Sunteți pe pagina 1din 13

Boletim Informativo

www.mdr.gov.cv
INFOMDR
Edição nº 05 - Junho 2014 www.governo.gov.cv

R A N Ç A
O que fazemos em

G U
E
Cabo Verde?
S

3
Programas
Cantinas Escolares

Projecto
6
Ilha Verde
8
Segurança sanitária
dos alimentos
15
Alimentar e Nutricional
Hoje, já somos quase autossuficiente em feijões, legumes e frutas, ovos, carne. Já produzimos os cereais no Paraguai….

DI NÓS TERRA, PA NÓS MESA!


Porque CONSUMIR produto Made in Cabo Verde?
É melhor para a tua saúde, é mais fresco, tem mais sabor, uma qualidade
muito superior e são mais nutritivos.

Por um Desenvolvimento Rural Global,


Ponta Belém, Cidade da Praia, Santiago, Cabo Verde - C.P.: 115 Harmonioso e Sustentado.
Tel: +238 261 57 13/+238 260 38 44 / Fax: +238 261 40 54 Fazer do Mundo Rural uma Opção.
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Editorial Segurança Alimentar


Editorial
Por Osvaldo Chantre* Segurança Alimentar
e Nutricional em
Segurança Alimentar é
considerada uma prioridade Cabo Verde
do País.
Segundo a Organização das Nações Unidas para

C abo Verde é um País estruturalmente dependente do


estrangeiro para o abastecimento de produtos alimentares,
particularmente, cereais, e vulnerável às conjunturas in-
a Agricultura e Alimentação(FAO), a segurança
alimentar só existe quando uma família tem acesso
físico, social e económico à alimentação adequada,
ternacionais. As mudanças agro - climáticas bem como, suficiente e nutritiva para todos os seus integrantes.
flutuações de mercados externos, contribuem para a extrema
vulnerabilidade do país, do ponto de vista alimentar. Mas falar da segurança alimentar é falar também, de um
O défice estrutural da produção nacional de alimentos, prin- conjunto de normas de produção, transporte e armazenamento de
cipalmente os cereais e consequentemente a forte dependência alimentos visando determinadas características físico-químicas,
do mercado internacional para suprir as necessidade alimentares microbiológicas e sensoriais padronizadas, segundo as quais os
e a situação sócio-económica de uma franja importante da alimentos seriam adequados ao consumo. Estas regras são, até
população, que possui uma baixa renda, são considerados certo ponto, internacionalizadas, de modo que as relações entre
factores determinantes para que a insegurança alimentar os povos possam atender as necessidades comerciais e sanitárias.
constitua uma questão de natureza estrutural em Cabo Verde.
Pelas razões acima mencionadas, a segurança alimentar foi Genericamente pode-se descrever a segurança alimentar como
sempre considerada uma prioridade nas grandes orientações “conceito de que um género alimentício não causará dano ao
políticas de desenvolvimento do país pelos sucessivos governos. consumidor quando preparado e/ou ingerido de acordo com
Em 2002, a fim de diminuir a insegurança alimentar e criar a utilização prevista”.Tendo em conta tudo isso, a segurança
condições para uma segurança alimentar sustentável, o País alimentar é vista como objeto de política pública.
aprovou a sua Estratégia Nacional de Segurança Alimentar para
o período 2002-2015 cujo objectivo principal é “garantir à A ideia de que “antigamente comíamos de tudo e nada nos
população, o acesso contínuo à alimentação suficiente, segura fazia mal…” também deve ser repensada segundo as actuais
e nutritiva, sem prejudicar a satisfação das outras necessidades condições.
básicas.”
A luta contra a fome/insegurança alimentar no país não é recente.
Dado a novos desafios do País e ao contexto internacional, no As acções do Governo para assegurar a segurança alimentar e
que diz respeito a segurança alimentar e nutricional, com o apoio nutricional remontam os anos pós independência, altura em que
técnico/financeiro da FAO, fez-se a actualização da Estratégia foram implementadas, a começar, a Frente de Alta Intensidade
Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (ENSAN), de Mão-de-obra (FAIMO), enquanto instrumento para garantir o
prolongando actualização sua vigência para o horizonte 2020. acesso económico das famílias aos bens de primeira necessidade,
A ENSAN horizonte 2020 tem como acento principal, a inclusão bem como o estabelecimento da Comissão Nacional para a
do direito do Homem à alimentação adequada (DHAA), de Segurança Alimentar (CNASA) e o Sistema de Informação para
modo a torná-la mais consentânea com as preocupações atuais a Segurança Alimentar (SISA). Tratam-se de medidas que numa
em matéria da gestão da segurança alimentar e nutricional à perspectiva normativa visam assegurar o direito à alimentação
escala global, regional e local. Durante a sua actualização não se que, a despeito de não estar contemplado na Constituição
deixou de reconhecer o importante papel da agricultura familiar de Cabo Verde, constitui um direito fundamental de todo ser
na segurança alimentar e nutricional, enquanto modalidade de humano consagrado na Declaração Universal dos Direitos do
agricultura que garante cerca de 99% da produção local de Homem, de 1948.
alimentos em Cabo Verde, sem descurar a importância do sector
da pesca. A criação da então, Empresa Pública de Abastecimento (EMPA),
De igual modo, e como espaço regular para o exercício do que consistia em assegurar de uma forma sustentável a dispo-
diálogo intersectorial no domínio da Segurança alimentar e nibilidade de alimentos a preços uniformes a todo o país foi
Nutricional, considera-se ser um grande passo, a implementação também uma das medidas tomadas para que, todos e de igual
do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional forma, pudessem ter acesso ao bens de primeira necessidade.
(CNSAN).
Do ponto de vista institucional a sua instalação responde a Em 2004 o assunto voltou à agenda com a aprovação da Estratégia
necessidade de concertação e de governança na implementação Nacional de Segurança Alimentar para o período 2002-2015,
da ENSAN horizonte 2020 e do seu instrumento, por excelência, cujo principal objetivo é assegurar o acesso permanente da
o Plano de Acão Nacional de Segurança alimentar e Nutricional população a uma alimentação suficiente, saudável e nutritiva,
para o período 2014-2016 (PANSAN 2014-2016). sem prejuízo para a satisfação de outras necessidades básicas.

A criação, no seio do Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR)


da Direcção de Serviços de Segurança Alimentar (DSSA), actual
*Secretário Executivo do Secretariado Nacional para a Secretariado Nacional para a Segurança Alimentar e Nutricional
Segurança Alimentar e Nutricional (SNSAN), vem servir como instrumento de implementação e
monitorização das políticas públicas de Segurança Alimentar e

