Sunteți pe pagina 1din 17

CAPÍTULO 3

PROJETO TÉRMICO DE TROCADORES DE CALOR

A aplicação dos princípios da transferência de calor no projeto de equipamentos para


desempenhar uma determinada função no campo da engenharia é de extrema importância
porque devemos trabalhar no sentido de desenvolver um produto econômico. Em algum ponto
do projeto o aspecto econômico entra como uma componente importante na seleção do
equipamento. O peso e as dimensões dos trocadores de calor utilizados em aplicações
espaciais e aeronáuticas são parâmetros muito importantes e, nestes casos, os custos dos
materiais e da construção dos trocadores de calor são subordinados a estes parâmetros;
entretanto, o peso e as dimensões são fatores importantes no custo final do equipamento e,
portanto, mesmo nestas aplicações devem ser considerados como variáveis econômicas.
Para cada aplicação particular existem regras a serem seguidas para a obtenção do
melhor projeto, compatibilizando as considerações econômicas com o peso, dimensões etc.
Uma análise de todos estes fatores conduz ao projeto ótimo, portanto é bom ter em mente que
todos estes fatores devem ser considerados na prática. Aqui a discussão será na forma de uma
análise técnica, isto é, serão apresentados os métodos de avaliação do desempenho dos
trocadores de calor, juntamente com uma discussão dos métodos que podem ser usados na
estimativa do tipo e das dimensões deste equipamento para o desempenho de uma
determinada função. Neste sentido, serão considerados somente os trocadores de calor para os
quais a transferência de calor se dá predominantemente por condução e convecção. Isto não
significa que a radiação não seja importante no projeto de trocadores de calor, como
demonstram as diversas aplicações espaciais onde este é o único modo possível de
transferência de energia.

3.1 COEFICIENTE GLOBAL DE TROCA TÉRMICA


O coeficiente global de transferência de calor já foi discutido no Capítulo 1. O calor
transferido através da parede plana da Figura 3.1 é dado por

TA
Fluido A

q TA T1 T2 TB
T2
T1
h2
h1
1 x 1
h1 A k A h2 A
Fluido B

TB

(a) (b)

Figura 3.1 – Transferência de calor através de uma parede plana.


Equipamentos de Troca Térmica - 63

TA − TB
q= (3.1)
1 ∆x 1
+ +
h1 A kA h2 A
onde TA e TB são as temperaturas dos fluidos em cada lado da parede. O coeficiente global de
transferência de calor, U, é definido pela relação
q = UA ∆Ttotal (3.2)
Do ponto de vista do projeto de trocadores de calor, a parede plana não é de utilização
freqüente; um caso mais importante a ser considerado é o do trocador de calor de tubo duplo,
mostrado na Fig. 3.2. Nesta aplicação, um dos fluidos escoa pelo interior do tubo interno
enquanto o outro fluido escoa pelo espaço anular entre os dois tubos. Os coeficientes de
convecção são calculados por métodos apropriados que serão apresentados nos próximos
capítulos e o coeficiente global de transferência de calor é obtido do circuito térmico da
Figura 3.2b como
q

TA T1 T2 TB

1 ln (re/ri) 1
hi A i 2~kL he A e

(a) (b)

Figura 3.2 – Trocador de calor de tubo duplo.


(a) esquema; (b) circuito de resistências térmicas
(de Holman,1983)
TA − TB
q= (3.3)
1 ln(re ri ) 1
+ +
hi Ai 2πkL he Ae
onde os índices i e e referem-se às superfícies interna e externa do tubo de menor diâmetro. O
coeficiente global de transferência de calor pode ser baseado tanto na área interna quanto na
área externa. Desta forma,
1
Ui = (3.4)
1 Ai ln(re ri ) Ai 1
+ +
hi 2πkL Ae he
1
Ue = (3.5)
Ae 1 Ae ln(re ri ) 1
+ +
Ai hi 2πkL he
Embora os projetos finais de trocadores de calor sejam feitos com base em cálculo e
cuidadosos de U, é conveniente dispor-se de uma relação de valores do coeficiente global de
transferência de calor para diversas situações que possam ser encontradas na prática. A Tabela
3.1 apresenta uma relação resumida dos valores de U; informações pormenorizadas podem ser
Equipamentos de Troca Térmica - 64

encontradas no Capítulo 5. Em muitos casos o valor de U é controlado por apenas um dos


coeficientes de transferência de calor por convecção. Na maioria dos problemas práticos, a
resistência térmica de condução é pequena comparada com as resistências de convecção.
Desta forma, se um valor de h for significativamente menor que o outro valor, a tendência é
que este valor seja dominante na equação de U. Os Exemplos 3.1 e 3.2 ilustram este conceito.

