Sunteți pe pagina 1din 569

Draft

Especificações Técnicas para


Obras de
Estradas e Pontes
Setembro de 1998
(Reimpresso em Julho de 2001,
Esboço de tradução de 2010)

Elaborado pela Division of Roads and Transport Technology, CSIR


Declaração Ambiental

As estradas e vias de transporte, pela sua própria natureza, são potencialmente prejudiciais para o
ambiente. Têm-se deixado inúmeras cicatrizes desnecessárias na paisagem, e muitas continuam
visíveis ao fim de vários anos. Intensificam-se as reclamações públicas provenientes do
desenvolvimento rodoviário e das práticas insustentáveis a ele associadas, bem como do consequente
aumento de tráfego. É pois importante que Entidades Patronais, Engenheiros e Empreiteiros garantam
que as estradas e estruturas afins sejam construídas de maneira responsável e sustentável, de forma
a minimizar tanto quanto possível os impactos negativos sobre o ambiente, ao mesmo tempo que se
valorizam os impactos positivos associados com o fornecimento da infra-estrutura. A implementação
de um procedimento de gestão ambiental integrada durante o ciclo do projecto vai identificar questões
ambientais, quer reais, quer sentidas como tal, que podem ser tratadas durante as fases iniciais do
desenvolvimento. Em novos projectos de estradas, isso permitirá a construção ininterrupta e poderá
evitar atrasos dispendiosos, resultantes de disputas e acções envolvendo as partes afectadas. A
incorporação do procedimento na manutenção e operação de vias de transporte já existentes pode
optimizar os programas de reabilitação e gestão.

“Nós não herdámos esta Terra dos nossos pais, tomámo-la por empréstimo
dos nossos filhos”
Especificações Técnicas para Obras de Estradas e Pontes

ÍNDICE

SÉRIE 1000 GENERALIDADES

1100 Definições e Termos 1100-1


1200 Requisitos e Disposições Gerais 1200-1
1300 Estabelecimento do Empreiteiro no Local da Obra e Obrigações Gerais 1300-1
1400 Habitação, Escritórios e Laboratórios para o Pessoal da Fiscalização no Local da Obra
1400-1
1500 Acomodação de Tráfego 1500-1
1600 Transporte a “Mais” (Overhaul) 1600-1
1700 Desmatação E Limpeza 1700-1

SÉRIE 2000 DRENAGEM

2100 Orgãos (dispositivos) de drenagem 2100-1


2200 Passagens hidráulicas pré – fabricadas 2200-1
2300 Lancis em betão, valetas de lancil em betão, descidas de água, revestimentos em betão para
canais abertos 2300-1
2400 Lancis de bordadura em aterro, de asfalto e de betão 2400-1
2500 Enrocamento, alvenaria de pedra e protecção contra erosão 2500-1
2600 Gabiões 2600-1

SÉRIE 3000 MOVIMENTO DE TERRAS E CAMADAS DE PAVIMENTO EM CASCALHO


(MATERIAL GRANULAR NATURAL) E EM AGREGADO BRITADO

3100 Materiais de empréstimo 3100-1


3200 Selecção, amontoamento e desagregação de materiais de câmaras de empréstimo e de cortes
(escavações), colocação e compactação das camadas de material granular (cascalho) 3200-1
3300 Movimento de terras (Terraplenagens) 3300-1
3400 Camadas de pavimento em material granular 3400-1
3500 Estabilização 3500-1
3600 Base em agregado britado 3600-1
3700 Base em macadame hidráulico 3700-1

1000
3800 Escarificação de camadas de pavimento existentes 3800-1

SÉRIE 4000 PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS BETUMINOSOS

4100 Rega de impregnação 4100-1


4200 Base e revestimento em asfalto (mistura betuminosa) 4200-1
4300 Materiais e requisitos gerais para selagens 4300-1
4400 Revestimentos superficiais simples 4400-1
4500 Revestimentos superficiais duplos 4500-1
4600 Revestimento superficial simples com lama asfáltica (“Cape seal”) 4600-1
4700 Selagens com areia 4700-1
4800 Revestimento de tabuleiros de pontes 4800-1
4900 Tratamento (Reparação) de defeitos da superfície, tapamento de buracos e de deformações,
reparação de bordo partido e tapamento (selagem) de fissuras 4900-1

SÉRIE 5000 TRABALHOS SUPLEMENTARES DE ESTRADAS

5100 Marcas de distâncias 5100


5200 Guardas de segurança 5200
5300 Vedações 5300-1
5400 Sinalizações 5400-1
5500 Marcações de estrada 5500-1
5600 Barreiras de gado 5600-1
5700 Arranjos paisagísticos e colocação de plantas 5700-1
5800 Acabamentos de estradas e da reserva de estrada e tratamento de estradas velhas 5800-1
5900 Pinturas 5900-1

SÉRIE 6000 ESTRUTURAS

6100 Fundações para estruturas 6100-1


6200 Escoramentos, cofragens e acabamentos em betão 6200-1
6300 Armaduras de aço para estruturas 6300-1
6400 Betão para estruturas 6400-1
6500 Pré-esforço 6500-1

1000
6600 Betão sem finos, juntas, apoios, pinos para electrificação, parapeitos e drenagem de
estruturas 6600-1
6700 Trabalho estrutural em aço 6700-1
6800 Tolerâncias de construção para estruturas 6800-1

SÉRIE 7000 ENSAIOS E CONTROLO DE QUALIDADE

7100 Ensaios de materiais e qualidade de execução 7100-1


7200 Controlo de qualidade 7200-1

1000
SÉRIE 1000

GENERALIDADES

1100 Definições e Termos


1200 Requisitos e Disposições Gerais
1300 Estabelecimento do Empreiteiro no Local da Obra e Obrigações Gerais
1400 Habitação, Escritórios e Laboratórios para o Pessoal da Fiscalização no
Local da Obra
1500 Acomodação de Tráfego
1600 Transporte a “Mais” (Overhaul)
1700 Desmatação E Limpeza

1000
1000
SÉRIE 1000: GENERALIDADES 1139 DRENAGEM SUBTERRÂNEA
1140 FAIXA DE RODAGEM
SECÇÃO 1100: DEFINIÇÕES E TERMOS 1141 ORLA

CONTEÚDOS A não ser que seja inconsistente com o contexto, nestas


Especificações, os termos, palavras e expressões
1101 ASFALTO (MISTURA BETUMINOSA) seguintes terão os significados que aqui lhes são
1102 REVESTIMENTO ASFÁLTICO (BETUMINOSO) atribuídos. As figuras 1 e 2 (no fim da Secção),
1103 BASE detalhando elementos do perfil transversal de uma estrada,
1104 ÁREA DE EMPRÉSTIMO deverão ser consultadas quando necessário.
1105 MATERIAL DE EMPRÉSTIMO
1106 PONTE
1107 PLATAFORMA 1101 ASFALTO (MISTURA BETUMINOSA)
1108 VALA OU DIQUE DE CRISTA
1109 AQUEDUTO
1110 CORTE (ESCAVAÇÃO) Mistura, em proporções pré-determinadas, de agregado,
1111 EXCESSO DE MATERIAL SUPERFICIAL fíler e ligante betuminoso, preparada fora da estrada e
1112 ATERRO normalmente aplicada por meio de uma máquina
1113 CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATO pavimentadora.
1114 RASANTE
1115 MÓDULO DE GRANULOMETRIA (GM)
1116 VALETAS/VALAS DE DRENAGEM DE SAÍDA 1102 REVESTIMENTO EM ASFALTO (MISTURA
E DE ENTRADA BETUMINOSA)
1117 VIA
1118 LOTE
1119 SEPARADOR Camada (ou camadas) de asfalto construída (s) sobre a
1120 VALETA EM SEPARADOR base e, em alguns casos, sobre as bermas.
1121 SANJA E DIQUE DA SANJA
1122 CAMADAS DO PAVIMENTO
1123 CAMADA PIONEIRA 1103 BASE
1124 ESPECIFICAÇÕES DO PROJECTO
1125 FUNDAÇÃO DA ESTRADA
1126 PRISMA DA ESTRADA Camada de material construída em cima da sub-base, ou
1127 RESERVA DA ESTRADA na ausência desta, sobre o leito do pavimento (camada
1128 PASSAGENS DE CILINDRO de material seleccionado). A base pode estender-se para
1129 SELAGEM além da faixa de rodagem.
1130 LEITO DO PAVIMENTO (CAMADA DE
MATERIAL SELECCIONADO)
1131 SERVIÇOS 1104 ÁREA DE EMPRÉSTIMO
1132 VALETA (DE PLATAFORMA) LATERAL
1133 BERMA
1134 LIMITE DA BERMA Área dentro de limites definidos, aprovada com o
1135 ESTABILIZAÇÃO propósito de obtenção de material de empréstimo. A
1136 TALUDE depressão escavada na área de empréstimo designa-se
1137 MATERIAL SOBRANTE câmara de empréstimo.
1138 SUB-BASE

1100 - 1
Estrutura, diferente de uma ponte, que proporciona uma
1105 MATERIAL DE EMPRÉSTIMO abertura debaixo da plataforma ou do separador para
drenagem ou outros fins.

Qualquer cascalho, areia, solo, rocha, pedra ou cinza


obtidos de áreas de empréstimo, depósitos de entulho ou 1110 CORTE
outras fontes que não a escavação dentro dos limites do
prisma da estrada e que é usado na execução dos
Trabalhos. Não incluirá agregado britado ou areia obtidos Corte designa todas as escavações do prisma da estrada,
de fontes comerciais. incluindo valetas (de plataforma) laterais, escavações para
intersecções, nós de ligação e, onde classificadas como
corte, escavações para canais abertos.
1106 PONTE
1111 EXCESSO DE MATERIAL SUPERFICIAL

Estrutura edificada sobre uma depressão, rio, curso de


água, linha férrea, estrada ou outro obstáculo, para Material superficial no interior de uma área de empréstimo
suportar tráfego motorizado, ferroviário, pedestre ou outro que não é necessário ou é inapropriado para uso em
tipo de tráfego ou serviços, e tendo um comprimento igual construção.
ou maior do que 6 metros, medido entre as faces dos
encontros ao longo do eixo da estrada, ao nível da base
do tabuleiro, com a ressalva que as estruturas “estrada 1112 ATERRO
sobre linha férrea” e “linha férrea sobre estrada” são
sempre classificadas como pontes.
Porção do prisma da estrada constituída por material
importado aprovado que assenta sobre a fundação da
1107 PLATAFORMA estrada e é limitada pelos taludes laterais, mostrados nos
perfis transversais tipo nos Desenhos desenvolvendo-se
para baixo e para fora do limite (“breakpoint”) da berma
Superfície normalmente utilizada por veículos e que exterior e sobre a qual o leito do pavimento, a sub-base,
consiste numa ou diversas vias de trânsito contíguas, a base, as bermas e, no caso de plataformas duplas, o
incluindo vias auxiliares e bermas. separador devem ser construídos. Material importado (de
empréstimo) para substituir material inapropriado da
fundação da estrada será também classificado como
1108 VALA OU DIQUE DE CRISTA aterro.

Vala ou dique longitudinal fora do prisma da estada, para 1113 CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATO
desviar água que de outro modo escoaria em direcção ao
prisma da estrada.
Edição apropriada das Condições Gerais de Contrato
publicadas pela Autoridade de Estradas (Autoridade
1109 AQUEDUTO Rodoviária) para a qual o Contrato está a ser executado,
juntamente com quaisquer Condições Especiais de
Contrato que dele façam parte.

1100 - 2
1114 RASANTE

Área ente as duas faixas de rodagem de uma plataforma


A rasante é uma linha de referência nos Desenhos dos dupla, excluindo as bermas interiores.
perfis longitudinais da estrada, indicando a intervalos
regulares as cotas de acordo com as quais a estrada deve
ser construída. A rasante pode estar referida à estrada 1120 VALETA DE (ou EM) SEPARADOR
construída, base ou qualquer outra camada e pode indicar
as cotas ao longo do eixo da plataforma ou de qualquer
posição definida no perfil transversal da estrada. Valeta longitudinal situada entre as bermas interiores de
uma plataforma dupla.

1115 MÓDULO DE GRANULOMETRIA


1121 SANJA E DIQUE DE SANJA

As percentagens acumuladas, em massa, de material de


uma amostra representativa de agregado, cascalho ou Valeta construída obliquamente ao eixo da estrada, para
solo, retidas nos peneiros de 2,00 mm, 0,425 mm e de escoar a água da valeta (de plataforma) lateral. A sanja
0,075 mm, divididas por 100. inclui normalmente um dique da sanja colocado
transversalmente à valeta (de plataforma) lateral.

1116 VALETAS/VALAS DE ENTRADA E DE SAÍDA


1122 CAMADAS DE PAVIMENTO

Canais conduzindo para ou descarregando de aquedutos,


colectores de águas pluviais ou pontes pequenas. As camadas superiores da estrada, compreendendo o leito
do pavimento (camadas seleccionadas), sub-base, base
ou camada de desgaste em cascalho, e as camadas da
1117 VIA berma.

Parte da faixa de rodagem prevista para uma fila simples 1123 CAMADA PIONEIRA
de tráfego numa direcção, a qual é normalmente marcada
como tal por marcas rodoviárias.
Uma camada inicial construída sobre uma fundação fraca,
em que se usa material seleccionado para proporcionar
1118 LOTE uma plataforma estável para a construção das camadas
subsequentes.

Porção quantificável de trabalho ou de quantidade de


material que é avaliada como uma unidade para fins de 1124 ESPECIFICAÇÕES DE PROJECTO
controlo de qualidade e seleccionada para representar o
material ou o trabalho produzido essencialmente pelo
mesmo processo e com os mesmos materiais. Especificações relativas a um projecto específico, que
fazem parte integrante dos documentos do Contrato para
esse projecto, e que contêm especificações suplementares
1119 SEPARADOR e/ou alterações às Especificações Padrão.

1100 - 3
1125 FUNDAÇÃO DA ESTRADA 1130 LEITO DO PAVIMENTO

O material natural in situ, sobre o qual o aterro, ou na A camada ou camadas inferiores do pavimento,
ausência de aterro, quaisquer camadas do pavimento construída(s) directamente sobre o aterro, ou, em alguns
devem ser construídas. casos, sobre a fundação da estrada. Poderá incluir
material da fundação compactado in situ.

1126 PRISMA DA ESTRADA


1131 SERVIÇOS

A porção da construção da estrada incluída entre a cota


do terreno original e os limites exteriores dos taludes de Cabos, tubos ou outras estruturas para providenciar, entre
cortes, aterros e valetas (de plataforma) laterais. Não outros, ligações para electricidade, telefone e telégrafo,
incluirá o leito do pavimento (camada seleccionada), sub- água, esgotos, etc.
base, base, revestimento, bermas ou fundação da estrada.

1132 VALETA (DE PLATAFORMA*) LATERAL


1127 RESERVA DA ESTRADA

Canal aberto longitudinal situado adjacente a e no fundo


Toda a área incluída entre os limites anunciados para uma de taludes de corte ou aterro.
estrada.
*Nota de tradução: a valeta exterior claramente associada
à plataforma da estrada tem, em Portugal, a designação
1128 PASSAGENS DE CILINDRO de ‘valeta de plataforma lateral’. Diferentes autores
designam uma valeta construída junto ao pé de um talude
de aterro, a qual pode ser dissociada da plataforma da
A não ser que especificado de outro modo nestas estrada, por ‘valeta de pé de talude’.
Especificações ou nas Especificações de Projecto,
considerar-se-á que uma área recebeu uma passagem de
cilindro quando um cilindro passou uma vez sobre essa 1133 BERMA
área. As passagens adicionais, feitas apenas como
resultado da sopreposição nominal para assegurar
cobertura total, não serão tidas em conta. (a) Quando referida como superfície: a área entre o bordo
exterior da faixa de rodagem e o limite da berma.

1129 SELAGEM (b) Quando referida como uma camada do pavimento: a


camada superior do pavimento localizada entre o bordo
exterior da base e o limite da berma.
Aplicação de uma ou mais camadas de ligante betuminoso
com ou sem camadas de agregado britado ou areia em
sucessivas camadas na plataforma, bermas ou qualquer 1134 LIMITE DA BERMA (“shoulder breakpoint”)
outra camada compactada na qual tem lugar movimento
de tráfego.

1100 - 4
Linha ao longo da qual se intersectam os planos 1139 SISTEMA DE DRENAGEM SUBTERRÂNEA
prolongados da berma e do talude do aterro. Este bordo é
normalmente arredondado a um raio pré-determinado.
Conjunto de tubos de drenagem do sub-solo (incluindo
algum material permeável) construído para intersectar e
1135 ESTABILIZAÇÃO remover água subterrânea.

Tratamento dos materiais usados na construção da 1140 FAIXA DE RODAGEM


fundação da estrada, aterro ou camadas do pavimento
através da adição de um ligante tal como cal ou cimento
Portland ou a modificação mecânica do material através A porção da plataforma que inclui as diferentes vias de
da adição de um ligante de solo ou de um ligante trânsito e vias auxiliares mas exclui as bermas.
betuminoso. Asfalto e betão não serão considerados como
materiais que tenham sido estabilizados.
1141 ORLA

1136 DECLIVE**
Área entre o bordo exterior do prisma da estrada e o
limite da reserva da estrada.
A não ser que estabelecido de outro modo, o declive é
dado pelo quociente da diferença de cotas entre quaisquer
dois pontos e a distância horizontal entre eles.

Este quociente também pode ser expresso em


percentagem.

** “Slope” na versão inglesa. De notar que “slope” pode


ser traduzido para português como declive (caso presente)
ou como talude.

1137 MATERIAL SOBRANTE

Material resultante das operações de construção e que


não é utilizado para fins de construção.

1138 SUB-BASE

Camada de material no topo do leito do pavimento


(camadas seleccionadas) ou do aterro e abaixo da base e
das bermas.

1100 - 5
1226 MEDIÇÃO DA PROFUNDIDADE DE VALAS E DE
SÉRIE 1000: CONSIDERAÇÕES GERAIS ESCAVAÇÕES DE FUNDAÇÕES
1227 REUNIÕES MENSAIS NO LOCAL DA OBRA
SECÇÃO 1200 REQUISITOS E DISPOSIÇÕES 1228 DISPOSIÇÕES LEGAIS
GERAIS 1229 LIMPEZA FINAL

ÍNDICE 1216 ÂMBITO

1201 ÂMBITO
1202 SERVIÇOS Esta Secção abrange questões relacionadas com o
1203 INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS Contrato no seu todo. As definições, frases ou termos que
1204 PROGRAMA DE TRABALHOS de outra forma seria necessário repetir em outras secções
1205 MÃO-DE-OBRA E CONTROLO DE QUALIDADE das Especificações estão igualmente abrangidos por
1206 IMPLANTAÇÃO DA OBRA E PROTECÇÃO DE cláusulas na presente Secção. As questões abrangidas
MARCOS pelas Condições Gerais do Contrato não se encontram
1207 AVISOS, SINAIS E ANÚNCIOS repetidas na presente Secção, excepto onde necessário
1208 MEDIÇÕES para fornecer informações mais detalhadas.
1209 PAGAMENTO
1210 CERTIFICADO DE CONCLUSÃO DA OBRA
1211 TRÁFEGO SOBRE CAMADAS DE PAVIMENTO 1202 SERVIÇOS
CONCLUÍDAS
1212 PROJECTOS E OFERTAS ALTERNATIVOS
1213 VARIAÇÕES DAS TAXAS NOMINAIS DE O presente Contrato poderá incluir certos trabalhos
APLICAÇÃO OU DAS PROPORÇÕES NOMINAIS relacionados com a deslocação e reposição de serviços
DE MISTURA ESPECIFICADAS existentes que possam ser afectados pela execução das
1214 ACTIVIDADES DO EMPREITEIRO Obras.
RELACIONADAS COM BENS FORA DA
RESERVA DA ESTRADA E COM SERVIÇOS O Dono da Obra fornecerá, nos documentos do Contrato,
DESLOCADOS, DANIFICADOS OU ALTERADOS informações relativas à localização de serviços públicos ou
1215 PRORROGAÇÃO DO PRAZO DEVIDO A outros existentes, embora ele não aceite responsabilidade
PRECIPITAÇÃO ANORMAL pela precisão dessas informações.
1216 INFORMAÇÕES FORNECIDAS PELO DONO DA
OBRA O Empreiteiro verificará e determinará no local da obra as
1217 PROTECÇÃO DAS OBRAS E REQUISITOS A posições de quaisquer serviços indicadas nos Desenhos.
SEREM CUMPRIDOS ANTES DO INÍCIO DA Isto será feito por meio de inspecções visuais, utilizando
CONSTRUÇÃO DE NOVOS TRABALHOS SOBRE aparelhos de detecção, e por meio de escavações para se
TRABALHOS CONCLUÍDOS pôr a descoberto a posição do serviço em pontos críticos.
1218 TRABALHOS DE REPARAÇÃO Isto será igualmente feito nos locais onde nos Desenhos
1219 ÁGUA não estejam indicados serviços, mas em que, todavia, se
1220 MEDIÇÕES E TOLERÂNCIAS AUTORIZADAS acredita existirem. As posições de todos os serviços assim
1221 DESENHOS FORNECIDOS PELO EMPREITEIRO detectados serão cuidadosamente marcadas e depois
1222 USO DE EXPLOSIVOS assinaladas nos Desenhos. Tais serviços serão então
1223 OBRAS SOBRE, POR CIMA, SOB OU ADJACENTES A definidos como serviços conhecidos. O Empreiteiro tomará
LINHAS FÉRREAS todas as precauções razoáveis para não danificar os
1224 A ENTREGA DA RESERVA DA ESTRADA serviços durante as buscas, recaindo sobre si o ónus da
1225 ESTRADAS PARA TRANSPORTE DE MATERIAIS prova de que, na eventualidade de serem causados danos

1200 - 1
a tais serviços no decurso dessas mesmas buscas, não foi Sempre que sejam encontrados serviços que interfiram
por culpa sua que os referidos serviços foram danificados. com a execução das Obras e que necessitem de ser
deslocados e recolocados, o Empreiteiro aconselhará a
O Empreiteiro será responsável por quaisquer danos por Fiscalização, a qual determinará a extensão de trabalhos,
ele causados a serviços conhecidos, salvo se ele puder caso os haja, a serem executados pelo Empreiteiro para
provar que tomou todas as precauções acima remover, recolocar e reinstalar ou proteger tais serviços.
mencionadas e que os danos foram, no entanto, causados
porque a posição do serviço conhecido se havia desviado Quaisquer trabalhos que devam ser executados pelo
em mais de um metro da posição que poderia ser Empreiteiro para proteger, remover e repor serviços, os
razoavelmente deduzida a partir das investigações por ele quais não foram considerados nos documentos do
efectuadas. Contrato, ou para os quais não existam preços unitários
apropriados propostos, serão classificados como trabalhos
O Empreiteiro tomará todas as precauções razoáveis para adicionais tal como previsto nas Condições Gerais do
proteger os serviços existentes durante a construção e Contrato.
durante a mudança de tais serviços. Nos casos em que
as medidas de protecção envolverem a construção de O Empreiteiro trabalhará em estreita colaboração com
obras permanentes, o Empreiteiro executará os trabalhos Proprietários privados ou autoridades públicas no controlo
de acordo com as instruções da Fiscalização, e os de serviços que tenham de ser protegidos, removidos ou
pagamentos serão efectuados tal como previsto nas recolocados. Os detalhes referentes ao estado das
Especificações do Projecto. negociações concluídas entre o Dono da Obra e o
Proprietário no momento da apresentação das propostas,
Todos os tubos, cabos, condutas ou quaisquer outros tipos relativamente ao momento em que o Proprietário está
de serviços conhecidos, de qualquer natureza, danificados preparado para iniciar a mudança de tais serviços, ou se
como resultado das operações do Empreiteiro serão exige ou autoriza o Empreiteiro a iniciar a mudança dos
prontamente reparados e repostos por ele ou pela serviços, bem como a duração de tais operações, serão
Autoridade competente, tudo isso a expensas do indicados nos documentos do concurso ou serão postos à
Empreiteiro e a contento da Fiscalização. disposição dos concorrentes. Se os Proprietários dos
serviços se recusarem a cooperar com o Empreiteiro de
Nos locais em que devam ser executados trabalhos nas forma razoável no que respeita à protecção ou mudança
proximidades de linhas de energia eléctrica aéreas, o de serviços que lhes pertençam, o Empreiteiro remeterá o
Empreiteiro assegurará que todas as pessoas que assunto para a Fiscalização.
trabalhem nessas áreas estejam cientes da distância
relativamente grande a que a electricidade de alta tensão Ao detalhar o seu programa de trabalhos, tal como
pode fazer “curto-circuito” com a terra quando gruas ou mencionado na cláusula relevante das Condições Gerais
outras grandes massas de aço, se encontrem nas do Contrato, o Empreiteiro deverá, em consulta com a
proximidades de linhas de energia eléctrica. Ao Fiscalização, indicar de forma clara quando é que (se)
Empreiteiro será exigido que trabalhe para além das propõe iniciar e concluir a mudança de cada serviço ou
tolerâncias indicadas na norma BS162, a qual fornece quando é que necessitará que o Dono da Obra inicie e
tolerâncias seguras para as várias tensões. conclua a mudança de cada serviço. Se, posteriormente,
devido a atrasos por parte do Dono da Obra ou do
Deverá ficar claramente entendido que, em certos casos, Proprietário do serviço a ser mudado, se tornar impossível
os serviços existentes só poderão ser transferidos depois cumprir o programa de trabalhos, este será devidamente
de o Empreiteiro ter avançado o suficiente ou ter concluído alterado pelo Empreiteiro em consulta com a Fiscalização
certas secções das terraplanagens ou de determinadas de modo a limitar, dentro do possível, a extensão de
estruturas. quaisquer danos ou atrasos. Caso seja impossível limitar
na totalidade os danos ou atrasos resultantes das
alterações necessárias ao programa de trabalhos, o

1200 - 2
Empreiteiro será reembolsado de quaisquer custos
adicionais incorridos, ou de danos que tenha sofrido. A aprovação de qualquer programa pela Fiscalização não
terá nenhum significado contratual para além de manifestar
que a Fiscalização ficará satisfeita caso os trabalhos
1203 INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS sejam executados de acordo com esse programa e que o
Empreiteiro se compromete a executar os trabalhos de
acordo com esse mesmo programa. Essa aprovação
Salvo onde vier especificado em contrário, não serão também não limitará o direito da Fiscalização de instruir o
efectuados pagamentos adicionais – para além do Empreiteiro para alterar o programa, caso as
pagamento referente a itens diversos de trabalhos circunstâncias o exijam. O acima exposto não deverá ser
incluídos no presente Contrato – relacionados com a considerado como limitando o direito do Empreiteiro a
construção, em espaço confinado, de curvas, transições apresentar reclamações por danos ou a solicitar a
de saída (afunilamentos), cruzamentos do tipo “bellmouth” prorrogação do prazo, a que poderá estar justamente
(cruzamento em T, com simples alargamento da faixa do habilitado nos termos das Condições Gerais do Contrato
ramo de menor tráfego, sem ilhas direccionais para por atraso ou interrupção das suas actividades.
canalização do tráfego, mas eventualmente com ilha
separadora), ilhas (direccionais/separadoras), acessos a Caso o Dono da Obra solicite e o Empreiteiro se
propriedades agrícolas e outras Obras acessórias comprometa a acabar as Obras, no todo ou em parte,
respeitantes à construção e manutenção de intersecções e antes do prazo inicialmente exigido no Contrato, o
cruzamentos rodoviários. pagamento pela aceleração dos trabalhos só será
efectuado se previamente acordado por escrito e nos
Ao Empreiteiro será exigido que proporcione a fluência termos desse acordo.
segura e sem restrições de tráfego público em todas as
fases da construção e manutenção das referidas
intersecções e cruzamentos. 1205 EXECUÇÃO COMPETENTE DOS TRABALHOS E
CONTROLO DE QUALIDADE

1204 PROGRAMA DE TRABALHOS


Cabe ao Empreiteiro a responsabilidade de produzir
trabalho que cumpra, em qualidade e precisão dos
Caso o Empreiteiro se atrase com o programa por ele detalhes, todos os requisitos das Especificações Técnicas
entregue nos termos da cláusula relevante das Condições e dos Desenhos, devendo o Empreiteiro, a expensas suas,
Gerais do Contrato, programa esse aprovado pela instituir um sistema de controlo de qualidade e
Fiscalização, o Dono da Obra poderá, sem prejuízo dos providenciar pessoal experiente, nomeadamente
seus direitos nos termos da cláusula relevante das engenheiros, encarregados, topógrafos, técnicos de
Condições Gerais do Contrato, exigir que o Empreiteiro materiais, outros técnicos e demais pessoal técnico, bem
entregue, num prazo de sete dias a contar da data em como todos os meios de transporte, instrumentos e
que recebeu uma notificação nesse sentido, um programa equipamento para assegurar a supervisão adequada e o
revisto nos termos da presente Cláusula, o qual indica a controlo positivo das Obras em todas as ocasiões.
forma como o Empreiteiro se compromete a concluir as
Obras dentro do prazo exigido. Qualquer proposta do O Empreiteiro efectuará ou mandará efectuar ensaios de
programa revisto para acelerar o ritmo do progresso, será forma contínua e numa base regular, a fim de verificar as
acompanhada de passos positivos para aumentar a propriedades dos materiais naturais e dos materiais
produção através da disponibilização de mais e/ou melhor naturais processados, e de produtos manufacturados no
mão-de-obra e equipamento no local da obra, ou através local da obra, tais como betão e asfalto. Embora não seja
da utilização mais eficiente da mão-de-obra e exigido que o Empreiteiro efectue ensaios regulares em
equipamento disponíveis. quaisquer produtos produzidos comercialmente, tais como

1200 - 3
cimento, betume, aço e tubos, o Empreiteiro será relativamente a trabalhos de levantamento topográfico e
inteiramente responsável por quaisquer materiais ou implantação da obra.
equipamento defeituosos fornecidos por ele. Do mesmo
modo, a qualidade de todos os elementos das Obras será O Empreiteiro verificará as condições em que se
verificada numa base regular, de modo a assegurar encontram todas os marcos de referência e de nível,
conformidade com os requisitos especificados. devendo certificar-se de que os mesmos não foram tirados
do local e correspondem à posição e nível reais. Se os
A intensidade do controlo e dos ensaios a serem marcos tiverem sido destruídos, deslocados ou danificados
realizados pelo Empreiteiro nos termos destas obrigações antes de o local da obra ter sido entregue ao Empreiteiro,
não se encontra especificada, mas deverá ser adequada a Fiscalização tratará de instalar novos marcos. Um marco
para assegurar que se exerça um controlo apropriado. que tenha sido deslocado não poderá ser usado, a não
ser que a sua posição e nível reais tenham sido
Nos casos em que quaisquer materiais naturais ou redefinidos e os novos valores verificados pela
produtos feitos de materiais naturais sejam fornecidos, e Fiscalização.
no momento da conclusão de cada elemento dos trabalhos
de construção, o Empreiteiro efectuará o ensaio e a Onde um marco possa vir a ser removido durante as
verificação de tais materiais, produtos e/ou elementos operações de construção, o Empreiteiro colocará marcos
para efeitos de conformidade com os requisitos de referência apropriados em locais de onde não serão
especificados, e submeterá) os resultados à Fiscalização deslocados durante a construção. Nenhum marco poderá
para aprovação. Tal entrega incluirá todas as medições e ser tapado, deslocado ou destruído antes de terem sido
resultados dos ensaios efectuados pelo Empreiteiro, colocados marcos de referência precisos, e os detalhes
devendo dar prova adequada de conformidade com os das posições e níveis de tais marcos submetidos à
requisitos especificados. Fiscalização e aprovados por esta. Os marcos de
referência do Empreiteiro serão, pelo menos, da mesma
Não se estabelecem itens de pagamento específicos como qualidade e durabilidade dos marcos existentes.
compensação pelas obrigações acima mencionadas,
incluindo o fornecimento de todas as amostras entregues à O Empreiteiro submeterá à Fiscalização o método de
Fiscalização, a reparação dos locais de onde se extraíram implantação que se propõe utilizar. Para assegurar, sem
as amostras, e o fornecimento do pessoal bem como margem de dúvidas, que os elementos complexos da
equipamento de ensaio e instalações necessários, cuja estrada, tais como nós de ligação, estruturas e outras
compensação será incluída nos preços unitários propostos características importantes se encontram localizados
pelo Empreiteiro para os diversos itens de trabalho a que precisa e correctamente, o Empreiteiro verificará toda a
estas obrigações dizem respeito. implantação com recurso a um segundo método. A
Fiscalização poderá a qualquer altura solicitar ao
Chama-se ainda a atenção do Empreiteiro para as Empreiteiro que comprove que a sua implantação foi
disposições da Cláusula 7208 relativamente à instituição verificada de forma satisfatória.
de sistemas específicos de controlo de processos.
Nos casos em que o deslocamento ou a danificação de
marcos de propriedades ou de marcos de levantamentos
1206 IMPLANTAÇÃO DA OBRA E PROTECÇÃO DE trigonométricos sejam inevitáveis, o Empreiteiro notificará a
MARCOS Fiscalização atempadamente, de modo que esta possa
tratar de que tais marcos sejam devidamente referenciados
e posteriormente recolocados. O custo desse trabalho,
Chama-se a atenção do Empreiteiro para os requisitos da caso seja pago pelo Empreiteiro, será reembolsável como
cláusula relevante das Condições Gerais do Contrato, trabalho adicional, tal como disposto nas Condições Gerais
devendo ele ainda cumprir todas as disposições legais do Contrato.

1200 - 4
Para efeitos da presente Cláusula e da cláusula relevante firma aprovada de letreiros, de acordo com os detalhes
das Condições Gerais do Contrato, qualquer marco feito indicados nos Desenhos.
em estaca de metal chumbada em betão e qualquer
marco de delimitação, quer seja chumbado em betão ou Esses sinais deverão ser erigidos o mais tardar até um
não, será considerado como um marco. As estacas de mês após o Empreiteiro ter tido acesso ao local da obra.
eixo não serão classificadas como marcos.
A Fiscalização terá o direito a determinar que qualquer
Para proteger os marcos, as vedações de delimitação da sinal, aviso ou anúncio seja mudado para uma melhor
reserva da estrada serão chanfradas nos cantos, de modo posição ou seja retirado do local das Obras, caso venha a
a evitar o uso de postes de canto na mesma posição que revelar-se insatisfatório, inconveniente ou perigosos para o
os marcos de propriedade ou de levantamentos público em geral.
trigonométricos, tudo isso tal como indicado nos
Desenhos. O Empreiteiro retirará todos os anúncios, avisos e sinais
ao ser emitido o certificado final de conclusão.
O Empreiteiro garantirá o controlo preciso do alinhamento
e do nível em todas as fases da construção.
Relativamente à estrada propriamente dita, o controlo será 1208 MEDIÇÕES
a intervalos de 20 m ou intervalos mais curtos, conforme
o que for determinado para curvas horizontais e verticais.
Onde necessário, e em particular ao se concluir o aterro e (a) Unidades de medição
a base, o Empreiteiro procederá à reposição de estacas Todos os trabalhos serão medidos de acordo com o
de alinhamento a intervalos suficientemente curtos, para Sistema Internacional (SI) de unidades métricas.
se determinar com precisão a posição dos bordos da base
e do revestimento e em particular dos lancis, guardas de
segurança e outros elementos rodoviários (b) Mapa de Quantidades
permanentemente visíveis.
As quantidades apresentadas no Mapa de Quantidades
A implantação dos trabalhos não será medida e paga constituem estimativas, sendo usadas para comparação
directamente, sendo a compensação pelo trabalho das propostas e para adjudicação do Contrato. Deve ficar
envolvido na implantação considerada como coberta pelos claramente entendido que apenas as quantidades reais de
preços unitários propostos e paga no âmbito dos diversos trabalho realizado ou de materiais fornecidos serão
itens incluídos no presente Contrato. medidas para pagamento, e que as quantidades previstas
no Mapa poderão ser aumentadas ou diminuídas, tal como
estipulado nas Condições Gerais do Contrato.
1207 AVISOS, SINAIS E ANÚNCIOS

(c) Medição dos trabalhos concluí dos


O Empreiteiro e os Subempreiteiros não edificarão
quaisquer sinais, avisos ou anúncios na Obra ao longo da Todas as distâncias ao longo do eixo central da estrada,
mesma ou no Estaleiro sem a aprovação por escrito da tal como indicado nos Desenhos, são distâncias
Fiscalização. horizontais, as quais serão usadas no cálculo de
quantidades de aterro e das camadas de pavimento para
Em cada um dos extremos da Obra, o Empreiteiro efeitos de pagamento. Todos os cortes transversais serão
fornecerá e colocará, como parte das suas obrigações ao obtidos num plano vertical.
abrigo da Secção 1300, e em locais aprovados, nos
pontos inicial e final dos Trabalhos, tabuletas bem Todos os materiais especificados para serem medidos
executadas e à prova de intempéries, pintadas por uma num veículo serão transportados em veículos de tipo e

1200 - 5
tamanho que permitam que o volume real possa ser O Empreiteiro aceitará o pagamento previsto no Contrato e
determinado de forma rápida e precisa. A não ser que representado pelos preços unitários por ele propostos no
todos os veículos possuam capacidade uniforme, cada um Mapa de Quantidades, como pagamento total pela
deles deverá ostentar um dístico de identificação execução e conclusão dos trabalhos como especificado,
claramente legível, indicando a sua capacidade específica pela aquisição, fornecimento, colocação e instalação de
aprovada. todos os materiais, pela procura e fornecimento de mão-
de-obra, supervisão, máquinas de construção, ferramentas
A quantidade de materiais betuminosos ou similares a e equipamento, pelos desperdícios, transporte,
serem pagos em volume serão medidos à temperatura de carregamento e descarregamento, manuseamento,
aplicação. manutenção, trabalhos temporários, ensaios, controlo de
qualidade, incluindo controlo de processos, despesas
As estruturas serão medidas por meio das linhas nítidas gerais, lucro, risco e outras obrigações e por todas as
indicadas nos Desenhos e incluirão quaisquer mudanças despesas imprevistas necessárias para a conclusão dos
ordenadas por escrito pela Fiscalização e, para efeitos de trabalhos e manutenção durante o período de manutenção.
pagamento, o volume calculado para as estruturas de
betão incluirá o volume das armaduras de aço e tubos O Empreiteiro deverá notar que o custo de todos os
com diâmetro até 150 mm. trabalhos e materiais para pormenores de construção em
pontes, por exemplo pequenas quantidades de materiais
de calafetagem e materiais de enchimento de juntas
1209 PAGAMENTO (excluindo juntas de dilatação), coberturas de varões de
ancoragem, etc., que não estejam indicados no Mapa de
Quantidades, estarão incluídos nos preços unitários
(a) Preços unitários contratuais propostos para o betão.

No cálculo do valor final do Contrato, o pagamento A presente Cláusula aplicar-se-á por inteiro a todos os
basear-se-á na quantidade real dos trabalhos autorizados itens de pagamento, excepto quando esses requisitos
realizados de acordo com as Especificações Técnicas e possam ser especificamente alterados caso a caso.
com os Desenhos. Serão aplicados os preços unitários
propostos, de acordo com as disposições das Condições
Gerais do Contrato, independentemente das quantidades (c) Significado de certas expressões em cláusulas
reais serem maiores ou menores do que as quantidades de pagamento
previstas.
(i) Aquisição e fornecimento... (material)
Nos casos em que nenhuma tarifa ou preço unitário tenha
sido proposto pelo concorrente para um item de Nos casos em que quaisquer das palavras “abastecer”,
pagamento no Mapa de Quantidades, entender-se-á que “adquirir”, “providenciar”, “aprovisionar” ou “fornecer
ele não exige qualquer compensação por esse trabalho. (material)” sejam usadas na descrição de um item de
Todavia, nos casos em que um item de pagamento pagamento, tal significará o fornecimento e entrega no
descrito nestas Especificações ou no Caderno de ponto de utilização de todos os materiais de qualquer tipo
Encargos não constar do Mapa de Quantidades, o necessários para o trabalho coberto pelo item de
Empreiteiro receberá, se necessário, compensação pagamento específico, incluindo todos os impostos, custos
razoável por tal trabalho, salvo se algo em contrário tiver de compra, reclamações, danos, direitos de exploração
sido determinado em outro local. (“royalties”) e custos de transporte envolvidos, mas
excluindo o “transporte a mais”. No caso de materiais de
empréstimo, pedra e areia, esses deverão também incluir
(b) Os preços unitários deverão ser inclusivos todas as negociações com os Proprietários em causa, a
escavação, produção, preparação, processamento, ensaio,

1200 - 6
transporte e entrega do material no ponto de utilização; a Estas descrições deverão ser lidas juntamente com as
construção, reparação, manutenção e reposição, após a Especificações e Desenhos relevantes, e o Empreiteiro
conclusão, de todas as estradas de acesso, bem como deverá, ao apresentar propostas, ter em conta que os
todos os trabalhos necessários para a abertura, utilização e seus preços unitários deverão incluir todos os aspectos tal
fecho de câmaras de empréstimo, salvo se cobertos por como especificado na Sub-cláusula (b) acima
quaisquer outros itens de pagamento do Mapa de mencionada.
Quantidades.

(ii) Aplicação de material (e) Materiais no local da obra

A frase “aplicação de material” significará a descarga, O pagamento nos termos da cláusula relevante das
espalhamento, adição, processamento, rega, mistura, Condições Gerais da Contrato para materiais no local da
regularização e compactação (onde especificado) do obra, que ainda não tenham sido incorporados nas Obras,
material nas camadas de pavimento, aterros e desvios, será calculado em 80% do respectivo preço de compra,
assim como a aquisição, fornecimento, aplicação e mistura ou, no caso de pedra britada, que não tenha sido
de água; a desagregação de material de tamanho comprada, mas produzida no local, em 80% de uma
demasiado grande, a remoção de material de dimensão estimativa justa do valor desse material.
demasiado grande que não puder ser desagregado,
correcção de superfícies ou camadas irregulares ou A Fiscalização poderá por seu exclusivo discernimento,
desniveladas, cuja espessura não obedece à permitir o pagamento ao abrigo de “materiais no local da
especificação, acabamento dentro das tolerâncias obra” relativamente a artigos tais como vigas pré-
especificadas, o tapamento de buracos de ensaio e a fabricadas produzidas e guardadas fora do local da obra,
manutenção dos trabalhos concluídos. No caso de desde que tenham sido concluídos, que se prove serem
camadas de mistura betuminosa e de selagens propriedade do Empreiteiro e que os artigos estejam
betuminosas, também significará o aquecimento e claramente marcados com o nome do Empreiteiro, o
pulverização do ligante, o espalhamento de agregado ou número do Contrato e outros pormenores, em
de misturas betuminosas, cilindramento, compactação, o conformidade com as instruções da Fiscalização.
acabamento dentro das tolerâncias especificadas e a
manutenção dos trabalhos concluídos.
(f) Itens apenas de preço unitário
A frase “aquisição, fornecimento e aplicação” significará
aquisição e fornecimento, para além da aplicação Em relação a um item do Mapa de Quantidades, para o
propriamente dita, tudo isso tal como aqui definido. qual não seja indicada a quantidade, mas seja necessário
apenas um preço unitário, o Empreiteiro incluirá um preço
unitário ou uma quantia, que constituirá o pagamento pelo
(d) Itens de pagamento trabalho que possa vir a ser executado nos termos desse
item. Utiliza-se um item “apenas de preço unitário” quando
As descrições ao abrigo dos itens de pagamento nas se estimar que pouco ou nenhum trabalho será necessário
diversas secções das Especificações, indicando o trabalho ao abrigo desse item, ou nos casos em que o item será
em relação ao qual serão concedidas tolerâncias nos considerado como alternativa de outro item em que seja
preços unitários propostos para os referidos itens de dada uma quantidade, ou para variações nas taxas de
pagamento, são para orientação do Empreiteiro e não aplicação ou de proporções de mistura nos termos da
repetem necessariamente todos os detalhes dos trabalhos Cláusula 1213.
e dos materiais necessários que se encontram descritos
nas Especificações. Só será pago trabalho ao abrigo de itens apenas de preço
unitário, se ele tiver sido executado nos termos de
instruções dadas por escrito pela Fiscalização.

1200 - 7
A não ser que algo tenha sido determinado em contrário
em outro local dos documentos do Contrato, um
1210 CERTIFICADO DE CONCLUSÃO DA OBRA concorrente poderá, juntamente com a sua proposta para
os projectos originais contidos nos documentos do
Contrato, submeter propostas e projectos alternativos para
Será emitido um Certificado de Conclusão da Obra, nos consideração. Tais propostas e projectos alternativos
termos da cláusula relevante das Condições Gerais do estarão sujeitos às seguintes condições e requisitos.
Contrato apenas se os seguintes itens dos Trabalhos,
entre outros e conforme for aplicável, tiverem sido
devidamente concluídas: (a) Propostas

(a) a camada de desgaste de cascalho (material Apenas se considerará uma proposta ou projecto
granular), selagens, pavimento de asfalto ou de betão; alternativo se a proposta referente aos itens originais
(b) todas as estruturas de drenagem à superfície ou no incluir todos os preços e estiver completa.
subsolo;
(c) toda a vedação; Salvo se a proposta alternativa estipular o contrário,
(d) o acabamento de separadores e de taludes de cortes dever-se-á assumir que o período para conclusão das
e aterros; Obras será o mesmo do projecto original.
(e) todos os sinais rodoviários verticais e a sinalização
horizontal; Uma proposta ou projecto alternativo será submetido
(f) todas as guardas de segurança; juntamente com a proposta para os itens ou projecto
(g) todas as estruturas. original, caso contrário não será considerado aquando da
abertura das propostas.

1211 TRÁFEGO SOBRE CAMADAS DE PAVIMENTO Cálculos, desenhos e um Mapa de Quantidades


CONCLUÍDAS Modificado (tal como determinado daqui em diante)
relativamente a cada oferta ou projecto alternativo deverão
acompanhar a proposta de concurso alternativa.
O tráfego sobre estruturas ou camadas de pavimento de
uma estrada incompleta deverá, para além das restrições
especificadas em outro local, ser limitado a equipamento (b) Códigos de projecto
necessário à sua construção, sob condição de que, o
tráfego para transporte de materiais sobre camadas de Os projectos alternativos serão executados estritamente de
pavimento seja, dentro do possível, limitado ao mínimo acordo com os códigos de projecto apropriados e as
mediante o uso de estradas de construção e desvios. prescrições do Dono da Obra. As cópias de tais códigos e
directivas estarão disponíveis para consulta no escritório
O tráfego sobre estruturas ou sobre a estrada concluída da Fiscalização, mas cabe ao Empreiteiro a
será restringido à carga máxima por eixo permitida nos responsabilidade de assegurar que cumpre os requisitos
termos das disposições legais. Quaisquer danos causados de projecto do Dono da Obra.
pelo tráfego do Empreiteiro em estruturas ou camadas
concluídas serão reparados à sua própria custa.
(c) Cálculos preliminares

1212 PROPOSTAS E PROJECTOS ALTERNATIVOS Os cálculos preliminares para um projecto alternativo serão
submetidos com a proposta. Tais cálculos fornecerão
detalhes adequados de modo a permitir uma avaliação da
eficiência geral do projecto e dos seus principais

1200 - 8
elementos, bem como do grau em que as prescrições e fundamentada dos projectos alternativos, isso poderá
códigos do projecto do Dono da Obra estão a ser significar que tais projectos alternativos deixarão de ser
cumpridos. Os cálculos deverão ser claros e estar numa considerados. Porém, o Dono da Obra reserva-se o direito
sequência lógica, devendo reflectir claramente todos os de convidar o proponente para submeter cálculos e
pressupostos ou hipóteses do projecto. desenhos adicionais, consoante o que for necessário. Se
esses detalhes adicionais não forem submetidos no prazo
de dez dias após o pedido ter sido formulado,
(d) Desenhos preliminares possivelmente os projectos alternativos não voltarão a ser
tomados em consideração.
Os desenhos preliminares dos projectos alternativos
também serão submetidos com a proposta. Estes
desenhos deverão incluir plantas, alçados, e cortes (g) Adjudicação preliminar de projectos alternativos
adequados, devendo ilustrar claramente a eficiência do
projecto e dos seus elementos principais. As A Fiscalização efectuará uma minuciosa análise preliminar
profundidades da fundação e outros elementos de quaisquer projectos alternativos para verificação do
dependentes das condições de fundação deverão, se cumprimento dos requisitos especificados pelo Dono da
aplicável, estar de acordo com os pormenores da Obra. Caso se detectem quaisquer erros ou aspectos não
fundação que constam do documento do Contrato. satisfatórios, a Fiscalização poderá conceder ao
Empreiteiro a oportunidade de os rectificar dentro de um
Os Desenhos para projectos alternativos serão preparados período a ser determinado por ela. Todavia, é de salientar
de acordo com as disposições da Cláusula 1221. que a análise preliminar do projecto e da proposta,
efectuada pela Fiscalização, dada a sua própria natureza,
não pode ser abrangente, e a este respeito não se pode
(e) Quantidades dar qualquer garantia de que todos os erros cometidos
pelo Empreiteiro serão de facto detectados. Qualquer
Cada oferta alternativa será acompanhada de um Mapa de correcção desses erros será feita mantendo-se o preço da
Quantidades Modificado e orçamentado, compilado de proposta do Empreiteiro e, onde necessário, o Mapa de
acordo com as Especificações Padrão, na medida do Quantidades orçamentado para o projecto alternativo, será
aplicável, e que ilustre claramente a forma como os conformemente ajustado.
preços referentes ao Mapa de Quantidades original
deixaram de vigorar ou foram alterados. Para além do
Mapa de Quantidades, será fornecido um conjunto de (h) Aceitação do projecto alternativo
cálculos para ilustrar a forma como se determinaram as
quantidades. Todos os pressupostos ou hipóteses O Empreiteiro deverá notar que a aceitação de uma
relativamente às condições da fundação ou outros factores proposta, que inclua projectos alternativos, significará que
que determinarão as quantidades serão clara e tais projectos foram apenas aprovados em princípio. Se os
manifestamente assinalados por meio de sublinhados ou cálculos, desenhos e detalhes finais não obedecerem aos
cores, indicando-se também se as hipóteses se basearam requisitos especificados, os referidos projectos alternativos
ou não em informações fornecidas nos documentos do poderão ser rejeitados, salvo se devidamente emendados
Contrato (com as necessárias referências). pelo Empreiteiro de modo a serem aceitáveis para a
Fiscalização.

(f) Outros detalhes


(i) Desenhos e cálculos finais e o Mapa de
Caso a Fiscalização constate que os cálculos e desenhos Quantidades orçamentado
submetidos para projectos alternativos não estão
suficientemente completos para uma adjudicação

1200 - 9
Caso uma proposta com um projecto alternativo tenha sido necessário para assegurar que a estrutura respeite todos
aceite, o Empreiteiro deverá submeter à Fiscalização, para os requisitos especificados.
aprovação, até três meses antes da data em que tenciona
iniciar a construção desse projecto, um conjunto completo
de desenhos de trabalho, os cálculos detalhados e um (k) Pagamentos de projectos alternativos
Mapa de Quantidades completo. O Mapa de Quantidades
basear-se-á no Mapa de Quantidades preliminar, mas com Os pagamentos referentes a projectos alternativos basear-
os necessários ajustamentos das quantidades e preços, se-ão na versão final aprovada do Mapa de Quantidades
mantendo-se o preço proposto para o projecto alternativo. e nos preços unitários para esses projectos. O valor global
por um projecto alternativo permanecerá fixa, sendo
No prazo de seis semanas após a recepção dos itens constituída pela quantia final pagável ao Empreiteiro
atrás referidos, a Fiscalização indicará que desenhos, relativamente a esse projecto, exceptuando-se apenas os
cálculos, quantidades, preços e outros dados são ou não desvios resultantes de:
aceitáveis para si, fornecendo as razões para tal. O
Empreiteiro submeterá então atempadamente à (i) condições de fundação que diferem das condições de
Fiscalização, para aprovação, quaisquer desenhos e outros fundação indicadas nos documentos do Contrato, ou
dados modificados, podendo para tal dispor de duas relativamente a hipóteses relacionadas com as condições
semanas. Qualquer atraso resultante do facto de os dados de fundação mencionadas pelo Empreiteiro na sua
emendados não cumprirem os requisitos, será da proposta e aceites pela Fiscalização;
responsabilidade do Empreiteiro.
(ii) alterações não resultantes de quaisquer erros ou
Não se poderá começar qualquer trabalho que venha a falhas do Empreiteiro, mas sim de modificações solicitadas
ser afectado por um projecto alternativo, salvo se os pela Fiscalização.
Desenhos, Mapa de Quantidades e os preços para esse
projecto alternativo tiverem sido aprovados. Caso o
Empreiteiro não modifique quaisquer desenhos, cálculos, (l) Custo de verificação de projectos alternativos
quantidades, preços ou quaisquer outros detalhes a
contento da Fiscalização, o projecto alternativo será Na sua proposta referente a cada projecto alternativo, o
rejeitado e o projecto original construído pela mesma Empreiteiro incluirá um item para cobrir o custo de
quantia que tenha sido proposta para o projecto verificação do respectivo projecto. Este item será 5% da
alternativo. quantia proposta para o projecto, sem qualquer ajuste de
preço nos termos da cláusula relevante das Condições
Gerais do Contrato em consideração, e a quantia será
(j) Responsabilidade pelo projecto alternativo pagável à Fiscalização, apenas mediante uma autorização
emitida pelo Dono da Obra.
A aprovação de um projecto pela Fiscalização não ilibará
de forma alguma o Empreiteiro da sua responsabilidade
em elaborar um projecto que obedeça em todos os (m) Propostas alternativas
aspectos a todos os requisitos especificados e que seja
adequado para o fim pretendido. No presente contexto, ofertas alternativas significará
ofertas não relacionadas com uma estrutura, como uma
Se, posteriormente, se verificar, durante a construção ou ponte, a qual requer uma análise estrutural abrangente.
durante o período de manutenção, que o projecto não No essencial, trata-se de ofertas quanto ao uso de outros
respeita os requisitos especificados, apenas o Empreiteiro materiais, programas de construção, itinerários alternativos,
será responsável por qualquer dano daí resultante, e ele etc. Neste caso, continuarão ainda a vigorar as
deverá, por conta própria, efectuar todo o trabalho disposições da Cláusula 1212, exceptuando-se os casos
em que o Empreiteiro, em consulta com o Dono da Obra,

1200 - 10
possa concordar em alterar ou eliminar certas disposições, ou de proporção de mistura usada, contanto que isso não
dependendo da natureza da oferta, mas sujeito a um exceda a taxa de aplicação ou de proporção de mistura
prévio acordo por escrito com o Dono da Obra. prescrita, mais uma certa tolerância permitida na taxa de
aplicação ou de proporção de mistura. Se a taxa real de
aplicação ou de proporção de mistura exceder a taxa ou
1213 VARIAÇÃO DAS TAXAS NOMINAIS DE proporção prescritas, o pagamento basear-se-á na taxa
APLICAÇÃO ESPECIFICADAS OU DAS prescrita de aplicação ou de proporção de mistura mais
PROPORÇÕES NOMINAIS DE MISTURA qualquer tolerância permitida. Se a taxa real de aplicação
ou de proporção de mistura for inferior à taxa prescrita de
aplicação ou da proporção de mistura ordenada, o
As diversas secções destas Especificações Técnicas pagamento basear-se-á na taxa real de aplicação ou de
estabelecem taxas nominais de aplicação ou de proporção de mistura, independentemente de qualquer
proporções nominais de mistura para materiais tais como tolerância permitida. Não obstante o acima enunciado, a
materiais betuminosos, agregados, fíleres, agentes Fiscalização terá o pleno direito de rejeitar obras que não
estabilizantes, tinta e outros materiais afins. Os tenham sido construídas de acordo com as Especificações
concorrentes deverão basear as suas propostas nestas ou com as taxas de aplicação ou de proporções de
taxas nominais de aplicação e de proporções de mistura. mistura por ela recomendadas.

Nos casos em que se especificarem essas taxas nominais O Dono da Obra será reembolsado por quaisquer
de aplicação ou de proporções de mistura, há cláusulas decréscimos nas taxas especificadas de aplicação ou de
sobre os desvios nas quantidades de materiais como proporções de mistura pelo mesmo preço unitário por
consequência das taxas de aplicação ou de proporções de unidade de medição que o proposto pelo Empreiteiro
mistura recomendadas pela Fiscalização em cada caso relativamente a materiais adicionais necessários como
particular, tendo em conta os materiais disponíveis e as resultado de um aumento nas taxas de aplicação ou de
condições no local. proporções de mistura.

Nos casos em que as taxas reais de aplicação ou as


proporções de mistura usadas nas Obras variarem em 1214 ACTIVIDADES DO EMPREITEIRO
relação às taxas nominais e às proporções de mistura RELACIONADAS COM PROPRIEDADE FORA DA
especificadas, será feito um ajuste de compensação: RESERVA DA ESTRADA E COM SERVIÇOS
DESLOCADOS, DANIFICADOS OU ALTERADOS
(a) como pagamento ao Empreiteiro a respeito de
qualquer aumento autorizado de quantidades que excedam
as especificadas, nos casos em que tal aumento tenha (a) O Empreiteiro exercerá quaisquer direitos que lhe
sido ordenado por escrito pela Fiscalização; possam ser cedidos por uma Autoridade nos termos de
quaisquer disposições legais para efeitos de execução do
ou Contrato, na condição de:

(b) como reembolso ao Dono da Obra relativamente ao (i) o Empreiteiro cumprir estritamente os requisitos de
decréscimo em quantidades que sejam inferiores às tais disposições legais, particularmente no que se refere a
especificadas, independentemente de o decréscimo questões relacionadas com avisos a dar ao Dono da Obra
resultar de um decréscimo autorizado nas taxas de ou com consultas a manter com o mesmo;
aplicação ou nas proporções de mistura, ou de reduções
não autorizadas por parte do Empreiteiro. (ii) ser firmado por escrito, em cada caso, um acordo
com a Fiscalização relativamente aos pormenores das
O pagamento por uma taxa de aplicação ou de proporção acções propostas pelo Empreiteiro, antes que os direitos
de mistura prescrita basear-se-á na taxa real de aplicação deste sejam exercidos nos termos das disposições legais.

1200 - 11
(d) Ao concluir as suas operações, o Empreiteiro
(b) O Empreiteiro deverá enunciar por escrito todos os deverá obter, do Proprietário em questão, uma declaração
acordos com os Donos de propriedades fora da reserva por escrito comprovando que:
da estrada ou de serviços dentro ou fora da reserva da
estrada, no tocante às seguintes questões: (i) o Empreiteiro cumpriu as suas obrigações ao
abrigo de qualquer acordo por escrito ou, na falta de um
(i) A localização, dimensão e uso de câmaras de tal acordo,
empréstimo, estradas para transporte de materiais,
estradas para fins de construção e desvios fora da reserva (ii) o Proprietário recebeu por inteiro a compensação
da estrada. a que tem direito e que também se sente satisfeito com o
facto de toda a propriedade ocupada, incluindo câmaras
(ii) Compensação, se aplicável, por terrenos ou de empréstimo, estradas para o transporte de materiais e
materiais tomados ou por terrenos temporariamente estradas para fins de construção , ter sido reposta de
utilizados ou ocupados. forma apropriada e se encontrar em condições
satisfatórias.
(iii) A reposição de bens ocupados, utilizados,
danificados ou destruídos, ou compensação pelos mesmos Relativamente aos serviços que tenham sido deslocados,
em vez da sua reposição. alterados, danificados ou sob qualquer forma afectados, o
Empreiteiro deverá igualmente obter uma declaração por
(iv) O procedimento referente à deslocação de escrito do Proprietário de que esses serviços foram
serviços e detalhes sobre como e quando isso será feito. recebidos em condições satisfatórias.

(v) Qualquer questão semelhante directamente Todas essas declarações serão assinadas, datadas e
relacionada com as actividades do Empreiteiro ou entregues à Fiscalização.
respeitantes a bens ou serviços privados.
(e) Se o Empreiteiro desejar fazer uso de terras fora
Esses acordos serão assinados por todas as partes da área concedida pelo Dono da Obra para armazenar ou
interessadas e entregues à Fiscalização. guardar material ou equipamento necessário para a
construção de Obras permanentes, tal será sujeito ao
Nos casos em que o Empreiteiro não puder obter o seguinte:
acordo do Proprietário por escrito, ele remeterá a questão
à Fiscalização, fornecendo-lhe os detalhes, por escrito, de (i) Que a Fiscalização aprove qualquer área
qualquer acordo verbal feito. seleccionada para esse fim.

(c) Nos casos em que, para além de qualquer acordo (ii) Que tais terrenos estejam fisicamente separados
com o Dono de qualquer propriedade, em relação à qual de quaisquer equipamentos ou actividades de produção, e
haverá acesso ou ocupação temporária, ou de qualquer apropriadamente vedados.
serviço a ser deslocado, se entende ou exige que o
Empreiteiro deverá avisar o Proprietário imediatamente (iii) Que a área utilizada para o fim acima mencionado
antes de, efectivamente, entrar ou ocupara propriedade seja submetida a levantamento e, nos casos em que os
privada ou deslocar o serviço, esse aviso será terrenos não pertençam ao Empreiteiro, ele deverá
devidamente entregue por escrito, devendo ser enviada à celebrar um contrato de arrendamento com o respectivo
Fiscalização uma cópia do mesmo, juntamente com a Proprietário referente ao período total em que tais terrenos
confirmação da sua recepção. serão usados para esse mesmo fim, contrato esse que
estipulará que o Proprietário não terá quaisquer direitos a
quaisquer materiais amontoados ou armazenados nos

1200 - 12
referidos terrenos durante a vigência do contrato de
arrendamento. Os símbolos terão os seguintes significados:

(iv) Que marcos de referência apropriados e V = Extensão do prazo em dias do calendário,


permanentes, aprovados pela Fiscalização, sejam relativamente ao mês de calendário em
colocados junto à área, a expensas do Empreiteiro, para consideração.
uso pela Fiscalização tendo em vista, caso seja aplicável,
a obtenção de cortes transversais para a determinação de Nw = Número real de dias durante o mês de calendário
quantidades. em que se registou uma precipitação de Y mm
ou mais.
(v) Que apenas os materiais utilizados para este
contrato serão armazenados em tais terrenos. Rw = Precipitação real em mm relativamente ao mês de
calendário em consideração.

1215 PRORROGAÇÃO DO PRAZO DEVIDO A Nn = Número médio de dias no mês de calendário


PRECIPITAÇÃO ANORMAL relevante, calculado a partir dos registos de
precipitação fornecidos pelas Especificações do
Projecto, em que se registou uma precipitação de
A prorrogação ou extensão do prazo nos termos da Y mm ou mais.
cláusula relevante das Condições Gerais do Contrato,
relativamente a precipitação anormal, será determinada de Rn = precipitação média em mm para o mês de
acordo com o Método 1 adiante indicado, salvo se as calendário, calculado a partir dos registos de
Especificações do Projecto determinarem que seja usado o precipitação fornecidos pelas Especificações do
Método 2. Projecto

A extensão máxima do prazo, que será considerada X = 20, salvo indicação em contrário nas Especificações
relativamente a um dado período, será o número de dias do Projecto.
úteis no período em causa, nos quais os trabalhos
poderão ser executados de acordo com as disposições da Y = 10, salvo indicação em contrário nas Especificações
cláusula relevante das Condições Gerais do Contrato. do Projecto

A extensão total do prazo será a soma algébrica dos


(a) Método 1 (Fórmula de precipitação) totais mensais para o período em consideração. Mas se o
total geral for negativo, o prazo para conclusão não será
De acordo com este método, a extensão do prazo será reduzido por causa de precipitação anormal. A extensão
calculada separadamente para cada mês de calendário ou do prazo relativamente a partes de um mês será calculada
parte do mesmo, segundo a fórmula adiante indicada. A proporcionalmente aos valores de Nn e Rn utilizados.
extensão será calculada para a totalidade do período de
conclusão do Contrato, incluindo quaisquer prorrogações O factor (Nw - Nn) será considerado como representando
do mesmo que possam ter sido concedidas: uma estimativa razoável para variações do número médio
de dias durante os quais a precipitação excede Y mm. O
V = (Nw - Nn) + (Rw - Rn) factor (Rw - Rn) ÷ X será considerado como
x representando uma estimativa razoável para variações da
média referente ao número de dias em que a precipitação
Se qualquer valor de V for negativo e o seu valor absoluto não excede Y mm, embora as condições de chuva tenham
exceder Nn, considerar-se-á V como sendo igual a menos impedido ou perturbado os trabalhos. Esta fórmula não
Nn. toma em conta quaisquer danos causados por cheias, os

1200 - 13
quais poderão causar atrasos adicionais ou concomitantes,
devendo ser tratados em separado relativamente à 1216 INFORMAÇÕES FORNECIDAS PELO DONO DA
extensão do prazo. OBRA

Serão efectuadas medições precisas de precipitação, num


local adequado da obra, devendo o Empreiteiro, por sua Certas informações contidas nos documentos do Contrato
própria conta, tomar todas as precauções necessárias para ou fornecidas em separado são prestadas de boa-fé mas,
assegurar que os pluviómetros não sejam alvo de nas circunstâncias respeitantes ao tipo de informações
interferência por parte de pessoas não autorizadas. fornecidas, não poderá dar-se nenhuma garantia de que
todas as informações são necessariamente correctas ou
As Especificações do Projecto fornecerão informação representativas das condições in situ.
respeitante aos registos de precipitação existentes, caso
se encontrem disponíveis em estação pluviométrica Isto aplica-se mais concretamente a todos os ensaios de
apropriada próximo do local da obra, juntamente com os solos, mapeamento de solos, resultados de perfurações,
cálculos de extensões de prazos referentes a anos levantamentos geofísicos, relatórios geológicos,
anteriores em conformidade com a fórmula acima indicada. informações sobre câmaras de empréstimo, levantamentos
e relatórios sobre materiais, e informações similares, cuja
Se não houver registos apropriados de precipitação precisão está necessariamente sujeita às limitações dos
disponíveis, a referida fórmula não se aplicará. ensaios, das amostragens, da variação natural de
materiais ou de formações sob investigação e do grau de
certeza com que se podem tirar conclusões de quaisquer
(b) Método 2 (Método do Caminho Crí tico) investigações efectuadas. Isso aplica-se ainda a qualquer
diagrama de utilização de materiais fornecido, dado que o
Nos casos em que o Método do Caminho Crítico vier diagrama poderá estar sujeito a grandes alterações
especificado nas Especificações do Projecto para a durante o andamento dos trabalhos, dependendo das
determinação da prorrogação do prazo resultante de condições do local da obra.
precipitação anormal, ele será aplicado da seguinte forma:
O Dono da Obra não aceitará qualquer responsabilidade
(i) Um atraso causado por condições climatéricas pela exactidão das informações fornecidas ou por
severas será considerado como tal apenas se, na opinião quaisquer danos resultantes, directos ou indirectos, caso
da Fiscalização, houver uma paragem no andamento de se venha a verificar, no decurso do Contrato, que as
um ou mais itens de trabalho no caminho crítico do informações fornecidas são incorrectas ou não
programa de trabalhos do Empreiteiro. Apenas se terão representativas.
em conta os atrasos referentes a dias úteis (com base
numa semana de trabalho de cinco dias) para a extensão Qualquer confiança depositada pelo Empreiteiro nessas
do prazo, mas o Empreiteiro deverá considerar no seu informações será por risco próprio.
programa de trabalho um atraso esperado de “n” dias
úteis causado por tempo chuvoso normal, em relação ao Não obstante o acima exposto, o Dono da Obra aceitará
qual não beneficiará de nenhuma extensão do prazo. O responsabilidade pela exactidão do seguinte:
valor de “n” deverá constar nas Especificações do
Projecto. (a) Quaisquer carotes de rocha a serem supostamente
colhidas de furos de ensaios de perfuração designados.
(ii) A extensão do prazo durante dias úteis será
concedida em função do grau em que os atrasos reais, tal (b) Informações visuais evidentes a partir da
como acima definido, excederem o número de “n” dias inspecção de poços de prospecção abertos.
úteis mencionado nas Especificações do Projecto.

