Sunteți pe pagina 1din 9

Instalação do Venerável Mestre – Relatos históricos

Luciano R. Rodrigues – www.oprumodehiram.com.br

Uma das acusações que os “Antigos” fizeram aos “Modernos” no século


XVIII era a de ter caído no esquecimento ou negligenciado a cerimônia
secreta de Instalação do Mestre Eleito da Loja, atualmente chamado de
Venerável Mestre. Em 1813, após a união das duas Grandes Lojas
rivais da Inglaterra, esta cerimônia passou a ser considerada como um
dos marcos tradicionais.

Este artigo é baseado na escrita do pesquisador francês Rene Guilly,


também conhecido como René Desaguliers, que por sua vez revisou o
trabalho de Harry Carr na revista Ars Quatuor Coronatorum vol.89 de
1976 sob o título “A Evolução da Cerimônia de Instalação e Ritual” e foi
exibido por Harry Carr na loja de mesmo nome em 19 de fevereiro de
1976.

Como a cerimônia de instalação é difundida na França, René


Desaguliers tem interesse especial em estudar as fontes desta
cerimônia secreta, através das divulgações maçônicas, que são
importantes registros históricos. Interesse este que não é diferente das
pesquisas realizada para o “Prumo de Hiram”.

De qualquer forma, Harry Carr limita seu estudo apenas às fontes


inglesas, embora, enfatiza Désaguliers, as fontes irlandesas pareçam
ser de seu interesse.

Primeiro de tudo, Harry Carr remonta à história da Maçonaria Inglesa


por 600 anos, até a Maçonaria operativa e descobre que não há
nenhum vestígio de cerimônias de instalação ou eleição antes da
maçonaria especulativa de 1717, mesmo com relação aos Diáconos,
Vigilantes e Mestres.
As Constituições de Anderson de 1723, no entanto, descrevem o
caminho para constituir e criar uma nova loja. Cita também a Cerimônia
de Instalação de Wharton. Estamos falando de Philip Wharton, 1º
Duque de Wharton, Grão-Mestre da Grande Loja de Londres e
Westminster em 1722.

Philip Wharton, 1º Duque de Wharton


É a descrição mais antiga da instalação do Mestre de uma nova loja e o
que aprendemos com ela?

Em primeiro lugar, o Grão-Mestre pergunta se o “candidato” foi


examinado por seu vice/adjunto. Aquele candidato que é um
Companheiro do Ofício, de boa moral e grande experiência, está
localizado à esquerda do Grão-Mestre e após o consentimento unânime
dos irmãos, a nova loja é constituída, os deveres do Mestre são
apresentados e ele é instalado.

Infelizmente, nem esses deveres nem a cerimônia de instalação são


conhecidos.

Em seguida, todos os membros curvam-se para a sua vez para


cumprimentá-lo como sinal de submissão. A primeira coisa que está
provada é que a Maçonaria de 1723 tinha dois graus, mesmo que,
nesse caso, não esteja claro em que grau a cerimônia está aberta.

Os membros são, sem dúvida, Mestres e Companheiros do Craft, e


nenhuma obrigação do Mestre eleito foi encontrada, nem um sinal, um
toque ou uma palavra. Observe finalmente que, embora as
Constituições de Anderson não descrevam a cerimônia, existem os
encargos e requisitos para ter a honra de acessar tal cargo.

E somente nas “Três Batidas distintas” (Three Distinct Knocks) de 1760,


que é descrita a primeira cerimônia de instalação durante a cerimônia
de constituição de uma nova loja. Fala-se de “a obrigação dos oficiais
de uma loja”, sendo a primeira do Mestre “na Cadeira”.

A loja parece aberta no terceiro grau e nada se sabe da eleição. O texto


se concentra na parte esotérica da cerimônia. O futuro Mestre
ajoelha-se em ambos os joelhos ao sul e assume uma obrigação que
retoma as idéias clássicas: de não revelar a palavra e o toque, de
respeitar os deveres de sua posição e de trabalhar para o bem da
Maçonaria, etc etc … sob pena de receber as punições do Aprendiz
Admitido, do Companheiro de Ofício e do Mestre Maçom!

Elevado com o aperto de mão do Mestre, o Instalador desliza até o


cotovelo e sussurra a palavra e, presumivelmente, agora está instalado
na Cadeira. Então o aplauso do Mestre é dado, descrito como o grande
sinal de um Mestre Maçom que é feito levantando as mãos em sua
cabeça, depois descarregando-o no avental e ao mesmo tempo batendo
no chão com os dois pés.

As divulgações, “As três batidas distintas” e “Jakin e Boaz”


apresentaram em 1762 a mesma cerimônia.

Em 1730, John Pennel, Secretário da Grande Loja da Irlanda, retoma a


cerimônia de Wharton para a redação do Livro das Constituições
irlandesas, mas sem mencionar Wharton. Da mesma maneira que
Laurence Dermott que foi instalado em 1746, como Mestre da Loja nº26
em Dublin, também retoma a mesma cerimônia com algumas
modificações na sua publicação do “Ahiman Rezon” de 1756.