Tabela 3.1 Valores aproximados dos coeficientes globais de transferência de calor.


Situação física W/m2 K Btu/h pé2
°F
Parede com superfície externa de tijolo aparente, revestida 2,55 0,45
internamente de gesso, não isolada
Parede estrutural, revestida internamente de gesso:
Não isolada 1,42 0,25
Isolada com lã de rocha 0,4 0,07
Janela de vidro simples 6,2 1,1
Janela de vidro duplo 2,3 0,4
Condensador de vapor 1100-5600 200-1000
Aquecedor de água de alimentação 1100-8500 200-1500
Condensador de Freon-12 resfriado com água 280-850 50-150
Trocador de calor água-água 850-1700 150-300
Trocador de calor de tubo aletado com água no interior dos tubos 25-55 5-10
e ar sobre os tubos
Trocador de calor água-óleo 110-350 20-60
Vapor-óleo combustível leve 170-340 30-60
Vapor-óleo combustível pesado 56-170 10-30
Vapor-querosene ou gasolina 280-1140 50-200
Trocador de calor de tubo aletado, vapor no interior dos tubos e ar 28-280 5-50
sobre os tubos
Condensador de amônia, água nos tubos 850-1400 150-250
Condensador de álcool, água nos tubos 255-680 45-120
Trocador de calor gás-gás 10-40 2-8

Exemplo 3.1: Água quente a 98°C escoa pelo interior de um tubo de aço [k = 54 W/m. °C] de
2 polegadas, schedule 40, exposto ao ar atmosférico a 20°C. A velocidade da água é 25 cm/s.
Calcule coeficiente global de transferência de calor para esta situação, baseado na área
externa do tubo.
Equipamentos de Troca Térmica - 65

Solução:

Do Apêndice A as dimensões do tubo de 2 pol, schedule 40, são


diâmetro interno = 2,067 pol = 0,0525 m
diâmetro externo = 2,375 pol = 0,06033 m
O coeficiente de transferência de calor para a água escoando no interior do tubo é
determinado pelas condições do escoamento, com as propriedades avaliadas à temperatura de
mistura. O coeficiente de transferência de calor por convecção natural na superfície externa
do tubo depende da diferença de temperatura entre a superfície e o ar ambiente. Esta diferença
de temperatura depende do balanço global de energia. Devemos inicialmente avaliar hi e em
seguida formular um procedimento iterativo para determinar he.
As propriedades da água a 98°C são

ρ = 960 kg 3 µ = 2,82 ×10 −4 kg m.s


m
k = 0,68W P r = 1,76
m.o C
O número de Reynolds é
r
ρVd (960)(0,25)(0,0525)
Re = = = 44.680 (a)
µ 2,82 ×10 − 4
e, como o escoamento é turbulento, devemos usar a equação de Dittus-Boelter,
Nu = 0,023 R e 0,8 P r 0, 4

Nu = 0,023 (44.680) (1,76)0,4 = 151,4


0 ,8

hi = Nu
k
=
(151,4)(0,68) = 1961W (b)
d 0,0525 m 2 .o C
A resistência térmica do aço, por unidade de comprimento do tubo, é
re
ln ln 0,06033 
ri 0, 0525
Raço = =   = 4,097 × 10 − 4 o C (c)
2πk 2π (54) W
A resistência térmica da superfície interna, por unidade de comprimento do tubo, é
1 1 1 o
Ri = = = = 3,092 × 10 −3 C (d)
hi Ai hi 2π ri (1961)π (0,0525) W
A resistência térmica da superfície externa é ainda desconhecida, porém pode ser
escrita por unidade de comprimento do tubo como
1 1
Re = = (e)
he Ae he 2π re
e a relação simplificada para he para escoamento laminar é, de acordo com Holman, 1980
1 1
 ∆T  4
T −T  4
he = 1,32  = 1,32 e ∞  (f)
 d   d 
onde Te é a temperatura desconhecida da superfície externa do tubo. A temperatura da
superfície interna do tubo será designada por Ti e a temperatura da água por Ta; desta forma o
balanço de energia resulta em
Equipamentos de Troca Térmica - 66

