Sunteți pe pagina 1din 97

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

PAULO MARCELO MARTINS RODRIGUES


CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA

VERA MARTA NEVES AMARANTE RABAY

PROPOSTA DE GESTÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA NO


HOSPITAL DE MESSEJANA DR. CARLOS ALBERTO STUDART
GOMES

FORTALEZA

2008
2

VERA MARTA NEVES AMARANTE RABAY

PROPOSTA DE GESTÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA NO


HOSPITAL DE MESSEJANA DR. CARLOS ALBERTO STUDART
GOMES

Monografia submetida à Escola de Saúde


Pública do Ceará – ESP/CE, como parte dos
requisitos para a conclusão do título de
Especialista em Engenharia Clínica.

Orientadora:
Léria Rosane Holsbach

FORTALEZA
2008
3

VERA MARTA NEVES AMARANTE RABAY

PROPOSTA DE GESTÃO EM ENGENHARIA CLÍNICA NO


HOSPITAL DR. CARLOS ALBERTO STUDART GOMES

Especialização em Engenharia Clínica


Escola de Saúde Pública do Ceará

Aprovado em: ______/ ______/ ______

Banca Examinadora:

Léria Rosane Holsbach


Professora Doutora em Engenharia

________________________________________________________

Saulo Silva Barreto de Medeiros


Professor Mestre em Saúde Pública

_________________________________________________________

Soraya Guimarães Rabay


Professora Mestre em Engenharia

__________________________________________________________
4

“Não basta ensinar ao homem uma


especialidade, porque se tornará assim uma
utilizável e não uma personalidade. É
necessário que adquira um sentimento, um
senso prático daquilo que vale a pena ser
empreendido, daquilo que é belo, do que é
moralmente correto”.

Albert Einstein
5

AGRADECIMENTOS

Ao meu pai, Pedro, pois me ensinou que o


caráter e o amor ao próximo são essências da
vida humana, e a minha mãe, Rita, que me deu
a vida com paciência e sabedoria, auxiliou-me
a crescer, estando sempre presente e me
apoiando nas horas difíceis.
Ao meu esposo Alfonse Rabay Júnior e filhos
Alfonse Rabay Neto e Levy Amarante Rabay,
pela compreensão, pela paciência e pelo
apoio, dedico com amor.

Ao Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto


Studart Gomes, representado por sua diretora
geral, Drª Maria do Perpétuo Socorro Parente
Martins que me proporcionou o
aprimoramento e a aplicação dos
conhecimentos de Engenharia Clínica na
manutenção preventiva e corretiva de seus
equipamentos.
6

RESUMO

Este trabalho consiste em uma Proposta de Gestão em Engenharia Clínica no


Estabelecimento Assistencial de Saúde-EAS, Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto
Stuart Gomes, analisando suas áreas de atuação e suas atividades na gestão da manutenção de
equipamentos médico-hospitalares. O objetivo é definir um plano para a implantação de uma
proposta de gestão, ficando sobre responsabilidade o gerenciamento, a manutenção e o
inventário dos equipamentos médicos hospitalares. Foi realizado um estudo de observação e
exploratório com relato de experiências do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart
Gomes, onde são desenvolvidos todos os procedimentos e implantação do grupo, analisando
os custos que serão envolvidos e comparando-os com valores de uma equipe de manutenção
terceirizada. Com a implantação, pode-se comparar duas equipes de manutenção, interna e
externa, ressaltando que com a equipe interna houve uma redução de custos e uma possível
melhoria e agilidade no atendimento, humanizando os serviços prestados à comunidade.

Palavras-chave:
Estabelecimento Assistencial de Saúde, Equipamentos, Hospital de Messejana Dr. Carlos
Alberto Stuart Gomes.
7

ABSTRACT

This work consists in Clinic Engineering Management Proposal in a Health Establishment


Assistance – H.E.A. Dr. Carlos Alberto Stuart Gomes Messejana Hospital, analyzing their
actuation areas and their activities in medical hospital equipment maintenance management.
The aim is plan to management proposal, being responsible for the management, the
maintenance and the medical hospital equipment inventory. It was realized an observation
and exploratory study Dr. Carlos Alberto Studart Gomes Messejana Hospital report
experiences, where all the procedures are developed and a group implantation, analyzing the
costs that are involved and comparing them with the third maintenance team values. With the
implantation it can be compared two maintenance teams internal and external showing that
the internal team reduced the costs and a possible improvement and attendance agility,
humanizing the community services performed.

Key _ Words:
Health Establishment Assistence, Equipments, Dr. Carlos Alberto Stuart Gomes Messejana
Hospital.
8

LISTA DE TABELAS

Tabela 1. Identificação do HMDCASG.................................................................................22

Tabela 2. Equipamentos pertencentes ao HDCASG..............................................................24

Tabela 3. Preços dos equipamentos escolhidos para a manutenção corretiva........................25

Tabela 4. Planilha de cálculos do ΣNHT/ano (horas).............................................................26

Tabela 5. Coeficiente de carga de trabalho de técnico pelo número de itens de manutenção


(NE)........................................................................................................................................27

Tabela 6. Preços dos equipamentos de teste e calibração dos EMH’s escolhidos.................28

Tabela 7. Equipamentos e ferramentas para a oficina de eletrônica.......................................29

Tabela 8. Relação de móveis e utensílios para a oficina de eletrônica...................................29

Tabela 9. Alguns custos com manutenção do grupo da HMDCASG.....................................30

Tabela 10. Salários e encargos de funcionários da HMDCASG............................................30

Tabela 11. Valores de áreas mínimas por ambiente do setor de manutenção.........................36


9

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO............................................................................................................11
1 Objetivos....................................................................................................................14
1.1 Objetivo Geral..........................................................................................................14
1.2 Objetivos Específicos..............................................................................................14

2 EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES.................................................15
2.1 Manutenção..............................................................................................................15
2.1.1 Classificação quanto aos tipos de manutenção.....................................................16
2.1.1- Manutenção preventiva.......................................................................................17
2.1.2- Manutenção corretiva..........................................................................................17
2.2 Equipamentos Médico-Hospitalares .......................................................................17
2.2.1 Classificação quanto à equipe que realiza as manutenções..................................17
2.2.1-1 Equipe própria ou manutenção interna..............................................................17
2.2.1-2 Equipe terceirizada ou manutenção externa......................................................18
2.2.1-3 Equipe mista ou manutenção interna e externa.................................................18
2.2.2 Classificação dos equipamentos médico-hospitalares..........................................19
2.2.2-1 Classificação quanto ao tipo de classes.............................................................19
2.2.2-2 Classificação quanto ao risco............................................................................29
2.2.2-3 Classificação quanto a normalização vigente na segurança de equipamentos
eletromédicos.................................................................................................................20

3 METODOLOGIA.....................................................................................................22

4 DISCUSSÃO, ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS..................................23


4.1 Considerações iniciais..............................................................................................23
4.2 Análise do levantamento dos equipamentos.............................................................23
4.3 Análise da proposta de implantação.........................................................................25
4.3.1- Classificação dos equipamentos por grupo de compatibilidade..........................25
4.3.2- Definição do local de realização da manutenção.................................................26
4.3.3- Definição do tipo de contrato de manutenção a ser adotado................................26
4.3.4- Especificação do perfil e cálculo do número de pessoas para o grupo................26
4.3.5- Especificação da infra-estrutura física necessária................................................28
4.3.6- Análise da infra-estrutura material e cálculo dos custos envolvidos....................28
4.3.6-1 Equipamentos e ferramentas..............................................................................28
4.3.6-2 Móveis e utensílios............................................................................................29
4.3.7 Análise dos custos com manutenção da equipe....................................................29
4.3.8 Total de custos da equipe própria.........................................................................30
4.4 Análise dos cálculos dos custos de terceirização da manutenção............................31
4.5 Realização do Inventário..........................................................................................31
4.6 Elaboração da proposta de implantação...................................................................32
4.6.1- Classificação dos equipamentos por grupo de compatibilidade..........................32
4.6.2- Definição do local de realização da manutenção.................................................33
4.6.3- Definição do tipo de contrato de manutenção a ser adotado................................33
4.6.4- Especificação do perfil e cálculo do número de pessoas para o grupo................34
4.6.5- Especificação da infra-estrutura física necessária................................................36
4.6.6- Definição da infra-estrutura material...................................................................37
4.6.7- Cálculos de custos de implantação do grupo.......................................................37
4.6.7-1 Custos da infra-estrutura física necessária.........................................................38
10

4.6.7-2 Custos dos recursos materiais............................................................................38


4.6.8- Cálculo de custos de manutenção da equipe.......................................................39

CONCLUSÃO.............................................................................................................40

REFERÊNCIAS..........................................................................................................41

BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS.......................................................................43

ANEXOS......................................................................................................................44

APÊNDICE..................................................................................................................57
11

INTRODUÇÃO
Pode-se afirmar que a implantação da Unidade Engenharia Clínica é necessária,
como estratégia de gestão hospitalar, devido ao rápido avanço tecnológico, visto nos dias de
hoje nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde (EASs), onde têm surgido novas
tecnologias e novos produtos objetivando a melhoria da qualidade em diversas áreas do
conhecimento humano principalmente na área clínica cirúrgica.
Com a crescente evolução tecnológica dos equipamentos médico-hospitalares
(EMHs) nos últimos trinta anos, é mostrado uma grande evolução tecnológica que já alcança
os equipamentos médicos e/ou biomédicos a convicção dessa evolução crescente a cada dia
garante a realização de diagnósticos, tratamentos mais eficientes e mais humanos, do ponto
de vista da medicina e do paciente, respectivamente.
[...] O maior problema encontrado nessa evolução é acompanhar os crescentes
custos, pois os benefícios são cada vez maiores e melhores [...] Por isso, o
desejável seria “aproveitar” ao máximo essa evolução, pensando sempre em buscar
o menor custo com o maior “benefício” possível, ou maior eficácia/efetividade, que
seriam as palavras mais adequadas quando aplicadas à área da saúde, substituindo a
relação custo/benefício por custo/efetividade [...] (GRABOIS et al., 2002, p.45 e
46)

A segurança é um grande desafio tanto aos colaboradores técnicos, quanto aos


pacientes, no uso dos equipamentos médico-hospitalares.
Com a variedade extensa e a complexidade tecnológica desses tipos de
equipamentos, prevalece uma grande necessidade de conhecimentos técnicos e treinamentos
contínuos, para serem totalmente explorados, de maneira segura e correta.
O profissional que é responsável em cuidar da evolução tecnológica dos
equipamentos médico-hospitalares, acompanhando seus custos e a sua qualidade da
manutenção dos equipamentos, assim como responsabilidade por implantar metodologias que
garantam um alto nível de qualidade e segurança aos serviços de assistência à saúde da
população é o Engenheiro Clínico ou Engenheiro Biomédico.
Desse modo, é competência do engenheiro clínico o gerenciamento do parque
tecnológico, sendo uma função absolutamente relevante e estratégica no desempenho global
de um Estabelecimento Assistência de Saúde.
A engenharia clínica pode ser compreendida por meio da definição da função do
profissional que a exerce. Conforme definição do American College of Clinical Engineering
(ACCE), “O Engenheiro Clínico é aquele profissional que aplica e desenvolve os
12

conhecimentos de engenharia e práticas gerenciais às tecnologias de saúde, para


proporcionar uma melhoria nos cuidados dispensados ao paciente”, segundo Grabois
(2002).
O grande desafio da engenharia clínica para ultrapassar a grande barreira visando
à implantação de um serviço de EC está na pouca consciência das contribuições econômico-
financeiras que uma gestão de tecnologia apropriada pode oferecer ao HMDCASG.
Essencialmente, os dados oficiais são escassos no mercado nacional que possam ser
utilizados como fonte de informação oficial para a apresentação de um quadro atual da
implantação da engenharia clínica no nosso país.
A implantação da EC em EAS público no Brasil apresenta maiores dificuldades.
Uma das soluções para esta dificuldade da EC no Brasil seria a formação de um serviço
próprio de engenharia clínica onde os profissionais seriam contratados diretamente pelos
EAS. Nos serviços públicos, deve ser elaborado um edital específico para contratar pessoas
capacitadas e habilitadas para trabalharem diretamente na manutenção preventiva.
Posteriormente, outro edital para manutenção corretiva dos equipamentos de pequena e
média complexidade do parque tecnológico, onde normalmente o pessoal disponível no
mercado é proveniente de escolas técnicas e possuem apenas o curso técnico em eletrônica,
mecânica ou mecatrônica.
Entretanto, a despeito dessas dificuldades, vale ressaltar que a engenharia clínica
possibilita a redução de custos e aumenta os procedimentos relacionados com a tecnologia na
saúde. Segundo Betts (1987), as maiores reduções de custos ocorrem nas áreas de
manutenção e aquisição de capital, mas economias adicionais são possíveis por meios dos
treinamentos dos usuários ou pessoal de manutenção, gerenciamentos de riscos,
investigações de acidentes, e construção ou reforma do espaço físico. Para isso, o engenheiro
clínico precisará coletar dados pertinentes e confiáveis que identifiquem as áreas que
apresentam potencial para redução de custos. Assim, podem-se citar algumas atribuições do
engenheiro clínico em um hospital, que se ancoraram em três apoios, chamados o tripé da
EC: o apoio gerencial, o apoio técnico e o apoio científico.(RAMÍREZ, 2002, p.73).
1. O apoio gerencial:
auxiliar na gerência de contratos de manutenção externa de equipamentos médico-
hospitalares;
participar na padronização de procedimentos administrativos de solicitação de reparos,
manutenções de rotina, emergências e manutenções preventivas de equipamentos médico-
hospitalares;
13

otimizar custos durante a vida útil dos equipamentos médico-hospitalares, desde a


especificação, aquisição, treinamento, operação, manutenção preventiva, manutenção
corretiva e desativação.
2. O apoio técnico:
acompanhar o ciclo de vida dos equipamentos médico-hospitalares, instalação, operação,
manutenção corretiva, manutenção preventiva e desativação, garantindo o melhor nível
possível de segurança dos seus usuários e pacientes;
acompanhar e auxiliar os setores clínicos nos processos de licitação de equipamentos
médico-hospitalares, fornecendo especificações técnicas dos equipamentos desejados;
fornecer treinamento, interno e externo, aos usuários e aos técnicos de manutenção dos
equipamentos médico-hospitalares.
3. O apoio científico:
realizar pesquisas para desenvolvimento de instrumentação biomédica;
sugerir adaptações e melhorias em equipamentos médico-hospitalares;
avaliar a relação custo-benefício de tecnologias médicas.
A implantação de gestão em EC poderá ser uma grande contribuição dos técnicos
em engenharia clínica em conjunto com outros profissionais, equipes multidisciplinares,
usando seus conhecimentos tecnológicos e em tecnologia em saúde, visando melhorar, para
instituição, o custo-efetividade, a segurança e satisfação do usuário.
Acredita-se que esta implantação poderá ser útil para um gerenciamento dos
equipamentos médicos hospitalares, implementando programas de gerência de equipamentos
médicos na aquisição, na instalação, na manutenção, no treinamento e nos resultados,
avaliando o desempenho dos mesmos.
A engenharia clínica com os seus pareceres técnicos trará para o HMDCASG
melhores condições na decisão de compra, mapeando todas as informações e especificações
técnicas dos equipamentos a serem adquiridos para a instituição.
14

1. OBJETIVOS

1.1 Objetivo Geral

Comparar os custos entre a manutenção interna e externa através de proposta de


gestão em engenharia clínica em um hospital especializado no diagnóstico e tratamento de
doenças cardíacas e pulmonares de média complexidade.

1.2 Objetivos específicos

1.2.1. Pesquisar informações que sirvam como base para cálculos de dimensionamento de
uma equipe de manutenção, com especialidades em equipamentos médico-hospitalares de
baixa e média complexidade.
1.2.2. Introduzir novos conceitos de manutenção a unidade de EC;
1.2.3. Reduzir os custos com a manutenção dos equipamentos;
1.2.4. Reduzir o tempo de retorno do equipamento em manutenção;
1.2.5. Avaliar a veracidade dos orçamentos fornecidos por terceiros;
1.2.6. Melhorar o controle da qualidade dos serviços das empresas terceirizadas;
1.2.7. Coordenar/elaborar o treinamento dos operadores e técnicos da manutenção;
1.2.8. Melhorar a argumentação para compra mais correta dos equipamentos;
1.2.9. Melhorar a avaliação e controle dos contratos de manutenção;
1.2.10. Melhorar a qualidade técnica, a confiabilidade e a disponibilidade dos equipamentos
para maior segurança do paciente;
1.2.11. Propagar o conhecimento entre os grupos de técnicos.
15

2 EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES

2.1 Manutenção

As atividades de manutenção existem para assegurar que os equipamentos


continuem a desempenhar as funções para quais foram projetadas. Porém, a degradação do
mesmo é quase que inevitável, por isso tem como causa o tempo de uso e o desgaste natural
dos referidos equipamentos.
Assim, a manutenção preventiva e a corretiva podem desempenhar um papel de
fundamental importância na melhoria da produtividade, melhorando a forma de
gerenciamento e evitando problemas de relacionamento entre os vários setores e
departamentos de EAS, deixando de ser visto como um mal necessário. O gerenciamento
dessas atividades não devem ter seus escopos reduzidos apenas para manter as condições
normais e originais dos equipamentos. As atividades de melhoria devem ser contínuas e
requerem ações específicas tanto em nível de apoio, técnico, como também gerencial. Alguns
destes exemplos são: modificações de padrões e procedimentos, aumento ou inserção da
qualidade da manutenção, produção e instalações, entre outros.
[...] Ao grupo de manutenção cabe uma participação efetiva no processo de
especificação do equipamento, contato com os fabricantes ou fornecedores,
avaliação dos equipamentos disponíveis no mercado, elaboração de critérios e
exigências técnicas que devem constar do contrato de aquisição, verificação da
conformidade com que foi solicitado, aceitação e instalação do equipamento
adquirido.[...] ( CALIL; TEIXEIRA, 2002, p.50).
Aproximadamente quarenta mil anos depois do Homo sapiens e do homem de
Neandertal, no início da era industrial, as fábricas possuíam baixo grau de mecanização e
ainda não existia a pressão por alta produtividade. Assim, a manutenção para preservação dos
equipamentos não era prioridade, a tecnologia envolvida para construção e funcionamento
dos equipamentos era simples e muito deles eram super dimensionados.
Suas falhas eram facilmente identificáveis e, como resultado, não havia
necessidade de manutenção sistemática de nenhum tipo, além de limpeza e lubrificação de
rotina (HOLSBACH, 2005, p.12).
16

2.1.1 Classificação quanto aos tipos de manutenção

De modo geral, são praticados dois tipos de manutenção, a preventiva e a


corretiva. A preventiva é definida basicamente em manter e conservar os equipamentos
médico-hospitalares e a corretiva é corrigir, recuperar, restaurar.

2.1.1-1 Manutenção Preventiva

Trata-se da manutenção realizada de forma a assegurar o funcionamento do


equipamento dentro de um estado específico, de maneira a reduzir ou evitar falhas ou queda
no desempenho, obedecendo a um plano previamente elaborado, baseado em intervalos
definidos de tempo. A manutenção preventiva pode ser, de acordo com ( HOLSBACH &
CALIL, 2005; HOLSBACH, VARANI & CALIL, 2005) em:
- Manutenção preventiva programada ou sistemática: acontece quando os serviços de
manutenção são efetuados de maneira periódica, mediante intervalos pré-estabelecidos, dias
de calendários, ciclos de operações, horas de operações e outros, desprezando as condições
dos componentes envolvidos.
- Manutenção preventiva condicional: é aquela feita nos equipamentos quando estão na
iminência de apresentar falhas. A detecção desse estado de quase falha é possível através da
utilização dos sentidos humanos ou de aparelhos eletrônicos que monitoram algum parâmetro
de desempenho dos equipamentos.
- Manutenção preventiva preditiva: é realizada com base em modificação de parâmetro de
condição ou desempenho, cujo acompanhamento obedece a uma sistemática. Também pode
ser definida como aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com
base em dados que informam o seu desgaste ou seu processo de degradação. Trata-se de uma
importante ferramenta da manutenção, pois visa acompanhar o equipamento ou as peças, por
meio de monitoramento, por medições e por controle estatístico para “predizer” a ocorrência
de uma falha. Os objetivos principais da manutenção preditiva são, de acordo com
(MARÇAL, CHIOCHETTA, HATAKEYAMA, 2004): otimizar a troca de componentes
estendendo o intervalo de manutenção; eliminar desmontagens desnecessárias para
inspeções; impedir o aumento de danos; reduzir o trabalho de emergência não-planejado;
aumentar o grau de confiança de um equipamento, em linhas gerais, possibilitando predizer
quando os componentes de um equipamento estarão próximos do seu limite de vida.
17

2.1.1-2 Manutenção Corretiva

É a manutenção realizada para a correção de falha ou do desempenho menor do


que o esperado, ou seja, é efetuada depois que a falha ocorre, gerando a paralisação dos
equipamentos. Devido a isso, é bastante onerosa no ponto de vista econômico, em virtude da
quebra de produção e do lucro cessante, que é o faturamento que o HMDCASG deixa de ter
quando o equipamento, por qualquer razão parar de produzir.
Segundo (HOLSBACH, curso de 18 a 27/9/2006) a é fundamental uma equipe
composta de:
- Domínio das informações;
- Documentação técnica;
- Instrumentos e equipamentos;
- Conhecimento e ciências exatas;
- Terminologia médica;
- Conceitos básicos de anatomia;
- Princípios defuncionamentos;
- Função clínica;
- Equipe de laboratório e campo;
- Capacitação.

2.2 Equipamentos Médico- Hospitalares

Segundo o Ministério da Saúde, 1994, Equipamentos Médico-Hospitalares


(EMH) “é um conjunto de aparelhos, máquinas e acessórios que compõem um EAS, onde
são desenvolvidas ações de diagnóstico, terapia, apoio, infra-estrutura e gerais”.

