Sunteți pe pagina 1din 16

Evolução dos celulares: do tijorola ao smartphone

Obra de arte do britânico Kyle Bean, que mistura matrioskas* com a evolução dos telefones celulares

Mais do que comunicadores, os celulares se transformaram em computadores de mão,


câmeras digitais, tocadores de MP3, consoles e até televisores. Mas esses aparelhos nem
sempre foram assim.

Este artigo irá mostrar como surgiram as primeiras ideias a respeito do celular e como ele se
transformou no aparelho que conhecemos hoje. Também será possível relembrar modelos
como o "Tijolo" da Motorola, que revolucionaram a comunicação dos anos 90, além de relatar
o que ainda está por vir em termos de tecnologia, como os celulares 4G, que prometem
aumentar em até 180 vezes a velocidade atual da Internet e que tornarão os aparelhos 3G
ultrapassados.

Você sabe quem inventou o celular?

A ideia de comunicação móvel funcionando por meio de um celular surgiu em 1947, dentro
do Bell Laboratories, departamento de pesquisa da única operadora norte-americana da
época, a AT&T. Para por a ideia em prática era necessário a disponibilização de espectro de
rádio pelas autoridades, o que não foi possível. Portanto, no início, a comunicação móvel não
passava da teoria.

Somente a partir de 1960, o Bell Laboratories em parceria com a Motorola começou a


estudar melhor a comunicação móvel para poder, então, colocá-la em prática. A corrida ao
celular ganhou fôlego e, em 1970, a Federal Communication Commission (FCC) atribuiu
frequências para serem utilizadas em sistemas móveis de rádio em terra. Mas foi a Motorola
– mais precisamente o seu gerente geral da Divisão de Sistemas, Martin Cooper – quem saiu
na frente e realizou a primeira chamada de um telefone móvel para um telefone fixo no
mundo, por meio do protótipo chamado Dyna-Tac, em 3 de abril de 1973, em Nova York -
EUA.
Martin Cooper em 2007, utilizando o DynaTAC 8000x de 1973

A primeira geração de telefones móveis acabava de nascer e Cooper entrou para a história
como o inventor do celular.

A partir do protótipo Dyna-Tac da Motorola, ocorreram muitas modificações e inovações na


tecnologia utilizada pelos telefones portáteis. O primeiro modelo chegou ao mercano norte-
americano em 1983, dez anos após a demostração do primeiro telefone celular funcionando.
O aparelho lançado pela Motorola recebeu o nome de DynaTAC 8000x e media mais de 30
centímetros, pesando quase 1 quilo – motivo que levou o dispositivo a receber logo o apelido
de “tijolo”. O preço também era pesado e custava cerca de 4 mil dólares. Sua bateria
permitia uma hora de conversação e a memória armazenava 30 números de telefones.
Motorola DynaTAC 8000x

Antes do lançamento do primeiro modelo de celular da Motorola, alguns outros países já


haviam recebido aparelhos de outras marcas, como o Nokia Mobira Senator – primeiro
celular da Nokia. Um celular robusto e quadradão, introduzido no mercado em 1982 como
equipamento para o uso em automóveis, já que o telefone pesava 9,8 quilos. Cinco anos
depois, foi lançado o Mobira Cityman 900 – para muitos, o primeiro telefone da Nokia
realmente portátil -, com 800 gramas e um preço equivalente a US$ 6.150 de hoje.

A empresa Ericsson embarcou no mercado dos dispositivos móveis pouco tempo depois,
lançando o Combi Hotline, em 1987. O portátil funcionava na tecnologia TDMA (Time
Division Multiple Access) – uma das mais utilizadas em todo o mundo – e na analógica AMPS
(Advanced Mobile Phone System).

Ericsson Combi Hotline

O início da década de 90 foi um período em que as tecnologias começaram a evoluir a passos


largos e a segunda geração (2G) dos celulares começava a se materializar. Essa nova
geração de aparelhos não trouxe apenas novos modelos, mas também novos padrões de
comunicação, como as tecnologias TDMA, CDMA (Code Division Multiple Access) e GSM
(Global System for Mobile Communications).