2 3
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar Entrevista

Segurança Alimentar (10%; 7,5%). Quanto a prevalência da Quanto a diferença entre os dois conceitos,
Nutricional e ,recentemente, foi instalado o Conselho Nacional
de Segurança Alimentar e Nutricional enquanto instância
é uma área anemia ferropriva nas crianças menores a fome no sentido figurado, ela significa
superior e especializada de carácter consultivo em matéria de transversal que de cinco anos, apesar de se verificar uma falta, penúria, mingua e miséria, mesmo
diminuição em mais de 20% entre 1996 havendo ajudas humanitárias, em cada
politicas e programas de segurança alimentar e nutrição. abrange vários e 2009, ainda constitui um problema de cinco famílias pelo menos uma encontra
setores, desde a saúde pública. Cerca de 52% das crianças em situação de jejum, privação total de
Com a mobilização governamental e civil nos últimos anos,
o País evoluiu muito no combate à insegurança alimentar e agricultura, pecuária, menores de cinco anos eram anémicas em acesso a uma alimentação adequada que
nutricional. pescas, 2009. por vezes conduz ou resulta em morte.
transformação, GCI – Existe uma controvérsia entre a A Insegurança alimentar é a condição
De acordo com o Secretário Nacional para a Segurança Alimentar
e Nutricional, Osvaldo Chantre os dados apontam que, mesmo transportes, fome e inseguransa alimentar em Cabo em que as pessoas estão incapacitadas
com os avanços, o meio rural continua sendo ligeiramente mais comércio, educação, Verde. Como classifica a situação do de adquirir alimentos suficientes em
país nesse aspecto e qual a diferença qualquer momento.
afectado que o meio urbano, com taxas de 11,1% de desnutrição saúde, emprego, etc. entre esses dois conceitos?
crónica e 3,1% de desnutrição aguda.
As escalas de insegurança alimentar vão
Segundo o mesmo, de acordo com o “Cadre Harmonisé” Para começar devo dizer que não é só em de situações de alimentação segura para
GCI - Em que situação se encontra Cabo Verde, que esses dois conceitos se fome em larga escala. Tanto carestia como
de análise, instrumento de análise de segurança alimentar
Cabo Verde, no que diz respeito à confundem. São de facto, dois conceitos fome estão enraizadas na insegurança
utilizado na subregião, embora ainda em fase de construção e
segurança alimentar e nutricuional? diferentes. alimentar. Insegurança alimentar pode ser
aperfeiçoamento e recentemente num exercício realizado com
o apoio técnico e financeiro do CILSS (Fevereiro de 2014), categorizada como crônica ou transitória.
Segundo o Inquérito Sobre a Vulne- Cabo Verde classifica-se, em matéria de Insegurança alimentar crônica traduz-se
revela que, a nível nacional, há indício significativo de melhoria
rabilidade Alimentar das Famílias segurança alimentar, como um país onde em uma grande vulnerabilidade para
da situação de segurança alimentar do país. Apenas 7% da
(ISVAF-2005), cerca de 20% dos há insegurança alimentar, e onde a fome fome, (FAO). A insegurança alimentar
população encontra-se em situação de insegurança alimentar e
agregados familiares rurais vivem em não constitui um fenómeno e veremos crónica, refere-se a falta persistente de
12% em risco de insegurança alimentar.
situação de insegurança alimentar, sendo mais a frente porquê!
13% na forma moderada e 7% severa. Em
“A desnutrição infantil é um indicador que tem diminuído ao
situação de risco de insegurança alimentar
longo dos tempos, embora em alguns indicadores ainda representa
encontram-se cerca de 11% das famílias A escala de classificação dos indicadores
um desafio para o país. De acordo com os dados do IPAC 2009,
rurais do país. de resultados de segurança alimentar,
a taxa de desnutrição crónica em crianças menores de 5 anos é
de 9,7% e de desnutrição aguda 2,6 %. A insuficiência ponderal, é composta por cinco fases e a fome
Realça-se que segundo o “Cadre constitui a última, seguido da fase de
tanto no meio rural como no meio urbano, melhorou com taxas
Harmonisé” de análise, instrumento de emergência que normamelmente se
de 7,2% e 3,0% respetivamente em 2009, quando comparada
análise de segurança alimentar utilizado verifica em situações extremas, em casos
com as de 2006 (10%; 7,5%)”, adiantou Osvaldo Chantre.
na subregião, e ainda de acordo com os de catástrofes naturais, instabilidades
resultados de um exercicio realizado com politicas, sociais e economicas, guerras
Embora a evolução seja notável existe ainda no país a prevalência
o apoio tecnico e financeiro do CILSS etc. portanto do ponto de vista macro,
da anemia ferropriva nas crianças menores de cinco anos, apesar
(Fevereiro de 2014), na cidade da Praia, estas são algumas razões que nos leva a
de se verificar uma diminuição em mais de 20% entre 1996 e
há indicio significativo de melhoria dizer que o fenómeno fome não constitui
2009, ainda constitui um problema de saúde pública - cerca de
da situação de segurança alimentar do realidade em Cabo Verde.
52% das crianças menores de cinco anos eram anémicas em
país. Apenas cerca de 7% da população
2009.
encontra-se em situação de insegurança
alimentar e 12% em risco de insegurança
O direito de exigir um produto de elevada qualidade e sem riscos
alimentar.
para a saúde é também uma responsabilidade e um dever de toda
a cadeia alimentar. Da agricultura à casa do consumidor, todos
A desnutrição infantil é um indicador
os intervenientes devem estar conscientes dos perigos existentes
que tem diminuído ao longo dos tempos,
e aplicar acções que reduzam a existência desses perigos.
embora em alguns indicadores ainda
represente um desafio para o País. De
No fundo, não nos podemos esquecer que todos somos
acordo com os dados do IPAC, publicados
consumidores, portanto, todos temos o direito de exigir em 2009, as taxas de desnutrição crónica
produtos alimentares seguros para nós e para os nossos. e desnutrição aguda, em crianças menores
de 5 anos é de 9,7 e 2,6%, respectivamente.
O meio rural continua a ser ligeiramente
mais afetado que o meio urbano, com
taxas de 11,1% de desnutrição crónica
e 3,1% de desnutrição aguda. A in-
suficiência ponderal, tanto no meio rural
como no meio urbano, melhorou com
taxas de 7,2% e 3,0%, respetivamente em Osvaldo Chantre
2009, quando comparada com as de 2006 Secretário Nacional da Segurança
Alimentar e Nutricional

4 5
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

acesso aos alimentos e a insegurança a questão da segurança Novembro de 2013 e com IV Simpósio Internacional sobre a
alimentar transitória, refere-se à falta alimentar constituiu duas reuniões realizadas Segurança Alimentar e Nutricional que
temporária de acesso aos alimentos e é sempre uma preocupação no mesmo ano. mais valia trouxe para o país.
frequentemente causada pela ocorrência constante dos sucessivos
inesperada de um choque. governos. Para minimizar Como sabe a segurança A iniciativa de acolher a organização do
a insegurança alimentar, alimentar é uma área IV Simpósio de Segurança Alimentar e
E relativamente aos niveis ou graus varias medidas foram transversal que abrange Desenvolvimento Sustentável (SADS)
de insegurança alimentar, existe implementadas desde vários setores, desde a da CPLP, redenominado IV Simpósio de
a insegurança alimentar na forma a independência, agricultura, pecuária, Segurança Alimentar e Nutricional e De-
moderada, critico/severa, extrema/ começando pela Frente pescas, transformação, senvolvimento Sustentável (SANDS) da
urgencia e finalmente a fome. de Alta Intensidade de transportes, comércio, CPLP, são por várias razões a indicar:
Mão-de-obra (FAIMO), educação, saúde, emprego,
Insegurança alimentar moderada, enquanto instrumento etc. e constitui um desafio - Dar a continuidade aos anteriores
significa que o acesso à alimentação para garantir o acesso de gerações, cujo equa- Simpósios realizados em Luanda, Brasília
começa a ser limitado e com algum risco económico das famílias cionamento reclama a res- e Bissau, em 2007, 2009 e 2010, res-
de deterioração da situação alimentar. aos bens de primeira ponsabilização de todos e pectivamente.
necessidade, passando requer uma ampla base de
Insegurança alimentar severa, pela criação da Comissão concertação e de sinergias, - O compromisso de assumir o interesse
significa que a insuficiencia já é de Nacional para a Segurança que envolve o Governo, em caminhar e contribuir para um
alguma forma aguda e com sério risco da Alimentar (CNASA) e do as autarquias locais, as or- processo continuado de discussão e de
população cair para a fase extrema. Sistema de Informação ganizações da sociedade acção nesta área considerada a pedra
para a Segurança Alimentar civil e o sector privado. angular de desenvolvimento de qualquer
Insegurança alimentar extrema, (SISA). Tratam-se de país.
significa que a insuficiencia é grave, medidas que numa Sendo assim, o CNSAN
começa a registar alguma mortalidade, perspectiva normativa dada a sua natureza de - Dar a conhecer o que de melhor se tem
malnutrição é muito elevado e há uma visam assegurar o direito âmbito consultivo sobre as feito nesta área em termos de investigação,
perda de todos os meios de existencia. à alimentação que, a grandes opções da política de pesquisa & desenvolvimento (tanto
o período 2002-2015, cujo principal e Nutricional e a instalação do Conselho
despeito de não estar contemplado na e de cooperação entre as entidades e or- a nível teórico como de aplicação
objetivo é assegurar o acesso permanente Nacional de Segurança Alimentar e
Fome, Constituição de Cabo Verde, constitui um ganizações públicas que intervenham prática em programas e projectos) e de
da população a uma alimentação Nutricional, em Novembro de 2013,
significa falta total de acesso à direito fundamental de todo ser humano nos domínios da segurança alimentar e formação/educação nos vários países da
suficiente, saudável e nutritiva, sem enquanto instância superior de carácter
alimentação, com registo grave de consagrado na Declaração Universal dos respectiva relação com a política nacional Comunidade e do Mundo.
prejuízo para a satisfação de outras ne- consultivo em matéria de políticas e
pertubação social e deslocação massiva Direitos do Homem, de 1948. de desenvolvimento, para que de facto
cessidades básicas. programas de segurança alimentar e
da população e esgotamento total dos se promova uma boa governação a nivel De uma forma geral, considero que o IV
nutrição, foram, igualmente, uma outra
meios de existencia. A criação da então Empresa Pública de do sector, é imprescindivel que exista no Simpósio de SANDS em Cabo verde,
A criação, no seio do Ministério do medida adoptada.
Abastecimento (EMPA), que consistia país. trouxe, sem dúvida, muitos benefícios ao
Desenvolvimento Rural (MDR) da
GCI - O que é que o Governo tem feito em assegurar de forma sustentável a País e a comunidade em geral, entre os
Direcção de Serviços de Segurança Penso que de uma forma geral, Cabo
para garantir a segurança alimentar disponibilidade de alimentos a preços GCI - Fale-nos um pouco sobre o quais podemos destacar alguns:
Alimentar (DSSA), actual Secretariado Verde tem assumido vários compromissos
e, desta forma, erradicar a fome/ uniformes a todo o país foi uma outra programa “Fome Zero”.
Nacional para a Segurança Alimentar e nacionais, regionais e internacionais,
insegurança alimentar? medida adoptada, sem se esquecer da Permitiu um maior estímulo e dinâmica
Nutricional (SNSAN), como instrumento entre os quais a Estratégia de Segurança
aprovação da Estratégia Nacional de Fome Zero foi um programa do governo de se trabalhar em rede. As instituições
de implementação e monotorização das Alimentar e Nutricional (ESAN-CPLP),
Penso que, onde estamos hoje prova que Segurança Alimentar em 2004 para federal brasileiro que foi criado em tecnicas, académicas, politicas e a
políticas públicas de Segurança Alimentar assente na concretização do princípio
fundamental do Direito Humano à 2003, em substituição ao Programa população em geral mais sensibilizada,
alimentação adequada, que permitiu Comunidade Solidária que fora instituído ficaram mais capacitadas e conscientes
o País em final de 2013, com o apoio pelo Decreto n. 1.366, de 12 de janeiro de da problemática da situação existente
tecnico e financeiro da FAO, atualizar 1995, para combater a fome e a miséria. no espaço da CPLP. Proporcionou ainda
a sua Estrategia Nacional de Segurança Até Dezembro de 2002, o Programa a divulgação da boa experiencia do
Alimentar e Nutricional para o horizonte Comunidade Solidária esteve vinculado País em matéria de políticas alimentar e
2020, com enfoque para o direito humano diretamente à Casa Civil da Presidência nutricional e respectiva implementação,
à alimentação adequada DHAA. da República, e foi presidido pela então no domínio público e privado.
primeira-dama do país. De acordo com
GCI - O país está a trabalhar na im- o site do programa, no Brasil existem
plementação do Conselho Nacional de 44 milhões de pessoas ameaçadas pela
Segurança Alimentar e Nutricional fome.O Programa Fome Zero consiste
em Cabo Verde - CNSAN . O que é num conjunto de mais de 30 programas
que se pretende com a criação desse complementares dedicados a combater as
Conselho? causas imediatas e subjacentes da fome e
da insegurança alimentar.
Como referi antes a instalação do Conselho
Nacional de Segurança Alimentar e GCI – Como surgiu a iniciativa
Nutricional (CNSAN), ocorreu a 13 de da realização, em Cabo Verde, do

