Sunteți pe pagina 1din 126

‫בית מדרש‬

Beth Midrash LIÇÕES CONTEXTUALIZADAS PARA


COMUNIDADES JUDAICO-ADVENTISTAS
Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778

Carta aos
Romanos
‫אגרת שאול‬
‫אל הרומים‬

Edição para Revisão


Alterações até
domingo, dia 10/10

4T
AUTOR Equipe da Conferência Geral
Carta aos
CONTEXTUALIZAÇÃO
EDITOR Roberto Rheinlander Rebello
PROJETO GRÁFICO Henrique Felix
CONTEXTUALIZAÇÃO Alexandre
Vargas, Carlos Muniz, Crystopher, José
Romanos
‫אגרת שאול‬
Cristiano Sampaio, Paulo Cardoso,
Roberto Rheinlander Rebello, ‫אל הרומים‬
Vinícios Assef
REVISORES

; Índice
CONSELHEIROS Dr. Richard Amran
Elofer, Dr. Reinaldo Siqueira.
Sobre o Autor 04
Introdução 05
1 Rabi Shaul em Roma 06
2 O conflito 14
3 A condição humana 22
4 Justificação pela emuná 30
CONFERÊNCIA GERAL 5 A fidelidade de Avraham 38
Dr. Richard Amram Elofer, PhD
6 Adam e Yeshua 46
DIVISÃO SUL AMERICANA
Dr. Reinaldo Siqueira, PhD
7 Vencendo o pecado 54
8 Quem é o homem de Romanos 7? 62
BELO HORIZONTE, MG 9 Nenhuma condenação 70
Rua Aveiro 367 - S. Francisco
Marcos Nardy
10 Filhos da promessa 78
11 Povo escolhido 86
CAMPINAS, SP
Rua Espanha, 260 - Bonfim 12 Vencendo o mal com o bem 94
Lucas Iglesias
13 Vida religiosa 102
CURITIBA, PR Glossário e Abreviações 110
Av. Munhoz da Rocha, 168 - Juvevê
Bruno Santelli Horários 118
FLORIANÓPOLIS, SC
Calendário 122
Rua Visconde de Ouro Preto, 347 - Centro Bençãos Diversas 124
Cristiano Silva

MANAUS, AM
Rua M/N, 5 - Morada do Sol
Wilian Cardoso

RIO DE JANEIRO, RJ
Notas
Rua Dezenove de fevereiro, 140 - Botafogo
Thiago Fiúza 1 Este guia de estudo é uma versão adaptada das lições da Escola Sabatina
ao contexto Judaico-Adventista. É usada pelos membros das Beth Bnei Tsion
SÃO PAULO, SP [Comunidades Judaico-Adventistas] como auxiliar e apoio ao estudo semanal.
Rua Armando Penteado, 291 - Higienópolis Visa tornar a linguagem mais acessível a esse contexto. O conteúdo original é
Rogel Tavares preservado usando apenas adaptações contextuais.
2 As versões bíblicas adotadas preferencialmente nessa contextualização são
"Bíblia Judaica Completa" traduzida por David H. Stern, "Bíblia Hebraica" tra-
duzida por David Gorodovits e Jairo Fridlin e Orthodox Jewish Bible.
3 As referências para estudo semanal (Parashá, Haftará, leitura anual da Bíblia,
Leitura Reavivados por Sua Palavra [Leitura RPSP:] Crede em seus profetas
CSP) e costumes e festas encontram-se junto aos estudos diários.
4 Demais informações, horário do pôr-do-sol, acendimento de velas, datas fes-
tivas e Glossário encontram-se anexos ao final deste guia.
Sobre o Autor

Equipe da Associação Geral


O guia de estudos deste trimestre foi preparado pela equi-
pe responsável pelo Sabbath School Departament da As-
sociação Geral, coordenada por Clifford Goldstein.
Goldstein foi editor da revista Shabat Shalom de 1984 até
1992 e editor da revista Liberty de 1992 até 1997. Atualmente
é editor geral das lições da Escola Sabatina (Beth Midrash),
cargo que ocupa desde 1999.

edição para revisão

4 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Introdução

Carta aos Romanos


Q uando Shaul escreveu esta igueret (carta) provavelmente não colocou nenhum títu-
lo. Simplesmente era uma carta que escrevia aos crentes de Roma; Posteriormente a
carta chegou a ser conhecida como "carta aos Romanos"(1)
A Igueret aos Romanos, que estudaremos neste trimestre, está no centro do princípio
da redenção pela emuná (fé). Ela “merece não apenas ser memorizada palavra por pala-
vra, mas absorvida todos os dias como o pão de cada dia” (2).
A carta aos Romanos deve ser estudada com sabedoria e orientação divina. Shimon
Kefa (Pedro) destacou a importancia dos escritos de Shaul quando relatou que "[suas car-
tas] contêm pontos difíceis de entender, coisas que os indoutos e os instáveis distorcem,
para sua destruição, como também o fazem com as outras Escrituras."(3)
edição para revisão

As profecias nos escritos de Daniel 7:23-25 e 8:9-12 e Revelação (Ap) 13 e 14, bem como
a grande notícia da redenção pela emuná apresentada na carta aos Romanos, revelam
por que devemos manter a lealdade às verdades que nossos antepassados defenderam.

(1)
Comentário Bíblico Adventista (Romanos)
(2)
Commentary on Romans [Grand Rapids, MI: Kregel], 1976, p. 8.
(3)
2Pe 3:16

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 5


Lição 1 1 a 7 de outubro | 11 a 17 Tishrei

Rabi Shaul em Roma


VERSO PARA MEMORIZAR
“Inicialmente, agradeço a meu D’us, mediante Yeshua, o Messias, todos vocês, porque o
relato da confiança de vocês está se espalhando por todo o mundo.” (Rm 1:8)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 15:20-27; At 28:17-31; Fp 1:12; Rm 1:7; Ef 1; Rm 15:14

Introdução

É importante que o estudante da carta (igueret) aos Romanos compreenda o con-


texto histórico dela. Informações sobre as condições da época são sempre fun-

edição para revisão


damentais quando buscamos compreender a Palavra de D’us. Precisamos conhecer
e compreender os assuntos que estavam sendo abordados. Shaul estava escrevendo
para um grupo específico de crentes em um momento específico e por uma razão
específica. Conhecer essa razão tanto quanto possível nos beneficiará muito em nos-
so estudo.
Portanto, voltemos no tempo. Façamos uma viagem à Roma do primeiro século
e nos tornemos membros da kehilá ali. Então, como membros da comunidade do
primeiro século, ouçamos Shaul e as palavras que o Ruach Hakodesh lhe deu para
comunicar aos fiéis em Roma.
Porém, por mais que as questões imediatas abordadas por Shaul fossem relacio-
nadas àquela localidade, são universais os princípios por trás delas. Shaul estava
falando a um grupo específico de pessoas. Ele tinha um assunto em mente quando
escreveu a carta. Mas, como sabemos, muitos séculos depois, em uma época e con-
texto totalmente diferentes, suas palavras são tão relevantes para nós hoje quanto
para Shaul quando ele as escreveu.

LEITURAS DA SEMANA

SUCOT ‫ סוכות‬Leitura de Sucot: Vaykrá [Lv] 22:26-23:44


HAFTARÁ: Z’kharyah [Zc] 14:1-24
BRIT HADASHÁ: Revelação [Ap] 7:1-10
TEHILIM: Sl

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelo líder Paul Daniels da comunidade judaico-adventista de Roter-
dam, Holanda.
6 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
1 de outubro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 11 Tishrei Domingo

A carta de Shaul o Shaliach

O texto de Romanos 16:1 e 2 indica que Shaul provavelmente escreveu essa carta na
cidade grega de Cencréia, próxima a Corinto. A menção que Shaul fez de Febe, uma
moradora da região de Corinto, estabelece esse lugar como o cenário provável para a
igueret (carta) aos Romanos.
Um dos objetivos ao determinar a cidade de origem das igrot (cartas) da Brit Cha-
dashá é verificar a data em que elas foram escritas. Visto que Shaul viajava muito, saber
qual era sua localização em determinado momento nos dá um indício da data.
Shaul estabeleceu a comunidade de Corinto em sua segunda viagem como shaliach,
de 49 a 52 e.c. (At 18:1-18). Em sua terceira viagem, de 53 a 58 e.c., ele visitou a Grécia
novamente (At 20:2, 3) e recebeu uma tsedaká para dar aos justos em Jerusalém, perto do
fim da sua viagem (Rm 15:25, 26). Portanto, a igueret (carta) aos Romanos foi escrita
provavelmente nos primeiros meses do ano 58 e.c.

1. De acordo com Atos 18:23, quais outras comunidades importantes Shaul visitou
edição para revisão

em sua terceira viagem?

Ao visitar as kehilot (congregações) da Galácia, Shaul descobriu que, durante sua


ausência, falsos mestres tinham convencido os goyim a se submeter à brit milá e a guar-
dar outras mitzvot para serem salvos. Temendo que seus adversários chegassem a Roma
antes dele, Shaul escreveu a carta aos romanos para evitar que a mesma tragédia acon-
tecesse em Roma. Acredita-se que a igueret aos Gálatas também foi escrita em Corinto,
durante os três meses da permanência de Shaul ali em sua terceira viagem, talvez logo
após sua chegada.
“Em sua carta aos Romanos, Shaul expôs os grandes princípios de fé. Ele afirmava
sua posição nas questões que estavam agitando as comunidades judaicas e gentílicas, e
mostrava que as esperanças e promessas que haviam pertencido antes aos judeus eram,
agora, oferecidas também aos goyim” (1).
Como dissemos, ao estudar qualquer livro Sagrado, é importante saber por que ele
foi escrito; isto é, de qual situação ele estava tratando. Por isso, para nossa compreensão
da igueret aos Romanos, é fundamental entender quais questões estavam inquietando as
comunidades judaicas e gentílicas. A lição da próxima semana abordará essas questões.

Quais questões perturbam sua kehilá no momento? As ameaças surgem mais de fora ou de
dentro? Qual papel você desempenha nessas discussões? Você já parou para questionar seu
papel, sua posição e suas atitudes nas lutas que enfrenta? Por que é tão importante esse tipo
de autoavaliação?

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 1ª Alyá (Nm 19:1-19:17)


Leitura mensal Tehilim Sl 1-9
Leitura RPSP Is 36
Leitura anual completa Zc 9–11

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 7


Segunda 2 de outubro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 12 Tishrei

O desejo do Rabi Shaul de visitar Roma

N ão há dúvida de que o toque pessoal é a melhor maneira de se comunicar na


maioria dos casos. Podemos telefonar, mandar e-mail, mensagem de texto e até
mesmo falar por chamada de vídeo; porém, face a face, corpo a corpo, é a melhor
forma de comunicação. Por isso, Shaul anunciou em sua carta aos romanos que
pretendia vê-los pessoalmente. O shaliach (emissário) queria que eles soubessem
que ele pretendia ir a Roma, e a razão de sua visita.

2. Leia Romanos 15:20-27. Quais razões Shaul deu para não ter visitado Roma ante-
riormente? O que o levou a tomar a decisão de ir naquele momento? Até que ponto
a objetivo era central em seu raciocínio? O que aprendemos sobre propósito e teste-
munho a partir dessas palavras de Shaul? Qual argumento interessante e importan-
te Shaul apresentou em Romanos 15:27 sobre judeus e goyim?

O grande rabi enviado aos goyim sentia-se constantemente motivado a levar

edição para revisão


a Bessorá sobre o Mashiach às novas regiões, deixando outros para trabalhar nos
lugares em que a mensagem já tinha sido estabelecida. Na época em que os crentes
em Yeshua davam seus primeiros passos e haviam poucos emissários, teria sido um
desperdício de valiosa força de trabalho se Shaul tivesse permanecido atuando em
áreas já alcançadas pela mensagem do Mashiach. Ele disse: “Sempre é meu desejo
anunciar as boas-novas onde o Messias ainda não é conhecido, para que eu não
edifique sobre o fundamento de outra pessoa”, para que entendessem “Os que não
tinham ouvido falar". (Rm 15:20, 21 citando Is 52:15).
Shaul não tinha a intenção de se estabelecer em Roma. Seu objetivo era levar
a mensagem a Espanha. Ele esperava obter o apoio dos crentes romanos para esse
empreendimento.

3. Shaul buscou ajuda de uma kehilá estabelecida para levar a mensagem uma nova
região. Qual princípio importante encontramos nesse fato em relação ao propósito?

Leia novamente Romanos 15:20-27. Observe quanto Shaul desejava servir! O que motiva você
e suas ações? Você tem um coração disposto a servir?

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 2ª Alyá (Nm 19:18-20:6)


Leitura mensal Tehilim Sl 10-17
Leitura RPSP Is 37
Leitura anual completa Zc 12–14

8 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


3 de outubro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 13 Tishrei Terça

Shaul em Roma
4. “Quando chegamos a Roma, o oficial permitiu que Sha'ul morasse por conta pró-
pria, sob a custódia de um soldado.” (At 28:16). Como Shaul finalmente chegou a
Roma? O que isso nos ensina sobre as coisas inesperadas e indesejadas que tantas
vezes surgem em nosso caminho?

Rabi Shaul finalmente chegou a Roma, ainda que fosse como prisioneiro. Quantas ve-
zes nossos planos não saem como prevíamos e esperávamos, mesmo aqueles formulados
com as melhores intenções!
Shaul chegou a Jerusalém no final de sua terceira viagem, levando aos pobres uma
tsedaká que ele havia recolhido das congregações da Europa e da Ásia Menor. Porém,
acontecimentos inesperados o aguardavam. Ele foi preso e acorrentado. Depois de ficar
preso por dois anos em Cesaréia, ele apelou a César. Cerca de três anos após sua prisão,
ele chegou a Roma, provavelmente não da maneira que ele tinha pretendido quando, al-
guns anos antes, escreveu aos membros da kehilá em Roma sobre sua intenção de visitar
edição para revisão

a comunidade a ali.

5. O que Atos 28:17-31 revela sobre o tempo que Shaul passou em Roma? Mais impor-
tante, qual lição aprendemos com isso?

“Não pelas palavras de Shaul, mas pelas suas cadeias, foi a atenção da corte atraída
para o Mashiach. Foi como um cativo que ele rompeu de tantas vidas as cadeias que as
mantinham na escravidão do pecado. E não foi só isso. Ele declarou: ‘o fato de estar na
prisão deu confiança à maioria dos irmãos no Senhor, de forma que eles se tornaram
muito mais ousados para pregar a palavra de D'us com destemor’ (Fp 1:14)” (2).

Você já experimentou reviravoltas em sua vida que acabaram sendo para o bem? (Veja Fp
1:12). Como você pode e deve fortalecer sua fidelidade a partir dessas experiências, apren-
dendo a confiar em D’us quanto às coisas que aparentemente não trouxeram nenhum bem?

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 3ª Alyá (Nm 20:7-20:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 18-22
Leitura RPSP Is 38
Leitura anual completa Ml

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 9


Quarta 4 de outubro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 14 Tishrei

“Kedoshim” em Roma
6. Veja a saudação de Shaul à comunidade em Roma: “Para: Todos aqueles em Roma
que são amados por D’us, chamados, separados para ele. Graça a vocês e shalom da
parte de D’us, nosso Pai, e do Senhor Yeshua, o Messias.” (Rm 1:7). Que princípios de
fé podemos aprender com essas palavras?

A mados por D’us. Embora seja verdade que D’us ama o mundo, em um sentido especial
D’us ama aqueles que O escolheram, aqueles que correspondem ao Seu amor.
Vemos isso na esfera humana. Amamos de maneira especial aqueles que nos amam;
com eles há uma troca mútua de afeto. O amor exige resposta. Quando a resposta não é
pronta, o amor é limitado em sua expressão mais plena.
Chamados para serem separados por D’us (kedoshim). Em algumas traduções, a ex-
pressão “para serem” aparece em itálico, o que pode significar que alguns tradutores a
adicionaram. Mas, se essas palavras forem omitidas o significado ainda estará intacto.
Quando elas são omitidas, obtemos a expressão “chamados separados por D’us”, isto é,
“nomeados kedoshim”.

edição para revisão


Kedoshim (hagioi - ἅγιοι), literalmente significa “santos, sagrados”. Kadosh significa
“dedicado”. Kadosh é aquele que foi “separado” por D’us.
Ele ainda pode ter um longo caminho a percorrer na estrada da santificação, mas o
fato de ter escolhido o Mashiach como Senhor é o que o designa como kadosh no signifi-
cado bíblico do termo.

7. Shaul disse que eles foram chamados para serem separados por D’us (kedoshim).
Isso significa que alguns não são chamados? Como Ef 1:4, Hb 2:9 e 2Pe 3:9 ajudam a
entender o que Shaul quis dizer?

A grande notícia é que a morte do Mashiach foi universal; foi por todos os seres hu-
manos. Todos foram chamados para ser libertos nEle, “chamados para serem separados
por D’us (kedoshim)”, mesmo antes da criação. A intenção original de D’us era que toda a
humanidade encontrasse a redenção no Mashiach. O fogo do juízo de D’us era destinado
apenas ao Adversário e seus anjos (Mt 25:41). Assim como alguém que faz greve de fome
em um mercado não diminui o valor dos maravilhosos e abundantes alimentos encontra-
dos ali, o fato de que algumas pessoas não aproveitam um presente oferecido não tira as
qualidades e benefícios da dádiva apresentada.

Mesmo antes da criação do mundo, D’us chamou você para ter redenção nEle. Por que você não
deve permitir que nada o impeça de atender a esse chamado?

VÉSPERA DE SUCOT

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 4ª Alyá (Nm 20:14-20:21)


Leitura mensal Tehilim Sl 23-28
Leitura RPSP Is 39
Leitura anual completa Vista geral do Tanach

10 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


5 de outubro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 15 Tishrei Quinta

Os fiéis em Roma

“I nicialmente, agradeço a meu D'us, mediante Yeshua, o Messias, todos vocês, porque
o relato da confiança de vocês está se espalhando por todo o mundo.” (Rm 1: 8). Não
se sabe como a congregação em Roma foi estabelecida. A tradição de que a kehilá foi
estabelecida por Shimon Kefa ou Shaul não tem fundamentação histórica. É possível que
leigos a tenham fundado, pessoas que tinham aceito Yeshua como Mashiach em Shavuot
em Jerusalém (At 2), e que então visitaram ou se mudaram para Roma. Ou talvez, em
algum período posterior, aqueles que se mudaram para Roma testemunharam de sua fé
naquela capital mundial.
É surpreendente o fato de que, em poucas décadas daquele Shavuot, uma congrega-
ção que aparentemente não tinha recebido a visita de nenhum dos líderes religiosos fos-
se tão amplamente conhecida. “Apesar da oposição, vinte anos após a morte do Mashiach
havia uma comunidade viva e fervorosa em Roma. Essa kehilá era forte e zelosa, e o
Eterno atuava em favor dela” (3).
Nesse contexto, “emuná - fé” provavelmente inclua o sentido mais amplo de fidelida-
edição para revisão

de, isto é, fidelidade ao novo estilo de vida que tinham descoberto no Mashiach.

8. Leia Romanos 15:14. Como Shaul descreveu a kehilá em Roma?

Shaul listou três coisas notáveis na experiência dos fiéis de Roma. Eles eram:
1. “repletos de bondade”. Será que as pessoas dizem isso a nosso respeito? Ao se rela-
cionarem conosco, nossa bondade abundante é o que atrai a atenção delas?
2. “Cheios de conhecimento”. As Escrituras enfatizam repetidamente a importância
do esclarecimento, informação e conhecimento. Somos estimulados a estudar a Bíblia e
a nos tornarmos bem informados quanto aos seus ensinamentos. “As palavras ‘um cora-
ção novo também te darei’ significam ‘uma nova mente te darei’. Uma transformação de
coração é sempre acompanhada por uma convicção clara do nosso dever, uma compre-
ensão da verdade” (4).
3. “capacitados para aconselhar-se mutuamente”. Ninguém pode prosperar espiritu-
almente isolando-se dos outros. Precisamos encorajar os outros e, ao mesmo tempo, ser
encorajados por eles.

Qual é a reputação da sua kehilá? Será que ela tem alguma reputação? O que sua resposta revela
sobre sua comunidade? Como você pode ajudar a melhorar a situação?

1º DIA DE SUCOT

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 5ª Alyá (Nm 20:22-21:9)


Leitura mensal Tehilim Sl 29-34
Leitura RPSP Is 40
Leitura anual completa Mt 1–4

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 11


Sexta 6 de outubro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 16 Tishrei

Estudo adicional

"A redenção da humanidade não é resultado de uma reflexão tardia ou de um improvi-


so que se tornou necessário devido a uma inesperada reviravolta nos acontecimen-
tos depois do surgimento do pecado. Em vez disso, ela tem sua origem em um plano divino
para a redenção do homem, formulado antes da criação do mundo (1Co 2:7; Ef 1:3, 14; 2Ts
2:13, 14) e arraigado no eterno amor do Eterno pela humanidade (Jr 31: 3).
“Esse plano abrange a eternidade passada, o presente histórico e a eternidade futura.
Inclui realidades e bênçãos como a eleição e a predestinação para que fôssemos o povo
santo do Eterno e semelhantes ao Mashiach, a redenção e o perdão, a unidade de todas as
coisas no Mashiach, o selamento com o Espírito de D’us, o recebimento da herança eterna
e a glorificação (Ef 1:3-14). Fundamentais para esse plano são o sofrimento e a morte de
Yeshua, que não foi um acidente da história nem o produto de mera decisão humana, mas
estava fundamentada no divino propósito redentor (At 4:27, 28). Yeshua foi, na realidade,
“o Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13:8).

edição para revisão


LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Testemunhos, v.5, p. 706
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 372 a 374
Comentário Bíblico Adventista, v. 6, p. 509, 510. tão graciosamente oferecido?

PERGUNTA PARA REFLEXÃO


1 Fomos chamados para termos vida eterna mesmo antes da fundação do mundo (Tt 1:1,
2; 2Tm 1:8, 9). Por que isso é tão encorajador? O que isso nos revela sobre o amor de
HaShem por todos os seres humanos? Por que é tão trágico quando as pessoas dão as
costas ao que lhes foi tão graciosamente oferecido?

2º DIA DE SUCOT

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 6ª Alyá (Nm 21:10-21:20)


Leitura mensal Tehilim Sl 35-38
Leitura RPSP Is 41
Leitura anual completa Mt 5–7

12 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

7 de outubro | ‫ שבת‬Shabat 17 Tishrei

SUCOT CHOL HAMOED

ESTUDO DIÁRIO

Chucat, 7ª Alyá (Nm 21:21-22:1)


Leitura mensal Tehilim Sl 39-43
Leitura RPSP Is 42
Leitura anual completa Mt 8–10
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 29

REFERÊNCIAS LIÇÃO 1

(1)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 373 (contextualizado)
(2)
Fp 1:14; Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 464 (contextualizado)
(3)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 1187 (contextualizado)
(4)
Ellen G. White, Minha Consagração Hoje [MM 1953/1989], p. 24 (contextualizado)
(5)
Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 310 (contextualizado)
edição para revisão

COSTUMES DESTA SEMANA

SUCOT & CHOL HAMOED


Os sete dias da Festa de Sucot consistem de dois dias de Yom Tov, seguidos por cinco dias
de Chol Hamoed (dias da semana da Festa); também chamados de "Dias Intermediários").

Há o costume de comer na Sucá durante os dias de Sucot, recitar a bênção sobre as "Qua-
tro Espécies", etc. Alguns não colocam tefilin durante Chol Hamoed.

Fazer as refeições na sucá (7 dias)


A Festa de Sucot, comemorando a proteção envolvente de D'us aos Filhos de Israel duran-
te sua jornada de 40 anos pelo deserto (1313-1273 AEC), é celebrada durante sete dias,
começando na véspera de 15 de Tishrei. Durante estes dias, somos ordenados a "habitar"
na sucá – uma cabana de construção temporária, com o teto coberto por vegetação, sem
acabamento (galhos, ramos, bambu, etc.) – significando a fragilidade e a vida temporária
da habitação humana e do abrigo feito pelo homem, e nossa total dependência da prote-
ção e providência Divina.

Esta festa remete ao trabalho concluído do Messias. Quando Seus trabalhos forem con-
cluídos, o que seré uma grande alegria e júbilo, tanto na terra e no céu! Seus trabalhos
serão recompensados. Sua obra redentora será concluída; Sua salvação gloriosamente
triunfante. Assim de uma forma especial este festival leva a alegria e felicidade.

Leitura para Sucot: Lv 22:26-23:44, Zc 14:1-24, Ap 7:1-10 (Erev Sucôt - noite do dia 04/10)

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 13


Lição 2 8 a 14 de outubro | 18 a 24 Tishrei

O conflito

VERSO PARA MEMORIZAR


"Porque a Torá foi dada por intermédio de Moshê; a graça e a verdade vieram por
intermédio de Yeshua, o Messias." (Jo 1:17)

LEITURAS DA SEMANA
Hb 8:6; Mt 19:17; Ap 12:17; Lv 23; At 15:1-29; Gl 1:1-12

Introdução

A kehilá na época de Shaul era composta principalmente de judeus que jamais

edição para revisão


pensaram que, ao aceitar Yeshua, o Messias de origem judaica, estavam se afas-
tando da emuná (fé) de seus pais ou das promessas da aliança que o Eterno havia
feito com Seu povo. E eles estavam certos. A questão para os judeus seguidores do
Mashiach não era se seus compatriotas tinham que mudar de religião para aceitar
Yeshua. A questão para muitos deles era se os goyim tinham que se tornar judeus
antes que pudessem aceitar Yeshua como sendo O Mashiach.
Somente mais tarde, na assembléia de Jerusalém, houve uma resposta sólida.
Eles tomaram a decisão de não incomodar os goyim com uma série de halachot e
mitsvot (regras e leis) . Ou seja, os goyim não precisavam se tornar judeus antes de
aceitar Yeshua, como O Mashiach.
Contudo, apesar da decisão, alguns rabis, continuaram a se opor às novas kehi-
lot, insistindo com os goyim crentes que era preciso obedecer essas halachot e mit-
zvot, inclusive a brit milá (não exatamente um procedimento que tornaria atrativa
para um adulto a adesão à kehilá). Isto é, eles pensavam que, a fim de participar das
promessas da aliança, esses goyim tinham que obedecer a muitas halachot e mitsvot
considerados indispensáveis para os judeus.
Quais foram as questões, e como elas foram resolvidas?
LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 1 ‫ בראשית‬BERESHIT [no princípio]: Gn 1.1-6.8


HAFTARÁ: Is 42.5-43.10
BRIT HADASHÁ: Mt 1.1-17; 19.3-9; Mc 10.1-12; Lc 3.23-28; Jo 1.1-18; 1Co 6.15-20; 15.35-58;
Rm 5.12-21; Ef 5.21-32; Cl 1.14-17; 1Tm 2.11-15; Hb 1.1-3; 3.7-4.11; 11.1-7; 2Pd 3.3-14; Ap
21.1-5;22.1-5
TEHILIM: Sl 139

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelos líderes Roger Robertsen & Julio Mendez da comunidade judai-
co-adventista de Jerusalém, Israel.
14 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
8 de outubro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 18 Tishrei Domingo

Uma aliança superior


1. De acordo com Hebreus 8:6, o que são as “melhores promessas.” e a “aliança me-
lhor”? Por que a obra dada a Yeshua é superior?

T alvez a maior diferença entre a mensagem do Tanach e da Brit Hadashá seja o fato de
que a mensagem da Brit Hadashá teve início com a vinda do Mashiach, Yeshua Ben Yo-
sef. Ele foi enviado pelo Eterno para ser o Goel (Redentor). Os seres humanos não poderiam
ignorá-Lo e esperar ser salvos. Somente pela expiação que Ele proveu, os pecados da huma-
nidade poderiam ser perdoados. Unicamente pela imputação de Sua vida perfeita poderiam
permanecer diante do Eterno sem condenação. Em outras palavras, a redenção era por meio
da justiça de Yeshua, e nada mais.
Os justos mencionados no Tanach aguardavam com expectativa as bênçãos da era mes-
siânica e a promessa de redenção. No início da era comum, as pessoas foram confrontadas
com a seguinte pergunta: “Vocês aceitam Yeshua de Galil a quem o Eterno enviou como
Mashiach, seu Goel?” Se acreditassem Nele, isto é, se O aceitassem como Goel, o que Ele real-
edição para revisão

mente era, e se entregassem a Ele, seriam libertos por meio da justiça que Ele lhes oferecia
gratuitamente.
Entretanto, os requisitos morais permanecem inalterados na Brit Hadashá, pois foram
fundamentados no caráter do Eterno e do Mashiach. A obediência à Torá faz parte tanto da
Brit Hadashá como fez parte do Tanach.

2. Leia Mateus (Mt) 19:17, Revelação (Ap) 12:17, 14:12 e Tiago (Tg) 2:10, 11. O que esses
textos revelam sobre a Torá na Brit Hadashá?

Ao mesmo tempo, foi completada as leis dos sacrifícios que apontavam para o Mashiach
e para Sua morte e obra como Cohen Gadol. Teve início o entendimento das “melhores pro-
messas”
Um dos principais objetivos de Shaul no livro de Romanos foi ajudar os judeus e goyim a
compreenderem o propósito da vinda do Mashiach. Levaria tempo para fazer essa transição.
A aceitação de Yeshua representava uma quebra de paradigmas, que deveria ser compreen-
dida à luz da Torá, no tempo devido.

Quais são suas promessas bíblicas favoritas? Você costuma reivindicá-las? As escolhas que
você tem feito podem atrapalhar o cumprimento dessas promessas em sua vida?

SUCOT CHOL HAMOED

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 1ª Alyá (Nm 22:2-22:12


Leitura mensal Tehilim Sl 44-48
Leitura RPSP Is 43
Leitura anual completa Mt 11–13

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 15


Segunda 9 de outubro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 19 Tishrei

Mitzvot e Halachot
3. Se o tempo permitir, folheie o livro de Vayicrá (Levíticos) (veja, por exemplo, os
capítulos 12, 16 e 23). Quais pensamentos vêm à sua mente ao ler essas mitzvot? Por
que muitas delas não podem ser observadas hoje em dia?

É conveniente classificar as mitzvot em algumas categorias: (1) Asseret Hadibrot


- os Dez mandamentos- lei moral, (2) chukim - leis dos sacrifícios – cerimoniais,
(3) mishpatim - leis civis, (4) estatutos e juízos e (5) kashrut – Leis alimentares. Essa
classificação é, em parte, artificial. Na realidade, algumas dessas categorias estão
inter-relacionadas e há uma considerável coincidência entre elas. Os antigos não as
consideravam separadas nem distintas.
A lei moral é resumida pelos Dez mandamentos - Asseret hadibrot (Êx 20:1-17).
Ela é uma síntese dos requisitos morais da humanidade. Esses dez preceitos são
exemplificados e aplicados em vários estatutos e juízos nos primeiros cinco livros
da Bíblia. Esses exemplos mostram o que significava guardar a Torá em diversas

edição para revisão


situações. As leis civis – Mishpatim - estão relacionadas à lei moral, pois também são
fundamentadas nela. Elas definem a relação do cidadão com as autoridades civis e
com outros cidadãos. Indicam as penalidades para diversas infrações.
As leis dos sacrifícios regulamentavam o ritual do mishkan (santuário), descre-
vendo as várias ofertas e responsabilidades de cada cidadão. Os dias de festa são
especificados e sua observância, definida.
As leis alimentares – kashrut - se sobrepõem às outras leis. As diversas leis re-
lacionadas à impureza definem a impureza cerimonial, mas ainda vão além disso,
incluindo princípios de higiene e saúde. As leis sobre carnes kasher e treif estão
fundamentadas em considerações físicas.
Havia um modo especial de interpretação das mitzvot. Os Dez mandamentos
(Asseret Hadibrot) haviam sido pronunciados pelo Eterno diretamente ao povo. Isso
os colocava à parte, tornando-os especialmente importantes. As outras leis tinham
sido transmitidas por meio de Moshê. O serviço do santuário só poderia ser cumpri-
do enquanto houvesse o Templo em funcionamento.
As leis civis (mishpatim), pelo menos em grande parte, não podiam mais ser
impostas depois que os judeus perderam sua independência e passaram a estar
sob o domínio civil de outra nação. Muitos preceitos cerimoniais já não podiam
ser observados depois da destruição do segundo Templo. Além disso, depois que o
Mashiach veio, o propósito do sacrifício preencheu as lacunas e muitos tipos tinham
encontrado seus antítipos.
SUCOT CHOL HAMOED

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 2ª Alyá (Nm 22:13-22:20)


Leitura mensal Tehilim Sl 49-54
Leitura RPSP Is 44
Leitura anual completa Mt 14–16

16 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


10 de outubro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 20 Tishrei Terça

Conforme o costume de Moshê


4. De acordo com Atos 15:1, o que causava dissensão? Por que alguns acreditavam
que isso não era apenas para a nação judaica? Gn 17:10

E nquanto os emissários se uniam aos líderes e os membros da comunidade em


Antioquia num esforço intenso para levar as boas novas sobre o Mashiach, cer-
tos judeus crentes em Yeshua da Judeia “da seita dos prushim” (At 15:5), consegui-
ram introduzir uma questão que logo levou a um conflito generalizado na kehilá e
deixou os seguidores da seita do Caminho consternados. Com grande convicção,
esses rabis defendiam que, para ser salvo, era preciso ser circuncidado e observar
a lei dos sacrifícios. Era o entendimento da cultura judaica que as mitzvot seriam
fundamentais para manutenção de sua identidade nacional e cultural.
Existia ainda a questão cultural que não definia com clareza aquilo que seria
próprio da cultura e da tradição, e aquilo que era pertinente à doutrina da crença
na salvação pelos méritos do Mashiach. No seu entendimento, os goyim crentes de-
edição para revisão

veriam também submeter-se às mitzvot e halachot do mesmo modo que os judeus.


Houve certo tempo de compreensão do significado e da relação entre o sacrifício
cerimonial, e o que havia ocorrido com a morte de Yeshua, e sua importância para
o plano da redenção do Eterno.

5. Leia Atos 15:2-12. Como esse debate foi resolvido?

“Embora buscando de D’us a orientação direta, [Shaul] estava sempre pronto a


reconhecer a autoridade conferida ao corpo de crentes unidos como kehilá. Sentia
a necessidade de se aconselhar; e, quando surgiam assuntos de importância, ale-
grava-se em poder apresentá-los perante a kehilá, e em unir-se com os irmãos para
buscar do Eterno sabedoria para fazer decisões acertadas” (1).
Shaul, que muitas vezes falou sobre seu chamado profético e de como Yeshua
lhe deu sua missão, estava muito disposto a trabalhar com o corpo maior da kehilá.
Ou seja, qualquer que fosse sua vocação, ele percebeu que fazia parte da kehilá
como um todo e que precisava trabalhar com ela o máximo possível.

Reflita sobre o quanto você é importante para sua kehilá e como seu trabalho pode fazer a
diferença.

SUCOT CHOL HAMOED

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 3ª Alyá (Nm 22:21-22:38)


Leitura mensal Tehilim Sl 55-59
Leitura RPSP Is 45
Leitura anual completa Mt 17–20

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 17


Quarta 11 de outubro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 21 Tishrei

Os crentes goyim
6. Leia Atos 15:5-29. Qual decisão foi tomada na assembléia em Jerusalém e qual foi
o seu raciocínio?

A decisão foi contrária à opinião de muitos judeus. Essas pessoas insistiam que os goyim
convertidos fossem circuncidados e que “as leis dos sacrifícios deviam ser incorpora-
das aos ritos” (2).
É interessante notar, em Atos 15:10, a maneira pela qual Kefa descreveu as mitzvot
como um “jugo” que eles eram incapazes de suportar. O Eterno, que instituiu essas leis,
faria delas um jugo sobre Seu povo? Parece ser pouco provável. Em vez disso, ao longo dos
anos, alguns líderes, mediante seu excessivo zelo pelo cumprimento, tinham transformado
em fardos muitas leis destinadas a ser bênçãos. A assembléia procurou poupar os goyim
das mitzvot que diziam respeito apenas ao povo judeu.
Além disso, não houve referência nem debate que pudesse sugerir que os goyim não
precisavam obedecer os Dez mandamentos (asseret hadibrot). Afinal, poderíamos imagi-

edição para revisão


nar a assembléia dizendo-lhes que não comessem sangue, mas que era aceitável ignorar
os mandamentos contra o adultério, assassinato e coisas do gênero?

