Sunteți pe pagina 1din 70

1

2
SOBRE O EBOOK

O conhecimento aqui organizado é baseado na seguinte analogia:


O fato de um chefe de cozinha famoso te passar a receita mais bem
sucedida dele, não garante que o sabor e a textura ficará igual a
que ele faz.

Você vai entender nesse e-book os detalhes que fazem a total dife-
rença quando se trata de procedimentos estéticos e terapêuticos e
porque os protocolos vão acabar.

Caso você pretenda atuar por mais tempo na área da Estética, eu 
recomendo que você leia todo o conteúdo desse e-book, e no final
você vai entender a diferença de um profissional que segue proto-
colos e um profissional que tem a habilidade de personalizar seus
tratamentos de acordo com cada cliente, alcançando, assim, resul-
tados muito acima da média.
3

INTRODUÇÃO E OBJETIVO
Em 2010 as ciências terapêuti- disfunções estéticas e terapêu-
cas e estéticas registraram um ticas como hipercromias, rugas,
marco de uma nova era: Eu  Pro- acne, celulite, gordura localiza-
fessor Edjasto Ferreira apresen- da , flacidez estrias , entre diver-
tei a Terapia Bioortomolecular sas outras disfunções e deter-
Aplicada a saúde, Bem-Estar minar qual melhor terapia para
e Estética Avançada. A partir impedir seu aparecimento, cro-
desse momento ouve avanços nificação e restabelecimento. O
relacionados a interpretação e procedimento é definido de for-
aplicação da eletroterapia, der- ma única personalizada.
moscosméticos, procedimentos
Com a análise dos resultados
invasivos e até nos resultados
obtidos pela realização de ava-
dos benefícios da pratica de ati-
liações, é possível indicar
vidades físicas.
com precisão os melhores pro-
Através das análises desenvol-
cedimentos para garantir qua-
vidas  é possível identificar um
lidade de vida, bem-estar e
cliente em sua totalidade e pre-
manter o organismo em funcio-
ver e desenvolver atendimen-
namento otimizado, atacando
to personalizado para diversas
4
cos, Formulações Transdérmi- garantir longevidade saudável
cas e Física Atômica com o obje- com qualidade de vida e evitar
tivo de tornar mais eficiente os queda da capacidade funcional,
procedimentos estéticos e tera- entre diversos outros benefí-
pêuticos, personalizar o atendi- cios.
mento através dos Bionutricos- A primeira grande prova de que
méticos e Íons em géis atômicos  a maioria dos protocoloes esté-
com base na avaliação Atômica ticos estão fadados ao fracasso
individual, procedimentos para é o stress, que é um catalisador
melhora da saúde da pele, ame- do envelhecimento precoce e
nizar os efeitos do fotoenve- pode causar ou impulsionar as
lhecimento, acne e do processo disfunções acima citadas.  
intrínseco de envelhecimento,
5

O QUE É
ESTRESSE?

O estresse é um sinal que muda


nosso estado de forma surpreen-
dente. Ele pode ser definido por fenômenos de irritação, medo,
desconforto, preocupação, frustração, indignação, nervoso, e ser
estimulado por diversas razões. Além disso, muitas vezes, a causa
para o estresse é desconhecida.
Quando o estresse afeta a sua vida ou a vida das suas clientes, tudo
fica mais difícil, passar dias tranquilos é um desafio imenso, e ele
pode ser extremamente perigoso tanto para mente quanto para o
corpo. Isso acontece porque o estresse também deflagra sinais físi-
cos.
 

OS 3 TIPOS DE ESTRESSE QUE POUCOS CONHECEM

Segundo estudos, há três tipos de estresse: estresse agudo, estresse


agudo episódico ou estresse crônico.
Vamos analisar cada um deles.
6
ESTRESSE AGUDO
O estresse agudo é uma reação do corpo a um momento ou fato
estressante. Os sinais da reação aguda ao estresse são em grande
parte sintomas ansiosos como:

• ATIVAÇÃO PSÍQUICA
• INSTABILIDADE DE HUMOR
• APREENSÃO
• INSEGURANÇA
• AUMENTO DE PRESSÃO
• MÃOS SUANDO
 
Os estudos ainda descrevem sintomas físicos de quem passou por
estresse agudo:

• DOR DE CABEÇA TENSIONAL


• DOR NAS COSTAS
• DOR NA MANDÍBULA
• DORES MUSCULARES EM GERAL
• AZIA
• FLATULÊNCIA
• DIARREIA
• PALPITAÇÕES CARDÍACAS
• ·SENSAÇÃO DE FRACASSO
• DIFICULDADE DE SENTIR PRAZER
• ALTERAÇÃO DO SONO
7

 ESTRESSE AGUDO EPISÓDICO


A Associação Americana de Psicologia também define o estresse
agudo episódico, quando esses impulsos que causam as reações
agudas ao estresse se repetem com frequência

Neste caso, os sinais são os mais prolongados. Como:

• DORES DE CABEÇA TENSIONAIS PERSISTENTES;


• ENXAQUECAS;
• HIPERTENSÃO;
• DOR NO PEITO;
• DOENÇAS CARDÍACAS.

ESTRESSE CRÔNICO
Quando uma pessoa fica continuamente estressada, e isso faz par-
te da rotina, o estresse pode estar se tornando crônico. Neste caso,
as reações do corpo ao estresse e os sintomas são constantes, afe-
tando diversas áreas da vida. O estresse crônico é um fator de risco
para ansiedade, fome compulsiva e depressão.
De acordo com as pesquisas, o estresse crônico é negativo para
o corpo principalmente porque alguns hormônios, em especial o
cortisol, começam a entrar em ação. O cortisol muito elevado du-
rante dias, semanas, começa a gerar problemas para o organismo,
que não foi criado pra ter esse hormônio em sobrecarga.
As disfunções estéticas estão diretamente ligadas ao aumento do
cortisol. Estrias, flacidez, celulite, gordura localizada, rugas e até
obesidade podem ser sinais.
8
Alguém que tem estresse crônico também pode apresentar sinto-
mas físicos e emocionais, como:

• FADIGA
• DESGASTE
• MAL ESTAR
• CANSAÇO
• ESGOTAMENTO
• AUMENTO DA VIGILÂNCIA
• DIFICULDADE EM RELAXAR E DESCANSAR
• DESÂNIMO
• TRISTEZA

MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICOS
A partir da compreensão do que é estresse e seus diferentes tipos,
podemos perceber que os protocolos estéticos simplistas que atuam
somente na queixa estética estão fadados ao fracasso, ou seja, mui-
tas vezes as clientes têm melhoras insignificantes ou quando têm,
elas não perduram, colocando em risco a reputação do profissio-
nal. Para completar o raciocínio do porquê temos que dar um fim
aos protocolos estéticos, quero apresentar noções básicas sobre a
pele.
 
9

TIPOS
DE PELE

FISIOLOGIA DA PELE tituintes do tecido conjuntivo e


A pele é um órgão muito mais sua função é formar a substância
enigmático do que apresenta- fundamental amorfa. Há um ci-
-se. A sua função principal é toplasma ramificado e rodeado
a proteção do organismo das de um núcleo elíptico contendo
ameaças externas físicas. Mas 1-2 nucléolos. Os fibroblastos
também tem funções imunitá- ativos podem ser reconhecidos
rias. É o principal órgão da re- pela abundante ocorrência de
gulação da temperatura, pro- retículo endoplasmático.
tegendo contra a desidratação. A melanina produzida pelos
Possui funções nervosas, com- seus melanócitos protege con-
pondo o sentido do tato e me- tra a radiação, principalmente
tabólicas, como a produção da UV. Sua quantidade aumenta-
vitamina D. da produz o bronzeamento da
pele.
PROTEÇÃO FÍSICA
A epiderme secreta proteínas COMO ÓRGÃO
e lipídeos (a principal proteína IMUNITÁRIO
é a queratina) que resguardam A pele é um órgão fundamen-
contra a invasão por parasitas tal do sistema imunitário. Ela
e a injúria mecânica e o atrito. possui diversos tipos de leucó-
Também é essencial o tecido citos. Há linfócitos que ajustam
conjuntivo da derme, no qual a resposta imunitária e apre-
os fibroblastos são células cons- sentam respostas específicas.
10
Por exemplo, as células de Lan- temperatura, movimento, pres-
gerhans, que recolhem molécu- são e dor. É um órgão essencial
las estranhas (possíveis invaso- na função sexual.
res) e as levam para os gânglios
linfáticos onde as apresentam
REGULAÇÃO DA TEMPE-
aos linfócitos CD4+; mastócitos
RATURA CORPORAL
envolvidos em reações alérgi-
cas e luta contra parasitas. A pele também é o órgão prin-
cipal da regulação térmica do
corpo através de diversos me-
FUNÇÕES METABÓLICAS canismos:
As atribuições metabólicas da – Os vasos sanguíneos subcu-
pele são significantes. É lá que tâneos dilatam-se com o calor
é gerada, numa reação depen- e contraem-se com o frio , de
dente da luz solar, a vitamina modo a minimizar ou maximi-
D, uma vitamina importante zar as perdas de calor.
para o metabolismo do cálcio e
– Os folículos pilosos têm mús-
portanto na formação e manu-
culos que produzem a sua ere-
tenção saudável dos ossos.
ção com o frio formando bolhas
de ar estático junto à pele que
COMO ÓRGÃO retarda as trocas de calor.
DOS SENTIDOS – As glândulas sudoríparas li-
A pele também é um órgão sen- beram líquido aquoso cuja eva-
sorial, constituindo o sentido poração diminui a temperatura
do tato. Ela tem numerosas ter- superficial do corpo.
minações nervosas, algumas li- – A presença de tecido adiposo
vres, outras com comunicação (gordura) subcutâneo protege
com órgãos sensoriais especiali- contra o frio, uma vez que a gor-
zados, como células de Merckel, dura é má condutora de calor.
folículos pilosos. A pele possui
a capacidade de identificar si-
nais que criam as percepções da
11

AGORA VAMOS ENTENDER QUE CADA PESSOA TEM UM


TIPO DE PELE, RESULTANTE DA COMBINAÇÃO DE TRÊS
FATORES

• Quantidade de água e íons – isso pode interferir na densidade e


elasticidade.
• Quantidade de lipídios – isso pode interferir na nutrição, brilho,
oleosidade e acne
• Nível de resiliência – isso pode determinar a resistência da pele.
Detalhe: os três fatores acima sofrem influência da genética e epigenética.
12

O QUE É
GENÉTICA

Ciência que estuda a transmissão das características hereditárias,


de pais para filhos, no tocante à anatomia, citologia e funcionali-
dade. As primeiras leis genéticas foram elaboradas por Mendel
(1865).
 
