Sunteți pe pagina 1din 6

Organização, Sistemas e Métodos LAYOUT

LAYOUT

O estudo do arranjo físico de móveis e equipamentos em qualquer local de trabalho é de


importância indiscutível, pois disso dependem o bem-estar e, conseqüentemente, o melhor
rendimento das pessoas. Uma boa disposição de moveis e equipamentos facultam, maior
eficiência aos fluxos de trabalho e uma melhoria na própria aparência do local.

Objetivos

Proporcionar um fluxo de comunicação entre as unidades organizacionais de maneira eficiente,


eficaz e efetiva.

Proporcionar melhor utilização da área disponível na empresa.

Proporcionar um fluxo de trabalho eficiente.

Proporcionar facilidade de coordenação.

Proporcionar redução de fadiga do funcionário no desempenho da tarefa, incluindo o


isolamento contra ruídos.

Proporcionar situação favorável a clientes e visitantes.

Proporcionar flexibilidade em caso de modificações nas tecnologias dos processos.

Facilitar a limpeza do ambiente.

Facilitar supervisão e comunicação.

Para a determinação de um arranjo físico ideal, torna-se aconselhável o seguinte roteiro:

Informar-se sobre as atividades a serem desenvolvidas em certo espaço disponível.

Informar-se sobre as dimensões e características dos moveis e equipamentos necessários às


operações que ali serão desenvolvidas, bem como sobre o numero de empregados que serão ali
lotados e suas respectivas condições e fluxos de trabalho.

Preparar uma planta baixa e plantas de perfis dos vários ângulos do local, confrontando a área
disponível.
Tentar encontrar uma disposição ótima, levando em conta os fatores organizacionais,
ecológicos de ambientação e físicos.

Testar a solução encontrada, dispondo os moveis e equipamentos numa maquete.

Levar à apreciação dos usuários e, finalmente, da Direção Superior a solução encontrada.

Princípios básicos para elaboração de um Layout:

Dispor próximas as Unidades Organizacionais (UO’s) que tenham um grande fluxo recíproco de
informações ou documentação.

Dispor as unidades de trabalho de modo a permitir rápida e eficiente supervisão dos


funcionários.

Colocar as unidades de atendimento ao público próximo à entrada.

Alocar arquivos, armários, máquinas e outros utensílios, perto das pessoas ou unidades que
delas façam uso mais freqüente.

Dispor, na medida do possível, as pessoas, os móveis e os equipamentos no mesmo sentido dos


processos.

Agrupar, no térreo, as unidades que operam grandes máquinas e equipamentos.

Atentar para uma eficiente sinalização.

Guardadas as proporções, o mesmo critério aplica-se à análise de layout já existente, podendo-


se realocar pessoas, moveis e equipamentos; solicitar novos móveis e equipamentos ou até
excluir peças que não estejam tendo qualquer utilidade. O mesmo estudo poderá chega à
conclusão de que o espaço é inadequado ao desenvolvimento das atividades pretendidas.

As finalidades principais do arranjo físico são:

conseguir a eficiência no fluxo de documentos;

facilitar a supervisão por parte das chefias;

melhorar o desempenho dos empregados;

otimizar a utilização de máquinas, equipamentos, móveis e espaço físico.


Harry Miller sugere, quanto à iluminação, os seguintes parâmetros:

Nos corredores watts

Nas salas watts

Nas áreas de digitação de arquivos watts

nas áreas de contabilidade watts

Nas áreas de desenho watts

Uma das características da boa iluminação é não provocar ofuscamento, o que se obtém
eliminando superfícies polidas, brilhosas, espelhadas e vitrificadas.

Harry Miller sugere algumas formas para eliminar os ruídos, entre as quais destacamos:

Substituição de campainhas por sinais óticos

Colocação de fechaduras automáticas nas portas e lubrificação das fechaduras e dobradiças

Forração do piso com linóleo ou carpete

Emprego de material acústico

abafamento parcial das campainhas de telefones

uso de guarnição de borracha nos pés das cadeiras;

Som Ambiente: Pesquisas realizadas mostram que a maioria dos entrevistados manifestou-se
favoravelmente ao som ambiente de trabalho. As empresas especializadas apresentaram
diversas teorias sobre o beneficio do mesmo. Quando insistimos sobre o que representa, de
fato, a música que ele ouve, vem logo a resposta: “Se a música não me agrada, ela me irrita; se
me agrada, faço uma viagem ouvindo-a”. É claro que, irritado ou viajando, a produção se
desnivela, gerando insatisfação e baixa produtividade nas organizações.

Os estudos mostraram que o som ambiente é totalmente desaconselhável para ambientes de


trabalho que exijam um grau mínimo de concentração.