7. Quais regras específicas foram impostas aos crentes goyim (At 15:20, 29)? Por quê?

Embora os judeus não devessem impor suas regras e tradições aos goyim, o concílio
queria se certificar de que os goyim não fariam coisas consideradas ofensivas aos judeus
que estavam unidos a eles no Mashiach. Portanto, os emissários e anciãos concordaram
em instruir os goyim por carta a se abster das carnes oferecidas aos ídolos, da fornicação,
das carnes de animais estrangulados e do sangue. Alguns dizem que, uma vez que a guarda
do Shabat não foi mencionada especificamente, ela não deve ter sido indicada aos goyim.
É evidente que as mitzvot contra o falso testemunho e o assassinato também não foram
especificamente mencionados, de modo que essa argumentação não significa nada.

Estamos colocando sobre as pessoas cargas desnecessárias, mais provenientes da tradição do que
da ordem divina?

HOSHANÁ RABÁ

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 4ª Alyá (Nm 22:39-23:12)


Leitura mensal Tehilim Sl 60-65
Leitura RPSP Is 46
Leitura anual completa Mt 21–23

18 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


12 de outubro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 22 Tishrei Quinta

Shaul e os gálatas

P or mais claro que a assembléia tivesse sido, havia aqueles que procuravam seguir seu
próprio caminho e que continuavam a defender que os goyim mantivessem as tradi-
ções e leis judaicas. Para Shaul, isso se tornou um assunto muito sério. Os falsos ensinos de
alguns líderes não eram simplesmente um desprezo de questões sutis da fé, mas tinham se
tornado uma negação das boas novas trazidas pelo Mashiach.

8. Leia Gálatas 1:1-12. Shaul via com seriedade a questão que estava enfrentando na
Galácia? O que isso revela sobre a importância dessa controvérsia?

Como foi dito antes, a situação na Galácia, em grande medida, motivou o conteúdo da
carta à kehilá de Roma. Na igueret aos Romanos, Shaul desenvolveu ainda mais o tema
da igueret aos Gálatas. Alguns seguidores de Yeshua estavam afirmando que a Torá que
o Eterno lhes havia transmitido por intermédio de Moshê era importante e deveria ser
observada pelos goyim convertidos. Shaul estava tentando mostrar o verdadeiro lugar e a
edição para revisão

verdadeira função da Torá. Ele não queria que essas pessoas ganhassem apoio em Roma
como tinham feito na Galácia.
É uma simplicidade exagerada perguntar se Shaul estava se referindo às leis dos sa-
crifícios ou morais em Gálatas e Romanos. Historicamente, a discussão era se os crentes
goyim deveriam ou não ser obrigados a fazer brit Milá e guardar a Torat Moshê (lei de
Moishê). A assembléia de Jerusalém já havia decidido essa questão, mas alguns se recusa-
ram a seguir sua decisão.
Alguns enxergam, nas iguerot de Shaul aos Gálatas e aos Romanos, evidências de que
a Torá, os Dez mandamentos, especificamente a guarda do Shabat, não é mais obrigatória
aos seguidores de Yeshua. No entanto, eles não compreendem o sentido das iguerot, nem o
contexto histórico e os assuntos que Shaul estava abordando. Shaul, como veremos, enfati-
zou que a yeshuah (salvação) era somente pela emuná (fé) e não pela guarda das mitzvot.
No entanto, isso não é o mesmo que dizer que a Torá não deve ser obedecida. A obediência
aos Dez mandamentos (asseret hadibrot) nunca entrou em discussão; aqueles que a tor-
nam um problema estão interpretando nos textos um problema contemporâneo, com o
qual Shaul não estava lidando.

Qual é sua resposta aos que afirmam que o Shabat já não é obrigatório para os seguido-
res de Yeshua? Como você pode apresentar a verdade do Shabat de uma forma que não
comprometa a integridade da brit hadashá?

SHEMINI ATSERET

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 5ª Alyá (Nm 23:13-23:26)


Leitura mensal Tehilim Sl 66-68
Leitura RPSP Is 47
Leitura anual completa Mt 24–26

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 19


Sexta 13 de outubro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 23 Tishrei

Estudo adicional

S em dúvida, nossa kehilá tem enfrentado momentos de conflito e dissensão. Mas isso
não é novidade. Hasatan sempre esteve em guerra contra a kehilá. Mesmo no início
da era comum, surgiram dissensões e conflitos nas fileiras dos crentes em Yeshua como
Mashiach. E havia um conflito que, se não fosse resolvido, poderia ter destruído a kehilá
logo em seu surgimento.
“Por meio da influência de falsos ensinadores que tinham se levantado entre os cren-
tes em Jerusalém, a divisão, a heresia e o sensualismo estavam rapidamente ganhando ter-
reno entre os crentes na Galácia. Esses falsos ensinadores estavam misturando tradições
com a mensagem essencial. Desconsiderando a decisão da assembléia geral em Jerusalém,
impuseram aos crentes goyim a observância da lei dos sacrifícios” (3).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 188-192; 194-197; 383-388.

edição para revisão


Ellen G. White, Patriarcas e profetas, p. 370-373
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações. P. 27-30

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Quais são alguns argumentos que as pessoas usam para afirmar que os dez manda-
mentos (asseret hadibrot) não são mais obrigatórias para seguidores do Caminho?
Como respondemos a essas alegações? Por que, na verdade, esses argumentos são tão
equivocados?
2 Leia Gálatas 1:1-12. Note como Shaul foi zeloso em relação à sua compreensão da
brit hadashá. O que isso revela sobre a necessidade de permanecer absolutamente
inabalável em certas crenças, especialmente em uma era pluralista e relativista?
Quais ensinamentos precisam ser mantidos?

SIMCHAT TORÁ

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 6ª Alyá (Nm 23:27-24:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 69-71
Leitura RPSP Is 48
Leitura anual completa Mt 27, 28

20 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

14 de outubro | ‫ שבת‬Shabat 24 Tishrei

ESTUDO DIÁRIO

Balac, 7ª Alyá (Nm 24:14-25:9)


Leitura mensal Tehilim Sl 72-76
Leitura RPSP Is 49
Leitura anual completa Mc 1–3
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 30

REFERÊNCIAS LIÇÃO 2

(1)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 200, (contextualizado)
(2)
Ibidem, p. 189
(3)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 383 (contextualizado)

COSTUMES DESTA SEMANA


edição para revisão

HOSHANÁ RABÁ
O 7º dia de Sucot é chamado "Hoshaná Rabá", sendo considerado o último dia do "julga-
mento" Divino no qual o destino do novo ano é determinado.
Estudo noturno
Costuma-se permanecer acordado na noite de Hoshaná Rabá e estudar Torá. Recitamos
todo o Livro de Devarim e o Livro de Tehilim. Leituras Hoshaná Rabá: Números 29:26-34;
Números 29:29-34. Em algumas congregações é costume para o Gabai distribuir maçãs
(significando um ano doce) para os congregantes.

SIMCHAT TORÁ ("REJUBILANDO-SE COM A TORÁ")


Completando, iniciando e rejubilando-se com a Torá (Hakafot)
Em Simchat Torá concluímos e começamos novamente o ciclo anual de leitura da Torá. O
evento é marcado com grande alegria, e com a procissão das hakafot, tanto na véspera
quanto na manhã de Simchat Torá, na qual marchamos e dançamos com Rolos de Torá ao
redor da mesa de leitura na sinagoga.

A alegria vem num crescente desde a festa de sucot e culmina com Simchat Torá.

Leituras para Simchat Torá: Dt 14:22 - 16:17, Nm 29:35 - 30:1, 1Rs 8:54 - 9:1 (além da Pa-
rasha "Ve Zôt há Brachá" e Gn 1:1 - 2:3). (Erev Simchát Torá - noite do dia 12/10)

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 21


Lição 3 15 a 21 de outubro | 25 Tishrei a 1 Cheshvan

A condição humana
VERSO PARA MEMORIZAR
"Então, completem meu trabalho mediante o propósito e o amor comuns, sendo um no
coração e na mente" (Fp 2:2)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 1:16, 17, 22-32; 2:1-10, 17-23; 3:1, 2, 10-18, 23

Introdução

N o início do livro de Romanos,Shaul procurou demonstrar uma verdade crucial


e fundamental para a bessorá: o triste estado da condição humana. Essa verda-

edição para revisão


de existe porque, desde a queda de Adam, todos foram contaminados pelo pecado.
Ele está ligado aos nossos genes assim como a cor de nossos olhos.
“A expressão ‘todos estão debaixo do pecado’ deve ser tomada em um sentido
espiritual; ou seja, não como o homem se enxerga nem como os outros o enxergam,
mas como ele permanece diante do Eterno. Todos estão debaixo do pecado, os trans-
gressores manifestos aos olhos dos homens, bem como os que parecem justos aos
seus próprios olhos e diante dos outros. Muitos que realizam boas ações exterior-
mente o fazem por medo do castigo, por amor ao ganho, pela glória, ou pelo prazer
em determinado objetivo, mas não por um espírito voluntário e pronto. Assim, o
homem se exercita continuamente na prática das boas ações exteriores, mas inte-
riormente está totalmente imerso em desejos pecaminosos, que se opõem às boas
ações” (1).

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 2 ‫ נח‬NOACH [Noach]: Gn 6.9-11.32


HAFTARÁ: Is 54.1-10; adapt. Mess. Início em Is 52.13; Is 54.1-55.5
BRIT HADASHÁ: Mt 24.36-44; Lc 17.26-37; At 2.1-16; 1Pd 3.18-22; 2Pd 2.5
TEHILIM: Sl 29

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelos líderes Emmanuel Lascu & Shalom David da comunidade judai-
co-adventista de Ramat Gan, Tel Aviv & Jerusalem, Israel.
22 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
15 de outubro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 25 Tishrei Domingo

O poder do Eterno
1. “Porque eu não estou envergonhado das boas-novas, porque elas são o meio
poderoso pelo qual D’us leva a salvação a todo que mantém a confiança, especial-
mente para o judeu, mas também para o gentio. Porque, mediante as boas-novas,
revela-se como D’us torna as pessoas justas à sua vista; e do começo ao fim isto se dá
mediante a confiança . Como diz o Tanakh: ‘Mas a pessoa que é justa viverá sua vida
por meio da confiança’” (Rm 1:16, 17 citando Hb 2:4). Qual é o significado desse texto?
Você já experimentou as promessas e a esperança encontradas nessa passagem?

V árias palavras-chave ocorrem nessa passagem:


1. HaBessorá. Essa palavra significa literalmente “boas novas” ou “boa notícia”.
Sozinha, ela pode se referir a qualquer boa mensagem, mas como está modificada nessa
passagem pelas palavras “do Mashiach”, significa “a boa notícia sobre o Messias”. A boa
notícia é que o Messias veio, e as pessoas podem ser salvas pela confiança Nele. É no
Mashiach e em Sua perfeita justiça – não em nós mesmos, nem pelo cumprimento de
edição para revisão

mitzvot que se pode encontrar a yeshuah (salvação).


2. Tsedek (justiça) Essa palavra se refere à qualidade de ser justo para com D’us. O
livro de Romanos revela um significado específico para ela, que iremos expor à medida
que prosseguirmos com o estudo do livro. Devemos ressaltar que, em Romanos 1:17, a
palavra é qualificada pela expressão “do Eterno”. É a justiça que vem de D’us, que o pró-
prio Eterno apresentou. Como veremos, essa é a única justiça boa o suficiente para nos
conduzir à promessa da vida eterna.
3. Emuná (Fé). As palavras traduzidas como “crê” e “emuná” (esta é a minha fé) nessa
passagem são as formas verbais e substantivadas dos termos pisteuo - pisteuo (crer) e
pίστις - pistis (crença ou fé), que vêm da palavra Πειθώ - peitho (fé, fidelidade). O signifi-
cado de fé relacionada à redenção será desdobrado à medida que avançarmos no estudo
do livro de Romanos.

Você já lutou com a questão da certeza da Redenção? Já questionou se está salvo ou não?
Por quê? A insegurança pode estar fundamentada num estilo de vida secular? Quais escolhas
você deve fazer para ter as promessas e as certezas oferecidas pelo Mashiach?

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 1ª Alyá (Nm 25:10-26:4)


Leitura mensal Tehilim Sl 77-78
Leitura RPSP Is 50
Leitura anual completa Mc 4–6

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 23


Segunda 16 de outubro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 26 Tishrei

Todos pecaram
2. Leia Romanos 3:23. Por que é tão fácil acreditar nessa mensagem hoje? Ao mesmo
tempo, por que algumas pessoas questionam a veracidade desse texto?

S urpreendentemente, alguns se opõem à ideia da pecaminosidade humana, argu-


mentando que as pessoas são basicamente boas. O problema, no entanto, decor-
re da falta de compreensão sobre o que é a verdadeira bondade. Uma pessoa pode
se comparar à outra e se sentir bem consigo mesma. Afinal, sempre podemos encon-
trar alguém pior do que nós mesmos. Mas isso dificilmente nos torna bons. Quando
nos comparamos o Eterno, à Sua santidade e justiça, nenhum de nós sai com outra
coisa senão um sentimento avassalador de aversão e repugnância de nós mesmos.
Romanos 3:23 também fala sobre “a glória (kevod), de D’us)”. Essa expressão
tem sido interpretada de várias maneiras. Talvez a interpretação mais simples seja
atribuir-lhe o significado que ela possui em 1 Coríntios 11:7: o homem “é imagem e
glória de D’us”. Em certo sentido, a palavra para “glória (kevod - ‫ ”)כְּב וֹד‬pode ser

edição para revisão


considerada equivalente ao termo para “imagem (tselem - ‫”) ֶצ לֶם‬. O pecado tem des-
figurado a imagem de D’us no homem. Os seres humanos pecadores estão longe de
refletir a imagem ou a glória de D’us.

3. Leia Romanos 3:10-18. Alguma coisa mudou hoje? Qual dessas representações
melhor descreve você, ou como você seria se não fosse pelo Mashiach em sua vida?

Por pior que sejamos, nossa situação não é irremediável. O primeiro passo é re-
conhecer nossa transgressão e também nossa impotência para fazer qualquer coisa
a respeito dessa situação. É obra do Ruach HaKodesh produzir essa convicção. Se o
pecador não resistir a Ele, o Espírito levará o pecador a arrancar a máscara da auto-
defesa, pretensão e justificação própria, e se lançar sobre o Mashiach, implorando
Sua misericórdia: “D’us, tem misericórdia de mim, pois sou pecador” (Lc 18:13).

Como você avalia a si mesmo, seus motivos, suas ações e sentimentos? Essa experiência pode
ser muito angustiante, não é mesmo? Qual é sua única esperança?

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 2ª Alyá (Nm 26:5-26:51)


Leitura mensal Tehilim Sl 79-82
Leitura RPSP Is 51
Leitura anual completa Mc 7–9

24 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


17 de outubro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 27 Tishrei Terça

Progresso?

N a virada do século 20, as pessoas viviam com a ideia de que a humanidade


estava se tornando melhor, que a moralidade aumentaria e que a ciência e a
tecnologia ajudariam a inaugurar uma utopia. Acreditava-se que os seres humanos
estivessem essencialmente no caminho da perfeição. Mediante o tipo certo de edu-
cação e treinamento moral, as pessoas pensavam que poderiam aperfeiçoar muito a
si mesmas e a sociedade. Tudo isso deveria começar a acontecer em massa quando
entrássemos no maravilhoso mundo novo do século 20.
Infelizmente, as coisas não aconteceram desse jeito, não é mesmo? O século 20
foi um dos mais violentos e bárbaros de toda a história, ironicamente, em grande
parte graças aos avanços da ciência, o que tornou muito mais possível que as pesso-
as matassem outras numa escala com a qual os mais depravados loucos do passado
só puderam sonhar.
Qual foi o problema?
edição para revisão

4. Leia Romanos 1:22-32. De que maneira vemos as coisas que foram escritas no pri-
meiro século da era comum se manifestando hoje no século 21?

Podemos necessitar de emuná (fé) para acreditar em muitas coisas sobre o rela-
to da vida do Mashiach , entre elas a ressurreição dos mortos, a sua segunda vinda,
um novo céu e uma nova Terra. Mas quem precisa de fé para crer no estado decaído
da humanidade? Hoje, cada um de nós está vivendo as consequências dessa condi-
ção arruinada.
5. Concentre-se especificamente em Romanos 1:22, 23. Como vemos esse prin-
cípio sendo manifestado hoje? Ao rejeitar ao Eterno, o que os humanos em nosso
século passaram a adorar e idolatrar? E, ao fazê-lo, como se tornaram tolos?

Até que ponto devemos estar abertos a métodos de anúncio da bessorá e testemunho que
nos tirem da nossa "zona de conforto"? Existem formas de anúncio que o incomodam? Quais
são elas? Por que o incomodam? Você precisa ter a mente mais aberta para essas coisas?

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 3ª Alyá (Nm 26:52-27:5)


Leitura mensal Tehilim Sl 83-87
Leitura RPSP Is 52
Leitura anual completa Mc 10–12

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 25


Quarta 18 de outubro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 28 Tishrei

O que os judeus e goyim têm em comum

E m Romanos 1, Shaul estava lidando especificamente com os pecados dos goyim, os


pagãos que haviam perdido o Eterno de vista havia muito tempo e, portanto, caído nas
práticas mais degradantes.
Porém, ele não deixaria também seu próprio povo, seus compatriotas, dispensados da
advertência. Apesar de todas as vantagens que lhes foram dadas (Rm 3:1, 2), eles também
eram pecadores, condenados pela Torá e necessitavam dos méritos do Mashiach. Nesse
sentido – de serem pecadores, de terem transgredido a lei de D’us e de necessitarem da
chesed (graça) para a salvação – os judeus e os goyim eram iguais.

6. Leia Romanos 2:1-3, 17-24. Contra o que Shaul advertiu nessas passagens? Qual
lição todos nós, judeus ou goyim, devemos tirar dessa advertência?

“Depois que o apóstolo mostrou que todos os pagãos são pecadores, de maneira espe-
cial e enfática, ele mostrou que os judeus viviam em pecado também, sobretudo porque

edição para revisão


muitos obedeciam as mitzvot apenas exteriormente, ou seja, de acordo com a letra e não
segundo o espírito” (2)
Muitas vezes, é fácil ver e apontar os pecados dos outros. Quantas vezes, porém, somos
culpados das mesmas coisas, ou piores ainda? O problema é que temos a tendência de ig-
norar nossos pecados, ou nos sentimos melhores observando quanto as pessoas são ruins
comparadas a nós.
Shaul não tolerou nada disso. Ele advertiu seus compatriotas a não se apressarem a
julgar os goyim, pois todos, independente de ser judeu ou goyim, eram pecadores. Em al-
guns casos, eles eram seriam mais cobrados do que os pagãos a quem estavam prontos a
condenar, pois, como judeus, tinham recebido mais luz do que os goyim.
O argumento de Shaul em tudo isso é que nenhum de nós é justo (tsadic), nenhum de
nós satisfaz o padrão divino, ninguém é inerentemente bom nem santo (kadosh). Judeus
ou goyim, homens ou mulheres, ricos ou pobres, tementes a D’us ou os que O rejeitam, to-
dos estamos condenados. E, se não fosse pela graça (chessed) de D’us revelada na Bessorá,
não haveria esperança para nenhum de nós.

Mesmo que apenas em pensamento, você já condenou os outros pelas coisas de que você mesmo
era culpado? Como você pode mudar essa atitude?

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 4ª Alyá (Nm 27:6-27:23)


Leitura mensal Tehilim Sl 88-89
Leitura RPSP Is 53
Leitura anual completa Mc 13, 14

26 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


19 de outubro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 29 Tishrei Quinta

Habessorá e a teshuvá
7. “Desprezas a riqueza da Sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando
que a bondade do Eterno é que te conduz ao arrependimento (teshuvá)?” (Rm 2:4).
Qual mensagem esse texto revela sobre a questão do arrependimento?

Devemos notar que a bondade do Eterno conduz os pecadores ao arrependimen-


to. D’us não usa coerção. Ele é infinitamente paciente e procura atrair todas as pessoas
pelo Seu amor. Um arrependimento forçado destruiria todo o propósito desse ato, não é
mesmo? Se o Eterno forçasse o arrependimento, não estariam todos salvos? Por que Ele
forçaria alguns a se arrepender e outros não? A tristeza pelo pecado deve ser uma ação
do livre-arbítrio, uma resposta ao mover do Ruach Hacodesh em nossa vida. A teshuvá é
um dom de Deus, mas temos que estar preparados e abertos para recebê-lo, uma escolha
que só nós podemos fazer por nós mesmos.

8. De acordo com Romanos 2:5-10, o que receberão aqueles que resistem ao amor do
edição para revisão

Eterno, recusam-se a se arrepender e permanecem na desobediência?

Em Romanos 2:5-10, e frequentemente em todo o livro de Romanos, Shaul enfatizou


o lugar das boas ações. O conceito de justificação pela emuná (fé) não invalida a neces-
sidade do cumprimento das mitsvot para nossa edificação e consagração ao Eterno. Por
exemplo, em Romanos 2:7, Shaul afirmou que a salvação alcança aqueles que a buscam
“perseverando em fazer o bem”. Embora o esforço humano não possa trazer a yeshuah
(salvação), ele faz parte de toda a experiência da salvação. É difícil entender como al-
guém pode ler a Bíblia e sair com a ideia de que as ações e os atos não têm importância
nenhuma! A verdadeiro teshuvá, a que vem voluntariamente do coração, sempre será
seguida por uma determinação de vencer e abandonar as coisas das quais precisamos
nos arrepender.

Você tem a atitude de arrependimento? Ele é sincero, ou você tende apenas a ignorar
suas falhas, defeitos e pecados? Caso seja a última opção, como pode mudar? Por que
deve mudar?

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 5ª Alyá (Nm 28:1-28:15)


Leitura mensal Tehilim Sl 90-96
Leitura RPSP Is 54
Leitura anual completa Mc 15, 16

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 27


Sexta 20 de outubro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 30 Tishrei

Estudo adicional

“A terminologia bíblica mostra, portanto, que o pecado não é uma calamidade que se
abateu sobre o inconsciente ser humano, mas o resultado de uma atitude e escolha
ativa da parte do ser humano. Além disso, pecado não é a ausência do bem; é “não atingir”
as expectativas de D’us. É um caminho mau que o ser humano escolhe por livre e espon-
tânea vontade. Não se trata de uma fraqueza pela qual os seres humanos não podem ser
responsabilizados, pois o ser humano, na atitude ou no ato de pecar, escolhe deliberada-
mente um caminho de rebelião contra o Eterno, de transgressão contra a Sua Torá, e deixa
de ouvir a Palavra de D’us. Pecado é tentar ultrapassar os limites estabelecidos pelo Eterno.
Em resumo, pecado é rebelião contra Deus” (3).
“Foi-me apresentado terrível quadro da condição do mundo. […] Jamais o vício ergueu
a cabeça disforme com tal ousadia como o faz agora. O povo parece estar entorpecido,
e os amantes da virtude e da verdadeira piedade se acham quase desanimados por sua
ousadia, força e predominância. A abundante iniquidade não se limita apenas aos incré-

edição para revisão


dulos e zombadores. Quem dera que assim fosse! Mas não é. Muitos homens e mulheres
que professam a religião do Mashiach são culpados. Mesmo alguns que professam estar
esperando Seu aparecimento não estão mais preparados para esse acontecimento do que
o próprio Satan” (4).

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 O que você diria àqueles que insistem em dizer que a humanidade está melhorando?
Quais são os argumentos contra essa ideia?
2 Com base na citação acima, por que você não deve se desesperar, mas continu-
ar reivindicando as promessas do perdão e da purificação? Satan quer que você
diga: “Não adianta. Sou corrupto. Jamais serei salvo, então é melhor desistir”. Mas
Yeshua lhe diz: Eu não “te condeno; vai e não peques mais” (Jo 8:11). A quem você
dará ouvidos?
3 Por que é importante compreender o pecado e a depravação humana? O que ocorre
quando perdemos de vista essa triste realidade? Um falso entendimento da nossa con-
dição pode nos levar a quais erros?

ROSH CHODESH CHESHVAN

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 6ª Alyá (Nm 28:16-29:11)


Leitura mensal Tehilim Sl 97-103
Leitura RPSP Is 55
Leitura anual completa Lc 1, 2

28 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

21 de outubro | ‫ שבת‬Shabat 1 Cheshvan

ROSH CHODESH CHESHVAN

ESTUDO DIÁRIO

Pinchas, 7ª Alyá (Nm 29:12-30:1)


Leitura mensal Tehilim Sl 104-105
Leitura RPSP Is 56
Leitura anual completa Lc 3–5
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 31

REFERÊNCIAS LIÇÃO 3

(1)
Commentary on Romans , p. 69 (contextualizado)
(2)
Ibidem, p. 61 (contextualizado)
(3)
Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 239 (contextualizado)
(4)
Ellen G. White, TI, v. 2, p. 346 (contextualizado)
edição para revisão

COSTUMES DESTA SEMANA

ROSH CHODESH CHESHVAN


Dois Rosh Chôdesh ("Cabeça do Mês") para o mês de Chesvan (quando um mês tem 30
dias, o último dia do mês e o primeiro do mês seguinte servem como Rosh Chodesh do
mês vindouro).

Porções especiais são acrescentadas às preces diárias. Muitos têm o costume de marcar
Rosh Chodesh com uma refeição festiva e redução na atividade de trabalho.

Começa o Mês de Chesvan ou Cheshvan - O mês de Cheshvan é também chamado "Mar-


cheshvan". Mar significa "amargo" – uma alusão ao fato de que o mês não contém dias
festivos. Mar também significa "água", aludindo à conexão especial do mês com as chuvas
(7 de Cheshvan é o dia no qual os judeus começam a rezar pela chuva (na Terra Santa) e
o Grande Dilúvio, sobre o qual lemos na porção da Torá dessa semana, começou em 17
de Cheshvan).

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 29


Lição 4 22 a 28 de outubro | 2 a 8 Cheshvan

Justificação pela
emuná
VERSO PARA MEMORIZAR
"Portanto, afirmamos o conceito de que a pessoa deve ser considerada justa por D’us com
base na confiança (emuná), independentemente das ações da Torá." (Rm 3:28)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 3:19-28

Introdução

N esta semana, chegamos ao tema principal de Romanos: a justificação pela fide-

edição para revisão


lidade (Hatzadik derek emuná ‫)הצדקה דרך אמונה‬
A expressão em si é uma figura com base na lei. O transgressor da lei comparece
diante de um juiz e é condenado à morte por suas transgressões. Entretanto, apa-
rece um substituto e toma os crimes do transgressor sobre si mesmo, absolvendo,
assim, o criminoso. Ao aceitar o substituto, o criminoso permanece agora perante o
juiz, não só absolvido de sua culpa, mas também considerado como se nunca tivesse
cometido os crimes pelos quais foi levado pela primeira vez ao tribunal. Tudo isso
porque o substituto, que tem uma “ficha” perfeita, oferece ao criminoso perdoado
sua própria e perfeita obediência à lei.
No plano da redenção cada um de nós é o criminoso. O substituto, Yeshua Ha-
Mashiach, tem uma “ficha” limpa e perfeita. Ele está no tribunal em nosso lugar,
Sua justiça foi aceita em lugar da nossa injustiça. Por isso somos justificados diante
do Eterno, não por causa de nossas ações, mas por causa do Mashiach, cuja justiça
se torna nossa quando a aceitamos “pela (emuná)”. Essas são realmente boas-novas!
Notícia melhor que essa? Impossível!

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 3 ‫לך‬-‫ לך‬LECH LECHA [sai]: Gn 12.1-17.27


HAFTARÁ: Is 40.27-41.16
BRIT HADASHÁ: At 7.1-8; Rm 3.19-5.6; Gl 3.15-18; 5.1-6; Cl 2;11-15; Hb 7.1-19; 11.8-12
TEHILIM: Sl 110

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelo líder Sergey Gregorev da comunidade judaico-adventista de Hai-
fa & Norte de Israel, Israel.
30 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
22 de outubro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 2 Cheshvan Domingo

As Mitzvot
1. Leia Romanos 3:19, 20. O que Shaul disse sobre a Torá? O que a Torá faz e o que
ela não faz ou não pode fazer? Por que é muito importante que todos compreendam
esse assunto?

S haul estava usando o termo “Torá” em seu sentido amplo, conforme o entendimento
judaico de seu tempo.
Pelo termo “Torá” ainda hoje pensamos especialmente na instrução de D’us descrita
nos primeiros cinco livros de Moshê, mas também, no sentido mais geral, em todo Tanach.
A lei moral (mais chukim, mishpatim, assim como nos preceitos cerimoniais) fazia parte
dessa instrução. Por isso, nesses versos de Shaul, podemos pensar na lei como o sistema do
judaísmo.
Estar sob a Torá significa estar debaixo de sua jurisdição. A Torá, entretanto, revela
diante de D’us as falhas e a culpa de uma pessoa. A Torá não pode remover essa culpa; o
que ela pode fazer é levar o pecador a buscar um remédio para esse problema. Quando
edição para revisão

aplicamos a carta de Shaul nossos dias pensamos na Torá especialmente os Dez manda-
mentos (Asseret Hadibrot). Assim como a Torá não pôde salvar no passado, a Torá também
não pode nos salvar hoje. Salvar um pecador não é função da Torá. Sua função é revelar o
caráter de D’us e mostrar às pessoas em quais áreas elas não conseguem refletir esse cará-
ter.
Seja qual for a mitzvá, a obediência a qualquer uma ou a todas elas não tornará nin-
guém justo (tsadik) aos olhos de D’us. Na verdade, a Torá nunca teve a intenção de cumprir
esse objetivo. Ao contrário, ela deve mostrar nossas falhas e nos levar ao Mashiach.
Assim como os sintomas de uma doença não podem curá-la, a Torá também não pode
nos libertar. Os sintomas não curam; eles mostram a necessidade da cura.
É assim que funciona a Torá.

Seus esforços para cumprir mitzvot têm sido bem-sucedidos? O que essa resposta revela so-
bre a tentativa de ser salvo mediante a obediência à Torá?

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 1ª Alyá (Nm 30:2-31:12)


Leitura mensal Tehilim Sl 106-107
Leitura RPSP Is 57
Leitura anual completa Lc 6–8

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 31


Segunda 23 de outubro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 3 Cheshvan

A justiça (tsedek) de D’us


2. “Mas agora, à parte da Torá, o jeito de D’us de tornar as pessoas justas à sua vista
foi esclarecido - ainda que a Torá e os Profetas também” (Rm 3:21). Como entender
o significado desse texto?

E ssa nova justiça é contrastada com a justiça da Torá, que era a justiça com a qual
o judeu estava familiarizado. A nova justiça é chamada de “justiça de D’us”; isto é,
uma justiça que vem do Eterno, que Ele concede, a única que Ele aceita como verdadeira
justiça.
Essa é, naturalmente, a justiça que o Mashiach exercitou em Sua vida enquanto este-
ve aqui como ser humano. Ele a oferece a todos os que a aceitam pela emuná (fé), que a
reivindicam para si mesmos não porque a mereçam, mas porque precisam dela.

3. “Justiça é obediência à Torá. A Torá requer justiça, e esta o pecador deve à ela;
mas ele é incapaz de a apresentar. A única maneira pela qual se pode alcançar a

edição para revisão


justiça é por meio da confiança (fé). Pela fé ele pode apresentar a D’us os méritos do
Mashiach, e o Eterno lança a obediência do Mashiach a crédito do pecador. A justiça
do Mashiach é aceita em lugar do fracasso do homem, e o Eterno recebe, perdoa,
justifica a pessoa arrependida e crente, trata-a como se fosse justa, e a ama assim
como ama Seu Filho” (1). Como podemos aceitar e aplicar essa maravilhosa verdade à
nossa vida? Leia também Rm 3:22.

A fidelidade do Mashiach é necessária nesse contexto, assim como a fidelidade


no Mashiach. Ao operar na vida, a emuná é muito mais do que a aceitação inte-
lectual; é mais do que apenas um reconhecimento de certos fatos sobre a vida do
Mashiach e Sua morte. Em vez disso, a verdadeira fé no Messias, Yeshua é aceitá-Lo
como goel (redentor), Substituto, Fiador e Senhor. É escolher Seu modo de vida. É
confiar Nele e procurar, pela fé, viver de acordo com Suas mitzvot.

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 2ª Alyá (Nm 31:13-31:54)


Leitura mensal Tehilim Sl 108-112
Leitura RPSP Is 58
Leitura anual completa Lc 9–11

32 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


24 de outubro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 4 Cheshvan Terça

Por Sua graça (chessed)


4. Tendo em mente o que estudamos até agora sobre a Torá e o que ela não pode
fazer, leia Romanos 3:24. O que Shaul disse ali? O que significa o fato de que a reden-
ção está no Mashiach?

O que significa essa ideia de “justificar”, encontrada no texto? A palavra Tsi-


dakim – ‫ָק ים‬ ִ ‫( ְצ ּד‬a), traduzida como “justificar”, pode significar “tornar justo”,
“declarar justo” ou “considerar justo”. Ela possui a mesma construção radical que
– Tsedek - ‫( ֶצ ֶדק‬b), “justiça” e a palavra Tzidkat - ‫( ִצ ְד ַקת‬c), “exigência justa”. Portanto,
há uma estreita relação entre “justificação” e “justiça”, uma relação que nem sem-
pre se revela em diversas traduções. Somos justificados quando D’us nos “declara
justos”.
Antes dessa justificação, a pessoa é injusta e, portanto, inaceitável para D’us.
Após a justificação ela é considerada justa e, portanto, aceitável a Ele. E isso só
acontece mediante a graça de D’us. Graça significa favor. Quando um pecador se
edição para revisão

volta para o Eterno em busca de Redenção, é um ato de graça considerar ou decla-


rar essa pessoa “justa (tsadik - ‫")צ ִדּיק‬. ַ É favor imerecido. Somos justificados sem
nenhum mérito próprio, sem nenhuma reivindicação para apresentar ao Eterno em
nosso próprio favor, exceto seu absoluto desamparo. A pessoa é justificada pela
redenção que há em Yeshua HaMashiach, a redenção que Ele oferece como substi-
tuto e garantia do pecador.
A justificação é apresentada na carta aos Romanos como um ato pontual; isto
é, acontece em um momento no tempo. Num momento o pecador está fora, injusto
e rejeitado; no momento seguinte, após a justificação, a pessoa está dentro, justa e
aceita.
Aquele que está no Mashiach entende a justificação como um ato passado, que
ocorreu quando aceitou o Mashiach. “Ser justificado” (Rm 5:1) é, literalmente, “ter
sido justificado”.
Naturalmente, se o justo (tsadik) pecar e depois retornar, a justificação ocorrerá
novamente. Além disso, se a Teshuvá é considerada uma experiência diária, há um
sentido no qual a justificação pode ser considerada uma experiência que se repete.

Se as boas-novas da Redenção são tão maravilhosas, o que impede as pessoas de aceitá-las?


O que faz você se afastar de tudo o que o Eterno lhe promete e oferece?

(a)
dikaioo (δικαιόω); (b)
dikaiosune (δικαιοσύνη); (c)
dikaioma (δικαίωμα).

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 3ª Alyá (Nm 32:1-32:19)


Leitura mensal Tehilim Sl 113-118
Leitura RPSP Is 59
Leitura anual completa Lc 12–14

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 33


Quarta 25 de outubro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 5 Cheshvan

A justiça do Mashiach

E m Romanos 3:25, Shaul expôs mais profundamente a grande notícia da redenção. Ele
usou uma palavra traduzida como: propiciação/expiação. A palavra para ela, Kapará
ָ‫( כַפ‬a), ocorre na Brit Hadashá apenas em Romanos 3:25 e em Hebreus 9:5, em que é tra-
‫ָּרה‬
duzida como “expiação”. Conforme usada em Romanos 3:25 para descrever a oferta de
justificação e redenção por meio do Mashiach, o termo expiação parece representar o
cumprimento de tudo o que foi tipificado pelo propiciatório no Mishkan. Isso significa,
então, que por Sua morte sacrifical, Yeshua foi oferecido como meio de salvação (yeshuah)
e é representado como Aquele que providencia a expiação. Em suma, isso significa que o
Eterno fez o que era necessário para nos salvar.
O texto também fala sobre a “remissão dos pecados”. São os nossos pecados que nos
tornam inaceitáveis ao Eterno. Não podemos fazer nada para cancelar nossos pecados. No
entanto, no plano da redenção, D’us providenciou um meio para que esses pecados fossem
remidos pela fidelidade do Mashiach.
A palavra para “remissão”, em grego, é paresin - πάρεσιν, que literalmente significa

edição para revisão


“passar por cima” ou “passar por”. “Passar por cima” não significa, em nenhum sentido,
ignorar os pecados. O Eterno pode “passar por cima” dos pecados do passado porque o
Mashiach pagou a penalidade pelos pecados de todos os povos mediante Sua morte. Por-
tanto, qualquer pessoa que tiver “fidelidade no tocante ao sangue da sua morte sacrificial”
pode ter seus pecados remidos, pois o Mashiach já morreu por todos (1Co 15:3).