Ta − Ti Ti − Te Te − T∞
= = (g)
Ri Raço Re
Combinando as Eqs. (e) e (f), resulta
Te − T∞ 1,32
= 2π re 1 (Te − T∞ ) 4
1
(h)
Re d 4
Esta relação pode ser introduzida na Eq. (g) resultando em duas equações com duas
incógnitas, Ti e Te:
98 − Ti Ti − Te
−3
=
3,092 × 10 4,097 × 10 −4

π (0,06033)(1,32 )(Te − 20)


5
Ti − Te 4
=
(0,06033) 4
−4
4,097 ×10 1

Este é um sistema não-linear que pode ser resolvido por iteração. A solução é
Te = 97,6 o C Ti = 97,65o C
Portanto, o coeficiente de transferência de calor por convecção na superfície externa e
a resistência térmica são
1
 97,6 − 20  4
he = 1,32  = 7,91W
 0,06033  m 2 .o C

1 o
Re = = 0,667 C
(7,91)π (0,06033) W

Este cálculo ilustra bem o fato de que a convecção natural controla o coeficiente de
transferência de calor porque Re, é muito maior que Ri ou Raço. O coeficiente global de
transferência de calor baseado na área externa é escrito em termos destas resistências como
1
Ue = (i)
Ae (Ri + Raço + Re )
Introduzindo os valores numéricos, com o comprimento do tubo igual a 1m,
1
Ue = = 7,87W 2 o
(
π (0,06033)(1) 3,092 ×10 −3 + 4,097 ×10 −4 + 0,667 m .C )
Portanto, podemos notar que o coeficiente global de transferência de calor é quase que
completamente controlado pelo valor de he. Este resultado poderia ser esperado com base na
nossa experiência com as grandezas relativas dos coeficientes de convecção; os valores do
coeficiente de convecção natural para o ar são muito baixos comparados com os valores do
coeficiente de convecção forçada para líquidos.

Exemplo 3.2: O tubo do Exemplo 3.1, com água quente escoando pelo seu interior, é exposto
a vapor de água a 1 atm e 100°C. Calcule o coeficiente global de transferência de calor para
esta situação, baseado na área externa do tubo.
Equipamentos de Troca Térmica - 67

Solução:
O coeficiente de transferência de calor por convecção na superfície interna do tubo já
foi calculado no Exemplo 2.1 e vale
hi = 1961W
m 2 .o C
O coeficiente de convecção para a condensação sobre a superfície externa de um tubo
é obtido através da equação, (Holman, 1980),
1
 ρ (ρ − ρ v ) g hlv k 3f  4

he = 0,725  (a)
 µ f d (Tv − Te ) 
onde Te é a temperatura da superfície externa do tubo. As propriedades da água na
temperatura de película são

ρ = 960 kg µ f = 2,82 × 10 −4 kg m.s


m3
k f = 0,68W hlv = 2255 kJ
m.o C kg
e portanto a Eq. (a) fica

( )
1
 (960 )2 (9,8) 2,255 ×10 −6 (0,68)3  4
he = 0,725
( )
 2,82 ×10 (0,06033)(100 − Te ) 
−4 

he = 17960(100 − Te )
−1
4 (b)
A resistência térmica da superfície externa, por unidade de comprimento, é dada por

