Sunteți pe pagina 1din 3

___________________________________________________________________________________________________

Como sabemos seja o que for?


“Se   pensares   nisso,   verás   que   o   interior   da   tua   própria   mente   é   a   única   coisa   de   que  
podes  estar  certo.    Seja  o  que  for  em  que  acredites  -­‐  quer  seja  sobre  o  Sol,  a  Lua  e  as  estrelas,  
a  casa  e  o  bairro  em  que  vives,  a  história,  a  ciência,  as  outras  pessoas,  até  mesmo  a  existência  
do   teu   próprio   corpo   -­‐,   é   baseado   nas   tuas   experiências   e   pensamentos,   sentimentos   e  
impressões   dos   sentidos.   (...)   Tudo   o   mais   está   mais   afastado   de   ti   do   que   as   tuas  
experiências  e  pensamentos  internos  e  é  só  através  destes  que  te  alcança.    
         Normalmente   não   tens   dúvidas   sobre   a   existência   do   chão   debaixo   dos   teus   pés,   ou   da  
árvore  que  está  lá  fora,  ou  dos  teus  próprios  dentes.  De  facto,  a  maior  parte  do  tempo  nem  
sequer   pensas   nos   estados   mentais   que   te   tornam   consciente   dessas   coisas:   parece   que   tens  
consciência   directa   delas.   Mas   como   sabes   que   elas   existem   realmente?   Se   tentares  
argumentar  que  tem  de  existir  um  mundo  físico  exterior  porque  não  poderias  ver  prédios,  
pessoas  ou  estrelas,  a  menos  que  existissem  coisas  lá  fora  que  reflectissem  ou  lançassem  luz  
para  os  teus  olhos,  causando,  assim,    as  tuas  experiências  visuais,  a  resposta  é  óbvia:  como  é  
que   sabes   isso?   Trata-­‐se   apenas   de   outra   afirmação   acerca   do   mundo   exterior   e   da   tua  
relação  com  ele,  que  tem  de  ser  baseada  nos  dados  dos  teus  sentidos.  Mas  só  podes  confiar  
nesses   dados   específicos   acerca   de   como   as   experiências   visuais   são   causadas   de   lá   puderes  
confiar   em   geral   os   conteúdos   da   tua   mente   como   fonte   de   informação   acerca   do   mundo  
exterior.   E   isso   é   exactamente   o   que   está   a   ser   questionado.   Se   tentas   provar   a   credibilidade  
das  tuas  impressões  apelando  para  as  tuas  impressões,  estás  a  argumentar  de  forma  circular  
e  não  chegas  a  lado  algum.    
Será  que  as  coisas  te  pareceriam  diferentes  se  de  facto  tudo  existisse  apenas  na  tua  mente  -­‐  
se   tudo   o   que   tomas   como   mundo   real   exterior   fosse   apenas   um   sonho   gigante,   ou   uma  
alucinação,   do   qual   nunca   vais   acordar?   Se   assim   fosse,   então   é   claro   que   não   poderias  
acordar,  tal  como  acontece  quando  sonhas,  porque  não  existiria  qualquer  mundo  «real»  no  
qual   pudesses   acordar.   Mas   não   poderiam   todas   as   tuas   experiências   ser   como   um   sonho  
gigante,  sem  nenhum  mundo  exterior  fora  dele?  Como  podes  saber  que  não  é  o  que  se  passa?    
Se   toda   a   tua   experiência   fosse   um   sonho   sem   nada   lá   fora,   então   todos   os   dados   que  
tentasses  usar  para  provar  a  ti  próprio  que  existe  um  mundo  exterior  seriam  apenas  parte  
do  sonho.  Se  batesses  na  mesa  ou  se  te  beliscasses,  ouvirias  o  som  e  sentirias  o  beliscão,  mas  
isso  seria  apenas  mais  uma  ocorrência  no  interior  da  tua  mente,  tal  como  tudo  o  resto.  Não  
vale  a  pena:  quando  queres  saber  se  o  que  está  dentro  da  tua  mente  pode  ser  um  guia  
para  o  que  está  fora  dela,  não  podes  apoiar-­te  na  maneira  como  as  coisas  parecem  a  
partir  do  interior  da  tua  mente  para  darem  a  resposta.  Mas,  em  que  outra  coisa  te  podes  
apoiar?  Todos  os  teus  dados  do  que  quer  que  seja  têm  de  vir  através  da  tua  mente   –  quer  na  
forma  de  percepção,  de  testemunhos  de  livros  e  de  outras  pessoas,  ou  da  memoria   –  e  tudo  
aquilo   que   tens   consciência   é   inteiramente   consistente   com   a   hipótese   de   que   não   existe  
absolutamente  nada  além  do  interior  da  tua  mente.  É  mesmo  possível  que  não  possuas  
um  corpo  ou  um  cérebro  (...).  Talvez  tu,  o  sujeito  dessa  experiência,  sejas  a  única  coisa  
que   existe,   e,   de   qualquer   modo,   talvez   não   exista   mundo   físico   –   nenhumas   estrelas,  
nenhuma  terra,  nenhuns  corpos  humanos.  Talvez  nem  sequer  exista  qualquer  espaço.”  
 