5. Leia Romanos 3:26, 27. Qual ideia Shaul expressou ali?

A justiça do Mashiach, que estava à disposição da humanidade, é concedida a nós não


por ações, não por méritos nossos, mas pela fidelidade em Yeshua e no que Ele fez por
nós. Por causa do sacrifício, o Eterno pode declarar justos (tsadik) os pecadores e ainda ser
considerado justo aos olhos do Universo. O satan acusou o Eterno de pedir ao ser humano
mais do que Ele estava disposto a dar. A morte no madeiro refuta essa alegação.

Hasatan esperava que o Eterno destruísse o mundo depois do pecado. Em vez disso, Ele
enviou Yeshua para libertá-lo. O que isso revela sobre o caráter divino?

(a)
hilasterion (ἱλαστήριον)

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 4ª Alyá (Nm 32:20-33:49)


Leitura mensal Tehilim Sl 119:1-96
Leitura RPSP Is 60
Leitura anual completa Lc 15–17

34 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


26 de outubro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 6 Cheshvan Quinta

Independentemente das ações da Torá


6. “Concluímos, pois, que o homem é justificado (considerado justo) pela fidelidade,
independentemente das ações da Torá” (Rm 3:28). O fato de que a Torá não nos salva
significa que não somos obrigados a obedecê-la?

N o contexto histórico, em Romanos 3:28, Shaul estava se referindo à Torá. Por mais que
alguém tentasse viver cuidadosamente cumprindo mitzvot, não poderia ser justifica-
do se não aceitasse o Mashiach.
Romanos 3:28 é a conclusão da afirmação de Shaul de que a lei da fé exclui a vanglória.
Se alguém é declarado justo por suas próprias ações, ele pode se vangloriar disso. Mas
quando ele é justificado porque Yeshua é o objeto de sua fidelidade, então o crédito clara-
mente pertence ao Eterno, que justificou o pecador.
A escritora Ellen G. White, sobre o significado de tornar-se justo pela emuná, escreveu:
Justificação pela fidelidade “é a obra do Eterno ao lançar a glória do homem no pó e fazer
pelo homem aquilo que ele não pode fazer por si mesmo” (2).
edição para revisão

As ações da Torá não podem expiar os pecados passados. A justificação não pode ser
alcançada por méritos humanos. Ela só pode ser recebida pela fidelidade no sacrifício ex-
piatório (kapará) do Mashiach. Portanto, nesse sentido, as ações da Torá nada têm a ver
com justificação. Ser justificado independentemente das ações significa ser justificado sem
que haja algo em nós que mereça a justificação.
Contudo, muitos têm compreendido mal e aplicado mal esse texto. Dizem que tudo o
que se tem que fazer é crer, enquanto minimizam as mitzvot ou a obediência, até mesmo a
obediência aos dez mandamentos (Asseret Hadibrot). Ao fazer isso, eles interpretam Shaul
de maneira completamente equivocada. Na carta aos Romanos e em outros lugares, Shaul
atribuiu grande importância à guarda da Torá. Yeshua certamente a guardou, assim como
também Yaakov (Tiago) e Yochanan (João) (Mt 19:17; Rm 2:13; Tg 2:10, 11; Ap 14:12). A
ideia de Shaul é que, embora a obediência à Torá não seja o meio de justificação, a pessoa
justificada pela fidelidade ainda obedece às mitzvot de D’us e, de fato, é a única que pode
obedecê-la. Uma pessoa não regenerada e não justificada jamais pode cumprir os requisi-
tos da Torá.

Por que é fácil cair na armadilha de pensar que, porque a Torá não nos salva, não precisa-
mos nos preocupar em guardá-la? Onde estaríamos sem a promessa de redenção, mesmo
quando somos tentados a abusar dela?

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 5ª Alyá (Nm 33:50-34:15)


Leitura mensal Tehilim Sl Sl 119:97-176
Leitura RPSP Is 61
Leitura anual completa Lc 18–20

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 35


Sexta 27 de outubro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 7 Cheshvan

Estudo adicional

"L eia as páginas 236-239; 331-335; 373, 374 do livro Mensagens Escolhidas, v. 1.; as
páginas 128, 129 do livro Parábolas de Jesus (3).
“Ainda que o cumprimento de mitzvot da Torá não possa remir a pena do pecado, mas
responsabiliza o pecador por toda a sua dívida, O Mashiach prometeu perdão abundante a
todos os que se arrependem e creem em Sua misericórdia. O amor do Eterno se estende em
abundância ao arrependido. O estigma do pecado sobre a pessoa só se pode apagar com
o sangue do sacrifício expiatório […] do Mashiach. As ações dele – Sua vida, humilhação,
morte e intercessão pelo ser humano caído – engrandece a Torá e a torna gloriosa” (3). “O
caráter do Messias substituirá seu caráter, e você será aceito diante do Eterno como se não
tivesse pecado” (4).
“Quando o shaliach disse que somos justificados ‘independentemente do cumprimento
das mitzvot’ ele não se referiu às ações da emuná (fé) e da chessed (graça) pois aquele que
realiza tais ações não crê que é justificado realizando-as. (Ao realizar essas ações de fide-

edição para revisão


lidade), o fiel procura ser justificado (pela emuná). ‘ações da Torá’ para o shaliach são as
ações em que os presunçosos confiam, como se, ao fazê-las, fossem justificados e assim se
tornassem justos por causa de suas ações. Enquanto fazem o bem, não procuram a justiça,
mas apenas desejam se vangloriar de que já obtiveram a justiça por meio de suas ações” (5).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 236-239; 331-335; 373, 374;
Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 128, 129.

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 6ª Alyá (Nm 34:16-35:8)


Leitura mensal Tehilim Sl 120-134
Leitura RPSP Is 62
Leitura anual completa Lc 21, 22

36 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

28 de outubro | ‫ שבת‬Shabat 8 Cheshvan

ESTUDO DIÁRIO

Matot-Massê, 7ª Alyá (Nm 35:9-36:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 135-139
Leitura RPSP Is 63
Leitura anual completa Lc 23, 24
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 32

REFERÊNCIAS LIÇÃO 4

(1)
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 367 (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, Testemunhos Para Ministros, p. 456 (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 371 (contextualizado)
(5)
Ellen G. White, CC, p. 62 (contextualizado)
(6)
Commentary on Romans, p. 80 (contextualizado)
edição para revisão

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 37


Lição 5 29 de outubro a 4 de novembro | 9 a 15 Cheshvan

A Fidelidade de Avraham
VERSO PARA MEMORIZAR
"Segue-se então que abolimos a Torá por meio dessa confiança (fidelidade)? De maneira
nenhuma! Ao contrário, confirmamos a Torá." (Rm. 3:31)

LEITURAS DA SEMANA
Gn 15:6; 2Sm 11; 12; Rm 3:20, 31; 4:1-17; Gl 3:21-23; 1Jo 3:4

Introdução

E m muitos aspectos, Romanos 4 vai ao fundamento da doutrina bíblica da yeshuah


(salvação - redenção) unicamente pela emuná (fé).

edição para revisão


Ao usar Avraham, modelo de santidade e virtude, como exemplo de alguém que pre-
cisou ser salvo pela graça (chessed), sem as oções da Torá, Shaul não deixou espaço para
equívocos. Se as ações e o cumprimento da Torá não foram suficientes para justificar
perante D'us aquele que era o “melhor”, que esperança temos? Se a redenção de Avraham
teve que ser pela graça, todos os outros, judeus e goyim, devem receber a redenção da
mesma forma.
Em Romanos 4, Shaul revelou três etapas principais no plano da redenção: (1) a pro-
messa da bênção Divina (a promessa da graça - chessed), (2) a resposta humana a essa
promessa (a resposta da fé) e (3) o pronunciamento divino da justiça creditada àqueles
que creem (ser declarado tsadik - justificado). Foi assim com Avraham e é assim conosco.
Para provar seu argumento sobre a yeshuah unicamente pela fé, Shaul citou as seguintes
palavras do livro de Bereshit (Gn): “E Abrão acreditou no Eterno, e (D'us) lhe considerou
isso como um mérito.” (Gn. 15:6). Perceba a justificação pela fé em uma das primeiras
páginas da Bíblia.

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 4 ‫ וירא‬VAYERA [e apareceu]: Gn 18.1-22.24


HAFTARÁ: Is 40.1-26; 2Rs 4.1-37;
BRIT HADASHÁ: Lc 17.26-37; Rm 9.6-9; Gl 4.21-31; Hb 6.13-20; 11.13-19; Tg 2.14-24; 2Pd
2.4-11
TEHILIM: Sl 11

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelo líder Oleg Elkine da comunidade judaico-adventista de Tel Aviv
& Sul de Israel, Israel.
38 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
29 de outubro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 9 Cheshvan Domingo

A Torá
1. Qual é o argumento de Shaul em Romanos 3:31? Por que ele é tão importante?

N essa passagem, Shaul afirmou enfaticamente que a fidelidade não anula a Torá do
Eterno. Porém, mesmo aqueles que guardavam a Torá ou todas mitzvot do Tanach
nunca foram salvos por essa prática. Tanto a Bíblia Hebraica como a Brit Chadashá sem-
pre tiveram como base a graça de D'us, concedida pela fé aos pecadores.

2. Leia Romanos 4:1-8. Por que no Tanach a redenção era pela fé e não pelas oções
da Torá?

De acordo com essa narrativa da Bíblia Hebraica, Avraham foi considerado justo por-
que “creu em D'us”. Portanto, o próprio Tanach ensina a justificação (ser considerado
tsadik) pela fidelidade (emuná). Assim, é falsa a conclusão de que a fé “anula” (do grego
katargeo, que significa “torna inútil” ou “invalida”) a Torá. A redenção pela fé faz parte
edição para revisão

do Tanach. A graça (chessed) é ensinada em todas as suas páginas. Por exemplo, o que foi
o ritual do Mishkan, senão uma representação de como os pecadores são salvos, não por
suas próprias obras, mas pela morte de um substituto?
Além disso, o que mais pode explicar o perdão concedido a David após seu caso sór-
dido com Bat-Sheva? Certamente, não foi a Torá que o salvou, pois ele transgrediu tantos
princípios da Torá que ela o condenou em inúmeros aspectos. Se David tivesse que ser
salvo pela Torá, ele jamais teria alcançado a yeshuah (salvação).
Shaul apresentou a restauração de David ao favor divino como um exemplo de justi-
ficação pela emuná. O perdão foi um ato da graça de D'us. Aqui, então, está outro exem-
plo de justificação pela fé no Tanach. Por mais que o cumprimento de mitzvot seja fun-
damental, o judaísmo sempre foi uma religião baseada na graça. O legalismo foi uma
perversão dela, não seu fundamento.

Reflita sobre o pecado e a restauração de David (2Sm 11; 12; Sl 51). Que esperança você tem
a partir dessa história? Como devemos tratar aqueles que caíram?

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 1ª Alyá (Dt 1:1-1:11)


Leitura mensal Tehilim Sl 140-150
Leitura RPSP Is 64
Leitura anual completa Jo 1–3

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 39


Segunda 30 de outubro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 10 Cheshvan

Dívida ou graça?

A questão com a qual Shaul estava lidando era muito mais do que apenas teolo-
gia. Ela vai à essência da redenção e do nosso relacionamento com o Eterno. Se
alguém acredita que deve merecer aceitação, que deve chegar a um certo padrão
de santidade antes de ser declarado justo e perdoado, então é muito natural olhar
para si mesmo e para as próprias ações. O espiritual pode se tornar excessivamente
egocêntrico, a última coisa de que alguém precisa.
Em contrapartida, se alguém compreende a grande notícia de que ser declarado
justo (justificação) é um dom do Eterno, totalmente imerecido, é muito mais fácil
e natural que essa pessoa dirija seu foco para o amor e a misericórdia de D'us, não
para si mesmo.
Afinal, quem refletirá mais o amor e o caráter de D'us: o egocêntrico ou aquele
que está centrado no Eterno?

3. Leia Romanos 4:6-8. Como Shaul expandiu o tema de tornar-se justo por causa da

edição para revisão


emuná?

“O pecador tem que ir ao Messias, com fidelidade, apropriar-se de Seus méritos,


depor seus pecados sobre o Portador dos pecados e receber Seu perdão. Foi por
causa disso que o Messias veio ao mundo. Assim é imputada a justiça do Messias ao
pecador arrependido e crente. Torna-se então membro da família real” (1).
Shaul continuou explicando que a yeshuah (salvação) pela fidelidade não era
apenas para os judeus, mas também para os goyim (Rm. 4:9-12). Na verdade, tecni-
camente, Avraham não era judeu; ele veio de uma linhagem pagã (Js. 24:2). A distin-
ção entre goyim e judeus não existia em seu tempo. Quando Avraham foi declarado
justo – justificado (Gn 15:6), ele nem mesmo era circuncidado. Assim, Avraham se
tornou pai de ambos, circuncisos e incircuncisos, bem como um grande exemplo
que Shaul pôde usar para apresentar seu argumento sobre a universalidade da
yeshuah (salvação/redenção). A morte do Mashiach foi em favor de todos, indepen-
dentemente da origem ou nacionalidade (Hb 2:9).

Considerando a universalidade do sacrifício e o que ela nos revela sobre o valor de cada ser
humano, por que é tão terrível o preconceito racial, étnico ou nacional? Somos preconceitu-
osos? Como vencer essa atitude?

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 2ª Alyá (Dt 1:12-1:21)


Leitura mensal Tehilim Sl 1-9
Leitura RPSP Is 65
Leitura anual completa Jo 4–6

40 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


31 de outubro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 11 Cheshvan Terça

A promessa

E m Romanos 4:13, “promessa” e “Torá” são contrastadas. Shaul estava buscando


estabelecer um pano de fundo do Tanach para seu ensino da justificação pela fi-
delidade (emuná). Ele encontrou um exemplo em Avraham Avinu. A aceitação ou a
justificação havia ocorrido para Avraham completamente à parte da Torá. O Eterno fez
uma promessa a Avraham de que ele seria “herdeiro do mundo”. Avraham creu nessa
promessa; ou seja, ele aceitou a função que ela envolvia. Como resultado, o Eterno o
aceitou e trabalhou por meio dele para salvar o mundo. Esse é um exemplo poderoso
de como a graça (chessed) atuava no Tanach e, sem dúvida, foi por isso que Shaul o
usou.

4. Leia Romanos 4:14-17. De que maneira Shaul continuou mostrando como a


yeshuah (salvação) pela emuná (fidelidade) era central no Tanach? Veja também Gl
3:7-9.
edição para revisão

Como dissemos no início, é importante considerar as pessoas para quem Shaul es-
tava escrevendo. Esses judeus estavam imersos na Torá, e muitos deles acreditavam
que sua redenção dependia de quão bem eles guardassem as mitsvot, embora o Tanach
não ensinasse isso.
Na tentativa de corrigir esse equívoco, Shaul argumentou que Avraham recebeu as
promessas mesmo antes da Torá no Sinai, não pelas ações dela (o que teria sido difícil,
uma vez que as mitsvot – isto é, toda a Torá e o sistema cerimonial – ainda não estavam
em vigor), mas pela fidelidade.
Se Shaul estivesse se referindo exclusivamente ao resumo da Torá - os Dez Manda-
mentos (asseret hadibrot) ali, a que existia em princípio mesmo antes do Sinai, o argu-
mento permanece o mesmo. Talvez ainda mais! Buscar receber as promessas de D'us
por meio da lei, ele disse, torna a fé vazia, até inútil. Essas são palavras fortes, mas seu
argumento foi que a emuná salva, e a Torá condena. Ele estava tentando ensinar sobre
a inutilidade de buscar a yeshuah mediante a mesma coisa que nos leva à condenação.
Todos nós, judeus e goyim, transgredimos a Torá e, portanto, todos necessitamos da
mesma coisa de que Avraham necessitou: a justiça salvadora do Mashiach creditada a
nós pela emuná (fé).

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 3ª Alyá (Dt 1:22-1:38)


Leitura mensal Tehilim Sl 10-17
Leitura RPSP Is 66
Leitura anual completa Jo 7–9

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 41


Quarta 1 de novembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 12 Cheshvan

Torá e Emuná

C omo vimos ontem, Shaul mostrou que a maneira pela qual D'us tratou Avraham prova
que a yeshuah (savação) vem mediante a promessa da chessed (graça) e não por meio
da Torá. Portanto, se eles desejassem ser salvos, teriam que abandonar a confiança em
suas ações e aceitar a promessa feita a Avraham, agora cumprida na vinda do Mashiach.
Assim também é para todos, judeus ou goyim, que pensam que suas “boas” ações são tudo
o que é necessário para torná-los justos diante de D'us.

5. “O princípio de que o homem pode se salvar por suas próprias ações, […] está na
base de toda religião pagã […]. Onde quer que seja mantido, os homens não têm
barreira contra o pecado” (2). O que isso significa? Por que a ideia de que podemos
nos salvar por meio de nossas ações nos deixa tão abertos ao pecado?

6. Como Shaul explicou a relação entre a Torá e a emuná em Gálatas? (Veja Gl 3:21-
23).

edição para revisão


Se houvesse uma lei que pudesse dar vida, certamente teria sido a Torá. No entanto,
Shaul disse que nenhuma lei pode dar vida, nem mesmo as mitsvot dadas pelo Eterno, pois
todos transgrediram essa lei e, portanto, todos são condenados por ela.
Mas a promessa da fidelidade, mais plenamente revelada pelo Mashiach, liberta to-
dos os crentes da condição em que estão “debaixo da Torá”; isto é, a situação em que são
condenados e oprimidos por tentar ganhar a redenção por meio dela. A Torá se torna um
fardo quando é apresentada sem emuná (fé), sem chessed (graça), pois sem fidelidade, sem
a graça, sem a justiça que vem pela emuná, estar debaixo da Torá significa estar debaixo
do fardo e da condenação do pecado.

A justificação (ser declarado tsadik) pela emuná é algo fundamental em sua caminhada
com HaShem?

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 4ª Alyá (Dt 1:39-2:1)


Leitura mensal Tehilim Sl 18-22
Leitura RPSP Jr 1
Leitura anual completa Jo 10, 11

42 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


2 de novembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 13 Cheshvan Quinta

A Torá e o pecado

M uitas vezes ouvimos pessoas dizendo que a Torá foi abolida na nova aliança (brit Ha-
dashá), e então elas citam textos que supostamente provam esse argumento. A lógica
por trás dessa afirmação, no entanto, não é muito sólida, nem a teologia.

7. Leia 1Jo 2:3-6; 3:4 e Rm 3:20. O que esses textos revelam sobre a relação entre Torá
e pecado?

Há centenas de anos, o escritor irlandês Jonathan Swift escreveu: “Mas será que algum
homem dirá que, se as palavras ‘beber’, ‘trapacear’, ‘mentir’ e ‘roubar’ fossem expulsas da
língua e dos dicionários, deveríamos acordar na manhã seguinte temperantes, honestos,
justos e amantes da verdade? Essa seria uma consequência razoável?” (3).
Da mesma forma, se a Torá foi abolida, então por que mentir, assassinar e roubar ain-
da é pecado ou errado? Se a Torá foi mudada, então a definição de pecado também deve
ser mudada. Ou se a Torá foi abolida, então o pecado também deve ser, e quem crê nisso?
edição para revisão

(Veja também 1Jo 1:7-10, Tg 1:14, 15).


Na B'rit Hadashá, aparecem tanto a Torá como as Boas novas. A Torá mostra o que é o
pecado; as Boas novas indicam o remédio para esse pecado, que é a morte e a ressurreição
de Yeshua. Se não há lei, não há pecado, e então, do que somos redimidos? Somente no
contexto das mitsvot e em sua validade continuada a B'rit Hadashá tem sentido.
Muitas vezes ouvimos que o sacrifício do Mashiach anulou a lei. Isso é bastante irônico,
pois o sacrifício mostra que a Torá não pode ser revogada nem alterada. Se o Eterno não
revogou nem mesmo mudou a Torá antes do Mashiach morrer, por que fazê-lo depois? Por
que não se livrar da Torá depois que o homem pecou e assim poupá-lo da punição legal que
a transgressão das mitsvot acarreta? Dessa maneira, Yeshua nunca precisaria ter morrido.
A morte de Yeshua mostra que, se a Torá pudesse ter sido alterada ou abolida, isso deveria
ter sido feito antes do seu sacrifício, não depois. Portanto, nada revela mais a validade
continuada da Torá do que a morte de Yeshua, uma morte que ocorreu precisamente por-
que a Torá não podia ser mudada. Se a lei pudesse ter sido alterada para satisfazer nossa
condição caída, isso não teria sido uma solução melhor para o problema do pecado do que
Yeshua ter que morrer?

Se não existisse a mitsvá contra o adultério, esse ato causaria menos dor e mágoa às
vítimas da infidelidade? Sua resposta o ajuda a entender por que a Torá ainda está em
vigor? Qual tem sido sua experiência com as consequências da transgressão das mitsvot
do Eterno?

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 5ª Alyá (Dt 2:2-2:30)


Leitura mensal Tehilim Sl 23-28
Leitura RPSP Jr 2
Leitura anual completa Jo 12, 13

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 43


Sexta 3 de novembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 14 Cheshvan

Estudo adicional
“Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida” (Rm
4:4). Rabi Shaul explicou nesse verso a passagem citada (Gn 15:4-6) para concluir e provar
que a justificação é pela emuná e não pelas ações. Ele fez isso, em primeiro lugar, ao expli-
car o significado das palavras ‘e isso lhe foi imputado para justiça’. Essas palavras explicam
que o Eterno recebe (pecadores) pela graça (chessed) e não por causa de suas ações” (4).
“Se Satan consegue levar o homem a valorizar suas próprias ações como ações de mé-
rito e justiça, ele sabe que pode vencê-lo mediante suas tentações e fazer dele sua vítima e
presa […]. Passe nos batentes das portas o sangue do Cordeiro, e estarás seguro” (5).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 388
Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, pág. 125-127, 363, 364
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, 307, 308, 608, 762, 763.

edição para revisão


PERGUNTAS PARA REFLEXÃO
1 Por que é importante entender a yeshuah (salvação) somente pela emuná, sem as ações
da Torá? De quais erros esse conhecimento nos protege? Quais perigos aguardam
aqueles que perdem de vista esse ensinamento bíblico crucial?
2 Quais outras razões podemos dar para apoiar a validade da Torá de HaShem, mes-
mo quando entendemos que a obediência a ela não nos salva?
3 A questão fundamental é: Como somos libertos?
4 Sendo pecadores justificados, recebemos a imerecida graça (chessed) de HaShem, con-
tra quem pecamos. Como esse fato deve impactar nossa maneira de lidar com os ou-
tros? Somos graciosos para com aqueles que nos prejudicam e realmente não merecem
nossa graça nem favor?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 6ª Alyá (Dt 2:31-3:14)


Leitura mensal Tehilim Sl 29-34
Leitura RPSP Jr 3
Leitura anual completa Jo 14, 15

44 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

4 de novembro | ‫ שבת‬Shabat 15 Cheshvan

ESTUDO DIÁRIO

Devarim, 7ª Alyá (Dt 3:15-3:22)


Leitura mensal Tehilim Sl 35-38
Leitura RPSP Jr 4
Leitura anual completa Jo 16–18
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 33

REFERÊNCIAS LIÇÃO 5

(1)
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 215 (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 21 (contextualizado)
(3)
Jonathan Swift, A Modest Proposal and Other satires, 1995, p. 205 (contextualizado)
(4)
Commentary on Romans, p. 82 (contextualizado)
(5)
Ellen G. White, Advent Review and Sabbath Herald, 3 de setembro de 1889 (contextua-
edição para revisão

lizado)

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 45


Lição 6 5 a 11 de novembro | 16 a 22 Cheshvan

Adam e Yeshua
VERSO PARA MEMORIZAR
"Portanto, pelo fato de sermos considerados justos (justificados) diante de D'us por causa
de nossa fidelidade, continuamos a ter shalom com D'us por meio de nosso Senhor
Yeshua, o Messias. Também por meio dele, e com base em nossa fidelidade, obtivemos
acesso à sua graça, na qual permanecemos; dessa forma, alegremo-nos com a esperança
de experimentar a glória de D'us." (Rm 5:1,2)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 5

Introdução

S haul demonstrou o argumento de que a justificação, ou a aceitação de D'us, só


vem pela fé em Yeshua haMashiach, pois somente Sua justiça é suficiente para

edição para revisão


nos dar a aprovação do Eterno. Com base nessa verdade poderosa, Shaul passou a
explanar mais sobre esse tema. Demonstrando que a yeshuah (salvação) tem que
ser pela emuná e não por ações, nem mesmo para alguém “justo - tsadik” como
Avraham, Shaul voltou seu olhar para o panorama completo; isto é, o que causou o
pecado, o sofrimento e a morte, e como a solução se encontra no Mashiach e no que
Ele fez pela humanidade.
Pela queda de um homem, Adam, toda a humanidade enfrentou condenação,
alienação e morte; pela vitória de um só homem, Yeshua, todo o mundo foi trazido a
uma nova condição diante do Eterno. Mediante a emuná em Yeshua, o registro dos
nossos pecados e, consequentemente, o castigo devido a eles, puderam ser remidos
e perdoados para sempre.
Shaul contrastou Adam e Yeshua, mostrando como o Mashiach veio desfazer o
que Adam tinha feito e que, pela emuná, as vítimas do pecado de Adam poderiam
ser resgatadas pelo Mashiach, o redentor. O fundamento de tudo isso é a morte
substitutiva de Yeshua. Ela abriu o caminho para que todo ser humano (ben Adam),
judeu ou goy, fosse salvo por Yeshua, que, com Seu sangue, trouxe tornou justo os
que O aceitam.
Certamente, esse é um tema digno de ser exposto, pois é o fundamento de toda
a nossa esperança!
LEITURAS DA SEMANA
PARASHÁ 5 ‫ חיי שרא‬CHAYÊ SARA [vida de Sara]: Gn 23.1-25.18
HAFTARÁ: 1Reis 1.1-31
BRIT HADASHÁ: Mt 8.19-22; 27-10; Lc 9.57-62; 1Co 15.50-57
TEHILIM: Sl 45
 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Alexander Vashchinin Diretor do Ministério Judaico na Divisão
Euro Asiática.
46 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
5 de novembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 16 Cheshvan Domingo

Justificado pela emuná (fé)


1. Leia Romanos 5:1-5. Resuma a mensagem de Shaul. Qual lição você pode tirar para
sua vida?

“S er justificado” é, literalmente, “ser considerado justo”. O verbo representa a ação


como se ela estivesse completa. Fomos declarados justos, ou considerados justos,
não por meio de ações da Torá, mas porque aceitamos Yeshua como Mashiach. A vida
perfeita que o Mashiach viveu na Terra e Sua obediência perfeita à Torá foram credita-
das a nós.
Ao mesmo tempo, todos os nossos pecados foram colocados sobre Yeshua. Para o
Eterno, o Mashiach sofre a punição substitutiva, e dessa maneira podemos ser poupados
do castigo que merecemos. Esse castigo recaiu sobre Mashiach, em nosso favor, para que
nunca tenhamos que enfrentá-lo. Que notícia mais gloriosa poderia haver para o peca-
dor?
A palavra traduzida como “gloriamos” em Romanos 5:3 é a mesma traduzida como
edição para revisão

“nos alegramos” em Romanos 5:2. Se ela é traduzida como “nos alegramos” também em
Romanos 5:3, a conexão entre Romanos 5:2 e Romanos 5:3 é vista mais claramente. As
pessoas declaradas justas podem se alegrar na tribulação porque fixaram sua fé e con-
fiança no Mashiach. Elas confiam que o Eterno operará todas as coisas para o bem. Con-
sideram uma honra sofrer por causa do Mashiach (Veja 1Pe 4:13).
Observe, também, a progressão em Romanos 5:3-5.
1. Paciência . A palavra ὑπομονή (hupomone), traduzida como “paciência” significa
“perseverança, resistência firme”; perseverança desenvolvida pela tribulação naquele
que mantém a fé e que não perde de vista a esperança que tem no Messias, mesmo em
meio às provações e sofrimentos que às vezes tornam a vida tão miserável.
2. Experiência. A palavra grega δοκιμή (dokime), traduzida como “experiência” signi-
fica, literalmente, “a condição de ser aprovado”; portanto, “caráter”, ou mais especifica-
mente, “caráter aprovado”. Aquele que pacientemente persevera diante das provações
pode desenvolver um caráter aprovado.
3. Esperança. A perseverança e a aprovação naturalmente dão origem à esperança
encontrada em Yeshua e na promessa de redenção nele. Desde que nos apeguemos ao
Mashiach com fidelidade, arrependimento e obediência, temos esperança.

Qual é sua maior esperança? Como ela pode ser cumprida em Yeshua?

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 1ª Alyá (Dt 3:23-4:4)


Leitura mensal Tehilim Sl 39-43
Leitura RPSP Jr 5
Leitura anual completa Jo 19–21

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 47


Segunda 6 de novembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 17 Cheshvan

Enquanto ainda pecadores


2. Leia Romanos 5:6-8. O que essa passagem revela sobre o caráter do Eterno?

Q uando Adam e Chavá transgrediram a exigência divina, o Eterno deu os primei-


ros passos rumo à reconciliação. Desde então, Ele tem tomado a iniciativa de
providenciar um caminho de redenção e convidar homens e mulheres a aceitá-lo.
“mas, quando o tempo determinado chegou, D’us enviou seu Filho.” (Gl 4:4).

3. Romanos 5:9 diz que podemos ser libertados da ira do juízo de D'us por meio de
Yeshua. O que isso significa?

Na véspera de sua partida do Egito, os judeus colocaram sangue nos batentes


das portas. Esse sangue protegeu seus primogênitos da ira que sobreveio aos pri-
mogênitos dos egípcios. Da mesma forma, quando a ira de D'us finalmente destruir
o pecado no fim dos tempos, aquele que foi declarado justo (justificado) e mantém

edição para revisão


esse status tem a garantia de que o sangue do Mashiach o protegerá.
Alguns lutam com a ideia da ira de um D'us amoroso. Mas é exatamente por
causa do Seu amor que essa indignação existe. Como o amoroso Criador não ficaria
irado contra o pecado? Se Ele fosse indiferente a nós, não Se importaria com o que
nos acontece. Mas o pecado destruiu a criação divina. O Criador não deveria estar
enfurecido contra todo esse mal?

4. De acordo com Romanos 5:10, 11, por quais outras razões devemos nos alegrar?

Alguns comentaristas veem em Romanos 5:10 uma referência à vida do Mashia-


ch na Terra, durante a qual Yeshua desenvolveu o caráter perfeito que Ele nos ofe-
rece como crédito. Embora seja isso o que a vida perfeita do Mashiach realizou,
Shaul parece ter enfatizando o fato de que, ao passo que Yeshua morreu, Ele ressus-
citou e vive para sempre (Hb 7:25). Porque Ele vive, somos libertos. Se o Maschiach
tivesse permanecido no túmulo, nossas esperanças teriam perecido com Ele. Em
Romanos 5:11, Shaul apresentou razões para nos alegrarmos no Eterno, por causa
do que Yeshua realizou.

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 2ª Alyá (Dt 4:5-4:40)


Leitura mensal Tehilim Sl 44-48
Leitura RPSP Jr 6
Leitura anual completa At 1–3

48 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


7 de novembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 18 Cheshvan Terça

Morte por meio do pecado

A morte é o inimigo absoluto. Quando o Eterno criou a família humana, Seu plano
era que os membros dela vivessem para sempre. Com poucas exceções, o ser hu-
mano não quer morrer; e aqueles que querem, tem esse desejo somente após passar
por grandes angústias e sofrimentos. A morte vai contra nossa natureza mais funda-
mental, pois, desde o início, fomos criados para viver para sempre. A morte devia ser
desconhecida para nós.

5. Leia Romanos 5:12. O que Shaul descreveu nesse texto? O que isso explica?

Comentaristas têm discutido e debatido mais sobre essa passagem das Escrituras
do que sobre a maioria das outras. Talvez a razão seja “a tentativa de usar a passagem
para fins diversos do que Shaul pretendia” (1).
Um ponto sobre o qual eles discutem é: De que maneira o pecado de Adam passou
para a sua posteridade? Os descendentes de Adam compartilharam a culpa do pecado
edição para revisão

de Adam, ou são culpados diante do Eterno por causa de seus próprios pecados? As
pessoas têm tentado obter a resposta para essas perguntas a partir desse texto, mas
essa não é a questão da qual Shaul estava tratando. Ele tinha outro objetivo em mente.
Ele estava ressaltando o que já havia declarado: “todos pecaram” (Rm 3:23). Precisa-
mos reconhecer que somos pecadores porque essa é a única maneira de perceber que
necessitamos de um Redendor. Nesse texto, Shaul estava tentando fazer com que seus
leitores percebessem quanto o pecado é ruim e o que ele trouxe a este mundo por meio
de Adam. Em seguida, ele mostrou o que o Eterno nos oferece no Mashiach, o único
remédio para a tragédia trazida sobre o nosso mundo mediante o pecado de Adam.
No entanto, esse texto fala somente do problema, a morte em Adam, não da solução,
a vida no Mashiach. Um dos aspectos mais gloriosos da mensagem do Mashiach é que
a morte foi tragada pela vida. Yeshua atravessou os portais da sepultura e rompeu seus
laços. Ele disse: “Eu Sou o primeiro e o último e Aquele que vive; estive morto, Estou
vivo para todo o sempre! E tenho as chaves da morte e do Sheol.” (Rv 1:18). Visto que
Yeshua tem as chaves, o inimigo não pode mais segurar suas vítimas na sepultura.

Qual tem sido sua experiência com a realidade e a tragédia da morte? Por que, diante de um
inimigo tão implacável, devemos ter esperança em algo maior do que nós mesmos, maior do
que qualquer coisa que este mundo oferece?

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 3ª Alyá (Dt 4:41-4:49)


Leitura mensal Tehilim Sl 49-54
Leitura RPSP Jr 7
Leitura anual completa At 4–6

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 49


Quarta 8 de novembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 19 Cheshvan

De Adam a Moshê
6. Leia Romanos 5:13, 14. O que Shaul ensinou sobre a Torá nessa passagem? Sobre o
que Shaul estava falando nesse texto?

A expressão “antes de a Torá ser outorgada” é paralela à declaração “de Adam até
Moshê”. Ele estava falando sobre o período desde a criação até o Sinai, antes da intro-
dução formal das mitzvot da Torá, que incluíam, obviamente, os Dez Mandamentos.
“Antes de a Torá ser outorgada” significa até que as exigências de D'us fossem detalha-
das nas diversas leis dadas ao povo judeu no Sinai. O pecado já existia antes do Sinai. Como
não poderia existir? Por acaso a mentira, o assassinato, o adultério e a idolatria não eram
pecados antes? Claro que sim!
De fato, antes do Sinai, os seres humanos, em geral, tinham apenas uma revelação
limitada de D'us. Porém, eles obviamente conheciam o suficiente para serem responsabi-
lizados. O Eterno é justo e não vai punir ninguém injustamente. As pessoas que viveram
no mundo antes do Sinai morreram, como Shaul apontou nessa passagem. A morte passou

edição para revisão


a todos. Embora não tivessem pecado contra um mandamento expressamente revelado,
ainda assim eles haviam pecado. Eles tinham as revelações do Eterno na natureza, às quais
não responderam e, portanto, foram considerados culpados. “
Suas qualidades invisíveis (de D'us) […] são claramente vistas, pois elas podem ser en-
tendidas mediante as coisas que ele criou. Portanto, eles não têm desculpa.” (Rm 1:20).

7. De acordo com Romanos 5:20, 21, para qual propósito o Eterno Se revelou mais
plenamente na “Torá”?

A instrução dada no Sinai incluía a Torá, embora esta tivesse existido antes disso. No
entanto, essa foi a primeira vez, de acordo com a Bíblia, que essa lei foi escrita e ampla-
mente proclamada.
Quando os judeus começaram a se comparar com as exigências divinas, descobriram
que estavam muito aquém desse ideal. Em outras palavras, “a ofensa” abundou. De re-
pente, eles perceberam a extensão de suas transgressões. O propósito de tal revelação era
ajudá-los a ver sua necessidade de um Redentor (Goel) e levá-los a aceitar a graça (chessed)
oferecida pelo Eterno gratuitamente. Como foi enfatizado anteriormente, a fé do Tanach
nunca foi baseada na salvação pelo cumprimento de mitzvot.

