Sunteți pe pagina 1din 12

O que é Planejamento Estratégico?

Planejamento Estratégico é o processo de elaborar a estratégia de uma organização e definir como ela pode ser
alcançada. Em outras palavras, a empresa reconhece a situação atual e faz uma projeção de futuro, isto é,
como ela deseja estar daqui a alguns anos. Essa visão de longo prazo prevê mudanças que ajudam na
diferenciação de negócio.

O planejamento estratégico funciona como um GPS, que aponta o melhor caminho para alcançar um destino.
Logo, o planejamento requer, em primeiro lugar, a definição de uma visão de futuro. Se você não sabe para
onde quer ir, fica difícil estabelecer uma rota. A partir do destino desejado, monta-se o caminho que deverá
ser seguido. Se no meio do caminho alguma rua estiver interditada, será preciso ajustar a rota.

A partir dessa definição é possível pensar em alguns aspectos essenciais do planejamento estratégico. Conheça-
os agora:

7 características do Planejamento Estratégico

1. Exige esforço organizacional contínuo

O planejamento estratégico é (ou pelo menos deveria ser) responsabilidade de todos na organização. Muitas
vezes existe a falsa impressão de que planejar a estratégia cabe apenas ao comitê estratégico. Mas isso não
passa de uma ideia equivocada sobre o planejamento.

Para que os objetivos sejam atingidos é necessário o envolvimento de todos os colaboradores. É claro que uns
participarão com mais intensidade do que os outros. Mas, ainda assim, trata-se de uma conquista coletiva. Ter
essa percepção é muito importante.

2. Requer leitura compartilhada da organização e do ambiente

Já que o planejamento estratégico exige esforço coletivo, é preciso que todos estejam na mesma página. Isso
significa ter acesso às mesmas informações e possuir uma visão comum do negócio. Afinal, as pessoas possuem
vivências, desejos e opiniões diferentes. Isso não é necessariamente negativo, mas se a discussão não for bem
conduzida, pode gerar alguns obstáculos.

O segredo para dar certo está em criar pontos de conexão que demonstrem convergência e façam com que
diferentes ideias se encaixem! Existe um potencial criativo muito grande ao explorar a divergência de ideias.
Basta que saibamos utilizar da forma adequada.

3. Pressupõe uma vantagem competitiva

Para organizações com fins lucrativos, a vantagem competitiva é a relação de benefícios percebidos pelo cliente
ao final da sua jornada de compra. Normalmente ela é determinante na hora do cliente escolher por uma
empresa X ou Y. A vantagem competitiva é também o coração do planejamento estratégico, já que todo plano
vai se estruturar em torno dela.

Sem um diferencial fica quase impossível competir no mercado. No caso de organizações sem fins lucrativos, a
ideia de vantagem competitiva pode ser substituída pelo alcance de um propósito, por exemplo.

4. Traduz a estratégia em iniciativas concretas

A estratégia de uma organização deve ser desdobrada em partes menores para que ela seja factível e
alcançável. Na formulação estratégica são detalhados temas, objetivos e iniciativas estratégicas. As iniciativas
estratégicas são os componentes que representam a execução das mudanças da empresa para que os objetivos
sejam alcançados. Logo, precisam ser muito bem pensadas dentro do planejamento estratégico. Normalmente
essas iniciativas incluem planos de ação, projetos e programas.

5. Integra todas as camadas da organização

As pessoas precisam estar engajadas na construção do planejamento estratégico. Por isso, é fundamental
estabelecer um cenário de união e ajuda mútua. A troca de conhecimento e experiência é o motor que mantém
a organização funcionando a todo vapor. Além disso, o trabalho em equipe é a única maneira possível de
atingir os objetivos de uma empresa. Sem esforços coordenados e sintonizados, a organização provavelmente
não alcançará a estratégia.

6. Conduz a uma visão de negócio futuro

O planejamento estratégico deve perseguir um propósito que reflita as mudanças. O futuro precisa ser melhor
que o passado. Nesse sentido, o propósito deve ser válido, factível, interessante e difícil. Equilíbrio é a palavra-
chave nesse momento. É normal que cada área da organização deseje aparecer no planejamento estratégico,
mas é preciso focar naquilo que realmente importa e traz resultados a longo prazo.