O QUE É EPIGENÉTICA

Termo utilizado na biologia para se referir às características de or-


ganismos unicelulares e multicelulares (como as modificações de
cromatina e DNA) que são estáveis ao longo de diversas divisões
celulares, mas que não envolvem mudanças na sequência de DNA
do organismo.
 
13
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Infelizmente os profissionais que seguem protocolos prontos não
personalizam os atendimentos dos seus clientes a partir da gené-
tica e epigenética. Como você leu, a genética é a característica in-
dividual, ou seja, nem um cliente é igual ao outro, já a Epigenética
é o hábito de vida.

Levando em consideração as informações acima sobre genética e


epigenética, vamos estudar um pouco sobre tipos de pele.
14
TIPOS DE PELE

Ainda que todas as peles pareçam


semelhantes do ponto de vista ana-
tômico, funcional e bioquímico,
ocorrem grandes variações entre
elas, que necessariamente têm de
ser levadas em conta na indicação
de produtos cosméticos, aplicação
de peeling, eletroterapia ou nos
procedimentos estéticos em geral,
principalmente naqueles que po-
dem causar dano à pele do cliente.
Antes de você aprender sobre os
tipos de pele, é importante saber

que as mudanças de hábitos de Depois de pesquisar e argumen-


vida, ou Epigenética, podem tar com muitos profissionais,
influenciar nos resultados dos identifiquei que muitos profis-
procedimentos estético. O ex- sionais não sabem como reali-
cesso de consumo de alimentos zar um simples teste físico de
industrializados, com muitos indício de possível inflamação
conservantes, acidulantes, es- de base. Qual importância de
tabilizantes podem aumentar a saber realizar esse teste? Evitar
produção de citocinas inflama- que um simples procedimen-
tórias e não só comprometer os to como uma limpeza de pele
resultados, mais aumentar os ou peeling, possa causar dano
riscos para efeitos indesejados à pele da cliente e manchar o
como hipercromias, cicatrizes nome do profissional, sem falar
hipertróficas ou hiperplasias nos processos e sanções legais.
pós procedimentos estéticos ti-
dos como inofensivos.
15
Pele normal ou eudérmica: Pele seca ou alípica:
Tem superfície lisa, flexível, lu- Por causa de fatores genéticos,
brificada e umedecida, tem po- hormonais ou ambientais, como
ros pouco visíveis e aspecto ro- vento ou radiação solar, esse
sado. Há um equilíbrio entre o tipo de pele apresenta secreção
conteúdo hídrico e o conteúdo sebácea e hidratação insuficien-
lipídico, que resulta em uma te, tem poros praticamente invi-
pele sem imperfeições e com síveis e nenhuma luminosidade,
um nível adequado de sensi- além de a pele ser áspera e sem
bilidade. Nesse tipo de pele, o flexibilidade. É uma pele sensí-
aparecimento de rugas é variá- vel e, não raro, apresenta man-
vel e estas são mais intensas na chas avermelhadas. Tem maior
região dos olhos. Hoje, por con- tendência ao aparecimento de
ta do nosso clima tropical e ali- rugas. Uma pele extremamente
mentação inadequada a nossa seca pode descamar, principal-
fisiologia, é raro encontrarmos mente nas costas da mão e no
pele normal até entre os mais lado exterior dos braços, dos
jovens. antebraços e das pernas. É im-
portante o profissional saber
diferenciar a falta de hidratação
(água) da falta de oleosidade
(sebo) para, assim, personalizar
o atendimento.
16
Agora que você já entende que Em consequência  do aumento
fatores determinantes do tipo de da secreção sebácea, esse tipo
pele não são somente a quantida- de pele apresenta aspecto lus-
de de água (que influencia a elas- troso ou engordurado, poros
ticidade), a quantidade de lipí- dilatados, textura mais espes-
deos (que influencia a nutrição e a sa e tendência a formar acnes
suavidade) e o nível de sensibili- e comedões. A oleosidade é
dade (que influencia a resistência variável, sendo causada pela
da pele), os tipos de pele mais co- hiperatividade das glândulas
muns são: sebáceas, que produzem mais
sebo do que o necessário em
decorrência de fatores hor-
Pele oleosa ou graxa: monais (puberdade e altera-
Em consequência  do aumento da ções hormonais) ou externos,
secreção sebácea, esse tipo de pele como estresse, o uso de deter-
apresenta aspecto lustroso ou en- minados medicamentos e ex-
gordurado, poros dilatados, tex- posição ao calor ou à umidade
tura mais espessa e tendência a excessiva. Apresenta menor
formar acnes e comedões. A oleo- tendência ao aparecimento de
sidade é variável, sendo causada rugas e de linhas de expressão.
pela hiperatividade das glândulas É extremamente importante o
sebáceas, que produzem mais sebo profissional ir nal ir além. Por
do que o necessário em decorrên- exemplo, a falta de micronu-
cia de fatores hormonais (puber- trientes como zinco ou a con-
dade e alterações hormonais) ou taminação por mercúrio pode
externos, como estresse, o uso de levar a uma hiperatividade da
determinados medicamentos e glândula sebácea. Você sabe
exposição ao calor ou à umidade como identificar os problemas
excessiva. Apresenta menor ten- acima? Um profissional que
dência ao aparecimento de rugas possui informações privile-
e de linhas de expressão. É extre- giadas pode tanto identificar
mamente importante o profissio- possível falta de um elemento
17
nal ir além. Por exemplo, a falta desidratação e a hiperprodução
de micronutrientes como zinco de sebo? É importante o profis-
ou a contaminação por mercú- sional saber que a produção de
rio pode levar a uma hiperativi- sebo é inversamente proporcio-
dade da glândula sebácea. Você nal a desidratação. Por exem-
sabe como identificar os pro- plo, saber combinar as ações de
blemas acima? Um profissional elementos químicos como silí-
que possui informações privi- cio e magnésio pode fazer total
legiadas pode tanto identificar diferença.
possível falta de um elemento
químico como a contaminação
por metal pesado, resolvendo
o problema. Se olharmos aten-
tamente, poucos são os proce-
dimentos que realmente resol-
vem o problema da acne, tanto
que muitas pessoas recorrem a
tratamentos com inúmeros ris-
cos a saúde.

Pele mista:
é uma associação de pele oleosa
na zona central do rosto e pele
seca nas bochechas. Apresenta
normalmente poros dilatados
no nariz, na testa e no mento,
tendo uma oleosidade mais in-
tensa com tendência a formar
cravos nessa área (zona T). Na
região das bochechas. Esse tipo
de pele é o mais encontrado.
Você sabe como equilibrar a
18

DIFERENÇAS ÉTNICAS ENTRE AS PELES


Apesar de que a miscigenação os melanossomas são grandes,
racial torne a definição absolu- distribuídos isoladamente nos
ta de etnia ou cor de pele algo queratinócitos e continuam
relativo e até subjetivo, a pele dessa forma até o estrato córneo,
de cada etnia tem suas particu- enquanto na amarela há uma
laridades e somente com o ob- associação, visualizando-se me-
jetivo de estudá-las é que são lanossomas individualizados
normalmente classificadas em e agrupados. Existe distinção,
branca, amarela e negra. também, na distribuição
A cor da pele, talvez o dos melanossomos nas ca-
que mais facil- madas da epiderme:
mente di- na pele negra,
ferencia as eles estão por
pessoas negras toda a epider-
e brancas, não é defini- me, estando au-
da pela quantidade de mentados na camada basal;
melanócitos presentes na na pele branca, estão nas ca-
pele, mas, sim, pela ativi- madas basal e de Malpighi,
dade e tamanho e da mor- estando ausentes nas ca-
fologia, da distribuição e madas superiores da epi-
do grau de melanização derme. Considerando-se
dos melanossomas. To- o papel fotoprotetor da
dos nós temos a mesma quan- melanina, a pele amarela e prin-
tidade de melanócitos. Nos in- cipalmente a negra estão muito
divíduos de pele branca eles mais protegidas em relação aos
são menores, agrupados entre danos causados pela radiação
si em conjuntos de três, e pas- solar. Os negros têm menores
sam por degradação enzimáti- chances de desenvolver câncer
ca em sua migração para o es- de pele relacionado à exposição
trato córneo. Na pele negra, solar e estão menos sujeitos ao
19
fotoenvelhecimento. Na pele negra o  eritema é mínimo, após a ex-
posição solar, é aproximadamente 33 vezes maior que a do branco.
A desvantagem da pele pigmentada é que ela pode manchar com
mais facilidade. A pele negra tem maior número de camadas no
estrato córneo, mas, apesar disso, apresenta igual espessura que os
outros tipos de pele, possivelmente por ser mais compacta, devido
à maior coesão intercelular.

MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Como o texto cita no início, a miscigenação em nosso pais é enor-
me. Fique atenta, pois, muita pele branca ao ser agredida se com-
porta como pele negra, com uma hiperprodução de melanina e,
mais uma vez, vale a pena salientar que as mudanças nos hábitos
de vida como excesso de estresse, exposição a radiações e alimen-
tação inflamatória pode causar hipercromias e cicatrizes hiper-
tróficas em peles antes consideradas de baixo risco.
20

DIFERENÇAS DA PELE SEGUNDO O GÊNERO

Os hormônios andrógenos e o
estrógeno têm efeitos e ações
diferentes na pele. O estrógeno
amplia a quantidade de subs-
tância intercelular na pele e tor-
na menor a secreção das glân-
dulas sebáceas, por meio da
diminuição de seu tamanho e
da produção de sebo. A pro- mento da acne. Esses motivos
dução estrogênica maior gera fazem com que a pele mascu-
sinais vistos normalmente na lina se apresente mais oleosa e
gravidez, como: alterações da com excesso de brilho, especial-
pigmentação, telangiectasias mente na zona T (na testa, no
(dilatações dos capilares su- nariz e no queixo). É na derme
perficiais), atrofia e perda dos que se nota as diferenças mais
pelos, e enfraquecimento da marcantes entre os sexos, sen-
substância de sustentação (que do os fibroblastos os principais
favorece o aparecimento de es- alvos dos hormônios sexuais. A
trias). A ausência de estróge- testosterona intensifica a pro-
no, como nas mulheres madu- dução do colágeno pelos fibro-
ras, define uma pele sem brilho, blastos por meio do estímulo da
fina, com linhas finas e alguma produção de proteínas específi-
frouxidão. A ação androgênica cas envolvidas em sua síntese.
aumenta o crescimento de pelos A pele dos homens possui cerca
mais grossos, principalmente de 25% mais colágeno do que a
no rosto, nas axilas e na região pele das mulheres. O estrógeno,
púbica, relacionado ao aumen- por outro lado, diminui a sínte-
to do tamanho dos folículos pi- se de colágeno, o que faz que a
losos. aumentando o apareci- pele feminina seja mais macia e
21
menos firme do que a masculina. Outro efeito do estrógeno é a
indução da produção de hialuronidase, enzima envolvida na sín-
tese de ácido hialurônico, que, por sua vez, é uma das principais
glicosaminoglicanas da substância de sustentação da pele. Logo,
o estrógeno torna a pele mais firme e hidratada, conferindo-lhe
suavidade e maciez. Os homens dispõem tendência a desenvol-
ver rugas mais profundas e linhas menos finas que as mulheres,
enquanto estas têm maior propensão a desenvolver rugas finas,
principalmente em locais determinados, como ao redor da boca.
Agora que já estudamos sobre os tipos de pele e suas diferenças,
nas páginas seguintes, vamos a aprofundar um pouco mais na pele
humana.
22

A PELE
HUMANA

A pele é o maior órgão do nos- EPIDERME


so corpo. Como já citamos, ela A epiderme é constituída por
reveste e assegura grande par- epitélio de revestimento que é
te das relações entre o meio in- um tecido estratificado, pavi-
terno e o externo. Além de tudo mentoso e queratinizado, isto é,
atua na defesa e colabora com composta por várias camadas de
outros órgãos para o bom fun- células com diferentes formas e
cionamento do organismo, bem funções. As células superficiais
como no controle da tempera- são achatadas da mesma ma-
tura corporal e na elaboração neira como se fossem escamas
de metabólitos. e possuem queratina. A epider-
É formada de derme, epiderme e me, entretanto, não possui va-
hipoderme, tecidos intimamen- sos nem nervos; tem espessura
te unidos, que atuam de forma variada, sendo mais grossa nas
harmônica e cooperativa. regiões de atrito como solas dos
Nota: nesse estudo, para fins di- pés e palmas das mãos e mais
dáticos, estamos considerando fina sobre as pálpebras e próxi-
a hipoderme como constituinte mo dos genitais.
da pele. Em alguns livros, ela é As células, chamadas quera-
classificada a parte. tinócitos ou ceratinócitos, con-
  cebidas na camada basal vão
sendo “empurradas” para cima
e modificam sua estrutura.
23
Elas se unem por junções (os • Camada Espinhosa: contém
desmossomos, que são espe- células com desmossomos e
cializações da superfície) e pro- prolongamentos que auxiliam a
longamentos, achatam-se e mantê-las bem unidas, o que lhes
produzem queratina. Os que- confere aparência espinhosa.
ratinócitos perdem o núcleo e As células de Langerhans se en-
morrem, na superfície do corpo contram distribuídas pela cama-
são eliminadas por descama- da e ajudam a constatar agentes
ção. invasores, enviando alerta ao
Diferentes tipos de células da sistema imunológico para de-
epiderme fender o corpo;​
 

• Camada Basal ou Germinati-


va: essa camada está sempre
gerando novas células, que se
dividem por mitose. Também
estão presentes os melanóci-
tos, células especializadas em
produzir a melanina, que é o
pigmento que dá cor à pele e
aos pelos. Os prolongamentos
dos melanócitos penetram nas
células da camada Basal e es-
pinhosa, distribuindo melani-
na no seu interior. As células
de Merkel são mecanorrecep-
toras, ou seja, captam estímu-
los mecânicos do exterior e os
encaminham para as fibras
nervosas.​
24
• Camada Granulosa: à medida que alçam, os queratinócitos
vão sendo achatados. Na camada granulosa possuem forma cúbica
e estão cheios de grânulos de queratina, que passa a ocupar os
espaços intercelulares;​

• Camada Córnea: o estrato córneo está na externa da pele. Formado


por células mortas, anucleadas, achatadas e queratinizadas. A sua
parte mais superficial sofre descamação, sendo constantemente
substituída (em períodos de 1 a 3 meses).
25
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA

O preparo ideal da epiderme para receber os procedimentos esté-


ticos é imprescindível. Infelizmente muitos profissionais apren-
deram a preparar a pele inadequadamente com substancias que
ocluem ao invés de higienizar, dificultando a permeação de ativos
e dispersão das cargas elétricas. Por exemplo, creme esfoliante,
todo creme possui na sua composição óleos que são isolantes tér-
micos, elétricos e ainda formam uma película que impede a pas-
sagem de ativos. O preparo ideal da pele passa pela higienização,
descompactação, hidratação e aumento de íons.  

DERME
Corte transversal da pele: a epiderme é a parte mais escura, sendo
a camada córnea mais externa (soltando partes) e a derme é a mais
clara.
A derme é formada de tecido conjuntivo denso. Sua constituição é
essencialmente de colágeno (cerca de 70%) e outras glicoproteínas
e fibras do sistema elástico. As fibras elásticas formam arranjo ao
redor das fibras de colágeno que conferem flexibilidade à pele.
A camada logo abaixo da epiderme é chamada de camada papilar,
pois possui inúmeras papilas dérmicas encaixadas nas reentrân-
cias da superfície irregular da epiderme. Em seguida, há a camada
reticular que possui mais fibras elásticas; além de vasos sanguí-
neos e linfáticos e terminações nervosas, também são encontradas
glândulas sebáceas e sudoríparas e as raízes dos pelos.
26
 HIPODERME • Reserva de energia: o tecido
Hipoderme ou tecido subcutâ- adiposo armazena energia que
neo encontrado abaixo da der- pode ser utilizada pelo corpo em
me, portanto, é a camada mais momentos de necessidade. Em
profunda da pele. casos de jejuns prolongados, por
exemplo, o organismo utilizará
Ela é constituída por tecido con-
a energia guardada no tecido
juntivo e representa entre 15% a
adiposo.
30% do peso corporal.

A união entre a derme e a hipo-
derme é mantida por fibras de • Defesa contra choques
elastina e colágeno. A espessu- físicos: serve para proteger os
ra da hipoderme varia de acor- órgãos e ossos, servindo para
do com a região do corpo, sexo «acolchoar» essas estruturas
do indivíduo, metabolismo e e amortecer contra traumas
hábitos de vida. físicos. Ao mesmo tempo,
também modela o corpo.
Contudo, é importante destacar
que não há consenso sobre a hi-
poderme ser uma das camadas • Isolante térmico: a camada
da pele, mesmo mantendo uma de tecido subcutâneo colabora
estreita relação funcional com a para regular a temperatura
derme e da difícil distinção en- corporal. Por exemplo, o tecido
tre os limites das duas estrutu- adiposo protege o corpo contra
ras. o frio. Esse processo é conhecido
Camadas da pele e localização por termorregulação.
da hipoderme
Função • Conexão: a hipoderme une
A hipoderme possui importan- a derme aos músculos e ossos.
tes funções para o organismo, Portanto, é importante para fixar
das quais destacam-se: a pele a estruturas adjacentes.
 
27

HISTOLOGIA

Os principais tecidos que constituem a hipoderme são o adiposo e


o conjuntivo frouxo vascularizado.
As células mais relevantes da hipoderme são os adipócitos, res-
ponsáveis por acumular gordura. Eles são células especializadas
em armazenar energia na forma de gordura e aumentam de tama-
nho conforme o aumento da disponibilidade de energia não utili-
zada; Essa condição está relacionada ao aumento de massa gorda.
Na hipoderme, encontramos fibras de elastina e colágeno, veias e
capilares sanguíneos.
Agora vamos conhecer um pouco mais dos anexos da pele e suas
funções.