Como as leis do seu país revelam uma concepção humana do certo e errado? Se as leis da
sociedade fazem isso, o que dizer da eterna Torá de D'us?

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 4ª Alyá (Dt 5:1-5:18)


Leitura mensal Tehilim Sl 55-59
Leitura RPSP Jr 8
Leitura anual completa At 7–9

50 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


9 de novembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 20 Cheshvan Quinta

Yeshua, o segundo Adam


8. Leia Romanos 5:18, 19. Qual é o contraste apresentado nesta passagem? Que es-
perança nos é oferecida no Mashiach?

C omo seres humanos, não recebemos nada de Adam, senão a sentença de morte. O
Mashiach, no entanto, interveio e venceu onde Adam caiu, suportando todas provas
em favor dos Bnei Adam (seres humanos). Ele redimiu o vergonhoso fracasso e queda de
Adam e, portanto, como nosso Substituto, colocou-nos em vantagem para com o Eterno.
Por isso, Yeshua é o “segundo Adam”.
“O segundo Adam era um agente moral livre, considerado responsável por Sua condu-
ta. Cercado por influências intensamente sutis e enganosas, Ele estava em posição muito
menos favorável do que o primeiro Adam para ter uma vida sem pecado. Contudo, em
meio aos pecadores, resistiu a toda provação para pecar e conservou Sua inocência. Sem-
pre foi sem pecado” (2).
edição para revisão

9. De que maneira as ações de Adam e o Mashiach foram contrastadas em Romanos


5:15-19?

Observe as ideias opostas ali: morte, vida; desobediência, obediência; condenação, jus-
tificação; pecado, justiça. Yeshua veio e desfez tudo que Adam tinha feito!
É igualmente impressionante o fato de que a palavra “dom” ocorre cinco vezes em
Romanos 5:15-17. Cinco vezes! A ideia é simples: Shaul estava enfatizando que a justifica-
ção não é obtida; ela vem como um presente. É algo que não merecemos. Como todos os
presentes, temos que estender a mão e aceitá-lo. Nesse caso, reivindicamos o presente pela
emuná (fé).

Qual foi o melhor presente que você recebeu? Por que ele foi tão especial? O fato de ter
sido um presente, e não algo que você conquistou, fez você apreciá-lo mais? No entanto,
esse presente não se compara ao que temos em Yeshua.

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 5ª Alyá (Dt 5:19-6:3)


Leitura mensal Tehilim Sl 60-65
Leitura RPSP Jr 9
Leitura anual completa At 10–12

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 51


Sexta 10 de novembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 21 Cheshvan

Estudo adicional

“M uitos se enganam acerca do estado de seu coração. Não entendem que o cora-
ção natural é enganoso mais que todas as coisas, e desesperadamente perverso.
Envolvem-se em sua própria justiça e se satisfazem em alcançar sua norma humana de
caráter” (3).
“Há grande necessidade de que o Mashiach seja levado como única esperança e
yeshuah (salvação). Quando o princípio da justificação pela fé foi apresentado […] foi para
muitos como água ao viajante cansado. O pensamento de que a justiça do Mashiach nos é
imputada, não por causa de qualquer mérito de nossa parte, mas como presente gratuito
de D'us, parecia um pensamento precioso” (4).
“De que maneira Adam prefigurava o Mashiach (Rm 5:14)? Assim como Adam se tor-
nou causa de morte para seus descendentes, embora eles não tivessem comido da árvore
proibida, também Mashiach se tornou um Distribuidor de justiça àqueles que são Dele,
embora eles não tenham merecido nenhuma justiça; porque mediante a sua morte Ele

edição para revisão


assegurou (justiça) para todos os homens. A figura da transgressão de Adam está em nós,
pois morremos como se tivéssemos pecado como ele. A figura do Mashiach está em nós,
pois vivemos como se tivéssemos cumprido toda a justiça como Ele o fez” (5).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 470-472;
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 383, 384;
Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 60-62;
Ellen G. White, Evangelism, p. 577;
The Seventh-day Adventist Encyclopedia p. 712-714,
Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, p. 313-325

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Por que a esperança no Mashiach prometido é a única resposta para a falta de sentido
da vida?
2 A queda de Adam impôs uma natureza após a queda a todos nós, mas a vitória de
Yeshua HaMashiach ofereceu a promessa de vida eterna pela fé. O que impede
as pessoas de receber essa bênção divina? Como podemos ajudar os que buscam
entender essa oferta do Mashiach?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 6ª Alyá (Dt 6:4-6:25)


Leitura mensal Tehilim Sl 66-68
Leitura RPSP Jr 10
Leitura anual completa At 13–15

52 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

11 de novembro | ‫ שבת‬Shabat 22 Cheshvan

ESTUDO DIÁRIO

Vaetchanan, 7ª Alyá (Dt 7:1-7:11)


Leitura mensal Tehilim Sl 69-71
Leitura RPSP Jr 11
Leitura anual completa At 16-18
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 34

REFERÊNCIAS LIÇÃO 6

(1)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 580 (contextualizado)
(2)
Ibidem, p. 1195 (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 320 (contextualizado)
(4)
Ibidem, p. 360 (contextualizado)
(5)
Commentary on Romans, p. 96, 97 (contextualizado)
edição para revisão

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 53


Lição 7 12 a 18 de novembro | 23 a 29 Cheshvan

Vencendo o pecado
VERSO PARA MEMORIZAR
"Porque o pecado não terá autoridade sobre vocês; pois vocês não jazem sob o legalismo,
mas estão debaixo da graça." (Rm 6:14)

LEITURAS DA SEMANA
Gl 3:21-25; Lv 18:5; Rm 3:9-19; 1Co 9:20; Rm 3:1, 2; 8:1-4

Introdução

S e as ações não podem nos salvar, por que se preocupar com elas? Por que não
continuar pecando?
O capítulo 6 é a resposta do Rabi Shaul a essa importante pergunta. Ele estava
tratando do que comumente se entende por “ser declarado santo”, o processo pelo

edição para revisão


qual vencemos o pecado e refletimos cada vez mais o caráter do Mashiach. A pala-
vra santificação, que vem da raíz Kadosh ‫( קדש‬a), aparece apenas duas vezes no livro
de Romanos (nos versos 19 e 22 (Kedoshim ‫דש ים‬ ִ ‫ ְק‬e Kodesh ‫)ק דֶֹׁש‬
ּ do capítulo 6).
Isso significa que Shaul não tinha nada a dizer sobre o que comumente se enten-
de por santificação? De maneira nenhuma!
Nas Escrituras Sagradas, “santificar” significa “dedicar”, geralmente a D’us. Por-
tanto, “ser kedoshim (santificado)” é muitas vezes apresentado como um ato passa-
do e concluído. Por exemplo, Shaul mencionou “todos os que são santificados (sepa-
rados por D’us)” (At 20:32). Essa definição apresenta os que foram dedicados a D’us.
No entanto, esse uso bíblico de “santificado” de maneira nenhuma nega o im-
portante princípio de santificação, nem o fato de que a ela é obra de uma vida. A
Bíblia endossa firmemente esse princípio, mas geralmente usa outros termos para
descrevê-la.
Nesta semana, contemplaremos outro aspecto da redenção pela emuná (fé), que
facilmente pode ser mal interpretado: as promessas de vitória sobre o pecado na
vida de alguém liberto por Yeshua.

(a)
hagiasmos ἁγιασμός
. LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 6 ‫ תולדת‬TOLEDOT [GERAÇÕES]: Gn 25.19-28.9 .


HAFTARÁ: Ml 1.1-2.7
BRIT HADASHÁ: Hb 11.20; 12.14-17; Rm 9.6-13
TEHILIM: Sl 36

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelos líderes Andrey & Elena Sukhovarov da comunidade judaico-ad-
ventista de Dnepropetrovsk, Ukrania.
54 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
12 de novembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 23 Cheshvan Domingo

Onde o pecado foi multiplicado

E m Romanos 5:20, Shaul fez uma declaração poderosa: “onde o pecado foi multiplicado,
a graça o foi muito mais”. Sua mensagem é que, não importa quanto pecado haja ou
quanto seja terrível seu resultado, a graça (chessed) do Eterno é suficiente para lidar com
essa questão. Que esperança isso traz para cada um de nós, especialmente quando somos
tentados a sentir que nossos pecados são muito grandes para serem perdoados! Em Roma-
nos 5:21, Rabi Shaul mostrou que, embora o pecado tenha levado à morte, a graça do Eterno
por intermédio do Mashiach venceu a morte e pode nos dar a vida eterna.

1. Leia Romanos 6:1. Qual lógica Shaul estava combatendo? Como, em Romanos 6:2-
11, ele respondeu a esse tipo de pensamento?

No capítulo 6, Shaul seguiu uma linha de argumentação interessante em relação à razão


pela qual uma pessoa declarada tsadik (justa) não deve pecar. Para começar, ele disse que
não devemos pecar porque morremos para o pecado. Em seguida, explicou o que ele quis
edição para revisão

dizer.
A imersão nas águas do Mikvê representa sepultamento. O que está sepultado? A “velha
vida” do pecado, isto é, o corpo que comete pecado, a pessoa dominada pelo pecado. Por isso,
o “corpo do pecado” é destruído, de maneira que já não servimos ao pecado. Em Romanos 6,
o pecado é personificado como senhor que governa seus servos. Uma vez que o “corpo do
pecado” é destruído, cessa o domínio do pecado sobre esse corpo. Aquele que se levanta da
“sepultura” do Mikvê, ressurge como uma nova pessoa que não serve mais ao pecado. Ele
agora anda em novidade de vida.
O Mashiach, tendo morrido, morreu de uma vez por todas, mas Ele agora vive eterna-
mente. Portanto, o seguidor de Yeshua imerso no Mikvê morreu para o pecado de uma vez
por todas e nunca mais deve ser dominado por ele. É claro que o pecado não desaparece
automaticamente da nossa vida quando saímos do Mikvê. Não ser governado pelo pecado
não é o mesmo que não ter que lutar contra ele.
“A partir disso, entendemos claramente o que significam as palavras do shaliach. Todas
as declarações, como: (1) ‘mortos para o pecado’, (2) ‘vivos para o Eterno’, etc., significam que
não cedemos à Yetser Hará (má inclinação) e pecados, ainda que o pecado continue em nós.
No entanto, o pecado permanece em nós até o fim da nossa vida, como lemos em Gálatas
5:17: ‘Porque a velha natureza deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito deseja o que
é oposto à velha natureza’. Portanto, todos os talmidim e tsadikim confessam que o pecado e
a inclinação para o mal permanece em nós até que o corpo seja transformado em cinzas, e
um novo corpo (glorificado) seja ressuscitado, livre das paixões e do pecado” (1).

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 1ª Alyá (Dt 7:12-8:10)


Leitura mensal Tehilim Sl 72-76
Leitura RPSP Jr 12
Leitura anual completa At 19–21

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 55


Segunda 13 de novembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 24 Cheshvan

Quando o pecado reina


2. Qual advertência encontramos em Romanos 6:12?

A palavra “reine” mostra que o pecado é representado nessa passagem como um


rei. O termo aqui traduzido como “reine” significa, literalmente, “ser rei” ou
“atuar como rei”. O pecado está muito disposto a assumir o reinado de nosso corpo
mortal e ditar nosso comportamento.
Quando Shaul disse “não permitam que o pecado reine”, ele sugeriu que a pessoa
declarada tsadik (justa) pode optar por impedir que o pecado se estabeleça como
rei em sua vida. É aqui que entra a ação da vontade. “O que devem compreender é
a verdadeira força da vontade. Esta é o poder que governa a natureza do homem,
o poder da decisão ou de escolha. Tudo depende da reta ação da vontade. O Eterno
deu ao homem o poder da escolha; a ele compete exercê-lo. Vocês não podem mudar
seu coração, não podem por vocês mesmos consagrar a D’us as suas afeições; mas
podem escolher servi-Lo. Podem dar-Lhe sua vontade; Ele então realizará em vocês

edição para revisão


o querer e o efetuar, segundo a vontade dEle. Desse modo toda a sua natureza será
levada sob o domínio do Espírito de D’us; suas afeições serão centralizadas Nele;
seus pensamentos estarão em harmonia com Ele” (2).
A palavra traduzida em algumas versões bíblicas como “paixões” em Romanos
6:12 significa “desejos”. Esses desejos podem ser tanto pelas coisas boas quanto
pelas ruins; quando o pecado reina, ele nos faz desejar o mal. Os desejos são fortes
e até irresistíveis se lutamos contra eles por conta própria. O pecado é um tirano
cruel que nunca está satisfeito, mas que sempre volta para obter mais. Somente por
meio da fidelidade, somente pela reivindicação das promessas de vitória podemos
derrubar esse senhor implacável.
Em Romanos 6:12, a palavra “portanto” é importante. Ela retoma o que foi dito
antes, especificamente o que foi dito em Romanos 6:10, 11. A pessoa que realizou a
tevilá (imersão) de teshuvá vive agora “para o Eterno”. Ou seja, o Eterno é o centro
da sua nova vida. Ela serve ao Criador, fazendo o que agrada a Ele, portanto, não
pode servir ao pecado ao mesmo tempo. Essa pessoa está viva “para D’us, por sua
união com o Messias Yeshua” (Rm 6:11).

Na citação da escritora Ellen G. White acima, o conceito de livre-arbítrio é crucial. Como cria-
turas morais, devemos ter livre-arbítrio: o poder de escolher entre o certo e o errado, o bem e
o mal, Yeshua HaMashiach e este mundo (Olam Hazê). Nas suas últimas 24 horas, como você
usou o livre-arbítrio? O que você precisa mudar em sua vida?

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 2ª Alyá (Dt 8:11-9:3)


Leitura mensal Tehilim Sl 77-78
Leitura RPSP Jr 13
Leitura anual completa At 22, 23

56 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


14 de novembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 25 Cheshvan Terça

Não sob a Torá, mas sob a chessed


3. Leia Romanos 6:14. Como entender esse texto? Ele significa que as mitzvot já não
são mais obrigatórias?

Romanos 6:14 é uma das principais declarações dessa carta. Além disso, é uma das pas-
sagens frequentemente citadas quando alguém tenta argumentar que o sétimo dia, o Shabat,
foi abolido.
No entanto, obviamente não é isso que o texto significa. Como perguntamos antes, como
as mitzvot, incluindo a guarda do Shabat, poderiam ser eliminadas e o pecado ainda ser uma
realidade? A Torá é o que define o pecado! Se você ler tudo o que vem antes em Romanos,
mesmo no capítulo 6, será difícil ver como, em meio a toda essa discussão sobre a realidade
do pecado, Shaul diria subitamente: “A Torá que define o pecado, isto é, incluindo os Dez
Mandamentos, foi abolida.” Isso não faz sentido.
Rabi Shaul estava dizendo aos romanos que a pessoa que vivia “sob a Torá”, ou seja, de-
baixo da estrutura posta em prática em seu tempo, confiando no cumprimento de mitzvot
edição para revisão

para ser salvo, seria governada pelo pecado. Em contrapartida, uma pessoa que vive sob a
chessed (graça) terá vitória sobre o pecado, porque a Torá está escrita em seu coração e essa
pessoa permite que o Espírito de D’us guie seus passos. Aceitar Yeshua como o Mashiach, ser
declarado tsadik (justo) por Ele, ser imerso em Sua morte, ter a “velha vida” destruída, viver
uma nova vida – são essas as coisas que destronarão o pecado de nossa vida. Lembre-se, esse
é o contexto de Romanos 6:14, o contexto da promessa de vitória sobre o pecado.
Não devemos definir “sob a Torá” de maneira restritiva. A pessoa que supostamente vive
“sob a graça”, mas desobedece à Torá, não encontrará graça, mas condenação. Quando as
Escrituras dizem que estamos “debaixo da graça” ela quer dizer que, por meio da graça do
Eterno (chessed Hashem) revelada em Yeshua HaMashiach, foi removida a condenação que
a Torá inevitavelmente traz aos pecadores. Portanto, livres agora dessa condenação da mor-
te trazida pela Torá, “viver uma nova vida”, uma vida caracterizada pelo fato de que, estando
mortos para nós mesmos, não somos mais escravos do pecado.

Você tem experimentado a nova vida em Mashiach? Quais são as evidências que revelam
o que o Eterno fez em você? Quais coisas você tem se recusado a abandonar? Por que deve
abandoná-las?

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 3ª Alyá (Dt 9:4-9:29)


Leitura mensal Tehilim Sl 79-82
Leitura RPSP Jr 14
Leitura anual completa At 24–26

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 57


Quarta 15 de novembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 26 Cheshvan

Pecado ou obediência?
4. Leia Romanos 6:16. Qual conceito Shaul estava apresentando? Por que não há
meio-termo em seu argumento? Qual lição devemos extrair desse contraste muito
claro?

S haul voltou ao argumento de que a nova vida de fidelidade não concede liberdade para
pecar. A vida de fidelidade torna possível a vitória sobre o pecado. Na verdade, somen-
te pela emuná (fé) podemos ter a vitória prometida a nós.
Tendo personificado o pecado como um rei que reina sobre seus súditos, Shaul retor-
nou à figura do pecado como um senhor que exige a obediência de seus servos. Ele mos-
trou que uma pessoa tem que escolher entre dois senhores. Ela pode servir ao pecado, que
leva à morte, ou pode servir à justiça, que leva à vida eterna. Shaul não deixou nenhum
meio-termo nem espaço para concessões. É um ou outro, pois no final estaremos diante da
vida eterna ou da morte eterna.

edição para revisão


5. Leia Romanos 6:17. De que maneira Shaul ampliou o que ele havia dito em Roma-
nos 6:16?

Observe como, curiosamente, a obediência está ligada ap princípio de fé correto. A


palavra(a) traduzida em algumas versões bíblicas como “princípio”, também significa “en-
sino”. Os romanos crentes tinham aprendido os princípios de fé, que eles passaram a obe-
decer. Assim, para Shaul, o verdadeiro princípio de fé, os ensinos corretos, quando obede-
cidos “de coração”, ajudaram os romanos a se tornarem “servos da justiça” (Rm 6:18). Às
vezes ouvimos que não importam os princípios, desde que demonstremos amor. Essa é
uma expressão muito simplista de algo que não é tão simples assim. Como foi dito em uma
lição anterior, Shaul estava muito preocupado com os falsos princípios aos quais a comuni-
dade da Galácia havia sucumbido. Portanto, precisamos ter cuidado com declarações que,
de alguma forma, diminuem a importância do ensino correto.

Servos do pecado, servos da justiça: o contraste é gritante. Se pecamos depois da tevilá


(imersão) de teshuvá, isso significa que não somos verdadeiramente salvos? Leia 1 Jo
1:8–2:1. Por que os seguidores do Mashiach ainda estão sujeitos a cair em pecado?

(a)
didachē - Διδαχ

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 4ª Alyá (Dt 10:1-10:11)


Leitura mensal Tehilim Sl 83-87
Leitura RPSP Jr 15
Leitura anual completa At 27, 28

58 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


16 de novembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 27 Cheshvan Quinta

Libertos do pecado
6. Tendo em mente o que estudamos até aqui em Romanos 6, leia Rm 6:19-23. Resu-
ma a essência do que Shaul estava dizendo. Como você pode tornar real em sua vida
essas verdades cruciais? Quais questões estão em jogo nesse texto?

A s palavras de Shaul nessa passagem mostram que ele compreendia plenamente a


má inclinação da humanidade. Ele falou sobre a “fraqueza da” nossa “natureza hu-
mana” (Rm 6:19). Ele sabia o que a natureza humana manchada pelo pecado é capaz de
fazer quando deixada por si só. Por isso, novamente, ele apelou para o poder da escolha,
a capacidade que temos de escolher entregar a nós mesmos e a nossa “má inclinação” a
um novo senhor, Yeshua, que nos habilitará a viver em justiça.
Muitas vezes, o texto de Romanos 6:23 é citado para mostrar que a penalidade para
o pecado, isto é, a transgressão da Torá, é a morte. Certamente, a penalidade do pecado é
a morte. Mas além de ver a morte como a penalidade do pecado, devemos ver o pecado
como Shaul o descreveu em Romanos 6 – um senhor que domina seus servos, enganan-
edição para revisão

do-os ao pagar-lhes com o salário da morte.


Observe também que, em seu desenvolvimento da ilustração dos dois senhores,
Shaul chamou a atenção para o fato de que o serviço a um senhor significa liberação do
serviço ao outro. Mais uma vez vemos claramente a escolha: um ou outro. Não há meio-
-termo. Ao mesmo tempo, como todos sabemos, estar livre do domínio do pecado não
significa estar sem pecado; não significa que não lutamos e que não ocorram quedas, às
vezes. Em vez disso, significa que não somos mais dominados pelo pecado, por mais que
ele permaneça em nossa vida e por mais que tenhamos que reivindicar diariamente as
promessas de vitória sobre ele.
Essa passagem é um apelo poderoso para quem está servindo ao pecado. Esse tirano
não oferece nada além da morte como pagamento por nossos atos vergonhosos. Por-
tanto, uma pessoa racional deseja se libertar desse tirano. Em contrapartida, aqueles
que servem à justiça fazem coisas retas e louváveis, não com o objetivo de ganhar a
redenção, mas como fruto de sua nova experiência. Se eles agem na tentativa de ganhar
a redenção, estão perdendo todo o sentido da Bessorá, do que é a redenção, e da razão
pela qual eles precisam de Yeshua HaMashiach.

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 5ª Alyá (Dt 10:12-11:9)


Leitura mensal Tehilim Sl 88-89
Leitura RPSP Jr 16
Leitura anual completa Rm 1–4

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 59


Sexta 17 de novembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 28 Cheshvan

Estudo adicional

"[Y eshua] não consentia com o pecado. Nem por um pensamento cedia à provação.
O mesmo pode ocorrer conosco. A humanidade do Machiach estava unida à di-
vindade; Ele estava habilitado para o conflito, mediante a presença interior do Espírito de
D’us. E veio para nos tornar participantes da natureza divina. Enquanto estivermos ligados
a Ele pela fidelidade, o pecado não terá domínio sobre nós. O Eterno nos toma a mão da fi-
delidade e a leva a se apoderar firmemente da divindade do Mashiach, a fim de atingirmos
a perfeição de caráter” (3).
“Quando somos imersos no Mikvê nos comprometemos a romper todas as relações
com o Satan e seus agentes, e entregar coração e espírito à ação de estender o reino de
D’us […]” (4).
“Os filhos do maligno são servos de seu senhor; de quem se fazem servos para lhe obe-
decer, desse são servos (Rm 6:16), e não podem ser servos do Eterno enquanto não renun-
ciarem ao adversário e a todas as suas obras. Não pode ser inofensivo para os servos do

edição para revisão


Rei celestial o envolvimento com os prazeres e diversões em que se empenham os servos
do Eterno, embora eles repitam muitas vezes que tais diversões são inocentes. D’us tem
revelado santas e sagradas verdades para separar Seu povo dos incrédulos e purificá-los
para Si” (5).

LEITURAS COMPLEMENTARES:
Ellen G. White, Mensagens aos Jovens, p. 105, 106
Ellen G. White, Maior Discurso, p. 93-95
Ellen G. White, Testemunhos, v. 3, p. 365
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 1196, 1197.

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Mesmo com as promessas de vitória sobre o pecado, todos somos transgressores e o
coração humano é inclinado para o mal. Existe contradição nisso?
2 O que Mashiach fez em você? Quais as mudanças que você experimentou e sobre
a nova vida que tem Nele?
3 O que Mashiach fez em você, sobre as mudanças que você experimentou e sobre a
nova vida que tem Nele.

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 6ª Alyá (Dt 11:10-11:21)


Leitura mensal Tehilim Sl 90-96
Leitura RPSP Jr 17
Leitura anual completa Rm 5–7

60 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

18 de novembro | ‫ שבת‬Shabat 29 Cheshvan

ESTUDO DIÁRIO

Êkev, 7ª Alyá (Dt 11:22-11:25)


Leitura mensal Tehilim Sl 97-103
Leitura RPSP Jr 18
Leitura anual completa Rm 8–10
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 35

REFERÊNCIAS LIÇÃO 7

(1)
Commentary on Romans , p. 100. (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 47. (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 123. (contextualizado)
(4)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 1196. (contextualizado)
(5)
Ellen G. White, Testemunhos, v. 1, p. 404. (contextualizado)
edição para revisão

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 61


Lição 8 19 a 25 de novembro | 1 a 7 Kislev

Quem é o homem de Romanos 7?


VERSO PARA MEMORIZAR
"Mas agora fomos libertos desse aspecto da Torá, porque morremos para o que nos
dominava, de modo que agora servimos de uma nova forma provida pelo Espírito, e não
do antigo jeito de seguir exteriormente a letra da lei." (Rm 7:6)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 7

Introdução

“O significado [de Romanos 7:14-25] tem sido um dos problemas mais discuti-
dos em toda a igueret. As principais questões se concentram em definir se

edição para revisão


a descrição dessa intensa luta moral seria autobiográfica e, em caso afirmativo, se
a passagem se refere à experiência de Shaul antes ou depois de seu encontro com
o Messias. A partir do mais simples significado de suas palavras, parece evidente
que Shaul fala de sua luta com o pecado (veja Rm 7:7-11). Também é verdade que
ele descreve um conflito experimentado por toda pessoa que se confronta com as
reivindicações espirituais da Torá de D’us e é despertada por elas” (1).
Os estudiosos da B’rit Hadashá diferem ao definir se Romanos 7 retrata a expe-
riência de Shaul antes ou após sua aceitação do Mashiach. Seja qual for a posição
tomada, o importante é que a justiça (tsedek) de Yeshua nos cobre e nela permane-
cemos perfeitos perante o Eterno, que promete nos santificar, dar-nos vitória sobre
o pecado e nos moldar “à semelhança de Seu Filho” (Rm 8:29). Esses são os pontos
cruciais para conhecermos e vivenciarmos enquanto buscamos espalhar “boas-no-
vas eternas” a “cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap 14:6).

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 7 ‫ ויצא‬VAYETZE [e partiu]: Gn 28.10-32.3(2)


HAFTARÁ: Os 11.7-14.10
BRIT HADASHÁ: Jo 1.43-51
TEHILIM: Sl 3

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana pelos líderes Victor and Irena Viatokha da comunidade judaico-ad-
ventista de Kieve, Ukrania.
62 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
19 de novembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 1 Kislev Domingo

Morto para a Torá


1. Leia Romanos 7:1-6. Qual ilustração Shaul usou para mostrar aos seus leitores a
relação deles com a Torá? O que ele defendeu com essa ilustração?

A ilustração de Shaul em Romanos 7:1-6 é um pouco complexa, mas uma análise cuida-
dosa da passagem nos ajudará a seguir seu raciocínio.
No contexto geral da carta, Shaul estava tratando do sistema de culto estabelecido no
Sinai; foi isso que ele quis dizer muitas vezes com a palavra lei (Torá). Muitos tiveram difi-
culdade em compreender que esse sistema, dado a eles por D’us, devia terminar com a
vinda do Mashiach. Shaul estava lidando com judeus seguidores do Mashiach que ainda
não estavam prontos para entender o significado do que tinha sido uma parte tão impor-
tante de sua vida.
Em essência, a ilustração de Shaul é a seguinte: uma mulher é casada com um homem.
A lei a liga ao marido enquanto ele viver. Durante sua vida, ela não pode ter relações com
outros homens. Mas quando ele morre, ela fica livre da lei que a ligou ao marido (Rm 7:3).
edição para revisão

2. De acordo com Romanos 7:4, 5, como Shaul aplicou a ilustração da lei do casamen-
to ao sistema de leis de sacrifício e cerimônias do templo?

Assim como a morte do marido livra a mulher da lei de seu marido, também a morte
da velha vida, por meio de Yeshua HaMashiach, libertou-os da observância das leis dos
sacrifícios e cerimônias na qual deveriam ser guardadas até que o Mashiach cumprisse
seus tipos.
Isso libertou-os para “se casar novamente”. Eles foram convidados a se “casar” com o
Mashiach ressuscitado e, assim, dar frutos para o Eterno. Essa ilustração foi mais um ins-
trumento usado por Shaul para mostrar para os crentes judeus de que agora o sistema de
sacrifícios se tornara desnecessário.
Novamente, considerando todas as outras coisas que Rabi Shaul e as Escrituras decla-
ram sobre a obediência das mitzvot da Torá, incluindo os Dez Mandamentos (Asseret Ha-
dibrot), não faz sentido afirmar aqui que Shaul estava dizendo aos judeus seguidores do
Messias que a Torá não era mais obrigatória. Aqueles que usam esses versos para tentar
defender esse argumento – de que a Torá foi abolida – não desejam na verdade defender
isso; o que eles realmente querem dizer é que só o Shabat foi extinto, não o restante da
Torá. Interpretar que Romanos 7:4, 5 ensina que a mitsvá acerca da guarda do Shabat foi
abolida, rejeitada ou substituída pela guarda do domingo é dar-lhe um significado jamais
concebido pelo autor da carta.
ROSH CHODESH KISLEV

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 1ª Alyá (Dt 11:26-12:10)


Leitura mensal Tehilim Sl 104-105
Leitura RPSP Jr 19
Leitura anual completa Rm 11–13

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 63


Segunda 20 de novembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 2 Kislev

Pecado e Torá

S e Shaul estava falando sobre todo o sistema legal do Sinai, o que dizer de Ro-
manos 7:7, no qual ele mencionou especificamente um dos Dez Mandamentos?
Isso não refuta a posição tomada ontem, de que Shaul não estava falando sobre a
nulidade da Torá?
A resposta é não. Devemos ter em mente, novamente, que a palavra Torá para Shaul
significava todo o sistema introduzido no Sinai, que incluía os dez mandamentos,
mas não se limitava a ela. Portanto, a fim de defender seu argumento, Shaul pode-
ria citá-la, assim como qualquer outra seção de todo sistema judaico. No entanto,
quando o sistema de leis dos sacrifícios se cumpriu com a morte do Mashiach, isso
não significou a abolição da Torá, que já existia mesmo antes do Sinai e continua
existindo depois da morte e ressureição do Mashiach.

3. Leia Romanos 7:8-11. O que Shaul disse sobre a relação entre a Torá e o pecado?

edição para revisão


O Eterno Se revelou aos judeus, mostrando detalhadamente o que era certo e errado
em questões morais (asseret hadibrot), civis (mishpatim), cerimoniais (chukim) e
alimentares (kashrut). Ele também explicou as penalidades para a violação das vá-
rias mitzvot. A transgressão da vontade revelada do Eterno é definida como pecado.
Portanto, conforme explicou Shaul, ele não saberia que cobiçar é pecado se a “Torá”
não o tivesse informado desse fato. O pecado é a violação da vontade revelada de
D’us e quando Sua vontade é desconhecida, não há nenhuma consciência do pecado.
Mas quando essa vontade revelada é anunciada a uma pessoa, ela passa a reconhe-
cer que é pecadora e está sob condenação e morte. Nesse sentido, a pessoa morre.
Nessa linha de argumentação e ao longo dessa seção, Shaul estava tentando cons-
truir uma ponte para levar os judeus, que reverenciam a “Torá”, a ver o Mashiach
como seu cumprimento. Ele estava mostrando que a Torá era necessária, mas que
sua função era limitada. O propósito da Torá é revelar a necessidade de salvação;
ela nunca foi planejada para ser o meio de obter essa salvação (yeshuah).
“Shaul[…] apresenta uma importante verdade a respeito da ação a ser efetuada
na teshuvá. Ele diz: ‘Outrora, sem a Torá, eu vivia’ (ele não sentia nenhuma con-
denação); ‘mas, sobrevindo o preceito’ (quando a Torá exortou a sua consciência),
‘reviveu o pecado, e eu morri’. Então ele se viu como pecador, condenado pela Torá
divina. Observem que foi Shaul, e não a Torá, quem morreu” (2).

Em que sentido você “morreu” perante a Torá? O que o Mashiach fez por você, ao dar-lhe nova vida
Nele?

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 2ª Alyá (Dt 12:11-12:28)


Leitura mensal Tehilim Sl 106-107
Leitura RPSP Jr 20
Leitura anual completa Rm 14–16

64 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


21 de novembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 3 Kislev Terça

A Torá é santa
4. Leia Romanos 7:12. Como entendemos esse verso no contexto do que Shaul estava
discutindo?

V isto que, para os crentes judeus de Roma a Torá era a base de tudo, Shaul a exaltou
de todas as maneiras possíveis. A Torá é boa pelo que ela faz, mas não pode reali-
zar aquilo que nunca foi seu propósito: salvar-nos do pecado. Para isso precisamos do
Mashiach, pois a Torá (seja todas as mitsvot ou os dez mandamentos - asseret hadibrot
- em particular) não pode trazer redenção. Somente o Mashiach e Sua justiça, que rece-
bemos pela emuná, podem libertar.

5. Leia Romanos 7:13. O que Shaul culpou por sua condição de “morte” e o que ele
isentou? Essa distinção é importante?

Em Romanos 7:13, Shaul apresentou a “Torá” no melhor sentido possível. Ele cul-
edição para revisão

pou o pecado, não a Torá, por sua condição pecaminosa; isto é, o pecado desperta “todo
tipo de desejo maligno” (Rm 7:8). A Torá é boa, pois é o padrão divino de conduta. Po-
rém, Shaul estava condenado diante dela.

6. De acordo com Romanos 7:14, 15, por que o pecado teve tanto êxito em mostrar
que Shaul era um terrível pecador?

Velha natureza significa “relacionado à má inclinação (yetser hará)”. Portanto,


Shaul precisava de Yeshua HaMashiach. Somente Ele poderia livrá-lo da condenação
(Rm 8:1) e da escravidão do pecado.
Shaul haShaliach se descreveu como “vendido à escravidão do pecado”. Não conse-
guia fazer o que gostaria de fazer.
Por meio dessa ilustração, ele estava tentando mostrar aos judeus a necessidade
que tinham do Mashiach. Ele já havia indicado que a vitória só era possível debaixo
da chessed (graça) (Rm 6:14). Esse pensamento é ressaltado em Romanos 7. Viver sob a
“Torá” significa ser escravo do pecado, um mestre impiedoso.

Você já brincou com o pecado, pensando que poderia controlá-lo, mas foi escravizado por esse se-
nhor mau? Bem-vindo à realidade! Por que você deve se aceitar o Mashiach e morrer para si mes-
mo?

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 3ª Alyá (Dt 12:29-13:19)


Leitura mensal Tehilim Sl 108-112
Leitura RPSP Jr 21
Leitura anual completa 1Co 1–4

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 65


Quarta 22 de novembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 4 Kislev

O homem de Romanos 7
7. “E, se faço o que não desejo, estou de acordo que a Torá é boa. Entretanto, agora,
não sou mais "eu" quem o faz, mas o pecado alojado em mim.” (Rm 7:16, 17). Qual
luta é apresentada nesse texto?

U sando a Torá como um espelho, o Ruach Hakodesh convence a pessoa de que


ela está desagradando o Eterno por não cumprir os requisitos da Torá. Median-
te os esforços para satisfazer essas exigências, o pecador mostra que aceita o fato
de que a Torá é boa.

8. Quais argumentos Shaul repetiu a fim de enfatizá-los? Rm 7:18-20

Para impressionar alguém quanto à sua necessidade do Mashiach, o Ruach


Hakodesh muitas vezes o conduz através de um tipo de experiência da aliança. A
escritora Ellen G. White descreveu a experiência de Israel: “O povo não compreen-

edição para revisão


dia a pecaminosidade de seus corações, e que sem o Messias lhes era impossível
guardar a Torá de D’us; e prontamente entraram em aliança com o Eterno. Enten-
dendo que eram capazes de estabelecer sua própria justiça, declararam: ‘Faremos
e ouviremos tudo que o Eterno falou!’ (Êx 24:7) […]. Apenas algumas semanas se
passaram antes que violassem sua aliança com o Eterno e se curvassem para ado-
rar uma imagem esculpida. Não poderiam esperar o favor do Eterno mediante uma
aliança (brit) que tinham quebrado; e agora, vendo sua índole má e a necessidade
de perdão, foram levados a sentir que necessitavam da yeshuah (salvação) revelada
na aliança com Avraham” (3).
Infelizmente, por não renovarem sua devoção ao Mashiach diariamente, muitos
seguidores dele estão, de fato, servindo ao pecado, por mais que detestem admiti-lo.
Eles racionalizam e argumentam que, na realidade, estão passando pela experiên-
cia normal de serem santos (kedoshim) e que simplesmente ainda têm um longo
caminho a percorrer. Assim, em vez de levarem ao Mashiach pecados conhecidos e
pedir a vitória sobre eles, essas pessoas se escondem atrás de Romanos 7, que lhes
diz, pensam elas, que é impossível fazer o que é certo. Na verdade, esse capítulo
revela que é impossível fazer o certo quando uma pessoa é escrava do pecado, mas
a vitória é possível em Yeshua Hamashiach.