Cores : É inquestionável o efeito psicológico que as cores dos moveis e cômodos causam às
pessoas. Além disso, elas são meios auxiliares na criação de efeitos de ilusão de ótica que, às
vezes são necessários, em decorrência de alguma disfunção estrutural do local.
Há livros e estudos específicos que podem ser encontrados nesta área. Todos são unânimes em
aconselhar, como mais ideais para ambientes de escritório, as cores frias, como branco, creme,
tonalidades claras do azul, do verde e do cinza.

A psicodinâmica das cores merece um estudo mais aprofundado a respeito. Sabemos da


importância que a cor exerce na produção e no bem-estar das pessoas. O peso aparente dos
objetos aumenta ou diminui de acordo com sua cor. As cores claras proporcionam a sensação de
menor peso.

Segundo a ABNT, as cores padronizadas para uso nos postos de trabalho, NB. 76 são:

Vermelho , Alaranjado , Amarelo , Verde , Azul , Branco , Preto.

Vermelho: Usada para distinguir e indicar perigo (caixa de alarme, extintores etc.)

Alaranjado: Identifica partes móveis e perigos de máquinas e equipamentos.

Amarelo: É cor usada no sentido de perigo, para indicar cuidado (parte baixa de escadas
portáteis, corrimão etc. )

Verde: Caracteriza segurança, identifica caixas de equipamentos de socorro de urgência,


boletins, avisos de segurança etc.

Azul: Indica cuidado, exemplificando: elevadores, entradas de caixas subterrâneas, tanques,


tornos, caldeiras etc.

Branco: Empregado para assinalar passadiços e corredores de circulação por meio de faixas etc.

Preto: Identifica coletores de resíduos. Usado também para substituir o branco, quando as
condições locais exigirem.

Tipos de Layout / Arranjo Físico

Com relação à divisão do espaço, existem dois tipos básicos de arranjo físico: o arranjo com
divisórias e o arranjo sem divisórias.

Arranjo com divisórias – Como se diz o próprio nome, este tipo de arranjo caracteriza-se por
separar as posições ou setores de trabalho por meio de divisórias, armários, paredes ou outros
meios de separação total ou parcial (meia altura).

É recomendável, principalmente, para os trabalhos que exijam a formação de equipes de


especialistas. Como vantagem, ele oferece alto nível de especialização e de concentração no
trabalho e uma criação de laços sólidos de amizade entre os membros do grupo, sendo bastante
usado em escritórios, de um modo geral.
Como desvantagem, a utilização de divisórias encarece o projeto e representa uma maior perda
do espaço físico aproveitável. Além disso, a ligação intensa dos membros do grupo pode gerar
sectarismos, criando barreiras ao relacionamento com o grupo maior de toda a organização.

Arranjo sem divisórias: Bastante usado em bancos e fábricas, não apresenta divisórias,
consistindo, às vezes, em um salão único onde todas as funções são desempenhadas, sem
separação física. Os defensores deste tipo aconselham-no, principalmente, para os trabalhos
que não exijam muita concentração.

Sua vantagem está na facilidade criada para a supervisão geral e no relacionamento mais
intenso e abrangente das pessoas de toda a organização.

Como desvantagem não satisfaz a contento a necessidade humana de status, deixando as


chefias sem grandes destaques e as pessoas menos à vontade, pelo fato de se sentirem
“vigiadas” de vários ângulos, inclusive pelo próprio público externo.

TIPOS DE LAYOUT

Em Linha: Também denominada por produto, onde todas as máquinas e os processos


necessários são agrupados juntos e seqüenciais.

Ex: Montagem de automóveis, programa de vacinação em massa, restaurante self-service.

Funcional – Também denominado por processo, onde todas as máquinas que intervém num
mesmo trabalho ou função estão agrupadas juntas (industrial).

Ex: Hospital (RX, laboratório); Supermercado (comida congelada e laticínios); Biblioteca.

Layout Posicional Fixo: O produto ou o sujeito do serviço é muito grande para ser movido ou
estar em estado muito delicado para ser deslocado.

Ex. Cirurgia de coração aberto o paciente não pode ser removido, Rodovia e Restaurante de alta
classe.

Layout Celular – Baixos estoques intermediários, menor movimentação de materiais, utiliza o


conceito de grupo operacional, dificuldade de balanceamento da capacidade das máquinas.

Ex. Célula: dois ou mais postos de trabalho distintos localizados proximamente, nos quais um
número limitados de peças ou modelos é processado utilizando Fluxos lineares.Pode ser
arranjada como um layout por processo ou por produto.
Layout posicional Flexível – Neste caso a linha de produção é rearranjada rapidamente, de
acordo com os produtos e as quantidades produzidas.

INDICADORES DE PROBLEMAS NO LAYOUT

Demora excessiva no desenvolvimento do processo de trabalho

Mau fluxo de trabalho

Excessiva acumulação (formação de filas, clientes, mercadorias)

Perda de tempo para se deslocar de uma unidade para outra

Estocagem desnecessária de materiais.