Sunteți pe pagina 1din 82

Introdução à Farmacologia

MSc. Telma Lélia Gonçalves Schultz de Carvalho


e-mail: telmaschultz@yahoo.com.br

Santarém
2019-2
Objetivos da aula
• Apresentar suscintamente a história da
farmacologia e compreender como a mesma se
tornou e evoluiu em disciplina científica;

• Apresentar as subdivisões da farmacologia;

• Descrever como a farmacologia se relaciona com


outras ciências;

• Apresentar os conceitos básicos da farmacologia.


INTRODUÇÃO

De onde vem a necessidade do


homem em utilizar drogas para fins
terapêuticos?

O ponto fundamental consiste


no desejo em:

1. Melhorar sua qualidade de vida;

2. Aliviar ou se possível abolir a dor;

3. Prolongar a vida.
INTRODUÇÃO

No entanto, as medidas
terapêuticas adotadas:

1. Nem sempre logram o resultado desejado;

2. Muitas vezes só alcançam o alívio ou consolo


do paciente;

3. Do ponto de vista histórico existem relatos


muito antigos sobre o uso de drogas no
tratamento de enfermidades.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
Pré-história
Conhecimento dos efeitos benéficos ou tóxicos de
origem animal e vegetal;

Pouco sabia que boa parte dos remédios eram inúteis


ou até prejudiciais;

Medicina Primitiva: baseada no empirismo, em


crenças e ritos mágicos aliados ao uso de elementos
da natureza (os quais permanecem até hoje).
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

- O ser humano percebeu os efeitos curativos das plantas medicinais,


notando que de alguma forma sob a qual o vegetal medicinal era
administrado (pó, chá, banho e outros) proporcionava a recuperação da
saúde do indivíduo – Forma farmacêutica.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
Por muito tempo acreditou-se que:

Doenças provocadas por espíritos


malignos;
Encantamentos, músicas
e perfumes (promover a cura).

Civilizações antigas: mistura de magia, religião


e drogas para o tratamento de doenças e as
drogas com maior valor de uso eram tidas como
mágicas (plantas, animais ou minerais);
O detentor desse conhecimento era respeitado e
temido.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
China antiga
•Na China antiga a 3.700 anos a.C. temos o Tratado médico
mais antigo escrito pelo imperador Shen Nung. Para uma
determinada enfermidade havia uma planta que seria um
remédio. Conforme a lenda, ele podia observar os efeitos de
seus preparados no organismo por ter o abdômen
transparente.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

OS EGÍPCIOS

• Os egípcios utilizavam
sais de chumbo, cobre e
unguentos feitos com
plantas medicinais e
gordura de vários
animais, como
hipopótamo, crocodilo e
serpentes.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

OS GREGOS

❖ Acreditavam que o
destino dos homens
representava um mero
capricho dos deuses.

❖ A cura e a proteção divina


andavam de mãos dadas.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

- 800 a.C. : Os primeiros médicos gregos avançaram até o


ponto em que diagnosticavam causas naturais para as
doenças, ainda que não rejeitassem o uso da cura
sobrenatural em conjunção com medicamentos empíricos
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

OS GREGOS X ROMANOS

• Extratos de plantas: Inicialmente extraía-se com


água e depois com o vinho

• A evolução da extração permitiu a fabricação de


xaropes e elixires

• Os principais descritores desta arte foram:

– Grécia = Hipócrates (pai da medicina


“racional”)
– Roma = Galeno (vários livros sobre preparação
de medicamentos)
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
Hipócrates e Galeno

• Doenças: causas naturais e NÃO


SOBRENATURAIS;

• Primeiros a vincularem as práticas


médicas à farmacologia;
Hipócrates (460-370 a.C.)