7. Demanda monitoramento do percurso

O planejamento estratégico funciona como um GPS e, como tal, também permite ajustes na rota. Mas ainda
que seja feito um planejamento muito bem elaborado, existem alguns fatores externos sobre os quais não se
tem controle. Esses fatores externos podem influenciar de formas diferentes na estratégia organizacional e,
algumas vezes, podem ser necessárias adaptações. Para isso, é preciso ficar ligado e acompanhar a execução.

Para se aprofundar nesse tópico, leia o artigo sobre o que é e quais as características do planejamento
estratégico.

Mesmo que você já saiba qual o conceito de planejamento estratégico, ainda pode estar se perguntando por
que uma estratégia precisa estar vinculada a um planejamento e como saber se ele realmente faz diferença no
sucesso da estratégia. É o que a gente vai te contar agora!

Importância do Planejamento Estratégico

O planejamento estratégico é importante porque serve como um guia para todas as ações que serão feitas
durante um período na empresa. Ele ajuda a administrar a quantidade de tempo, recursos e
energia empregada na estratégia. Além disso, também auxilia a reconhecer problemas e identificar melhorias.

Mas, por que planejar o futuro se ele pode mudar a qualquer momento? O objetivo do planejamento
estratégico é garantir que os esforços empregados na conquista dos objetivos estratégicos realmente valham a
pena.

Existe uma série de requisitos que o planejamento estratégico precisa cumprir para realmente fazer a
diferença. São eles:

1. Resumir o propósito da organização

O propósito é aquilo que a empresa deseja alcançar ou atingir. O planejamento estratégico proporciona uma
análise sobre o presente e reflete sobre como as ações feitas hoje impactam no futuro. Por isso dizemos que o
planejamento resume o propósito da organização e possibilita uma leitura comum da empresa. Isso é muito
positivo em termos de assertividade e alinhamento entre todos os envolvidos na estratégia.

2. Facilitar o entendimento da estratégia

Uma boa estratégia precisa ser simples e factível. Com um planejamento estratégico bem estruturado, é
possível aumentar a compreensão dos colaboradores sobre a estratégia da empresa. Isso porque o
planejamento envolve todo um processo de integração e discussão da estratégia em grupos de trabalho. Dessa
forma, as pessoas participam e se engajam mais. Uma boa maneira de facilitar o entendimento da estratégia é
dividi-la em grandes temas, como Internacionalização ou Expansão Geográfica, por exemplo.

3. Detalhar a execução da estratégia

O planejamento estratégico divide a estratégia em objetivos, indicadores e iniciativas estratégicas. Esse


exercício de detalhamento torna o planejamento executável, pois pega um grande tema abstrato e o
transforma em uma ação prática. Um planejamento desdobrado em partes menores deixa de ser um bicho de
sete cabeças e traz as ações para o dia a dia da empresa. Torná-lo abstrato ajuda muito as pessoas na
compreensão do futuro da empresa, como persegui-lo, como chegar lá. O plano de execução torna a estratégia
mais compreensível.

4. Motivar as pessoas na busca pela visão de futuro

As pessoas fazem parte de todas as etapas de um planejamento estratégico. Por isso, elas precisam estar
motivadas e acreditar no potencial da estratégia. Nesse sentido, a contribuição do planejamento estratégico
gira em torno de trazer visibilidade para as principais informações acerca da estratégia. Se as pessoas
compreenderem o papel delas no futuro da empresa, elas se sentirão mais motivadas a perseguir as metas.

5. Estabelecer governança de execução da estratégia

Também é função do planejamento estratégico definir uma governança de execução para a estratégia. Isso
significa criar políticas e regras que garantam que as pessoas ajam em função do interesse coletivo (da
empresa) em vez de seus próprios interesses. A governança de execução da estratégia
estabelece processos e responsabilidades e fornece mais controle sobre o andamento do planejamento.

6. Prever um modelo de execução flexível

Uma das características de um bom planejamento estratégico é a sua flexibilidade. Flexibilidade é a


capacidade do planejamento se adaptar às mudanças. É diferente de volatilidade, que caracteriza um
planejamento que muda com facilidade, pois não consegue se sustentar. A flexibilidade é essencial para a
execução da estratégia, pois existem variáveis que não podem ser previstas. As variáveis de mercado, por
exemplo, se enquadram bem nessa definição.

7. Separar a estratégia da operação

É claro que a estratégia e a operação estão interligadas. Contudo, existem momentos em que elas precisam ser
separadas. Um desses momentos é durante o planejamento estratégico. Sem essa separação pode ser que a
operação acabe consumido todo o tempo que deveria ser dedicado à estratégia. O segredo aqui é equilíbrio.
Então, mantenha um olho no peixe e outro no gato!

