Sunteți pe pagina 1din 3

FACULDADE TEOLOGICA BATISTA EQUATORIAL

CURSO DE BACHARELADO EM TEOLOGIA

NAZARENO DO ROZARARIO DO NASCIMENTO

Resumo do livro Teologia Bíblica do Novo Testamento

Belém-Pará

2019
NAZARENO DO ROZARARIO DO NASCIMENTO

Trabalho apresentado em cumprimento às


exigências da Disciplina Teologia Bíblica do
Novo Testamento do curso de Bacharelado em
Teologia Ministrada pelo Prof.°. Dr. José Carlos
de L. Costa.

Belém – Pará

2019
LADD George Eldon,1911, Teologia do Novo Testamento Tradução: Degmar
Ribas Júnior. Ed, vev, São Paulo: Hagnos, 2003

Resumo P. 396 a 411

A única exigência que Jesus fez aos homens, a fim de que estes recebessem
sua dádiva de vida eterna foi que tivessem fé, que cressem. Essa fé na pessoa
de Jesus é o caminho para vida eterna, e é a própria razão pela qual evangelho
foi escrito (20:301). Como o batismo em representa a união com Cristo na morte
e na novidade de vida (Rm. 6:4-5). Assim a fé em (eis) Cristo significa
identificação pessoal com ele. Significa a resposta do homem como um todo, a
revelação que foi dada em Cristo. E envolve muito mais do que acreditar em
Jesus ou ter confiança nele; é aceitar Jesus e aquilo que ele reivindica ser, e a
dedicação radical da vida a pessoa de Jesus. “O compromisso não é emocional,
mas envolve uma disposição de responder às exigências de Deus conforme
foram apresentadas em Jesus e por ele. A palavra fé, que significa um
compromisso completo e uma união pessoal entre o Crente e Cristo. Significa
recebê-lo (1:12; 5:43;13;20), recebeu o testemunho (3:11), receber as palavras
de Jesus (12:48; 17:8). Em João, milagres são feitos poderosos que autenticam
a pessoa e a missão de Jesus e demonstram a presença da operadora de
milagres de Deus em suas palavras e atos. Essa fé sem sinais não é mera
credibilidade, mais uma resposta de confiança a palavra de testemunho dos
discípulos, tanto falada(17:20) quanto escrita(20:31). A fé é sempre a resposta
humana ao testemunho, independente se esse testemunho é o de João Batista,
ou das palavras de Jesus, ou das obras de Jesus. Já falando da Glória, Ladd vai
dizer, que a glória de Deus foi manifestada em humilhação e sofrimento, sendo
visível somente aos olhos da fé. É claro que quando João fala de Jesus
manifestando sua glória, está falando a partir de uma perspectiva pós
ressurreição. É a compreensão da vida de Jesus do ponto de vista e sua
exultação. Para Jesus, o conhecimento de Deus é uma propriedade inata, Mas,
para os homens, É o resultado do discipulado. “Se vós Permanecerdes na minha
palavra, verdadeiramente, sereis meus discípulos e conhecereis a verdade, e a
verdade vos libertará” (8:32). Para João permanecer ou está em Cristo, significa
manter uma comunhão inabalável com Ele. Porém quando trata-se da ética
joanina Ladd, diz, que não seria exagero dizer que toda ética de Jesus em João
resumo do amor. Amar significa a prestação de um serviço completamente
desinteressado a de realizar as tarefas mais comuns para servir ao próximo.
Ladd Vai concluir o capítulo 20 dizendo que Jesus estava formando o novo
rebanho, em contraste com o antigo Israel. esse novo povo seria constituído
tanto de judeus quanto de gentios. Isso está refletido na declaração: “ainda tenho
outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e
elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um pastor” (10:16). O modo
mais fácil de compreender essa declaração é interpretando a fase “deste aprisco
“como a comunhão dos discípulos judeus de Jesus, ao passo que as “outras
ovelhas” representam os gentios, que devem ser incluídos no único rebanho. O
rebanho deve ser um, Porque encontra sua unidade o único pastor.