A primeira empresa de comunicação móvel a introduzir um celular no mercado brasileiro foi


a Motorola, que trouxe o MicroTAC para o Rio de Janeiro, em 30 de dezembro de 1990. O
aparelho vinha com flip e era considerado o mais leve da categoria, pesando 290 gramas,
com uma bateria de 90 minutos de duração em uso e 15 horas em stand by. Além disso,
tinha capacidade para 10 mil terminais (terminal adaptado para conectar um dispositivo de
comunicação telefônica a uma rede telefônica celular).

Motorola MicroTAC com flip

Já o primeiro celular a integrar funções de um PDA (Personal Digital Assistants) – termo para
identificar o que geralmente é conhecido como Palm, Palmtop, WinCE, PocketPC e Handheld
– foi o Simon Personal Communicator, desenvolvido pela empresa IBM em parceria com a
BellSouth, em 1993. O modelo foi o que mais se aproximou do que hoje é o iPhone, tendo
funções que vão além do telefone, como pager, calculadora, agenda, fax e dispositivo de e-
mails, ou seja, um computador de dimensões reduzidas. O Simon Personal Communicator
pesava 500 gramas e era comercializado pelo preço de US$ 900.

Simon Personal Communicator

Modelos inovadores

A moda dos celulares em estilo clamshell (em formato de concha) chegou junto com o
modelo lançado pela Motorola, o StarTac, em 1996, inspirado no comunicador da série
Jornada nas Estrelas. O aparelho pesava cerca de 80 gramas e podia ser facilmente preso ao
cinto.

Motorola StarTac

Nesse mesmo ano, a empresa de telecomunicações CTBC lançou o primeiro terminal pré-
pago no Brasil. O modelo se popularizou com o Baby da Telesp Celular – LG Electronics
330 W CDMA – em 1998.
LG Electronics 330 W CDMA

Ainda no final dos anos 90, surgiram os celulares em estilo candybar (em formato de barra).
A Nokia lançou dois modelos com esse formato, o Nokia 6160 – modelo de maior sucesso de
vendas da empresa na época –, e o Nokia 8260. O primeiro vinha com display
monocromático, antena externa, 13 centímetros de altura e pesava 170 gramas. Já o Nokia
8260, lançado no ano 2000, vinha em diversas cores e era um pouco menor, medindo
apenas 10 cm de altura com peso de 90 gramas.

Nokia 6160 e Nokia 8260

No ano seguinte, chegou ao mercado o primeiro celular baseado em Palm (computadores de


bolso) a ser oferecido a um grande número de usuários, o Kyocera QCP6035. O aparelho
vinha com 8 MB de memória interna, display monocromático em preto e branco e custava
cerca de US$ 500. Considerado o pioneiro dos smartphones, o Kyocera precedeu a geração
do Treo, que surgiu no mesmo ano com o nome de Handspring Treo 180.
O Treo 180 era um celular com características de um PDA e vinha em duas versões: uma
com teclado QWERTY (padrão) e outra que usava a inserção de texto Graffiti. Assim como o
Kyocera QCP6035 – seu maior rival na época –, ambos tinham display em preto-e-branco.

As primeiras imagens capturadas por um celular apareceram em 2002, graças a Sanyo e


Sprint, que lançou no mercado norte-americano o Sanyo SCP-5300. O dispositivo possuia
uma câmera de 0.3 MP, resolução de 640 x 480 px, 16X Zoom, Flash e pesava 117 gramas.

Sanyo SCP-5300

Ainda em 2002 foram lançados os aparelhos Danger Hiptop e BlackBerry 5810, ambos
com tecnologias inovadoras, que iam desde funções ativadas por voz à acesso à web, e-mails
e mensagens instantâneas. O BlackBerry 5810 foi o primeiro celular com tecnologia de push
e-mail (sistema de distribuição de conteúdo da Internet, também conhecida como
webcasting).

No final daquele ano, chegou ao Brasil o Samsung SCH-A565 Colors, primeiro celular
CDMA com display colorido.