Deseja entender mais sobre esses aspectos? Leia o artigo sobre importância do planejamento estratégico e tire
todas as suas dúvidas! A seguir, vamos entender melhor sobre quais os tipos de planejamento estratégico
existentes e o que caracteriza cada um deles. Vamos lá?

Tipos de Planejamento Estratégico

Embora não exista consenso quanto às nomenclaturas, o planejamento estratégico pode ser classificado de 3
formas: nível organizacional, profundidade e abordagem.

Classificação 1 – Nível Organizacional

É a classificação feita de acordo com a posição hierárquica da empresa. Está dividida em três tipos de
planejamento: estratégico, tático e operacional.

Planejamento Estratégico

É aquele que se refere ao negócio ou a uma visão macro da organização. Se divide em:

 Planejamento Estratégico de Negócio: trata de um negócio específico. Mesmo em caso de empresas


com mais de um negócio, é necessário fazer um plano para cada.
 Planejamento Estratégico Corporativo: aborda a estratégia de forma geral, estabelecendo linhas
gerais para os vários negócios. Pode ser usado como complemento dos planejamentos de negócio,
funcionando como guia.
Planejamento Tático

Determina como a estratégia será executada em determinado contexto. Se divide em:

 Planejamento Estratégico de Unidade de Negócio: focado em uma subdivisão do negócio.


 Planejamento Estratégico de Unidade de Suporte: focado em uma área que presta serviços para
outras unidades de negócio.
 Planejamento Estratégico Departamental: focado em uma área ou setor.
 Planejamento Estratégico Individual: focado em um indivíduo.

Planejamento Operacional

Não é exatamente um tipo de planejamento estratégico, mas pode afetar a operação. Responsável por garantir
que os processos da organização estejam em concordância com os objetivos estratégicos.

Classificação 2 – Profundidade

É a classificação do planejamento estratégico feita de acordo com o grau de transformação de negócio. Pode
ser dividida em: renovação estratégica, atualização da estratégia e replanejamento estratégico.

Renovação Estratégica

Consiste em redescobrir o negócio. Normalmente é feita quando os líderes estão insatisfeitos com a
organização ou quando alguma instabilidade grave se aproxima. Na renovação estratégica, existe um
grande senso de urgência para que as mudanças aconteçam.

Atualização da Estratégia

É o contrário da renovação estratégica. Na atualização, a estratégia se mantém ou se confirma, ainda que


sejam feitas pequenas alterações. Esse tipo de planejamento verifica o andamento do plano de execução e foca
em resolver os problemas de implementação.

Replanejamento Estratégico

É um meio-termo entre a renovação e atualização. Nesse tipo de planejamento o impacto das mudanças é
muito imprevisível. Pode ser que o planejamento mude drasticamente ou que ele apenas sofra algumas
alterações.

Classificação 3 – Abordagem

É a classificação feita de acordo com o jeito de fazer. Ela contempla duas formas: a clássica/tradicional e
a contemporânea.

Clássica/Tradicional

Faz uso de metodologias e ferramentas consolidadas no campo acadêmico. Normalmente esse tipo de
abordagem foca na resolução de problemas.

Contemporânea

Utiliza metodologias mais modernas na construção do planejamento estratégico, como o Design Thinking, por
exemplo.

Para se aprofundar nesse tema, você pode ler o artigo completo sobre tipos de planejamento estratégico.

Como te contamos no começo desse post, a realização do planejamento estratégico requer um grande esforço
organizacional. Por isso, é interessante investir em um processo de planejamento estratégico. Mas o que
exatamente é isso?
Como definir um Processo de Planejamento Estratégico

O processo de planejamento estratégico é o conjunto de passos que deve ser pensado antes de iniciar a
construção do planejamento estratégico e a formulação da estratégia empresarial. Esse processo é muito
importante para trazer agilidade ao ato de elaborar a estratégia.

Existem três razões que justificam por que é interessante investir um pouco de energia em um processo de
planejamento estratégico:

1. Prazo: o planejamento estratégico pode ser um trabalho infinito. Por isso, é interessante pré-definir
um tempo para a sua realização.
2. Tempo das pessoas: as principais pessoas envolvidas no planejamento são as do alto escalão da
empresa. Portanto, o tempo delas é limitado. Com um bom processo de planejamento estratégico é
possível encontrar soluções para aproveitar o tempo da melhor forma possível.
3. Resultado: a qualidade do planejamento está intimamente ligada ao processo previamente escolhido
e às escolhas que serão feitas.

