Sunteți pe pagina 1din 30

Som

Propriedades do som
Um som apresenta as seguintes propriedades: altura,
intensidade e timbre.
Altura
Os sons podem ser graves ou agudos.
Os sons graves, também chamados baixos, são sons com
maior comprimento de onda (pequena frequência).
Os sons agudos, ou altos, tem um menor comprimento de
onda (maior frequência).

Som Grave

Som Agudo
Intensidade
 Intensidade
Em termos de intensidade, os sons podem ser fortes ou
fracos. A intensidade de uma onda sonora depende da
amplitude dessa onda. Um som com uma maior amplitude é
um som forte, enquanto que um som com uma pequena
amplitude é um som fraco.
Os sons fortes transportam uma maior quantidade de
energia que os fracos. Uma onda sonora perde intensidade no
decurso da sua propagação.
A capacidade que o ouvido humano tem de sentir um som
depende da intensidade do som mas também da sua
frequência. Os sons muito fracos não são sentidos e os sons
muito fortes podem provocar lesões.
O nível sonoro é uma escala que relaciona a intensidade de
um determinado som com a do som mais fraco que
conseguimos ouvir, e pode ser medido com um sonómetro.
A unidade do sistema internacional do nível sonoro é o bel,
B, embora normalmente seja utilizado o decibel, dB, que é
igual a 0,1 B.
O nível sonoro de 1dB é a medida correspondente ao limiar
da audição, nível abaixo do qual o ouvido humano não detecta
som. O nível de 120 dB corresponde ao limiar da dor, o nível
máximo suportável pelo ouvido humano. O nível do limiar da
audição e do limiar da dor depende da frequência da onda
sonora.
Diferentes intensidades
Timbre
É esta propriedade do som que nos permite distinguir uma
fonte sonora de outra, apesar de estarem a produzir sons com a
mesma frequência.
O timbre de uma fonte sonora é representado por uma onda
complexa, que é a soma de uma onda fundamental (som puro,
ou simples, como o produzido por um diapasão) e sons
harmónicos.
Cada fonte sonora produz uma onda sonora complexa
diferente (a produzida por uma viola é diferente da produzida
por uma flauta).
Diferentes timbres
Produção do Som
O som é o resultado de uma vibração, que se transmite ao
meio de propagação, provocando zonas de maior compressão
de partícula e zonas de menor compressão (zonas de
rarefacção) de partículas, originando uma onda sonora.
O silêncio é a ausência de qualquer som.
Propagação do som
O som necessita de um meio físico, sólido, líquido ou
gasoso para se propagar (para chegar de um lado a outro). A
velocidade de propagação do som dependo desse meio.
Normalmente a velocidade de propagação das ondas sonoras é
maior nos sólidos e menor nos gases, porque as moléculas nos
sólidos estão mais juntas que nos líquidos.
Esta velocidade também depende da temperatura a que o
meio de propagação se encontra. A velocidade média de
propagação do som no ar é de 340 m.s-1.
Não há propagação de som no vazio, devido à ausência de
partículas.
Recepção do Som
O som é recebido no receptor sonoro, que no caso do
Homem é o ouvido.
Espectro sonoro
Embora o espectro sonoro (conjunto de todos os sons
produzidos) seja largo, o ouvido humano apenas detecta sons
com frequências entre os 20 Hz e os 20 000 Hz.
As ondas com frequência inferior a 20 Hz são chamadas
infra-sons enquanto que as ondas com frequência superior a
20 000 Hz são ultra-sons.
Reflexão do som
Quando uma onda sonora encontra uma superfície volta
para trás, diz-se que esta superfície é uma boa reflectora de
som.

 Eco
O ouvido humano não consegue distinguir dois sons iguais
se estes não estiverem separados por um intervalo de tempo
igual ou superior a 0,1 s. Quando o intervalo de tempo entre o
som emitido e o som reflectido é superior a 0,1 s acontece o
efeito chamado eco - é ouvida uma repetição do som
originalmente emitido. Em condições normais, para que o eco
aconteça, é necessário que o espaço entre a fonte sonora e a
superfície reflectora seja no mínimo de 17 m.
 Sonar
Uma das aplicações mais conhecidas da reflexão do som é o
sonar. Este aparelho, usado nos navios, emite ultra-sons para o
fundo do mar e capta a sua reflexão, calculando em seguida a
distância entre a embarcação e o fundo do mar, outros objectos
os cardumes.

