Sunteți pe pagina 1din 9

ABNT/ONS-058

PROJETO ABNT NBR 16450


NOV 2015

Ensaios não destrutivos — Líquido penetrante — Qualificação de


procedimento

APRESENTAÇÃO
Projeto em Consulta Nacional

1) Este Projeto foi elaborado pela Comissão de Estudo de Métodos Superficiais (CE-058:000.001)
pelo Organismo de Normalização Setorial de Ensaios Não Destrutivos (ABNT/ONS-058), com
número de Projeto 058:000.001-010, nas reuniões de:

16.09.2014 10.02.2015 17.03.2015

09.04.2015 29.07.2015 16.09.2015

a) Não tem valor normativo.

2) Aqueles que tiverem conhecimento de qualquer direito de patente devem apresentar esta
informação em seus comentários, com documentação comprobatória;

3) Tomaram parte na sua elaboração:

Participante Representante

ABENDI Marcelo Neris


ANACOM Wilson Fernandes
ARCTEST Luís Pourrat
AUTONOMO Henrique Goldberger
AUTONOMO Daniel Lopes Costa
CETRE DO BRASIL LTDA Eladimir Oliveira Figueiredo
END CHECK Luis Sérgio Imada
END CHECK CONSULT.E SERV. ESPEC. Dafley Ferreira
DE PEÇAS
END TECH INSP. E TREIN Bruno Alexandre Wisniewski Magalhães
JBS INSPEÇÃO E ENSAIOS LTDA Luiz José da Silva
KRAS CONSULTORIA Alexsandro dos Santos

© ABNT 2015
Todos os direitos reservados. Salvo disposição em contrário, nenhuma parte desta publicação pode ser modificada
ou utilizada de outra forma que altere seu conteúdo. Esta publicação não é um documento normativo e tem
apenas a incumbência de permitir uma consulta prévia ao assunto tratado. Não é autorizado postar na internet
ou intranet sem prévia permissão por escrito. A permissão pode ser solicitada aos meios de comunicação da ABNT.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

MAGNAFLUX Gustavo Paes Marques


METAL CHEK DO BRASIL Antônio Marcos Venanzi
PETROBRAS Joaquim José Moreira dos Santos
PETROBRAS José Carlos Lobato da Cunha
Projeto em Consulta Nacional

POLIEND MANUTENÇÃO E SERVIÇOS EM Marcelo de Carvalho Salomão


END
RD-TECH SERVIÇOS LTDA Rodrigo Alencar Amianti
RICHTER & TOMASI Manfred Ronald Richter
SENAI-RS Washington Silveira de Souza
SGS Edvaldo P. Garcia
SQS SERV. QUAL. SODAS Ézio Angioletti
VIA QUATRO Andreans Coimbra
VICTOR INSPEÇÃO TEC. Manuel Victor de Campos Melo

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

Ensaios não destrutivos — Líquido penetrante — Qualificação de


procedimento

Non-Destructive testing — Liquid penetrant — Procedure qualification


Projeto em Consulta Nacional

Prefácio

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional de Normalização. As Normas


Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos
de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais (ABNT/CEE), são
elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas pelas partes interessadas no tema objeto da
normalização.

Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretiva ABNT, Parte 2.

A ABNT chama a atenção para que, apesar de ter sido solicitada manifestação sobre eventuais direitos
de patentes durante a Consulta Nacional, estes podem ocorrer e devem ser comunicados à ABNT
a qualquer momento (Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996).

Ressalta-se que Normas Brasileiras podem ser objeto de citação em Regulamentos Técnicos. Nestes
casos, os Órgãos responsáveis pelos Regulamentos Técnicos podem determinar outras datas para
exigência dos requisitos desta Norma, independentemente de sua data de entrada em vigor.

A ABNT NBR 16450 foi elaborada pelo Organismo de Normalização Setorial Ensaios Não Destrutivos
(ABNT/ONS-058), pela Comissão de Estudo de de Métodos Superficiais (CE-058:000.001). O Projeto
circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº XX, de XX.XX.XXXX a XX.XX.XXXX.

O Escopo em inglês desta Norma Brasileira é o seguinte:

Scope
This Standard establishes the minimum requirements for qualification of type I and II (fluorescent and
color) liquid penetrant procedure, using techniques “a” and “c” (water and solvent removable), with type
“d” developer (non aqueous) for the sensitivity level specified (Level 1 or 2).