Existem algumas recomendações na hora de construir um bom processo de planejamento estratégico:

1. Use uma metodologia

Não é preciso reinventar a roda na hora de fazer o seu planejamento estratégico. Existem metodologias que já
foram testadas e comprovadas. Utilize-as a seu favor e as inclua dentro do seu processo de planejamento
estratégico. Você também pode contar com a ajuda de uma consultoria externa, que saberá te indicar a
metodologia mais completa e adequada para o seu tipo de plano.

2. Foque nas agendas

Para que o planejamento estratégico não se estenda eternamente, é muito importante limitá-lo. Apesar de não
existir um tempo ideal para isso, pode ser muito interessante estabelecer um cronograma a partir das agendas
do comitê estratégico. Assim você já assegura a disponibilidade deles, sem ter que ficar competindo por data
com outras pessoas. Caso isso não seja feito, existe o risco de comprometer o andamento do planejamento
estratégico.

3. Conecte pessoas ao planejamento

Embora o planejamento estratégico esteja muito ligado à figura do comitê estratégico, é bastante saudável
envolver pessoas de outras áreas. Uma forma de fazer isso é contar com grupos de trabalho, que podem
fornecer conhecimento especializado em pequenas partes do planejamento estratégico. Essa comunicação
transparente é muito positiva para o trabalho.

4. Escolha um bom mediador

Colocar o CEO da empresa como mediador pode ser uma situação desconfortável para ele e atrapalhar até
mesmo o próprio andamento do planejamento estratégico. Por isso, é necessário contar com um mediador
neutro. Existem algumas empresas que já contam com profissionais que tem esse papel declarado. Se este não
for o seu caso, uma boa saída pode ser contratar um consultor externo para assumir esse papel.

5. Capacite durante o percurso

Ainda que se espere que as pessoas do alto escalão da empresa entendam de tudo, isso nem sempre é verdade.
Por isso, é muito importante que o processo de planejamento estratégico preveja momentos curtos de
aprendizagem. Dessa forma, todos terão acesso ao mesmo conhecimento e falarão a mesma linguagem. Mas
lembre-se de fazer treinamentos rápidos, para que as reuniões não fiquem monótonas.

Deseja se aprofundar neste tema? Leia o artigo sobre processo de planejamento estratégico e descubra mais
informações.
Como vimos, existe uma série de ações que precisam ser feitas antes mesmo de iniciar o planejamento
estratégico. Mas se você já está na fase de pôr a mão na massa, saiba que existem algumas etapas pelas quais
você deve passar ao construir seu planejamento.

Etapas do Planejamento Estratégico

Não existe uma nomenclatura exata sobre as etapas do planejamento estratégico, mas há algumas etapas que
são comuns à maioria das organizações. São elas:

1. Avaliação de Ambiente

Consiste na coleta de informações sobre o ambiente interno e externo da empresa. Fornece um panorama dos
desafios que a organização enfrentará por causa do mercado e por causa de suas fragilidades de negócio.

Na avaliação de ambiente externo são analisados aspectos como cenário econômico, político e social,
comportamento do público-alvo e tendências para o ramo da empresa, mercado, concorrentes, variáveis que
vão além dos muros da empresa. Já na avaliação de ambiente interno são analisados pontos fortes e fracos da
organização, recursos disponíveis, processos, riscos de negócio, entre outros.

2. Elaboração da Estratégia

Uma das partes mais importantes do planejamento estratégico é pensar a estratégia propriamente dita. Para
isso, é preciso ter uma vantagem competitiva bem definida. A vantagem competitiva é aquilo que diferencia
uma empresa de outra. Trata-se, portanto, do benefício percebido pelo consumidor. Ou, em outras palavras,
a agregação de valor ao cliente.

É também no momento da elaboração da estratégia que são definidos os objetivos estratégicos. Então, para
quem usa o Balanced Scorecard (BSC), saiba que sua aplicação começa já nesta etapa.

3. Desenvolvimento do Plano de Execução

O plano de execução é a lista de tudo aquilo que deverá ser feito para alcançar a estratégia pretendida. Ele
inclui objetivos, metas, indicadores e iniciativas estratégicas.

 Objetivo estratégico é o que a empresa deseja alcançar.