• Suas ideias ajudaram a livrar a


medicina do misticismo;

• Hipócrates: ao sistematizar os
grupos de medicamentos -
narcóticos, febrífugos e purgantes -
inaugurou uma nova era para a
cura.
Galeno (131-201 d.C.)
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
Hipócrates e Galeno

• Hipócrates (425 a.C.) →


explicação racional da doença

• Ligação conceitual entre meio


ambiente e humanidade →
conexão entre os quatro
elementos da terra (terra, ar, Hipócrteas (460-370 a.C.)
fogo e água) e os quatro
humores governantes do corpo
(bile negra, sangue, bile amarela
e muco)
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA
Hipócrates e Galeno

• 1.º a considerar a teoria das doenças


HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Paracelsus (1493-1541)

• Conhecia os ingredientes
ativos nos remédios
prescritos.

Paracelsus (1493-1541)

“Toda droga é veneno, depende


apenas da dose”
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Francois Magendie

Somente no séc. XVII François


Magendie estabelece as bases
experimentais para o estudo
da moderna fisiologia e
farmacologia.
Francois Magendie
(1783-1855)
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Nascimento da Farmacologia como ciência

• Até por volta de 1920


predominou o uso de
produtos naturais
principalmente originados
de plantas;

• Como ciência: nasceu no séc. XIX, uma das


muitas novas ciências biomédicas baseadas
nos princípios da experimentação, e não nas
crenças vigentes.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Moderna
• Séc XX – química sintética revolucionou a indústria farmacêutica
e surgiram conceitos fundamentais em Farmacologia:

✓ Relação estrutura-atividade → T. Fraser;


✓ Receptor de drogas → J. Langley;
✓ Toxicidade → P. Ehrlich;
✓ Lei da ação das massas (droga-receptor) → A.J. Clark, A. Clark;
• Ehrlich(1909)→ desenvolveu a quimioterapia;
• Fleming(1928)→ penicilina, testada em humanos em 1940;
• Explosão de Novos Fármacos: 1940-1950 (Tempo médio de revisão: 7
meses).
• Beyer(1950)→ tiazidas (derivados das sulfonamidas) e várias outras drogas;
• Black (1960/70)→ propranolol e cimetidina;
• Surgiram todos barbitúricos e anestésicos locais.
➢ Séc – XXI - DNA recombinante e Biofármacos (anticorpos, enzimas,
proteínas reguladoras, hormônios e fatores de crescimento).
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Moderna
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Moderna

-Talidomida: Medicamento sedativo / hipnótico introduzido no


mercado pela Chemie Grünenthal da Alemanha em1950.
-Segurança (“tão segura que seria impossível alguém ter êxito em
tentativas de suicídio com a talidomida”) um dos motes do
marketing agressivo da nova droga.
-Suspeitas da Dra Frances Kelsey do FDA impediram entrada
legal no mercado americano.
-Aumento inusitado de focomelia e amelia, malformações raras e
visíveis ao nascimento, associadas por McBride (1961) e Lenz
(1961) ao uso da talidomida durante a gravidez.
-Talidomida retirada do mercado na Alemanha em 1961.
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Moderna
HISTÓRIA DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Moderna
Emendas “Kefauver-Harris” de 1962
Comprovar a eficácia e segurança de novos medicamentos antes
do acesso ao mercado

Indústrias passam a ser obrigadas a operar segundo as Boas


Práticas de Fabricação. Good Manufacturing Practices - GMP

FDA passa a ter que aprovar formalmente a NDA antes do


produto ingressar no mercado

Em 2004, a FDA aprovou 119 New Drug Applications (NDA,


Pedidos de Registro de Novo Fármaco) e 6 Biologic License
Applications (BLA, Pedidos de Registro de Licença Biológica).
FARMACOLOGIA:
RAMIFICAÇÕES

➢Ciências Básicas

➢Ramifica-se em todas a s especialidades


➢Psicologia
➢Sociologia
➢Ecologia
➢Agricultura
➢Guerra
Modafinil
FARMACOLOGIA: RELAÇÃO COM OUTRAS
CIÊNCIAS (Ciência Multidisciplinar)
SUBDIVISÕES DA FARMACOLOGIA

