1 −2 1 1
Resolução: Para obter o posto precisamos obter uma matriz escalonada equi-
valente por linhas a A, e isto pode ser feito de acordo com a seguinte sequencia
de operações
 sobre as linhas de A:  
1 2 1 0 1 2 1 0
−1 0 3 5 L2 ← L2 + L1 / L3 ← L3 − L1 0 2 4 5
1 −2 1 1  0 −4 0 1
1 2 1 0
L3 ← L3 + 2L2 0 2 4 5 
0 0 8 11
Como esta última matriz, além de escalonada é equivalente por linhas à matriz
A e, apresenta três linhas não nulas, o posto da matriz A é 3.

5.6 A inversa de uma Matriz


Definição 7: Dada uma matriz A, diz-se que A é invertı́vel, se existe uma matriz
B tal que AB = BA = I, onde I é uma matriz identidade. Neste caso, diz-se que
B é a inversa de A.
Escrevemos A−1 para denotar a inversa de uma matriz A, quando a inversa
existe. Observe que nem toda matriz admite inversa, como por exemplo, as matri-
zes nulas e as não quadradas entre outras. Por outro lado, toda matriz elementar é
invertı́vel. A inversa de uma matriz, quando existe, é única (mostre isso).
Exercı́cio: Use a definição 7 para verificar se as matrizes a seguir são in-
vertı́veis, determinando
  a inversa quando ela existir.
3 −2
a)A =
1 2 
1 −2
b)B =
−1 2  
−1 1/4 1/4
Resposta: A = e B não é invertı́vel.
−1/8 3/8
Teorema 2: Se A é uma matriz quadrada e se existir uma matriz B tal que
BA = I, então A é invertı́vel e B = A−1 .
Este teorema ilustra o fato de que, para matrizes quadradas, a existência de
uma inversa à esquerda é suficiente para garantir a existência e unicidade da in-
versa.
5.6 A inversa de uma Matriz 138

Proposição 3: (a) Se A é invertı́vel, então A−1 é invertı́vel e (A−1 )−1 = A;


(b) Se A e B são matrizes invertı́veis de mesma ordem, então AB é invertı́vel e
(AB)−1 = B −1 A−1 (c) Se A é invertı́vel, então At é invertı́vel e (At )−1 = (A−1 )t
Teorema 3: Se A é uma matriz invertı́vel, sua matriz escalonada reduzida por
linhas é a matriz identidade.
O teorema a seguir estabelece uma condição suficiente para a existência da
inversa de uma matriz (recı́proca do teorema 3) e também um procedimento para
sua determinação.
Teorema 4: Se uma matriz quadrada A é equivalente por linhas a uma matriz
identidade, então A é invertı́vel e, a matriz inversa de A, é obtida aplicando-se
na matriz identidade a mesma sequência de operações elementares que foi usada
sobre as linhas da matriz A para sua transformação na identidade.
O exemplo seguinte ilustra a idéia utilizada na demonstração da segunda parte
do Teorema 4, atravéz de matrizes elementares. Seja a determinação da inversa da
matriz invertı́vel A, sendo,
 
1 0 0
A = 1 0 −1
0 1 0
Sabemos que a inversa de A é uma matriz B, tal que, BA = I. A seguinte
sequência de cálculos
   B como
nos fornece  umproduto dematrizes elementares:
1 0 0 1 0 0 1 0 0
01) E1 A = −1 1 0
  1 0 −1 = 0 0 −1 = A1
 
0 0 1  0 1 0  0 1 0  
1 0 0 1 0 0 1 0 0
02) E2 (E1 A) = E2 A1 = 0 0 1 0 0 −1 = 0 1 0  = A2
0 1 0 0  1 0 0  0 −1 
1 0 0 1 0 0 1 0 0
03) (E3 E2 E1 A) = E3 A2 = 0 1 0
   0 1 0 = 0 1 0 = I
 
0 0 −1 0 0 −1 0 0 1 
1 0 0
Como (E3 E2 E1 )A = I, temos que A−1 = B = (E3 E2 E1 ) = 0 0 1
1 −1 0
Além do mais, E3 E2 E1 = (E3 E2 E1 )I. Assim, podemos concluir que a in-
versa de A foi obtida aplicando-se em I a mesma sequência de operacões elemen-
tares que transformou A em I.
Observação: Na prática, para obtermos a inversa da matriz A, procedemos
5.6 A inversa de uma Matriz 139

operando simultaneamente com as matrizes A e I, uma ao lado da outra. Atravéz


das operações elementares necessárias para chegarmos à matriz I na posição cor-
respondente à matriz A, obtemos no lugar correspondente à matriz I a inversa de
A. Se não obtivermos a matriz identidade na posição correspondente à da matriz
A, temos que A não é invertı́vel(forma contrapositiva do teorema 3).
Vejamos
 primeiro  que a matriz A acima
 é invertı́vel,
 mostrando
 que A  = I:
1 0 0 1 0 0 1 0 0
A = 1 0 −1 L2 ← L2 − L1 0 0 −1 L2 ← L3 0 1 0 
0 1 0  0 1 0 0 0 −1
1 0 0
L3 ← −L3 0 1 0 = I

0 0 1
Como A é equivalente por linhas à matriz identidade, A é invertı́vel, de acordo
com o teorema 4. Para obter a inversa de A−1 , façamos sobre as linhas de I a
mesma sequência
 de operações feitas  a matrizA.
 acima, sobre 
1 0 0 1 0 0 1 0 0
I = 0 1 0 L2 ← L2 − L1 −1 1 0 L2 ← L3  0 0 1
0 0 1  0 0 1 −1 1 0
1 0 0
L3 ← −L3 0 0 1 = A−1
1 −1 0
 
2 1 0 0
 1 0 −1 1
Exemplo: Determine a inversa da matriz A =   0 1 1 1, sabendo que

−1 0 0 3
ela éinvertı́vel. Usaremos o dispositivo sugerido na última observação.
2 1 0 0 | 1 0 0 0
 1 0 −1 1 | 0 1 0 0
 0 1 1 1 | 0 0 1 0 L2 ⇐ L1
 