2.2.1 Classificação quanto à equipe que realiza as manutenções.

2.2.1-1 Equipe própria ou manutenção interna

É a manutenção realizada pelo grupo de manutenção pertencente ao EAS. Para


que a EC se encarregue diretamente de uma ou toda parte das prestações dessa manutenção,
terá que dispor dos recursos humanos com treinamentos específicos e adequados, ter uma
oficina corretamente instalada com ferramentas necessárias às MP e MC e a calibração dos
18

equipamentos, dispor de estoque de peças de reposição e de manuais de operação e de


serviço contendo os esquemas elétrico e eletrônico e vistas explodidas.
Uma das vantagens, dependendo da área de atuação, pode-se reduzir bastante o
custo com mão de obra, quando comparados a serviços terceirizados. A outra vantagem seria
a maior agilidade e disponibilidade dos técnicos nos atendimentos.
A desvantagem é que sua implantação é mais demorada, devido à grande diversidade de
equipamentos existentes no HMDCASG, pois exige treinamentos específicos aos técnicos de
manutenção.

2.2.1-2 Equipe terceirizada ou manutenção externa

É a manutenção executada por empresas externas e podem ser solicitadas de


forma aleatória ou por meio de contratos de manutenção preventiva e corretiva. Os contratos
de manutenção dependem exclusivamente da política do EAS, escolhendo entre mandar fazer
ou fazer, ficando a decisão baseada em critérios econômicos e de também de qualidade.
A importante função do gerenciamento da EC está relacionada com o controle da
execução dos contratos de manutenção assegurando a qualidade das prestações de serviços
realizadas, o respeito aos prazos negociados nas cláusulas contratuais e a conformidade dos
pagamentos. Dentre os tipos de contratos com equipe terceirizada, é mais comum o uso de
pagamentos de dois tipos:
- O contrato com fornecimento de peças originais incluídas, com cobertura total de peças, em
100%;
- O contrato sem fornecimento de peças originais, com desconto contratual de 20 a 30% do
valor mensal, nas peças utilizadas.
Compreende-se que a sua principal vantagem é a apresentação de manutenção
qualificada. Porém, se mal gerenciadas, pode-se tornar bem onerosas para os EASs.

2.2.1-3 Equipe mista ou manutenção interna e externa

É a manutenção realizada tanto por equipe própria como por equipe terceirizada.
Com a figura do profissional de engenharia clínica é possível fazer estudos de viabilidade
para a aplicação específica de cada tipo de equipe. Em geral, nos EAS que possuem equipe
própria de manutenção, realizam manutenções nos equipamentos de baixa e média
complexidade tecnológica, deixando os de alta complexidade para a equipe terceirizada.
19

Os equipamentos de baixa complexidade são os que não apresentam grande


dificuldade de manutenção.
É importante lembrar que os de média complexidade são os que exigem pessoas
com formação básica e treinamento mais adequado para execução do reparo; os de alta
complexidade são os que demandam técnicos qualificados e com treinamento bastante
especializado.

2.2.2 Classificação dos Equipamentos Médico-Hospitalares

Os equipamentos médico-hospitalares são classificados por tipo, risco e


complexidade tecnológica. Essa classificação auxilia o engenheiro clínico na formação e
alocação do grupo de manutenção.

2.2.2-1 Classificação quanto ao tipo de classes

De acordo com sua especificidade os EMHs pertencem a uma destas quatro


classes:
- Equipamentos médico-assistenciais: envolvidos em ações de diagnóstico e terapia, suporte a
vida, ressuscitação;
- Equipamentos de apoio: utilizados em setores que prestam apoio às áreas assistenciais em
um EAS;
- Equipamentos de infra-estrutura: equipamentos destinados ao suporte para funcionamento
de um EAS;
- Equipamentos gerais: equipamentos, mobiliários e utensílios que não são específicos do
ambiente hospitalar.

2.2.2-2 Classificação quanto ao risco

Os riscos dos equipamentos médico-hospitalares variam de classes de I a IV,


segundo a Resolução Diretória Colegiada. As regras de classificação desses riscos são
apresentadas na norma RDC nº 185, de 22 de outubro de 2001 da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária.
20

2.2.2-3 Classificação quanto à normalização vigente na segurança de equipamentos


eletromédicos

Está baseada na norma IEC 60601-1, publicada em 1977 pela International


Electro Technical Commission (IEC). Trata-se de uma norma internacional mais importante
em segurança de equipamentos eletromédicos, sendo publicada no Brasil em 1994 pela
Associação Brasileira de Normas Técnicas sob número Normas Brasileiras, NBR IEC 60601-
1, título Equipamento eletromédico-Parte I: Prescrições gerais para segurança. O conjunto
dessas normas é subdividida em as particulares e as gerais: aquelas apresentam as exigências
e recomendações específicas de cada tipo de equipamentos, estas são aplicáveis a todo e
qualquer tipo de equipamentos eletromédicos.

Os equipamentos eletromédicos devem ser tratados pelas duas normas, a geral e


as particulares, devido à variedade de parâmetros que abragem as normas particulares, de
acordo com os testes de segurança elétrica, de acordo com a norma NBR IEC 60601 a
classificação dos equipamentos e suas partes aplicadas.

O equipamento energizado por uma fonte de alimentação elétrica externa pode


ser: equipamento de classe I, é o equipamento no qual a proteção contra choque elétrico não
se fundamenta apenas a isolação básica, mas incorpora ainda uma precaução de segurança
adicional, consistindo em um recurso de conexão do equipamento ao condutor de
aterramento para a proteção pertecente à fiação fixa da instalação, de maneira a impossibilitar
que partes metálicas acessíveis possam ficar sob tensão, na ocorrência de uma falha de
isolação básica e equipamento de classe II, é o equipamento no qual a proteção contra choque
elétrico não se fundamenta apenas a isolação básica, mas incorpora ainda uma precaução de
seguranças adicionais, com isolação dupla ou reforçada, não comportando conexão ao
sistema de aterramento para proteção contra choques elétricos.

A classificação pela norma NBR 60601 com relação ao grau de proteção contra
choque elétrico das partes aplicadas são divididas em três partes aplicadas tipo: B, BF e CF.

- parte aplicada tipo B: fornece o menor grau de proteção ao paciente entre todos
os tipos de parte aplicada e não apresentar sistemas de isolação elétrica (flutuante) entre as
partes aplicadas e a rede elétrica, não sendo apropriadas para aplicação cardíaca direta.
21

- parte aplicada tipo BF: o grau de proteção é alcançado pela isolação entre as partes
aplicadas, rede elétrica e demais partes aterradas ou partes acessíveis do equipamento,
portanto limitando ainda mais, a intensidade de corrente que fluiria através do paciente.
Nesse caso, entrar em contato com outro equipamento sob tensão. Partes aplicadas de tipo
BF, não são adequadas para aplicação cardíaca direta.

- parte aplicada de tipo CF: fornece o maior grau de proteção ao paciente. Esse grau de
proteção é alcançado pelo aumento da isolação das partes aterradas e outras partes acessíveis
do equipamento, limitando ainda mais a intensidade da possível corrente, fluindo através do
paciente. Partes aplicadas de tipo CF são apropriadas para aplicação cardíaca direta.
22

3 METODOLOGIA

A metodologia apresentada é o estudo para proposta de gestão em engenharia


clínica. Portanto, foi realizado, além de uma revisão, um estudo de observação, exploratório,
de natureza quantitativa no setor de Engenharia e Manutenção e Reparos do Hospital de
Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes-HMDCASG, Fortaleza, Ceará, no período de
julho de 2007 a julho de 2008.
Esse estabelecimento assistencial de saúde é uma instituição gerenciada pela
Secretaria da Saúde do Estado do Ceará-SESA e atende pacientes de 184 municípios do
Ceará e das regiões Norte e Nordeste do país, possui, no total, 306 leitos, sendo 39 UTIs para
adulto, 12 leitos pediátricos, 241 leitos clínicos e 14 semi-intensivos.

TABELA 1. IDENTIFICAÇÃO DO HMDCASG


CADASTRADO NO CNES EM: 28/1/2005 ULTIMA ATUALIZAÇÃO EM: 4/7/2008 ULTIMA
CERTIDÃO NEGATIVA:08/02/2008
Nome: CNES: CNPJ:
HM - HOSPITAL DE MESSEJANA 2479214 07954571002239
Razão Social: CPF: Personalidade:
HOSPITAL DE MESSEJANA -- JURÍDICA
Logradouro: Número: Telefone:
AV FREI CIRILO 3480 (85)3101-4146
Complemento: Bairro: CEP: Município: UF:
FORTALEZA - IBGE
CAJAZEIRAS 60864190 CE
- 230440
Tipo Unidade: Sub Tipo Unidade: Esfera Administrativa: Gestão:
HOSPITAL
ESTADUAL MUNICIPAL
ESPECIALIZADO
Natureza da Organização: Dependência:
ADMINISTRAÇÃO DIRETA DA SAÚDE (MS,SES e
MANTIDA
SMS)
FONTE: CNES

4. DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS DADOS E RESULTADOS


23

O estudo de observação no HMDCASG foi de uma grande valia para


conscientizar todos os envolvidos nos dois setores citados acima e os dirigentes para a
implantação da EC.
Apresentar a realidade de uma instituição pública brasileira que se preocupa e
dedica com todos os esforços para que seja implantado um grupo de manutenção com gestão
na área da engenharia clínica em um hospital que é referência nacional no transplante
cardíaco e realiza expressivo número de cirurgias nas áreas pulmonar e cardíaca. Todos os
passos para essa implantação são mostrados a seguir.

4.1 Considerações Iniciais

Este capítulo é um relato que visa à proposta para a implantação de uma equipe
de manutenção, que realize serviços de manutenção preventiva e corretiva em equipamentos
eletro-eletrônicos de baixa e média complexidade tecnológica. Todos os procedimentos de
implantação da equipe foram feitos através do estudo de caso do HMDCASG. No término
deste capítulo, serão elaborados os cálculos dos custos de terceirização da manutenção deste
EAS, para que sejam comparados com os custos de aplicação do grupo próprio, interno de
manutenção, dando as condições mínimas aqui exigidas para podermos implantar o
gerenciamento da engenharia clínica em um EAS pública com especialidades nas áreas
cardiovascular, torácica e pulmonar. Atuando como centro de ensino e pesquisa.

4.2 Análise do Levantamento dos Equipamentos

Não foi possível a realização de um levantamento físico do parque tecnológico,


que permitisse constatar as marcas e modelos e o estado de funcionamento dos
equipamentos. Sendo assim, a implantação da equipe foi baseada nos dados contidos no
Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde-CNES. O CNES disponibiliza
informações importantes como quais os tipos e a quantidade de equipamentos cada
estabelecimento de saúde no Brasil possui. A tabela 2 mostra os dados referentes aos
equipamentos pertencentes ao HMDCASG. Uma segunda listagem, feita de maneira precária
indo ao local, elaborando planilhas sem um programa, elaborada por seis colaboradores em
2006/2007. (ver Apêndice 1).

TABELA 2. EQUIPAMENTOS PERTENCENTES AO HMDCASG


24

Equipamentos HOSPITAL DE MESSEJANA


EQUIPAMENTOS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Existente: Em Uso:
RAIO X ATE 100 MA 8 8
RAIO X COM FLUOROSCOPIA 1 1
RAIO X DE 100 A 500 MA 4 4
RAIO X DENTARIO 1 1
RAIO X MAIS DE 500MA 1 1
RAIO X PARA HEMODINAMICA 2 2
TOMÓGRAFO COMPUTADORIZADO 1 1
ULTRASSOM CONVENCIONAL 2 2
ULTRASSOM DOPPLER COLORIDO 5 5
ULTRASSOM ECOGRAFO 1 1
EQUIPAMENTOS DE INFRA-ESTRUTURA: Existente: Em Uso:
CONTROLE AMBIENTAL/AR-CONDICIONADO
299 299
CENTRAL
GRUPO GERADOR 5 5
EQUIPAMENTOS DE ODONTOLOGIA: Existente: Em Uso:
CANETA DE ALTA ROTACAO 2 2
CANETA DE BAIXA ROTACAO 1 1
COMPRESSOR ODONTOLOGICO 1 1
EQUIPO ODONTOLOGICO 1 1
FOTOPOLIMERIZADOR 1 1
EQUIPAMENTOS PARA MANUTENCAO DA VIDA: Existente: Em Uso:
BERÇO AQUECIDO 8 8
BOMBA DE INFUSAO 331 331
BOMBA/BALAO INTRA-AORTICO 1 1
DEBITOMETRO 3 3
DESFIBRILADOR 30 30
EQUIPAMENTO DE FOTOTERAPIA 2 2
INCUBADORA 4 4
MARCAPASSO TEMPORARIO 19 19
MONITOR DE ECG 91 91
MONITOR DE PRESSAO INVASIVO 54 54
MONITOR DE PRESSAO NAO-INVASIVO 49 49
REANIMADOR PULMONAR/AMBU 200 200
RESPIRADOR/VENTILADOR 51 51
EQUIPAMENTOS POR METODOS GRAFICOS: Existente: Em Uso:
ELETROCARDIOGRAFO 20 18
ELETROENCEFALOGRAFO 1 1
EQUIPAMENTOS POR METODOS OPTICOS: Existente: Em Uso:
ENDOSCOPIO DAS VIAS RESPIRATORIAS 3 3
LAPAROSCOPIO/VÍDEO 1 1
OUTROS EQUIPAMENTOS: Existente: Em Uso:
EQUIPAMENTO DE CIRCULACAO
7 5
EXTRACORPOREA
EQUIPAMENTO PARA HEMODIALISE 1 1
RESÍDUOS/REJEITOS
Coleta Seletiva de Rejeito:
RESIDUOS BIOLOGICOS, RESIDUOS QUIMICOS E RESIDUOS COMUNS
25

A obtenção dos valores reais de aquisição não foram possíveis, já que a listagem dos
equipamentos elaborada não apresenta os nomes dos fabricantes, datas de aquisição e nº da
nota fiscal, para ser acompanhado a garantia de cada um. Porém, o valor dos equipamentos
que sofrerão manutenção corretiva poderá ser estimado através de referências de preços,
encontradas no Sistema de Apoio à Organização de Projetos de Investimento em Saúde-
SOMASUS, o qual indica os preços de aquisição máximos, mínimos e intermediários de
cada tipo de EMHs encontrados no mercado. Entretanto, para este trabalho serão utilizados
os preços intermediários de aquisição, já que não estarão incluídos no inventário os custos
com as depreciações dos equipamentos.
A estimativa de preço do parque de tecnológico dos equipamentos médicos-
hospitalares escolhidos para ter manutenção corretiva será vista no item seguinte, quando os
equipamentos forem separados por grupo de compatibilidade, pois ,para isso, só interessarão
os equipamentos eletrônicos de baixa e média complexidade tecnológica.

4.3 Análise da proposta de implantação

4.3.1 Classificação dos equipamentos por grupo de compatibilidade, a tabela 3 mostra a


escolha dos equipamentos aos quais serão realizadas as manutenções corretivas pelo
grupo implantado.

TABELA 3. PREÇOS DOS EQUIPAMENTOS ESCOLHIDOS PARA MANUTENÇÃO CORRETIVA


EQUIPAMENTOS PARA MANUTENÇÃO DA VIDA
Custo unitário Código
Equipamentos: Quantidade intermediários de
(R$) equipamentos
BOMBA DE INFUSÃO 331 5.000,00 E082
CARRO PARA ANESTESIA 09 60.000,00 E087
DESFIBRILADOR 30 6.000,00 E092
INCUBADORA 04 8.500,00 E101
MONITOR DE ECG 91 4.000,00 -
MONITORDE PRESSÃO INVASIVO 54 4.000,00 -
MONITOR DE PRESSÃO NÃO-INVASIVO 49 4.000,00 E112
OXÍMETRO DE PULSO PORTÁTIL 26 5.000,00 E062
VENTILADOR MECÂNICO 51 70.000,00 E129
645
Valor total 6.885.000,00.
Código: E – Equipamento de Infra-Estrutura
FONTE: SOMASUS
26

4.3.2 Definição do local de realização da manutenção

Este item não será relevante no momento já que estão sendo analisados apenas os
equipamentos que sofrerão manutenção pelo grupo próprio a ser implantado.

4.3.3 Definição do tipo de contrato de manutenção a ser adotado

Neste trabalho, foi adotado o contrato de manutenção por períodos determinados,


com dois tipos: inclusão parcial ou inclusão total de peças. Este item não será relevante neste
momento, já que a finalidade desta parte inicial é calcular os gastos com a equipe
própria/interna de manutenção. Porém será, de grande importância ao final deste capítulo,
onde será feita a estimativa de custos de uma equipe terceirizada/externa.

4.3.4 Especificação do Perfil e Cálculo do Número de Pessoas para o Grupo

Para o cálculo do número de pessoas para o grupo, segundo o modelo de


Bronzino (1992), primeiramente é necessário obter o número de horas anuais de trabalho
para a realização da manutenção corretiva, o NHT/ano, que pode ser obtido através da
expressão:

NHT/ano = (n° de equipamentos do mesmo tipo) x (TMR) x (12 meses/TMF).

Os resultados obtidos são mostrados na tabela 4. Os valores de TMF e TMR


foram obtidos através das relações mostradas nos anexos 4 e 5 respectivamente. Os dados de
TMF e TMR para o monitor de pressão invasivo foram obtidos através da média de cada um
destes itens. Porque não constava nas tabelas de referências dados sobre esse equipamento.
TABELA 4. PLANILHA DE CÁLCULO DO ∑NHT/ANO (HORAS)

Equipamentos: Quantidade TMF TMR NHT/ANO


BOMBA DE INFUSÃO 331 7,5 1,8 953,28
CARRO PARA ANESTESIA 09 06 0,5 9,00
DESFIBRILADOR 30 10 1,7 61,20
INCUBADORA 04 7,5 2,3 14,72
MONITOR DE ECG 91 6,5 1,3 218,40
MONITOR DE PRESSÃO INVASIVO 54 6,0 1,7 17,00
MONITOR DE PRESSÃO NÃO-INVASIVO 49 03 1,6 313,60
OXÍMETRO 26 09 1,7 58,93
VENTILADOR MECÂNICO 51 03 1,8 367,20
∑NHT/ANO 2.013,33
FONTE: Rabay, 2008
27

Calculado o ΣNHT/ano, é possível obter o número de técnicos, através da expressão:

N° Técnicos = ( Σ NHT (total)/ano)/1.260 h) = 1,60 => 2 técnicos.


Utilizando o método de Lamberti, temos o número de pessoal, em função do nível
de atividades pretendidas para a oficina. Tendo em vista que o valor de reposição (VR), é um
valor estimado, o cálculo será feito baseado no número de itens de manutenção (NE).

Nº. de Técnicos = (Σ atividades da categoria x (NE) / (NHTefetiva/ano)


Dados: NE = 645 itens
NHTefetiva/ano = 1260 horas (para 70% de produtividade)

TABELA 5. COEFICIENTE DE CARGA DE TRABALHO DE TÉCNICO PELO NÚMERO DE ITENS DE


MANUTENÇÃO (NE)
Atividades de Engenharia Clínica Horas/itens Manutenção (NE)
Técnicos
Inventário de Equipamentos 0,15
Teste de aceitação 0,25
Testes Aleatórios (sob demanda) 0,20
Treinamentos de usuários 0,00
Treinamento de técnicos 0,00
Teste de segurança 0,15
Acompanhamento de OS's 0,15
Plan. e proc. de compra 0,05
Gerenciamento de contratos de serviços 0,15
Inspeção inicial 0,20
Manutenção corretiva 0,80
Gerenciamento dos recursos comput. 0,02
Acomp. técnico e gerenc. de prob. 0,03
Desenvolvimento e pesquisa 0,00
Σ atividades técnico 2,15
FONTE: Leal, 2007

Número de técnicos = (2,15 x 645)/1260 = 1,10 => 2 técnicos

É importante salientar que os valores obtidos por aplicação dos modelos não são
determinísticos, cabendo ao responsável pela implantação do grupo a decisão final do quadro
de pessoas.

Pelo cálculo, indica-se a contratação de três técnicos, tendo em vista a


necessidade de um suporte durante férias de um deles, bem como o melhor aproveitamento
nas manutenções dos equipamentos, já que cada grupo de equipamentos necessita de
28

treinamentos específicos. Essa análise foi feita após estudos do quadro de pessoas da
Engenharia do HMDCASG.
Além dos três técnicos, o quadro de colaboradores ainda contará com um
engenheiro responsável pela implantação da gestão em engenharia clínica e manutenção do
grupo.

4.3.5 Especificação da Infra-estrutura Física Necessária

O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes possui uma área de
62.181,30m², composta de oficinas de serralheria, carpintaria, climatização, sala de
equipamentos, sala dos eletricistas (plantão nas 24 horas), sala da manutenção e sala da
engenharia, , porém com pouca infra-estrutura, necessitando todas as salas de reforma nas
instalações prediais como também aquisição de mobiliários ergonômicos. Portanto, foi
necessária uma adaptação em todos os ambientes da área técnica para atender as normas
vigentes da ANVISA e Ministério do Trabalho e Emprego.

4.3.6 Análise da infra-estrutura material e cálculo dos custos envolvidos

4.3.6-1 Equipamentos e ferramentas

A tabela 6 mostra os preços dos equipamentos de teste e calibração escolhidos


para este projeto, baseados nos tipos de equipamentos sobre responsabilidade da manutenção
do Hospital. Devido ao custo bastante elevado, o responsável pelo grupo deve selecionar os
mais essenciais, deixando para futuras aquisições os demais equipamentos de calibração.

TABELA 6. PREÇOS DOS EQUIPAMENTOS DE TESTE E CALIBRAÇÃO DOS EMH’S ESCOLHIDOS


Equipamento Marca Modelo Valor (U$) Valor (R$)
Simulador Multiparâmetros BIOTEK MPS450 6.888,92 14.873,19
Analisador de Desfibriladores BIOTEK QED 6 4.158,15 8.977,45
Testador de Aparelhos de Ventiladores BIOTEK VT PLUS 16.595,54 35.829,79
Analisador Eletrocirúrgico BIOTEK RF303 8.100,25 17.488,44
TOTAL U$ 35.742,86 R$ 77.168,87
FONTE: Empresa FORMEDICAL
29

Os preços das ferramentas e de equipamentos de bancada para a oficina de


eletrônica escolhidos são mostrados na tabela 7. A escolha dos mesmos foi baseada na
relação de equipamentos do SOMASUS, mostrada no anexo 9.