 Indicador estratégico é a mensuração dos resultados de um objetivo ou aspecto do negócio.
 Meta é a quantificação de um patamar de resultados em um indicador estratégico.
 Iniciativa estratégica é uma ação, projeto ou programa para executar um objetivo.

Outro ponto muito importante no plano de execução são os acordos de resultados, por meio do qual os
participantes alinham expectativas com a empresa.

4. Envolvimento das Pessoas

As pessoas permeiam todas as etapas do planejamento estratégico. Por isso, elas são muito importantes e
merecem uma atenção especial. É preciso tornar as pessoas parte da estratégia e estabelecer um canal de
comunicação efetiva e transparente com elas. Algumas práticas interessantes para engajar os colaboradores é
reforçar missão, visão e valores da empresa, além de apostar em canais de educação, como a universidade
corporativa, por exemplo.

Leia o artigo completo e conheça mais sobre as etapas do planejamento estratégico.

Com base nas informações acima você consegue ter mais ou menos uma ideia de qual tipo de planejamento
você precisa fazer e quais as etapas necessárias para a sua construção. Agora, vamos ver como um fazer um
planejamento estratégico na prática!
Como fazer um Planejamento Estratégico

Depois de conhecer as etapas do planejamento estratégico e definir qual o tipo mais adequado para o negócio,
é hora de colocar a mão na massa. Existe uma série de ações que precisam ser tomadas para fazer um
planejamento estratégico de qualidade. Conheça o passo a passo para programar o futuro de uma empresa:

1. Escolha as pessoas que serão envolvidas

Selecionar criteriosamente os profissionais que participarão do planejamento estratégico é uma tarefa que
exige atenção. Existem alguns papéis e estruturas que precisam ser contemplados no comitê estratégico. Nesta
lista está o patrocinador, o mediador, o comitê estratégico e os grupos de trabalho.

 O patrocinador é responsável por assegurar que a elaboração do planejamento estratégico seja uma
prioridade da empresa.
 O mediador é aquele que conduz as reuniões estratégicas e facilita as discussões do comitê
estratégico.
 O comitê estratégico é o grupo responsável por tomar decisões no planejamento estratégico.
Geralmente é composto pelo alto escalão da empresa.
 Os grupos de trabalho são equipes que participam de uma parte do planejamento estratégico. São
compostos por colaboradores que possuem conhecimento especializado em algum assunto que o
comitê estratégico não domina.

2. Prepare o calendário de encontros do comitê estratégico

Lembra que te contamos que é muito interessante montar o planejamento estratégico a partir das agendas do
comitê estratégico? Este é o momento em que você fará isso. Monte uma lista com todos os decisores da
organização e tente conciliar as datas o mais rápido possível. Quanto mais cedo você fizer isso, melhor. Ah, e
mais uma coisa: não se esqueça de mobilizar a equipe para proteger esses encontros. Essa é uma função do
patrocinador.

3. Planeje o ambiente dos encontros

Depois de ter acertado a data dos encontros, o próximo passo é pensar no local onde ocorrerão as reuniões.
Certifique-se de que seja um local agradável e adequado para o tipo de planejamento estratégico que será
produzido. Por exemplo, se você for utilizar uma abordagem contemporânea que trabalhe com gestão visual,
pode ser que precise de recursos como flipcharts, cartazes, notas autoadesivas… Então, coloque tudo na ponta
do lápis para não ficar faltando nada!

4. Escolha as ferramentas certas

Todo bom planejamento utiliza algumas ferramentas na sua construção. Essas ferramentas podem tratar de
diversas questões, como: inteligência de mercado, performance management, gerenciamento de projetos,
gerenciamento eletrônico de documentos etc.

Existem muitas ferramentas no mercado e a opção por algumas delas deve ser discutida individualmente.
Tudo vai depender das necessidades da sua empresa e do tipo de planejamento estratégico que será feito.
Então, na hora de escolher, tenha bem claro na sua mente o que você espera da ferramenta. Isso vai ajudar
muito.

5. Motive e comunique as pessoas

Pessoas são detentoras de conhecimentos, percepções e análises capazes de transformar a organização. Por
isso, é fundamental que saibam da sua importância e participem do planejamento estratégico. É claro que não
dá para todos os colaboradores fazerem parte do comitê estratégico. Mas a participação nos grupos de
trabalho deve ser muito incentivada.

Acesse o post completo sobre como fazer um planejamento estratégico e saiba mais.