Em 1775, será William Preston em sua “Ilustrações da Maçonaria”, que


mostra uma nova evolução. Retoma a Instalação de Wharton e insere o
primeiro texto completo dos Deveres do Mestre, muito próximo dos
usados hoje em dia. Ao novo Mestre da Loja é entregue a insígnia do
seu cargo e a carta patente da loja, apresenta-se o Volume da Lei
Sagrada, o livro das Constituições, as ferramentas e jóias dos oficiais a
serem empossados, que são felicitados conforme suas funções.
Mas como Preston escreveu sobre a cerimônia de instalação em 1775,
se ele pertencia a uma loja dos Modernos?

William Preston foi iniciado em 1763 na loja nº111 da Grande Loja dos
Antigos. Em 1764, sua loja mudou de obediência e de nome, passando
a se chamar Loja Caledonian nº325 da Grande Loja dos Modernos.

Posteriormente, a Loja Caledonian tornou-se, a principal componente do


primeiro Grande Capítulo do Sagrado Arco Real. Acredita-se que os
membros da loja, apesar de estarem sobres a égide dos Modernos,
continuavam praticando o chamado quarto grau dos Antigos ou Arco
Real.

Em 1774, irmãos da Loja Antiquity participaram de uma palestra de


William Preston e ficaram impressionados com seu conhecimento sobre
os Antigos e o convidaram para ser membro da Loja que outrora, com o
nome de Ganso e a Grelha, fora fundadora da Grande Loja dos
Modernos. A Loja Antiquity se orgulhava de ser uma das primeiras lojas
da obediência e por não estarem muito satisfeitos com as mudanças
realizadas pelos Modernos, tinham especial interesse nas práticas
descritas por Preston.

A partir de 1801, há vestígios da cerimônia de instalação, mas ao


contrário do livro de William Preston, não há palavras de passe, sinais,
toques ou penalidades. E será somente em 1822, nas atas da Loja
Antiquity, que algo novo aparecerá.

De fato, em um certo momento da cerimônia, os Irmãos Mestres


instalados se retiram. Preston frequentemente utilizou a noção de “uma
sala adjacente”, uma sala onde o Mestre Eleito será apresentado ao
Mestre Instalador, fazendo uma apologia de suas qualidades e méritos,
o secretário irá recitar os antigos deveres e regulamentos, prestando
seu juramento de Mestre Eleito (Venerável Mestre).
Especificamente, é mostrado que nada se sabe sobre se houve ou não
uma abertura e fechamento daquela cerimônia, e se isso deve ser feito
na presença de pelo menos três Mestres Instalados.

O novo Mestre é descrito saindo da sala adjacente vestido com suas


insígnias, colocando-se na cadeira e sendo aclamado. Então, em
procissão, os membros prestam homenagem a ele, como sinal de
submissão; a loja fecha no terceiro grau, em seguida, descendo até o
primeiro grau, onde todos os oficiais são empossados.

Vamos voltar no tempo, agora estamos em 1810 com a instalação da


Loja de Promulgação. Parece, segundo Harry Carr, que os Modernos
haviam negligenciado totalmente essa cerimônia, ao contrário do que os
Antigos fizeram sob a direção de Dermott. E, de fato, a Cerimônia de
Instalação foi considerada um dos “Marcos” em vista da reunificação
que deu lugar a Grande Loja Unida da Inglaterra.

Progressivamente, vai se constatando, pelas atas que chegaram até


nós, que o ensino das cerimônias de instalação estava evoluindo, pelo
menos em teoria, já que não há nada que nos permita dizer como ela
realmente foi praticada em sua totalidade.

A próxima evolução está no MS. Turk de 1816, que constitui a terceira


Instrução de William Preston, da qual existem cinco versões
manuscritas, mas a MS. Turk é a única completa conhecida.

Verifica-se que o Mestre Eleito é apresentado à Loja no Segundo Grau,


que lhe são dados os Antigos Deveres, os regulamentos gerais, onde
ele assume o compromisso que assina e sela, os Mestres Maçons e os
Mestres Instalados saem para uma “sala de Instalação” onde os
trabalhos do terceiro grau são abertos, então os Mestres Maçons se
retiram, deixando apenas o “Conselho de Mestres Instalados”.

O Mestre Eleito é novamente apresentado e recebe “o benefício da


Instalação”, ele se ajoelha em ambos os joelhos e os dois Mestres
Instalados juntam suas mãos formando um arco acima dele. Todos os
irmãos se ajoelham.

Uma vez cumprida, se faz uma invocação ao Pai Todo Poderoso,


observando que é a versão antiga de um ritual que contém uma oração
de abertura e que difere pouco da usada hoje na Inglaterra.

Retomando o curso da cerimônia, o Mestre Instalado assume seu


juramento e é colocado na cadeira pelo toque e pela palavra, é saudado
e, por fim, o Conselho é fechado ou, mais exatamente, suspenso. Note
aqui que as noções de trabalhos abertos e suspensos, não vêm de um
ritual específico. Os Mestres Maçons são reintroduzidos e a Loja é
fechada no terceiro grau, retornando a todos para a Sala da Loja, onde
os trabalhos também são fechados.