The aplication of the requirements of this Standard is level 3 responsibility.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

Ensaios não destrutivos — Líquido penetrante — Qualificação de


procedimento

1 Escopo
Projeto em Consulta Nacional

Esta Norma estabelece os requisitos mínimos de uma sistemática de qualificação do procedimento


de ensaio não destrutivo por líquido penetrante Tipo I e II (fluorescente e colorido), técnicas “a”
e “c” (removivel com água e solvente), com revelador Tipo “d” (úmido não aquoso), para o nível
de sensibilidade especificado (Nível 1 ou 2).

A aplicação dos requisitos desta Norma é de responsabilidade do profissional Nível 3 no método


de líquido penetrante.

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para
referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se
as edições mais recentes do referido documento (incluindo emendas).

ABNT NBR NM 327, Ensaios não destrutivos – Líquidos penetrantes – Terminologia

ABNT NBR  NM 334:2012, Ensaios não destrutivos – Líquidos penetrantes – Detecção de


descontinuidades

ABNT NBR NM ISO 9712, Ensaios não destrutivos – Qualificação e certificação de pessoal em END

ISO 3452-2, Non-destructive testing – Penetrant testing – Part 2: Testing of penetrant materials

ISO 3452-3, Non-destructive testing – Penetrant testing – Part 3: Reference test blocks

3 Termos e definições
Para os efeitos deste documento, aplicam-se os termos e definições da ABNT NBR NM 327 e os seguintes.

3.1
validação de um procedimento
ato do nível 3 baseado na qualificação do procedimento, comprovado por meio da assinatura
no procedimento de ensaio

3.2
qualificação de procedimento de END
atribuição do nível 3 consistindo da análise da compatibilidade e adequação do procedimento
de ensaio aos requisitos mínimos citados nas normas e especificações aplicáveis, baseado em ensaios
em peças de produção ou padrões por meio de evidências documentadas

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 1/6


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

4 Requisitos gerais
4.1 Qualificação de pessoas

A pessoa que executa o ensaio de líquido penetrante deve atender à ABNT NBR NM ISO 9712.
Projeto em Consulta Nacional

4.2 Instrumentos

4.2.1 Os seguintes instrumentos são necessários para a condução dos ensaios de qualificação,
conforme a técnica aplicada:

 a) cronômetro;

 b) medidor de temperatura;

 c) medidor de luz branca;

 d) medidor de luz ultravioleta;

 e) termohigrômetro (quando aplicável).

4.2.2 Todos os instrumentos mencionados em a) a e) devem estar calibrados.

4.3 Ambiente de ensaio

As condições de ambientes para a realização dos ensaios de qualificação devem proporcionar mínima
interferência na qualidade do ensaio a ser realizado.

4.4 Padrões

Deve ser conforme a ISO 3452-3 tipo 1, bloco de referência.

4.5 Dispositivos para manutenção da temperatura de ensaio

Durante toda a execução dos ensaios de qualificação do procedimento, os dispositivos devem garantir
a manutenção da temperatura de ensaio conforme estabelecido no procedimento, respeitando
os limites definidos na Seção 5.

4.6 Materiais penetrantes

4.6.1 Na qualificação dos materiais penetrantes, devem ser respeitados os limites de temperatura
especificados pelo fabricante.

4.6.2 Todos os conjuntos de materiais penetrantes constantes no procedimento devem ser avaliados
durante os ensaios de qualificação.

5 Metodologia
5.1 Ensaios em temperaturas convencionais (5 °C a 52 °C)

5.1.1 O ensaio deve ser conduzido na temperatura mínima estabelecida no procedimento com
tolerância de 0 °C e – 5 °C.

2/6 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

EXEMPLO Para se qualificar um procedimento na temperatura mínima de 10 °C, o ensaio é conduzido


na temperatura entre 5 °C e 10 °C.

5.1.2 Durante a condução do ensaio de qualificação, os materiais penetrantes e o bloco de ensaio


devem estar mantidos à temperatura mínima estabelecida em 5.1.1.

5.1.3 Imediatamente antes da aplicação do penetrante no bloco de ensaio e estabilizada a temperatura


Projeto em Consulta Nacional

mínima, deve-se efetuar uma leve limpeza da superfície do bloco com panos secos e limpos de forma
a remover qualquer condensado que possa interferir no ensaio.

5.1.4 Remoção com água: após decorrido o tempo de penetração especificado, a remoção
do excesso de penetrante deve ser conduzida por meio de um spray de água por um tempo máximo
de 1 min e em seguida efetuar a secagem com panos secos e limpos.