TABELA 7. EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS PARA A OFICINA DE ELETRÔNICA


DESCRIÇÃO Custo Intermediário (R$)
Carregador de Bateria 150,00
Conjunto de Ferramentas para Eletrônica 550,00
Fonte de Alimentação Elétrica 1.000,00
Freqüencímetro 400,00
Gerador de Sinais 1.500,00
Multímetro Digital 350,00
Osciloscópio 5.000,00
Painel de Ferramentas 2.000,00
Tacômetro 320,00
Valor Total 11.270,00
FONTE: SOMASUS

4.3.6-2 Móveis e utensílios

Os custos dos móveis e utensílios podem ser vistos na tabela 8. A escolha desses
também foi baseada na relação de equipamentos do SOMASUS.

TABELA 8. RELAÇÃO DE MÓVEIS E UTENSÍLIOS PARA A OFICINA DE ELETRÔNICA


Descrição Quantidade Custo Int. (R$)
Armário 1 400,00
Bancada 1 300,00
Banqueta Giratória 1 282,00
Carro para Transporte de Material 1 1.200,00
Aspirador de pó 1 300,00
Cadeira 2 160,00
Cesto de Lixo 1 30,00
Estante Modulada 1 350,00
Mesa de Escritório 1 200,00
Quadro de Avisos 1 60,00
Total 3.282,00
FONTE: SOMASUS

4.3.7 Análise dos custos com manutenção da equipe

Para os custos com manutenção do grupo foram utilizados como base os valores
da HMDCASG, no período de janeiro a setembro de 2008 e podem ser vistos na tabela 9. A
equipe de manutenção do HMDCASG possui um quadro com 24 funcionários e possui 3
oficinas de manutenção. Com isso, foi realizada uma estimativa através de custos por
funcionário e custo por oficina. Despesas como energia elétrica, telefone, conservação e
30

reparos foram estimados em custo por oficina e despesas relativas a material de manutenção,
rouparia, material de escritório, em custo por funcionário.

TABELA 9. ALGUNS CUSTOS COM MANUTENÇÃO DO GRUPO DO HMDCASG


DESCRIÇÃO *VALORES MÉDIOS CUSTO POR COLABORADOR.
Custos com Materiais R$ 633,60 R$ 26,40
Material de Manutenção
Rouparia
Matl Exp e Cons Geral
CUSTO POR OFICINA
Custos Gerais R$ 1.098,30 R$ 366,10
Serviços de Terceiros
Conservação e reparos
Energia Elétrica
Telefone
Mat. Assepsia e Limpeza
FONTE: HMDCASG

Para este trabalho, foi definido que haveria a necessidade apenas de 1 oficina de
manutenção com 4 pessoas, totalizando um custo de R$ 471,70 (R$26,40 x 4 + R$366,10). A
tabela 10 mostra os custos com salários e encargos, baseado nos valores propostos para
implantação no quadro de colaboradores do HMDCASG.

TABELA 10. SALÁRIOS E ENCARGOS DE FUNCIONÁRIOS PROPOSTOS PARA O HMDCASG


Função Salários Encargos (30%) Total
Técnico em Eletrônica I R$ 1.452,50 R$ 435,75 R$ 1.888,25
Técnico em Eletrônica II R$ 1.660,00 R$ 498,00 R$ 2.158,00
Técnico em Eletrônica III R$ 2.266,67 R$ 680,00 R$ 2.946,67
Engenheiro R$ 3.735,00 R$ 1.120,50 R$ 4.855,50
FONTE: Rabay, 2008

Para o HMDCASG, serão três Técnicos em Eletrônica III, valor de R$ 8.840,01


Engenheiro, valor R$4.855,50, totalizando um valor de R$ 13.695,51.

4.3.8 Total de custos da equipe própria

Após a soma de todos os custos envolvidos, é mostrado abaixo o valor estimado dos
custos para implantação e manutenção do grupo para o HMDCASG.

Custos de Manutenção do grupo (mensal) R$ 14.167,21


Custos de Implantação do grupo R$ 91.720,87
TOTAL R$105.888,08
31

CEI (R$) = A + B + C + D + E → Custo da Equipe Interna

A = custo total da tabela 6


B = custo total da tabela 7
C = custo total da tabela 8
D = custo total da tabela 9
E = custo dos técnicos e engenheiro, ver tabela 10
CEI (R$) = 77.168,87 + 11.270,00 + 3.282,00 + 471,70 + 13.695,51

CEI (R$) = 105.888,08

4.4 Análise dos cálculos dos custos de terceirização da manutenção

O cálculo para a terceirização da manutenção será feito em forma de contrato de


manutenção que, baseado em dados do HMDCASG, o preço do contrato para cada
equipamento vale em torno de 1% a.m. do custo de aquisição do mesmo. O valor total do
parque de equipamentos é de R$ 6.885.000,00. Isso significa que para a terceirização de toda
a manutenção, o gasto seria em de R$ 68.850,00/mês. Vale ressaltar que esse valor de
contrato não inclui a reposição de peças, mas que pode servir de comparação com os custos
da equipe própria/interna já que esta também foi estimada sem a consideração das peças de
reposição.

4.5 Realização do Inventário

O conhecimento da quantidade e da qualidade dos equipamentos de infra-


estrutura, apoio e aplicação direta ao paciente existente é de fundamental importância para a
estruturação de uma gestão de manutenção. É aproveitada esta oportunidade, para a obtenção
de dados que são bastante úteis na elaboração da proposta de implantação e gerenciamento
do departamento ou grupo de manutenção.
O inventário deve conter informações essenciais dos equipamentos, tais como,
tipos, nomes dos fabricantes, os modelos, números de série e os valores de aquisição
atualizados. A obtenção dos dados para o inventário é uma tarefa relativamente simples,
embora, em muitos casos, demorada, dependendo do parque tecnológico de equipamentos
instalados. A obtenção dos valores de aquisição atualizados pode ser por dois métodos:
- através do valor do equipamento na época de aquisição com opção de transformar em dólar;
- através do custo de substituição do equipamento.
32

No primeiro método, o valor do equipamento pode ser obtido através da nota


fiscal e corrigido para a moeda atual e transformando na moeda americana, dependendo do
ano de aquisição. Em seguida, deve ser efetuado o cálculo do valor real do equipamento,
tendo em vista a depreciação que ocorreu ao longo dos anos de utilização. Os
administradores, para efeito de contabilização, sugerem uma depreciação de
aproximadamente 10% ao ano. (CALIL, 2002, p.28).
O segundo método é utilizado em caso de inexistência de nota fiscal. Nessa
hipótese, deverá ser atribuído ao valor do equipamento novo e que tenha recursos bastante
semelhantes aos dos equipamentos pertencentes ao EAS. (CALIL, 2002, p. 28).

4.6 Elaboração da Proposta de Implantação

Este é um item de suma importância para a correta implantação da gestão em EC


no HMDCASG.
Para a elaboração de proposta de implantação de uma equipe de gestão em
manutenção em um EAS, deve-se adotar a seguinte seqüência de procedimentos:
- Classificação dos equipamentos por grupos de compatibilidade;
- Definição do local de realização da manutenção;
- Especificação do perfil e cálculo do número de pessoas para o grupo;
- Especificação da infra-estrutura física necessária;
- Definição da infra-estrutura material necessária;
- Cálculo dos custos de implantação do grupo;
- Cálculo dos custos de manutenção do grupo. (JORGE CALIL, 2002, p.29 a 33).

4.6.1 Classificação dos Equipamentos por Grupo de Compatibilidade

Acompanhando a seqüência de atividades definidas anteriormente, deve-se


primeiramente fazer a seleção e classificação dos equipamentos em grupos. A atividade tem
como finalidade:
- facilitar a instalação da infra-estrutura necessária para manutenção de cada grupo de
equipamentos (local de gases para teste dos ventiladores, pontos de energia de diferentes
tensões para equipamentos eletrônicos, tanque de limpeza de materiais empoeirados ou com
graxa, capela de fluxo para limpeza de equipamentos de ótica;
- facilitar o gerenciamento de equipamentos cuja manutenção será executada externamente;
- auxiliar a definição do perfil dos técnicos que devem atuar em cada grupo de equipamentos;
33

- facilitar o sistema de gerenciamento de produtividade e custo da mão-de-obra por grupo.


Há exemplos de classificação de equipamentos por princípio físico de funcionamento.
(Anexo 1).

4.6.2 Definição do Local de Realização da Manutenção

As MP e MC dos EMHs podem ser realizadas tanto pelo grupo pertencente ao


HMDASG, a interna, como por empresas terceirizadas, a externa. Para a decisão da
instalação do local onde funcionará o setor de EC, deverão ser considerados vários fatores:
- existência de pessoal treinado para a manutenção de cada tipo e modelo de equipamento. A
contratação de pessoal com treinamento na área de equipamentos médicos é uma tarefa ainda
bastante complexa. Normalmente, o pessoal disponível no mercado é proveniente de escolas
técnicas que possuem somente o curso para técnicos em eletrônica ou mecânica;
- existência de documentação técnica referente ao equipamento a receber manutenção
internamente. Em muitos casos, devido ao desconhecimento por parte dos compradores de
equipamentos, não houve a exigência em contrato ou edital, do fornecimento de
documentação técnica, a não ser do manual de operação. Dessa maneira, fica bastante
complicado, para um grupo, fazer manutenção em equipamentos sem a respectiva
documentação técnica;
- existência de equipamentos de teste e calibração para a avaliação do equipamento após a
manutenção. Vários tipos de equipamentos, principalmente aqueles que representam riscos
ao paciente (vide Resolução Diretoria Colegiada-RDC 185, de 22/10/2001 do Ministério da
Saúde), necessitam de testes de segurança e ou calibração logo após uma manutenção
preventiva ou corretiva. Nesses casos, o responsável pelo grupo de manutenção deve estar
bastante atento, pois, em caso de algum acidente hospitalar por falha do equipamento, a
equipe de manutenção poderá ser responsabilizada.

4.6.3 Definição do tipo de contrato de manutenção a ser adotado

O contrato de manutenção mais utilizado pelos EAS são os de serviços por


períodos determinados, que inclui a mão de obra para manutenção preventiva e corretiva no
valor do contrato entre o EAS e a empresa contratada para os serviços.
34

Os contratos de manutenção podem ser feitos com ou sem a inclusão de peças de


reposição originais. O custo mensal desse tipo de contrato, para cada equipamento escolhido
para manutenção externa, varia de 1% a 2% por mês do valor de aquisição. Esse dado foi
informado pela Engenharia Clínica do Complexo Hospitalar da Santa Casa de Porto Alegre,
mas pode variar dependendo da negociação com as empresas prestadoras dos serviços
hospitalares.(LEAL, 2007).

4.6.4 Especificação do Perfil e Cálculo do Número de Pessoas para o Grupo

Uma vez separados por grupo de compatibilidade e definidos o número e o tipo


de equipamentos que serão mantidos internamente pelo grupo, pode-se fazer a quantificação
e a especificação do perfil do pessoal a ser contratado. Dois métodos para esse cálculo são
mostrados a seguir.
- O primeiro método utilizado para o cálculo do número de pessoas para o grupo foi
apresentado por membros do Departamento de Eletrônica, Informática e Sistemas da
Universidade de Bologna, na Itália (Lamberti at al., op. Cit., p.37). É baseado em atividades
típicas de cada estrutura de oficina e o parâmetro de correlação escolhido é o de melhor
correlação com o dimensionamento estimado, e está baseando-se na carga de trabalho de
cada atividade para cada categoria profissional.
Para a aplicação desse modelo, é necessário o conhecimento de parâmetros como:
números de equipamentos sob manutenção (NE) ou valor de reposição dos equipamentos
(VR) que, relacionados com a carga de trabalho de cada atividade, originaram os coeficientes
mostrados no anexo 3.
O cálculo do número de técnicos e engenheiros é obtido por:
N° de técnicos = WLt / WHefetiva (1)
N° de engenheiros = WLe / WHefetiva (2)
Onde: WLt/e = Σ (atividades da categoria x (VR) ou
WLt/e = Σ (atividades da categoria x (NE)

WLt = Carga de trabalho para a categoria de técnico


WLe = Carga de trabalho para a categoria de engenheiro
WHefetiva = número de horas efetivamente trabalhadas durante o ano por um técnico ou
engenheiro.
35

- O segundo método é sugerido por Bronzino (1992), onde se define o quadro de pessoal em
função da carga anual de trabalho necessária para executar a manutenção de todos os
equipamentos sobre responsabilidade do grupo. Para esse cálculo, deve-se conhecer o tempo
médio entre falhas de cada equipamento TMF (ver tabela no anexo 4), o número médio de
horas necessárias para manutenção corretiva de cada um destes TMR (ver tabela no anexo 5),
e a quantidade de cada tipo de equipamento.
Para o cálculo anual da quantidade de horas de trabalho necessárias para
manutenção corretiva (NHT/ano), temos:
NHT/ano = (n° de equipamentos do mesmo tipo) x (TMR) x (12 meses/TMF)
Utilizando esse mesmo procedimento de cálculo acima para todos os equipamentos
enquadrados pelo grupo para manutenção corretiva interna e somando todos os tempos
(NHT/ano) obtidos, é possível obter o número total de horas técnicas que o grupo
efetivamente deverá dispor para atender a manutenção interna do hospital.
Tendo o número total de horas que o grupo deve dispor para manutenção
corretiva anual de todos os equipamentos selecionados para a manutenção interna, torna-se
possível calcular o número de pessoas necessárias para realizar todo o trabalho. O primeiro
valor a ser obtido é o número de horas por ano que um técnico realmente trabalha na
manutenção corretiva, ou seja, o tempo total por ano que o profissional está, de fato,
consertando um equipamento. Para esse cálculo, temos:
- Total de horas de trabalho/ano = (40 horas/semana x 52 semanas) = 2080 horas
- Total de horas a serem descontadas: Mínimo de 10 feriados por ano = 80 horas
- Férias anuais do funcionário = 160 horas
- Média anual de dias que o funcionário pode adoecer = 40 horas
- N° de horas que o técnico está disponível no hospital = 2.080 - 280 = 1.800 horas
Outro ponto a ser considerado nesse cálculo é a produtividade do funcionário. De
um modo geral, a literatura (Bronzino, 1992) sugere que seja usado um valor aproximado de
70% para o tempo em bancada. Assim, adotando o valor de 70% para a produtividade, o
tempo total no período de um ano que o técnico estará realmente consertando um
equipamento, ou seja, o tempo real para manutenção (TMC) será de 1.260 horas.
Dividindo a quantidade de horas de trabalho necessárias para manutenção corretiva
(NHT/ano) por TMC (1.260 horas), teremos o número total de técnicos necessários para a
manutenção de todos os equipamentos selecionados pelo grupo para a manutenção corretiva
interna.
N° Técnicos = (NHT (total)/ano)/1.260 h)
36

4.6.5 Especificação da Infra-estrutura Física Necessária

Através da separação dos equipamentos por grupos de compatibilidade e da


escolha dos tipos de equipamentos que terão manutenção pela equipe própria do EAS, é
possível especificar a infra-estrutura física necessária.
Na Resolução Diretoria Colegiada – RDC nº. 50, de 21 de fevereiro de 2002, da
ANVISA, unidade funcional:8-Apoio Logístico, (Anexo 6) são encontradas informações
como, quantificação e dimensão das áreas físicas, separadas por cada unidade/ambiente, bem
como as instalações necessárias. Todos os projetos dos EASs devem obrigatoriamente ser
elaborados em conformidade com as disposições desta resolução, obedecendo às etapas de
projeto: estudo preliminar, projeto básico e projeto executivo.
Muitos hospitais brasileiros, mesmo não tendo uma equipe própria de manutenção
para alguns tipos de equipamentos, já possuem alguma infra-estrutura física montada. Esses
casos teriam que ser analisados pelo profissional responsável pela implantação do grupo de
manutenção e EC, para saber se o local seria apropriado se atende às especificações da RDC
nº 50 para cada tipo de serviço que seriam realizados.
A tabela 1 mostra quais áreas o setor de manutenção deve conter, segundo o
SOMASUS, que é um Sistema de Apoio à Elaboração de Projetos de Investimentos em
Saúde, atendendo às normas da RDC 50. Ela apresenta também os valores de áreas mínimos
para cada ambiente.

TABELA 11. VALORES DE ÁREAS MÍNIMAS POR AMBIENTE DO SETOR DE MANUTENÇÃO


Área Nível Código
Nome do Ambiente média de iluminamento do
(m²) (LUX) ambiente
Área de recepção e inspeção de equipamentos, mobiliário e
12,00 100 a 200 CAM08
utensílios
Área de guarda e distribuição de equipamentos, mobiliário e
20,00 500 a 1000 CAM24
utensílios
Oficina de manutenção 17,30 500 a 1000 CAM09

Área de inservíveis 20,00 500 a 1000 CAM25

Banheiros com vestiários pra funcionários 3,20 100 a 200 HIG10


100 a 200
Sala administrativa 19,40 ADM05
300 a 750 mesa
ver NR 13 do
Casa de caldeiras 30,00 INP04
MTE
ver condições de
Área para centrais e gases (cilindros) 9,00 INP08
armazenamento
FONTE: SOMASUS
37

4.6.6 Definição da infra-estrutura material

- Equipamentos e ferramentas
Cada oficina de manutenção necessitará de ferramentas e equipamentos de uso individual e
coletivo em conformidade com o tipo de serviço a ser executado. Ferramentas necessárias
para os técnicos nos atendimentos fora da oficina de manutenção, a fim de facilitar e otimizar
o tempo de espera. Os técnicos devem levar consigo uma maleta com um mínimo de
ferramentas essenciais. Cada técnico deve ter uma maleta, com outros materiais específicos,
como um conjunto de equipamentos pelos quais ele é o responsável.
Tal procedimento reduz significativamente o tempo de reparo, assim como
também evita as idas e vindas entre a oficina e o local de execução do serviço. Para
atendimentos internamente à oficina, há a necessidade de equipamentos de utilização geral
que devem fazer parte dos recursos do grupo de manutenção. O SOMASUS sugere alguns
tipos de ferramentas de uso individual e coletivo que podem ser utilizadas, discriminando os
custos de cada item. Isso auxiliará a estimar os custos da infra-estrutura material.
Equipamentos para teste e calibração de equipamentos médico-hospitalares são
instrumentos de grande importância para garantir um bom funcionamento dos EMHs
tornando-os mais seguros e confiáveis, porém representam os materiais de maiores custos na
implantação do grupo. Alguns deles são essenciais tendo em vista que são utilizados para
teste de equipamentos médico-hospitalares para sustentação de vida dos pacientes.
- Móveis e utensílios
A manutenção exige uma série de materiais e atividades burocráticas que envolvem desde o
gerenciamento diário do grupo até a comunicação escrita com os usuários dessa infra-
estrutura. O quantitativo e o tipo dependem do tipo de serviço que será executado.
- Outros materiais
Alguns itens de materiais de consumo devem ser considerados, como, por exemplo, materiais
de limpeza, rouparia, materiais de consumo geral, etc.
O cálculo de uma reserva financeira para esses itens depende do tipo de estrutura do EAS,
assim como das necessidades do grupo de manutenção.

4.6.7 Cálculos dos custos de implantação do grupo

O conhecimento detalhado de cada um dos itens levantados anteriormente é


bastante complexo, tanto para EAS's que nunca praticaram o controle de gastos com
38

equipamentos, como para pessoal iniciante na área de manutenção. Assim, é provável que o
responsável pela elaboração da proposta tenha informações suficientes para o cálculo dos
custos de alguns itens e fazer algumas estimativas para o restante.

4.6.7-1 Custos da Infra- Estrutura Física Necessária

Para o cálculo dos custos de construção das áreas descritas anteriormente na


tabela 1, seria necessário o conhecimento do valor do CUB local. O CUB da construção civil
reflete a variação mensal dos custos de materiais e mão-de-obra, através de metodologia
própria estabelecida em Normas Brasileiras-NBR editada pela Associação Brasileira de
Normas Técnicas-ABNT. Os valores de cada região podem ser vistos no anexo 7.
Em muitos casos, os EAS já apresentam alguma estrutura física para o setor de
manutenção. Nesses casos, cabe ao responsável pela implantação do grupo analisá-lo, para
saber se é apropriado ou não, sempre tendo como base a norma RDC nº 50 da ANVISA e o
SOMASUS.

4.6.7-2 Custos dos recursos materiais

O cálculo e as estimativas dos recursos materiais necessários serão feitos


separadamente para os itens descritos anteriormente.
Custos com ferramentas e equipamentos de teste e calibração de equipamentos
médico-hospitalares e custos com móveis e utensílios podem ser vistos nas relações de
equipamentos para oficinas de manutenção e de equipamentos para testes e calibração de
equipamentos médico-hospitalares no SOMASUS, essas tabelas discriminam valores de
aquisição máximos, mínimos e intermediários para cada item.
Uma listagem de alguns dos equipamentos para teste e calibração de EMH’s foi
feita baseada e nas informações didáticas fornecidas durante os módulos do curso de EC.
Cabe ao responsável pela implantação da gestão da EC definir quais dos
equipamentos serão utilizados.
39

4.6.8 Cálculo dos custos de manutenção da equipe

Para o cálculo dos custos devem ser considerados: energia elétrica, telefone, água,
custos com materiais de manutenção, custos com manutenção anual dos equipamentos de
calibração além dos salários e encargos dos funcionários.
40

CONCLUSÃO
O objetivo do trabalho de conclusão foi apresentar uma proposta de gestão em
engenharia clínica no HMDCASG, verificou-se que durante o relato de observação a
viabilidade financeira de aplicação da equipe interna, quando comparada a serviços externos.
Após a análise dos custos de implantação e manutenção, foi verificado que a diferença entre
a manutenção da equipe própria R$14.167,21, com a manutenção da equipe externa
R$39.709,26, é de R$25.542,05 mensal.
Com esse valor, a redução será de aproximadamente 64% e o retorno de
investimentos aplicados será em um prazo bem curto.
Entretanto, foram encontradas durante a aplicação dos métodos estudados,
dificuldades em relação à obtenção de dados referentes ao inventário dos equipamentos.
Portanto, pode-se concluir que, quando o HMDCASG resolver implantar a
Proposta de Gestão em Engenharia Clínica, poderá existir o benefício em termos
quantitativos e qualitativos, demonstrado através do gerenciamento dos recursos
tecnológicos.
41

REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e
documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

______. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro,


2002.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio


de Janeiro, 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RDC 185: Classificação de


Riscos dos Equipamentos Médico-Hospitalares. Brasília, 2001.