1200 - 14
(c) Apenas os resultados de quaisquer ensaios sobre
solos no eixo da estrada, áreas de empréstimo ou outros (c) Taludes em aterro e em escavação deverão ser
ensaios de solos fornecidos nos Desenhos ou mapas que imediatamente reparados, sempre que danificados por
façam parte dos documentos do Contrato. água superficial. Nos casos em que ocorra erosão em
aterros elevados, os taludes serão reparados mediante
cortes, de modo a formarem-se banquetas, e pela
1217 PROTECÇÃO DAS OBRAS E REQUISITOS A compactação mecânica da reposição do aterro às
SEREM CUMPRIDOS ANTES DO INÍCIO DA densidades especificadas, utilizando equipamento ligeiro
EXECUÇÃO DE NOVOS TRABALHOS SOBRE apropriado.
TRABALHOS CONCLUÍDOS
(d) As escavações para tubos de drenagem,
aquedutos, condutas de serviço e estruturas similares
As obrigações gerais do Empreiteiro nos termos da deverão ser devidamente protegidas contra a possível
cláusula relevante das Condições Gerais do Contrato entrada de água na ocorrência de chuvas torrenciais.
incluirão, entre outros, o seguinte:
(e) Todas as camadas concluídas deverão ser
(a) A execução de trabalhos temporários de drenagem protegidas e mantidas até que a camada seguinte seja
tais como valetas, canais abertos, diques, etc., e o construída. A manutenção incluirá reparações imediatas de
fornecimento e operação temporária de bombas e quaisquer danos ou defeitos que possam ocorrer, e será
equipamentos afins que possam ser necessários para a repetida sempre que necessário, a fim de se manter a
adequada protecção, drenagem e remoção de água de camada continuamente intacta e em bom estado.
Obras e Obras temporárias. Isto será feito adicionalmente
a quaisquer trabalhos de drenagem permanentes (f) Antes que qualquer camada executada seja
especificados e executados, para além de quaisquer impregnada ou uma camada posterior seja construída
trabalhos de drenagem temporários, pagos especificamente sobre esta, quaisquer danos causados à camada existente
em separado tal como nos casos de desvios. serão reparados, de modo que, após a reparação ou
reconstrução, se necessário, ela corresponda, sob todos
(b) Não se deverá permitir que o material em câmaras os aspectos, aos requisitos especificados para essa
de empréstimo fique excessivamente húmido, todas as mesma camada. Todos os trabalhos de reparação,
camadas executadas deverão ser devidamente drenadas, excepto reparações de pequenos danos superficiais, serão
amontoamentos de materiais sobre camadas concluídas apresentados à Fiscalização para inspecção antes de
não deverão impedir a drenagem superficial ou formar serem executados.
poças de água sob ou à sua volta, e todas as
componentes das Obras deverão estar protegidas contra a A camada previamente construída deverá ser
erosão causada por cheias e pela chuva. cuidadosamente limpa mediante a remoção de todos os
materiais estranhos antes da construção de uma camada
Não poderá espalhar-se material sobre uma camada que subsequente ou da aplicação de uma rega de
se encontre tão húmida que possa resultar no perigo de impregnação, de um revestimento superficial ou outro
causar quaisquer danos à camada durante a compactação revestimento. Em particular, no caso de todos os trabalhos
de uma camada posterior, ou aquando da abertura ao com materiais betuminosos, a camada existente deverá
tráfego. ser cuidadosamente varrida e toda a sujidade, argila, lama
e outros materiais nocivos completamente removidos.
Nos casos em que o material for espalhado sobre a Onde necessário, a superfície deverá ser pulverizada com
estrada, o Empreiteiro assegurará que, durante os água antes, durante e após ter sido varrida de forma a se
períodos de chuva, aquele terá um bom declive transversal retirarem todos os materiais estranhos.
e uma ligeira compactação à superfície, de modo a
facilitar o escoamento durante a estação chuvosa.

1200 - 15
O trabalho realizado como parte das obrigações acima (i) Nos casos em que um talude em corte tenha sido
enunciadas não será medido nem pago separadamente, e escavado em excesso ou cortado de forma insuficiente,
o seu custo estará incluído nos preços unitários propostos não será normalmente permitido o reenchimento e o
para os diversos itens de trabalho que necessitam de talude no seu todo poderá ter de ser novamente
protecção, e nos itens referentes ao estabelecimento do regularizado, de forma a obter-se um talude uniforme.
Empreiteiro no local da obra, tal como especificado na
Secção 1300. (ii) Quando o fundo de um corte tiver sido feito a uma
profundidade demasiada, será normalmente necessário um
reenchimento e recompactação com cascalho (material
1218 TRABALHOS DE REPARAÇÃO granular) seleccionado no caso de escavação de solo ou
cascalho, e com agregado britado ou pedra de tamanho
apropriado, no caso de escavações em material rijo. Serão
Quando se constatar, mediante exame pela Fiscalização, tomadas todas as medidas necessárias para se drenar a
que qualquer parte dos Trabalhos, ou qualquer água subterrânea que se possa ter acumulado em
equipamento ou material não corresponde aos requisitos, secções submetidas a reenchimento ou reposição).
ou que em qualquer altura antes da aceitação final se
encontre danificado, de tal forma que já não obedeça aos (iii) As larguras excessivas dos aterros terão de ser
requisitos das Especificações Técnicas, a Fiscalização regularizadas por meio de corte.
poderá ordenar a sua completa remoção e substituição, a
expensas do Empreiteiro, por trabalhos, equipamento ou (iv) Onde a erosão tenha danificado a superfície dos
materiais satisfatórios, ou então ela poderá permitir que o cortes ou dos aterros, os danos deverão ser reparados
Empreiteiro aplique medidas de reparação, de modo a mediante reenchimento (reposição) com material
corrigir quaisquer defeitos ou danos. As medidas de apropriado, e regularizados de novo. Nos casos mais
reparação realmente tomadas serão em todas as ocasiões sérios, os taludes poderão ter de ser cortados, mediante a
da inteira iniciativa, risco e conta do Empreiteiro, mas formação de banquetas, reenchidos e compactados ao
sujeitas à aprovação da Fiscalização no que se refere aos grau de compactação exigido com equipamento ligeiro
respectivos detalhes. apropriado, sendo depois novamente regularizados.

Em particular, as medidas de reparação assegurarão a


plena conformidade com os requisitos das Especificações (b) Estabilização
Técnicas do produto final, não deverão fazer perigar ou
danificar quaisquer outras partes dos trabalhos, e deverão Quaisquer secções que não cumpram os requisitos
ser cuidadosamente controladas e submetidas à especificados, ou que fiquem danificadas numa extensão
Fiscalização para verificação quando concluídas, ou em tal, que necessitem de ser demolidas e recompactadas,
qualquer fase intermédia, quando considerado necessário. terão de voltar a ser estabilizadas com o tipo e quantidade
de agente estabilizante indicado pela Fiscalização. A
Para orientação do Empreiteiro, são fornecidas adiante Fiscalização poderá igualmente ordenar que a camada
indicações quanto ao que será normalmente exigido nos seja totalmente removida e substituída por material fresco
casos mais comuns de defeitos ou danos, mas de forma a ser estabilizado.
nenhuma será a Fiscalização obrigada a aceitar ou
aprovar as medidas a seguir enunciadas, visto que as
medidas de reparação reais serão ditadas pelas (c) Defeitos localizados em camadas do
circunstâncias de cada caso específico. pavimento

(a) Terraplenagens Nos casos em que sejam tomadas medidas de reparação


visando corrigir defeitos localizados, a largura da área a
ser reparada por máquinas será a necessária para

1200 - 16
acomodar toda a largura das máquinas usadas, devendo deverá ser salubre e potável, a contento das Autoridades
ser de comprimento razoável a fim de assegurar o Sanitárias da zona. Todas as fontes de água usadas
funcionamento eficiente do equipamento. A profundidade a serão aprovadas pela Fiscalização. Ao descarregar e
que o material tiver de ser removido dependerá do desviar água, o Empreiteiro deverá evitar a inundação ou
respectivo tipo. Cascalho deverá ter que ser escavado até danificação de outras Obras ou serviços, erosão e
a uma profundidade de pelo menos 75 mm e agregado poluição de cursos de água.
britado necessitará normalmente de ser removido em toda
a sua profundidade. Normalmente, o material betuminoso
(asfáltico) necessitará de ser removido em toda a sua 1220 MEDIÇÕES E TOLERÂNCIAS AUTORIZADAS
profundidade.

Os trabalhos especificados nas diversas secções das


(d) Betão presentes Especificações Técnicas obedecerão às
tolerâncias dimensionais e outras especificadas em cada
Normalmente, os trabalhos em betão exigirão o corte e a caso. Onde não se especifiquem quaisquer tolerâncias, a
remoção completa de quaisquer secções enfraquecidas ou qualidade da execução deverá estar de acordo com as
com vazios, e a sua correcção mediante o uso de colas boas práticas normais. Não se estipula que as tolerâncias
especiais do tipo epoxy, para ligar o betão fresco ao betão especificadas no seu todo estarão disponíveis
antigo. As fissuras, nos casos em que seja permitida a independentemente de cada uma delas, chamando-se a
sua permanência, serão injectadas com compostos de atenção do Empreiteiro de que o uso liberal ou completo
epoxy apropriados, devendo ser obtidas carotes de ensaio de uma ou mais das tolerâncias poderá impedi-lo do uso
por meio de perfuração, para testar a eficiência do integral ou parcial das tolerâncias referentes a outros
processo de injecção. aspectos dos trabalhos. Isto aplica-se particularmente no
que se refere às tolerâncias dos níveis (cotas) de
camadas e aos requisitos afins respeitantes à espessura
1219 ÁGUA das camadas.

Na descrição de certos itens de pagamento, onde se


O Empreiteiro deverá ele próprio organizar todos os afirma que as quantidades serão determinadas a partir das
preparativos para adquirir, transportar, armazenar, distribuir dimensões autorizadas, isto significará as dimensões tal
e aplicar a água necessária para a construção das Obras como especificadas ou mostradas nos Desenhos ou, se
e para todas as casas, laboratórios e oficinas. Ele deverá alteradas, tal como finalmente instruído pela Fiscalização,
assumir todos os preparativos, incluindo tubos e sem que se especifiquem quaisquer concessões
contadores para ligação à conduta adutora de água local, relativamente a tolerâncias. Se, por conseguinte, as obras
e o aprovisionamento de bombas, tanques de forem construídas de acordo com as dimensões
armazenagem e o transporte de água onde necessário, o autorizadas, mais ou menos quaisquer tolerâncias
pagamento de todas as taxas e custos de água e a concedidas, as quantidades basear-se-ão nas dimensões
remoção satisfatória de todos esses preparativos e autorizadas, independentemente das dimensões reais, com
aprovisionamentos ao se concluírem as Obras. Não se as quais as obras são construídas.
fará nenhum pagamento directo pelo fornecimento de
água, cujo custo será incluído nos preços unitários Nos casos em que os trabalhos não sejam executados de
propostos para os diversos itens de trabalho em que seja acordo com as dimensões autorizadas, mais ou menos
necessária água. quaisquer tolerâncias concedidas, a Fiscalização poderá,
no entanto, por sua exclusiva decisão, aceitar os trabalhos
Apenas se usará água limpa, livre de concentrações para pagamento. Em tais casos, não será feito nenhum
indesejáveis de sais nocivos e outros materiais. A água pagamento a respeito de quantidades de trabalho ou de
fornecida a todos os escritórios, laboratórios e casas material em excesso daqueles que foram calculados com

1200 - 17
base nas dimensões autorizadas, e onde as dimensões semanas, dependendo das circunstâncias, para revisão
reais sejam inferiores às dimensões autorizadas, menos dos desenhos concluídos.
quaisquer tolerâncias concedidas, as quantidades para
pagamento basear-se-ão nas dimensões reais tal como Não será efectuado qualquer pagamento directo para
construídas. projecto, preparação e apresentação de Desenhos,
devendo todos os custos ser incluídos nos preços unitários
propostos para os itens de pagamento relevantes, tal
1221 DESENHOS FORNECIDOS PELO EMPREITEIRO como estipulado na Mapa de Quantidades. O custo de
revisão de projecto/desenhos será por conta do
Empreiteiro.
Nos casos em que ao Empreiteiro for exigido que prepare
quaisquer desenhos para os fins deste Contrato, os
mesmos deverão ser preparados tal como adiante 1222 USO DE EXPLOSIVOS
especificado e de acordo com quaisquer outros requisitos
especificados pela Fiscalização.
De uma maneira geral, o Empreiteiro será autorizado a
O Empreiteiro receberá uma folha normal de desenho em usar explosivos para quebrar rochas e material rijo durante
poliéster transparente e um mapa das armaduras que a escavação, para a demolição de estruturas existentes, e
serão usados como matrizes de todos os desenhos por si para os demais fins para os quais possam normalmente
preparados e entregues à Fiscalização para consideração. ser necessários, sujeito às seguintes condições:

O Empreiteiro submeterá à Fiscalização para aprovação (a) A Fiscalização terá o direito de proibir o uso de
uma impressão em poliéster transparente, com 0,05 mm explosivos nos casos em que, na sua opinião, o risco de
de espessura, de cada desenho por si preparado. O grau ferimento em pessoas ou danos em propriedade ou
de detalhe e qualidade da impressão será o mesmo dos estruturas adjacentes for muito elevado. Uma tal medida
Desenhos fornecidos ao Empreiteiro nos termos do por parte da Fiscalização não habilitará o Empreiteiro a
Contrato. qualquer pagamento adicional por ter de recorrer a outros
métodos menos económicos de demolição, salvo se
Os Desenhos serão compilados na língua oficial do disposto em contrário no Caderno de Encargos
Contrato, devendo cumprir em todos os aspectos os (Especificações do Projecto) ou no Mapa de Quantidades.
requisitos do Dono da Obra.
(b) As disposições da Secção 3300 deverão ser
Os Desenhos aceites deverão constituir uma parte cumpridas.
integrante dos documentos do Contrato, e nenhum
desenho não aceite e assinado será autorizado no local (c) As disposições legais referentes ao uso de
das Obras para fins de construção e/ou para o fabrico de explosivos e as exigências do Inspector de Explosivos ou
qualquer item. Não obstante a aprovação e/ou aceitação equivalente serão estritamente observadas.
e assinatura dos Desenhos, o Empreiteiro assumirá plena
responsabilidade por todos os detalhes, discrepâncias, (d) O Empreiteiro deverá, à sua própria custa, fazer
omissões, erros, etc. relativamente aos ditos Desenhos, os preparativos para o fornecimento, transporte,
assim como pelas respectivas consequências. armazenamento e uso de explosivos.

O Empreiteiro submeterá apenas os Desenhos (e) Antes de se realizar qualquer detonação, o


completamente concluídos, de acordo com a presente Empreiteiro, juntamente com a Fiscalização, examinará e
especificação, e não terá direito a reclamações por atrasos medirá quaisquer prédios, casas ou estruturas nas
resultantes da apresentação de desenhos incompletos. A proximidades das detonações propostas, e determinará e
Fiscalização necessitará de um período de quatro a oito registará, juntamente com o respectivo Proprietário, a

1200 - 18
dimensão de quaisquer fissuras ou danos que possam 1224 A ENTREGA DA ÁREA DE RESERVA DA
existir antes das operações de detonação terem início. O ESTRADA
Empreiteiro será responsável pela reparação, à sua própria
custa, de qualquer dano adicional causado a essas casas,
prédios ou estruturas que resulte das operações de A área de reserva da estrada será entregue ao
detonação. Empreiteiro para a construção, sujeita às condições que
possam vir especificadas no Caderno de Encargos no que
(f) Onde houver perigo considerável de danos em se refere a questões tais como a sequência em que as
linhas de energia ou telefónicas ou em serviços secções serão entregues e tenham de ser concluídas, o
subterrâneos ou outros, ou em qualquer outra propriedade, comprimento total máximo de desvios que será permitido
o Empreiteiro adaptará de forma apropriada o seu método ter em operação em qualquer altura, e quaisquer outras
de detonação e o tamanho das cargas explosivas, e questões relacionadas com o uso e ocupação da área de
deverá tomar medidas adequadas de protecção, tais como reserva da estrada pelo Empreiteiro.
a cobertura das detonações, de modo a limitar tanto
quanto possível o risco de danos.
1225 ESTRADAS PARA TRANSPORTE DE MATERIAIS
(g) A Fiscalização deverá, vinte e quatro horas antes
de cada operação de detonação ser levada a cabo, ser
informada sobre as mesmas, por escrito, salvo se O Empreiteiro submeterá à Fiscalização, para aprovação,
acordado de outro modo com a Fiscalização. os detalhes completos de quaisquer estradas para
transporte de materiais e trabalhos de construção que se
proponha executar. Tais detalhes serão submetidos com
1223 OBRAS SOBRE, POR CIMA, SOB OU bastante antecedência, de modo a dar à Fiscalização
ADJACENTES A LINHAS FÉRREAS tempo suficiente para investigar as respectivas
implicações. As estradas para transporte de materiais não
poderão ser construídas sem a prévia aprovação do
Todos os trabalhos realizados sobre, por cima, sob ou Engenheiro, devendo ser em número mínimo,
adjacentes a linhas férreas serão executados estritamente especialmente em áreas onde o seu impacto ambiental
de acordo com a última edição das Especificações possa ser grave.
Técnicas da Autoridade Ferroviária competente, cuja cópia
será normalmente incluída nas Especificações do Projecto.
Nos casos em que tal cópia não tiver sido incluída nas 1226 MEDIÇÃO DA PROFUNDIDADE DE VALAS E DE
Especificações do Projecto ou quando a cópia que conste ESCAVAÇÕES DE FUNDAÇÕES
das referidas Especificações tenha sido alterada ou
substituída por outra, o Empreiteiro obterá a última edição,
a qual deverá ser guardada no local da obra antes do Onde forem necessárias escavações de valas ou de
início de qualquer trabalho desta natureza. fundações abaixo da cota da escavação global para o
prisma da estrada, a profundidade da escavação das valas
Chama-se a atenção, em particular, para os requisitos ou fundações deverá ser medida a partir da cota do
contidos nas Especificações Técnicas quanto à aprovação terreno após a conclusão da escavação global do prisma
que deve ser obtida junto da Autoridade Ferroviária para a da estrada, salvo se a Fiscalização achar que a
permissão de trabalho ou de ocupação de suas escavação das valas ou fundações a partir da cota do
propriedades e para a aprovação de planos de terreno original ou de qualquer outra cota inferior é
escoramentos e cofragens. inevitável. Onde as valas forem escavadas de acordo com
o método de aterro no prisma da estrada concluído ou
parcialmente concluído, a profundidade da escavação será
medida a partir das cotas indicadas pela Fiscalização ao

1200 - 19
Empreiteiro para começo das escavações de valas. O todos os edifícios provisórios, equipamento e entulho. Ele
Empreiteiro deverá assegurar que obtém essas instruções deverá nivelar e regularizar com precisão todo o material
atempadamente e, quando necessário, submeterá escavado que seja excedentário para as necessidades. O
propostas à Fiscalização para aprovação. local da obra deverá ser deixado no seu todo em estado
limpo e bem acabado e a contento da Fiscalização.

1227 REUNIÕES MENSAIS NO LOCAL DA OBRA Não serão efectuados pagamentos separados por
quaisquer trabalhos constantes da presente cláusula, e os
custos serão considerados como incluídos nos preços
O Empreiteiro, ou o seu representante autorizado, unitários dos itens relevantes indicados no Mapa de
participará em reuniões mensais no local da obra com Quantidades.
representantes do Dono da Obra e da Fiscalização em
datas e horas a serem determinadas pelo Dono da Obra.
Tais reuniões realizar-se-ão com o objectivo de se avaliar
o progresso do Contrato e para se discutirem questões
com este relacionadas e que qualquer das partes
representadas poderá querer levantar. Essas reuniões não
se destinam a discutir questões respeitantes à normal
implementação quotidiana do Contrato.

Todos os meses o Empreiteiro deverá tirar fotografias a


cores, e de ângulos a serem escolhidos pela Fiscalização,
mostrando a progressão das Obras. O número exigido de
fotografias consta das Especificações Especiais. Cópias de
200x150 mm de cada fotografia, juntamente com os
negativos, serão entregues à Fiscalização. Cada fotografia
deverá ser numerada e entregue com uma informação
indicando os locais, a data em que foram tiradas e uma
breve descrição ou título das fotografias.

1228 DISPOSIÇÕES LEGAIS

O Empreiteiro deverá estar ao par das últimas


promulgações, disposições e regulamentos de todos os
organismos legislativos e estatutários, e, em todos os
aspectos e em todas ocasiões, cumprirá tais
promulgações, disposições e regulamentos no que respeita
à execução do Contrato.

1229 LIMPEZA FINAL

Ao concluir cada secção das Obras, o Empreiteiro


procederá à limpeza do local da obra, e à remoção de

1200 - 20
vedações e outras estruturas temporárias serão retirados e
SÉRIE 1000 : GERAL o local do estaleiro será restaurado para ficar nas
condições originais, deixando-o limpo e em ordem.
SECÇÃO 1300 ESTABELECIMENTO DO
EMPREITEIRO NO LOCAL DA
OBRA E OBRIGAÇÕES GERAIS (b) Manutenção durante a construção

Durante a construção, os estaleiros do Empreiteiro, as


ÍNDICE habitações do pessoal e outras instalações serão mantidas
limpas e em ordem.
1301 ÂMBITO
1302 REQUISITOS GERAIS (c) Requisitos legais e contratuais e
1303 PAGAMENTO responsabilidade perante o público

O Empreiteiro dará os passos necessários para cumprir as


1301 ÂMBITO Obrigações Gerais do Contrato, em particular no que se
refere aos seguros e garantias necessários, e as suas
obrigações gerais perante o público e o Dono da Obra. O
A presente Secção cobre o estabelecimento da Empreiteiro cumprirá todos os regulamentos dos
representação do Empreiteiro, estaleiro e equipamento de organismos estatutários.
construção no local da obra e a sua remoção após a
conclusão do contrato. Abrange igualmente o pagamento
por determinadas obrigações gerais, riscos e 1303 PAGAMENTO
responsabilidades e itens gerais de custo não abrangidos
em outras secções.
Item Unidade

1302 REQUISITOS GERAIS 13.01 As obrigações gerais do Empreiteiro:

(a) Estaleiros, equipamento de construção e (a) Obrigações fixas ………………………... valor global
meios para a realização de ensaios
(b) Obrigações relacionadas com
O Empreiteiro estabelecerá os seus estaleiros, escritórios, valor ……………………………………………..valor global
armazéns, oficinas e meios para a realização de ensaios
no local da obra. A localização exacta desses meios será (c) Obrigações relacionadas com
previamente aprovada pela Fiscalização. Será igualmente prazos ……………………………………………………mês
proporcionado alojamento, instalações sanitárias e outras
para o pessoal da obra, consoante o que for exigido, e o O pagamento de valores globais, propostas nos termos
padrão do alojamento e a localização de todas as dos Sub-itens (a), (b) e a prestação mensal referente ao
instalações obedecerão aos requisitos das respectivas Sub-item (c) incluirão, no que se refere ao conjunto dos
autoridades e da Fiscalização. três Sub-itens, a compensação total por todos os
encargos do Empreiteiro respeitantes aos seguintes itens,
Antes do início da construção, o Empreiteiro deverá designados colectivamente como as “Obrigações Gerais do
transferir todo o equipamento de construção e pessoal Empreiteiro”.
para o local da obra. Ao concluírem-se os trabalhos e
após ter sido recebida aprovação por escrito da (i) Estabelecimento e manutenção da sua
Fiscalização, todo o equipamento de construção, edifícios, representação, estaleiros, alojamentos e equipamento de

1300 - 1
construção no local da obra e a sua remoção após a (2) A segunda prestação, 35% do valor global, será
conclusão do contrato. paga quando o valor do trabalho executado atingir metade
da quantia proposta, excluindo contingências e ajustes do
(ii) Cumprimento dos requisitos das Condições Gerais preço nos termos das Condições Gerais do Contrato.
do Contrato e da Secção 1200, incluindo a efectivação de
seguros e o fornecimento das garantias exigidas. (3) A terceira e última prestação, 15% do valor global,
será paga quando as Obras tiverem sido concluídas e o
(iii) Todas as despesas gerais referentes ao local da Empreiteiro tiver cumprido todos os requisitos da presente
obra e escritórios, lucro, custos de financiamento, riscos, Secção.
responsabilidades legais e contratuais e outros custos e
obrigações de natureza preliminar ou geral, que não sejam Antes de se efectuar qualquer pagamento ao abrigo do
especificamente medidos para pagamento ao abrigo de presente Sub-item, o Empreiteiro deverá convencer a
quaisquer outros itens de pagamento. Fiscalização de que instalou no local da Obra estaleiros e
equipamento de construção de boa qualidade, cujo valor
O valor global proposto ao abrigo do Sub-item 13.01 (a) excede o da primeira prestação.
acima mencionado representará a compensação total pela
parte fixa das obrigações gerais do Empreiteiro (isto é, a Ao Empreiteiro poderá ainda ser exigida prova documental
parte que é substancialmente fixa e não constitui uma de que é proprietário dos estaleiros e do m de construção
função do prazo necessário para a conclusão do Contrato no local da Obra, cujo valor excederá o da primeira
ou do valor dos trabalhos). prestação.

Caso o valor final dos trabalhos (excluindo quaisquer Caso o Empreiteiro não seja capaz de convencer a
pagamentos nos termos das Condições Gerais do Fiscalização quanto à propriedade dos estaleiros e do
Contrato) aumente ou reduza em 20% ou menos, equipamento de construção, a Fiscalização terá o direito
relativamente à quantia proposta (menos quaisquer de reter partes de quaisquer pagamentos a serem
concessões, caso as haja, na proposta referente a ajustes efectuados ao abrigo deste sub-item, até que as Obras
de preços nos termos das Condições Gerais do Contrato), tenham sido concluídas.
a quantia pagável de uma só vez proposta para o Sub-
item 13.01(a) não estará sujeita a variações de qualquer O valor global proposto ao abrigo do Sub-item 13.01(b),
tipo. Todavia, caso o referido aumento ou redução do representará a compensação total por essa parte das
valor final dos trabalhos exceda os 20% da quantia obrigações gerais do Empreiteiro, que é uma função
proposta, as disposições das Condições Gerais do apenas do valor dos trabalhos, mas não do período de
Contrato aplicar-se-ão à referida porção do dito aumento execução. Caso o valor final dos trabalhos (excluindo
ou redução que exceda 20% da quantia proposta. quaisquer pagamentos nos termos das Condições Gerais
do Contrato) aumente ou reduza em 20% ou menos em
O pagamento do valor global proposto ao abrigo do Sub- relação à quantia proposta (menos quaisquer concessões,
item 13.01(a) será efectuado em três prestações, caso as haja, na proposta para ajustes de preço nos
nomeadamente: termos das Condições Gerais do Contrato), o valor global
proposto para o Sub-item 13.01(b), será aumentado ou
(1) A primeira prestação, 50% do valor global, será paga reduzido na mesma proporção para liquidação total de
no primeiro certificado de pagamento depois de o qualquer diferença nas obrigações gerais relacionadas com
Empreiteiro ter cumprido todas as suas obrigações ao valor, resultante de um valor aumentado ou reduzido dos
abrigo da presente Secção e ter dado início de forma trabalhos.
substancial à construção, de acordo com o programa
aprovado. Todavia, caso o referido aumento ou redução no valor
final dos trabalhos exceda 20% da quantia proposta, o
acima mencionado aumento ou redução proporcional no

1300 - 2
valor global, proposta ao abrigo do Sub-item 13.01(b), que tais ajustes serão em pagamento total da
aplicar-se-á até ao limite de 20% e as disposições das compensação alterada para as condições gerais revistas.
Condições Gerais do Contrato aplicar-se-ão àquela porção
do referido aumento ou redução, que esteja em excesso
do dito limite de 20% da quantia proposta.

O valor global proposta no Sub-item 13.01(b) será


pagável mensalmente em prestações, relativamente ao
valor do trabalho executado (excluindo o valor de
quaisquer ajustes de preço nos termos das Condições
Gerais do Contrato).

A prestação mensal proposta para o Sub-item 13.01(c)


representa a compensação total por essa parte das
obrigações gerais do Empreiteiro, as quais são
principalmente uma função do prazo de construção. A
quantia proposta será paga mensalmente,
proporcionalmente para partes de um mês, a partir da
data em que o Empreiteiro tenha recebido instruções por
escrito, nos termos das Condições Gerais do Contrato,
para iniciar os trabalhos e até ao final do período para
conclusão das Obras, acrescida de quaisquer extensões
desse mesmo período, tal como disposto nas Condições
Gerais do Contrato, desde que respeitando o seguinte:

(a) caso as Obras sejam certificadas como tendo


ficado concluídas antes da data contratual para conclusão
das Obras, o Empreiteiro terá direito a pagamentos
respeitantes ao período não utilizado para conclusão;

(b) caso a progressão do Empreiteiro em termos de


valor do trabalho executado esteja em atraso relativamente
ao respectivo programa original aprovado, os pagamentos
respeitantes a este item poder-se-ão limitar a esse
período, o qual, nesse programa original (após ajustes
apropriados relativamente à prorrogação do prazo
concedido) coincide com o valor real do trabalho
efectuado.

Quaisquer pagamentos efectuados ao abrigo do Item 13.01


não serão tidos em conta ao se determinar se o valor de
um certificado cumpre com a “quantia mínima do
certificado provisório”, tal como estipulado no apêndice à
proposta. Os ajustes especificados nos Sub-itens (a), (b)
e (c) serão feitos apenas se o valor dos trabalhos ou o
período para conclusão vierem a mudar, ficando acordado

1300 - 3
edifício. A varanda terá 1,5 m de largura e um piso de
SÉRIE 1000 : GERAL betão com 100 mm de espessura.

SECÇÃO 1400 : HABITAÇÃO, ESCRITÓRIOS E Os armazéns terão coberturas em chapa ondulada de aço
LABORATÓRIOS PARA O PESSOAL galvanizado e pisos de betão com 100 mm de espessura.
DA FISCALIZAÇÃO NO LOCAL DA Os lados dos armazéns serão vedados da cota do piso à
OBRA cobertura com rede metálica de malha do tipo diamante.
Cada armazém terá uma porta com fechadura.

ÍNDICE Após a construção, os edifícios dos escritórios e


laboratórios serão pintados com tinta aprovada. A pintura
1401 ÂMBITO será mantida durante o período do contrato.
1402 ESCRITÓRIOS E LABORATÓRIOS
1403 HABITAÇÃO Cada porta será dotada de fechadura com duas chaves.
1404 SERVIÇOS
1405 FORNECIMENTO DE VEÍCULOS As várias unidades de alojamento e suas instalações
1406 CONSIDERAÇÕES GERAIS serão construídos de acordo com os detalhes indicados
1407 MEDIÇÕES E PAGAMENTO nos Desenhos ou fornecidos pela Fiscalização.

A posição e orientação de todos os escritórios,


1401 ÂMBITO laboratórios, habitações ou outro alojamento serão a
contento da Fiscalização, e decididas em consulta com ela
e confirmadas por escrito antes da edificação. Todo o
A presente Secção cobre o fornecimento de alojamento alojamento incluirá o fornecimento de electricidade com
para o pessoal de supervisão da Fiscalização. Esse 220/250 volts, e, onde for preciso, água doce limpa e
alojamento incluirá as instalações necessárias para potável, e esgotos, incluindo fossas sépticas, se
escritórios e laboratórios, casas e alojamentos para necessário, os quais serão considerados como parte
empregados, bem como o fornecimento de todos os integrante do alojamento proporcionado e não serão pagos
serviços necessários. separadamente, excepto no caso em que esses custos
sejam cobertos ao abrigo do item 14.08.

1402 ESCRITÓRIOS E LABORATÓRIOS O pé direito de todos os escritórios será de 2,4 m no


mínimo. Todas as janelas serão do tipo de abrir a toda a
(a) Aspectos gerais extensão da área da janela.

Os edifícios para escritórios e laboratórios serão Todo o alojamento deverá ser aprovado pela Fiscalização.
construídos em madeira, fibrocimento ou outros materiais
aprovados. Os edifícios terão paredes duplas, preenchidas (b) Escritórios
com material isolante e revestidas na parte interior com
madeira ou outro material aprovado. Haverá tectos Os vários tipos de escritórios necessários serão como
[falsos] nos edifícios para escritórios e laboratórios. Os indicado nos Desenhos e nas listas/mapas. Salvo se
edifícios para escritórios terão pisos de madeira ou de especificado ou detalhado em contrário, os acessórios/
betão, com mosaicos de vinil, e os edifícios dos instalações, mobiliário e equipamento fornecidos de acordo
laboratórios terão pisos de betão. As áreas das janelas com o Mapa de Quantidades obedecerão aos seguintes
desses edifícios serão iguais a pelo menos 25% da área requisitos:
do piso. Cada edifício será dotado de uma varanda de um
dos lados, estendendo-se a todo o comprimento do

1400 - 1
(i) Cada secretária para escritório terá uma superfície custo de todas as chamadas telefónicas relacionadas com
de pelo menos 1,5 m² e será dotada de pelo menos três a administração do contrato.
gavetas, uma das quais poderá ser fechada à chave.
(xiii) Cada mesa de reuniões deverá ser
(ii) Os armários metálicos para fins vários terão suficientemente grande para acomodar doze pessoas, e
prateleiras com pelo menos 1,5 m² de área e um volume terá uma área de pelo menos 4 m².
de 0,70 m³ cada. Cada armário será dotado de uma
fechadura com duas chaves. (xiv) As persianas serão de um dos dois tipos
seguintes, consoante o que for exigido:
(iii) Os armários metálicos de arquivo em aço serão
dotados de quatro gavetas de correr cada. Cada armário (1) Venezianas ajustáveis para permitir a entrada de
será dotado de uma fechadura, e terá aproximadamente 1 luz na sala, mas que excluirão a luz directa;
300 mm de altura, 460 mm de largura e 600 mm de
profundidade. (2) Estores com rolo opacos.

(iv) As prateleiras serão apropriadas para arrumação


de todos os desenhos do contrato ou então conforme os (c) Laboratórios
detalhes dos Desenhos.
Poderão ser necessários todos ou quaisquer dos quatro
(v) Cada lavatório será dotado de torneiras e de uma tipos de laboratórios:
descarga.
- laboratórios de solos
(vi) As unidades de ar condicionado e os aquecedores - laboratórios de materiais betuminosos
serão conforme o especificado na Sub-cláusula 1402(f). - laboratórios químicos
- laboratórios de ensaio de betão
(vii) As lâmpadas serão do tipo fluorescente, quer
duplas de 80 watts, simples de 80 watts ou duplas de 55 As dimensões, disposição e outros detalhes dos
watts, quer do tipo incandescente, consoante o que for laboratórios serão conforme o indicado nos Desenhos e
exigido ou especificado. listas de instalações, equipamento e mobiliário.

(viii) Cada banco de desenhador será equipado com Os laboratórios, instalações, mobiliário e equipamento
um assento almofadado de altura ajustável. serão como a seguir indicado:

(ix) Serão disponibilizadas tomadas de energia (i) As cadeiras comuns, extensões telefónicas,
eléctrica. Cada gabinete terá pelo menos duas tomadas de tomadas de corrente eléctrica, de 220/250 volts e 15
15 amperes. amperes, aparelhos de ar condicionado, aquecedores, e
as lâmpadas deverão obedecer aos mesmos requisitos
(x) Cada estirador terá uma superfície para desenhar especificados para escritórios.
inclinada ou horizontal, consoante o que for exigido, e um
tampo liso construído de acordo com as dimensões (ii) A área de prateleira proporcionada em paredes
indicadas nos Desenhos. deverá ser de construção robusta e as prateleiras serão
de madeira ou fibrocimento apropriados, consoante as
(xi) As cadeiras serão robustas e confortáveis. necessidades. As prateleiras localizadas abaixo de mesas
de trabalho deverão estar 390 mm acima do nível do
(xii) Será fornecida uma rede telefónica completa, piso, e aquelas acima de áreas de trabalho, 1 980 mm
juntamente com uma central e o número especificado de acima do nível do piso.
extensões. O montante de custos directos incluirá ainda o

1400 - 2
(iii) As superfícies das bancadas de trabalho serão de (x) Os extintores de incêndio serão do tipo BCF
dois tipos, consoante as necessidades: (bromoclorodifluorometano), fabricados de acordo com a
norma BS 1721 e apropriados para incêndios dos Tipos A,
(1) De construção em madeira: Os tampos deverão B, C e E. Os extintores possuirão não menos de 2,5 kg
ser rijos e lisos, e sem empenamentos ou outros defeitos. de líquido extintor devendo ser instalados na parede em
posições apropriadas por meio de abraçadeiras de
(2) De tampos em betão: Os tampos serão lajes de desengate rápido. Os extintores deverão ter sido
betão com pelo menos 75 mm de espessura com carregados recentemente e os selos mantidos intactos.
acabamento liso e afagadas com colher de aço rijo.
(xi) Os exaustores, onde necessário, deverão ser
Todas as bancadas de trabalho serão robustas e as montados de forma a operar silenciosamente. Terão uma
superfícies superiores estarão 920 mm acima da cota do capacidade de pelo menos 0,15 kW cada.
piso.
(xii) As câmaras de ventilação de fumo deverão ser
construídas de acordo com os detalhes indicados nos
(iv) As instalações de gás consistirão nas botijas de Desenhos.
gás, reguladores, tubagem e torneiras necessários.
(xiii) Onde necessário, serão construídas bases e
(v) Bancos altos para uso em bancadas de trabalho pedestais de betão de acordo com as dimensões
deverão ser robustos e, se de altura fixa, de 800 mm de indicadas pela Fiscalização para instalação de determinado
altura. equipamento de ensaio.

(vi) Onde necessário, será proporcionado fornecimento (xiv) Quando necessário, serão disponibilizados tanques
de energia eléctrica trifásica de 380 volts. As tomadas para a cura de cubos, vigas e cilindros de teste de betão.
para estufas e para uma prensa deverão ser apropriadas Os tanques serão rectangulares e, relativamente às
para esse fim. As tomadas em salas com estufa situar-se- dimensões interiores, a largura não excederá 1,0 m e a
ão 1,2 m acima da cota do piso. profundidade não será superior a 0,6 m.

(vii) Os pisos em betão das áreas de trabalho deverão (xv) Quando necessário, será fornecido um frigorífico
ter uma espessura de pelo menos 125 mm e ter um (geleira) com a capacidade de 0,3 m³.
acabamento rijo e liso. As áreas de trabalho deverão ser
completamente abertas ou abrigadas, consoante o que for
necessário. (d) Alpendres para carros

(viii) Os lavatórios serão conforme o recomendado, ou Os alpendres para carros deverão ser construídos de
em aço inoxidável ou pré-fabricados em betão, com uma forma a proteger os veículos estacionados nesses locais,
área de pelo menos 0,3 m² e uma profundidade mínima em todas as ocasiões, contra os raios solares directos e o
de 0,3 m. Os lavatórios serão dotados de torneiras de granizo. Os alpendres para carros deverão ter uma área
laboratório do tipo “pescoço de ganso” e tubos de de pelo menos 20 m² e os pisos serão constituídos por
descarga. uma camada de cascalho para mitigar as condições
poeirentas e lamacentas.
(ix) Será garantido o fornecimento de água doce,
limpa e potável com uma pressão constante de não
menos de 3 m junto das torneiras. A capacidade de (e) Áreas à volta dos escritórios
armazenamento relativamente ao fornecimento de água ao
laboratório não será de menos de 700 litros. A estrada de acesso e outras estradas à volta dos
escritórios serão tratadas de forma a protegê-los de

1400 - 3
poeira, seja pela utilização de agregado britado, de Cada retrete ou casa de banho será dotada de porta com
produtos químicos apropriados para a eliminação de trinco. Cada instalação sanitária será dotada de uma porta
poeira, ou de revestimento betuminoso ou de outros meios exterior com fechadura. Serão fornecidas pelo menos duas
aprovados. Essas estradas serão devidamente drenadas e chaves por cada fechadura.
mantidas transitáveis e livres de lama em todas as
ocasiões. Os caminhos pedonais deverão ser tratados de
modo similar para que proporcionem acesso conveniente a 1403 HABITAÇÃO
todos os edifícios.
(a) Casas pré-fabricadas

(f) Aparelhos de ar condicionado e aquecedores As casas pré-fabricadas serão construídas em madeira,


fibrocimento ou outro material aprovado, e terão paredes
Onde exigido pela Fiscalização, o Empreiteiro fornecerá e duplas preenchidas com material isolante. Cada casa terá
instalará aparelhos de ar condicionado e aquecedores. Os um pé direito de pelo menos 2,74 m. Será também
aparelhos de ar condicionado deverão ser do tipo com colocado material isolante em fibra de vidro na parte
compressor movido a electricidade, com circuito fechado e superior dos tectos. Os pisos serão de madeira ou
do tipo evaporação. A capacidade dos aparelhos de ar alternativamente de betão, coberto com tapete apropriado
condicionado será de pelo menos 2,2 kW cada. ou mosaico de vinil.

De preferência, os aquecedores deverão ser do tipo de Cada casa terá uma área coberta de pelo menos 120 m²,
aquecimento de espaços, sem elementos expostos, e com três quartos, sala de visitas, sala de jantar, casa de
terão uma capacidade de, pelo menos, 1,5 kW cada. banho e cozinha. A casa terá ainda uma varanda com
uma área aproximada de 20 m².
Ao Empreiteiro poderá ainda ser exigido que instale
aparelhos de ar condicionado em quaisquer das A estrutura principal de cada casa será de aço ou de uma
habitações que tenham sido disponibilizadas. liga leve. Toda a madeira utilizada será de boa qualidade,
devidamente seca em estufa e tratada contra insectos
nocivos. Todos os acessórios serão instalados com
(g) Instalações sanitárias precisão.

As instalações sanitárias serão bem ventiladas e Após ter sido edificada, cada casa será devidamente
construídas de acordo com os detalhes indicados nos pintada no interior e no exterior com tinta aprovada,
Desenhos. Poderão ser construídas em chapas de devendo a pintura ser mantida durante o período do
fibrocimento com aros de aço ou em outros materiais contrato.
adequados que tenham sido aprovados, e os pisos serão
de betão com mosaicos de vinil. As retretes serão Cada casa será equipada com o seguinte:
providas de sanitas de porcelana com assentos e tampas
em PVC, e autoclismos. Os lavatórios serão de porcelana, (i) Uma banheira e chuveiro com descarga, e sanita com
completos com torneiras e descargas. autoclismo.

Deverá ser providenciado um sistema de esgotos (ii) Um lavatório com tubo de descarga.
apropriado, tal como especificado na Cláusula 1404.
(iii) Uma banca lava-loiça de cozinha em metal, com
Onde necessário, será providenciada uma casa de banho bacia em aço inoxidável e tampos de escorrer, e um
e vestiário separados, completos com chuveiro, água armário com prateleiras.
corrente quente e fria e descargas.

1400 - 4
(iv) Um armário de cozinha, um armário para roupa, e
guarda-fatos de parede nos quartos. (c) Alojamento alugado

(v) Um termoacumulador apropriado, fogão de cozinha e (i) Em vez das casas acima descritas, o Empreiteiro
geleira. O termoacumulador terá uma capacidade de poderá providenciar casas adequadas, na cidade mais
aproximadamente 140ℓ , com fornecimento de água próxima ou em outro local, alugadas ou compradas,
proveniente de um tanque no exterior ou de uma adutora aprovadas pela Fiscalização, as quais proporcionarão pelo
de água. O fogão terá quatro bocas, completo com menos o mesmo nível de conforto que as casas pré-
grelhador, forno e chapa de protecção contra salpicos. A fabricadas acima descritas.
geleira terá um volume de pelo menos 0,3 m³.
Os termos de qualquer contrato de arrendamento para
(vi) Tubos de água fria de uma fonte apropriada até à alojamento desse tipo estarão sujeitos à aprovação da
banheira, chuveiro, lavatório, WC e unidades de lava-loiça, Fiscalização, devendo conter uma disposição em que o
completos com torneiras, onde necessário. Proprietário concorda em prorrogar o referido contrato em
termos previamente acordados durante qualquer prazo
(vii) Tubos de água quente do termoacumulador até à alargado para a conclusão do Contrato, assim como uma
banheira, chuveiro, lavatório e lava-loiça, completos com disposição permitindo a transferência do contrato de
torneiras. arrendamento para a Fiscalização ou outro Empreiteiro na
eventualidade de falta ou insolvência do Empreiteiro. Não
(viii) Lâmpadas em todas as divisões e corredores, com obstante a aprovação das condições do contrato de
tomadas na cozinha, sala de visitas e em todos os arrendamento por parte da Fiscalização, o Empreiteiro
quartos. A casa terá instalação eléctrica completa, e será exclusivamente responsável por providenciar
ligação a uma fonte de corrente alterna de 220/250 alojamento por todo o período necessário e alojamento
volts. substituto, de tipo adequado, caso o alojamento alternativo
deixe de estar disponível.
(ix) Fechaduras de boa qualidade em todas as portas.
O Empreiteiro será igualmente responsável pelo custo de
(x) Nos casos em que o fornecimento de água à casa despesas de deslocação adicionais, caso as haja,
não esteja ligado a uma adutora de água, haverá um resultantes do uso de habitação permanente substituta ou
tanque elevado externo de armazenamento de água fria alternativa. Tais custos poderão ser deduzidos de
com uma capacidade de pelo menos 3 000ℓ , de modo a quaisquer montantes devidos ao Empreiteiro por fornecer
obter uma pressão mínima igual a 3 m nas torneiras , alojamento.
juntamente com os tubos de ligação ao tanque.
(ii) A Fiscalização poderá igualmente ordenar ao
Empreiteiro que pague por quaisquer hotéis ou outro
(b) Dependências alojamento ou ainda casas arrendadas que sejam
necessários e estejam disponíveis. Esse alojamento
Cada casa terá um alpendre para estacionamento de um poderá ser em aditamento ou em substituição do
ou dois carros, tal como descrito na Sub-cláusula alojamento especificado. O Empreiteiro celebrará os
1402(d). necessários contratos para o arrendamento de tal
alojamento, consoante o necessário, não devendo objectar
Cada casa terá um quarto para empregado doméstico com de forma pouco razoável, quanto aos termos e condições
uma área mínima de 12 m², construído tal como de tais contratos de arrendamento a serem negociados
especificado para os escritórios e laboratórios. Será ainda pela Fiscalização.
providenciada uma retrete com autoclismo e chuveiro
separado. O custo da elaboração e celebração tais contratos de
arrendamento será reembolsado caso o pagamento seja

1400 - 5
feito pelo Empreiteiro. Nos casos em que esse alojamento chuveiro e um lavatório, completos com água canalizada
for considerado antecipadamente, atribuir-se-á uma verba quente e fria, torneiras, descargas e esgotos. Essa
para o respectivo custo mediante a inclusão de uma unidade deverá ser de construção robusta com piso de
quantia provisória. A disponibilização desse alojamento betão, podendo a estrutura ser de aço ou de madeira, e
será classificada como “trabalho extra” e o respectivo revestida com chapas de ferro galvanizado ou de
pagamento efectuar-se-á tal como especificado na fibrocimento. Terá uma cobertura e apenas uma porta
cláusula relevante das Condições Gerais do Contrato. dotada de fechadura e duas chaves.

(iii) Chama-se a atenção do Empreiteiro para a distinção A unidade da cozinha será constituída por um módulo tal
feita entre alojamento alternativo por ele oferecido nos como detalhado nos Desenhos. A cozinha será do mesmo
termos da Sub-cláusula (i) acima referida, e alojamento tipo de construção especificado para os sanitários. Será
que ele for solicitado a proporcionar nos termos da Sub- equipada com fogão a gás ou a carvão, sem fumo, um
cláusula (ii) acima referida, no que diz respeito ao método lavatório de tamanho grande com uma área de pelo
de pagamento, às suas obrigações e riscos e ao período menos 0,5 m² e 300 mm de fundo, apropriado para
em que o alojamento deverá ser proporcionado e pago. lavagem de roupa, um lava-loiça de uma cuba, e um
tampo de trabalho em betão de pelo menos 1,0 m² e
prateleiras com uma área de 1,5 m². Serão instaladas
(d) Alojamento para trabalhadores todas as necessárias torneiras, descargas, esgotos e
providenciado o abastecimento de água quente e fria.
O alojamento para trabalhadores empregues pela
Fiscalização será proporcionado quer no local da obra, A área da retrete consistirá num compartimento simples,
quer, se tal não for possível, no próprio acampamento do bem ventilado, de construção idêntica à especificada para
Empreiteiro ou na localidade mais próxima. Neste último os módulos dos lavabos, contendo uma retrete com
caso, o Empreiteiro deverá tomar providências para o autoclismo, completa com sanita e assento e tampa em
transporte diário dos trabalhadores, os quais chegarão ao PVC.
local da obra às 07:00 e partirão desse mesmo local às
17:30. O alojamento será construído sob a forma de O Empreiteiro poderá oferecer o uso de alojamento já
unidades habitacionais, tal como especificado para existente, de padrão igual, em vez de quaisquer dos tipos
escritórios e laboratórios e de acordo com os detalhes de alojamento acima especificados.
indicados nos Desenhos. Cada unidade deverá ser dotada
de janelas com vidro fosco, podendo todas elas abrir pelo Onde houver electricidade disponível, o Empreiteiro
menos em metade, e uma porta de aço com fechadura ou instalará lâmpadas eléctricas em todas as unidades
cadeado. Deverá ser ainda considerado um piso com uma habitacionais. Deverá ser feito um fornecimento razoável
área de 6 m² para cada trabalhador, para além de uma de combustível para alimentar os fogões para cozinhar e
base de cama robusta, um colchão novo de qualidade aquecer água.
aceitável, um cacifo de aço de tamanho não inferior a 0,7
m³ com espaço para cabides e prateleiras, e que pode ser O Empreiteiro será responsável pela obtenção da
fechado à chave, bem como uma cadeira metálica necessária aprovação junto de qualquer departamento
robusta. Por cada três trabalhadores deverá ser fornecida estatal ou qualquer autoridade local com jurisdição sobre
uma mesa de madeira com pelo menos 1,0 m². Se questões referentes a:
indicado nos Desenhos, as unidades deverão ser dotadas
de aquecedores aprovados. (i) localização do alojamento;

A unidade destinada a instalações sanitárias será (ii) plantas de acordo com as quais se construirá o
constituída por uma secção bem ventilada contendo uma alojamento;
retrete com autoclismo, completa com sanita e assento e
tampa em PVC, e uma outra secção contendo um (iii) o alojamento tal como construído.

1400 - 6
fornecida corrente trifásica com uma voltagem nominal de
As propostas do Empreiteiro que, relativamente a (i), (ii) 400/231 volts e a uma frequência nominal de 50 Hz. A
e (iii), devam ser apresentadas às Autoridades fonte de energia será proveniente de uma Entidade
competentes para aprovação, serão elaboradas em reconhecida de fornecimento de energia ou obtida por
consulta com o Proprietário do terreno. meio de um gerador instalado no local.

A aprovação respeitante a (i) e (ii) acima deverá ser A carga eléctrica será determinada mediante a aplicação
obtida antes da construção, e relativamente a (iii) antes de um coeficiente de simultaneidade apropriado ao
da entrega para ocupação. somatório da carga ligada, com as devidas margens para
a carga de arranque, eficiência e factor de potência dos
motores, ou então estimada na base de 10 kVA
1404 SERVIÇOS monofásicos por casa, 1,2 kVA/m² de área do piso do
laboratório (corrente trifásica) e 0,35 kVA/m² de área de
(a) Medidas de carácter sanitário escritórios. Deverá contar-se com uma margem de reserva
de 15% com um mínimo de 15 kVA. Uma estimativa
O Empreiteiro será responsável por disponibilizar todas os detalhada da carga necessária será apresentada à
serviços sanitários visando manter os lavabos num estado Fiscalização para aprovação antes de quaisquer
limpo, cuidado e higiénico. preparativos finais serem feitos para a escolha da fonte de
energia.
Onde não existir tratamento municipal de esgotos, o
Empreiteiro instalará as fossas sépticas necessárias para Na eventualidade da energia ser produzida pelo
todos os lavabos. As águas residuais e os efluentes das Empreiteiro, o grupo gerador será apropriado para manter
fossas sépticas serão encaminhados para drenos a voltagem [estável] de modo que esta não se desvie
franceses devidamente concebidos. O Empreiteiro deverá mais do que ±5% da tensão nominal, e para manter a
ainda fazer preparativos para a remoção de todo o lixo. frequência de modo que esta não se desvie da frequência
nominal mais do que ±2 Hz, em todo o intervalo de carga
Nos casos em que a construção de fossas sépticas ou de desde 0% a 100% da carga total, e também na
um sistema de saneamento à base de água não se eventualidade de se ligarem e desligarem todas as cargas
afigurar viável, o Empreiteiro construirá tanques de normais ligadas à rede de abastecimento. A energia
conservação, e organizará a remoção e depósito dos deverá estar disponível para as habitações, escritórios e
detritos em vazadouro. laboratório 24 horas por dia, e entre as 06:00 e as 22:00
h para outras acomodações.

(b) Água, electricidade e gás A energia será distribuída por meio de quadros de
distribuição fechados com protecção apropriada contra
O Empreiteiro providenciará o abastecimento contínuo de intempéries e violações, com disjuntores, unidades de
água potável limpa, apropriada para consumo humano, ligação à terra ou fusíveis devidamente calculados, e por
assim como a energia eléctrica necessária de 220/250 meio de cabos subterrâneos e condutores de terra
volts aos escritórios, laboratórios e habitações. adequadamente dimensionados. O dimensionamento de
cabos e o cálculo de dispositivos de protecção e controlo
O Empreiteiro deverá, por conta própria, providenciar e deverão ter em conta a carga e as oscilações de corrente
manter o fornecimento e a rede de distribuição de que podem ocorrer no sistema.
electricidade a habitações, escritórios e laboratórios.
A rede de distribuição e a instalação eléctrica de todos os
A fonte de energia eléctrica será apropriada para uso edifícios e estruturas serão montadas e mantidas de forma
doméstico, em escritórios e laboratórios, devendo estar a assegurar segurança absoluta e um alto padrão de
prevista grande variação no factor de carga. Será fiabilidade, com particular referência ao circuito de terra e

1400 - 7
de dispositivos de segurança e protecção. As instalações transporte de mercadorias e amostras. O Empreiteiro
deverão cumprir os requisitos das normas SABS 0142 e fornecerá combustível, óleo e efectuará a manutenção,
SABS 1500 ou equivalentes. incluindo a substituição de peças, pneus e acessórios
afins deficientes, sempre que for exigido, em conformidade
O Empreiteiro deverá manter sempre o fornecimento de com as recomendações do fabricante do veículo ou
energia, a rede de distribuição e a instalação eléctrica de quando se afigurar necessário. Os veículos serão
todos os edifícios e estruturas ao mais alto padrão de abastecidos em combustível e óleo, e mantidos tal como
segurança e utilização. acima especificado, até à devolução pela Fiscalização.
Cada veículo estará equipado com extintor de incêndios,
O Empreiteiro fornecerá também gás de petróleo liquefeito estojo de primeiros socorros, gancho e corda de reboque,
(gás de cozinha comum) para os bicos de gás usados caixa de ferramentas, pneu sobressalente, chave de rodas,
nos laboratórios. macaco e manivela, e cintos de segurança.

O Empreiteiro procederá à substituição de qualquer veículo


(c) Manutenção por um outro novo, semelhante, após ter percorrido 100
000 km se, na opinião da Fiscalização, esse veículo não
O Empreiteiro providenciará toda a mão-de-obra, puder ser mantido em condições satisfatórias.
equipamento e material que possam ser necessários para
manter todos os edifícios num estado ordenado e limpo, O Empreiteiro providenciará condutores competentes e
devendo quaisquer reparações solicitadas pela encartados, aprovados pela Fiscalização, para os veículos
Fiscalização ser executadas de imediato. acima mencionados. Haverá um número suficiente de
condutores disponíveis no período da noite e aos fins-de-
semana, sempre que sejam executados trabalhos no local
(d) Instalações de cozinha da obra.

O Empreiteiro colocará à disposição dos trabalhadores da


Fiscalização instalações de cozinha apropriadas junto dos
laboratórios da Fiscalização, devendo fornecer combustível 1406 CONSIDERAÇÕES GERAIS
para se cozinhar.
(a) No momento em que for adjudicado o Contrato, a
Fiscalização fornecerá ao Empreiteiro todos os detalhes,
1405 FORNECIMENTO DE VEÍCULOS por escrito, relativos ao número, tipo e disposição de
todas as unidades habitacionais exigidas, incluindo
detalhes dos acessórios, mobiliário e equipamento
O Empreiteiro, se assim for instruído, fornecerá veículos necessários. O Empreiteiro não procederá à encomenda
novos e procederá à sua manutenção para uso pelo de quaisquer habitações, materiais, equipamento ou
Engenheiro Residente e seu pessoal. acessórios, na base daquilo que estiver especificado ou
listado, sem a confirmação por escrito da Fiscalização.
A Especificação Especial contém uma descrição do Não serão construídos edifícios sem as instruções por
número e tipo de veículos a serem fornecidos. escrito da Fiscalização, quanto à posição e orientação
exactas dos mesmos.
Salvo se especificado em contrário, os veículos serão
pertença do Empreiteiro, que obterá as necessárias (b) Salvo se acordado em contrário, os escritórios e
licenças e seguros contra todos os riscos para poderem laboratórios serão edificados nas proximidades dos
ser usados em vias públicas no interior do país por escritórios e laboratórios do Empreiteiro. Caso o
qualquer condutor encartado autorizado pela Fiscalização, Empreiteiro decida mudar os seus escritórios e/ou
juntamente com passageiros autorizados, e para o laboratórios para um novo local, os escritórios, laboratórios

1400 - 8
e outros edifícios construídos para uso da Fiscalização
serão mudados para o novo local e reedificados, se Item Unidade
necessário, sem custos adicionais.
14.01 Instalações para escritório e laboratório:
(c) As habitações fornecidas pelo Empreiteiro deverão
estar prontas para uso no prazo de seis semanas após as A disponibilização de
referidas instruções, mas o Empreiteiro não poderá instalações tal como
continuar com as Obras permanentes antes de terem sido especificado, incluindo
por si edificados os escritórios e laboratórios necessários. cobertura, paredes externas
Se as casas para o pessoal da Fiscalização no local da e internas, janelas
obra não estiverem prontas para ocupação aquando do completas com vidros,
início das Obras permanentes, o Empreiteiro providenciará portas com fechaduras e
alojamento e alimentação temporários apropriados a acessórios, pintura, pisos, o
expensas suas. fornecimento de instalação
eléctrica de 220/250 volts
Se for necessário alojamento adicional durante a vigência com cablagem, quadros
do Contrato, a Fiscalização informará o Empreiteiro pelo eléctricos, etc., instalação de
menos três meses antes da data em que esse alojamento água e de esgotos,
deva estar pronto a habitar. completos, de acordo com
os Desenhos e
(d) A propriedade de todos os escritórios, laboratórios, Especificações, excepto no
habitações, instalações sanitárias, equipamento de que se refere a itens
laboratório e outros itens disponibilizados pelo Empreiteiro especificados em outro local:
deverá, quando estes já não forem necessários para a
Fiscalização, reverter para o Empreiteiro, mediante (a) Escritórios (apenas espaço do
notificação passada por escrito pela Fiscalização, devendo piso interior)………………………….metro quadrado (m²)
ser desmantelados e retirados do local.
(b) Laboratórios (apenas espaço do
(e) O Empreiteiro tomará todas as precauções piso interior)…………………………..metro quadrado (m²)
razoáveis para impedir a entrada não autorizada nos
escritórios e laboratórios, e para garantir a segurança (c) Pisos abertos de trabalho, em betão,
geral dos escritórios e laboratórios. 150 mm de espessura………………metro quadrado (m²)

(f) O Empreiteiro deverá assegurar que todo o (d) Coberturas sobre pisos em betão,
alojamento obedece às disposições legais apropriadas em em áreas de trabalho abertas………metro quadrado (m²)
vigor na respectiva área.
(e) Instalações sanitárias……………metro quadrado (m²)
(g) O Empreiteiro providenciará segurança adequada
de dia e de noite aos escritórios, laboratório, veículos e (f) Armazéns………………………….metro quadrado (m²)
casas da Fiscalização e seu pessoal. Isto incluirá a
execução de portões e vedação adequados e a presença (g) Vedações………………………………metro linear (m)
a tempo inteiro de guardas permanentes, tudo isso a
contento da Fiscalização. (h) Portões……………………………………..número (Nº)

A unidade de medição e pagamento será o metro


1407 MEDIÇÕES E PAGAMENTO quadrado, ou o metro linear no caso de vedações, ou o
número de unidades no caso de portões, de cada item

1400 - 9
fornecido, medido de acordo com as dimensões interiores duplos de 55 watts completos
autorizadas. com balastros e lâmpadas…………………..número (Nº)

Item Unidade (v) Candeeiros simples de lâmpadas


incandescentes, completos com
14.02 Mobiliário de escritório e laboratório: lâmpadas de 100 watts………………………número (Nº)

Cadeiras………………………………………..número (Nº) (vii) Lavatórios completos com torneiras e


Descargas…………………………………….número (Nº)
(b) Bancos de desenhador……………………número (Nº)
(viii) Lavatórios de laboratório, completos
(c) Cadeiras altas de laboratório . . . . . . . ...número com torneiras pescoço de ganso”
(Nº) e descargas…………………………………..número (Nº)

(d) Secretárias, completas com (ix) Exaustores instalados, completos com


gavetas e fechaduras…………………………número (Nº) ligação individual à corrente…………………número (Nº)

(e) Estiradores………………………………….número (Nº) (x) Câmaras de extracção de fumo


completas, de acordo com
(f) Mesas de reuniões…………………………número (Nº) os Desenhos…………………………………..número (Nº)

A unidade de medição será o número de unidades (xi) Extintores de incêndio, 25 kg,


fornecidas de acordo com as Especificações, Desenhos do tipo BCF, completos,ontados
e as instruções da Fiscalização. na parede com abraçadeiras……………….número (Nº)

Item Unidade (xii) Aparelhos de ar condicionado


com capacidade mínima de2,2 kW,
14.03 Acessórios, instalações e equipamento montados e com ligação
de escritório e laboratório: individual à corrente ……………………….….número (Nº)

(a) Itens medidos consoante o número: (xiii) Aquecedor, do tipo de aquecimento de


espaços com capacidade mínima
(i) Tomadas de 220/250 volts ………………..número de 1,5 kW……………………………………….número (Nº)
(Nº)
(xiv) Câmara de cura (Câmara húmida)
(ii) Tomadas trifásicas para provetes UCS, completa com ligação
de 400/231 volts …………………………….número (Nº) de água, incluindo divisórias em tijolo,
reboco, pintura e prateleiras, tudo completo de
(iii) Candeeiros fluorescentes duplos acordo com os Desenhos……………………número (Nº)
de 80 watts completos com
balastros e lâmpadas…………………………número (Nº) (xv) Armários metálicos com prateleiras,
para diversos fins………………………………número (Nº)
(iv) Candeeiros fluorescentes
simples de 80 watts completos (xvi) Armários metálicos para
com balastros e lâmpadas…………………..número (Nº) arquivo com gavetas …………………………número (Nº)

(v) Candeeiros fluorescentes (xvii) Geleiras…………………………………número (Nº)

1400 - 10
(c) Itens medidos por área:
A unidade de medição será o número autorizado de
unidades fornecidas e instaladas, completas e de acordo (i) Prateleiras tal como especificado
com as Especificações e Desenhos, juntamente com todos completas com suportes…………..metro quadrado (m²)
os pequenos acessórios, abraçadeiras, ligações, terminais,
suportes, etc. (ii) Bancadas de trabalho,
completas com tampo em
(c) Itens de custo directo e itens betão, e espessura mínima
pagos por valor global: de 75 mm……………………………metro quadrado (m²)

(i) Fornecimento de serviço telefónico, (iii) Bancadas de trabalho,


incluindo o custo de chamadas completas com tampo em
relacionadas com a administração madeira, e espessura mínima
do contrato, e aluguer de telefones de 25 mm………………………..….metro quadrado (m²)
taxas telefónicas……………... montante do custo directo
(iv) Tanques de imersão de
(ii) Custos de gestão e lucro temperatura constante em betão
referentes ao………………………………percentagem (%) e/ou tijolo rebocado………………..metro quadrado (m²)

(iii) Fornecimento de instalação (v) Fundações para equipamento


eléctrica trifásica de 400/231 volts, de laboratório………………………..metro quadrado (m²)
incluindo toda a cablagem, quadros
eléctricos, ligações de linhas de (vi) Estores de enrolar, de
alimentação, etc ………………………………valor global tipo opaco…………………………….metro quadrado (m²)

(iv) Fornecimento de (vii) Persianas……………………….metro quadrado (m²)


instalações de gás de baixa
pressão, incluindo botijas de A unidade de medição será o metro quadrado do item
armazenamento de gás, fornecido e instalado. A área será determinada a partir das
tubagem, reguladores, dimensões exteriores autorizadas em planta, excepto os
bicos de gás e válvulas tanques de imersão de temperatura constante, os quais
de corte…………………………………………valor global serão medidos por metro quadrado da área de superfície
de água, independentemente da respectiva profundidade, e
Os itens de custo directo serão pagos de acordo com as persianas, sendo estas medidas pela largura
as disposições das Condições Gerais do Contrato. A multiplicada pela altura.
percentagem proposta é uma percentagem da quantia
realmente despendida ao abrigo do Sub-item 14.03(b)(i),
a qual incluirá a compensação total pelos custos de Item Unidade
gestão do Empreiteiro, bem como o lucro respeitante ao
fornecimento do serviço telefónico. 14.04 Alpendres para carros:

Os valores globais propostos corresponderão à Alpendres para carros, tal


compensação total pelo fornecimento do serviço completo Como especificado, junto
ou da instalação e respectivo uso, incluindo quaisquer aos edifícios de escritórios
encargos fixos e de utilização, pagáveis às Autoridades e laboratórios………………………………….número (Nº)
locais ou outras.