Re =
1
=
(100 − Te ) 4 = (100 − Te )
1 1
4
(c)
he Ae (17 960)π (0,06033) 3403
Como conseqüência do balanço de energia,
100 − Te Te − Ti Ti − Ta
= = (d)
Re Raço Ri
Do exemplo 3.1
o o
Ri = 3,092 × 10 −3 m. C Raço = 4,097 × 10 −4 m. C Ta = 98o C
W W
e as Eqs. (c) e (d) podem ser combinadas resultando
Te − Ti
3403(100 − Te )
3
4 =
4,097 ×10 − 4
Te − Ti Ti − 98
−4
=
4,097 ×10 3,092 ×10 −3
Este é um sistema não-linear que pode ser resolvido por iteração. A solução é
Te = 99,91o C Ti = 99,69 o C
O coeficiente de transferência de calor na superfície externa e a resistência térmica são
Equipamentos de Troca Térmica - 68

he = 17960(100 − 99,91)
−1
4 = 32 790W
m 2 .o C
(100 − 99,91) 4
1
o
Re = = 1,610 ×10 −4 C
3403 W
O coeficiente global de transferência de calor baseado na área externa é escrito em
termos destas resistências como
1
Ue = (e)
Ae (Ri + Raço + Re )
Introduzindo os valores numéricos, com o comprimento do tubo igual a 1m,
1
Ue =
(
π (0,06033)(1) 3,092 ×10 + 4,097 ×10 −4 + 1,610 ×10 −4
−3
)
U e = 1392W
m 2 .o C
Neste problema, o coeficiente de convecção no lado da água é o fator preponderante
porque he é muito grande para o processo de condensação. Na verdade, a resistência térmica
externa é ainda menor que a resistência de condução do aço. As grandezas relativas das
resistências são
Re ~ 1 Raço ~ 2,5 Ri ~ 19

No uso dos trocadores de calor, a superfície de transferência de calor fica suja com a
acumulação de depósitos, que introduzem resistência térmica adicional ao fluxo de calor. O
efeito das incrustações é geralmente levado em conta na forma de um fator de incrustação Rd
2 o
com as dimensões m . C ; este assunto será discutido adiante com mais detalhes.
W
Consideraremos agora a transferência de calor através de um tubo com incrustações
em ambas as superfícies, externa e interna. A resistência térmica R ao fluxo de calor, neste
caso, é
1 Rd 1 Rd 1
R= + i+ + e+ (3.6)
hi Ai Ai k Am Ae he Ae
onde Rdi e Rde são os fatores de incrustação (resistência unitária de incrustação) nas
superfícies interna externa do tubo, respectivamente, e as outras grandezas foram definidas
previamente.
Nas aplicações de trocadores de calor, o coeficiente de transferência de calor global é,
ordinariamente, baseado na superfície externa do tubo. Então a equação 3.6 pode ser
representada em termos do coeficiente global de transferência de calor baseado na superfície
externa do tubo como
1
Ue = (3.7)
de d Rd d ln(re ri ) 1
+ e i+ e + Rd e +
d i hi di 2k he
O valor do coeficiente de transferência de calor global em diferentes tipos de aplicação
varia amplamente.
Equipamentos de Troca Térmica - 69

3.2 FATORES DE INCRUSTAÇÃO


Depois de um período de operação, as superfícies de transferência de calor de um
trocador de calor podem ficar cobertas por partículas presentes nos escoamentos, ou sofrer um
processo de corrosão resultante da interação entre os fluidos e o material utilizado na
construção do trocador de calor. Em ambos os casos, isto representa uma resistência adicional
ao fluxo de calor e, portanto, um decréscimo no desempenho do equipamento. O efeito global
é geralmente representado por um fator de incrustação, ou resistência de incrustação, ou
resistência de depósito Rd, que deve ser considerada juntamente com as outras resistências
térmicas no coeficiente global de transferência de calor.
Os fatores de incrustação podem ser obtidos experimentalmente determinando-se os
valores de U para o trocador de calor nas condições de limpo e sujo. Desta forma, o fator de
incrustação é definido como
1 1
Rd = − (3.8)
U sujo U li mpo
Na década passada, muito esforço se fez a fim de compreender a incrustação [Ozisik,
1990]. Durante a operação, os trocadores ficam incrustados com depósitos de um tipo ou de
outro nas superfícies de transferência de calor. Por isso, a resistência térmica ao fluxo de calor
cresce, o que reduz a taxa de transferência de calor. O dano econômico das incrustações pode
ser atribuído:
1. Ao dispêndio mais alto de capital em virtude de unidades superdimensionadas.
2. Às perdas de energia devidas à falta de eficiência térmica.
3. Aos custos associados à limpeza periódica dos trocadores de calor.
4. À perda de produção durante o desmonte para limpeza.

