Sunteți pe pagina 1din 3

A Educação Especial, entende-se como um processo educacional definido por uma proposta

pedagógica que assegure recursos e serviços educacionais especiais, organizados


institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os
serviços educacionais comuns de modo a garantir a educação escolar e promover o
desenvolvimento das potencialidades dos educandos que apresentam necessidades
educacionais especiais, em todas as etapas, modalidades e níveis de ensino.

Entende-se por inclusão a garantia, a todos, do acesso contínuo ao espaço comum da vida
em sociedade, devendo esta se orientar por relações de acolhimento à diversidade humana,
de aceitação das diferenças individuais, de esforço coletivo na equiparação de
oportunidades de desenvolvimento, com qualidade, em todas as dimensões da vida.

Perspectiva da Inclusão
Ofertas de atendimento:
- na Classe Comum , mediante atuação de professor da educação especial, de professores
intérpretes das linguagens e códigos aplicáveis -Língua de Sinais, Sistema Braille,
instrutores surdos e itinerancia;

- na Sala de Recursos , nas quais o professor da educação especial realiza a


complementação e/ou suplementação curricular, utilizando equipamentos e materiais
específicos.

- Extraordináriamente, poderá promover a organização de Classes Especiais, para


atendimento em caráter transitório.
- Atendimento em Ambiente domiciliar
- Classe Hospitalar
- Escola especializada: estaduais e filantrópicas
- Centros Especializados: CHP, CAP, CEAADA, CAS
- Núcleo de Atividades de Altas habilidades / superdotação

FUNDAMENTOS LEGAIS
CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Artigo 208 – Inciso III

Refere ao atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência,


preferencialmente, na rede regular de ensino.
Artigo 227
Este artigo traz 03 princípios básicos:
Co- responsabilidade - Família/Sociedade/Estado.
Coloca a criança e o adolescente como prioridade absoluta.
Entendimento de que a criança e o adolescente estão em condição peculiar de pessoa em
desenvolvimento.

Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais: Acesso e Qualidade –


Espanha – Junho de 1994 – UNESCO:
Reafirmou o direito de todos à Educação, independentemente de suas diferenças,
enfatizando que a educação de pessoas portadoras de deficiências é parte integrante do
sistema educativo.
(Apresentou 85 Artigos cujo eixo é a integração)

Definição referendada na Lei de  Diretrizes e Bases para a Educação Nacional ­  n.º 


9394/96,   nas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básicae 
demais marcos legais do  Conselho Nacional de Educação Resolução 02/2001­ CNEe 
do  Conselho Estadual de Educação Resolução 261/2002CEE

Capítulo V – Lei n.º 9394/96Artigo n.º 58
Legalização da expressão ­  “Necessidades Especiais”
     Em prol de uma escola de boa  qualidade para todos, aplicando­se não só aos 
alunos com deficiências,  mas como a todos aqueles “excluídos” por diversas razões.

Artigo n.º 59 da LDB
Estabelece que:
       “Os sistemas de ensino assegurarão aos  educandos com necessidades especiais: 
Professores   com   especialização   adequada   em   nível   médio   ou   superior   para 
atendimento   especializado,   bem   como   professores   do   ensino   regular   capacitados 
para a integração desses alunos nas classes comuns.

Decreto 3298/99Refere­se  a Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora 
de   DeficiênciaLei   7   853/89Dispõe   sobre   o   apoio   às   pessoas   portadoras   de 
deficiência,   sua   integração   social,     institui   a   tutela   jurisdicional   de   interesses 
coletivos ou difusos dessas pessoa, disciplina atuação do Ministério Público, define 
crimes e dão outras providências.
“O que ainda nos preocupa é a harmonia entre os homens, a confiança e o respeito que
deve existir entre todos aqueles que, convivendo, constroem o presente e o futuro.
Gostaria de ver, nesse conjunto de pessoas – desde a portadora de deficiência mais
profunda à mais talentosa, da mais desajustada à mais integrada- todas irmanados e
membros de uma só família, ajudando-se e respeitando-se mutuamente”