1400 - 11
A unidade de medição será o número de alpendres para
carros fornecidos. A unidade de medição será o número de casas pré-
fabricadas completas, tal como especificadas, que são
fornecidas de acordo com as instruções da Fiscalização.
Item Unidade
14.07 Alojamento alugado, hotel e outro tipo de
14.05 Habitação para trabalhadores: acomodação:

(a) Habitação tal como (a) Quantia provisória para fornecer


especificado, incluindo camas, habitações alugadas,hotel ou outro
colchões, cadeiras, mesas e alojamento, tal como descrito nas
cacifos………………………………….número de pessoas Sub-cláusulas 1403(c)(ii)………………quantia provisória

(A unidade de medição em áreas urbanas será um (b) Custos de gestão e lucro


homem / mês.) referentes ao Sub-item 14.07(a)……….percentagem (%)

(b) Instalações sanitárias, tal As despesas ao abrigo deste item serão feitas de acordo
como especificado, incluindo com as Condições Gerais do Contrato.
retretes, lavatórios, chuveiros e
torneiras…………………………………………número (Nº) A percentagem proposta corresponde a uma percentagem
da quantia realmente despendida ao abrigo do Sub-item
(c) Cozinha, completa com 14.07(a), a qual incluirá a compensação total pelos custos
fogão, lavatório, mesa de trabalho de gestão do Empreiteiro, bem como o lucro relacionado
em betão, prateleiras e com o fornecimento de alojamento alugado.
lava-loiça……………………………………………...número (Nº)

(d) Retrete tal como especificado……………número (Nº) Item Unidade

(e) Vedações………………………………metro linear (m) 14.08 Serviços:

(f) Portões………………………………………número (Nº) O fornecimento de água, electricidade, gás de baixa


pressão, esgotos, fossas sépticas, recolha de esgotos e
A unidade de medição será o número de unidades lixo, serviços de limpeza, manutenção e reparações, tudo
completas fornecidas e edificadas de acordo com as tal como especificado na Cláusula 1404, incluindo a
Especificações e Desenhos. A unidade de medição para a construção e manutenção das estradas de acesso,
vedação será o metro linear de vedação e o número de caminhos pedonais, etc:
portões montados de acordo com as Especificações e os
Desenhos. (a) Serviços em escritórios e laboratórios:

(i) Custos fixos…………………………………. valor global


Item Unidade
(ii) Custos de operação………………………….……. mês
14.06 Casas pré-fabricadas:
(b) Serviços para casas pré-fabricadas:
Casas pré-fabricadas com dependências,
tal como especificado nas Sub-cláusulas (i) Custos fixos……………………………..………… global
1403(a) e 1403(b)……………………………número (Nº)

1400 - 12
(ii) Custos de operação…………………………………mês manutenção de uma fotocopiadora aprovada (capaz de
efectuar cópias do tamanho A3), bem como à sua
(c) Serviços para casas alugada………………………mês utilização, incluindo todos os acessórios tais como papel,
etc. para fazer um número máximo de 1 000 cópias em
(d) Serviços para alojamento de trabalhadores no local da formato A4 ou o número equivalente de cópias em
obra: formato A3 por mês.

(i) Custos fixos…………………………………..valor global


Item Unidade
(ii) Custos de operação……………………………….. mês
14.11 Fornecimento e manutenção dos veí culos da
O valor global e o preço unitário por mês propostos para Fiscalização
cada Sub-item deverão incluir colectivamente a
compensação total pelo fornecimento dos serviços Veículos consoante o discriminado
especificados para o número total de unidades que se nas especificações
inserem na categoria correspondente de alojamento. especiais………………………………………………….km

Item Unidade Este preço unitário/km proposto incluirá todas as


condições para o fornecimento do veículo, tal como
14.09 Instalações conjuntas de escritórios e laboratório: especificado, a sua manutenção em bom estado, bem
como o combustível e óleo necessários.
(Alternativa ao uso dos Itens 14.01 ao 14.05, inclusive, se
assim exigido nas Especificações do Projecto
Questões Gerais: Método de pagamento
Edifícios para escritórios e
laboratório, incluindo acessórios, O pagamento ao abrigo dos Itens 14.01 ao 14.06,
mobiliário e equipamento, alpendres inclusive, e do Item 14.09, será efectuado da seguinte
para carros e habitação para trabalhadores forma:
de acordo com os detalhes fornecidos
nas Especificações do Projecto e nos 80% da quantia será paga quando o item tiver sido
Desenhos……………………………………….valor global fornecido e edificado, montado ou instalado a contento da
Fiscalização. Um valor adicional de 10% será pago
O valor global proposto corresponderá à compensação quando o valor de todas as obras permanentes levadas a
total pelo fornecimento e construção dos edifícios, cabo, excluindo a revisão de preços, exceder metade do
acessórios e mobiliário como definido nas Especificações valor total proposto, sendo os restantes 10% pagáveis no
do Projecto e indicado nos Desenhos, e pela manutenção certificado posterior à remoção dos itens do local da obra.
apropriada e subsequente remoção dos mesmos do local
da obra após a conclusão dos Trabalhos. O pagamento referente a despesas ao abrigo do Item
14.07 será feito por inteiro à medida que o dinheiro for
gasto, sujeito à prova de pagamento dessas quantias a
Item Unidade apresentar por escrito pelo Empreiteiro. Os valores globais
propostos ao abrigo do Item 14.08 incluirão a
14.10 Fornecimento de meios compensação total por todas as despesas fixas
para fotocópias……………………………………….mês necessárias relacionadas com esses serviços e serão
pagáveis ao se concluírem os trabalhos respeitantes a
O preço unitário proposto por mês incluirá a cada Sub-item. Os preços unitários propostos por mês
disponibilização completa referente ao fornecimento e serão pagáveis mensalmente pelo período em que os

1400 - 13
serviços forem necessários, mas não no que respeita a
qualquer período posterior à data proposta de conclusão
ou a qualquer prorrogação concedida para a mesma.

Os preços unitários propostos para os vários itens


enunciados na presente Secção incluirão a compensação
total pela aquisição, fornecimento, edificação, instalação
e/ou montagem do item ou serviço, consoante o que for
exigido ou especificado, para uso do item ou serviço,
incluindo substituições em casos de defeito, e finalmente o
desmantelamento e remoção de cada item, incluindo a
totalidade dos custos de transportes, manuseamento e
outros.

O pagamento por alojamento alternativo fornecido nos


termos da Sub-cláusula 1403(c) será ajustado
proporcionalmente de acordo com o prazo necessário
durante o período de construção ou qualquer extensão do
mesmo, caso tenha sido concedida uma extensão.

1400 - 14
SÉRIE 1000 : GERAL
1501 ÂMBITO
SECÇÃO 1500 ACOMODAÇÃO DE TRÁFEGO

A presente Secção cobre a construção e manutenção dos


ÍNDICE necessários desvios e alternativas, barreiras e sinais, e
tudo quanto seja necessário para a circulação com segura
1501 ÂMBITO e cómoda de todo o tráfego público durante os períodos
1502 REQUISITOS GERAIS de construção e manutenção, e também de encerramento
1503 SERVIÇOS TEMPORÁRIOS DE CONTROLO de desvios à medida que se tornem desnecessários.
DE TRÁFEGO
1504 LARGURA DOS DESVIOS
1505 OBRAS DE DRENAGEM TEMPORÁRIAS 1502 REQUISITOS GERAIS
1506 MOVIMENTOS DE TERRAS PARA DESVIOS
1507 APLICAÇÃO DE UMA CAMADA DE
DESGASTE DE MATERIAL GRANULAR EM (a) Entrega do local da Obra
DESVIOS OU EM ESTRADAS EXISTENTES
USADAS COMO DESVIOS O local da Obra será entregue ao Empreiteiro nos
1508 CAMADAS EM MATERIAL GRANULAR comprimentos e na sequência determinada nas
SELECCIONADO, BASE EM AGREGADO Especificações do Projecto.
BRITADO DE GRANULOMETRIA CONTÍNUA
OU EM ASFALTO, ESTABILIZAÇÃO, E (b) Disponibilização de desvios
MARCAS RODOVIÁRIAS (SINALIZAÇÃO
HORIZONTAL) NECESSÁRIAS PARA DESVIOS Salvo nos casos em que a estrada existente deva
COM REVESTIMENTO BETUMINOSO permanecer em uso para tráfego de passagem, o
1509 DESVIOS TEMPORÁRIOS COM Empreiteiro deverá providenciar, construir ou tornar
REVESTIMENTO BETUMINOSO funcionais os desvios que possam ser necessários para
1510 ESTRADAS EXISTENTES USADAS COMO desviar tráfego dos trechos da estrada à medida que estes
DESVIOS lhe são entregues.
1511 MANUTENÇÃO DE DESVIOS EM MATERIAL
GRANULAR E DE ESTRADAS O Empreiteiro será responsável pela circulação segura e
TERRAPLENADAS EXISTENTES USADAS cómoda de tráfego público junto de e/ou sobre trechos de
COMO DESVIOS estradas sob sua ocupação. O Empreiteiro deverá, em
1512 MANUTENÇÃO DE DESVIOS TEMPORÁRIOS todas as suas operações e na utilização do seu
COM REVESTIMENTO BETUMINOSO E DE equipamento de construção, tomar sempre as necessárias
ESTRADAS EXISTENTES COM precauções para proteger o público e facilitar a fluência do
REVESTIMENTO BETUMINOSO USADAS tráfego.
COMO DESVIOS
1513 ACOMODAÇÃO DE TRÁFEGO EM LOCAIS (c) Gabarito vertical mí nimo
ONDE A ESTRADA É CONSTRUÍDA A MEIA
LARGURA [DE CADA VEZ] O gabarito vertical mínimo sobre qualquer trecho de um
1514 VEDAÇÕES, PORTÕES E PORTÕES DE desvio deverá ser de 5,2 m.
GRADES TEMPORÁRIOS
1515 O USO DE DESVIOS PELO EMPREITEIRO (d) Marcos de propriedade e marcos topográficos
1516 ENCERRAMENTO DE DESVIOS
1517 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Onde for possível, os desvios deverão ser construídos de
forma a não danificar ou deslocar marcos de propriedade

1500 - 1
nem marcos de levantamentos trigonométricos. Em casos dos serviços, o Empreiteiro deverá indicar de forma clara
excepcionais onde isso não seja possível, o Empreiteiro onde eles atravessam o desvio, para que estes pontos
deverá notificar a Fiscalização em devido tempo para que sejam claramente visíveis pelo pessoal em serviço.
ela possa organizar que esses marcos sejam
referenciados de forma apropriada, antes de serem
deslocados. 1503 MEIOS TEMPORÁRIOS DE CONTROLO DE
TRÁFEGO
(e) Acesso a propriedades

O Empreiteiro deverá igualmente providenciar e conceder O Empreiteiro deverá providenciar, instalar e manter os
acesso a pessoas cujas propriedades se situem ou necessários dispositivos de controlo de tráfego, sinais de
estejam adjacentes à área onde ele está a trabalhar, trânsito, dispositivos de canalização de tráfego, barreiras,
chamando-se a este respeito a atenção do Empreiteiro dispositivos de aviso e marcas rodoviárias (de ora em
para as Condições Gerais do Contrato. Não será diante referidos como meios de controlo de tráfego), tal
efectuado nenhum pagamento separado pela construção e como indicado nos Desenhos e no Manual de Sinalização
manutenção de tais acessos e serviços, excepto onde Rodoviária relevante, devendo removê-los quando já não
possa ser necessário fora da reserva da estrada. forem necessários. O Empreiteiro deverá consultar
representantes da polícia, da autoridade de controlo de
(f) Aprovação de desvios tráfego e do governo da área, relativamente aos seus
requisitos de controlo de tráfego e outras questões,
A necessidade da existência de todos os desvios e os devendo ainda prestar toda a assistência ou meios que
respectivos detalhes deverão ser aprovados pela possam ser exigidos por tais funcionários no cumprimento
Fiscalização antes da construção desses desvios começar, das suas tarefas. Caberá ao Empreiteiro certificar-se de
devendo o Empreiteiro certificar-se antes da apresentação que os meios de controlo de tráfego acima mencionados
da proposta para o concurso, de que poderá fazer se encontram permanentemente disponíveis e funcionam
preparativos em relação a quaisquer desvios que possam de forma apropriada, mas, antes de se abrir ao tráfego
ser necessários para a circulação segura e cómoda do qualquer trecho de estrada, que necessite dos referidos
tráfego. meios, o Empreiteiro deverá apresentar as suas propostas
neste sentido à Fiscalização, para sua informação e
(g) Obras Temporárias comentários.

Os desvios providenciados pelo Empreiteiro deverão incluir O Empreiteiro deverá inspeccionar todos os meios de
a construção de portões, portões de grades, vedações e controlo de tráfego pelo menos uma vez por dia, e
obras de drenagem temporários, bem como outros itens informar a Fiscalização, bem como corrigir imediatamente
imprevistos considerados necessários pela Fiscalização. quaisquer insuficiências. O Empreiteiro deverá indemnizar
o Dono da Obra por todas as acções em tribunal,
(h) Serviços públicos reclamações, processos, danos e custos que possam
resultar de ou estar relacionados com a falta ou
O Empreiteiro, em colaboração com a Fiscalização, deverá funcionamento ou posicionamento inapropriados de sinais
fazer preparativos para todos os serviços públicos tais de trânsito, barreiras, dispositivos de controlo de tráfego,
como linhas de energia, linhas telefónicas, condutas de dispositivos de canalização de tráfego, meios de aviso e
água, etc., a serem deslocados, onde for necessário, para marcas rodoviárias. Os sinais de trânsito, os dispositivos
a construção de desvios, devendo ele, Empreiteiro, ser o de canalização de tráfego e as barreiras que já não sejam
único responsável pela segurança desses serviços. Não necessários, poderão ser deslocados para reutilização, e,
será efectuado nenhum pagamento por quaisquer se já não forem apropriados para uso, substituídos sem
despesas adicionais causadas por atrasos na deslocação qualquer compensação adicional, caso sejam necessários
de tais instalações. Onde não for necessária a deslocação para reutilização.

1500 - 2
deverão ser mantidos em estado limpo e em boas
O tipo de construção, espaçamento e posicionamento dos condições de utilização.
meios de controlo de tráfego deverá estar de acordo com
as prescrições e recomendações da última edição do
Manual de Sinalização Rodoviária relevante, e de acordo (d) Barreiras
com as instruções e desenhos da Fiscalização. São os
seguintes os diferentes meios de controlo de tráfego As barreiras destinadas a evitar que os veículos saiam das
possivelmente necessários: vias permitidas poderão ser constituídas por barreiras de
segurança em ambos os lados dos tambores de aço para
separação de dois sentidos de tráfego contrários, por
(a) Dispositivos de controlo de tráfego barreiras de betão móveis (do tipo New Jersey), ou
barreiras de segurança normais que obedeçam às
Os dispositivos de controlo de tráfego envolvem o uso de disposições da Secção 5200.
sinaleiros, sinais portáteis de STOP e GO (SIGA), e sinais
de controlo de tráfego, utilizando-se o método mais
apropriado nas circunstâncias prevalecentes. Os sinais de (e) Dispositivos de aviso
controlo de tráfego deverão ser instalados apenas se
assim especificado nas Especificações do Projecto ou Os dispositivos de aviso consistirão de lâmpadas de luz
mediante instrução por escrito dada pela Fiscalização. amarela intermitente.

(b) Sinais de trânsito e barreiras (f) Marcas rodoviárias

Os sinais de trânsito deverão incluir toda a sinalização Marcas rodoviárias, tal como especificado na Secção
rodoviária da série R, W e G, devendo ainda incluir sinais 5500, poderão ser necessárias em superfícies revestidas,
de perigo e barreiras móveis (sinais de ESTRADA e sempre que necessário incluirão reflectores de
FECHADA e do tipo chevron). Os sinais de trânsito pavimento (“olhos de gato”). As marcas rodoviárias serão
deverão ser feitos em chapa de aço, com 1,40 mm de feitas em conformidade com as disposições da Secção
espessura, ou ainda em “Chromadek”; todas as letras e 5500. Quaisquer marcas rodoviárias que deixem de ser
símbolos de fundo deverão ser em material retrorreflector necessárias deverão ser removidas ou pintadas por cima
de classe para obras de engenharia. Os sinais de trânsito com tinta preta para estradas. Os “olhos de gato” deverão
deverão obedecer aos requisitos da Secção 5400. ser completamente retirados.

(c) Dispositivos e barreiras de canalização de 1504 LARGURA DOS DESVIOS


tráfego

Os mecanismos de canalização de tráfego deverão incluir A largura da plataforma dos desvios em material granular
cones, delineadores e tambores. As barreiras incluem para acomodação de tráfego em dois sentidos não deverá
barreiras em treliça ou de outros tipos tal como indicado ser inferior a 10 m. Nos casos em que os desvios
nos Desenhos, e barreiras móveis. consistam em duas vias separadas de sentido único, a
largura mínima utilizável de cada via não deverá ser
Os tambores de aço devem ser cortados, pintados de inferior a 5 m.
branco e dotados de fitas adesivas retrorreflectoras tal
como indicado nos Desenhos. Os tambores deverão ser A largura da plataforma de um desvio com dois sentidos
mantidos no lugar com balastro de areia ou solo. Não com revestimento betuminoso deverá ser de pelo menos
deverão ser usadas pedras para este fim. Os tambores 7,4 m e o desvio deverá dispor de bermas com

1500 - 3
revestimento betuminoso com pelo menos 1,0 m de
largura em cada lado. O Empreiteiro deverá executar e nivelar os desvios,
fazendo o pleno uso de todos os materiais que possam
Se forem necessários desvios mais largos, as respectivas ser obtidos ao longo dos desvios, de escavações laterais
larguras deverão ser especificadas nas Especificações do ou nas imediações. Se não puder obter-se a quantidade
Projecto e/ou nos Desenhos. adequada de material dessa forma, o Empreiteiro deverá
importar material de outras fontes. Onde necessário,
dever-se-á efectuar escavações, a fim de se obter um
1505 OBRAS DE DRENAGEM TEMPORÁRIAS traçado satisfatório em perfil longitudinal. O Empreiteiro
deverá ainda executar a necessária desmatação e
limpeza, incluindo a remoção de todas as árvores e
O Empreiteiro deverá construir as obras de drenagem cepos. Onde o solo de fundação, no seu estado natural,
temporárias necessárias, tais como valetas [de não for suficientemente denso, deverá proceder-se à sua
plataforma] laterais, valas de crista, sanjas, aquedutos, compactação por meio de três passagens de cilindro, tal
etc. de forma a lidar adequadamente com qualquer como especificado na Secção 3400, antes das obras de
escoamento de água superficial. movimentação de terras.

Aquedutos temporários do tipo e dimensão exigidos pela Todo o material deverá ser regado, misturado e
Fiscalização deverão ser instalados em canais de compactado com equipamento de compactação apropriado,
drenagem existentes onde a Fiscalização o exija. de forma a conferir-lhe a densidade suficiente, para poder
Quaisquer aquedutos pré-fabricados, apropriados, suportar o tráfego sem desgaste ou tensão indevidos. Em
recuperados de uma estrada existente ou de um desvio caso de desacordo entre a Fiscalização e o Empreiteiro
abandonado, poderão voltar a ser usados, caso estejam quanto à adequação desta compactação, deverá
em boas condições e sejam aprovados pela Fiscalização. considerar-se como densidade mínima exigida uma
densidade seca de 90% da densidade AASHTO
Quaisquer danos causados aos desvios devido à modificada.
instalação e manutenção de aquedutos temporários de
acordo com as instruções da Fiscalização, e que não Quaisquer aterros que possam ser necessários por razões
possam, de forma eficaz, fazer face a cheias, deverão ser várias, por exemplo, para a construção de travessias de
reparados. O Empreiteiro será pago pelo custo desse linhas de água, deverão ser construídos e compactados
trabalho aos preços unitários aplicáveis ou, nos casos em pelo Empreiteiro tal como atrás descrito. Onde possível, as
que preços unitários não existam, de acordo com as travessias de linhas de água deverão ser construídas de
disposições da cláusula relevante das Condições Gerais material rochoso ou material grosso de modo a limitar,
do Contrato. dentro do possível, danos causados por águas de cheias.
Dever-se-á controlar a poluição e o assoreamento de
O pagamento pela construção de aquedutos temporários cursos de água. O Empreiteiro deverá efectuar escavações
será efectuado ao abrigo dos itens apropriados constantes onde for necessário.
da presente Secção, e o pagamento pela construção de
outras obras de drenagem destinadas a desvios, bem
como pela manutenção de todas as obras de drenagem, 1507 APLICAÇÃO DE UMA CAMADA DE
deverá ser incluído nos preços unitários propostos para o DESGASTE DE MATERIAL GRANULAR EM
Item 15.01, Acomodação de tráfego e manutenção de DESVIOS OU EM ESTRADAS EXISTENTES
desvios. USADAS COMO DESVIOS

1506 MOVIMENTOS DE TERRAS PARA DESVIOS Quando os movimentos de terras para desvios, tal como
descrito na Cláusula 1506, tenham sido concluídos, os

1500 - 4
trechos dos desvios e das estradas terraplenadas 1510 ESTRADAS EXISTENTES USADAS COMO
existentes usadas como desvios, conforme indicação da DESVIOS
Fiscalização, deverão receber uma camada de desgaste
em material granular apropriado aprovado pela
Fiscalização. Onde estradas existentes devam ser usadas como
desvios, o Empreiteiro deverá, após consulta com o
O Empreiteiro deverá fornecer, espalhar, regar, misturar e Proprietário ou a Autoridade que tenha controlo sobre essa
compactar esse material a uma densidade que permita estrada, executar quaisquer reparações, alterações ou
receber tráfego sem desgaste ou tensão indevidos. Em melhoramentos às mesmas, consoante o necessário para
caso de desacordo entre a Fiscalização e o Empreiteiro as pôr em condições adequadas para o tráfego. Estes
quanto à adequação da compactação, deverá considerar- trabalhos serão pagos de acordo com o estipulado na
se como densidade mínima exigida uma densidade seca Cláusula 1517.
de 90% da densidade AASHTO modificada.

1511 MANUTENÇÃO DE DESVIOS EM MATERIAL


1508 CAMADAS DE CASCALHO (MATERIAL GRANULAR E DE ESTRADAS TERRAPLENADAS
GRANULAR) SELECCIONADO, BASE DE EXISTENTES, USADAS COMO DESVIOS
AGREGADO BRITADO DE GRANULOMETRIA
CONTÍNUA OU DE ASFALTO,
ESTABILIZAÇÃO, E SINALIZAÇÃO Todos os desvios em material granular e estradas
HORIZONTAL NECESSÁRIOS PARA DESVIOS terraplenadas existentes usadas como desvios deverão ser
REVESTIDOS A BETUME mantidos pelo Empreiteiro em condições de circulação
seguras. Sempre que exigido pela Fiscalização, as
estradas e os desvios deverão ser regularizados por meio
Onde definido nas Especificações do Projecto ou exigido de motoniveladoras para garantir uma superfície de
pela Fiscalização, as camadas de material granular com circulação lisa sem corrugações. Todos os buracos
qualidade de leito do pavimento ou de camada de sub- deverão ser imediatamente reparados.
base, a base em agregado britado de granulometria
contínua, a base de asfalto ou as camadas de material A Fiscalização poderá igualmente instruir o Empreiteiro
granular estabilizado deverão ser construídas e revestidas para regar os desvios de modo a evitar o levantamento de
pelo Empreiteiro, devendo este efectuar a sinalização poeira ou a facilitar a regularização adequada da
horizontal (marcas rodoviárias), tudo isso em superfície por meio de motoniveladora. Poder-se-á usar
conformidade com os requisitos das secções relevantes um químico aprovado de supressão de poeira em vez de
destas Especificações e as instruções da Fiscalização. água, se a Fiscalização o considerar mais eficaz. Todos
os dispositivos de drenagem deverão ser mantidos em
boas condições de funcionamento.
1509 DESVIOS TEMPORÁRIOS COM
REVESTIMENTO BETUMINOSO A execução da “passagem de motoniveladora”
(regularização superficial por meio de motoniveladora)
sobre a superfície dos desvios e a aplicação de material
Onde exigido nas Especificações do Projecto ou instruído granular e água ou de um produto químico de supressão
pela Fiscalização, os desvios temporários deverão ser de poeira deverão ser medidos e pagos separadamente,
dotados de revestimento betuminoso em conformidade mas a demais manutenção deverá ser considerada como
com os requisitos das Especificações do Projecto ou da estando incluída no preço unitário proposto para o Item
Série 4000, ou como prescrito pela Fiscalização. 15.01, Acomodação de tráfego e manutenção de desvios.

1500 - 5
1512 MANUTENÇÃO DE DESVIOS TEMPORÁRIOS plataforma permanentemente durante o período de
COM REVESTIMENTO BETUMINOSO E DE construção. O Empreiteiro deverá manter essa metade da
ESTRADAS EXISTENTES COM estrada, em uso temporário pelo tráfego, livre de
REVESTIMENTO BETUMINOSO USADAS corrugações, a contento da Fiscalização.
COMO DESVIOS
Onde for possível, o Empreiteiro deverá assegurar que
Todas as estradas com revestimento betuminoso usadas toda a largura da estrada esteja aberta à noite, devendo
por tráfego público que contorna as obras de construção ser deixada, ao fim de cada dia de trabalho, em boas e
deverão ser mantidas em boas e seguras condições de seguras condições de circulação, a contento da
circulação durante todo o período em que forem usadas. A Fiscalização.
manutenção deverá incluir o tapamento de buracos,
deformações e outras reparações do revestimento Caso a estrada não esteja, no fim de cada dia de
betuminoso, a desmatação (o corte de capim e de trabalho, em condições seguras de circulação para tráfego
arbustos) de bermas, a limpeza de todos os dispositivos em dois sentidos ao longo de toda a largura, o
(órgãos) de drenagem, incluindo as soleiras e as Empreiteiro deverá providenciar o número adequado de
estruturas de saída dos aquedutos, bem como outros sinaleiros, sinais, barricadas, luzes (lâmpadas, candeeiros,
trabalhos imprevistos e, salvo se especificado em contrário etc.) e o necessário pessoal, à sua custa, a fim de
nas Especificações do Projecto, também o tratamento e a assegurar uma fluência de tráfego razoavelmente livre e
manutenção de todas, as marcas rodoviárias (sinalização de forma alternada em cada direcção, ao longo de todo o
horizontal), sinais de trânsito, blocos de orientação e período em que a plataforma apenas estiver aberta a
guardas de segurança. tráfego de sentido único.

O custo de toda a manutenção de desvios com


revestimento betuminoso deverá ser incluído nos preços 1514 VEDAÇÕES, PORTÕES E PORTÕES DE
unitários propostos ao abrigo do Item 15.01, exceptuando- GRADES TEMPORÁRIOS
se o custo de reparações de revestimentos e pavimentos
betuminosos, o qual deverá ser pago separadamente ao
abrigo do Item 15.09. Onde ordenado pela Fiscalização ou especificado nos
Desenhos ou nas Especificações do Projecto, o
Empreiteiro deverá fazer os seus próprios preparativos
1513 ACOMODAÇÃO DE TRÁFEGO EM LOCAIS para fornecer vedações e portões novos ou remover e
ONDE A ESTRADA É CONSTRUÍDA A MEIA posteriormente repor vedações e portões existentes em
LARGURA (DE CADA VEZ) conformidade com as disposições da Secção 5300.

Onde, devido a terreno difícil ou por qualquer outra razão,


a construção de desvios não seja viável, o Empreiteiro 1515 O USO DE DESVIOS PELO EMPREITEIRO
deverá, mediante instrução escrita da Fiscalização,
construir a estrada a meia largura de cada vez, para
permitir que o tráfego utilize a metade da estrada que não Onde o Empreiteiro construir desvios, estradas para
esteja em construção. O comprimento da construção da transporte e/ou construção para acomodação de tráfego
meia largura deverá ser mantido a um mínimo, de construção, ele deverá construir e mantê-los por conta
providenciando para que o tráfego circulando em direcções própria e de acordo com os detalhes previamente
opostas possa passar em intervalos regulares. acordados por escrito com a Fiscalização. Tais estradas
deverão ser encerradas e as respectivas superfícies
O Empreiteiro deverá organizar os seus trabalhos de devidamente repostas quando deixarem de ser
forma a permitir que o tráfego disponha de livre acesso necessárias, tudo isso por conta do Empreiteiro.
num sentido único em pelo menos metade da largura da

1500 - 6
O Empreiteiro deverá ter direito a usar estradas públicas, o tráfego é desviado, quando o Empreiteiro não é
incluindo desvios abertos ao tráfego público, mas onde o responsável pela manutenção de tais estradas.
seu próprio tráfego causar danos ou desgaste excessivos
a essas estradas ou constituir possibilidade de perigo para O preço unitário proposto deverá incluir a compensação
o tráfego público, a Fiscalização terá direito de regular o total pela acomodação de tráfego e pela manutenção de
tráfego do Empreiteiro nesses desvios e de exigir que ele desvios, incluindo estradas construídas a meia largura de
providencie, por conta própria, manutenção, incluindo cada vez e estradas existentes usadas como desvios
material granular para a camada de desgaste e rega, que, durante os períodos de construção e manutenção, mas
na opinião da Fiscalização, serão adicionalmente excluindo trabalhos de manutenção e reparação pelos
necessários para além do que seria necessário requerido quais o pagamento é especificamente feito ao abrigo de
para manter os desvios de forma apropriada, quando não outros itens de pagamento definidos na Secção 1500. O
usados pelo tráfego de construção do Empreiteiro. Onde a preço unitário proposto deverá também incluir
regulação do tráfego do Empreiteiro não alivie compensação total pelo fornecimento de equipamento de
satisfatoriamente a possibilidade de perigo para o tráfego, comunicações necessário para a regulação do tráfego, por
ou quando a manutenção dos desvios não puder ou não preparativos para a transferência de serviços, pela
for devidamente executada, o Empreiteiro deverá, onde as resolução de problemas de tráfego, pelo cumprimento dos
condições permitirem, desviar o respectivo tráfego para requisitos legais de todas as Autoridades relevantes, pela
estradas de construção providenciadas e mantidas por sua criação de acesso temporário a propriedades privadas,
própria conta. bem como pela execução e manutenção de um sistema
de drenagem temporário, mas excluindo os trabalhos
especificamente pagos ao abrigo do Item 15.12. O preço
1516 ENCERRAMENTO DE DESVIOS unitário proposto deverá também incluir compensação total
pelos requisitos gerais especificados e todos os itens de
custo imprevistos, que sejam necessários ao abrigo das
Onde o tráfego for direccionado definitivamente para a disposições da Secção 1500 e que não são
nova estrada uma vez concluída a construção, os desvios especificamente pagos ao abrigo de outros itens de
que já não forem necessários e, salvo se de outro modo pagamento definidos nessa mesma Secção.
instruído pela Fiscalização, os trechos de estradas
obsoletas e as marcas rodoviárias indicadas pela O pagamento será efectuado em duas prestações
Fiscalização, deverão ser inutilizados de acordo com a idênticas relativamente a cada trecho. A primeira prestação
Secção 5800. será paga quando os desvios apropriados tiverem sido
aprovados para uso ou quando o tráfego se processar na
construção a meia largura. A segunda prestação será
1517 MEDIÇÕES E PAGAMENTO devida quando o tráfego puder ser acomodado na estrada
nova, todos os desvios tiverem sido encerrados e todas as
obrigações gerais do Empreiteiro tiverem sido cumpridas,
Item Unidade tudo isso a contento da Fiscalização.

15.01 Acomodação de tráfego


e manutenção de desvios……………quilómetro (km) Item Unidade

A unidade de medição deverá ser o quilómetro, medido ao 15.02 Movimentos de terras para desvios:
longo dos eixos de desvios temporários, de estradas
existentes usadas como desvios, e de estradas (a) Abertura de desvios………………quilómetro (km)
construídas a meia largura de cada vez. A medição não
deverá incluir trechos de estradas existentes para os quais A unidade de medição deverá ser o quilómetro de desvios
abertos, compactados e construídos de acordo com as

1500 - 7
disposições da Cláusula 1506. Onde o Empreiteiro tenha antes [e depois] da escavação por meio do levantamento
de providenciar estradas de acesso a propriedades de perfis transversais. O preço unitário proposto deverá
privadas, o comprimento dessas estradas de acesso fora incluir a compensação total pela escavação em todas as
da reserva da estrada deverá ser incluído na quantidade classes de material, carregamento, transporte,
medida para pagamento. descarregamento, incluindo o espalhamento e nivelamento
do material depositado, bem como o transporte a uma
O preço unitário proposto deverá incluir a compensação distância de 0,5 km.
total pela desmatação e limpeza onde necessário, pela
remoção de pequenas árvores e cepos, pela abertura e
regularização, rega, mistura e compactação do material e Item Unidade
todos os cortes e aterros construídos com material obtidos
de cortes laterais ou ao longo dos desvios, mas incluindo 15.03 Meios temporários de controlo de tráfego:
apenas as porções dos aterros que tenham menos de 0,5
m de altura.
(a) Sinaleiros………………………………...valor global
(b) Corte (escavação) e empréstimo
para aterro………………………………metro cúbico (m3) (b) Sinais portáteis de STOP
e SIGA (GO)…………………………………. número (Nº)
A unidade de medição deverá ser o metro cúbico de
aterro medido in situ, a partir de perfis transversais (c) Sinais temporários de
levantados antes e depois da construção, onde esse controlo de tráfego, tal como
material ou é importado de um local a mais de 100 m do especificado ou indicado nos
ponto de utilização ou utilizado numa porção de um aterro Desenhos………………………………………número (Nº)
que está mais do que 0,5 m acima da cota do terreno
natural. (d) Lâmpadas de luz amarela
Intermitente…………………………………….número (Nº)
Onde a medição por perfis transversais não seja
praticável, pode-se assumir que o volume é igual a 70% (e) Sinais de trânsito, Série R,
do volume solto medido em camiões, no caso de solo ou 1 200 mm de diâmetro……………………….número (Nº)
material granular, e igual a 60% do volume solto em
camiões, no caso de material rijo constituído (f) Sinais de trânsito, Série W
predominantemente por partículas cuja dimensão máxima 1 524 mm de lado…………………………….número (Nº)
excede 100 mm.
(g) Sinais de trânsito, Série G
O preço unitário proposto deverá incluir a compensação (excluindo G49)…………………….metro quadrado (m2)
total pela aquisição, fornecimento e colocação de todas as
classes de material, incluindo o transporte a uma distância (h) Placas (Sinais) de perigo e
de 0,5 km. Delineadores……………………………….….número (Nº)

(c) Corte (escavação) para (i) Barreiras móveis (tipo Chevron


Vazadouro………………………………metro cúbico (m3) e ESTRADA FECHADA)……………………..número (Nº)

A unidade de medição deverá ser o metro cúbico de (j) Cones de trânsito……………………………valor global
material resultante de escavação autorizada feita em
cortes em desvios ou em aterros de desvios (k) Tambores………………………….………..número (Nº)
desnecessários e transportado para vazadouro por
instruções da Fiscalização, sendo tudo medido in situ (l) Guardas de segurança

1500 - 8
duplas fixadas a tambores…………..……metro linear (m) (k) A unidade de medição deverá ser o número de
tambores, completos com triângulos vermelhos
(m) Guardas de segurança reflectorizados, pintados de branco e fornecidos com
simples fixadas a postes……………..…. metro linear (m) balastro.

(n) Barreiras do tipo carril……………...…metro linear (m) (l) A unidade de medição deverá ser o metro de barreira
direita ou curvada, fornecida e montada, completa com
(o) Barreiras de betão móveis……………metro linear (m) duas guardas de segurança, chapas reflectoras, unidades
de topo e tambores aos quais estão fixadas.
As marcas rodoviárias (sinalização horizontal) serão pagas
tal como especificado no fim da presente Cláusula. (m) A unidade de medição deverá ser o metro de guardas
de segurança temporárias, direitas ou curvadas, instaladas,
(a) O valor global proposto para sinaleiros deverá completas com unidades de topo, postes, chapas
incluir a compensação total por todos os sinaleiros que reflectoras, etc.
possam ser necessários para controlar o tráfego por meio
de bandeirolas ou sinais portáteis de STOP e SIGA (GO), (n) A unidade de medição deverá ser o metro de barreira
devendo incluir o fornecimento de bandeirolas. do tipo carril instaladas, completas com faixas ou fitas
brancas e encarnadas e estacas às quais estão fixadas.
(b), (c), (d), (e), (f) e (h) A unidade de medição será o
número de cada sinal fornecido e, consoante o aplicável, (o) A unidade de medição deverá ser o metro de
completamente instalado). barreiras móveis de betão fornecidas e instaladas.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação Observações gerais:


total pelo fornecimento e, onde aplicável, a instalação
completa de cada sinal. No caso do Sub-item (b), incluir- Os preços unitários propostos para os respectivos meios
se-á também a mudança do sinal, consoante o que possa de controlo de tráfego deverão também incluir a
ser necessário. compensação total pela manutenção e substituição de
itens que se tenham tornado inutilizáveis, bem como pela
(g) A unidade de medição deverá ser o metro quadrado sua remoção quando já não forem necessários. 75% da
de face de cada sinal, medido sobre a face de cada item tarifa será pagável quando os itens tiverem sido fornecidos
fornecido. O preço unitário proposto incluirá a e instalados, e 25% quando tiverem sido finalmente
compensação total pelo fornecimento e edificação de cada retirados do local.
sinal, completo com postes.
Item Unidade
(i) A unidade de medição deverá ser o número de
barreiras móveis, completas com os sinais de trânsito 15.04 Reutilização ou remoção de meios de controlo de
fornecidos. O preço unitário proposto deverá também tráfego:
incluir a compensação total pela mudança das barreiras
para novas posições, como e quando necessário. (a) Sinais de controlo de
tráfego temporários tal como
(j) O valor global para cones de trânsito incluirá a especificados ou indicados nos
compensação total pelo fornecimento dos cones que forem Desenhos……………………………………….número (Nº)
necessários, independentemente do [seu] número, e por
toda a mão-de-obra e custos necessários para a sua (b) Lâmpadas de luz amarela
colocação, remoção ou movimentação consoante o Intermitente……………………………….……número (Nº)
necessário.
(c) Sinais de trânsito, séries

1500 - 9
R e W……………………………………..…….número (Nº) Onde a medição pelo método acima mencionado for
considerada impraticável pela Fiscalização, o volume
(d) Sinais de trânsito, série G poderá ser calculado tomando-se 70% do volume solto do
(excluindo G49)……………………………….número (Nº) material granular, tal como medido nos veículos de
transporte.
(e) Placas(Sinais) de perigo e
Delineadores…………………………….….….número (Nº) O preço unitário proposto deverá incluir a compensação
total pela aquisição, fornecimento, colocação e
(f) Tambores……………………………………número (Nº) compactação da camada de desgaste em material
granular, incluindo uma distância de transporte de 1.0 km,
(g) Guardas de segurança duplas e a reparação de trechos localizados dos desvios.
fixadas a tambores………………………..metro linear (m)
Item Unidade
(h) Guardas de segurança
simples fixadas a postes………………....metro linear (m) 15.06 Rega de desvios

(i) Barreiras do tipo carril………………….metro linear (m) (a) Rega de desvios………………………….quilolitro (kl)

(j) Barreiras de betão móveis…………….metro linear (m) (b) Químico diluído de supressão
de poeira (para rega anti-pó)……………………….litro (l)
A unidade de medição deverá ser o número ou o metro
linear de cada unidade retirada uma vez e reinstalada. No A unidade de medição deverá ser o quilolitro de água ou
caso de tambores, deverá incluir a sua remoção para um litro de químico diluído de supressão de poeira aplicado
local inteiramente novo, e não será efectuado nenhum nos desvios mediante instrução escrita da Fiscalização. A
pagamento pela sua remoção para uma nova posição, água necessária para a construção de desvios não será
praticamente no mesmo local. medida para efeitos de pagamento.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação O preço unitário proposto incluirá a compensação total
total pela desmontagem, armazenamento se necessário, pelo fornecimento, transporte e aplicação de água ou do
transporte e a reinstalação numa posição nova dos supressor de poeira (produto químico anti-pó). Não se
diversos itens acima especificados. aplicará “transporte a mais” ao transporte de água usada
para rega de desvios.

Item Unidade
Item Unidade
15.05 Aplicação de camada
de desgaste em material 15.07 Regularização de desvios
granular e reparação de e de estradas existentes usadas
desvios………………………………………….metro cúbico(m3) como desvios, por motoniveladora (“Passagem de
motoniveladora”)……...quilómetro de passagem (“km-
A unidade de medição deverá ser o metro cúbico de pass”)
material granular fornecido como camada de desgaste
para o revestimento de desvios, calculado a partir das A unidade de medição pelo uso de uma motoniveladora
dimensões da camada tal como se encontra construída, de para regularizar as superfícies de desvios e de estradas
acordo com as instruções da Fiscalização. existentes usadas como desvios, deverá ser o quilómetro
de passagem , isto é, cada quilómetro de toda a largura
do desvio, cuja superfície tenha sido na sua totalidade

1500 - 10
regularizada por uma passagem da motoniveladora. No temporários com revestimento
caso de desvios construídos sob a forma de duas estradas betuminoso e de estradas existentes
separadas de sentido único, estas devem ser considerados com revestimento betuminoso
como uma largura completa de desvio para efeitos de usadas como desvios........................quantia provisória
medição.
A quantia provisória, atribuída para cobrir o custo dos
Apenas se medirá o número de quilómetros de passagem trabalhos indicados pela Fiscalização nos termos da
de motoniveladora realmente autorizado pela Fiscalização, Cláusula 1512 para reparação e manutenção de
por escrito, será medido. revestimentos e pavimentos betuminosos de estradas
existentes e temporárias com revestimento betuminoso
Onde a regularização de desvios não tenha sido usadas como desvios, deverá ser despendida de acordo
executada satisfatoriamente e a superfície não tenha sido com as disposições da cláusula relevante das Condições
tão melhorada quanto poderia ser razoavelmente esperado Gerais do Contrato.
de uma operação do género, o Empreiteiro deverá
executar trabalho adicional de regularização por conta
própria até serem obtidos resultados satisfatórios. Item Unidade

O preço unitário proposto deverá incluir a compensação 15.10 Acomodação de tráfego onde
total pelo fornecimento de motoniveladoras e operadores, a estrada for construí da a
sinaleiros, guardas, barreiras, sinais e demais custos meia largura de cada vez…………….....quilómetro (km)
imprevistos afins, bem como pela regularização das
estradas até à obtenção de uma superfície lisa sem A unidade de medição para acomodação de tráfego onde
corrugações. a estrada é construída a meia largura de cada vez, deverá
ser o quilómetro medido ao longo do eixo da estrada
construída a meia largura de cada vez, mediante
Item Unidade instruções escritas da Fiscalização.

15.08 Reparações, alterações O preço unitário proposto incluirá a compensação total


e/ou melhoramentos a pelo fornecimento de todo o equipamento, ferramentas,
estradas existentes transporte, mão-de-obra, supervisão, sinaleiros, guardas,
usadas como desvios ....................... quantia provisória sinais, lâmpadas, barreiras e demais custos imprevistos
necessários para o controlo apropriado e seguro do
A quantia provisória atribuída para se cobrir o custo dos tráfego, tal como especificado, e deverá incluir ainda a
trabalhos indicados pela Fiscalização nos termos da compensação total por todos os custos e trabalhos
Cláusula 1510 deverá ser despendida de acordo com as adicionais resultantes da construção das estradas a meia
disposições da cláusula relevante das Condições Gerais largura de cada vez.
do Contrato. Onde a natureza exacta dos trabalhos possa
ser determinada antecipadamente, poder-se-á tomar
providências nas Especificações do Projecto para a Item Unidade
proposta de preços unitários apropriados em vez da
disponibilização de uma quantia provisória. 15.11 Semáforos……………………….quantia provisória

A quantia provisória atribuída para cobrir o custo do


Item Unidade fornecimento de semáforos deverá ser despendida de
acordo com as disposições da cláusula relevante das
15.09 Manutenção do revestimento e Condições Gerais do Contrato.
pavimento betuminoso de desvios

1500 - 11
Item Unidade (1) “Transporte a mais” tal como especificado na Secção
1600.
15.12 Aquedutos temporários:
(2) A desmatação e limpeza de árvores de grande porte
(a) Fornecimento e assentamento (destronca) tal como especificado na Secção 1700.
de aquedutos temporários
pré-fabricados completos (3) A remoção de material de cobertura tal como
(indicar a dimensão, tipo e camada especificado na Secção 3100.
de assentamento)…………………..metro linear (m)
(4) A execução de terraplenagens volumosas e de
A unidade de medição deverá ser o metro linear de camadas de pavimento tal como especificado na Série
aquedutos fornecidos e instalados pelo Empreiteiro. 3000.

O preço unitário proposto deverá incluir a compensação (5) Selagens betuminosas (revestimentos) tal como
total pela aquisição e fornecimento de aquedutos novos, especificado na Série 4000 ou nas Especificações do
por todas as escavações, camadas de assentamento, Projecto.
assentamento e aterro, bem como a eventual remoção dos
aquedutos, incluindo a escavação, carregamento e (6) Vedações e portões temporários tal como especificado
transporte para fora do local, e a reposição das superfícies na Secção 5300.
anteriores.
(7) Marcas rodoviárias tal como especificado na Secção
(b) Reutilização de aquedutos 5500.
completos pré-fabricados
(indicar o tipo, a dimensão
e tipo de camada de
assentamento)…………………………….metro linear (m)

A unidade de medição deverá ser o metro linear de


aqueduto instalado.

O preço unitário proposto deverá incluir a compensação


total levantamento dos pontões nas posições onde
estavam originalmente instalados e pela sua instalação em
novas posições, incluindo todas as escavações,
reenchimentos e camadas de assentamento, o
carregamento e transporte, descarregamento dos
aquedutos e a sua eventual remoção, incluindo a
escavação, carregamento, transporte, descarregamento e
arrumação em local apropriado, e a reposição das
superfícies.

Notas: Os seguintes itens de pagamento descritos em


outras secções serão listados ao abrigo da presente
Secção no Mapa de Quantidades, nos casos em que se
relacionem com trabalhos executados ao abrigo da
presente Secção.

1500 - 12
SÉRIE 1000 : CONSIDERAÇÕES GERAIS
(iv) Agregado britado usado na construção de sub-
SECÇÃO 1600 TRANSPORTE A “MAIS” (Overhaul) base e base, mas apenas quando o “transporte a mais”
corresponde às circunstâncias especificadas na Cláusula
3608, Itens 36.01 e 36.02.
ÍNDICE

1601 ÂMBITO (b) “Transporte a mais”


1602 DEFINIÇÕES
1603 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Nestas Especificações aplicar-se-ão dois tipos de
“transporte a mais” e, dependendo das circunstâncias,
qualquer um dos dois ou ambos poderão aplicar-se
1601 ÂMBITO relativamente à mesma operação de transporte.

O “transporte a mais” restrito aplicar-se-á a material para


A presente Secção cobre o transporte de material a aterro proveniente de cortes e de empréstimos e a
transportar “a mais”, tal como aqui definido, do local de material sobrante de escavações quando transportados
escavação ou de amontoamento ao lugar de aplicação, para além da distância de transporte livre de 0,5 km, até
em que essa distância de transporte exceda a distância de e incluindo 1,0 km, e deverá ser medido e pago por metro
transporte livre [incluída no item do pagamento relevante], cúbico de material transportado entre ou ao longo dessas
tal como aqui definida. distâncias.

O “transporte a mais” ordinário aplicar-se-á a todo o


1602 DEFINIÇÕES “material a transportar a mais” relativamente à distância
que exceda 1,0 km, e deverá ser medido através do
(a) Material a transportar a mais produto do volume do material transportado, medido tal
como adiante especificado, pela distância de transporte a
“Material a transportar a mais” será material transportado, mais, tal como definido na Cláusula 1602(e) da presente
que será considerado “a mais” quando este é transportado Secção.
a uma distância superior à distância de transporte livre, e
deverá incluir apenas os seguintes materiais: Quando um material tiver uma distância de transporte livre
de 0,5 km e for transportado para além de 1,0 km, serão
(i) Cascalho (material granular), solo ou materiais pagos quer o “transporte a mais restrito”, quer o
rochosos usados na construção de aterros, camadas de “transporte a mais ordinário.
pavimento, taludes e diques.

(ii) Solo de cobertura ou cascalho recomendado (c) Distância de transporte


pela Fiscalização como camada de desgaste para desvios,
bem como cascalho seleccionado usado para aterro (ou A distância de transporte relativa a escavação para aterro
reenchimento) de escavações de drenos e aquedutos, deverá ser a distância entre o centro do volume do
mas excluindo material permeável usado em filtros de “material a ser transportado a mais”, determinado no local
drenos fornecidos a partir de fontes comerciais. do corte antes da escavação, e o centro do volume da
porção de aterro construído com o referido material.
(iii) Material sobrante resultante de escavações
autorizadas do prisma da estrada, drenos, aquedutos e A distância entre os centros dos volumes [referidos
outras estruturas e de aterros em desvios que deixaram acima] deverá ser medida ao longo do eixo da estrada, e
de ser necessários. não se considerará qualquer distância adicional de

1600 - 1
transporte devida à utilização de um itinerário de A quantidade de material transportado a mais será em
transporte diferente. Os volumes de escavação e aterro todos os casos medida da mesma maneira que o item a
para rampas, aproximações a estradas e ligações em que se aplica o transporte a mais.
quaisquer dos lados da estrada serão considerados como
estando concentrados no eixo da plataforma em
construção para o cálculo das quantidades de “transporte Item· Unidade
a mais” para efeitos de pagamento, salvo se especificado
de outro modo nas Especificações de Projecto. 16.01 “Transporte a mais”
relativamente a material
A distância de transporte para material de empréstimo e transportado a uma distância
material de corte sobrante deverá ser medida ao longo do superior à distância de
itinerário mais curto determinado pela Fiscalização como transporte livre de 0,5 km,
sendo viável e satisfatório. Caso o Empreiteiro opte por para distâncias de ou até 1,0 km
transportar o material por algum itinerário mais extenso, os (“transporte
cálculos para pagamento deverão, todavia, basear-se na a mais”restrito)...................................metro cúbico (m3)
distância de transporte medida ao longo do itinerário mais
curto determinado pela Fiscalização. A distância de A unidade de medição será o metro cúbico de “material a
transporte para materiais de empréstimo e para materiais transportar a mais” transportado ao longo da distância
de corte sobrantes deverá ser medida até ao 0,1 km mais acima indicada.
próximo.

Item Unidade
(d) Distância de transporte livre
16.02 “Transporte a mais”
A distância de transporte livre será a distância até onde o relativamente a material
“material a transportar a mais” poderá ser transportado transportado a uma
antes que o “transporte a mais” passe a ser pagável. Esta distância superior a 1,0 km
distância será 1,0 km no caso de todos os “materiais a (“transporte a mais”
transportar a mais”, excepto para os materiais de cortes e ordinário).....................metro cúbico-quilómetro (m3-km)
empréstimos para aterros e os materiais de corte
sobrantes, em que a distância de transporte livre é de 0,5 A unidade de medição será o metro cúbico de “material a
km. transportar a mais” transportado a uma distância superior
a 1,0 km, multiplicado pela distância de “transporte a
mais”.
(e) Distância de transporte a mais
Nota: Quando um material tiver uma distância de
A distância de transporte a mais aplicável ao Item 16.02 transporte livre de 0,5 km e for transportado para além de
será a distância de transporte tal como acima definida, 1,0 km, serão pagos quer o “transporte a mais” restrito
menos 1,0 km, medida até ao 0,1 km mais próximo. [respeitante à distância entre 0,5 km e 1,0 km], quer o
“transporte a mais” ordinário [respeitante ao transporte
para além de 1,0 km].
1603 MEDIÇÕES E PAGAMENTO
O “transporte a mais” de material em excesso
relativamente ao necessário ou a uma distância superior à
Quantidade de material necessária para a conclusão das Obras ou que não tenha
sido de algum modo autorizado pela Fiscalização, não
será medido para efeitos de pagamento.

1600 - 2
(i) Transporte do ponto de obtenção do material
Os preços unitários propostos para “transporte a mais” excessivamente grande ao ponto onde é depositado na
incluirão a compensação total pelo transporte de material estrada.
para além da distância de transporte livre.
O transporte e o “transporte a mais” serão calculados de
forma normal, mas nenhum “transporte a mais” será
Notas: Nos casos especiais abaixo detalhados, o pagável pela primeira porção [sic; primeira parte do
“transporte a mais” será medido da seguinte forma: transporte?] do material excessivamente grande que não
esteja contemplado para pagamento ao abrigo de qualquer
(a) Cascalho natural britado e/ou crivado (Secção item para a “remoção de material excessivamente grande”.
3200)
(ii) Transporte desde o local onde for removido
A distância de transporte para cascalho natural britado para fora da estrada por meio de motoniveladora até ao
e/ou crivado será medida desde o ponto de escavação ou local de depósito.
de empréstimo até à instalação de britagem/crivagem e
daqui ao ponto de utilização final na estrada ou, no caso A distância de transporte será desde o local ao longo da
de material crivado e removido, até ao ponto onde for estrada onde o material excessivamente grande foi
finalmente depositado. rejeitado até ao local onde for finalmente depositado. O
“transporte a mais” aplicar-se-á a todo o material
O “transporte a mais” corresponderá à distância total de excessivamente grande removido, incluindo o material que
transporte menos 1,0 km de transporte livre. não tenha sido pago ao abrigo de qualquer item para a
“remoção de material excessivamente grande”. O
(b) Agregado britado para base ou sub-base “transporte a mais” será a distância de transporte menos o
(Secção 3600) 1,0 km de distância de transporte livre.

O seguinte aplica-se ao agregado britado para base ou


sub-base, tal como especificado na Secção 3600, em
relação ao qual se aplica o “transporte a mais”, isto é,
material não obtido junto de fontes comerciais.

A distância de transporte será medida desde a câmara de


empréstimo aprovada ao local de britagem, e daqui ao
ponto de utilização na estrada. A quantidade será apenas
a quantidade real do material da sub-base ou da base
medida para pagamento e não inclui material escavado,
mas rejeitado ou perdido junto da britadeira.

(c) Material excessivamente grande removido da


estrada (Cláusula 3210)

O transporte de todo o material excessivamente grande


retirado da estrada e levado para vazadouro deverá ser
considerado como duas operações de transporte, e o
“transporte a mais” deverá ser calculado separadamente
da seguinte forma:

1600 - 3
SÉRIE 1000 : CONSIDERAÇÕES GERAIS de tamanho até 0,15 m³ que se encontrem expostos ou
sobre a superfície.
SECÇÃO 1700 : DESMATAÇÃO E LIMPEZA
O pagamento por vedações que tenham de ser
desmanteladas e por materiais agrupados, enrolados ou
ÍNDICE amontoados deverá ser feito ao abrigo da Secção 5300.

1701 ÂMBITO
1702 DESCRIÇÃO DO TRABALHO (b) Limpeza
1703 EXECUÇÃO DO TRABALHO
1704 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Todos os cepos e raízes que se encontrem na área da
estrada, cujo diâmetro exceda 75 mm deverão ser
removidos até uma profundidade de não menos de 600
1701 ÂMBITO mm abaixo da cota da estrada acabada e um mínimo de
75 mm abaixo da cota do terreno natural. Nos locais onde
a fundação da estrada tem de ser compactada, todos os
Esta Secção cobre a desmatação do local e a limpeza cepos e raízes, incluindo as raízes emaranhadas, deverão
necessária para a construção das Obras cobertas pelo ser removidos até uma profundidade de pelo menos 200
Contrato, de acordo com estas Especificações. mm abaixo da superfície desmatada.

Excepto nas áreas de empréstimo, as cavidades


1702 DESCRIÇÃO DO TRABALHO resultantes das operações de limpeza deverão ser
aterradas com material aprovado e compactadas a uma
(a) Desmatação densidade pelo menos idêntica à do terreno circundante.

A desmatação deverá consistir na remoção de todas as


árvores, arbustos, outra vegetação, lixo, vedações e (c) Conservação de terra vegetal
demais material inconveniente, incluindo o depósito em
vazadouro de todo o material resultante da desmatação e Nos locais onde ocorra terra vegetal dentro dos limites da
limpeza. área a ser desmatada e limpa, o Empreiteiro deverá, caso
seja ordenado pela Fiscalização, remover a terra vegetal
Deverá igualmente incluir a remoção e o depósito de juntamente com quaisquer ervas e outra vegetação
estruturas que importunem, prejudiquem ou de outro modo apropriada. Se não for usada imediatamente, a terra
obstruam os trabalhos e que podem ser removidas por vegetal deverá ser transportada e depositada em montes
meio de um “bulldozer” com uma massa de para uso posterior. Não se exigirá ao Empreiteiro que
aproximadamente 20 toneladas e um motor que atinja remova terra vegetal a uma profundidade média de menos
cerca de 145kW de potência no volante do motor. As de 150 mm de qualquer área em particular.
estruturas que não podem ser removidas dessa maneira,
deverão ser demolidas de acordo com os requisitos das Este trabalho deverá ser medido e pago ao abrigo da
Especificações do Projecto para remoção e depósito de Secção 5700. Onde a terra vegetal possa ser removida
estruturas em vazadouro. sem que primeiro seja necessário efectuar desmatação e
limpeza, não será efectuado qualquer pagamento por
Não será efectuado pagamento pela movimentação de desmatação e limpeza ao abrigo da presente Secção.
terra ou cascalho que possa ser inerente ao processo de
desmatação ou inevitável durante o mesmo. A desmatação
incluirá também a remoção de todas as rochas e calhaus (d) Conservação da vegetação

1700 - 1
Onde assim estiver estabelecido nas Especificações do privados. Se necessário, as árvores deverão ser cortadas
Projecto, certas plantas especificadas que se encontrem em secções, do topo para a base. Os ramos das árvores
na reserva da estrada e áreas de empréstimo, deverão ser a serem deixadas de pé, deverão ser aparados de modo
cuidadosamente protegidas pelo Empreiteiro. Este deverá a deixar um espaço livre de 7 m acima da plataforma da
incluir, nos preços unitários por si propostos para estrada
desmatação e limpeza, a compensação total pela
cuidadosa remoção e plantio dessas plantas numa área Nos locais em que a desmatação e limpeza em
protegida e vedada, e, ao concluir a estrada, pela propriedades do Estado envolver o abate de floresta
replantação das mesmas em lugares adequados na indígena contendo um número significativo de árvores com
reserva da estrada, de acordo com as instruções da troncos cujo diâmetro exceda 200 mm, a Fiscalização
Fiscalização. informará os oficiais do Departamento Governamental
responsável, na fase de concurso, antes de se iniciar a
desmatação e limpeza dessas áreas, de modo a
1703 EXECUÇÃO DOS TRABALHOS possibilitar que esse Departamento do Governo aproveite
qualquer madeira utilizável e identifique as árvores antes
(a) Áreas a serem desmatadas e limpas de elas serem removidas.

Normalmente, as porções da reserva da estrada inseridas


nos limites do prisma da estrada e certas áreas de (c) Depósito de material
empréstimo deverão ser desmatadas e limpas. A
Fiscalização deverá designar as áreas a serem O material obtido da desmatação e limpeza deverá ser
desmatadas, as quais não deverão necessariamente depositado, conforme indicado pela Fiscalização, em
limitar-se às áreas acima mencionadas. câmaras de empréstimo ou outros lugares apropriados, e
coberto com solo ou cascalho. Normalmente, não será
Normalmente, excluir-se-ão as áreas ocupadas pelo permitida a queima de materiais, só podendo a mesma ser
prisma de uma estrada existente. feita com a prévia aprovação por escrito da Fiscalização.
Todas as disposições regulamentares respeitantes à
Não se efectuará qualquer desmatação e limpeza que não poluição atmosférica deverão ser cuidadosamente
esteja de acordo com instruções dadas por escrito pela observadas.
Fiscalização, a qual deverá definir com pormenor as áreas
exactas a serem desmatadas e limpas, e a altura em que Todos os troncos e ramos de árvores com diâmetro
isso deverá ser feito. O Empreiteiro deverá notar que, superior a 150 mm deverão ser podados de ramagens
para se evitar a repetição do trabalho, a desmatação e secundárias, serrados em comprimentos apropriados e
limpeza poderá ter de ser feita na última etapa praticável arrumados em locais indicados pela Fiscalização. Essa
da construção. madeira não será usada pelo Empreiteiro, devendo
permanecer propriedade do Dono da Obra, salvo se
As árvores individualmente designadas por escrito pela acordado de outro modo com a Fiscalização.
Fiscalização deverão ficar de pé e sem danos. Será
aplicada uma multa de US$100,00 ou o equivalente em O arame de vedações deverá ser ordenadamente enrolado
moeda local, por cada árvore que seja em bobines, e todo esse arame, juntamente com todos os
desnecessariamente removida ou danificada. postes de vedação e outro material utilizável de estruturas,
etc., deverão ser arrumados em locais indicados pela
Fiscalização.
(b) Corte de árvores

O Empreiteiro deverá tomar as necessárias precauções (d) Nova limpeza de vegetação


para evitar danos em estruturas e outros bens públicos ou

1700 - 2
Quando nas porções da reserva da estrada, áreas de (c) Etc. em intervalos de 1,0 m
empréstimos e outras que tenham sido desmatadas de de perímetro……………………………………número (Nº)
acordo com as Especificações, volte a crescer vegetação
no decurso da construção, a Fiscalização poderá, se o O perímetro das árvores ou dos cepos deverá ser medido
considerar necessário, ordenar que a área volte a ser no ponto mais estreito da árvore ou do cepo no primeiro
desmatada. metro da sua altura acima da cota do terreno natural. As
árvores e os cepos com um perímetro excedendo 1,0 m
A desmatação que voltar a ser feita em áreas deverão ser medidos individualmente e classificados de
anteriormente desmatadas inclui a remoção e depósito em acordo com a dimensão em incrementos de 1,0 m tal
vazadouro de ervas (capim), arbustos e outra vegetação, como acima indicado.
tal como se fez na primeira operação de desmatação.
Os preços unitários propostos deverão incluir a
compensação total por todo o trabalho necessário para a
1704 MEDIÇÕES E PAGAMENTO desmatação e limpeza de árvores e cepos de todos os
tamanhos, o reenchimento de buracos e a remoção e
Item Unidade depósito de material em vazadouro, tal como descrito na
presente Secção.
17.01 Desmatação e limpeza……………….hectare (ha)
Nos locais onde a construção for executada atravessando
A unidade de medição para desmatação e limpeza deverá plantações ou onde o número de árvores com um
ser o hectare (até ao 0,1 ha mais próximo) definido pela perímetro que exceda 1,0 m torne impraticável a medição
Fiscalização, e desmatado e limpo de acordo com estas individual, as Especificações do Projecto deverão estipular
Especificações. que a desmatação e limpeza de árvores em tais áreas
seja medida em hectares. Se se utilizar este método de
O preço unitário proposto deverá incluir a compensação medição, as áreas relevantes serão indicadas nos
total por todos os trabalhos necessários para a Desenhos, mencionadas nas Especificações do Projecto
desmatação da superfície, a remoção e limpeza de ou indicadas aos concorrentes durante a visita ao local.
árvores e cepos de árvores (excepto árvores e cepos de
grande porte tal como abaixo definido), corte de Nos casos em que as Especificações do Projecto
ramagens, reenchimento de covas, demolição e depósito estipularem pagamento para a desmatação e limpeza de
de estruturas em vazadouro, excepto onde disposto de árvores de grande porte por hectare em certos casos
outro modo nas Especificações de Projecto, e a remoção, específicos, o preço unitário proposto deverá incluir
transporte e depósito de material em vazadouro, tudo compensação total por todos os trabalhos tal como acima
conforme o especificado na presente Secção. descrito em relação a árvores individuais.