Devido à sua natureza, as incrustações podem ser agrupadas em seis classes:


1. Incrustação por precipitação, a cristalização da substância dissolvida na solução sobre
a superfície de transferência de calor.
2. Incrustação por sedimentação, o acúmulo de sólidos finamente divididos, suspensos
no fluido do processo sobre a superfície de transferência de calor.
3. Incrustação por reação química, a formação de depósitos sobre a superfície de
transferência de calor, por reação química.
4. Incrustação por corrosão, o acúmulo de produtos de corrosão sobre a superfície de
transferência de calor.
5. Incrustação biológica, o depósito de microorganismos na superfície de transferência de
calor.
6. Incrustação por solidificação, a cristalização de um líquido puro, ou de um
componente da fase líquida, sobre a superfície de transferência de calor sub-resfriada.
Evidentemente, o mecanismo de incrustação é muito complicado, e não dispomos
ainda de técnicas confiáveis para sua previsão.
Quando um trocador de calor novo é posto em serviço, seu rendimento se deteriora
progressivamente em virtude do desenvolvimento da resistência das incrustações. A
velocidade e a temperatura das correntes parecem estar entre os fatores que afetam a taxa de
Equipamentos de Troca Térmica - 70

incrustação sobre uma dada superfície. O aumento da velocidade diminui a taxa de depósito e
também a quantidade final do depósito sobre a superfície. Aumentando a temperatura do
fluido como um todo, aumenta a taxa de crescimento das incrustações e o seu nível estável
terminal.
Baseada na experiência dos fabricantes, e dos usuários, a Associação dos Fabricantes
de Equipamentos Tubulares (Tubular Exchanger Manufacturers Association - TEMA)
preparou tabelas de fatores de incrustação como guia nos cálculos da transferência de calor.
Apresentamos, na Tabela 3.2, alguns resultados. A incrustação é um tema muito complicado e
sua representação numa listagem simples é muito questionável.

Tabela 3.2 Fator de incrustação Rd em equipamentos de transferência de calor


Temperatura da água, 52°C ou menos
Velocidade da água 1 m/s ou Velocidade da água superior a
menos 1 m/s
2 o
m .C m 2 .o C
W W
Tipos de água:
Água do mar 0,000088 0,000088
Destilada 0,000088 0,000088
Água tratada para alimentação 0,00018 0,000088
de caldeira
Camisa de motor 0,00018 0,00018
Grandes Lagos (EUA) 0,00018 0,00018
Torre de resfriamento e
tanque de aspersão
Água de reposição tratada 0,00018 0,00018
Água sem tratamento 0,00053 0,00053
Sangria de caldeira 0,00035 0,00035
Água salobra 0,00035 0,00018
Água de rio
Mínimo 0,00036 0,00018
Mississipi 0,00053 0,00035
Delaware, Schuylkill 0,00053 0,00035
East River e Baía de Nova 0,00053 0,00035
Iorque
Canal sanitário de Chicago 0,0041 0,00106
Lamacenta ou lodosa 0,00053 0,00035
Dura (acima de 15 0,00053 0,00053
grãos/galão)

Tipos de fluido:
Óleos industriais
óleo de recirculação limpo 0,00018
óleos de máquinas ou de 0,00018
transformador
óleos vegetais 0,00053
óleo de têmpera 0,00070
Equipamentos de Troca Térmica - 71

óleo combustível 0,00088


Gases e vapores industriais
Vapores orgânicos 0,000088
Vapor de água (isento de 0,000088
óleos)
Vapores de álcool 0,000088
Vapor de água, descarga 0,00018
Vapores refrigerantes 0,00035
Ar 0,00035
Líquidos industriais
Orgânicos 0,00018
Líquidos refrigerantes 0,00018
Salmoura (refrigerante) 0,00018
Fonte: Tubular Exchanger Manufacturers Association

Na falta de melhor, a lista é a única para se avaliar os efeitos das incrustações na


redução da transferência de calor.

