Sunteți pe pagina 1din 12

NOTA TÉCNICA Nº 23/2019-CNA Brasília, 19 de junho de 2019.

Autor: Fernanda Schwantes, Paulo André Camuri, Carolina Nakamura, Gabriela Coser.
Assessores Técnicos

Promotor: Superintendência Técnica.

Assunto: Síntese do Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020.

Sumário:
Esta nota técnica analisa o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2019/2020, divulgado no dia 18
de junho de 2019, comparando-o com o PAP 2018/2019 e com as propostas apresentadas
pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ao Governo Federal.
O anúncio do Governo Federal é composto de medidas que sinalizam transição na execução
da política agrícola brasileira, priorizando pequenos e médios produtores com as políticas
tradicionais e adotando medidas para maior inclusão financeira para grandes produtores. Além
disso, o Governo apresentou alterações importantes na política de gestão de riscos
agropecuários, o que está totalmente alinhado às propostas apresentadas pela CNA em 2019
durante a consecução desse Plano.
Palavras chave: crédito rural, seguro rural, subvenção ao prêmio, Zoneamento Agrícola de Risco
Climático, preços mínimos.

Considerações:

1. Apresentação
O Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020 foi concebido pelo Governo Federal num
momento que notadamente marca a transição da orientação da política agrícola no Brasil. Não
há que se falar em redução dos gastos com a agropecuária brasileira, pois tudo que é gasto com
a agropecuária (incluindo crédito rural, defesa agropecuária, seguro rural, entre outros)
corresponde a menos de 1% do orçamento geral da União. No entanto, está evidente o esforço
de otimização dos gastos públicos com a agropecuária, assim como com os demais setores da
economia.
Para viabilizar acesso efetivo a juros reais mais baixos e condizentes com as
necessidades dos diversos participantes do agronegócio brasileiro, assim como com o atual
patamar de juros vigentes no Brasil, o Governo Federal anunciou em paralelo aos ajustes finos
nos programas de financiamento e de gestão de riscos, medidas para melhorar o ambiente de
negócios dos produtores rurais e atrair investimentos de segmentos privados, inclusive no
exterior.
Esta Nota Técnica apresenta uma análise comparativa das condições de financiamento
vigentes na safra 2018/2019, das propostas elaboradas pelo Sistema CNA como contribuição à
elaboração do Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020 e das condições de financiamento
anunciadas pela Presidência da República e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
(MAPA) para a safra 2019/2020, cuja vigência inicia em 1º de julho de 2019.

1
2. Crédito Rural
O volume total de recursos disponibilizado para o ano-safra 2019/2020 é de R$ 222,7
bilhões, 0,74% a mais que no plano anterior – R$ 221,1 bilhões (Tabela 1). Para o crédito de
custeio, o volume de recursos programados para a safra 2019/2020 é de R$ 169,3 bilhões, sendo
R$ 81,9 bilhões a juros controlados para a agricultura empresarial (redução de 31,09% em
relação à safra corrente), R$ 18,3 bilhões para o Pronaf e R$ 69,2 bilhões a juros livres
(Tabela 1).

Tabela 1: Recursos disponibilizados para o crédito rural – safras 2017/2018, 2018/2019 e


2019/2020
PAP PAP PAP
Variação entre Variação
2017/2018 2018/2019 2019/2020
(B) e (A) entre (C) e (B)
(A) (B) (C)
Custeio e comercialização 161,9 166,1 169,3 2,59% 1,94%
Pronaf 11,7 15,0 18,3 28,76% 21,92%
Juros controlados 116,3 118,8 81,9 2,19% -31,09%
Juros livres 34,0 32,3 69,2 -5,00% 114,16%
Investimento 47,8 55,0 53,4 15,07% -2,88%
Pronaf 9,6 15,0 12,9 55,50% -13,79%
Juros controlados 26,5 34,9 35,4 31,50% 1,31%
Juros livres 11,6 5,1 5,1 -56,07% 0,49%
Total 209,7 221,1 222,7 5,44% 0,74%
Fonte: Mapa (2017; 2018; 2019).