Samsung SCH-A565 Colors

Modelos inovadores
A moda dos celulares em estilo clamshell (em formato de concha) chegou junto com o
modelo lançado pela Motorola, o StarTac, em 1996, inspirado no comunicador da série
Jornada nas Estrelas. O aparelho pesava cerca de 80 gramas e podia ser facilmente preso ao
cinto.

Motorola StarTac

Nesse mesmo ano, a empresa de telecomunicações CTBC lançou o primeiro terminal pré-
pago no Brasil. O modelo se popularizou com o Baby da Telesp Celular – LG Electronics
330 W CDMA – em 1998.

LG Electronics 330 W CDMA

Ainda no final dos anos 90, surgiram os celulares em estilo candybar (em formato de barra).
A Nokia lançou dois modelos com esse formato, o Nokia 6160 – modelo de maior sucesso de
vendas da empresa na época –, e o Nokia 8260. O primeiro vinha com display
monocromático, antena externa, 13 centímetros de altura e pesava 170 gramas. Já o Nokia
8260, lançado no ano 2000, vinha em diversas cores e era um pouco menor, medindo
apenas 10 cm de altura com peso de 90 gramas.
Nokia 6160 e Nokia 8260

No ano seguinte, chegou ao mercado o primeiro celular baseado em Palm (computadores de


bolso) a ser oferecido a um grande número de usuários, o Kyocera QCP6035. O aparelho
vinha com 8 MB de memória interna, display monocromático em preto e branco e custava
cerca de US$ 500. Considerado o pioneiro dos smartphones, o Kyocera precedeu a geração
do Treo, que surgiu no mesmo ano com o nome de Handspring Treo 180.

O Treo 180 era um celular com características de um PDA e vinha em duas versões: uma
com teclado QWERTY (padrão) e outra que usava a inserção de texto Graffiti. Assim como o
Kyocera QCP6035 – seu maior rival na época –, ambos tinham display em preto-e-branco.

As primeiras imagens capturadas por um celular apareceram em 2002, graças a Sanyo e


Sprint, que lançou no mercado norte-americano o Sanyo SCP-5300. O dispositivo possuia
uma câmera de 0.3 MP, resolução de 640 x 480 px, 16X Zoom, Flash e pesava 117 gramas.
Sanyo SCP-5300

Ainda em 2002 foram lançados os aparelhos Danger Hiptop e BlackBerry 5810, ambos
com tecnologias inovadoras, que iam desde funções ativadas por voz à acesso à web, e-mails
e mensagens instantâneas. O BlackBerry 5810 foi o primeiro celular com tecnologia de push
e-mail (sistema de distribuição de conteúdo da Internet, também conhecida como
webcasting).

No final daquele ano, chegou ao Brasil o Samsung SCH-A565 Colors, primeiro celular
CDMA com display colorido.

Samsung SCH-A565 Colors

As primeiras mensagens de texto (SMS)

Em 1992 apareceu a primeira mensagem de texto (SMS) enviada no Reino Unido de um


computador pessoal para um telefone celular na rede GSM. Essa tecnologia foi criada pelo
engenheiro finlandês Matti Makkonen, em meados da década de 80, e demorou um pouco
mais para chegar aqui no Brasil. As mensagens de texto nessa época eram limitadas a
poucos caracteres e não permitiam a utilização de acentos ou caracteres especiais. Para
utilizar o serviço de SMS também era preciso que os celulares de ambos os usuários,
destinatário e receptor, fossem compatíveis com a tecnologia. Os celulares capazes de enviar
mensagens de texto começaram a vir, então, equipados com um teclado alfanumérico.
Novas tecnologias e inovações foram surgindo rapidamente nos celulares. Com o avanço da
tecnologia nas operadoras e nos aparelhos, os dispositivos que traziam campainhas um tanto
irritantes foram sendo substituidos pelos ringtones monofônicos, polifônicos e
personalizados.