Farmacologia Geral: Estuda os conceitos básicos e


comuns a todas as drogas;
Farmacologia Aplicada: Estuda os fármacos reunidos
em grupos e de ação similar;
Farmacocinética: vias e sistemas de administração,
destino do fármaco (absorção, distribuição,
biotransformação e eliminação);
Farmacodinâmica: local de ação, mecanismo de ação,
Ações e efeitos terapêuticos e tóxicos;
SUBDIVISÕES DA FARMACOLOGIA

Farmacoterapia (assistência farmacêutica): orientação do


uso racional de medicamentos;

Farmacologia pré-clínica: Eficácia do fármaco em animais


(mamíferos);

Farmacologia clínica: Eficácia do fármaco no homem


(voluntário sadio/voluntário doente);
SUBDIVISÕES DA FARMACOLOGIA

Fitoterapia: Uso de fármacos vegetais (plantas medicinais);

Farmacognosia (gnose = conhecimento): estudo a origem das


substâncias ativas nos animais, vegetais e minerais no estado
natural e sua fontes;

Farmacoepidemiologia: estudo das Reações Adversas dos


medicamentos (RAM), do risco/benefício e custo dos
medicamentos numa população.
SUBDIVISÕES DA FARMACOLOGIA

Farmacotécnica: Ocupa-se da preparação das formas


farmacêuticas, é a arte do preparo e conservação do
medicamento em diferentes formas;
Farmacovigilância: Preocupa-se com a validade,
concentração, apresentação, eficácia farmacológica,
industrialização, comercialização, custo e controle da
qualidade de medicamentos já aprovados e licenciados
pelo Ministério da Saúde;
Toxicologia: Efeitos tóxicos de qualquer produto,
inclusive dos medicamentos (doses tóxicas).
FARMACOLOGIA: CONCEITO
O que é farmacologia?

Etimologia:Φαρμακολογίας Substâncias
biologicamente
ativas:
Exógenos
Endógenos

DROGA ESTUDO

“É o estudo das substâncias químicas que interagem com os


sistemas vivos por meio de processos químicos”.

No campo médico estas substâncias químicas recebem o nome de droga


ou fármaco (efeito benéfico ou maléfico).
FARMACOLOGIA: CONCEITO

Aplicações da Farmacologia
Farmacoterapia
(Tratamento
medicamentoso)
Efeito benéfico
Diagnóstico (Contraste
(Droga-
medicamento)
radiológico)
Substância Sistema Profilaxia (Vacinas)
Nutracêuticos
química
(Droga)
+ Biológico

Efeito maléfico
(Droga-tóxico) Toxicologia
FARMACOLOGIA

A Farmacologia engloba o conhecimento da história, origem,


propriedades físico-químicas, associações, efeitos bioquímicos e
fisiológicos relacionados às drogas.
FARMACOLOGIA: CONCEITO

Qualquer substância que ocasiona uma


alteração no funcionamento biológico por
suas ações químicas.

Efeito benéfico Efeito adverso

Medicamento Agente
tóxico
FARMACOLOGIA TOXICOLOGIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

Drogas X Fármacos X Medicamentos X Remédio


Qual a diferença?

Vamos começar a pensar?

Como você definiria:

1. Medicamento
2. Droga
3. Principio Ativo
4. Remédio
5. Medicação
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

Drogas X Fármacos X Medicamentos X Remédio


Qual a diferença?

Para o leigo o que significa droga?