−1 0 0 3 | 0 0 0 1
 
1 0 −1 1 | 0 1 0 0
 2 1 0 0 | 1 0 0 0
(A|I)1 =   0 1 1 1 | 0 0 1 0 L3 ⇐ L2 − 2L1 /L4 ← L4 + L1

−1 0 0 3 | 0 0 0 1
 
1 0 −1 1 | 0 1 0 0
0 1 2 −2 | 1 −2 0 0
(A|I)2 =   L ← L3 − L2
0 1 1 1 | 0 0 1 0 3
0 0 −1 4 | 0 1 0 1
5.6 A inversa de uma Matriz 140

 
1 0 −1 1 | 0 1 0 0
0 1 2 −2 | 1 −2 0 0
(A|I)3 =  0 0 −1 3 | −1 2 1 0 L1 ← L1 − L3 /L2 ← L2 +

0 0 −1 4 | 0 1 0 1
2L3 /L4 ← L4 −  L3 
1 0 0 −2 | 1 −1 −1 0
0 1 0 4 | −1 2 2 0 L ← L1 + 2L4 /L2 ←
(A|I)4 =  0 0 −1 3 | −1 2 1 0 1
0 0 0 1 | 1 −1 −1 1
L2 − 4L4 /L3 ← L3 − 3L4 
1 0 0 0 | 3 −3 −3 2
0 1 0 0 | −5 6 6 −4
(A|I)5 =   L ← −L3
0 0 −1 0 | −4 5 4 −3 3
0 0 0 1 | 1 −1 −1 1
 
1 0 0 0 | 3 −3 −3 2
0 1 0 0 | −5 6 6 −4
(A|I)6 = I|A−1 = 0 0 1 0 | 4 −5 −4 3 .

0 0 0 1 | 1 −1 −1 1
 
3 −3 −3 2
−5 6 6 −4
Logo A−1 =   4 −5 −4 3 .

1 −1 −1 1
CAPÍTULO 6

Determinantes

Determinante é um certo tipo de função que associa um número real a uma


matriz quadrada. Neta seção nós iremos definir esta função e aplicá-la a matrizes
2x2 e 3x3.
Lembre do Teorema X que diz que a matriz 2x2
 
a b
A=
c d

é invertı́vel se ad − bc 6= 0. A expressão ad − bc ocorre com tanta frequência em


Matemática que recebeu um nome: é o determinante da matriz A e é denotado
pelo sı́mbolo det(A). Com esta notação, a fórmula para A−1 dada no Teorema é:
 
−1 1 d −b
A =
det(A) −c a

Um dos objetivos desse capı́tulo é o de obter análogos dessa fórmula para


matrizes quadradas de ordens maiores. Isto vai requerer que nós estendamos o
conceito de um determinante para matrizes quadradas de qualquer tamanho. Para
fazer isto nós precisamos de alguns resultados preliminares sobre permutações.
6.1 Como calcular determinantes 142

6.1 Como calcular determinantes


O conceito geral de determinantes se baseia na ideia de permutações e envolve
muitos cálculos. Não pretendemos aqui explorar a ideia de permutações, mas sim
explicitar o calculo dos determinantes de forma mais simples.
Observação: A diagonal principal de uma matriz é composta pelos elementos
aij tais que i = j, e a diagonal secundária são os elementos da outra diagonal.
Exemplo 6.1.1. Quais os elementos da diagonal principal e secundária da matriz
a seguir?
 
7 9 0
A= 4 3 5 
1 2 1
Resolução: Como a11 = 7, a22 = 3 e a33 = 1, a diagonal principal é formada
pelos números 7, 3 e 1. A outra diagonal é composta pelos números 1, 3 e 0, e
esses são os elementos da diagonal secundária.
Definição 6.1.2. Consideremos o conjunto das matrizes quadradas de elementos
reais. Seja A uma matriz de ordem n desse conjunto. A cada matriz A, podemos
associar um único número real chamado de determinantes da matriz A, indicado
por det A, definido em termos dos elementos de A da seguinte forma:

1. Se A é de ordem n = 1, então det A é o único elemento de A:

A = [a11 ] → det[a11 ] = a11

2. Se A é de ordem n = 2, então det A é o produto dos elementos da diagonal


principal menos o produto dos elementos da diagonal secundária:
   
a11 a12 a11 a12 a11 a12
A= → det = = a11 a22 − a12 a21
a21 a22 a21 a22 a21 a22
 
a11 a12 a13
3. Se A é de ordem n = 3 e A =  a21 a22 a23  então
a31 a32 a33
 
a11 a12 a13
det  a21 a22 a23  = a11 a22 a33 +a12 a23 a31 +a13 a21 a32 −a13 a22 a31 −a11 a23 a32 −a12 a21 a33 .
a31 a32 a33
6.1 Como calcular determinantes 143

4. Se A é de ordem n ≥ 4, nenhuma das definições acima podem ser usadas


e neste caso usaremos o dispositivo de Laplace, o qual é válido para o
cálculo dos determinantes já definidos acima também. O desenvolvimento
de Laplace será descrito posteriormente.

Observação: Pode-se representar um determinante, colocando-se os elemen-


tos da matriz entre barras verticais, uma de cada lado, como ilustrado no item 2
da Definição 7.5.2.
Exercı́cios Propostos:

(1) Calcular os determinantes:




−3 2

13
1 1 0
12
a)
1 b) c) 0 1 0
−1 2 7 5 −1 1 1

1 3 2

5
−3 2


6 8 38
d) 2 5 1 e) 4 1 1
f) −2 1 13
−1 0 −2 2 7 −3 5 3 6
(2) Determinar o valor de x tal que:

2x 3x + 2
a) =0
1 x

2x x − 2
= 11
b)
4x + 5 3x − 1
Definição 6.1.3. Consideremos uma matriz A de ordem n ≥ 2 e seja aij um
elemento de A. Definimos o menor complementar do elemento aij e indicamos
por Dij , como sendo o determinante da matriz que se obtém, suprimindo a linha
i e coluna j de A.
 