Já era possível escolher um toque que nos agradasse, colocar imagens para personalizar e
alguns modelos tinham até animação na tela. Os displays que, até então, eram
monocromáticos começaram a ganhar cores. As fabricantes introduziram visores com escalas
de cinza – recurso que permitia distinguir imagens –, e não demorou muito para que os
aparelhos ganhassem displays de 64 mil cores (primeiro surgiram 4 mil cores) e logo
apareceram os visores com até 256 mil cores — as imagens já pareciam reais e não havia
como perceber a falta de cores.

Samsung Star 3G

A evolução não parou e hoje os aparelhos possuem 16 milhões de cores, um recurso que é
fundamental em aparelhos de alta resolução. A partir desse momento, já era possível ver
com nitidez e com detalhes imagens coloridas e, em pouco tempo, surgiu o recurso das
mensagens multimídia (MMS). No início, as MMS eram utilizadas para enviar imagens
para outros contatos. Com a evolução do serviço tornou-se possível o envio de vídeos, se
aproximando de um envio de e-mail.

Finalmente estava disponível nos celulares a Internet. Dessa forma, nascia a terceira
geração (3G) de telefonia móvel. A Internet acessada por meio de um celular não era nada
parecida com a que as pessoas utilizavam nos computadores. Para tornar o serviço eficiente
era necessário que os portais criassem páginas próprias para celular (as chamadas páginas
WAP), com conteúdo reduzido e poucos detalhes – o que já podemos ver nos dias de hoje.

Sony Ericsson Idou - Celular com câmera de 12.1 MP


Outra inovação da tecnologia 3G foram as câmeras digitais. O celular deixa de ser apenas
um instrumento de comunicação e passa a ser ferramenta de entretenimento. As câmeras
estão evoluindo com o tempo e agora em 2010 já existem aparelhos com qualidade de 12.1
MP e sensor CCD (dispositivo de carga acoplada) com 300dpi que, além de fotografar, filma
em Alta Definição (30fps).

Apesar de hoje parecer comum, não podemos esquecer do MP3, outra revolução no aparelho.
Atualmente, qualquer celular com um mínimo de tecnologia embutido reproduz esse formato
de compressão de áudio.

Sem teclado

Os primeiros celulares sensíveis ao toque surgiram como uma das maiores inovação
tecnológica dos últimos anos em termos de dispositivos móveis. O iPhone, smartphone
desenvolvido pela Apple, foi o que mais se destacou, já que não era apenas sensível ao toque
e trazia a sensibilidade a múltiplos toques, ou seja, com a possibilidade de comandá-lo
utilizando vários dedos.

iPhone 4G

O iPhone foi lançado no dia 29 de junho de 2007 nos Estados Unidos. A Apple registrou mais
de duzentas patentes relacionadas com a tecnologia que criou o aparelho, o qual possui
funções de iPod, câmera digital, Internet, mensagens de texto (SMS), visual voicemail,
conexão Wi-Fi e, atualmente, suporte a videochamadas (FaceTime).

Os modelos 2G e 3G do iPhone saíram de linha após o lançamento da versão 4 do aparelho,


no dia 24 do mês passado (junho), nos Estados Unidos, onde o modelo 3GS de 8GB continua
a ser vendido, mas com o preço reduzido para US$ 99. Já o iPhone 4 é vendido por US$ 199
(16 GB) e US$ 299 pelo modelo de 32 GB na Apple Store e pela AT&T Mobility.

O iPhone ainda vem com um acelerômetro para rotacionar a tela automaticamente, sensor
de luz ambiente e sensor de proximidade. O primeiro aparelho da Apple rodava o Sistema
Operacional MAC e vinha com uma câmera de 2 MP. Hoje, o dispositivo vem com o Sistema
Operacional iOS, lançado no dia 21 de junho deste ano e que, inclusive, já está na versão
4.0.1.
O iOS chegou com a promessa de aumentar a velocidade do celular, além de vir com recurso
de multitarefa, que permite ao usuário utilizar vários aplicativos simultaneamente.