BETTS,WF. Cost-effective clinical engineering programs: na expanding role in hospitals.


Journal of Clinical of Engineering, 1987.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. SOMASUS - Sistema de Apoio à


Organização e Elaboração de Projetos de Investimento em Saúde. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria conjunta SVS/SAS n.1 de 17 mai. 1993. Diário
Oficial, Brasília, DF, 1993.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2043 de 12 dez. 1994. Diário Oficial, Brasília,
DF, 13 dez. 1994a. Seção 1, p. 19314.

BRASIL. Ministério da Saúde. Equipamentos para estabelecimentos assistenciais de


saúde, planejamento e dimensionamento. Brasília, 1994b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2663 de 20 dez. 1995. Diário Oficial, Brasília,
DF, 22 dez. 1995,. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria conjunta SVS/SAS n.1 de 23 jan. 1996. Diário
Oficial, Brasília, DF, 24 de jan. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde. Projeto


REFORSUS. Equipamentos Médico-Hospitalares e o Gerenciamento da Manutenção.
Brasília, DF, 2002. 740p.

BRITO, L.F.M., O que é Engenharia Clínica? Porque desenvolver atividades


relacionadas a ela no meu hospital? Disponível em :
<http://www.clicsaude.com.br/pub/materiaview.asp?cod_materia=228>. Acesso em 14 jun.
2008.

BRONZINO, JD. The Biomedical Engineering Handbook. CRC Press, 1995.

BRONZINO, JD. Management of Medical Technology: a primer for clinical engineers.


Stoneham: Butterworth-Heinemann, 1992.
42

CALIL, S.J.; TEIXEIRA, M.S., Gerenciamento de Manutenção de Equipamentos


Médico- Hospitalares, volume 11: São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade
de São Paulo-Série Saúde & Cidadania, 1998.

CALIL, S.J.; TEIXEIRA, M.S., Equipamentos Médico- Hospitalares e o Gerenciamento da


Manutenção: Capacitação à Distância. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

CBIC. Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Disponível em:


<htpp://www.cbicdados.com.br/cub.asp>.Acesso em 8 de novembro. 2008.

CNES. Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde. Disponível em:


<http://cnes.datasus.gov.br/Mod_Conj_Equipamentos.asp?VCo_Unidade=2211002726998>
Acesso em 6 jul.2008.

CURSO GESTÃO DE MANUTENÇÃO HOSPITALAR, 2006, Fortaleza: CE, Secretaria da


Saúde do Estado do Ceará, 2006. Paginação irregular.

ECONOMIA. Economia e Cotação. Disponível em:


<htpp://economia.uol.com.br/cotações>.Acesso em 9 de novembro. 2008.

GRABOIS, V. et. al. Gestão da Tecnologia Biomédica Tecnovigilância e Engenharia


Clínica. 1. ed. ACODESS:Cooperação Brasil-França, 2002. 210p.

HOLSBACH, L.R.; VARANI, M.L.; CALIL, S.J., Manutenção Preventiva em


Equipamentos Médico- Hospitalares. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

MARÇAL, R.F.M.; CHIOCHETTA, J.C.; HATAKEYAMA, K.; Sistema de Gestão da


Manutenção para Pequena e Média Empresa. Disponível em:
<http://www.pg.cefetpr.br/ppgep/Ebook/ARTIGOS/18.pdf > Acesso em 21 jun.2008.

RAMÍREZ, E.F.F., Metodologia de priorização de equipamentos médicos para


programas de manutenção preventiva em hospitais. Campinas, Dezembro 1996,
Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica), faculdade de Engenharia Elétrica e de
Computação da UNICAMP.

RAMÍREZ, E.F.F. & CALIL, S.J, Classificação de critérios de priorização de


equipamentos médico-hospitalares em manutenções preventivas . IN: FÓRUM
NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE, 3, 1996, Campos de
Jordão.Anais...São Carlos: [s.n], 1996.p.167-168.

RAMÍREZ, E.F.F., Implantação de Serviços de Engenharia Clínica no Hurnp/Uel.


Disponível em: <http://www.uel.br/proppg/semina/pdf/semina_23_1_22_26.pdf>. Acesso
em: 3 mai. 2008.
43

BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS
ANVISA: Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/tecnovigilancia/capitulo4.pdf>.
Acesso em 7 jun. 2008.

AZEVEDO, F.P. Desenvolvimento de Tecnologia de Gestão para Ambientes


Hospitalares. Disponível em: < http://www.cepis.ops-oms.org/bvsacd/cd49/azevedon.pdf >
Acesso em 7 jun. 2008.

BELMONTE, D.L.; SCANDELARI, L. Gestão do Conhecimento: Aplicabilidade Prática


na Gestão da Manutenção. Disponível em:<http://www.p.g.cefetpr.br/ppgep/Ebook/
ARTIGOS2005/E- book%202006_artigo%2054.pdf> Acesso em 14 jun. 2008.

HCRP. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Disponível em:


<http://www.hcrp.fmrp.usp.br/gxpfiles/arqs/pdf/7%20Engenharia%20Clinica%20no%20Bra
sil.pdf> Acesso em 3 mai. 2008.

HCRP. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Disponível em:


<http://www.hcrp.fmrp.usp.br/gxpfiles/arqs/pdf/2%20Engenharia%20Cl%C3%ADnica.pdf>
Acesso em 3 de mai. 2008.

LEAL,F. F. E. Procedimentos para implantação de grupo de manutenção em


equipamentos médico-hospitalares. 2007. 73f. Monografia ( Especialização em Engenharia
Clínica) – Faculdade Federal Filantrópica Complexo Santa Casa de Misericórdia de Porto
Alegre-FFFCMPA/Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre,
Rio Grande do Sul, 2007.

MEYER, V. Engenharia clínica proporciona segurança e maior vida útil dos


equipamentos. Mensagem recebida por <v.meyer@valentinameyer.com.br> em 2 jan.2008.

PRECISÃO, Consultoria. Disponível em: <http://www.precisao.eng.br/fmnresp/cub.htm>.


Acesso em 5 jul. 2008.

SANTOS, S. – Projeto de Oficina para Manutenção de Equipamentos Biomédicos. João


Pessoa, 1998.

SIEMENS: Disponível em:


<http://www.siemens.com.br/templates/coluna1.aspx?channel=6174>. Acesso em 3 mai.
2008.

SOMASUS: Disponível em: <http://www.somasus.gov.br/somasus>. Acesso em 3 mai.


2008.
44

ANEXOS
45

ANEXO 1

Exemplos de equipamentos separados por grupo de compatibilidade


____________________________________________________________________________________________

GRUPOS DE COMPATIBILIDADE EXEMPLOS


Bomba de vácuo, foco cirúrgico,
1. Equipamentos elétricos simples
etc.
Desfibrilador, eletrocardiógrafo,
2. Equipamentos eletrônicos ou eletro- eletrônicos monitor, incubadora, ventilador
pulmonar, etc
3. Equipamentos mecânicos e eletro- mecânicos Estufas, serras de gesso, etc.
Tomógrafo, ressonância
4. Equipamentos de imagem médica
magnética, etc.
Microscópio cirúrgico,
5. Equipamentos de óptica e mecânica fina
microscópio de bancada, etc.
46

ANEXO 2

Coeficientes de carga de trabalho para engenheiros e técnicos por atividade, expressos em


termos do número de horas anuais que o engenheiro ou técnico dedica a atividade,
normalizado pelo número de itens de manutenção (NE) e por valor de reposição do
equipamento (VR).
_____________________________________________________________________________________________

Horas/itens de Manutenção (NE) Horas/milhões $ (RV)


Atividades de Engenharia Clínica Engenheiros Técnicos Engenheiros Técnicos
Inventário de Equipamentos 0,015 0,15 0 0
Teste de aceitação 0,02 0,25 3 37,5
Testes Aleatórios (sob demanda) 0,03 0,2 0 0
Treinamentos de usuários 0 0 6 4,5
Treinamento de técnicos 0 0 9 9
Teste de segurança 0,015 0,15 2,25 22,5
Acompanhamento de OS's 0,015 0,15 2,25 22,5
Plan. e proc. de compra 0,1 0,05 15 7,5
Gerenc. de contratos de serviços 0,075 0,15 0 0
Inspeção inicial 0,02 0,2 0 0
Manutenção corretiva 0,02 0,8 3 120
Manutenção preventiva 0,025 0,4 3,75 60
Gerenc. Dos recursos comput. 0,03 0,02 4,5 3
Acomp. Técnico e genrenc. de prob. 0,04 0,03 6 4,5
Desenvolvimento e pesquisa 0 0 6 0,75
Fonte: Lamberti, 1997
47

ANEXO 3

Valores de TMF’s obtidos pelo Centro de Engenharia Biomédica da UNICAMP, com base
em aproximadamente 24.000 ordens de serviços durante um período de 30 meses.
_____________________________________________________________________________________________

TMF (em meses)


48

ANEXO 4

Valores de TMR específicos para cada tipo de equipamento.


Fonte: Maintenance management for medical equipment, 1988
_____________________________________________________________________________________________
49
50
51
52
53
54

ANEXO 5

Tabela retirada da RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 da ANVISA.


_____________________________________________________________________________________________
55

ANEXO 6

QUADRO I, CUB/m² MÉDIO-BRASIL*: VALOR DO PROJETO PADRÃO REPRESENTATIVO**


Mês de Referência: Setembro de 2008

VARIAÇÕES (%)***
PROJETO-
VALOR EM
UF / GRANDES REGIÕES PADRÃO
R$/m²
ACUMULADAS
REPRESENTATIVO MÊS
ANO 12 MESES
SINDUSCON-AL R8-N 709,61 0,97 7,62 12,87
SINDUSCON-AM R8-N 979,87 0,55 5,89 0,68
SINDUSCON-BA R8-N 810,72 0,95 7,88 8,73
SINDUSCON-CE R8-N 658,79 0,92 5,82 6,73
SINDUSCON-DF R8-N 751,42 1,69 11,34 14,80
SINDICON-ES R-médio(1) 760,82 1,19 10,17 11,71
SINDUSCON-GO R16-A 883,56 1,60 11,06 12,28
SINDUSCON-GRANDE FLORIANÓPOLIS R-médio(2) 942,40 0,44 11,51 13,27
SINDUSCON-JOÃO PESSOA R8-N 626,91 5,77 13,63 16,23
SINDUSCON-MA R8-N 637,05 0,17 4,59 5,79
SINDUSCON-MG R8-N 789,96 0,81 9,16 15,12
SINDUSCON-MS R8-N 698,76 0,29 9,41 10,97
SINDUSCON-MT R8-N 695,62 2,17 15,86 16,96
SINDUSCON-PA R8-N 722,69 4,73 7,59 11,87
SINDUSCON-PE R16-N 708,87 1,07 7,93 12,82
SINDUSCON-PR R8-N 787,42 0,75 10,83 12,13
SINDUSCON-RJ R8-N 825,85 0,76 10,03 10,97
SINDUSCON-RO R8-N(3) 730,44 0,13 20,01 17,32
(3)
SINDUSCON-RS R8-N 800,11 0,48 11,46 12,31
SINDUSCON-SE R8-N(3) 647,00 (5,34) (5,18) 2,34
SINDUSCON-SP R8-N 810,70 0,74 8,92 11,16
MÉDIA
CUB MÉDIO BRASIL 784,81 0,84 9,46 11,40
PONDERADA
CENTRO OESTE MÉDIA PONDERADA 766,89 1,46 11,44 13,54
NORDESTE MÉDIA PONDERADA 710,81 0,71 6,44 8,93
NORTE MÉDIA PONDERADA 832,06 1,02 10,85 7,85
SUDESTE MÉDIA PONDERADA 808,07 0,76 9,15 11,79
SUL MÉDIA PONDERADA 813,20 0,59 11,19 12,38
Fonte: Sinduscons Estaduais e Banco de Dados-
CBIC.
Elaboração: Banco de Dados-CBIC.
(1) O projeto-padrão representativo do CUB/m² do Sindicon-ES é uma média aritmética de todos os projetos residenciais.
(*) Informações encaminhadas ao Banco de Dados-CBIC pelos Sinduscons das capitais dos Estados, responsáveis pelo cálculo e
divulgação do CUB/m², conforme Lei 4.591/64.
(**) NBR 12.721:2006.
divulgação do CUB/m², exceto aos que não enviaram a devida informação ao BD-CBIC. Nestes casos as variações percentuais divulgadas foram
calculadas pelo BD-CBIC.
(...) Dado não disponível.
56

ANEXO 7

Tabela retirada da SOMASUS, relação dos equipamentos para oficina de manutenção


57

APÊNDICES
58

APÊNDICE 1

SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ


HOSPITAL DE MESSEJANA DR.CARLOS ALBERTO STUDART GOMES
UNIDADE DE SERVIÇOS GERAIS - ENGENHARIA

Quantitativo de Equipamentos
EQUIPAMENTO QUANTITATIVO

AGITADOR 1
AGITADOR DE PLAQUETAS 1
AGITADOR DE TUBOS 1
AMALGADOR ODONTOLÓGICO 2
ANALISADOR DE HOLTER CARDIOS 1
APARELHO BANHO MARIA 9
CARRO DE ANESTESIA 7
APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 7
APARELHO DE BISTURI ELETRÔNICO 2
APARELHO DE BISTURI ULTRASÔNICO 1
APARELHO DE BRAILE 1
APARELHO DE ECOCARDIOGRAMA 3
APARELHO DE ECOGRAMA COMPLETO 2
APARELHO DE ELETROENCEFALOGRAMA 1
APARELHO DE ELETROM 1
APARELHO DE ESCOPIA PARA CATETERISMO 1
APARELHO DE FOTOTERAPIA 2
APARELHO DE HEMODINÂMICA 1
APARELHO DE RAIOS X 8
APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 12
APARELHO DE RAIOS X ODONTOLÓGICO 1
APARELHO DE SUAGANS 1
APARELHO DE TCA-MCA 3
APARELHO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA 1
APARELHO FOTOPOLINERILIZADOR 1
APARELHO GASOMETRO 1
APARELHO SONY COLOR VIDEO PRINTER 1
AQUECEDOR 2
ARCO CIRÚRGICO 1
ASPIRADOR CIRÚRGICO 65
AUTOCLAVE HORIZONTAL 3
AUTOCLAVE VERTICAL 1
BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 22
BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 5
BALANÇA COM DOIS PRATOS 1
BALANÇA ELETRÔNICA 6
BALANÇA ELETRÔNICA DE PRECISÃO 1
BALANÇA INFANTIL ELETRÔNICA 4
BALANÇA MACA 1
59

EQUIPAMENTO QUANTITATIVO
BALANÇA PEDIÁTRICA 1
BALANÇA PEDIATRICA COM BERÇO 2
BALÃO INTRA-AÓRTICO 1
BERÇO AQUECIDO 8
BI LEVEL 2
BICICLETA ERGOMÉTRICA 7
BIO MERIEUX 1
BOMBA CENTRIFUGA UNIDADE CONTROLADORA 1
BOMBA DE CARDIOLOGIA 1
BOMBA DE INFUSÃO 20
BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 62
BRONCOFIBROSCOPIO 2
C - MAR SD500 VHS/ESR 2
CADEIRA ODONTOLÓGICA 1
Caldeira - Gerador de vapor categoria B, capacidade de 1.000 Kg/h vapor 2
CAMA ELÉTRICA 183
CAMA FAWLER COM COLCHÃO 22
CÂMARA DE CONSERVAÇÃO DE VACINAS 3
CAMARA IDENTIFICAÇÃO DE PACIENTES 1
CÂMARA IDENTIFICADORA DE FILMES RAIOS X RADIOGRÁFICO MD2 2
CAPNOGRAFO 2
CARDIOVESOR 11
CARRINHO AUXILIAR 2
CARRINHO DE EMERGÊNCIA 7
CARRINHO DE PARADA 2
CARRINHO PARA BISTURI ELETRÔNICO 4
CARRO COM APARELHO DE ANESTESIA 3
CARRO DE RESSUSCITAÇÃO 1
CARRO DE ANESTESIA 3
CARRO DE EMERGÊNCIA 6
CARRO DE EMERGÊNCIA COM CARDIOVERSOR 4
CARRO DE PARADA CARDÍACA 1
CARRO DE URGÊNCIA 1
CARRO PARA ECG 2
CARRO PARA UTI 6
CELOMATIC2 1
CENTRAL DE HOLTER GRAVADOR DE HOLTER 1
CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 9
CENTRÍFUGA 15
CINEANGEOGRAFIA 2
CIRCULADOR D'ÁGUA PARA CARDIOPLEGIA 1
COMPRESSOR ODONTOLÓGICO 1
CONSOLE BALÃO A ARTICO ARROW II 1
CONTADOR DE CELULAS (COUTER) 3
CONTROLADOR DE TEMPERATURA 1
CUTTER EM AÇO INOX 1
DEBIMETRO PARA MEDIR RESISTENCIA PULMONAR 1
60

EQUIPAMENTO QUANTITATIVO
DESFRIBILADOR 27
DESTILADOR DE ÁGUA 3
DESUMIDIFICADOR 7
ELETROCARDIÓGRAFO 50
EQUIPAMENTO DE ECOGRADIÓGRAFO 2
EQUIPAMENTO DE ULTRASONOGRAFIA 3
EQUIPO ODONTOLÓGICO 1
ERGOESPIROMETRIA COMPLETA 1
ESPECTROFOTÔMETRO 2
ESTEIRA ERGOMÉTRICA 9
ESTUFA 8
FOCO CIRÚRGICO 41
FONTE DE LUZ 4
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUÊNCIA BIPAP 6
GRAVADOR DE HOLTER 11
HEMOCENTRADOR DE SANGUE 1
HOMOGENEIZADOR DE SANGUE 2
IMPRESSORA COULTER 1
IMPRESSORA LASERJET 1
INCUBADORA 7
INJETORA DE CONSTRATE 2
MACA BALANÇA 1
MÁQUINA EXTRA CORPOREA 1
MÁQUINA BYOTMP 1
MÁQUINA DE CARDIOPLAGIA 1
MÁQUINA DE HEMOTRANSFUSÃO 1
MÁQUINA DE HIPO-HIPERTERMIA, MEDI-THERM 3
MÁQUINA EXTRA CORPOREA 6
MESA GIRÚRGICA 16
MICROSCÓPIO BINOCULAR 8
MISTURADOR DE GASES 3
MODULO ANALISADOR DE GASES 1
MODULO DE BATERIA 29
Módulo de CO 11
MÓDULO DE DÉBITO CARDÍACO 3
Módulo de ECG 7
Módulo de ER 23
Módulo de ETCO2 6
MODULO DE IBP 28
Módulo de NIBP 31
Módulo de SPO2 31
Módulo de Temperatura 25
MÓDULO TROCADOR DE COR, PARA CARDIOPLAGIA 1
MONITOR CARDIACO 129
MONITOR DE COAGULAÇÃO 1
MONITOR DE ECG 17
MONITOR DE HOLTER C/17" 1
MONITOR DE PULSO 1
61

EQUIPAMENTO QUANTITATIVO
MONITOR DE SINAIS VITAIS 11
MONITOR MULTIPARAMENTRO 2
NEGATOSCÓPIO 116
OXÍCAPNÓGRAFO 3
OXIDO NITRICO 1
OXIMETRO DE PULSO 27
POLIGRÁFO 2
PROCESSADORA AUTOMÁTICA PARA RAIOS X 1
PROCESSADORA DE RAIOS X 11
Rack 28
REFLETOR COM HASTE FLEXIVEL 4
REFLETOR ODONTOLÓGICO 2
RESPIRADOR 60
RODA DE OMBRO 4
TAGARNO 35 D 1
TENSIOMETRO COM SUPORTE 6
TENSIOMETRO DE COLUNA 48
TENSIÔMETRO DE MESA 9
TENSIOMETRO DE PAREDE 21
TROLEY 2
UNIDADE DE TERAPIA RENAL 1
VAPRAR Á VAPOR 1
VÍDEO BRONCOSCOPIO 1
VIDEO DA CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 1
VITRINE SPRINGER - V400C 2
WARM AIR HYPERTHERMIA SYSTEM 1
TOTAL 1542

OBS: Este quantitativo foi elaborado com base no inventário concluído em dezembro de 2006