5.1.5 Remoção por solvente: após decorrido o tempo de penetração especificado, a remoção
do excesso de penetrante deve ser conduzida primeiramente com panos levemente umedecidos
em solvente e em seguida com panos secos e limpos.

5.1.6 A revelação deve ser efetuada no tempo máximo estabelecido no procedimento após o término
do processo de remoção do excesso do penetrante.

5.1.7 A avaliação do ensaio deve ser efetuada após decorrido o tempo mínimo de revelação
especificado no procedimento e de acordo com o nível de sensibilidade requerido.

5.1.8 Quando da utilização de penetrantes tipo I, o processo de remoção e avaliação devem ser
conduzidos por meio de lâmpada UVA.

5.2 Ensaios em temperaturas não convencionais (menor que 5 °C e acima de 52 °C)

5.2.1 Temperaturas menores que 5 °C

5.2.1.1 Para esta faixa de temperatura, recomenda-se utilizar penetrantes pelas técnicas IC ou
IIC (removíveis com solvente).

5.2.1.2 O ensaio deve ser conduzido na temperatura mínima estabelecida no procedimento com
tolerância de 0 °C e – 5 °C.

5.2.1.3 Durante a condução do ensaio de qualificação, os materiais penetrantes e o bloco de ensaio


devem estar mantidos à temperatura mínima estabelecida em 5.2.1.2.

5.2.1.4 Antes da aplicação do penetrante no bloco de ensaio e estabilizada a temperatura mínima,


deve-se efetuar uma leve limpeza da superfície do bloco com panos secos e limpos de forma
a remover qualquer condensado que possa interferir no ensaio.

5.2.1.5 Remoção por solvente: após decorrido o tempo de penetração especificado, a remoção
do excesso de penetrante deve ser conduzida primeiramente com panos secos e limpos e em seguida
com panos levemente umedecidos em solvente.

5.2.1.6 A revelação deve ser efetuada no tempo máximo estabelecido no procedimento após
o término do processo de remoção do excesso do penetrante e secagem.

5.2.1.7 A avaliação do ensaio deve ser efetuada após decorrido o tempo mínimo de revelação
especificado no procedimento e de acordo com o nível de sensibilidade requerido.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 3/6


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

5.2.1.8 Quando da utilização de penetrantes tipo I, o processo de remoção e avaliação devem ser
conduzidos por meio de lâmpada UVA.

5.2.2 Temperaturas maiores que 52°C

5.2.2.1 Para esta faixa de temperatura, recomenda-se utilizar penetrantes pela técnica IIC (removíveis
Projeto em Consulta Nacional

com solvente).

5.2.2.2 Se o ensaio for realizado em temperaturas acima de 52 ºC, deve ser utilizado um conjunto
de blocos sendo que um dos blocos deve ser aquecido e mantido na temperatura estabelecida
durante todo o ensaio. As indicações de trinca devem ser comparadas com o outro bloco na faixa
de temperatura entre 5 ºC e 52 ºC.

5.2.2.3 O ensaio deve ser conduzido na temperatura máxima estabelecida no procedimento com
limite de até 10 °C.

5.2.2.4 Para qualificar um procedimento para temperaturas acima de 52 °C, os limites inferior
e superior devem ser determinados e o procedimento qualificado para estas temperaturas.

5.2.2.5 Como por exemplo, para qualificar um procedimento para a faixa de temperatura de 52 °C a 
93 °C, a capacidade do penetrante de revelar as indicações no bloco-padrão deve ser demonstrada
em ambas as temperaturas (como especificado na ABNT NBR NM 334:2012, Anexo B).

5.2.2.6 Apenas o bloco-padrão deve ser aquecido e mantido na maior temperatura estipulada pelo
procedimento para realização do ensaio, simulando assim a real condição da inspeção de campo,
onde apenas as peças ou equipamentos que são objetos de inspeção se encontram na temperatura
elevada. Os produtos aplicados sobre a superfície aquecida do bloco devem estar na temperatura
ambiente.

5.2.2.7 O controle dos tempos de penetração, de remoção, de revelação e de interpretação


na condução do ensaio de sensibilidade deve ser rigoroso de forma que as indicações produzidas
no bloco-padrão sejam logo observadas, pois qualquer variação no processo pode implicar em não
visualização das descontinuidades.

5.2.2.8 Deve ser definido em procedimento os tempos mínimo e máximo de penetração em função
das faixas de temperatura, ver exemplo na Tabela 1.