O aumento significativo de recursos a juros livres ocorre em função do fato de que todo
o direcionamento das captações por meio de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) será feito
a taxas de juros livres. Até a safra 2018/2019, uma parcela desse direcionamento era emprestada
à agropecuária a taxas de juros controladas. Essa medida foi necessária para a recomposição
do funding do crédito rural. A expectativa do Governo ao adotar essa medida é que com taxas
livres, as instituições financeiras consigam captar mais recursos por meio da emissão de LCAs
e, assim, irrigar o setor.
A taxa de juros dos financiamentos de custeio para o Pronamp foi mantida em 6% ao
ano. Para os demais produtores, a taxa de juros do crédito controlado foi elevada de 7% ao ano
para 8% ao ano. No caso do Pronaf, o piso da taxa de juros foi elevado de 2,5% ao ano para 3%
ao ano e foi mantido o teto de 4,6% ao ano (Tabela 2).

2
Tabela 2: Evolução da taxa referencial de juros (Selic), taxas de juros do crédito rural (custeio,
Pronamp e Pronaf) e índice de inflação
SELIC Custeio Pronamp Pronaf IPCA
Safra
Nominal Real Nominal Real Nominal Real Nominal Real 12 meses
2012/2013 8,50 1,88 5,50 -0,94 5,00 -1,41 4,00 -2,35 6,50
2013/2014 8,00 1,53 5,50 -0,82 4,50 -1,76 4,00 -2,23 6,37
2014/2015 11,00 2,33 6,50 -1,82 5,50 -2,74 4,00 -4,12 8,47
2015/2016 13,75 4,05 8,75 -0,52 7,75 -1,44 5,50 -3,49 9,32
2016/2017 14,25 10,28 9,50 5,69 8,50 4,73 5,50 1,83 3,60
2017/2018 10,25 7,18 8,50 5,48 7,50 4,51 5,50 2,57 2,86
2018/2019 6,50 1,76 7,00 2,24 6,00 1,28 4,60 -0,06 4,66
2019/2020 6,00 2,31 8,00 4,24 6,00 2,31 4,60 0,96 3,61
Fonte: MAPA (vários anos); Banco Central do Brasil (2019); IBGE (2019).
Notas: IPCA acumulado em 12 meses refere-se ao período de junho a maio do ano seguinte. Para
2019/2020 considerou-se a expectativa de mercado para a inflação para junho/2020, divulgada pelo Banco
Central.

O limite de crédito de custeio com recursos controlados por beneficiário em cada ano-
safra foi mantido em R$ 250 mil para produtores enquadrados no Pronaf, R$ 1,5 milhão para
produtores enquadrados no Pronamp e R$ 3 milhões para os demais produtores. O produtor
pode acessar esse limite a qualquer época do ano, considerando o seu limite individual de
crédito.

2.1. Linhas de investimento


As linhas de investimento priorizadas pelo Sistema CNA foram: PCA (construção de
armazéns); Programa ABC e Inovagro. Embora tenha ocorrido aumento da taxa de juros de todos
os programas de investimento, os programas apontados pelo setor produtivo como prioritários
mantiveram condições mais competitivas do que os demais programas (Tabela 3).
O Governo Federal manteve a diferenciação de taxas entre médios e grandes
produtores para o Programa ABC e PCA, e manteve o prazo máximo de reembolso para os
financiamentos do PCA em 15 anos, atendendo ao pleito do setor.

3
Tabela 3: Recursos programados e taxa de juros das linhas de investimento nas safras
2017/2018, 2018/2019 e 2019/2020
Recursos disponibilizados Taxa de juros
Programa (R$ milhões) (% ao ano)
2017/2018 2018/2019 2019/2020 2017/2018 2018/2019 2019/2020
ABC 2.130 2.000 2.096 7,5 6,0/5,25 7,0/5,25
Inovagro 1.260 1.150 1.500 6,5 6,0 7,0
Moderagro 640 850 1.200 8,5 7,0 8,0
Moderfrota 9.200 8.900 9.690 7,5/10,5 7,5/9,5 8,5/10,5
Moderinfra 600 800 732 7,5 7,0 8,0
PCA 1.600 2.150 1.815 6,5 6,0/5,25 7,0/6,0
Procap-agro 2.200 2.500 2.500 TJLP+3,7% TJLP+3,7% TJLP+3,7%
Prodecoop 1.000 1.000 1.285 8,5 7,0 8,0
Prodecoop -
aquisição de 700 - - TJLP+3,7% - -
ativos
Pronamp 3.710 1.530 2.715 7,5 6,0 7,0
REPEC -
Renova - 2.500 - 6,0 -
Pecuária
Pronaf 9.646 12.000 12.927 2,5/4,6 3,0/4,6
Fundos
5.884 6.329 6.230 Por porte Por porte Por porte
Constitucionais