Eng. Cícero R. M. Albuquerque Engª. Vera Marta Neves Amarante Rabay


UNSEG/ENGENHARIA – HM Gestora da UNSEG/Engenharia – HM
62

APÊNDICE 2

SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ


HOSPITAL DE MESSEJANA DR.CARLOS ALBERTO STUDART GOMES
UNIDADE DE SERVIÇOS GERAIS - ENGENHARIA

Relação de equipamentos médico-hospitalares


Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA
1 AGITADOR 121507
2 AGITADOR DE PLAQUETAS 110459 HELMER LABS
3 AGITADOR DE TUBOS 121594 PHOENIX
4 AMALGADOR ODONTOLÓGICO 49591 5056 DELTRONIX
5 AMALGADOR ODONTÓLOGICO 123190 DABI ATLANTE
6 ANALISADOR DE HOLTER CARDIOS 163688
7 APARELHO BANHO MARIA 145379
8 APARELHO DE ANESTESIA 129786 TAKAOKA
9 APARELHO DE ANESTESIA 129681 TAKAOKA
10 APARELHO DE ANESTESIA 165716 0404 - CARRO TAKAOKA
11 APARELHO DE ANESTESIA 163645 2618 - CARRO TAKAOKA
12 APARELHO DE ANESTESIA 127337 830 - CARRO TAKAOKA
13 APARELHO DE ANESTESIA 129317 403 - CARRO TAKAOKA
14 APARELHO DE ANESTESIA 164629 FUGI MAXIMUS
15 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 100639
16 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 164310 00126 ETHICON
17 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 165734 0081 WEM
18 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 164309 55501 WEM
19 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 165720 208055 WEM
20 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 406 0113 WEM
21 APARELHO DE BISTURI ELÉTRICO 116904 0108 WEM
22 APARELHO DE BISTURI ELETRÔNICO 49525
23 APARELHO DE BISTURI ELETRÔNICO 100079 CY0586II DELTRONIX
24 APARELHO DE BISTURÍ ULTRA-SÔNICO 129325 75298 ETHICON
25 APARELHO DE BRAILE 411 BLD001
26 APARELHO DE ECOCARDIOGRAMA 54240 HITACHI
27 APARELHO DE ECOCARDIOGRAMA 127067 MO 0542 ALOKA
28 APARELHO DE ECOCARDIOGRAMA 111888 SE12501803 HITACHI
29 APARELHO DE ECOGRAMA COMPLETO 210 INTERSPEC
30 APARELHO DE ECOGRAMA COMPLETO 209 GE
31 APARELHO DE ELETROENCEFALOGRAMA 45818 490197 ECAFIX
32 APARELHO DE ELETROM 127032
APARELHO DE ESCOPIA PARA
33 CATETERISMO 120054 PHILIPS
34 APARELHO DE FOTOTERAPIA 100691 4T7719 FANEM
35 APARELHO DE FOTOTERAPIA 100690 HT7718 FANEM
36 APARELHO DE HEMODINÂMICA 165914 PHILIPS
UMI COMPACTO
37 APARELHO DE RAIOS X 130056 0242 PLUS
38 APARELHO DE RAIOS X 128288 1051/02283 SIEMENS
39 APARELHO DE RAIOS X 117 TOSHIBA
40 APARELHO DE RAIOS X 51143 CR-7 INTERCAL
63

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


41 APARELHO DE RAIOS X 32930437 UNIMAX B
42 APARELHO DE RAIOS X 51440 CGR SUPRA C
43 APARELHO DE RAIOS X 1175 T6582142 TOSHIBA
2342
44 APARELHO DE RAIOS X 162674 (ESTATIVA); SIEMENS
562(MESA)
45 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 166355 SIEMENS
46 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 166367
47 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 127209
48 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 166349 SIEMENS
49 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 164312 MEDTRONIC
50 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 130315 UMI AQUILLA 100
51 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 166354 INTERCAL
52 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 71347 SERIOPHOS 4
53 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 129247 UMI AQUILLA 100
54 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 166348 511440
55 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 164313 CGR SUPRA C
56 APARELHO DE RAIOS X MÓVEL 127210 MEDITRONIK
57 APARELHO DE RAIOS X ODONTOLÓGICO 123197 DABI ATLANTE
58 APARELHO DE SUAGANS 74648
59 APARELHO DE TCA-MCA 163666 09961130
60 APARELHO DE TCA-MCA 164661 104509
61 APARELHO DE TCA-MCA 129850 4565
APARELHO DE TOMOGRAFIA
62 COMPUTADORIZADA 379 193216YM9 G.E.
63 APARELHO FOTOPOLINERILIZADOR 123191 DABI ATLANTE
64 APARELHO GASOMETRO 127033
65 APARELHO SONY COLOR VIDEO PRINTER 127069 SONY
66 AQUECEDOR 117058 811418 QUIMIS
67 AQUECEDOR 127138 GAYMAR
68 ARCO CIRÚRGICO 165920 PHILIPS
69 ASPIRADOR CIRÚRGICO 51388
70 ASPIRADOR CIRÚRGICO 165929 NEVONI
71 ASPIRADOR CIRÚRGICO 120059
72 ASPIRADOR CIRÚRGICO 52796 FANEM
73 ASPIRADOR CIRÚRGICO 409
74 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129602 NEVONI
75 ASPIRADOR CIRÚRGICO 120072
76 ASPIRADOR CIRÚRGICO 410
77 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129791
78 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129792
79 ASPIRADOR CIRÚRGICO 123233 NEVONI
80 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129994 FANEM
81 ASPIRADOR CIRÚRGICO 126968
82 ASPIRADOR CIRÚRGICO 120058
83 ASPIRADOR CIRÚRGICO 163965 FANEM
84 ASPIRADOR CIRÚRGICO 169774 FANEM
85 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160626 FANEM
86 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101471 FANEM
64

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


87 ASPIRADOR CIRÚRGICO 163671
88 ASPIRADOR CIRÚRGICO 413
89 ASPIRADOR CIRÚRGICO 127415 12236
90 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101475 FANEM
91 ASPIRADOR CIRÚRGICO 127413
92 ASPIRADOR CIRÚRGICO 128235
93 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101472 FANEM
94 ASPIRADOR CIRÚRGICO 127347 8910401 KSS
95 ASPIRADOR CIRÚRGICO 169773 FANEM
96 ASPIRADOR CIRÚRGICO 163964 GAB 5982 FANEM
97 ASPIRADOR CIRÚRGICO 384 DABI ATLANTE
98 ASPIRADOR CIRÚRGICO 127039 NEVONI
99 ASPIRADOR CIRÚRGICO 116887
100 ASPIRADOR CIRÚRGICO 67788
101 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129991 RAB1644 FANEM
102 ASPIRADOR CIRÚRGICO 100689 FANEM
103 ASPIRADOR CIRÚRGICO 169189 FANEM
104 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129394
105 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129333 NEVONI
106 ASPIRADOR CIRÚRGICO 128721
107 ASPIRADOR CIRÚRGICO 128717 FANEM
108 ASPIRADOR CIRÚRGICO 128483
109 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129993 RAB1643 FANEM
110 ASPIRADOR CIRÚRGICO 123618 BE 10160 FANEM
111 ASPIRADOR CIRÚRGICO 527 BE 13696 FANEM
112 ASPIRADOR CIRÚRGICO 526 BE10981 FANEM
113 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101474 BE10984 FANEM
114 ASPIRADOR CIRÚRGICO 129992 RAB 1645 FANEM
115 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101473 BE10971 FANEM
116 ASPIRADOR CIRÚRGICO 123750 BE10161 FANEM
117 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101476 FANEM
118 ASPIRADOR CIRÚRGICO 156729 BE 13695 FANEM
119 ASPIRADOR CIRÚRGICO 100147 BE10983 FANEM
120 ASPIRADOR CIRÚRGICO 100686 BE10812 FANEM
121 ASPIRADOR CIRÚRGICO 100687 FANEM
122 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160071 BE 13706 FANEM
123 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160072 BE 13712 FANEM
124 ASPIRADOR CIRÚRGICO 100688 BE1081 FANEM
125 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160073 BE 13708 FANEM
126 ASPIRADOR CIRÚRGICO 385 BE10159 FANEM
127 ASPIRADOR CIRÚRGICO 163966 GAB 5984 FANEM
128 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160074 BE 13707 FANEM
129 ASPIRADOR CIRÚRGICO 160076 BE13704 FANEM
130 ASPIRADOR CIRÚRGICO 156727 BE13700 FANEM
131 ASPIRADOR CIRÚRGICO 156726 BE 13699 FANEM
132 ASPIRADOR CIRÚRGICO 169193 FANEM
133 ASPIRADOR CIRÚRGICO 101470 BE10982 FANEM
134 AUTOCLAVE HORIZONTAL 15 BAUMER
65

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


135 AUTOCLAVE HORIZONTAL 129758 LUFERCO
136 AUTOCLAVE HORIZONTAL 129759 1941 LUFERCO
137 AUTOCLAVE VERTICAL 123055
138 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 163835
139 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 121195 29559 WELMY
140 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 126953
141 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 11740
142 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 116835 27543 FILIZOLA
143 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 130430 083774 FILIZOLA
144 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 129494 9518 FILIZOLA
145 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 127260
146 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 163976 0058429-0 WELMY
147 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 121380 FILIZOLA
148 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 129163
149 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 4214 31611 FILIZOLA
150 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 101400 MARC
151 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 163557 3898 WELMY
152 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 101686 12607 FILIZOLA
153 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 123508 MR. WELMY
154 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 127787 53324 SINGER
155 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 128024
156 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 128179
157 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 128425 WELMY
158 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 128672 FILIZOLA
159 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA 127371
160 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 160302 2226 WELMY
161 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 160682 2228 WELMY
162 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 129452 MALMAK
163 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 148437 289 BALMAK
164 BALANÇA ANTOPOMÉTRICA ELETRÔNICA 129894
165 BALANÇA COM DOIS PRATOS 117054 MARTE
166 BALANÇA ELETRÔNICA 164376 FILIZOLA
167 BALANÇA ELETRÔNICA 1016 FILIZOLA
168 BALANÇA ELETRÔNICA 148436 288 BALMAK
169 BALANÇA ELETRÔNICA 101689 FILIZOLA
170 BALANÇA ELETRÔNICA 101687 FELIZOLA
171 BALANÇA ELETRÔNICA 129964 WELMY
172 BALANÇA ELETRÔNICA DE PRECISÃO 117053 195343 MARTE
173 BALANÇA INFANTIL ELETRÔNICA 127226 04074001704AF TOLEDO
174 BALANÇA INFANTIL ELETRÔNICA 163558 1100 DIGIPESO
175 BALANÇA INFANTIL ELETRÔNICA 148438 317 BALMAK
176 BALANÇA INFANTIL ELETRÔNICA 148439 00308 BALMAK
177 BALANÇA MACA 4427
178 BALANÇA PEDIÁTRICA 101690 5284 FILIZOLA
179 BALANÇA PEDIATRICA COM BERÇO 100817 99740759-MA TOLEDO
180 BALANÇA PEDIATRICA COM BERÇO 113264 3711 WELMY
181 BALÃO INTRA-AÓRTICO 129326 ARROW
182 BANHO MARIA 4340 FANEM
66

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


183 BANHO MARIA 127343
184 BANHO MARIA 110455 220 FANEM
185 BANHO MARIA 17940 156 FANEM
186 BANHO MARIA 43302 156 FANEM
187 BANHO MARIA 121557 FABBE
188 BANHO MARIA 121529 FANEM
189 BANHO MARIA 127670 FANEM
190 BERÇO AQUECIDO 127276 GIGANTE
191 BERÇO AQUECIDO 127275 GIGANTE
192 BERÇO AQUECIDO 127277 GIGANTE
193 BERÇO AQUECIDO 100684 HT7531 FANEM
194 BERÇO AQUECIDO 100683 FS8714 FANEM
195 BERÇO AQUECIDO 100682 HT7530 FANEM
196 BERÇO AQUECIDO 100681 HT7532 FANEM
197 BERÇO AQUECIDO 127162 HT7533 FANEM
198 BI LEVEL 160051 BREAS
199 BI LEVEL TIME 160052 BREAS
200 BICICLETA ERGOMÉTRICA 127629 TECNO STAR
201 BICICLETA ERGOMÉTRICA 129200 SUNDOWN
202 BICICLETA ERGOMÉTRICA 57794
203 BICICLETA ERGOMÉTRICA 127631 TECNOSTAR
204 BICICLETA ERGOMÉTRICA 127632 TECNO STAR
205 BICICLETA ERGOMÉTRICA 128423
206 BICICLETA ERGOMÉTRICA 127633 SUNDOWN
207 BIO MERIEUX 121545 012A2962 BIO MERIEUX
BOMBA CENTRIFUGA UNIDADE
208 CONTROLADORA 373 5308A101 INCOR-HC
209 BOMBA DE CARDIOLOGIA 165724 2007MCP DMG
SAMTRONIC/
210 BOMBA DE INFUSÃO 504 668106
ARCOMED
SAMTRONIC/
211 BOMBA DE INFUSÃO 503 680106
ARCOMED
SANTRONIC/
212 BOMBA DE INFUSÃO 496 682106
ARCOMED
SAMTRONIC/
213 BOMBA DE INFUSÃO 508 663106
ARCOMED
SAMTRONIC/
214 BOMBA DE INFUSÃO 497 671106
ARCOMED
SAMTRONIC/A
215 BOMBA DE INFUSÃO 507 659106
RCOMED
SAMTRONIC/
216 BOMBA DE INFUSÃO 510 683106
ARCOMED
SAMTRONIC/
217 BOMBA DE INFUSÃO 498 681106
ARCOMED
SAMTRONIC/
218 BOMBA DE INFUSÃO 505 662106
ARCOMED
SAMTRONIC/
219 BOMBA DE INFUSÃO 502 661106
ARCOMED
ARCOMED/
220 BOMBA DE INFUSÃO 416
SAMTRONIC
SAMTRONIC/
221 BOMBA DE INFUSÃO 499 666106
ARCOMED
222 BOMBA DE INFUSÃO 414 B. BRAUN
67

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


SAMTRONIC/
BOMBA DE INFUSÃO 511 665106
223 ARCOMED
SAMTRONIC/
BOMBA DE INFUSÃO 500 677106
224 ARCOMED
SAMTRONIC/
BOMBA DE INFUSÃO 506 676106
225 ARCOMED
SAMTRONIC/
BOMBA DE INFUSÃO 509 675106
226 ARCOMED
SAMTRONIC/
BOMBA DE INFUSÃO 501 672106
227 ARCOMED
ARCOMED/
BOMBA DE INFUSÃO 104240 12096-02
228 SAMTRONIC
ARCOMED/
BOMBA DE INFUSÃO 104233 12105-02
229 SAMTRONIC
230 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127284 84538 B/BRAUN
231 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127279 B/BRAUN
232 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127280 84530 B/BRAUN
233 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127283 61293 B/BRAUN
234 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127285 B/BRAUN
235 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127281 84527 B/BRAUN
236 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 127278
ARCOMED/
237 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 116915 430901
SAMTRONIC
ARCOMED/
238 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 469 457901
SAMTRONIC
ARCOMED/
239 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 104230 12112-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
240 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 447 12106-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
241 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 446 8321
SAMTRONIC
ARCOMED/
242 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 445 8260
SAMTRONIC
ARCOMED/
243 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 444 12109-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
244 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 462 660106
SAMTRONIC
ARCOMED/SAMTR
245 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 443 8708
ONIC
ARCOMED/SAMTR
246 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 485 370809
ONIC
ARCOMED/
247 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 468 443901
SAMTRONIC
ARCOMED/
248 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 480 465901
SAMTRONIC
ARCOMED/
249 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 486 8168
SAMTRONIC
ARCOMED/
250 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 475 374809
SAMTRONIC
ARCOMED/
251 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 442 12117-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
252 465 463901
BOMBA DE INFUSÃO SERINGA SAMTRONIC
ARCOMED/
253 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 477 464901
SAMTRONIC
ARCOMED/
254 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 466 428901
SAMTRONIC
68

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


ARCOMED/
255 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 467 423901
SAMTRONIC
ARCOMED/
256 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 470 439901
SAMTRONIC
ARCOMED/
257 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 490 7988
SAMTRONIC
ARCOMED/
258 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 476 8691
SAMTRONIC
ARCOMED/
259 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 489 462901
SAMTRONIC
ARCOMED/
260 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 471 376809
SAMTRONIC
ARCOMED/
261 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 464 670106
SAMTRONIC
ARCOMED/
262 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 454 427901
SAMTRONIC
ARCOMED/
263 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 456 678106
SAMTRONIC
ARCOMED/
264 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 479 442901
SAMTRONIC
ARCOMED/
265 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 460 461901
SAMTRONIC
ARCOMED/
266 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 474 465703
SAMTRONIC
ARCOMED/
267 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 472 452901
SAMTRONIC
ARCOMED/
268 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 457 440901
SAMTRONIC
ARCOMED/
269 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 458 455901
SAMTRONIC
ARCOMED/
270 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 473 459901
SAMTRONIC
ARCOMED/
271 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 481 381809
SAMTRONIC
ARCOMED/
272 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 459 667106
SAMTRONIC
ARCOMED/
BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 448 12114-02
273 SAMTRONIC
ARCOMED/
274 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 482 365809
SAMTRONIC
ARCOMED/
275 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 449 7829
SAMTRONIC
ARCOMED/
276 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 487 444901
SAMTRONIC
ARCOMED/
277 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 483 12095-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
278 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 104248 12104 02
SAMTRONIC
ARCOMED/
279 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 478 379809
SAMTRONIC
ARCOMED/
280 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 488 371809
SAMTRONIC
ARCOMED/
281 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 453 12097-02
SAMTRONIC
ARCOMED/
282 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 104242 12103 02
SAMTRONIC
ARCOMED/
283 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 452 8655
SAMTRONIC
69

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


ARCOMED/SAMTR
284 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 461 495808
ONIC
ARCOMED/SAMTR
285 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 451 12101-02
ONIC
ARCOMED/SAMTR
286 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 455 674106
ONIC
ARCOMED/SAMTR
287 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 450 12140-02
ONIC
ARCOMED/SAMTR
288 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 493 673106
ONIC
ARCOMED/SAMTR
289 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 494 684106
ONIC
ARCOMED/SAMTR
290 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 492 679106
ONIC
ARCOMED/SAMTR
291 BOMBA DE INFUSÃO SERINGA 495 664106
ONIC
292 BRONCOFIBROSCOPIO 145341 OLIMPUS
293 BRONCOFIBROSCOPIO 164897 OLYMPUS
294 C - MAR SD500 VHS/ESR 121533 C - MAR
295 C - MAR SD500 VHS/ESR 121532 C - MAR
296 CADEIRA ODONTOLÓGICA 123192 DABI ATLANTE
Caldeira - Gerador de vapor categoria B,
297 capacidade de 1.000 Kg/h vapor, PMTA: 16 10222 ATA
10,55 Kgf/cm²
298 CAMA ELÉTRICA 156708 196 MERCEDES IMEC
299 CAMA ELÉTRICA 156703 200 MERCEDES IMEC
300 CAMA ELÉTRICA 156704 185 MERCEDES IMEC
301 CAMA ELÉTRICA 156705 MERCEDES IMEC
302 CAMA ELÉTRICA 156706 198 MERCEDES IMEC
303 CAMA ELÉTRICA 156709 187 IMEC
304 CAMA ELÉTRICA 156701 195 MERCEDES
305 CAMA ELÉTRICA 156702 190 MERCEDES
306 CAMA ELÉTRICA 156713 210 MERCEDES IMEC
307 CAMA ELÉTRICA 156711 186 MERCEDES IMEC
308 CAMA ELÉTRICA 156712 189 IMEC
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
309 165646
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
310 165648
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
311 165649
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
312 165643
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
313 165644
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
314 165645
REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA COM CABECEIRA
315 165647
REMOVÍVEL
316 CAMA ELÉTRICA FAWLER 128033
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165632
317 CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
318 165631
CABECEIRA REMOVIVEL
70

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
319 165606
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
320 165616
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
321 165615
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
322 165604
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
323 165605
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
324 165602
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
325 165623
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
326 165618
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
327 163578
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
328 165640
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
329 165622
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
330 163588
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
331 163587
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
332 163586
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
333 163585
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
334 163584
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
335 163583
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
336 163582
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
337 163581
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
338 163580
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
339 163562
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
340 163579
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
341 165626
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
342 163569
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
343 163563
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
344 163564
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
345 163565
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
346 163568
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
347 163577
CABECEIRA REMOVIVEL
71

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
348 163570
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
349 CABECEIRA REMOVIVEL 163571
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
350 163573
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
351 163574
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
352 163575
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
353 163576
CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
163567
354 CABECEIRA REMOVIVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
355 165684
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
356 165685
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
357 165686
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
358 165687
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
359 165639
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
360 165683
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
361 165682
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
362 165681
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
363 165603
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
364 165601
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
365 165679
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
366 165614
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
367 165617
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
368 165678
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
369 165677
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
370 165638
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
371 165650
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
372 165642
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
373 165641
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
374 165676
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
375 165611
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
376 165619
CABECEIRA REMOVÍVEL
72

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
377 165620
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
378 165621
CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165613
379 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165612
380 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165637
381 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165610
382 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165609
383 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165608
384 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165607
385 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165630
386 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165624
387 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165633
388 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165634
389 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165680
390 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165635
391 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165629
392 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165628
393 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165636
394 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165627
395 CABECEIRA REMOVÍVEL
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM
165625
396 CABECEIRA REMOVÍVEL
397 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145151 SANTA CLARA
398 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145153 SANTA CLARA
399 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145152 SANTA CLARA
400 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145183 SANTA CLARA
401 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145184 SANTA CLARA
402 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145154 SANTA CLARA
403 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145185 SANTA CLARA
404 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145186 SANTA CLARA
405 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145187 SANTA CLARA
406 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145189 SANTA CLARA
407 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145150 SANTA CLARA
408 CAMA ELÉTRICA FAWLER COM COLCHÃO 145188 SANTA CLARA
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM GRADES
409 163723
LATERAIS
CAMA ELÉTRICA FAWLER COM GRADES
410 163728
LATERAIS
73

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


CAMA ELÉTRICA FAWLER COM GRADES
411 163724
LATERAIS
412 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169412
413 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169429
414 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169410
415 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169422
416 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169423
417 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169424
418 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169425
419 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169426
420 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169420
421 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169428
422 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169419
423 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169785
424 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169786
425 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169787
426 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169788
427 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169789
428 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 1694402
429 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169427
430 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169409
431 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169402
432 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169403
433 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169404
434 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169405
435 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169406
436 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169421
437 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169408
438 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169401
439 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169411
440 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169413
441 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169414
442 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169415
443 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169416
444 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169417
445 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169418
446 CAMA ELÉTRICA FAWLER LUXO 169407
447 CAMA ELÉTRICA FAWLER SUPER LUXO 163592
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
448 164626
MOTORES
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
449 164625
MOTORES
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
450 164624
MOTORES
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
451 164621
MOTORES
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
452 164623
MOTORES
CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
453 164620
MOTORES
454 CAMA ELÉTRICA FAWLLER C/04 MOTORES 164627
74