3.3 DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURA NOS TROCADORES DE


CALOR
Nos trocadores de calor do tipo estacionário, a transferência de calor do fluido quente
para o fluido frio provoca variação da temperatura de um ou de ambos os fluidos que passam
através do trocador. A Figura 3.3 ilustra como a temperatura do fluido varia ao longo do
percurso no trocador de calor, em alguns trocadores de calor típicos, com um passe. Em cada
instante, a distribuição de temperatura é plotada em função da distância à entrada do fluido
frio. A Fig. 3.3a, por exemplo, caracteriza um trocador em contracorrente no qual a elevação
da temperatura do fluido frio é igual à queda da temperatura do fluido quente; a diferença de
temperatura ∆T, entre o fluido quente e o fluido frio, é constante, em todos os pontos.
Entretanto, nos outros casos (Fig. 3.3b até e), a diferença de temperatura ∆T , entre o fluido
quente e o fluido frio, varia com a posição ao longo do percurso do fluido. A Fig. 3.3b
corresponde à situação em que o fluido quente se condensa e transfere calor para o fluido frio,
fazendo com que sua temperatura se eleve ao longo do percurso.
Na Fig. 3.3c, o líquido frio está se evaporando e resfria o fluido quente ao longo do
seu percurso.
A Fig. 3.3d mostra configuração de escoamento paralelo, na qual ambos os fluidos se
deslocam na mesma direção, com o fluido frio experimentando uma elevação de temperatura
e o fluido quente, uma queda de temperatura. A temperatura de saída do fluido frio não pode
ser mais elevada do que a do fluido quente. Por isso, a eficiência dos trocadores de calor com
escoamento paralelo é limitada. Devido a esta limitação, não são em geral considerados para a
recuperação de calor. Entretanto, uma vez que a temperatura do metal fica aproximadamente
no meio das temperaturas do fluido quente e do fluido frio, a parede metálica permanece a
uma temperatura quase uniforme.
A fig. 3.3e mostra uma configuração em contracorrente na qual os fluidos se deslocam
em sentidos opostos. A temperatura de saída do fluido frio pode ser mais alta do que a
temperatura de saída do fluido quente. Teoricamente, a temperatura de saída de um fluido
Equipamentos de Troca Térmica - 72

pode aproximar-se da temperatura de entrada do outro. Por isso, a capacidade térmica do


trocador de calor em contracorrente pode ser o dobro da capacidade do trocador de calor com
escoamento paralelo. A alta recuperação de calor e a eficiência térmica deste trocador fazem
com que seja preferível ao trocador com escoamento paralelo, sempre que as exigências do
projeto permitam tal escolha. A temperatura do metal, no trocador em contracorrente, em
oposição à do trocador com escoamento paralelo, tem um gradiente significativo ao longo do
percurso no trocador.

Figura 3.3 – Distribuição de temperatura em trocadores de calor típicos de passe único.


(de Ozisik,1985)
Nas configurações de escoamento multipasse e cruzado, a distribuição de temperatura,
no trocador de calor, exibe padrão mais complicado. Por exemplo, a Fig. 3.4 mostra a
distribuição de temperatura em um trocador de calor de um passe no casco e dois passes nos
tubos. A Fig. 3.5 mostra um perfil típico de temperatura em um trocador de calor com
correntes cruzadas, quando ambos os fluidos são não-misturados.
Nesta configuração, os fluidos quente e frio entram no miolo do trocador de calor com
temperaturas uniforme mas, como há canais no percurso das correntes, para evitar a mistura
transversal as temperaturas não são constantes em qualquer seção transversal, perpendicular à
direção do escoamento, e as temperaturas de saída não são uniformes. Se não houvesse canais
para um dos fluidos, seria possível a sua mistura transversal ao longo do percurso da corrente
e a sua temperatura de saída tornar-se-ia aproximadamente uniforme.
Equipamentos de Troca Térmica - 73

Figura 3.4 – Distribuição axial de temperatura em um trocador de calor


de um passe no casco e dois passes nos tubos.
(de Ozisik,1985)

Figura 3.5 – Distribuição de temperatura em um trocador de calor com escoamento cruzado.


