Sunteți pe pagina 1din 2

A Criação do Homem

Gn 1:26 – Façamos o Homem à nossa imagem, conforme a nossa


semelhança; [...]

A Trindade estava presente na criação e se percebe na formação


do homem (Façamos= verbo no plural, indicando a presença de mais de
um ser) especificado.
A perspectiva para esse versículo é compreender o ser criado por
Deus antes do pecado, mediante a presença de Cristo (Cl 1:15-17) e do
Espírito Santo.
O verbo inicial dá ênfase a uma ação conjunta em conformidade
com um propósito, criar do homem. A presença de Cristo e do Espírito
Santo se fez necessário como parte da Trindade Divina. Neste texto,
vemos em evidência a ação do Pai, do Filho e do Espírito Santo operando
em sua mais importante criação.

1 – Obra do Pai o homem foi planejado em toda sua personalidade


de como deveria agir perante sua missão no jardim, falar as palavras
direcionada a sua boca, ouvir claramente suas ordens e sentir sua
presença. Do pó da terra o homem foi formado evidenciando sua primeira
obra que necessitou de uma adaptação espiritual, o sopro de suas narinas,
o recurso divino estabelecido somente ao homem, assim ficou entendido
que Deus lhe concedeu uma vida de sujeição e obediência. Não há dúvida
que o próprio Deus dá a vida e o mesmo pode tirá-la. Esse sopro produziu
no homem uma condição, de ele está sob o controle do Criador, a vida
concedida a ele é como se fosse uma pilha recarregável que necessita de
energia e sustentação, o Espírito é esse ser que energiza com sua
habitação e Cristo é a sustentação com seu caráter humano. Apesar de
ser criado em carne e sangue também era Divino, um ser celestial, que
não estava fora do domínio do próprio Deus, ele o tinha formado para um
plano já elaborado. Diferente do toda sua criação já feita, o homem
recebeu uma virtude Divina, a racionalização. Com essa virtude ele estava
subordinado a pensar, compreender e reagir com entendimento a todas
as palavras de Deus, foi no caso a ordem que repassou a ele e foi
desobedecida posteriormente.

Criado foi o homem à sua Imagem para ser conforme sua natureza,
um ser espiritualmente fortalecido.
Criado foi o homem conforme a sua semelhança para utilizar sua
racionalidade para a Glória do Pai, assegurando pela sujeição a Ele.
2 – Pela obra do Filho o homem precisaria de um caráter humano,
moralmente obediente a Deus, que estivesse sujeito as Suas palavras;
fosse íntimo em submissão de Suas ordens; um ser criado para anunciar
Suas maravilhas; dotado de conhecimento e sabedoria de Sua própria
palavra; que zelasse a missão jardim; lavrar a terra, isto é, agir em
conformidade com sua vocação e guardá-la, isto é, preservar as prímicias
da obra, ordem e propósito de Deus. Soa a nós com a responsabilidade
que temos para com a Bíblia, Sua palavra. O caráter de Cristo formula o
procedimento que o homem deve ter, ele como homem sem pecado,
estava subordinado aos sofrimentos, as mesmas paixões, foi tentado pelo
próprio satanás, sofreu as injustiças, mas foi obediente a Deus. Como filho
esteve sujeito a disciplina e não ousou ser bastardo. Ele era o próprio
plano que foi cumprido, deixou seu exemplo como homem em ser sujeito
a ordens, obediente, dependente, reverente e atuante do próprio Deus.

Criado foi o homem a sua Imagem para ser filho de Deus pelo seu
próprio sangue.
Criado foi o homem conforme a sua Semelhança para se revestir
de seu caráter.

3 – Pela obra do Espírito Santo o homem necessitaria de um


espírito que intermediasse aos propósitos de Deus pela iluminação de
mente e conformidade com o próprio Deus que é Espírito. Somente ao
homem foi concedida essa obra, o mesmo foi designado em carne para
ser anunciante das maravilhas de Deus que somente através do Espírito
compreende os mistérios revelado a ele. Sem o espírito o homem se
autoproclamaria independente de não ser guiado por Ele, por seguinte
cairia em suas próprias obras, o que seria uma tragédia irrevogável. Sua
racionalidade lhe induziria a muitas dúvidas e erros frequentes, porque foi
criado para ser dependente de Deus. A perfeita obra do Espírito é
racionalidade do conhecimento do próprio Deus, atráves do seu plano
claro nas Escrituras em extenção, em gramática formal, em linguagem
clara, em especificações de tempos e eras, em detalhes decritos de
narrativas históricas, em estágios elevados e baixos de acontecimento, em
mistérios revelados aos seus, em magnitude de Seu poder, em revelá-nos
o homem Deus, Cristo, como cumpridor desse plano, Ele é o Centro das
Escrituras. É pela intuição espiritual que o homem reverencia esse plano
com credibilidade e comprometimento para com Deus.

Criado foi à Imagem para compreender o próprio Deus que é


espírito e se revelou.
Criado foi conforme a Semelhança para ser anunciante do plano
de Deus.