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


CAMA ELÉTRICA FAWLLER COM 04
455 124622
MOTORES
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
456 163708
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
457 163716
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
458 163715
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
459 163714
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
460 163713
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
461 163712
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
462 163711
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
463 163717
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
464 163709
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
465 163721
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
466 163707
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
467 163706
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
468 163705
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
469 163710
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
470 163730
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
471 163719
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
472 163731
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
473 163718
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
474 163729
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
475 163727
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
476 163726
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
477 163725
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
478 163722
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
479 163720
LATERAIS
CAMA ELETRICA FAWLLER COM GRADES
480 163732
LATERAIS
481 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145161 SANTA CLARA
482 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145158
483 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145163 SANTA CLARA
484 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145160 SANTA CLARA
485 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145149 SANTA CLARA
75

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


486 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145162 SANTA CLARA
487 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145172
488 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145159 SANTA CLARA
489 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145190 SANTA CLARA
490 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145171 SANTA CLARA
491 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145170 SANTA CLARA
492 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145169 SANTA CLARA
493 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145168 SANTA CLARA
494 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145167 SANTA CLARA
495 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145166 SANTA CLARA
496 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145165 SANTA CLARA
497 CAMA FAWLER COM COLCHÃO 145164 SANTA CLARA
CAMA FAWLER SUPER LUXO COM
498 129853
GRADES
CAMA FAWLER SUPER LUXO COM
499 129854
GRADES
CAMA FAWLER SUPER LUXO COM
500 129855
GRADES
CAMA FAWLER SUPER LUXO COM
501 129856
GRADES
CAMA FAWLER SUPER LUXO COM
502 129857
GRADES
503 CÂMARA DE CONSERVAÇÃO DE VACINAS 160057 FANEM
504 CÂMARA DE CONSERVAÇÃO DE VACINAS 160056 FANEM
505 CÂMARA DE CONSERVAÇÃO DE VACINAS 158738 FANEM
506 CAMARA IDENTIFICAÇÃO DE PACIENTES 164806
CÂMARA IDENTIFICADORA DE FILMES
128293 KODAK
507 RAIOS X RADIOGRÁFICO MD2 20341
CÂMARA IDENTIFICADORA DE FILMES KODAK X -
508 RAIOS X RADIOGRÁFICO MD2 130062 20318 OMATIC
509 CAPNOGRAFO 66674 94A20007 DIXTAL
510 CAPNOGRAFO 66673 94A20008 DIXTAL
511 CARDIOVERSOR 129585
512 CARDIOVERSOR 129565
513 CARDIOVERSOR 164802 85113 LANCO
514 CARDIOVERSOR 129165 1011170502121 HELLIGE
515 CARDIOVERSOR 116914
516 CARDIOVERSOR 129464
517 CARDIOVERSOR 60085
518 CARDIOVERSOR 127336 701676 ECAFIX
519 CARDIOVERSOR 165550 HELLIGE
520 CARDIOVESOR 145218 101115318 GE MEDICAL
521 CARDIOVESOR 396 MARQUETTE
522 CARRINHO AUXILIAR 163957 57585
523 CARRINHO AUXILIAR 1,64E+08 57584
524 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 160301
525 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 142509
526 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 157078
527 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 156738
528 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 156737
529 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 156736
76

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


530 CARRINHO DE EMERGÊNCIA 157079
531 CARRINHO DE PARADA 156731
532 CARRINHO DE PARADA 156730
533 CARRINHO PARA BISTURI ELETRÔNICO 165512
534 CARRINHO PARA BISTURI ELETRÔNICO 165510
535 CARRINHO PARA BISTURI ELETRÔNICO 165511
536 CARRINHO PARA BISTURI ELETRÔNICO 165509
537 CARRO COM APARELHO DE ANESTESIA 120071
538 CARRO COM APARELHO DE ANESTESIA 129398
539 CARRO COM APARELHO DE ANESTESIA 129779
540 CARRO DE RESSUSCITAÇÃO 101446 METRO
541 CARRO DE ANESTESIA 415
542 CARRO DE ANESTESIA 163949
543 CARRO DE ANESTESIA 163977
544 CARRO DE EMERGÊNCIA 127300
545 CARRO DE EMERGÊNCIA 128001 METRO LIFELINE
546 CARRO DE EMERGÊNCIA 163778
547 CARRO DE EMERGÊNCIA 169170 METRO
548 CARRO DE EMERGÊNCIA 127056
549 CARRO DE EMERGÊNCIA 101447
CARRO DE EMERGÊNCIA COM
550 163672
CARDIOVERSOR ECAFIX
CARRO DE EMERGÊNCIA COM
551 163613
CARDIOVERSOR ECAFIX
CARRO DE EMERGÊNCIA COM
552 163974
CARDIOVERSOR
CARRO DE EMERGÊNCIA COM
553 163674 ECAFIX
CARDIOVERSOR
554 CARRO DE PARADA CARDÍACA 123422 SWING
555 CARRO DE URGÊNCIA 169770
556 CARRO PARA ECG 165587
557 CARRO PARA ECG 169210 LANCO
558 CARRO PARA UTI 103926
559 CARRO PARA UTI 107930
560 CARRO PARA UTI 103929
561 CARRO PARA UTI 103927
562 CARRO PARA UTI 103931
563 CARRO PARA UTI 107928
564 CELOMATIC2 121551
CENTRAL DE HOLTER GRAVADOR DE
565 524 TK-0607 CARDIO SISTEMA
HOLTER
566 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 163343
567 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 160042 000096 DIXTAL
568 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 157077 000094 DIXTAL
569 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 160669 000098 DIXTAL
570 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 160698 000093 DIXTAL
571 CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 160041 000095 DIXTAL
572 CENTRÍFUGA 49138 BAXTER
573 CENTRÍFUGA 110454 FANEM
574 CENTRÍFUGA 5334 DIA MED ID
77

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


575 CENTRIFUGA CAPACIDADE 06 TUBOS 121577
576 CENTRIFUGA CAPACIDADE 06 TUBOS 127667 FANEM
577 CENTRÍFUGA CAPACIDADE 06 TUBOS 121578 FANEM
578 CENTRÍFUGA CAPACIDADE 08 TUBOS 127669 FANEM
579 CENTRIFUGA CAPACIDADE 16 TUBOS 121593
580 CENTRÍFUGA CAPACIDADE 16 TUBOS 51359 CELM
581 CENTRÍFUGA CAPACIDADE 16 TUBOS 121547 BIO ENG
582 CENTRÍFUGA CAPACIDADE 8 TUBOS 54415 FANEM
CENTRÍFUGA CLÍNICA ANGLO FIXO (12
583 164816
TUBOS)
CENTRIFUGA COM CAPACIDADE 28
584 164815
TUBOS
585 CENTRÍFUGA EM AÇO INOX 164878 SKYMSEN
586 CENTRÍFUGA MARCA 129380 DIA MED-ID
587 CINEANGEOGRAFIA 116905 MR-SIEMENS
588 CINEANGEOGRAFIA 116888 PL51096 PHILIPS
CIRCULADOR D'ÁGUA PARA
589 27
CARDIOPLEGIA BRAILE
590 COMPRESSOR ODONTOLÓGICO 127364 042764 SHULTZ
591 CONSOLE BALÃO A ARTICO ARROW II 127334
592 CONTADOR DE CELULAS (COUTER) 121541 LEUCOTRON
593 CONTADOR DE CELULAS (COUTER) 121542 2479/34 LEUCOTRON
594 CONTADOR DE CÉLULAS (COUTER) 68144 W40274 COULTER
595 CONTROLADOR DE TEMPERATURA 147151 INDREL
596 CUTTER EM AÇO INOX 164877 SKYMSEN
DEBIMETRO PARA MEDIR RESISTENCIA
597 127340 BAXTER
PULMONAR 30657L
598 DESFIBRILADOR 160084 PHILIPS
599 DESFIBRILADOR 128477
600 DESFIBRILADOR 160082 PHILIPS
601 DESFIBRILADOR 120055
602 DESFIBRILADOR 130411 0182178 FUNBEC
603 DESFIBRILADOR 130303 HP
604 DESFIBRILADOR 127344 6751809
605 DESFIBRILADOR 160303 US00121276 PHILIPS
606 DESFIBRILADOR 107947 6 HELLIGE
607 DESFIBRILADOR 160085 PHILIPS
608 DESFIBRILADOR 74665
609 DESFIBRILADOR 52628
610 DESFIBRILADOR 127057 MARQUETT
611 DESFIBRILADOR 123762
612 DESFIBRILADOR 127932
613 DESFIBRILADOR 127135 HP
614 DESFIBRILADOR EXTERNO PORTATIL 165957
615 DESFRIBILADOR 160304 121274 PHILIPS
616 DESFRIBILADOR 160083 PHILIPS
617 DESFRIBILADOR 164308 EMAI
618 DESFRIBILADOR 380 MARQUETTE
619 DESFRIBILADOR 164305 EMAI
620 DESFRIBILADOR 164306 EMAI
78

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


621 DESFRIBILADOR 164801 PHILIPS
622 DESFRIBILADOR 164307 EMAI
623 DESFRIBILADOR 128464 MARQUETTE
624 DESFRIBILADOR 129467 FUNBEC
625 DESTILADOR DE AGUA 127026 FABBE
626 DESTILADOR DE ÁGUA 123057
627 DESTILADOR DE ÁGUA 117045 FABER
628 DESUMIDIFICADOR 164804
629 DESUMIDIFICADOR 164867
630 DESUMIDIFICADOR 164805 FG 2805 FARGON
631 DESUMIDIFICADOR 145400 FARGON
632 DESUMIDIFICADOR 126528 FARGON
633 DESUMIDIFICADOR 126534 FARGON
634 DESUMIDIFICADOR 145399 FARGON
635 ELETROCARDIOGRAFO 10
636 ELETROCARDIÓGRAFO 163649 DIXTAL
637 ELETROCARDIÓGRAFO 129161 DIXTAL
638 ELETROCARDIÓGRAFO 160676 CARDIETTE
639 ELETROCARDIÓGRAFO 160034 CARDIETTE
640 ELETROCARDIÓGRAFO 163955 DIXTAL
641 ELETROCARDIÓGRAFO 169069
642 ELETROCARDIÓGRAFO 127213 040305461 DIXTAL
643 ELETROCARDIÓGRAFO 127212 040305440 DIXTAL
644 ELETROCARDIÓGRAFO 164649
645 ELETROCARDIÓGRAFO 160033 CARDIETTE
646 ELETROCARDIÓGRAFO 156660 ADNG0085 CARDIETTI
647 ELETROCARDIÓGRAFO 4243 FUNBEC ECGS
648 ELETROCARDIÓGRAFO 116917
649 ELETROCARDIÓGRAFO 154956 ADNG0078 CARDIETTI
650 ELETROCARDIÓGRAFO 53235 ECAFIX ECG 6
651 ELETROCARDIÓGRAFO 549 95331220 DIXTAL
652 ELETROCARDIÓGRAFO 547 95331205 DIXTAL
653 ELETROCARDIÓGRAFO 546 99312807 DIXTAL
654 ELETROCARDIÓGRAFO 397 DIXTAL
655 ELETROCARDIÓGRAFO 548 50305938 DIXTAL
656 ELETROCARDIÓGRAFO 820 00363446 DIXTAL
657 ELETROCARDIÓGRAFO 819 99312827 DIXTAL
658 ELETROCARDIÓGRAFO 817 050305946 DIXTAL
659 ELETROCARDIÓGRAFO 127214 040305405 DIXTAL
660 ELETROCARDIÓGRAFO 128029 DIXTAL
661 ELETROCARDIÓGRAFO 128456 01313649 DIXTAL
662 ELETROCARDIÓGRAFO 128476 FUNBECECG5
663 ELETROCARDIÓGRAFO 95331205 DIXTAL
664 ELETROCARDIÓGRAFO 95331220 DIXTAL
665 ELETROCARDIÓGRAFO 99353106 99353106 DIXTAL
666 ELETROCARDIÓGRAFO 531775 551778 ECAFIX
667 ELETROCARDIÓGRAFO 123620 DIXTAL
668 ELETROCARDIÓGRAFO 130302 99343018 DIXTAL
79

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


669 ELETROCARDIÓGRAFO 129473 ECAFIX
670 ELETROCARDIÓGRAFO 129429 99312823 DIXTAL
671 ELETROCARDIÓGRAFO 128734 DIXTAL
672 ELETROCARDIÓGRAFO 127156 DIXTAL
673 ELETROCARDIÓGRAFO 129451 ECAFIX
674 ELETROCARDIÓGRAFO 123738 DIXTAL
675 ELETROCARDIÓGRAFO 4285 FUNBEC
676 ELETROCARDIÓGRAFO 123621 FUNBEC
677 ELETROCARDIÓGRAFO 52630
678 ELETROCARDIÓGRAFO 107945 99332983 DIXTAL
679 ELETROCARDIÓGRAFO 107996 99332984 DIXTAL
680 ELETROCARDIÓGRAFO 127908 DIXTAL
681 ELETROCARDIÓGRAFO 107936 99332985 DIXTAL
682 ELETROCARDIÓGRAFO 107998 99332982 DIXTAL
683 ELETROCARDIÓGRAFO 116831 531725 ECAFIX
684 ELETROCARDIÓGRAFO 127045 551778 ECAFIX
685 EQUIPAMENTO DE ECOGRADIÓGRAFO 164811 90181210 GE
686 EQUIPAMENTO DE ECOGRADIÓGRAFO 169263 GE
687 EQUIPAMENTO DE ULTRASONOGRAFIA 169262 INTERSPEC
688 EQUIPAMENTO DE ULTRASONOGRAFIA 169136 I6224262 TOSHIBA
689 EQUIPAMENTO DE ULTRASONOGRAFIA 128685 SOLOLAYER
690 EQUIPO ODONTOLÓGICO 128193 DABI ATLANTE
691 ERGOESPIROMETRIA COMPLETA 169230
692 ESPECTROFOTÔMETRO 121556 01351 COLEMAN
693 ESPECTROFOTÔMETRO 512 METERTECK
694 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 130404 TEB
695 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 130403 TEB
696 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 127636 HEAL TH
697 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 127635 RENO
698 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 64796 KT10000
699 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 130419 TEB
700 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 69746 1741 IMBRAMED
701 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 169202 KT4000
702 ESTEIRA ERGOMÉTRICA 130000
703 ESTUFA 123212
704 ESTUFA 123049 FANEM
705 ESTUFA 123048 FANEM
706 ESTUFA 121569 FANEM
707 ESTUFA 121570 FANEM
708 ESTUFA 123047 FANEM
709 ESTUFA 123050 FANEM
710 ESTUFA 121576
711 FOCO CIRÚRGICO 101454 MICROEM
712 FOCO CIRÚRGICO 165658
713 FOCO CIRÚRGICO 127930
714 FOCO CIRÚRGICO 167348
715 FOCO CIRÚRGICO 101451 MICROEM
716 FOCO CIRÚRGICO 101452 MICROEM
80

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


717 FOCO CIRÚRGICO 101453
718 FOCO CIRÚRGICO 129319
719 FOCO CIRÚRGICO 128028
720 FOCO CIRÚRGICO 129399
721 FOCO CIRÚRGICO 165652 BAUMER
722 FOCO CIRÚRGICO 129389
723 FOCO CIRÚRGICO 101456 MICROEM
724 FOCO CIRÚRGICO 129388
725 FOCO CIRÚRGICO 165737
726 FOCO CIRÚRGICO 127348
727 FOCO CIRÚRGICO 129243
728 FOCO CIRÚRGICO 129283
729 FOCO CIRÚRGICO 81477
730 FOCO CIRÚRGICO 127613
731 FOCO CIRÚRGICO 101457
732 FOCO CIRÚRGICO 120056 SIS
733 FOCO CIRÚRGICO 160077 08032284507 SISMATEC
734 FOCO CIRÚRGICO 160047 08032284502 SISMATEC
735 FOCO CIRÚRGICO 129776
736 FOCO CIRÚRGICO 160678 08032284505 SISMATEC
737 FOCO CIRÚRGICO 3127
738 FOCO CIRÚRGICO 129619
739 FOCO CIRÚRGICO 160674 08032284506 SISMATEC
740 FOCO CIRÚRGICO 123228
741 FOCO CIRÚRGICO 126544
742 FOCO CIRÚRGICO 169134
743 FOCO CIRÚRGICO 129620
744 FOCO CIRÚRGICO 126961 MICROEM
745 FOCO CIRÚRGICO 123749
746 FOCO CIRÚRGICO 128731
747 FOCO CIRÚRGICO 116910 SISMANTEC
748 FOCO CIRÚRGICO 407 061203221 BAUMER
749 FOCO CIRÚRGICO 129794 BAUMER
750 FOCO CIRÚRGICO 129318 054105306 BAUMER
751 FOCO CIRÚRGICO 127289 045103168 BAUMER
752 FONTE DE LUZ 129308
753 FONTE DE LUZ 129307 KOM LUX
754 FONTE DE LUZ 129306 KOM LUX
755 FONTE DE LUZ 127412 OLYMPUS
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUENCIA
756 163960 BIPAP
BIPAP
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUENCIA
757 163963
BIPAP
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUENCIA
758 163962
BIPAP
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUENCIA
759 163961
BIPAP
GERADOR DE FLUXO C/ FREQUÊNCIA
760 160050
BIPAP
761 GERADOR DE FLUXO C/ FREQ. BIPAP 164803
81

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


762 GRAVADOR DE HOLTER 163691
763 GRAVADOR DE HOLTER 517 7P8DVMK01-9 CARDIO SISTEMA
764 GRAVADOR DE HOLTER 519 8SSDV28104-M CARDIO SISTEMA
8SSDV281101-
765 GRAVADOR DE HOLTER 521 CARDIO SISTEMA
S
766 GRAVADOR DE HOLTER 520 8SSDV28102-Q CARDIO SISTEMA
767 GRAVADOR DE HOLTER 523 8SSDV28105-T CARDIO SISTEMA
768 GRAVADOR DE HOLTER 515 6Q0VDAQ02-6 CARDIO SISTEMA
769 GRAVADOR DE HOLTER 518 8SSDV28103-0 CARDIO SISTEMA
770 GRAVADOR DE HOLTER 516 6Q0VDAQ01-8 CARDIO SISTEMA
794DV0AQ01-
771 GRAVADOR DE HOLTER 514 CARDIO SISTEMA
G
772 GRAVADOR DE HOLTER 522 7PDV5MK02-Y CARDIO SISTEMA
773 HEMOCENTRADOR DE SANGUE 129397
774 HOMOGENEIZADOR DE SANGUE 4932
775 HOMOGENEIZADOR DE SANGUE 121540 3545 PHOENIX
776 IMPRESSORA COULTER 513
777 IMPRESSORA LASERJET 163690
778 INCUBADORA 129381 DIA MED
779 INCUBADORA 130296 FANEM
780 INCUBADORA 100737 CE0949 FANEM
781 INCUBADORA 127139 CA1615 FANEM
782 INCUBADORA 127140 CA1617 FANEM
783 INCUBADORA 525 CA1610 FANEM
784 INCUBADORA 100685 CA1546 FANEM
785 INJETORA DE CONSTRATE 127339 0696-8304 ANGIOMAT
786 INJETORA DE CONSTRATE 116903
787 MACA BALANÇA 9
788 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 52253
789 MÁQUINA BYOTMP 422 530817101
790 MÁQUINA DE CARDIOPLAGIA 129342 MACHI
791 MÁQUINA DE HEMOTRANSFUSÃO 101230
MÁQUINA DE HIPO-HIPERTERMIA, MEDI-
792 120057
THERM A702D129003 GAYMAR
MÁQUINA DE HIPO-HIPERTERMIA, MEDI- MTA 5942
793 129327
THERM E99043 GAYMAR
MÁQUINA DE HIPO-HIPERTERMIA, MEDI-
794 55137 A702AE69002
THERM GAYMAR
795 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 423 96Z6 DMG
796 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 421
797 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 78277 1045P-302 MACCHI
798 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 420 1045P306 MACHI
799 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 419 5060HZ DMG
800 MÁQUINA EXTRA CORPOREA 418 9303 DMG
801 MESA CIRURGICA 129800
802 MESA CIRURGICA 129610
803 MESA CIRURGICA 123227
804 MESA CIRURGICA 130200
805 MESA CIRURGICA 129611
806 MESA CIRÚRGICA 165555
82