Você tem vencido as provações e o próprio eu, conforme a promessa do Mashiach? Se não,
por quê? Quais escolhas erradas você tem feito?

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 4ª Alyá (Dt 14:1-14:21)


Leitura mensal Tehilim Sl 113-118
Leitura RPSP Jr 22
Leitura anual completa 1Co 5–7

66 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


23 de novembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 5 Kislev Quinta

Salvo da morte
9. Leia Romanos 7:21-23. Você tem experimentado essa mesma luta em sua vida?

N essa passagem, Shaul equiparou a Torá em seus membros (seu corpo) à “lei” do peca-
do. Ele disse que serviu, “a velha natureza”, à “lei do pecado” (Rm 7:25). Porém, servir
ao pecado e obedecer à sua lei significa morte (veja Rm 7:10, 11, 13). Portanto, enquanto
seu corpo funcionava em obediência ao pecado, ele podia ser descrito adequadamente
como “o corpo desta morte”.
A lei da mente é a Torá do Eterno, a revelação da Sua vontade. Sob a convicção do
Ruach Elohim, Shaul consentiu com essa lei. Sua mente decidiu guardá-la, mas quando
ele tentou fazer isso, não conseguiu porque seu corpo desejava pecar. Quem já não sentiu
essa mesma luta? Em sua mente, você sabe o que deseja fazer, mas seu corpo clama por
algo diferente.

10. De acordo com Romanos 7:24, 25, como podemos ser resgatados dessa situação
edição para revisão

difícil em que nos encontramos?

Alguns têm se perguntado por que, depois de alcançar o glorioso clímax na expressão
“Graças ao Eterno por Yeshua HaMashiach, nosso Senhor”, Shaul se referiu mais uma vez
às lutas espirituais das quais, aparentemente, ele tinha sido libertado. Alguns entendem a
expressão de ação de graças como uma exclamação entre parêntesis. Eles acreditam que
essa exclamação segue naturalmente o clamor: “Quem me livrará”? Sustentam que, antes
de prosseguir com uma discussão prolongada sobre a gloriosa libertação (Rm 8), Shaul re-
sumiu o que ele havia dito nos versículos anteriores e reconheceu, mais uma vez, o conflito
contra as forças do pecado.
Outros têm sugerido que, com a expressão “eu, de mim mesmo” ele quis dizer “entre-
gue a mim mesmo, deixando o Mashiach fora da questão”. Seja qual for o entendimento
de Romanos 7:24, 25, um ponto deve permanecer claro: sozinhos, sem o Mashiach, somos
impotentes contra o pecado. Com ele, temos nova vida, e embora o eu sempre apareça, as
promessas de vitória são nossas se escolhermos reivindicá-las. Assim como ninguém pode
respirar, tossir ou espirrar por você, ninguém pode escolher se render ao Mashiach por
você. Só você pode fazer essa escolha. Não há outra maneira de obter as vitórias prometi-
das a nós Nele.

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 5ª Alyá (Dt 14:22-14:29)


Leitura mensal Tehilim Sl 119:1-96
Leitura RPSP Jr 23
Leitura anual completa 1Co 8–10

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 67


Sexta 24 de novembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 6 Kislev

Estudo adicional

“N ão há segurança nem repouso nem justificação na transgressão da Torá. O homem


não pode esperar colocar-se inocente diante do Eterno e em shalom com Ele, me-
diante os méritos do Mashiach, se ao mesmo tempo continua em pecado” (4).
“Shaul desejava que seus irmãos vissem que a grande glória de um redentor que per-
doa o pecado era o que dava significado a todo o sistema judaico. Desejava que vissem
também que, quando o Mashiach veio ao mundo e morreu como kapará pelo homem, o
tipo encontrou o antítipo.
“Depois que o Mashiach morreu na como oferta pelo pecado, o sistema de leis dos
sacrifícios encontrou o seu objetivo. Todavia, achava-se ligado às outras mitzvot e era glo-
rioso. O todo trazia o sinete da divindade, e exprimia a santidade, justiça e retidão de D’us.
E se era glorioso o ministério da dispensação que devia terminar, quanto mais não deveria
ser gloriosa a realidade, quando O Mashiach fosse revelado, concedendo a todos os que
criam Seu Espírito vitalizante e santificador?” (5).

edição para revisão


LEITURA COMPLEMENTAR
Ellen G. White, CC, p. 19;
Ellen G. White, TI, v. 3, p. 475

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 “Romanos 7:25 […] é a passagem mais clara de todas, e dela aprendemos que um
mesmo homem (crente) serve, ao mesmo tempo, à Torá de D’us e à lei do pecado.
Ele é, ‘ao mesmo tempo, justificado e ainda continua sendo pecador’, pois não diz:
‘Minha mente é serva da Torá de D’us’; nem diz: ‘Minha carne é escrava da lei do
pecado’; mas sim: “Eu, de mim mesmo’. Ou seja, o homem completo, uma única e a
mesma pessoa, está nessa escravidão dupla. […] Ele agradece a D’us por ser servir
a sua Torá e pede misericórdia por servir à lei do pecado. Mas ninguém pode dizer
que uma pessoa pecadora é serva da Torá de D’us.

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 6ª Alyá (Dt 15:1-15:18)


Leitura mensal Tehilim Sl 119:97-176
Leitura RPSP Jr 24
Leitura anual completa 1Co 11–13

68 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

25 de novembro | ‫ שבת‬Shabat 7 Kislev

ESTUDO DIÁRIO

Reê, 7ª Alyá (Dt 15:19-16:17)


Leitura mensal Tehilim Sl 120-134
Leitura RPSP Jr 25
Leitura anual completa 1Co 14–16
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 36

REFERÊNCIAS LIÇÃO 8

(1)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 608 (contextualizado)
(2)
Ibidem, p. 1197, 1198 (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 371, 372 (contextualizado)
(4)
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 213 (contextualizado)
(5)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 1220 (contextualizado)
edição para revisão

COSTUMES DESTA SEMANA

ROSH CHODESH KISLEV


Segundo o Talmud, o mês de Kislêv assinala o início do inverno na Terra Santa e é o tercei-
ro mês da "Estação das Chuvas".
Rosh Chodesh: Números 28:1-3; Números 28:3-15.

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 69


Lição 9 26 de novembro a 2 de dezembro | 8 a 14 Kislev

Nenhuma condenação
VERSO PARA MEMORIZAR
"Portanto, não há mais nenhuma condenação esperando por aqueles que estão em união
com o Messias Yeshua." (Rm 8:1)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 8:1-17

Introdução

R omanos 8 é a resposta de Shaul a Romanos 7. No capítulo 7, Ele falou de frus-


tração, fracasso e condenação. No capítulo 8 a condenação desaparece. Ela é

edição para revisão


substituída pela liberdade e vitória por meio do Mashiach.
Em Romanos 7, Shaul afirmou que, se nos recusarmos a aceitar o Mashiach,
teremos uma experiência miserável. Seremos escravos do pecado, incapazes de re-
alizar o que escolhemos fazer. Em Romanos 8, ele disse que Yeshua nos oferece
libertação do pecado e a liberdade de fazer o bem que desejamos; porém, nossa má
inclinação não permite.
Shaul continuou explicando que essa liberdade foi comprada a um custo infi-
nito. O Mashiach, Ben haElohim, tornou-Se humano. Somente assim Ele pôde Se
identificar conosco, ser nosso exemplo perfeito e Se tornar o Substituto que morreu
em nosso lugar. Ele veio “como ser humano com uma natureza semelhante à nos-
sa.” (Rm 8:3). Como resultado, as justas exigências da Torá podem ser cumpridas
em nós (Rm 8:4). Em outras palavras, o Mashiach tornou possível aos que creem a
vitória sobre o pecado, bem como o cumprimento dos requisitos positivos da Torá,
não como meio de redenção, mas como resultado dela. A obediência à Torá não foi
nem jamais pode ser meio de redenção. Essa foi a mensagem de Shaul, e ela deve
ser a nossa também.

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 8 ‫ וישלח‬VAYISHLACH [e enviou]: Gn 32.4(3)-36.43


HAFTARÁ: Ob 1-21; Os 11.7-12.12
BRIT HADASHÁ: 1Co 5.1-13; Ap 7.1-12; Mt 26.36-46
TEHILIM: Sl 140

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Vitaliy & Alexandra Obrevko da comunidade judaico-adventista
de Kiev e da revista Web Kol Shofar, Ukrania.
70 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
26 de novembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 8 Kislev Domingo

No Mashiach
1. Em Romanos 8:1, o que significa “nenhuma condenação”? Por que isso é uma boa
notícia?

“N o Mashiach Yeshua” é uma expressão comum nos escritos do Rabi Shaul. Estar “no”
Mashiach significa aceitá-lo como Goel (salvador). Confiamos Nele completamente
e decidimos fazer do estilo de vida Dele o nosso estilo de vida. O resultado é uma íntima
união pessoal com Ele.
A expressão “no Mashiach Yeshua” é contrastada com as palavras “na velha vida”. Ela
também é contrastada com a experiência detalhada no capítulo 7, em que Shaul descreveu
a pessoa condenada (antes de aceita-lo como Mashiach) como alguém preso a velha natu-
reza, significando que ela é uma escrava do pecado. Essa pessoa está sob a condenação da
morte (Rm 7:11, 13, 24). Ela serve à “lei do pecado” (Rm 7:23, 25). Está em um terrível esta-
do de miséria (Rm 7:24).
Mas essa pessoa se rende ao Mashiach e uma mudança imediata ocorre em seu status
edição para revisão

diante do Eterno. Anteriormente condenada como transgressora da Torá, ela agora se en-
contra perfeita diante do Eterno, como se nunca tivesse pecado, pois a tsedek (justiça) do
Mashiach a cobre completamente. Não há mais condenação, não porque a pessoa seja irre-
preensível, sem pecado ou digna de vida eterna (ela não é), mas porque o registro da vida
perfeita de Yeshua toma o lugar do registro da pessoa; portanto, não há condenação.
Mas a boa notícia não termina aí.

2. De acordo com Romanos 8:2, o que liberta alguém da escravidão do pecado?

Nesse verso, a “Torá do Espírito” significa o plano do Mashiach para salvar a humani-
dade, em contraste com a “lei do pecado e da morte”, que foi descrita no capítulo 7 como a
lei pela qual o pecado governou, sendo o fim desta a morte. Em vez disso, a Torá do Messias
traz vida e liberdade.

“Toda pessoa que se recusa a entregar-se a D’us, acha-se sob o domínio de outro poder. Não
pertence a si mesma. Pode falar de liberdade, mas está na mais vil servidão […]. Enquanto se
lisonjeia de seguir os ditames de seu próprio discernimento, obedece à vontade do príncipe
das trevas. O Mashiach veio quebrar as algemas que prendem a pessoa na escravidão do
pecado” (1). Você é um escravo ou está livre no Mashiach?

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 1ª Alyá (Dt 16:18-17:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 135-139
Leitura RPSP Jr 26
Leitura anual completa 2Co 1–4

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 71


Segunda 27 de novembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 9 Kislev

O que a Torá não pode fazer

P or melhor que seja, a “Torá” não pode fazer por nós aquilo de que mais neces-
sitamos: providenciar o meio de redenção para nos livrar da condenação e da
morte que o pecado trouxe. Para ser libertados, precisamos do Mashiach.

3. Leia Romanos 8:3, 4 e complete as lacunas. O que o Mashiach fez que a Torá, por
sua própria natureza, não pode fazer?

O Eterno providenciou um remédio, enviando “o próprio Filho como ser huma-


no com uma natureza semelhante à nossa”, e “executou a punição contra o pecado
na natureza humana”. A encarnação do Mashiach foi um passo importante no plano
da redenção. É apropriado exaltar o sacrifício do Mashiach, mas, na realização do
plano de redenção, a vida do Mashiach “com uma natureza semelhante à nossa”
também foi extremamente importante.
Como resultado do que o Eterno fez ao enviar o Mashiach, podemos cumprir os

edição para revisão


justos requisitos da Torá; isto é, fazer as coisas justas que ela exige. “Sob a Torá”
(Rm 6:14) isso era impossível; “no Mashiach”, agora é possível.
No entanto, devemos lembrar de que fazer o que a Torá exige não significa guar-
dá-la suficientemente bem para ganhar a salvação (yeshuah). Isso não é uma opção,
e nunca foi. Significa simplesmente viver segundo a capacidade que o Eterno nos
dá; ter uma vida de obediência, em que submetemos “a velha natureza com suas
paixões e desejos.” (Gl 5:24), uma vida na qual refletimos o caráter do Mashiach.
“Viver/andar”, em Romanos 8:4, é uma expressão idiomática que significa “con-
duzir-se”. A expressão “velha natureza” denota, nesse verso, a pessoa não regenera-
da, seja antes ou depois da convicção. Andar segundo a velha natureza é ser contro-
lado por desejos egoístas. Por outro lado, andar segundo o Espírito é cumprir o justo
requisito da Torá. Apenas mediante o auxílio do Ruach Hakodesh podemos cumprir
essa exigência. Somente por meio do Mashiach há liberdade para fazer o que a Torá
exige. À parte Dele, não existe essa liberdade. Aquele que é escravo do pecado acha
impossível realizar o bem que ele escolhe fazer (veja Rm 7:15, 18).

Você tem guardado a Torá? Deixando de lado a ideia de ganhar a salvação pelo legalismo, a “justiça
da Torá” é cumprida em sua vida?

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 2ª Alyá (Dt 17:14-17:20)


Leitura mensal Tehilim Sl 140-145
Leitura RPSP Jr 27
Leitura anual completa 2Co 5–7

72 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


28 de novembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 10 Kislev Terça

Velha natureza ou o Espírito


4. “Pois quem se identifica com a velha natureza mantém a mente voltada para as
coisas relativas a ela; mas quem se identifica com o Espírito tem a mente voltada
para as coisas do Espírito. Ter a mente controlada pela antiga natureza é morte; ter,
porém, a mente controlada pelo Espírito é vida e shalom” (Rm 8:5, 6). Reflita sobre
esse texto. Qual é sua mensagem básica? O que ele lhe revela sobre sua maneira de
viver?

N essa passagem, o termo “identifica” (em algumas traduções “inclinam”) é usado


no sentido de “conforme, de acordo com” (kata, kata). “Cogitam” significa, nesse
verso, “pensar em alguma coisa”. Um grupo de pessoas pensa em realizar os desejos
naturais; o outro fixa a mente nas coisas do Ruach, a fim de seguir Suas ordens. Visto
que a mente determina as ações, os dois grupos vivem e agem de maneira diferente.

5. De acordo com Romanos 8:7, 8, o que a mente voltada as coisas relativas a velha
edição para revisão

natureza é incapaz de fazer?

Concentrar-se na satisfação dos desejos da velha natureza é, na realidade, estar em


estado de inimizade contra D’us. Aquele cujo pensamento é esse, não se preocupa em
fazer a vontade do Eterno. Ele pode até estar em rebelião contra o Eterno, desprezando
abertamente Sua Torá.
Shaul desejava enfatizar especialmente que, se você está separado do Mashiach,
é impossível guardar a Torá de D’us. Shaul retornou a esse tema repetidas vezes: não
importa quanto tentemos, à parte do Mashiach, não podemos obedecer à Torá. O pro-
pósito especial de Shaul fazer os judeus entenderem de que eles precisavam de algo
mais do que sua “Torá”. Por sua conduta, eles mostraram que, embora tivessem a re-
velação divina, eram culpados dos mesmos pecados dos goyim (Rm 2). A grande lição
era que eles precisavam do Mashiach. Sem Ele, seriam escravos do pecado, incapazes
de escapar de seu domínio.
Essa foi a resposta de Rabi Shaul aos judeus que não conseguiam entender por que
o que D’us lhes havia concedido na Tanach já não era mais suficiente para a redenção.
Shaul admitiu que tudo o que eles estavam fazendo era bom, mas que eles também
precisavam aceitar o Mashiach que tinha vindo.

Pense em suas últimas 24 horas. Suas ações foram guiadas pelo Ruach ou pelas paixões da velha
natureza? O que sua resposta lhe revela? Quais mudanças você deve fazer? Como fazê-las?

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 3ª Alyá (Dt 18:1-18:5)


Leitura mensal Tehilim Sl 146-150
Leitura RPSP Jr 28
Leitura anual completa 2Co 8–10

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 73


Quarta 29 de novembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 11 Kislev

O Mashiach em você

S haul continuou seu tema contrastando as duas possibilidades que as pessoas têm em
sua maneira de viver. Ou elas vivem de acordo com o Ruach HaKodesh, isto é, o Espírito
de D’us prometido a nós, ou de acordo com sua má inclinação (yetser hará). Uma leva à
vida eterna, a outra, à morte eterna. Não há meio-termo. Ou, como o próprio Yeshua disse:
“Quem não está comigo é contra mim; e quem comigo não reúne, espalha” (Mt 12:30). É
difícil ser mais claro do que isso.

6. Leia Romanos 8:9-14. O que é prometido aos que se entregam inteiramente ao


Mashiach?

A vida “velha” é contrastada com a vida “no Espírito”. O que vive “no Espírito” é domi-
nado pelo Ruach haElohim, o Ruach haKodesh. Nesse capítulo, Ele é chamado de Ruach ha
Mashiach (‫ִיח‬ַ ‫ָּש‬ ַ ‫)רו‬, talvez no sentido de que Ele é um representante Dele, e por meio
ׁ‫ּח ַהמ‬
Dele o Mashiach habita no seguidor de Yeshua (Rm 8:9, 10).

edição para revisão


Nesses versículos, Shaul retornou a uma figura que usou em Romanos 6:1-11. Figurati-
vamente, na imersão, “o corpo do pecado”, isto é, o corpo que serviu ao pecado, está mor-
to. Contudo, não há apenas um sepultamento, mas também uma ressurreição. A pessoa
imersa se levanta para andar em novidade de vida. Isso significa matar o velho eu, uma
escolha que temos que fazer por nós mesmos diariamente, momento a momento. D’us não
destrói a liberdade humana. Mesmo depois que o velho homem do pecado é destruído,
ainda é possível pecar. Para os colossenses, Shaul escreveu: “Assim, façam morrer tudo o
que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos
maus e a ganância, que é idolatria” (Cl 3:5).
Portanto, na teshuvá, ainda haverá uma luta contra o pecado. A diferença é que a pes-
soa em quem o Ruach habita agora tem o poder divino para vencer. Além disso, visto que
ela foi libertada da escravidão do pecado de modo miraculoso, torna-se constrangida a
jamais voltar a servi-lo.

O Ruach Elohim, que ressuscitou Yeshua, habita em nós, se O permitimos. Temos um


grande poder à nossa disposição! O que nos impede de usá-lo como deveríamos?

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 4ª Alyá (Dt 18:6-18:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 1-9
Leitura RPSP Jr 29
Leitura anual completa 2Co 11–13

74 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


30 de novembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 12 Kislev Quinta

Espírito da adoção (Ruach kemishpat habanim)


7. Em Romanos 8:15, como Shaul descreveu o novo relacionamento com D’us? Qual
esperança encontramos nessa promessa? Como a tornamos real em nossa vida?

O
ço.
novo relacionamento é descrito como a libertação do medo. Um escravo vive cativo,
temendo seu senhor constantemente. Não ganha nada por seus longos anos de servi-

Não é assim com aquele que segue o Mashiach. Primeiramente, ele presta um servi-
ço voluntário. Em segundo lugar, ele serve sem medo, pois “o perfeito amor lança fora o
medo” (1Jo 4:18). Terceiro, adotado como filho, ele se torna herdeiro de uma herança de
valor infinito.
“O espírito de escravidão é gerado quando se procura viver de acordo com a religião
legal, pelo esforço para cumprir as reivindicações da Torá em nossa própria força. Há es-
perança para nós somente ao nos colocarmos sob a aliança feita com Avraham, que é a
aliança da chesed (graça) pela fidelidade do Mashiach” (2).
edição para revisão

8. De acordo com Romanos 8:16, o que nos dá a certeza de que o Eterno realmente
nos aceitou como filhos?

O testemunho interior do Ruach confirma nossa aceitação. Embora não seja seguro
prosseguir apenas pelo sentimento, aqueles que seguem a luz da Palavra de acordo com
sua melhor compreensão ouvirão uma voz interior certificadora lhes assegurando que
foram aceitos como filhos de D’us.
Na verdade, em Romanos 8:17, Shaul nos diz que somos herdeiros; isto é, somos parte
da família de D’us e, como herdeiros e filhos, recebemos uma herança maravilhosa de
Avinu. Não a obtemos; ela nos é dada em virtude da nossa nova condição em D’us, um sta-
tus concedido a nós por meio de Sua chessed (graça), que nos foi disponibilizada por causa
da morte do Mashiach em nosso favor.

Você está perto do Eterno? Você realmente O conhece ou apenas sabe sobre Ele? Quais
mudanças deve fazer em sua vida para ter uma caminhada mais próxima com seu Criador
e Redentor? O que o impede? Por quê?

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 5ª Alyá (Dt 18:14-19:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 10-17
Leitura RPSP Jr 30
Leitura anual completa Gl 1–3

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 75


Sexta 1 de dezembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 13 Kislev

Estudo adicional

“O plano da redenção não oferece aos justos uma vida imediata livre de sofrimento
e provações. Pelo contrário, convida-os a seguir ao Mashiach no mesmo caminho
de abnegação e opróbrio […]. Mas é por essas provas e perseguições que o caráter Dele é
reproduzido e revelado em Seu povo […]. Ao compartilhar dos sofrimentos do Mashiach,
somos educados, disciplinados e preparados para compartilharas glórias futuras” (3).
“A corrente que desce do trono de D’us é extensa o suficiente para alcançar as maiores
profundezas. O Mashiach é capaz de levantar os mais empedernidos pecadores de sua
degradação e colocá-los onde possam ser reconhecidos como filhos de D’us, herdeiros com
o Mashiach da herança imortal” (4).

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Qual esperança encontramos nas citações acima? Como tornar reais em nossa vida es-
sas promessas de vitória? Por que, com tantas coisas oferecidas a nós no Mashiach,

edição para revisão


continuamos muito aquém do que realmente poderíamos ser?
2 Como você pode se inclinar para as coisas do Ruach diariamente (Rm 8:5)? O que
isso significa? O que o Ruach deseja? Quais coisas tornam isso difícil de alcançar
em sua vida?
3 Estamos de um lado ou do outro no grande conflito. Não há meio-termo. Quais
são as implicações desse fato difícil? A percepção dessa importante verdade pode
afetar nossa maneira de viver e as escolhas que fazemos, mesmo nas “pequenas”
coisas?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 6ª Alyá (Dt 19:14-20:9)


Leitura mensal Tehilim Sl 18-22
Leitura RPSP Jr 31
Leitura anual completa Gl 4–6

76 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

2 de dezembro | ‫ שבת‬Shabat 14 Kislev

ESTUDO DIÁRIO

Shoftim, 7ª Alyá (Dt 20:10-21:9)


Leitura mensal Tehilim Sl 23-28
Leitura RPSP Jr 32
Leitura anual completa Ef 1–3
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 37

REFERÊNCIAS LIÇÃO 9

(1)
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 466 (contextualizado)
(2)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 1198 (contextualizado)
(3)
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 625 (contextualizado)
(4)
Ellen G. White, Testemunhos, v. 7, p. 229 (contextualizado)
edição para revisão

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 77


Lição 10 3 a 9 de dezembro | 15 a 21 Kislev

Filhos da promessa
VERSO PARA MEMORIZAR
"Portanto, ele tem misericórdia de quem quiser, e endurece a quem quiser." (Rm 9:18)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 9

Introdução

“C omo está escrito: ‘Amei Yacoov, mas rejeitei Esav […]. Pois Ele diz a Mosheh: ‘Terei
misericórdia […] e terei compaixão de quem Eu me compadecer’” (Rm 9:13, 15).
Sobre o que Shaul estava falando nessa passagem? E quanto ao livre-arbítrio ou li-
berdade de escolha do ser humano, sem o qual muito pouco do que acreditamos faz

edição para revisão


sentido? Não somos livres para escolher servir a D’us ou rejeitá-Lo? Ou será que esses
versículos ensinam que certas pessoas são eleitas para ser salvas e outras para se perder,
independentemente de suas escolhas? ( Ap 2:11 ; 20:6 )
Como de costume, encontramos a resposta quando observamos o quadro mais amplo
do que Shaul estava dizendo. Em sua linha de argumentação, o Shaliach, tentava mostrar
o direito divino de escolher aqueles que Ele usaria como Seus “escolhidos”. Afinal, se
Deus é o responsável máximo pela mensagem do Mashiach ao mundo, porque Ele não
pode escolher como Seus emissários quem Ele quiser? Visto que o Eterno não exclui nin-
guém da oportunidade de salvação, essa ação não é contrária aos princípios do livre-ar-
bítrio. Ainda mais importante, não é contrária à grande verdade de que Yeshua Ha-
Mashiach morreu por toda a humanidade e Seu desejo é que todos sejam redimidos e
tenha a vida eterna.
Desde que lembremos de que Romanos 9 não trata da redenção pessoal dos que são
mencionados nesse capítulo, mas do chamado deles para realizar determinada trabalho
para o Eterno e o Mashiach, o capítulo não apresenta dificuldades.

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 9 ‫ וישב‬VAYESHEV [e habitou]: Gn 37.1-40.23


HAFTARÁ: Am 2.6-3.8
BRIT HADASHÁ: At 7.9-16 de forma específica versos 9 e 10
TEHILIM: Sl 112

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Rachel & Gabriel Gutierez da comunidade judaico-adventista de
New York e ministério musical da Rachel Hyman, USA.
78 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
3 de dezembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 15 Kislev Domingo

O ardúo trabalho de Shaul

“E vós sereis para Mim um reino de sacerdotes e um povo santo! Estas são as pala-
vras que falarás aos filhos de Israel."” (Êx 19:6).
D’us precisava de uma povo consagrado para levar a sua mensagem a um mundo
mergulhado no paganismo, escuridão e idolatria. Ele escolheu os judeus e Se revelou a
eles. Seu plano era que se tornassem uma nação-modelo e, assim, atraíssem outros para
o verdadeiro D’us. O propósito de D’us era que, pela revelação de Seu caráter por meio
de Israel, o mundo fosse atraído a Ele. Mediante o ensino do serviço do Santuário/Tem-
plo, o Mashiach deveria ser exaltado diante das nações, e todos os que olhassem para Ele
viveriam. À medida que os judeus crescessem em número e suas bênçãos aumentassem,
eles deveriam ampliar suas fronteiras até que o reino de Israel envolvesse todo o mundo.

1. Leia Romanos 9:1-12. Qual é o argumento de Shaul sobre a fidelidade do Eterno


diante das falhas humanas?
edição para revisão

A linha de argumentação de Shaul revela que a promessa feita a Israel não tinha fa-
lhado. Existia um remanescente por meio do qual o Eterno ainda pretendia trabalhar. A
fim de validar a ideia do remanescente, Shaul recorreu à história judaica. Ele mostrou
que D’us sempre foi seletivo: (1) o Eterno não escolheu toda a semente de Avraham o
para ser Seu povo da aliança, somente a linhagem de Isaac; (2) Ele não escolheu todos os
descendentes de Isaac, somente os de Yacoov.
É igualmente importante perceber que nem herança nacional nem descendência ga-
rantem a salvação. Você pode ser do “sangue certo”, da família certa, até mesmo da kehi-
lá certa, e ainda assim estar perdido, “fora” da promessa. É a fidelidade que atua pelo
amor que revela quem são os “filhos da promessa (b'nei HaHavtachah)” (Rm 9:8).

“Nem todos os de Israel são, são verdadeiramente parte de Israel” (Rm 9:6). O que esse
texto nos diz hoje?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 1ª Alyá (Dt 21:10-21:21)


Leitura mensal Tehilim Sl 29-34
Leitura RPSP Jr 33
Leitura anual completa Ef 4–6

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 79


Segunda 4 de dezembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 16 Kislev

Escolhidos

“J á fora dito a ela [Rivkah]: O mais velho será servo do mais moço. Como está
escrito: Amei Yaakov porém rejeitei a Esav” (Rm 9:12, 13).
Conforme afirmamos na introdução desta semana, é impossível entender corre-
tamente Romanos 9 até que se reconheça que Shaul não estava falando da redenção
individual, mas sim de funções específicas às quais o Eterno estava chamando cer-
tos indivíduos a desempenhar. O Eterno desejava que Yaakov fosse o progenitor do
povo que seria Sua luz especial no mundo. Nada sugere, nessa passagem, que Esav
não pudesse ser redimido. O Eterno queria que ele fosse redimido tanto quanto
deseja a qualquer outra pessoa. Pv 16;16

2. Leia Romanos 9:14, 15. Como entendemos essas palavras no contexto do que te-
mos estudado?

Novamente, Shaul não estava se referindo à redenção individual, pois nessa

edição para revisão


área D’us estende Sua misericórdia a todos, pois Ele “Ele deseja que toda a humani-
dade seja libertada e chegue ao pleno conhecimento da verdade” (1Tm 2:4). “Porque
a graça de D’us, que traz libertação, apareceu a todos os povos.” (Tt 2:11). Mas D’us
pode escolher nações para desempenhar funções, e embora elas possam se recusar
a desempenhar essas funções, não podem impedir a escolha de D’us. Por mais que
Esav quisesse, ele não poderia ter se tornado o progenitor do Mashiach nem do
povo escolhido.
No final, Esav não foi excluído da Yeshuah (salvação) por uma escolha arbitrária
do Eterno, nem por algum decreto divino. Os dons de Sua graça (chessed) mediante
o Mashiach são gratuitos a todos.
Todos fomos escolhidos para sermos santos e sem defeito em sua presença, e
não desviados da boa vontade do Eterno (Ef 1:4, 5; 2Pe 1:10). São nossas escolhas,
não as de D’us, que nos afastam da promessa de vida eterna no Mashiach. (Jz 6:24)
Yeshua morreu por todos os seres humanos. No entanto, D’us estabeleceu em Sua
Palavra a condição pela qual cada pessoa será eleita para a vida eterna: a fidelidade
em Yeshua, que leva o pecador justificado à obediência.

Como se ninguém mais existisse, você foi escolhido no Mashiach antes da fundação do
mundo, para ser liberto. Essa é sua vocação e eleição, concedidas pelo Eterno mediante
Yeshua. Por que todas as outras coisas perdem a importância em comparação com essa
promessa?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 2ª Alyá (Dt 21:22-22:7)


Leitura mensal Tehilim Sl 35-38
Leitura RPSP Jr 34
Leitura anual completa Fp

80 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


5 de dezembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 17 Kislev Terça

Mistérios

“P ois os Meus pensamentos não são iguais aos vossos, nem Meus caminhos são os
que trilhais – diz o Eterno. Assim como muito acima da terra estão os céus, Meus
caminhos são mais elevados que os vossos, e Meus pensamentos muito mais profundos
que os vossos.”(Is 55:8, 9).

3. Leia Romanos 9:17-24. Considerando o que temos lido até agora, como devemos
entender o argumento de Shaul nesse texto?

Por Sua maneira de lidar com o Egito na época do Êxodo, o Eterno estava trabalhan-
do em prol da redenção da humanidade. Ao revelar a Si mesmo nas pragas do Egito e na
libertação de Seu povo, o Eterno tinha o propósito de mostrar aos egípcios, bem como
às outras nações, que o D’us de Israel era, de fato, o único e verdadeiro D’us. O objetivo
dessa revelação era fazer com que os povos e as nações abandonassem seus deuses e
adorassem o Eterno.
edição para revisão

Obviamente, Faraó já havia feito sua escolha em oposição a D’us, de modo que, ao
endurecer seu coração, o Eterno não o estava excluindo da oportunidade de redenção.
O “endurecimento” foi contra o apelo de libertar Israel, não contra o apelo de D’us para
que Faraó aceitasse a libertação pessoal. O Mashiach morreu por Faraó assim como por
Moshê, Aharon e os demais filhos de Israel.
A questão fundamental é que, como seres humanos manchados pelo pecado, temos
uma visão muito estreita do mundo, da realidade, de D’us e de como Ele age. Como pode-
mos esperar entender todos os Seus caminhos, quando o mundo natural e tudo ao nosso
redor contêm mistérios que não podemos compreender? Afinal de contas, apenas nos
últimos 171 anos os médicos descobriram que seria uma boa ideia lavar as mãos antes
de realizar uma cirurgia! Veja quanto temos estado imersos na ignorância. E se o tempo
permitir, quem sabe quais coisas descobriremos no futuro, revelando assim que muitas
informações e verdades ainda estão longe do nosso alcance?

Nem sempre entendemos os caminhos do Eterno, mas o Mashiach veio para nos revelar
o caráter de D’us (Jo 14:9). Por que é essencial pensar no caráter de Yeshua e no que Ele
revelou sobre D’us e Seu amor por nós? Conhecer o caráter do Eterno nos ajuda a perma-
necer fiéis em meio às provações e injustiças?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 3ª Alyá (Dt 22:8-23:7)


Leitura mensal Tehilim Sl 39-43
Leitura RPSP Jr 35
Leitura anual completa Cl

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 81


Quarta 6 de dezembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 18 Kislev

Ami (‫) ַע ִמי‬: Meu Povo

E m Romanos 9:25, Shaul citou Hoshea (Oséias) 2:23, e, em Romanos 9:26, ele citou
Hoshea 1:9. O pano de fundo é este: Eterno instruiu Hoshea a tomar “uma mulher pro-
míscua” (Os 1:2) como uma ilustração de Seu relacionamento com Israel, pois a nação ha-
via buscado deuses estranhos. Os filhos que nasceram desse casamento receberam nomes
que significavam a rejeição de D’us e o castigo do Israel idólatra. O terceiro filho foi chama-
do de Lo-amí ‫( לֹא ַע ִמי‬Os 1:9), cujo significado é “Não - Meu povo”.
No entanto, em meio a tudo isso, Hoshea predisse o dia em que, depois de punir Seu
povo, D’us restauraria sua sorte, removeria seus falsos deuses e faria uma aliança com
Israel (veja Os 2:11-19). Então, aqueles que eram Lo-ami, “Não-Meu-Povo”, iriam se tornar
Ami, “Meu Povo”.
Nos dias de Shaul, os “Ami” eram os seguidores de Yeshua, “não só dentre os judeus,
mas também dentre os goyim” (Rm 9:24). Que apresentação clara e poderosa da Bessorá,
o qual, desde o início, destinava-se ao mundo inteiro! Não é de admirar que nós tomemos
parte na anunciação de Revelação 14: “A seguir, vi outro anjo voando pelo céu com as

edição para revisão


boas-novas eternas para serem proclamadas aos que vivem na terra - a cada nação, tribo,
língua e povo.” (Ap 14:6). Hoje, assim como nos dias de Shaul e nos dias do antigo Israel, a
boas novas da Redenção devem ser espalhadas por todo o mundo.

4. Leia Romanos 9:25-29. Observe quanto Shaul citou o Tanach para defender seu
argumento sobre as coisas que estavam acontecendo em seus dias. Qual é a men-
sagem básica encontrada nessa passagem? Qual esperança está sendo oferecida a
seus leitores?

O fato de que alguns compatriotas de Shaul rejeitaram a mensagem das boas novas
trouxe “grande tristeza e incessante dor” ao coração do shaliach. (Rm 9:1,2). Mas pelo me-
nos havia um remanescente. As promessas de D’us não falham e se realizarão mesmo
quando o homem fracassa, e se as reivindicarmos, elas se cumprirão em nós também.

Pessoas já falharam com você? Você já falhou consigo mesmo e com os outros? Provavel-
mente mais vezes do que você pode contar, certo? Quais lições você aprendeu com essas
falhas? Em quem sua confiança suprema deve estar?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 4ª Alyá (Dt 23:8-23:24)


Leitura mensal Tehilim Sl 44-48
Leitura RPSP Jr 36
Leitura anual completa 1Ts

82 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


7 de dezembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 19 Kislev Quinta

Tropeço
5. “Que diremos, então? Os goyim, que não buscavam justiça, a obtiveram, através
da emuná; mas Israel, que buscava uma lei que trouxesse justiça, não a alcançou.
Por que não? Porque não a buscava pela fidelidade” (Rm 9:30-32). Qual é a mensa-
gem nessa passagem? Como aplicar seus princípios hoje? Como evitar os mesmos
erros que muitos judeus naquela época cometeram?