Bancos
cooperativos
600 230 600 8,5 8,0
(Bancoob e
Sicredi)
Prorenova 1.500 1.500 1.500 TJLP+3,7% TJLP+3,7% TJLP+3,7%
BNDES Agro 2.000 2.500 2.500 TJLP+3,7 TJLP+3,7% TJLP+3,7%
Recursos
5.125 5.125 5.125 De mercado De mercado De mercado
livres/demais

BB Investe Agro - 1.000 1.000 - - TJLP+3,7%


Total 47.795 52.064 53.415 - - -
Fonte: Mapa (2017; 2018; 2019).
2.1.1. Pronamp
 Aumento de 77% no volume de recursos destinados ao Pronamp investimento. Produtores
enquadrados no Pronaf que, por algum motivo, não consigam acessar recursos do
programa, podem acessar recursos no Pronamp.
 Possibilidade de financiamento da assistência técnica com recursos do crédito rural,
inclusive aos pecuaristas.

2.1.2. Moderagro
 Inclusão da erva-mate e da cana-de-açúcar para produção de cachaça entre os itens
financiáveis do Programa.

4
Evolução do volume de recursos contratados, programados e quantidade de contratos formalizados – BCB e MAPA
(safra 2018/2019 até maio)
5.000 14.442 16000 1.800 7.603 8000

4.500 1.600
14000 7000
4.000
10.503 12000
1.400
6000
3.500
1.200

3.000
10000 4.106 5000
1.000
3.539
8000 4000
2.500
6.018 800
2.753
2.000
4.326 6000 3000
2.941 600
1.626 1.647
1.500
2.888 4000 2000
400

1.667

1.014
2.687

3.507

1.965

1.113

1.540

1.406
1.000

1.000

1.700

1.400

1.245

1.260

1.150

1.500
4.500

4.500

3.000

2.990

2.130

2.000

2.096

425

877

513

800
2000 200 1000
500

- 0 - 0

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020
Contratado Programado Quantidade dos contratos Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 1 – PROGRAMA ABC – Valor R$ milhões e Contratos Gráfico 2 – INOVAGRO – Valor R$ milhões e Contrato

1.400 3.500 12.000 55.161 60000


2.863 49.087
1.200 3.000
10.000 50000

1.000 2.500
8.000
31.861 30.949 40000
1.768 30.926
800 1.634 1.618 2.000
1.504 6.000 24.858 30000
600 1.500
1.052
4.000 20000
400 1.000

9.371

9.985

5.600

7.335

7.567

8.285
10.000
1.200

6.160

8.000

5.050

9.200

8.900

9.690
2.000 10000
492

323

628

622

680

838

200 500
550

550

400

640

640

850

- - - 0

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020
Contratado Programado Quantidade dos contratos Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 3 – MODERAGRO – Valor R$ milhões e Contratos Gráfico 4 – MODERFROTA/PSI – Valor R$ milhões e Contratos
5
900 1400 4.000 1.800
1.164 1.186 1.527
800 1.600
1200
3.500
1.359
700
937 1.400
3.000
864 862 1000
600 1.200
2.500
841
500 636 800 1.000
2.000
671
400
600 594 800
1.500
300 432 600
400
1.000
200 400

2.780

2.459

1.139
3.500

3.500

2.000

1.400

1.600

2.150

1.815
326

574

529

380

471

501

907

541

917
200
550

550

290

550

600

800

732
500
100 200

- 0 - -

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020
Contratado Programado Quantidade dos contratos Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 5 – MODERINFRA – Valor R$ milhões e Contratos Gráfico 6 –PCA – Valor R$ milhões e Contratos