 GLÂNDULAS SEBÁCEAS
 
A ação dessas glândulas é moderada principalmente por hormô-
nios masculinos, e são mais ativas na época da puberdade. Elas
soltam o sebo que produzem no canal do folículo piloso. São dis-
tribuídas de forma desigual no corpo, também existem grandes
glândulas na pele, principalmente ao redor da boca, nariz, testa e
bochechas, o que torna essas áreas mais oleosas. Sua principal fun-
ção é formar uma barreira lipídica superficial, evitando a perda de
água.
28
GLÂNDULAS SUDORÍPARAS

Essas glândulas possuem forma de espiral, são formadas por cé-


lulas epidérmicas, mas se encontram na derme. Existem dois tipos
de glândulas sudoríparas: écrinas e apócrinas
As écrinas, que liberam o suor diretamente em aberturas na super-
fície da pele, os chamados poros. Mediante a transpiração, essas
glândulas regulam a temperatura corporal, pois o suor dissipa o
calor ao evaporar. As apócrinas, eliminam sua secreção dentro do
canal do folículo. Na fase embrionária, formas rudimentares des-
sas glândulas estão espalhadas por todo corpo, mas após o nasci-
mento se desenvolvem apenas em regiões como as axilas, o canal
do ouvido, os mamilos, ao redor do umbigo e na região em volta
dos genitais e do ânus. Isso parece ter uma relação ancestral com a
produção de feromônios e a atração sexual.
 
 

PELOS
 

ANATOMIA DO PELO
São formados de células mortas da epiderme
compactadas e queratinizadas. Os pelos do corpo e os cabelos são
gerados no folículo piloso, que é um tubo epidérmico, rodeado de
nervos sensoriais, que concede sensibilidade às pressões exercidas
no pelo. A base do folículo, chamada bulbo, se encontra na derme
e produz sempre células novas, que à medida que vão subindo,
recebem melanina (que dá a cor ao pelo, quanto mais melanina,
mais escuro será) e queratina. Outras estruturas associadas ao folí-
culo são: o músculo eretor do pelo (músculo liso que movimenta
o pelo, deixando a pele arrepiada), as glândulas sebáceas (lubrifi-
cam o pelo) e as glândulas sudoríparas.
29
 

UNHAS

ANATOMIA DA UNHA​
Possui formação semelhante à dos pelos. No entanto, as unhas
nunca param de crescer enquanto que o folículo piloso em alguns
momentos entra em repouso, reduzindo o crescimento dos pelos.
A unha começa a ser formada na raiz, que fica cravada na pele,
onde as células se multiplicam e vão emergindo. As células sinte-
tizam queratina na região da cutícula, que é uma dobra de pele, e
continuam seu movimento. Quando ficam expostas, as células já
estão mortas, bastante achatadas e queratinizadas, constituindo a
unha nas pontas dos dedos.

MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
As unhas podem oferecer um bom indício sobre a saúde da pes-
soa. Elas podem ficar quebradiças, mais finas ou deformadas em
situações de grande estresse, períodos de febre prolongados ou por
uso de drogas ou medicamentos mais fortes. Auxiliam a proteger
as extremidades dos dedos, área extremamente sensível e também
auxiliam a agarrar os objetos.
30

Agora vamos estudar a parte sensorial e cada um dos receptores.


31

RECEPTORES SENSORIAIS

TIPOS DE RECEPTORES SENSORIAIS


Receptores são terminações das fibras nervosas, mielínicas, algu-
mas estão livres e associadas às células epiteliais, outras, encap-
suladas. Há 7 tipos de receptores que percebem os estímulos do
meio, levam ao sistema nervoso e devolvem as respostas senso-
riais. São eles:
• Discos de Merkel: ramificações das extremidades de fibras
nervosas sensoriais, cujas pontas têm forma de disco e estão ligadas
às células da epiderme. Captam estímulos contínuos de pressão e
tato;

• Corpúsculos de Meissner: são receptores encapsulados, de
adaptação rápida (respondem ao estímulo no fim), percebem estí-
mulos vibratórios, de pressão e de tato, localizados na superfície
da derme;

• Corpúsculos de Paccini: encapsulado, de adaptação rápida, sen-


tem estímulos vibratórios rápidos e pressão, localizados na derme
profunda;

• Corpúsculo de Ruffini: encapsulado, de adaptação lenta (res-


ponde ao estímulo continuamente), sentem a pressão e se locali-
zam na derme profunda;

• Bulbos de Krause: encapsulados e estão associados aos estímu-


los de pressão, se localizam nas bordas da epiderme;
 
32
• Terminações dos Folículos Pilosos: são fibras sensoriais
enroladas ao redor dos folículos, podem ser de adaptação lenta ou
rápida;

• Terminações Nervosas Livres: são ramificações de fibras


mielínicas ou amielínicas não encapsuladas, são de adaptação
lenta e transmitem informações de tato, dor, temperatura e
propriocepção. Estão localizadas por toda a pele e em quase todos
os tecidos do corpo.
33

ATENÇÃO
Fizemos uma revisão básica principalmente da pele como um todo.
Agora você está pronta para entender o porquê da proposta do fim
dos protocolos na estética. A partir do estudo que vou apresentar das
células, organelas, moléculas e átomos, você nunca mais vai querer
aplicar um protocolo. Os protocolos são formatos obsoletos que
simplesmente atuam no efeito, ou seja, não resolvem o problema.

ESTRUTURA DA CÉLULA
 
QUANTAS CÉLULAS onde cada célula possui uma
FORMAM O CORPO função específica. Aqui está um
dos maiores desafios de quem
HUMANO
pretende ir além dos protoco-
 
los estéticos, saber como plane-
O corpo humano é constituído jar as ações que atuem de for-
por uma quantidade enorme de ma integrada, utilizando todos
células. As células são conside- os recursos celulares em bene-
radas a menor parte dos orga- fício do cliente. Afinal, ele tem
nismos vivos, sendo, portanto, problemas além dos de pele
elementos estruturais e funcio- que também não são apenas ce-
nais da vida. lulites ou gorduras localizadas.
O corpo humano é pluricelu- É importante analisar questões
lar (várias células). É formado como nutrição, proteção, pro-
por 10 trilhões de células que dução de energia e até de repro-
trabalham de forma integrada, dução para ajudar o cliente.
34

ESTRUTURA 
CELULAR

A célula normalmente é com-


posta das seguintes partes: MEMBRANA PLASMÁTICA:
membrana fina e flexível
NÚCLEO CELULAR: com permeabilidade seletiva
(regula a passagem e a troca
envolvido pela membrana nu- de substâncias) que envolve as
clear, o núcleo contém o mate- células.
rial genético das células (DNA).

ORGANELAS CELULARES:
CITOPLASMA: o citoplasma as organelas são como peque-
carrega o conteúdo celular de nos órgãos, cada uma possui
onde cada organela possui uma uma função específica, dentre
função vital. É constituído de respiração, nutrição e excreção
hialoplasma, substância fluida e das células. São elas: mitocôn-
viscosa, região chamada citosol drias, retículo endoplasmático,
e de uma espécie de esqueleto complexo de golgi, lisossomos,
que dá forma e sustenta as peroxissomos, centríolos e
organelas, o citoesqueleto. vacúolos, retículo endoplasmá-
tico, complexo de golgi, lisos-
somos, peroxissomos, centrío-
los e vacúolos.  
 
35
Antes de falarmos sobre os tipos de células do corpo humano va-
mos estudar um pouco sobre a função de algumas organelas celu-
lares principalmente relacionadas ao envelhecimento
Vamos iniciar o nosso estudo pelo DNA
36
O DNA (Ácido Desoxirribonucleico) é uma molécula normalmen-
te presente no núcledas células de todos os seres vivos e que leva
toda a informação genética de um organismo.
Você deve estar se perguntando qual é a importância de saber so-
bre o DNA em uma proposta que propõe o fim dos protocolos na
estética. Qual a importância? As teorias modernas sobre envelhe-
cimento versam que o envelhecer começa no DNA, mais precisa-
mente nos telômeros. Já, já, você vai ter acesso a informações ex-
tremamente importantes sobre envelhecimento.
 
 O DNA é constituído por uma dupla fita em forma de espiral (du-
pla hélice), composta por nucleotídeos.
 
ESTRUTURA DO DNA

A molécula de DNA é constituída por três substâncias químicas:

1.     Bases Nitrogenadas – Adenina (A), Timina (T), Citosina (C) e


Guanina (G);

2.     Pentose – Um açúcar que apresenta moléculas formadas por


cinco átomos de carbono;

3.     Fosfato – um radical de ácido fosfórico.


37
ESTRUTURA DA MOLÉCULA DE DNA

Os dois filamentos que formam o DNA enrolam-se um sobre o


outro e unem-se através de pontes de hidrogênio, que se formam
entre as 4 bases nitrogenadas dos nucleotídeos:
• A - Adenina;
• T - Timina;
• C - Citosina;
• G - Guanina.
As pontes de hidrogênio são constituídas entre os pares de bases:
A-T e C-G. Adenina com Timina e Citosina com Guanina.
O DNA está tão comprimido no núcleo celular, que se fosse possí-
vel esticá-lo, ele possuiria 2 metros de comprimento.
Quaisquer formas de vida do planeta, com exceção de alguns ví-
rus, têm suas informações genéticas codificadas na sequência das
bases nitrogenadas do DNA.