6 7
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Hábitos alimentares Boa Nutrição – um


dos Cabo-verdianos exercício desde o berço
Situação Nutricional em Nutrição: como melhorar
Cabo Verde
Foram feitos estudos em Cabo Verde resultados!
para saber quais os hábitos alimentares
dos Cabo-verdianos e as condições nu- A Nutricionista Irina Spencer deixou algumas dicas:
tricionais da população. De acordo com
o relatório sobre análise dos dados de - Reconhecimento da nutrição como uma prioridade,
consumo alimentar em Cabo Verde do principalmente no que se refere ao reforço dos recursos
Inquérito sobre as Despesas e Receitas humanos e recursos financeiros;
Familiares (IDRF) de 2001/2002,
verificou-se que a nível nacional o A alimentação é um grande determinante - Continuação dos reforços de articulação intra e inter
consumo alimentar médio era de 1950 na saúde , por isso é importante que desde sectorial; ou seja, a nível operacional, as orientações que
Kcal/Pessoa/dia. Este valor encontrava-se cedo cuidemos dela. saem do nível central sejam aplicadas e implementadas a
abaixo da necessidade energética média Questionada sobre quais os alimentos nível local, com respostas directas;
(2190 Kcal/Pessoa/dia) e acima do valor essenciais a serem consumidos desde a
A Nutrição é um processo biológico em prevenção e tratamento da má nutrição da necessidade energética mínima (1760 infância, a Nutricionista Spencer garante - Desenvolver e reforçar ações que garantem o controlo e a
que os organismos (animais e vegetais), e das carências em micronutrientes, Kcal/Pessoa/dia). que, o primeiro alimento a ser referido é segurança sanitária de alimentos bem como a prevenção e
utilizando-se de alimentos, assimilam traduzindo assim em melhorias sig- o leite materno, como sendo o primeiro e tratamento dos distúrbios nutricionais;
nutrientes para a realização de suas nificativas dos indicadores, comprovados Relativamente a distribuição dos macro- único alimento da criança do nascimento
funções vitais e a boa nutrição depende de pelos dados dos inquéritos. nutrientes, o hábito alimentar dos Cabo- aos 6 meses de vida (denominado - Fortalecimento das Ações de Alimentação e Nutrição em
uma dieta regular e equilibrada, ou seja, é -verdianos baseia-se nos carboidratos aleitamento materno exclusivo), de todos os níveis de Atenção à Saúde;
preciso fornecer às células do corpo não só Estudos recentes relativos à prevalência da (principalmente cerais) e lipídios, e o acordo com as recomendações da OMS.
a quantidade como também, a variedade malnutrição, realizados no país, revelaram consumo de proteínas de origem animal - Instituição de Processos Permanentes de Educação Alimentar e Nutricional;
adequada de nutrientes importantes para uma diminuição da malnutrição crónica e é bem baixa. Detalhadamente, mostra Aos 6 meses de vida, iniciar a alimentação
seu bom funcionamento. Como é que aguda. A malnutrição crónica em menores que os Cereais são a principal fonte de complementar, ou seja continuação Algumas outras recomendações no que diz respeito a alguns determinantes da
Cabo Verde está em matéria da nutrição? de 5 anos evoluiu de 16,2% em 1994 para energia dos Cabo-verdianos; o consumo do aleitamento materno (até 2 anos, nutrição:
14,5% em 2006 e para 9,7% em 2009. de gorduras ultrapassa o recomendado segundo a OMS) com a introdução de
O país não está imune aos problemas da pela OMS; os produtos açucarados são novos alimentos. Segundo a mesma, a - Promover o Direito Humano a Alimentação Adequada e a Segurança Alimentar e
má qualidade nutricional, principalmente A má nutrição aguda aumentou de bastante consumidos; o consumo de introdução desses alimentos devem ser de Nutricional;
tratando-se de crianças (anemia, carência 5,6% em 1994 para 6,4% em 2006, mas frutas, legumes e tubérculos é bem abaixo forma gradativa.
em vitamina A, iodo, etc) mas pode-se observou-se uma diminuição acentuada do recomendado pela OMS; o peixe, A amamentação é uma forma in- - Contribuir para a melhoria das condições de acesso a água, ao saneamento básico e
dizer que o país já sofreu mais. Devido a para 2,6% em 2009. apesar da sua abundância em Cabo Verde, substituível de fornecer o alimento ideal outros componentes de bem-estar pelos agregados familiares;
esses problemas nutricionais, o Governo Referente à carência de iodo em crianças representa apenas uma pequena fatia dos para o crescimento e desenvolvimento
de Cabo Verde criou o Programa Nacional de idade entre 6 e 12 anos, estudos (1996 alimentos consumidos. No entanto é a saudável dos lactentes. A sua ausência - Aumentar a produção agropecuária e das pescas de forma sustentável, aprimorando
de Nutrição (PNN) que desde 1988 tem e 2010) revelaram que Cabo Verde principal fonte de proteína animal na dieta (antes dos 4 meses) e a introdução de os mecanismos de abastecimento alimentar, com técnicas inovadoras e ampliando a
trabalhado a problemática da má nutrição. realizou progressos importantes na luta do cabo-verdiano. outros alimentos à dieta da criança participação dos jovens;
contra os distúrbios devidos a carência durante esse período, são frequentes, e
Actualmente o PNN constitui uma das em Iodo (DDCI). A situação passou de Cabo Verde, por ser um país insular, resultam em alguns problemas para a - Melhorar o rendimento das populações vulneráveis para o acesso financeiro aos
áreas prioritárias da Direcção Nacional de uma classificação de endemia moderada apresenta particularidades de cada região. saúde do bebê, tais como: exposição a alimentos.
Saúde do Ministério da Saúde. com uma prevalência de bócio global E a alimentação não foge à regra. Por agentes infecciosos, prejuízo da digestão
Irina Spencer, Nutricionista – responsável endémico da ordem dos 25,5%, para exemplo o consumo de carne vermelha, e assimilação de elementos nutritivos.
pelo Programa Nacional de Nutrição deficiência ligeira de 7,6%. e seus derivados, é mais acentuado
adiantou que o Ministério da Saúde tem nas regiões de Sotavento. Para além O Programa Nacional de Nutrição
um Plano Nacional de Desenvolvimento De acordo com os estudos realizados da região, a cultura (mitos, crenças, trabalha a vertente sensibilização para
Sanitário (PNDS) 2012-2016 no qual sobre a anemia ferropriva em menores de costumes) também influenciam a escolha o aleitamento materno até aos 6 meses
definiu como meta para a nutrição, 5 anos, esta evoluiu de 70% em 1996 para dos alimentos. de vida da criança incentivando, os
eliminar os distúrbios devido à carência 52,1% em 2005, e manteve-se em 52.4% Hospitais do país a aderirem à iniciativa
de iodo no seio da população, reduzir em 2009, enquanto nas grávidas passou “Hospital amigo da criança” criada pelo
até 20% a prevalência de anemia nas de 42% em 1992 para 43,2% em 2005 UNICEF para promover, proteger e
grávidas e nas crianças menores de cinco (IDSR II). apoiar o aleitamento materno. O objetivo
anos, reduzir em 20% a taxa de anemia Actualmente a luta contra a anemia é mobilizar os funcionários dos estabe-
entre os alunos do ensino básico, eliminar é um dos maiores desafios no campo lecimentos de saúde para que mudem
uma deficiência de vitamina A entre as da nutrição, sendo que os dados da condutas e rotinas responsáveis pelos
crianças menores de cinco anos, aderir prevalência está acima do limite que a elevados índices de desmame precoce.
todos os Hospitais, Centrais e Regionais, OMS considera como um grave problema
à Iniciativa Hospital Amigo da Criança, de saúde pública (≥ 40%). Irina Spencer acredita que, “durante a
criar o Banco de Leite Humano, etc. Em relação ao aleitamento materno fase de crescimento e desenvolvimento
exclusivo, até à idade de 6 meses, os é necessário estabelecer bons hábitos
Em matéria de nutrição, ao longo dos anos estudos encontraram taxas de 38,9% em alimentares, que continuarão na
houve várias intervenções desenvolvidas 1998[ ], 59,6% em 2005 (IDSR II) e 40% adolescência e na idade adulta.”
para a promoção da saúde nutricional, em 2009 (IPAC).

