Sunteți pe pagina 1din 7

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

HISTÓRIA LICENCIATURA
ANDREYANE LUCAS E SOUZA

O OLHAR DO CRISTÃO, NA ANTIGUIDADE, PARA A EDUCAÇÃO E


SEUS RESULTADOS NO MUNDO

Rio Branco
2010
ANDREYANE LUCAS E SOUZA

O OLHAR DO CRISTÃO, NA ANTIGUIDADE, PARA A EDUCAÇÃO E


SEUS RESULTADOS NO MUNDO

Trabalho apresentado ao Curso de História –


Licenciatura da UNOPAR - Universidade Norte do
Paraná, para a disciplina de História Antiga.

Prof. Guilherme Cantieri Bordonal

Rio Branco
2010
Introdução

O intuito deste trabalho é entendermos como a Igreja conseguiu


mudar o olhar do mundo na passagem da antiguidade para o medievalismo. O que
resultou na formação histórica de parte do mundo, como a América latina, a ser um
país com grande número de adeptos ao cristianismo. Tendo como texto base o
texto de Ronaldo Amaral: Saber e Educação na Antigüidade Tardia: os Padres
monásticos e eclesiásticos diante da cultura greco-romana.
O olhar do cristão, na antiguidade, para a educação e seus resultados
no mundo

Sabemos que o cristianismo nasceu do judaísmo em uma era em


que o helenismo era a cultura de grande peso eis que os cristãos vinham com um
novo conceito sobre o saber secular, temporal, que existia, um novo modo de ver,
aprender, se tornando mais tarde na Igreja e na doutrina católica.
Os primeiros padres tiveram um papel essencial para a formação
cultural e educacional das gerações seguintes. Por fazerem parte do grupo dos
primeiros cristãos, se viram na condição de criar um novo meio de ver e estar mais
perto de cristo, mais próximos do reino de Deus. Contudo, para se estar no reino de
Deus era necessário estar atrelado à palavra de Divina, e a partir dela aprender
como estar longe do mal. Muitos deles tinham em mente que o ser humano era feito
de bem (que era Deus) e do mal (a falta de Deus). Era de suma necessidade
eliminar o mal de dentro de si, para não deixar espaço para que o demônio fizesse
uso deles, não saber, nem ter contato com a cultura, estudos pagãos.
Ademais, alguns padres viram a necessidade de se ter as literaturas
bíblicas para que aqueles cristãos que tiveram acesso à sabedoria pagã não tivesse
mais contato com tudo o que não fosse relacionado a Deus negando todo o saber
das letras e secular, pois assim faria com que homem se prendesse ao temporal
levando ao contraponto que, o homem deveria negar de todo a sabedoria do mundo,
para que assim, a sabedoria de Deus viesse e se estabelecesse nele. Assim, todos
deveriam ter uma educação espiritual, que somente Deus poderia dar, o homem
seria Theo didático. Não era necessário que o homem criticasse a palavra de Deus e
analisar para saber e tirar novas conclusões, pois em sua ignorância viria à
providência divina que conceberia o único saber, o espiritual.
Segundo a bíblia: “De fato, onde está o seu tesouro, aí está o teu
coração.” Mateus 6,21.
O homem deveria estar voltado somente para o Deus único, pois ai
estaria o seu pensamento, seu coração sendo Deus o seu tesouro.
Porém, havia uma incompatibilidade, pois enquanto muitos dos
sucessores dos primeiros cristãos tinham como filosofia a total negação do saber do
mundo, erudito, como Atanásio de Alexandria, contudo Isidoro de Sevilla,
conhecedor das obras profanas, fazia uso delas em suas obras criando uma
literatura cujo sentido, poderia ser para os cristãos e não cristãos, ao qual dispôs de
certa maneira a cultura profana em função do conhecimento cristão, um encaixe
perfeito, pois Isidoro teve papel fundamental em expandir a nova religiosidade no
ocidente, com grande ênfase na Gália e Hispânia. (territórios hoje como a Espanha,
Portugal, França) o que nos pode fazer entender o porquê cristianismo ter se
difundido, pois estes países futuramente foram países que colonizaram a América e
outras partes do mundo em que estes impuseram ao mundo.
Desta forma, vê se que o cristianismo primitivo teve uma filosofia
voltada para total negação do saber erudito quando não, encaixa-lo na ótica cristã
fazendo com o que as novas gerações também negassem o saber o erudito.

Diferenças da educação professada pelos santos na antiguidade para com a


educação que recebemos hoje nas escolas

Na idade média o cristianismo já estava em alta, era dominante, tudo


era Deus, tudo era porque Deus queria, e tudo era sob o comando de Deus. Não
havia a hipótese de dúvidas, não poderia haver discussões sobre Deus. Isto foi
resultado do cristianismo primitivo que repreendia e negava de todo o saber
primitivo. Quando se estudava era de acordo com o quadrivim e o trivium.
Hoje ainda com fortes características e muitos adeptos, o
cristianismo, marca a sociedade e modo de pensar das pessoas, mais, porém
devido o tempo que já se passou desde a antiguidade, na atualidade temos meios e
novos métodos, temos mais embasamento e mais formas de ter e de tirar duvidas.
A ciência evoluiu, e não precisamos mais está ligando tudo a ótica cristã.
Conclusão

Ao analisarmos a antiguidade tardia vemos o nascimento do


cristianismo. Este que geriu novos conceitos e adaptou os já existentes para a sua
ótica. O que fez transformar tanto ocidente como oriente a novos conceitos, o que
mais tarde seria a igreja católica e mudou os modos e impôs na mente dos homens
que Deus deveria ser o único, e que tudo era a partir de suas providencias.
Transformou o mundo, pois esteve grande peso na Europa, paises desta que em
tempos depois impuseram em outras localidades a sua religião desta forma
podemos ter uma idéia e entendermos como o mundo, ou melhor, como países da
América latina, a exemplo o Brasil tem um grande número de católicos e cristãos.
Isso foi à sucessão da igreja primitiva que teve nas mãos de seus Doutores,
sucessores dos primeiros cristãos, a criação dos conceitos que após seriam a
doutrina da igreja.
Bibliografia Utilizada

AMARAL, Ronaldo. Saber e educação na Antigüidade Tardia: Os Padres monásticos


e eclesiásticos diante da cultura greco-romana. Mirabilia. Revista Eletrônica de
História Antiga e Medieval. V. 6, artigo 1, 2006

http://pt.wikipedia.org/wiki/Artes_liberais

http://www.informacaosobre.com/G%C3%A1lia