Item Unidade Item Unidade

17.02 Remoção e limpeza de árvores e cepos 17.03 Repetição da desmatação


de grande porte: de superfí cies (apenas por
ordens dadas por escrito pela
(a) Perímetro excedendo 1,0 m Fiscalização)…………………………………..hectare (ha)
e até 2 m inclusive……………………………..número (Nº)
A unidade de medição para uma nova desmatação de
(b) Perímetro excedendo 2 m e áreas que tenham sido previamente desmatadas será o
Até 3 m inclusive……………………………….número (Nº) hectare. A quantidade será medida até ao 0,1 ha mais
próximo.

1700 - 3
O preço unitário proposto incluirá a compensação total por
todo o trabalho necessário para a desmatação da
superfície, limpeza se necessário, reenchimento de
buracos e a remoção e depósito de material em
vazadouro, tudo conforme descrito na presente Secção.

1700 - 4
SÉRIE 2000

DRENAGEM

2100 Orgãos (dispositivos) de drenagem


2200 Passagens hidráulicas pré - fabricadas
2300 Lancis em betão, valetas de lancil em betão, descidas de água,
revestimentos em betão para canais abertos
2400 Lancis de bordadura em aterro, de asfalto e de betão
2500 Enrocamento, alvenaria de pedra e protecção contra erosão
2600 Gabiões

2000
SÉRIE 2000: DRENAGEM
A escavação de canais abertos inclui toda a escavação
SECÇÃO 2100: DISPOSITIVOS DE DRENAGEM necessária para construir um canal com uma largura de
fundo inferior a 4 m ou um canal em forma de V com
ÍNDICE taludes laterais de declive superior a 1:4 e largura total no
topo inferior a 5 m. Qualquer escavação necessária para a
2101 ÂMBITO construção de um canal com uma largura de fundo de 4 m
2102 CANAIS ABERTOS ou mais, ou de um canal em V com taludes de declive
2103 MUROS/ATERROS E DIQUES [banks & dykes] igual ou inferior a 1:4, ou onde a largura no topo exceda
2104 DRENAGEM SUBTERRÂNEA 5 m, será classificada como "corte" e será medida e paga
2105 CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAIS ao abrigo da Secção 3300.
2106 CÂMARAS DE VISITA, PASSAGENS
HIDRÁULICAS (AQUEDUTOS) E ORIFÍCIOS DE A escavação de canais abertos dentro do prisma da
LIMPEZA estrada, tais como valetas (de plataforma) em separador,
2107 MEDIÇÃO E PAGAMENTO valetas (de plataforma) laterais e valetas de banqueta
(patamar intermédio de um talude) em taludes em
escavação, será classificada como "corte" e medida e paga

2101 ÂMBITO conforme o indicado na Secção 3300, excepto quando,


devido à forma desses canais abertos, a escavação com
equipamento de escavação para grandes volumes não seja

Esta Secção cobre todo o trabalho em relação à escavação exequível e se torne necessária a escavação manual ou

e à construção de canais abertos, drenagem subterrânea, [com] equipamento de escavação especial, como pás

muros e diques, nas posições e nos tamanhos, formas, escavadoras, escavadoras de balde ou equipamento

inclinações e dimensões, tal como apresentado nos semelhante, em cujo caso tal escavação será paga como

Desenhos ou como determinado pela Fiscalização, bem uma escavação de canais abertos.

como o ensaio de escoamento dos drenos.


Os canais abertos serão construídos de acordo com o

Cobre também a limpeza de canais abertos e a reparação alinhamento, declive e secção transversal e serão assim

da drenagem subterrânea. Em circunstâncias especiais este mantidos ao longo da duração do Contrato.

trabalho pode ser executado fora da (área de) reserva da


estrada. Deverá ter-se cuidado para evitar a escavação abaixo dos
limites necessários para os canais abertos e qualquer

Cobre também a limpeza de passagens hidráulicas escavação feita para além do nível necessário deverá ser

(aquedutos) existentes, incluindo, entre outros, a retirada de reposta com material apropriado e compactada a pelo

todos os materiais indesejáveis que se acumularam nas e menos 90% da densidade AASHTO modificada, pelo

em volta das estruturas de entrada e de saída e nas Empreiteiro, à sua custa.

paredes das passagens hidráulicas (aquedutos).


O material resultante da escavação de canais abertos será
usado na construção de aterros, encostas/muros e diques,

2102 CANAIS ABERTOS ou para outros objectivos, ou será eliminado como entulho,
conforme determinado pela Fiscalização.

A escavação de canais abertos envolve a escavação de Quanto ao material resultante de escavação de canais

valetas e valas, incluindo canais/valas para dirigir o curso abertos e que não seja levado como entulho, mas usado

de correntes de água, tal como mostrado nos Desenhos ou noutro local em trabalhos de construção, será feito o

definido pela Fiscalização. pagamento pela escavação de canais abertos, bem como

2100 - 1
por qualquer item de construção permanente executado com Os diques de sanjas, os diques de crista e outros diques
tal material. O material da escavação de canais abertos que serão construídos com solo ou material granular aprovado,
for levado como entulho, será pago apenas como obtido da escavação de canais abertos, ou, se daquela
escavação de canais abertos. fonte não se obtiver nenhum material apropriado, de fontes
alternativas convenientes, e colocado de tal modo que a
Se tal for determinado pela Fiscalização, todos os canais água flua no terreno natural e contra o talude.
abertos existentes, mas excluindo os construídos pelo
próprio Empreiteiro, serão limpos e, onde necessário, Os muros/aterros e os diques serão adequadamente
reconfigurados através da remoção dos sedimentos e compactados a 90 % da densidade AASHTO modificada,
regularização dos fundos e dos taludes. As exigências em camadas de espessura não superior a 150 mm, a
especificadas para a construção de canais abertos serão menos que camadas mais espessas tenham sido aprovadas
aplicadas mutatis mutandis à limpeza e configuração dos pela Fiscalização.
canais abertos.
Se o Empreiteiro preferir, e a Fiscalização aprovar, os
A medição e o pagamento da limpeza e da configuração diques de sanjas também podem ser construídos em pedra
dos canais abertos existentes não classificados como corte, arrumada à mão, desde que os interstícios sejam
de acordo com as instruções de classificação da Sub- preenchidos com solo coesivo aprovado.
cláusula 2102 (b), serão feitos ao abrigo do Item 21.02, e
os (pagamentos) relativos aos canais abertos classificados
como corte, serão feitos nos termos dos itens apropriados 2104 DRENAGEM SUBTERRÂNEA
da Secção 3300.
(a) Materiais
Qualquer protecção com pedra argamassada de canais
abertos determinada pela Fiscalização será feita de acordo (i) Tubos
com os requisitos da Secção 2500. O revestimento em
betão de canais abertos será feito conforme o especificado Os tubos para a drenagem subterrânea deverão ter o
na Secção 2300. diâmetro interno especificado, que não será inferior a 100
mm, e serão de um dos seguintes tipos:
Todas as passagens hidráulicas indicadas pela Fiscalização
deverão ser limpas. O Empreiteiro retirará todos os (1) Tubos perfurados, de fibra de resina [pitch-fibre],
materiais indesejáveis, tais como, entre outros, todo o lodo, que cumpram a norma SABS 921 ou equivalente;
sedimento, madeira, detritos e cascalho que se acumularam
nas e à volta das estruturas de entrada e saída e nas (2) Tubos perfurados ou com ranhuras, de PVC não
paredes das passagens hidráulicas. Todos os materiais que plastificado, que cumpram a norma SABS 791 ou
resultam das operações de limpeza serão depositados em equivalente;
locais aprovados pela Fiscalização. A limpeza deverá ser
feita de preferência com ferramentas manuais para evitar (3) Tubos perfurados de polietileno de alta pressão e
danos nas estruturas de drenagem e noutras estruturas alta densidade, que cumpram as exigências da norma
existentes. O Empreiteiro reparará todas as estruturas SABS 533, Parte II, ou equivalente.
danificadas por ele, à sua custa, e a contento da
Fiscalização. O diâmetro dos furos dos tubos perfurados deverá ser
sempre de 8 mm ± 1,5 mm e o número de furos por metro
não deverá ser inferior a 26 para tubos de 100 mm e a 52
2103 MUROS/ATERROS E DIQUES para tubos de 150 mm. Os furos deverão estar distribuídos
em duas linhas para os tubos de 100 mm e como
representado nos Desenhos para os tubos de 150 mm.

2100 - 2
Os tubos com ranhuras terão uma largura de ranhura de 8 (2) Agregado britado
mm ± 1,5 mm. A disposição das ranhuras será sujeita à
aprovação da Fiscalização, mas a área total das ranhuras O agregado britado respeitará as exigências da norma
não deverá ser inferior à especificada para os furos. SABS 1083 ou equivalente e será grosso (dimensão
nominal de 19,0 mm) ou fino (dimensão nominal de 13,2
Os tubos sem furos nem ranhuras, necessários para escoar mm) conforme especificado.
a água subterrânea do sistema de drenagem propriamente O agregado será uniformemente classificado entre esses
dito ao ponto da descarga, deverão ser tubos não limites. A pedra terá um valor de Ensaio de Esmagamento
perfurados de fibra de resina, PVC ou de polietileno dos de 10% de Finos (10% FACT) de não menos que 110 kN,
tipos acima especificados, ou tubos em betão, que quando testada conforme o Método TMH1 B2 ou
cumpram as exigências da norma SABS 677 ou equivalente.
equivalente.
(3) Geral
(ii) Material permeável natural
Quando não exista areia e/ou agregado britado adequados
Os materiais permeáveis naturais para os filtros para a disponíveis nas câmaras de empréstimo e/ou pedreiras, a
drenagem subterrânea deverão ser compostos por areia Fiscalização pode exigir que sejam obtidos de fontes
e/ou agregado britado de granulometrias apropriadas. Os comerciais fora do local da obra.
materiais permeáveis naturais devem respeitar as exigências
seguintes: A Fiscalização indicará as granulometrias da areia e do
agregado britado a serem usados em cada caso, para
(1) Areia cumprir os requisitos.

A areia deverá ser areia limpa e dura, obtida de câmaras Em qualquer tipo de areia e/ou agregado britado, não mais
de empréstimo aprovadas. A areia deverá cumprir as de 5 % do material deverá passar pelo peneiro de 0,075
exigências da norma SABS 1083 ou equivalente e será de mm.
granulometria grossa, média ou fina, conforme especificado.
A dimensão nominal das partículas das diferentes (iii) Tela de filtro de fibra sintética (geotêxtil)
granulometrias será como se mostra na Tabela 2104/1.
No caso de ser especificada a utilização de tela de filtro de
fibra sintética na drenagem subterrânea, para revestimentos,
ou para qualquer outra finalidade, ela deverá cumprir os
requisitos a seguir especificados.

(iv) Composto de material de drenagem em parede


Tabela 2104/1 plana
Materiais permeáveis naturais: areia
Deverá ser utilizado o material do tipo e da marca indicado
nos Desenhos ou aprovado pelo Engenheiro.
Granulometria Dimensão nominal máxima

(tamanho do grão) das partículas (mm)

(b) Construção de sistemas de drenagem subterrânea


Grossa 4,75
Média 2,00
Fina 0,20

FACT: Fines Aggregate Crushing Test

Referência à norma SABS, Método 842

2100 - 3
(i) Com material permeável natural Os tubos perfurados e com ranhuras deverão ser ligados
por meio de uniões. Os tubos perfurados serão colocados
As valas para os sistemas de drenagem subterrânea serão com os furos para cima ou para baixo conforme prescrito.
escavadas às dimensões e declives indicados nos
Desenhos ou como determinado pela Fiscalização. A extremidade mais alta de cada tubo de drenagem
subterrânea será fechada com uma tampa de betão não
Uma camada do material permeável natural com a compactado da Classe 20/19, como mostrado nos
granulometria e espessura indicada nos Desenhos deverá Desenhos, e na extremidade mais baixa o tubo será
ser colocada no fundo da vala e ser ligeiramente incorporado numa parede frontal em betão, que constitua
compactada e regularizada, até ter o declive necessário. uma saída, ou será ligado a colectores de drenagem de
águas pluviais ou a aquedutos. O sistema completo, em
Os tubos do tipo e dimensão necessários serão então conjunto com paredes frontais, será construído num
firmemente colocados sobre o material natural, de acordo processo único, a começar na parede frontal mais baixa.
com o nível e declive adequados, e ligados conforme os
requisitos. Depois disso, a vala será enchida com o material Qualquer trecho de um sistema de drenagem subterrânea
permeável natural até à altura acima dos tubos indicada nos construído em tubos sem furos nem ranhuras será
Desenhos ou definida pela Fiscalização. O material reenchido com material de enchimento impermeável, tal
permeável natural será ligeiramente compactado e como aqui descrito. Onde conveniente, o material escavado
regularizado ao nível necessário. Novas camadas de pode ser usado para o reenchimento.
material permeável natural mais fino serão então colocadas,
ligeiramente compactadas e acabadas a uma superfície (ii) Com revestimento de polietileno para valas de
regular, como definido pela Fiscalização. O remanescente drenagem subterrânea;
da vala, se aplicável, será enchido com material
impermeável aprovado e como indicado pela Fiscalização, Onde representado nos Desenhos ou determinado pela
em camadas não superiores a 100 mm, e compactado pelo Fiscalização, as valas para sistemas de drenagem
menos à mesma densidade que o material circundante. A subterrânea serão revestidas com folhas de polietileno
vala será especialmente protegida contra a entrada de água aprovadas, de 0,15 mm de espessura. A folha de polietileno
até que a camada impermeável tenha sido concluída. A cobrirá o fundo da vala e deve estender-se para cima, dos
largura do enchimento que será medida para pagamento dois lados, até à altura definida pela Fiscalização em cada
não excederá a largura especificada para a vala. caso particular, de modo a formar um canal impermeável.
Nas juntas, as folhas de polietileno serão soldadas a
O material permeável natural será colocado em camadas quente, uma à outra, ou sobrepostas num mínimo de 200
não excedendo 300 mm de espessura de cada vez e será mm.
ligeiramente compactado. A espessura total de cada tipo de
material permeável natural deverá ser cuidadosamente Ao encher a vala com material permeável natural, deverá
controlada e quando as camadas mais finas forem tomar-se cuidado para não deslocar ou danificar o
colocadas, serão usados espaçadores convenientes. revestimento de polietileno, de forma nenhuma. O uso de
Quando forem colocadas camadas sucessivas, não deverá outros plásticos além do polietileno poderá ser considerado,
andar-se sobre a camada inferior e, tanto quanto possível, desde que o material seja de igual qualidade e seja
esta não deve ser perturbada. Deverá ter-se cuidado para aprovado pela Fiscalização.
prevenir a contaminação do material permeável natural
durante a construção do sistema de drenagem subterrânea (iii) Com tela de filtro de fibra sintética (geotêxtil)
e todo o material permeável natural contaminado pelo solo
ou por silte, será retirado e substituído pelo Empreiteiro à Onde se especificar o uso de tela de filtro de fibra sintética
sua custa. para revestir sistemas de drenagem subterrânea, a mesma
deverá ser adquirida, fornecida e instalada como

2100 - 4
especificado e mostrado nos Desenhos. O revestimento não Empreiteiro deverá localizar e remover a obstrução e repetir
deverá ser deslocado ou danificado de forma alguma, o teste.
quando a vala estiver a ser enchida com o material
permeável natural. A tela de filtro (geotêxtil) será
sobreposta tanto longitudinalmente como transversal-mente 2105 CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAIS
em pelo menos 300 mm, ou como recomendado pelo
fabricante. A sobreposição transversal será posicionada em
cima da caixa que forma o dreno e presa com arame Todas as escavações para canais abertos e sistemas de
plastificado/galvanizado, ou com fio sintético forte em drenagem subterrânea serão classificadas como se segue
intervalos de 1,0 m. A sobreposição longitudinal será na para fins de pagamento:
direcção do escoamento.

A tela de filtro (geotêxtil) deverá ser armazenada sob uma (a) Material rijo
cobertura conveniente, não deve ser exposta à luz solar
directa por períodos prolongados e deve ser protegida de Material que não pode ser escavado excepto mediante
danos físicos durante a instalação e a construção. perfuração e explosão, ou com o uso de meios pneumáticos
ou mecânicos, e os pedregulhos que excedam 0,10 m3 de
(iv) Com tela de drenagem em parede plana [em tamanho, serão classificados como material rijo.
compósito / écran drenante?]
Todo o material em que mais de 40 % (em volume) é
Onde assim especificado, os sistemas de drenagem em constituído por pedregulhos, cada um com mais de 0,10 m3
parede plana serão construídos conforme os detalhes de tamanho, será classificado como material rijo.
indicados nos Desenhos. Os elementos do sistema deverão
ser montados à superfície em comprimentos manejáveis, e
todas as superfícies expostas seladas com um (b) Material mole
geossintéctico (geotêxtil) aprovado. Os lados de vala serão
verticais, e o sistema em parede será instalado contra o Todo o material não classificado como material rijo será
lado através do qual o fluxo no subsolo é esperado. A vala classificado como material mole.
será então enchida com areia, a qual será saturada com
água após a colocação, até ao nível prescrito. A parte
superior da vala será enchida com material impermeável, 2106 CÂMARAS DE VISITA, ESTRUTURAS DE SAÍDA
que deve ser compactado à densidade do material E ORIFÍCIOS DE LIMPEZA
circundante, em camadas não excedendo 100 mm de
espessura.
As câmaras de visita, as estruturas de saída e os orifícios
de limpeza dos sistemas de drenagem subterrânea serão
(c) Teste de descarga construídos conforme os detalhes indicados nos Desenhos
ou em posições definidas pela Fiscalização.
A aceitação final de drenos subterrâneos longitudinais será
sujeita ao teste satisfatório de descarga de água após a
execução e instalação dos orifícios de limpeza. Os testes de 2107 MEDIÇÃO E PAGAMENTO
descarga serão realizados na presença do representante da
Fiscalização, fazendo uma descarga de água para o dreno
e medindo o caudal de saída, para assegurar que o dreno Item Unidade
está livre de obstruções. Caso haja sinais de obstrução, o
21.01 Escavação para canais abertos:

2100 - 5
preconizado, incluindo o transporte gratuito na distância de
(a) Escavação de material mole situado nos seguintes 1,0 km.
intervalos de profundidade abaixo do nível da superfície:
A limpeza das valetas de plataforma laterais de betão
(i) 0 m até 1,5 m .......................... metro cúbico (m3) existentes será medida e paga de acordo com o Item 21.18.

(ii) Além de 1,5 m e até 3,0 m ….. metro cúbico (m3)


Item Unidade
(iii) Etc., em incrementos de 1,5 m metro cúbico (m3)
21.03 Escavação para sistemas de drenagem
subterrânea:
(b) Extra, além do Sub-item 21.01 (a), para escavação
em material rijo, independentemente da profundidade: (a) Escavação de material mole situado dentro dos
…………………... metro cúbico (m3) seguintes intervalos de profundidade abaixo do nível da
superfície:
A unidade de medição será o metro cúbico de material
escavado de acordo com as dimensões autorizadas, medido (i) 0 m até 1,5 m .......................... metro cúbico (m3)
no local antes da escavação. A escavação para drenos
abertos será medida unicamente como definido na Sub- (ii) Além de 1,5 m e até 3,0 m …... metro cúbico
cláusula 2102 (b). (m3)

Independentemente da profundidade total da escavação, a (iii) Etc., em incrementos de 1,5 m metro cúbico (m3)
quantidade de material em cada intervalo de profundidade
será medida e paga separadamente.
(b) Extra, além do Sub-item 21.03 (a), para escavação
Os preços unitários propostos incluirão a compensação total em material duro, independentemente da
pela escavação do material aos alinhamentos, níveis e profundidade: ………………… metro cúbico (m3)
declives requeridos e o depósito do material em vazadouro
como definido, incluindo um transporte gratuito de 1,0 km. A unidade de medição será o metro cúbico do material
escavado de acordo com as dimensões autorizadas,
Para efeitos de pagamento, far-se-á distinção entre o medidas no local antes da escavação. Independentemente
material mole e rijo, como definido na Cláusula 2105. da profundidade total da escavação, a quantidade do
material em cada intervalo de profundidade será medida e
paga separadamente.
Item Unidade
Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
21.02 Limpeza e reperfilamento de canais abertos pela escavação do material aos alinhamentos, níveis e
existentes: ........................................... metro cúbico (m3) declives requeridos, toda a entivação e o escoramento
temporários e o depósito do material em vazadouro, como
A unidade de medição será o metro cúbico de sedimento definido, incluindo um transporte gratuito de 1,0 km. Para
retirado, medido no local antes da remoção. efeitos de pagamento, será feita uma distinção entre o
material mole e duro, como definido na Cláusula 2105.
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
escavação do material, protecção dos órgãos de drenagem Onde os sistemas de drenagem subterrânea sejam
existentes, reperfilamento do fundo e das paredes dos adjacentes a estruturas como aquedutos, aquela parte da
canais abertos e o depósito em vazadouro do material como escavação para sistemas de drenagem subterrânea que

2100 - 6
pode ser feita alargando a escavação da estrutura será com as dimensões autorizadas. O volume ocupado pelo
medida e paga ao abrigo da escavação para tal estrutura, e tubo será deduzido quando se calcular o volume do material
não como escavação para sistemas de drenagem permeável.
subterrânea.
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
aquisição, fornecimento e transporte das áreas de
Item Unidade empréstimo e aplicação do material como especificado.

21.04 Reenchimento com material impermeável para Para efeitos de pagamento, será feita uma distinção entre
sistemas de drenagem subterrânea: metro as diferentes granulometrias de agregado britado.
cúbico (m3)
(b) Agregado britado obtido de fontes comerciais
A unidade de medição será o metro cúbico de enchimento (indicar a granulometria): .................... metro cúbico (m ³)
concluído, medido no local nos sistemas de drenagem de A unidade de medição será o metro cúbico de agregado
subsolo e calculado de acordo com as dimensões britado aprovado, aplicado nos drenos, calculado de acordo
autorizadas. com as dimensões autorizadas. O volume ocupado pelos
tubos será deduzido quando se calcular o volume do
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela material permeável.
aquisição, fornecimento, colocação, compactação do
enchimento e um transporte gratuito de 1,0 km. O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
aquisição, fornecimento e transporte do agregado britado
aprovado de fornecedores comerciais, incluindo o preço do
Item Unidade transporte do material ao local da obra, e aplicação do
material como especificado. Para efeitos de pagamento será
21.05 Aterros e diques ...................... metro cúbico (m3) feita uma distinção entre as diferentes granulometrias de
agregado britado.
A unidade de medição será o metro cúbico de material,
medido no local dos aterros ou diques, e calculado de
acordo com as dimensões autorizadas. Item Unidade

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela 21.07 Material permeável natural em sistemas de
aquisição, fornecimento, colocação, rega, compactação, drenagem subterrânea (areia):
perfilamento e regularização do material nos aterros e
diques e um transporte gratuito de 1,0 km. (a) Areia obtida de fontes aprovadas no local da obra
(indicar a granulometria): .................... metro cúbico
(m3)
Item Unidade
A unidade de medição será o metro cúbico de areia
21.06 Material permeável natural em sistemas de aprovada, aplicada nos drenos, calculado de acordo com as
drenagem subterrânea (agregado britado): dimensões autorizadas. O volume ocupado pelos tubos será
deduzido quando se calcular o volume do material
(a) Agregado britado obtido de fontes aprovadas no permeável.
local da obra (indicar a granulometria): metro cúbico (m3)
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
A unidade de medição será o metro cúbico de agregado aquisição, fornecimento, transporte das áreas de empréstimo
britado aprovado aplicado, nos drenos, calculado de acordo e aplicação da areia como especificado.

2100 - 7
Para efeitos de pagamento, será feita uma distinção entre
as diferentes granulometrias de areia. Item Unidade

(b) Areia de fontes comerciais (indicar a 21.09 Tela de polietileno com 0,15 mm de espessura ou
granulometria): ………………. metro cúbico (m3) material semelhante aprovado, para revestimento de
sistemas de drenagem subterrânea: metro quadrado
A unidade de medição será o metro cúbico de areia (m2)
aplicada nos drenos, calculado de acordo com as
dimensões autorizadas. O volume ocupado pelos tubos será A unidade de medição será o metro quadrado de tela de
deduzido quando se calcular o volume do material polietileno aplicada, medida pelas dimensões especificadas.
permeável.
O preço unitário proposto incluirá a compensação total da
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela aquisição, fornecimento, corte, sobreposição, ligação,
aquisição, fornecimento, transporte a partir de fornecedores aplicação e protecção da tela como especificado, bem como
comerciais, incluindo o custo de transporte do material para para eventuais perdas.
o local da obra, e aplicação do material como especificado.

Item Unidade
Item Unidade
21.10 Tela de filtro de fibra sintética (Geotêxtil)
21.08 Tubos em sistemas de drenagem subterrânea: (descrever o tipo, classe, etc.): ......... metro quadrado (m2)

(a) Tubos de celulose e alcatrão [pitch-fibre] e A unidade de medição será o metro quadrado de tela de
acessórios, incluindo uniões (indicar diâmetro e se é ou não filtro fornecida e aplicada como especificado.
perfurado) ………………. metro linear (m) O preço proposto incluirá a compensação total pela
aquisição, fornecimento, corte, sobreposição, ligação,
(b) Tubos de PVC não plastificado e acessórios, de tipo colocação e protecção da tela de filtragem como
comum, incluindo uniões, (indicar o diâmetro e se é ou não especificado, bem como para eventuais perdas.
perfurado ou com ranhuras): .................... metro linear (m)

(c) Tubos de polietileno de alta pressão e de alta Item Unidade


densidade e acessórios, incluindo uniões (indicar o
diâmetro, o tipo e a classe e se é ou não perfurado): 21.11 Composto de material de drenagem em parede
………. … metro linear (m) plana (descrever o tamanho, tipo, classe, etc.): . metro (m)

(d) Tubos de betão (indicar o tipo e diâmetro): ... metro A unidade de medição será o metro do material de
linear (m) drenagem em parede plana medido no local ao longo do
eixo do sistema.
A unidade de medição dos tubos será o metro linear de
tubo, medido no local ao longo do seu eixo, incluindo o O preço unitário proposto incluirá a compensação total da
comprimento das ligações. aquisição, fornecimento, montagem, instalação e ligação do
sistema de drenagem em parede plana, incluindo tubos
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela perfurados ou outros tipos de tubos, completos como
aquisição, fornecimento, assentamento e aplicação de especificado.
acessórios, incluindo uniões, como especificado.

2100 - 8
Item Unidade Item Unidade

21.12 Estruturas de saí da em betão, caixas de visita, 21.14 Reparação ou substituição de sistemas de
caixas de ligação [derivação? junctionboxes] e drenagem existentes: .............................. quantia provisória
orifí cios de limpeza para sistemas de drenagem
subterrânea A quantia provisória prevista para reparação ou substituição
de sistemas de drenagem existentes será utilizada nos
(a) Estruturas de saída ............................. número (Nº) termos das Condições Gerais do Contrato.

(b) Caixas de visita .................................. número (Nº)


Item Unidade
(c) Caixas de ligação (derivação) ............. número (Nº) 21.15 Transporte “a mais” para o material transportado
além de 1,0 km de transporte gratuito (transporte
(d) Orifícios de limpeza ............................ número (Nº) normal): ……………. metro cúbico por quilómetro
(m3/km)
A unidade de medição será o número de estruturas de
saída, de caixas de visita, de caixas de ligação (derivação) A medição e o pagamento para o “transporte a mais” do
e de orifícios de limpeza de sistemas de drenagem material mencionado nos Itens 21.01, 21.02, 21.03, 21.04,
subterrânea, construídos de acordo com os detalhes dos 21.05, 21.06, 21.07 e 21.16 serão feitos de acordo com a
Desenhos e as instruções da Fiscalização. Secção 1600 e as quantidades a serem transportadas “a
mais” serão enumeradas na Cláusula 2107.
Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
de toda a escavação, enchimento, compactação a 90 % da
densidade modificada AASHTO, depósito em vazadouro do Item Unidade
excesso de material escavado, manutenção da segurança
da escavação, controlo de qualquer água superficial ou 21.16 Reperfilamento de valetas de plataforma laterais
subterrânea, aquisição e fornecimento de todos os existentes erodidas: ............................... metro cúbico (m ³)
materiais, fornecimento, montagem e remoção das
cofragens, mistura, transporte, colocação e cura do betão e A unidade de medição será o metro cúbico do material
toda a mão-de-obra e equipamento de construção granular aprovado colocado e compactado a 93 % da
necessários para a execução das estruturas de saída em densidade AASHTO modificada, medido no local depois da
betão, caixas de visita, caixas de ligação (derivação) e compactação, onde indicado pela Fiscalização.
orifícios de limpeza, completos como especificado.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela


Item Unidade regularização das valetas de plataforma laterais, depósito
em vazadouro do material resultante e aquisição,
21.13 Tampas em betão para tubos de dreno: ......…….. fornecimento, transporte, colocação e compactação do
número (Nº) material granular e o transporte gratuito de 1,0 km.

A unidade de medição será o número de tampas


fornecidas, e o preço unitário proposto incluirá a Item Unidade
compensação total pelo fornecimento e instalação das
tampas. 21.17 Teste de descarga de tubos de drenagem
subterrânea: .................................................. número (Nº)

2100 - 9
A unidade de medição será o metro cúbico de material
A unidade de medição será o número de testes compactado e a quantidade será calculada a partir das
satisfatoriamente concluídos em trechos do dreno dimensões autorizadas dadas nos Desenhos.
desbloqueados. Não se fará nenhum pagamento por testes
que tenham de ser repetidos devido a tubos bloqueados ou O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
mão-de-obra deficiente. aquisição, como se se tratasse de uma escavação mole ou
de uma câmara de empréstimo, a desagregação, colocação
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pelo e compactação do material em camadas de 150 mm, o
fornecimento de um tanque de água, água, equipamento e transporte gratuito a uma distância de 1,0 km, e a
mão-de-obra necessários para executar os testes, regularização da superfície superior de acordo com os
completos como especificado. Desenhos.

Item Unidade

21.18 Escavação para a limpeza dos sistemas de


drenagem existentes:

(a) Caixas de visita e estruturas de entrada e de saída:


................................................... metro cúbico (m ³)

(b) Abóbadas da galeria de escoamento (colectores)


[culvert barrels] …………metro cúbico (m ³)

(c) Valetas de plataforma laterais de betão metro cúbico


…………………. (m ³)

A unidade de medição será o metro cúbico do material


escavado e removido, medido no local antes da escavação.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela


escavação do material, protecção dos órgãos de drenagem
existentes, controlo de qualquer água superficial ou
subterrânea e depósito em vazadouro do material escavado,
incluindo o reperfilamento e o corte de sedimentos
amontoados. O preço unitário proposto incluirá também a
compensação total pelo transporte gratuito do material
escavado a uma distância de 1,0 km.

Item Unidade

21.19 Material de enchimento seleccionado sob as


valetas de plataforma laterais de betão, compactado a 93
% da densidade AASHTO modificada: …….. metro cúbico
(m ³)

2100 - 10
SÉRIE 2000: DRENAGEM estruturas de entrada e de saída, caixas de visita e outras
estruturas afins.
SECÇÃO 2200: PASSAGENS HIDRÁULICAS
(AQUEDUTOS) PRÉ-FABRICADAS
2202 TIPOS DE PASSAGENS HIDRÁULICAS

ÍNDICE
Para os fins desta especificação, o termo "passagens
2201 ÂMBITO hidráulicas pré-fabricadas" significa aquedutos construídos
2202 TIPOS DE PASSAGENS HIDRÁULICAS em:
(AQUEDUTOS)
2203 MATERIAIS (a) manilhas pré-fabricadas em betão com secções
2204 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO circulares, daqui em diante designados por "aquedutos em
2205 ESCAVAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO PELO manilhas de betão";
MÉTODO DA VALA
2206 PREPARAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO PELO (b) elementos tubulares pré-fabricados em betão, mas
MÉTODO DO ATERRO não em secções circulares, daqui em diante designados por
2207 CONDIÇÕES DE FUNDAÇÃO IMPRÓPRIAS "aquedutos em pórtico” [portal culverts] ou “aquedutos
2208 CLASSIFICAÇÃO DA ESCAVAÇÃO rectangulares";
2209 DEPÓSITO EM VAZADOURO DO MATERIAL
ESCAVADO (c) elementos tubulares em chapa metálica ondulada,
2210 COLOCAÇÃO E ASSENTAMENTO DE com secção circular e secção abobadada, daqui em diante
PASSAGENS HIDRÁULICAS PRÉ-FABRICADAS designados por "aquedutos metálicos"; Outros tipos de
2211 ATERRO DE PASSAGENS HIDRÁULICAS PRÉ- passagens hidráulicas pré-fabricadas não mencionados
FABRICADAS acima, se necessários, serão especificados nas
2212 ESTRUTURAS DE ENTRADA E DE SAÍDA, Especificações de Projecto ou no Mapa de Quantidades ou
SARJETAS [catchpits] E CAIXAS DE INSPECÇÃO nos Desenhos.
(ou DE VISITA)
2213 REMOÇÃO DO TRABALHO EXISTENTE
2214 LIGAÇÃO DE TRABALHO NOVO A TRABALHO 2203 MATERIAIS
ANTIGO
2215 CONDUTAS DE SERVIÇO Os elementos em betão (manilhas) dos aquedutos pré-
2216 PASSAGENS HIDRÁULICAS EM DECLIVES fabricados deverão ser produzidos industrialmente por um
ACENTUADOS fabricante de boa reputação e deverão cumprir os seguintes
2217 COLECTORES DE ÁGUAS PLUVIAIS, “TREMIES” E requisitos:
OUTRAS CONDUTAS CONDUTAS FECHADAS
2218 MEDIÇÃO E PAGAMENTO
(a) Elementos (manilhas) pré-fabricados em betão
para aquedutos
2201 ÂMBITO
Os elementos (manilhas) pré-fabricados em betão para
aquedutos deverão cumprir as exigências da norma SABS
Esta Secção cobre o trabalho relacionado com a construção 677 ou equivalente. Deverão ser fornecidas manilhas com
de elementos pré-fabricados de passagens hidráulicas e uniões em “ogee” (tipo macho/fêmea), a menos que seja
outras condutas fechadas, tais como colectores de águas especificado de outra forma.
pluviais, “tremies” e condutas de serviço, juntamente com

2200 - 1
primário aprovado de resina epóxi com elevado teor de
(b) Elementos pré-fabricados em betão para zinco, que cumpra as exigências da norma SABS 926 ou
aquedutos em pórtico ou rectangulares equivalente, conforme as instruções do fabricante, ou como
indicado pela Fiscalização.
Os elementos pré-fabricados em betão para aquedutos em
pórtico e rectangulares cumprirão as exigências da norma
SABS 986 ou equivalente. (d) Material granular fino

Onde quer que nesta Secção seja especificado o uso de


(c) Elementos em chapa metálica ondulada para material granular fino para o assentamento de passagens
aquedutos hidráulicas, ele significará areia ou outro material sem
coesão, que deverá passar inteiramente através do peneiro
Os elementos (peças) em chapa metálica ondulada para de 6,7 mm e não mais do que 10% passará através do
aquedutos cumprirão as exigências da norma CKS 176 ou peneiro de 0,15 mm.
equivalente para aquedutos circulares e abobadados
rebitados ou de encaixe, e CKS 437 ou equivalente para
aquedutos circulares ou abobadados em multichapa (e) Revestimento protector para aquedutos metálicos
[multiplate].
Onde haja probabilidade de o solo ou a água causarem
Os aquedutos metálicos serão fornecidos com as corrosão excessiva de aquedutos metálicos, a Fiscalização
extremidades de entrada e saída acabadas por um dos dois pode determinar que os elementos pré-fabricados sejam
métodos seguintes, consoante o indicado nos Desenhos ou protegidos através da aplicação de uma camada protectora
pela Fiscalização: de mástique asfáltico. O revestimento será aplicado no
interior, no exterior ou em ambos os lados dos elementos
(i) Quando não são necessárias estruturas de entrada dos aquedutos metálicos, como definido pela Fiscalização.
e saída em betão mas apenas extremidades em cunha, os
elementos de entrada e saída serão chanfrados para ajustar O revestimento de asfalto deverá ser de uma marca
o ângulo de inclinação dos aquedutos ao declive do talude comercial registada, e deverá conter fibras de amianto e um
do aterro e do pavimento. fíler (material de enchimento) aprovado e será fornecido
para aplicação com pulverizador ou com pincel, conforme
(ii) Quando são necessárias estruturas de entrada e prescrito.
saída em betão, as extremidades dos aquedutos serão
cortadas com a inclinação adequada (se necessário) e As superfícies a proteger devem ser limpas para retirar toda
dotadas de parafusos de ancoragem projectados a humidade, sujidade, óleo, tinta, massa, álcalis, ferrugem,
radialmente em redor do bordo, tal como indicado nos incrustações, ou outra matéria nociva.
Desenhos, para fixar o aqueduto metálico às estruturas de
entrada e saída em betão. O produto deverá ser misturado até que todas as fibras de
amianto (asbesto) e o fíler estejam uniformemente
O Empreiteiro não deverá armazenar quaisquer elementos distribuídos.
de aquedutos empilháveis no local da obra, de tal maneira
que a humidade se possa acumular entre as faces de O revestimento asfáltico para pulverização deverá ser
contacto das unidades armazenadas, uma vez que isso aplicado por meio de uma pistola sem introdução de ar, e
pode afectar o revestimento zincado e levar à rejeição dos deverá ser de uma consistência adequada sem a adição de
elementos. Qualquer unidade danificada pela corrosão, se uma quantidade nociva de diluentes.
não rejeitada, será reparada limpando todas as áreas
afectadas e aplicando pelo menos duas camadas de um

2200 - 2
O revestimento para aplicação com pincel deverá ser
aplicado com um pincel comum de telhado, com a segunda Os defeitos seguintes serão considerados como trabalho
camada aplicada em ângulos apropriados relativamente à imperfeito, e a presença de todos ou algum desses defeitos
primeira camada. ou qualquer outro defeito em qualquer elemento individual
ou em geral, constituirão razão suficiente para rejeição:
A espessura final da película medida na crista das
ondulações deverá ter um mínimo de 1,3 mm ou outra Juntas desniveladas, formas distorcidas, desvios do eixo,
espessura eventualmente especificada. lados irregulares ou com roturas diagonais, rebites soltos,
rebites não alinhados ou irregularmente espaçados, cabeças
Deverá ter-se cuidado para não danificar o revestimento de rebites mal acabadas, marcas comerciais ilegíveis ou
protector, e todo o dano causado ao revestimento será falta de rigidez.
reparado antes de o aqueduto ser posto em uso.

(h) Materiais nas juntas


(f) Extremidades oblí quas
O material de filtragem e de selagem de juntas cumprirá as
Onde os aquedutos devam ser construídos obliquamente à exigências da Cláusula 6603.
estrada, os elementos (peças) de entrada e saída do
aqueduto serão fornecidos pelo fabricante com as
inclinações adequadas, se solicitado. Não é permitido o (j) Betão in situ
corte de extremidades inclinadas no local.
Todo o trabalho em betão será executado conforme os
Os elementoss rectangulares e em pórtico serão providos requisitos das Secções 6200, 6300 e 6400.
de topos quadrados e quaisquer porções que de outra
forma seriam cortadas, prolongar-se-ão para além dos
muros de testa do aqueduto. 2204 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO

Onde definido pela Fiscalização, as passagens hidráulicas


(aquedutos) rectangulares e em pórtico serão providos de As passagens hidráulicas (aquedutos) pré-fabricadas serão
extremidades inclinadas construídas em betão armado construídas por um dos seguintes métodos:
moldado in situ, conforme os detalhes indicados nos
Desenhos. (a) O "método da vala", em que os elementos são
assentes numa vala escavada abaixo do nível actual do
solo ou numa vala escavada nas camadas previamente
(g) Defeitos construídas da fundação do pavimento e, se necessário, da
sub-base;
Todos os elementos partidos, torcidos, lascados, fissurados,
amolgados, corroídos, ou de qualquer modo danificados, (b) O "método do aterro", em que os elementos são
serão reparados a contento da Fiscalização ou, onde isso colocados aproximadamente ao nível da superfície do solo e
não for possível, serão retirados e substituídos por o aterro é então construído de ambos os lados e por cima
elementos não danificados. do aqueduto.

Elementos dos aquedutos que sejam mais finos do que a Os aquedutos serão construídos pelo método indicado nos
espessura especificada, ou com o revestimento de zinco Desenhos ou especificado nas Especificações do Projecto.
danificado ou quebrado, ou que revele sinais de trabalho
defeituoso, serão rejeitados.

2200 - 3
Os tamanhos maiores de aquedutos metálicos e dos iniciada, deverá ser a cobertura mínima especificada nos
aquedutos em pórtico ou rectangulares serão normalmente Desenhos para o tipo de manilha e camada de
construídos segundo o método do aterro. assentamento em que será aplicado.

A drenagem superficial será controlada pela construção de O valor mínimo pelo qual a escavação deve exceder o nível
bermas temporárias de terra e canais de drenagem. proposto para o fundo do aqueduto será de 75mm, ou outro
valor que seja necessário para acomodar o tipo de camada
O Empreiteiro obedecerá estritamente a todas as de assentamento exigida para o aqueduto, em cada caso.
disposições legais apropriadas a respeito de escavações de
valas. (ii) Aquedutos em pórtico e rectangulares

A altura mínima da construção do aterro acima do aqueduto


2205 ESCAVAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO PELO proposto, antes de a escavação poder ser iniciada, será de
MÉTODO DA VALA 100mm ou a indicada nos Desenhos, caso esta seja maior.

O valor mínimo pelo qual a escavação deve exceder o nível


(a) Profundidade de escavação proposto do fundo da laje da soleira do aqueduto será
75mm no caso de aquedutos com laje de soleira pré-
No caso de passagens hidráulicas construídas pelo método fabricada. No caso de aquedutos com laje de soleira
da vala, o Empreiteiro construirá primeiro o aterro, o leito betonada in situ, a escavação deverá acomodar
do pavimento (fundação) e, se necessário, a sub-base, de exactamente a laje da soleira.
forma a constituir uma cobertura mínima, acima do nível
proposto para o topo do aqueduto, como descrito em (iii) Aquedutos metálicos
seguida para os vários tipos de aqueduto. O Empreiteiro
poderá então começar a escavação da vala para o A altura mínima da construção do aterro acima do aqueduto
aqueduto. metálico proposto, antes da escavação poder ser começada,
será a cobertura mínima especificada nos Desenhos para o
A dimensão pela qual a escavação deve exceder a cota tipo de aqueduto metálico, ou 0,25 vezes o diâmetro de
proposta para a soleira do aqueduto será suficiente para aquedutos circulares, com um mínimo de 0,3m, ou 0,25
permitir a aplição do tipo e espessura do material de vezes o vão dos aquedutos abobadados, caso este último
assentamento, como especificado ou como indicado nos valor seja maior.
Desenhos.
O valor mínimo pelo qual a escavação deve exceder o nível
A cobertura mínima acima do topo do aqueduto e a proposto para o fundo do aqueduto será de 75mm, ou outro
profundidade mínima da escavação abaixo do fundo do valor necessário para acomodar o tipo de camada de
aqueduto serão como especificado na Sub-cláusula assentamento exigida para o aqueduto, em cada caso.
2205(a).

Apesar das disposições da Sub-cláusula 2205(a), a base (b) Largura da escavação


não deverá ser construída antes de o aqueduto e o
reenchimento terem sido concluídos. As larguras das escavações serão suficientes para permitir
a colocação adequada, o assentamento e o aterro dos
(i) Aquedutos em manilhas de betão aquedutos. As larguras da escavação para cada tipo e
dimensão de aqueduto serão as indicadas nos Desenhos ou
A altura mínima da construção do aterro acima do aqueduto as que forem definidas pela Fiscalização, por escrito.
em manilhas proposto, antes que a escavação possa ser

2200 - 4
Se a largura de uma escavação for aumentada devido ao
deslizamento ou desmoronamento da parede da vala, o Outros métodos de construção especiais podem ser
Empreiteiro informará imediatamente a Fiscalização e não indicados nos Desenhos ou nas Especificações do Projecto
prosseguirá com a colocação de aquedutos nem aterros, até (Caderno de Encargos), em casos específicos.
que a Fiscalização tenha analisado as circunstâncias e
tenha dado instruções quanto à necessidade de alterar a
classe do aqueduto ou o tipo de camada de assentamento. 2208 CLASSIFICAÇÃO DA ESCAVAÇÃO

2206 PREPARAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO PELO Todas as escavações para aquedutos pré-fabricados serão
MÉTODO DE ATERRO classificadas de acordo com a Cláusula 2105 para fins de
pagamento.

Quando os aquedutos devam ser construídos pelo método


de aterro, como definido na Cláusula 2204 acima, o 2209 DEPÓSITO EM VAZADOURO DO MATERIAL
Empreiteiro nivelará o terreno existente, escavando, ESCAVADO
enchendo e compactando como necessário para obter
exactamente o declive necessário e uma densidade
uniforme em toda a extensão do aqueduto. Quando o material escavado não satisfaz os requisitos para
material de enchimento como especificado a seguir, ou é
O nível do solo preparado para o assentamento do demasiado em relação às necessidades de reenchimento,
aqueduto deverá estar à mesma profundidade abaixo do tal material será retirado do local e usado para a
nível proposto do fundo do aqueduto, como especificado reabilitação de câmaras de empréstimo, ou em outros
anteriormente na Cláusula 2205, para os vários tipos de locais, como definido pela Fiscalização.
aquedutos.
Contudo, o material que for apropriado para utilização nos
Trabalhos será usado conforme o prescrito pela
2207 CONDIÇÕES DE FUNDAÇÃO IMPRÓPRIAS Fiscalização.

O pagamento de tal material será feito tal como para a


Onde o fundo da vala não proporcionar uma fundação escavação ao abrigo do item 22.01, e também ao abrigo do
suficientemente firme para o aqueduto por se ter encontrado item apropriado para a parte dos Trabalhos que possam ser
material demasiado mole, lamacento ou de qualquer forma construídos com esse material.
inapropriado, o material impróprio será escavado até uma
profundidade abaixo do fundo do aqueduto a indicar pela Todo o material escavado será sujeito a uma distância de
Fiscalização. O Empreiteiro deverá escavar o material transporte gratuito de 1,0 km.
impróprio até à profundidade indicada e substituí-lo por
cascalho ou outro material aprovado devidamente
compactado para proporcionar uma base de terra firme. 2210 COLOCAÇÃO E ASSENTAMENTO DE
PASSAGENS HIDRÁULICAS (AQUEDUTOS) PRÉ-
A largura da escavação e da camada de assentamento FABRICADAS
serão como prescrito pela Fiscalização, mas no caso de
aquedutos a serem construídos pelo método de aterro, a (a) Aquedutos em manilhas de betão
largura será pelo menos de um diâmetro (aquedutos
circulares) ou do vão (aquedutos abobadados), consoante o Os aquedutos em manilhas de betão serão colocados em
caso, para cada lado do aqueduto. camadas de assentamento da Classe A, B, C ou D, tal

2200 - 5
como mostrado nos Desenhos ou como indicado pela estabilizado conforme os detalhes mostrados nos Desenhos
Fiscalização. As extremidades das manilhas devem ser bem ou como prescrito pela Fiscalização.
fixadas umas contra as outras, para obter juntas fechadas.
As manilhas com juntas de encaixe (do tipo macho/fêmea) (iv) Fundação em rocha
serão colocadas com as saliências apontadas para jusante.
As juntas serão seladas no exterior com duas camadas de Onde for encontrada rocha, xisto ou outro material duro no
geotêxtil impregnadas em betume, como especificado na fundo de escavações, a colocação de tubos em camada de
Sub-cláusula 2210 (b). assentamento da Classe B será feita como se segue:

Os interiores dos aquedutos serão lisos e sem qualquer (1) O material abaixo do tubo será escavado e
junta deslocada. Todos os tubos serão colocados de acordo substituído por uma camada de areia, cascalho ou solo
com o alinhamento e o nível definidos. aprovado, até à profundidade mostrada nos Desenhos ou
prescrita pela Fiscalização. Tal material será classificado
(i) Camada de Assentamento da classe A como material de reenchimento para efeitos de pagamento.

O aqueduto será colocado com a sua parte inferior numa (2) O material de reenchimento será regado e
camada de betão de 20 MPa com espessura especificada compactado para se obter uma almofada de terra firme. A
sob a parte inferior do tubo, devendo o betão prolongar-se camada de assentamento da Classe B deve então ser
para cima, dos dois lados do aqueduto, até uma porção preparada conforme descrito na Sub-cláusula 2210 (a).
especificada da sua altura.
(v) Envolvimento em betão
Antes da betonagem, as manilhas serão apoiadas em
suportes de formas apropriadas, ao nível correcto. Não Onde indicado nos Desenhos ou determinado pela
serão permitidas juntas de construção longitudinais no plano Fiscalização, as manilhas serão totalmente encaixadas no
horizontal. betão consoante a classe e as dimensões, como indicado
nos Desenhos ou definido pela Fiscalização. Devem ser
(ii) Camadas de assentamento da Classe B e da colocados apoios junto das extremidades das manilhas para
Classe C suportar os tubos durante a colocação do betão. O betão
será colocado de forma a encher completamente todos os
O aqueduto será colocado numa camada de assentamento espaços debaixo do aqueduto. Deverão usar-se vibradores
de material granular compactado, como especificado. A de Poker (de agulha?), para assegurar o adequado
camada de assentamento deve estender-se para cima, dos enchimento com betão de todos os espaços por baixo e em
dois lados do aqueduto, até uma porção especificada da redor das manilhas. O envolvimento em betão deverá ser
sua altura, como mostrado nos Desenhos. Deverão fazer- executado numa única operação contínua, até ficar
se, na camada de assentamento, reentrâncias para as concluído.
juntas das manilhas [pipe sockets & couplings], para
garantir que cada manilha fica totalmente apoiada na
camada de assentamento ao longo de todo o comprimento. (b) Aquedutos em pórtico e rectangulares

(iii) Camada de assentamento da Classe D (i) Lajes de fundo betonadas in situ

As manilhas serão colocadas no material in situ, no fundo Lajes de fundo betonadas in situ serão construídas com as
da escavação, após o fundo ter sido alisado manualmente dimensões e nos locais indicados nos Desenhos ou
para suportar o tubo ao longo de todo o seu comprimento, prescritos pela Fiscalização. As mesmas deverão ser
conforme os detalhes mostrados nos Desenhos. Onde armadas com armadura de aço como detalhado nos
necessário, o material in situ será primeiramente Desenhos. Deverão ser executadas juntas, dos tipos

2200 - 6
descritos nos Desenhos, nas lajes de fundo e entre as lajes A escavação deverá ser ajustada à forma da soleira do
de fundo e as estruturas de entrada e de saída. aqueduto, e uma camada de assentamento de material
granular fino com não menos de 75 mm será colocada,
(ii) Lajes de fundo pré-fabricadas regada, compactada, sendo-lhe dada a forma adequada
para permitir que os aquedutos sejam assentes tal como
Uma camada de material de granulometria fina com pelo indicado nos Desenhos.
menos 75 mm de espessura será colocada no fundo da
escavação, nivelada, compactada e ajustada ao alinhamento Onde for encontrada rocha, a profundidade da escavação
e inclinação adequados, para formar uma camada de deverá estender-se até uma profundidade de pelo menos
assentamento para receber as lajes pré-fabricadas. 200 mm abaixo da soleira do aqueduto, e será enchida
As lajes serão cuidadosamente colocadas na camada de com material granular, como anteriormente indicado.
assentamento que foi preparada, com alinhamento e Os aquedutos serão colocados de acordo com as
inclinação correctos, assentes de forma a serem recomendações do fabricante, como aprovado pela
uniformemente suportadas em toda a sua área, pela Fiscalização. Onde estas Especificações forem
camada de assentamento. inconsistentes com as recomendações do fabricante, estas
Especificações terão preferência. Deverão ser postos
(iii) Colocação dos elementos (peças) dos aquedutos parafusos de ancoragem nos topos dos aquedutos
em pórtico metálicos, conforme as instruções do fabricante, para
ligação dos tubos aos muros de testa de entrada e de
Os elementos (peças) dos aquedutos em pórtico e saída, devendo estes muros de testa ser construídos tão
rectangulares serão colocados precisa e simetricamente nas cedo quanto possível após a colocação dos aquedutos.
lajes de fundo, com uma camada fina de argamassa de
uma parte de cimento para seis partes de areia entre as Na colocação de aquedutos metálicos não se deve usar
superfícies de contacto para assegurar um apoio firme e nenhuma camada de assentamento ou de envolvimento em
uniforme. betão.

Os elementos serão encaixados ponta a ponta através de Onde prescrito, a soleira de aquedutos metálicos com
juntas de topo que serão cobertas com duas camadas de diâmetros ou vãos (aquedutos abobadados) superiores a
geotêxtil de 340 g/m2, pré-impregnadas com uma emulsão 1500 mm que são colocados em declives acentuados, será
betuminosa, ou material semelhante aprovado. A faixa de protegida com uma camada de betão com as dimensões e
geotêxtil deverá ter pelo menos 150 mm de largura e ser classe indicadas nos Desenhos.
colocada simetricamente por cima da junta. Os elementos
dos aquedutos serão primeiramente tratados com um
primário de emulsão betuminosa a 60% sobre toda a (d) Extensão de aquedutos existentes
largura da faixa de geotêxtil.
Onde um aqueduto existente necessitar de extensão ou de
Quando dois ou mais aquedutos forem colocados lado a substituição de um elemento (ou peça), a nova secção será
lado para formar uma passagem hidráulica múltipla, o colocada com a mesma inclinação e, onde ela se junta à
espaço entre os aquedutos será enchido com betão até ao estrutura existente, ao mesmo nível que esta.
nível do topo da passagem hidráulica. Onde prescrito,
aplicar-se-á geotêxtil nas faces exteriores verticais, Quaisquer partes de muros de ala existentes, lajes de
conforme os detalhes mostrados nos Desenhos. aproximação e muros de testa que possam obstruir
qualquer novo trabalho, serão demolidos e removidos. As
extremidades do aqueduto existente não deverão ser
(c) Aquedutos metálicos danificadas, mas, no caso de ocorrerem danos, o trabalho
de reparação deverá ser feito antes da colocação de

2200 - 7
qualquer porção de betão fresco ou peças de aqueduto de manutenção, serão retiradas e substituídas pelo
novas. O material solto será retirado e as juntas Empreiteiro à sua própria custa.
completamente limpas, a contento da Fiscalização.
Os elementos pré-fabricados serão levantados e
As juntas serão feitas conforme a Cláusula 2214. manuseados apenas por meio de dispositivos de elevação
aprovados. Os orifícios para a elevação serão fechados com
Depois da execução da extensão ou substituição parcial de uma argamassa apropriada após os elementos terem sido
um aqueduto, novas lajes de aproximação, muros de testa, aplicados.
muros de ala, sarjetas, etc., serão construídos de acordo
com os Desenhos e com a Cláusula 2212. O Empreiteiro deverá ter o cuidado devido para não
danificar, sobrecarregar ou deslocar qualquer aqueduto pré-
fabricado com o seu próprio tráfego ou equipamento de
(e) Construção de aquedutos a meia largura, em compactação. Quando haja probabilidade de cargas que
estradas existentes excedam os limites prescritos nas disposições normativas
apropriadas, passarem por cima de aquedutos concluídos, o
Se necessário para acomodar o tráfego ou por quaisquer Empreiteiro providenciará uma cobertura adicional sobre os
outras razões, ou se assim determinado pela Fiscalização, aquedutos, para assegurar que as tensões de
os aquedutos serão construídos em metade da largura da dimensionamento dos aquedutos não serão excedidas.
estrada, de cada vez.
Todo o trabalho em betão será executado conforme as
A menos que seja preconizado de outro modo, a secção disposições da Série 6000.
para jusante será construída primeiro. A extremidade da
escavação que confina com a via de tráfego será Quando o Empreiteiro tiver que fornecer e colocar
devidamente escorada para impedir que ocorra um aquedutos com um declive superior a 1:4, o trabalho será
deslizamento. Deverão ser colocados os sinais de aviso executado como especificado na Cláusula 2216.
necessários conforme os requisitos da Secção 1500.

Onde o aqueduto for construído numa estrada existente e 2211 ATERRO DE AQUEDUTOS PRÉ-FABRICADOS
assim tenha sido prescrito pela Fiscalização, pelo menos as
camadas do pavimento deverão ser cortadas em degraus e
recompactadas durante o reenchimento. A profundidade dos Após os aquedutos terem sido firmemente colocados na
degraus deverá ser igual à espessura da camada respectiva camada de assentamento exigida como descrito na Cláusula
e a largura será de pelo menos 150 mm. 2210, o aterro será executado como se segue:

(a) O material usado para o aterro das partes dos


(f) Geral aquedutos sujeitas a cargas de tráfego deverá ser material
seleccionado de qualidade pelo menos equivalente à da
A construção de aquedutos deverá ser iniciada numa sub-base ou de qualidade inferior que seja permitida pela
extremidade do aqueduto, cuja posição será fixada como Fiscalização. Onde o material escavado não for da
mostrado nos Desenhos ou como prescrito pela qualidade adequada, deverá ser importado material
Fiscalização. seleccionado, com esta finalidade. O Empreiteiro deverá
indagar, com antecedência, da Fiscalização, quais as partes
As peças dos aquedutos que tenham sido deformadas ou que requerem material de qualidade seleccionada para
quebradas, ou que não sejam construídas com os enchimento.
alinhamentos, cotas ou inclinações exigidos, ou que sejam No caso de aquedutos em manilhas de betão colocados em
deslocadas no processo do trabalho ou durante o período camadas de assentamento da Classe B e de aquedutos

2200 - 8
metálicos, o material de enchimento deverá ser bem de solo-cimento consistirá num solo ou cascalho aprovado,
calcado nos flancos dos aquedutos, para proporcionar um misturado com 5% de cimento Portland normal e água
assentamento uniforme, a contento da Fiscalização. Os apenas na quantidade suficiente para dar uma consistência
aquedutos metálicos serão temporariamente lastrados que permita que o solo-cimento seja colocado com
durante o enchimento, para impedir o seu levantamento. vibradores, para que todos os vazios entre as manilhas e
os lados das escavações e entre os aquedutos, no caso de
(b) O aterro ao longo e por cima de todos os passagens hidráulicas múltiplas, sejam devidamente
aquedutos será executado a um teor óptimo de humidade e preenchidos. Uma mistura seca de solo-cimento conterá 3
compactado em camadas não superiores a 150 mm após a % de cimento Portland normal e apenas a água suficiente
compactação, a uma densidade de pelo menos a densidade para ele ser colocado e compactado como material de
necessária para o material em camadas contíguas de enchimento normal. A altura, até à qual o enchimento em
enchimento, fundação e sub-base. A densidade do solo-cimento será executado, será a prescrita pela
enchimento em escavações feitas no terreno natural será Fiscalização ou a mostrada nos Desenhos, e qualquer
pelo menos 90 % da densidade AASHTO modificada. enchimento restante será executado como acima descrito
com um material granular.
(c) O enchimento deverá ser executado simultânea e
igualmente dos dois lados do aqueduto, para impedir a O agregado usado para o solo-cimento será preferivelmente
ocorrência de forças laterais desiguais. um material arenoso, mas pode conter partículas maiores,
até 38 mm. Não deverá ter um índice de plasticidade
(d) Onde a Fiscalização assim o determinar, devem ser superior a 10 %. Devem ser evitadas percentagens
construídos aquedutos metálicos circulares com grandes prejudiciais de silte ou argila e o agregado deverá ser
diâmetros, ou abobadados com grande vãos, ou passagens obtido de uma fonte aprovada.
hidráulicas múltiplas, pelo método do aterro, como definido
na Sub-cláusula 2204 (b). Em tais casos o aterro será O solo-cimento será misturado no local, com betoneiras
executado com o mesmo padrão acima descrito, simultânea adequadas e os teores de cimento e de água serão
e igualmente dos dois lados do aqueduto, e sobre o cuidadosamente controlados. O material deverá ser
aqueduto até se obter a cobertura mínima especificada. A colocado e cuidadosamente compactado para que todos os
largura do aterro em cada lado do aqueduto, após a vazios sejam preenchidos como acima descrito. Nas
conclusão, deverá ser pelo menos igual ao diâmetro (ou extremidades do aqueduto deverão ser colocadas pedras
vão) de uma das bocas do aqueduto. para impedir que o solo-cimento flua para além dos limites
requeridos.
Os aquedutos metálicos serão aterrados simetricamente
para prevenir a distorção das peças, e o Empreiteiro deve O solo-cimento não deverá ser usado para o aterro de
igualmente assegurar a colocação da cobertura necessária aquedutos de chapa metálica ondulada.
especificada, para permitir que o equipamento de
construção passe por cima sem causar danos. (g) Uma distância de transporte gratuito de 1,0 km será
aplicada a todos os materiais importados empregues no
(e) Sempre que especificado ou assim determinado pela aterro dos aquedutos, mas não se pagará nenhum
Fiscalização, o enchimento consistirá emd betão colocado “transporte a mais” para cimento, água ou agregados de
entre o lado do aqueduto e a parede da escavação, até ao betão utilisados.
topo do aqueduto.

(f) Quando especificado ou determinado pela 2212 ESTRUTURAS DE ENTRADA E DE SAÍDA,


Fiscalização, o aterro de aquedutos será feito usando uma SARJETAS E CAIXAS DE VISITA
mistura húmida ou seca de solo-cimento, em vez de um
cascalho compactado ou betão pobre. Uma mistura húmida

2200 - 9
As estruturas de entrada e saída para aquedutos pré- enchidas com argamassa e as juntas das faces expostas
fabricados, bem como sarjetas e caixas de visita serão serão acabadas à medida que o trabalho avance.
construídas conforme os detalhes indicados nos Desenhos.
Onde os tubos entrem na alvenaria, eles serão
cuidadosamente calafetados na parede e cobertos com
(a) Escavação e aterro argamassa.

As especificações indicadas noutro lugar desta Secção


relativamente à escavação e aterro de aquedutos deverão (d) Reboco
ser aplicadas mutatis mutandis a estruturas de entrada e de
saída, sarjetas e caixas de visita. Onde o reboco da alvenaria em tijolo for necessário, todas
as juntas deverão ser bem limpas e as faces dos tijolos
Nenhum aterro de uma estrutura de betão poderá ser feito completamente humedecidas, antes de o reboco ser
durante um período de, pelo menos, sete dias após a aplicado. O reboco não deverá ter menos de 12 mm nem
conclusão da estrutura, a menos que tenha sido mais de 20 mm de espessura. O acabamento do reboco
diferentemente especificado ou determinado pela deverá ser macio e desempenado e não deverá mostrar
Fiscalização. nenhuma marca de colher de pedreiro. A menos que seja
especificado de outra forma, todo o reboco será acabado
com uma colher de pedreiro de aço. A argamassa do
(b) Trabalhos em betão reboco será composta de uma parte de cimento para quatro
partes de areia fina aprovada.
O trabalho em betão será executado conforme as
disposições da Série 6000 e os Desenhos. O reboco será curado durante pelo menos 48 horas.

(c) Alvenaria de tijolo (e) Tampas de caixas de visita, grelhas de


sumidouros, etc.
Os tijolos deverão ser apropriados para trabalhos de
engenharia [engineering bricks] satisfazendo os requisitos As tampas e os aros das caixas de visita, as grelhas de
da norma SABS 227 ou equivalente. sumidouros e outros acessórios metálicos serão fornecidos
e/ou manufacturados em conformidade com os detalhes
O limite de absorção de água no teste de imersão de 24 mostrados nos Desenhos. As tampas e os aros de caixas
horas será de 8 %. de visita de estradas e pavimentos cumprirão os requisitos
da norma SABS 558 ou equivalente e serão do tamanho e
A alvenaria de tijolo será executada em “aparelho inglês” tipo indicados.
[English Bond], com uma argamassa composta de uma
parte de cimento para seis partes de areia, ou segundo Antes de fixar as tampas e os aros de caixas de inspecção,
uma ligação de tijolos em face lateral [Strecher Bond] onde eles deverão ser mergulhados numa solução protectora
a sua espessura não exceda 115 mm. Ela deverá estar bem aprovada e as grelhas e os aros pintados com duas
e regularmente ligada, sem partes salientes. Os tijolos não camadas de tinta betuminosa. Os aros das caixas de visita
deverão ser quebrados, excepto onde necessário como serão fixados firmemente com uma argamassa de cimento
acabamento. Os tijolos serão bem molhados antes de de forma a deixar as tampas niveladas com a superfície
serem colocados e cada tijolo será bem calcado na sua final.
posição, de forma a deixar uma junta acabada não superior
a 10 mm de espessura. Todas as juntas serão solidamente
(f) Câmaras e poços pré-fabricados em betão

2200 - 10
depositado em vazadouro aprovado, como definido pela
As câmaras e poços pré-fabricados deverão ser construídos Fiscalização. Manilhas existentes serão removidas onde
com manilhas de betão que não são de alta pressão [non- necessário e guardadas para utilização posterior. Todo esse
pressure e que cumpram as exigências da norma SABS trabalho deverá ser executado de modo a prevenir danos ao
677 ou equivalente. Deverão ser utilizadas manilhas com trabalho anterior, que deve permanecer.
junta do tipo macho/fêmea, a menos que seja especificado
de outra forma. As manilhas serão dos diâmetros O Empreiteiro deverá tomar atenção às disposições da
especificados. Todas as câmaras e poços serão instalados Secção 1700 que especifica quaisquer estruturas que
com as extremidades salientes viradas para cima e devem devam ser retiradas como parte das operações de
ser assentes em argamassa e bem calafetadas para desmatação e limpeza, cuja remoção, por isso, não será
assegurar juntas impermeáveis. medida e paga ao abrigo desta Secção.

As manilhast serão cuidadosamente retiradas dos aquedutos


(g) Degraus existentes e cuidadosamente verificadas.

Toda a superfície em degraus será revestida com reboco As manilhas não danificadas serão reutilizadas nos
em granulito de 20 mm e acabada de forma macia e plana trabalhos onde indicado pela Fiscalização. As manilhas que
com uma colher de pedreiro de aço. Os cantos serão não possam ser reutilizadas permanecerão propriedade do
arredondados às dimensões mostradas nos Desenhos. Dono da Obra e serão armazenadas no interior da área de
reserva da estrada, ou onde indicado pela Fiscalização.