3.500 928 1000 3.000 127 140

805 900 113


3.000 120
2.500
800

2.500
700 85 100
2.000
77 80 75
518 600
2.000 80
500 1.500

60
1.500
306 400
1.000
1.000 300 40
50 18
2.436

2.276

1.638

1.635

1.344

1.498

1.018
200
3.240

3.050

1.990

2.270

2.200

2.500

2.500

1.250

1.600

2.430

1.700

1.000

1.285
500
234

756

384

525
500 20

350
70

100

- 0 - 0

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019
Contratado Programado Quantidade dos contratos Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 7 – PROCAP-AGRO– Valor R$ milhões e Contratos Gráfico 8 – PRODECOOP– Valor R$ milhões e Contratos

6
7.000 90.000 25.000 93.899 100.000
78.452
82.516 82.646 83.342 90.000
80.000
6.000
73.005 71.173
20.000 80.000
70.000
5.000 56.157 70.000
60.000
15.000 60.000
4.000
50.000
35.673 50.000

3.000 40.000
40.000
25.978 23.554
10.000

30.000
30.000
2.000 9.717

12.005

11.339

10.584

14.107

14.525
13.426

14.660

12.255

13.230

15.109

19.184

16.955
9.656
20.000 20.000
5.826

4.656

2.621

2.562

3.734

1.169
5.000
5.160

6.340

5.290

4.240

3.710

1.530

2.715
1.000
10.000 10.000

- - - -

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019

Contratado Programado Quantidade dos contratos Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 9 – PRONAMP – Valor R$ milhões e Contratos Gráfico 10 – OUTROS – Valor R$ milhões e Contratos (exceto Pronaf e
PNCF-FTRA)

50.000 300.000

45.000 244.261
40.000 214.435 250.000

35.000
200.000
162.589
30.000 147.505
134.983 122.267
25.000 150.000

20.000

100.000
15.000
37.106

38.131

26.848

24.741

30.791

29.752
38.436

44.100

38.225

34.045

38.149

40.064

40.488
10.000
50.000
5.000

- -

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020


Contratado Programado Quantidade dos contratos

Gráfico 11 – TOTAL– Valor R$ milhões e Contratos (exceto Pronaf e PNCF-FTRA)

7
2.2. Pronaf – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar
O volume de recursos programados para a aplicação no Pronaf (custeio e investimento)
na safra 2019/2020 é de R$ 31,2 bilhões. As principais inovações no programa são:
 A possibilidade de financiamento de reforma e construção de moradias rurais, cujo limite
de crédito é de R$ 50 mil por beneficiário para a safra 2019/2020.
 Possibilidade de financiamento de custeio ou investimento para exploração extrativa
sustentável e produção de ervas medicinais, aromáticas e condimentares, com taxa de
juros de 3% ao ano.
 Elevação do piso da taxa de juros do Programa de 2,5% ao ano para 3% ao ano e
manutenção da taxa máxima de juros do programa em 4,6% ao ano.

35.000 1.782.840 1.877.278 2.000.000


1.685.511
1.800.000
30.000

1.600.000
1.311.474 1.256.280
25.000
1.400.000

1.022.694 1.200.000
20.000

1.000.000
15.000
800.000

10.000 600.000
21.788

23.842

21.984

21.702

21.301

22.180
21.800

24.130

28.900

26.000

30.000

31.000

31.220
400.000
5.000
200.000

- -

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2017/2018 2018/2019 2019/2020


Contratado Programado Quantidade dos contratos

Fonte: BCB e MAPA (vários anos).

3. Gestão de Riscos na Atividade Agropecuária


A CNA tem pleiteado há alguns anos a ampliação no montante de recursos para o
Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), com o objetivo de ampliar
significativamente a área com cobertura de seguros agrícolas, promover a melhoria das
coberturas de seguro (níveis de cobertura e riscos cobertos) e a utilização de novos produtos de
seguro, como os destinados às atividades pecuária, florestal e aquícola.
Com o objetivo de fomentar a gestão de risco na atividade agropecuária, e alinhado às
expectativas do setor, o Governo anunciou o orçamento de R$ 1,0 bilhão para o PSR em 2020,
volume 2,3 vezes maior que os R$ 440 milhões disponibilizados para o Programa em 2019. Essa
foi uma das maiores conquistas desse Plano Agrícola e Pecuário. A garantia de R$ 1 bilhão para
a subvenção ao prêmio do seguro rural permitirá, no mínimo, aumentar em 2,5 vezes o número
de produtores atendidos pelo Programa. Além disso, cria ambiente para o fomento de novos
produtos de seguro, para o aprimoramento dos produtos de seguro já consolidados no mercado,
e para a atração de novos atores nesse mercado.
A CNA entende que a ampliação e a melhoria na gestão de riscos são fundamentais
para atrair recursos de segmentos privados para o financiamento de uma parcela do