8 9
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Sanitária dos alimentos

A regulação da segurança sanitária funcionamento independente, consonante entidades, entre outras.


de alimentos em Cabo Verde tem com a privatização do mercado, com o Em Maio de 2013, a ARFA é fundida
tido uma longa caminhada. fomento da concorrência e do interesse com a Agência Nacional de Segurança Cabo Verde foi palco do IV ou outras similares, mas sim buscar o enriquecimento técnico, científico e,
dos cidadãos. Alimentar e confirmada na sua finalidade Simpósio sobre a Segurança plataformas de convergência”. Segundo o quem sabe, para o surgimento de novas
Ela é estabelecida através de regras mesmo, “o estar reunido no IV Simpósio oportunidades de cooperação.”
de conduta para os regulados, principal de regulação técnica e Alimentar e Nutricional e Desen-
A ARFA tem como missão regular económica dos sectores farmacêutico e volvimento Sustentável no âmbito só prova que os países dessa comunidade
sendo somente uma das vertentes tecnicamente e economicamente, alimentar. pretendem, juntos, procurar soluções A Coordenadora residente do Sistema
da regulação (latu sensu), que da CPLP, realizado de 13 a 16 de
Alimentos e Produtos Farmacêuticos, eficazes para a segurança alimentar.” das Nações Unidas em Cabo Verde,
também abrange a implementação Novembro de 2013 . Um evento da Ulrika Richardson- Golinski realçou
tendo em vista garantir a população de Os pricipais desafios da agência, neste Comunidade de Países de Língua
das regras, a sua supervisão e o Cabo Verde o seu acesso com qualidade momento, consistem na questão da O Primeiro Ministro alertou que é preciso não somente o processo de instalação
sancionamento das infrações às Portuguesa - CPLP organizado pelo haver um maior reforço entre os países da do Conselho Nacional de Segurança
e Segurança. gestão do controlo que será resolvida
mesmas. com existência duma política nacional Ministério do Desenvolvimento comunidade da CPLP, estar mais atento Alimentar e Nutricional em Cabo Verde,
Na área alimentar, compete a ARFA de Segurança Sanitária e Alimentar e Rural com o patrocínio da FAO. as questões de acesso aos alimentos tendo inspirado nos acordos estabelecidos
Garantir a Segurança Sanitária dos regulamentar a provisão e gestão de na reestruturação do Sistema Nacional como alvo, os grupos mais vulneráveis, no âmbito da Estratégia Regional de
Alimentos (SSA) significa a garantia de stock mínimo de produtos alimentares de Controle de Alimentos, na melhoria O IV Simpósio sobre a Segurança sem deixar de salientar os grandes ganhos Segurança Alimentar e Nutricional da
que os alimentos são seguros e não são de primeira necessidade como o arroz, do quadro regulamentar e dos sistemas Alimentar, Nutricional e Desen- do país em matéria de mobilização de CPLP (ESAN –CPLP), mas também o
prejudiciais à saúde do consumidor. Esta açucar, feijão, óleo, leite em pó, milho de regulação e Inspecção, no li- volvimento Sustentável da CPLP veio dar água, que por sua vez tem influenciado o apoio técnico e financeiro da FAO, no
diz respeito a todos os riscos, crónicos e trigo, regular os requezitos técnicos cenciamento Sanitário bem como, na continuidade aos anteriores Simpósios aumentando da produtividade do país. processo da revisão da Estratégia Nacional
ou agudos, susceptíveis de tornar os aplicados à produção, importação, consciencialização do consumidore sobre a Segurança Alimentar e Desen- de Segurança Alimentar e Nutricional
alimentos prejudiciais à saúde do exportação, distribuição e comer- das suas obrigações como consumidor volvimento Sustentável, realizados em A Ministra do Desenvolvimento Rural, do país, baseado no Direito Humano à
consumidor. cialização, elaborar códigos de boas “inspector”. Angola, Brasil e Guiné Bissau, nos anos Eva Ortet ressaltou o grande desafio que alimentação adequada com a garantia
práticas no âmbito das suas atribuições, de 2007, 2009 e 2010, respectivamente, existe em garantir a todos e de forma de que “será dada particular atenção
É caracterizado «como controlo de inspeccionar os locais de fabrico, ar- A ARFA tem como visão para o Futuro e assumir o interesse em caminhar e regular, condições de acesso físico a às questões ligadas ao fortalecimento
Alimentos» “toda a actividade obrigatória mazenamento, distribuição e venda de “garantir a segurança sanitária dos contribuir para um processo continuado alimentos seguros, nutritivos e suficientes da agricultura familiar e da nutrição,
e necessária para garantir a qualidade e produtos alimentares, regulamentar os alimentos produzidos, processados e co- de discussão e de acção em torno desta para a satisfação das necessidades mas aspectos que como se sabe, constituem
inocuidade dos alimentos”. requezitos técnicos de licenciamento mercializados em Cabo Verde a fim de problemática, de forma a manter e convicta de que, juntando esforços esses eixos da já mencionada ESAN – CPLP”.
sanitário dos estabelecimentos assegurar a protecção da saúde pública e estimular a dinâmica necessária para desafio podem ser ultrapassados.
A Resolução nº71/98 de 31 de Dezembro de transformação, conservação, os direitos dos consumidores, bem como, transformar o caminho já percorrido, Com a realização do IV simpósio
do CM ditou a criação da ARFA, num armazenagem, distribuição e confecções favorecer o desenvolvimento competitivo com grande impacto real na vida das Na abertura do Simpósio, o Secretário pretendeu-se reforçar as instituições locais
contexto de mudanças estruturais na de produtos alimentares para consumo da indústria de alimentos. Isto através de comunidades em Cabo Verde e em todo o Executivo da CPLP, Murade Murargy e sensibilizar os técnicos e a população
economia de Cabo Verde e da necessidade humano, enquanto condição necessária um sistema moderno, integrado, eficiente espaço da CPLP. frisou que “este é um momento do em geral para os desafios e oportunidades
de consolidação de um Estado moderno para o licenciamento da actividade, sem e eficaz de controlo tirando de ai os renovar dos esforços dos países para a que se colocam no contexto de sucessivas
por uma política regulatória integrada, de prejuízo das competências atribuía outras Principais Ganhos” Para o Primeiro Ministro “ser da CPLP questão da segurança alimentar e que esta crises alimentares e económicas in-
não se limita apenas a ter a mesma língua oportunidade deve ser aproveitada para ternacionais.

10 11
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

IV Simpósio sobre Segurança Alimentar e Nutricional e Desenvolvimento Sustentável

12 13
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Pontos focais de Segurança Alimentar -