E m palavras que não podem ser mal interpretadas, Shaul explicou aos seus compatrio-
tas porque eles estavam perdendo algo que o Eterno desejava que eles tivessem, e mais
do que isso, algo que realmente buscavam, mas não estavam alcançando.
Curiosamente, os goyim a quem o Eterno tinha aceitado nem sequer estavam se esfor-
çando para obter essa aceitação. Eles estavam buscando seus próprios interesses e objeti-
vos quando a mensagem do Mashiach chegou até eles. Compreendendo seu valor, eles a
aceitaram. O Eterno os declarou justos (tsadikim) porque eles aceitaram o Mashiach como
seu Substituto. Foi uma operação de fidelidade.
edição para revisão

O problema de alguns judeus foi que eles esbarraram na pedra de tropeço (veja Rm
9:33). Alguns, nem todos (veja At 2:41), recusaram-se a aceitar Yeshua como o Messias a
quem D’us tinha enviado. Yeshua não atendia às expectativas que muitos tinham do
Mashiach, portanto, quando Ele veio, viraram as costas para a Ele.
Antes de terminar esse capítulo, Shaul contrapôs a Tanach: “Proclama por isto o Eter-
no: Eis que ponho por fundação, em Tsión, uma pedra, uma pedra que fará as pessoas
tropeçarem, uma rocha que servirá de empecilho. Mas quem depositar sua confiança nela
não será humilhado". (Rm 9:33 citando Is 28:16). Nessa passagem, Shaul mostrou nova-
mente quanto a verdadeira emuná (fé) é fundamental no plano da salvação (veja também
1Pe 2:6-8). Uma rocha de escândalo? E ainda, quem cresse Nele não seria confundido? Sim,
para muitos, Yeshua é uma pedra de tropeço, mas, para aqueles que o conhecem e o amam,
Ele é outra rocha, “a rocha de minha salvação!” (Sl 89:27 [26]).

Você já viu o Mashiach como “pedra de tropeço” ou “rocha de escândalo”? O que o levou
a essa situação? Como você saiu dela? O que aprendeu para que nunca mais se encontre
nessa situação novamente?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 5ª Alyá (Dt 23:25-24:4)


Leitura mensal Tehilim Sl 49-54
Leitura RPSP Jr 37
Leitura anual completa 2 Ts

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 83


Sexta 8 de dezembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 20 Kislev

Estudo adicional

“H á uma eleição de indivíduos e de um povo, a única eleição encontrada na Palavra


de D’us, em que um homem é escolhido para a redenção. Muitos têm olhado para
o fim, pensando terem sido certamente eleitos para a glória celestial; mas não é essa a
eleição que os Escritos Sagrados revelam. O homem é escolhido para operar a sua yeshuah
(salvação) com temor e tremor. É escolhido para usar a armadura, para pelejar a boa pele-
ja da fé. É escolhido para usar os meios que D’us colocou ao seu alcance para lutar contra
toda má inclinação (Yetser Hará), enquanto hasatan executa o jogo da vida por ele. É esco-
lhido para vigiar em Tefilá (oração), para examinar as Escrituras e evitar ceder a provação.
É eleito para ter emuna (fé) continuamente, é eleito para ser obediente a cada palavra que
procede da boca de D’us, para que não seja apenas ouvinte, mas praticante da Palavra.
Essa é a eleição bíblica” (1).
“Embora ‘nuvens e obscuridade [estejam] ao redor Dele; justiça e juízo são a base de
Seu trono’ (Sl 97:2). Podemos compreender Seu trato para conosco a ponto de discernir a

edição para revisão


misericórdia ilimitada unida ao infinito poder. Temos a possibilidade de compreender tan-
to de Seus propósitos quanto somos capazes de alcançar; para além disso podemos ainda
confiar naquela mão onipotente, naquele coração repleto de amor” (2).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 261, 262
The SDA Encyclopedia, p. 530, 531
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 1, p. 1211, 1212

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Muitos ensinam que, mesmo antes de nascermos, D’us escolheu alguns para ser salvos
e outros para se perder. O que há de errado com essa visão??
2 Qual é nossa função perante o Eterno hoje em dia. Quais as semelhanças e as dife-
renças com o povo de D’us no passado? Estamos fazendo melhor ou pior?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 6ª Alyá (Dt 24:5-24:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 55-59
Leitura RPSP Jr 38
Leitura anual completa 1 Tm

84 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

9 de dezembro | ‫ שבת‬Shabat 21 Kislev

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tetsê, 7ª Alyá (Dt 24:14-25:19)


Leitura mensal Tehilim Sl 60-65
Leitura RPSP Jr 39
Leitura anual completa 2Tm
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 38

REFERÊNCIAS LIÇÃO 10

(1)
Ellen G. White, Testemunhos para M.O.E., p. 453, 454
(2)
Ellen G. White, Educação, p. 169
edição para revisão

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 85


Lição 11 10 a 16 de dezembro | 22 a 28 Kislev

Povo escolhido
VERSO PARA MEMORIZAR
"Nesse caso, digo: D’us não repudiou seu povo?" . De jeito nenhum! Porque eu mesmo sou
filho de Yisra'el, da semente de Avraham, da tribo de Binyamin." (Rm 11:1)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 10; 11

Introdução

A lição desta semana abrange Romanos 10 e 11, com um foco especial no capítulo
11. É importante ler os dois capítulos na íntegra a fim de continuar seguindo a

edição para revisão


linha de raciocínio de Shaul.
Esses dois capítulos foram e continuam sendo o ponto central de muitas discus-
sões. Um ponto, no entanto, torna-se evidente em todas elas: O Eterno ama a huma-
nidade e Seu grande desejo é ver todo ser humano salvo. Não há rejeição coletiva
em termos de Redenção. Rm 10 deixa muito claro que “não há diferença entre judeu
e goy” (Rm 10:12): todos são pecadores e todos precisam da graça (chessed) do Eter-
no concedida ao mundo por meio do Mashiach. Essa graça chega a todos pela fideli-
dade ao Mashiach, que morreu como Substituto dos pecadores de todos os lugares.
As funções podem mudar, mas o plano fundamental da redenção jamais mudará.
Shaul continuou com esse tema no capítulo 11. Como foi mencionado anterior-
mente, é importante entender que, quando Shaul falou sobre eleição e vocação, a
questão não era a redenção, mas o plano do Eterno para alcançar o mundo. Com
relação à libertação, nenhum grupo foi rejeitado. Essa nunca foi a questão. Em vez
disso, depois da morde e ressurreição do Mashiach e da introdução das boas novas
aos goyim, especialmente por meio de Shaul, os primeiros crentes em Yeshua como
Messias – judeus e goyim – tomaram para si a responsabilidade de levar as boas
novas ao mundo.

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 10 ‫ מקץ‬MIKETZ [ao fim]: Gn 41.1-44.17


HAFTARÁ: 1Rs 3.15-4.1
BRIT HADASHÁ: At 7.9-16 de forma específica v.11 e 12; 1Co 2.1-5
TEHILIM: Sl 40

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Joseph du Mesnil d'Engente e sua equipe da comunidade judai-
co-adventista de Paris, França.
86 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
10 de dezembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 22 Kislev Domingo

O Mashiach e a Torá
1. Leia Rm 10:1-4. Qual é a mensagem desses versos?

A distorção legalista da guarda da lei pode vir de muitas formas, algumas mais sutis do
que outras. Aqueles que olham, mesmo com as melhores intenções, para si mesmos,
para suas boas ações, dieta, estrita observância do shabat, todas as coisas ruins que não
fazem, ou as coisas boas que já alcançaram, estão caindo na armadilha do legalismo. Em
cada momento da nossa vida, devemos manter diante de nós a Santidade do Eterno em
contraste com nossa pecaminosidade; esse é o meio mais seguro de nos proteger do tipo
de pensamento que leva as pessoas a buscar sua “própria justiça”, contrária à justiça do
Mashiach.
Romanos 10:4 é um texto importante que capta a essência de toda a mensagem de
Shaul aos romanos. Primeiramente, precisamos conhecer o contexto. Muitos estavam
“procurando estabelecer a sua própria [justiça]” (Rm 10:3) e buscando “a justiça decor-
rente da torá” (Rm 10:5). Porém, com a vinda do Mashiach, o verdadeiro caminho da
edição para revisão

justiça foi apresentado. A justiça foi oferecida a todos que fixassem sua confiança no
Mashiach. Yeshua era Aquele para quem as leis dos sacrifícios apontavam.
Mesmo que alguém inclua, nesses versos, os dez mandamentos (Asseret Hadibrot) na
definição da Torá, isso não significa que eles foram eliminados. Asseret Hadibrot mos-
tram nossos pecados, falhas, fraquezas e, assim, leva-nos à nossa necessidade de um goel
(redentor), de perdão, de justiça (sendo todas essas coisas encontradas somente em no
Mashiach). Nesse sentido, Yeshua é o objetivo da Torá, no sentido de que ela nos leva a
Ele e à Sua justiça. A palavra para “objetivo” aqui é telos (τελος), que também pode ser
traduzida como “meta” ou “propósito”. O Mashiach é o propósito final da Torá, no senti-
do de que ela deve nos levar a Yeshua.
Entender que esse texto ensina que os mandamentos, tornaram-se inválidos, é tirar
uma conclusão contrária a grande parte daquilo que Shaul e a Brit Hadashá ensinam.

Como nossa justiça pode ser classificada comparada com a do Mashiach? Somos realmente
justos?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 1ª Alyá (Dt 26:1-26:11)


Leitura mensal Tehilim Sl 66-68
Leitura RPSP Jr 40
Leitura anual completa Tito

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 87


Segunda 11 de dezembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 23 Kislev

A escolha da graça (chessed)

A ordem para que os gálatas permanecessem firmes na liberdade não foi dada
isoladamente. Um fato importante a precede: "O Mashiach nos libertou". Por
que eles deviam ficar firmes em sua liberdade? Porque Yeshua os havia libertado.
Em outras palavras, nossa liberdade é o resultado do que o Mashiach fez por nós.

2. Leia Rm 11:1-7. Qual ensino comum essa passagem nega de maneira clara e irre-
vogável?

Na primeira parte de sua resposta à pergunta: “D’us não repudiou


seu povo?”, Shaul mostrou que há um remanescente, uma escolha da graça como
prova de que o Eterno não tinha rejeitado Seu povo. A redenção está disponível a
todos os que a aceitam, tanto judeus quanto goyim.
Devemos lembrar que os primeiros que aceitaram Yeshua como Mashiach eram
todos judeus (por exemplo, o grupo de quase três mil pessoas em Shavuot). Foi pre-

edição para revisão


ciso uma visão especial e um milagre para convencer Kefa de que os goyim tinham
igual acesso à graça do Eterno (At 10; compare com At 15:7-9) e de que as boas novas
também deveriam ser levadas a eles.

3. Leia Rm 11:7-10. Será que Shaul estava dizendo que o Eterno propositadamente
cegou os judeus que haviam rejeitado Yeshua para que eles não enxergassem a re-
denção? O que há de errado com essa ideia?

Em Rm 11:8-10, Shaul citou o Tanach. As passagens que Shaul usou retratam


D’us dando a Israel um espírito de entorpecimento, impedindo-o de ver e ouvir.
Será que o Eterno cega os olhos das pessoas para impedi-las de ver a luz que as le-
varia à redenção? Jamais! Essas passagens devem ser compreendidas à luz da expli-
cação de Rm 9. Shaul não estava falando da redenção individual, pois, em relação à
redenção, D’us não rejeita nenhum grupo de pessoas. Assim como tem sido o tempo
todo, a questão aqui trata da função que essas pessoas desempenham em Sua causa.

O que há de errado com a ideia de que o Eterno rejeita grupos de pessoas em termos de re-
denção? Por que isso vai contra o ensino da Bessorá, que em seu cerne mostra que o Mashia-
ch morreu para libertar todos os seres humanos? No caso dos judeus, como essa ideia levou
a resultados trágicos?

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 2ª Alyá (Dt 26:12-26:15)


Leitura mensal Tehilim Sl 69-71
Leitura RPSP Jr 41
Leitura anual completa Filemon

88 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


12 de dezembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 24 Kislev Terça

O ramo natural
4. Leia Rm 11:11-15. Qual é a grande esperança apresentada por Shaul nesse texto?

N essa passagem, encontramos duas expressões paralelas a respeito dos judeus: (1)
“a sua plenitude” (Rm 11:12) e (2) “a sua aceitação” (Rm 11:15). Shaul concebeu a
decadência e a rejeição de Israel como sendo apenas temporárias; elas seriam seguidas
pela plenitude e aceitação. Essa é a segunda resposta de Shaul à pergunta feita no início
desse capítulo: “Terá D’us, porventura, rejeitado o Seu povo”? O que parecia ser uma
rejeição, disse ele, era apenas uma situação temporária.

5. Leia Rm 11:16-24. Qual é a mensagem de Shaul nesse texto?

Shaul comparou o remanescente fiel de Israel (Mq 4:7) a uma oliveira nobre, cujos
ramos “incrédulos” foram quebrados – uma ilustração que ele usou para provar que
“D’us não repudiou seu povo” (Rm 11:2). A raiz e o tronco permaneceram.
Os goyim que reconheceram Yeshua como Mashiach foram enxertados nessa ár-
edição para revisão

vore. Contudo, eles estavam extraindo sua seiva e vitalidade da raiz e do tronco, que
representavam, por sua vez, os judeus.
O que ocorreu com os judeus que rejeitaram Yeshua como o Mashiach também po-
deria ocorrer com os goyim. A Palavra de D’us não ensina nenhuma doutrina em que
alguém “uma vez salvo” está para “sempre salvo”. Assim como a redenção é livremente
oferecida, ela pode ser livremente rejeitada. Embora devamos ter cuidado para não
pensar que cada vez que caímos perdemos a redenção, ou que não somos salvos a me-
nos que sejamos perfeitos, precisamos também evitar o oposto: a ideia de que, uma vez
que a graça do Eterno nos cobre, nenhum ato nosso nem qualquer escolha que façamos
tirará de nós a Redenção (gueulá). No final, somente aqueles que permanecerem em
Sua bondade (Rm 11:22) serão salvos.
Ninguém deve se vangloriar de sua própria bondade nem se sentir superior aos
seus semelhantes. Nossa redenção não foi obtida por merecimento; foi um presente.
Diante do sacrifício do Mashiach e do padrão de santidade do Eterno, somos todos
iguais: pecadores que necessitam da chessed (graça) divina e de sermos kedoshim (san-
tos) que só pode ser nossa por meio do Ruach Hakodesh. Não há nada em nós do que
nos vangloriar; devemos nos gloriar somente em Yeshua e no que Ele fez por nós, ao
vir a este mundo em natureza humana, sofrer nossas aflições, morrer pelos nossos
pecados, dar-nos o exemplo de como viver e nos prometer o poder para viver à Sua
maneira. Somos completamente dependentes Dele em tudo, pois sem Ele não teríamos
nenhuma esperança além do que o Olam Hazê oferece.

VÉSPERA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO
Ki Tavô, 3ª Alyá (Dt 26:16-26:19)
Leitura mensal Tehilim Sl 72-76
Leitura RPSP Jr 42
Leitura anual completa Hb 1–3

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 89


Quarta 13 de dezembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 25 Kislev

Todo o Israel será salvo


6. Leia Rm 11:25-27. Quais acontecimentos importantes Shaul previu nessa passa-
gem?

H á séculos, muitos têm discutido e debatido sobre Rm 11:25-27. Alguns pontos, entre-
tanto, são claros. Para começar, todo o conteúdo desses versos trata da ação divina
para alcançá-los. O que Shaul estava dizendo é uma resposta à pergunta feita no início
do capítulo: “Terá D’us, porventura, rejeitado o Seu povo”? Sua resposta, obviamente, foi
não. Ele explicou que (1) a cegueira (do grego porosis πωρωσις, cujo significado pode ser
“endurecimento”) foi apenas “em parte” e (2) temporária, “até que chegasse a plenitude
dos goyim” (Rm 11:25).
O que significa “a plenitude dos goyim”? Muitos entendem essa expressão como uma
forma de representar o cumprimento da comissão da Bessorá, na qual todo o mundo ou-
virá sobre as boas novas sobre o Mashiach. “A plenitude dos goyim” chegará quando a
mensagem for levada em toda parte. A fé de Israel, manifestada no Mashiach, será univer-

edição para revisão


salizada. A mensagem terá sido levada a todo o mundo. A vinda do Mashiach está próxima.
Nesse momento, então, muitos judeus começarão a reconhecer Yeshua como o Messias
prometido.
Outro assunto difícil é o significado da expressão “todo o Israel será salvo” (Rm 11:26).
Isso não deve ser interpretado no sentido de que todo judeu, por algum decreto divino,
terá a redenção no tempo do fim. As Escrituras não afirmam em nenhuma parte o uni-
versalismo, seja para toda humanidade, seja para determinado segmento. Shaul esperava
salvar “alguns deles” (Rm 11:14). Assim como ocorre em todos os grupos de pessoas, alguns
aceitaram o Mashiach, outros O rejeitaram.
Comentando sobre Romanos 11, a Escritora Ellen G. White falou de um tempo “na
proclamação final das Boas Novas” em que “muitos judeus […] receberão o Mashiach pela
fé como seu Redentor” (1).
“Há uma poderosa obra a ser feita no mundo. O Eterno declarou que os goyim serão
recolhidos, e não somente os goyim, mas os judeus. Há entre os judeus muitos que se vol-
tarão ao Mashiach e por meio de quem veremos a redenção do Eterno sair como lâmpada
ardente. Há judeus por toda parte, e a eles deve ser levada a luz da verdade presente. Há
entre eles muitos que virão para a luz e que proclamarão a imutabilidade da Torá do Eter-
no com admirável poder” (2).

Como nossas raízes, costumes e tradições judaicas nos ajudam a entender melhor nossos
princípios de fé?

1º DIA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 4ª Alyá (Dt 27:1-27:10)


Leitura mensal Tehilim Sl 77-78
Leitura RPSP Jr 43
Leitura anual completa Hb 4–6

90 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


14 de dezembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 26 Kislev Quinta

A redenção dos pecadores

O amor de Shaul por seu povo fica claramente evidente em Rm 11:25-27. Deve ter sido
muito difícil para ele se opor a alguns de seus próprios compatriotas e vê-los lutar
contra a verdade da Bessorá. No entanto, em meio a tudo isso, ele ainda acreditava que
muitos reconheceriam Yeshua como o Messias.

7. Leia Rm 11:28-36. De que maneira Shaul mostrou o amor do Eterno, não apenas
pelos judeus, mas por toda a humanidade? Como ele expressou o poder maravilhoso
e misterioso do perdão do Eterno?

Ao longo de Rm 11:28-36, embora seja apresentado um contraste entre judeus e goyim,


um ponto fica claro: a misericórdia, o amor e a graça do Eterno são derramados sobre os
pecadores. Desde antes da fundação do mundo, o plano do Eterno era salvar a humanida-
de e usar outros seres humanos e nações como instrumentos em Suas mãos para cumprir
Sua vontade.
edição para revisão

8. Leia Rm 11:31 com atenção e oração. Qual ponto importante devemos extrair des-
se texto sobre nosso testemunho, não apenas nós, mas para todas as pessoas com
quem entramos em contato?

Ao longo dos séculos, se a igreja cristã tivessem tratado melhor os judeus, muitos mais
poderiam ter aceitado Yeshua como Mashiach. A grande apostasia nos primeiros séculos
depois de Yeshua e a idolatria extrema do cristianismo, inclusive a rejeição do Shabat em
favor do domingo – certamente não tornaram mais fácil a situação para que os judeus
fossem atraídos para Yeshua.
Portanto, é fundamental que todos os crentes em Yeshua como Mashiach, percebendo
a misericórdia que lhes foi dada, demonstrem essa misericórdia para com outros. Não po-
demos crer no Mashiach sem essa manifestação de compaixão (veja Mt 18:23-36).

Você precisa demonstrar misericórdia a alguém que não merece? Mostre misericórdia
a essa pessoa, não importa quanto isso seja difícil. Afinal de contas, não foi isso que o
Mashiach fez por nós?

2º DIA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 5ª Alyá (Dt 27:11-28:6)


Leitura mensal Tehilim Sl 79-82
Leitura RPSP Jr 44
Leitura anual completa Hb 7–9

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 91


Sexta 15 de dezembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 27 Kislev

Estudo adicional

“N ão obstante a falha de Israel como nação, havia entre eles um considerável rema-
nescente em condições de ser salvo. No tempo do advento do Mashiach, houve
homens e mulheres fiéis que receberam com alegria a mensagem de Yochanan Hamatvil
(João Batista), e foram assim levados a estudar de novo as profecias referentes ao Messias.
Quando a comunidade dos crentes em Yeshua foi fundada, ela era composta desses fiéis
judeus que reconheceram Yeshua como Aquele cujo advento haviam almejado” (3).
“Há entre os judeus alguns que, como Shaul, são poderosos nas Escrituras, e esses pro-
clamarão com maravilhoso poder a imutabilidade da Torá de D’us […]. Quando Seus servos
trabalharem com fidelidade pelos que há muito têm sido negligenciados e desprezados,
Sua redenção será revelada” (4).
“Ao serem a Bíblia Hebraica combinada com os Escritos da Brit Hadashá numa ex-
planação do eterno propósito do D’us, isso será para muitos como o raiar de uma nova
criação, a ressurreição da esperança. Ao verem o Mashiach da dispensação das boas novas

edição para revisão


retratado nas páginas do Tanach, e perceberem quão claramente a B’rit Hadashá explica
os escritos, suas adormecidas faculdades despertarão e eles reconhecerão Yeshua como o
Redentor do mundo. Muitos receberão o Mashiach pela fé como seu Redentor” (5).

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, 77-79, 112-114 e 474, 475;
Ellen G. White, Evangelismo, p.573-577;
Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v.1, p.155,156.

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Visto que a Torá do Eterno será enfatizada nos últimos dias, não é razoável pensar que
os judeus desempenharão uma função em ajudar a esclarecer algumas questões diante
do mundo?
2 O que podemos aprender com os erros de muitas pessoas do passado? Como pode-
mos evitar essas mesmas coisas hoje?

3º DIA DE CHANUCÁ

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 6ª Alyá (Dt 28:7-28:69)


Leitura mensal Tehilim Sl 83-87
Leitura RPSP Jr 45
Leitura anual completa Hb 10, 11

92 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


Shabat

16 de dezembro | ‫ שבת‬Shabat 28 Kislev

4º DIA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO

Ki Tavô, 7ª Alyá (Dt 29:1-29:8)


Leitura mensal Tehilim Sl 88-89
Leitura RPSP Jr 46
Leitura anual completa Hb 12, 13
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 39

REFERÊNCIAS LIÇÃO 11

(1)
Ellen G. White - Atos dos Apóstolos, p. 381 (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, Evangelismo, p. 578, (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 376, 377 (contextualizado)
(4)
ibid., p. 381 (contextualizado)
(5)
ibid., p. 381 (contextualizado)
edição para revisão

COSTUMES DESTA SEMANA

CHANUCÁ (Festa da dedicação)


Milagre de Chanucá (139 AEC)
Em 25 de Kislev do ano 3622 da Criação, os Macabeus liberaram o Templo Sagrado em
Jerusalém, após derrotarem os exércitos vastos e mais numerosos do rei greco-sírio An-
tiochus IV, que tinha tentado desenraizar à força as crenças e práticas do Judaísmo do
povo de Israel. Os vitoriosos judeus consertaram, purificaram e reconsagraram o Templo
ao serviço de D'us. Porém todo o azeite do Templo tinha sido profanado pelos invasores
pagãos; quando os judeus quiseram acender a menorá do Templo, encontraram apenas
uma pequena ânfora de azeite de oliva ritualmente puro. Milagrosamente, o estoque para
um dia ardeu durante oito, até que novo azeite puro pudesse ser obtido. Em comemora-
ção, os Sábios instituíram a Festa de Chanucá, com oito dias, na qual as luzes são acesas
toda noite para relembrar e tornar público o milagre.

"Foi numa dessas ocasiões (na Festa de Chanucá) que nós vemos a experiência de Yeshua
no Templo, quando alguém lhe perguntou se ele era o Mashiach. Se, naquela época, ti-
vessem visto que Yeshua estava pronto para derramar o óleo da sua graça em suas al-
mas (da mesma maneira que acreditavam que o milagre do óleo foi dado, com o qual a
alimentou a menorá no Templo) o teriam recebido como o Ungido (HaMashiach), a quem
D'us ungiu com o Seu santo óleo, que por sua vez O teria ungido com o Ruach HaKodesh
e com poder." (F .C. Gilbert, 1902, Practical Lessons from the Experience Israel. pag. 276
versão livre)

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 93


Lição 12 17 a 23 de dezembro | 29 Kislev a 5 Tevet

Vencendo o mal com o bem


VERSO PARA MEMORIZAR
"Em outras palavras, não se deixem conformar aos padrões do 'olam hazeh’. Em vez
disso, continuem se transformando mediante a renovação de sua mente, para que
saibam o que D’us deseja, e todos concordarão que seu desejo é bom, satisfatório e fadado
ao êxito." (Rm 12:2)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 12; 13

Introdução

P or mais que Shaul estivesse buscando livrar os romanos de suas falsas noções
das leis da Torá, ele também convocou os goyim a um alto padrão de obediência

edição para revisão


como resultado de uma mudança interior no coração e na mente, uma transfor-
mação que ocorre somente por meio da atuação do poder de D’us em uma pessoa
submissa a Ele.
Nada sugere no livro de Romanos que essa obediência ocorra automaticamente.
O justo precisa ser esclarecido quanto às exigências e deve desejar obedecê-las; e,
finalmente, deve buscar o poder sem o qual essa obediência é impossível.
Isso significa que as ações fazem parte da fidelidade. Shaul jamais quis depre-
ciar as ações; nos capítulos 13 a 15 ele deu a elas uma forte ênfase. Esse fato não
nega o que ele tinha dito anteriormente sobre a justiça pela emuná (fé). Pelo contrá-
rio, as ações são a verdadeira expressão do que significa viver pela fidelidade. Seria
possível até defender que, por causa da revelação acrescentada após a vinda do
Mashiach, os requisitos da Brit Hadashá são mais difíceis do que aqueles exigidos
no Tanach. Os crentes receberam um exemplo de comportamento moral perfeito
em Yeshua haMashiach. Ele é o único que mostra o padrão que devemos seguir.
“Que a atitude de vocês para com os outros seja governada pela união ao Mes-
sias Yeshua: Seja a atitude de vocês a mesma de Yeshua haMashiach”. (Fp 2:5).
Ele é o nosso mais alto padrão!

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 11 ‫ ויגש‬VAYIGASH [e se aproximou]: Gn 44.18-47.27


HAFTARÁ: Ez 37.15-28
BRIT HADASHÁ: At 7. 9-16 de forma específica v. 13 a 15; Lc 6.9-16
TEHILIM: Sl 48

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Rogel Tavares líder da comunidade judaico-adventista de São
Paulo, Brasil.
94 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
17 de dezembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 29 Kislev Domingo

Adoração racional

A parte sobre princípios de fé do livro de Romanos termina no capítulo 11. Os capítu-


los 12 a 16 apresentam instruções práticas e notas pessoais. No entanto, esses capí-
tulos finais são extremamente importantes porque mostram como devemos viver nossa
fé. Em primeiro lugar, a emuná (fé) não substitui a obediência, como se ela anulasse, de
alguma forma, nossa obrigação de obedecer ao Eterno. A Torá ainda está em vigor. Ela é
explanada e até ampliada na Brit Hadashá. Também não é dado nenhum indício de que
seja fácil regular a vida pelas mitzvot. Pelo contrário, somos informados de que, às vezes,
pode ser difícil, pois a batalha contra o eu e o pecado é sempre dura (1Pe 4:1). A nós é pro-
metido o poder divino e dada a garantia de que a vitória é possível, mas ainda estamos
no mundo com hasatan e teremos que travar muitas batalhas contra a provação. A boa
notícia é que, se caímos e tropeçamos, não somos rejeitados, mas temos um Kohen Gadol
(Sumo Sacerdote) que intercede em nosso favor (Hb 7:25).

1. De acordo com Rm 12:1, como devemos viver? De que maneira Rm 12:2 se encaixa
edição para revisão

nisso?

Em Romanos (12:1), Shaul fez uma alusão aos sacrifícios descritos na Torá. Assim
como na época do Templo os animais eram sacrificados a D’us, os crentes agora simboli-
camente deveriam entregar seu corpo ao Eterno, não para ser mortos, mas como sacrifí-
cio vivo dedicado ao Seu serviço.
Nos dias do antigo Israel, toda oferta levada como sacrifício era examinada cuidado-
samente. Se fosse descoberto algum defeito no animal, ele era recusado, pois o Eterno
havia ordenado que a oferta fosse sem defeito. Portanto, somos ordenados a apresentar
nosso corpo “por sacrifício vivo, santo e agradável a D’us” (Rm 12:1). Para fazer isso, to-
das as nossas faculdades devem ser preservadas na melhor condição possível. Embora
todos tenhamos defeitos, o ponto é que devemos buscar viver de modo tão puro e fiel
quanto pudermos.

“‘Continuem se transformando mediante a renovação de sua mente’ (Rm 12:2). Dessa ma-
neira Shaul descreveu o progresso religioso. A vida religiosa não significa ficar parado, mas
passar do que é bom para o que é melhor” (1). O que significa passar do que é bom para o que
é melhor?

5º DIA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 1ª Alyá (Deuteronômio 29:9-29:28)


Leitura mensal Tehilim Sl 90-96
Leitura RPSP Jr 47
Leitura anual completa Tg

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 95


Segunda 18 de dezembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 30 Kislev

Pensar com moderação

N este trimestre, falamos muito sobre a perpetuidade da Torá e enfatizamos re-


petidas vezes que a mensagem de Shaul no livro de Romanos não ensina que
a Torá, os Dez Mandamentos (asseret hadribot), foram eliminados ou, de alguma
forma, anulados pela emuná (fé).
No entanto, é muito fácil ficarmos presos na letra da lei e esquecermos o espírito
por trás dela, que é o amor a D’us e amor uns pelos outros. Embora qualquer um
possa professar amor, revelá-lo na vida cotidiana pode ser uma questão completa-
mente diferente.

2. De acordo com Romanos 12:3-21, como devemos revelar amor pelos outros?

Assim como em 1 Co 12 e 13, Shaul exaltou o amor depois de tratar dos dons do
Espírito. Amor (ahavá – ‫ה ָב ה‬
ֲ ‫( ַא‬a)) é o caminho mais excelente. “D’us é amor” (1Jo 4:8).
Portanto, o amor descreve o caráter do Eterno. Amar é agir com os outros como D’us

edição para revisão


age e tratá-los como Ele os trata.
Shaul demonstrou nesses versos como esse amor deve ser expressado na prá-
tica. Um importante princípio revelado é o da humildade pessoal: a disposição de
não pensar de si mesmo além do que convém (Rm 12:3), de preferir “dar honra aos
outros mais do que a si” mesmo (Rm 12:10), e de não ser sábio “aos seus próprios
olhos” (Rm 12:16). As palavras do Mashiach sobre Si mesmo: “Tomem sobre vocês
meu jugo e aprendam de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mt 11:29),
captam a essência da humildade pessoal.
Deveriamos ser as pessoas mais humildes. Afinal de contas, observe como so-
mos impotentes e caídos. Note como somos dependentes não somente de uma jus-
tiça fora de nós para que sejamos libertos, mas também de um poder atuando em
nós a fim de nos transformar de uma forma que jamais poderíamos fazer por nós
mesmos. Temos algo de que nos gabar? O que temos para nos vangloriar ou nos or-
gulhar? Absolutamente nada. Partindo dessa humildade pessoal (não apenas dian-
te do Eterno, mas também dos outros), devemos viver como Shaul nos admoestou
nesses versículos.

Leia Romanos 12:18. Você tem aplicado essa admoestação em sua vida? Precisa ajustar algu-
mas atitudes para fazer o que a Palavra nos manda?

(a) Ágape - αγάπη

6º DIA DE CHANUCÁ - ROSH CHODESH TEVET

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 2ª Alyá (Deuteronômio 30:1-30:6)


Leitura mensal Tehilim Sl 97-103
Leitura RPSP Jr 48
Leitura anual completa 1 Pe

96 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


19 de dezembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 1 Tevet Terça

Relacionamento com o Estado


3. Leia Romanos 13:1-7. Como devemos nos relacionar com o poder civil do governo?

O que torna as palavras de Shaul tão interessantes é que ele escreveu durante um
tempo em que um império pagão governava o mundo. Esse império era extrema-
mente cruel, corrompido em sua essência e sem conhecimento sobre o verdadeiro D’us.
Além disso, em poucos anos, ele iniciaria uma perseguição maciça contra aqueles que
desejassem adorar o Eterno D’us. Na verdade, Shaul foi morto por esse governo! No en-
tanto, apesar de tudo isso, seria possível que o Shaliach estivesse defendendo que eles
fossem bons cidadãos, mesmo sob a autoridade de um governo como aquele?
Sim, porque a ideia de governo é encontrada em toda a Escritura. O conceito, o
princípio de governo, foi ordenado pelo Eterno. O ser humano precisa viver em uma
comunidade com regras, regulamentos e padrões. A anarquia não é um conceito bíbli-
co.
Isso não significa que D’us aprova todas as formas de governo ou a maneira pela
edição para revisão

qual todos os governos são administrados. Pelo contrário, não é preciso ir muito longe,
nem na história nem no mundo de hoje, para ver alguns regimes brutais. Contudo,
mesmo em situações como essas, devemos, tanto quanto possível, obedecer às leis da
nação. Devemos apoiar lealmente o governo, desde que suas reivindicações não en-
trem em conflito com as reivindicações de D’us. Antes de tomar um caminho que nos
ponha em conflito com os poderes existentes, devemos considerar com oração e cuida-
do, levando em conta o conselho dos outros. Sabemos pelas profecias que um dia todos
os seguidores fiéis de D’us serão confrontados com os poderes políticos que dominam
o mundo (Ap 13). Até lá, devemos fazer tudo o que pudermos, diante de D’us, para ser
bons cidadãos em qualquer país em que vivamos.
“Cumpre-nos reconhecer o governo humano como uma instituição designada por
D’us, e ensinar obediência a ele como dever sagrado, dentro de sua legítima esfera.
Mas, quando suas exigências se chocam com as reivindicações do Eterno, temos que
obedecer a D’us de preferência aos homens. […]”.
“Não se exige que desafiemos as autoridades. Nossas palavras, quer faladas quer
escritas, devem ser cuidadosamente consideradas, para que não sejamos tidos em con-
ta como proferindo coisas que nos façam parecer contrários à lei e à ordem. Não de-
vemos dizer nem fazer coisa alguma que nos venha desnecessariamente impedir o
caminho” (2).

7º DIA DE CHANUCÁ - ROSH CHODESH TEVET

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 3ª Alyá (Deuteronômio 30:7-30:14)


Leitura mensal Tehilim Sl 104-105
Leitura RPSP Jr 49
Leitura anual completa 2 Pe

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 97


Quarta 20 de dezembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 2 Tevet

Amar uns aos outros


4. Leia Romanos 13:8. Como devemos entender esse texto? Se amamos, somos dis-
pensados da obediência à Torá de D’us?

A ssim como Yeshua fez na Derashá (Sermão) do Monte, Shaul ampliou os preceitos
da Torá, mostrando que o amor deve ser a força motivadora por trás de tudo que
fazemos. Visto que a Torá é uma transcrição do caráter do Eterno, e D’us é amor, amar,
portanto, é cumprir a Torá. Contudo, Shaul não estava substituindo os preceitos precisa-
mente detalhados da Torá por um padrão vago de amor, como afirmam alguns. A Torá
ainda é válida, pois é ela que revela o pecado – e quem vai negar a realidade do pecado?
No entanto, a Torá realmente só pode ser obedecida no contexto do amor. 5. Leia Romanos
13:9, 10. Quais mandamentos Shaul citou para ilustrar o princípio do amor na observância
da Torá? Por que esses em particular?
Curiosamente, o amor não era um princípio recém-introduzido. Ao citar Vaikrá (Lv)
19:18, Veahavtá Lereacha Kamocha ‫ֹך‬ ָ ‫ֲך כָּמו‬
ָ ‫ְא ַה ְב ָת ְלֵר ע‬
ָ ‫(ו‬a), Shaul mostrou que o princípio era

edição para revisão


parte integrante do sistema de leis dada por D’us. Novamente, Shaul recorreu ao Tanach
para apoiar sua mensagem. A partir do que Shaul ensinou nesses versos, alguns argumen-
tam que apenas as mitzvot mencionadas ali estão em vigor. Em caso afirmativo, isso signi-
fica que não é mais necessário cumprir mitzvot como de honrar os pais, não adorar ídolos,
não ter outros deuses diante do Eterno!? Claro que não!
Observe o contexto desses versos. Shaul estava tratando da maneira como nos rela-
cionamos com os outros; por isso ele especificou as mitzvot centradas nesses relaciona-
mentos. Seu argumento certamente não deve ser interpretado como se o restante da Torá
tivesse sido anulado (veja At 15:20; 1Ts 1:9; 1Jo 5:21). Além do mais, como destacam os
escritores da Brit Hadashá, ao mostrar amor para com os outros, mostramos nosso amor
para com D’us (Mt 25:40; 1Jo 4:20, 21).