(h) Estruturas de entrada e de saí da pré-fabricadas


2214 LIGAÇÃO DE TRABALHO NOVO A TRABALHO
Onde o seu uso for especificado, as estruturas pré- ANTIGO
fabricadas de entrada e de saída devem ser fabricadas
segundo as dimensões indicadas nos Desenhos. As Onde for necessária uma demolição parcial para o trabalho
unidades serão colocadas e ligadas de um modo geral de ampliação de estruturas existentes, a face de contacto
como especificado para aquedutos pré-fabricados em deverá ser cortada de acordo com os alinhamentos e cotas
manilhas de betão. pré-determinados, todo o material solto e fragmentado
retirado, e as pontas de aço limpas e dobradas conforme
indicado pela Fiscalização. Onde não seja necessária a
(i) Dissipadores de energia pré-fabricados, em demolição parcial, mas apenas trabalho de extensão, a
estruturas de saí da superfície de contacto deverá ser tornada rugosa e limpa de
toda a sujidade e de partículas soltas.
Onde indicado nos Desenhos, o Empreiteiro fornecerá e
instalará nas estruturas de saída, dissipadores de energia Se forem necessárias cavilhas, elas serão postas em
pré-fabricados em betão armado da Classe 25/19 com as buracos furados na estrutura existente, conforme os
dimensões mostradas nos Desenhos. Todo o trabalho em detalhes mostrados nos Desenhos, e fixadas por meio de
betão cumprirá os requisitos da Série 6000. uma resina epóxi aprovada.

O betão fresco será ligado ao betão antigo de acordo com


2213 REMOÇÃO DE TRABALHO EXISTENTE os requisitos especificados na Secção 6400.

Onde indicado nos Desenhos ou determinado pela O betão armado ou simples removido no processo da
Fiscalização, as entradas e as saídas existentes de demolição parcial será medido e pago segundo o Item
aquedutos em manilhas serão demolidas e o entulho ou lixo 22.12 e a instalação de cavilhas e o tratamento das

2200 - 11
superfícies com um ligante epóxi serão pagos
separadamente, mas não se fará nenhum pagamento
separado para qualquer outro trabalho acima descrito, cujo
custo será considerado como incluído nos preços unitários
propostos para o betão fornecido para as extensões das
estruturas existentes.

2200 - 12
2215 CONDUTAS DE SERVIÇO Todos os tubos serão ligados com uniões impermeáveis
feitas do mesmo material que o tubo. As uniões de
fibrocimento serão do tipo anel de borracha.
Onde necessário, o Empreiteiro construirá condutas de
serviço para fácil instalação e manutenção dos cabos Em regra, tubos divididos serão usados apenas para
existentes, novos e futuros, e outros serviços. As condutas fornecer passagens de serviços existentes que não podem
de serviço serão construídas num ou mais dos materiais ser cortados e enfiados nas condutas. Os tubos serão
seguintes: cortados longitudinalmente com precisão em duas metades
e as metades opostas serão ajustadas conforme o corte. Os
(i) Tubos normais uPVC conforme a norma SABS 791 tubos divididos serão colocados em volta dos tubos de
ou equivalente. serviço, conforme necessário, firmemente unidos com tiras
de aço e finalmente envolvidos em betão, se necessário.
(ii) Tubos de fibra de resina conforme a norma SABS
921 ou equivalente. A escavação, colocação e assentamento dos tubos estará
de acordo com as Especificações para aquedutos pré-
(iii) Tubos de fibrocimento de alta pressão conforme a fabricados, com quaisquer alterações que possam ser
norma SABS 1223 ou equivalente. Serão usados necessárias ou aqui especificadas.
tubos da Classe C a menos que se especifiquem
outros tipos. As extremidades da conduta serão providas de tampas
cónicas de madeira adequadas para impedir a entrada de
(iv) Tubos de betão armado conforme a norma SABS sujidade nos tubos. Dois cabos de 2,5 mm de diâmetro, de
677 ou equivalente. arame de aço galvanizado, serão enfiados através de cada
unidade, estender-se-ão 2m para além de cada
Onde necessário, os tubos serão cortados no sentido extremidade e serão firmemente presos na posição devida
longitudinal e de forma exacta em duas metades. O tipo de com as tampas de madeira.
tubo necessário estará de acordo com as Especificações.
Os tubos deverão ser instalados nas posições A extremidade de cada conduta será marcada com um
determinadas, e deverá manter-se um registo minucioso da marco construído segundo os detalhes mostrados nos
profundidade, posição e número de tubos instalados em Desenhos. Cada marco de conduta projectar-se-á pelo
cada conduta. Os tubos serão aplicados com as inclinações menos 50 mm acima da superfície acabada.
mostradas nos Desenhos para facilitar o fluxo de água e,
onde necessário, serão encaixados em betão ou em solo-
cimento. 2216 AQUEDUTOS EM DECLIVES ACENTUADOS

A largura da escavação para valas de condutas de serviço


será igual ao diâmetro interior nominal do tubo mais Quando os aquedutos forem construídos em declives
150 mm para cada lado da conduta. Onde as condutas superiores a 1:4, serão considerados como aquedutos
sejam compostas de duas ou mais unidades, o inclinados. Os aquedutos inclinados serão construídos com
espaçamento mínimo entre as unidades será de 75 mm, e elementos (peças) do tipo necessário, normalmente
o espaço lateral de 150 mm especificado acima será manilhas de betão circulares ou elementos de aquedutos
aplicado às unidades exteriores do grupo. metálicos, como descrito na Cláusula 2203.

Debaixo da faixa de rodagem, a profundidade da escavação Deverá tomar-se cuidado particular para proteger as
deverá acomodar uma cobertura mínima de 1,0 m acima da escavações contra os danos de águas pluviais. As valas
parte superior da conduta de serviço instalada. serão escavadas até um terreno firme e enchidas com

2200 - 13
material granular seleccionado ou betão, se for necessário
sobre-escavar para atingir um terreno firme.

Depois da estrutura de saída ter sido primeiramente


concluída, os elementos do aqueduto serão colocados de
forma normal, a começar pela extremidade mais baixa e
colocando elementos sucessivos firmemente uns contra os
outros, para impedir movimentos subsequentes. O elemento
mais baixo será seguramente inserido na estrutura de saída
e os aquedutos metálicos serão providos dos necessários
parafusos de ancoragem nas estruturas de entrada e de
saída, assim como em todos os blocos de contenção e
ancoragem.

Os blocos de contenção e ancoragem serão construídos em


betão, como o especificado nos Desenhos e detalhes
fornecidos pela Fiscalização. Deverão ser fornecidos e
montados os parafusos, os tirantes e outros dispositivos de
ancoragem necessários para os blocos de contenção e
ancoragem.

O enchimento das valas será feito em camadas horizontais


a partir da extremidade mais baixa.

2217 COLECTORES DE ÁGUAS PLUVIAIS, “TREMIES”


E OUTRAS CONDUTAS FECHADAS

As especificações para aquedutos constantes nesta Secção,


incluindo a metodologia de medição e pagamento, aplicar-
se-ão mutatis mutandis à construção de colectores de
águas pluviais, “tremies” ou qualquer outra conduta fechada
construída com os elementos pré-fabricados descritos na
Cláusula 2203, quer se destinem a drenagem ou a
qualquer outro fim.

Nenhuma distinção será feita no Mapa de Quantidades


entre a construção de aquedutos como definido na Secção
1100 e a de outras condutas fechadas acima descritas,
sendo todos eles classificados como aquedutos.

“Tremies” construídos com elementos pré-fabricados serão


classificados como aquedutos inclinados, quando colocados
a um declive superior a 1:4.

2200 - 14
travamento, pela preparação do fundo da escavação para
2218 MEDIÇÃO E PAGAMENTO as camadas de assentamento do aqueduto, o depósito em
vazadouro do material escavado impróprio para enchimento,
Item Unidade segurança da escavação, controlo de quaisquer águas
superficiais ou subterrâneas e por quaisquer outras
22.01 Escavação: operações necessárias para concluir o trabalho como
especificado.
(a) Escavação de material mole situado dentro dos
seguintes intervalos de profundidade abaixo do nível da O pagamento deverá distinguir entre o material mole e duro,
superfície: como definido na Cláusula 2208.

(i) 0 m até 1,5 m ........................... metro cúbico (m3) Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
para transportar o material escavado a uma distância de
(ii) De 1,5 m até 3,0 m ................ metro cúbico (m3) transporte gratuito de 1,0 km.

(iii) De 3,0 m até 4,5 m ............... metro cúbico (m3)


Item Unidade
(iv) Etc. em incrementos de 1,5 m: .. metro cúbico (m3)
22.02 Enchimento:
(b) Extra além do Sub-item 22.01(a) para escavação
em material duro, independentemente da (a) Utilizando o material escavado: …………… metro
profundidade: ………........ metro cúbico (m3) cúbico (m3)

A unidade de medição será o metro cúbico de material (b) Utilizando material importado seleccionado:
escavado dentro das larguras especificadas, com os ……………. metro cúbico (m3)
comprimentos e profundidades autorizados pela Fiscalização
em cada caso. A escavação além das larguras (c) Extra além dos Sub-itens 22.02 (a) e (b) para
especificadas ou autorizadas pela Fiscalização não será enchimento com solo-cimento (percentagem de cimento
medida para pagamento. indicada): ……………….. metro cúbico (m3)

Independentemente da profundidade total da escavação, a A unidade de medição será o metro cúbico do material no
quantidade do material em cada intervalo de profundidade lugar, depois da compactação. A quantidade será calculada
será medida e paga separadamente. a partir das dimensões principais do enchimento, como
especificado ou como autorizado pela Fiscalização.
Quando se medir uma escavação para a remoção de
aquedutos existentes, o volume ocupado pelo aqueduto não Se as escavações foram executadas para além das
será subtraído ao volume calculado da escavação. dimensões autorizadas pela Fiscalização, a quantidade de
enchimento será, contudo, baseada nas dimensões
No caso de caixas de visita, sarjetas e estruturas de autorizadas. O volume ocupado pelo aqueduto será
entrada e de saída, as dimensões para a determinação do subtraído ao calcular o volume do enchimento.
volume da escavação serão as dimensões exteriores reais
da estrutura, mais uma tolerância de 0,5 m de espaço de Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
trabalho em volta da estrutura. pelo enchimento por baixo, ao lado e por cima das
condutas, pela rega, e pela compactação do material de
Os preços unitários propostos incluirão a compensação total enchimento à densidade especificada. O preço unitário
por toda a escavação, entivação temporária, escoramento e proposto para o Sub-item 22.02 (b) incluirá,

2200 - 15
adicionalmente, a compensação total pelo fornecimento do No pagamento, será feita diferenciação entre os vários tipos
material seleccionado com qualidade de sub-base, de fontes e dimensões dos aquedutos e entre os aquedutos
aprovadas, incluindo um transporte gratuito de 1,0 km. colocados em camadas de assentamento das classes A, B,
C e D.
O preço unitário proposto para o Sub-item 22.02 (c) será
adicional aos preços unitários propostos para os Sub-itens
22.02 (a) e (b) e incluirá a compensação total para todas
os gastos imprevistos para o enchimento completo com
solo-cimento como especificado.

Item Unidade

22.03 Aquedutos em manilhas de betão:

(a) Em camada de assentamento da Classe A (indicar


tipo e diâmetro) ……………….. metro linear (m)

(b) Em camada de assentamento da Classe B (indicar


tipo e diâmetro) …..………….. metro linear (m)

(c) Em camada de assentamento da Classe C (indicar


tipo e diâmetro) ………………… metro linear (m)

(d) Em camada de assentamento da Classe D (indicar


tipo e diâmetro) ………… metro linear (m)

A unidade de medição para aquedutos em manilhas de


betão será o metro linear de aqueduto colocado como
mostrado nos Desenhos ou determinado pela Fiscalização.
O comprimento será medido ao longo da soleira [soffit] do
aqueduto.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação total


pelo fornecimento, ensaio, carregamento, transporte e
descarga dos aquedutos, pelo fornecimento e colocação do
material de granulometria fina, onde necessário, e pela
instalação, colocação e ligação dos aquedutos, como
especificado.

Se for inevitável cortar uma parte de uma manilha em betão


a partir de uma manilha de comprimento padrão, será esse
comprimento padrão o medido para pagamento. Não será
paga qualquer compensação adicional pelo corte e depósito
em vazadouro de tal porção de manilha.

2200 - 16
Item Unidade 22.05 Aquedutos em pórtico e rectangulares:

22.04 Aquedutos metálicos: (a) Completo, com lajes de fundo pré-fabricadas


(indicar dimensão e tipo): …………….. metro linear (m)
(a) Dimensão, espessura de parede e tipo indicado
…………………….. metro linear (m) (b) Sem lajes de fundo pré-fabricadas (indicar
dimensão e tipo): ………………………… metro linear (m)
(b) Corte de extremidades chanfradas e/ou inclinadas
(dimensão e tipo indicados): …. número (Nº) A unidade de medição de aquedutos em pórtico ou
rectangulares pré-fabricados será o metro linear do
(c) Parafusos de ancoragem: …………. número (Nº) aqueduto colocado como mostrado nos Desenhos ou como
determinado pela Fiscalização.
A unidade de medida será o metro linear de aqueduto
colocado, o número de cortes feitos e o número de O comprimento será medido ao longo da soleira do
parafusos de ancoragem instalados, como mostrado nos aqueduto.
Desenhos ou determinado pela Fiscalização.
Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
No caso de um aqueduto metálico, o comprimento de pelo fornecimento, ensaio, carregamento, transporte e
aqueduto será medido ao longo do eixo do aqueduto. No descarga dos aquedutos, pelo fornecimento e colocação do
caso de um aqueduto metálico abobadado, o comprimento material de granulometria fina, onde necessário para a
de aqueduto será medido ao longo do fundo do aqueduto colocação dos aquedutos, e pela colocação, assentamento
abobadado. Em ambos os casos será incluído o e ligação dos aquedutos, como especificado, incluindo o
comprimento das extremidades chanfradas e/ou inclinadas. seu corte no local e depósito de resíduos em vazadouro.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação total Será feito separadamente o pagamento para lajes de fundo
pelo fornecimento, ensaio, carregamento, transporte e em betão moldado in situ.
descarga dos aquedutos, pelo fornecimento e colocação do
material de granulometria fina onde necessário para a O pagamento deverá distinguir entre as diferentes
instalação dos aquedutos, e pela instalação, colocação e dimensões e tipos de aquedutos e entre aquedutos
ligação dos aquedutos como especificado. No pagamento, instalados com ou sem lajes de fundo pré-fabricadas.
será feita uma diferenciação entre os vários tipos e
dimensões dos aquedutos e também entre aquedutos com
paredes de diferentes espessuras. Item Unidade

Será feito separadamente o pagamento pelo corte de 22.06 Extra além dos Itens 22.03, 22.04 e 22.05 para a
extremidades chanfradas e/ou inclinadas e o preço unitário construção de aquedutos inclinados: metro linear (m)
incluirá a compensação total por todo o trabalho relacionado
com o corte de extremidades. A unidade de medição será o metro linear de aqueduto
instalado com um declive superior a 1:4, como especificado
O preço unitário proposto por parafuso de ancoragem na Cláusula 2216.
incluirá a compensação total pela aquisição, fornecimento e
instalação dos parafusos. O preço unitário proposto incluirá a compensação total pelo
trabalho adicional ou de maior grau de dificuldade sob
qualquer aspecto, relacionado com a colocação, escavação
Item Unidade e enchimento de acordo com o requerido, pela instalação
de aquedutos com um declive superior a 1:4.

2200 - 17
Item Unidade Item Unidade

22.07 Betonagem in situ e cofragem: 22.08 Enchimento em betão para aquedutos (indicar a
classe) ……… metro cúbico (m3)
(a) Em camada de assentamento da Classe A,
argamassas e envolvimento de tubos, incluindo cofragem A unidade de medição será o metro cúbico do enchimento
(indicar a classe de betão): …….. ...... metro cúbico (m3) em betão. A quantidade será calculada a partir das
dimensões da escavação, como especificado, ou autorizado
(b) Em lajes de fundo para aquedutos em pórtico ou pela Fiscalização, menos o volume ocupado pelos
rectangulares, incluindo cofragem e acabamento da aquedutos, independentemente de a escavação a ser
superfície à Classe U2 (indicar a classe de betão): reenchida exceder as dimensões especificadas ou
…………………………… metro cúbico (m3) autorizadas.

(c) Em estruturas de entrada e de saída, sarjetas, O pagamento será feito tal como para o betão no item
caixas de visita, blocos de contenção e de ancoragem, 22.07 (a) acima.
excluindo cofragem mas incluindo acabamento da superfície
à Classe U2 (indicar a classe de betão) ……………… metro
cúbico (m3) Item Unidade

(d) Cofragem para betão conforme o Sub-item 22.07 22.09 Entradas e saí das pré-fabricadas em betão, para
(c) anterior (indicar o tipo de acabamento): ………. metro aquedutos
quadrado (m2) (indicar tamanho e tipo): ............................. número (Nº)

(e) Revestimento em betão para as soleiras de As entradas e saídas pré-fabricadas em betão, para
aquedutos metálicos, incluindo cofragem e acabamento da aquedutos em betão, serão medidas por entrada ou saída,
superfície à Classe U2 (indicar a classe de betão): completa, colocada.
…………………. metro cúbico (m3)
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
A medição de cofragem e de betão moldado in situ será aquisição, fornecimento, carregamento, transporte, descarga
como especificado nas Secções 6200 e 6400. e instalação das entradas ou saídas como especificado.

O pagamento de cofragem e aplicação de betão in situ será


feito conforme as Secções 6200 e 6400, com excepção do Item Unidade
pagamento da cofragem para betonagens respeitantes aos
Sub-itens 22.07 (a), (b) e (e), o qual não deverá ser feito 22.10 Armadura(s):
separadamente, devendo os preços do Empreiteiro para o
betão incluir a total compensação para tal. (a) Varões de aço temperado ..................... tonelada (t)

Não se fará nenhum pagamento separado para a (b) Varões de aço de alta resistência ......... tonelada (t)
construção de juntas em lajes de fundo de aquedutos ou
em estruturas de entrada e de saída e os preços unitários (c) Malha de aço soldado .................... quilograma (kg)
propostos para o betão incluirão a compensação total para
a construção completa de juntas, conforme os detalhes A medição e o pagamento das armaduras em aço serão
indicados nos Desenhos. feitos como especificado na Secção 6300.

2200 - 18
22.13 Remoção e recolocação dos tubos existentes
(indicar tamanho do tubo e tipo de camada de
Item Unidade assentamento: …………… metro linear (m)

22.11 Cavilhas para ligação de betão antigo a novo A unidade de medição será o metro linear de tubo existente
quilograma (kg) removido e recolocado.

A unidade de medição será o quilograma de cavilhas de O preço unitário proposto incluirá a total compensação pela
aço instaladas. remoção, carregamento, transporte gratuito a uma distância
de 5 km, descarga e colocação de tubos segundo as
O preço unitário proposto incluirá a total compensação pelo Especificações.
fornecimento de todos os materiais, todos os cortes,
perfurações e enchimentos com argamassa e qualquer outra O pagamento de qualquer escavação e enchimento
operação ou item necessário para a execução apropriada necessário para a remoção e recolocação de tubos
do trabalho. existentes será feito separadamente, nos termos dos itens
22.01 e 22.02.

Item Unidade Onde os tubos existentes sejam carregados, transportados e


utilizados em desvios, eles não serão medidos para o
22.12 Remoção de betão existente: pagamento ao abrigo deste item, mas sim nos termos da
Secção 1500.
(a) Betão simples ............................. metro cúbico (m3)

(b) Betão armado ............................. metro cúbico (m3) Item Unidade

A unidade de medição será o metro cúbico do betão 22.14 Remoção e empilhamento de aquedutos pré-
existente removido. fabricados existentes (todas as dimensões):
……….... metro linear (m)
Os preços unitários propostos incluirão a total compensação
por toda a demolição e pelo carregamento, transporte e A unidade de medição será o metro linear de aqueduto pré-
depósito em vazadouro dos produtos da demolição, fabricado existente, retirado e empilhado.
incluindo o transporte gratuito de 1,0 km.
O preço unitário proposto incluirá a total compensação pelo
O pagamento deve distinguir entre betão simples e betão levantamento, carregamento, transporte para empilhamento,
armado. Para os fins deste item, o betão armado será descarga, e empilhamento dos aquedutos pré-fabricados.
definido como betão que contém pelo menos 0,2 % de
armadura de aço, medido em volume. O pagamento de qualquer escavação e enchimento
necessários para remover e empilhar os aquedutos pré-
Os preços unitários propostos incluirão também a total fabricados existentes será feito separadamente nos termos
compensação para fazer cortes direitos com a profundidade dos itens 22.01 e 22.02. A distância de transporte gratuito
especificada nas juntas, onde indicado nos Desenhos. será de 5 km.

Item Unidade Item Unidade

2200 - 19
22.15 Tratamento de superfí cies com resina epóxi para (d) Extra além ou aquém do Sub-item 22.17 (a) para
ligação de betão novo a betão antigo (especificar variações das profundidades das caixas de visita,
tipo de resina epóxi ):................................... litro (l) em relação à profundidade padrão indicada para fins
de concurso (indicar a profundidade padrão e tipo
A unidade de medição será o litro de resina epóxi usada à de caixa de visita): ………………... metro (m)
taxa de aplicação especificada.
(e) Extra além ou aquém do Sub-item 22.17 (b) para
O preço unitário proposto incluirá a total compensação pelo variações das profundidades dos sarjetas em
fornecimento e aplicação de resina epóxi. relação à profundidade padrão indicada para fins de
concurso (indicar profundidade padrão e tipo de
sarjeta): .................................................metro (m)
Item Unidade
A unidade de medição, no caso dos Sub-itens (a), (b) e
22.16 (c) acima, será a unidade completa como mostrado nos
Revestimento protector de mastique asfáltico para os Desenhos, incluindo todo o betão, alvenaria em tijolo,
elementos (peças) dos aquedutos em chapa metálica tampas, aros, grelhas e outros acessórios.
ondulada (indicar se deve ser aplicado a pincel ou a
pistola, i.e., pulverizado): .................. metro quadrado (m2) Os preços unitários propostos incluirão a total compensação
pela aquisição, fornecimento e instalação, bem como
A unidade de medição será o metro quadrado do colocação onde aplicável, das unidades completas,
revestimento protector aplicado como especificado e como exceptuando a escavação e o enchimento, que serão
determinado pela Fiscalização. Quando ambas as medidos separadamente. O preço proposto também incluirá
superfícies, interior e exterior, sejam tratadas, ambas as a total compensação pela ligação e incorporação de
superfícies deverão ser medidas. quaisquer condutas nas paredes das diversas estruturas.

O preço unitário proposto incluirá a total compensação pela A unidade de medição no caso dos Sub-itens (d) e (e)
aquisição e fornecimento do mastique asfáltico, pela acima será o metro da profundidade aumentada ou reduzida
aplicação do material, e por qualquer outro trabalho da caixa de visita ou da sarjeta, medida em relação à
adicional e gastos imprevistos necessários para proporcionar profundidade padrão indicada no concurso. Os preços
o revestimento protector como especificado. unitários propostos por metro serão um ajustamento à
compensação para o item padrão, pagável como uma
compensação adicional ao Empreiteiro em caso de um
Item Unidade acréscimo de profundidade, ou como uma redução da
compensação em caso de um decréscimo de profundidade
22.17 Caixas de visita, sarjetas, estruturas pré-fabricadas em relação à profundidade padrão.
de entrada e de saí da completas:
Quando os itens de trabalho acima mencionados não
(a) Caixas de visita (indicar o tipo): ...... número (Nº) possam ser convenientemente padronizados para um
pagamento segundo unidades completas, os vários tipos de
(b) Sarjetas (indicar o tipo): ................... número (Nº) trabalho e os itens de material fornecido serão medidos
separadamente, de acordo com os itens 22.18 a 22.21 e
(c) Estruturas de entrada e de saída pré-fabricadas outros itens, conforme necessário.
(indicar o tipo): ................................ número (Nº) Betão e cofragem serão medidos e pagos ao abrigo dos
Sub-itens 22.07 (c) e (d) respectivamente, a escavação
segundo o item 22.01, e o reenchimento segundo o item
22.02.

2200 - 20
O preço unitário proposto incluirá a total compensação pela
Item Unidade aquisição e fornecimento de todos os materiais, colocação
dos ressaltos em betão e aplicação do revestimento em
22.18 Alvenaria de tijolo: granulito especificado.

(a) 115 mm de espessura: ......... metro quadrado (m2)


Item Unidade
(b) 230 mm de espessura: ........ metro quadrado (m2)
22.21 Acessórios:
(c) 345 mm de espessura: ........ metro quadrado (m2)
(a) Tampas de caixas de visita, incluindo aros
A unidade de medição será o metro quadrado de alvenaria (descrição): ...................................... número (Nº)
de tijolo construída, calculada a partir das dimensões
principais da alvenaria. As áreas das paredes ocupadas por (b) Grelhas de entrada incluindo aros (descrição):
condutas não serão incluídas nas áreas medidas e as ......................................................... número (No)
esquinas e as intersecções comuns a mais de uma parede
de tijolos serão medidas só uma vez. (c) Degraus em varão de aço (descrição): ….. número
(Nº)
Os preços unitários propostos por metro quadrado incluirão
a total compensação pela alvenaria de tijolo completa como (d) Etc. para outros acessórios: ............ número (Nº)
especificado, incluindo o reboco das juntas e a inserção de
condutas. A unidade de medição será o número de cada tipo de
acessório entregue e montado.

Item Unidade Os custos propostos incluirão a inteira compensação pela


aquisição, fornecimento e montagem dos acessórios.
22.19 Rebocos: …………………. metro quadrado (m2)

A unidade de medição será o metro quadrado do trabalho Item Unidade


de reboco executado.
22.22 Ancoragens para tubos (descrição): ...…… número
O preço proposto incluirá a total compensação pela limpeza (Nº)
das juntas na alvenaria de tijolo e a aplicação de um
reboco com argamassa a 1:4, como especificado, em todas A unidade de medição será o número de ancoragens
as superfícies onde seja requerido. completas montadas, incluindo tirantes, parafusos, etc., mas
excluindo qualquer trabalho em betão, que será medido
segundo o Sub-item 22.07 (c) e (d).
Item Unidade
O preço unitário proposto incluirá a total compensação pela
22.20 Ressaltos ou degraus [benching]: … metro aquisição, fornecimento e montagem das ancoragens.
quadrado (m2)

A unidade de medição será o metro quadrado de ressalto, Item Unidade


medido na horizontal, construído em betão da Classe
20/19, com revestimento em granulito. 22.23 Condutas de serviço:

2200 - 21
No caso de passagens hidráulicas, deverá medir-se o
(a) Tubos comuns (indicar tipo e diâmetro): …… metro volume exterior de cada aqueduto.
linear (m)

(b) Tubos divididos (indicar tipo e diâmetro): ……. Item Unidade


metro linear (m)
22.26 Escavação manual para determinar as posições de
A unidade de medida será o metro linear de conduta de serviços existentes: ……. metro cúbico (m3)
serviço colocada.
A unidade de medição será o metro cúbico do material
Os preços unitários propostos incluirão a total compensação escavado dentro dos comprimentos e larguras autorizados
pela aquisição, fornecimento e colocação dos tubos, pela Fiscalização e à profundidade necessária para pôr à
incluindo tampas de topo, arames de enfiamento [draw vista o serviço. A escavação além das dimensões
wires] e a instalação completa, mas excluirão a escavação, autorizadas não será medida para pagamento.
o enchimento, e o envolvimento com betão, que serão
medidos para pagamento ao abrigo dos itens de pagamento O preço unitário proposto incluirá a compensação total por
apropriados desta Secção. toda a escavação, enchimento, compactação a 90 % da
densidade AASHTO modificada, depósito em vazadouro de
qualquer material escavado em excesso, segurança das
Item Unidade escavações, controlo de qualquer água superficial ou
subterrânea, tomando especial atenção para assegurar que
22.24 Marcos de conduta (indicar o tipo): ..…… número os serviços não sejam danificados de maneira alguma e
(Nº) qualquer outra operação necessária para concluir o trabalho.
O preço unitário proposto também incluirá o transporte
A unidade de medição será o número de marcos colocados gratuito do material escavado em excesso a uma distância
e o preço unitário proposto incluirá a total compensação de transporte de 1,0 km. Qualquer dano a um serviço
pelo fabrico, entrega e colocação dos marcos, completos causado pelo Empreiteiro será reparado à sua própria custa,
como mostrado nos Desenhos. a contento do Dono do serviço e da Fiscalização.

Não se fará nenhuma distinção entre material duro e


Item Unidade material mole, nem entre os vários tipos de serviços a
serem expostos ou as profundidades às quais as
22.25 “Transporte a mais” em relação à distância de escavações são feitas.
transporte gratuito, de material escavado para
depósito em vazadouro, material de enchimento
(excluindo cimento Portland no caso de solo- Item Unidade
cimento), materiais de estruturas demolidas e
removidas para vazadouro, remoção e recolocação 22.27 Reposição de valas abertas no atravessamento de
e remoção e empilhamento de aquedutos pré- estradas:
fabricados: ...... metro cúbico-quilómetro (m3-km)
(a) Camadas seleccionadas: ..... metro quadrado (m2)
A medição e o pagamento do “transporte a mais” serão
feitos conforme as disposições da Secção 1600, excepto (b) Sub-base: …………………. metro quadrado (m2)
quanto à distância de transporte gratuito, que será como
especificado para cada item. (c) Base (incluindo rega de impregnação): ....... metro
quadrado (m2)

2200 - 22
(d) Revestimento betuminoso (incluindo rega de
colagem: …………. metro quadrado (m2)

(e) Aplicação de lancis: ………….. metro linear (m)

A unidade de medição dos Sub-itens (a) a (d) será o


metro quadrado da camada reposta onde determinado pela
Fiscalização.

A unidade de medição do Sub-item (e) será o metro linear


de lancil recolocado devido à escavação de valas, onde
determinado pela Fiscalização.

Qualquer reposição necessária além das dimensões


acordadas ou definidas, devido a danos causados pelo
Empreiteiro, não será medida para pagamento.

As Secções apropriadas das Especificações também serão


aplicáveis ao reenchimento das valas escavadas.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação total


pela aquisição, fornecimento, colocação, compactação e
acabamento de todos os materiais, o fornecimento de toda
a mão-de-obra e equipamento de construção, o corte e a
preparação dos bordos do revestimento existente e a
protecção e manutenção dos trabalhos de reposição,
concluídos como especificado.

2200 - 23
Item Unidade

22.28 Extremidades inclinadas pré-fabricadas em betão


armado, para aquedutos em betão construí dos
obliquamente ao eixo da estrada (indicar tipo e
dimensões da extremidade e classe da camada de
assentamento): .................................. número (Nº)

A unidade de medição será o número de cada tipo e


dimensão de extremidades oblíquas pré-fabricadas em
betão armado, fornecidas e instaladas, independentemente
do ângulo de inclinação.

Os preços unitários propostos incluirão a compensação total


pelo fornecimento, ensaio, carga e descarga das unidades,
construção da camada de assentamento da classe
preconizada, e pela colocação, assentamento e ligação das
unidades, completas como especificado e de acordo com os
detalhes mostrados nos Desenhos.

2200 - 24
SÉRIE 2000: DRENAGEM SABS 927 ou equivalente. Lancis, caleiras, valetas e
descidas de água moldados in situ serão da classe de
SECÇÃO 2300: LANCIS EM BETÃO, CALEIRAS E betão indicada.
VALETAS EM BETÃO, DESCIDAS
DE ÁGUA DE SECÇÃO ABERTA
EM BETÃO E REVESTIMENTOS (c) Selantes para juntas
EM BETÃO PARA CANAIS
ABERTOS (i) O selante aplicado a frio deverá ser um composto
de duas partes de polisulfureto que cumpra os requisitos da
norma BS 4254.
ÍNDICE
(ii) Os selantes à base de poliuretano cumprirão os
2301 ÂMBITO requisitos da norma SABS 1077 ou equivalente.
2302 MATERIAIS
2303 TIPOS DE ESTRUTURAS (iii) Os selantes à base de silicone cumprirão os
2304 CONSTRUÇÃO requisitos das Especificações do Projecto.
2305 ESTRUTURAS DE ENTRADA E DE SAÍDA E
SECÇÕES DE TRANSIÇÃO
2306 TOLERÂNCIAS DE CONSTRUÇÃO E (d) Material para o leito de assentamento
ACABAMENTO DA SUPERFÍCIE
2307 MEDIÇÃO E PAGAMENTO O material no qual os lancis, caleiras, valetas e descidas de
água em betão vão ser assentes, deverá ser composto de
agregado britado, cinzas, escória, areia ou outro material
2301 ÂMBITO poroso aprovado com uma dimensão máxima de partículas
de 13,2 mm.

Esta Secção cobre a construção de lancis, caleiras e Betão também pode ser prescrito como material para
valetas em betão, canais de escoamento em betão com camada de assentamento, devendo neste caso cumprir os
acentuada inclinação (descidas de água) e revestimentos requisitos da Secção 6400.
em betão para canais abertos, nos locais e com os detalhes
mostrados nos Desenhos ou indicados pela Fiscalização.
2303 TIPOS DE ESTRUTURAS

2302 MATERIAIS
Aplicação de lancis inclui as barreiras-lancis e os tipos
(a) Betão montável e semi-montável. Todos estes elementos podem
ser unidades pré-fabricadas ou construídas numa operação
Todo o trabalho em betão será executado conforme as contínua usando moldes deslizantes. As caleiras e valetas
disposições das Secções 6200, 6300 e 6400. podem ser moldadas in situ, unidades pré-fabricadas, ou
construídas por meio de moldes deslizantes. As descidas de
água podem ser unidades pré-fabricadas ou moldadas in
(b) Lancis, caleiras, valetas e tubos de descarga situ, e o revestimento em betão de canais abertos será
(descidas de água) apenas moldado in situ, excepto as lajetas laterais, que
podem ser pré-fabricadas. Os tubos de queda deverão ser
A aplicação de lancis, caleiras, valetas e descidas de água unidades pré-fabricadas.
pré-fabricados em betão cumprirão os requisitos da norma

2300 - 1
material solto será completamente compactado, e onde
2304 CONSTRUÇÃO ocorra excesso de escavação no material duro, as
escavações serão preenchidas com massa de betão. Se
(a) Escavação e preparação da camada de exigido pela Fiscalização, as escavações serão
assentamento aprofundadas para acomodar uma betonilha que actue como
uma plataforma de trabalho para a construção das descidas.
(i) Lancis e valetas

As escavações para os lancis e valetas serão feitas à (b) Aplicação de lancis e valetas pré-fabricados em
profundidade necessária e todo o material inadequado será betão
removido e substituído por uma camada de material de
assentamento aprovado, com pelo menos 75 mm de Os lancis e valetas pré-fabricados em betão serão assentes
espessura. A camada de assentamento será compactada e sobre a camada de assentamento aprovada com juntas
rigorosamente reperfilada à inclinação requerida. Não deverá estreitas, preenchidas com uma argamassa de cimento e
ser aplicado betão nem peças pré-fabricadas em betão areia de 1:3 de não mais que 10 mm de espessura e bem
sobre material não compactado ou alterado. acabadas com uma colher de pedreiro. As faces expostas e
as extremidades dos lancis aplicados deverão ficar segundo
(ii) Revestimentos em betão o alinhamento e a cota definidos. Os lancis em curvas
serão primeiro colocados ao longo de toda a extensão da
O trabalho de escavação para canais abertos será curva antes das juntas serem cheias, a menos que a
executado e pago de acordo com as disposições da Secção Fiscalização determine de outra forma. Os lancis serão
2100. temporariamente escorados durante a construção.

As escavações deverão ser bem ajustadas aos A menos que seja determinado de outra forma pela
alinhamentos e níveis especificados, para permitir a Fiscalização, os elementos de lancil pré-fabricados em
construção rigorosa do revestimento em betão. Todo o betão terão o comprimento de 1,0 m, excepto nas curvas
material solto será compactado a uma densidade não em intersecções de estradas, onde serão de 0,3 m de
inferior a 93 % da densidade AASHTO modificada. comprimento.

Quando o material in situ não for apropriado, a Fiscalização Os lancis pré-fabricados em betão serão colocados com um
pode determinar que ele seja escavado e removido até à suporte por trás, em betão da Classe 1:4:8/25, aplicado in
profundidade necessária e substituído por material situ, conforme os detalhes mostrados nos Desenhos.
seleccionado, compactado a uma densidade de 93 % da
densidade AASHTO modificada.
(c) Descidas de água pré-fabricadas em betão em
Quando as escavações para canais abertos forem em taludes de aterros e cortes (escavações)
rocha, o excesso de escavação deverá ser preenchido
como determinado, com massa de betão ou com cascalho As descidas pré-fabricadas em betão serão fabricadas de
natural seleccionado ou com solo compactado a uma acordo com as dimensões indicadas nos Desenhos, e as
densidade AASHTO modificada de pelo menos 93 %. peças deverão encaixar-se bem umas nas outras, como
indicado.
(iii) Descidas de água (Canais de escoamento de
acentuada inclinação) A peça do fundo será apoiada contra a estrutura de saída
ou uma sapata, como mostrado nos Desenhos.
As escavações para descidas de água (condutas com
elevada inclinação) serão bem limpas e ajustadas. Todo o

2300 - 2
As peças serão colocadas segundo o alinhamento e colocação do betão. Os defeitos menores serão reparados
inclinação a partir do fundo para cima, para que cada peça com uma argamassa de cimento:areia de 1:2. Não é
se ajuste bem na unidade anterior. permitido o reboco nas faces expostas e todas as partes
rejeitadas serão removidas e substituídas à custa do
Uma secção de transição será construída na entrada, para Empreiteiro. Quando concluídas, as secções serão curadas
conduzir a água à descida, como mostrado nos Desenhos. conforme os requisitos especificados na Cláusula 6409.

Os lancis e valetas concluídos deverão estar de acordo com


(d) Aplicação de lancis por meio de moldes o alinhamento e a cota e ter uma aparência homogénea e
deslizantes bem cuidada.

Lancis e valetas construídos com moldes deslizantes serão


aplicados sobre uma camada de assentamento aprovada, (f) Descidas de água betonadas in situ em taludes
por meio de um processo contínuo e com equipamento em corte
aprovado. Juntas de retracção serão serradas a intervalos
mostrados nos Desenhos ou prescritos pela Fiscalização de As descidas de água betonadas in situ em taludes em
forma a não permitir que o betão lasque nas uniões. O corte, em conjunto com as estruturas de entrada e de
betão será curado conforme os requisitos da Cláusula saída, serão construídas de acordo com os Desenhos. A
6409. classe do betão será a indicada nos Desenhos.

Os lancis e as valetas serão construídos em conformidade Onde requerido pela Fiscalização, um betão de
com o alinhamento e a cota e deverão ter um aspecto regularização será primeiramente colocado nas escavações
cuidado. Onde ocorram fendas transversais, o Empreiteiro que não possam ser cortadas e alisadas com precisão. O
substituirá, à sua custa, a secção inteira entre as juntas de betão de regularização será acabado com precisão à cota
retracção. inferior da laje de fundo da descida de água, devendo
permitir-se que consolide antes da laje do fundo ser
betonada. Onde o material que é escavado não possa ser
(e) Lancis e valetas moldados in situ cortado e alisado com precisão ou onde as paredes laterais
da descida têm que se prolongar acima da superfície dos
Os moldes dos lancis e valetas serão colocados com taludes, as faces exteriores das paredes laterais serão
precisão segundo o alinhamento e inclinação e firmemente betonadas contra a cofragem.
mantidos na posição durante a colocação do betão. As
tampas e o material das juntas nas extremidades das
secções deverão ser colocados com precisão para (g) Canais abertos revestidos em betão
assegurar que as juntas entre secções adjacentes são
realmente perpendiculares à superfície do betão e com os Às superfícies expostas dos revestimentos em betão de
ângulos correctos em relação ao bordo da estrada. canais abertos deverá ser dado um acabamento da
superfície da classe U2, como definido na Cláusula 6209.
Depois do betão ter sido colocado nos moldes, será O betão será curado conforme os requisitos da Cláusula
compactado e trabalhado até que a argamassa cubra 6409.
inteiramente todas as faces expostas. As faces expostas
serão então acabadas e alisadas e as arestas arredondadas A selagem das juntas em betão será conforme os detalhes
de acordo com os raios mostrados nos Desenhos. indicados nos Desenhos e as disposições da Secção 6600.
As juntas frias serão pintadas com uma camada de emulsão
Os moldes serão retirados de todas as superfícies de betão betuminosa aprovada contendo 60 %, em massa, de
a serem expostas, num período de 24 horas após a

2300 - 3
betume puro, ou com um anti-adesivo aprovado, antes de
qualquer laje contígua ser betonada.

As juntas de expansão serão feitas conforme os Desenhos.

Onde necessário, as superfícies nas quais o revestimento


em betão irá ser colocado, depois de terem sido
regularizadas, deverão ser cobertas com uma tela de
polietileno de 0,15 mm de espessura e todas as juntas na
tela deverão ficar sobrepostas em pelo menos 150 mm.

2300 - 4
(h) Reenchimento (ou reposição) lancis ou valetas e a camada de asfalto. A base será então
removida à profundidade necessária.
Depois de concluído o trabalho em betão, os espaços na
parte posterior dos lancis serão enchidos com material Qualquer derrame de betão sobre a superfície de asfalto
aprovado até ao nível do pavimento ou da berma da deverá ser removido. Onde assim definido pela Fiscalização,
estrada. Os espaços junto às descidas de água serão o Empreiteiro pintará com emulsão por cima da superfície
preenchidos até ao nível do talude lateral. Tal enchimento manchada, sem qualquer compensação adicional.
será colocado em camadas não excedendo 150 mm e cada
camada será compactada a 93 % da densidade AASHTO
modificada e a um teor óptimo de humidade, antes de ser (j) Protecção
colocada a camada seguinte.
Durante o transporte e a aplicação deverá ter-se cuidado
Onde os lancis e as valetas forem aplicados depois da para proteger todas as unidades pré-fabricadas contra
construção da base, os espaços entre o betão e a base desagregação ou fractura.
contígua serão enchidos com o material betuminoso pré-
misturado. Os lancis e condutas em betão, bem como qualquer outra
estrutura adjacente à estrada, serão protegidos contra
manchas provocadas pela rega (pulverização) de betume
(i) Sequência de construção ou aplicação de mistura betuminosa. Onde deva aplicar-se
betume, todo o trabalho será completamente coberto com
(i) Quando os lancis e as valetas são construídos antes uma tela de polietileno com pelo menos 0,25 mm de
da base. espessura, com papel especialmente reforçado ou com
outro material aprovado, adequadamente fixado, para
Neste caso, poderão ser construídos lancis por meio de impedir o levantamento da tela em condições ventosas.
cofragens deslizantes ou moldados in situ. Durante o Qualquer trabalho manchado pelo betume será demolido e
trabalho e a construção da base, deverão tomar-se medidas substituído, a menos que todo o betume seja
de precaução para impedir que o trabalho de betão seja completamente removido de modo a não mostrar qualquer
danificado ou deslocado. mancha. A pintura por cima do trabalho manchado é
estritamente proibida.
(ii) Quando os lancis e as valetas são construídos
depois da base (k) Corte de revestimento betuminoso existente e de
camadas do pavimento
A base deverá ser construída com uma largura superior à
largura especificada, após o que será cavada uma vala bem Onde a Fiscalização assim o defina, a construção de lancis
trabalhada, para o lancil ou valeta. Qualquer sobre- canais ou valetas revestidas a betão em revestimentos
escavação será enchida com betão aplicado betuminosos existentes, toda a espessura do revestimento
simultaneamente com os lancis e valetas. betuminoso, bem como a base e a sub-base se necessário,
será cortada com precisão com uma serra mecânica
(iii) Quando os lancis e as valetas são construídos segundo o alinhamento requerido, antes da construção dos
depois da base asfáltica e/ou revestimento asfáltico lancis, canais ou valetas. O bordo dos lancis e das valetas
será vertical. O betão será então colocado directamente
A base e/ou o revestimento asfáltico serão construídos com contra a face do corte, sem cofragem. Todo o material
uma largura superior à largura especificada e depois exterior à face do corte será removido até à profundidade
cortados com exactidão com uma serra mecânica segundo necessária antes de o betão ser colocado. O entulho será
uma linha marcada, para obter uma junta perfeita entre os depositado em vazadouro a fornecer pelo Empreiteiro e
sujeito à aprovação da Fiscalização. O revestimento

2300 - 5
betuminoso será protegido e mantido limpo a contento da O desvio máximo dos bordos, linha central, ou superfícies
Fiscalização. verticais do alinhamento especificado, será de 1:500
quando medido em qualquer secção que exceda 10 m de
comprimento.
2305 ESTRUTURAS DE ENTRADA E DE SAÍDA E
SECÇÕES DE TRANSIÇÃO (ii) Alinhamento vertical e nível (cota)

As secções de transição em lancis, combinações de lancil- O bordo interior da valeta não deverá estar em nenhum
valeta e valetas revestidas em betão, deverão ser ponto acima do nível da estrada acabada nem mais do que
construídas com os mesmos padrões e pelos mesmos 10 mm abaixo do nível da estrada acabada. O nível da
métodos como o descrito para as secções uniformes, soleira de caleiras e valetas e o topo do lancil não deverão
embora com as modificações necessárias. As secções desviar-se em nenhum ponto mais de 10 mm do nível
podem ser peças pré-fabricadas ou moldadas in situ. exigido e em nenhum ponto deverão caleiras, condutas ou
drenos ter uma inclinação contrária.
As estruturas de entrada e de saída podem ser peças de
betão pré-fabricadas ou parcialmente pré-fabricadas ou (iii) Irregularidade de superfícies expostas
moldadas in situ.
Quando testado com uma régua de 3 m, nenhuma
Onde indicado nos Desenhos ou determinado pela irregularidade superficial excederá 6 mm.
Fiscalização, o Empreiteiro deverá fornecer e instalar nas
estruturas de saída, dissipadores de energia consistindo em (iv) Dimensões das secções transversais
blocos pré-fabricados de betão armado da Classe 20/19,
com as dimensões mostradas nos Desenhos ou indicadas Todas as dimensões das secções transversais deverão
no Mapa de Quantidades. Todo o trabalho de betão estar dentro de um limite de 6 mm relativamente às
cumprirá os requisitos da Série 6000. dimensões especificadas, excepto quanto à face inferior de
valetas, que poderá estender-se até 25 mm abaixo do nível
Os componentes, tais como grelhas, tampas e aros serão ao qual ela teria a espessura requerida.
conforme os detalhes mostrados nos Desenhos e os
requisitos da Sub-cláusula 2212 (e).
(b) Valetas revestidas em betão e descidas (de água)
em betão
2306 TOLERÂNCIAS DE CONSTRUÇÃO E
ACABAMENTOS DA SUPERFÍCIE As valetas revestidas em betão e as descidas (de água)
em betão serão construídas dentro das tolerâncias
(a) Lancis e valetas em betão seguintes:

Os lancis e valetas em betão deverão ser construídos (i) Alinhamento horizontal


dentro das seguintes tolerâncias de dimensões e de
alinhamento: O desvio máximo da posição exacta dos bordos ou do eixo
será de 25 mm.
(i) Alinhamento horizontal
(ii) Alinhamento vertical
O desvio máximo dos bordos, eixo, ou superfícies verticais
da posição especificada será de 25 mm. O nível da soleira de canais abertos revestidos em betão
não deverá desviar-se em nenhum ponto mais de 25 mm

2300 - 6
do nível exigido e em nenhum ponto deverão as soleiras de (a) (Descrição do tipo com referência ao desenho)· .......
valetas ter uma inclinação contrária. metro linear (m)

(iii) Irregularidade de superfícies expostas (b) Etc. para outros tipos .................. metro linear (m)

Quando testado com uma régua de 3 m, nenhuma A unidade de medição será o metro linear de lancil de
superfície exposta deverá apresentar irregularidades de mais betão ou combinação lancil-conduta, completo tal como
de 10 mm. construído, medido ao longo da face frontal do lancil.

(iv) Dimensão das secções transversais O preço unitário proposto por cada metro linear de lancil de
betão e/ou combinação lancil-valeta incluirá a
Todas as dimensões das secções transversais deverão compensação total pela necessária escavação e preparação
estar dentro de um limite de 10 mm relativamente às do leito de assentamento, reenchimento, cofragem,
dimensões especificadas, e a espessura média de uma laje acabamento, bem como pela aquisição, fornecimento e
de fundo ou lateral não será inferior à espessura instalação de todos os materiais, lancis e valetas e
especificada, quando se considerar qualquer laje completa respectiva protecção contra manchas, suporte dos lancis
ou uma secção de laje com uma área de 10 m2 ou com betão aplicado in situ e enchimento e pintura de todas
superior, e não considerando uma espessura que exceda as juntas, tudo completo como especificado.
em mais de 10 mm a espessura especificada.

(c) Acabamento da superfí cie Item Unidade


Todas as superfícies em betão expostas, não cofradas,
devem ter um acabamento de superfície da Classe U2, e 23.03 Descidas (de água) em betão (projectos tipo):
todas as superfícies em betão expostas, cofradas, devem
ter um acabamento de superfície da Classe F2, como (a) (Descrição do tipo com referência ao desenho.
definido na Cláusula 6209. Indicar se é pré-fabricado ou moldado in situ e
classe de betão) ………………….. metro linear (m)

2307 MEDIÇÃO E PAGAMENTO (b) Etc. para outros tipos .................... metro linear (m)

Item Unidade A unidade de medição será o metro linear de descida


concluída como construído, incluindo qualquer sobreposição,
23.01 Lancil de betão (classe de betão indicada para medida ao longo do talude como colocada, mas excluindo
o betão in situ): secções de transição e estruturas de entrada e de saída,
medidas separadamente.
(a) (Descrição do tipo com referência ao desenho)
……………………………….….. metro linear (m) O preço unitário proposto por metro linear incluirá a
compensação total pela aquisição, fornecimento e instalação
(b) Etc. para outros tipos ..................... metro linear (m) das descidas concluídas como especificado e por toda a
escavação e preparação do leito de assentamento,
reenchimento, cofragem e acabamento necessários.
Item Unidade

23.02 Combinação de lancis e valetas em betão (classe Item Unidade


de betão indicada para betão moldado in situ):

2300 - 7
23.04 Moldagem in situ de descidas (de água) em betão A medição e o pagamento da cofragem e do betão serão
(medida por componentes): como especificado nas Secções 6200 e 6400, excepto
quanto à escavação, regularização e reenchimento, que não
(a) Betão (indicar a classe) ............. metro cúbico (m3) serão medidos nem pagos separadamente, devendo os
seus custos ser considerados incluídos nos preços unitários
(b) Cofragem (indicar o acabamento da superfície) propostos para o betão.
................................................ metro quadrado (m2)
A unidade de medição de outros componentes tais como
A medição e o pagamento da cofragem e do betão serão grades, será o número de cada tipo de componente
como especificado nas Secções 6200 e 6400, excepto instalado. Os preços unitários propostos incluirão a
quanto ao pagamento da escavação e reenchimento com compensação total pela aquisição, fornecimento e instalação
cascalho ou solo, que será considerado incluído nos preços dos componentes, incluindo qualquer pintura ou
unitários propostos para o betão e não deverá ser medido revestimento protector indicado nas Especificações do
nem pago separadamente. Projecto ou como indicado nos Desenhos.

Item Unidade Item Unidade

23.05 Estruturas de entrada, de saí da, de transição e 23.07 Regularização de escavações para valetas
similares (projectos tipo): revestidas em betão:

(a) (Descrição da estrutura, tipo, etc., com referência ao (a) Em material mole .................. metro quadrado (m2)
desenho e classe de betão) ................ número (Nº)
(b) Em material duro ................... metro quadrado (m2)
(b) Etc. para outros tipos ........................... número (Nº)
A unidade de medição será o metro quadrado de escavação
A unidade de medição e pagamento será o número de regularizada para receber o revestimento em betão.
unidades concluídas de cada tipo de estrutura construída, e
o pagamento incluirá a compensação total por todo o Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
trabalho de cofragem, betão, escavação, regularização e por toda a mão-de-obra, equipamento, materiais e outros
reenchimento, incluindo acessórios tais como grades, etc., trabalhos adicionais e despesas imprevistas necessárias
tal como especificado nos Desenhos. para regularizar as escavações para as valetas, ao padrão
de acabamento necessário para a construção de
revestimentos em betão. Toda a escavação, incluindo a
Item Unidade remoção de terra imprópria e o reenchimento com material
conveniente, será medida e paga de acordo com a Secção
23.06 Estruturas de entrada, de saí da, de transição e 2100. O pagamento deverá distinguir entre a regularização
similares (medido por componentes): em material mole e em material duro, como definido na
Secção 2200. Não se fará nenhum pagamento extra para
(a) Betão (indicar a classe) ............ metro cúbico (m3) qualquer reenchimento com solo ou cascalho, betão ou
betão de limpeza adicional, que seja necessário devido a
(b) Cofragem (indicar o acabamento da superfície) ....... sobre-escavação ou irregularidade inevitável das
................................................. metro quadrado (m2) escavações em terreno difícil, devendo o seu custo ser
considerado como incluído nos preços unitários propostos
(c) Outros componentes ............................ número (Nº) para a regularização em material duro.

2300 - 8
inclinação lateral das lajes exceda 1:2 e as lajes não
Item Unidade possam ser construídas sem cofragem, mesmo usando uma
mistura de betão seco. Quando o Empreiteiro decida usar
23.08 Revestimento em betão para drenos abertos: lajes laterais pré-fabricadas, será feito o pagamento pela
cofragem, tal como se tivesse sido usado betão moldado in
(a) Revestimento betonado in situ (indicar classe de situ.
betão e tipo de valeta) ............. metro cúbico (m3)

(b) Acabamento de superfície da Classe U2, para betão Item Unidade


aplicado in situ (indicar o tipo de valeta) ....... metro
quadrado (m2) 23.10 Juntas seladas em revestimentos de betão em
valetas (descrição do tipo com referência ao
A medição e o pagamento do betão serão como desenho) ....................................... metro linear (m)
especificado na Secção 6400, mas o preço unitário
proposto incluirá a compensação total para pintar as A unidade de medição será o metro linear de junta
superfícies das juntas abertas, como especificado. concluída de cada tamanho e tipo.

A unidade da medição do acabamento da superfície será o O preço unitário proposto incluirá a compensação total pelo
metro quadrado da superfície acabada. fornecimento de todos os materiais e por toda a mão-de-
obra, cofragem e despesas imprevistas necessárias para a
O preço unitário proposto para o acabamento da superfície selagem da junta, como indicado nos Desenhos ou referido
incluirá a compensação total por toda a mão-de-obra, nas Especificações de Projecto.
equipamento, material e outro trabalho adicional e despesas
imprevistas necessárias para regularizar o revestimento de
betão como especificado. Item Unidade

23.11 Betão de limpeza ou de enchimento sob as


Item Unidade descidas (de água) (indicar classe de betão) ..........
.................................................... metro cúbico (m3)
23.09 Cofragem para betonagens in situ de
revestimentos em valetas (Acabamento da A unidade de medição será o metro cúbico de betão de
superfície da Classe F2): limpeza ou de enchimento, conforme for indicado pela
Fiscalização, a ser colocado por baixo das descidas de
(a) Para os lados com cofragem apenas na face interna água.
................................................ metro quadrado (m2)
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
(b) Para os lados com cofragem tanto na face interna aquisição, fornecimento e colocação do betão na área de
como externa (cada face medida) ........................... apoio ou enchimento.
................................................ metro quadrado (m2)

(c) Para as extremidades das lajes....... ............... metro Item Unidade


quadrado (m2)
23.12 Armaduras de aço:
A medição e o pagamento da cofragem serão como
especificado na Secção 6200. A cofragem segundo o Item (a) Barras de aço macio ............................. tonelada (t)
23.09 (a) acima será medida e paga apenas quando a

2300 - 9
(b) Barras de aço de alta resistência ......... tonelada (t) 23.15 Blocos de betão pré-fabricados em estruturas de
saí da .................................................... número (No)
(c) Malha de aço soldado .................... quilograma (kg)
A unidade de medida será o número de blocos de betão
A medição e o pagamento serão de acordo com as pré-fabricados fornecidos e colocados como indicado nos
disposições da Secção 6300. Desenhos ou instruído pela Fiscalização.

Item Unidade

23.13 Tela de polietileno (0,15 mm de espessura) para


canais abertos revestidos em betão ........................
................................................ metro quadrado (m2)

A unidade da medição será o metro quadrado de área


coberta com a tela (ou folha) de polietileno.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela


aquisição, fornecimento e aplicação da tela de polietileno,
incluindo perdas e sobreposição.

Item Unidade

23.14 Corte do revestimento betuminoso e de camadas


de pavimento para construção de lancis, caleiras
ou valetas de betão……………….. metro linear (m)

A unidade de medição será o metro linear do revestimento


betuminoso e das camadas de pavimento cortados onde
indicado pela Fiscalização, independentemente da
profundidade do corte. As diversas camadas não deverão
ser medidas separadamente para pagamento.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total por


toda a mão-de-obra, equipamento de construção e
materiais necessários para cortar o revestimento e as
camadas do pavimento à profundidade necessária, remoção
e transporte do entulho para vazadouro, e pela protecção e
limpeza da superfície, como especificado.

Item Unidade

2300 - 10
ou equivalente
SÉRIE 2000: DRENAGEM

SECÇÃO 2400: BERMAS EM ASFALTO E EM (b) Asfalto


BETÃO
O asfalto contendo betume de penetração cumprirá os
requisitos da Secção 4200. A granulometria do agregado
ÍNDICE deverá estar entre os limites indicados no Tabela 4202/3
para uma mistura fina de granulometria contínua.
2401 ÂMBITO
2402 MATERIAIS O asfalto que contenha uma emulsão betuminosa para
2403 COMPOSIÇÃO, MISTURA E TRANSPORTE DE mistura cumprirá os requisitos das especificações do
MISTURAS BETUMINOSAS Projecto.
2404 PREPARAÇÃO DA FUNDAÇÃO DA BERMA
2405 COLOCAÇÃO A granulometria do agregado será sujeita à aprovação
2406 SECÇÕES DE TRANSIÇÃO PARA BARREIRAS DE prévia da Fiscalização.
SEGURANÇA (RAILS) DO TIPO “NEW JERSEY”
2407 MEDIÇÃO E PAGAMENTO
(c) Betão

2401 ÂMBITO Todo o trabalho de betão será executado de acordo com os


detalhes indicados nos Desenhos e os requisitos das
Secções 6200 e 6400.
Esta Secção cobre a construção de bermas em asfalto ou
betão na orla exterior de bermas pavimentadas. As bermas
serão construídas in situ, em moldes ou por meio de uma 2403 COMPOSIÇÃO, MISTURA E TRANSPORTE DE
máquina apropriada, com as dimensões indicadas nos MISTURAS BETUMINOSAS
Desenhos ou como determinado pela Fiscalização.
(a) Composição da mistura

2402 MATERIAIS Asfalto com betume de penetração conterá, por massa do


agregado seco, 7 % de betume de penetração 60/70 ou
(a) Ligante betuminoso 80/100 e 1 % de filer activo.

O ligante betuminoso será um betume de penetração ou Asfalto com emulsão betuminosa para mistura conterá, por
uma emulsão betuminosa para mistura conforme for massa do agregado seco, 7 % de betume residual. A
prescrito pela Fiscalização. Pode usar-se emulsão para rega mistura betuminosa estará de acordo com os requisitos da
(pulverização) como rega de impregnação e como rega de especificação do projecto.
colagem.
A composição da mistura betuminosa deverá, em qualquer
Os diversos materiais betuminosos respeitarão as caso, ser sujeita à aprovação prévia da Fiscalização.
especificações seguintes:

(i) Betume de penetração: .......................... SABS 307 (b) Equipamento de mistura


ou equivalente
(ii) Emulsões betuminosas: ............... SABS 309 e 548

2500 - 1
O equipamento de mistura deverá estar de acordo com os (a) Colocação manual
requisitos da Cláusula 4204.
A mistura será colocada e configurada in situ, num molde
portátil rígido, para formar um lancil de bordo trapezoidal
(c) Mistura, transporte e colocação com as dimensões indicadas nos Desenhos.
No caso de bermas de asfalto, a mistura será
Asfalto com betume de penetração será misturado, cuidadosamente compactada para formar uma berma dura e
transportado e colocado conforme os requisitos da Secção indeformável, com o nível, forma e alinhamento adequados,
4200, e o asfalto com emulsão betuminosa para mistura, dentro das tolerâncias especificadas. Os moldes podem ser
conforme os requisitos da especificação do projecto. removidos logo que o material tenha arrefecido à
temperatura ambiente ou, no caso de uma mistura
betuminosa a frio, logo que ela tenha endurecido.
2404 PREPARAÇÃO DA FUNDAÇÃO DA BERMA

(b) Colocação por meio de máquina


Se indicado nos Desenhos, a rega de impregnação aplicada
sobre a base e bermas deverá estender-se sobre uma área Uma máquina de tipo aprovado pode ser usada para
mais larga, para dar espaço para as bermas a serem colocar a berma. Em geral, o trabalho executado com
executadas. máquina não necessitará de nenhuma compactação
adicional. Nos locais onde, na opinião da Fiscalização, a
Onde a Fiscalização instruir, que devam ser construídas compactação seja inadequada, a máquina será carregada
bermas, a largura especificada da projecção da base para com massa adicional, ou outras medidas serão tomadas
além dos limites da berma pavimentada deverá ser para assegurar a obtenção de uma compactação adequada.
cuidadosamente limpa. O material da berma adjacente à
base deverá ser compactado e aplanado até ao nível
superior da base, e todo o material solto removido. (c) Colocação sob barreiras de segurança

Será aplicada uma rega de impregnação consistindo numa Se a berma for colocada primeiro, os buracos para os
emulsão betuminosa a 30%, a uma taxa de 0,4 l/m2 sobre postes da barreira de segurança serão escavados com
a parte da fundação da berma situada fora da superfície cuidado para prevenir danos à berma. Onde for necessária
pavimentada da estrada. Em caso de bermas de asfalto, a colocação de descidas de água em aterros, a berma
será aplicada uma rega de colagem com emulsão deverá ser interrompida à medida da largura do topo da
betuminosa a 30 %, a uma taxa de 0,4 l/m2 sobre toda a descida de água e acabada para formar uma entrada
fundação da berma. Dever-se-á deixar a rega de colagem apropriada para a água na descida, como indicado nos
romper, antes de a berma ser colocada. Desenhos.

2405 COLOCAÇÃO (d) Requisitos gerais

As bermas serão colocadas em conformidade com o nível,


Quando as bermas são colocadas, deverá ter-se forma e alinhamento. Todas as bermas que se desviem
permanentemente o cuidado apropriado para assegurar que mais de 10 mm do alinhamento definido, medidos na face
o bordo da berma não invada a faixa de rodagem ou a interior da sua crista ou da sua base, ou cuja altura ou
berma em mais de 25 mm. largura, medida na crista, varie em mais de 5 mm da altura
ou largura especificada, serão rejeitadas e deverão ser
removidas e substituídas à custa do Empreiteiro.

2500 - 2
As regas de impregnação e de colagem serão pagas ao
As superfícies de bermas de betão colocadas com máquina abrigo do Item 24.03.
e todas as superfícies não cofradas, deverão ter um
acabamento da Classe U2, e as superfícies cofradas um
acabamento da Classe F2. Deverão ser providenciadas Item Unidade
juntas com intervalos de 3 m em todas as bermas de
betão, quer por meio de betonagem em secções alternadas 24.02 Bermas em betão:
ou pelo corte de secções colocadas com máquina. Todas
as juntas deverão ser bem executadas e acabadas de modo (a) Colocadas onde não há barreiras de segurança .......
a não deixar quaisquer irregularidades ou betão solto nas ........................................................ metro linear (m)
juntas.
(b) Colocadas junto de barreiras de segurança
existentes ………………………………. metro linear (m)
2406 SECÇÕES DE TRANSIÇÃO PARA BARREIRAS DE
SEGURANÇA DO TIPO “NEW JERSEY” A unidade da medição será o metro linear de berma de
betão colocada como especificado.

Onde for necessária a construção em asfalto de secções de Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
transição para barreiras de segurança de pontes do modelo pela aquisição, fornecimento, mistura e colocação do
“New Jersey”, são aplicáveis as instruções sobre bermas de material, e todo outro trabalho necessário para completar as
asfalto quanto à composição do asfalto e preparação da bermas em betão como especificado. A rega de
fundação. impregnação será paga ao abrigo do Item 24.03.

2407 MEDIÇÃO E PAGAMENTO Item Unidade

Item Unidade 24.03 Regas de impregnação e de colagem:

24.01 Bermas de asfalto: (a) Rega de impregnação:

(a) Colocadas onde não há barreiras de segurança (i) Sob bermas de asfalto (ligante indicado) ....... metro
(tipos de asfalto e ligante indicados) ........ metro linear (m) quadrado (m2)

(b) Colocadas junto de barreiras de segurança (ii) Sob bermas em betão (ligante indicado) ....... metro
existentes (tipos de asfalto e ligante indicados) ........ metro quadrado (m2)
linear (m)
(b) Rega de colagem (tipo indicado) .............................
A unidade de medição será o metro linear de berma de ................................................ metro quadrado (m2)
asfalto colocada como especificado.
A unidade de medição será o metro quadrado de rega de
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela impregnação concluída ou rega de colagem aplicada
aquisição, fornecimento, mistura e colocação do material, e conforme as Especificações.
todo outro trabalho necessário para completar as bermas de
asfalto como especificado. Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
pela aquisição e fornecimento de todo o material e pela
mistura e aplicação completa do ligante de impregnação e

2500 - 3
de colagem como especificado, incluindo limpeza,
compactação e acabamento da camada a ser impregnada.
[provável erro no texto]

O pagamento será feito ao abrigo deste item para a rega


de impregnação se, conforme instruído pela Fiscalização, for
aplicada numa faixa separada, independentemente da rega
de impregnação da superfície da estrada ou da berma.