GENES
Os genes são unidades de carregam informa-
ções hereditárias que constituem os cromos-
somos, formados por sequências especiais de
centenas ou milhares de pares de bases nitro-
genadas (A-T ou C-G).
São eles que definem tanto as características
próprias da espécie humana, quanto as características próprias de
cada indivíduo.
Os genes determinam as sequências de aminoácidos que servem
de base para a síntese de proteínas celulares.
38
Essas proteínas, via de regra enzimas, atuam na estrutura e nas
funções metabólicas das células e, consequentemente, no funcio-
namento de todo o organismo.
 

CROMOSSOMOS
As múltiplas sequências de DNA formam os cromossomos. O ser
humano possui 46 cromossomos: 23 recebidos da mãe e 23 do pai.
Cada par de cromossomos é composto de inúmeros genes.
 
39
GENOMA
O Genoma é o total da informação hereditária codificada no DNA
de um organismo ou no RNA, no caso dos vírus. É o conjunto de
todos os genes de determinada espécie.

A técnica de sequenciamento de DNA ou genoma é utilizada para


determinar em que ordem as bases nitrogenadas (Adenina, Timi-
na, Citosina, Guanina) se encontram no DNA.
Sequenciar um genoma representa determinar a ordem em que as
informações, ou seja, os genes, serão alocados no genoma, o que
possibilita obter informações sobre a linha evolutiva dos organis-
mos, podendo trazer novos métodos para avaliar disfunções ou
promover procedimento efetivos.
 

Agora que você entende um pouco mais do DNA, vou apresentar


para você os telômeros, considerados por muitos a chave do en-
velhecimento. Fique atenta as informações sobre esse tema, pois a
Bioortomolecular tem ferramentas para preservar o encurtamento
dos telômeros. O que é encurtamento dos telômeros? Você já vai
entender.
 
40
Agora que você entende um pouco mais do DNA, vou apresentar
para você os telômeros, considerados por muitos a chave do en-
velhecimento. Fique atenta as informações sobre esse tema, pois a
Bioortomolecular tem ferramentas para preservar o encurtamento
dos telômeros. O que é encurtamento dos telômeros? Você já vai
entender.
41
Os telômeros são a porção fi- zam para a célula que ela deve
nal da estrutura dos nossos cro- se encaminhar à morte celular.
mossomos. As pesquisas indicam quanto
A vencedora do Prêmio Nobel menor for o seu comprimento,
de Medicina em 2009, Elizabe- mais morte celular haverá.
th Blackburn descreveu os te-
lômeros como sendo as pontas
de plástico dos cadarços de um
tênis: estão ali para segurar e
sustentar o resto daquele corpo.
Quando se gastam, o cadarço se
esgarça e desfia. O mesmo ocor-  
re com as células. Hoje, sabe-se
que os processos inflamatórios Antes de continuarmos o assun-
podem influenciar no envelheci- to sobre os telômeros, é impor-
mento precoce dos indivíduos. tante saber que a alimentação
Estudos realizados na Univer- moderna é inflamatória, pois
sidade de Bolonha, na Itália. Lá estimula o organismo a produ-
os cientistas da área trabalham zir citocinas inflamatórias. Você
com a teoria de que as inflama- sabe como reduzir a inflamação
ções crônicas que um indivíduo do organismo das suas clien-
desenvolve ao longo da vida e tes? Detalhe, alguns protocolos
que não são restauradas po- estéticos não levam em conta
dem influenciar na sobrevida ou muito menos se preocupam
do mesmo. Ocorre que duran- com o tema, estimulando enve-
te uma inflamação há um alto lhecimento tecidual.
nível de multiplicação celular,  

e, conforme se replicam, as cé-


lulas têm os telômeros desgas-
tados a cada nova reprodução.
Isso é conhecido como atrito
telomérico. Quando ficam cur-
tos demais, os telômeros sinali-
42
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Você ao aplicar os seus protocolos e procedimentos estéticos rea-
liza algum teste que possibilita saber se o organismo está infla-
mado ou não?

O tamanho dos telômeros inter- naqueles procedimentos casei-


vém exatamente no bom funcio- ros que causam danos irrever-
namento dos cromossomos. As síveis. Também é importante
pessoas com telômeros maio- frisar que existem aparelhos,
res têm um risco menor de de- cosméticos e suplementos que
senvolver disfunções estéticas protegem o envelhecimento ou
ou doenças que surgem com o encurtamento dos telômeros. 
envelhecimento. O questiona- Ao preservar essas estruturas,
mento que a Bioortomolecular seriam reduzidas as possibili-
faz, portanto, é: quais são os dades de surgirem disfunções,
aparelhos, protocolos, e subs- como por exemplo, a celulite
tâncias utilizadas nos cosméti- que é uma inflamação que faz
cos que agridem os telômeros uma indução da replicação ce-
e que poderiam causar disfun- lular – como os telômeros estão
ções estéticas e terapêuticas? E envolvidos com a replicação ce-
quais protegem os telômeros e lular, uma vez que se desgas-
poderiam aumentar essa sobre- tam, podem começar a replicar
vida e adiar o envelhecimento? células de forma errada, dando
Hoje, no mercado da estética e origem a problemas mais sérios.
das terapias há uma infinidade
de aparelhos e cosméticos sem
registros adequados. Sem falar
43
O envelhecimento pode ser observado nos níveis molecular, celu-
lar e do organismo, do micro ao macro e também percebido a nível
atômico. Um tecido com muitas células com telômeros encurtados,
esse tecido começa a ter muita morte celular e entra em colapso,
comprometendo sua função. Em disfunções estéticas como obesi-
dade, foi observado que as células de uma pessoa jovem e saudá-
vel, quando incubadas com o plasma de indivíduos com obesidade
e perfil crônico pró-inflamatório, tornam-se células senescentes.

MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
 

Agora que já entendemos o que é DNA e principalmente a funções


dos telômeros, vamos aprofundar nas células do corpo humano. E
por que isso é importante? Lembre-se de que o nosso cliente é um
todo e existe uma interação química entre as células dos diversos
tipos de tecidos e órgãos. Se as células do sistema endócrino não
funcionarem de forma adequada, pode, por exemplo, ocorrer acú-
mulo de energia no tecido adiposo.
 
 
 
44
TIPOS DE CÉLULAS DO CORPO HUMANO

O corpo humano é constituído por diversos tipos de células. São


aproximadamente 130 tipos que se distinguem mediante suas for-
mas e funções específicas.
O agrupamento de células forma os tecidos. As células em maior
quantidade no corpo humano são as células epiteliais, aquelas que
envolvem o corpo e os órgãos.
Saiba mais sobre:
 
Dentre as células que fazem parte do corpo humano temos:
Diferentes tipos de células do corpo humano.

Agora vamos entender para que serve cada célula ......


 

CÉLULAS DO CÉREBRO

Formado por milhões de células, o cérebro é constituído por diver-


sos tipos delas, a saber:
• A MICRÓGLIA: defesa do sistema nervoso;
• A CÉLULA DENDRÍTICA: células imunes que transportam
antígenos;
• O NEURÔNIO: transmissão de mensagens;
• A CÉLULA DE SCHWANN: produção de mielina que auxiliam
na produção dos impulsos nervosos.
Os neurônios necessitam de muito oxigênio para funcionarem,
portanto são as primeiras células do corpo à morrerem com a falta
de oxigênio
CÉLULAS DO SANGUE 45
 

O sangue humano é composto por diversos tipos de células, cada


qual com a sua função. As mais importantes são:
• As hemácias chamadas de glóbulos vermelhos ou eritrócitos
(transporte de oxigênio);
• Os leucócitos ou glóbulos brancos (atuam no sistema
imunológico do corpo na medida em que combate e eliminam
micro-organismos);
• Os trombócitos ou plaquetas (coagulação sanguínea).
 

CÉLULA DOS OSSOS

Os ossos são constituídos por células chamadas de:


• Osteócitos (secreção de substâncias);
• Osteoclastos (grande célula com vários núcleos responsável
pela reabsorção e remodelação do tecido ósseo);
• Osteoblastos (síntese de componentes orgânicos).
 
CÉLULAS DOS MÚSCULO

As células que compõem os músculos podem ser chamadas de cé-


lulas musculares, fibras musculares ou miócitos (mio = músculo).
Juntas, elas formam feixes de células que são envolvidas por teci-
do conjuntivo

 
CÉLULAS EPITELIAIS 46

As células epiteliais estão presentes nos epitélios re-


vestindo o corpo externamente na pele, e interna-
mente em diversos órgãos. São células que possuem
formas diferentes que podem ser achatadas, cúbicas
ou colunares.
As células epiteliais da córnea são as últimas células do corpo hu-
mano a morrerem, visto que necessitam de menos oxigênio para
realizar suas funções.
 
CÉLULAS SEXUAIS 

Compare a diferença de
tamanhos.
O óvulo é a maior célula
humana, gameta sexual
feminino. As mulheres
nascem prontamente
com todos os seus óvulos, que começam a amadurecer na época
da puberdade, cujo sinal é a primeira menstruação.
A soltura dos óvulos acaba com a menopausa. Em contrapartida,
as menores células são os espermatozóides, que nos homens são
produzidos a partir da puberdade e continua ao longo da vida,
embora diminua em idade mais avançada.
 