4 3 4
Exemplo 6.1.4. Seja A =  2 1 5  e calcule D11 , D21 e D31 .
 3 3 2
4 3 4
1 5

Resolução: De  2 1 5 , temos D11 = = (1 × 2) − (5 × 3) =
3 2
3 3 2
3 4 3 4
−13, D21 = = (3 × 2) − (4 × 3) = −6 e D31 =
1 5 = (3 × 5) −

3 2
(4 × 1) = 11.
6.1 Como calcular determinantes 144

 
5 6
Exemplo 6.1.5. Se A = , qual o valor de D12 e D22 ?
7 8
Resolução: D12 = |7| = 7 e D22 = |5| = 5.

Definição 6.1.6. Consideremos uma matriz A de ordem n ≥ 2 e aij um elemento


de A. Definimos cofator ou complemento algébrico de aij (ou co-fator de aij ), e
indicamos por Aij , como sendo o número (−1)i+j .Dij .
 
2 3 −2
Exemplo 6.1.7. Seja A =  1 4 8 , calcule A11 e A12 .
7 5 3
4 8
Resolução: Temos que A11 = (−1)1+1 = 1 × (12 − 40) = −28, e
5 3
1 8
A12 = (−1)1+2 = −1 × (3 − 56) = 53.
7 3
 
A11 A12 · · · A1n
 A21 A22 · · · A2n 
Definição 6.1.8. A matriz A0 =  .. ..  é definida como a
 
..
 . . . 
Am1 Am2 Amn
matriz cofatora da matriz A, e sua transposta é definida como a matriz adjunta da
matriz A, com Aij dada pela definição anterior.

Definição 6.1.9. Desenvolvimento de Laplace


Seja A uma matriz de ordem n. Definimos o determinante da matriz A da
seguinte forma:

1. Se A é de ordem 1, então A = [aij ] e det A = aij .


 
a11 a12 · · · a1n
 a21 a22 · · · a2n 
2. Se A é de ordem n ≥ 2, isto é, A =  .. , então
 
.. ..
 . . . 
am1 am2 amn

I) o desenvolvimento de Laplace segundo os elementos de uma coluna


qualquer de A, estabelece que:
n
X
det A = a1k .A1k +a2k .A2k +a3k .A3k +. . .+ank .Ank = aik .Aik (1 ≤ i ≥ n)
i=1
6.1 Como calcular determinantes 145

II) o desenvolvimento de Laplace segundo os elementos de uma linha


qualquer de A, estabelece que:
n
X
det A = ak1 .Ak1 +ak2 .Ak2 +ak3 .Ak3 +. . .+akn .Akn = aki .Aki (1 ≤ i ≥ n)
i=1

Exercı́cio Proposto:

(3) Escreva o desenvolvimento de Laplace segundo a 2a linha e segundo a 3a


coluna de uma matriz A, 5x5.

Exemplo 6.1.10. Resolva, atravésdo Desenvolvimento de Laplace, o determi-


3 1 2 −2
 0 2 0 4  a
nante da matriz  0 4 1 −2  segundo a 1 coluna.

−1 1 3 3
3 1 2 −2

0 2 0 4
Resolução:
= 3.A11 +0.A21 +0.A31 +(−1).A41 = 3.A11 −
0 4 1 −2

−1 1 3 3

2 0 4 1 2 −2

A41 = 3.(−1)1+1 . 4 1 −2 − (−1)4+1 . 2 0 4 = 3.62 + 32 = 218.
1 3 3 4 1 −2

Exemplo 6.1.11. Resolva, através


 do Desenvolvimento de Laplace, o determi-
1 2 1 1
 2 1 4 3  a
nante da matriz   3 0 0 2  segundo a 3 linha.

4 3 2 −5
1 2 1 1
2 1 1
2 1 4 3
Resolução: = 3.A31 + 2.A34 = 3.(−1)3+1 . 1 4 3 +
3 0 0 2

3 2 −5
4 3 2 −5

1 2 1

2.(−1)3+4 . 2 1 4 = 3.(−40+9+2−12+5−12)−2.(2+32+6−4−8−12) =
4 3 2
3.(−48) − 2.(16) = −144 − 32 = −176.
6.2 Propriedades dos determinantes 146

6.2 Propriedades dos determinantes


Seja A uma matriz de ordem n:

Propriedade 6.2.1. Se todos os elementos de uma linha/coluna da matriz A forem


nulos, det A = 0

Propriedade 6.2.2. det A = det At ;

Propriedade 6.2.3. Se multiplicarmos uma linha/coluna da matriz por um número,


o determinante fica multiplicado por este número;

Propriedade 6.2.4. Uma vez trocada a posição de duas linhas/colunas, o deter-


minante troca de sinal;

Propriedade 6.2.5. det(AB) = det A det B;

··· a11 · · · a11 · · ·



a11 a1n a1n a1n
.. .. .. .. .. ..
. . . . . .


Propriedade 6.2.6. bi1 + ci1 · · · bin + cin = bi1 ··· bin + ci1 ··· cin ;

.. .. .. .. .. ..

. .
. . . .
a
n1 ··· ann
an1 · · · ann an1 · · · ann
Propriedade 6.2.7. O determinante de uma matriz que tem duas linhas/colunas
iguais ou múltiplas escalares uma da outra, é zero;

Propriedade 6.2.8. O determinante de uma matriz não se altera se uma dada


linha/coluna da matriz for substituı́da por esta mesma linha/coluna adicionada a
qualquer outra linha/coluna multiplicada por uma constante;

Propriedade 6.2.9. Se uma das linhas da matriz é o resultado da soma de duas ou


mais outras linhas multiplicadas por constantes, então seu determinante é zero.

Observações:

• det(A + B) 6= det A + det B.