Se for aplicada como parte integral da rega de impregnação


da superfície da estrada ou da berma[shoulder], aplicada
numa área mais extensa, para proporcionar espaço para as
bermas[=berms], o pagamento da rega de impregnação
não será feito ao abrigo deste item.

Item Unidade

24.04 Secções de transição para barreiras de segurança


do tipo “New Jersey”........................... número (Nº)

A unidade de medição será o número de secções de


transição de asfalto concluídas, construídas segundo os
detalhes indicados nos Desenhos.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela


aquisição, fornecimento, mistura e colocação de todos os
materiais, e por toda a mão-de-obra, cofragem e despesas
imprevistas para a construção de secções de transição
completas, como especificado.

2500 - 4
SÉRIE 2000: DRENAGEM

2500 - 1
SÉRIE 2000: DRENAGEM espessura necessária. Calhaus arredondados não deverão
ser usados em taludes de declive superior a 2:1 a menos
SECÇÃO 2500: ENROCAMENTO, ALVENARIA DE que argamassados.
PEDRA E PROTECÇÃO CONTRA
EROSÃO Toda a pedra destinada a ser usada num determinado
trabalho de enrocamento deverá ser sujeita à aprovação
prévia da Fiscalização.
ÍNDICE
(ii) “RIPRAP” (ENROCAMENTO COM PEDRA DE
2501 ÂMBITO GRANDE DIMENSÃO)
2502 MATERIAIS A pedra para enrocamento de protecção deverá ser
2503 ENROCAMENTO proveniente de rocha dura ou de pedreira não susceptível
2504 “RIPRAP” (ENROCAMENTO COM PEDRA DE de desintegração ou excessivo desgaste quando exposta
GRANDE DIMENSÃO) aos agentes atmosféricos ou á água. Será isenta de
2505 PAREDES DE ALVENARIA DE PEDRA material mole como areia, argila, xisto ou material orgânico
2506 PAVIMENTO EM BLOCOS e não conterá uma quantidade excessiva de pedras
2507 ENROCAMENTO COM BETONAGEM IN SITU alongadas.
2508 MEDIÇÃO E PAGAMENTO
O tamanho requerido da pedra dependerá da “massa
crítica" especificada. Pelo menos 50 %, em massa, do
2501 ÂMBITO material que constitui o enrocamento deverá ser composto
por pedras com uma massa superior à massa crítica, e não
Esta Secção cobre o fornecimento de materiais e a mais do que 10 %, em massa, do material será composto
construção de uma cobertura protectora de pedra arrumada por pedras com uma massa inferior a 10 % da massa
à mão, enrocamento com betão moldado in situ (pedra crítica nem 5 vezes superior à massa crítica.
argamassada), tijolos ou blocos de betão pré-fabricados em
superfícies expostas tais como taludes de terra, leitos de
valas e de linhas de água, bem como camadas protectoras (b) Cimento
mais pesadas, sob a forma de “riprap” e a construção de
paredes em alvenaria de pedra, tal como indicado nos O cimento será cimento de Portland normal, que cumpra os
Desenhos ou determinado pela Fiscalização. requisitos da norma SABS 471 ou equivalente.

2502 MATERIAIS (c) Areia

(a) Pedra (i) Areia para betão

(i) Enrocamento A areia para betão, calda (pasta) de cimento e argamassa


cumprirá os requisitos da norma SABS 1083 ou equivalente.
A pedra para enrocamento deverá ser sólida, rija e durável,
sem quaisquer pedras (elementos) com menos de 200 mm (ii) Areia para camada de assentamento
de dimensão mínima, excepto no que respeita ao
preenchimento de espaços entre as pedras maiores, em A areia para a camada de assentamento de blocos para
que podem ser usadas pedras ou fragmentos de dimensões pavimento não conterá nenhuma impureza nociva e
inferiores. As formas das pedras deverão ser apropriadas cumprirá os requisitos de granulometria da Tabela 2502/1
para formar uma camada protectora estável, com a
Tabela 2502/1
Granulometria para areia de camada de apoio Os blocos de betão para relva consistirão em lajetas de
betão com as dimensões indicadas nos Desenhos, com
aberturas através da lajeta, totalizando pelo menos 20 % da
Abertura das malhas do
% de material que passa área.
peneiro (mm)

9.52 100
4.75 95-100 (e) Betão

2.36 80-100
1.18 50-85 O trabalho em betão será executado conforme as

0.600 25-60 disposições das Secções 6200, 6300 e 6400.

0.300 10-30
0.150 5-15
0.075 0-10 (f) Arame

O arame para enrocamento armado será arame


galvanizado, com 4 mm de diâmetro, e cumprirá os
(iii) Areia para juntas
requisitos da norma SABS 675 ou equivalente.

A areia utilizada para o enchimento das juntas entre blocos


de pavimento passará totalmente no peneiro de 1,18 mm, e
(g) Material permeável para camada de filtro
entre 10 e 15 % dela deverá passar no peneiro de 0,075
mm.
O material permeável para camadas de filtro cumprirá os
requisitos especificados na Sub-cláusula 2104 (a) (ii) para
material permeável para drenos subterrâneos.
(d) Blocos de pavimento

Os blocos de pavimento cumprirão os requisitos da norma


(h) Material de filtro de fibra sintética (Geotêxtil,
SABS 1058 ou equivalente, para blocos de pavimento da
Geossintéctico)
Classe 25, quando os blocos sejam feitos de betão. Os
tijolos usados como blocos de pavimento serão unidades de
O material de filtro de fibra sintética será da malha
face melhorada [facebrick units] que cumprirão os
(qualidade, etc.) e tipo especificado no Mapa de
requisitos da norma SABS 227 ou equivalente. Unidades
Quantidades ou nas Especificações do Projecto e cumprirá
apropriadas e/ou acordadas com o Engenheiro
os requisitos da Sub-cláusula 2104 (a) (iii).
[Engineering units] também poderão ser usadas em
substituição de unidades de face melhorada.

2503 ENROCAMENTO DE PEDRA


A textura superficial e a cor de todas as unidades deverão
ser uniformes.
(a) Enrocamento de pedra arrumada à mão

Os blocos de pavimento para passeios serão blocos


A área deverá ser preparada por meio de escavação,
quadrados de betão pré-fabricado, com dimensões de
regularização e perfilamento necessários para o
450 mm x 450 mm x 50 mm e fabricados com betão de
enrocamento, e por meio de cuidadosa compactação
Classe 30. Quanto à aparência, os blocos cumprirão os
manual, para prevenir posterior assentamento. Deverá ser
requisitos da Cláusula 3.3 da norma SABS 927 ou
escavada uma vala, como definido pela Fiscalização, ao
equivalente. A face superior será de modelo aprovado, para
longo do pé de qualquer talude a ser protegido com
oferecer uma resistência apropriada à derrapagem.

2500 - 2
enrocamento, ou ao longo da borda desprotegida do espessura do enrocamento, medida segundo ângulos rectos
enrocamento nos leitos de linhas de água. Dois métodos relativamente à superfície, não será inferior a 200 mm.
são descritos a seguir e o método a ser adoptado será
decidido pela Fiscalização. (b) Enrocamento de pedra argamassada

(i) Método 1 O trabalho será feito conforme os requisitos especificados


para o enrocamento com pedra arrumada na Sub-cláusula
Começando no fundo da vala, a pedra será colocada e 2503 (a) acima referida, excepto que as pedras serão
firmemente assente contra o talude e contra as pedras cuidados amente limpas de sujidade ou argila aderente,
contíguas. As pedras serão colocadas com os seus eixos humedecidas e embebidas em argamassa de cimento
longitudinais em ângulos perpendiculares ao talude e com acabada de assentar, composta de uma parte de cimento
juntas alternadas. As pedras serão bem compactadas no para seis partes de areia. Todos os espaços entre as
talude ou superfície a ser protegida e os espaços entre as pedras serão enchidos com argamassa de cimento com a
pedras maiores serão preenchidos com fragmentos da pedra mesma composição que a argamassa de assentamento. A
de enrocamento aprovada, compactados seguramente no argamassa de assentamento e a de enchimento serão
lugar. colocadas numa operação contínua no próprio dia, num
mesmo local. A argamassa de enchimento será introduzida
A colocação de pedra por descarga simples não será no enrocamento para assegurar que todos os espaços ou
permitida. vazios entre as pedras serão completamente cheios com a
argamassa a toda a profundidade do enrocamento de pedra
(ii) Método 2 argamassada. A argamassa derramada em superfícies
expostas da pedra será removida enquanto ainda mole, e
A técnica e os requisitos definidos no Método 1 são as juntas entre as pedras serão devidamente acabadas.
igualmente aplicados no Método 2, excepto nos seguintes
aspectos: O enrocamento com pedra argamassada será curado com
tecido de sacaria molhado ou outra cobertura molhada
(1) Não se usarão pedras ou fragmentos pequenos para aprovada, durante um período não inferior a quatro dias
preencher espaços entre as pedras maiores. depois da aplicação da argamassa de enchimento, e não
deverá ser sujeito a cargas até que a resistência adequada
(2) Simultaneamente com a colocação das pedras, tenha sido atingida. Onde necessário, far-se-ão bueiros no
introduzir-se-á solo vegetal entre as pedras individuais, o enrocamento.
qual deve ser suficientemente compactado para proporcionar
uma estrutura firmemente ligada. O solo vegetal será (c) Enrocamento de pedra argamassada armada
introduzido a toda a profundidade do enrocamento de pedra
em qualquer ponto. O enrocamento será mantido em posição com redes de
arame com 150 mm de malha, colocadas no fundo e no
(3) Relva com raízes ou tufos de relva serão então topo. A rede de fundo, com amarrações de arame nela
plantados no solo vegetal introduzido entre as pedras e fixadas a distâncias de 600 mm e projectadas para cima,
imediatamente bem regados e, posteriormente regados será primeiro colocada sobre a superfície a ser protegida
regularmente até que a relva se tenha estabelecido. com o enrocamento. A pedra será então colocada sobre
esta rede conforme os requisitos especificados para o
Qualquer que seja o método adoptado, a superfície acabada enrocamento de pedra arrumada na Sub cláusula 2503 (a).
do enrocamento apresentará um aspecto regular, sólido e Depois da pedra ser aplicada, a rede de arame superior
arrumado sem pedras que variem mais de 25 mm das será colocada bem justa por cima da camada de pedra e
inclinações ou alinhamentos superficiais especificados. A fixada com segurança às amarrações vindas da rede de
fundo e passando através do enrocamento. Depois de terem

2500 - 3
sido atadas, as pontas das amarrações serão voltadas para outro tipo em que a rocha é descarregada e em seguida
o interior do enrocamento. Toda a área do enrocamento espalhada por máquinas, que é designado por “riprap”
reforçado com arame será então rebocada e acabada com descarregado.
argamassa de cimento, conforme os requisitos especificados
para o enrocamento de pedra argamassada, na Sub- A superfície das áreas que vão receber o “riprap” será
cláusula 2503 (b). cuidadosamente regularizada segundo o alinhamento e nível
devidos e todo o material solto compactado. Os perímetros
(d) Enrocamento de pedra argamassada sobre uma das áreas com “riprap” serão protegidos pela construção de
camada de betão valas, paredes ou de outras estruturas, consoante
necessário. As valas no perímetro serão normalmente
A área de enrocamento será preparada como descrito na enchidas com rocha do mesmo tamanho e qualidade que a
Sub-cláusula 2503 (a) e depois será aplicada uma camada usada na construção do “riprap” contíguo, mas quaisquer
de betão (betão da Classe 15) com uma espessura de pelo vazios existentes serão preenchidos com pedra mais
menos 75 mm. O enrocamento de pedra será feito com pequena e todo o enchimento será bem compactado.
pedras com uma dimensão mínima de 200 mm, que serão
assentes enquanto o betão ainda está fresco. As aberturas (b) Camada de filtro
entre as pedras serão preenchidas com argamassa de
cimento como descrito na Sub-cláusula 2503 (b), devendo A camada de filtro consistirá numa ou mais camadas de
tomar-se cuidado para não derramar a argamassa sobre as material permeável colocado sobre a superfície preparada
superfícies das pedras, que ficarão expostas. A argamassa com a espessura necessária e cada camada será acabada
derramada sobre estas superfícies será removida enquanto a uma superfície e espessura uniformes. Não é necessário
ainda mole, e as juntas entre pedras serão devidamente compactar o material permeável. Deverá tomar-se cuidado
acabadas. para não misturar material de filtro de diferentes
granulometrias nem perturbar o material já assente, ao
A cura será feita como descrito para a o enrocamento de colocar as camadas subsequentes ou o enrocamento.
pedra argamassada, na Sub-cláusula 2503 (b). Quando for necessário o uso de material de filtro de fibra
sintética (geotêxtil ou geossintéctico), este será colocado
O enrocamento concluído terá uma aparência sobre a superfície preparada ou sobre a camada de filtro,
uniformemente compactada e a superfície não poderá em dependendo das instruções. A sobreposição entre folhas de
nenhum lugar desviar-se em mais de 25 mm dos geotêxtil adjacentes será de 150 mm, a menos que
alinhamentos e inclinações especificados. especificado de outra forma. Deverá tomar-se cuidado para
não danificar o geotêxtil quando as camadas subsequentes
estão a ser colocadas, nem expor o geotêxtil ao sol por
2504 “RIPRAP” (ENROCAMENTO COM PEDRA DE períodos de mais de três dias antes de ser coberto.
GRANDE DIMENSÃO)
(c) “Riprap” arrumado
(a) Observações gerais
O “riprap” arrumado será construído com rochas colocadas
O “riprap” consiste numa camada ou camadas de pedra de individualmente, com as juntas alternadas e as rochas
grande dimensão, colocada nos taludes e na base de firmemente incrustadas na superfície. Os espaços entre as
taludes, em cursos de água e leitos de rios e em outros pedras maiores serão preenchidos com fragmentos ou
locais onde uma protecção deste tipo possa ser necessária. pedras mais pequenas firmemente pressionadas no lugar.
Em superfícies inclinadas a rocha será posta em longas
Dois tipos de enrocamento de protecção são especificados faixas horizontais a partir do fundo e não em faixas subindo
aqui, a saber, um tipo em que as rochas são arrumadas ao longo do talude.
individualmente, que é designado como “riprap” arrumado, e

2500 - 4
O “riprap” acabado apresentará uma superfície compacta e extremos da parede deverão ser cuidadamente acabados,
uniforme. As irregularidades superficiais locais do “riprap” com pedras de remate seleccionadas.
não excederão 150 mm.
A superfície da parede concluída deverá ser regular e
fechada.
(d) “Riprap” descarregado (depositado)
O “riprap” descarregado (depositado) será construído por (c) Paredes de alvenaria de pedra argamassada
descarga da pedra sobre a superfície preparada,
espalhando-a com um bulldozer ou outro equipamento de As paredes serão construídas como especificado em (b),
terraplenagem apropriado, e regularizando-a segundo os acima, exceptuando que as pedras serão molhadas e
alinhamentos e níveis necessários. O material será colocado assentes numa argamassa de cimento:areia: de 1:6. As
duma forma que previna a segregação das pedras menores partes expostas das pedras nas paredes serão limpas de
e maiores e a camada superior será firmemente calcada toda a argamassa por meio de lavagem ou com escova de
para ter um mínimo de vazios. arame. O excedente de argamassa será raspado com uma
colher de pedreiro a contento da Fiscalização, que poderá
exigir um remate e acabamento dessa argamassa.
2505 PAREDES DE ALVENARIA DE PEDRA
Bueiros serão providenciados como prescrito e limpo de
(a) Observações gerais argamassa ou de qualquer outro material de entupimento
que possa ter entrado durante a construção.
As paredes de alvenaria de pedra podem ser paredes de
pedra compactada com juntas secas (parede de alvenaria As paredes serão protegidas de intempéries e mantidas
de pedra seca) ou paredes com pedra assente em húmidas por um período mínimo de quatro dias após a
argamassa de cimento (parede de alvenaria de pedra....), construção.
como indicado nos Desenhos, como especificado, ou como
ordenado.
2506 PAVIMENTO DE BLOCOS
O peso mínimo de cada pedra utilizada será de 10 kg e a
sua dimensão mínima de 75 mm. (a) Observações gerais

(b) Paredes de alvenaria de pedra seca As camadas subjacentes das superfícies a serem
pavimentadas com blocos serão construídas como
Deverá ser escavada uma vala de fundação até à rocha especificado ou como indicado nos Desenhos. Onde não
firme, ou até a material com uma capacidade de suporte tiver sido estabelecido nenhum requisito específico
adequada, a uma profundidade mínima de 300 mm abaixo relativamente às camadas subjacentes, a camada superior
do nível do solo. Para a camada de fundação serão usadas será mecanicamente compactada a pelo menos 93 % da
pedras grandes seleccionadas. As pedras achatadas e densidade AASHTO modificada, até pelo menos 150 mm do
estratificadas serão assentes com a maior dimensão no topo. Durante este processo, a camada superior será
plano horizontal. As pedras serão colocadas individualmente regularizada de acordo com as inclinações e níveis
para alternar as juntas e proporcionar um mínimo de vazios necessários.
e serão firmemente comprimidas calcadas contra as pedras
contíguas. Os espaços entre as pedras maiores serão Onde especificado ou determinado pela Fiscalização, a
preenchidos com fragmentos firmemente introduzidos com superfície preparada será tratada com herbicida aprovado,
martelo. As pedras maiores não se deverão apoiar de nos ambientalmente compatível, e veneno contra formigas, antes
fragmentos usados para encher os vazios. O topo e os da colocação da camada de areia de assentamento.

2500 - 5
(b) Areia para a camada de assentamento Os blocos para passeios serão assentes do mesmo modo
que o descrito atrás para blocos de pavimento (alínea c),
Uma camada de areia para assentamento será colocada igualmente numa camada de assentamento de areia, desde
sobre a superfície preparada e, quando ainda solta, que, onde especificado, as juntas sejam preenchidas com
espalhada com precisão a uma espessura não compactada uma argamassa de cimento e areia de 1:6, em vez de
de 30 mm (± 5 mm) para permitir o nível correcto do apenas com areia. Neste caso, a largura das juntas entre
pavimento depois da compactação. A areia para a camada os blocos ficará estritamente de acordo com as dimensões
de assentamento será colocada imediatamente antes dos mostradas nos Desenhos, e o pavimento será
blocos de pavimento serem assentes e não será completamente compactado antes de as juntas serem
compactada antes que os blocos tenham sido colocados. enchidas.

(c) Assentamento dos blocos de pavimento (f) Blocos de betão para relva

O padrão para colocação dos blocos de pavimento será Os blocos de betão para relva, do tamanho especificado ou
como indicado nos Desenhos ou aprovado ou prescrito pela indicado nos Desenhos, serão colocados nas áreas
Fiscalização. Os blocos inteiros serão colocados em preparadas para serem arrelvadas, como especificado na
primeiro lugar e depois as peças para enchimento. As Secção 5700. Os orifícios dos blocos serão enchidos com
peças de enchimento serão bem serradas ou talhadas, de solo vegetal e arrelvados com pés ou tufos de relva, ou
forma a ajustarem-se exactamente ao espaço a ser semeados por “hidrosementeira” como especificado na
preenchido. Os espaços de menos de 25 % de um bloco Secção 5700.
inteiro podem ser cheios com betão de 25 MPa. As juntas
entre blocos terão uma abertura entre 2 e 6 mm e as faces (g) Requisitos de acabamento
superiores dos blocos serão planas. Depois dos blocos de
pavimento terem sido colocados, o pavimento será (i) Blocos de pavimento
compactado em duas passagens com uma placa vibradora
adequada, operando a uma frequência de 65 -100 Hz e a O pavimento concluído será uniforme e bem acabado,
uma baixa amplitude. A superfície da placa será de 0.2 - nivelado com os lancis ou com as vigas de contenção
0.4 m2 e desenvolverá uma força centrífuga de 7 - 16 kN. marginais e não deve ficar abaixo do bordo. A superfície
final não pode desviar-se em nenhum lugar mais de 15 mm
Depois da compactação do pavimento como descrito, a dos níveis e planos especificados, e não pode ocorrer nela
areia para as juntas será espalhada e varrida para o interior nenhuma irregularidade superior a 10 mm quando testada
das juntas até, que estas tenham ficado devidamente com uma régua de 3 m.
preenchidas. Toda a areia excedentária será varrida para
fora e o pavimento será então submetido a duas novas (ii) pavimento em blocos para relva
passagens pela placa vibradora.
O pavimento concluído com blocos de betão para relva
(d) Vigas de contenção marginais deverá ter um aspecto uniforme e bem acabado. A
superfície final do pavimento não pode desviar-se em
As vigas de contenção de betão, ou qualquer outro suporte nenhum lugar mais de 15 mm dos níveis e planos
marginal, serão construídas na camada de base, conforme especificados.
os detalhes mostrados nos Desenhos, e devem ser
construídas e deixadas curar antes que quaisquer blocos de 2507 PROTECÇÃO BETONADA IN SITU
pavimento sejam colocados.
As áreas onde a protecção betonada in situ irá ser
(e) Blocos de pavimento para passeios construída serão compactadas, regularizadas e preparadas
como descrito na Cláusula 2506 do pavimento de blocos.

2500 - 6
As áreas serão também tratadas com um herbicida (c) Enrocamento de pedra argamassada armada
ambientalmente compatível e veneno contra formigas, se (espessura total indicada) ... metro quadrado (m2)
necessário. O betão cumprirá os requisitos da Série 6000.
(d) Enrocamento de pedra argamassada sobre uma
Antes da colocação do betão, a superfície será regada e camada de betão (espessura total indicada) ............
mantida húmida até que o betão seja colocado. O tipo de .............................................. metro quadrado (m2)
betão usado, a menos que seja especificado de outra
forma, será da Classe 20 e o betão será aplicado com A unidade de medição do enrocamento será o metro
precisão em painéis alternados, conforme os alinhamentos e quadrado de cada tipo de enrocamento aplicado.
os níveis indicados, após o que os restantes painéis serão
betonados do mesmo modo. Deverão ser usadas guias de O preço unitário proposto para cada tipo do enrocamento de
betonagem precisas para obter o alinhamento e o declive pedra incluirá a compensação total pelo fornecimento de
necessários. O betão será cuidadosamente compactado e todos os materiais, execução de todas as escavações,
terá um acabamento de superfície da Classe U2. excluindo valas e grandes escavações, compactação e
regularização das superfícies escavadas, formação e
Onde indicado, a protecção em betão será contida por vigas limpeza de bueiros, colocação de pedras e argamassa, ou
marginais em betão, construídas como descrito na Cláusula arame e argamassa onde aplicável, plantio de relva e rega
2506 (d) acima. (aplicável ao Método 2) e qualquer outro trabalho
necessário para concluir o enrocamento como especificado.
A protecção em betão será curada durante pelo menos sete O preço unitário proposto para o enrocamento com pedra
dias e não será permitido nenhum tráfego através da argamassada sobre uma camada de betão incluirá também
protecção, antes que a resistência especificada aos 28 dias a compensação total pela camada de betão.
tenha sido alcançada.
As escavações para valas de fundação e vigas marginais
A superfície final não pode desviar-se em nenhum local de betão e a construção das próprias vigas marginais de
mais de 25 mm dos níveis e planos especificados e não betão serão pagas separadamente.
pode ocorrer nenhuma irregularidade superior a 10 mm
durante o teste com uma régua de 3 m.
Item Unidade

2508 MEDIÇÃO E PAGAMENTO 25.02 “Riprap”:

(a) “Riprap” arrumado (massa crítica da pedra indicada)


Item Unidade ................................................... metro cúbico (m3)

25.01 Enrocamento de pedra: (b) “Riprap” descarregado (massa crítica da pedra


indicada) ................................... metro cúbico (m3)
(a) Enrocamento de pedra arrumada:
(c) Filtro de protecção (Sub-cláusulas 2104 (a) (ii) e
(i) Método 1 .............................. metro quadrado (m2) 2504 (b)), composto de :

(ii) Método 2 ............................. metro quadrado (m2) (i) Agregado britado ......... metro cúbico (m3)

(b) Enrocamento de pedra argamassada ............ metro (ii) Areia de filtro obtida de câmaras de empréstimo ......
quadrado (m2) ....................................... metro cúbico (m3)

2500 - 7
(d) Geotêxtil (tipo, classe e malha indicados) ... metro Item Unidade
quadrado (m2)
25.04 Protecção em betão e pavimento de blocos:
A unidade de medição para a camada de “riprap” e de filtro
(Subitens (a), (b) e (c) acima) será o metro cúbico da (a) Protecção betonada in situ (classe de betão e
camada de “riprap” ou de filtro aplicada e incluirá a pedra espessura da protecção indicadas) ...........................
usada no enchimento da vala. A unidade de medição do .............................................. metro quadrado (m2)
Subitem (d) será o metro quadrado do material de geotêxtil
colocado como especificado, incluindo sobreposições. (b) Pavimento de blocos (tipo e espessura indicados) .
metro quadrado (m2)
Os preços unitários propostos para os Subitens (a), (b) e
(c) incluirão a compensação total pela preparação das (c) Blocos de betão de relva pré-fabricados ...................
superfícies, incluindo a escavação (mas excluindo .............................................. metro quadrado (m2)
escavação de valas e grandes escavações) e o
fornecimento, transporte, manuseamento e colocação das (d) Blocos de betão pré-fabricados para pavimento de
camadas de “riprap” ou do filtro. O preço unitário proposto passeios (espessura indicada) ..................................
para o Subitem (d) incluirá a compensação total pela .............................................. metro quadrado (m2)
aquisição e fornecimento do geotêxtil e pela sua aplicação
como especificado, incluindo desperdícios. Em conjunto, os A unidade de medição será o metro quadrado de cada tipo
preços unitários também incluirão a compensação total por construído.
todas as despesas imprevistas necessárias para completar o
trabalho como especificado. Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
pelo fornecimento de todos os materiais, toda a escavação
(mas excluindo grandes escavações e escavação para valas
Item Unidade de fundação e vigas de contenção marginais), compactação
e regularização de todas as áreas escavadas, fornecimento
25.03 Paredes de alvenaria de pedra: de uma camada de assentamento de areia (Subitens (b) e
(d)), colocação e compactação dos blocos de pavimento
(a) Paredes de alvenaria de pedra seca......................... (Subitens (b) e (d)), colocação de blocos de betão de
................................................... metro cúbico (m3) relva (Subitem (c)), colocação de solo vegetal e plantio de
relva (Subitem (c)), construção da protecção de betão,
(b) Paredes de alvenaria de pedra argamassada .......... incluindo cofragem normal e a configuração das superfícies
................................................... metro cúbico (m3) (Subitem (a)), execução e limpeza de bueiros (Subitem
(a)) e por qualquer outro trabalho necessário para concluir
A unidade de medição de paredes de alvenaria será o a obra como especificado.
metro cúbico de parede construída e aceite.

O preço unitário proposto para cada tipo de parede de Item Unidade


pedra incluirá a compensação total pelo fornecimento de
todos os materiais, regularização as áreas, assentamento 25.05 Vigas de contenção marginais de betão (classe de
das pedras e da alvenaria de pedra argamassada onde betão indicada) ......................... metro cúbico (m3)
necessário, e por todo outro trabalho necessário para
completar as paredes conforme as Especificações. A A unidade de medição será o metro cúbico de betão em
escavação de valas de fundação será paga separadamente. vigas de contenção marginais construídas como indicado.

2500 - 8
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pelo
fornecimento de todos os materiais e mão-de-obra,
incluindo cofragem consoante a necessidade, colocação de
betão e configuração de todas as superfícies e todas as
escavações necessárias (em todas as classes de material).

Item Unidade

25.06 Fornecimento de herbicida e veneno contra


formigas:

(a) Fornecimento de materiais .........................................


...................................Soma dos custos de aquisição

(b) Custos do Empreiteiro e lucro acrescentado ao custo


de aquisição ................................ percentagem (%)

O pagamento ao abrigo da soma dos custos de aquisição


do veneno contra formigas e herbicida ambientalmente
compatíveis e os custos e lucro do Empreiteiro será feito
conforme as disposições das Condições Gerais do Contrato,
mas, adicionalmente, o preço unitário proposto pelo
Empreiteiro para os custos e lucro incluirá a compensação
total pela aplicação dos produtos químicos como
especificado.

Item Unidade
25.07 Valas de fundação .................... metro cúbico (m3)

A unidade de medição será o metro cúbico do material


escavado para valas de fundação independentemente da
classe ou da profundidade do material. A quantidade será
calculada de acordo com as dimensões indicadas nos
Desenhos ou definidas pela Fiscalização.

O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela


escavação das valas de fundação independentemente da
classe ou da profundidade do material, completas como
especificado, ou como indicado nos Desenhos, ou como
definido pela Fiscalização.

2500 - 9
SÉRIE 2000: DRENAGEM

SECÇÃO 2600: GABIÕES

ÍNDICE

2601 ÂMBITO
2602 MATERIAIS
2603 CONSTRUÇÃO DE ARMAÇÕES DE GABIÃO
2604 CONSTRUÇÃO DE GABIÕES (b) Arame
2605 MEDIÇÃO E PAGAMENTO
Todo o arame usado para fazer os gabiões e para a
amarração durante a construção dos gabiões cumprirá os
2601 ÂMBITO requisitos da norma SABS 675 ou equivalente para arame
de aço macio.

Esta Secção cobre a execução de paredes e barreiras de (c) Arame revestido com PVC
gabião para a construção muros de suporte, revestimentos
de canais, paredes de revestimento e outras estruturas de O gabiões de rede de arame revestida com PVC serão de
protecção contra a erosão. uma marca reconhecida, sujeita à aprovação pela
Fiscalização.
De maneira geral os gabiões serão armações de rede de
arame de aço galvanizado, flexíveis e cheias de pedra. (d) Galvanização

Todo o arame usado na construção de gabiões será


2602 MATERIAIS galvanizado conforme as disposições da norma SABS 675
ou equivalente, para arame resistente de aço macio
(a) Pedra galvanizado da Classe A.

A pedra usada para encher as armações será limpa, (e) Rede de arame
constituída por calhaus ou pedaços de rocha resistentes à
intempérie. Nenhum pedaço de rocha excederá o tamanho A rede de arame cumprirá os requisitos da norma SABS
máximo indicado no Tabela 2602/1 abaixo, e pelo menos 1580 ou equivalente.
85 % das pedras serão de um tamanho igual ou superior à
média das menores dimensões dada no Quadro 2602/1. (f) Geotêxtil sob os gabiões

O geotêxtil cumprirá os requisitos da Sub-cláusula 2104 (a)


Quadro 2602/1 (iii) para geotêxtil da Classe 3.
Tamanhos da pedra  Atenção, que esta sub cláusula não indica nenhum
requisito e remete para o desconhecido…Convém esclarecer
Tamanho da pedra de acordo melhor esta referência cruzada.
a maior dimensão
Altura da
gaiola Média da Máximo
(armação) (m) menor (mm)
dimensão 2603 CONSTRUÇÃO DE ARMAÇÕES DE GABIÃO
(mm)

0.2 125 150 (a) Observações Gerais


0.3 125 200
0.5 125 250
1.0 125 250

2600 - 1
de diâmetro especificado na norma SABS 1580 ou
As armações de gabião serão feitas em rede de arame do equivalente.
tamanho, tipo e bordo como especificado abaixo. As
armações serão subdivididas em células por diafragmas de Onde o bordo) não seja integralmente entrelaçado com a
rede de arame e serão de dois tipos: rede e tenha de ser amarrada às pontas cortadas da rede,
ela será ligada amarrando as pontas cortadas da rede ao
(i) Caixas que são geralmente usadas para a bordo, de forma a que, para separá-la da rede, seja preciso
construção de paredes de gabiões. Estas caixas são uma força não inferior a 8.5 kN aplicada no mesmo plano
subdivididas em células por diafragmas espaçados a da rede, num ponto do bordo de uma amostra de rede de
intervalos de 1.0 m. Se o comprimento da caixa não 1,0 m de comprimento.
exceder 1.5 m não é necessário nenhum diafragma.

(ii) Colchões que são geralmente usados como uma (c) Diafragmas e painéis dos extremos
barreira de camada única, apenas em revestimentos,
revestimentos de canais de canais, etc., e nos quais a Os diafragmas e os painéis dos extremos serão bordejados
largura máxima é de 2 m e a altura máxima de 0,5 m. Os apenas nos lados superiores e verticais. Os painéis dos
colchões serão subdivididos por meio de diafragmas em extremos serão ligados pelas pontas cortadas dos arames
células com uma largura de 600 mm ou de 1.0 m, como da rede ao fundo do painel que é torcido em redor do
especificado no Mapa de Quantidades. bordo da base do gabião. Os diafragmas serão igualmente
amarrados pelas pontas cortadas da rede que é enrolada às
Os tamanhos padrão de caixas e colchões são como se uniões dobradas da rede na base do gabião. Em cada
indica a seguir: caso, a força necessária para separar os painéis da base
não será inferior a 6 kN/m.
(1) Caixas
(d) Arame para ligações e amarração
Comprimento .................................................. 1, 2, 3 e 4 m
Largura ........................................................................ 1,0 m Com as armações de gabião deverá ser fornecido em
Altura ............................................... 0,3 m, 0,5 m e 1,0 m quantidade suficiente arame para todas as amarrações a
Espaçamento dos diafragmas .................................... 1,0 m. serem feitas durante a construção dos gabiões, como
especificado na Cláusula 2604 seguinte. O diâmetro do
(2) Colchões arame deverá ser de 2,2 mm.

Comprimento .................................................................. 6 m
Largura ........................................................................... 2 m (e) Tolerâncias
Altura ............................................. 0,2 m, 0,3 m e 0,5 m.
Espaçamento dos diafragmas ................................................ A tolerância do diâmetro especificado será de ± 2,5 % para
.................................. 600 mm ou 1,0 m como especificado todo o arame. O comprimento das armações será sujeito a
uma tolerância de ± 10 %; a largura das armações será
Outros gabiões podem ser fornecidos, desde que tenha sido sujeita a uma tolerância de ± 5 % e a altura das armações
obtida permissão prévia da Fiscalização. será sujeita a uma tolerância de ± 5 %.

(b) Bordos
2604 CONSTRUÇÃO DE GABIÕES
As pontas cortadas de toda a rede usada na construção de
gabiões, excepto as extremidades do fundo de diafragmas e (a) Preparação da fundação e superfí cie
painéis das extremidades, terão uma bordadura de arame

2600 - 2
A superfície sobre a qual as armações de gabião devem ser Deve tomar-se particular cuidado no acondicionamento dos
colocadas antes de serem enchidas com pedra será lados visíveis de caixas de gabião, onde apenas se usará
nivelada à profundidade indicada nos Desenhos ou como pedra seleccionada do tamanho especificado para obter um
instruído pela Fiscalização para apresentar uma superfície acabamento uniforme. As caixas serão enchidas em
regular (desempenada). Se necessário, as cavidades entre camadas para prevenir deformações e saliências. Além
as saliências rochosas (da fundação) serão enchidas com disso, serão enchidas até imediatamente abaixo do nível
material semelhante ao especificado na Sub-cláusula 2602 das abraçadeiras de arame, após o que as abraçadeiras
(a). Quando necessário, será escavada uma vala de serão torcidas para criar a tensão devida. Deve ser tomar-
fundação ao longo do pé do revestimento ou da parede se o cuidado para assegurar que as camadas consecutivas
com as dimensões mostradas nos Desenhos ou indicadas de armações são enchidas uniformemente, a uma superfície
pela Fiscalização. nivelada, pronta para receber a fiada seguinte.

(b) Geotêxtil (ii) Colchões usados em revestimentos e barreiras

Uma camada de material de filtro do Grau 3 será colocada Os gabiões de 0,2 m, 0,3 m e 0,5 m, que constituem
onde indicado nos Desenhos ou definido pelo Engenheiro. barreiras e revestimentos, serão enchidos com pedras não
O material será colocado conforme as instruções, em tiras seleccionadas na primeira camada e por pedras
com uma sobreposição mínima de 300 mm nas uniões, e seleccionadas na camada de topo, para se assemelhar ao
devidamente fixado para prevenir qualquer movimento ou normal enrocamento de pedra.
deslizamento quando são colocados os gabiões.

(c) Montagem 2605 MEDIÇÃO E PAGAMENTO

Os métodos de construção, estiramento, posicionamento, Item Unidade


amarração e enchimento dos gabiões com a pedra serão
executados, de maneira geral, de acordo com as instruções 26.01 Escavação e enchimento de valas de fundação:
do fabricante previamente aprovadas pela Fiscalização.
Mas, apesar disso, serão tensionados suficientes arames de (a) Em rocha sólida (material que necessita de
ligação entre os lados verticais de todas as células explosivos) .................................. metro cúbico (m3)
exteriores visíveis, para prevenir a deformação das caixas
quando estão a ser enchidas com pedra. (b) Em todas as outras classes de material ..................
.................................................... metro cúbico (m3)
É essencial que os cantos das armações de gabião sejam
seguramente amarrados uns aos outros, para constituir uma A unidade de medição será o metro cúbico de cada classe
superfície uniforme e assegurar que a estrutura não se de escavação feita de acordo com as dimensões
assemelhe a uma série de blocos ou painéis. autorizadas.

A disposição e as tolerâncias para a disposição das caixas Os preços propostos incluirão a compensação total pela
serão como mostrado nos Desenhos ou como instruído pela escavação em cada classe de material, incluindo excessos
Fiscalização. de escavação inevitáveis, a regularização das valas e a
compactação das soleiras das valas, o enchimento e
(d) Enchimento com pedra compactação do material de enchimento, e o depósito em
vazadouro do excesso de material escavado, incluindo o
(i) Caixas em muros de suporte transporte gratuito em 1 Km.

2600 - 3
Item Unidade Os preços unitários propostos incluirão a compensação total
pelo fornecimento de todos os materiais, incluindo a pedra
26.02 Preparação da superfí cie para colocação dos de enchimento, armações de rede de arame, arame de
gabiões ................................... metro quadrado (m2) ligação e amarração, carregamento, transporte e descarga,
montagem e enchimento das armações e qualquer outro
A unidade de medição para nivelar e preparar a superfície trabalho necessário para a construção dos gabiões.
para receber os gabiões será o metro quadrado das
dimensões limpas de revestimentos, barreiras ou fundações
de muros. Item Unidade
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pela
escavação, enchimento de qualquer cavidade com pedra e 26.04 Geotêxtil (tipo e classe indicados) ...........................
nivelamento da superfície do terreno para estar pronta a ................................................ metro quadrado (m2)
receber as armações de gabião para muros de suporte,
barreiras e revestimentos. A unidade de medição será o metro quadrado da área
coberta com geotêxtil aplicado.
Item Unidade
O preço unitário proposto incluirá a compensação total pelo
26.03 Gabiões: fornecimento do geotêxtil, corte, perdas, colocação,
execução de juntas, sobreposição e fixação do material no
(a) Caixas de gabião galvanizadas (dimensões da caixa lugar.
e tamanho da rede indicados) ..................................
.....................................................metro cúbico (m3)

(b) Caixas de gabião com revestimento em PVC


(dimensões de caixa e tamanho da rede indicados)
.....................................................metro cúbico (m3)

(c) Colchões de gabião galvanizados (dimensões do


colchão, tamanho da rede e espaçamento dos
diafragmas indicados) ..................metro cúbico (m3)

(d) Colchões de gabião com cobertura em PVC


(dimensões do colchão, tamanho da rede e
espaçamento dos diafragmas indicados) ..................
.....................................................metro cúbico (m3)

A unidade de medição será o metro cúbico das armações


cheias com pedra e a quantidade será calculada pelas
dimensões dos gabiões indicadas nos Desenhos ou
prescritas pela Fiscalização, independentemente de qualquer
deformação ou protuberância dos gabiões concluídos.

2600 - 4
SÉRIE 3000

MOVIMENTO DE TERRAS E CAMADAS DE


PAVIMENTO EM CASCALHO (MATERIAL
GRANULAR NATURAL) E EM AGREGADO
BRITADO

3100 Materiais de empréstimo


3200 Selecção, amontoamento e desagregação de materiais de câmaras
de empréstimo e de cortes (escavações), colocação e compactação
das camadas de material granular (cascalho)
3300 Movimento de terras (Terraplenagens)
3400 Camadas de pavimento em material granular
3500 Estabilização
3600 Base em agregado britado
3700 Base em macadame hidráulico
3800 Escarificação de camadas de pavimento existentes

3000
3000
SÉRIE 3000 : MOVIMENTO DE TERRAS E
CAMADAS DE PAVIMENTO EM
CASCALHO (MATERIAL 3102 NEGOCIAÇÕES COM PROPRIETÁRIOS E COM
GRANULAR NATURAL) E EM AUTORIDADES
AGREGADO BRITADO
Salvo especificação em contrário, e no que respeita às
SECÇÃO 3100: MATERIAIS DE EMPRÉSTIMO áreas de empréstimo identificadas e definidas pelo Dono
da Obra para a execução dos trabalhos, o Empreiteiro
está isento de quaisquer obrigações e custos
relacionados com as negociações e compensações aos
ÍNDICE Proprietários dos terrenos onde se situam as áreas de
empréstimo.

3101 ÂMBITO Chama-se a atenção do Empreiteiro para as disposições


3102 NEGOCIAÇÕES COM OS PROPRIETÁRIOS E da Cláusula 1214 no que respeita às suas actividades
COM AS AUTORIDADES em terreno privado.
3103 USO DAS CÂMARAS DE EMPRÉSTIMO
3104 OBTENÇÃO DE MATERIAIS DE EMPRÉSTIMO O Empreiteiro deverá respeitar todas as disposições
3105 ABERTURA E UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE legais e as das Especificações do Projecto (Caderno de
EMPRÉSTIMO Encargos), no que diz respeito às suas actividades nas
3106 ENCERRAMENTO DAS ÁREAS DE câmaras de empréstimo e no momento do encerramento
EMPRÉSTIMO E DAS ESTRADAS DE das áreas de empréstimos.
TRANSPORTE
3107 UTILIZAÇÃO DOS MATERIAIS DE EMPRÉSTIMO
3108 CLASSIFICAÇÃO DAS CÂMARAS DE 3103 USO DAS CÂMARAS DE EMPRÉSTIMO
EMPRÉSTIMO DE MATERIAIS GRANULARES
PARA CAMADAS DE PAVIMENTO Antes da abertura de qualquer câmara de empréstimo, o
3109 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Empreiteiro deverá assegurar-se que foram feitas todas
as negociações necessárias com o Proprietário do
terreno, onde a mesma está situada.

3101 ÂMBITO O Empreiteiro deverá notificar verbalmente e por escrito


os Proprietários dos terrenos, com pelo menos sete dias
de antecedência, antes de iniciar a prospecção de
Esta Secção cobre os trabalhos relacionados com a materiais de fontes alternativas.
obtenção de materiais de empréstimo a serem utilizados
no quadro deste contrato, incluindo negociações com os O Empreiteiro deverá notificar a Fiscalização, com pelo
proprietários dos terrenos onde estão situadas as menos trinta dias de antecedência, sobre a sua intenção
câmaras de empréstimo, limpeza da área, decapagem, de iniciar trabalhos numa área de empréstimo, cuja
remoção e depósito do material superficial, escavação do inspecção tenha sido feita durante o período de
material seleccionado para uso nas obras e Concurso, e não deverá fazê-lo antes da aprovação
encerramento das áreas de empréstimo no fim da sua emitida pela Fiscalização.
utilização.

3300 - 1
a prospecção e teste de mais câmaras de empréstimo.
3104 OBTENÇÃO DE MATERIAIS DE EMPRÉSTIMO Os custos desse apoio serão assumidos pelo Dono da
Obra.
(a) Considerações gerais

Os materiais de empréstimo deverão ser obtidos de (c) Utilização dos materiais de empréstimo
fontes de fornecimento aprovadas, listadas e descritas na
planta das câmaras de empréstimo, ou de quaisquer A decisão sobre a câmara de empréstimo a ser utilizada
outras câmaras de empréstimo que, ao longo do tempo, pelo Empreiteiro em qualquer altura é da
possam ser testadas e aprovadas pela Fiscalização. Os responsabilidade da Fiscalização. O Empreiteiro deverá,
materiais de empréstimo que cumprem os requisitos das em qualquer fase da obra, utilizar apenas a fonte de
Especificações para o uso ao qual os materiais são fornecimento de materiais aprovada, que na opinião da
destinados deverão ser seleccionados destas fontes Fiscalização é a mais apropriada relativamente à
aprovadas. qualidade e quantidades dos diferentes tipos de materiais
disponíveis e relativamente ao custo final da obra para o
(b) Plantas das câmaras de empréstimos Dono da Obra. Salvo diferentemente determinado noutra
cláusula, não será feito qualquer pagamento pela
As plantas das câmaras de empréstimos estão incluídas movimentação do equipamento do Empreiteiro de uma
nos documentos do contrato. A informação apresentada câmara de empréstimo para qualquer outra apresentada
nas plantas das câmaras de empréstimos reflecte os nos planos ou aprovada subsequentemente pela
resultados das investigações de campo e ensaios de Fiscalização.
laboratório efectuados pelo ou para o Dono da Obra e é
fornecida de boa-fé relativamente à suficiência em Caso o Empreiteiro decida obter materiais de outras
quantidade e qualidade do material para a devida e fontes, que não as apresentadas nos planos das
correcta execução dos Trabalhos. O fornecimento das câmaras de empréstimo, deverá proceder à escavação
plantas das câmaras de empréstimo não deverá de forma dos necessários poços de amostragem, colher amostras,
nenhuma ser interpretado como uma limitação da efectuar ou assegurar que sejam efectuados os testes
obtenção de materiais às áreas de empréstimo e/ou à laboratoriais considerados necessários pela Fiscalização.
profundidade nas câmaras especificadas nas plantas, O Empreiteiro deverá submeter à Fiscalização, à sua
nem necessariamente a limitação do uso dos materiais própria custa, os resultados e detalhes suficientes que
ao descrito nas plantas. provem que a quantidade e a qualidade do material
disponível na área de empréstimo proposta são
Se, a qualquer momento durante a construção, se aceitáveis para o uso pretendido. A compensação dos
constatar que a qualidade ou a quantidade dos materiais Proprietários e as disposições para a tomada de
disponíveis numa câmara de empréstimo é inadequada quaisquer materiais serão feitas de acordo com as
ou insuficiente, o Empreiteiro deverá utilizar outras Especificações do Projecto.
câmaras de empréstimo aprovadas pelo Engenheiro,
independentemente de essas áreas de empréstimo A aprovação das câmaras de empréstimo ou das áreas
constarem ou não das plantas das câmaras de de empréstimo aplica-se apenas às partes da câmara ou
empréstimo. Para a prospecção e ensaio dos materiais da área de onde se possa obter ou produzir material
dos novos empréstimos O Empreiteiro deverá, conforme com qualidade aceitável. O Empreiteiro deverá organizar
possa vir a ser solicitado pela Fiscalização, fornecer todo as operações numa câmara ou área de empréstimo
o apoio necessário em equipamento, pessoal aprovada ou numa parte das mesmas, com vista a
especializado, mão-de-obra e material de vedação, para utilizar os materiais para o objectivo pretendido.

3300 - 2
Salvo instruções diferentes emitidas pela Fiscalização, a
O Empreiteiro deverá planificar a exploração das desmatação e limpeza das áreas de empréstimo será
câmaras de empréstimo, de maneira que os diferentes medida para pagamento de acordo com as disposições
tipos de materiais escavados possam ser seleccionados da Secção 1700, antes do início da escavação, mas
e carregados directamente para uso. Quando isto for apenas nos seguintes casos:
impraticável por razões por razões fora do controle do
Empreiteiro, o material a ser amontoado para uso (i) Nas áreas de empréstimo localizadas em plantações.
posterior deverá ser carregado, transportado e
amontoado temporariamente como ordenado pela (ii) Nas áreas de empréstimo com árvores grandes com
Fiscalização e determinado na Cláusula 3203. O material perímetro do tronco superior a 1,0 m, conforme o
reservado para um uso específico não poderá ser definido na Secção 1700.
utilizado para qualquer outro propósito sem a aprovação
por escrito da Fiscalização. (iii) Nas áreas de empréstimo sem material superficial a
remover, mas onde seja necessária a remoção de capim,
arbustos e raízes.
(d) Materiais de empréstimo disponí veis no prisma da
estrada ou na área de reserva da estrada A não ser que a desmatação e limpeza de uma área de
empréstimo tenha sido definida por escrito pela
Onde estejam disponíveis fontes apropriadas de materiais Fiscalização, não será feito qualquer pagamento pela
em zonas de corte, valetas de plataforma laterais, ou em desmatação e limpeza dessa área de empréstimo. Isto
qualquer parte do prisma da estrada ou da área de aplica-se particularmente às áreas de empréstimo abertas
reserva, esses materiais podem ser usados para a para a obtenção de pedra ou areia utilizadas para a
execução de aterros, camadas do pavimento e bermas, execução de protecção com pedra argamassada, obras
se tal for aprovado pela Fiscalização. de betão, base ou sub-base em agregado britado,
material permeável para drenos (subterrâneos) ou betão
betuminoso ou revestimento superficial.
3105 ABERTURA E EXPLORAÇÃO DE CÂMARAS DE
EMPRÉSTIMO E ESTRADAS DE ACESSO
(c) Excesso de camada de cobertura
(a) Remoção da camada de solo superficial
Antes de começar qualquer escavação numa câmara de
Antes da abertura de uma câmara de empréstimo, o empréstimo, o Empreiteiro deverá, com a devida
Empreiteiro deverá, junto à Fiscalização, assegurar-se antecedência, informar a Fiscalização sobre a sua
que a remoção da camada superficial é necessária e em intenção de iniciar a utilização da área de empréstimo,
seguida deve remover e amontoar essa camada de forma a permitir que seja feito um levantamento
superficial de solo, de acordo com as instruções da (topográfico) com o objectivo de calcular a quantidade
Fiscalização. de excesso de camada de cobertura, caso exista, a ser
removida.
Este trabalho deverá ser executado, medido e pago de
acordo com as disposições da Secção 5700. Nenhuma remoção da camada superficial ou outras
operações de exploração deverão ser realizadas antes de
se ter alcançado um acordo entre a Fiscalização e o
(b) Desmatação e limpeza Empreiteiro sobre a quantidade de tal camada superficial.

3300 - 3
A não ser que, em circunstâncias excepcionais, a áreas fora dos limites aprovados da área de empréstimo.
desmatação e limpeza da área de empréstimo deva ser Durante o carregamento, desde que praticável, deverá
feita em primeiro lugar, o excesso de camada de ser removido todo o material de dimensão excessiva, que
cobertura deverá ser medido apenas depois de este não possa ser desagregado durante o processamento na
trabalho ter terminado. estrada.
De acordo com as instruções da Fiscalização, a camada
superficial deverá ser removida para os limites exteriores Durante as operações de empréstimo, e em especial
da área de empréstimo e, se esta área for durante a escavação de material próxima do fundo ou
posteriormente alargada, o material deverá ser movido dos limites exteriores das áreas de empréstimo, o
para os novos limites exteriores, ou, quando possível Empreiteiro deverá planificar as operações de forma a
nesta fase, recolocado na câmara de empréstimo, reduzir, tanto quanto possível, o volume do trabalho de
conforme descrito na Cláusula 3105. movimento de terras que será necessário para o
encerramento das câmaras de empréstimo. Não será
A camada superficial também será medida com vista a permitida a escavação indiscriminada sem que se tenha
pagamento nos casos em que os materiais de em consideração a forma final desejada para a câmara
empréstimo sejam pedra ou areia utilizados para pedra de empréstimo.
argamassada, obras em betão, sub-base e base em
agregado britado, material permeável para os sistemas O material das câmaras de empréstimo deverá ser
de drenagem subterrânea e pavimentos em asfalto e desmontado com o uso de explosivos ou ripado e
selagens. escavado de forma a assegurar a desagregação efectiva
do material na câmara de empréstimo, antes do seu
carregamento. O material que tenda a quebrar em blocos
(d) Escavação de material de empréstimo de grandes dimensões durante a “ripagem” deverá ser
ripado transversalmente.
O material de empréstimo deverá ser escavado dentro
dos limites de profundidade e área definidos na planta
das câmaras de empréstimo ou de acordo com as (e) Controlo nas câmaras de empréstimo
instruções da Fiscalização e de maneira a não prejudicar
a utilização do material para o uso a que está destinado. O Empreiteiro será responsável pelo controlo das
operações em todas as câmaras de empréstimos onde
Em caso de câmaras de empréstimo contendo vários está a ser escavado material, para assegurar o
tipos de materiais em camadas diferentes, que cumprimento das prescrições da Sub-Cláusula 3105(d).
necessitem ser misturados para produzir um material
apropriado, a escavação deverá ser feita numa operação Ele deve efectuar testes em quantidade suficiente sobre
única em toda a profundidade da frente de trabalho o material escavado na câmara de empréstimo, para se
aprovada, sem que os diferentes tipos de materiais assegurar que a qualidade do material satisfaz as
sejam separados. especificações para a camada para a qual será usado.

O Empreiteiro deverá tomar todas as medidas de Se houver, em qualquer altura, alguma dúvida sobre a
precaução razoáveis, de forma a evitar a contaminação qualidade do material de empréstimo escavado, o
do material de empréstimo apropriado com a inclusão de Empreiteiro deverá notificar imediatamente a Fiscalização,
materiais argilosos, ou de outra forma inadequados, do em todo o caso antes que o material seja colocado na
fundo da câmara de empréstimo, da camada superficial, estrada. Os resultados de todos os testes efectuados
de quaisquer camadas de materiais impróprios, ou de pelo Empreiteiro deverão ser submetidos à Fiscalização,

3300 - 4
quando solicitados. A Fiscalização deverá, após a (h) Estradas de acesso privadas
realização de testes ou inspecções adicionais se
necessário, instruir o Empreiteiro em relação ao uso do Onde os materiais de uma câmara de empréstimo sejam
material da área de empréstimo, ou poderá ordenar que transportados em estradas de acesso privadas, estas
a câmara de empréstimo seja encerrada e abandonada. estradas deverão ser adequadamente mantidas de
acordo com as exigências da Fiscalização, durante as
operações de empréstimo na câmara de empréstimo.
(f) Protecção das câmaras de empréstimo Não será feito nenhum pagamento adicional por este
trabalho, considerando-se que a compensação total pela
As câmaras de empréstimo deverão ser protegidas manutenção das estradas de acesso privadas usadas
permanentemente contra a entrada de água superficial, como estradas de transporte estará incluída nos preços
devendo o Empreiteiro construir, se necessário, aterros propostos no concurso e pagos nos diferentes itens de
temporários para desviar as águas superficiais e, tanto trabalho em que os materiais são usados.
quanto possível, as suas operações deverão ser
planeadas de tal forma que a câmara de empréstimo
seja auto drenante. Onde isto não seja possível, as 3106 ENCERRAMENTO DAS ÁREAS DE
águas deverão ser retiradas com o uso de motobombas. EMPRÉSTIMO E DAS ESTRADAS PARA
É da inteira responsabilidade do Empreiteiro manter as TRANSPORTE
áreas de empréstimo secas e assegurar que o material
de empréstimo está suficientemente seco quando for (a) Áreas de empréstimo
necessário o seu uso.
Uma vez terminadas as suas operações numa área de
empréstimo, o Empreiteiro deverá proceder à reabilitação
(g) Estradas de acesso da área, de forma a inseri-la no meio circundante e a
permitir o restabelecimento da vegetação. Para o efeito,
O Empreiteiro deverá construir e revestir de forma a área de empréstimo deverá ser regularizada com
apropriada as estradas de acesso de acordo com a contornos suaves e sem taludes de declive superior a
necessidade e deverá construir valas de drenagem e 1:3, excepto onde a Fiscalização assim o permita em
passagens hidráulicas temporárias de dimensões casos específicos. Todo o material na e à volta da área
suficientes, para assegurar que a drenagem da área se de empréstimo, seja material sobrante das operações de
faça sem obstruções. O Empreiteiro deverá obter a construção da estrada, excesso de material amontoado,
aprovação antecipada da Fiscalização para a localização materiais de grande dimensão deixados na câmara de
dos cruzamentos das estradas de acesso com as empréstimo, materiais resultantes das operações de
estradas existentes e deverá respeitar as condições de desmatação e limpeza ou da camada superficial, deverão
acesso estabelecidas pela Fiscalização em relação a ser utilizados ou colocados conforme as orientações da
remoção de obstruções para assegurar distâncias de Fiscalização. Os desperdícios e o lixo não podem ser
visibilidade adequadas, drenagem ou passagens depositados na área de empréstimo. Materiais
hidráulicas temporárias, colocação de sinais e controle de inapropriados para o crescimento de vegetação deverão
tráfego. ser enterrados e utilizados para a regularização da área
de empréstimo e subsequentemente cobertos com
A execução de estradas de acesso não será medida material brando. Todo o material brando disponível
para efeito de pagamento. deverá ser espalhado de forma regular com a espessura
especificada e, onde não haja material suficiente para
cobrir toda a área desta forma, as partes restantes

3300 - 5
deverão ser escarificadas ao longo das curvas de nível nos diferentes itens de trabalho em que os materiais são
para evitar erosão excessiva. usados.

A regularização e o encerramento da câmara de A reabilitação de estradas públicas deverá ser feita de


empréstimo deverão ser feitos de forma a assegurar a acordo com as instruções da Fiscalização e o pagamento
correcta drenagem desta, sempre que possível, e, onde feito de acordo com os preços unitários aplicáveis.
necessário, o Empreiteiro deverá construir diques para
desviar as águas superficiais da área de empréstimo.
3107 UTILIZAÇÃO DOS MATERIAIS DE
Se assim indicado, a área de empréstimo deverá ser EMPRÉSTIMO
vedada e dispor de portões, como especificado na
Secção 5700.
O Empreiteiro não tem o direito de utilizar material obtido
O encerramento das áreas de empréstimo deverá ser das câmaras de empréstimo para quaisquer fins que não
feito de forma a satisfazer inteiramente as exigências da sejam a execução do presente contrato. Não poderá
Fiscalização e o Empreiteiro deverá submeter à transaccionar qualquer material de empréstimo,
Fiscalização um certificado assinado pelo Proprietário do processado ou não, quer por venda, quer por doação a
Terreno ou pela Instituição Governamental relevante, qualquer pessoa, sem a autorização escrita do Dono da
declarando que a desactivação respeita todas as Obra.
disposições legais. Chama-se a atenção do Empreiteiro
para as disposições da Cláusula 1214 sobre esta
questão. 3108 CLASSIFICAÇÃO DAS CÂMARAS DE
EMPRÉSTIMO DE MATERIAIS GRANULARES
PARA CAMADAS DE PAVIMENTO
(b) Estradas para transporte de materiais

Todas as estradas para transporte deverão ser No caso de materiais granulares utilizados na construção
encerradas e a sua superfície escarificada. Deverão ser das camadas do pavimento, o Empreiteiro terá a
construídos diques para prevenir a erosão e deverão ser oportunidade de propor preços unitários para cada
reparadas todas as vedações e estruturas danificadas, câmara de empréstimo disponibilizada pela Fiscalização,
salvo especificado de outra forma. com base na sua própria avaliação dos materiais
disponíveis em cada câmara de empréstimo.
Onde materiais de uma câmara de empréstimo são
transportados em estradas de acesso privadas, as Excepto para britagem e crivagem, não se fará nenhum
mesmas deverão ser reabilitadas de acordo com o seu pagamento adicional pela escavação ou processamento
estado original e de forma a satisfazer as exigências do do material das câmaras de empréstimo,
Engenheiro, quando tiverem terminado as operações de independentemente da dureza do material.
empréstimo na câmara de empréstimo, salvo especificado
e outra forma. Não será feito nenhum pagamento Um mapa das câmaras de empréstimo é fornecido como
adicional por este trabalho, considerando-se que a suplemento ao Mapa de Quantidades. O mapa inclui as
compensação total pela reabilitação das estradas de quantidades estimadas de material granular para a base,
acesso privadas usadas como estradas de transporte sub-base, leito do pavimento e para as bermas, a ser
está incluída nos preços propostos no concurso e pagos utilizado de cada uma das câmaras de empréstimo. O
Empreiteiro terá a oportunidade de propor preços

3300 - 6
unitários para cada tipo de material aprovado ao longo escavados pelo Empreiteiro numa malha quadrada de 10
do traçado da estrada, para a construção das camadas m de lado, cobrindo toda a área do empréstimo.
relevantes e de calcular a média dos preços unitários
contratuais a serem incluídos no Mapa de Quantidades O preço unitário proposto deverá incluir a total
para a construção destas camadas. compensação pela escavação dos poços de amostragem,
decapagem, remoção e amontoamento do material
A Fiscalização terá o direito de decidir, que câmara de superficial antes da escavação do material de
empréstimo o Empreiteiro deverá utilizar em cada fase empréstimo, recolocação do material superficial na
de execução da obra, de aprovar novas câmaras de câmara de empréstimo depois de concluída a escavação
empréstimo durante o período de construção, de alterar do material de empréstimo, e regularização do material
as quantidades apresentadas no Mapa de Quantidades e superficial na câmara de empréstimo.
no suplemento, e de ajustar as compensações a serem
pagas de acordo com as quantidades reais de material Onde o material de cobertura amontoado tenha que ser
utilizadas de cada câmara de empréstimo e dos preços movido para além dos limites inicialmente definidos pela
unitários propostos no suplemento do Mapa de Fiscalização, aquele deverá ser mais uma vez medido
Quantidades para os materiais de cada câmara de para pagamento.
empréstimo, ou para materiais do mesmo tipo das novas
câmaras de empréstimo. A negligência ou falha por parte Nos casos em que o material de cobertura é utilizado
do Empreiteiro resulta na perda de todos os direitos de como aterro ou para outros fins, não se fará nenhum
distinguir entre os diferentes tipos de material e que pagamento pela remoção do material de cobertura, mas
também renuncia a todas as reclamações de ajustamento pagar-se-á de acordo com os fins para os quais esse
das compensações relacionados com os mesmos. material será utilizado.

No caso de câmaras de empréstimo novas, para as Não se fará nenhuma distinção para efeitos de
quais não foram propostos preços unitários, a pagamento, de acordo com a classificação apresentada
Fiscalização determinará os novos preços unitários na Cláusula 3303, entre os materiais de vários tipos,
aplicáveis, tendo em consideração a natureza dos que tenham sido removidos como material de cobertura,
materiais encontrados em relação com a natureza dos excepto no que respeita da pedreiras para obtenção de
materiais para os quais os preços unitários foram agregado granular britado para a sub-base e base,
propostos no mapa das câmaras de empréstimo. conforme determinado no item 31.02 a seguir.

3109 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Item Unidade

Item Unidade

31.01 Excesso de material 31.02 Camada de cobertura


de cobertura .........................metro cúbico (m3) em pedreiras para
obtenção de agregado
A unidade de medição será o metro cúbico de material britado para as camadas
superficial medido no local antes da decapagem. Essa do pavimento:
medição será baseada na profundidade da camada
superficial conforme medida nos poços de amostragem (a) Escavação para a
Remoção da camada

3300 - 7
de cobertura em (a) Material duro...……………………….hectare (ha)
material brando ou
intermédio ………........…...….metro cúbico (m3) (b) Material intermédio…………….…….hectare (ha)

(b) Escavação para a (c) Material brando…………………..…. hectare (ha)


remoção da camada de
cobertura em material A unidade de medição para o encerramento de áreas de
duro…………………………….metro cúbico (m3) empréstimo será o hectare, medido de acordo com a
área realmente escavada da câmara de empréstimo
A unidade de medição será o metro cúbico de material antes do seu encerramento.
de cobertura medido no local antes da decapagem. A
quantidade será baseada na profundidade da camada de O preço unitário proposto deverá incluir a compensação
cobertura medida nos poços de amostragem. Far-se-á total pelo encerramento das câmaras de empréstimo,
distinção entre material brando e intermédio, por um conforme especificado, incluindo quaisquer trabalhos de
lado, e material duro por outro, de acordo com a terraplenagem adicionais necessários para o acabamento,
classificação descrita na Cláusula 3303 para mas excluindo o plantio de erva. As câmaras de
escavações. empréstimo deverão ser classificadas de acordo com a
classificação dos materiais delas retirados e, onde mais
Os preços unitários propostos deverão incluir a total que uma classe de material é retirado da área de
compensação pela decapagem, remoção e empréstimo, a área deve ser dividida proporcionalmente
amontoamento do material de cobertura antes da para fins de classificação, de acordo com os volumes de
escavação do material de empréstimo, reposição do cada um dos tipos de material retirado.
material de cobertura na câmara de empréstimo depois
de concluída a escavação do material de empréstimo e Notas:
regularização do excesso de material de cobertura na
área de empréstimo. (a) Material de empréstimo

Onde o material de cobertura amontoado tenha que ser Para além dos itens de pagamento existentes, nenhum
transportado deslocado para além dos limites pagamento directo será feito para a prospecção e
originalmente indicados pela Fiscalização, este deverá fornecimento de material de empréstimo. A prospecção e
ser medido de novo para pagamento, mas apenas de fornecimento dos materiais de empréstimo são
acordo com o Item 31.01. considerados uma obrigação adicional do Empreiteiro
coberta pelos preços unitários contratuais propostos para
Onde o material de cobertura for utilizado para aterro ou os vários itens de trabalho, para os quais o material é
outros fins, não se fará nenhum pagamento pela utilizado, de acordo com as prescrições destas
remoção deste material de cobertura, sendo o pagamento Especificações. No entanto, serão feitos pagamentos
feito de acordo com o fim para o qual esse material for separadamente para certos itens de trabalhos, caso
utilizado. assim seja especificado.

O preço unitário proposto para a prospecção e


Item Unidade fornecimento de material de empréstimo deverá também
incluir a total compensação para todas as obrigações,
31.03 Encerramento de áreas de empréstimo em: custos, actividades e trabalhos conforme o especificado
na Secção 1200, assim como pela supervisão, mão-de-

3300 - 8
obra, equipamento, ferramentas e imprevistos necessários
para o efeito, incluindo todas as despesas que possam
ser necessárias para efectuar os testes de controlo em
todos os materiais, drenagem e protecção de todas as
áreas de empréstimo e para a conclusão de todas as
negociações com os proprietários dos terrenos (com
excepção das negociações feitas pessoalmente pelo
Dono da Obra), conforme o especificado, e finalmente,
para a regularização e encerramento das câmaras de
empréstimo.