E, com efeito, essa instalação é observada melhor em “Três Batidas


Distintas” e “Jackin e Boaz”. Note também que, embora haja um sinal de
reconhecimento e um toque específico nessa cerimônia. Na história de
William Preston, este sinal e toque não são encontrados.

Pode-se pensar que, se Preston formalizou esta cerimônia, ela pode ter
sido praticada por lojas dos Modernos, já que o controle da Grande Loja
sobre a ritualística das lojas, não era muito grande.

Assim, com o tempo, o Grão-Mestre da Grande Loja Unida da


Inglaterra, em 1827, teve que intervir pessoalmente para padronizar as
cerimônias no país e ainda instalar como se deveria, os Mestres de
Loja, mesmo aqueles que já estavam em exercício.

Dez irmãos foram nomeados, incluindo o Grande Secretário e o Grande


Arquivista para formar uma comissão especial chamada “Loja ou
Conselho de Mestres Instalados”, que tinha como objetivo manter
regularmente lojas de instrução de Mestres Instalados, esse Conselho
também podia instalar os Mestres Eleitos.
Há apenas um documento referente ao trabalho daquela estrutura de
Mestres Instalados, a ata de 24 de fevereiro de 1827 da Loja ou
Conselho de Mestres Instalados. Algumas perguntas que seguem,
permanecem sem resposta e acima de tudo neste texto, René
Désaguliers deixa as seguintes dúvidas:

1. Como dar forma para declarar ou constituir um Conselho de Mestres


Instalados, bem como a abertura e encerramento dos trabalhos.

2. A palavra do Mestre Instalado e a maneira de comunicá-lo


eventualmente.

3. A cláusula penal da obrigação.

4. A inspeção do templo por Salomão e o papel de Adonhiram.

5. A saudação dada pela Assembléia nos três graus da cerimônia.

Para responder a essas perguntas, é preciso consultar o que René


Guilly reagrupou sob o termo “Documentos Mais Tardios” e o “MS
Henderson”, que é um manuscrito de 350 páginas.

Em 1832, John Henderson foi 1º Vigilante da Loja Antiquity nº2 e foi


Presidente do Departamento de Assuntos Gerais da Grande Loja Unida
da Inglaterra em 1836-1837. No início dos trabalhos do Conselho de
Mestres Instalados, ele descreve em seu caderno, entre outros, a
terceira instrução de William Preston do MS. Turk, que citamos
anteriormente.

Da mesma forma, em 1838, aparece a publicação do ritual do terceiro


grau e a Cerimônia de Instalação de Georges Claret, que de alguma
forma é o precursor ou o pai dos rituais impressos, como os que
conhecemos hoje.
Voltemos à conclusão desta primeira parte, as contribuições históricas
para responder a cinco questões anteriores.

1. Os dois textos confirmam que após a abertura da Loja nos três graus,
os Mestres Maçons se retiram e pelo menos três Mestres Instalados
constituem por uma simples declaração e um simples golpe de malhete,
o Conselho de Mestres Instalados; não há cerimônia de abertura ou
encerramento.

2. Se a palavra do Mestre Instalado parece omitida na ata de 1827,


pode-se simplesmente pensar que ela foi voluntária por razões de
prudência.

3. Para o sinal penal, a omissão também foi prudência? De fato,


pode-se pensar que não existia antes de 1827 e que Claret e
Henderson foram os primeiros a fazer uma referência direta.

4. Para a inspeção do Templo por Salomão, nada existe antes de 1827


se não é uma referência ao “sinal e saudação de um Mestre de Artes e
Ciências”. Henderson fala de sinal e saudação e um pouco de sua
história, Claret dá na plenitude também a introdução da Rainha de
Sabá.

5. Finalmente, a saudação ao Mestre Instalado pelos participantes


parece ser uma recente inovação, sendo que Claret e Henderson não
evocam mais do que uma simples saudação do Mestre Instalador.

Para entender o interesse de pesquisar a prática dessas cerimônias


hoje, para entender a história e sentir o simbolismo, eu poderia terminar
o resumo citando um parágrafo de René Desaguliers:

“A instalação é, acima de tudo, a mais alta honra que uma loja pode
conferir, implicando os deveres e responsabilidades de um significado
profundo para o feliz recipiendário e a cerimônia é sempre interessante
e bela, desde que seja conduzida com dignidade e o decoro que eles
impõem”.

————————————————————————————————

Bibliografia:

Constituições da Grande Loja de Londres e Westminster – 1723

Constituições da Grande Loja da Irlanda – 1730

A Maçonaria Dissecada – 1730

Ahiman Rezon – 1756

As Três Batidas Distintas – 1760

Jackin e Boaz – 1762

Ilustrações da Maçonaria – William Preston – 1775

The Evolution of the Installation Ceremony and Ritual – Harry Carr –


1976

L’evolution de la céremonie et du rituel d’Installation secréte du Maitre


Elu, René Desaguliers – 1991