Sunteți pe pagina 1din 4

Escola Bíblica Dominical – Igreja Presbiteriana Jardim Pérola – Classe de Adolescentes - 2006

A VERDADEIRA VIDA CRISTÃ

PARTE 7: PACIENTES E LEVANDO A CRUZ (Continuação)

9. Nossa cruz não deveria tem-na afastado da vida humana.


nos tomar indiferentes
2. Atualmente há entre os cristãos
1. Paulo tem descrito modernos alguns estóicos que acham
amplamente a luta espiritual dos ruim orar, gemer, ou ainda lamentar-
crentes contra suas emoções naturais se na solidão.
de desgosto, enquanto tratam de se Essas opiniões geralmente vêm
conduzirem com paciência e de homens que são mais sonhadores
moderação: “...somos pressionados, que práticos, as quais em
mas não esmagados; ficamos conseqüência não podem produzir
perplexos, mas não desesperados; nada senão fantasias.
somos perseguidos, mas não
abandonados, abatidos, mas não 3. Nós não compartilhamos com
destruidos.”1 uma filosofia tão rígida e tão dura, à
É evidente que o fato de levar a qual nosso Senhor e Mestre Jesus
cruz pacientemente não significa tem condenado em palavras e
endurecer-se a si mesmo, ou que não exemplos.
sintamos nenhuma compaixão. Nosso Salvador gemeu e chorou
De acordo com os filósofos por Suas próprias calamidades e
estóicos, um homem nobre é alguém pelas dos demais, e não ensinou a
que tenha deixado de lado sua Seus discípulos a comportarem-se
humanidade, e que não permite ser ante as mesmas de forma diferente.
afetado por nenhum tipo de O Senhor disse: “Em verdade, em
adversidade nem prosperidade, nem verdade vos digo, que chorareis e
sequer o regozijo ou a tristeza, mas lamentareis, e o mundo se alegrará;
que atua tão firmemente como uma vós vos entristecereis.”2
rocha. E para que nenhum homem
Que proveito há nessa orgulhosa chame a tristeza de vício, Ele tem
sabedoria? pronunciado uma bênção sobre
Estes filósofos têm representado aqueles que gemem.
uma imagem da paciência que nunca 4. E não é para espantar-se, pois
tem sido encontrada entre os homens, se Ele tivesse condenado todas as
e que, por outro lado, não pode lágrimas, que poderíamos pensar
existir, e em seu desejo de encontrar então daquele de cujo corpo brotaram
essa classe de paciência tão singular,
1 2
2 Coríntios 4:8-9 João 16:20
Tema:A Verdadeira Vida Cristã (adaptação do texto de João Calvino) - Parte 7 – (pág:1)
Escola Bíblica Dominical – Igreja Presbiteriana Jardim Pérola – Classe de Adolescentes - 2006
lágrimas de sangue3? 2. Ao mesmo tempo existe um
Se cada temor fosse rotulado de verdadeiro conflito em seus corações,
incredulidade, que nome daríamos à porque seus sentimentos naturais
ansiedade, sobre a qual lemos na lhes fazem temer, tratando de evitar o
Escritura, que mergulhou nosso que é hostil para sua experiência.
Senhor em profunda tristeza? Apesar disso, nosso zelo pela
Se toda tristeza é desagradável, devoção luta, através de nossas
como poderíamos ser tolerantes com dificuldades, de maneira que nos
a confissão de que Sua alma estava voltemos obedientes à divina vontade.
triste “até a morte”? O Senhor falou sobre este conflito
quando se dirigiu a Pedro da seguinte
maneira: “Em verdade, em verdade te
10. A cruz é necessária digo: Quando eras mais jovem,
guiavas a ti mesmo e ias para onde
para nossa submissão
querias; mas quando fores velho,
1.Estas coisas devem mencionar- estenderás tuas mãos, e seguirás a
se para que as mentes devotas sejam outro que te levará aonde não
guardadas do desespero e não queres.”4
renunciem a seus desejos de Não é provável que Pedro, quando
paciência porque não podem deixar foi chamado a glorificar a Deus por
de lado suas inclinações naturais de meio de sua morte, fosse levado ao
tristeza. martírio com desgosto e aversão. Se
O fim daqueles que deixam que fosse assim, seu martírio teria sido de
sua paciência se deslize até cair na muito pouco louvor e glória para o
indiferença é o desespero. Estas Senhor.
mesmas pessoas dizem que um Ao contrário, devemos reconhecer
homem é forte e valente quando faz que, por mais que Pedro tivesse se
de si mesmo um bloco de granizo submetido à divina vontade com todo
incapaz de sentir qualquer coisa. o fervor de seu coração, não havia se
Pelo contrário, a Palavra de Deus despojado de seus sentimentos
louva aos santos por sua paciência, humanos, motivo pelo qual foi
quando são severamente afligidos por perturbado por um conflito interno.
causa das adversidades, porém, não Seguramente quando pensava na
quebrados e esmagados por elas; morte sangrenta que lhe esperava, se
quando estão afligidos, seus corações estremecia por causa do temor,
estão cheios de alegria espiritual; pensando talvez na possibilidade de
quando, sob o peso da ansiedade e agradavelmente escapar dela.
exaustão, saltam de alegria ao Todavia, quando considerava que
experimentar a consolação divina. fora Deus quem lhe havia chamado