(b) Prospecção de materiais

Far-se-á o pagamento pela escavação de poços de


amostragem, de acordo com uma malha definida pela
Fiscalização sobre toda a área de empréstimo, e a
assistência fornecida pelo Empreiteiro, conforme
solicitado pela Fiscalização, na prospecção de material
adicional como “trabalho extra” de acordo com as
disposições das Condições Gerais do Contrato.

3300 - 9
SÉRIE 3000:· MOVIMENTO DE TERRAS E
CAMADAS DE PAVIMENTO EM
CASCALHO (MATERIAL Esta secção descreve a selecção dos materiais das
GRANULAR NATURAL) E EM
câmaras de empréstimo e dos cortes, para os diferentes
AGREGADO BRITADO
fins para os quais são necessários, armazenamento dos
materiais escavados que não podem ser directamente

SECÇÃO 3200: SELECÇÃO, AMONTOAMENTO E descarregados onde são necessários, a desagregação de

DESAGREGAÇÃO DE MATERIAIS material durante o processo de escavação, quando é

DE CÂMARAS DE EMPRÉSTIMO E processado na estrada, ou quando é necessário um

COTES (ESCAVAÇÕES), processamento especial de desagregação com o uso de

COLOCAÇÃO E COMPACTAÇÃO britadeira, controle do teor de humidade, colocação e

DAS CAMADAS DE MATERIAL compactação do solo e das camadas de material

GRANULAR granular, e construção de aterros em material rochoso.

Adicionalmente, esta secção descreve o tratamento de

ÍNDICE material recuperado de pavimentos existentes e a


construção em áreas restritas durante as obras de
reabilitação.

3201 ÂMBITO
3202 SELECÇÃO DO MATERIAL A não ser que inconsistente com o contexto, as

3203 AMONTOAMENTO DO MATERIAL disposições da secção 3200 sobre as câmaras de

3204 DESAGREGAÇÃO DOS MATERIAIS DAS empréstimo ou sobre os materiais obtidos das câmaras

ESCAVAÇÕES (CORTES) E DAS CÂMARAS DE de empréstimo deverão aplicar-se mutatis mutandis aos

EMPRÉSTIMO locais onde material é recuperado de uma estrada

3205 BRITAGEM E CRIVAGEM existente e ao material recuperado de uma estrada

3206 CONTROLO DO TEOR DE HUMIDADE DOS existente, respectivamente.

MATERIAIS
3207 ESPESSURA DAS CAMADAS E
ESPALHAMENTO DOS MATERIAIS 3202 SELECÇÃO DO MATERIAL

3208 COLOCAÇÃO E COMPACTAÇÃO DOS


MATERIAIS EM CAMADAS COM ESPESSURA
DE ATÉ 200 mm DEPOIS DA COMPACTAÇÃO O Empreiteiro deverá utilizar os materiais estritamente de

3209 COLOCAÇÃO E COMPACTAÇÃO DOS acordo com os fins para os quais foram aprovados e de

MATERIAIS EM CAMADAS DE ESPESSURA acordo com os detalhes indicados nos Desenhos ou

ACIMA DE 200 mm DEPOIS DA como definido pela Fiscalização. Durante as suas

COMPACTAÇÃO actividades nas câmaras de empréstimo ou nas

3210 DEPÓSITO EM VAZADOURO DE MATERIAIS escavações, o Empreiteiro deverá assegurar que os

DE DIMENSÃO EXCESSIVA materiais não sejam desnecessariamente contaminados

3211 DRENAGEM E PROTECÇÃO com material inadequado ou que os materiais aprovados

3212 MEDIÇÕES E PAGAMENTO não sejam desnecessariamente desperdiçados.

O Empreiteiro deverá considerar as disposições das Sub-

3201 ÂMBITO Cláusulas 3104(c), 3105(d) e (e) no que diz respeito às


actividades nas câmaras de empréstimo e da Sub-

3200 - 1
Cláusula 3306(d) no que diz respeito às actividades nas restabelecido de forma tão próxima quanto possível das
escavações. condições iniciais, devendo a superfície ser ligeiramente
escarificada para facilitar o crescimento da vegetação.
Onde o Empreiteiro tenha desnecessariamente
contaminado ou desperdiçado material, aquele deverá Só se pagará pelo armazenamento do material
fornecer outro material apropriado à sua custa. proveniente dos pavimentos existentes se a sua
reutilização estiver prevista e se o seu armazenamento
tiver sido aprovado ou instruído pela Fiscalização.
3203 ARMAZENAMENTO DE MATERIAIS

3204 DESAGREGAÇÃO DOS MATERIAIS DOS


O Empreiteiro deverá planificar as suas actividades de tal CORTES (ESCAVAÇÕES) E DAS CÂMARAS
forma que os materiais escavados nas câmaras de DE EMPRÉSTIMO
empréstimo ou nos cortes possam, tanto quanto possível,
ser transportados e colocados directamente no local da (a) Desagregação dos materiais nos cortes e
sua utilização. No entanto, onde a utilização de materiais nas câmaras de empréstimos
desta maneira for impraticável impossibilidade e, se
assim instruído pela Fiscalização por escrito, o material Os materiais dos cortes e das câmaras de empréstimos
deverá ser armazenado (amontoado) temporariamente, deverão ser desagregados nos cortes e nas câmaras de
para posterior carregamento e transporte para o local empréstimo até às dimensões máximas estabelecidas
onde será usado. A compensação pelo armazenamento abaixo, dependendo da utilização prevista para o
de materiais só será paga no caso de material material, antes de ser carregado e transportado para a
armazenado de acordo com instruções da Fiscalização estrada.
por escrito.
Aterros em material
O armazenamento temporário de materiais em montes na rochoso ……………………...dimensão máxima 750 mm
área de empréstimo, com vista à carga, ou qualquer Aterros normais……………...dimensão máxima 500 mm
outro método de armazenamento, utilizado em função do Camadas de pavimento……dimensão máxima 300 mm
método de carga adoptado pelo Empreiteiro nas
escavações ou nas câmaras de empréstimo, não será Os desperdícios resultantes das escavações deverão ser
classificado como armazenamento temporário. Considera- desagregados apenas o suficiente, para serem
se que os custos destes processos estão incluídos nos convenientemente carregados e transportados, mas a
preços unitários dos diferentes itens de trabalho para os Fiscalização poderá exigir que uma quantidade suficiente
quais o material assim armazenado será utilizado. de material seja desagregada até uma dimensão máxima
de 500 mm, com vista à regularização efectiva das
As áreas de armazenamento e as alturas máximas áreas de vazadouro.
deverão ser definidas ou aprovadas pela Fiscalização.
Antes que qualquer amontoamento de materiais possa Material destinado a britagem só necessita de ser
ser feito, o local deverá ser limpo, e todas as pedras suficientemente desagregado para permitir a sua
soltas, vegetação ou outro material que possa contaminar aceitação pela britadeira.
os materiais armazenados, deverão ser removidos.
Durante a construção, os primeiros 100 mm de material Para que os materiais possam ser desagregados de
armazenado não deverão ser utilizados. Depois do acordo com as dimensões acima referidas, o Empreiteiro
material armazenado ter sido removido, o local deve ser deverá controlar e ajustar as suas operações de

3200 - 2
demolição com explosivos, ripagem, escavação ou outras especificadas para cada camada. O Empreiteiro será livre
operações, de modo que o resultado desejado seja de empregar os métodos e equipamentos da sua
atingido da forma o mais eficiente possível. Tanto quanto preferência, mas, se houver alguma diferença de opinião
possível e em termos práticos, o esquema de no que diz respeito à praticabilidade do processo de
perfurações e de explosões deverá ser feito de forma a desagregação ou adequação dos métodos e do
desagregar o material de acordo com as dimensões equipamento utilizados pelo Empreiteiro, a Fiscalização
desejadas, e, onde isto seja impraticável, deverá ser poderá exigir que seja feita a passagem normal do
utilizada uma detonação secundária ou outros métodos cilindro do tipo “grid” (também referido como cilindro de
para desagregar os materiais de dimensão excessiva. grade), a ser feita de acordo com a descrição a seguir.
Os resultados assim obtidos servirão de referência em
Se, na opinião da Fiscalização, os métodos utilizados termos de grau de desagregação a ser atingido por
pelo Empreiteiro produzem desnecessariamente grandes quaisquer métodos alternativos.
quantidades de material com dimensão excessiva, a
Fiscalização poderá instruir o Empreiteiro para mudar os Para os fins desta especificação, a passagem normal do
seus métodos, por forma a produzir menos material que cilindro do tipo “grid” significa o seguinte:
exceda a dimensão máxima estabelecida. O Empreiteiro
não deverá ter direito a qualquer compensação adicional (i) O material deverá ser colocado ou arrastado para
por cumprir tais instruções. um lado da estrada com o uso de motoniveladora, de
forma a criar espaço para a desagregação do material.
Precauções deverão ser tomadas para não carregar
material com excesso de dimensão e transportá-lo para a (ii) Sujeito à aprovação da Fiscalização, uma parte
estrada. No entanto, onde não obstante isso for feito, o do material deverá ser espalhado para formar uma
Empreiteiro deverá, à sua própria custa, remover esse camada fina sobre uma superfície compactada, para
material para fora da estrada ou desagregá-lo à assegurar a desagregação eficiente do material, e com
dimensão exigida, sobre a estrada. uma largura que o cilindro do tipo “grid” cubra com uma
só passagem.
Em caso de excesso de material disponível e se a
Fiscalização concordar, o Empreiteiro, em vez de (iii) O cilindro do tipo “grid”, que deverá mover-se a
desagregar os materiais com excesso de dimensão, uma velocidade de pelo menos 12 km/h e pesar pelo
poderá processá-los ou deixá-los nas câmaras de menos 13.5, deverá fazer quatro passagens completas
empréstimo, ou em caso de materiais proveniente de sobre o material.
cortes, depositá-los em vazadouro, mas, neste último
caso apenas com a aprovação escrita da Fiscalização. A (iv) Todo o material que exceda a dimensão
Fiscalização poderá exigir que os materiais que excedam permitida deverá ser removido à mão e/ou com
o tamanho permitido sejam utilizados para outros fins, equipamento de construção de acordo com a Cláusula
tais como aterros com material rochoso, em vez de 3210.
serem desagregados.
(v) O material desagregado deverá ser colocado em
(b) Desagregação adicional do material para o cordão do lado oposto ao material a ser ainda
pavimento trazido para a estrada desagregado.

O material para o pavimento colocado na estrada deverá (vi) Repetir os passos (ii) a (v), mas colocando o
ser sujeito a desagregação adicional, utilizando segundo cordão próximo do primeiro.
equipamentos apropriados, para obter as dimensões

3200 - 3
(vii) Para misturar o material, os dois cordões Em muitos casos, a desagregação através o processo
formados durante os passos (ii) a (vi) deverão ser normal de compactação deveria ser adequada, não
misturados com o uso de niveladora para formar um devendo ser necessário esforço especial para a
único cordão posicionado do lado da estrada. desagregação dos materiais, mas, no caso de materiais
duros e grossos, a Fiscalização poderá exigir que o
(viii) Se assim ordenado pela Fiscalização, os passos material receba pelo menos uma compactação ligeira
(ii) a (vii) deverão ser repetidos até que todo o material com um cilindro do tipo “grid”, e o grau de desagregação
que necessita de ser desagregado tenha sido tratado. obtido através do processo de compactação ligeira com
um cilindro do tipo “grid” deverá servir de referência do
No entanto, se após a passagem normal com o cilindro que poderá ser exigido para os métodos alternativos que
do tipo “grid” ainda restar demasiado material que ao Empreiteiro seja permitido empregar. Para os fins
exceda a dimensão permitida, a Fiscalização poderá dar destas Especificações, a compactação ligeira com o
instruções para que seja aplicada uma das seguintes cilindro do tipo “grid” é definida da seguinte forma:
opções:
(i) O material deverá ser espalhado numa camada,
(i) Que sejam feitas mais passagens normais do cuja espessura não compactada deverá ser inferior ou
cilindro do tipo “grid” ou algo equivalente; igual à média da dimensão máxima dos fragmentos, mas
com um mínimo de 200mm. O material deverá então ser
(ii) Que, em vez de tentar desagregar o material na compactado com pelo menos duas passagens completas
estrada, ele seja britado de acordo com o descrito na por cada 200 mm de espessura de camada não
Cláusula 3205; ou compactada, com um cilindro do tipo “grid” com massa
não inferior a 13.5 toneladas e movendo-se com uma
(iii) Que o Empreiteiro e a Fiscalização concordem na velocidade de pelo menos 12 km/h. Se a espessura da
utilização de quaisquer outros métodos e equipamentos camada não compactada for superior a 200 mm, o
que possam ser mais adequados, e que determinem a número de passagens do cilindro deverá ser aumentado
compensação para esse trabalho nos termos das proporcionalmente. O material deverá depois ser
Condições Gerais do Contrato. misturado cuidadosamente com uma motoniveladora por
forma a distribuir os fragmentos desagregados de
Todo o material de tamanho excessivo que ainda reste dimensões que excedam o tamanho permitido, de forma
depois do processamento de acordo com qualquer dos homogénea na camada.
processos descritos acima, deverá ser removido da
estrada de acordo com as disposições da Cláusula 3210. (ii) A compensação pela compactação ligeira com o
cilindro do tipo “grid” e pelo processamento como parte
(c) Desagregação adicional de material de do processo de compactação será considerada como
aterro colocado na estrada incluída no preço pago pelo fornecimento e compactação
dos materiais. Esta compactação com o cilindro do tipo
Após o material para aterro ter sido desagregado nas “grid” não deverá ser incluída no número de passagens
câmaras de empréstimo e nos cortes, para a obtenção de cilindro que possa ser pago pela compactação dos
das dimensões especificadas na Sub-cláusula 3204(a), materiais.
o material deverá, após o seu espalhamento na estrada,
ser sujeito a desagregação adicional, por meio de
equipamento apropriado tal como cilindros do tipo “grid”, (d) Material fresado
sujeito à aprovação da Fiscalização.

3200 - 4
O material fresado não precisa normalmente de apropriado. Este sistema será designado por central de
desagregação adicional, a menos que assim especificado britagem de duas fases.
ou instruído pela Fiscalização.
Uma terceira, e quando necessário uma quarta fase de
britagem, utilizam em complemento às britadeiras das
(e) Camadas existentes estabilizadas fases anteriores, britadeiras terciárias ou quaternárias
com cimento / cal quando apropriado, para controlar a composição
granulométrica e a forma de agregados britados de
As camadas existentes estabilizadas com cimento ou cal, qualidade mais elevada, assim como agregados para
a serem desagregadas e reprocessadas, poderão ser revestimentos e betões. Este sistema será designado
reprocessadas no local onde serão aplicadas, ou central de britagem de fases múltiplas.
transportadas para uma central de britagem para
processamento, em função do que tiver sido especificado Para centrais de britagem primárias e secundárias, a
ou instruído pela Fiscalização. Fiscalização poderá ordenar a crivagem selectiva.

A simples crivagem dos materiais envolve a separação


3205 BRITAGEM E CRIVAGEM dos materiais em várias fracções através de uma série
de crivos, não necessitando o menor de ser inferior a
No caso em que o material previsto para uso nas 6,7 mm.
camadas do pavimento não possa ser adequadamente
desagregado através dos métodos definidos na Sub- Para a central de britagem de fases múltiplas, toda a
cláusula 3204(b), a Fiscalização poderá indicar que o crivagem e ou qualquer outra actividade requerida e
material seja britado, crivado, ou britado e crivado, ou equipamento concomitante necessário para a produção
ainda modificado através da remoção, por crivagem, de do produto final especificado será considerado como
algumas fracções granulométricas. incluído.

Uma central de britagem primária implica a utilização de Para todos os tipos de centrais de britagem, considera-
uma britadeira primária na qual apenas ocorre a primeira se que as medidas de precaução exigidas nos termos
fase de redução das dimensões das partículas, dos regulamentos locais relacionados com a Saúde e
independentemente do coeficiente de redução possível Segurança Profissional, qualquer legislação relevante e
pela natureza da sua construção. A britadeira primária as emendas recentes, estão incluídas nos preços
deverá ser capaz de desagregar o material de tamanho unitários propostos para produtos relevantes.
excessivo para produzir materiais com as dimensões
máximas especificadas para a camada a que se destina.
3206 CONTROLO DO TEOR DE HUMIDADE DOS
A britagem secundária, embora nem sempre necessária MATERIAIS
para obter o coeficiente de redução exigido, é necessária
quando se utiliza uma britadeira secundária em adição à O Empreiteiro deverá tomar todas as devidas precauções
britadeira primária, para controlar a granulometria de um para evitar o aumento excessivo do teor de água dos
produto que se deve encaixar num fuso alargado materiais nas câmaras de empréstimo, escavações, nas
especificado para bases em material granular e materiais áreas de armazenamento e na estrada, provocado pelas
seleccionados de qualidade mais baixa, assim como para chuvas, pelas águas subterrâneas ou pelas águas
produzir as características de forma específicas, como pluviais escoadas. Para o efeito, a escavação das
câmaras de empréstimo e dos cortes deverá, tanto

3200 - 5
quanto possível, ser planeada e executada de forma a (i) permitir que os materiais sejam compactados com
evitar a acumulação da água nas câmaras de um teor de humidade superior (ao teor óptimo), desde
empréstimo ou nos cortes, devendo o Empreiteiro que se atinja a baridade seca após compactação; ou
construir também, para este fim, os necessários
dispositivos temporários de drenagem. Durante a estação (ii) declarar o material impróprio para o uso e instruir
das chuvas, material espalhado na estrada deverá ser que não seja usado, e, se já tiver sido colocado na
espalhado com uma inclinação transversal apropriada e, estrada, que seja removido, mediante compensação
se não for compactado imediatamente, deverão ser feitas apropriada, e substituído por material adequado; ou
várias passagens de cilindro de rolos lisos, de forma a
permitir o escoamento superficial das águas e a evitar a (iii) Instruir ainda o Empreiteiro como julgar
sua penetração indevida no material. Deverão também necessário, dadas as circunstâncias, e compensá-lo por
ser tomadas medidas por forma a evitar que as águas se quaisquer despesas adicionais causadas por este meio,
acumulem junto a montes de materiais, cordões ou mas apenas na medida em que os custos adicionais não
qualquer material espalhado. tenham sido originados pela falta de cumprimento, por
parte do Empreiteiro, das disposições desta Cláusula.
Onde o material, apesar das medidas de precaução
apropriadas, por causa do seu teor de humidade in situ
estiver demasiado húmido para cumprir os requisitos 3207 ESPESSURA DAS CAMADAS E
relativos ao teor de humidade durante a compactação, o ESPALHAMENTO DOS MATERIAIS
Empreiteiro deverá proceder à sua secagem até atingir o
teor adequado para a compactação, mas, em primeira (a) Aterros
instância, ele deverá, na medida em que for praticável,
preparar o seu programa de construção, de forma que os A espessura das camadas de construção de aterros será
materiais com alto teor natural de humidade sejam normalmente determinada pela dimensão máxima até à
utilizados durante a época seca e não na época das qual o material pode ser desagregado nas câmaras de
chuvas. empréstimo, e nos cortes, e quando possível, na própria
estrada. A espessura das camadas será, portanto,
Nenhuma prescrição se aplica à secagem do material, normalmente baseada na estimativa prévia de qual será
devendo o Empreiteiro decidir sobre os melhores a dimensão máxima até à qual o material pode ser
métodos. Não se fará nenhum pagamento adicional para desagregado, e deverá ser tal que a dimensão máxima
manter o material seco e para a sua secagem, mas o dos fragmentos seja mais ou menos igual à espessura
custo desse trabalho deverá estar incluído nos preços da camada depois da compactação. A espessura máxima
unitários propostos para os diferentes itens de trabalho, da camada (depois da compactação) exigida ao
para os quais o material será utilizado, a não ser que Empreiteiro será de 200mm, mas serão permitidas
nas Especificações do Projecto se tenha previsto camadas até 100mm de espessura.
compensação adicional desta natureza.
No entanto, se o Empreiteiro tiver tomado todas as De forma a evitar que as espessuras das camadas
precauções razoáveis para manter o material seco e para sejam determinadas pela presença de fragmentos
a sua secagem onde necessário e mesmo assim não grandes isolados, a Fiscalização poderá exigir que os
seja possível secar o material conforme o exigido, a mesmos sejam removidos da estrada, conforme
Fiscalização deverá: determinado na Cláusula 3210. A Fiscalização poderá
aceitar que o material seja compactado em camadas com
espessura superior a 200mm ou com a dimensão
máxima dos fragmentos, desde que esteja convencida

3200 - 6
que o material será compactado correctamente. As compactado em camadas de maior espessura, a
espessuras das camadas deverão ser previamente Fiscalização poderá dar instruções para que o material
acordadas entre a Fiscalização e o Empreiteiro. seja colocado em camadas com espessura até 75mm
(mínimo).
Onde uma nova camada for construída sobre um aterro
existente ou já construído e se a nova camada tiver uma No caso em que a espessura de uma camada de um
espessura compactada inferior a 100mm, o aterro pavimento existente necessite de ser aumentada e a
existente deverá ser escarificado até uma profundidade espessura do material a acrescentar é inferior a 100mm
tal que a espessura da camada formada pelo material depois da compactação, a camada do pavimento
novo e pelo material escarificado não seja inferior a existente deverá ser escarificada a uma profundidade tal
100mm. Não se fará nenhum pagamento adicional por que, depois da adição do material, a espessura da
este trabalho. camada formada pelo material escarificado e pelo
material acrescentado será de pelo menos 100mm
Quando se tiver que processar material grosso em depois da compactação. Nos casos de camadas de base
camadas cuja espessura torne impraticável a mistura e sub-base em material granular ou em agregado
com motoniveladora, o material deverá ser escavado, britado, a Fiscalização poderá exigir que a camada seja
transportado e descarregado na estrada de tal forma que, desagregada em toda a sua espessura.
após descarga, possa ser misturado de forma apropriada
e exiba o mínimo de segregação do material fino e A camada assim composta deverá ser regada com água,
grosso. Esse material deverá ser colocado com a misturada e compactada conforme determinado na
espessura correcta por basculação traseira e a superfície Cláusula 3208.
deverá ser nivelada com “buldozer”, depois do que algum
material fino deverá ser espalhado sobre a camada e O pagamento para a adição de material será feito
trabalhado para preencher as depressões à superfície. conforme o determinado para as respectivas camadas do
pavimento.
(b) Camadas de pavimento
3208 COLOCAÇÃO E COMPACTAÇÃO DOS
Todo o material colocado em posição antes da MATERIAIS EM CAMADAS COM ESPESSURA
compactação deverá ser espalhado uniformemente em DE ATÉ 200 mm DEPOIS DA COMPACTAÇÃO
toda a superfície da camada em execução, devendo a
quantidade do material espalhado ser tal que todas as Nos casos em a espessura da camada é igual ou menor
camadas cumprirão os requisitos especificados para a que 200mm depois da compactação, todos os
espessura, quando medida após compactação. fragmentos que excedam a dimensão permitida e que
não podem ser reduzidos à dimensão permitida, deverão
A espessura da camada deverá cumprir os requisitos ser em primeiro lugar removidos da estrada e então
definidos nos Desenhos e nas Especificações do depositados em vazadouro ou utilizados conforme
Projecto. prescrito pela Fiscalização. O material deverá ser regado
com água, misturado e compactado conforme descrito a
O espalhamento de materiais em áreas restritas poderá seguir.
ser feito por qualquer método aprovado pela Fiscalização,
desde que possam ser respeitadas as exigências em (a) Rega e mistura
termos de cota e de composição granulométrica. Nos
casos em que o equipamento de compactação é de tal (i) Requisitos gerais
natureza que o material não possa ser adequadamente

3200 - 7
Antes de o material ser compactado, deverá A compactação deverá ser feita numa série de operações
primeiramente ser cuidadosamente misturado com contínuas cobrindo toda a largura da camada em
motoniveladora ou outro equipamento apropriado, de execução, e sempre que possível, o comprimento de
modo a obter uma mistura homogénea dos diferentes qualquer secção em execução nunca deverá ser inferior
tipos de materiais e a distribuir os materiais fino e a 150m nem maior do que o comprimento que assegure
graúdo (grosso) de maneira uniforme em toda a mistura. uma compactação apropriada com o equipamento
Se necessário durante o processo de mistura, água disponível.
deverá ser regada e misturada uniformemente com o
material, de forma a obter um teor de humidade correcto A Fiscalização reserva-se o direito de ordenar ao
e uniforme. Empreiteiro a redução do comprimento de qualquer
camada em execução numa determinada operação, caso
não esteja a ser alcançado o grau de compactação
A água acrescentada deverá ser apenas a suficiente para apropriado.
levar o material a alcançar o teor óptimo de humidade
para o equipamento de compactação utilizado e Os tipos de equipamento de compactação a utilizar e o
compactação exigida. Se o teor de humidade for mais de número de passagens a efectuar deverá ser tal que
2% superior ao teor óptimo para a densidade AASHTO assegure que as densidades especificadas sejam
modificada, o material só poderá ser compactado com a atingidas sem que as camadas ou estruturas inferiores
aprovação da Fiscalização. sejam danificadas. Durante a compactação a forma e
secção transversal requeridas para a camada deverão
(ii) Requisitos adicionais relacionados com o trabalho ser mantidas e todas os buracos, rodeiras e laminações
em áreas restritas deverão ser removidos.

Em áreas restritas, a Fiscalização poderá permitir ao (ii) Disposições adicionais relacionadas com o trabalho
Empreiteiro o espalhamento, a rega e a mistura do em áreas restritas
material granular ou agregado britado em cordão junto à
escavação do pavimento. Precauções deverão ser Para a compactação em áreas restritas, deverão ser
tomadas para não danificar o revestimento existente e utilizados equipamentos apropriados e métodos aceitáveis
não contaminar o material misturado com materiais para a Fiscalização de forma que sejam atingidas as
prejudiciais. Nos casos em este método de mistura é densidades especificadas em toda a espessura da
impraticável ou impossível, o Empreiteiro deverá utilizar camada. Se necessário, as camadas deverão ser
betoneiras ou qualquer outro equipamento ou método colocadas com espessuras inferiores às especificadas,
aceitável para a Fiscalização. conforme definido na Sub-cláusula 3207(b).

Independentemente da camada em execução, a Os trabalhos em áreas restritas resultantes de acções do


qualidade do processo de mistura deverá ser tal que próprio Empreiteiro e não de trabalho especificado, não
assegure a todo o momento a obtenção de uma mistura serão considerados como trabalhos em áreas restritas
homogénea que satisfaça a Fiscalização. para efeitos de pagamento.

(b) Compactação (c) Reprocessamento no local de camadas do


pavimento
(i) Requisitos gerais
Quando assim definido nas Especificações do Projecto
e/ou instruído pela Fiscalização, e se o material de

3200 - 8
qualquer camada existente cumpre os requisitos para a O material deverá ser regado e misturado conforme
nova camada, o Empreiteiro deverá escarificar a camada descrito na Sub-cláusula 3208(a), mas, se isto for
existente até à profundidade especificada, acrescentar impraticável devido à espessura da camada, estes
material extra se necessário e reprocessar a camada no processos poderão ser omitidos, desde que o material
local. O reprocessamento inclui a rega (por aspersão), seja cuidadosamente misturado e colocado tal como
mistura e a compactação da camada à densidade descrito na Sub-cláusula 3207(a) (último parágrafo).
especificada para a camada em execução. O pagamento
será feito de acordo com o determinado para a camada O material deverá subsequentemente ser compactado de
respectiva. acordo com um dos métodos descritos na Secção 3300,
dependendo do método definido pela Fiscalização.

3209 COLOCAÇÃO E COMPACTAÇÃO DE (c) Aterro em material rochoso


MATERIAIS EM CAMADAS COM ESPESSURA
ACIMA DE 200mm DEPOIS DA O processamento e compactação de aterros em material
COMPACTAÇÃO (aplicável apenas nos casos rochoso aplica-se a materiais constituídos
de aterros) predominantemente por rocha e calhaus, com algum
material fino, e que, devido ao travamento mecânico da
(a) Aterros em material brando rocha, não pode ser compactado de forma eficiente
utilizando os métodos de construção normalmente
Os materiais que se desagreguem facilmente a uma utilizados para os solos e materiais granulares.
dimensão máxima de 200 mm deverão ser compactados
em camadas com espessura não superior a 200 mm Quando a espessura da camada após compactação for
após compactação. A rega, mistura e compactação do de 500mm ou menos, conforme o definido pela
material deverão ser executados conforme descrito na Fiscalização, o processamento e compactação desse tipo
Cláusula 3208 para camadas do pavimento. de material não deverá ser classificado processamento e
compactação de aterro em material rochoso e a
Nos caso de areia incoerente, a espessura da camada Fiscalização poderá decidir que o material seja
poderá, contudo, ser aumentada até 400mm, e a rega e compactado de acordo com o descrito na Sub-cláusula
mistura do material poderão ser omitidas ou limitadas na (b) acima.
medida do praticável, contudo, sujeito à obtenção da
densidade requerida em toda a espessura da camada. A dimensão máxima da rocha que poderá ser utilizada
Neste caso deverão ser utilizados cilindros vibradores nos aterros em material rochoso é de 750mm, e a
eficientes para a compactação da areia. espessura da camada antes da compactação não deverá
exceder uma vez e meia a dimensão média real dos
(b) Aterros em materiais duros fragmentos de rocha. Depois do material ter sido
descarregado sobre a estrada, a Fiscalização poderá
Se o material para aterros for de natureza tal que prescrever que até 5% do material que exceda a
durante o esforço de desagregação, de acordo com o dimensão máxima permitida, seja removido da estrada
descrito na Sub-cláusula 3204(b), não desagregue com motoniveladora e depositado em vazadouro
facilmente até uma dimensão máxima igual ou inferior a conforme descrito na Cláusula 3210, para que a
200 mm, o material deverá ser espalhado de acordo espessura da camada não seja determinada pela
com o descrito na Sub-cláusula 3207(a) e processado presença de fragmentos de rocha grandes.
da seguinte maneira:

3200 - 9
A camada compactada não deverá conter fragmentos de
rocha com uma dimensão máxima maior do que a
espessura da camada compactada. 3210 DEPÓSITO EM VAZADOURO DE MATERIAIS
DE DIMENSÃO SUPERIOR À ESPECIFICADA
O material a ser compactado deverá ser descarregado na
estrada por basculação traseira. O material deverá então
ser espalhado com “bulldozer” ou outro equipamento Todos os materiais removidos da estrada nos termos da
apropriado de tal forma que os materiais finos sejam Sub-cáusula 3204(a) e todo o excesso de aterro
bem misturados com a rocha. Os percursos a serem removido da estrada nos termos da Sub-cláusula
seguidos pelo equipamento de transporte, espalhamento 3207(a) deverão ser depositados em vazadouro à custa
e compactação deverão ser uniformemente distribuídos do Empreiteiro ou, com a aprovação da Fiscalização,
por toda largura da camada a compactar. poderão ser utilizados para outros fins apropriados.

O material deverá ser desagregado e compactado Os materiais do pavimento, que excedam a dimensão
durante o processo de espalhamento e compactação com máxima permitida, deixados ao abrigo das disposições da
um cilindro do tipo “grid” ou outros apropriados e Sub-cláusula 3204(b) e retirados da estrada nos termos
finalmente compactado com cilindros vibradores de da Cláusula 3208, deverão ser carregados e depositados
acordo com a seguinte fórmula, para obter um bom em vazadouro de acordo com o determinado pela
travamento mecânico da rocha e a compactação máxima Fiscalização, e serão pagos de acordo com as
do material mais fino nos espaços entre as rochas. disposições do Item de pagamento 32.04. No entanto,
onde esse material for directamente utilizado para
O tipo de cilindro vibrador a utilizar, a velocidade de quaisquer trabalhos de construção, o Empreiteiro apenas
operação, o número de passagens e a espessura da terá direito à compensação ao preço unitário proposto
camada são estabelecidos de acordo com a seguinte para o item de construção em questão.
fórmula:
Apesar dos métodos de pagamento descritos acima, os
Pe  n preços unitários propostos para a construção de todos as
 1500( mínimo)
hv
camadas de pavimento deverão incluir a compensação
total pela remoção de até 5% do volume (da camada
onde
relevante) de materiais que excedam a dimensão
máxima permitida, sem que seja feito qualquer
Pe = Força estática e dinâmica total por metro de
pagamento adicional ao Empreiteiro. O limite de 5%
largura gerada pelo cilindro vibrador à frequência de
aplica-se às camadas consideradas individualmente e
operação fornecida pelo fabricante (kN/m)
não em conjunto.

n = número de passagens necessárias


O Empreiteiro deverá tomar as devidas precauções para
não colocar na estrada materiais que não possam ser
h = espessura da camada compactada em metro
desagregados e reduzidos à dimensão exigida através do
processamento na estrada. Isto deverá ser evitado com a
v = velocidade do cilindro em metros por segundo.
selecção apropriada durante a escavação nos cortes ou
nas câmaras de empréstimo. Se esse tipo de material for
As frequências de operação deverão estar entre 18 Hz e
encontrado nos cortes, deverá ser depositado
30 Hz e o Pe deverá ser de pelo menos 120 Kn/m.
directamente em vazadouro, ou utilizado conforme
prescrito pela Fiscalização.

3200 - 10
Item
Unidade
3211 DRENAGEM E PROTECÇÃO
32.01 Fornecimento de uma
As camadas compactadas deverão ser adequadamente central de britagem
drenadas e reperfiladas, para evitar a acumulação de e/ou de crivagem:
água nas camadas ou ao longo das mesmas ou ainda a
erosão dos trabalhos concluídos. Os cordões deverão ser (a) Britadeira primária…………………..número (Nº)
removidos para facilitar a drenagem da água da
superfície da camada. (b) Conjunto de britadeiras
primária e secundária…….…………número (Nº)
O material da camada subsequente não deverá ser
colocado se a camada subjacente tiver sido amolecida (c) Central de crivagem…………………número (Nº)
devido a humidade em excesso. Nos casos em que as
camadas do pavimento forem substituídas em toda a (d) Central de Britagem múltipla
largura de uma secção de estrada, ou onde as camadas e de crivagem………………………..número (Nº)
do pavimento forem alargadas e a camada nova é mais
ou menos permeável do que a camada adjacente A unidade de medição será o número de centrais
existente, por exemplo no caso de uma camada completas fornecidas conforme ordenado pela
estabilizada ou camada tratada com betume junto de Fiscalização.
uma camada não tratada, poderá ser especificado, ou a
Fiscalização poderá instruir a instalação do sistema de Os preços unitários propostos deverão incluir a
drenagem subterrânea de acordo com os detalhes compensação total pelo fornecimento da central,
indicados nos Desenhos ou determinados por ela. transporte para a obra, montagem, operação e finalmente
a desmontagem, carga e transporte para fora da obra ou
A instalação de drenagem subterrânea será medida e para o ponto onde será de novo montada,
paga ao abrigo dos itens de pagamento da Secção independentemente do número de tipos de materiais
2100. tratados.

3212 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Item Unidade

Sempre que estabelecido nas diferentes Secções destas 32.02 Reinstalação da central
Especificações que um item de pagamento deverá incluir de britagem e/ou de crivagem:
compensação pela colocação ou pela colocação e
compactação dos materiais, os termos colocação ou (a) Britadeira primária…………………...número (Nr)
colocação e compactação deverão incluir a compensação
por todos os trabalhos descritos e custos estabelecidos (b) Conjunto de britadeiras
nesta Secção, com excepção dos trabalhos cobertos primária e secundária……………….número (Nr)
pelos itens de pagamento abaixo, para os quais serão
feitos pagamentos separados, como se indica a seguir: (c) Central de crivagem…………………número (Nr)

(d) Central de Britagem

3200 - 11
múltipla e de crivagem………………número (Nr) necessário, carregamento para transporte até ao ponto
de utilização final, e pelo depósito em vazadouro de
A unidade de medição será o número de vezes que cada material separado por crivagem e descartado.
central é desmontada, transportada e montada de novo
conforme ordenado pela Fiscalização, independentemente
do número de tipos de materiais tratados. Item
Unidade
Os preços unitários propostos deverão incluir a
compensação total pela desmontagem, carregamento, 32.04 Remoção dos
transporte, descarregamento, reinstalação em novos materiais do pavimento,
locais conforme as ordens da Fiscalização e a sua que excedam a
operação. dimensão máxima
permitida…………………… metro cúbico (m3)

Item Unidade A unidade de medição será o metro cúbico de material


do pavimento proveniente dos cortes e câmaras de
32.03 Britagem e crivagem: empréstimo, que exceda a dimensão máxima permitida,
que não possa ser desagregado como especificado, e
(a) Britagem primária…………….metro cúbica (m3) seja removido. O volume será determinado conforme
prescrito pela Fiscalização e será o material solto
(b) Britagem primária e amontoado ou o seu equivalente medido nos veículos de
Secundária…………………….metro cúbico (m3) transporte. Apenas o volume de material do pavimento,
com excesso de dimensão, acima de 5% do volume
(c) Crivagem………………………metro cúbico (m3) compactado das camadas de pavimento será medido
para pagamento, tudo isso de acordo com o especificado
(d) Britagem múltipla e na Cláusula 3210.
Crivagem………………………metro cúbico (m3)
O preço unitário proposto deverá incluir a compensação
A unidade de medição será o metro cúbico de material total pela escavação do material de todas as classes de
britado ou crivado, ou britado e crivado e finalmente escavação, carga e transporte para a estrada, colocação,
utilizado na construção, medido no local após a bem como qualquer processo de desagregação
compactação. Nenhuma compensação será feita pelos conseguido ou tentado, remoção de todos os materiais
desperdícios, excepto nos casos dos Sub-itens (c) e (d), do pavimento, com excesso de dimensão, com
em que a quantidade medida para pagamento, tal como motoniveladora para fora da estrada, carga, transporte do
definido acima, deverá ser aumentada com a inclusão de mesmo para vazadouro ou para o local de reutilização
70% do volume solto, medido no amontoamento, do subsequente, incluindo o transporte sem custos de 1.0
material separado por crivagem e descartado. km, descarga e espalhamento do material.

Os preços unitários propostos deverão incluir a


compensação total pela britagem no caso dos Sub-itens Item
(a) e (b), ou crivagem no caso do Sub-item (c), ou Unidade
britagem e crivagem no caso do Sub-item (d), incluindo
toda a mão de obra, equipamento, combustível, 32.05 Compactação adicional
manuseamento, processamento, armazenamento se normal com cilindro do

3200 - 12
tipo “grid”)………………….metro cúbico (m3)

A unidade de medição será o metro cúbico de material


compactado, sobre o qual é efectuada uma compactação
adicional com cilindro de rolo do tipo “grid” conforme
descrito na Sub-cláusula 3204(b) e de acordo com as
instruções da Fiscalização.

O preço unitário proposto deverá incluir a compensação


total pela execução de uma operação normal de
compactação adicional com o cilindro do tipo “grid” para
além da operação de compactação normal inicial com o
cilindro do tipo “grid”, cujo custo tinha sido incluído nos
preços unitários propostos para as camadas do
pavimento.

Item
Unidade

32.06 Armazenamento de
material……………………metro cúbico (m3)

A unidade de medição será o métrico cúbico de material


armazenado temporariamente por instrução da
Fiscalização.

O preço unitário proposto deverá incluir a compensação


total pela limpeza e preparação dos locais de
armazenamento e ainda pelo nivelamento e pelo
restabelecimento do local após a conclusão do trabalho,
pela descarga e espalhamento do material se necessário,
bem como pela carga quando for necessário utilizá-lo.

3200 - 13
SERIE 3000: MOVIMENTO DE TERRAS E (a) Leito da estrada e escavações
CAMADAS DE PAVIMENTO
EM CASCALHO (MATERIAL
GRANULAR NATURAL) E Os materiais da fundação e das escavações que ocorrem
EM AGREGADO BRITADO
ao longo ao longo do traçado da estrada, foram
ensaiados e os resultados dos ensaios são apresentados
nos Desenhos. Os resultados dos ensaios, analisados em
SECÇÃO 3300: MOVIMENTO DE TERRAS
conjunto com estas Especificações, fornecem uma
indicação preliminar sobre o fim, para o qual o material
de escavação pode ser usado, assim como sobre o
ÍNDICE
tratamento, se necessário, a dar ao material da fundação
da estrada. A Fiscalização deverá emitir as instruções
finais durante a fase de construção sobre a utilização a
3301 ÂMBITO
dar ao material proveniente de escavações e o
3302 MATERIAIS
tratamento da fundação da estrada.
3303 CLASSIFICAÇÃO DAS ESCAVAÇÕES EM
CORTE E EM CÂMARAS DE EMPRÉSTIMO
(b) Aterros
3304 CLASSIFICAÇÃO DA COMPACTAÇÃO
3305 TRATAMENTO DA FUNDAÇÃO DA ESTRADA
Salvo se especificado de outro modo nas Especificações
3306 CORTE E EMPRÉSTIMO
do Projecto, o material de aterro deverá respeitar os
3307 ATERROS
requisitos especificados a seguir:
3308 ACABAMENTO DOS TALUDES
3309 PROTECÇÃO DO PRISMA DA ESTRADA E
(i) O material não deverá conter quaisquer
DAS ESTRUTURAS
fragmentos de rocha com dimensão máxima acima de
3310 TOLERÂNCIAS DE CONSTRUÇÃO
500 mm, excepto no caso de aterros com rocha, em que
3311 INSPECÇÃO E TESTES DE ROTINA
poderá ser 750 mm.
3312 MEDIÇÕES E PAGAMENTO

(ii) Onde possível, em virtude da qualidade do


material disponível, o CBR embebido mínimo à
3301 ÂMBITO
compactação especificada deverá ser de acordo com o
seguinte:
Esta Secção abrange todos os trabalhos relacionados
com a execução das zonas de escavação e de aterro,
Profundidade medida a
remoção dos materiais inadequados para uso e seu
partir da superfície
depósito em vazadouro, a construção e compactação dos
da estrada………………………..CBR embebido mínimo
aterros com material de escavação do prisma da estrada
ou material de empréstimo proveniente de câmaras de
0 m - 1.2 m ……………………..................3% a 90% da
empréstimo aprovadas, a compactação da fundação da
densidade
estrada e acabamento das escavações e aterros, até ao
AASHTO modificada
estágio em que os aterros estão prontos para a
1.2 m - 9 m……………………………..…..3% a 100% da
execução das camadas do pavimento.
densidade
AASHTO modificada

3302 MATERIAIS
Se a profundidade abaixo da superfície da estrada for
superior a 9 m, ou se o material não estiver de acordo

3300 - 1
com os requisitos referidos acima, o material deverá Para efeitos de medição e pagamento, a escavação de
satisfazer as exigências das Especificações do Projecto material das zonas de escavação ou de empréstimo para
ou as prescrições da Fiscalização. a execução dos aterros deverá ser classificada de acordo
com o seguinte:
A Fiscalização poderá permitir ou ordenar, por escrito, o
uso de material que não cumpra estes requisitos, desde (i) Escavação em material brando
que esteja seguro da estabilidade dos aterros a serem
construídos com esse material. A escavação em material brando é a escavação em que
o material poder ser removido ou carregado de forma
(iii) Requisitos de compactação, densidade seca eficiente, sem uso prévio de “ripper”, com qualquer dos
mínima in situ seguintes equipamentos:

Quando o material é “Bulldozer” com massa aproximada de 22 toneladas (que


compactado a uma certa inclui a massa do “ripper”, se instalado) e com motor
percentagem da densidade desenvolvendo aproximadamente 145 kW no volante do
AASHTOmodificada…………………………90% or 93% motor.
(de acordo com
o exigido). ou
Quando o material for
compactado segundo o “Moto-scraper” com massa aproximada de 28 toneladas
ensaio de compactação e um motor desenvolvendo cerca de 245 kW no volante
com cilindro…………………………………….….98 % da do motor, empurrada
densidade
durante
de o carregamento por um
referência bulldozer, como o especificado na Sub-cláusula 3303(a).
Aterro com material
rochoso…………………………………………densidade ou
não especificada
Pá carregadora de rastos com massa de aproximada de
A areia que para efeitos deste requisito é especificada 22 toneladas e um motor desenvolvendo 140 kW no
como não plástica, com não menos de (pelo menos) volante do motor.
95% de material passado no peneiro de 4,75 mm, mas
com um máximo de 20% de material passado no peneiro (ii) Escavação em material intermédio
de 0,075 mm, deverá ser compactada a 100% da
densidade AASHTO modificada. Se a percentagem A escavação em material intermédio deverá ser a
passada no peneiro de 0,075 mm for superior a 20%, a escavação (excluindo escavação em material brando) em
areia deverá ser compactada a 95% da densidade material que pode ser eficientemente ripado por um
AASHTO modificada. bulldozer com massa de aproximadamente 35 toneladas,
quando equipado com um “ripper” de um só dente, com
um motor desenvolvendo aproximadamente 220 kW no
3303 CLASSIFICAÇÃO DAS ESCAVAÇÕES EM volante do motor.
(ZONAS DA ESTRADA EM) CORTE E EM
CÂMARA DE EMPRÉSTIMO (iii) Escavação em material duro

(a) Classes de escavação A escavação em material duro deverá ser a escavação


(excluindo escavação em pedregulho) em material que

3300 - 2
não pode ser ripado de forma eficiente com um bulldozer
com características equivalentes às descritas na Sub- A escavação do resto do material deverá ser classificada
cláusula 3303(a). como escavação em material brando ou intermédio, de
acordo com a natureza do material.
Este tipo de escavação inclui geralmente escavação em
materiais tais como rochas não alteradas e que podem Todos os equipamentos especificados na Sub-cláusula
ser removidos apenas após o uso de explosivos. (i) e (ii) acima deverão estar em boas condições
mecânicas. As expressões “eficientemente ripado”,
(iv) Escavação em material rochoso (pedregulho) de “eficientemente removido” ou “eficientemente carregado”
Classe A tal como utilizado nesta Sub-cláusula deverá significar
ripado, removido ou carregado (conforme o caso) de
A escavação em material rochoso (pedregulho) de uma maneira que possa ser razoavelmente esperada do
Classe A será a escavação em material contendo mais equipamento em questão, tendo em consideração a
de 40% do volume em pedregulhos com dimensão entre produção alcançada.
0.03 m3 e 20 m3, numa matriz de material brando ou de
pedregulhos mais pequenos. (b) Método de classificação

A escavação em formações dolomíticas que não sejam O Empreiteiro é livre de escolher o método que desejar
de dolomite sólida deverá também ser classificada como usar para a escavação de qualquer classe de material,
escavação da Classe A se as formações contêm acima mas o método de escavação do material não determinará
de 40% de pedregulhos de dolomite dura com volume a classificação da escavação.
entre 0,03 m e 20 m
3 3,
numa matriz de material mais
brando ou pedregulhos mais pequenos de dolomite dura. Para efeitos de pagamento, a Fiscalização deverá decidir
a qual das classes acima referidas pertence determinada
A escavação de pedregulhos sólidos ou blocos de escavação. A classificação deverá, em primeira instância,
dolomite dura com mais de 20 m 3
cada deverá ser numa inspecção do material a ser escavado. A
classificada como escavação em material duro. A classificação da escavação deverá ser acordada antes do
escavação de rochas fissuradas ou fracturadas não início da escavação. Em caso de desacordo entre o
deverá ser classificada como escavação em material Empreiteiro e a Fiscalização, o Empreiteiro deverá, se
rochoso (pedregulho), mas sim como escavação em necessário, disponibilizar, à sua custa, os equipamentos
material duro ou intermédio, de acordo com a natureza especificados nas Sub-cláusulas 3303(a)(i) e (ii), de
do material. forma a determinar se o material pode ser razoavelmente
removido com os mesmos. A decisão da Fiscalização
(v) Escavação em material rochoso (pedregulho) de relativamente à classificação será definitiva e vinculativa,
Classe B sujeita às disposições das Condições Gerais do Contrato.

Se o material contiver 40% ou menos do volume em O Empreiteiro deverá informar imediatamente a


pedregulhos ou blocos de dolomite dura com dimensões Fiscalização se e quando a natureza do material a ser
entre 0,03 m3 a 20 m3, numa matriz de material brando escavado mudar de tal forma, que seja justificável
ou pedregulhos ou blocos de dolomite dura mais (justificada) uma nova classificação para a escavação
pequenos, esses pedregulhos ou blocos de dolomite dura posterior. A falha por parte do Empreiteiro em informar
com dimensões entre 0,03 m3 e 20 m3 deverão ser atempadamente a Fiscalização sobre essa mudança,
classificados como escavação em material rochoso habilitará a Fiscalização a classificar, à sua discrição, tal
(pedregulho) de Classe B.

3300 - 3
escavação como se tivesse sido executada em material descrito a seguir, em vez de ser expressa como
de natureza diferente. percentagem da densidade AASHTO modificada.

Para cada tipo de material encontrado, deverá ser


3304 CLASSIFICAÇÃO DA COMPACTAÇÃO construído um trecho experimental com o material
representativo daquele, cuja densidade de referência
Para efeito de medições e pagamento o método de deverá ser determinado (o próprio original está confuso).
processamento e compactação do material de aterro Os materiais deverão ser colocados e compactados como
deverá ser classificado tal como descrito a seguir. A descrito na Secção 3200, devendo essa compactação
Fiscalização deverá decidir com antecedência sobre a ser feita com um total de 12 passagens por cada 150
classificação da compactação a empregar e a mm de espessura de camada compactada, sobre todas
classificação do material para efeitos de escavação não as secções da camada a compactar, utilizando os vários
será de forma nenhuma tomada em consideração no que tipos de equipamento de compactação que assegurem a
diz respeito à classificação da compactação do material. mais eficiente combinação para o material em questão. O
Empreiteiro deverá utilizar a combinação de todos ou
quaisquer dos seguintes equipamentos: cilindro de grade
(a) Compactação a uma percentagem mí nima da densidade AASHTO
pesado, cilindro pés-de-carneiro, “tamping rollers”,
cilindro pneumático pesado, cilindro de rastos lisos e
Onde quer que um requisito de densidade relativamente cilindro vibrador ou qualquer outro tipo de equipamento
um aterro ou a uma camada de pavimento seja considerado adequado pela Fiscalização. O Empreiteiro
estabelecido nestas Especificações, nos Desenhos, nas deverá basear os seus preços unitários propostos na
Especificação do Projecto ou prescrito pela Fiscalização, inclusão de quatro passagens de cilindro vibrador por
em termos de uma percentagem da densidade AASHTO cada doze passagens de uma combinação de cilindros.
modificada, o Empreiteiro deverá ter a liberdade de
utilizar o tipo de equipamento de compactação que Uma vez concluída a compactação do trecho
entender para alcançar a densidade especificada em toda experimental, deverão ser feitos pelo menos 10 testes
a espessura especificada da camada, desde que ele para a medição da densidade seca nos 150 mm
cumpra em todos os aspectos os requisitos gerais destas superiores da camada ou, nos casos de areias não
Especificações, e que o equipamento utilizado seja plásticas, na camada entre 100 mm e 250 mm abaixo
adequado e adaptado para o fim em vista e não será de da superfície e a densidade de referência deverá ser a
modo nenhum prejudicial a qualquer parte dos Trabalhos média destas densidades secas.
já completados.
A densidade seca especificada até à qual o material
deverá ser compactado será de 98% da densidade de
(b) Compactação a uma percentagem mí nima da densidade dereferência,
referência devendo ser medida nos 150 mm superiores
da camada nos casos de solos e saibros (cascalhos) e
(i) Materiais entre 100 mm e 250 mm abaixo da superfície nos casos
de areias não plásticas.
Para os materiais compactados até a uma certa
percentagem da densidade de referência deverão aplicar- A Fiscalização terá a autoridade para decidir quando as
se os requisitos da Sub-cláusula 3304(a), excepto características de novos materiais variam suficientemente,
(salvo) que a densidade requerida deverá ser expressa para justificar a determinação de uma nova densidade de
como percentagem da densidade de referência tal como referência.

3300 - 4
A compactação até uma densidade de referência deverá deverá mover-se a uma velocidade não inferior a
ser utilizada apenas como alternativa à compactação até 12km/h.
uma percentagem da densidade AASHTO modificada nos
casos em que esta tenha sido especificada e que (4) Cilindro pés-de-carneiro
tenham sido encontradas dificuldades sérias para a
obtenção das densidades especificadas. O cilindro pés-de-carneiro deve consistir de um tambor
cilíndrico munido de pés de compactação especialmente
(ii) Equipamento concebidos, com uma massa não inferior a 13,5
toneladas, devendo mover-se a uma velocidade não
O equipamento deverá ser de qualquer dimensão ou tipo inferior a 12 km/h. Os pés deverão ser de secção
desde que considerado adequado pela Fiscalização, rectangular e deverão ter duas ou três faces de
excepto que os seguintes itens de equipamentos devem compactação consecutivas, devendo ser projectados de
cumprir os requisitos referidos a seguir: modo a não descompactar nenhum material durante o
processo de compactação.
(1) Cilindro pneumático (de pneus)
(5) Cilindro oscilatório
O cilindro pneumático é um cilindro de rodas com pneus
montadas num quadro rígido com plataforma de carga ou O cilindro oscilatório deverá ser capaz de exercer uma
“chassis” susceptível de receber um lastro que produza força estática e dinâmica combinada não inferior a 120
uma carga não inferior a 70 KN em cada roda, kN/m de largura por cada metro de espessura da
montadas de forma a que cada uma das rodas suporte a camada não compactada, a uma frequência não superior
mesma carga mesmo operando em superfícies a 50 Hz e deverá mover-se a uma velocidade não
irregulares. superior a 4 km/h.

A carga total em qualquer dos eixos não deverá exceder (c) Aterros rochosos
300 KN. Em condições de operação os pneus deverão
estar uniformemente cheios com pressão de 500 a 800 Quando instruído pela Fiscalização o aterro rochoso
KPa. O cilindro deverá estar lastrado de acordo com as deverá ser construído de acordo com o definido na Sub-
exigências da Fiscalização. cláusula 3209(c)

(2) Cilindro vibrador (d) Compactação com 12 passagens de cilindro

O cilindro vibrador deverá ser capaz de exercer uma Onde, devido à natureza do material, o grau de
força estática e dinâmica combinada não inferior a 120 compactação não pode ser controlado de forma
kN/m de largura, por cada metro de espessura de satisfatória através de ensaios de densidade in situ, a
camada não compactada, a uma frequência não superior Fiscalização pode instruir que o material seja colocado e
a 25 Hz, devendo deslocar-se a uma velocidade não compactado de acordo como descrito na Sub-cláusula
superior a 4km/h. 3304(b) com doze passagens ou coberturas (para cada
150 mm de espessura de camada compactada),
(3) Cilindro do tipo “grid” utilizando uma combinação de vários tipos de
equipamento de compactação. A Fiscalização poderá
A massa do cilindro do tipo “grid” (cilindro de grade) não também instruir para que o número necessário de
deverá ser inferior a 13,5 toneladas, incluindo o lastro, e passagens seja aumentado ou reduzido e que o
pagamento seja adaptado em conformidade.

3300 - 5
profundidade do material removido e em segundo lugar
As disposições da Sub-cláusula 3304(b) deverão com respeito à estabilidade do material e ao
aplicar-se mutatis mutandis a este método de equipamento de construção a ser utilizado. Para a
compactação com a condição de que não será exigida a remoção de qualquer material estável serão feitos
compactação a uma densidade determinada, mas que pagamentos apenas ao abrigo este item, se a instrução
deverá ser aplicado o número total de passagens para remoção tiver sido emitido após a conclusão das
solicitado e pago. escavações de acordo com as instruções originais, ou se
a espessura da camada a ser removida for inferior a
200 mm. Caso contrário, o pagamento será feito pelo
3305 TRATAMENTO DA FUNDAÇÃO DA item 33.04, tal como para o material normalmente
ESTRADA (DO LEITO DA ESTRADA) escavado e que é depositado em vazadouro.

(a) Remoção de material inadequado Para efeitos desta cláusula e do item de pagamento
33.07, deverá ser definido como material estável o
material que pode ser removido de eficientemente por
Todo o material da fundação da estrada (do leito da meio de equipamento de construção normal tal como
estrada) considerado pela Fiscalização como sendo de “bulldozers”, motoniveladoras ou “motoscrapers”,
uma qualidade que poderia ser prejudicial para o enquanto que material instável será o material que pode
desempenho da estrada construída, deverá ser removido ser removido eficientemente apenas com escavadoras,
às larguras e profundidades instruídas pela Fiscalização e carregadoras de arrasto [dragline scrapers], ou
depositado em vazadouro, como prescrito. Os espaços equipamento similar.
escavados deverão então ser reenchidos com material
importado aprovado e compactado até à densidade (b) Compactação com três passagens de cilindro
exigida.
Qualquer secção da fundação da estrada que, devido à
A Fiscalização poderá também instruir que seja removido inadequação da sua densidade in situ, deve ser
qualquer material que esteja demasiado húmido para compactada com três passagens de cilindro conforme
assegurar uma plataforma estável para a construção de definido nos Desenhos, especificado ou prescrito pela
aterros e que o mesmo seja substituído por material seco fiscalização, deverá ser preparada através de
apropriado. O Empreiteiro deverá ser pago por este reperfilamento, se necessário, e, depois, por
trabalho, desde que a Fiscalização considere que, apesar compactação com um cilindro pneumático pesado ou um
da drenagem temporária construída pelo Empreiteiro e da cilindro vibrador que cumpra as exigências especificadas
drenagem permanente que o Empreiteiro poderá ter na Sub-cláusula 3304(b), ou ainda com um cilindro de
construído conforme as instruções da Fiscalização, as impacto.
condições de humidade do material não poderão
provavelmente ser remediadas em tempo razoável e que O cilindro de impacto deverá ser um cilindro simples de
as mesmas não poderiam ter sido razoavelmente várias faces, com um máximo de cinco faces planas ou
previstas e evitadas com um planeamento apropriado quase planas e uma massa compreendida entre 8 e 10
antecipado de forma que a construção tivesse sido feita toneladas. O cilindro e o mecanismo de reboque deverão
durante o período seco. ser do tipo queda livre, e deverão ser concebidos de tal
forma que, quando o cilindro estiver apoiado sobre a
A remoção de material inadequado deverá ser paga ao aresta entre duas faces adjacentes, toda a energia
abrigo do Item 33.07. Para o pagamento, deverá em aplicada na elevação do cilindro estará disponível para
primeiro lugar ser feita distinção com respeito à aplicação no impacto quando ele cai novamente. O

3300 - 6
cilindro deverá ser rebocado a uma velocidade entre 8
km/h e 24 km/h. Caso se tenha que importar algum material adicional
para atingir a cota e a espessura da camada
Excepto quando autorizado de outra forma pela necessárias, e onde a espessura da camada do material
Fiscalização, a compactação deverá compreender não importado é inferior à espessura especificada da camada
menos do que três coberturas completas pelas rodas do após compactação, deverá proceder-se à escarificação
cilindro, especificado ou exigido, sobre toda a porção da da fundação da estrada, à colocação do material
área a ser compactada. Apesar de não haver a intenção importado necessário, à mistura destes materiais
de o Empreiteiro aplicar água à fundação ao abrigo desta combinados e compactação, em toda a espessura
classe de compactação, e de não se exercer um controle especificada da camada. O material importado deverá ser
rígido do teor de humidade durante a compactação, o medido e pago de acordo com o Item 33.01. Corte
Empreiteiro deverá, no entanto, assegurar à Fiscalização (escavação) e empréstimo para aterro, bem como o
que se farão todos os esforços possíveis para aproveitar material da fundação da estrada serão medidos e pagos
as condições favoráveis da humidade do solo e para de acordo com o Item 33.10, Preparação da fundação e
efectuar essa compactação, tanto quanto possível, compactação do material.
durante os períodos em que a fundação da estrada não
esteja excessivamente seca nem excessivamente húmida.
(d) Tratamento in situ da fundação da estrada
A Fiscalização terá toda a autoridade para decidir
quando é que as condições são favoráveis à Sempre que apresentado nos desenhos ou quando
compactação e onde é que essa compactação deverá determinado pela Fiscalização, a fundação da estrada
ser feita num determinado momento, estando autorizada deverá ser tratada in situ, desagregando formações
a instruir o Empreiteiro a regar a fundação da estrada à indesejáveis de materiais duros ou rochosos, para obter
sua custa onde, na opinião da Fiscalização, o um padrão uniforme de compactação ou melhorar a
Empreiteiro falhou no cumprimento destas exigências. drenagem.
Onde necessário a compactação com três passagens de
cilindro será seguida pelo processo descrito na alínea (c) O tratamento in situ consistirá no desmonte da fundação
a seguir. com a utilização de “ripper” ou explosivos até
profundidades que, nas secções com abaulamento
normal, deverão aumentar do eixo da fundação da
(c) Preparação e compactação da fundação da estrada para os bordos.
estrada
A não ser que de outra forma indicado nos Desenhos ou
Qualquer parte da fundação da estrada classificada como determinado pela Fiscalização, a profundidade de
satisfatória para utilização in situ, excepto que não ripagem no eixo da fundação da estrada não deverá ser
satisfaz os requisitos de densidade, deverá ser inferior a 300 mm e nos bordos não deverá ser inferior a
escarificada, regada e compactada a uma determinada 500 mm. De forma semelhante, a perfuração e o
percentagem da densidade AASHTO modificada. O tipo desmonte com explosivos não deverá ser inferior a 700
de compactação e a sua profundidade deverá ser de mm no eixo do fundação da estrada, devendo descair
acordo com as orientações da Fiscalização. Se para fora até a uma profundidade não inferior a 1000
necessário, o material da fundação da estrada poderá mm nos bordos da fundação da estrada. Nas secções
ser temporariamente cortado para formar um cordão, de com sobre-elevação, o tratamento deverá, se assim
forma a atingir-se a necessária profundidade de determinado pela Fiscalização ou apresentado nos
compactação. Desenhos, ter um declive transversal uniforme e uma

3300 - 7
profundidade mínima de 400 mm no caso de desmonte Esses órgãos de drenagem deverão ser construídos,
com “ripper” e de 850 mm no caso de desmonte com medidos e pagos de acordo com as disposições da
explosivos. Secção 2100.

Depois do desmonte com “ripper” ou com explosivos o


material deverá ser processado como se segue: (f) Especificação do método para solos colapsáveis

A Fiscalização poderá ordenar a execução de ensaios de


(i) Onde a Fiscalização instruir o Empreiteiro para campo para determinar o tipo de equipamento a utilizar
ripar o material in situ, as dimensões do material deverão para a compactação da fundação da estrada e o número
ser reduzidas por cilindragem ou por britagem, até que a de passagens de cilindro a aplicar nas áreas de
dimensão máxima de qualquer torrão ou pedaço não materiais colapsáveis.
exceda dois terços da espessura da camada depois da
compactação. A Fiscalização poderá instruir que a preparação da
fundação da estrada seja feita com a aplicação de um
número específico de passagens, utilizando um ou mais
(ii) O material deverá então ser compactado de dos tipos de cilindros detalhados na Sub-cláusula 3304
acordo com o descrito na Secção 3200 e na Sub- (b) ou 3305 (b).
cláusula 3304(b) por meio de doze passagens de uma
combinação aprovada de diferentes cilindros. Os ensaios de campo serão pagos como trabalhos por
administração directa de acordo com as Condições
Sempre que instruído pela Fiscalização, o Empreiteiro Gerais do Contrato. Cada metro quadrado de passagem
deverá proceder ao desmonte do material in situ com o de cilindro deverá ser pago através do Item 33.06 para
uso de explosivos, e todo o material deverá ser o tipo de cilindro utilizado nos ensaios.
processado e compactado conforme o descrito na Sub-
cláusula 3209 (c).
3306 ESCAVAÇÃO (CORTE) E EMPRÉSTIMO
Em ambos os casos, o material em excesso amontoado
após o tratamento in situ deverá ser removido e (a) Dimensões das escavações
depositado em vazadouro ou utilizado noutro sítio, tal
como definido pela Fiscalização. As dimensões das escavações deverão, de uma maneira
geral, respeitar os detalhes dos perfis transversais tipo, e
dos cruzamentos e nós rodoviários, tal como
(e) Drenagem da fundação da estrada apresentados nos Desenhos, e deverão ainda ser
definidas ou corrigidas durante o decorrer da construção
Qualquer secção da fundação da estrada impregnada de conforme instruções da Fiscalização. O Empreiteiro
água, susceptível de ser drenada, tal como material deverá antecipadamente obter da Fiscalização as
saturado sobrejacente a estratos menos permeáveis, instruções relativas ao declive dos taludes das
deverá ser primeiramente drenado com a instalação do escavações e a profundidade até à qual os cortes
sistema de drenagem superficial ou subterrânea deverão ser feitos, incluindo as dimensões de qualquer
permanente apresentado nos Desenhos ou de acordo tratamento in situ das zonas de escavação, que possa
com as instruções da Fiscalização, antes que qualquer ser necessário abaixo do nível do topo da fundação. Nas
outra construção possa ser começada nestas secções. escavações em rocha, a rocha deverá ser removida até

3300 - 8
ao nível que permita a construção da camada de sub- orientações, para a construção dos taludes dos aterros
base, a não ser que instruído de outro modo. ou para servir de protecção contra a erosão de aterros
ou de valas.
Toda a escavação feita abaixo do nível especificado
deverá ser reenchida com material adequado, A Fiscalização deverá ter o controlo total do uso dos
compactado de forma a satisfazer a Fiscalização e à materiais obtidos das escavações, mas o Empreiteiro
custa do próprio Empreiteiro. Contudo, em caso de deverá planificar as suas operações e particularmente as
escavações feitas em material duro ou material rochoso, suas operações de escavação e aterro, de tal maneira
onde é inevitável uma certa quantidade de excesso de que todo o material escavado seja utilizado da forma
fragmentação, é dada ao Empreiteiro a oportunidade de mais vantajosa para o Dono da Obra. Isto quererá dizer
propor o preço para um item, para cobrir os custos que nenhum material deverá desnecessariamente ser
relacionados com o excesso de fragmentação inevitável depositado em vazadouro, utilizado como material de
no fundo e com o reenchimento dessas secções. empréstimo ou transportado.