CPLP
Reunião do Secretariado Técnico da Osvaldo Chantre - ponto focal de segurança Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de Cabo Verde
Segurança Alimentar e Nutricional alimentar Cabo Verde
“Foi produzido um plano de trabalho a ser O Conselho Nacional de Segurança
da CPLP concretizado até 2014, com actividades concretas Alimentar e Nutricional de Cabo
e que vai dar um grande avanço para a im- Verde – CNSAN é um órgão previsto
plementação do ESAN - CPLP” na Orgânica do Ministério do De-
David Tunga – ponto focal de Segurança senvolvimento Rural e surge como
Alimentar Angola instância estratégica de formulação
“Podemos encontrar aqui o caminho para de políticas públicas com a finalidade
aproximação de posições mas sobretudo contribuir de assegurar a articulação de políticas
com as diferenças para o reforço da segurança
e a cooperação entre as entidades
alimentar e nutricional dos países membros da CPLP.
Sabemos que ao nível da comunidade existem países com uma e organizações públicas e privadas
vasta experiência na condução das questões sobre a segurança que intervenham nos domínios da
alimentar e nutricional. Portanto essa troca de experiência segurança alimentar e nutricional
entre os vários representantes é bastante útil para todos nós.” e respectiva relação com a política
Edgar Cossa – ponto focal de segurança nacional de desenvolvimento.
Sob o tema de eleição da Presidência Moçambicana da CPLP
(julho 2012/julho 2014), a IV Reunião do Secretariado Técnico alimentar Moçambique Para Osvaldo Chantre, Secretário
O CNSAN foi instituído por meio do Executivo do Secretariado Nacional
da Segurança Alimentar e Nutricional da CPLP decorreu “É importante que esta reunião crie condições não
Decreto nº 10/2013, de 26 de Fevereiro. para a Segurança Alimentar e
em paralelo com o IV Simpósio sobre Segurança Alimentar só para questão da agricultura familiar mas olhando
Instalado a 13 de Novembro de 2013, o Nutricional, dado ao fato de a natureza
e Nutricional e Desenvolvimento Sustentável, iniciativa do para aquilo que é um conjunto de necessidades de
Conselho é de carácter consultivo que da segurança alimentar ser uma
Governo de Cabo Verde, realizado de 13 a 16 de Novembro na implementação das estratégias de segurança alimentar como,
funciona junto do MDR. área transversal que abrange vários
cidade da Praia. a governança da segurança alimentar em que é preciso, que a
nível de cada um dos estados, haja uma estrutura política e virar setores, desde a agricultura, pecuária,
Entre as funções do CNSAN está a de pescas, transformação, transportes,
Com esta iniciativa, o Governo quis mobilizar e promover um pouco mais para o problema de acesso dos alimentos aos
oferecer um quadro de concertação e comércio, educação, saúde, emprego,
discussão e acção, entre académicos, cientistas e cidadãos que grupos mais vulneráveis e que possamos assegurar uma maior
de reflexão sobre a política, programa etc, constitui um desafio de gerações,
podem contribuir para a melhoria da situação alimentar do espaço participação dos estados membros, a nível do programa de
e estratégia nacionais de segurança cujo equacionamento reclama a res-
da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. alimentação nas escolas, de forma que os agregados familiares
alimentar e nutricional, seguir e avaliar ponsabilização de todos e requer
vulneráveis tenham acesso aos alimentos a todo o momento. A
o impacto das políticas sectoriais sobre uma ampla base de concertação e de
Durante a IV reunião foi debatido o contexto actual e apresentado ideia é, conseguirmos assegurar, progressivamento, o direito a
a estratégia de segurança alimentar sinergias, que envolve o Governo, as
a proposta de Plano de Trabalhos a serem realizados de Novembro alimentação para todos os povos da comunidade.”
e nutricional e propôr ao Governo autarquias locais, as organizações da
2013 a Julho de 2014, assentes nos eixos da Governança, da João Nunes da Silva – Portugal orientações adequadas, avaliar re- sociedade civil e o sector privado.
melhoria das condições de vida dos grupos mais desfavorecidos e “Esta reunião pretende reforçar esta componente gularmente a situação alimentar e
da Agricultura Familiar. da governança e da coordenação no âmbito O CNSAN estimula que a sociedade civil
nutricional das populações, propôr
da CPLP, para que os seus agricultores sejam medidas e seguir sua implementação, participe da formulação, execução e acom-
Todos os estados membros se fizeram representar pelos seus estimulados e apoiados na produção dos alimentos panhamento de políticas de Segurança
entre outras.
membros no secretariado técnico permanente de segurança necessários para o aumento da qualidade de vida e para o Alimentar e Nutricional. Considera que a
alimentar, a excepção do Brasil que se fez representar pelo seu assegurar da segurança alimentar dos seus países.” organização da sociedade é uma condição
O Concelho Nacional de Segurança
embaixador. Mariano Assanami Sabino – Ministro da Agricultura de essencial para as conquistas sociais e
Alimentar e Nutricional - CNSAN surge
Timor Leste para a resolução da problemática da
Manuel Lapão – Director Cooperação CPLP como resposta ao grande desafio do país,
“É necessário que o plano de trabalho proposto em assegurar de forma sustentável a dis- insegurança alimentar.
“Durante os dois dias de reunião o secretariado técnico
pelo secretariado permanente seja aprovado a ponibilidade e estabilidade de alimentos Fazem parte do Conselho o membro
permanente teve a oportunidade de revisitar as decisões
nível do Governo para que depois o mesmo seja nos mercados, bem como facilitar o do Governo responsável pela pasta da
que foram aprovadas pelo 1º CONSAN em Maputo e teve
integrado a nível ministerial de cada membro da acesso físico e económico das populações segurança alimentar, que preside, re-
a oportunidade de observar aquilo que foi o grau de im-
CPLP.” aos mesmos. presentantes dos sectores governamentais
plementação do plano de trabalho que foi aprovado em
das áreas de agricultura, pecuária,
Outubro de 2012 na 3ª reunião do secretariado técnico permanente António Limbau – Vice Ministro da pescas, ambiente, meteorologia, nutrição,
que decorreu em Roma numa sessão paralela a trigéssima nona Agricultura Moçambique educação, promoção social, e finanças
sessão do Comité Mundial de Segurança Alimentar.” “Apelo que todos nós, estados membros, com base e planeamento, representantes das
no plano, demos o seguimento e acompanhamento instituições (ARFA, IGAE, IGQ, ANAS,
Nuno Vieira e Brito - Secretário do Estado da necessário às actividades que devemos realizar FICASE, PNLP, INE), Protecção civil e
alimentação e da Investigação agroalimentar de para que possamos apresentar resultados positivos.” ANMCV, Plataforma ONG´s de Cabo
Portugal Hélder Muteia – representante da FAO junto Verde, Câmaras de Comércio Indústria
“A verdade é que a política da segurança alimentar é e Serviços de Sotavento, Câmaras
da CPLP
uma das políticas de independencia nacional. Verda- de Comércio Indústria e Serviços de
“Conseguiu-se produzir um calendário de
deiramente nenhum país é independente se não tiver Barlavento, Associação para a Defesa do
trabalhos com actividades concretas. Claramente,
uma política de segurança alimentar e nutricional que consiga Consumidor (ADECO), Federação dos
vou reportar a sede em Roma para que naquilo que
sobreviver e valorizar a sua população tornando-a mais justa e Pescadores e o Banco Alimentar Contra a
nos toca, como FAO, possamos apoiar para que essas estratégias
com menos dificuldades. Felicito o secretariado técnico pelas suas Fome de Cabo Verde.
possam avançar de forma consistente, segura e sólida.”
conclusões, felicitarei mais quando os resultados forem obtidos.”