47
Agora vamos entender os 08 das para realizar funções espe-
SUPER PODERES DAS CÉ- cíficas.
LULAS e como utilizar esses Esse “superpoder” de transfor-
poderes para personalizar o mação e multiplicação simboli-
atendimento das nossas clien- za a possibilidade de cura para
tes: várias doenças. Acredita-se que
As células são a menor parte as células-tronco do cordão um-
dos organismos vivos. Em nos- bilical podem auxiliar no trata-
so corpo existem mais de 10 tri- mento de mais de 80 doenças.
lhões de células! E a título de  
informação para cada 1 célula
02. SUPER ORIENTAÇÃO
existem 10 microrganismos no
corpo humano. As células entendem para onde
devem ir. Pesquisas científicas
 
demonstraram que os leucóci-
Além das características consi- tos, células de defesa do orga-
deradas pela Citologia, existem nismo, tendem a se movimen-
alguns “superpoderes” que tar para a esquerda. O centríolo
destacam as células como uma seria a organela responsável
das estruturas mais fascinantes por diferenciar as direções. Isso
da ciência e que despertam o pode representar que as células
interesse de muitos estudiosos. sabem para onde devem se des-
Milhares de células como essas locar, mesmo na ausência de es-
formam o nosso organismo tímulos externos.
   03. MORTE PROGRAMADA
01. FATOR DE CURA A morte programada, também
As tão célebres células-tronco identificada como apoptose,
são capazes de se transformar serve para eliminar células su-
em qualquer célula do corpo, pérfluas ou defeituosas. É um
inclusive neurônios, podendo processo de “suicídio progra-
se replicar várias vezes. Elas mado” que tem relação com o
também podem ser programa- metabolismo celular e doenças.
48
A morte programada das célu- mo tecido. A maioria das célu-
las é um processo rápido que las do nosso corpo são renova-
leva até três horas para ser fi- das durante a vida.
nalizado. Se não fosse esse pro- Por exemplo, as células da pele
cesso, nosso organismo estaria são constantemente substituí-
acumulando células sem fun- das. Ao machucarmos a pele,
ção. com um arranhão ou um corte,
  as células imediatamente en-
04. AUTO SACRIFÍCIO EM tram em ação para fazer a rege-
DEFESA DO ORGANISMO neração.
Como um bom super héroi, as As células do fígado também
células podem se sacrificar para são constantemente renovadas.
manter o bom funcionamento Elas vivem aproximadamente
do organismo, o nome científi- três meses e são substituídas.
co é autofagia. Os neutrófilos, Esse “superpoder” de renova-
células de defesa do organismo, ção das células garante a inte-
podem fagocitar corpos estra- gridade do nosso organismo.
nhos, como bactérias. Entretan-  
to, eles lançam substâncias que
06. IMORTALIDADE
atacam os agentes estranhos e a
eles próprios. Algumas células não morrem.
Trata-se de uma linhagem de
Esse “superpoder” é um tipo de
células imortais, denominadas
morte celular programada. Po-
de células HeLa.
rém, nesse caso, a célula mata e
morre. Saiba como se chegou a elas:
Em 1951, Henrietta Lacks foi
 
encaminhada ao hospital com
05. INCRÍVEL RENOVAÇÃO câncer de colo de útero. Porém,
DO ORGANISMO as suas células tumorais mul-
A regeneração é o método pelo tiplicavam-se muito mais rapi-
qual as células que morrem são damente do que qualquer outro
substituídas por outras do mes- tipo de câncer.
49
Sem o consentimento de Hen- um tamanho definido que vai
rietta, o médico retirou um pe- diminuindo com as divisões
daço do tecido e o cultivou em celulares da célula ao longo da
laboratório. Ela acabou falecen- vida.
do por conta do câncer. Entre- Assim, o envelhecimento esta-
tanto, suas células continuaram ria relacionado com o encurta-
a ser cultivadas e foram distri- mento dos telômeros. Isso indi-
buídas em vários laboratórios ca que o nosso tempo de vida
de todo o mundo. Atualmen- vai passando ao longo dos anos
te, não se sabe ao certo quantas e também nas pontas dos cro-
células desta linhagem ainda mossomos.
existem, mas são por volta de
 
bilhões.
08. SUPERDEFESA DO
A partir do estudo das células
HeLa foi criada a vacina para ORGANISMO
a poliomielite. Elas também A defesa do nosso organismo é
possibilitaram descobertas na zelada por um exército de célu-
área da virologia, AIDS, câncer, las sempre a postos para entrar
doença de Parkinson e tubercu- em ação.
lose. Em nosso corpo, há diversos ti-
  pos de células de defesa, como
07. CONTROLE DO se fossem soldados, represen-
tando a linha de frente da de-
ENVELHECIMENTO
fesa do organismo. Cada célula
A extremidade dos cromosso- atua em momentos específicos
mos contêm os telômeros que e com ações definidas.
nós já estudamos, mas vale res-
Os leucócitos sabem onde estão
saltar, o telômero contribui para
as reações inflamatórias no or-
a integridade do material gené-
ganismo e migram para esse lo-
tico.
cais. Os macrofágos e neutrófi-
Pesquisadores acreditam que los eliminam a maior parte dos
ao nascermos os telômeros tem invasores, por fagocitose.
50
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA

Agora que já conhece os superpoderes das nossas células, você sa-


beria como relacionar e utilizar essas características celulares nos
seus procedimentos estéticos?
Ao estudarmos a tabela periódica, ou melhor, a física atômica,
vamos descobrir uma série de elementos químicos que podem es-
timular ou frear vários processos celulares citados acima. Os me-
tais pesados como o mercúrio são neurotóxicos e podem acumular
no tecido adiposo, pois são lipossolúveis. Por exemplo, algumas
das suas clientes podem não perder peso ou reduzir gordura loca-
lizada por estarem com excesso de mercúrio.

Você tem acesso alguma ferramenta para identificar se a cliente


pode estar contaminada por mercúrio? Qual importância de saber
avaliar e neutralizar metais pesados como o mercúrio? Muitas
clientes não reduzem gordura localizada ou peso por estarem con-
taminadas por metais pesados. Lembre-se de que o tecido adiposo
faz parte do sistema de proteção do corpo. Na Bioortomolecular,
temos uma ferramenta exclusiva para medir as probabilidades de
contaminação por metais pesados. Mas isso é assunto para mais
adiante. Agora vamos entender um pouco mais sobre moléculas.
51

MOLÉCULAS

A molécula é uma associação átomos. Ocorre apenas


estável de dois ou mais átomos em moléculas c o m
iguais ou diferentes unidos carbono e hidrogênio, como os
através de ligações covalentes. hidrocarbonetos.
Resumidamente, podemos de- As moléculas podem ser de-
fini-la como um agrupamento monstradas através de fórmu-
de átomos. las químicas que indicam o nú-
Elas são eletricamente neutras, mero e a proporção de átomos
mas por serem constituídas por encontrados.
átomos apresentam elétrons, Enquanto a fórmula molecu-
prótons e nêutrons. Assim, exis- lar caracteriza os átomos e suas
tem dois tipos de moléculas: quantidades, a fórmula estru-
• Moléculas Polares: tural mostra como os átomos
na qual há diferença de estão arranjados no espaço.
eletronegatividade entre os  
átomos, apresentando um polo
positivo e outro polo negativo.  
Acontece em quase todas  
as moléculas orgânicas que
apresentam átomos diferentes
do carbono e hidrogênio.
• Moléculas Apolares:
não apresenta diferença de
eletronegatividade entre os
MOLÉCULA DE ÁGUA 52

Contemple uma gota de água. Ela pode ser separada em muitas,


cada uma dessas gotículas pode ser dividida em muitas outras.
Se houver a divisão da molécula da água, veremos que é formada
de três partes: dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, liga-
dos entre si.
Aqui vale ressaltar para você, profissional, que 70% do nosso cor-
po é formado por água.
 
MOMENTO REFLEXÃO 53

FIM DOS PROTOCOLOS


NA ESTÉTICA
Qual água você e suas clientes estão ingerindo? Pois água não é
tudo igual. Águas que estão em embalagens plásticas podem estar
contaminadas por Bisfenol A.

Observe a molécula de Bisfenol A(BPA), ela é considerada um dos


agentes mais perigosos para saúde, tanto que existe uma lei dizen-
do que chupeta e mamadeira têm que estar livre de BPA. E muitas
águas estão contaminadas pelo Bisfenol A

.
 
 
Qual a influência disso para estética?
Maioria dos plásticos libera compostos parecidos com hormônios,
o que pode enganar o organismo e trazer disfunções estéticas como
celulite, gordura localizada e flacidez.
 
Pesquisa revela que mesmo os plásticos classificados como livres
de bisfenol BIA (BPA free) podem liberar substâncias danosas