8
agronegócio. Além da ampliação do volume de recursos para a subvenção ao prêmio do seguro
rural, é importante garantir previsibilidade de execução do orçamento destinado ao PSR e
implementar sistema para concessão da subvenção ao prêmio do seguro diretamente ao
produtor rural, o que implica o empoderamento do produtor em sua gestão de riscos.
O Sistema CNA considera o fortalecimento dos instrumentos de gestão de riscos como
o pilar fundamental de uma nova política agrícola no país, pois, ao mitigar os fatores de risco ou
transferi-los entre agentes privados, o produtor rural poderá acessar o crédito com taxas de juros
mais compatíveis com a capacidade de pagamento da atividade, não comprometerá o seu
patrimônio para fazer o pagamento dos recursos tomados para o custeio da safra, em caso de
perdas, e também não reduzirá o seu pacote tecnológico em safras subsequentes.

3.1. Zoneamento Agrícola de Risco Climático


Foi anunciado que nos próximos dias deverá ser assinado o Decreto que institui o
Programa Nacional de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) como uma ferramenta
de gestão de riscos. Está sendo desenvolvido um novo método para avaliação de riscos de
sistemas agrícolas.
Como instrumento de modernização do ZARC, foi lançado o aplicativo “Plantio Certo”
para o sistema Android. A ferramenta permite acesso às informações oficiais do ZARC para mais
de 40 culturas e sistemas de produção, como as janelas de plantio, dados e previsão
meteorológica, além de análises mais detalhadas sobre as condições de armazenamento de
água no solo a partir dos dados informados pelo próprio usuário. A ferramenta foi elaborada pelo
Ministério da Agricultura em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
(EMBRAPA), e apresenta a época do ano mais indicada para o plantio de diversas culturas,
permitindo que o usuário personalize a seleção a partir de quatro variáveis: município, tipo de
solo, cultura e ciclo da planta.

4. Medidas para aumentar o funding de financiamento para a agropecuária


Foram anunciadas medidas para dar mais segurança jurídica ao agronegócio, para
facilitar e aumentar o acesso a recursos para financiamento do setor:
 Permissão para emissão de Cédula de Produto Rural (CPR) indexada à variação cambial,
e para emissão de Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA) e Certificado
de Recebíveis do Agronegócio (CRA) no exterior.
 Extensão da equalização de taxas de juros para as instituições que operam com crédito
rural. A proposta está baseada no Projeto de Lei 7.740/2017, de autoria do Deputado
Covatti Filho (PP/RS), que altera a Lei 8.427/1992, para estender o mecanismo de
equalização de taxas de juros e outros encargos financeiros aos bancos privados e às
confederações de cooperativas de crédito rural.
 Para a próxima safra, estão previstos R$ 55 bilhões em Letras de Crédito do Agronegócio
(LCA) como recurso para o crédito rural, a taxas de juros livres.

9
5. Apoio à Comercialização

Para 2020, o governo disponibilizará R$ 1,85 bilhão para apoio à comercialização, nos
seguintes instrumentos:
 Equalização na venda de estoques: R$ 250 milhões.
 PEP/PEPRO e PROPRI: R$ 1,0 bilhão.
 AGF e contrato de opção de venda de produtos agropecuários: R$ 250 milhões.
A manutenção de recursos no OGU para PGPM, bem como a fixação de preços
mínimos compatíveis com o custo operacional de produção, são balizadores do mercado. Ao
adotar a política de preços mínimos, o Governo exerce controle sobre o preço dos produtos
agropecuários, evita a queda drástica de seus preços de mercado em períodos de oferta
abundante (durante a safra, por exemplo), busca a manutenção de um nível mínimo de renda
para o produtor rural, e, também, defende a renda do consumidor, inibindo o crescimento dos
preços dos produtos agropecuários.

6. CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS
Aprovação do crédito suplementar (PLN 4/2019) garante recursos para execução do Plano
Agrícola Pecuário 2019/2020
Instituída pela Constituição Federal em 1988, a Regra de Ouro proíbe que o Governo
Federal financie despesas correntes (salários, aposentadorias, juros da dívida, aquisição de bens
de consumo, manutenção de equipamentos, etc.) por meio da emissão de títulos que elevam a
dívida pública. A Regra de Ouro veda as “operações de crédito que excedam o montante das
despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais
com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta”.
Ou seja, essa Regra garante que o país não se endivide indefinidamente para pagar
gastos correntes em uma tentativa de equilibrá-los com os investimentos, estes sim, com reflexos
determinantes no aumento da produtividade, da competitividade e do desenvolvimento
econômico do Brasil.
O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2019 já apontava no 2º semestre de
2018 a necessidade de autorização para pagamento de R$ 258,2 bilhões em gastos correntes.
Em março de 2019, a Presidência da República enviou para apreciação do Congresso Nacional
o Projeto de Lei 4 (PLN 4) para emissão de dívida pública, ajustando esse valor para R$ 248,9
bilhões. Desse total, 96% eram recursos para Previdência Social (R$ 36,6 bilhões) e Assistência
Social (R$ 201,7 bilhões).
Além disso, conforme mostrado no quadro a seguir, R$ 6,5 bilhões estão alocados à
subvenção de programas essenciais ao agronegócio. Com a aprovação do PLN 4, em 11 de
junho de 2019, foi autorizado o crédito para essas operações.

10
PLOA 2019 R$ bilhões
Programas Orçamento Regra de Regra de
Geral da Ouro Total Ouro/
União 2019 2019 Total -
Operações no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento
3,47 1,83 5,30 34,5%
da Agricultura Familia (PRONAF) - Lei nº 8.427, de 1992.

Operações de Investimento Rural e Agroindustrial - Lei nº


2,31 1,31 3,62 36,1%
8.427, de 1992.

Operações de Custeio Agropecuário - Lei nº 8.427, de 1992. 2,22 1,26 3,47 36,7%

Operações Decorrentes do Alongamento de Dívidas


Originárias de Crédito Rural- Leis nº 9.138, de 1995; nº 9.866, 1,78 1,29 3,07 42,1%
de1999; nº 10.437, de 2002; e nº 11.775. de 2008.
Garantia e Sustentação de Preços na Comercialização de
0,63 0,53 1,16 45,7%
Produtos Agropecuários - Lei nº 8.427, de 1992.
Nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de
Estoques Reguladores e Estratégicos, AGF - Lei nº 8.427, de 0,38 0,28 0,66 42,5%
1992.
Total dos 6 Programas 10,79 6,49 17,28 37,6%
Fonte: SIAFI. Pesquisa em 24/05/2019. Elaboração SUT/CNA.

Sem esse aval, 37,57% dos recursos desses seis programas seriam cancelados com
consequências tão graves quanto imensuráveis sobre a safra brasileira de 2019/2020. Isso
porque, apesar da natureza de “despesa corrente”, tais subvenções viabilizam operações não
apenas de custeio, mas também e, com destaque, as operações de investimento da atividade
agropecuária brasileira, tais como as no âmbito do Moderinfra, Moderfrota, Moderagro, Inovagro,
Plano ABC, e outros para pequenos, médios e grandes produtores.
Felizmente, o esforço do Ministério da Agricultura e da CNA surtiu efeitos e a
sensibilização dos Deputados e Senadores, particularmente, da Frente Parlamentar da
Agricultura (FPA), culminaram na aprovação dos créditos suplementares, garantindo os recursos
orçamentários previstos para o financiamento das atividades do agronegócio e, particularmente,
para o Plano Agrícola e Pecuária 2019-2020 a que se refere a presente nota técnica.