14 15
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

das cantinas escolares, cobrindo 38 escolas (3.000 alunos). No total foram instalados 46 hortos pedagógicos em 17 concelhos
Este projecto experimental tinha como objectivo principal, das ilhas de Santiago, Sto.Antão, S.Vicente, S.Nicolau, Sal,
prevenir os problemas de saúde e a ameaça permanente do Fogo e Brava tanto em terrenos agrícolas, como em caixas hi-
É de abandono escolar. Devido aos resultados positivos atingidos dropónicas ou utilizando materiais reciclados como, garrafas,
nessa primeira fase, o projecto foi alargado, cobrindo em 1987 pneus, caixas, etc. Para garantir a sustentabilidade dos hortos
pequenino todo o país e todos os alunos do ensino primário. escolares 163 professores, gestores, coordenadores pedagógicos
que se torce No ano de 1983 foi criado o ICASE (Instituto Cabo-verdiano de e técnicos da FICASE foram capacitados sobre noções básicas
o pepino Acção Social Escolar) que se ocupava da gestão das Cantinas de agricultura.
Escolares e de outros programas socio-educativos e em 1987 o Os produtos dos hortos para fins pedagógicos são aproveitados
programa já tinha coberto a 100% as escolas primárias. 1996 foi nas cantinas escolares para enriquecer a dieta alimentar dos
É extremamente importante incutir o ano em que houve a primeira tentativa de retirada do PAM alunos e os professores têm aproveitado a oportunidade para
noções e regras de alimentação de Cabo Verde o que influenciou na alta taxa de abandono fazer um trabalho de base com as crianças incentivado- as a
saudável desde cedo. É nesta fase escolar a partir dalí. Deste modo em 2001, o PAM foi solicitado, comerem mais frutas, legumes, peixes, etc. É natural que de
que se transmite a ideia do certo novamente, a retomar a assistência a todas as escolas visadas início não seja fácil para as crianças comerem logo de tudo, afinal
e do errado, do bom e do mau. pelo programa de cantinas escolares, alargando ao ensino com o tempo todos nós acabamos por nos tornar mais seletivos
A forma como nos alimentamos Pré-Escolar, beneficiando quase 100% das escolas e jardins e exigentes, decorrente das incontáveis experiências sensoriais
deve sempre fazer parte dessa infantis. acumuladas ao longo da vida. Por isso os professores já estão
aprendizagem. O que for conscientes de que a iniciação em tudo tem que ser de forma
assimilado desde a tenra idade, irá
fazer parte da vida das pessoas em Cabo Verde assume “Programas simples e amigável, pois principalmente, “um bom começo nos
estimula ao aprofundamento num tema”.
idade adulta. Cantinas Escolares”
Uma refeição quente ou a distribuição de lanche nas escolas
foi e tem sido uma tradição com os seus anos de história em Impactos da alimentação escolar a
O Governo de Cabo Verde assumiu desde o ano de 2010
Cabo Verde. Primeiro com a ajuda do Programa Alimentar o “Programa Cantinas nível educativo
Mundial (PAM) e actualmente com o “Programa Cantinas Escolares” e devido a isso,
Escolares”. solicitou apoio das Nações Os dados apontam que a taxa Líquida e Bruta de escolarização,
Unidas com resposta actualmente, são de 95,4% e 111,6%, respectivamente, com uma
favorável. Conjuntamente taxa de abandono escolar, ao nível do Ensino Básico, de 1,6%
com o Ministério da e uma taxa de transição dos alunos do EBI para o secundário
Educação e Desporto, do de 88%. De acordo com a Coordenadora do programa, Ana
Desenvolvimento Rural e Paula Spencer “os resultados preliminares são encorajadores,
da Saúde foi formulado pela entretanto, desafios associados ao alargamento da experiência
Fundação Cabo-verdiana da Acção Social Escolar (FICASE) piloto se colocam, devendo estes ser equacionados, no sentido
e pelas Agências das Nações Unidas, o Programa Conjunto “ de, entre outros, afinar/consolidar os modelos de aquisição e de
Apoio à segurança alimentar e nutricional nas escolas”. planificar o roteiro de alargamento.”
Financiado pelo Luxemburgo, o programa tem como objectivos,
garantir o acesso dos alunos das escolas primárias e dos jardins No que concerne à qualidade dos serviços prestados pelas
infantis a uma refeição equilibrada e diversificada, manter cantinas escolares (cozinha e armazém nas escolas), o Programa
elevada a taxa de escolarização e o sucesso escolar, contribuir Conjunto, contribuiu para equipar 34 cantinas escolares em 5
para a qualidade de educação e rendimento escolar, melhorar o ilhas (cada escola recebeu 1 kit de equipamentos e utensílios
estado nutricional dos alunos e das suas famílias, melhorar o composto por arca e frigorifico, banca, estante, lava-loiça, corta
Tendo como base a ideia que a escola constitui um espaço de conhecimento dos alunos em matéria de alimentação e protecção legumes, passe-vite, e outros utensílios de cozinha), estabeleceu
aprendizagem e de preparação das crianças e adolescentes para ambiental e melhorar os hábitos nutricionais em Cabo Verde. regras padronizadas de higiene e manipulação de alimentos nas
a vida em sociedade e vista como uma oportunidade única para cantinas escolares e realizou teste e capacitou 50 cozinheiras e
se abordar temas de interesse diversos, incluindo a promoção O programa visa ainda, apoiar e incentivar a organização dos responsáveis da cantina escolar em boas práticas de higiene e
da alimentação saudável e da saúde, surge o programa conjunto produtores locais, com vista a abastecer de forma constante manipulação de alimentos, entre outras actividades.
“ Apoio à segurança alimentar e nutricional nas escolas” que as cantinas escolares com produtos de origem nacional, como,
tem apoiado as instituições nacionais a implementar hortos legumes, frutas, feijões, pescado e carne, com o propósito de Para terminar uma clássica
nas escolas do ensino básico, com vista a apoiar no ensino não diversificar e melhorar a qualidade das refeições escolares. pergunta: como fazer para atrair
somente das disciplinas do currículo escolar, mas também, Desde o ano passado está sendo implementado um projecto-piloto as crianças para o consumo de
de temas extracurriculares, tais como, educação alimentar e nas 34 escolas da ilha de Santiago, São Vicente, Santo Antão e hortaliças e frutas e torná-los em
nutricional, ambiental, produção de alimentos saudáveis, uso São Nicolau com o intuito de testar as várias modalidades de potenciais novos consumidores?
racional da água, entre outos. Mas antes disso, vejamos como é aquisição de alimentos de origem nacional para o abastecimento
que as cantinas escolares eram apoiadas. das cantinas escolares. Resposta: estimular as pessoas ao
Visto que o projecto pretende incentivar a organização dos consumo desde a tenra idade, para que aprendam a desvendar
produtores locais, foram lançados concursos para a compra de o sabor complicado/saboroso dos legumes. Amigavelmente,
Trajectória dos programas de feijões, frutas, legumes e peixe fresco para o abastecimento explicar os reais benefícios do consumo desses produtos e,
apoio às cantinas escolares das escolas pilotos resultando na contratação de fornecedores tendo em conta que é um paladar em formação, nada de forçar
privados e cooperativas agro-pecuárias para o fornecimento o consumo. Simplicidade e diversão. Recomendou a gestora da
No ano de 1976, o Governo de Cabo Verde assinou um acordo de dos produtos às escolas pilotos da cidade da Praia, Sta. Cruz, S. escola primária de Ribeira Seca. O programa tem a duração de
base de cooperação com o Programa Alimentar Mundial (PAM), Lourenço dos Órgãos e de S. Vicente. 4 anos e visa contribuir para a manutenção dos ganhos obtidos
que veio a materializar-se no ano 1979 com um projecto - piloto As escolas foram incentivadas e apoiadas na criação de “hortos em termos de escolarização, melhoria da qualidade da educação
concelhios” visando o abastecimento das cantinas escolares com bem como, da segurança alimentar e nutricional dos alunos do
frutas e legumes de forma durável e sistemática. Ensino Básico e dos jardins-de-infância.
16 17
InfoMDR nº nº
5 -5Segurança Alimentar e Nutricional
InfoMDR - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Banco Alimentar Contra a Fome de


Cabo Verde colaboração de cerca de 100 pessoas ligadas a 30 associações,
O Programa da Caritas no Combate à Insegurança Alimentar
em regime de voluntariado, para beneficiar e proteger famílias,
“Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente sobretudo nos bairros periféricos da Cidade da Praia. “A recolha
Identidade que lhe assegure a si e a sua família a saúde e o bem-estar, é feita em supermercados, duas vezes ao ano, pois o Banco
principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao Alimentar não pode fazer mais do que isso”.
A Cáritas é um organismo oficial da igreja católica criada em alojamento, à assistência médica e ainda aos serviços Os bancos alimentares em todo o mundo recolhem e distribuem
1976 fruto de actividades de assistência às famílias em resposta sociais necessários”. O Banco Alimentar contra a fome muitas dezenas de milhares de toneladas de produtos e apoiam
às secas constantes que assolavam o país. surgiu para fazer valer esses direitos consagrados na as instituições de solidariedade social.
carta universal dos direitos do Homem (artigo 25º). O primeiro Banco Alimentar foi criado nos Estados Unidos em
Foi esta característica que a configurou como responsável pela 1966, chegou à Europa em 1984 e está em Cabo Verde desde
ação social tendo como domínio prioritário a segurança alimentar 2012.
e nutricional das famílias, particularmente às mais vulneráveis, Para a Ministra do Desenvolvimento Rural, o objectivo contínuo
independentemente da religião, cor política ou filosofia de vida. é fazer de Cabo Verde, até 2015, um país seguro a nível alimentar
e nutricional.
Missão Até lá, “todos os que vão às compras estão convidados a
serem mais solidários e a partilharem um pouco daquilo
Tem como missão promover caridade, justiça social e so- que vão comprar com as pessoas mais pobres da sua região.
lidariedade humana em todo território nacional, trabalho este Despertemos a generosidade da comunidade doadora um
feito por um conjunto de profissionais assalariados como pouco por todo o mundo.”
animadores, coordenadores de programas e pessoas de afeto a
área administrativa e financeira.