Endocrinologistas e pesquisadores vêm analisando a possibilidade


de certos compostos químicos interferirem no funcionamento do
54
nosso organismo. Exemplos nes- prejudiciais que são emprega-
se sentido são os diversos tipos dos sem regulamentação algu-
existentes de bisfenóis. Os bis- ma. Para saber mais sobre esse
fenóis são compostos químicos assunto confira a matéria “BPS e
utilizados na fabricação de BPF: alternativas ao BPA são tão
plásticos, tintas e resinas muito ou mais perigosas”.
presentes em embalagens de
alimentos, recipientes plásticos EFEITOS NOCIVOS
usados na cozinha, revestimen-
tos interno de latas de alumínio, Estudos apontam que os bisfe-
escovas de dente, na composição nóis podem imitar o comporta-
de papéis termossensíveis, como mento de hormônios no orga-
extratos e comprovantes bancá- nismo, desregulando o sistema
rios e muitos mais. endócrino de pessoas e animais,
o que os caracteriza como dis-
Depois da polêmica causada ruptores endócrinos.
pela divulgação dos danos à
saúde causados pelo bisfenol A Momento reflexão Fim dos pro-
e do posicionamento da Socieda- tocolos Estéticos. Você realiza
de Brasileira de Endocrinologia o melhor protocolo para reduzir
e Metabologia (SBEM) contra a gordura localizada e celulite e a
utilização dessa substância, sua cliente por não saber acaba in-
utilização pela indústria foi re- gerindo uma série de disrupto-
gulamentada e esse tipo de bis- res endócrinos. Você sabe como
fenol foi banido em mamadeiras amenizar os efeitos acumulati-
e limitado a certos quantidades vos ou neutralizar parte desses
em outros produtos, de acordo males causados por essas subs-
com a resolução RDC n° 41, de tâncias? 
setembro de 2011.
É importante esclarecer
Contudo, para substituí-lo, o que mesmo em pequenas
mercado desenvolveu novos ti- quantidades de exposição, os
pos que podem ser tão ou mais bisfenóis podem causar altera-
55
ções do sistema imunológico, COMO FUNCIONAM OS DIS-
aumento dos testículos, diabe- RUPTORES ENDÓCRINOS
tes, hiperatividade, infertilida-
de, obesidade, puberdade pre- Os bifenóis são apontados
coce, câncer da mama, síndrome como moléculas instáveis e
dos ovários policísticos, abortos, com facilidade de transferir
entre outras complicações. dos produtos para os alimentos
apenas com mudanças de
Especialistas estimam que uma temperatura ou danos à
pessoa ingira, em média, até 10 embalagem. Quando o produto
mg de bisfenol A por dia, que que contém bisfenol é expos-
são liberados a partir de copos to ao sol, aos raios ultravioleta
descartáveis, garrafinhas e ga- e infravermelho ou tem conta-
lões de água, escovas de dentes to com álcool, o “hormônio” é
e outros produtos plásticos. Essa liberado. Desse modo, quando
quantidade contraria a recomen- uma vasilha plástica é colocada
dada pela Agência Nacional de no micro-ondas ou contém um
Vigilância Sanitária (Anvisa), alimento quente, ocorre uma in-
que considera uma dose de 0,6 tensa transferência de bisfenóis
mg por quilo de alimento dessa com lixiviação química (retira-
substância não prejudicial à saú- da de uma substância presen-
de. No entanto, alguns especia- te em componentes sólidos por
listas afirmam que esse compo- meio da sua dissolução num lí-
nente pode permanecer no corpo quido) 55 vezes mais rápida do
humano por um longo período, que quando é um alimento frio
podendo provocar, com isso, um é armazenado nela. O mesmo
efeito acumulativo. ocorre quando essa vasilha é la-
vada com agentes de limpeza ou
detergentes agressivos ou ainda
colocada com frequência na má-
quina de lavar.
56

DICAS PARA REDUZIR A


EXPOSIÇÃO AOS BISFENÓIS

NÃO ESQUENTE NO MICRO-ONDAS

Evite utilizar plástico como recipiente para esquentar bebidas e


alimentos, pois o bisfenol A é liberado em maiores quantidades
quando o plástico é aquecido.

Evite refrigerantes e águas minerais engarrafadas em recipientes


plásticos

EVITE O FREEZER

Alimentos e bebidas guardadas em plástico no freezer não é uma


boa; a liberação do composto também é mais intensa quando o
plástico é resfriado.

Evite pratos, copos e outros utensílios de plástico


Opte por vidro, porcelana e aço inoxidável na hora de armazenar
bebidas e alimentos.

UTENSÍLIOS QUEBRADOS
Evite utilizar utensílio de plástico que estejam lascados, arranha-
dos ou amassados. Tente não lavá-los com detergentes fortes ou
colocá-los na máquina de lavar louças.
57
SAÚDE
Evite alimentos industrializados e muito processados, priorize os
alimentos in natura. Além de serem mais frescos e saudáveis por
si, os alimentos frescos ficam menos tempo em contato com plás-
tico. Para saber mais sobre esse tema confira nossa matéria “Ali-
mentos in natura, processados e ultraprocessados: conheça-os e
entenda as diferenças”. Se possível, consuma orgânicos. Você pode
encontrá-los no Mapa de Feiras Orgânicas.

Vamos continuar o momento reflexão sobre disruptores endócri-


nos.

Você sabia que muitos cosméticos utilizados podem estar engor-


dando você e as suas clientes?

 
58
OS PERIGOS DOS petróleo liquefeito, óleo de para-
PETROLATOS E SILICONES fina, entre outros.
NOS PRODUTOS
COSMÉTICOS Existem também os silicones,
derivados da sílica, um produto
sintético, que também é bastante
O que são os petrolatos? utilizado na indústria cosmética
O Petrolatum ou Petroleum com o intuito de aumentar emo-
Jelly, famoso no Brasil como liência.
vaselina (e atualmente tam-
bém chamado de petrolato), Os perigos do uso dos petro-
é decorrente de petróleo. O latos nos cosméticos
Petrolatum é obtido a partir Ambos podem comprometer
de uma série de purificações a saúde e estética. Os petrola-
do petróleo bruto, da mesma tos não apresentam nenhum
forma que são obtidos outros benefício de hidratação. São
derivados do petróleo como a utilizados na indústria cosmética
parafina sólida ou cera mine- por serem muito baratos e
ral (INCI: Paraffin), a parafina servirem de emolientes em seus
líquida ou óleo mineral (Mi- produtos. Eles só enganam por
neral Oil), a cera microcrista- curto período sobre a eficácia de
lina (Microcrystalline Wax), a seu uso, dando um falso brilho
ozoquerita (Ozokerite), as iso- a pele.Porém, a médio e longo
parafinas, o isododecano (Iso- prazo são prejudiciais, acumu-
dodecane) e outras parafinas lando-se nos tecidos, gerando
(hidrocarbonetos em geral). flacidez, acúmulo de gordura lo-
Podem se apresentar na forma calizada e celulite.
líquida ou semi-sólida. São uti- ATENÇÃO
lizadas na composição de inú-
meros produtos da indústria
cosmética, denominados nos ró-
tulos como óleo mineral, vaseli-
na, parafina líquida, petrolatum,
59

ATENÇÃO
LISTA DE NOMES DO PETROLATO NA COMPOSIÇÃO

• PARAFINUM LIQUIDUN ( Parafina Líquida)


• MINERAL OIL (Óleo Mineral)
• PETROLATUN (Petrolato)
• ISOPARAFIN ( Isoparafina)
• VASELIN (Vaselina)
• DODECENO (Dodecano)
• c13-14 c12-20 ISOPARAFIN
• HYDROGENATED POLYSOBUTENO
• ALKANE
 

Petrolatos e meio ambiente


60
Derivados de petróleo ( Petrolatum) tem um impacto terrível so-
bre o meio ambiente . Se você se preocupa com o meio ambiente
e quer manter um planeta saudável  para as próximas gerações,
talvez seja melhor dar preferência a ingredientes que sejam mais
facilmente renováveis, como os géis, óleos e manteigas vegetais.
Então, fica a dica: a opção mais saudável sempre é utilizar os pro-
dutos que têm géis a base de água, óleos vegetais em sua compo-
sição, por possuírem ativos e propriedades muito ricas e não pre-
judicarem a saúde e o meio ambiente.
E você já percebeu a presença dessa substância nos produtos que
você utiliza? Viu? Não basta seguir protocolos proposto por em-
presas é preciso conhecer a composição química. Você vai ficar
surpresa com a quantidade de produtos com moléculas de petró-
leo (petrolatos).

 
61
Agora o nosso próximo passo é estudar sobre tabela periódica,
vou passar para você informações extremamente relevantes a que
você nunca teve acesso.

O modelo de tabela periódica que conhecemos atualmente, foi pro-


posto pelo químico russo Dmitri Mendeleiev (1834-1907), no ano
de 1869.O objetivo fundamental de criar uma tabela foi para faci-
litar a classificação, a organização e o agrupamento dos elementos
químicos conforme suas propriedades.
Muitos estudiosos já tentavam organizar estas informações e, por-
tanto, muitos modelos anteriores foram apresentados.
 Vamos aprender a interpretar e aplicar a tabela período a nossa
realidade. Observe a flecha, ela está direcionada para a família dos
alógenos na tabela periódica. A família dos alógenos é composta
62
63
Vamos aprender a interpretar e adolescentes, ciclos menstruais,
aplicar a tabela período a nossa peso, funções cerebrais, contro-
realidade. Observe a flecha, ela le emocional, movimentação
está direcionada para a família dos órgãos internos, entre di-
dos alógenos na tabela periódi- versos outros.
ca.  
A família dos alógenos é com- Vamos olhar novamente para
posta pelo flúor, cloro, bromo e a família dos alógenos. Se você
iodo. E você deve estar se per- observar na tabela periódica, os
guntando: “e eu com isso?” elementos flúor, cloro e bromo
Calma você já vai entender. vêm antes do iodo. Isso quer di-
  zer que eles têm um peso mo-
O iodo exerce muitas funções lecular mais leve que o iodo. E
em nosso organismo, tanto que daí? Calma você já vai entender.
existe uma lei obriga a adição  
de iodo ao sal de cozinha. O O problema é que nós consumi-
porquê da lei? O solo do Bra- mos águas cloradas, escovamos
sil é pobre em iodo, assim, em os dentes com creme dental
1953, passou a ser obrigatório o que tem flúor e comemos pães
acréscimo de iodo ao Sal. e massas com bromo. Esses ele-
  mentos acabam por ocupar o
Antes da adição de iodo tínha- sítio ativo do iodo, podendo
mos quase 20% de casos de Bó- causar algo que eu batizei de
cio no país. O iodo é vital para o hipotireoidismo energético, ou
bom funcionamento da glându- seja, a pessoa tem a quantidade
la tireoide Ela é uma das maio- ideal de iodo, os níveis de t3 e
res glândulas do nosso corpo e t4 estão normais, mas ela tem
seus dois hormônios (T3 e T4 - ) sinais e sintomas de hipotireoi-
atuam em quase todos os teci- dismo, como aumento de peso,
dos do organismo, regulando sonolência e tristeza, sendo es-
o crescimento das crianças e ses poucos dos muitos exem-
plos que posso dar.
64
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
 
Quantas das suas clientes podem estar com sobrepeso, obesas
ou com acúmulo de tecido adiposo por esse motivo? Sabe aquela
cliente que nada a faz emagrecer? Já tentou exercícios, mudou há-
bitos alimentares e etc.
É importe o profissional saber avaliar e o melhor amenizar os
efeitos do consumo do cloro, flúor e bromo.
 