• O cálculo de determinantes envolve muitas contas, principalmente quando a


matriz não é esparsa. Assim, sempre que possı́vel, as Propriedades (6.2.3),
(6.2.4) e (6.2.8) podem ser usadas para simplificar os cálculos.
6.2 Propriedades dos determinantes 147

Teorema 6.2.10. Uma matriz quadrada A admite uma inversa se, e somente se,
det A 6= 0, e neste caso det A−1 = det1 A , e A−1 = adj(A)
det A
, onde adj(A) é a matriz
transposta da matriz cofatora de A.
 
3 4 2 1
 1 1 3 1 
Exemplo 6.2.11. Calcular o determinante de A−1 se A =   1 1 4 −2 .

−1 2 1 −1
Resolução: Pelo Teorema (6.2.10), det A−1 = det1 A . Precisamos achar det A.
Como A não tem muitos zeros, apliquemos as propriedades dos determinantes
para obter uma matriz mais simples.
Seja det A = m. Efetuando a operação L1 ⇒ L2 sobre as linhas de A, obte-
mos:  
1 1 3 1
 3 4 2 1 
A1 =  1 1 4 −2  e det A1 = −m pela Propriedade (6.2.4) dos de-

−1 2 1 −1
terminantes.  
 1 1 3 1
 L2 ⇒ L2 − 3L1  0 1 −7 −2 
Fazendo em A1 L3 ⇒ L3 − L1 , obtemos A2 =   0 0 1 −3  e

L4 ⇒ L4 + L1

0 3 4 0
assim det A2 = a11 .A11 = det A1 = −m, pela Propriedade
(6.2.8) dos determi-
1 −7 −2

nantes. Logo, m = −a11 .A11 = −1. 0 1 −3 = −(63 + 6 + 12) = −81 e
3 4 0
det A−1 = − 81
1
.

Exercı́cios Propostos:

(4) Use o desenvolvimento de Laplace e calcule os determinantes das matrizes:


 
  1 2 3 −4 2
1 3 2 0  0 1 0 0 0 
 3 1 0 2   
a) A = 
  b) A =  0 4 0 2 1 
2 3 0 1  
 0 −5 5 1 4 

0 2 1 3
0 1 0 −1 2
6.3 Lista de Exercı́cios 148

6.3 Lista de Exercı́cios


(1) Construa uma matriz A = [aij ]2x3 tal que aij = j se i + j = 4 e aij = 1 se
i + j 6= 4.
(2) Construa uma matriz A = [aij ]3x3 tal que aij = 0 se i = j, aij = (−1)i+j
se i < j e aij = −aji se i > j.
(3) Determine x, y, z e w de modo que:
       
2x 3y x + 1 −2y x + 2y √5 −3 x − 2y
a) = b) =
3 4 3 y+4 5 w2 5 4
       2 
y+4 2 12 2 x2 0 |y| 2x − 1 w 2
c) = d) =
9 x2 + 4 9 53 4 −w −3 y2 0 x2 − 4x
 
1 x 5      
x 1 2 y 3 2
e) 2 7 −4  seja simétrica
 f) + =
1 2 0 −1 z w
y w −3
  
  6 9
(4) Sejam as matizes A = 4 7 2 , B =  5 , C =  1 , D =
  1 −7
6 9
−4 −6
a) Calcule W = B + C, X = 2A + B t e Y = −A + (B + C)t .
b) Calcule AB e BA.
c) Calcule D2 = D.D. O que acontece de curioso neste cálculo, se compa-
rarmos com o resultado x2 = 0 de números reais?
d) Calcule X se A + 2X = B t .

X +Y =B
e) Calcule X e Y se:
2X − Y = C
f) Verifique que A(B + C) = AB + AC.
g) Verifique que (BA)t = At B t .
(5) a) Construa, em forma de matriz, o inventário de uma firma de lojas va-
rejistas que dispõe de 10 violões (v), 15 guitarras (g), 3 baterias (b) e 12
teclados (t) na loja 1; 20v, 14g, 8b e 5t na loja 2; 16v, 8g e 6t na loja 3; 4v,
12g e 1b na loja 4 e 3g, 4b e 6t na loja 5.
6.3 Lista de Exercı́cios 149

b) Suponha que, em média, 20% do estoque da firma seja vendido. Qual


a matriz que representa o novo inventário da firma? Use arredondamento
matemático.
c) Considerando o item anterior e supondo ainda que chegue uma entrega
E às 
lojas, qual a nova
 matriz que representa o estoque da firma, sendo
4 2 0 5
 3 4 4 4 
 
E=  2 5 5 6 .

 6 0 3 5 
5 4 10 3
d) Admitindo que o preço unitário do violão é 3um, da guitarra é 8um, da
bateria é 8um e do teclado é 10um, use as operações de matrizes para obter
a matriz valor do estoque do item anterior, por tipo de produto.
   
2 −3 −5 −1 3 5
(6) Considere as matrizes A =  −1 4 5 , B =  1 −3 −5 ,
  1 −3 −4 −1 3 5
2 −2 −4 1 0 0  
2 −1 5
C =  −1 3 4 ,D =
  0 1 0 ,E =
 ,F =
0 3 2
1 −2 −3   0 0 1
  1 0 0
6 9
, G =  0 0 1 .
−4 −6
0 1 0
a) Discuta a existência dos produtos AB, CE, EC, F E, EF , CF , F C e
ECE.
b) Mostre que AB = BA = 03x3 e AC 6= CA.
c) Verifique que AC = AD, porém C 6= D.
d) Compare os resultados dos itens b e c, com as propriedades operatórias
dos números reais.
e) Calcule A + At e A − At e classifique as matrizes resultantes.
f) Verifique as propriedades E.(D + G) = ED + EG e (ED)t = Dt E t .
g) Efetue os produtos GA, GB e GC e tente descobrir o efeito sobre as
matrizes A, B e C da multiplicação da matriz G elas.
CAPÍTULO 7

Sistemas de Equações Lineares

7.1 Equações lineares


Chamamos de Equação Linear nas incógnitas x1 , x2 , ..., xn toda equação do
tipo a1 x1 + a2 x2 + ... + an xn = b, sendo a1 , a2 , ..., an números reais (ou comple-
xos) - chamados coeficientes - e b um números real - chamado termo indepen-
dente da equação.