Ambos os fluidos não misturados.
(de Ozisik,1985)

3.4 DIFERENÇA DE TEMPERATURA


Considere o trocador de calor de tubo duplo mostrado na Fig. 3.2. Os fluidos podem escoar
em contracorrente ou em correntes paralelas; os perfis de temperatura para estes dois casos
são ilustrados na Fig. 3.6. Propõe-se calcular o calor transferido neste trocador de tubo duplo
através de
q = UA ∆Tm (3.9)
onde:
U = coeficiente global de transferência de calor
A = área da superfície de troca de calor consistente com a definição de U
Equipamentos de Troca Térmica - 74

∆Tm = diferença média de temperatura adequada, através do trocador de calor

Figura 3.6 – Perfis de temperatura em trocadores de calor de tubo duplo.


(a) correntes paralelas e (b) contracorrente
(de Holman,1983)

Uma inspeção da Fig. 3.6 indica que a diferença de temperatura entre os fluidos quente
e frio varia entre a entrada e a saída; logo, um valor médio deve ser determinado para a
aplicação da Eq. 3.9. Para o trocador de calor de correntes paralelas mostrado na Fig.3.3, o
calor transferido através de um elemento de área dA pode ser escrito
dq = − m& q C q dTq = m& f C f dT f (3.10)

onde os índices q e f designam os fluidos quente e frio. O calor transferido também pode ser
dado por
(
dq = U Tq − TF dA ) (3.11)

− dq
dTq = (3.12)
m& q C q

dq
dT f = (3.13)
m& f C f
onde m& representa a vazão e C a calor específico do fluido. Desta forma,
Equipamentos de Troca Térmica - 75

 1 
dTq − dT f = d (Tq − T f ) = −dq
1 
+ (3.14)
 m& C 
 q q m& f C f 
Introduzindo o valor de dq, dado pela Eq. 3.11, na Eq. 3.14 resulta:
d (Tq − T f )  1 1 
= −U  + dA (3.15)
Tq − T f  m& C 
 q q m& f C f 
Esta equação diferencial pode ser agora integrada entre as condições 1 e 2, como
indicado na Fig. 3.6. O resultado é
 Tq 2 − T f 2   
ln  = −UA 1 + 1  (3.16)
 T −T   m& C 
 q1 f1   q q m& f C f 
Retornando à Eq. 3.10, os produtos m& f C f e m& q C q podem ser expressos em termos do
calor total transferido q e das diferenças terminais de temperatura dos fluidos quente e frio.
Assim,
q
m& q C q = (3.17)
Tq1 − Tq 2

q
m& f C f = (3.18)
Tf 1 − Tf 2
Substituindo estas relações na Eq. 3.16 resulta

q = UA
(T q2 − T f 2 ) − (Tq1 − T f 1 )
(3.19)
 Tq 2 − T f 2 
ln 
 T −T 
 q1 f1 

Comparando a Eq. 3.19 com a Eq . 3.9 verificamos que

∆Tm =
(T
q2 − T f 2 ) − (Tq1 − T f 1 )
(3.20)
 Tq 2 − T f 2 
ln 
 T −T 
 q1 f1 

Esta diferença de temperatura é chamada de diferença média logarítmica de


temperatura (DMLT). É a diferença entre as diferenças de temperatura nas extremidades
dividida pelo logaritmo natural da razão entre as duas diferenças de temperatura. Fica como
exercício mostrar que esta relação é idêntica à que seria obtida para a condição de
contracorrente.
A DMLT obtida acima envolve duas hipóteses importantes:
(1) os calores específicos dos fluidos não variam com a temperatura,
(2) os coeficientes de transferência de calor por convecção são constantes ao longo de
todo trocador de calor.
A segunda hipótese é em geral a mais séria devido aos efeitos de entrada, variações na
viscosidade do fluido e na condutividade térmica etc Em geral devemos utilizar métodos
numéricos para a correção destes efeitos.
Equipamentos de Troca Térmica - 76

Para um trocador de calor diferente do de tubo duplo, o calor transferido é calculado


usando-se um fator de correção aplicado à DMLT para um arranjo em contracorrente com as
mesmas temperaturas dos fluidos quente e frio. Neste caso, o calor transferido é calculado
através de
q = UA F ∆Tm (3.21)
A determinação dos fatores de correção F é apresentada na seção 3.5.

