Sunteți pe pagina 1din 14

ASSESSORIA PEDAGÓGICA

e-mail:
asspedagogica@uberlandia.mg.gov.br
3239-2623 - 239-2842

Projeto Institucional
LEITURA

Elaborado pelas formadoras:


Célia Maria do Nascimento Tavares
Lídia Lemos Dias Cabral
Luziely de Fátima Borges Miranda
Mary Angeli Oliveira Andrade
Rosana Gonçalves Torquette

Uberlândia MG - 2008
ASSESSORIA PEDAGÓGICA
e-mail:
asspedagogica@uberlandia.mg.gov.br
3239-2623 3239-2842

Projeto Institucional
LEITURA PELO PROFESSOR

Elaborado pelas formadoras do


Município de Uberlândia em
parceria com o Instituto Avisa Lá
e Instituto C&A
“Ninguém ignora tudo,
Ninguém sabe tudo.
Por isso aprendemos sempre”
Paulo Freire
PROJETO INSTITUCIONAL: LEITURA
“O que eu vi, sempre,
é que toda ação principia mesmo
é por uma palavra pensada.
Palavra pegante dada ou guardada,
que vai rompendo rumo.”

João Guimarães Rosa

Apresentação
O presente trabalho tem como ponto de partida a necessidade de despertar a curiosidade e aguçar o
interesse dos profissionais da Educação Infantil do município de Uberlândia em relação a leitura promovendo
sua capacitação nas unidades escolares independente de suas diferentes atuações.
Pretende-se com o Projeto Leitura Escrita desenvolver ações que sensibilizem os profissionais bem
como desencadear uma nova postura frente a questão da Leitura levando-os a adquirir este hábito a fim de se
tornarem leitores plenos.

Introdução
A tarefa de formar leitores quase sempre fica a cargo da escola, o que a torna complexa. Isso porque
há muitas tensões vinculadas ao tempo disponível para ensinar e também ao entendimento sobre o que é
formar leitores. Tradicionalmente as escolas consideram que o objeto de ensino é apenas a Leitura e a
Escrita, feitas de maneira mecânica e repetitiva. Se o objeto fundamental fosse a prática de Leitura e Escrita, a
língua passaria a ser refletida num contexto maior.
Para a leitura, tornar–se um hábito, esta deve ser fonte de prazer e não apresentada de forma
obrigatória através de imposição ou cercada de castigos e ameaças.
Sua apresentação deve ocorrer o mais cedo possível na vida da criança, no ambiente doméstico, pela
família e pelos pais e pela escola. Os adultos são os primeiros incentivadores, promovendo a aproximação
com a linguagem desde o momento em que cantam para os bebês, brincam com eles usando histórias,
adivinhações, rimas e expressões folclóricas, ou folheiam livros e revistas buscando figuras conhecidas e
perguntando sobre seus nomes.
Conforme Wallon a linguagem é indispensável ao progresso do pensamento, ela exprime pensamento
ao mesmo tempo em que atua como estrutura do mesmo. Assim as pessoas que tem acesso a leitura ampliam
seu repertório e sua visão de mundo.
Autores como Roger Chartier e Jean Hébrard que investigam psicolingüísticas, desde os anos 1970,
mostram que não se lê letra por letra, que a leitura implica uma construção de significados e que eles não
estão no texto, mas são construídos pelo leitor.
Dessa forma os adultos que participam da vida da criança têm papel fundamental no aprendizado da
Leitura e da Escrita. Por isso é importante que sejam modelo de leitor. Afinal, ler é um hábito a ser
desenvolvido e o encantamento pela leitura terá influências deste leitor.

HISTÓRICO
O Projeto Leitura está voltado para a formação do profissional da Educação Infantil e de gestores
educacionais que atuam na rede municipal de educação de Uberlândia. Ele integra o Programa Formar em
Rede em parceria com o Instituto Avisa Lá, Instituto C&A e o município de Uberlândia. As reflexões propostas
pelo projeto incentivam os educadores a perceberem a importância da leitura feita pelo professor, pois é
fundamental para o exercício da cidadania, para a compreensão do mundo e para sua transformação.
Os encontros de formação, dos profissionais da Educação Infantil, distribuídos em intervalos regulares
ao longo do ano letivo, são organizados na própria unidade escolar. São vivenciadas atividades de leitura,
articuladas a momentos de reflexão e discussão teórica. No desenrolar do projeto os participantes têm
oportunidade de discutir suas práticas, bem como suas dificuldades e necessidades através da tematização da
prática entre outras estratégias formativas. Sendo que, é por meio da leitura que construímos o processo de
apropriação do conhecimento, estabelecemos vínculos informativos, selecionamos informações, assimilamos
conceitos, reestruturamos nosso pensamento e elegemos valores para nossa conduta social Os gestores das
escolas recebem formação para acompanhar e apoiar o trabalho dos profissionais em sala de aula e
assegurar a implementação e continuidade do projeto olhando pela não fragmentação das ações e pela
interação e formação de um profissional leitor.

JUSTIFICATIVA
Os resultados dos diagnósticos realizados nas unidades/escolas de educação infantil da rede
municipal de Uberlândia demonstram que, no que se refere à leitura, a situação não é otimista, revelando uma
prática não permanente, tanto entre os profissionais, como entre as crianças.
Entre os dados relevantes do diagnóstico salientamos que para alterar o quadro, torna-se urgente
compreender as razões mais profundas do problema e encontrar rumo que permita ultrapassá-lo.
A formação para a leitura e escrita propõe criar condições para que os profissionais da educação
sejam leitores e seguros em lidar com a palavra escrita, em qualquer circunstância da vida, possam interpretar
a informação disponibilizada pela comunicação social, adquirir novos conhecimentos, desfrutarem das grandes
obras literárias, adquirirem um comportamento leitor no qual implicará em outras considerações a interação
com outras pessoas acerca dos textos, o confronto com o que leu, o compartilhar da leitura, interpretar,
discutir, assumir posição crítica, adequar-se a modalidade de leitura, apreciar e sentir envolvimento e prazer
no ato de ler.