Exemplos de Equações Lineares:

a) 2x1 + 3x2 − 5x3 = 0


b) 4x = −5
c) x − (sin5)y = 0

Exemplos de equações nãolineares:

2
a) 2x + y + x+3y =1
2 2
b) x − 3xy + y = 4
c) x − 2eY = 1
d) 3x − log y = 7
7.2 Sistemas e Equações Lineares 151

Uma solução para a equação linear a1 x1 + a2 x2 + ... + an xn = b é uma n-upla


ordenada de números (k1 , k2 , ...nn ) tal que a1 k1 + a2 k2 + ... + an kn = b é verda-
deira. Caso não exista tal n-upla, diz-se que a equação não tem solução.

Exemplo: Seja a equação linear 2x1 + 3x2 − x3 + x4 = 3. A sequência (1, 2,


3, -2) é solução da equação pois, sendo x1 = 1, x2 = 2, x3 = 3, x4 = −2, temos
2.1 + 3.2 + (−2) = 2 + 6 − 3 − 2 = 3.
Por outro lado, a quadrupla (1, 1, 2, 1) não é solução, pois 2.1 + 3.1 − 2 + 1 =
4 6= 3.

7.2 Sistemas e Equações Lineares


Um sistema de equações lineares com m equações e n incógnitas é um conjunto
de equações do tipo:

 a11 x1 a12 x2 ... a1n xn = b1

 a21 x1 a22 x2 ... a2n xn = b2

.. .. .. .. .. (∗)


 . . . . .
 a x a x ... a x = b
m1 1 m2 2 mn n m

onde aij e bi são números reais (ou complexos), 1 ≤ i ≤ m, 1 ≤ j ≤ n, i e j


números inteiros.
Uma solução do sistema (*) é uma n-upla ordenada de números (k1 , k2 , ...kn )
que satisfaz simultaneamente às m equações do sistema.
Um sistema linear é dito homogêneo se os termos independentes (b1 , b2 , ...bn )
são todos iguais a zero.

 a11 x1 a12 x2 ... a1n xn = 0

 a21 x1 a22 x2 ... a2n xn = 0

.. .. .. .. ..


 . . . . .
 a x a x ... a x = 0
m1 1 m2 2 mn n

O sistema anterior sempre tem como solução, a chamada solução trivial ou


solução nula (0, 0, ..., 0). Qualquer outra solução, se existir, é chamada de solução
não nula ou não trivial.
7.3 Sistemas e Matrizes 152

7.3 Sistemas e Matrizes


Podemos escrever o sistema (*) numa forma matricial:
     
a11 a12 ... a1n x1 b1
 a21 a22 ... a2n   x2   b2 
..  .  ..  = 
     
 .. .. .. .. 
 . . . .   .   . 
am1 am2 ... amn xn bn
Ou AX = B, onde:
     
a11 a12 ... a1n x1 b1
 a21 a22 ... a2n   x2   b2 
A =  .. X= B=
     
.. .. ..  ..  .. 
 . . . .   .   . 
am1 am2 ... amn xn bn
[A= é a matriz dos coeficientes], [X= é a matriz das incógnitas] e [B= é a
matriz dos termos independentes]
Outra matriz que que podemos associar o sistema é a matriz ampliada do
sistema:
 
a11 a12 ... a1n b1
 a21 a22 ... a2n b2 
 
 .. .. .. .. .. 
 . . . . . 
am1 am2 ... amn bn
Exemplo: A partir do sistema linear:

 2x − y + 3z = 1
x + 2y − z = 0
3x + 4y − 2z = 2

podemos obter sua forma matricial:


    
2 −1 3 x 1
 1 2 −1   y  = 0 
3 4 −2 z 2
e sua matriz ampliada:
7.4 Resolução de um Sistema de Equações Lineares 153

 
2 −1 3 1
 1 2 −1 0 
3 4 −2 2

7.4 Resolução de um Sistema de Equações Lineares


Nosso objetivo, agora é estudar um método para solução de sistemas lineares
em geral. A técnica que será utilizada pode não parecer a mais simples, mas tem a
vantagem de envolver menos cálculos e poder ser facilmente mecanizada para sis-
temas de grande porte. Tal processo, conhecido como método de eliminação de
Gauss, consistirá em substituir o sistema inicial por um sistema equivalente mais
simples, fazendo-se a eliminação sucessiva de incógnitas nas equações através de
operações elementares realizadas nas linhas da matriz ampliada do sistema.

Operações elementares são operações matemáticas simples efetuadas sobre


as linhas do sistema. Elas podem ser classificadas em 3 tipos:

Tipo 1 - Multiplicação por escalar;


Tipo 2 - Adição de duas linhas;
Tipo 3 - Adição de uma linha ao múltiplo de outra;

Para exemplificar, considere o seguinte sistema:


 
5x −2y +4z 0
 3x +y −2z 1 
x +2y −z 2

A seguir, segue-se 3 exemplos para cada um dos tipos de operações elementa-


res.

Do tipo 1:
5x − 2y + 4z = 0 ∗ (−1) ⇒ −5x + 2y − 4z = 0
3x + y − 2z = 1 ∗ 23 ⇒ 92 x + 32 y − 3z = 23
x + 2y − z = 2 ∗ (1) ⇒ x + 2y − z = 2

Do tipo 2:
(5x − 2y + 4z = 0) + (3x + y − 2z = 1) ⇒ 8x − y + 2z = 1
7.4 Resolução de um Sistema de Equações Lineares 154

(x + 2y − z = 2) + (5x − 2y + 4z = 0) ⇒ 6x + 3z = 2
(x + 2y − z = 2) + (3x + y − 2z = 1) ⇒ 4x + 3y − 3z = 3
Observação: Estas são as 3 únicas operações lineares do tipo 2 para este sistema
(por ser composto de apenas 3 equações).