A partir de 1990 reconfigurou a sua lógica de intervenção,


passando para uma abordagem de autonomização das famílias
a fim de incentivá-las na produção de actividades de auto- Em Cabo Verde, esse Banco que é o 1º da África, chegou em
-promoção, nomeadamente, no que diz respeito ao apro- 2012 através da Fundação Dona Ana, em parceria com o Banco
veitamento de recursos como terreno para cultivo, águas e Alimentar contra a fome de Portugal mas, foi a 16 de Outubro de
reciclagem. 2013, dia em que se comemorou o Dia Mundial da Alimentação,
que foi inaugurada a sua sede, num acto coo-presidido pela
Programa Ministra do Desenvolvimento Rural, Eva Ortet, e pela Presidente
da Fundação DONANA, Ana Maria Hopffer Almada.
Com o novo modelo, as intervenções passaram a incidir Trata-se de uma instituição de solidariedade social que luta contra
sobretudo na melhoria do estado nutricional das famílias, através o desperdício de produtos alimentares, para depois distribuí-los,
da distribuição de farinha multimistura às crianças mal nutridas de forma gratuita, às pessoas carenciadas.
e na atribuição de vale alimentar como um ponto de partida do De acordo com a Presidente do Banco Alimentar Contra a
acompanhamento evolutivo das necessidades e capacidades das Fome de Cabo Verde, a organização é movida pelo intuito de
famílias. “aproveitar onde sobra para distribuir onde falta ou evitar o
desperdício de alimentos fazendo-os chegar às pessoas com
Também fazem parte deste programa a criação de pequenas maior carência alimentar no país”.
hortas familiares para a produção de legumes e folhas verdes Os bancos alimentares vivem, sobretudo, dos excedentes da
(rendendo por ano cerca de 300 pequenas hortas familiares), indústria e da agricultura das cadeias de distribuição, e “em
alguns hortos escolares, plantações de árvores de frutas e de Angola e Cabo Verde, bem como em outros países africanos
moringa bem como, formação sobre educação nutricional e asiáticos, não há tantos excedentes, porque não há tanta
e alimentação alternativa tendo em vista a prática de uma produção, mas, sobretudo, porque existem mercados que
alimentação saudável e equilibrada. absorvem eventuais excedentes”.
O que se faz aqui em Cabo Verde e nesses outros países é, por
Uma outra intervenção da Cáritas recai no reforço das um lado, conhecer a rede de apoio social, e, por outro, tentar
capacidades económicas e financeiras das famílias, por meio de mobilizar empresas, pessoas e fundações que queiram apoiar,
concessão de créditos para atividades geradoras de rendimento, com alimentos, mas também com projetos de responsabilidade
formação sobre gestão da economia familiar, formação pro- social que sejam mais estruturantes.
fissionalizante (conservação e transformação de alimentos, Segundo Ana Hopffer Almada, presidente da associação de
artesanato), incentivo a criação de grupos de economia solidária apoio a famílias em situação de vulnerabilidade em Cabo Verde,
e apoio aos grupos de economia solidária na construção de in- a iniciativa da fundação já permitiu a recolha e distribuição de
fraestruturas (currais, pocilgas, fornos, reservatórios, espaço de cinco toneladas de alimentos a 5.000 pessoas.
encontro) para o desenvolvimento das suas atividades. O Banco Alimentar de Cabo Verde apoia, neste momento, 270
famílias de Santiago, onde recolhe e distribui, mensalmente,
Com o lema “uma só família, alimentação para todos” a Cáritas cerca de 270 cestas básicas, em vários concelhos da ilha
acredita que a alimentação não é apenas uma necessidade básica, de Santiago. O número de famílias a serem apoiadas tende a
é também um direito por isso não se pode deixar um membro da aumentar, embora esteja dependente da quantidade de recolhas. 16 de Outubro de 2013, dia Mundial de Alimentação - acto de inauguração
família a passar fome. Todo o trabalho, segundo Ana Hopffer Almada, é feito com a do Banco Alimentar

18 19
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Projecto Ilha Verde Inaugurações 2013

Nova fase para a Segurança Alimentar


2013 foi um ano de realizações
O engenheiro agrônomo Adriano Pinto
acredita que “este primeiro carregamento para o MDR: Resolução do
representa uma vitória para a equipa Conselho do Ministério
que está a trabalhar no Paraguai e para
o país, dado que pela primeira vez o 16 de Dezembro de 2013 foi um dia de intenso trabalho para
país está em condições de abastecer o os dirigentes técnicos do Ministério do Desenvolvimento Rural.
mercado com a sua própria produção”. Mas também foi um dia marcante, que mostrou que todas as
actividades possíveis foram realizadas em 2013 para um de-
Para esse agrónomo essa é a prova de que senvolvimento rural sustentado e, também, foi um dia de muita
o país rompeu com o passado e agora resta reflexão e projecção para os próximos desafios. Rede de abastecimento de agua de Varanda de São Miguel
colher os frutos de toda a determinação e
da vontade séria de fazer do país, um país, A 3ª reunião do Conselho do Ministério de Desenvolvimento
dentro do possível, independente a nível Rural (CMDR) foi presidida pela Ministra Eva Ortet e teve lugar
alimentar. na ilha de Santiago com a participação dos dirigentes e técnicos
Em 1984, Cabo Verde comprou um e mesmo para a Europa” declarou o representantes das diferentes Unidades Orgânicas do Ministério,
Os impactos do projecto já são visíveis. para de entre outras tarefas, apreciarem o desempenho do
terreno no Paraguai, com uma área de Coordenador da sociedade promotora do A garantia foi dada pelo Director da
cerca de 10.800 ha, com o objectivo de projeto, Adriano Pinto. Ministério, através de análise dos relatórios de actividades,
empresa Upranimal, Danilson Silveira. orçamento, bem como participar na definição das orientações
fornecer ao país, através da EMPA, bens A UPRANIMAL é uma empresa de
alimentares e madeiras. Na altura eram No Porto da praia foram instalados cerca que norteiam as acções a serem desenvolvidas pelos diferentes
produção e comercialização de ração Serviços do Ministério em 2014.
produzidos alguns cereais, como o milho de cinco silos, dotados de sistemas de animal que desde 1995 está no mercado
e o trigo. carga, descarga e de pesagem, controlo das nacional.
condições ambientais de armazenagem A nível de ganhos/concretizações, foram destacados os
É nesse contexto que posteriormente com capacidade de armazenagem de 20 atingidos a nível do início e da conclusão de grandes obras de
“Actualmente temos registado uma conservação de solo e água, entre os quais, a conclusão de 3
nasce o actual projecto “Ilha Verde”, que mil toneladas e de movimentação em Centro Nacional de Hidroponía
diminuição de 12% do preço da ração barragens, ordenamento de bacias hidrográficas, perfurações,
actualmente dispõe de 12.800 ha, dando torno de 200 toneladas por hora. animal, o que tem influenciado o
início a um grande projecto de produção reservatórios e diques, inauguração do Centro Pós-colheita da
aumento, tanto da produção como da ilha do Fogo e o funcionamento efectivo do Centro Pós-colheita
agrícola, fora do país. “Dentro da óptica do abastecimento do compra de ração por parte dos clientes”
mercado temos ainda o arroz, o trigo de Santo Antão, implementação, com sucesso, do Projecto “Re-
disse Silveira. lançamento da Cultura de Banana em Cabo Verde”, promoção
Graças à perseverança de um grupo e num futuro bem próximo, a soja para
de empresários cabo-verdianos, que alimentar a fabrica de óleo que já temos do direito à alimentação e direitos sociais, com especial destaque
Adriano Pinto adiantou que estão para a realização do IV Simpósio da CPLP sobre a Segurança
souberam desenvolver o projecto, Ilha instalada para abastecer todo o mercado
previstos novos recarregamentos para Alimentar e a Operacionalização do Conselho Nacional de
Verde começa a dar os seus frutos. sem a necessidade de importação” frisou
Pinto. o abastecimento do mercado nacional. Segurança Alimentar e Nutricional, institucionalização da
Toda a produção que actualmente é Paraguai, denominada a 11ª ilha de feira do agronegócio, estando em curso a organização da
feita no Paraguai, nomeadamente do No final do ano 2013 as primeiras 15 Cabo Verde, promete garantir ao 2ª edição que, desta vez, contará com a participação de mais
trigo, arroz, milho, soja, cana-de-açúcar, mil toneladas de milho produzidas no país a sua auto – sustentabilidade e empresas nacionais e da CEDEAO, instituição dos 3 prémios do
Agronegócio dentre vários outras ganhos do sector.
mandioca, feijões, frutas entre outros, têm Paraguai, foram descarregadas no Porto consequentemente assegurar a sua
como destino Cabo Verde, onde servirá da Praia. segurança alimentar. Centro Pós Colheita e Sistema Fotovoltaico CPV de Cotelo Jardim - ilha do Fogo
de matéria-prima para outras unidades O Conselho do Ministério é um órgão consultivo de natureza
de transformação agro-industrial, no- técnica e administrativa com as atribuições fundamentais de
meadamente produção de óleo de soja, participar na definição das orientações das actividades do
produção de farinhas para fins diversos, ministério, na elaboração do plano de actividades e apreciar o
feijões enlatados, milho pré-cozido para respectivo relatório de actividades e pronunciar sobre a orgânica
cachupa, aguardente, entre outros. do ministério assim como, formular propostas e emitir pareceres
sobre as questões ligadas a organização e funcionamento, regime BARRAGEM DE SALINEIRO
Ilha Verde é vista como um impulso para do pessoal e as relações do MDR com outros serviços e órgãos
a implementação de uma verdadeira da administração pública.
indústria agro-alimentar em Cabo Verde,
pois a partir desses cereais produzir-se-ão
derivados como, o óleo e contribuir pos-
teriormente para a balança da exportação
BARRAGEM DE FAVETA
e gerar mais empregos no país.