3 4
Lucas 22:44 João 21:18
Tema:A Verdadeira Vida Cristã (adaptação do texto de João Calvino) - Parte 7 – (pág:2)
Escola Bíblica Dominical – Igreja Presbiteriana Jardim Pérola – Classe de Adolescentes - 2006
para morrer desta maneira, seu temor
se anulava e se submetia à vontade
do Senhor com alegria.
11. A cruz é necessária
3.Portanto, se desejamos ser
para a nossa salvação
discípulos de Cristo, devemos
reverenciar a Deus de tal maneira que 1. Agora que temos estabelecido
possamos triunfar sobre todas as que a principal consideração para
levar-nos a cruz é a vontade divina,
inclinações contrárias e submeter-nos
com alegria a Seu plano. devemos finalmente assinalar, de
Desta forma, maneira breve, a diferença entre a
permanecer
constantes em nossa paciência, por paciência filosófica e a cristã.
mais grande que seja a agonia mental Muitos poucos filósofos têm
ou qualquer outra classe de aflição alcançado um entendimento
que tenhamos. suficientemente elevado que lhes
A adversidade nunca deixará de permita compreender que estamos
nos ferir com seu aguilhão. sujeitos às aflições pela vontade
Quando somos afligidos por divina, ou que é nosso dever nos
enfermidade, devemos gemer e orar submetermos a ela.
por nossa recuperação. Ainda aqueles que têm chegado
Quando somos arrasados pela mais próximos, não entendem outra
pobreza, nos sentimos sós e aflitos.coisa a não ser isto: a resignação é
Quando somos um mal necessário.
oprimidos,
desprezados e ofendidos, nos Que significa isto, se não que
sentimos entristecidos e oprimidos. devemos nos submeter a Deus, pelo
Quando temos de assistir ao fato de qualquer esforço em resistir-
funeral de nossos Lhe ser vão?
amigos,
derramamos muitas lágrimas. Se obedecemos a Deus somente
por necessidade, deixaremos de fazê-
4.Todavia, não esqueçamos este lo tão pronto consigamos escapar-
pensamento consolador: O Senhor Lhe.
planejou nossas provações, de
maneira que temos de nos submeter 2.A Escritura nos ordena
a Ele. considerar a divina vontade à luz de
Ainda nos piores momentos de um conceito diferente; primeiramente,
agonia, gemidos e lágrimas, consistente com a justiça e a
animemo-nos com esta reflexão, de equidade; e logo destinada ao
modo que nossos corações possam aperfeiçoamento de nossa salvação.
suportar tranqüilamente as aflições As exortações cristãs à paciência
que flagelam nosso ser. são as seguintes:
Seja o fato de sermos afligidos
Tema:A Verdadeira Vida Cristã (adaptação do texto de João Calvino) - Parte 7 – (pág:3)
Escola Bíblica Dominical – Igreja Presbiteriana Jardim Pérola – Classe de Adolescentes - 2006
pela pobreza, exílio, prisão, do-nos que é necessário levarmos a
ostracismo, enfermidades, perda de cruz para promover nossa salvação.
entes queridos ou calamidades Se vemos claramente que as
semelhantes, devemos recordar que adversidades são boas para nós, por
nenhuma destas coisas se sucedem que, então, não suportá-las com
sem a vontade e a providência de corações tranqüilos e agradecidos?
Deus; e ainda, que Ele não faz nada Se levarmos nossas cruzes
que não seja absolutamente justo. pacientemente, não nos renderemos
Por acaso não merecem os ante elas por necessidade, antes, nos
inumeráveis pecados que cometemos submeteremos sabendo que resultam
a cada dia, uma disciplina muito mais em nosso benefício.
severa do que a que nosso Deus nos A conclusão destas considerações
inflige em sua misericórdia? é que quanto mais somos oprimidos
Não é razoável o pensamento de pela cruz, maior será nossa alegria
que nossa carne tenha de estar espiritual, e inevitavelmente a esta
submetida, e que tenhamos de nos alegria se junta a gratidão.
acostumar a um jugo, de maneira que Se o louvor e a ação de graças ao
nossos impulsos carnais não nos Senhor devem surgir de um coração
dominem e nos levem a um caráter alegre e rejubilante, e não há nada
não temperante? que deva reprimir tais emoções, então
Não são dignas de suportar a é evidente que Deus neutralizará a
justiça e a verdade de Deus, as amargura da cruz por meio da alegria
causas de nossos pecados? do espírito.
Não podemos murmurar ou nos Perguntas:
rebelar sem cairmos na iniqüidade.
Não dê ouvidos ao gélido refrão 1) É permitido ao Cristão chorar e
dos filósofos que diz que temos que gemer por causa de suas aflições ou
nos submeter por necessidade, antes, dores da vida?
prestemos atenção a este chamado
eficiente e vivo: Temos de obedecer 2)O que devemos fazer se
porque é incorreto resistir. desejarmos ser discípulos de Cristo?
Aprendamos a usufruir
pacientemente, porque a impaciência
é uma rebelião contra a justiça de 3)Por quais motivos devemos
Deus. obedecer a Deus mesmo nos
momentos de sofrimento?
3.Posto que só é do nosso agrado
aquilo que imaginamos proveitoso e
próspero para nós, nosso Pai
misericordioso nos conforta ensinan-

Tema:A Verdadeira Vida Cristã (adaptação do texto de João Calvino) - Parte 7 – (pág:4)