___________________________________________________________________________________________________

O  OUTRO  
   
“Que  sabes  realmente  sobre  aquilo  que  se  passa  na  mente  de  qualquer  outra  pessoa?  É  claro  
que   só   observas   os   corpos   das   outras   criaturas,   incluindo   os   das   pessoas.   Observas   aquilo  
que  fazem,  escutas  aquilo  que  dizem  e  os  outros  sons  que  produzem,  vês  como  respondem  
ao  ambiente  que  as  rodeias  –  quais  as  coisas  que  as  atraem  e  quais  as  que  lhes  repugnam,  
aquilo   que   comem,   e   assim   sucessivamente.   Também   podes   abrir   outras   criaturas,   observar  
o   interior   dos   seus   corpos   e   comparar   mesmo   a   sua   anatomia   com   a   tua.   Mas   nada   disto   te  
dará   um   acesso   directo   às   suas   experiências,   pensamentos   e   sentimentos.   As   únicas  
experiências   que   podes   realmente   ter   são   as   tuas   próprias:   se   acreditas   em   alguma   coisa  
acerca   da   vida   mental   de   outras   pessoas,   só   o   fazes   com   base   na   observação   da   sua  
constituição  física  e  dos  seus  comportamentos.  
Tomemos   um   exemplo   simples:   quando   comes   gelado   de   chocolate   com   um   amigo,   como  
sabes  que  o  teu  gelado  e  o  do  teu  amigo  têm  o  mesmo  sabor  para  ele  e  para  ti?  Podes  provar  
o  gelado  dele,  mas  o  facto  de  ter  o  mesmo  sabor  que  o  teu  apenas  quer  dizer  que  para  ti  o  
sabor   é   o   mesmo:   não   tiveste   nenhuma   experiência   do   sabor   que   o   gelado   tem   para   ele.  
Parece  que  não  há  qualquer  maneira  de  comparar  directamente  as  experiências  gustativas.  
Bem,   podes   dizer   que,   uma   vez   que   se   trata   de   dois   humanos   e   que   ambos   podem   distinguir  
diferentes   sabores   de   gelados,   é   provável   que   as   experiências   gustativas   de   ambos   sejam  
semelhantes.   Mas   como   podes   sabê-­lo?   A   única   conexão   que   alguma   vez   observaste   entre  
uma  qualidade  de  gelado  e  um  sabor  foi  no  teu  próprio  caso;  portanto,  que  razão  tens  para  
pensares   que   noutros   seres   humanos   se   verificam   correlações   similares?   Não   será  
igualmente   consistente   com   todos   os   dados   disponíveis   que   o   chocolate   lhe   sabe   como   a  
baunilha  a  ti,  e  vice-­‐versa?  Mas  talvez  possas  dizer  que  a  diferença  entre  as  experiências  não  
poderá   ser   muito   radical,   porque   senão   já   nos   teríamos   apercebido   disso.   Por   exemplo,   o  
gelado  de  chocolate  não  pode  ter  para  o  teu  amigo  o  mesmo  sabor  que  um  limão  tem  para  ti,  
pois  faria  caretas  sempre  que  comesse  um  gelado  de  chocolate.  
Repara,   no   entanto,   que   esta   tese   pressupõe   outra   correlação   que   varia   de   pessoa   para  
pessoa:  uma  correlação  entre  a  experiência  interna  e  um  certo  tipo  de  reacções  observáveis.  
Mas   a   mesma   questão   se   levanta   neste   caso.   Já   observaste   a   conexão   de   fazer   caretas   e   o  
sabor   a   que,   no   teu   caso,   chamas   amargo.   Mas   como   sabes   que   essa   conexão   existe   nas  
outras   pessoas?   Provavelmente,   aquilo   que   leva   o   teu   amigo   a   fazer   caretas   é   uma  
experiência  semelhante  àquela  que  tens  quando  comes  cereais  ao  pequeno‑almoço.  
(…)    Se  continuarmos  a  seguir  este  caminho,  seremos  finalmente  conduzidos  ao  mais  radical  
dos  cepticismos  acerca  das  outras  mentes.  Como  sabes  que  o  teu  amigo  é  consciente?  Como  
sabes  que  há  outras  mentes  para  além  da  tua?  
O  único  exemplo  já  observaste  de  uma  correlação  entre  mente,  comportamento,  anatomia  e  
condições   físicas   é   o   teu.   Mesmo   que   outras   pessoas   e   animais   não   tivessem   quaisquer  
experiências,   nem   vida   mental   interna   de   qualquer   tipo,   mas   fossem   apenas   máquinas  
biológicas  elaboradas,  teriam  para  ti  a  mesma  aparência.  Portanto,  como  sabes  que  não  são  
assim  de  facto?  Como  sabes  que  os  seres  que  te  rodeiam  não  passam  de  robots  sem  mente?  
___________________________________________________________________________________________________