 Ecografia
Numa ecografia, outra aplicação da reflexão dos sons, os
ultra-sons são usados para detectar os diferentes tecidos do
interior do nosso corpo, possibilitando criar uma imagem.
Reflexão do som
Absorção do Som
Diferentes superfícies reagem de maneira diferente à maior
ou menor reflexão das ondas sonoras.
As superfícies que impedem a reflexão do som são
superfícies usadas para isolar ou diminuir a propagação do
som.
Refracção do Som
A refracção do som acontece quando o som muda de um
meio de propagação para outro. A refracção do som obedece
às leis da refracção ondulatória, fenómeno que caracteriza o
desvio sofrido pela frente de onda, que geralmente ocorre,
quando ela passa de um campo ondulatório (por exemplo, ar) a
outro de elasticidade (ou compressibilidade, para as ondas
longitudinais) diferente (por exemplo, água).
Refracção do Som
Difusão do som
Superfícies convexas ou irregulares apresentam a
particularidade de reflectir o som em várias direcções,
espalhando as ondas sonoras por todo o ambiente, num efeito
de dispersão ou difusão. É o efeito semelhante ao da luz
iluminando uma parede branca fosca.
Difracção do som
A DIFRAÇÃO é a propriedade de contornar obstáculos. Ao
encontrar obstáculos à sua frente, a onda sonora continua a
provocar compressões e rarefacções no meio em que está se
propagando e ao redor de obstáculos envolvidos pelo mesmo
meio (uma pedra envolta por ar, por exemplo). Desta forma,
consegue contorná-los. A difracção depende do comprimento
de onda. Como o comprimento de onda das ondas sonoras é
muito grande - enorme quando comparado com o
comprimento de onda da luz - a difracção sonora é intensa.
Difracção do som
Interferência do som
A INTERFERÊNCIA é a consequência da sobreposição de
ondas sonoras. Quando duas fontes sonoras produzem, ao
mesmo tempo e num mesmo ponto, ondas concordantes, seus
efeitos se somam; mas se essas ondas estão em discordância,
isto é, se a primeira produz uma compressão num ponto em
que a segunda produz uma rarefacção, seus efeitos se
neutralizam e a combinação desses dois sons provoca o
silêncio.
O trombone de Quincke é um dispositivo que permite
constatar o fenómeno da interferência sonora além de permitir
a determinação do comprimento de onda. O processo consiste
em encaminhar um som simples produzido por uma dada fonte
(diapasão, por exemplo) por duas vias diferentes
(denominados 'caminhos de marcha') e depois reuni-los
novamente em um receptor analisador (que pode ser o próprio
ouvido).
Interferência do som
Batimento
Se suas frequências não forem rigorosamente iguais, ora eles
se sobrepõem em concordância de fase, ora em oposição de
fase, ocorrendo isso a intervalos de tempo iguais, isto é,
periodicamente se reforçam e se extinguem. É o fenómeno de
batimento e o intervalo de tempo é denominado período do
batimento.
Distingue-se um som forte de um som fraco pela intensidade.
Distingue-se um som agudo de um som grava pela altura.
Distingue-se o som de um violino do som de uma flauta pelo
timbre.
Efeito Doppler
O EFEITO DOPPLER é consequência do movimento
relativo entre o observador e a fonte sonora, o que determina
uma modificação aparente na altura do som recebido pelo
observador. O efeito doppler ocorre quando um som é gerado
ou reflectido por um objecto em movimento. Um efeito
doppler ao extremo causa o chamado estrondo sónico.

Efeito Doppler
Características das ondas
As ondas do mar são semelhantes às que se formam numa
corda: apresentam pontos mais elevados – chamados cristas ou
montes – e pontos mais baixos – chamados vales ou
depressões.
As ondas são caracterizadas pelos seguintes elementos:
Amplitude – que vai do eixo médio da onda até o ponto mais
auto de uma crista ou até o ponto mais baixo de um vale.
Comprimento da onda – distâncias entre duas cristas
sucessivas ou entre dois vales sucessivos.
Frequência – números de ondas formadas em 1s; a frequência
é medida em hertz: 1 Hz equivale a uma onda por segundo;
Período – tempo gasto para formar uma onda. O período é o
inverso da frequência.
Tipos de onda
Ondas como as do mar ou as que se formam quando
movimentamos uma corda vibram nas direcções vertical, mas
se propagam na direcção horizontal. Nessas ondas, chamadas
ondas transversais, a direcção de vibração é perpendicular à
direcção de propagação.
Existem ondas que vibram na mesma direcção em que se
propagam: são as ondas longitudinais. Pegue uma mola e fixe
uma de suas extremidades no teto. Pela outra extremidade,
mantenha a mola esticada e puxe levemente uma das espirais
para baixo. Em seguida, solte a mola. Você verá que esta
perturbação se propaga até o teto produzido na mola zonas de
compressão e distensão.
Velocidade do som
A propagação do som não é instantânea. Podemos verificar
esse fato durante as tempestades: o trovão chega aos nossos
ouvidos segundos depois do relâmpago, embora ambos os
fenómenos (relâmpago e trovão) se formem ao mesmo tempo.
(A propagação da luz, neste caso o relâmpago, também não é
instantânea, embora sua velocidade seja superior à do som.)
Assim, o som leva algum tempo para percorrer determinada
distância. E a velocidade de sua propagação depende do meio
em que ele se propaga e da temperatura em que esse meio se
encontra.
No ar, a temperatura de 15ºC a velocidade do som é de cerca
de 340m/s. Essa velocidade varia em 55cm/s para cada grau de
temperatura acima de zero. A 20ºC, a velocidade do som é
342m/s, a 0ºC, é de 331m/s.
Na água a 20ºC, a velocidade do som é de aproximadamente
1130m/s. Nos sólidos, a velocidade depende da natureza das
substâncias.
Trabalho realizado por:

Ana Raquel Martins nº4 10ºB

Soraia Patrícia Silva nº21 10ºB