3.5 CORREÇÃO DA MLDT EM TROCADORES COM CORRENTES


CRUZADAS E MULTIPASSE
A DTML, desenvolvida na Sec. 3.5, não se aplica à análise da transferência de calor
em trocadores de correntes cruzadas e muitos passes. As diferenças efetivas de temperatura
foram determinadas nos escoamentos de correntes cruzadas e também multipasse, mas as
expressões resultantes são muito complicadas. Por isso, nessas situações, é costume introduzir
um fator de correção F de modo que a DTML simples possa ser ajustada para representar a
diferença efetiva de temperatura ∆Tcorr para a disposição de correntes cruzada e multipasse na
forma
∆Tcorr = F (∆Tln em contracorrente ) (3.22)

onde ∆Tln deve ser calculada nas condições de contracorrente, de acordo com a Eq. 3.20.
A Fig. 3.7 mostra o fator de correção F em algumas configurações usualmente
empregadas nos trocadores de calor. Nestas figuras, a abscissa é a razão adimensional P,
definida como
t 2 − t1
P= (3.23)
T1 − t1
onde T se refere à temperatura do lado do casco, t é a temperatura do lado dos tubos, e os
subscritos 1 e 2 se referem, respectivamente, às condições de entrada e de saída. 0 parâmetro
R que aparece nas curvas é definido como

T1 − T2 (m& C p )lado do tubo


R= = (3.24)
t 2 − t1 (m& C p )lado do casco

Observe que os fatores de correção, na Fig. 3.7, podem ser aplicados quer o fluido
quente esteja do lado do casco, quer do lado dos tubos. Cartas de fatores de correção, para
várias outras disposições das correntes, podem ser encontradas em Kern (1980), Perry (1980),
Fraas (1965) e outras obras especializadas.
Em geral, F é menor do que a unidade nos arranjos de correntes cruzadas e
multipasses; é igual à unidade nos trocadores de calor em verdadeira contracorrente.
Representa o grau de afastamento da verdadeira diferença média de temperatura em relação à
DTML na contracorrente.
Na Fig. 3.7 notamos que o valor do parâmetro P se situa entre 0 e 1, e representa a
eficiência térmica do fluido do lado do tubo. O valor de R vai de zero até o infinito, com o
zero correspondendo à condensação pura do vapor no lado do casco e infinito à evaporação no
lado dos tubos.
Equipamentos de Troca Térmica - 77

Figura 3.7 – Fator de correção F para o cálculo de ∆Tcorrigida em trocadores multipasse com
correntes cruzadas.
(a) Um passe no casco e dois passes nos tubos, ou um múltiplo de dois
passes nos tubos.
(b) Dois passes no casco e quatro passes nos tubos, ou um múltiplo de
quatro passes nos tubos.
(c) Correntes cruzadas, um só passe, os dois fluidos sem mistura.
(de Ozisik,1985)

3.6 TEMPERATURA DA PAREDE DO TUBO


A temperatura da parede do tubo pode ser calculada pelas temperaturas médias dos
fluidos quando conhecemos hi e ho. Observando a Figura 3.8, é usual desprezar a diferença de
temperatura através do tubo metálico tw-tp e considerar o tubo inteiro como estando na
temperatura da superfície externa da parede tw. Se a temperatura média externa for Tm e se a
temperatura média interna for tm e 1 Rio = hio = ht ( Ai Ao ) = ht (Di Do ) , onde o índice inferior
io se refere ao valor do coeficiente de transferência de calor por convecção no interior do tubo
tomando-se como referência a superfície externa do tubo.
Equipamentos de Troca Térmica - 78

Figura 3.8 – Temperatura na parede do tubo.


(de Kern,1980) fig 5.3 pág 72
O fluxo de calor é expresso por:
∆T T −t t −t
Q= = c c = w c (3.25)
ΣR Ro + Rio Rio
Trocando-se as resistências dos dois últimos termos pelos coeficientes de transferência
de calor por convecção,
Tc − t c t −t
= w c (3.26)
1 1 1
+
h0 hi 0 hi 0
Explicitando tw,
ho
t w = tc + (Tc − t c ) (3.27)
hio + ho
e
hio
t w = Tc − (Tc − tc ) (3.28)
hio + ho
Quando o fluido quente está no interior do tubo, estas relações se tornam
hio
t w = tc + (Tc − t c ) (3.29)
hio + ho
e
ho
t w = Tc − (Tc − tc ) (3.30)
hio + ho