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


807 MESA CIRÚRGICA 412 MC357
808 MESA CIRÚRGICA 129301
809 MESA CIRÚRGICA 166391
810 MESA CIRÚRGICA 405 ORTOSINTESE
811 MESA CIRÚRGICA 155714
812 MESA CIRÚRGICA 127420
813 MESA CIRÚRGICA 69003 MERCEDES IMEC
814 MESA CIRÚRGICA 403 DBNGO 49259
815 MESA CIRÚRGICA 129775
816 MESA GIRÚRGICA 123189 DABI ATLANTE
817 MICROSCOPIO BINOCULAR 121548 LEITZ
818 MICROSCOPIO BINOCULAR 121509 3l03660 OLYMPUS
819 MICROSCOPIO BINOCULAR 121572 3103660 OLYMPUS
820 MICROSCÓPIO BINOCULAR 121544 LEITZ
821 MICROSCÓPIO BINOCULAR 121543 LEINTZ
822 MICROSCÓPIO BINOCULAR 121588 4502 SPENCER
823 MICROSCÓPIO BINOCULAR 121575 CARL ZEISS
824 MICROSCÓPIO BINOCULAR 121591 CARLZEISS
825 MISTURADOR DE GASES 165713 BLENDER ST
826 MISTURADOR DE GASES 165733 DAIH00308833 BLENDER ST
827 MISTURADOR DE GASES 165721 BLENDER ST
828 MODULO ANALISADOR DE GASES 529 99810013 DIXTAL
829 MODULO DE BATERIA 164319 DIXTAL
830 MODULO DE BATERIA 163755 051700652 DIXTAL
831 MODULO DE BATERIA 163754 051700651 DIXTAL
832 Módulo de bateria 629 02B60648 DIXTAL
833 Módulo de bateria 609 030B01371 DIXTAL
834 Módulo de bateria 610 030B01415 DIXTAL
835 Módulo de bateria 615 030B01387 DIXTAL
836 Módulo de bateria 611 030B01378 DIXTAL
837 Módulo de bateria 612 030B01363 DIXTAL
838 Módulo de bateria 613 030B01413 DIXTAL
839 Módulo de bateria 616 030B01416 DIXTAL
840 Módulo de bateria 631 02B60645 DIXTAL
841 Módulo de bateria 617 030B01388 DIXTAL
842 Módulo de bateria 614 030B01379 DIXTAL
843 Módulo de bateria 630 02B60687 DIXTAL
844 Módulo de bateria 619 030B01382 DIXTAL
845 Módulo de bateria 620 030B01418 DIXTAL
846 Módulo de bateria 621 030B01419 DIXTAL
847 Módulo de bateria 628 02B60662 DIXTAL
848 Módulo de bateria 627 030B01420 DIXTAL
849 Módulo de bateria 622 030B01427 DIXTAL
850 Módulo de bateria 623 030B00905 DIXTAL
851 Módulo de bateria 626 030B01451 DIXTAL
852 Módulo de bateria 624 030B01456 DIXTAL
853 Módulo de bateria 625 030B01396 DIXTAL
854 Módulo de bateria 618 030B01402 DIXTAL
83

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


855 Módulo de bateria 607 030B01383 DIXTAL
856 Módulo de bateria 608 030B01414 DIXTAL
857 Módulo de bateria 606 030B01431 DIXTAL
858 Módulo de CO 637 030G01226 DIXTAL
859 Módulo de CO 641 030G01216 DIXTAL
860 Módulo de CO 640 030G01224 DIXTAL
861 Módulo de CO 642 99G10239 DIXTAL
862 Módulo de CO 638 030G01228 DIXTAL
863 Módulo de CO 636 030G01222 DIXTAL
864 Módulo de CO 635 030G01227 DIXTAL
865 Módulo de CO 634 030G01218 DIXTAL
866 Módulo de CO 632 98G40181 DIXTAL
867 Módulo de CO 633 98G40182 DIXTAL
868 Módulo de CO 639 030G01220 DIXTAL
869 MÓDULO DE DÉBITO CARDÍACO 129921
870 MÓDULO DE DÉBITO CARDÍACO 129923
871 MÓDULO DE DÉBITO CARDÍACO 129922
872 Módulo de ECG 647 01E62058 DIXTAL
873 Módulo de ECG 648 01E62069 DIXTAL
874 Módulo de ECG 649 98E41271 DIXTAL
875 Módulo de ECG 646 01E62057 DIXTAL
876 Módulo de ECG 645 01E62062 DIXTAL
877 Módulo de ECG 644 98E41253 DIXTAL
878 Módulo de ECG 643 98E31212 DIXTAL
879 Módulo de ER 660 02N81556 DIXTAL
880 Módulo de ER 659 02N81544 DIXTAL
881 Módulo de ER 658 02N81554 DIXTAL
882 Módulo de ER 657 02N81558 DIXTAL
883 Módulo de ER 656 02N81563 DIXTAL
884 Módulo de ER 655 02N81545 DIXTAL
885 Módulo de ER 661 02N81560 DIXTAL
886 Módulo de ER 662 02N71515 DIXTAL
887 Módulo de ER 654 02N81550 DIXTAL
888 Módulo de ER 663 02N81569 DIXTAL
889 Módulo de ER 653 02N81549 DIXTAL
890 Módulo de ER 652 02N81539 DIXTAL
891 Módulo de ER 651 02N81540 DIXTAL
892 Módulo de ER 650 01N30951 DIXTAL
893 Módulo de ER 667 02N81547 DIXTAL
894 Módulo de ER 668 02N81559 DIXTAL
895 Módulo de ER 665 02N91596 DIXTAL
896 Módulo de ER 666 02N91581 DIXTAL
897 Módulo de ER 670 02N91574 DIXTAL
898 Módulo de ER 671 02N91595 DIXTAL
899 Módulo de ER 664 02N81537 DIXTAL
900 Módulo de ER 669 02N81553 DIXTAL
901 Módulo de ER 672 02N91590 DIXTAL
902 Módulo de ETCO2 673 01C41677 DIXTAL
84

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


903 Módulo de ETCO2 676 99C40496 DIXTAL
904 Módulo de ETCO2 675 030C02825 DIXTAL
905 Módulo de ETCO2 677 030C02819 DIXTAL
906 Módulo de ETCO2 674 030C02813 DIXTAL
907 Módulo de ETCO2 678 030C02810 DIXTAL
908 MODULO DE IBP 130515 030I02208 DIXTAL
909 MODULO DE IBP 130514 030I02233 DIXTAL
910 Módulo de IBP 691 030I02295 DIXTAL
911 Módulo de IBP 680 02I82003 DIXTAL
912 Módulo de IBP 681 030I02342 DIXTAL
913 Módulo de IBP 682 030I02318 DIXTAL
914 Módulo de IBP 683 98I30251 DIXTAL
915 Módulo de IBP 684 98I40316 DIXTAL
916 Módulo de IBP 685 030I02324 DIXTAL
917 Módulo de IBP 686 050I03731 DIXTAL
918 Módulo de IBP 687 02I51887 DIXTAL
919 Módulo de IBP 688 030I02333 DIXTAL
920 Módulo de IBP 679 02I71973 DIXTAL
921 Módulo de IBP 690 030I02323 DIXTAL
922 Módulo de IBP 700 99I20471 DIXTAL
923 Módulo de IBP 692 030I02321 DIXTAL
924 Módulo de IBP 693 030I02322 DIXTAL
925 Módulo de IBP 694 030I02338 DIXTAL
926 Módulo de IBP 695 030I02328 DIXTAL
927 Módulo de IBP 696 030I02339 DIXTAL
928 Módulo de IBP 697 02I81987 DIXTAL
929 Módulo de IBP 698 050I04223 DIXTAL
930 Módulo de IBP 699 99I20403 DIXTAL
931 Módulo de IBP 701 030I02326 DIXTAL
932 Módulo de IBP 689 030I02331 DIXTAL
933 MÓDULO DE IBP 145376 050I03731 DIXTAL
934 MÓDULO DE IBP 145377 050I03732 DIXTAL
935 MÓDULO DE IBP 145378 050I03733 DIXTAL
936 Módulo de NIBP 718 02P72973 DIXTAL
937 Módulo de NIBP 728 98P41050 DIXTAL
938 Módulo de NIBP 727 030P03001 DIXTAL
939 Módulo de NIBP 726 030P03006 DIXTAL
940 Módulo de NIBP 725 030P03018 DIXTAL
941 Módulo de NIBP 724 030P72943 DIXTAL
942 Módulo de NIBP 723 030P02994 DIXTAL
943 Módulo de NIBP 719 02P72945 DIXTAL
944 Módulo de NIBP 721 030P03005 DIXTAL
945 Módulo de NIBP 702 01P32061 DIXTAL
946 Módulo de NIBP 720 030P02997 DIXTAL
947 Módulo de NIBP 729 02P42824 DIXTAL
948 Módulo de NIBP 714 02P72982 DIXTAL
949 Módulo de NIBP 703 01P52442 DIXTAL
950 Módulo de NIBP 708 02P72968 DIXTAL
85

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


951 Módulo de NIBP 709 02P72963 DIXTAL
952 Módulo de NIBP 710 02P72965 DIXTAL
953 Módulo de NIBP 711 02P72971 DIXTAL
954 Módulo de NIBP 707 02P72984 DIXTAL
955 Módulo de NIBP 713 02P72966 DIXTAL
956 Módulo de NIBP 706 02P72990 DIXTAL
957 Módulo de NIBP 704 98P31023 DIXTAL
958 Módulo de NIBP 715 02P72961 DIXTAL
959 Módulo de NIBP 716 02P72978 DIXTAL
960 Módulo de NIBP 705 98P30985 DIXTAL
961 Módulo de NIBP 717 02P72988 DIXTAL
962 Módulo de NIBP 722 02P72975 DIXTAL
963 Módulo de NIBP 712 02P72953 DIXTAL
964 Módulo de NIBP 730 02P42819 DIXTAL
965 Módulo de NIBP 732 02P42833 DIXTAL
966 Módulo de NIBP 731 02P42823 DIXTAL
967 Módulo de SPO2 754 030F03484 DIXTAL
968 Módulo de SPO2 746 030F03334 DIXTAL
969 Módulo de SPO2 760 030F03481 DIXTAL
970 Módulo de SPO2 761 02F33133 DIXTAL
971 Módulo de SPO2 762 02F33123 DIXTAL
972 Módulo de SPO2 736 99F11267 DIXTAL
973 Módulo de SPO2 744 030F03342 DIXTAL
974 Módulo de SPO2 759 030F03501 DIXTAL
975 Módulo de SPO2 755 030F03506 DIXTAL
976 Módulo de SPO2 763 02F33138 DIXTAL
977 Módulo de SPO2 753 030F03476 DIXTAL
978 Módulo de SPO2 752 030F03494 DIXTAL
979 Módulo de SPO2 751 02F63270 DIXTAL
980 Módulo de SPO2 750 030F03270 DIXTAL
981 Módulo de SPO2 747 030F03339 DIXTAL
982 Módulo de SPO2 738 030F03358 DIXTAL
983 Módulo de SPO2 748 030F03340 DIXTAL
984 Módulo de SPO2 749 030F03346 DIXTAL
985 Módulo de SPO2 737 030F03343 DIXTAL
986 Módulo de SPO2 740 030F03348 DIXTAL
987 Módulo de SPO2 742 030F03347 DIXTAL
988 Módulo de SPO2 764 02F33157 DIXTAL
989 Módulo de SPO2 741 030F03355 DIXTAL
990 Módulo de SPO2 756 030F03514 DIXTAL
991 Módulo de SPO2 739 030F03359 DIXTAL
992 Módulo de SPO2 758 030F03503 DIXTAL
993 Módulo de SPO2 733 01F52506 DIXTAL
994 Módulo de SPO2 734 98F31155 DIXTAL
995 Módulo de SPO2 745 030F03354 DIXTAL
996 Módulo de SPO2 735 98F31174 DIXTAL
997 Módulo de SPO2 743 030F03360 DIXTAL
998 Módulo de Temperatura 783 02T21487 DIXTAL
86

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


999 Módulo de Temperatura 778 02T11461 DIXTAL
1000 Módulo de Temperatura 786 030T01499 DIXTAL
1001 Módulo de Temperatura 777 02T11451 DIXTAL
1002 Módulo de Temperatura 776 02T11454 DIXTAL
1003 Módulo de Temperatura 775 02T11462 DIXTAL
1004 Módulo de Temperatura 787 02T21469 DIXTAL
1005 Módulo de Temperatura 788 02T21476 DIXTAL
1006 Módulo de Temperatura 772 02T11457 DIXTAL
1007 Módulo de Temperatura 784 02T21470 DIXTAL
1008 Módulo de Temperatura 789 99T20313 DIXTAL
1009 Módulo de Temperatura 768 02T11446 DIXTAL
1010 Módulo de Temperatura 769 02T11459 DIXTAL
1011 Módulo de Temperatura 779 02T11465 DIXTAL
1012 Módulo de Temperatura 785 02T21472 DIXTAL
1013 Módulo de Temperatura 782 02T21488 DIXTAL
1014 Módulo de Temperatura 781 01T81422 DIXTAL
1015 Módulo de Temperatura 774 02T11449 DIXTAL
1016 Módulo de Temperatura 766 98T50208 DIXTAL
1017 Módulo de Temperatura 767 02T21474 DIXTAL
1018 Módulo de Temperatura 770 02T11450 DIXTAL
1019 Módulo de Temperatura 780 01T81433 DIXTAL
1020 Módulo de Temperatura 773 02T11467 DIXTAL
1021 Módulo de Temperatura 771 01T81414 DIXTAL
1022 Módulo de Temperatura 765 01T31055 DIXTAL
MÓDULO TROCADOR DE COR, PARA
1023 78276
CARDIOPLAGIA
1024 MONITOR CARDIACO 127129 HP
1025 MONITOR CARDIACO 127131 HP
1026 MONITOR CARDIACO 127133 HP
1027 MONITOR CARDIACO 127134 HP
1028 MONITOR CARDIACO 127163 HP
1029 MONITOR CARDIACO 127166 HP
1030 MONITOR CARDIACO 129246
1031 MONITOR CARDIACO 129244
1032 MONITOR CARDIACO 127130 HP
1033 MONITOR CARDIACO 66781 DIXTAL
1034 MONITOR CARDIACO 129245
1035 MONITOR CARDIACO 126969
1036 MONITOR CARDIACO 116918
1037 MONITOR CARDIACO 116902
1038 MONITOR CARDIACO 152140 PHILIPS
1039 MONITOR CARDIACO 127132 HP
1040 MONITOR CARDIACO 129151 91280963 DIXTAL
1041 MONITOR CARDIACO 53280 92211043 DIXTAL
1042 MONITOR CARDIACO 551 040W07216 DIXTAL
1043 MONITOR CARDIACO 160696 031300079 DIXTAL
1044 MONITOR CARDIACO 156761 030W04265 DIXTAL
1045 MONITOR CARDIACO 552 41500237 DIXTAL
1046 MONITOR CARDIACO 129160 99V20640 DIXTAL
87

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1047 MONITOR CARDIACO 129152 99V20618 DIXTAL
1048 MONITOR CARDIACO 160611 030W05178 DIXTAL
1049 MONITOR CARDIACO 66778 DIXTAL
1050 MONITOR CARDIACO 129292 DIXTAL
1051 MONITOR CARDIACO 130211 DIXTAL
1052 MONITOR CARDIACO 130212 DIXTAL
1053 MONITOR CARDIACO 129456 DIXTAL
1054 MONITOR CARDIÁCO 130484 115378 SYNC MASTER
1055 MONITOR CARDÍACO 129141 HP
1056 MONITOR CARDÍACO 128735 DIXTAL
1057 MONITOR CARDÍACO 145360
1058 MONITOR CARDÍACO 165159 DIXTAL
1059 MONITOR CARDÍACO 60084 2334 EMAI TRANSMAI
1060 MONITOR CARDÍACO 129145 HP
1061 MONITOR CARDÍACO 129144 HP
1062 MONITOR CARDÍACO 169265
1063 MONITOR CARDÍACO 53279 DIXTAL
1064 MONITOR CARDÍACO 156777 20030800118 INTER PLUS
1065 MONITOR CARDÍACO 169300
1066 MONITOR CARDÍACO 6677 DIXTAL
1067 MONITOR CARDÍACO 408 D71034 VIRIDIA
1068 MONITOR CARDÍACO 128524 DIXTAL
1069 MONITOR CARDÍACO 156785 30b01415
1070 MONITOR CARDÍACO 382
1071 MONITOR CARDÍACO 169187
1072 MONITOR CARDÍACO 417
1073 MONITOR CARDÍACO 129862 9823136 DIXTAL
1074 MONITOR CARDÍACO 108942 DIXTAL
1075 MONITOR CARDÍACO 386
1076 MONITOR CARDÍACO 156765 DIXTAL
1077 MONITOR CARDÍACO 402 9510
1078 MONITOR CARDÍACO 387
1079 MONITOR CARDÍACO 129142 HP
1080 MONITOR CARDÍACO 129188 22190 D BAXTER
1081 MONITOR CARDÍACO 107931
1082 MONITOR CARDÍACO 160332 INTER PLUS
1083 MONITOR CARDÍACO 102149 PHILIPS
1084 MONITOR CARDÍACO 123236 FUNBEC
1085 MONITOR CARDÍACO 129577 DIXTAL
1086 MONITOR CARDÍACO 160643 INTERMED
1087 MONITOR CARDÍACO 437 765 SONY
1088 MONITOR CARDÍACO 126525 02 B60648 DIXTAL
1089 MONITOR CARDÍACO 436 ENDOMED
1090 MONITOR CARDÍACO 164372 INTERMED
1091 MONITOR CARDÍACO 164371 FP2003080064 INTER PLUS
1092 MONITOR CARDÍACO 89786 DIXTAL
1093 MONITOR CARDÍACO 543 02W73583 DIXTAL
1094 MONITOR CARDÍACO 160638 031300059 DIXTAL
88

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1095 MONITOR CARDÍACO 160632 031300063 DIXTAL
1096 MONITOR CARDÍACO 160002 041300350 DIXTAL
1097 MONITOR CARDÍACO 160642 031300070 DIXTAL
1098 MONITOR CARDÍACO 550 42898120156 DIXTAL
1099 MONITOR CARDÍACO 404 01W31926 DIXTAL
1100 MONITOR CARDÍACO 156762 030W04268 DIXTAL
1101 MONITOR CARDÍACO 165361 040W07215 DIXTAL
1102 MONITOR CARDÍACO 129457 98V20642 DIXTAL
1103 MONITOR CARDÍACO 542 41500123 DIXTAL
1104 MONITOR CARDÍACO 163752 051301112 DIXTAL
1105 MONITOR CARDÍACO 129438 98V40324 DIXTAL
1106 MONITOR CARDÍACO 163753 051301113 DIXTAL
1107 MONITOR CARDÍACO 156763 030W04269 DIXTAL
1108 MONITOR CARDÍACO 156764 030W05158 DIXTAL
1109 MONITOR CARDÍACO 160644 031300061 DIXTAL
1110 MONITOR CARDÍACO 107938 99W30347 DIXTAL
1111 MONITOR CARDÍACO 126522 02W73616 DIXTAL
1112 MONITOR CARDÍACO 126523 02W73588 DIXTAL
1113 MONITOR CARDÍACO 107944 99W20305 DIXTAL
1114 MONITOR CARDÍACO 160029 030W05202 DIXTAL
1115 MONITOR CARDÍACO 129169 01W62277 DIXTAL
1116 MONITOR CARDÍACO 107943 99W30315 DIXTAL
1117 MONITOR CARDÍACO 129447 98V40350 DIXTAL
1118 MONITOR CARDÍACO 107942 99W30332 DIXTAL
1119 MONITOR CARDÍACO 107941 99W30333 DIXTAL
1120 MONITOR CARDÍACO 160027 030W05179 DIXTAL
1121 MONITOR CARDÍACO 160026 030W05169 DIXTAL
1122 MONITOR CARDÍACO 107940 99W30340 DIXTAL
1123 MONITOR CARDÍACO 160624 030W05192 DIXTAL
1124 MONITOR CARDÍACO 160025 030W05187 DIXTAL
1125 MONITOR CARDÍACO 160613 030W05190 DIXTAL
1126 MONITOR CARDÍACO 145359 31500212 DIXTAL
1127 MONITOR CARDÍACO 541 01W62278 DIXTAL
1128 MONITOR CARDÍACO 160617 030W05196 DIXTAL
1129 MONITOR CARDÍACO 540 M980400159 DIXTAL
1130 MONITOR CARDÍACO 107939 99W30346 DIXTAL
1131 MONITOR CARDÍACO 530 01W62275 DIXTAL
1132 MONITOR CARDÍACO 160006 041300347
1133 MONITOR CARDÍACO 126524 02W73607 DIXTAL
1134 MONITOR CARDÍACO 127861 95241989 DIXTAL
1135 MONITOR CARDÍACO 129143 01W62274 DIXTAL
1136 MONITOR CARDÍACO 160012 031300089 DIXTAL
1137 MONITOR CARDÍACO 539 M980400852 DIXTAL
1138 MONITOR CARDÍACO 49559 DIXTAL
1139 MONITOR CARDÍACO 100177 98V50361 DIXTAL
1140 MONITOR CARDIACO COMPLETO 156766 030D01402 DIXTAL
1141 MONITOR CARDIACO COMPLETO 156773 030W05157 DIXTAL
1142 MONITOR CARDIACO COMPLETO 156769 030W04270 DIXTAL
89

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1143 MONITOR CARDIACO COMPLETO 156770 030W05154 DIXTAL
1144 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 129564 B89909-7000-0
1145 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 156767 030W05160 DIXTAL
1146 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 156768 030W04283 DIXTAL
1147 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 156771 030W05159 DIXTAL
1148 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 156774 030W04284 DIXTAL
1149 MONITOR CARDÍACO COMPLETO 156776 030W04267 DIXTAL
1150 MONITOR CARDÍACO MODULAR 129442 98U10012 DIXTAL
1151 MONITOR CARDÍACO MODULAR 129500 98U20058 DIXTAL
1152 MONITOR DE COAGULAÇÃO 129950 FAJ
1153 MONITOR DE ECG 822 942515180 DIXTAL
1154 MONITOR DE ECG 825 98213136 DIXTAL
1155 MONITOR DE ECG 554 92211040 DIXTAL
1156 MONITOR DE ECG 553 92240101 DIXTAL
1157 MONITOR DE ECG 129150 DIXTAL
1158 MONITOR DE ECG 826 95241957 DIXTAL
1159 MONITOR DE ECG 824 91280950 DIXTAL
1160 MONITOR DE ECG 823 94271622 DIXTAL
1161 MONITOR DE ECG 821 95242004 DIXTAL
1162 MONITOR DE ECG 66782 94271627 DIXTAL
1163 MONITOR DE ECG 69786 94251517 DIXTAL
1164 MONITOR DE ECG 49561 98V50361 DIXTAL
1165 MONITOR DE ECG 91280945 DIXTAL
1166 MONITOR DE ECG 129466 FUNBEC
1167 MONITOR DE ECG 66777 94271589 DIXTAL
1168 MONITOR DE ECG 129576 94251518 DIXTAL
1169 MONITOR DE ECG 76720 FUNBEC
1170 MONITOR DE HOLTER C/17" 163689 LG
1171 MONITOR DE PULSO 1111 MEDTRONIC
1172 MONITOR DE SINAIS VITAIS 129882 DIXTAL
1173 MONITOR DE SINAIS VITAIS 129883
1174 MONITOR DE SINAIS VITAIS 129884
1175 MONITOR DE SINAIS VITAIS 129901 702907 ECAFIX
1176 MONITOR DE SINAIS VITAIS 163648
1177 MONITOR DE SINAIS VITAIS 164318 051301117
1178 MONITOR DE SINAIS VITAIS 166400 060W09088 DIXTAL 2010
1179 MONITOR DE SINAIS VITAIS - MDF 163675 703396 ECAFIX
1180 MONITOR DE SINAIS VITAIS - MDF 163975 ECAFIX
1181 MONITOR DE SINAIS VITAIS - MDF 163673 ECAFIX
1182 MONITOR DE SINAIS VITAIS - MDF 163614 ECAFIX
1183 MONITOR DE VÍDEO 435 0800116 OLYMPUS
1184 MONITOR MULTIPARAMENTRO 166395
1185 MONITOR MULTIPARAMENTRO 166394 DX-2020 LCD
1186 NEGASTOSCOPIO C/01 CORPO 123754
NEGASTOSCOPIO DE 02 CORPOS
1187 145236 SANTA CLARA
(TOMOGRAFIA)
1188 NEGATOSCÓPIO 129003
1189 NEGATOSCÓPIO 169246
1190 NEGATOSCÓPIO 127499
90