A Fiscalização poderá, quando considerar necessário, O Empreiteiro não deverá utilizar nem depositar em
instruir o Empreiteiro a alargar as escavações existentes, vazadouro qualquer material sem a aprovação da
já concluídas ou parcialmente concluídas, seja Fiscalização e sem convencer a Fiscalização que isso é
uniformemente ou alterando o declive dos taludes das necessário e que é o método mais económico de
escavações, ou por corte de banquetas, ou por qualquer execução das obras.
outra forma. As escavações de taludes com mais de 2,5
m de profundidade e com largura inferior a 4 m medidos
horizontalmente, deverão ser medidas e pagas tal como (c) Material de empréstimo
especificado na Cláusula 3312, Item 33.08. As
escavações alargadas de taludes que tenham menos de Nenhum material que não seja proveniente das
2,5m de profundidade, e aquelas cuja largura é superior escavações, aquedutos, fundações, valetas, drenos e
a 4 m medidos horizontalmente, deverão ser medidas e reperfilamento da fundação da estrada, deverá ser
pagas como escavação para aterro ou escavação para escavado da reserva da estrada, a não ser com a
depósito em vazadouro, conforme o caso. autorização da Fiscalização.

Quando não estiverem disponíveis quantidades


(b) Utilização do material de escavação suficientes de material de boa qualidade proveniente das
escavações, deverá ser escavado material adicional das
Todos os materiais apropriados e aprovados escavados áreas de empréstimo apresentadas nos Desenhos ou de
do prisma da estrada deverão, na medida em que for acordo com as instruções da Fiscalização. Em vez dos
praticável, ser utilizados para a construção dos aterros, empréstimos, as escavações poderão ser alargadas ou a
taludes dos aterros, bermas, camadas do pavimento, inclinação dos taludes reduzida, desde que a
diques de sanjas e para quaisquer outros fins, tal como Fiscalização determine a necessidade dessa acção antes
apresentado nos Desenhos ou definido pela Fiscalização. que o Empreiteiro inicie o trabalho em determinada
escavação. Se a Fiscalização exigir que escavações
Material rochoso grosso encontrado nas escavações existentes, concluídas, ou parcialmente concluídas sejam
deverá ser utilizado na construção das camadas alargadas, esse alargamento deverá ser medido e pago
inferiores dos aterros com altura suficiente para separadamente, como estabelecido na Sub-cláusula
acomodar camadas espessas, ou, onde assim exigido, 3306(a).
deverá ser conservado e utilizado de acordo com as

3300 - 9
O material adicional necessário para a execução do Quando ordenado pela Fiscalização, os materiais de
trabalho deverá, sempre que possível, ser obtido das aterro de melhor qualidade deverão ser utilizados nas
áreas de empréstimo aprovadas e em uso, com a mais camadas superiores dos aterros e nas camadas inferiores
curta distância de transporte. dos aterros altos.

A Fiscalização terá o direito de decidir que fontes de


fornecimento de material aprovado serão utilizadas pelo (e) Armazenamento temporário dos materiais
Empreiteiro em cada período determinado.
Nos casos em que o programa de movimentos de terras
Onde for possível obter material satisfatório a distâncias é tal que os materiais seleccionados não podem ser
de transporte menores e o Empreiteiro decidir utilizar directamente colocados na sua posição apropriada, a
material que requeira maiores distâncias de transporte, o Fiscalização poderá autorizar a sua remoção para
Empreiteiro será pago ao preço unitário para o transporte armazenamento temporário de acordo com o descrito na
menor. Cláusula 3203. Os locais seleccionados pela
Fiscalização para armazenamento temporário deverão ser
preparados, através de limpeza e passagem de
(d) Selecção niveladora.

A Fiscalização pode ordenar que certos materiais das O material seleccionado deverá ser armazenado em
câmaras de empréstimo ou de escavações sejam camadas sucessivas em toda a área de armazenamento
seleccionados para um uso específico. Quando esta com dimensões aproximadas das exigidas pela
selecção de materiais for ordenada, o método de Fiscalização e subsequentemente deverá ser recarregado
escavação e o programa de trabalhos deverão ser e colocado na obra.
organizados de forma a, dentro do possível, se evitar o
duplo manuseamento, e se respeitar as exigências da
Fiscalização. Se materiais seleccionados designados pela (f) Depósito em vazadouro de materiais
Fiscalização forem contaminados, utilizados de forma sobrantes
incorrecta ou deixarem de estar disponíveis devido a uma
planificação imprudente da exploração da câmara de Todos os materiais sobrantes provenientes das
empréstimo ou das operações de escavação, o escavações, incluindo os desperdícios e materiais com
Empreiteiro será obrigado a substituir o material em falta dimensões acima do especificado, retirados da estrada
por material de qualidade no mínimo igual, escavado e com niveladora, deverão ser depositados em vazadouro
transportado de câmaras de empréstimo à sua própria de acordo com as instruções da Fiscalização. Contudo,
custa. nenhum material deverá ser depositado em vazadouro
sem instruções escritas da Fiscalização. O material
Em geral o material escavado deverá ser colocado depositado em vazadouro não deverá necessitar de
directamente na sua posição final nos aterros. compactação, mas deverá, se necessário, ser espalhado
e regularizado, dando-se-lhe uma superfície lisa, tal
Quando a estabilidade de um aterro puder ser como a que se pode obter normalmente com a operação
materialmente melhorada através da colocação controlada cuidada de um “bulldozer”.
de solo e material rochoso em camadas sucessivas,
deverá organizar-se o fornecimento simultâneo dos dois
tipos de materiais. (g) Considerações gerais

3300 - 10
O Empreiteiro deverá tomar os cuidados apropriados compactação e qualquer outra questão que possa afectar
durante a execução de escavações, seja com a utilização a construção do aterro ou a sequência das operações.
do “ripper”, com uso de explosivos ou utilizando outros
meios, para não desagregar qualquer material situado Onde, por uma das razões seguintes, a dimensão das
fora da linha de corte especificada, que poria em perigo partículas do material é superior ao especificado ou o
a estabilidade dos taludes ou que provocaria material é inadequado para uso por outro motivo:
subsequentemente erosão indevida ou deslizamento da
parede do talude. Isto implicaria normalmente a (i) porque não foi desagregado de forma apropriada,
modificação dos métodos de escavação quando o durante o processo de escavação, até à dimensão
trabalho é feito na proximidade da superfície de corte máxima como descrito na Cláusula 3204;
final.
(ii) porque não foi seleccionado de forma apropriada ou
Também se deverá tomar cuidado para não escavar em foi contaminado, tal como descrito na Sub-clásula 3202;
excesso quaisquer taludes, devendo proceder-se
permanentemente a controlos apropriados através de (iii) porque foi escavado de forma prejudicial para o uso
inspecções regulares e utilizando estacas em intervalos pretendido, tal como descrito na Sub-cláusula 3104(d);
reduzidos. Nos casos em que, apesar disso, as paredes
dos taludes são escavadas em excesso, o reenchimento tal material deverá ser removido da estrada e depositado
e a compactação com material importado não será em vazadouro, não se devendo fazer qualquer
normalmente considerado como solução adequada, pagamento pela sua remoção nem pelo seu depósito.
podendo a Fiscalização exigir a implementação, à custa
do Empreiteiro, das medidas correctivas que considere Onde ocorra um excesso localizado de material escavado
necessárias, as quais, nos casos graves, poderão incluir ou material que, devido às razões acima mencionadas, é
o corte da totalidade da parede ou secções grandes da inadequado ou de dimensões acima do especificado, far-
parede para obter um talude uniforme. se-á, apesar disso, o pagamento pelo material removido
assim como pelo depósito em vazadouro do material
escavado, na quantidade em que esse material ou um
3307 ATERROS volume igual de outro material teria, de qualquer modo,
que ser depositado em vazadouro.
(a) Disposições gerais
Todo o material utilizado para a construção de aterros
As dimensões dos aterros deverão estar de acordo com deverá, durante a escavação, colocação e compactação,
os perfis transversais tipo, os detalhes dos nós ser desagregado, colocado e compactado como o
rodoviários ou intersecções apresentados nos Desenhos, descrito na Secção 3200. A densidade do aterro deverá
tal como definido ou modificado posteriormente pela cumprir os requisitos da Sub-cláusula 3302(b), a menos
Fiscalização durante o decurso da obra. que autorizado de outra forma pela Fiscalização, tal
como no caso da camada inferior de um aterro em
Antes do início da obra, o Empreiteiro deverá obter terreno pantanoso ou em aterro com material rochoso.
instruções relacionadas com o declive do talude exigido
para cada aterro, qualquer preparação da fundação da A espessura da camada utilizada para a construção dos
estrada ou drenagem subterrânea necessárias, detalhes aterros dependerá do tipo e dimensão máxima do
do movimento de terras nos nós e intersecções, a material utilizado. A Fiscalização deverá em primeiro
selecção de materiais, o método e classificação da lugar determinar as espessuras da camada de acordo
com as disposições das Cláusulas 3207, 3208 e 3209,

3300 - 11
devendo também determinar o tipo de compactação a ser uma densidade controlada. Deve ser utilizado
usado. equipamento leve de transporte e, onde necessário, com
descarga traseira para a colocação do material. A
Sempre que for praticável, o aterro deverá ser construído camada deverá ser compactada com equipamento de
em camadas sucessivas paralelas à superfície final da compactação leve, que proporcionará a compactação
estrada, devendo a construção de camadas em cunha mais eficiente, sem que a fundação da estrada seja
ser restringida às camadas inferiores dos aterros, onde sujeita a excesso de tensão. As camadas pioneiras não
isso poderá ser inevitável, devido ao declive transversal, necessitarão de compactação a uma densidade
à redução da espessura dos aterros, ou à sobre- controlada. A distinção entre a construção de uma
elevação da superfície final da estrada. camada pioneira e um aterro em material rochoso,
conforme descrito na Cláusula 3209, será determinada
pelo objectivo da sua construção.
(b) Colocação de pedras
O volume compactado do material usado poderá ser
Material rochoso contendo elementos) com dimensão determinado como sendo 70% do volume do material
superior a 300 mm não deverá ser utilizado a uma solto nos camiões, como alternativa ao levantamento das
profundidade inferior a 150 mm abaixo do topo do aterro, secções transversais antes e depois da construção.
salvo se autorizado de outra forma pela Fiscalização.

O Empreiteiro deverá, através de uma planificação (d) Construção de Banquetas


criteriosa das espessura das camadas e da selecção dos
materiais de menor dimensão para aplicação nas Onde o declive transversal natural da fundação da
camadas de aterro mais finas, evitar o desperdício estrada exceder 1:6 os aterros deverão ser ligados à
desnecessário de materiais rochosos de maior dimensão, fundação da estrada utilizando banquetas escavadas na
devendo assegurar, tanto quanto praticável, a sua fundação da estrada
utilização nos aterros.
A altura das banquetas deverá ser determinada pela
Fiscalização. As banquetas em material rijo poderão
(c) Construção em terreno instável (Camada normalmente ser menores que as banquetas em material
pioneira do aterro) mole. Quando as banquetas são executadas em rocha,
os pés dos aterros devem preferencialmente ser também
Nos casos em que o aterro tenha que ser construído construídos com material rochoso, e as banquetas
sobre terreno saturado ou terreno argiloso mole, exibindo deverão ser pelo menos tão altas como os blocos
movimento excessivo com o uso de equipamento normal maiores no aterro. A superfície da primeira banqueta
de compactação e camiões de transporte, e em que deverá ser serreada por forma a resistir de forma
essas condições impeçam a compactação eficaz das eficiente às forças horizontais. As banquetas em material
camadas inferiores do aterro, a Fiscalização poderá rochoso deverão também ser escavadas com declive
decidir que seja construída uma camada pioneira sobre o ligeiro para dentro, para obter uma melhor ligação.
terreno instável. Esta camada deverá ser construída com
carradas sucessivas de material grosso adequado, As banquetas poderão ser construídas de uma das
descarregadas e espalhadas numa camada uniforme com seguintes duas formas:
espessura apenas suficiente para assegurar uma
plataforma estável para a construção das camadas de (i) Método A
aterro posteriores, as quais devem ser compactados a

3300 - 12
Este método exige que o corte da primeira banqueta na A construção de aterros altos poderá necessitar de
fundação da estrada existente tenha largura adequada técnicas especiais para prevenir o desenvolvimento de
para acomodar a largura normal de equipamento de pressão intersticial excessiva e assegurar a estabilidade
construção autopropulsionado As larguras das banquetas de tais aterros durante e depois da construção. Estas
sucessivas deverão ser determinadas pela largura dos poderão incluir, entre outras, a selecção de materiais de
aterros na altura relevante. melhor qualidade para utilização nas camadas inferiores
do aterro, a construção de camadas filtrantes de areia e
A largura das banquetas deverá decrescer gradualmente o controlo rigoroso do teor de humidade durante a
até ao ponto em que os aterros são, de qualquer modo, compactação. Onde estas medidas sejam necessárias, os
suficientemente largos para acomodar a largura normal aterros deverão ser designados como aterros altos, e
de equipamento de construção. Autopropulsionado deverão ser construídos de acordo com as
Especificações do Projecto.

(ii) Método B
(f) Camadas filtrantes de areia
Este método não exige que a banqueta no pé do talude
seja cortada de forma adequada para acomodar Na base dos aterros e, às vezes em níveis
equipamento de construção normal, mas a largura dos intermediários, poderá ser necessária a construção de
aterros deverá ser tão ampla quanto necessário, por camadas filtrantes de areia para facilitar a drenagem do
forma a acomodar os equipamentos até à altura onde os aterro. As camadas filtrantes de areia deverão ser
aterros são, de qualquer forma, suficientemente largos. construídas de acordo com os detalhes dos Desenhos e
Neste caso a Fiscalização deverá determinar a largura da deverão normalmente consistir numa camada de areia
banqueta mais próxima da base a cortar no aterro. seleccionada com uma granulometria apropriada para
providenciar uma drenagem eficiente e prevenir a
A posição da primeira banqueta na base do pé do talude infiltração do material do aterro ou da fundação da
deverá ser correctamente medida e claramente estrada na camada filtrante de areia. A superfície onde
implantada. Todo o material adequado obtido das será construída a camada filtrante de areia deverá ser
escavações para a construção das banquetas deverá, lisa e regular, devendo a areia ser espalhada
tanto quanto possível, ser reutilizado para a construção uniformemente até à espessura necessária e ser
dos aterros. levemente compactada com cilindros apropriados. A
superfície final da camada filtrante de areia deverá ter
A medição e o pagamento para a construção das um acabamento ajustado ao alinhamento e à cota.
banquetas deverão ser tratados como “escavação para A Fiscalização poderá exigir que a camada
aterro” ou “escavação e depósito em vazadouro” imediatamente abaixo e a camada imediatamente acima
conforme o caso, a não ser que estabelecido de outra da camada filtrante de areia sejam construídas com solo
forma nas Especificações do Projecto. No caso do seleccionado ou cascalho. As camadas filtrantes de areia
Método B de construção, a Fiscalização poderá exigir serão medidas e pagas separadamente.
que o excesso de largura no pé do talude seja removido
mais tarde, caso em que a remoção deverá ser
classificada como escavação em material mole. (g) Construção de aterros junto a estruturas

Em todos os aterros adjacentes a estruturas em


(e) Construção de aterros altos construção tais como pontes e aquedutos grandes, onde
a construção do aterro e o reenchimento junto à

3300 - 13
estrutura não pode ser feito simultaneamente, os
mesmos deverão ser construídos de tal forma que o Se a colocação com equipamento mecânico de
declive longitudinal da superfície do aterro forme, em construção não atingir o resultado exigido, o equipamento
todos as fases, um plano contínuo inclinado para a base deverá ser complementado com trabalho manual por
da estrutura, com um gradiente que não exceda 10%. forma a seleccionar, colocar e fixar pedras de travamento
Quando a construção da estrutura estiver completa, a entre os blocos grandes até que se consiga a colocação
parte remanescente do aterro deverá ser completada de correcta e os blocos grandes fiquem firmemente
forma semelhante e simultaneamente com o travados.
reenchimento junto à estrutura, devendo o reenchimento
junto à estrutura ser mantido sempre à mesma cota que
o aterro adjacente. Não se fará nenhum pagamento (i) Alargamento dos aterros
adicional pela construção dos aterros desta forma fora
das áreas restritas, conforme o definido na Cláusula Onde os aterros existentes tenham que ser alargados ou
6108. onde aterros já construídos tenham que ser alargados ou
rebaixados, o alargamento ou rebaixamento deverá ser
feito através da construção de banquetas tal como
(h) Construção de protecção com rocha nos pés dos taludes de aterrosna Sub-cláusula 3307(d) para formar uma
descrito
ligação firme entre a construção existente e a nova.
Onde necessário, os pés do taludes dos aterros deverão
ser protegidos contra a erosão com uma protecção Onde o material do aterro existente está solto junto aos
rochosa especial, a ser colocada de acordo com os taludes e apresenta compactação inadequada, as
Desenhos e como adicionalmente explicado pela banquetas deverão, se necessário, ser cortadas mais do
Fiscalização, através da construção da parte exterior dos que o necessário para acomodar o equipamento de
taludes do aterro com um misto de blocos de pedra construção, até que se atinja material devidamente
e/ou rocha demolida com explosivos, como descrito a compactado. À medida que o trabalho avança, o
seguir. Empreiteiro deverá manter contacto permanente com a
Fiscalização, com vista a receber instruções contínuas
A protecção rochosa deverá ser construída sobre até que ponto os aterros existentes deverão ser
simultaneamente com o resto do aterro e deverá consistir cortados e os materiais assim escavados reutilizados nos
em material rochoso durável, seleccionado, com aterros.
dimensões variando entre 150 mm e 750 mm. Se
necessário, dever-se-á colocar uma tela filtrante de fibra A não ser que determinado de outra forma nas
sintética na interface entre o aterro normal e a protecção Especificações do Projecto, não se fará nenhum
rochosa. Dever-se-á tomar cuidado para não danificar pagamento adicional pelo alargamento dos aterros. Os
nem rasgar o referido material. pagamentos serão feitos ao abrigo dos itens normais de
pagamento para aterros.
A protecção rochosa deverá ser construída e compactada
como descrito na Cláusula 3209 para aterro em material
rochoso, mas deverão ser tomadas em consideração as 3308 ACABAMENTO DOS TALUDES
seguintes exigências adicionais: A parte exterior da
protecção rochosa deverá consistir de blocos grandes de (a) Taludes de escavação
rocha adequadamente assentes com auxílio de
fragmentos de menor tamanho, de modo a formar uma Os taludes de escavação deverão ser regularizados
superfície de “rip-rap”bem travada e estável. garantindo um acabamento adequado e um padrão de

3300 - 14
qualidade geralmente possível de atingir no material em (c) Taludes dos separadores e das áreas dos
causa, com o cuidado e a execução apropriados. Todos nós rodoviários
os materiais rochosos soltos e ninhos de materiais soltos
deverão ser removidos, especialmente nas escavações O acabamento dos taludes de separadores deverá ser
em rocha sólida, devendo os taludes ficar livres deste feito com as mesmas tolerâncias de cota que as
tipo de materiais. A superfície final das paredes não especificadas na Sub-cláusula 3310(a) para as camadas
deverá ficar absolutamente lisa, mas deverá ter um superiores do aterro. Esta tolerância aplica-se tanto à
acabamento ligeiramente rugoso, que será adequado camada superior do aterro como à superfície final do solo
para a plantação subsequente de relva ou para o vegetal.
crescimento de vegetação natural.
A área entre as rampas dos nós deverá ser acabada
(b) Taludes de Aterro com a mesma tolerância que a especificada para os
taludes dos separadores. Para os taludes dos aterros
Os taludes de aterro deverão ser regularizados com um com declive superior a 1:4 deverão aplicar-se as
acabamento adequado, e a remoção de todos os blocos disposições das Sub-cláusulas 3308(b) e (d).
de pedra soltos e de material não compactado. O grau
de acabamento exigido dependerá da natureza do
material utilizado para o talude de aterro, mas deverá ser (d) Disposições gerais
tão liso tanto quanto possível, considerando o material
utilizado e uma boa execução. Excepto em rocha sólida, o topo e o pé de todos os
taludes, incluindo os taludes das valas de drenagem,
Não será permitido que pedregulhos existentes no meio deverão ser arredondados de acordo com as indicações
de materiais de dimensões menores se projectem acima nos Desenhos ou as instruções da Fiscalização.
da superfície. Todo o excesso de material deverá ser
removido imediatamente. Os taludes nas ligações entre escavações e aterros
deverão ser ajustados e moldados para que se encaixem
Nos casos de aterro em material rochoso, o material um no outro ou no solo natural sem quebra visível. Se
mole deverá ser descarregado sobre os taludes dos assim determinado pela Fiscalização, o ajustamento dos
aterros e introduzido nos interstícios entre os blocos de taludes deverá ser feito de forma a evitar danos a
rocha (pedregulhos) à superfície do talude. Qualquer árvores existentes e assegurar a harmonização com as
material mole, descarregado sobre os taludes do aterro características da paisagem. A transição para esses
em material rochoso por ordem da Fiscalização, e sem taludes ajustados deverá ser gradual.
reperfilamento ou regularização posteriores, será
classificado como “escavação e depósito em vazadouro”, Os taludes de escavação e de aterro deverão ser
mas se tiverem sido ordenados o reperfilamento e o acabados com uma aparência uniforme sem qualquer
acabamento da superfície, o material deverá ser quebra visível, que possa ser prontamente percebida a
classificado como “escavação para aterro”, devendo todo partir da estrada. O grau de acabamento exigido para
esse material ser medido para pagamento adicional para todos os taludes de aterro e de escavação com declive
aterro, o qual é medido de acordo com as dimensões inferior a 1:4 deverão ser os normalmente atingíveis com
exactas do prisma da estrada. O volume desse material motoniveladora ou utilizando pás manuais.
será considerado como sendo igual a 70% do material
solto medido nos camiões. Os taludes das escavações designados para
arrelvamento deverão, depois do acabamento, ser
preparados para o plantio de relva e/ou para colocação

3300 - 15
de solo vegetal para plantio de relva, de acordo com o Precauções apropriadas e medidas temporárias deverão
especificado na Secção 5700. ser tomadas em todos os casos, para assegurar que o
método ou procedimentos utilizados para a construção
Todo o trabalho de regularização dos taludes de dos aterros não vão provocar cargas sobre as estruturas,
escavação deverá ser completado antes que se inicie especialmente sobre as estruturas inacabadas, que
qualquer trabalho na sub-base, no interior dessas possam causar danos ou tensões excessivas nas
escavações. mesmas.

3309 PROTECÇÃO DO PRISMA DA ESTRADA 3310 TOLERÂNCIAS DE CONSTRUÇÃO /


E DAS ESTRUTURAS EXECUÇÃO

Durante a construção, deve-se manter o prisma da As obras descritas nesta Secção deverão ser executadas
estrada permanentemente bem drenado e protegido tal respeitando as tolerâncias a seguir indicadas:
como especificado na Cláusula 1217. Todos os cordões
deverão ser cortados e removidos depois da construção
para prevenir o escoamento concentrado de água sobre (a) Cota
as camadas de aterro já completadas, mas, onde
necessário, deverão ser construídos “lancis de bordadura As tolerâncias de cota referidas na Cláusula 7205
em aterro” baixos, para evitar a inconveniente erosão dos deverão ser as seguintes para os aterros, mas deverão
taludes do aterro. Todos os dispositivos de drenagem aplicar-se apenas para a camada superior do aterro:
permanentes deverão ser construídos tão cedo quanto
possível, juntamente com dispositivos de drenagem
adicionais temporários, em número suficiente segundo as H90…………………………………………………± 25 mm
necessidades, para proteger o prisma rodoviário, devendo Hmax……………………………………………....± 33 mm
ser mantidos em boas condições de funcionamento.
Rodeiras e buracos que se formem sobre a fundação
depois da sua conclusão deverão ser reparados, e as (b) Largura
secções danificadas da fundação deverão ser
regularizadas e recompactadas à custa do Empreiteiro. (i) Aterro com material normal

Todos os taludes de escavação e de aterro deverão ser A medida horizontal, tirada do eixo da estrada aos
mantidos pelo Empreiteiro até que a estrada tenha sido bordos do aterro, não deverá ser em parte alguma
certificada como tendo sido completamente acabada. inferior em mais do que 125 mm ou superior em mais do
Toda a erosão e danos provocados por cheias nos que 250 mm às dimensões especificadas quando
taludes deverão ser prontamente reparados tal como medidas a qualquer cota.
especificado nas Cláusulas 1217 e 1218.
(ii) Aterro em material rochoso
Valetas laterais descarregando água das escavações e
todos os outros dispositivos de drenagem deverão ser A medida horizontal, tirada do eixo da estrada aos
construídos de forma a evitar danos aos aterros bordos do aterro, não deverá em parte alguma ser
provocados pela erosão. inferior em mais de 250 mm ou superior em mais de
500 mm às dimensões especificadas quando medidas a
qualquer cota.

3300 - 16
perfis transversais deverão ser levantados antes de se
fazer qualquer trabalho de escavação ou aterro. Onde o
(iii) Taludes de escavação Empreiteiro prosseguir o trabalho antes da aprovação
final dos perfis transversais e antes do acordo entre o
Não se dão tolerâncias específicas, mas os taludes de Empreiteiro e a Fiscalização sobre os perfis transversais,
escavação deverão ser acabados a um nível geralmente a decisão da Fiscalização em relação aos perfis
possível de atingir com o cuidado e a execução transversais a serem utilizados será final e obrigatória
apropriados, tendo em conta a natureza do material para o Empreiteiro.
escavado. Deverá também ter-se o cuidado para não
sobre-escavar quaisquer taludes, o que poderia causar Se houver razões válidas para acreditar que a fundação
secções com um declive mais acentuado que o da estrada está a assentar à medida que os aterros
especificado. Todo o material solto será removido. estão a ser construídos, e depois dos trabalhos da
fundação da estrada terem sido completados e os perfis
transversais acordados, o Empreiteiro poderá solicitar o
3311 INSPECÇÃO E TESTES DE ROTINA ajustamento das quantidades em função daquele facto.
Esse pedido deverá ser apresentado sem demora,
A Fiscalização efectuará inspecções e testes de rotina devendo o Empreiteiro submeter os justificativos de
para determinar se a qualidade dos materiais e da suporte necessários à Fiscalização. Se a Fiscalização
execução respeitam as exigências desta Secção. Os concordar que está a ocorrer um assentamento
aterros respeitam as exigências da Cláusula 3302 nos significativo, deverá decidir em conjunto com o
casos em que os resultados de pelo menos 75% dos Empreiteiro como determinar a extensão do
testes de densidade in situ em qualquer lote são iguais assentamento. Onde não puder ser alcançado um
ou excedem os valores especificados e nenhuma das acordo, a decisão da Fiscalização será final. Só deverão
densidades é inferior em mais do que 5 pontos ser feitos quaisquer ajustamentos desta natureza onde o
percentuais ao valor especificado. assentamento médio exceder 50 mm.

3312 MEDIÇÕES E PAGAMENTO Item Unidade

Nota: Cálculo das quantidades 33.01 Escavação e


empréstimo para aterro,
Depois de completados todos os trabalhos de incluindo transporte até 0,5 km:
desmatação e limpeza e da preparação da fundação da
estrada, e onde a classificação da escavação muda, o (a) Material granular em
Empreiteiro deverá, à sua custa, proceder ao camada compactada com
levantamento de perfis transversais em intervalos de 20 espessura de 200 mm ou menos:
m de forma a determinar as quantidades, devendo
submeter os resultados obtidos à Fiscalização para (i) Compactado a 90% da
aprovação. A Fiscalização deverá proceder a medições densidade AASHTO
de controlo, de forma a determinar a precisão e a modificada……………………..metro cúbico (m3)
adequação dos perfis transversais, podendo instruir o
Empreiteiro a corrigir qualquer trabalho defeituoso e a (ii) Compactado a 93% da
proceder a medições e levantamentos de perfis densidade AASHTO
transversais adicionais que considere necessários. Esses modificada……………………..metro cúbico (m3)

3300 - 17
Fiscalização, mas antes da construção do aterro, e o
(iii) Compactação com perfil transversal final especificado ou autorizado,
doze passagens de sobreposto àqueles a intervalos de 20 m ao longo do
cilindro…………………………metro cúbico (m3) eixo da estrada. Todas as medições deverão ser claras e
a parte do aterro colocado a mais do perfil transversal
(b) Material granular em autorizado apresentado nos Desenhos ou definido pela
camada compactada Fiscalização, não será paga, independentemente das
com espessura de 200 mm tolerâncias de execução permitidas pelo contrato. Onde a
a 500 mm: fundação da estrada assentou sob o peso do aterro, as
quantidades deverão ser ajustadas para compensar pelo
(i) Compactado a 90% assentamento, como definido na nota no início desta
da densidade AASHTO Cláusula. A medição do aterro deverá distinguir entre os
modificada……………………..metro cúbico (m3) métodos alternativos de processamento e compactação.

(ii) Compactado a 93% O material escavado na construção de canais abertos,


da densidade AASHTO drenos subterrâneos, aquedutos, fundações de pontes e
modificada…………………….metro cúbico (m3) outras estruturas deverão, se adequado e assim for
instruído pela Fiscalização, ser utilizados para a
(iii) Compactação com construção dos aterros. O pagamento será feito de
doze passagens de acordo com o Item 33.01 independentemente de
cilindro…………………………metro cúbico (m3) qualquer pagamento feito anteriormente para a
escavação desse material. Todo esse material deverá ser
(c) Aterro com material classificado como escavação em terreno mole.
rochoso (tal como
especificado na Os preços unitários propostos deverão incluir a
Sub-cláusula 3209(c))………..metro cúbico (m3) compensação total pela aquisição, fornecimento e
colocação do material, incluindo escavação como se
(d) Protecção com blocos fosse em material mole, pelo transporte do material a
de rocha (pedregulhos) uma distância de 0,5 km; pela preparação,
no pé dos aterros……………..metro cúbico (m3) processamento, regularização, rega, mistura e
compactação dos materiais para obter as densidades
(e) Camada pioneira……………..metro cúbico (m3) requeridas ou da maneira aqui especificada, e pela
remoção para fora da fundação da estrada e depósito
(f) Camada filtrante em vazadouro, após o processamento, de até 5% de
De areia………………………. metro cúbico (m3) material de dimensão excessiva, incluindo o transporte a
uma distância de 1 km.
A unidade de medição deverá ser o metro cúbico de
material medido no aterro compactado. A quantidade O pagamento deverá distinguir entre os vários métodos
medida deverá ser calculada utilizando o método da de processamento e compactação especificados tal como
média das áreas compreendidas entre os perfis definido nos itens acima.
transversais nivelados e preparados a partir da linha do
terreno, depois da desmatação, limpeza, remoção do
solo vegetal e da conclusão de qualquer tratamento Item
preparatório da fundação da estrada ordenado pelo Unidade

3300 - 18
(c) Escavação em material
33.02 Aterros em areia (tal como rochoso da
descrito na Cláusula 3302, Classe A……………………….metro cúbico (m3)
incluindo transporte a 0,5 km):
(d) Escavação em material
(a) Areia não plástica rochoso da
com 20% de materiais Classe B………………………metro cúbico (m3)
passados no peneiro de
0,075 mm, compactada a A unidade de medição será o metro cúbico de material
100% da densidade removido de acordo com as especificações.
AASHTO modificada…………metro cúbico (m3)
A medição para os itens (a), (b) e (c) deverá ser feita
(b) Areia não plástica com na posição original na escavação ou na câmara de
mais de 20% de materiais empréstimo e a quantidade deverá ser calculada pelo
passados no peneiro de 0.075 mm, método da média das áreas nos extremos dos perfis
compactada a 95% da densidade transversais levantados a intervalos não superiores a 20
AASHTO modificada…………metro cúbico (m3) m ao longo do eixo da estrada no caso das escavações,
e intervalos não superiores a 10 m e paralelos um ao
A unidade de medição será o metro cúbico de areia outro no caso das câmaras de empréstimo, antes e
medida nos aterros tal como determinado no item 33.01, depois da remoção do material. A medição da escavação
mas com a diferença que não é feita distinção entre as em material rochoso Classe B deverá ser feita através da
diferentes espessuras da camada em que o material é medição do volume de cada bloco (pedregulho) após a
colocado e compactado. remoção, ou, onde este processo for considerado
impraticável, assumindo que o volume in situ da
Os preços unitários propostos deverão incluir a escavação de material rochoso é equivalente a 50% do
compensação total pela aquisição, colocação e volume solto nos veículos de transporte.
compactação dos aterros em areia, assim como o
transporte a 0,5 km. Excepto nos casos previstos no Item 33.05, nenhum
material escavado em quantidades acima das
quantidades do perfil transversal autorizado será pago,
Item apesar de quaisquer tolerâncias de execução permitidas.
Unidade
Os preços unitários propostos deverão ser pagos como
33.03 Extra para além do extra sobre os preços unitários que se aplicam à
Item 33.01 para a escavação em material mole no Item 33.01, e deverá
escavação e desagregação incluir a compensação total pelos custos adicionais pela
do material: escavação e desagregação das diferentes classes de
material, incluindo o custo de todo o esforço,
(a) Escavação intermédia……..…metro cúbico (m3) equipamento, ferramentas, materiais, mão-de-obra e
supervisão adicionais.

(b) Escavação em material O pagamento extra deverá distinguir entre escavação em


duro…………………………….metro cúbico (m3) material intermédio, duro, rochoso da Classe A e de
Classe B.

3300 - 19
nos veículos de transporte, considerando o volume do
Item Unidade material in situ nos casos dos solos e material granular
como sendo equivalente a 70% do material solto no
33.04 Escavação e transporte veículo de transporte e, nos casos de materiais rochosos,
a vazadouro, incluindo como sendo igual a 50% do volume solto nos veículos
transporte até 0,5 km. de transporte.
Material obtido de:
Excepto nos casos previstos no Item 33.05, não se
(a) Escavação em material pagará nenhuma escavação em excesso do perfil
mole……………………………metro cúbico (m3) transversal autorizado, apesar de tolerâncias de
execução permitidas.
(b) Escavação intermédia………..metro cúbico (m3)
Os preços unitários propostos para escavação e depósito
(c) Escavação em material em vazadouro deverão incluir a compensação total pela
duro……………………………metro cúbico (m3) escavação do prisma e da fundação da estrada nas
diferentes classes de escavação, pelo carregamento,
(d) Escavação em material transporte do material a uma distância de 0,5 km,
rochoso da Classe A…………metro cúbico (m3) descarga e espalhamento do material de acordo com o
especificado, incluindo regularização e nivelamento de
(e) Escavação em material quaisquer montes de material para depositar.
rochoso da Classe …………..metro cúbico (m3)
Este item de pagamento aplicar-se-á também para a
A unidade de medição será o metro cúbico de material remoção de material inadequado da fundação da estrada,
medido na sua posição original na zona de escavação e desde que seja um material estável e que a instrução
calculado pelo método da média das áreas para a sua remoção tenha sido dada antes de a
compreendidas entre os perfis transversais levantados ao escavação ter atingido o nível do material da fundação
longo da linha do terreno depois da desmatação e da estrada a ser removido, tal como descrito na Sub-
limpeza e da remoção, do solo vegetal, caso exista, mas cláusula 3305(a).
antes da escavação, e o perfil transversal final
especificado ou autorizado, sobreposto àqueles a
intervalos não superiores a 20 m ao longo do eixo da Item
estrada. Unidade

A medição de escavação em material rochoso de Classe 33.05 Excesso de desagregação


B deverá ser feita através da medição de cada bloco em escavações em
(pedregulho) depois da sua remoção, ou, onde este material duro e
processo for considerado impraticável, assumindo que o em material rochoso
volume in situ da escavação de material rochoso é de Classe A….…………. metro quadrado (m2)
equivalente a 50% do volume solto nos veículos de
transporte. A unidade de medição será o metro quadrado da
fundação da estrada exposta nas escavações concluídas
Nos casos em que a medição pelos perfis transversais em material duro ou em material rochoso de Classe A.
for considerada impraticável pela Fiscalização, a
escavação e depósito em vazadouro poderá ser medida

3300 - 20
O preço unitário proposto para o excesso de
desagregação em escavações em material duro e em A unidade de medição para o aumento ou redução do
material rochoso de Classe A deverá incluir a número de passagens de cilindro para a compactação da
compensação total para o inevitável excesso de fundação da estrada deverá ser o metro quadrado de
desagregação que poderá ocorrer durante a escavação e cobertura, e deverá ser calculado multiplicando o número
pelo custo do reenchimento com material rochoso de metros quadrados aos quais a mudança do número
adequado e sua compactação de acordo com os de passagens se aplica, pelo número aumentado ou
alinhamentos e níveis especificados para a escavação. reduzido de passagens de cilindro. No caso do Item
Este preço unitário não deverá ser aplicado quando for 33.01, será calculado com base numa camada de 200
aplicado o item 33.12 em relação à mesma área. mm de espessura.

Onde for exigida uma mudança no esforço de


Item Unidade compactação, o Empreiteiro será compensado, aos
preços unitários propostos para os itens acima,
33.06 Variações no relativamente ao número acrescido de metros quadrados
número de passagens de passagem de cilindro, para cada tipo de cilindro
de cilindro (aplicável necessário, acima do especificado no esforço (de
aos Sub-itens 33.01(a)(iii), compactação) padrão relevante. A sua compensação
33.01(b)(iii) e Item 33.11): será simultaneamente reduzida, aos preços unitários
aplicáveis, pelo número de metros quadrados de
(a) Cilindros pneumáticos………….metro quadrado passagem de cilindro, para cada tipo de cilindro, que
-por-passagem tenha sido reduzido ou mesmo eliminado.
(m2-passagem)
O preço unitário proposto para cada metro quadrado de
(b) Cilindros vibradores…………… metro quadrado passagem de cilindro aplicado por ordem da Fiscalização
-por-passagem acima do número especificado de passagens, deverá
(m2-passagem) incluir a compensação total pela supervisão, mão-de-
obra, equipamento, combustível, materiais, execução e
(c) Cilindros do tipo outros custos imprevistos, necessários para a execução e
”grid” pesados……………………metro quadrado para os testes de controle dos trabalhos. Os mesmos
por passagem preços unitários deverão ser aceites pelo Empreiteiro
(m2-passagem) durante os cálculos da redução da sua compensação
onde o número de passagens de cilindro para cada tipo
(d) Cilindros pé-de-carneiro…………………...metro específico de cilindro for reduzido.
quadrado-por-passagem
(m2-passagem)
Item
(e) Cilindros osciladores……………………….metro Unidade
quadrado-por-passagem
(m2-passagem) 33.07 Remoção de material
inadequado (incluindo transporte a 0,5 km):
(f) Cilindros de impacto……………………….metro
quadrado-por-passagem (a) Em camadas com espessura até 200 mm:
(m2-passagem)

3300 - 21
(i) Material estável………………..metro cúbico (m3) Classs B………………………..metro cúbico (m3)

(ii) Material instável……………….metro cúbico (m3) (c) Em todos os outros


Materiais………………………..metro cúbico (m3)
(b) Em camadas com espessura superior
a 200 mm: A unidade de medição será o metro cúbico de material
escavado durante o alargamento das escavações, onde a
(i) Material estável………………..metro cúbico (m ) 3
profundidade for maior do que 2,5m, medida
verticalmente do topo da escavação para o bordo da
(ii) Material instável……………….metro cúbico (m3) berma e onde os taludes forem alargados de 4 m ou
menos.
A unidade de medição será o metro cúbico de material
inadequado removido pelo Empreiteiro de acordo com as A medição do material deverá ser feita na posição
instruções da Fiscalização, e deverá ser o volume in situ original na zona de escavação e a quantidade deverá ser
do material, calculado de acordo com as dimensões calculada pelo método da média das áreas
autorizadas. compreendidas entre os perfis transversais do terreno
levantados em intervalos não superiores a 20 m medidos
Os Sub-itens 33.07(a)(i) e (b)(i) aplicar-se-ão apenas ao longo do eixo da estrada antes e depois da remoção
nas circunstâncias especificadas na Sub-cláusula do material.
3305(a) e no Item 33.04.
Os preços unitários propostos para o alargamento das
Para efeitos desta Cláusula as definições de material escavações deverão ser pagos adicionalmente aos
estável ou instável deverão ser com o estabelecido na preços unitários propostos para os Itens 33.01, 33.02 e
Sub-cláusula 3305(a). 33.04, e deverão incluir a compensação total pelos
custos adicionais envolvidos (acima dos propostos para a
Os preços unitários propostos deverão incluir a execução de escavações novas) para a escavação do
compensação total pela remoção de todas as classes de material para o alargamento dos cortes, quando a
material inadequado e deverão distinguir apenas entre profundidade destas exceder 2.5 m e o alargamento for
material estável e instável e espessuras de camada inferior a 4 m.
inferiores e superiores a 200 mm. Incluirão também a
compensação para o transporte a 0,5 km.
Item Unidade

Item 33.09 Execução de um


Unidade cordão de material,
com motoniveladora………….metro cúbico (m3)
33.08 Alargamento de escavações
(Extra para além dos Itens A unidade de medição para os materiais temporariamente
33.01, 33.02 e 33.04): amontoados em cordão por meio de niveladora tal como
especificado na Sub-cláusula 3305(c) é o metro cúbico
(a) Em material duro…………….metro cúbico (m ) 3
de material a ser removido, medido na sua posição
original antes da remoção com niveladora, de acordo
(b) Em material rochoso de com o método da média das áreas (compreendidas entre
Classe A ou

3300 - 22
os perfis transversais levantados antes e depois da Os preços unitários propostos deverão incluir a
remoção). compensação total pelo reperfilamento, escarificação,
mistura do material in situ e importado se necessário,
Os preços unitários propostos deverão incluir a bem como a preparação e compactação do material tal
compensação total pela remoção temporária do material como especificado. Para efeitos de pagamento, far-se-á
e pela sua reposição posterior, bem como por todo o a distinção entre a compactação a uma percentagem da
trabalho de limpeza que poderá ser necessário depois da densidade AASHTO modificada e a compactação a 98%
reposição do material. da densidade de referência.

Apenas o material amontoado em cordão com a


niveladora por instruções da Fiscalização, para expor Item
para tratamento o material subjacente da fundação da Unidade
estrada,√ será medido e pago como descrito acima.
33.11 Compactação com
COPY: Apenas o material amontoado em cordão com a três passagens de cilindro:
niveladora por instruções da Fiscalização, para expor
para tratamento o material subjacente da fundação da (a) Cilindro de pneus
estrada, será medido e pago como descrito acima. Pesado…………………..…metro quadrado (m2)

(b) Cilindro vibrador…………...metro quadrado (m2)


Item Unidade
(c) Cilindro de impacto………..metro quadrado (m2)
33.10 Preparação da
fundação da estrada (d) Cilindro do tipo “grid”……...metro quadrado (m2)
e compactação do material:
(e) Cilindro pés-de-carneiro…..metro quadrado (m2)
(a) Compactação a 90%
da densidade AASHTO (f) Cilindro oscilador…………. metro quadrado (m2)
modificada……………………..metro cúbico (m3)

(b) Compactação a 93% A unidade de medição deverá ser o metro quadrado de


da densidade AASHTO fundação da estrada compactada de acordo com as
modificada……………………..metro cúbico (m3) disposições da Sub-cláusula 3305(b). A quantidade será
calculada de acordo com as dimensões autorizadas da
(c) Compactação a 98% área a ser tratada.
da densidade de
referência ……………………...metro cúbico (m3) Os preços unitários propostos deverão incluir a
compensação total pelo reperfilamento, fornecimento dos
A unidade de medição é o metro cúbico de material da cilindros, por manter os cilindros preparados, para serem
fundação da estrada, preparado e compactado como utilizados quando as condições de humidade forem
especificado na Sub-cláusula 3305(c). A quantidade favoráveis tal como especificado, e compactação da
deverá ser calculada de acordo com as dimensões fundação da estrada com três passagens de cilindro.
autorizadas das camada concluídas.

3300 - 23
Item e nós rodoviários…………metro quadrado (m2)
Unidade
A unidade de medição será o metro quadrado de taludes
33.12 Tratamento in situ da de escavação ou de aterro ou das áreas de separadores
fundação da estrada: e dos nós rodoviários acabados tal como especificado.
As áreas deverão ser medidas a partir dos perfis
(a) Tratameto in situ transversais levantados a intervalos de 20 m ao longo do
com o uso de “ripper”………………….metro cúbico (m ) 3
eixo da estrada e serão a área do talude entre o bordo
das bermas e o pé do aterro no caso dos aterros, e a
(b) Tratamento in situ área de talude entre o topo do talude de escavação e o
com o uso de explosivos……………metro cúbico (m ) 3
pé nos casos de taludes de escavação. Os separadores
deverão incluir a largura total do separador entre os
A unidade de medição será o metro cúbico de material in bordos internos das bermas. A área ocupada pelas
situ tratado tal como especificado na Sub-cláusula valetas (de plataforma) laterais ou por qualquer outro
3305(d). A quantidade deverá ser calculada a partir das dispositivo (orgão) de drenagem não deverá ser incluída.
dimensões autorizadas de tratamento in situ. A superfície das áreas dos separadores que deverão ser
acabadas, deverão ser determinados de acordo com os
O preços unitários propostos deverão incluir a Desenhos.
compensação total pelo desmonte com “ripper” ou
explosivos, reperfilamento, escarificação, crivagem, Os preços unitários propostos para o acabamento dos
britagem, compactação, mistura do material in situ e taludes de escavação ou aterro, áreas de separadores e
importado se necessário, bem como pela preparação e áreas de nós rodoviários, deverão incluir a compensação
compactação do material tal como especificado. O total pela mão-de-obra, equipamento, materiais e outros
pagamento deverá distinguir entre tratamento in situ com custos e trabalhos imprevistos necessários para o
“ripper” e o tratamento com o uso de explosivos. O acabamento tal como especificado, incluindo carga,
material sobrante deverá ser medido e pago como no transporte e depósito em vazadouro de qualquer material
Item 33.01 se for colocado em aterro, e Item 33.04(a) removido durante as operações de acabamento.
se depositado em vazadouro, não se fazendo nenhum
pagamento ao abrigo do item 33.03 Nota: Os seguintes itens de pagamento, sempre que
relacionados com trabalhos ao abrigo desta Secção,
serão listados no Mapa de Quantidades.
Item Unidade
Item 16.01 “Transporte a mais” (Adicionalmente aos itens 33.01
33.13 Acabamento dos & 16.2
taludes de escavação Item 31.01 Excesso de camada superficial nas
e aterro, áreas dos câmaras de empréstimo
separadores e dos nós rodoviários: Item 32.04 Remoção de material de dimensões
excessivas
(a) Taludes de Item 32.06 Amontoamento temporário de material.
escavação……………….…metro quadrado (m ) 2
Item 35.01 Estabilização química
Item 35.02 Estabilizante químico
(b) Taludes de aterro………….metro quadrado (m2) Item 35.03 Modificação mecânica
Item 35.04 Cura através de cobertura com a
(c) Áreas dos separadores camada subsequente

3300 - 24
Item 35.05 Cura com membrana betuminosa

3300 - 25
SÉRIE 3000: MOVIMENTO DE TERRAS E estar reflectidos nos Desenhos que também devem
CAMADAS DE PAVIMENTO EM indicar o uso para o qual o material será possivelmente
CASCALHO (MATERIAL adequado.
GRANULAR NATURAL) E EM
AGREGADO BRITADO Os requisitos a serem cumpridos pelos materiais devem
estão definidos nos Desenhos ou nas Especificações do
SECÇÃO 3400: CAMADAS DE PAVIMENTO EM Projecto para cada uma das camadas do pavimento e,
MATERIAL GRANULAR apesar das indicações dos Desenhos relativas ao
(CASCALHO) possível uso das fontes de materiais naturais testados, o
Empreiteiro é obrigado a utilizar apenas o material que
obedeça às condições prescritas para uso nas camadas
de pavimento relevantes.
ÍNDICE
Onde o material granular natural (cascalho) não cumprir
3401 ÂMBITO inteiramente os requisitos relativos à dimensão máxima,
3402 MATERIAIS depois de ter sido desagregado de acordo com o
3403 CONSTRUÇÃO definido na Cláusula 3204 ou através de britagem ligeira,
3404 PROTECÇÃO E MANUTENÇÃO o material com dimensões superiores ao especificado
3405 TOLERÂNCIAS DE CONSTRUÇÃO / deverá ser removido como especificado na Cláusula
EXECUÇÃO 3210
3406 INSPECÇÕES E TESTES DE ROTINA
3407 MEDIÇÕES E PAGAMENTO (b) Camadas do leito do pavimento (camadas
seleccionadas)

Se os materiais existentes na zona onde deverá se


construída a camada seleccionada não obedecerem
aos requisitos de qualidade especificados para a
camada seleccionada, eles deverão ser escavados e
3401 ÂMBITO
substituídos ou estabilizados de acordo com as ordens
do Engenheiro. A camada seleccionada não deverá
Esta secção abrange a construção de leitos de conter material com dimensões superiores a dois terços
pavimento, sub-bases, bases e bermas, bem como da espessura da camada tanto nos casos dos materiais
camadas de desgaste em cascalho natural ou cascalho não estabilizados como dos materiais estabilizados. O
parcialmente britado aprovados. material deverá obedecer aos seguintes requisitos
quando não estabilizado, a não ser que definido de outro
modo nas Especificações do Projecto:
3402 MATERIAIS

CBR imerso mínimo à densidade especificada:


(a) Disposições gerais Camada superior do leito
do pavimento (Camada
O material granular deverá ser obtido de fontes seleccionada superior) ………………….…15 %
aprovadas em áreas de empréstimo e zonas de Camada inferior
escavação. Os resultados de testes que terão sido feitos do leito do pavimento
em materiais provenientes de potenciais câmaras de (Camada seleccionada
empréstimos, zonas de escavação e, na fundação da inferior)……………….………………….…... 10 %
estrada, ao longo do eixo do traçado previsto, deverão Índice de plasticidade

3400 - 1
máximo…………………………………………………… 3 x O CBR embebido mínimo do material natural deverá ser
módulo de granulometria + 10 de 30% à densidade in situ especificada (não inferior a
95% da densidade AASHTO modificada)
O índice de plasticidade máximo do material a ser
estabilizado quimicamente deverá ser definido pela
Fiscalização para cada fonte e tipo de material utilizado. (d) Base

O material granular da camada de base deverá ser


(c) Sub-base obtido apenas de áreas de empréstimo aprovadas ou de
outras fontes de fornecimento que venham a ser
Os materiais para a sub-base deverão ser obtidos de especificadas ou aprovadas durante a obra.
fontes aprovadas em áreas de empréstimo ou zonas de
escavação, ou de qualquer outra fonte conforme o A camada de base concluída não deverá conter material
especificado ou aprovado no decorrer das obras. com dimensão máxima superior a 53 mm.

A sub-base concluída não deverá conter material com O material granular da camada de base deverá, a não
dimensão máxima superior a 63 mm ou maior do que ser que autorizado de outro modo, obedecer às
dois terços da espessura da camada compactada quando condições definidas na Tabela 3402/1 e às a seguir
aprovada pela Fiscalização. definidas, quando definitivamente colocado.

O material de sub-base deverá obedecer aos seguintes Tabela 3402/1


requisitos quando definitivamente aplicado, a não ser que Granulometria para base em material granular
autorizado de outro modo: Percentagem de material passado em
massa
(i) Módulo de granulometria Base em Base estabilizada
material natural quimicamente
O módulo de granulometria mínimo deverá ser de 1,5, 37,5 80 -100 80 -100
salvo se autorizado pela Fiscalização, caso em que 19,0 60-90 60-100
poderá ser permitido um mínimo de 1,2. O módulo de 4,75 30-65 30-80
granulometria poderá ser reduzido para valores abaixo de 2,00 20-50 20-63
1,2 ao critério da Fiscalização, se não existir material 0,425 10-30 10-41
alternativo para a sub-base, desde que se obtenha o 0,075 5-15 5-205
CBR especificado.

(i) Módulo de granulometria


(ii) Índice de plasticidade

O módulo de granulometria mínimo deverá ser de 2.0


O índice de plasticidade máximo do material natural para material não estabilizado e 1.7 se o material for
deverá ser de 10% e o do material a ser estabilizado estabilizado quimicamente.
não deverá ser superior a 6% após tratamento com o
agente estabilizante. (ii) Índice de plasticidade

O índice de plasticidade máximo do material natural


(iii) Índice de Suporte Califórnia (valor de CBR) deverá ser de 6% e o do material a ser estabilizado não

3400 - 2
deverá exceder 6% depois do tratamento com o agente Produto de retracção……………………………100 - 365
estabilizador seleccionado. Coeficiente de granulometria. ……………………16 - 34
CBR embebido mínimo a
95% da densidade
(iii) Índice de Suporte Califórnia (valor de CBR) AASHTO modificada…………………………………….15

O CBR embebido mínimo do material natural deverá ser (Produto de retracção = Índice de retracção linear x
de 80%, a 98% da densidade AASHTO modificada. percentagem de material passado no peneiro de 0.425
mm)

(iv) Qualidade/Durabilidade Coeficiente de granulometria = (percentagem de material


passado no peneiro de 26.5 mm – percentagem de
A qualidade do material natural para a camada de base material passado no peneiro 2.0 mm) x percentagem de
deverá cumprir os seguintes requisitos: material passado no peneiro de 4.75 mm/100

Índice de durabilidade Nota: todos os parâmetros de granulometria deverão ser


(DMI (ver Sub-cláusula ajustados para 100% de material passado no peneiro de
7107(d))………………………………………………...125* 37,5 mm.
Percentagem máxima
de material passado
no peneiro de 0,425 mm (f) Requisitos de compactação
depois do tratamento DM……………………………….35
Índice de lamelação A compactação mínima do material granular in situ
(máximo)………………………………………………30% deverá obedecer às especificações seguintes para as
camadas respectivas em termos de uma percentagem da
*Este valor poderá ser diminuído para 420 para densidade AASHTO modificada.
materiais ácido cristalinos, materiais com teor elevado de
sílica e materiais pedogénicos. Camada inferior do leito do pavimento
(camada seleccionada inferior ……. 90% ou 93%,
conforme exigido.
Areia :
(e) Bermas e camadas de desgaste 100%

As bermas deverão ser construídas ou com o mesmo Camada superior do leito do pavimento
tipo de material que a camada de base ou com material (camada seleccionada superior ……. 93% ou 95%,
importado. O material granular importado para as bermas conforme exigido
deverá respeitar os requisitos estabelecidos para os Areia : 100%
materiais granulares para a camada de desgaste, tal
como se segue: Sub-base………………………………….95% ou 97%,
conforme exigido
Dimensão máxima………………………………..37,5 mm para material
Percentagem máxima não
retida no peneiro estabilizado
de 37,5 mm………………………………………………...5 quimicamente.

3400 - 3
com as instruções da Fiscalização antes de ser
95% ou 97%, construída a camada seguinte.
conforme
exigido
para material estabilizado (b) Colocação e compactação
quimicamente
O material para uma camada de pavimento deverá ser
Base………………………………………98% ou 100%, colocado, espalhado, desagregado, regado se necessário
conforme exigido e misturado; os materiais com dimensões acima do
para material não especificado deverão ser removidos e a camada
estabilizado quimicamente. compactada, sendo tudo executado de acordo com os
requisitos da Secção 3200.
No que diz respeito à colocação e compactação de
97% or 98% camadas específicas de pavimento deverão ser aplicadas
conforme exigido as seguintes condições adicionais:
para material
estabilizado (i) Base em material granular
quimicamente
Material granular grosso, contendo materiais finos não
Berma & camada plásticos ou ligeiramente plásticos, utilizados para a
de desgaste……………………………….93% ou 95% construção da camada de base em material granular,
de acordo com o exigido. necessitará de adição de material fino plástico e rolagem,
adicionalmente à compactação especificada na Cláusula
3208, de forma a obter-se uma superfície firme e bem
(g) Condutividade eléctrica fechada. Se assim determinado pela Fiscalização, a
base, depois de processada e compactada como
Quando definido nas Especificações do Projecto, deverão especificado acima, deverá ser bem regada pelo
aplicar-se as exigências da Sub-cláusula 3602(d). Empreiteiro em pequenas secções de cada vez, receber
a adição de finos plásticos, cilindrada e compactada com
cilindros pesados de rastos lisos com massa não inferior
3403 CONSTRUÇÃO a 10 toneladas cada. A rega e a compactação
(passagem de cilindro) deverão continuar numa secção
(a) Requisitos aplicáveis antes da construção até que todo o excesso de finos seja trazido à superfície
da camada da camada. Esse excesso de finos deverá ser espalhado
sobre a totalidade da superfície da camada utilizando
As camadas de pavimento deverão ser construídas vassouras rígidas, e a rega, compactação e varrimento
apenas onde a camada subjacente satisfaz todos os deverá continuar até que todas as áreas deficientes em
requisitos especificados e tenha sido aprovada pela finos tenham sido corrigidas de forma apropriada. No
Fiscalização. Antes da construção de qualquer camada final todo o excesso de finos deverá ser removido da
de pavimento e antes da descarga na estrada de superfície da camada.
qualquer material para uma camada de pavimento, o
Empreiteiro deverá verificar a camada subjacente a fim
determinar onde existe qualquer dano, áreas húmidas ou (ii) Bermas
outros defeitos, que deverão ser reparados de acordo

3400 - 4
Caso as bermas tenham que ser construídas com o Quando especificado ou exigido pela Fiscalização, as
mesmo material que a base, elas deverão ser camadas de pavimento deverão ser estabilizadas de
construídas simultaneamente com a base. acordo com o especificado na Secção 3500.

Se a base tiver que ser construída com agregado britado,


as bermas deverão primeiro ser construídas e depois (e) Melhoramento da camada de base
cortadas de forma nítida com o alinhamento requerido, existente
para providenciar suporte lateral para o agregado britado.
Deverá tomar-se cuidado para não contaminar o material Onde uma camada em material granular existente tenha
da base com material da berma. No caso de bases que ser melhorada com o acréscimo de uma camada de
asfálticas, as bermas poderão ser construídas após a material com espessura inferior a 100 mm, a superfície
conclusão da base. existente deverá ser escarificada a uma profundidade
especificada pela Fiscalização, misturada com o material
O material das bermas deverá ser espalhado, importado para formar uma camada homogénea com o
desagregado, regado, processado e compactado de mínimo de 100 mm de espessura, recompactada à
acordo com as disposições da Secção 3200 e deverá densidade seca especificada na Sub-cláusula 3402 (f) e
ser compactado a uma densidade não inferior a 93% da reperfilada aos alinhamentos e cotas apresentados nos
densidade AASHTO modificada ou a 95% da densidade Desenhos ou tal como determinado pela Fiscalização.
AASHTO modificada se especificado nos Desenhos ou
pela Fiscalização. Qualquer material em excesso deverá ser retirado com
motoniveladora e depositado em vazadouro ou
Os trabalhos deverão ser executados de tal forma que a incorporado noutro lugar na base, tal como determinado
estrada seja permanentemente drenada de forma pela Fiscalização.
adequada por meio de tubos de drenagem temporários
colocados através das bermas. O Empreiteiro não deverá
iniciar a construção da superfície betuminosa final de (f) Classificação das camadas para efeitos de
qualquer secção da estrada, antes ter concluído as pagamento
bermas dessa secção e a Fiscalização as ter aprovado.
O pagamento das camadas de pavimento construídas
com material granular deverá distinguir entre as camadas
(c) Britagem e crivagem construídas com material de câmaras de empréstimo,
escavações ou camadas de pavimento existentes, e
Onde o material para o pavimento não puder ser camadas recompactadas in situ com ou sem o uso de
desagregado de forma apropriada até à dimensão exigida materiais adicionais.
na escavação ou durante o seu processamento na
estrada, a Fiscalização poderá determinar que o material Camadas construídas com agregado britado recuperado
seja britado e crivado ou apenas britado, tal como de camadas de pavimento existentes em agregado
especificado na Secção 3200. britado deverão ser colocadas e pagas como material
granular natural, a não ser que determinado de forma
diferente pela Fiscalização. Onde a Fiscalização
(d) Estabilização determine por escrito que o material deverá ser
processado e colocado como agregado britado, deverá
aplicar-se a Secção 3600 no que diz respeito à
colocação e pagamento do material.

3400 - 5
(Camada seleccionada)……..….30 mm 40 mm 10 mm
Sub-base................................... 21 mm 27 mm 5
3404 PROTECÇÃO E MANUTENÇÃO mm
Base...........................................21 mm 27 mm 5 mm
O Empreiteiro deverá proteger e manter as camadas do Camada de desgaste……………. - 30 mm 0
pavimento concluídas. Essa protecção inclui protecção mm
contra chuva, cheias e qualquer desgaste ou dano Bermas……………………………. - 30 mm 0 mm
indevido das camadas não seladas pelo efeito do tráfego
de construção ou outro tráfego. A manutenção deverá
incluir, entre outros, a reparação imediata de qualquer (c) Declive longitudinal
dano ou defeito que possa ocorrer, excluindo o desgaste
normal das bases e camadas de desgaste, e deverá ser Os desvios em relação ao declive longitudinal
repetida até ao fim do período de manutenção. especificado não deverão exceder o indicado na Tabela
3404/1 no que diz respeito ao declive longitudinal
especificado para a camada de base concluída.
3405 TOLERÂNCIAS DE EXECUÇÃO
Tabela 3404/1
As camadas de pavimento concluídas deverão obedecer Desvios em relação ao declive longitudinal especificado
às tolerâncias definidas a seguir:
Comprimento (L) da Desvio máximo (g) do
(a) Cotas secção em análise (m) declive especificado (%)
2 0,354
As tolerâncias nas cotas mencionadas na Cláusula 7205 5 0,224
deverão ser as seguintes: 10 0,158
20 0,112
H90 30 0,091
Hmax Nota: Utilizar a fórmula seguinte para outros
Leito do pavimento comprimentos
(Camada seleccionada)…………….…...25 mm 33 mm
Sub-base………………………………….20 mm 25 mm 0,5
g (%) 
Base……………………………………….15 mm 20 mm L
Bermas e camadas
de desgaste............................................. - 25
mm (d) Largura

A largura média da camada não deverá ser inferior à


(b) Espessura das camadas largura especificada, e em lugar nenhum o bordo exterior
deverá desviar-se dos alinhamentos do bordo

As tolerâncias na espessura mencionadas na Cláusula apresentados nos Desenhos em mais do que os valores

7205 deverão ser as seguintes: seguintes:

D90 Dmax Leito do pavimento

Dmédia (Camada seleccionada)……………………………80 mm

Leito do pavimento Sub-base…………………………………………… 75 mm

3400 - 6
Base………………………………………………… 50 mm
Bermas e camada (g) Tolerâncias de construção (execução) para
de desgaste………………………………………... 75 mm obras de reabilitação

As tolerâncias de construção da Cláusula 3405 deverão


(e) Perfil transversal (Secção transversal) ser aplicáveis às obras de reabilitação, excepto quando
uma camada de material granular é colocada sobre uma
Quando testada com uma régua de 3 m colocada camada existente sem ser exigido que a camada
perpendicularmente ao eixo da estrada, a superfície da existente seja primeiramente regularizada até cotas
camada não deverá desviar-se da parte inferior da régua prescritas, caso em que as tolerâncias para a espessura
em mais do que 6 mm. da Sub-cláusula 3405 (b) não se aplicarão.

Em qualquer perfil transversal a diferença de cota entre


dois pontos quaisquer não deverá variar em mais de 15 3406 INSPECÇÕES E TESTES DE ROTINA
mm da diferença de cotas calculada a partir dos perfis
transversais apresentados nos Desenhos. A Fiscalização efectuará inspecções e testes de rotina
para determinar se a qualidade do material e da
execução fornecidos cumprem os requisitos desta
(f) Regularidade da superfí cie Secção.

Quando testada a base com a régua rolante, conforme o Os resultados dos testes e medições serão avaliados de
descrito na Secção 7110 (c), o número de acordo com as disposições da Secção 7200.
irregularidades da superfície não deverá exceder os
indicados a seguir:

(i) Número médio de irregularidades 3407 MEDIÇÕES E PAGAMENTO


por 100 m
igual ou excedendo 6 mm Item
medidos em secções de Unidade
300 m - 600 m
de comprimento……………………………….. 4 34.01 Camadas de pavimento construí das com
material granular proveniente de
(ii) Número de escavações ou empréstimos, incluindo
irregularidades iguais transporte até 1.0 km:
ou excedendo 6 mm
quando medidos em (a) Leito do pavimento / Camada seleccionada
secções com comprimento em material granular compactada a:
superior a 100 m …………………………………. 6
(i) 90% da densidade
O valor máximo de qualquer irregularidade medida AASHTO modificada
individualmente com uma régua rolante de 3 m ou uma (especificar a espessura
régua de 3 m colocada paralelamente ao eixo da estrada da camada
não deverá ser superior a 10 mm. compactada)……………......metro cúbico (m3)

3400 - 7
(ii) 93% da densidade AASHTO modificada
AASHTO modificada (especificar a
(especificar a espessura espessura da camada
da camada compactada)………………..metro cúbico (m3)
compactada)………………..metro cúbico (m3)
(ii) 97% da densidade
(iii) 95% da densidade AASHTO modificada
AASHTO modificada (especificar a espessura
(especificar a espessura da camada
da camada compactada)………………..metro cúbico (m3)
compactada)………………..metro cúbico (m3)
(e) Base em material
(b) Leito do pavimento / Camada granular (material
seleccionada em material granular não estabilizado) compactado a:
arenoso compactado
a 100% da densidade (i) 98% da densidade
AASHTO modificada AASHTO modificada
(fracção de areia (especificar a
< 0.075 mm inferior a 20%) espessura da camada
(especificar a espessura compactada)………………..metro cúbico (m3)
da camada
compactada)………………..metro cúbico (m3)
(ii) 100% da densidade
(c) Sub-base em material AASHTO modificada
granular (material granular (especificar a espessura
não estabilizado) compactado a: da camada
compactada)…………