• Droga (drug): Qualquer substância


química capaz de alterar as funções
biológicas do organismo com efeitos
benéficos (droga-medicamento) ou
efeitos maléficos (droga-tóxico);

• Sua estrutura química não encontra-


se totalmente elucidada. (Obs.: Não
confundir com droga de abuso).
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

Drogas X Princípio ativo X Fármacos X Medicamentos X


Remédio

• Princípio ativo: é a substância


que deverá exercer efeito
farmacológico. Um
medicamento, alimento ou planta
pode ter diversas substâncias em
sua composição, porém somente
uma ou algumas destas
conseguirão ter ação no
organismo. Ainda em relação aos
medicamentos, denomina-se
fármaco o princípio ativo deste.
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

◼ Fármaco (pharmacon): Substância com estrutura química


conhecida ou bem definida e com atividade biológica
benéfico ou não (substância animal, vegetal, mineral,
sintética ou semi-sintética).
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

◼ Medicamento (medicamentum):
produto farmacêutico, tecnicamente
obtido ou elaborado, com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou
para fins de diagnóstico. Ex: anti-
hipertensivos; antimicrobianos;
quimioterápicos; ansiolíticos
•anticonvulsivantes •meios de
contrastes

“Todo medicamento possui pelo menos um fármaco, mas nem


todo fármaco é um medicamento”.
CONCEITOS BÁSICOS EM
FARMACOLOGIA

◼ Remédio (re = novamente; medior = curar): Tudo que


é usado com intenção benéfica (substância animal,
vegetal, mineral, sintética, semi-sintética,
procedimento, ginástica, massagem, acupuntura,
banhos, caminhada, fé, crença, influência, etc.).
CONCEITOS BÁSICOS EM
FARMACOLOGIA
CONCEITOS BÁSICOS EM
FARMACOLOGIA
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

❑ Placebo (placere = agradar):


Preparação inativa administrada
para satisfazer a necessidade
psicológica do paciente de tomar
um medicamento. Usado em
ensaios clínicos controlados;

❑ Nocebo (Nocebo= vou lesar):


placebo que causa efeitos
adversos.
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

✓ Alopatia (Cura pelo antagonismo): Sistema


terapêutico da medicina tradicional, que utiliza
medicamentos que vão produzir no organismo do
doente reação contrária aos sintomas apresentados (
Ex: se o paciente tem febre, o médico receita um
remédio que faz baixar a temperatura);

✓ Homeopatia (Semelhante cura semelhante): É um


método terapêutico, onde a cura se dá através de
medicamentos não agressivos que estimulam o
organismo a reagir, fortalecendo seus mecanismos de
defesa naturais. É preparado em um processo que
consiste na diluição sucessiva da substância.
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

• Alopáticos
– Contraria contrariis curantur
• Contrários são curados por contrários
• Princípio seguido por Galeno que estabeleceu também as
bases da alopatia
– Medicamentos que produzem no organismo, efeitos contrários
aos da doença.
– Medicamentos alopáticos são produzidos nas indústrias em larga
escala, ou em farmácias de manipulação de acordo com a
prescrição médica.
– São os principais produtos farmacêuticos vendidos nas farmácias
e drogarias.
• Homeopáticos

– Similia similibus curantur (Semelhante cura semelhante).


– Medicamento homeopático é qualquer substância, submetida a um
processo conjunto de diluição e dinamização, capaz de provocar
tanto o surgimento de sintomas físicos e psíquicos no homem
sadio como o desaparecimento destes mesmos sintomas numa
pessoa doente.

• Manipulados
– Preparados para atender a uma prescrição médica específica, em
doses adequadas ao paciente. Qualquer medicamento, alopático,
fitoterápico ou homeopático, pode ser manipulado.
• Fitoterápicos

– Medicamento farmacêutico obtido por processos


tecnologicamente adequados, empregando-se
exclusivamente matérias-primas vegetais, com finalidade
profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico.
– É caracterizado pelo conhecimento da eficácia e dos riscos
de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância
de sua qualidade.
– Não se considera medicamento fitoterápico aquele que, na
sua composição, inclua substâncias ativas isoladas, de
qualquer origem, nem as associações destas com extratos
vegetais.
E O NATURAL, FAZ MAL ?
FITOTERÁPICOS, PLANTAS, FUNGOS E MINERAIS
E O NATURAL, FAZ MAL ?
FITOTERÁPICOS, PLANTAS, FUNGOS E MINERAIS
CONCEITOS BÁSICOS EM FARMACOLOGIA