Do tipo 3:
(5x − 2y + 4z = 0) + (2) ∗ (3x + y − 2z = 1) ⇒ 11x = 2
(x + 2y − z = 2) + ( 41 ) ∗ (5x − 2y + 4z = 0) ⇒ 94 x + 32 y = 2
(5x − 2y + 4z = 0) + (−1) ∗ (3x + y − 2z = 1) ⇒ 2x − 3y + 6z = −1

Em resumo, o sistema original é transformado em um sistema equivalente,


cuja matriz dos coeficientes é uma matriz triangularizada ou escalonada. A definição
e o teorema seguintes justificam o procedimento.

Definição: Dois sistemas lineares são equivalentes se, e só se, toda solução
de um deles, é também solução do outro.

Teorema 1: Dois sistemas que possuem matrizes ampliadas equivalentes por


linhas são equivalentes.

Ilustraremos o método de eliminação de Gauss com um exemplo. Para isso,


colocaremos, ao lado de cada sistema, a respectiva matriz ampliada e as corres-
pondentes operações elementares sobre suas linhas:

 x1 − 2x2 − x3 = 2
x1 − 4x2 + x3 = 1
x1 + x2 − 2x3 = 3

  
1 −2 −1 2  x1 − 2x2 − x3 = 2
 1 −4 1 1  x1 − 4x2 + x3 = 1
1 1 −2 3 x1 + x2 − 2x3 = 3

  
 1 −2 −1 2  x1 − 2x2 − x3 = 2
L2 ⇐ L2 − L1  0 −2 2 −1  −2x2 + 2x3 = −1
L3 ⇐ L3 − L1
0 1 −3 1 +x2 − 3x3 = 1

  
 1 −2 −1 2  x1 − 2x2 − x3 = 2
L2 ⇐ −L2 /2  0 1 −1 1/2  x2 − x3 = 1/2
0 1 −3 1 +x2 − 3x3 = 1

7.5 Discussão sobre os tipos de soluções de um sistema de equações lineares 155

  
 1 −2 −1 2  x1 − 2x2 − x3 = 2
L3 ⇐ L3 − 3L2  0 1 −1 1/2  x2 − x3 = 1/2
0 0 2 −1/2 2x3 = −1/2

Assim, a solução do sistema é obtida passo a passo, iniciando pela descoberta


do valor da incógnita x3 na 3a equação. Substituindo este valor na 2a equação,
determina-se x2 .E, finalmente, substituindo x2 ex3 na 1a equação, obtém-se x1 .
Realizando estes cálculos, encontra-se os seguintes valores: x1 = 9/4, x2 = 1/4
e x3 = −1/4. Logo, a solução do sistema é S = (9/4, 1/4, −1/4).
Observação: A solução do sistema poderia ser obtida, também, transformando-
se a matriz ampliada em uma matriz escalonada reduzida por linhas equivalentes
a ela. Neste caso, cada equação conteria apenas uma incógnita desconhecida,
cuja determinação seria imediata. Porém, procedendo desta forma, o número de
cálculos efetuados seria maior na maioria dos casos.

7.5 Discussão sobre os tipos de soluções de um sis-


tema de equações lineares
1. Para um sistema com uma única variável, na forma ax = b, existem três
possı́veis soluções:

• se a 6= 0, teremos uma única solução, x = a/b;


• se a = 0 e b = 0, então teremos a equação 0x = 0 e neste caso teremos
infinitas soluções;
• se a = 0 e b 6= 0 então teremos a equação 0x = b e neste caso não
exite solução.

2. Considerando agora,um sistema com duas equações e duas variáeis:



a1 x + b 1 y = c 1
a2 x + b 2 y = c 2
Neste caso, cada equação representa geometricamente de uma reta e o con-
junto de soluções de cada equação presente no sistema é composta por pon-
tos (x; y) ∈ R2 sobre a reta. Para resolver o sistema devemos achar dois
pontos x e y que satisfazam as duas equações simultâneamente.
7.5 Discussão sobre os tipos de soluções de um sistema de equações lineares 156

Para esse caso também temos três possı́veis soluções:

• Para solução única: as retas se interceotam em um único ponto (x;y),


solução do sistema;
• Para infinitas soluções: as retas são coincidentes e todos os pontos
comuns as duas retas são soluções;
• Nenhuma solução: as retas são paralelas distintas e não possuem ne-
nhum ponto em comum.

3. Caso Geral: Consideremos um sistema de m equações e n incógnitas x1 , x2 , x3 , ..., xn .




 a11 x1 a12 x2 ... a1n xn = b1
 a21 x1 a22 x2 ... a2n xn = b2

.. .. .. .. ..


 . . . . .
 a x a x ... a x = b
m1 1 m2 2 mn n n

Para este sistema poderá ter:

• Uma única solução: neste caso dizemos que o sistema é possı́vel e


determinado;
• Infinitas soluções: Neste caso dizemos que o sistema é possı́vel e in-
determinado;
• Nenhuma solução: O sistema é impossı́vel.

A exitência e o tipo de solução de um sistema, pode ser encontrado utilizando-


se do conceito de posto de uma matriz. Como mostra o Teorema dois.
Teorema 2: Considere um sistema de m equações e n incógnitas.
Seja Pc o posto da matriz dos coefientes e Pa o posto da matriz ampliada do
sistema.

• Se Pc = Pa = p, então o sistema tem solução única no quando n = p


e tem infinitas souções quando p < n;
• Se Pc 6= Pa , então o sistema não tem solução.
7.6 Regra de Cramer 157

7.6 Regra de Cramer


A Regra de Cramer é utilizada para resolução de sistemas de equações lineares
no qual o número de equações deve ser igual ao número de incógnitas da equação.
Portanto para a resolução do sistema linear, precisaremos da matriz AX=B
associada ao sistema


 a11 x1 a12 x2 ... a1n xn = b1
 a21 x1 a22 x2 ... a2n xn = b2

.. .. .. .. ..