Seu relacionamento com HaShem é refletido em seu relacionamento com os outros? O


amor é importante nesse contexto? Como amar os outros como HaShem o ama? O que o
impede de amar?

(a)
"E amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Lv 19:18)

8º DIA DE CHANUCÁ

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 4ª Alyá (Deuteronômio 30:15-31:6)


Leitura mensal Tehilim Sl 106-107
Leitura RPSP Jr 50
Leitura anual completa 1 Jo

98 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


21 de dezembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 3 Tevet Quinta

Nossa libertação está mais próxima

“A lém de tudo isso, vocês sabem em que ponto da história estamos; por isso, já é tempo
de vocês serem despertados do sono; pois a libertação está mais próxima do que
quando começamos a crer.” (Rm 13:11).
Como afirmamos durante todo o trimestre, na carta aos romanos Shaul tinha um
foco muito específico, que era esclarecer para a kehilá de Roma, especialmente os judeus
crentes daquela cidade, a função da fidelidade e das ações no contexto da nova aliança. A
questão era a yeshuah (salvação) e como um pecador é considerado justo (tsadik) e santo
(kadosh) diante do Eterno. A fim de ajudar aqueles que tinham enfatizado a Torá, Shaul
colocou a Torá em sua devida função e contexto. Em seu ideal, o judaísmo sempre foi uma
religião de graça mesmo nos tempos antigos. A ideia de ser salvo por cumprir mitzvot
surgiu com o tempo e causou muito prejuízo. Precisamos ser cuidadosos para que não
cometamos o mesmo erro hoje.

6. Leia Romanos 13:11-14. De qual evento Shaul estava falando nessa passagem?
edição para revisão

Como deveríamos agir na expectativa desse evento?

É fascinante que Shaul estivesse falando com a comunidade, dizendo-lhes que desper-
tassem e se preparassem porque em breve o Mashiach iria voltar. Não importa o fato de
que isso tenha sido escrito há quase dois mil anos. Devemos sempre viver com a expec-
tativa da proximidade da vinda do Mashiach. Até onde sabemos e até onde vão nossas
experiências pessoais, a segunda vinda de Yeshua está tão próxima quanto estamos da
nossa morte. Se morrermos na próxima semana ou daqui a 40 anos; se dormirmos o sono
da morte por apenas quatro dias ou por 400 anos, isso não fará diferença para nós. No
segundo seguinte veremos o Mashiach voltar. Visto que a possibilidade da morte está sem-
pre diante de nós, o tempo é realmente curto, e nossa salvação está mais próxima do que
quando, no princípio, cremos.
Embora Shaul não tenha tratado muito da segunda vinda do Mashiach na carta aos
romanos, ele a abordou com muito mais detalhes nas cartas aos tessalonicenses e aos co-
ríntios. A vinda do Mashiach é um tema fundamental na Bíblia, especialmente nos Escritos
da Brit Hadashá. Sem ela e a esperança que oferece, nossa fé realmente não teria sentido.
Afinal, o que significa “justificação pela fidelidade” sem a segunda vinda do Mashiach, que
nos permitirá desfrutar completamente daquela verdade maravilhosa?

Se você soubesse que o Mashiach viria no próximo mês, o que mudaria em sua vida? Por
quê? Se acredita que precisa mudar essas coisas um mês antes da volta de Yeshua, por
que não mudar agora? Qual é a diferença?

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 5ª Alyá (Deuteronômio 31:7-31:13)


Leitura mensal Tehilim Sl 108-112
Leitura RPSP Jr 51
Leitura anual completa 2Jo, 3Jo, Jd

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 99


Sexta 22 de dezembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 4 Tevet

Estudo adicional

“N a Bíblia, está revelada a vontade do Eterno. As verdades da Palavra de D’us são


proferidas pelo Altíssimo. Aquele que faz dessas verdades parte de sua vida, tor-
na-se em todo sentido uma nova criatura. Ele não recebe novas faculdades mentais, mas é
removida a escuridão que pela ignorância e o pecado nublava a compreensão. As palavras:
“vos darei um coração novo” significam “porei dentro de vós um espírito novo” (Ez 36:26).
A mudança de coração é sempre seguida pela visão clara do nosso dever e uma compreen-
são da verdade. Aquele que dá às Escrituras atenção cuidadosa e acompanhada de oração,
alcançará compreensão nítida e julgamento seguro, como se ao voltar-se para o Eterno
haja alcançado nível mais elevado de inteligência” (3).
“O Mashiach […] virá logo, e devemos estar prontos e aguardando Seu aparecimento.
Quão glorioso será vê-Lo e receber as boas-vindas como remidos Seus! Por muito tempo
temos esperado; mas nossa esperança não deve diminuir. Se tão somente pudermos ver o
Rei em Sua formosura, seremos para sempre benditos. Tenho a sensação de que devesse

edição para revisão


exclamar alto: ‘Rumo ao lar’! Estamos nos aproximando do tempo em que o Mashiach virá
com poder e grande glória para levar ao lar eterno os Seus resgatados” (4).

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 O fato de que devemos ser bons cidadãos e bons religiosos pode se tornar uma questão
complicada. Se alguém lhe pedisse conselhos sobre uma prática ilegal, mas a defendes-
se como sendo a vontade de HaShem, o que você diria a essa pessoa? Quais princípios
você deve seguir com a máxima seriedade e oração?
2 O que é mais difícil de fazer: obedecer estritamente à letra da lei ou amar ao Eterno e os
outros incondicionalmente? Essa questão apresenta uma falsa dicotomia? Por quê?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 6ª Alyá (Deuteronômio 31:14-31:19)


Leitura mensal Tehilim Sl 113-118
Leitura RPSP Jr 52
Leitura anual completa Ap 1–3

100 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
Shabat

23 de dezembro | ‫ שבת‬Shabat 5 Tevet

ESTUDO DIÁRIO

Nitsavim-Vayêlech, 7ª Alyá (Deuteronômio 31:20-31:30)


Leitura mensal Tehilim Sl 119:1-96
Leitura RPSP Lm 1
Leitura anual completa Ap 4–6
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 40

REFERÊNCIAS LIÇÃO 12

(1)
Commentary on Romans, p. 167, 168 (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 69 (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Minha Consagração Hoje, p. 24 (contextualizado)
(4)
Ellen G. White, Testemunhos, v. 8, p. 253 (contextualizado)
edição para revisão

COSTUMES DESTA SEMANA

ROSH CHODESH TEVET


Dois Rosh Chodesh (Cabeça do Mês) para Tevet (quando um mês tem 30 dias, o último
dia do mês e o primeiro do mês seguinte servem como Rosh Chodesh do mês vindouro).
Porções especiais são acrescentadas às preces diárias. Muitos têm o costume de marcar
Rosh Chodesh com uma refeição festiva e redução na atividade de trabalho.
Rosh Chodesh: Números 28:1-15, Números 7:48-53

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 101
Lição 13 24 a 30 de dezembro | 6 a 12 Tevet

Vida religiosa
VERSO PARA MEMORIZAR
"Então por que vocês julgam seu irmão? Ou por que o desprezam? Todos nós estaremos
diante do trono do juízo divino." (Rm 14:10)

LEITURAS DA SEMANA
Rm 14–16

Introdução

E stamos agora na última parte do nosso estudo sobre Romanos. Mais do que qual-
quer outro, ele nos revela por que devemos permanecer fiéis aos princípios. Nós

edição para revisão


apoiamo-nos na base que defende unicamente a Bíblia como padrão de fé. Nas Es-
crituras Sagradas aprendemos a verdade da redenção pela emuná (fé), expressada
de maneira tão forte na carta de Shaul aos Romanos.
Talvez toda essa questão possa ser resumida pela pergunta do carcereiro pagão:
“Que preciso fazer para que ser salvo?” (At 16:30).
Em Romanos, temos a resposta para essa pergunta.
Nessa última seção, Shaul abordou outros assuntos, talvez não tão centrais ao
seu tema principal, mas suficientemente importantes para serem incluídos nessa
carta. Portanto, para nós, eles também fazem parte das Sagradas Escrituras.
Como Shaul terminou essa carta? O que ele escreveu? Quais verdades existem
para nós, herdeiros não apenas de Shaul, mas também da fé de nosso pai Avraham?

LEITURAS DA SEMANA

PARASHÁ 12 ‫ ויחי‬VAYCHI [Viveu]: Gn 47.28-50.26


HAFTARÁ: 1Rs 2.1-12
BRIT HADASHÁ: At 7.9-16 de forma específica v.15 e 16; Hb 11.21, 22; 1Pd 1.3-9; 2.11-17
TEHILIM: Sl 41

 Centro Mundial de Fraternidade Judaico-Adventista | Lista de Oração 2017

Ore esta semana por Lucas Iglesias e Breno Minzon líderes da comunidade judaico-ad-
ventista de Campinas, SP, Brasil.
102 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
24 de dezembro | ‫ יום ראשון‬Yom Rishon 6 Tevet Domingo

De confiança fraca

E m Romanos 14:1-3, Shaul tratou da questão relacionada ao consumo de carnes que


poderiam ter sido sacrificadas aos ídolos. O Concílio de Jerusalém (At 15) decidiu que
os goyim convertidos deveriam se abster de comer esses alimentos. No entanto, as pessoas
sempre queriam saber se as carnes vendidas nos mercados públicos vinham de animais
sacrificados aos ídolos (veja 1Co 10:25). Alguns crentes não se importavam com isso de ma-
neira nenhuma; outros, se houvesse a menor dúvida, optavam por comer legumes em vez
de carne. A discussão não tinha nada a ver com a questão do vegetarianismo ou da vida
saudável. Nem tampouco Shaul insinuou nessa passagem que a lei de kashrut não valia
mais. Esse não era o assunto em consideração. Se interpretarmos as palavras “que é per-
mitido comer de tudo” (Rm 14:2) como se agora qualquer animal, kasher ou treif, pudesse
ser consumido, as aplicaremos erroneamente. A comparação com outras passagens da Brit
Hadashá vai contra essa aplicação.
Entretanto, “aceitar” o de confiança fraca significava conceder a ele plena inclusão no
corpo do Mashiach e igualdade no status social. Não se devia discutir com a pessoa, mas
edição para revisão

dar a ela o direito à opinião.

1. Qual é o princípio de Rm 14:1-3?

É igualmente importante perceber que, em Rm 14:3, Shaul não falou negativamente do


“de confiança fraca” (Rm 14:1). Ele também não deu a essa pessoa conselhos sobre como se
tornar forte. No que diz respeito ao Eterno, é aceito o fiel extremamente zeloso (julgado
assim, aparentemente, não pelo Eterno, mas por seus companheiros). “D’us o aceitou” (Rm
14:3).

2. Em Rm 14:4, como Shaul ampliou o que acabamos de ver?

Os princípios vistos no guia de estudos de hoje devem estar em nossa mente. Além disso, sa-
bemos que não podemos julgar o coração das pessoas. No entanto, não existem momentos
nos quais é preciso julgar suas ações e intervir nelas? Devemos nos esquivar e não fazer nem
dizer nada em todas as situações? Isaías 56:10 descreve as sentinelas como “cães emude-
cidos que não conseguem ladrar.” . Como podemos saber quando falar e quando ficar em
silêncio? Como encontrar o equilíbrio?

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 1ª Alyá (Dt 32:1-32:6)


Leitura mensal Tehilim Sl 1119:97-176
Leitura RPSP Ap 7–9
Leitura anual completa Ap 7–9

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 103
Segunda 25 de dezembro | ‫ יום שני‬Yom Sheni 7 Tevet

Diante do Tribunal Celestial


3. Leia Rm 14:10. Por que devemos ter cuidado ao julgar os outros?

À s vezes julgamos os outros com dureza e, muitas vezes, pelas mesmas coisas
que fazemos. Porém, o que fazemos não nos parece tão ruim como quando
outras pessoas fazem a mesma coisa. Podemos enganar a nós mesmos, mas não
enganamos o Eterno, que nos advertiu: “"Não julguem, para que vocês não sejam
julgados. Porque, da mesma forma que julgarem, serão julgados - a medida com a
qual medirem, também será usada para medi-los. Por que você vê o cisco que está
no olho do seu irmão e não repara na viga que está no seu olho?” (Mt 7:1-4).

4. Leia Rm 14:11. Qual é o sentido da declaração do tanach introduzida por Shaul


nessa passagem?

A citação de Is 45:23 defende a ideia de que todos deverão comparecer diante do

edição para revisão


tribunal. “Todo joelho” e “toda língua” individualizam a convocação. A implicação
é que cada um terá que responder por sua vida e suas ações (Rm 14:12). Ninguém
poderá responder por outra pessoa. Nesse sentido importante, não somos guarda-
dores dos nossos irmãos.

5. Mantendo o contexto em mente, como você entende o que Shaul disse em Rm


14:14?

O assunto ainda era os alimentos sacrificados aos ídolos. Claramente, a questão


não era a distinção entre os alimentos kasher ou treif. Shaul declarou que não ha-
via, necessariamente, nada de errado em comer alimentos que pudessem ter sido
oferecidos aos ídolos. Afinal, o que é um ídolo? Não é nada (veja 1Co 8:4); então,
quem se importa se algum pagão ofereceu o alimento à estátua de um sapo ou de
um touro?
Uma pessoa não deveria ser forçada a violar sua consciência, mesmo sendo essa
muito sensível. Os irmãos “fortes” aparentemente não entenderam isso. Eles des-
prezavam o zelo dos irmãos “fracos” e colocavam obstáculos em seu caminho.

É possível que, em seu zelo pelo Eterno, você esteja em perigo quanto ao que Shaul advertiu
nessa passagem? Por que não devemos procurar ser a consciência dos outros, não importan-
do quanto sejam boas as nossas intenções?

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 2ª Alyá (Dt 32:7-32:12)


Leitura mensal Tehilim Sl 120-134
Leitura RPSP Lm 3
Leitura anual completa Ap 10, 11

104 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
26 de dezembro | ‫ יום שלישי‬Yom Shlishi 8 Tevet Terça

Nenhuma ofensa
6. Leia Rm 14:15-23 (veja também 1 Coríntios 8:12, 13). Resuma nas linhas abaixo a
essência das palavras de Shaul. Qual princípio dessa passagem podemos aplicar em
todas as áreas da vida?

E m Rm 14:17-20, Shaul colocou vários aspectos dos princípios em seu devido contex-
to e perspectiva. Embora a dieta seja importante, os crentes não devem brigar com
relação às escolhas de algumas pessoas em comer legumes em vez de carne que pode-
ria ter sido sacrificada aos ídolos. Em vez disso, eles devem se concentrar na tsedaká,
shalom e alegria no Ruach Hakodesh. Como poderíamos aplicar essa ideia às discus-
sões sobre dieta em nossa kehilá hoje? Por mais que a mensagem de saúde e, especial-
mente, os ensinamentos sobre alimentação possam ser uma bênção para nós, nem todo
mundo entende esse assunto da mesma forma, e precisamos respeitar essas diferenças.

7. Em Rm 14:22, em meio a essa discussão sobre deixar que as pessoas sigam a pró-
edição para revisão

pria consciência, Shaul acrescentou uma ressalva: “Feliz a pessoa que não condena a
si própria quando aprova algo!”. Qual é a advertência de Shaul ali? Como isso equili-
bra o restante de suas palavras nesse contexto?

Você já ouviu alguém dizer: “Não é da conta de ninguém o que eu faço”? Será que é
assim mesmo? Nenhum de nós vive no vácuo. Nossas ações, palavras, atos e até nossa
alimentação podem influenciar os outros para o bem ou para o mal. Não é difícil ver
como isso ocorre. Se alguém que o admira vê você fazendo algo “errado”, ele pode ser
influenciado, pelo seu exemplo, a fazer a mesma coisa. Enganamos a nós mesmos se
pensamos o contrário. Não vem ao caso argumentar que você não forçou a pessoa. Nós
temos responsabilidades uns para com os outros, e, se nosso exemplo levar alguém a
se perder, seremos culpados.

Qual tipo de exemplo você apresenta? Você se sentiria confortável em ter outros seguindo
seu exemplo em todas as áreas? O que sua resposta revela?

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 3ª Alyá (Dt 32:13-32:18)


Leitura mensal Tehilim Sl 135-139
Leitura RPSP Lm 4
Leitura anual completa Ap 12–14

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 105
Quarta 27 de dezembro | ‫ יום רביעי‬Yom Revi'i 9 Tevet

Observância de dias

N essa discussão sobre não julgar os que entendem algumas coisas de maneira dife-
rente da nossa e não ser pedra de tropeço para os que podem ser ofendidos pelas
nossas ações, Shaul trouxe à tona a questão dos dias especiais que alguns desejavam
observar e outros não.

8. Leia Rm 14:4-10. Como devemos entender o que Shaul declarou nesses versos?
Isso tem a ver com a guarda do Shabat? Por quê?

Sobre quais dias Shaul estava falando? Havia um conflito naquela época a respeito
da observância ou não observância de certos dias? Aparentemente, sim. Obtemos uma
pista em Gl 4:9, 10, em que Shaul repreendeu os crentes da Galácia por observarem “dias,
e meses, e tempos, e anos”. Como observamos na lição 2, alguns crentes haviam persu-
adido os goyim conversos da Galácia a ser circuncidados e a guardar outros costumes
da lei de Moshê. Shaul temia que essas ideias também prejudicassem a comunidade em

edição para revisão


Roma. Contudo, talvez em Roma, particularmente os judeus crentes tiveram dificuldade
em se convencer de que não eram obrigados observar as festas judaicas. Shaul estava
dizendo nesse texto: faça o que quiser com relação a esse assunto; o ponto importante
é não julgar aqueles que entendem o assunto de maneira diferente da sua. Parece que
alguns goyim conversos, para não correr riscos, decidiram observar uma ou mais festas
judaicas. O conselho de Shaul é: deixe que o façam se estiverem convencidos de que
devem fazê-lo.
Aplicar o Shabat semanal ao texto de Romanos 14:5 é infundado e ilegítimo. Dá para
imaginar Shaul agindo de maneira tão descuidada em relação à guarda do Shabat? Como
vimos durante o trimestre, Shaul enfatizou a obediência à Torá; portanto, ele certamente
não colocaria a mitzvá do Shabat na mesma categoria das pessoas que estavam confusas
quanto a comer ou não alimentos que pudessem ter sido oferecidos aos ídolos. Por mais
que esse texto seja comumente utilizado como exemplo de que o Shabat (sétimo dia) não
é mais válido, não é isso o que ele significa. Usar o texto dessa maneira é um perfeito
exemplo do que as pessoas faziam com os escritos de Shaul, de acordo com a seguinte
advertência de Kefa: “Ao [Shaul] falar acerca destes assuntos, como, De fato ele fala sobre
essas coisas em todas as suas cartas. Elas contêm pontos difíceis de entender, coisas que
os indoutos e os instáveis distorcem, para sua destruição, como também o fazem com as
outras Escrituras.” (2Pe 3:16).

Qual tem sido sua experiência com o Shabat? Tem sido a bênção que deveria ser? Quais mudanças
você pode fazer para experimentar mais plenamente o que o Eterno lhe oferece no Shabat?

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 4ª Alyá (Dt 32:19-32:28)


Leitura mensal Tehilim Sl 140-150
Leitura RPSP Lm 5
Leitura anual completa Ap 15–17

106 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
28 de dezembro | ‫ יום חמישי‬Yom Hamishi 10 Tevet Quinta

Palavras finais
9. Leia Rm 15:1-3. Qual importante verdade encontramos nessa passagem?

10. Essa passagem capta o que significa ser seguidor de Yeshua?

11. Quais outros versos ensinam a mesma ideia? Como você pode viver esse
princípio?

12. Leia Rm 15:5, 6, 13, 33. Quando Shaul terminou sua carta, ele pronunciou
bênçãos diferentes. Quais foram elas?

D ’us é paciente e ajuda Seus filhos a perseverar firmemente; nos encoraja, e é Aquele
que deu esperança à humanidade. O Eterno dá a shalom (paz) e em quem se pode ter
shalom.
edição para revisão

13. Leia Rm 16:25-27. Depois de inúmeras saudações pessoais, como Shaul concluiu
sua carta?

Shaul concluiu sua carta com uma gloriosa declaração de louvor a D’us. O Eterno é
Aquele em quem podemos confiar seguramente a fim de confirmar nossa posição como
filhos redimidos dEle, justificados pela emuná (fé) e guiados por Seu Espírito (Ruach).
Rabi Shaul foi inspirado pelo Eterno a escrever essa carta em resposta a uma situação
específica, em um momento específico. O que não sabemos são os detalhes sobre o que o
Eterno tinha revelado a Shaul a respeito do futuro.
Shaul sabia sobre a “apostasia” (2Ts 2:3), embora o texto não revele quanto ele sabia.
Em suma, não sabemos se Shaul tinha alguma noção do papel que ele e seus escritos
teriam nos eventos finais. Em certo sentido, isso não importa. O que importa é que os
que buscam permanecer fiéis ao Mashiach tem o fundamento escriturístico sobre o qual
fundamentar sua fidelidade e seu compromisso, mesmo quando o mundo se maravilhar,
seguindo o adversário (Ap 13:3).

JEJUM 10 TEVET

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 5ª Alyá (Dt 32:29-32:39)


Leitura mensal Tehilim Sl 1-9
Leitura RPSP Ez 1
Leitura anual completa Ap 18, 19

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 107
Sexta 29 de dezembro | ‫ יום שישי‬Yom Shishi 11 Tevet

Estudo adicional

“V i o perigo em que o povo de D’us incorre ao olhar para a Ellen e Tiago White, pen-
sando que deve a eles com suas preocupações e em busca de conselho. Isso não
deve ser assim. Eles são convidados por seu compassivo e amoroso Redentor a ir a Ele
quando cansados e sobrecarregados, e Ele os aliviará […]. Muitos vêm a nós com a pergun-
ta: Devo fazer isto? Devo envolver-me nesta empreitada? Ou, com relação ao vestuário:
Devo usar este ou aquele artigo? Respondo-lhes: Vocês professam ser seguidores do
Mashiach. Estudem as Escrituras Sagradas. Examinem cuidadosamente e com oração a
vida do Mashiach quando habitava entre os homens na Terra. Imitem-na e não se desvia-
rão do caminho estreito” (1).
“Os que decidem não fazer, em nenhum sentido, coisa alguma que desagrade a D’us,
depois de Lhe apresentarem seu caso saberão a direção que deverão seguir” (2).
“A independência de espírito é susceptível de levar o agente humano a ter demasiada
confiança em si mesmo e em seu próprio discernimento, de preferência a respeitar o con-

edição para revisão


selho e […] a maneira de julgar de seus irmãos” (3).
Perguntas para discussão

LEITURAS COMPLEMENTARES
Ellen G. White, Testemunhos, v. 5, p. 477, 478, 604-606;
Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 166;
Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 719.

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


1 Como ser fiéis ao que cremos sem julgar os que entendem as coisas de maneira diferen-
te da nossa?
2 Como ser fiéis à nossa consciência, não buscando ser a consciência dos outros, mas
ajudar os que estão equivocados? Quando devemos falar e quando devemos ficar
em silêncio? Em quais situações seremos culpados se guardarmos silêncio?
3 Como ser livres no Senhor e ao mesmo tempo perceber nossa responsabilidade de
ser bons exemplos para aqueles que nos admiram?

Horário para o acendimento das velas de Shabat (págs. 126-129)

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 6ª Alyá (Dt 32:40-32:43)


Leitura mensal Tehilim Sl 10-17
Leitura RPSP Ez 2
Leitura anual completa Ap 21, 22

108 Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬
Shabat

30 de dezembro | ‫ שבת‬Shabat 12 Tevet

ESTUDO DIÁRIO

Haazinu, 7ª Alyá (Dt 32:44-32:52)


Leitura mensal Tehilim Sl 18-22
Leitura RPSP Ez 3
Leitura anual completa Revisão dos Escritos da Brit Hadashá
Sugestão de Leitura CSP da semana Livro Profetas e Reis, Cap. 41-42

REFERÊNCIAS LIÇÃO 13

(1)
Ellen G. White, Testemunhos, v. 2, p. 118, 119. (contextualizado)
(2)
Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 668 (contextualizado)
(3)
Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 163, 164. (contextualizado)

COSTUMES DESTA SEMANA


edição para revisão

JEJUM 10 TEVET
É celebrado como um dia de jejum, luto e arrependimento em recordação ao cerco de
Jerusalém. Nos abstemos de comida e bebida desde o alvorecer até o completo anoitecer,
acrescentando selichot e outras passagens suplementares em nossas preces

Horário do pôr do sol e Havdalá - Término do Shabat (págs. 126-129)

Outubro, Novembro e Dezembro de 2017 | Tishrei, Cheshvan, Kislev, Tevet de 5778 109
Glossário

A
Abba [Aramaico corresponde a Av em He- Antes da era comum (aec) Referido ao período usu-
braico] Meu Pai, Pai; A palavra abbá almente chamado de antes de Cristo (a.C.).
em aramaico corresponde à forma en- Ashur Assíria
fática ou definida de av, significando Asseret Hadibrot Mais comumente conhecida
literalmente "o pai" ou "ó Pai". como os Dez Mandamentos. A tradução
Achaz Acaz que mais se aproxima de Assêret Hadi-
Acharit hayamim Literalmente, "o fim dos brot é "Dez Falas" ou "Dez Ditos", sendo
dias". O tempo do fim ou os "últimos que estes são dez princípios que incluem
dias", quando o 'alam hazeh chega ao toda a Torá e seus 613 preceitos.
fim e o 'alam haba está a ponto de ini- Av em Hebraico Corresponde a "Abba" do
ciar-se (l Coríntios 10.11 +). aramaico quer dizer: Papai, Meu Pai.
Achim (do hebraico ‫)א ִחים‬ָ Irmãos [Ha'Av] - O Pai

edição para revisão


Adam (do hebraico ‫ָדם‬
ָ‫ )א‬Adam, Adão; masc. Homem Avinu Nosso Pai; Avinu, Malkeinu: Nosso
Adon Olam Senhor do Universo Pai, nosso Rei
Adonai (em hebraico:‫אדֹנָי‬,ֲ "meu Senhor") O Avinu Shebashamayim Nosso Pai celestial,
Eterno de Israel. Nosso Pai que está no céu
Adoneinu Nosso Senhor Avimelek (hebraico: ‫ )אבימלך‬Abimeleque
Amha'aretz literalmente povo da terra. Pes- Aviyahu Abias
soas comuns, iletradas usado pejorati- Avodah zarah (Avoda zará) Adoração es-
vamente no primeiro século EC. trangeira, paganismo, Idolatria, adora-
Amma'us Emaús ção a deuses estrangeiros.
Amoni Amonitas Avram Abrão
A.e.c Vide antes da era comum Avraham Abraão

B
Bavel Babilônia B'rit Hadashá: Nova Aliança. Também
Beit-Lechem Belém usado para referir-se aos livros sagra-
Beit HaKnesset - Knesset Templo, Sinagoga dos ou período do novo testamento;
Beit HaMiqdash Bet Hamikdash, Templo Sagrado B'rit Milá: circuncisão
Beit'zata Betesda Ben Filho; Ben HaAdam: Filho dos homens;
Bamidbar (Bemidbar, Bamidbar) Números (li- Ben HaElohim: Filho de D'us
vro), do hebraico "no deserto" Beth Midrash LeShabat Casa de estudo do
Bereshit (Bereshit) Gênesis - Livro Shabat. Usado também como referên-
Bimá O púlpito onde lê-se a Torá cia a Escola Sabatina.
Berachot Hashachar Benção da aurora, de- B'nei HaElohim Filhos de D'us
voção matinal bessorá vide Habessorá

B'rit (Berit) Aliança;

110
Glossário

C
Cohen (Kohen) Sacerdote Chava vide Hava - Eva
Cohanim (Kohanim) Sacerdotes Chaver Amigo (Hebr: ‫חבר‬, literalmente, "amigo")
Cohen Gadol (Kohen Gadol) Sumo Sacerdote Chaverim: Amigos (Hebr: ‫חברים‬‎, literal-
Corban (Korban) Holocausto, Sacrifício; mente, "amigos")
Corbanot Plural Holocaustos, Sacrifí- Chaverot amigas
cios; é o nome dado aos diversos tipos chessed Graça

de sacríficios e ofertas. Chumash (Humash do hebraico ‫ חומש‬vindo do


Chag Matzot Festa dos pães ázimos, ver termo chamesh (fem.)/ chamisha (mas.),
também Pêssach cinco. E também Pentateuco. Faz alusão
Chasidim Piedosos aos cinco livros atribuídos a Moshê)
edição para revisão

D
Dammesek Damassés Devarim (Devarim) Deuteronômio (Livro)
D-s, D-us, Eterno Forma respeitosa de es- Derashá Sermão, palestra.
crever o nome de Deus sem citar seu Derashá al Haar Sermão da Montanha,
nome completo. sermão do monte

E
E.c Vide era comum Eheye = Eu sou o que Sou "Ehyeh" (hebrai-
Echad É um. ex: Adonai Echad; Um - Ela é co: ‫ ) ֶא ְהיֶה‬ou "Ehyeh-Asher-Ehyeh" (hebr:
utilizada no tradicional Shemá, Deva- ‫" אהיה אשר אהיה‬- conforme em Shemot 3:14)
rim 6:4. Ouve ó Israel, Adonai nosso Era comum (ec) Refere-se ao período comu-
D'us é Um. ‫שמע ישראל יהוה אלקינו יהוה אחד‬ mente chamado de Anno Domini (AD)
Shemá Isra'el Adonai Eloheinu Adonai ou depois de Cristo (dC).
Echad. Outros Exemplos Exemplo: "Dei- El-Elyion Eterno Altíssimo
xará portanto o homem seu pai e sua Eliyahu Elias
mãe e se unirá à sua mulher, e serão am- Elisheva (Isabel). Mãe de Yochanan, o Imer-
bos uma só carne" - Bereshit [Gn] 2:24 sor (Lc 1.5).
El'azar Lázaro Eloheinu Nosso D'us
Emissário(s) Apóstolo(s), HaShaliach, obreiro. Elohim Eterno; elohim: quando em minúscu-
Ehyeh Ehyeh Asher Ehyeh ou Eheye Asher lo refere-se a deuses.

111
Glossário

G
Galil Vide Hagalil Ger ‫ גר‬Converso goy (não-judeu)
Gan'Eden Paraíso. Literalmente jardim-do- Goy (Hebr: ‫יוג‬‎, Regular plural goyim ‫)םיוג‬
-Éden; no judaísmo o termo também Nação, gentil, não judeu.
refere-se ao paraíso. Goyim (goyim ‫ )םיוג‬Plural de Goy nações
Gat-Sh'manim (Getsêmani) Jardim onde (gentios) não judeus
Yeshua orou e foi preso pela guarda do Guet (do hebraico ‫ )גט‬É o nome dado ao docu-
Templo. O termo significa literalmente mento de divórcio dentro do judaísmo.
"prensa de óleos". Gueulá (‫ )גאולה‬Redenção
Gavri'el Gabriel

edição para revisão


Ha'Av O Pai, ver "Av" e "Abba" Hamatvil O imersor; Batista.
Habessorá [Hebr: ‫שוָֹרה‬
ׂ ְּ‫ ]הַב‬A palavra bessorá sig- HaMashiach Ver Yeshua HaMashiach e Mashiach.
nifica novidades, notícias, mensagem, um O Ungido.
comunicado que recebeu, sentido do grego Hanokh Enoque
Evangelion. Boas Novas. Normalmente refe- Hanucá ou Chanuká [do Hebraico Dedica-
rente às boas novas de Yeshua HaMashiach. ção]; Também faz-se referência à festa
HaElyon, El Elyon O Eterno Altíssimo da dedicação ou festa das luzes
HafTorá ou Haftará [Hebr: ‫הפטרה‬‎] [plural Har HaZeitim ‫ הר הזיתים‬O Monte das Oliveiras
haftarot ou hafTorás] é um trecho de Hasatan o Adversário, o Satan
texto dos Neviim (Os profetas) lidos na Hashachar Alvorecer
sinagogas geralmente após a leitura da HaShaliach Emissário; Apóstolo
Parashat haShavua Hashem [do hebraico ‫]םשה‬, significando O
HaG'vurah "O Poder", eufemismo para de- Nome. É uma forma para designar
signar Y-H-V-H (Mattityahu 26.64). Eterno dentro do judaísmo, fora do
Hagalil [Hebr: ‫ ]הגליל‬Galileia, Galil contexto da reza ou da leitura pública
Hallel [Hebr: ‫]ה ְלל‬
ַ [do hebraico ‫הלל‬‎, "Lou- do texto bíblico.
vor"] é de origem aramaica e significa Havah - Chava Eva
"cântico de louvor e exaltação a D'us", Havakuk Habacuque
músicas que celebram a vida; É uma Heilel (Lúcifer, Samael)
oração judaica baseada em Tehilim Heilel ben-shachar ‫ הילל בן שחר‬Estrela da ma-
(Salmos 113-118), que é utilizada como nhã (a estrela matutina), a estrela D'Alva.
louvor e agradecimento, recitada pelos Também referido como Lúcifer, o anjo de
judeus nas festividades judaicas. luz, antes de ser expulso do céu. "portador
Halachá Leis Judaicas de luz", representa a estrela da manhã (a
Hananyah Ananias; estrela matutina), a estrela D'Alva.
Hananyah e Shappirah Ananias e Safira Hevel Abel

112
Glossário

Hutzpah (‫)ח ְצפָּה‬.


ֻ Ousadia, audácia, insolên- necessidade do momento.
cia, coragem, atrevimento, ou a combi- Horev Horebe, Sinai, Monte Horebe, Monte Sinai
nação de tudo isso, avaliada segundo a

I
Igueret (igeret) carta em Hebraico; epístola; Izevel Jezabel
epístula (latim); epistulé (Grego). Plural:
Igerot (Igrot)

K
K'far-Nachum Cafarnaum Keneh ou qenéh (‫ )קנה‬Canônico
edição para revisão

Kanai [‫ ]קנאי‬Zelote - alguém que zela pelo Kohanim Ver Cohanim


nome do Eterno Kohen ver Cohen
Kaparah Propiciação, expiação, Interces- Kohen Gadol ver Cohen Gadol
são, mediação Kehilá Congregação, Comunidade
Kapporeth ‫ כַּפֶֹּרת‬Tampa da Arca, Propiciató- Kol Goyim Todas as Nações
rio, lugar de intercessão, Expiação. Kosher (Kasher) A comida de acordo com a
Kasher Vide Kosher lei judaica. Baseada na Torá.
Kayim Caim Korban Ver Corban
Kayafa Caifás Korbanot Ver Corbanot
Kedoshim Tornar Santo, Povo Santo, Santificação Kasdim Caldeus
Kefa Pedro

L
Lashon Hará (Hebr: ‫)לשון הרע‬, Lashon signi- má, ou língua maledicente. Fofoca.
fica língua e hará significa o mal/mau, Lavan Labão
então a melhor tradução seria língua Lemekh Lameque

M
Maasser Dízimo grego como Χριστός - Cristo.
Malakhi [‫ ]מלאכי‬meu mensageiro, Malaquias. Matanah (Pl. Matanot) dom, dádiva
Malshin Acusador, informante, diabo. M'nasheh Menasheh Manassés
Mashiach (do hebraico mashiah, Moshiah, Metushelá Matuzalém
Mashiach, or Moshia") Que significa o Mezuzah (Pl. Mezuzot) Umbrais das portas
ungido. O Messias e traduzido para o Mikvá ou mikvé [‫ ] ִמ ְקוָה‬É o nome dado à

113
Glossário

imersão ritual em água utilizada no ju- Mishlei Shlomo Provérbios de Salomão.


daísmo. imersão. Mishcan Santuário, Tabernáculo
Mitzvá [em hebraico: ‫]מצוה‬: "Mandamento" Meshalim Provérbios no plural (não se refe-
de ‫צוה‬, tzavá, "comando") rindo ao livro em si) forma plural sim-
Mitzvot [Hebr: ‫" ]מצוות‬Mandamentos"; ples de provérbio, parábola.
plural, mitzvos ou mitzvot; plural de Moa'vi Moabitas
Mitzvá. Molech Moloque
Mishlei [Pr] Livro de Provérbios [provérbios Moshê Moshê
de]. Forma plural construta da palavra Moshia Salvador
mashal [provérbio, parábola] que literal- Moshienu Nosso Salvador
mente significa "provérbios de". Moshiim Salvadores

edição para revisão


Nakdimon Nicodemos Neviim [do hebraico ‫ ]נביאים‬ou Profetas; é o
Noach Noé nome de uma das três seções do Tana-
Netilat-yadayim Ritual de lavar as mãos. ch, estando entre a Torá e Kethuvim.