Pró-droga

Termo usado para indicar que a substância química


precisa transformar-se no organismo a fim de tornar-se
ativa.
ORIGEM DAS DROGAS

Algumas são produzidas no próprio


Organismo;

OUTRAS SÃO XENOBIÓTICAS


• De origem animal
• De origem vegetal
• Produto de síntese
ORIGEM DAS DROGAS

Medicamentos na
Atualidade

• Sintéticos .............. 50%


• Vegetais ................ 18%
• Soros ..................... 1%
• Vacinas ................. 3%
• Semi-sintéticos ..... 3,5%
• Minerais ............... 9%
• Animais ................ 10%
ORIGEM DAS DROGAS

Farmacologia Clínica

Avalia a segurança e eficácia dos


fármacos no homem.
ORIGEM DAS DROGAS

Farmacologia Clínica

Fase I: farmacologia clínica


definir a segurança
Fase II: investigação clínica
Definir a eficácia e a dose
Fase III: ensaios clínicos
Verificar a eficácia e detectar efeitos
adversos
Fase IV: pós-comercialização
Obter dados adicionais após a aprovação
ORIGEM DAS DROGAS

Desenvolvimento de
Novas Drogas

✓ Fase pré-clínica
✓ Fase clínica
A PESQUISA CLÍNICA ATUALMENTE

Mais de sete mil medicamentos estão em desenvolvimento no


mundo todo:

• 1.256 voltados para doenças infecciosas; • 1.813 para câncer; •


1.120 para doenças imunológicas; • 1.329 para doenças neurológias;
• 599 para doenças cardiovasculares; • 159 para o HIV/AIDS; • 475
para diabetes; • 551 para transtornos mentais.

Fonte: Federação Internacional de Associações de Indústrias


Farmacêuticas (IFPMA, na sigla em inglês) – Facts and Figures
2015
Nomenclatura das Drogas
Medicamento de Referência

-Nome genérico: Procaína.

-Nome químico: Éster do ácido 2-


(dietilamino)-etil-4-aminobenzóico.

-Nomes comerciais: Novocaína,


Etocaína, Neocaína, Clorocaína,
Paracaína, Anestil, etc.
Medicamento de Referência
DIFERENÇA ENTRE MEDICAMENTO DE
REFERÊNCIA X SIMILAR X GENÊRICO
Medicamento de Referência
Medicamento genérico
Reações farmacológicas
adversas
“...qualquer efeito prejudicial ou indesejável,
não intencional , que apareça após a
administração de um medicamento em doses
normalmente utilizadas no homem para a
profilaxia, o diagnóstico e o tratamento de
uma enfermidade.” (OMS)
Efeitos secundários

Depósito de tetraciclina em dentes.


Hipersensibilidade alérgica

-A síndrome de Stevens-Johnson
é uma reação alérgica extrema
que pode ser desencadeada pelo
uso de Ibuprofeno.
-Na imagem ao lado: Macey
Marsh, inglesa de 2 anos de idade
após o uso de Nurofen.
BibliografiaUTILIZADA
BIBLIOGRAFIA

✓ KATZUNG, B. G.; MASTERS, S.


B.; TREVOR, A. J. Farmacologia
Básica e Clínica. 12ª ed. Porto
Alegre: Artmed, 2014.

✓ SILVA, P. Farmacologia. 8ª ed.


Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2013.
LEMBREM-SE:

Medicamento não pode ser tido


como uma mercadoria qualquer, à
disposição dos consumidores e
sujeito às leis do mercado. Ele é,
antes de tudo, um instrumento do
conjunto de ações e medidas
utilizadas para a promoção e
recuperação da saúde
OBRIGADA