A tecnologia utilizada em celulares evoluiu tanto que os dispositivos mais atuais


estão sendo chamados de smartphones (celulares inteligentes). Esses celulares
possuem funcionalidades avançadas que podem ser estendidas por meio de
programas executados no seu Sistema Operacional, que são "abertos", o que
significa que qualquer pessoa pode desenvolver programas para funcionar nesses
telefones.

Um smartphone possui características mínimas de hardware e software, como


capacidade de conexão a redes de dados para acesso à internet, capacidade de
sincronização dos dados do organizador com um computador pessoal e agenda de
contatos que utiliza toda a memória disponível no celular, não sendo limitada a um
número fixo de contatos.

Em um celular de última geração pode-se ter mais de 32GB de dados disponíveis,


além de GPS, câmera digital, filmadora, planilhas eletrônicas e editores de texto.
Também é possível utilizar o GPS, o player de música e a conexão de dados
simultâneamente – caso do Nokia Sports Tracker –, durante um treinamento de
corrida ou caminhada, por exemplo, quando o usuário poderá acompanhar sua
velocidade, distância percorrida, tempo de duração, além de poder ouvir músicas.
Ainda é possivel exportar os dados para o Google Earth, ver o trajeto que foi
percorrido no mapa e verificar quais músicas foram ouvidas no percurso.
Nokia N82 Sports Tracker

O celular do futuro

Assim como a 3G, a nova tecnologia 4G continuará investindo no avanço da


transmissão de dados em dispositivos móveis, que promete aumentar em 180
vezes a velocidade atual, tornando os aparelhos 3G ultrapassados. Isso significa
que, enquanto a Internet 3G leva em média seis horas para baixar um arquivo com
1GB, os dispositivos 4G deverão levar aproximadamente dois minutos para baixar o
mesmo arquivo.

A tecnologia 4G está baseada totalmente em IP (protocolo de comunicação usado


entre duas ou mais máquinas em rede para encaminhamento dos dados), elemento
comum encontrado na Internet pública nos dias de hoje. Isso quer dizer que a
tendência é os celulares virarem computadores minúsculos.

Com o 4G ainda será possível assistir aos filmes de alta definição no momento em
que eles estão sendo baixados, ou armazenar vídeos no computador enquanto
estão sendo captados pela câmera, sem a necessidade de gravar e depois
descarregar.

A HTC, em parceria com a Sprint, lançou nos Estados Unidos, no início do mês
passado (4 de junho) o HTC Evo 4G, primeiro smartphone com conexão WiMAX,
que introduziu no mercado a tecnologia 4G, prometendo até 10 vezes mais
velocidade que a 3G. O Evo também poderá funcionar como um hotspot Wi-Fi para
até oito dispositivos diferentes, podendo ser até mesmo um iPhone 4 ou Notebook.
O aparelho apresenta uma tela de 4,3 polegadas com resolução de 480 x 800
pixels, e ainda conta com processador Snapdragon de 1 GHz, câmera de 8 MP, uma
câmera frontal de 1,3 MP e saída HDMI para a transmissão de vídeos em HD.

Com essas características, o Evo 4G tem grandes chances de se tornar o melhor


telefone celular do mundo.

O dispositivo de US$ 199 possui conexão via rede WiMAX disponível para 34
milhões de pessoas, com promessa para atingir 120 milhões de americanos até o
final do ano. A estimativa é de que o aparelho não chegue tão cedo ao Brasil, já que
nem mesmo a Internet 4G chegou por aqui ainda.

HTC Evo 4G

A previsão é de que os primeiros dispositivos com a tecnologia 4G cheguem ao


Brasil somente em 2014, já que grandes mudanças na infra-estrutura ainda
precisam ser feitas para que a velocidade teórica prometida seja correspondida,
assim como gasto de muito dinheiro com fibra óptica para evitar ondas de
reclamações (como ainda ocorrem em relação a 3G).

Isso quer dizer que muitos obstáculos ainda precisam ser superados para que o
celular do futuro chegue ao Brasil, a começar pela criação de regras para o 4G, que
estão sendo elaboradas pela Anatel desde o início do ano, além de mudanças que
possam acabar com a cobrança de taxas abusivas pelas empresas em troca de
serviços de baixa qualidade.