Vamos continuar analisando a tabela periódica.
Agora vamos aprender sobre metais pesados

Metais pesados são metais quimicamente e altamente reativos e


bioacumulativos, ou seja, o organismo não é capaz de eliminá-los.
São definidos como um grupo de elementos situados entre o cobre
e o chumbo na tabela periódica. 
Esses metais são provenientes de atividades como a mineração,
de indústrias de galvanoplastia, e do despejo de efluentes domés-
ticos. Quando metais são lançados como resíduos industriais, na
água, no solo ou no ar, esses elementos podem ser absorvidos pe-
los vegetais e animais das proximidades, provocando graves into-
xicações ao longo da cadeia alimentar.
 
65
Vamos identificar na tabela periódica o mercúrio para entender-
mos melhor o impacto que ele pode causar principalmente na saú-
de e beleza.

Mercúrio pode se concentrar em diversas partes do corpo, como


por exemplo, pele, cabelo e glândulas sudoríparas e salivares, sis-
tema digestivo, pulmões, fígado, rins, aparelho reprodutivo e cé-
rebro causando inúmeros problemas de saúde  
O mercúrio é lipossolúvel, ou seja, ele possui afinidade por teci-
do adiposo, ou melhor, adipócitos. Se você leu o material desde o
início, sabe que uma das funções do tecido adiposo é de proteção.
Nesse caso, o tecido adiposo vai reter o mercúrio. Quanto maior
a contaminação por mercúrio, maior vai ser o acúmulo de tecido
adiposo. E a razão disso é porque o mercúrio é neurotóxico.
 
66
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Você sabe me dizer quantas clientes em quem você já realizou pro-
cedimentos para redução de gordura localizada que poderiam es-
tar contaminadas com mercúrio?
 
Você já percebeu que não basta aplicar o protocolo de redução de
medidas, que precisa saber um pouco mais de elementos químicos,
tabela periódica, metais pesados. E para completar esse conheci-
mento vou explicar para você sobre os radicais livres.
 

RADICAIS LIVRES  situações de grande stress oxi-


dativo reações em cascata ocor-
rem, ou seja, um desequilíbrio
Na Bioortomolecular, damos enorme que pode causar uma
atenção especial ao tema radi- série de disfunções e envelheci-
cais livres e antioxidantes, mas mento precoce. 
você sabe o que eles são? 
Os radicais livres são substân-
Radicais livres são átomos ou cias formadas a partir do oxi-
moléculas que, por terem um gênio — e por isso também são
elétron não pareado em sua es- chamadas de espécies reativas
trutura química, acabam atrain- de O2 — que quando em exces-
do elétrons de outras molécu- so estão relacionadas a algumas
las para equilibrar a sua última disfunções.
camada de valência. Qual o
problema? Problema é que em
67
Isso porque o oxigênio é essen- deveriam, contudo, retardar
cial para a vida, assim como os esse processo, neutralizando e
radicais livres também são. O varrendo do organismo os tais
excesso dessas moléculas em radicais livres. O mamão, a la-
nosso organismo causa o que ranja, a cenoura, a cebola, o mo-
chamamos de estresse oxida- rango e o espinafre estão entre
tivo. Na prática, isso significa eles. 
que há muito radical livre para Antigamente tínhamos uma boa
pouco antioxidante ou anti-ra- quantidade de antioxidantes nos
dical livre. Os antioxidantes alimentos. Os estudos apontam
possuem a função de neutra- que a quantidade de anti-radi-
lizar os radicais livres. O pro- cais livres diminui a cada ano.
blema é que hoje existem mais Esse fenômeno ocorre pelo uso
radicais livres do que anti-radi- indiscriminado de agrotóxicos,
cais livres. Você já vai entender pesticidas nas plantações, sem
melhor o assunto. falar na industrialização da ali-
  mentação que adiciona aditivos
Para neutralizar o excesso de ra- químicos como corantes, acidu-
dicais livres, o organismo conta lantes, espessantes e ainda há
com a ação de enzimas, como o os alimentos transgênicos e as
superóxido dismutase que re- gorduras trans.
duz com o passar dos anos ou
com stress da vida moderna,  
e, então, os ditos “radicais li-
vres” aumentam e atuam mais
intensamente. Alimentos que  
contêm propriedades antioxi-  
dantes como o beta-caroteno e
as vitaminas C e E e o selênio,
68
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Outra informação importante é sobre a energia dos alimentos ou elementos químicos.
Vou utilizar o exemplo do ferro. O ferro tem objetivo de carrear oxigênio até as células
parapensarmos,
Se que na mitocôndria ocorra ados
a maioria produção de ATP (trifosfato
procedimentos de adenosina),
estéticos causam energia
um
Bio-celular. A energia Bio-celular é utilizada pelas células nos processos de manutenção
aumento
de homeostasedacelular
vascularização.
e na produção dos Oseus
objetivo de aumentarmos a vas-
substratos.
cularização
  local é aumentar o aporte de oxigênio e nutrientes na
região parapor
Nós comemos, queexemplo,
ocorrao o efeito
feijão desejado. 
que tem ferro, paraAgora, se a alimentação
que o processo acima ocorra. O
das nossas
problema é que clientes
o processo está pobre do
de cozimento emfeijão
micronutrientes e antioxidan-
dispersa as cargas elétricas do ferro e
nós comemos
tes um feijão que
e tem excesso de tem ferro, mas
radicais não tem
livres, a energia ou elétrons
conservantes, do ferro. 
gordura trans
e açúcares, nós vamos atingir o objetivo do protocolo proposto?
Na verdade, nós podemos estar estimulando a cronificação das
disfunções que tínhamos a proposta de reduzir.  Na Bioortomole-
cular, temos ferramentas exclusivas que podemos identificar pos-
síveis desequilíbrios entre radicais livres e anti-radicais livres.

Outra informação importante é sobre a energia dos alimentos ou


elementos químicos. Vou utilizar o exemplo do ferro. O ferro tem
objetivo de carrear oxigênio até as células para que na mitocôndria
ocorra a produção de ATP (trifosfato de adenosina), energia Bio-
-celular. A energia Bio-celular é utilizada pelas células nos proces-
sos de manutenção de homeostase celular e na produção dos seus
substratos.
 
Nós comemos, por exemplo, o feijão que tem ferro, para que o
processo acima ocorra. O problema é que o processo de cozimento
do feijão dispersa as cargas elétricas do ferro e nós comemos um
feijão que tem ferro, mas não tem a energia ou elétrons do ferro. 
69
MOMENTO REFLEXÃO
FIM DOS PROTOCOLOS
NA ESTÉTICA
Qual o problema de consumirmos ferro sem energia? O problema
é que esse ferro não vai transportar oxigênio, sem transporte de
oxigênio não há produção de energia Bio-celular. Sem energia, as
células envelhecem, morrem mais cedo e ainda não produzem os
seus substratos. Por exemplo, você está realizando um protocolo
para combater a flacidez tissular da sua cliente, e essa cliente in-
felizmente está no processo acima. O fibroblasto dela não vai ter
energia suficiente para produzir colágeno e não ocorre a melhora.
Você sabe como identificar e resolver esse problema? Agora, você
entende porque muitas clientes não têm resultados satisfatórios
com os protocolos apresentados no mercado da estética, pois eles
simplesmente atuam no efeito e não na causa do problema.   
 
Entenda que disfunções como hipercromias, acne, queda de cabelo,
flacidez tissular e muscular, celulite, gordura localizada, estrias,
obesidade e outras são efeitos dos desequilíbrios entre elementos
químicos, átomos, moléculas, contaminação por metais pesados,
falta de energia, excesso de radicais livres e hormônios catabóli-
cos como cortisol.         
As tecnologias acima são maravilhosas e dão resultados. O pro-
blema é que muitas profissionais seguem protocolos que não le-
vam em consideração, por exemplo, que uma cliente contaminada
por mercúrio não terá o resultado desejado ou uma cliente com
sítio ativo do iodo ocupado por substâncias como flúor, cloro e
bromo não vai reduzir o acúmulo de gordura localizada.
70
NOTAS FINAIS

Diante de todo conteúdo que você acabou de estudar, acredito que


agora, você vai olhar o sua cliente com outros olhos, não é fácil,
mas é extremamente importante fazer a ligação de todos os pon-
tos que você aprendeu aqui nesse e-book.

Todo o meu conteúdo, formações e cursos, são voltados para trei-


nar profissionais da saúde, beleza e bem estar a personalizar os
resultados para cada cliente. Isso irá fazer de você uma profissio-
nal diferenciada, única, a ponto de não conseguirem te comparar
com mais ninguém.

Agradeço muito por você ter chegado até aqui, espero que este ma-
terial possa ter te proporcionado novos horizontes, e se você ainda
não me segue nos canais sociais vou deixar todas elas aqui abai-
xo, porque minha missão é ajudar profissionais da saúde, beleza
e bem estar, conquistarem resultados acima da média, serem bem
sucedidas e realizarem seus sonhos e objetivos profissionais. Um
forte abraço e nos vemos em breve!

@professoredjasto

/professoredjasto

professoredjasto