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1191 NEGATOSCOPIO COM 01 CORPO 126530
1192 NEGATOSCÓPIO 1 CORPO 160049 KONEX
1193 NEGATOSCÓPIO 1 CORPO 144999
1194 NEGATOSCOPIO 2 CORPOS 3173
1195 NEGATOSCOPIO C/01 COPOR 101405
ELETRO MEDICA
1196 123187 84063
NEGATOSCOPIO C/01 CORPO BRASILEIRA
1197 NEGATOSCOPIO C/01 CORPO 123417
1198 NEGATOSCOPIO C/01 CORPO 74443 ONEX
1199 NEGATOSCOPIO C/01 CORPO 129248
1200 NEGATOSCOPIO C/01 CORPO 117266
1201 NEGATOSCOPIO C/01 CORPO 126510
1202 NEGATOSCOPÍO C/01 CORPO 127599
1203 NEGATOSCÓPIO C/01 CORPO 130058
1204 NEGATOSCOPIO C/02 CORPOS 128725
1205 NEGATOSCOPIO COM (02) CORPOS 127229
1206 NEGATOSCOPIO COM (2) CORPOS 127228
1207 NEGATOSCOPIO COM 01 CORPO 128434
1208 NEGATOSCOPIO COM 01 CORPO 128436
1209 NEGATOSCOPIO COM 01 CORPO 128435
1210 NEGATOSCOPIO COM 01 CORPO 123186 84063
1211 NEGATOSCÓPIO COM 01 CORPO 164670
1212 NEGATOSCÓPIO COM 01 CORPO 101408
1213 NEGATOSCÓPIO COM 01 CORPO 101407
1214 NEGATOSCÓPIO COM 01CORPO 2351
1215 NEGATOSCÓPIO COM 02 CORPO 126529
1216 NEGATOSCOPIO COM 02 CORPOS 127410
1217 NEGATOSCOPIO COM 02 CORPOS 101404 SANTA CLARA
1218 NEGATOSCOPIO COM 02 CORPOS 101402
1219 NEGATOSCOPIO COM 02 CORPOS 101403 SANTA CLARA
1220 NEGATOSCÓPIO COM 02 CORPOS 145245
1221 NEGATOSCÓPIO COM 02 CORPOS 164671
1222 NEGATOSCÓPIO COM 02 CORPOS 14999
1223 NEGATOSCÓPIO COM 02 CORPOS 167451
1224 NEGATÓSCOPIO COM 02 CORPOS 163608
1225 NEGATOSCOPIO COM 04 CORPOS 128254
1226 NEGATOSCÓPIO COM 04 CORPOS 169772
1227 NEGATOSCÓPIO COM 04 CORPOS 169098
1228 NEGATOSCÓPIO COM 04 CORPOS 169099
1229 NEGATOSCÓPIO COM 04 CORPOS 169096 SANTA CLARA
1230 NEGATOSCOPIO COM 2 CORPOS 145235 Santa Clara
1231 NEGATOSCOPIO COM 2 CORPOS 123744
1232 NEGATOSCOPIO COM 2 CORPOS 145372
1233 NEGATOSCÓPIO COM O4 CORPOS 169097 SANTA CLARA
1234 NEGATÓSCOPIO DE 01 CORPO 164669
1235 NEGATOSCÓPIO DE 01 CORPO GRANDE 128599
1236 NEGATOSCOPIO DE DOIS CORPOS 128493
1237 NEGATOSCÓPIO DE DOIS CORPOS 128420
1238 NEGATOSCOPIO DE UM CORPO 128287
91

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1239 NEGATOSCOPIO DE UM CORPO 101406
1240 NEGATOSCÓPIO DE UM CORPO 167450
1241 NEGATOSCÓPIO, COM TRÊS CORPOS 123018 SANTA LUZIA
1242 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129123 KONEX
1243 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129122
1244 NEGATOSCOPIO, COM 01 CORPO 117243
1245 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128030
1246 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 12
1247 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 126812
1248 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 123264
1249 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129101
1250 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 164668
1251 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 164667
1252 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 164666
1253 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 164665
1254 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 164388
1255 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 130280
1256 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129582
1257 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128829 KONEX
1258 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129562
1259 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128801 KONEX
1260 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 13
1261 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129038
1262 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128989 KONEX
1263 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128933 KONEX
1264 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128848
1265 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128822 KONEX
1266 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 128814 KONEX
1267 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPO 129581
1268 NEGATÓSCOPIO, COM 01 CORPO 164664
1269 NEGATOSCÓPIO, COM 01 CORPOS 128808 KONEX
1270 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129121
1271 NEGATOSCOPIO, COM 02 CORPOS 127367 SANTA LUZIA
1272 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129764
1273 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128855 KONEX
1274 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 101401 DIXTAL
1275 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128916 KONEX
1276 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 169771
1277 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128911
1278 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129763
1279 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128794 KONEX
1280 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 440
1281 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128016
1282 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 163734
1283 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 128788
1284 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 439
1285 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129790
1286 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 11
92

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1287 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 127224
1288 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129797
1289 NEGATOSCÓPIO, COM 02 CORPOS 129793
1290 NEGATOSCÓPIO, COM 03 CORPOS 127493 SONÓTICA
1291 NEGATOSCÓPIO, COM 2 CORPOS 13044987
1292 NEGATOSCÓPIO, COM 2 CORPOS 128919 KONEX
1293 NEGATOSCÓPIO, COM 2 CORPOS 2851
1294 NEGATOSCÓPIO, COM 2 CORPOS 129108
1295 NEGATOSCOPIO, COM TRÊS CORPOS 123017 SANTA LUZIA
1296 NEGATOSCÓPIO, COM UM CORPO 129305
1297 NEGATOSCÓPIO, DE 01 CORPO 128958 KONEX
1298 NEGATOSCÓPIO, DE 01 CORPO 128946 KONEX
1299 NEGATOSCÓPIO, DE 01 CORPO 164663
1300 NEGATOSCOPOIO DE UM CORPO 127920
1301 NEGATOSCOPOIO DE UM CORPO 127921
1302 NOBREAK 130519 MICROSOL
1303 OXICAPNÓGRAFO 129580 95481208 DIXTAL
1304 OXICAPNÓGRAFO 129578 95480203 DIXTAL
1305 OXÍCAPNÓGRAFO 545 95480196 DIXTAL
1306 OXIDO NITRICO 127341
1307 OXIMETRO DE PULSO 68285 DIGIOXI
1308 OXIMETRO DE PULSO 127447 DIXTAL
1309 OXIMETRO DE PULSO 123235 S-99D11128 DIXTAL
1310 OXIMETRO DE PULSO 129181 96D40236 DIXTAL
1311 OXIMETRO DE PULSO 95125 DX 2405 DIXTAL
1312 OXIMETRO DE PULSO 116883 96D40201 DIXTAL
1313 OXIMETRO DE PULSO 129974 040604743 DIXTAL
1314 OXÍMETRO DE PULSO 68287 DIGICARE
1315 OXÍMETRO DE PULSO 68284 DIGICARE
1316 OXÍMETRO DE PULSO 68288 DIGICARE
1317 OXÍMETRO DE PULSO 145335
1318 OXÍMETRO DE PULSO 54479 DIXTAL
1319 OXÍMETRO DE PULSO 62286 91280944 DIGITARE
1320 OXÍMETRO DE PULSO 746446 DIXTAL
1321 OXÍMETRO DE PULSO 69789 94681245 DIXTAL
1322 OXÍMETRO DE PULSO 434 01D11897 DIXTAL
1323 OXÍMETRO DE PULSO 127863 98420405 DIXTAL
1324 OXÍMETRO DE PULSO 818 01623406 DIXTAL
1325 OXÍMETRO DE PULSO 129232 96D40235 DIXTAL
1326 OXÍMETRO DE PULSO 538 98450456 DIXTAL
1327 OXÍMETRO DE PULSO 544 96D10041 DIXTAL
1328 OXÍMETRO DE PULSO 88822 96682482 DIXTAL
1329 OXÍMETRO DE PULSO 129705 96D40220 DIXTAL
1330 OXIMETRO DE PULSO - MARCA TAKAOKA 129182
OXIMETRO DE PULSO - OXYPLETH SUPER
1331 77620 94671211 DIXTAL
BRIGHT
OXÍMETRO DE PULSO (OXIPLETH SUPER
1332 145342 040604743 DIXTAL
BRIGHT)
1333 OXÍMETRO DE PULSO OXYPLETH 74646 DIXTAL
93

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1334 POLIGRÁFO 165921 SP-12
POLIGRAFO ECG E PRESSÃO C/CPU,
1335 127335 TEB
MONITOR, E T
PROCESSADORA AUTOMÁTICA PARA
1336 164852 343/412 SL
RAIOS X
1337 PROCESSADORA DE RAIOS X 129918 MACROTEC
1338 PROCESSADORA DE RAIOS X 145373 MACROTEC
1339 PROCESSADORA DE RAIOS X 128285 131087 RUNZAMATIC
1340 PROCESSADORA DE RAIOS X 74552 191422 GLUNZ JENSEM
1341 PROCESSADORA DE RAIOS X 130060 KODAK
1342 PROCESSADORA DE RAIOS X 130061 1089/83 RUNZAMATIC
1343 Rack 03 módulos 790 99R30502
1344 Rack 03 módulos 793 99R10427
1345 Rack 03 módulos 792 98R30317
1346 Rack 03 módulos 791 99R30318
1347 Rack 03 módulos 560 99R30317
1348 Rack 06 módulos 805 02R41821
1349 Rack 06 módulos 814 02R51863
1350 Rack 06 módulos 800 02R41806
1351 Rack 06 módulos 799 02R41793
1352 Rack 06 módulos 815 02R51864
1353 Rack 06 módulos 816 02R51866
1354 Rack 06 módulos 798 02R41818
1355 Rack 06 módulos 810 02R51833
1356 Rack 06 módulos 797 02R41792
1357 Rack 06 módulos 796 02R41786
1358 Rack 06 módulos 795 02R41790
1359 Rack 06 módulos 802 02R41810
1360 Rack 06 módulos 809 02R51846
1361 Rack 06 módulos 813 02R61873
1362 Rack 06 módulos 804 02R41805
1363 Rack 06 módulos 801 02R41819
1364 Rack 06 módulos 806 02R41820
1365 Rack 06 módulos 807 02R41809
1366 Rack 06 módulos 808 02R41794
1367 Rack 06 módulos 803 02R41816
1368 Rack 06 módulos 794 01R21230
1369 Rack 06 módulos 811 02R51850
1370 Rack 06 módulos 812 02R51847
1371 REFLETOR COM HASTE FLEXIVEL 101455
1372 REFLETOR COM HASTE FLEXIVEL 38714
1373 REFLETOR COM HASTE FLEXIVEL 101449
1374 REFLETOR COM HASTE FLEXIVEL 101448 MICROEM
1375 REFLETOR ODONTOLÓGICO 116889 183626 KAVOLUX
1376 REFLETOR ODONTOLÓGICO 123193 DABI ATLANTE
1377 RESPIRADOR 129146 BIRD
1378 RESPIRADOR 164648 TAKAOKA
1379 RESPIRADOR 129270
1380 RESPIRADOR 100585
94

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1381 RESPIRADOR 129148
1382 RESPIRADOR 129269
1383 RESPIRADOR 107993
1384 RESPIRADOR 166396
1385 RESPIRADOR 100581
1386 RESPIRADOR 100564
1387 RESPIRADOR 127062
1388 RESPIRADOR 5
1389 RESPIRADOR 166392 VD 308802
1390 RESPIRADOR 129465 1718 TAKAOKA
1391 RESPIRADOR 160032 259 TAKAOKA
1392 RESPIRADOR 160680 265 TAKAOKA
1393 RESPIRADOR 127338 464 TAKAOKA
1394 RESPIRADOR 113275 9809WE368 ENMIE NEWPORT
1395 RESPIRADOR 113272 9906WE181 NEWPORT
1396 RESPIRADOR 113273 9810WE381 NEWPORT
1397 RESPIRADOR 113274 9906EW180 ENMIE NEWPORT
1398 RESPIRADOR 127060 BIRD
1399 RESPIRADOR 107946 BIRD
1400 RESPIRADOR 129563 B8010500204 MR BIRD
1401 RESPIRADOR 108014 BIRD
1402 RESPIRADOR 10058 INTER 5
1403 RESPIRADOR 401 B80100500206 MR BIRD
1404 RESPIRADOR 100584 F5990400863 INTERMED
1405 RESPIRADOR 164389
1406 RESPIRADOR 107992 B8-9909-00069 BIRD
1407 RESPIRADOR 129572 INTERMED
1408 RESPIRADOR 129566 B 8-990900070 MR BIRD
1409 RESPIRADOR 100582 INTERMED
1410 RESPIRADOR COMPLETO 117275 ENMIE
1411 RESPIRADOR COMPLETO 160639 00358
1412 RESPIRADOR COMPLETO 6
1413 RESPIRADOR COMPLETO 127058 INTERMED
1414 RESPIRADOR COMPLETO 113277 9810WE389 ENMIE
1415 RESPIRADOR COMPLETO 113276 9908WG267 ENMIE
1416 RESPIRADOR COMPLETO 156779 IP20030600098 INTERMED
1417 RESPIRADOR COMPLETO 51209 KFG - 5884 BIRD
1418 RESPIRADOR COMPLETO 156775 INTERMED
1419 RESPIRADOR COMPLETO 135786 INTERMED
1420 RESPIRADOR COMPLETO 156778 IP 20030800123 INTERMED
1421 RESPIRADOR COMPLETO 160013 INTERMED
1422 RESPIRADOR COMPLETO 160614 IP 20030800174 INTERMED
1423 RESPIRADOR COMPLETO 160028 INTERMED
1424 RESPIRADOR COMPLETO 160618 INTERMED
1425 RESPIRADOR COMPLETO 160030 INTERMED
1426 RESPIRADOR COMPLETO 160625 INTERMED
1427 RESPIRADOR COMPLETO 160007 IP 20030800139 INTERMED
1428 RESPIRADOR COMPLETO 51210 BIRD
95

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1429 RESPIRADOR COMPLETO 4692 BIRD
1430 RESPIRADOR COMPLETO 129149 KEG01042 BIRD
1431 RESPIRADOR COMPLETO 160633 INTERMED
1432 RESPIRADOR COMPLETO 129147 KGG - 1159 BIRD
1433 RESPIRADOR COMPLETO 160645 INTERMED
1434 RESPIRADOR COMPLETO 166777 INTERMED
1435 RESPIRADOR COMPLETO 100583 INTERMED
1436 RESPIRADOR COMPLETO 398 B899090006
1437 REVELADOR DE FILME 46596
REVELADORA DE PELÍCULA CLASER
1438 441
IMAGER -PROCESSADORA DE RX KODAK
1439 REVELADORA DE RAIOS X 12885
1440 RODA DE OMBRO 127625
1441 RODA DE OMBRO 127604
1442 RODA DE OMBRO 127624
1443 RODA DE OMBRO 128422
1444 SISTEMA DE MONITORAÇÃO 156772 030W04282 DIXTAL
1445 SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO 129586 99U10160 DIXTAL
1446 SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO COMPLETO 160003
1447 TAGARNO 35 D 116766 137920802 TAGARNO
1448 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160628 HEINE
1449 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160677 HEINE
1450 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160079 HEINE
1451 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160634 HEINE
1452 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160031 HEINE
1453 TENSIOMETRO COM SUPORTE 160078 HEINE
1454 TENSIOMETRO DE COLUNA 427
1455 TENSIOMETRO DE COLUNA 101443
1456 TENSIOMETRO DE COLUNA 101444 WANROSS
1457 TENSIOMETRO DE COLUNA 165554
1458 TENSIOMETRO DE COLUNA 424
1459 TENSIOMETRO DE COLUNA 425
1460 TENSIOMETRO DE COLUNA 433
1461 TENSIOMETRO DE COLUNA 426
1462 TENSIOMETRO DE COLUNA 101445
1463 TENSIOMETRO DE COLUNA 169049 WAN MED
1464 TENSIOMETRO DE COLUNA 428
1465 TENSIOMETRO DE COLUNA 429
1466 TENSIOMETRO DE COLUNA 430
1467 TENSIOMETRO DE COLUNA 431
1468 TENSIOMETRO DE COLUNA 432
1469 TENSIOMETRO DE COLUNA 165657 HEINE
1470 TENSIOMETRO DE COLUNA 169528 UNITEC
1471 TENSIOMETRO DE COLUNA 129958 HEIDJI
1472 TENSIOMETRO DE COLUNA 383 HEINE
1473 TENSIOMETRO DE COLUNA 169523 UNITEC
1474 TENSIOMETRO DE COLUNA 169524 UNITEC
1475 TENSIOMETRO DE COLUNA 169525 UNITEC
1476 TENSIOMETRO DE COLUNA 169521 UNITEC
96

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1477 TENSIOMETRO DE COLUNA 169527 UNITEC
1478 TENSIOMETRO DE COLUNA 123609 TYCOS
1479 TENSIOMETRO DE COLUNA 169529 UNITEC
1480 TENSIOMETRO DE COLUNA 169530 UNITEC
1481 TENSIOMETRO DE COLUNA 14532
1482 TENSIOMETRO DE COLUNA 55769 WANROSS
1483 TENSIOMETRO DE COLUNA 127854 TYCOS
1484 TENSIOMETRO DE COLUNA 128031
1485 TENSIOMETRO DE COLUNA 169526 UNITEC
1486 TENSIOMETRO DE COLUNA 129957 HEIDJI
1487 TENSIOMETRO DE COLUNA 101677
1488 TENSIOMETRO DE COLUNA 145312
1489 TENSIOMETRO DE COLUNA 145311
1490 TENSIOMETRO DE COLUNA 130399
1491 TENSIOMETRO DE COLUNA 130398
1492 TENSIOMETRO DE COLUNA 130390
1493 TENSIOMETRO DE COLUNA 130382
1494 TENSIOMETRO DE COLUNA 169522 UNITEC
1495 TENSIOMETRO DE COLUNA 130142
1496 TENSIOMETRO DE COLUNA 129291
1497 TENSIOMETRO DE COLUNA 129955 8030/05
1498 TENSIOMETRO DE COLUNA 129954 8018
1499 TENSIOMETRO DE COLUNA 129441
1500 TENSIOMETRO DE COLUNA 129433
1501 TENSIOMETRO DE MESA 390
1502 TENSIOMETRO DE MESA 389
1503 TENSIOMETRO DE MESA 388
1504 TENSIOMETRO DE MESA 129076
1505 TENSIOMETRO DE MESA 393
1506 TENSIÔMETRO DE MESA 392
1507 TENSIÔMETRO DE MESA 394
1508 TENSIÔMETRO DE MESA 391
1509 TENSIÔMETRO DE MESA 395
1510 TENSIOMETRO DE PAREDE 129070
1511 TENSIOMETRO DE PAREDE 14
1512 TENSIOMETRO DE PAREDE 129064
1513 TENSIOMETRO DE PAREDE 129056
1514 TENSIOMETRO DE PAREDE 129057
1515 TENSIOMETRO DE PAREDE 129058
1516 TENSIOMETRO DE PAREDE 129059
1517 TENSIOMETRO DE PAREDE 129060
1518 TENSIOMETRO DE PAREDE 129061
1519 TENSIOMETRO DE PAREDE 129062
1520 TENSIOMETRO DE PAREDE 129072 WAN MED
1521 TENSIOMETRO DE PAREDE 129063
1522 TENSIOMETRO DE PAREDE 129065
1523 TENSIOMETRO DE PAREDE 129066
1524 TENSIOMETRO DE PAREDE 129068
97

Nº EQUIPAMENTO Nº PAT Nº DE SÉRIE MARCA


1525 TENSIOMETRO DE PAREDE 129069
1526 TENSIOMETRO DE PAREDE 129071
1527 TENSIOMETRO DE PAREDE 129073
1528 TENSIOMETRO DE PAREDE 129074
1529 TENSIOMETRO DE PAREDE 129075
1530 TENSIOMETRO DE PAREDE 129067
1531 TESIOMETRO DE COLUNA 129603
1532 TESIOMETRO DE COLUNA 129604
1533 TROLEY 127446
1534 TROLEY 74793
1535 UNIDADE DE TERAPIA RENAL 127046
1536 VAPRAR Á VAPOR 121460
1537 VÍDEO BRONCOSCOPIO 100203 OLYMPUS
1538 VIDEO DA CENTRAL DE MONITORIZAÇÃO 160668 000095 DIXTAL
1539 VITRINE SPRINGER - V400C 165508
1540 VITRINE SPRINGER V 400C - 220 VOLTS 165711
1541 WARM AIR HYPERTHERMIA SYSTEM 332 CSZ