Estratégias Competitivas para considerar no Planejamento Estratégico


Uma estratégia competitiva é a forma que uma organização compete no mercado. Isso inclui como ela se
comporta em relação aos concorrentes e qual o seu tipo de vantagem sobre eles. Portanto, a estratégia
competitiva se refere à posição estratégica de competição no mercado que uma empresa adota. Portanto, trata-
se essencialmente de um processo de construção e proteção de uma vantagem competitiva única, valiosa para o
mercado, aproveitada pela organização e difícil de copiar pelos concorrentes.

A estratégia pode ser construída “de fora para dentro” ou “de dentro para fora”:

 Estratégia “de fora para dentro”: é aquela que olha primeiro para o mercado para depois pensar em
formas de competir que estejam dentro dos seus limites.
 Estratégia “de dentro para fora”: é aquela que olha primeiro para os recursos e capacidades da
empresa para depois pensar nas exigências do mercado.

É importante ressaltar que essas duas visões são complementares. Ambas têm algo a contribuir com o
planejamento, portanto, não são excludentes.

Mas, como descobrir qual a estratégia competitiva da sua organização?

Existem dois caminhos possíveis para isso:

1. O caminho complexo
2. O caminho reflexivo

Caminho Complexo

Em um mundo ideal, as empresas fariam uma investigação estratégica profunda. Mas, isso demandaria um
certo tempo e investimento que nem todas as empresas estão dispostas ou possuem condições de fazer.

Caminho Reflexivo

Outra forma de descobrir qual a sua estratégia competitiva é utilizar modelos existentes no mercado, como as
Estratégias Genéricas de Porter e a Tipologia Estratégica de Miles & Snow. Os dois ajudam a pensar sobre o
planejamento, mas como são abordagens diferentes podem trazer conclusões diferentes. Vamos conhecer um
pouco sobre cada uma delas?

Estratégias Genéricas de Porter

Michael Porter elenca três estratégias genéricas: custo total, diferenciação e enfoque.

1. Custo Total: é quando uma empresa compete pelo preço baixo no mercado.
2. Diferenciação: é quando uma empresa compete pela produção de serviços ou produtos exclusivos e
únicos.
3. Enfoque: é quando uma empresa compete por um nicho ou demanda específica.

E aí, conseguiu reconhecer a sua empresa em alguma dessas estratégias? Vale dizer que não existe uma
estratégia melhor ou pior, apenas a opção que a organização fez. Todas as estratégias estão sujeitas a riscos,
como imitação pelos concorrentes e mudanças tecnológicas.

Agora vamos ao segundo modelo:

Tipologia Estratégica de Miles & Snow

Para Miles e Snow existem quatro tipos de estratégias competitivas: defensiva, prospectora, analítica e reativa.

1. Defensiva: organizações que focam em ser as melhores em um mercado único.


2. Prospectora: organizações que focam em desbravar novos mercados e procurar por inovações.
3. Analítica: organizações que operam em mercados dinâmicos e estáveis.
4. Reativa: organizações que apenas reagem às pressões externas. Não é exatamente um tipo de
estratégia.
Identificou em qual desses perfis competitivos a sua organização se encaixa? Entenda melhor o que isso
significa lendo nosso artigo sobre estratégias competitivas.

Quando você faz um planejamento alinhado com a missão e a visão da empresa e envolvendo todas as pessoas,
existem mais chances de colher bons frutos no futuro. Por outro lado, se você não tomar o cuidado necessário o
planejamento estratégico pode comprometer todo o funcionamento da empresa.

Aproveite e ouça abaixo abaixo o webinar 3 Condições Obrigatórias para o Planejamento Estratégico dar
certo, disponibilizado em formato de podcast.

O planejamento estratégico funciona como um guia para auxiliar a sua empresa a caminhar em direção ao
sucesso. Quer aprender a fazer um? Então confira o nosso post!

O planejamento estratégico é fundamental para desenvolver uma visão de médio e longo prazo e, assim,
conquistar os objetivos do negócio.

Apesar de parecer mais uma daquelas tarefas sem aplicação prática, não se engane, planejar é o que
permite que a empresa se organize, torne os processos mais eficientes e, assim, obtenha diferenciais
competitivos.

Mas será que você está usando essa ferramenta tão importante da maneira certa? Ou melhor, será que
não é o momento de desenvolver um planejamento estratégico para a sua empresa, mesmo ela ainda
sendo pequena?