 . . . . .
 a x a x ... a x = b
n1 1 n2 2 nn n n

cuja a matriz AX=B


     
a11 a12 ... a1n x1 b1
 a21 a22 ... a2n   x2   b2 
A =  .. X= B=
     
.. .. ..  ..  .. 
 . . . .   .   . 
an1 an2 ... ann xn bn
Sejam ainda, D = detA 6= 0. E D1 , D2 , ..., Dn , são definidos como a seguir:

     
b1 a12 ... a1n a11 b1 ... a1n a11 a12 ... b1
 b2 a22 ... a2n   a21 b2 ... a2n   a21 a22 ... b2 
D1 =  D2 =  ..  ... Dn = 
     
.. .. .. ..  .. .. .. .. .. .. .. 
 . . . .   . . . .   . . . . 
bn an2 ... ann an1 bn ... ann an1 an2 ... bn

Nestas condições a solução do sistema é dada por


D1 D2 Dn
x1 = ; x2 = ; ...xn = ;
D D D
No caso em que detA=0 a regra de Cramer não pode ser aplicada, e o estudo
da solução do sistema deve ser feito por meio do método de Eliminação de Gauss.
Resultado: Um sistema de n equações lineares a n incógnitas, admite
solução única, se, e somente se, o determinante da matriz dos coeficientes
é diferente de zero.
7.7 Lista de exercı́cios 158

7.7 Lista de exercı́cios


(1) Dados os sistemas abaixo, quando necessária, escreva a matriz ampliada
dos mesmos e reduza-as à forma escalonada para resolvê-los. Diga o tipo
de solução apresentada pelo sistema, indique os postos da matriz ampliada
e da matriz dos coeficientes e de o número de graus de liberdade. Apre-
sente a solução e, no caso de sistemas que possuem infinitas soluções, exiba
algumas soluções particulares:

2x − y + 3z = 11 
x + 2y − 3z = −1



4x − 3y + 2z = 0 
a) b) 3x − y + 2z = 7
 x + y + z = 6 
5x + 3y − 4z = 2

 

3x + y + z = 4
 
x + y − z = 0
 −4z + y − v = 1

c) 2x + 2y − z = 0 d) 2x − 3y − 6z + 2v − 5w = 3
 
3x + 4y + 2z = 0 v − 3w = 2
 
 

 x+y+w =0 
 x+y−w =0

x + z + w = 2 
2x − 3y + w = 0
e) f)


 y + z − w = −3 

 z=1
x + y − 2w = 1 x − 4y + 2w = 0
 

x+z =2 
x + 2y − 3z = 0



y + z = 4 
g) h) 2x − y + 4z = 0
 x + y = 5 
4x + 3y − 2z = 0

 

z+x+y =0

2x + y − 2z + 3w = 1

i) 3x + 2y + z + 3w = 4

5x + 3y − 1z + 6w = −5

(2) Resolva os sistemas, quando possı́vel, pela regra de Cramer:


 
x + 2y − 3z = 4
 x + 2y − 3z = 4

a) 2x + 3y + 4z = 5 b) 2x + 3y + 4z = 5
 
4x + 7y − z = 13 4x + 7y − 2z = 12
 
7.7 Lista de exercı́cios 159



 x − y + 2z = −5

3x + z − t = −2
c)


 x+y−t=0
2x + y − z − 2t = 0

(
kx + y = 1 − k
(3) Para que valores de k o sitemas é possivel e determi-
x + ky = 0
nado?

(4) Antes de resolver um sistema, você deve observá-locom o objetivo


 de deci-
5732x + 2134y + 2134z = 7866

dir o método que mais se adequa à sua resolução. O sistema 2134x + 5732y + 21341z = 670 ,

2134x + 2134y + 5732z = 11464

assusta pela ordem de grandeza dos números envolvidos, porém apresenta
uma resolução bem simples. Resolva-o então, sem usar a regra de Cramer
ou Eliminação de Gauss.

kx + y + z = 1

(5) Afirmamos que o sistema x + ky + z = 1 , k ∈ R, possui solução única

x + y + kz = 1

se k 6= 1 e k 6= -2; possui infinitas soluções se k = 1; e não possui solução
se k = -2. Escolha alguns valores de k para ilustrar o afirmado.

(6) Determine os valores de k ∈ R para que os sistemas abaixo tenham:


a) Solução única;
b) Nenhuma solução;
c) Mais de uma solução.

2x − 5y + 2z = 0
( 
z + 2y + kz = 1
i) ii) x + y + z = 0
2x + ky + 8z = 3 
2x + kz = 0


x − y + z + w = 1

(7) Dado o sistema: 2x − 2y − 3z − 3w = 17 mostre que é possı́vel re-

−x + y + 2z + 2w = −10

solvê-lo para achar x e z em função de y e w, vice-versa, mas que não é
7.7 Lista de exercı́cios 160

possı́vel resolvê-lo para obter z e w em função de x e y, e vice-versa. Uma


afirmação alternativa, mais detalhada, é que os pares x, w ou x, z ou y, w ou
y, z podem receber valores arbitrários e que as equações podem então ser re-
solvidas para achar os pares restantes de incógnitas. No entanto, os pares x,
y ou w, z não podem receber valores arbitrários. Exiba o conjunto solução
para cada par possı́vel de variáveis que podem receber valores arbitrários.

(8) Com três tipos de peças diferentes, montam-se dois brinquedos: o brin-
quedo 1, requer 4 peças do tipo A, 2 peças do tipo B e 3 peças do tipo C
ao passo que o 2◦ briquedo requer 3 peças do tipo A, 4 peças do tipo B e
2 peças do tipo C. Sabe-se que os preços unitários das peças A, B e C são
respectivamente, x unidades monetárias (u.m), y u.m e zz u.m, onde x, y e
z são inteiros positivos e x < z < y. O gasto para montar os brinquedos 1
e 2 são respectivamente 39 u.m e 43 u.m. Calcule o valor de x + y + z.

(9) Pensando geometricamente, construa exemplos de sistemas de equações li-


neares AX=B. de 3 equações e 2 incógnitas que sejam:
i) Possı́veis determinados (solução única);
ii) Indeterminados (infinitas soluções);
iii) Impossı́veis (sem solução).
Repita para sistemas de 3 euqações e 3 incógnitas.