Tabela 1 – Exemplo de tempo de penetração


Tempo de penetração
Conjunto min
Faixa de 53º a 80 °C Faixa de 80 a 100 °C Faixa de 100 a 120 °C
A 8 a 10 3a5 1,5 a 2,5

5.2.2.9 A revelação deve acontecer imediatamente após a secagem do removedor e deve ser
definido o tempo máximo para a interpretação dos resultados para cada faixa de temperatura.

5.2.2.10 Para controle e manutenção da temperatura do ensaio, devem ser utilizados equipamentos/
dispositivos que garantam o atendimento à faixa definida para o ensaio.

5.2.2.11 A aplicação do penetrante no bloco de ensaio deve ser efetuada após a temperatura
de ensaio para cada faixa ser estabilizada.

4/6 NÃO TEM VALOR NORMATIVO


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

5.2.3 Técnica alternativa para penetrantes coloridos

5.2.3.1 Como uma alternativa aos requisitos de 5.2.1 e 5.2.2, quando utilizando um penetrante
colorido, é permitido o uso de um único bloco-padrão para a temperatura convencional (5 °C a 52 °C)
e não convencional, e a comparação deve ser realizada por meio de uma fotografia.
Projeto em Consulta Nacional

5.2.3.2 Quando a técnica alternativa for utilizada, os detalhes de processamento descritos em 5.2.1
e 5.2.2. são aplicados. O bloco deve ser minuciosamente limpo entre as duas etapas de processamento.
Fotografias devem ser tiradas após processamento para a temperatura não convencional e após
o processamento para temperatura convencional. As indicações de trincas devem ser comparadas entre
as duas fotografias. Devem ser aplicados os mesmos critérios conforme Seção 5 para a qualificação.

5.2.3.3 Técnicas fotográficas idênticas devem ser utilizadas para fazer a comparação das fotografias
(como especificado na ABNT NBR NM 334:2012, Anexo B).

6 Validade do ensaio de qualificação


6.1 A validade dos ensaios de qualificação dos produtos penetrantes não pode ser superior a 24 meses.

6.2 Uma vez ultrapassado este prazo, ou quando houver evidência de que algum lote de um material
penetrante apresenta problemas quanto à qualidade, o produto deve ser objeto de novo ensaio de qualificação.

7 Registro
7.1 A qualificação do procedimento deve ser documentada pelo inspetor nível 3 responsável.

7.2 O registro do ensaio efetuado dos materiais penetrantes que são objeto de qualificação
do procedimento deve conter todas as condições dos ensaios que garantam a rastreabilidade.

7.3 O registro deve estar disponível para o cliente/contratante.

7.4 O registro deve apresentar um parecer conclusivo do profissional nível 3 responsável, quanto
a qualidade dos resultados obtidos de forma que evidencie que os materiais penetrantes estão
aprovados ou não para uso.

8 Padrões de ensaios
Os padrões para avaliação dos materiais penetrantes devem ser os padrões tipo 1 de 10, 20, 30 e
50 µm da ISO 3452-3, correspondentes ao tipo de penetrante e ao nível de sensibilidade pretendido.

9 Nível de sensibilidade
A Tabela 2 apresenta o nível de sensibilidade requerido correspondente ao tipo de bloco para cada
tipo de material penetrante.

NÃO TEM VALOR NORMATIVO 5/6


ABNT/ONS-058
PROJETO ABNT NBR 16450
NOV 2015

Tabela 2 – Nível de sensibilidade

Nível de Penetrante fluorescente (tipo I) Penetrante colorido (tipo II)


sensibilidade 10 µm 20 µm 30 µm 50 µm
Nível 1 – 100 % – 100 %
Projeto em Consulta Nacional

Nível 2 100 % – 100 % –


Nível 3 a – – –
Deve ser efetuada periodicamente uma avaliação das condições gerais dos blocos-padrões de
sensibilidade: entupimento de descontinuidades, condições da superfície, entre outras. A fotografia
original apresentada pelo fabricante garante a quantidade inicial de descontinuidades do padrão.

NOTA Outras formas de verificação da sensibilidade para todos os níveis podem ser empregadas conforme
acordado entre as partes interessadas, entretanto, sempre com base na capacidade de visualização de
descontinuidades produzidas de forma natural ou artificial.
a Para determinação do nível 3 de sensibilidade (ultra-alta, aplicações específicas), deve ser adotada
uma análise por meio de um equipamento de medição de visibilidade, conforme ISO 3452-2.

10 Segurança e meio ambiente


Devem ser adotados procedimentos de segurança relativos ao local do ensaio e a ficha individual
de segurança dos produtos químicos (FISPQ).

6/6 NÃO TEM VALOR NORMATIVO