Continue com a leitura desse post e entenda melhor o que é planejamento estratégico e como você pode
envolver todos os departamentos para conquistar metas mais ambiciosas!

O que é planejamento estratégico?


O planejamento estratégico é o que orienta as empresas na tomada de decisões e na distribuição de seus
recursos no período que virá a seguir.

Esse é um trabalho que pode — e deve — ser desenvolvido por qualquer negócio, independentemente de
seu porte ou segmento de atuação. Afinal, assim como todas as empresas precisam crescer e atingir
objetivos, também é necessário se organizar e elaborar um plano de ação que seja coerente para tanto.

Vale dizer, porém, que o planejamento estratégico precisa ser um processo que envolva todas as
equipes e níveis da empresa.

Ou seja, ele deve unir o comprometimento e dedicação do líder com o engajamento dos times para que,
assim, todos trabalhem em harmonia e focados nos mesmos propósitos.

Por que o seu negócio precisa desse planejamento?


Sabemos que, sem planejamento, fica bem difícil conquistar os objetivos pretendidos.

Sem essa organização prévia, a empresa fica perdida e não sabe onde deseja chegar e muito menos
como chegar. E, na maioria das vezes, isso acontece porque a empresa não compreende a sua cultura
ou seus diferenciais.

Mesmo que lá no começo vocês tenham feito a lição de casa e definido a missão e valores, é comum que
eles se percam com o passar dos anos.
Dessa forma, enxergar todo o potencial do negócio e ver além do óbvio para sair na frente no mercado se
torna uma tarefa bastante complexa e trabalhosa.

O planejamento estratégico também ajuda a empresa a descobrir os caminhos mais adequados para
conquistar os objetivos.

Imagine que, sem ter conhecimento dos diferenciais, fraquezas e do mercado em que o negócio está
inserido, elencar as melhores estratégias se torna um jogo de achismos e intuição. E, como você deve
saber, esse tipo de abordagem dificilmente é bem-sucedida.

Além disso, essa pode ser uma excelente maneira de engajar as equipes e fazer com que todos
trabalhem focados em um objetivo comum.

Quando está claro para os colaboradores quais os valores da empresa e as metas a serem alcançadas, é
muito mais fácil de promover a colaboração e, inclusive, criar um ambiente em que todos se sintam
responsáveis e igualmente recompensados pelo sucesso.

Por isso, enxergue o planejamento estratégico muito além do papel. Apesar de ser um documento, é ele
que vai fazer com que a empresa caminhe para o crescimento sem perder a sua identidade ao longo do
trajeto.

Como fazer um planejamento estratégico?


Para que o seu planejamento estratégico seja eficaz, é preciso que ter um cronograma e seguir algumas
etapas específicas.

Conheça, a seguir, quais são elas:

Passo 1: Diagnóstico
Também conhecido como análise SWOT, o primeiro passo envolve olhar para dentro da empresa e para
o mercado para entender o momento atual. Ou seja, esse é o momento de elencar as forças,
fraquezas, oportunidades e ameaças.

Para isso, é preciso reunir a equipe de trabalho e levantar as forças e fraquezas internas do negócio.

Analise os diferenciais e os pontos que precisam ser melhorados e, depois, faça o mesmo com o
ambiente externo. Ou seja, identifique as oportunidades e ameaças que impactam a organização, tais
como a sazonalidade ou a situação econômica do país.

O diagnóstico é importante para que seja possível entender o contexto em que a empresa está inserida e,
assim, as ações mais adequadas para alcançar os objetivos sejam identificadas.

Passo 2: Identidade organizacional


Para que o seu negócio seja único, ele precisa de uma missão, visão e valores que sejam reconhecidos
tanto pelo público interno quanto pelo externo.

É exatamente por isso que a filosofia da empresa é tão importante e deve ser levada a sério. Até porque é
ela que vai orientar a tomada de decisões e as diretrizes estratégicas.

A missão é a razão pela qual a sua empresa existe, enquanto a visão é o que vocês aspiram se tornar ou
onde desejam chegar. Já os valores representam os princípios que guiam a cultura da empresa e,
inclusive, dos colaboradores.

Assim, a identidade organizacional funciona como um importante guia para contratar novas pessoas,
fechar contratos com fornecedores e, inclusive, lançar produtos e serviços no mercado. Por isso, é
fundamental reforçá-la a todo momento e garantir com que ela permeie todo o negócio.