(10) (Resolva o sistema usando um aplicativo tipo Maple ou MatLab) Sabe-se


que uma alimentação diária equilibrada em vitaminas deve constar de 170
unidades de vitamina A, 180 unidades de vitamina B, 140 unidades de vita-
mina C, 180 unidades de vitamina D e 350 unidades de vitamina E. Com o
objetivo de descobrir como deverá ser uma refeição equilibrada, foram es-
tudados cinco alimentos. Fixada a mesma quatidade (1g) de cada alimento,
determinou-se que:
1) O alimento I tem uma uidade de vitamina A, 10 unidades de vitamina
B, 1 unidade de vitamina C, 2 unidades de vitamina D e 2 unidades de
vitamina E.
2) O alimento II tem 9 unidades de vitamina A, 1 uidade de vitamina B,
) unidades de vitamina C, 1 unidade de vitamina D e 1 unidade de vitamina
E.
3) O alimento III tem 2 unidades de A, 2 unidades de B, 5 unidades de
C, 1 unidade de D e 2 unidades de E.
7.7 Lista de exercı́cios 161

4) O alimento IV tem 1 unidade de A, 1 unidade de B, 1 unidade de C,


2 unidades de D e 13 unidades de E.
5) O alimento V tem 1 unidade de A, 1 unidades de B, 1 unidade de C,
9 unidades de D e 2 unidades de E.
Quantos gramas de cada um dos alimentos I, II, III, IV e V devemos digerir
diariamente para que nossa alimentação seja equilibrada?
(11) Um sistema de n equações lineares a n incógnitas admite solução única se
e somente se o determinate da matriz dos coeficientes é diferente de zero.
Use este fato e verifique se cada um dos seguintes sistemas admite solução
única:
 
3x + 4y − z = 1
 x − y + 2z = −5

a) 4x − 5y + z = 13 b) 3x − 5y + 9z = −20
 
5x + y − z = 5 x+y−z =0
 

(12) Dado um sistema AX=B de n equações lineares com n incógnitas, mostre


que, se A é uma matriz invertı́vel, então a solução do sistema é dada por
X=A−1 B.
(13) Para os sistemas AX=B do exercicı́o 11, resolva-os, quando possı́vel, por
eliminação de Gauss, pela regra de Cramer e pela ”fórmula” X=A−1 B.
Compare e discuta a eficiência dos três métodos.
(14) Escreva um sistema genérico de duas equações lineares com duas incógnitas.
Resolva-o usando seus conhecimentos de matemática básica para demons-
trar a regra de Cramer para este caso.
(15) Para sistemas lineares que podem ser escrito no formato (A-λI)X=0, com
λ ∈ R, chamamos:
i) A equação det(A-λI)=0 de equação caracterı́stica;
ii) Os valores de λ que satisfazem à equação caractrı́stica de autovalores, e;
iii) As soluções X6=0, encontradas para cada valor de λ, de autovetores
associados a cada autovalor λ.
Com base no exposto acima, expresse os sistemas lineares a seguir no for-
mato (A-λI)X=0, e em cada caso, encontre a equação caracterı́stica, os au-
tovalores
( e os autovetores associados
( a cada autovalor.
x1 + 2x2 = λx1 3x1 + x2 = λx1
a) b)
2x1 + x2 = λx2 −5x1 − 3x2 = λx2
7.7 Lista de exercı́cios 162

   
2 1 2 x1
(16) Considere as matrizes A =  2 2 −2  e X =  x2 
3 1 1 x3
a) Mostre que a equação AX=X pode ser reescrita como (A-I)X=0, e use
este resultado para resolver AX=X, em X.
b) Resolva AX=4X.
(17) Mostre que toda matriz-solução de um sistema linear AX+B é a soma de
uma solução do sistema homogêneo associado AX=0 com uma solução
particular de AX=B. Sugestão: siga as etapas seguintes, usando somente
propriedades de matrizes.
1) Mostre que se x0 é uma solução do sistema AX-0 e X1 é uma solução
de AX=B, então X0 + X1 é solução de AX=B.
2) Se X1 e X2 são soluções de AX=B, então X1 − X2 é solução de AX=).
3) Use 1) e 2) para chegar á conclusão desejada.
(18) Na resolução de um sistema de equações lieares com 4 equações e 3 incógnitas,
um aluno aplicou uma sequência de operações sobre as linhas da matriz
ampliada A—B, conforme explicitado a seguir. Discuta a validade das
operações utilizadas, justificando.
     
7 8 3 −5 1 0 0 0 1 0 0 0
 1 3 2 −1   1 3 2 −1   0 3 2 −1 
A|B =   1 5 3 −2  -  1 5 3 −2  -  0 5 3 −2  -
    

2 0 −1 −1 2 0 −1 −1 0 0 −1 −1
   
1 0 0 0 1 0 0 0
 0 3 2 −1   0 3 2 −1 
 0 0 −1 −1  -  0 0 −1 −1 
   

0 0 −1 −1 0 0 0 0

Operações sobre a primeira matriz: L1 ⇐ L1 − L2 − L3 − 2L4

Operações sobre a segunda matriz: L2 ⇐ L2 − L1 ; L3 ⇐ L3 − L1 ;


L4 ⇐ L4 − 2L1 .

Operações sobre a terceira matriz: L3 ⇐ 3L3 − 5L2 .

Operações sobre a quarta matriz: L4 ⇐ 0L4 .


Referências

[1] Dante, L. R. Matemática contexto e aplicações. 2o edição, São Paulo, 2004,


vol. único, Ática.

[2] Gonçalves, A. Introdução à Álgebra. 1o edição, Rio de Janeiro, 1979, Ins-


tituto de Matemática Pura e Aplicada.

[3] Iezzi, G., Dolce, O., Teixeira, J. C., Machado, N. J., Goulart, M. C., Castro,
L. R. S., Machado, A. S. Matemática, 3a série, 2o grau, 1980, vol. 3, Atual.