O
Olam Hazê Este mundo Olam Rabá Mundo vindouro, reino Eterno,
Céu dos céus.

P
Paga Intercessão P'rush Parush, Fariseu;
Parokhet Cortina. Especificamente a que di- P'rushim: Parushim Fariseus
vidia o Santo dos Santos do restante do P'lishti [Pl. P'lishtim] filisteu
Templo ou tabernáculo. Pêssach Páscoa judaica, páscoa bíblica
Purim Festa de Purim.

R
Rabban Título dado ao rabino superior Rabbi [Pl. Rabbis] Rabino, mestre
(presidente) do Sinédrio, da qual ele é o Rechavam Roboão
primeiro dos sete nomeados líderes da Rosh Cabeça, líder
escola de Hilel, que tiveram este título. Ruach Elohim Espírito de D'us
Rabbanim Rabinos Ruach Hakodesh Espírito daquele que é San-

114
Glossário

to, Espírito de D'us


S
Sanhedrin [Hebr: ‫ ]סנהדרין‬Sinédrio Shavuot (do hebraico semanas) Festa de
Sancheriv Senaqueribe pentecostes, festa das semanas
S'dom Sodoma Shekel [Hebr: ‫[ ]שקל‬Pl: shekels, sheqels,
Soferim [Hebr: ‫ ]סופרים‬Escribas, Especia- sheqalim, Hebr: ‫שקלים‬‎ ], ou siclo em
listas da Torá português, refere-se a uma das mais
Shacharit [Hebr: ‫]ש ֲחִרת‬ַ é a Tefilah (oração) antigas unidades de peso, utilizada pos-
diária da manhã do povo judeu, um dos teriormente como nome da moeda cor-
três momentos de oração de cada dia. É rente do povo israelita. Este shekel pos-
o novembror serviço diário, incluindo suía cerca de (11,4 gramas).
várias orações, mais do que os outros Shem Sem, filho de Noach
serviços do dia; culto, liturgia Shemitá [Hebr: ‫ ]שמיטה‬Literalmente "liberta-
Shalom Paz. Paz dada por D'us; Shalom Alei- ção", também chamado de Ano Sabático
edição para revisão

chem: Paz seja convosco Shemot Êxodo (Livro)


Shappirah Safira; Hananyah e Shappirah = She'ol [‫ ]שאול‬correspondente ao hades, as ve-
Ananias e Safira zes traduzido por inferno e geena [do he-
Shamor VeZahor "Zachor" [recorda, lembra- braico ‫הנֹּם‬-‫ֶן‬
ִ ‫גֵיא ב‬, transl. Geh Ben-Hinom]
-te] " e "Shamor" [guarda] que são men- Shim'on Simão
cionadas nos Dez Mandamentos. Shomron Samaria, [de Shomron: samaritana(o)]
Sharáth Serviço, Ministério Sucot Festa dos Tabernáculos/Festa das
Shaul [Hebr:‫ ]שאול‬Saul, Apóstolo Paulo, Rabbi Shaul Cabanas

T
Talmid [Pl: Talmidim] Seguidor, discípulo, estudante; Terumá ou Terumah Oferta
Talmidot Discípulado Teshuvá [Hebr: ‫תשובה‬, literalmente retorno]
Tefilin [com raíz do hebraico Tefilá] Nome Conversão; é a prática de voltar às ori-
dado a duas caixas pretas, de couro, gens do judaísmo. Também tem o senti-
que contêm pequenos rolos com passa- do de se arrepender dos pecados de ma-
gens bíblicas em seu interior (Shemot neira profunda e sincera. Aquele que
[Êx] 13.1-16; Dt 6.4-9; l1.13-21). Durante passa pelo processo de Teshuvá com su-
as orações na sinagoga, os homens fi- cesso é chamado de Baal Teshuvá.
xam essas caixinhas no braço e na tes- Tanakh ou Tanach [Hebr: ‫ ]תנ״ך‬É um acrôni-
ta, em obediência a Dt 6:8. São chama- mo utilizado para denominar seu con-
dos também de filactérios. Não deve junto de livros sagrados Torá, Nevii-
ser usado como adorno religioso (Mat- n(profetas) Ketuvin (escritos)
tityahu [Mt] 23.5). Tevilá ou Tevilah Imersão ou Batismo, Imer-
Tefilah [Pl: Tefilot] Oração são em água.
Tehilim Salmo, louvores. T'oma Tomé.

115
Glossário

Tveryah (em hebraico: ‫ֶריָה‬ ְ ) Tiberíades ou


ְ‫טב‬‎ ído à palavra "lepra".
Tiberíade. Treif Alimento não Kosher (não Kasher), A
Torá (Torá) (do hebraico ‫תוָֹרה‬, ּ Torá signifi- comida que não estiver de acordo com a
cando lei, instrução, apontamento). Lei lei judaica é chamada de treif ou treyf
de D'us. É o nome dado aos cinco pri- (em iídiche: ‫טרייף‬, do hebraico |‫טֵר ָפה‬,ְ
meiros livros do Tanach (também cha- transl. tr'fáh). Num sentido mais técnico,
mados de Hamisha Humshei Torá, treif significa "proibido", "dilacerado" e
‫ חמשה חומשי תורה‬- as cinco partes da se refere à carne que veio de qualquer
Torá) Chamada também de Lei de animal que contenha algum defeito que
Moshê (Torat Moshê, ‫)תוַֹרת־מֹשֶׁה‬,ּ por ve- o torne impróprio para o abatimento.
zes o termo "Torá"; Torat Moshê [‫ּתוַֹרת־‬ Tzdukim Saduceus.
‫] מֹשֶׁה‬: lei de Moshê, também chamada Tzadik Homem Justo.
de lei mosaica nos termos acadêmicos. Tzadikim justos.
Tzaraat lepra Doença de pele. De modo ge- Tzarot Mal, Aflições, problemas, preocupações
ral, não se trata do mal de Hansen (han- Tzedaká [Pl: Tzedakot] Caridade, Oferta, fa-

edição para revisão


seníase), o significado moderno atribu- zer Justiça, Justiça Social.

V-Y-Z
Veachavta Lereacha Kamocha Amarás a teu Yerushalayim Jerusalém.
próximo como a ti mesmo. Yeshayahu Isaías.
Vayikrá "E chamou" em Hebraico, Livro de Yeshua Jesus, O nome hebraico Yeshua [ַ‫יֵׁשוּע‬/‫]ישוע‬
Levíticos. é uma forma alternativa de Yehoshua, Josué, e
Yarden Jordão. é o nome completo de Jesus
Yehoshafat Josafá Yeshuah Salvação
Yehoram Jeorão Yetser Hará/tov Inclinação para o mal/bem
Yehudah Judas; Yibum Levirato
Yehudah de K'riot: Judas Iscariotes. Yitzak ou Yitzchak Isaque
Yehu Jéu. Yochanan João,
Yako'ov Jacó, correspondente em hebraico Yochanan Hamatvil Yochanan o imersor,
para Tiago. João Batista
Yishmael Ismael. Yom Hadin Dia do Juízo
Yerichó Jericó. Yom Kipur Dia da Expiação
Yeshivá [Hebr: ‫[ ]ישיבה‬Pl: Yeshivot] é o nome Yonah Jonas
dado às instituições para estudo da Yoshiyahu Josias
Torá e do Talmud dentro do judaísmo Zakkai Zaqueu

Fontes do glossário: Centro Mundial de Fraternidade Judaico-adventista, Shalom Adventure, Bíblia Judaica Completa,

Wikipedia, Chabad.

116
Abreviações

Ag Hagai, Ageu Js Iehoshúa, Yhoshua, Josué


Am Amos, Amós Jz Shoftim, Juízes
Ap Revelação, Apocalipse Lm Eikhah, Lamentações
Cr Divrei-HaYamim (Alef, Bet), Crônicas (1Cr, 2Cr) Lv Vayikra, Vaicrá, Levítico
Ct Shir-HaShirim, Cântico dos Cânticos Ml Malakhi, Malaquias
Dn Daniel Mq Mihá, Mikhah, Miqueias
Dt Dvarim, Devarim, Deuteronômio Mt Mattityahu, Mateus
Ec Kohelet, Eclesiastes Na Nachum, Naum
Ed Ezrah, Esdras Ne Nechemyah, Neemias
Es Ester, Ester Ne Neemias
Êx Shemot ou Shmot, Êxodo Ob Ovadiá, Ovadyah, Obadias
Ez Yechezkel, Ezequiel Os Hoshea, Oseias
Gn Bereshit, Breshit, Gênesis Pd Kefa, Pedro (1Pd, 2Pd)
edição para revisão

Hb Havacuc, Havakuk, Habacuque Pr Mishlei, Provérbios


Is Ieshaiáhu, Yeshayahu, Isaías Rs Mlakhim (Alef, Bet), Reis (1Rs, 2Rs)
Jd Yhudah, Judas Rt Rut, Rute
Jl Iôel, Yoel, Joel Sf Tsefaniá, Tzfanyah, Sofonias
Jn Ioná, Yonah, Jonas Sl Tehillim, Salmos
Jó Iyov, Jó Sm Shmuel (Alef, Bet), Samuel (1Sm, 2Sm)
Jo Yochanan, João (1Jo, 2Jo, 3Jo) Tg Yaakov, Tiago
Jr Yirmeyahu, Jeremias Zc Zehariá, Zkharyah, Zacarias

117
Horários Acendimento das Velas [ ], Pôr do Sol [ ] e Havdalá [ ] Velas após [-]

Belo Horizonte Campinas Curitiba Florianopolis Fortaleza


Parashá Data
MG SP PR SC CE

Sukkot 4/out 17:50 17:50 18:00 17:58 17:09

Sukkot 5/out 18:44 18:58 20:08 19:07 18:17

17:36 17:51 18:01 17:59 17:08


6/out
Sukkot 17:54 18:09 18:19 18:17 17:26

7/out 18:45 18:59 19:09 19:08 18:16

Shmini Atzeret 11/out 17:38 17:53 18:03 18:02 17:08

Simchat Torah 12/out 18:47 19:01 19:12 19:10 18:15

17:39 17:53 18:04 18:03 17:07


13/out
1 Bereshit 17:57 18:11 18:22 18:21 17:25

14/out 18:47 19:02 19:13 19:11 18:15

18:41 18:57 19:08 19:07 17:07


20/out

edição para revisão


2 Noach 18:59 19:15 19:26 19:25 17:25

21/out 19:50 20:05 20:16 20:16 18:15

18:44 19:00 19:12 19:12 17:06


27/out
3 Lech-Lecha 19:02 19:18 19:30 19:30 17:24

28/out 18:53 20:09 20:20 20:20 18:14

18:47 19:04 19:16 19:16 17:07


03/nov
4 Vayera 19:05 19:22 19:34 19:34 17:25

04/nov 19:56 20:12 20:25 20:25 18:15

18:51 19:08 19:21 19:22 17:08


10/nov
5 Chayei Sara 19:09 19:26 19:39 19:40 17:26

11/nov 20:00 20:17 20:30 20:30 18:16

18:55 19:13 19:26 19:27 17:10


17/nov
6 Toldot 19:13 19:31 19:44 19:45 17:28

18/nov 20:04 20:21 20:35 20:36 18:18

19:00 19:18 19:31 19:33 17:12


24/nov
7 Vayetzei 19:18 19:36 19:49 19:51 17:30

25/nov 20:04 20:26 20:40 20:41 18:20

19:04 19:22 19:36 19:38 17:15


01/dez
8 Vayishlach 19:22 19:40 19:54 19:56 17:33

02/dez 20:13 20:31 20:45 20:47 18:23

19:09 19:27 19:41 19:43 17:18


08/dez
9 Vayeshev 19:27 19:45 19:59 20:01 17:36

09/dez 20:17 18:36 20:50 20:52 18:26

Chanucá | Dia 1 12/dez 20:19 20:38 20:52 20:54 18:28

Chanucá | Dia 2 13/dez 20:20 20:38 20:52 20:54 18:28

118
Acendimento das Velas [ ], Pôr do Sol [ ] e Havdalá [ ] Velas após [-] Horários

Belo Horizonte Campinas Curitiba Florianopolis Fortaleza


Parashá Data
MG SP PR SC CE

Chanucá | Dia 3 14/dez 20:20 20:39 20:53 20:55 18:29

Chanucá | Dia 4 19:13 19:31 19:46 19:48 17:21


15/dez
10 Miketz 19:31 19:49 20:04 20:06 17:39

Chanucá | Dia 5 16/dez 20:21 20:40 20:54 20:56 18:30

Chanucá | Dia 6 17/dez 20:22 20:40 20:55 20:57 18:30

Chanucá | Dia 7 18/dez 20:22 20:41 20:55 20:57 18:31

Chanucá | Dia 8 19/dez 20:23 20:42 20:56 20:58 18:31

19:16 19:35 19:49 19:51 17:25


22/dez
11 Vayigash 19:34 19:53 20:07 20:09 17:43

23/dez 20:25 20:43 20:58 21:00 18:33

19:19 19:38 19:52 19:54 17:28


29/dez
edição para revisão

12 Vayechi 19:37 19:56 20:00 20:12 17:46

30/dez 20:28 20:46 21:00 20:02 18:37

119
Horários Acendimento das Velas [ ], Pôr do Sol [ ], Havdalá [ ] e Chanucá [ ]

Goiânia Manaus Refice Rio de Janeiro São Paulo


Parashá Data
GO AM PE RJ SP

Sukkot 4/out 17:56 17:34 16:56 17:35 17:49

Sukkot 5/out 19:04 18:42 18:03 18:43 18:57

17:57 17:34 16:55 17:35 17:49


6/out
Sukkot 18:15 17:52 17:13 17:53 18:07

7/out 19:05 18:42 18:03 18:44 18:58

Shmini Atzeret 11/out 17:58 17:33 16:55 17:37 17:51

Simchat Torah 12/out 19:06 18:41 18:03 18:46 19:00

17:58 17:33 16:55 17:38 17:52


13/out
1 Bereshit 18:16 17:51 17:13 17:56 18:10

14/out 19:06 18:41 18:03 18:46 19:01

19:00 17:32 16:55 18:41 18:55


20/out

edição para revisão


2 Noach 19:18 17:50 17:13 18:59 19:13

21/out 20:08 18:40 18:03 19:50 20:04

19:02 17:32 16:56 18:45 18:59


27/out
3 Lech-Lecha 19:20 17:50 17:14 19:03 19:17

28/out 20:10 18:40 18:04 19:53 20:08

19:05 17:32 16:57 18:48 19:03


03/nov
4 Vayera 19:23 17:50 17:15 19:06 19:21

04/nov 20:12 18:40 18:05 19:57 20:12

19:08 17:33 16:59 18:53 19:07


10/nov
5 Chayei Sara 19:26 17:51 17:17 19:11 19:25

11/nov 20:16 18:41 18:07 20:01 20:16

19:11 17:35 17:01 18:57 19:12


17/nov
6 Toldot 19:29 17:53 17:19 19:15 19:30

18/nov 20:20 18:43 18:09 20:06 20:21

19:15 17:37 17:04 19:02 19:17


24/nov
7 Vayetzei 19:33 17:55 17:22 19:20 19:35

25/nov 20:24 18:45 18:12 20:11 20:26

19:19 17:40 17:07 19:07 19:22


01/dez
8 Vayishlach 19:37 17:58 17:25 19:25 19:40

02/dez 20:28 18:48 18:16 20:16 20:31

19:24 17:43 17:11 19:12 19:27


08/dez
9 Vayeshev 19:42 18:01 17:29 19:30 18:45

09/dez 20:32 18:51 18:19 20:20 20:35

Chanucá | Dia 1 12/dez 20:34 18:53 18:21 20:22 20:37

Chanucá | Dia 2 13/dez 20:35 18:53 18:21 20:23 20:38

120
Acendimento das Velas [ ], Pôr do Sol [ ], Havdalá [ ] e Chanucá [ ] Horários

Goiânia Manaus Refice Rio de Janeiro São Paulo


Parashá Data
GO AM PE RJ SP

Chanucá | Dia 3 14/dez 20:35 18:54 18:22 20:23 20:38

Chanucá | Dia 4 19:28 17:46 17:14 19:16 19:31


15/dez
10 Miketz 19:46 18:06 17:32 19:34 19:49

Chanucá | Dia 5 16/dez 20:36 18:55 18:23 20:24 20:40

Chanucá | Dia 6 17/dez 20:37 18:55 18:23 20:25 20:40

Chanucá | Dia 7 18/dez 20:37 18:56 18:24 20:26 20:41

Chanucá | Dia 8 19/dez 20:38 18:56 18:24 20:26 20:41

19:31 17:50 17:18 19:20 19:35


22/dez
11 Vayigash 19:49 18:08 17:26 19:38 19:53

23/dez 20:40 18:58 18:26 20:28 20:43

19:34 17:53 17:21 19:22 19:38


29/dez
edição para revisão

12 Vayechi 19:52 18:11 17:39 19:40 19:56

30/dez 20:43 19:02 18:29 20:31 20:46

121
Calendário

Outubro 2017 | Tishrei e Cheshvan 5778


Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Shabat
‫יום דאשון‬ ‫יום שגי‬ ‫יום שלישי‬ ‫יזם דביעי‬ ‫יום חמישי‬ ‫יום שישי‬ ‫שבת‬

1 2 3 4 5 6 7
‫יא‬ ‫יב‬ ‫יג‬ ‫יר‬ ‫טו‬ ‫טז‬ ‫יז‬
11 12 13 14 15 16 17

Erev Sukkot Sukkot I Sukkot II Sukkot III CH”M

8 9 10 11 12 13 14
‫יח‬ ‫יט‬ ‫כ‬ ‫כא‬ ‫כב‬ ‫כג‬ ‫כד‬
18 19 20 21 22 23 24

Sukkot VII
Sukkot IV CH”M Sukkot V CH”M Sukkot VI CH”M (Hoshana Raba) Shmini Atzeret Simchat Torah Parashá Bereshit

15 16 17 18 19 20 21
‫כה‬ ‫כו‬ ‫כז‬ ‫כח‬ ‫כט‬ ‫ל‬ ‫א‬
25 26 27 28 29 30 1
Parashá Noach
Rosh Chodesh Rosh Chodesh
Cheshvan Cheshvan

22 23 24 25 26 27 28
‫ב‬ ‫ג‬ ‫ד‬ ‫ה‬ ‫ו‬ ‫ז‬ ‫ח‬
2 3 4 5 6 7 8

edição para revisão


Yom HaAliyah Parashá Lech-Lecha

29 30 31
‫ט‬ ‫י‬ ‫יא‬
9 10 11

Novembro 2017 | Cheshvan e Kislev 5778


Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Shabat
‫יום דאשון‬ ‫יום שגי‬ ‫יום שלישי‬ ‫יזם דביעי‬ ‫יום חמישי‬ ‫יום שישי‬ ‫שבת‬

1 2 3 4
‫יב‬ ‫יג‬ ‫יר‬ ‫טו‬
12 13 14 15

Parashá Vayera

5 6 7 8 9 10 11
‫טז‬ ‫יז‬ ‫יח‬ ‫יט‬ ‫כ‬ ‫כא‬ ‫כב‬
16 17 18 19 20 21 22

Tu B’Av Parashá Chayei Sara

12 13 14 15 16 17 18
‫כג‬ ‫כד‬ ‫כה‬ ‫כו‬ ‫כז‬ ‫כח‬ ‫כט‬
23 24 25 26 27 28 29

Sigd
Parashá Toldot

19 20 21 22 23 24 25
‫א‬ ‫ב‬ ‫ג‬ ‫ד‬ ‫ה‬ ‫ו‬ ‫ז‬
1 2 3 4 5 6 7

Rosh Chodesh Kislev Parashá Vayetzei

26 27 28 29 30
‫ח‬ ‫ט‬ ‫י‬ ‫יא‬ ‫יב‬
8 9 10 11 12

As festividades tem início sempre ao pôr do sol da véspera.

122
Calendário

Dezembro 2017 | Kislev e Tevet 5778


Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Shabat
‫יום דאשון‬ ‫יום שגי‬ ‫יום שלישי‬ ‫יזם דביעי‬ ‫יום חמישי‬ ‫יום שישי‬ ‫שבת‬

1 2
‫יג‬ ‫יר‬
13 14

Parashá Vayishlach

3 4 5 6 7 8 9
‫טו‬ ‫טז‬ ‫יז‬ ‫יח‬ ‫יט‬ ‫כ‬ ‫כא‬
15 16 17 18 19 20 21

Parashá Vayeshev

10 11 12 13 14 15 16
‫כב‬ ‫כג‬ ‫כד‬ ‫כה‬ ‫כו‬ ‫כז‬ ‫כח‬
22 23 24 25 26 27 28

Chanucá | Dia 4
Chanucá Chanucá | Dia 1 Chanucá | Dia 2 Chanucá | Dia 3 Parashá Miketz

17 18 19 20 21 22 23
‫כט‬ ‫א‬ ‫ב‬ ‫ג‬ ‫ד‬ ‫ה‬
29 1 2 3 4 5
Rosh Chodesh
Tevet
edição para revisão

Chanucá | Dia 5 Chanucá | Dia 6 Chanucá | Dia 7 Chanucá | Dia 8 Parashá Vayigash

24 25 26 27 28 29 30
‫ו‬ ‫ז‬ ‫ח‬ ‫ט‬ ‫י‬ ‫יא‬ ‫יב‬
6 7 8 9 10 11 12

Asara B’Tevet Parashá Vayechi

31
‫יג‬
13

2017
Janeiro Fevereiro Março Abril
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 1 2 3 4 1
8 9 10 11 12 13 14 5 6 7 8 9 10 11 5 6 7 8 9 10 11 2 3 4 5 6 7 8
15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18 12 13 14 15 16 17 18 9 10 11 12 13 14 15
22 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25 19 20 21 22 23 24 25 16 17 18 19 20 21 22
29 30 31 26 27 28 26 27 28 29 30 31 23 24 25 26 27 28 29
30

Maio Junho Julho Agosto


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 1 2 3 1 1 2 3 4 5
7 8 9 10 11 12 13 4 5 6 7 8 9 10 2 3 4 5 6 7 8 6 7 8 9 10 11 12
14 15 16 17 18 19 20 11 12 13 14 15 16 17 9 10 11 12 13 14 15 13 14 15 16 17 18 19
21 22 23 24 25 26 27 18 19 20 21 22 23 24 16 17 18 19 20 21 22 20 21 22 23 24 25 26
28 29 30 31 25 26 27 28 29 30 23 24 25 26 27 28 29 27 28 29 30 31
30 31

Setembro Outubro Novembro Dezembro


D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 1 2
3 4 5 6 7 8 9 8 9 10 11 12 13 14 5 6 7 8 9 10 11 3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16 15 16 17 18 19 20 21 12 13 14 15 16 17 18 10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23 22 23 24 25 26 27 28 19 20 21 22 23 24 25 17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30 29 30 31 26 27 28 29 30 24 25 26 27 28 29 30
31

Festividades | Outubro a Dezembro de 2017


Sukkot 5-11 Out Simchat Torah 13 Out
Shmini Atzeret 12 Out Chanukah 13-20 Dez

123
Bençãos Diversas

‫ברכות תורה‬
Bênção para estudo da Torá

Barechu et Adonai Bendizei ao Eterno, ‫ָבְּרכוּ ֶאת יהוה‬


hamevorach. que é bendito. ‫ַה ְ מבָֹר ְך‬

Baruch Adonai Bendito seja o Eterno, ‫רוּך יהוה‬ ְ ‫ָבּ‬


hamevorach que é bendito
ְ‫ַה ְ מבָֹרך‬
leolam vaed. para todo o sempre. ‫ָעד‬
ֶ ‫ְלעוֹלָם ו‬
Benção anterior à leitura Benção anterior à leitura ‫הברכה שלפני הקריאה׃‬

Baruch ata Adonai Bendito sejas Tu, Eterno, ‫רוּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫ָבּ‬
Elohênu mélech nosso D'us, Rei do ְ‫ֱאלֹהֵֽינוּ מֶֽלֶך‬
haolam, asher universo, que nos ‫ָהעוֹלָם ֲאשֶׁר‬
báchar bánu escolheu dentre ‫ָֽחר בָּֽנוּ‬
ַ‫בּ‬

edição para revisão


mikol haamim todos os povos e nos ‫ִמ ָכּל ָה ַע ִמּים‬
venátan lánu et torato. deste a Tua Torá. ‫תּוֹרתוֹ‬
ָ ‫ָתן ָלֽנוּ ֶאת‬ ַ ‫ְונ‬
Baruch ata Adonai, Bendito sejas Tu, Eterno, ‫רוּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫ָבּ‬
noten hatora. que nos deste a Torá. ‫תּוֹרה‬
ָ ‫נוֹתן ַה‬ ֵ
Benção posterior à leitura Benção posterior à leitura ‫ברכה לאחר הקריאה׃‬

Baruch ata Adonai Bendito sejas Tu, Eterno, ‫רוּך ַא ָתּה יהוה‬ְ ‫ָבּ‬
Elohênu mélech nosso D'us, Rei do ְ ‫ֱאלֹהֵֽינוּ מֶֽל‬
‫ֶך‬
haolam, asher universo, que nos destes ‫ָהעוֹלָם ֲאשֶׁר‬
nátan lánu torat a Lei da verdade e ‫ֽתן ָלֽנוּ תּוַֹרת‬ ַ ‫ָנ‬
emet vechaie olam plantastes a vida ‫ֱא ֶמת ְו ַחיֵּי עוֹלָם‬
nata betochênu. eterna entre nós. ‫ָטע ְבּתוֹכֵֽנוּ‬ ַ‫נ‬
Baruch ata Adonai, Bendito sejas Tu, Eterno, ‫רוּך ַא ָתּה יהוה‬ְ ‫ָבּ‬
noten hatora. que nos deste a Torá. ‫תּוֹרה‬ָ ‫נוֹתן ַה‬ ֵ

‫ברכות ההפטרה‬
Bênção para estudo da Haftará (profetas)

Benção anterior à leitura Benção anterior à leitura ‫הברכה שלפני הקריאה׃‬

Baruch ata Adonai Bendito és Tu, Eterno, ‫ּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫בָּרו‬
Elohênu mélech nosso D'us, Rei do ְ ‫ֱאלֹהֵֽינ ּו מֶֽל‬
‫ֶך‬
haolam, asher báchar universo, que escolhestes ‫ָֽחר‬
ַ ‫ָהעוֹלָם ֲאשֶׁר ב‬
bineviim tovim bons profetas ‫ׂבים‬ ִ ‫יאים טו‬ ִ ‫ְב‬ִ ‫ִבּנ‬
veratsa bedivrehem e que quisestes Suas ‫יהם‬ֶ ‫ְוָרצָא ְב ִד ְבֵר‬
haneemarim palavras ditas ‫ּא ָמִרים‬ ֱ ‫ַה ֶנ‬
beemet. verdadeiramente. ‫ֶבּ ֱא ֶ מת‬
Baruch ata Adonai, Bendito sejas Tu, Eterno, ‫ָבּרוּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ
habocher batora que escolhestes a Torá, ‫ׂחר ַבּ ּתוָׂרה‬ ֵ ‫ַה ּבו‬
uvemoshe avdo Teu servo Moshê, Teu ‫ֹשׂה ַע ְב ּדוֹ‬ ֶ ‫ּב מ‬ ְ‫ו‬
uveisrael amo uvinvie povo de Israel e profetas ‫יאי‬
ֵ ‫ְב‬
ִ ‫ּבנ‬
ִ ‫ְׂר ֵאל ַע ּמוֹ ו‬ ָ‫ּביִש‬ ְ‫ו‬
haemet vehatsédek. da verdade e da justiça. ‫ָה ֱא ֶמת ְו ֶצֶּדק‬

124
Bençãos Diversas

Benção posterior à leitura Benção posterior à leitura ‫ברכה לאחר הקריאה׃‬

Bendito és Tu, Eterno, ‫ּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫ָבּרו‬


Baruch ata Adonai
nosso D'us, ְ ‫ֱאלהֵֽינ ּו מֶֽל‬
‫ֶך‬
Elohênu mélech
haolam, Rei do universo, ‫ָהעוֹלָם‬
tsur kol haolamim, rocha de todos os ‫צוּר ָכּל ָהעוֹ ָל ִמים‬
tsadik bechol hadorot, mundos, justo em todas as ‫ַדּיק ְבּ ָכל ַה ּדוֹרוֹת‬ ִ‫צ‬
hael haneeman, haomer gerações. D'us fiel que ‫אוֹמר‬
ֵ ‫ּא ָמן ָה‬ ֱ ‫ָה ֵאל ַה ֶנ‬
veosse, hamedaber realiza o que anuncia, que ‫עוֹשׂה ַה ְמַד ֵבּר‬ ֶ ‫ְו‬
umekaiem, shechol promete e cumpre, e que ‫שׁ ָכּל‬ ֶ ‫ּמ ַקיֵּם‬ ְ‫ו‬
devarav emet vatsédek. todas as Suas palavras são ‫ְדּ ָבָריו ֱא ֶמת ָו ֶצֶֽדק‬
Neeman ata hu Adonai verdade e justiça. Fiel és ‫ֶא ָמן ַא ָתּה הוּא יהוה‬ ֱ‫נ‬
Elohênu veneemanim Tu, ó Eterno, nosso D'us, ‫ֶא ָמנִים‬ ֱ ‫הֵינוּ ְונ‬ֽ ֹ‫ֱאל‬
e fiéis são as Tuas ָ ‫ְדּ ָבר‬
‫ֶֽיך ְוָד ָבר‬
devarêcha, vedavar
promessas, e nenhuma ָ ‫ֶא ָחד ִמ ְדּ ָבֶר‬
‫יך‬
echad midevarêcha
achor lo iashuv sequer das Tuas palavras ‫ָאחוֹר לא יָשׁוּב‬
jamais se tornará vã, ְ ‫יקם ִכּי ֵאל מֶֽל‬
‫ֶך‬ ָ ‫ֵר‬
rekam,ki El mélech
edição para revisão

neeman verachaman pois és Eterno e Rei fiel e ‫ֶא ָמן ְוַר ֲח ָמן ָא ָתּה‬ ֱ‫נ‬
misericordioso. Bendito ‫רוּך ַא ָתּה‬ְ ‫ָבּ‬
áta. Baruch ata
Adonai, hael sejas Tu, Eterno, Eterno ‫יהוה ָה ֵאל‬
haneeman bechol que é fiel em todas as ‫ֶא ָמן ְבּ ָכל‬ ֱ ‫ַהנּ‬
devarav Suas palavras. ‫ְדּ ָבָריו‬

‫ברכות הברית החדשה‬


Bênção para estudo da HaBerit Hadashá

Benção anterior à leitura Benção anterior à leitura ‫הברכה שלפני הקריאה׃‬

Bendito és Tu, Eterno, ‫ּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫בָּרו‬


Baruch ata Adonai
nosso D'us, Rei do ְ ‫ֱאלֹהֵֽינ ּו מֶֽל‬
‫ֶך‬
Elohênu mélech
haolam, asher natan universo, que deu-nos ‫ָֽחר‬ַ ‫ָהעוֹלָם ֲאשֶׁר ב‬
lánu Mashíach Yeshua, o Messias Yeshua ‫ישׁוּע‬
ַ ‫ֽׅיח‬
ַ ‫ָלֽנוּ ָמשׁ‬
vehadiberot shel haberit e os mandamentos da ‫שׁל ַה ְבּ ׅדית‬ ָ ‫ְו ַה ׅדבּרוֹת‬
Nova Aliança. Bendito ‫רוּך ַא ָתּה‬ְ ‫שׁה ָבּ‬ ָ ‫ַחָד‬
chadasha. Baruch ata
Adonai noten haberit sejas Tu, Eterno, que nos ‫נוֹתן ַח ְבּרית‬ ֵ ‫יהוה‬
hachadasha. deste a Nova Aliança. ‫שׁה‬ ָ ‫ַה ַחָד‬
Benção posterior à leitura Benção posterior à leitura ‫ברכה לאחר הקריאה׃‬

Baruch ata Adonai Bendito és Tu, Eterno, nosso ‫רוּך ַא ָתּה יהוה‬ ְ ‫ָבּ‬
Elohênu mélech haolam, D'us, Rei do universo, ‫ֶך ָהעוֹלָם‬ְ ‫ֱאלֹהֵֽינ ּו מֶֽל‬
asher natan lánu que deu-nos a palavra da ‫ָֽחר ָלֽנוּ‬ַ ‫ֲאשֶׁר ב‬
hadevar haemet, verdade e plantou a vida ‫ָׅא ֶמת‬ֱ ‫ַה ְד ַבר ה‬
vechaie olam nata eterna em nosso meio. ‫ָטע‬ַ ‫ְו ַחיֵּי עוֹלָם נ‬
betochênu. Baruch ata Bendito sejas ְ ‫ְבּתוֹכֵֽנוּ ָבּ‬
‫רוּך ַא ָתּה‬
Adonai noten haberit Tu, Eterno, que nos deste ‫נוֹתן ַה ְבּׅרית‬ֵ ‫יהוה‬
hachadasha. a Nova Aliança. ‫הם‬ְ ‫שׁ‬ ָ ‫ַה ַחָד‬

125
CONGREGAÇÕES MEMBROS POPULAÇÃO
Bielorussa 66 3.758 9.508.000
Cáucaso 129 7.483 18.358.267
Leste da Rússia 82 4.983 22.659.182
Extremo Oriente da Rússia 48 2.263 8.082.256
Moldávia 149 9.135 3.552.000
Meridional 70 4.240 103.224.000

126
Trans-caucasiana 33 1.720 16.731.000
Ucrânia 826 47.968 42.677.000
Oeste da Rússia 385 28.698 95.226.295
Missão da Crimeia 26 1.805 2.288.000
Oceano TOTAL 1.814 112.053 322.306.000

Ártico PROJETOS
Centro de treinamento evangelístico em
1
Ibrahimpatnam, índia

Dormitório feminino no Colégio Adventista


2
DIVISÃO

em Dimapur, Índia.

Dormitório feminino n Colégio AdventistaJames Memorial,


3
em Prakasapuram, Índia

4 Salas de aula na Escola Adventista de Vellarada, Índia

Prédio de salas de aula na Escola Adventista


5
de Alate, Índia
FINLÂDIA
RÚSSIA

ESTÔNIA

LETÔNIA

LITUÂNIA
Moscou
Euro-Asiática

Minsk
BELARUS
POLÔNIA
Astana
Kiev
ESLOVÁQUIA
UCRÂNIA
HUNGRIA
CAZAQUISTÃO
MOLDÁVIA Quichinau
52ŪŒ1,$
MONGÓLIA
SÉRVIA
MONTE
Bisqueque
NEGRO KOSOVO
BULGÁRIA UZBEQUISTÃO
MACEDÔNIA
GEÓRGIA Tibilisi
QUIRGUISTÃO
ALBÂNIA Erevã Baku Tashkent
CORÉIA
GRÉCIA ARMÉNIA AZERBAIJÃO Asgabate Duchambe DO NORTE
TURQUIA
TURCOMENISTÃO TAJIQUISTÃO CORÉIA
DO SUL
JAPÃO
CHIPRE SÍRIA Cabul
LÍBANO CHINA
IRAQUE AFEGANISTÃO
ISRAEL
IRÃ
JORDÂNIA
KUWAIT

NEPAL
PAQUISTÃO BUTÃO
LÍBIA EGITO BAHREIN

CATAR
ÍNDIA BANGLADESH
EMIRADOS
ARÁBIA ARABES TAIWAN
UNIDOS
SAUDITA VIETNÃ
OMÃ MYANMAR
LAOS

Carta aos Romanos | Igeret Shaul el haRomim | ‫אגרת שאול אל הרומים‬


edição para revisão