“Somos um país pequeno e pobre mas um


país viável. Juntando os esforços podemos
criar um centro de recolha de produtos e
ser um grande centro de abastecimento do
mercado para todos os países da CEDAO BARRAGEM DE SAQUINHO
Três Barragens na ilha de Santiago: Salineiro, Faveta e Saquinho
20 21
InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional InfoMDR nº 5 - Segurança Alimentar e Nutricional

Centro Técnico de Cooperação Agrícola e Rural (ACP-UE) – CTA Colecção Guias práticos do CTA, Nº 5

Como fazer farinha de


E-mail : cta@cta.int – Site Web : www.cta.int

mandioca de boa qualidade


A mandioca tolera a seca, resiste a pragas e a doenças e é fácil de
cultivar e de colher. Todas as partes da planta da mandioca podem ser
aproveitadas. As folhas da planta da mandioca podem ser usadas para
fazer sopa ou como forragem para o gado. Os caules podem ser usados
para se plantar mais mandioca, para a produção de cogumelos ou como
lenha. A raiz tuberosa pode ser consumida fresca ou transformada em
farinha. A mandioca também pode satisfazer necessidades industriais
como sejam a produção de biocombustível e de amido, utilizado na
indústria de papel e na farmácia.
A farinha de mandioca de boa qualidade é fabricada um dia após se ter
colhido a raiz tuberosa. É muito branca, tem um baixo teor de gordura,
não é amarga como a farinha tradicional de mandioca fermentada, não
transmite um cheiro ou sabor maus aos produtos alimentares e pode-se
misturar muito bem com farinha de trigo para se fazer pão ou bolos.
A fome afecta, actualmente, cerca de Acção Social Escolar - FICASE e subsidiariedade vigente no eixo 1 da
250 milhões de pessoas na CPLP, das do Ministério do Desenvolvimento ESAN numa ótica do “aprender fazendo” O que é necessário para se fazer farinha de
quais 28 milhões sofrem de desnutrição Rural, Cabo Verde está a preparar uma e contribuir para a resolução de problemas mandioca de boa qualidade
crónica. Destas, 98% encontram-se nos campanha intitulada “Juntos Contra específicos das comunidades locais. Para se começar com uma pequena empresa de fabrico de farinha de
Países em vias de desenvolvimento. Para- a Fome! Alimentando a Esperança mandioca de boa qualidade, é necessário:
doxalmente, 80% das pessoas que passam na CPLP” que tem como principal As iniciativas e projetos que concorrem • um espaço para transformar a mandioca
• um armazém
fome em Africa são agricultores. objectivo angariar fundos das mais para o lote de atividades “Agricultores
• um lugar seguro para eliminar os desperdícios
Em Cabo Verde, embora a fome não seja diversas origens, que permitirão financiar Sem Fome” devem visar o apoio à • raízes de mandioca
um fenómeno, o estudo, ISVAF- 2005, projectos que visam melhorar a segurança produção sustentável, processamento e • equipamento de transformação (faca, tigela, plataforma de secagem, raspador,
aponta que cerca de 20% das famílias alimentar e nutricional e as condições de comercialização inclusiva de alimentos prensa e moinho)
rurais cabo-verdianas encontram-se em vida das famílias e comunidades rurais pelos agricultores familiares. • pessoas qualificadas para operar as máquinas, assim como trabalhadores
situação de insegurança alimentar. A mais vulneráveis dos países que compõe ocasionais para descascar, lavar, raspar, prensar, secar, moer, peneirar e
desnutrição infantil é um indicador que a CPLP entre os quais, Angola, Brasil, Quanto as iniciativas e projetos que empacotar.
tem diminuído ao longo dos tempos, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, concorrem para o lote de atividades Como fazer farinha de boa qualidade
embora em alguns casos ainda represente Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor. A ”Crianças com Futuro” tem que ter
um desafio para o País. De acordo com campanha decorrerá de Junho a Agosto de como foco a resolução de situações de Etapa 1: Selecção das raízes de ferro perfurado ou um raspador mecânico Etapa 7: Moagem
Colha ou compre raízes de mandioca sãs, para obter uma pasta fina. Moa a pasta de mandioca seca
os dados do IPAC-2009, cerca de 52% 2014. subnutrição e fome de mães e crianças/
maduras, firmes, que foram colhidas há Etapa 5: Prensagem até obter farinha. Pode-se moer a
das crianças menores de cinco anos são O fundo será constituído por contribuições jovens até 12 anos e ações de educação pouco tempo (frescas). Não devem apresentar Ponha a mandioca raspada mandioca usando um moinho de
anémicas. voluntárias por parte do público em geral alimentar e nutricional. pisaduras. A sua polpa deve ser branca, sem num saco limpo, por exemplo martelo.
e das mais variadas entidades do mundo rachas e pouco fibrosa. um saco de juta ou de sisal, Etapa 8: Peneiramento
Como forma de mudar essa realidade, o empresarial, político, artístico, desportivo Os beneficiários diretos das iniciativas Etapa 2: Descascar a mandioca para deixar escorrer a água Utilizando uma peneira, fabricada
país tem assumido vários compromissos e académico – através de donativos, serão famílias ou comunidades Descasque as raízes, retire o em excesso. Prense o saco artesanalmente, peneire a farinha
nacionais, regionais e internacionais, realização de eventos desportivos, vulneráveis, em risco de insegurança caule e qualquer outra parte com uma prensa rotativa ou para retirar toda a matéria fibrosa
como é o caso da Estratégia de Segurança culturais e entre outros. alimentar, como pequenos agricultores fibrosa utilizando uma faca um macaco hidráulico para retirar o excesso e impurezas (torrões). O pe-
Alimentar e Nutricional (ESAN-CPLP), O mérito e pertinência das propostas e pescadores, quer individualmente quer afiada. de água até que a mandioca fique desfeita. neiramento é importante para se
assente na concretização do princípio de iniciativa ou projeto a selecionar congregados em associações/mecanismos No caso da mandioca não Etapa 6: Secagem obter uma farinha de boa qualidade,
ficar bem descascada, tal Estenda cuidadosamente leve, com uma boa textura e isenta de fibras.
fundamental do Direito do Homem à serão analisadas com base em alguns representativos.
resultará num produto final a pasta prensada sobre Etapa 9: Embalagem e armazenagem
alimentação adequada. A ESAN-CPLP pressupostos e as áreas de intervenção Os beneficiários indiretos serão com uma má coloração. A uma folha limpa de filme Ponha a farinha peneirada em
definiu os eixos de intervenção prioritários, selecionadas encontram-se divididas nos instituições do poder local, escolas e/ casca da mandioca depois de seca pode servir plástico negro, colocada sacos de plástico herméticos e im-
com maior destaque para o reforço da boa seguintes lotes: Territórios Livres da ou centros de saúde e associações, com para alimentar o gado ou para fazer composto, num local ligeiramente permeáveis, de cor preta. Feche
governação do sistema alimentar, o apoio Fome, Agricultores Sem Fome e Crianças quem os beneficiários diretos poderão por isso não a deite fora! inclinado, ao sol. O os sacos usando a chama duma
imediato e sustentável às populações mais com Futuro. estabelecer parcerias para ampliação ou Etapa 3: Lavagem melhor seria colocar este plástico sobre um vela (ou uma máquina eléctrica de
carenciadas e vulneráveis e o aumento multiplicação dos resultados da iniciativa Lave as raízes de mandioca suporte elevado e não directamente sobre a selar, caso tenha electricidade) e
da produção de alimentos com base em As iniciativas e projetos que concorrem ou projeto de que são beneficiários diretos. descascadas com água terra. Seque a pasta até que esteja farinhenta. rotule-os escrevendo a data de fabrico e a data
modelos de produção, processamento e para o lote de atividades “Territórios Na secção de apresentação da campanha limpa para retirar qualquer Cubra-a com uma rede para a proteger contra de expiração (seis meses após a confecção).
sujidade, como seja areia, moscas e pássaros. Se bem que os secadores Coloque os sacos numa caixa de cartão, para
distribuição sustentáveis e com ampla Livres da Fome” devem promover o o Secretário Executivo da CPLP, Murade
terra, folhas ou outras solares, os fornos e os secadores de ar quente os proteger contra a luz. Guarde as caixas de
participação dos pequenos produtores reforço da capacidade e participação Muragy reiteirou a urgência na união de sejam um pouco mais caros, há uma maior
impurezas. cartão num lugar seco, fresco e bem ventilado.
agrícolas. social para a governança da Segurança esforços para o sucesso da campanha garantia quanto ao processo de secagem e o
Etapa 4: Raspagem A farinha assim armazenada durará cerca de
Através da Fundação Caboverdeana de Alimentar em linha com o princípio da salientando que “Juntos vamos longe”. Raspe as raízes de mandioca com um pedaço produto tem uma melhor qualidade. seis meses.

22 23
28 MILHÕES DE PESSOAS SÃO DIARIAMENTE
AFECTADAS PELA FOME NOS PAÍSES DA CPLP

AJUDE-NOS A CONSTRUIR
UMA COMUNIDADE LIVRE DA FOME!

CONTRIBUA!
Em qualquer Banco Comercial

Conta Bancária:
73000003583

NIB - 006000027300000358360

juntoscontrafome.cplp@gov.cv
juntoscontraafome.cplp.org
www.mdr.gov.cv

www.mdr.gov.cv w w w. f a c e b o o k . c o m / M D R . g o v. c v
FICHA TÉCNICA:
PROPRIEDADE: Ministério do Desenvolvimento Rural , CP nº 115 - Tel: (238) 261 5713, Fax: (238) 261 4054
EDIÇÃO: Gabinete de Comunicação e Imagem - E-mail: mdr@mdr.gov.cv - Tel: (238) 260 3844
TEXTOS: Jornalistas, Salett Tavares, Domingas Dias e Nadine Horta
IMAGENS: Ibraltino Delgado, Rider Vaz, Domingas Dias e equipa Ha Mar, Ha Terra
GRAFISMO E PAGINAÇÃO: Ibraltino Delgado