Para quem já tem essa parte do planejamento estratégico pronta, vale a pena entender quando ela foi
desenvolvida para ver a necessidade de fazer uma revisão.
Uma empresa pode mudar muito ao longo dos anos e pode acontecer que a missão, visão e valores
sejam modificados ao longo do tempo por não se adequarem mais à imagem transmitida desejada.

Passo 3: Metas e indicadores de sucesso


Agora é hora de colocar no papel onde o negócio precisa chegar e quais os dados que indicarão o
sucesso dessa jornada.

As metas a serem conquistadas precisam envolver toda a organização. Por isso, pode ser preciso
criar uma meta geral e, depois, transformá-la em metas de vendas, marketing, recursos humanos e assim
por diante.

Lembre-se de que o envolvimento de todos é fundamental no planejamento estratégico, por isso, cada
departamento deve ter as suas metas.

Um ponto importante aqui é que os objetivos devem ser desafiadores, no entanto, realistas. Então, nada
de sonhar muito alto e colocar números impossíveis de serem alcançadas dentro do mercado ou da
realidade da empresa.

Os indicadores permitirão acompanhar o desempenho das metas, dessa forma, se uma das metas é
conquistar um faturamento pré-definido, o próprio faturamento mensal será um dos indicadores a ser
acompanhado ao longo dos meses.

Por fim, faça com que todos os colaboradores tenham ciência de todas essas metas e indicadores. Dessa
forma, cada um saberá a sua importância e o seu papel para que a empresa chegue no lugar desejado.

Passo 4: Plano de ação


A essa altura, vocês já sabem onde a empresa está, quem ela é e onde ela precisa chegar. Então, está
na hora de partir para a ação!

O plano de ação é o que viabiliza conquistar as metas e objetivos definidos, com base em um
cronograma e na definição de responsáveis.

Isso significa que é preciso definir quais atitudes serão tomadas e delegar quem vai executar cada uma
delas. Ter essas informações documentadas pode ser o diferencial entre uma estratégia bem-sucedida e
uma problemática, por isso, fique bem atento a essa etapa.

Como nem tudo pode ser prioridade, é fundamental elencar as ações para que elas aconteçam por ordem
de importância. Com isso, o que for mais simples ou urgente deve ser realizado primeiro.

Para ajudá-lo, pense em quais ações realmente farão a diferença para conquistar os objetivos e dê
preferência a elas.

Passo 5: Acompanhamento e análise


Como última etapa do planejamento estratégico, defina uma periodicidade de reuniões para que as áreas
da empresa possam se encontrar, apresentar e debater os resultados alcançados.

Normalmente, esse encontro acontece todas as semanas, assim, é possível falar sobre o que aconteceu
na semana anterior e pensar nos próximos passos.

Além desse encontro, também é importante reunir os gestores sempre que possível para que os
resultados sejam avaliados. Aqui, também deve-se revisar e redefinir a análise SWOT, as metas e o
plano de ação. Afinal, o mercado não é estático e é preciso de adequar a todo momento.

Liderança e engajamento são essenciais


Esse não é necessariamente um passo para desenvolver um planejamento estratégico. No entanto, se as
equipes não forem envolvidas e não estiverem engajadas a cumprir com o plano de ação e a colaborar
umas com as outras, a sua empresa dificilmente sairá do lugar.
Tomemos por exemplo um negócio que tenha como meta aumentar o faturamento até o final do próximo
ano. Para isso, será preciso desenvolver uma boa estratégia de marketing e vendas, certo?

Porém, por melhor que seja a estratégia, a equipe de marketing e vendas não conseguirão realizá-la
sozinha se a logística também não traçar um plano para suprir a demanda dos clientes ou, então, para
tornar os produtos mais competitivos.

O administrativo também precisará cumprir com a sua parte e emitir as notas com agilidade. Assim como
o RH precisa engajar e reter os colaboradores.

Uma boa liderança, então, faz toda a diferença para manter todos motivados e fazer com que a filosofia
organizacional se mantenha. Além disso, é papel do líder estimular a criatividade, a proatividade e a união
da equipe.

Por isso, não se surpreenda se o seu planejamento estratégico incrível não seja capaz de gerar
resultados, caso a equipe não esteja engajada e vocês não contarem com bons líderes.

Fazer com que toda a empresa trabalhe em conjunto não é uma tarefa fácil. No entanto, é isso que fará
com que um planejamento estratégico saia do papel e se transforme em valiosos diferenciais para o
negócio