Nunca   vistes   as   suas   mentes  –   nem   poderias   –,   e   todo   o   seu   comportamento   físico   podia   ser  
produzido  unicamente  por  causas  físicas.  Talvez  os  teus  familiares  e  vizinhos,  o  teu  cão  e  o  
teu  gato,  não  tenham  qualquer  tipo  de  experiências  internas.  (…)  
Não   podes   sequer   apelar   para   o   comportamento   deles,   incluindo   aquilo   que   dizem   –  
porquanto  isso  pressupõe  que  existe  uma  conexão  entre  o  seu  comportamento  externo  e  a  
sua   experiência   interna,   tal   como   acontece   contigo,   e   é   isso   que   precisamente   o   que   não  
sabes.    
Considerar   a   hipótese   de   nenhuma   das   pessoas   à   tua   volta   ser   consciente   produz   uma  
sensação   inquietante.     (…)   Por   outro   lado,   trata‑se   de   algo   que   não   podes   realmente  
acreditar   ser   possível:   a   tua   convicção   de   que   há   mentes   nesses   corpos,   visão   para   lá   desses  
olhos,   audição   nesses   ouvidos,   etc.,   é   instintiva.   Todavia,   se   a   sua   força   vem   do   instinto,   será  
mesmo  conhecimento?    (…)  
Geralmente,  acreditamos  que  os  outros  seres  humanos  são  conscientes,  e  quase  toda  a  gente  
acredita  que  outros  mamíferos  e  as  aves  são  também  conscientes.  Mas  (…)  a  maior  parte  das  
pessoas   acreditam   que   as   plantas   não   são   conscientes   e   quase   ninguém   acredita   que   as  
pedras   ou   os   lenços   de   papel   ou   os   automóveis   ou   os   lagos   das   montanhas   ou   os   cigarros,  
sejam  conscientes.  (…)  
Como  sabemos  essas  coisas  todas?  Como  sabes  que  quando  cortas  um  ramo  de  uma  árvore,  
isso   não   a   magoa,   mas   que   ela   não   pode   expressar   a   sua   dor   porque   não   pode   mover‑se   (Ou  
então   talvez   ela   goste   de   ser   podada.)   Como   sabes   que   um   lenço   de   papel   não   sente   nada  
quando  te  assoas  a  ele?  (…)  Mas  que  fundamentos  teremos  para  pensarmos  que  só  as  coisas  
que   se   comportam   como   nós   em   pelo   menos   alguns   aspectos   e   que   têm   uma   estrutura   física  
observável  vagamente  semelhante  à  nossa  são  capazes  de  ter  experiência  de  qualquer  tipo?    
Talvez  as  árvores  sintam  coisas  de  um  modo  totalmente  diferente  do  nosso,  mas  não  existe  
qualquer   maneira   de   podermos   descobri‑lo,   porque,   no   caso   das   árvores,   não   há   qualquer  
possibilidade  de  podermos  descobrir  as  correlações  entre  a  experiência  e  as  manifestações  
observáveis   ou   as   condições   físicas.   Só   poderíamos   descobrir   tais   correlações   se  
pudéssemos   observar   as   experiências   directamente,   excepto   no   nosso   próprio   caso.   Pela  
mesma   razão,   também   não   existe   qualquer   possibilidade   de   observarmos   a   ausência   de  
quaisquer   experiências,   nem,   consequentemente,   a   ausência   de   tais   correlações,   em  
qualquer   outro   caso,   excepto   no   nosso.   Não   podes   dizer   que   uma   árvore   não   possui  
experiências   olhando   para   dentro   dela,   tal   como   não   podes   dizer   que   uma   minhoca   tem  
experiências  olhando  para  dentro  dela.  
 
Portanto,   a   questão   é   esta:   que   podes   realmente   saber   sobre   a   vida   consciente   neste   mundo  
para   além   do   facto   de   tu   próprio   teres   uma   vida   consciente?   Será   possível   que   haja   muito  
menos  vida  consciente  do  que  supões  (nenhuma  além  da  tua)  ou  muito  mais  (até  mesmo  nas  
coisas  que  supõem  serem  inconscientes)?”  
 

Thomas  Nagel  (1997).  Que  Quer  Dizer  Tudo  Isto?,  trad.  Teresa  Marques.  Lisboa:  Gradiva.