7. Conclusões
Assim como nos últimos anos, em 2019, a CNA visitou as principais regiões brasileiras
para a construção de propostas do Sistema para o Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020, com o
objetivo de levantar in loco as principais sugestões e prioridades dos produtores rurais para a
safra que se inicia em 1º de julho. O documento de propostas elaborado foi apresentado e
discutido com vários órgãos de Governo e com o setor privado (agentes operadores do crédito
rural e do Proagro, seguradoras, empresas dos segmentos vinculados à agropecuária), a fim de
se viabilizar uma proposta que possibilite a continuidade do crescimento da agropecuária
brasileira.
O anúncio do Governo Federal é composto de medidas que sinalizam transição na
execução da política agrícola brasileira, priorizando pequenos e médios produtores com as
políticas tradicionais e adotando medidas para maior inclusão financeira para grandes
produtores. Além disso, o Governo apresentou alterações importantes na política de gestão de

11
riscos agropecuários, o que está totalmente alinhado às propostas apresentadas pela CNA em
2019 durante a consecução desse Plano.
Entre as medidas anunciadas pelo Governo Federal, cabe destacar o atendimento de
pleitos importantes do setor agropecuário encaminhados pela CNA:
 Medidas para recompor o funding de financiamento para a agropecuária, como ampliação
do volume de recursos captados por meio de emissões de LCAs e a possibilidade de
emissão de CDCA e CRA no exterior.
 Possibilidade de segmentar propriedade rural como garantia nos financiamentos
agropecuários (patrimônio de afetação).
 Melhoria no ambiente de negócios para o produtor rural, com a possibilidade de se
estender o mecanismo de equalização de taxa de juros para outros bancos do Sistema
Financeiro Nacional, além dos que já atuam com crédito rural.
 Garantia de R$ 1 bilhão para a subvenção ao prêmio do seguro rural, o que permitirá, no
mínimo, aumentar em 2,5 vezes o número de produtores atendidos pelo Programa. A
melhoria na gestão de riscos é fundamental para atrair recursos de segmentos privados
para o financiamento de uma parcela do agronegócio.
 Fortalecimento do médio produtor: manutenção da taxa de juros do Pronamp para custeio
agropecuário em 6% ao ano, ampliação de 28% no volume de recursos para o Programa
e retorno da possibilidade de financiamento da assistência técnica com recursos
controlados do crédito rural. Todas essas medidas são alavancadoras do
desenvolvimento de médios produtores na atividade agropecuária.
 Possibilidade de financiamento para construção e reforma de casas no meio rural, com
limite de até R$ 50 mil por beneficiário.
 Priorização dos programas de investimento para construção de armazéns (PCA),
adequação das propriedades à legislação ambiental (ABC) e investimentos necessários
à incorporação de inovações tecnológicas nas propriedades rurais (Inovagro), que
seguirão com taxas de juros diferenciadas em relação aos demais programas.
 Aperfeiçoamento do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC), com o lançamento
do aplicativo ZARC Plantio Certo, que facilita o acesso às informações pelos produtores
rurais das janelas de plantio indicadas para cada atividade.
O desafio agora, como em safras anteriores, é assegurar o acesso ao crédito aos
produtores rurais em época compatível com o calendário agrícola, para permitir a aquisição de
insumos nas melhores épocas em cada região do país. O volume de recursos anunciado deve
estar efetivamente à disposição do produtor rural quando ele procura as instituições financeiras.
Nos últimos anos, houve um descasamento entre o volume anunciado pelo Governo e o que
efetivamente foi contratado pelo setor.
A CNA acompanhará a publicação das Resoluções do Conselho Monetário Nacional,
que disciplinam as medidas anunciadas, para orientar o produtor sobre todas as alterações para
a safra 2019/2020. Além disso, está prevista a edição de uma Medida Provisória, com alterações
na Lei da Cédula de Produto Rural – CPR (Lei 8.929/1994) e na lei dos títulos do agronegócio
(Lei 11.076/2004), a criação de um fundo de aval fraterno e medidas para desburocratizar o
acesso do agronegócio a recursos de fundos de investimento internacionais. A intenção do
Ministério com essa MP é levar à discussão do Congresso medidas para melhorar o ambiente
de negócios para o produtor rural, o que vem ao encontro das expectativas do setor.

12