OBJETIVO GERAL
-Despertar nos profissionais que atuam na educação Infantil da rede municipal o prazer pela leitura.
-Formar profissionais da rede municipal de Uberlândia para o desenvolvimento do comportamento leitor nas
crianças que freqüentam as unidades escolas de educação infantil.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Promover a leitura, assumindo-a como fator de desenvolvimento individual e de progresso coletivo.
-Criar ambiente social favorável à leitura.
-Valorizar práticas pedagógicas e outras atividades que estimulem o prazer de ler entre os profissionais da
educação.
-Consolidar e ampliar o papel da rede de bibliotecas escolares no desenvolvimento de hábitos de leitura.
- Ampliar o conhecimento de leitura às crianças afim de serem inseridas na cultura letrada.
ESTRATEGIAS
Assegurar a formação e instrumento de apoio
- Disponibilizar instrumentos, conteúdos e metodologias orientadoras de formação de professores e
mediadores de leitura para os coordenadores.
- Disponibilizar orientações e apoio direto e on-line a prática promotoras de leitura na escola, na família e
noutros contextos culturais.
-. Proporcionar às escolas, livros e outros recursos de informação.
- Recorrer à tecnologia para promover o acesso ao livro, estimular a diversificação das atividades de leitura e a
informação sobre livros e autores aos coordenadores e diretores.
- Disponibilizar informações atualizadas e promover a reflexão sobre literatura e hábitos de leitura aos
profissionais da educação infantil.

Alargar e diversificar as ações promotoras de leitura em contexto escolar, e em outros contextos:


- Estimular nos profissionais e alunos o prazer de ler, intensificando o contato com o livro e a leitura na escola,
nas salas de aula, nas bibliotecas e na família.
- Criar oportunidades aos profissionais de leitura em espaços convencionais de leitura como biblioteca, feira de
livros e livrarias.
- Criar oportunidade de leitura e contato com os livros para alunos e profissionais em espaços não
convencionais de leitura como, por exemplo, debaixo de árvores, parques.

Contribuir para criar um ambiente social favorável à leitura


- Disponibilizar informações, alargar o conhecimento e o debate sobre as questões de leitura e literatura entre
os profissionais da educação infantil.
- Reforçar a cooperação e a conjugação de esforços entre a escola, a família, as bibliotecas e outras
organizações sociais.
- Estabelecer parcerias e procurar desenvolver ações de mobilização de entidades privadas e públicas.

As crianças na construção do seu aprendizado


- Proporcionar o aumento do repertório de histórias conhecidas.
- Oportunizar que possam construir o hábito de ouvir histórias, sentindo prazer e demonstrando envolvimento.
- Conviver com diferentes portadores de textos como livros, revistas e embalagens, manuseando, apreciando
imagens, expressando idéias, opiniões e sentimentos e construindo critérios próprios para selecionar o que
vão ler
-Proporcionar situações de leitura compartilhada e uso do espaço destinado a leitura.
-Saber recontar histórias ou trechos de seus contos preferidos.

PÚBLICO ALVO
- Profissionais da educação infantil da rede municipal de Uberlândia num universo de 2.215 pessoas.
Sendo:
Diretores- 83
Pedagogos (coordenadores pedagógicos) - 69
Professores- 680
Educadores - 860
Pessoal administrativo ( merendeiras e auxiliares de secretaria ) - 523

Número de crianças atendidas com o Programa:


11.291 crianças de zero a cinco anos

As instituições que fazem parte dessa formação são:

1-EMEI Cecília Meireles


Av. Jaime Ribeiro da Luz, 1995 - Seg. Pereira
E-mail: emeiceciliameireles@yahoo.com.br

2-EMEI do Bairro Guarani


R. da Polca nº. 581 - B. Guarani

3-EMEI do Bairro Jardim Brasília


R. Plutão, 995 – Jardim Brasília
E-mailemei.jardimbrasilia@uberlandia.mg.gov.br

4-EMEI do Bairro Luizote de Freitas


R. Roberto Margonari, 753 – Luizote

5-EMEI do Bairro Osvaldo Rezende


R. Rafael Rinaldi, 1485 – Oswaldo

6-EMEI Profª. Izildinha Mª. M. do Amaral


Av. José Fonseca e Silva, 391 – Luizote

7-EMEI do Bairro Mansour


R. Rio Citaré, 52 – Mansour

8-EMEI do Bairro Santa Mônica (ESCOLA MÃE)


R. Péricles Vieira da Mota, 984 Sta. Mônica

9-EMEI do Bairro Custódio Pereira


R. Acre, 3090 – Custódio Pereira

10-EMEI do Conjunto Alvorada


Av. Alcides Peixoto Barbosa, s/nº - Alvorada

11-EMEI do Conjunto Santa Luzia


R. Manoel Fernandes Silva, 22 - Santa Luzia

12-EMEI Hipólita Teresa Eranci


R. Canoas, 140 -Morumbi
R. Paraíso, 300 B. Celebridade
13-EMEI Líria Emília Saraiva
R. Rodolfo Correa, 66 – Lídice

14-EMEI Maria Aparecida da Silva


Rua Nosso Lar, 791 – Jardim Brasília

15-EMEI Maria Beatriz Vilela de Oliveira


R. Miguel Barcha, 90 - Industrial
E-mail emei.mariabeatriz@uberlandia.mg.gov.br

16-EMEI Cora Coralina


R. Ocidental, 44 - Bairro Jardim Ipanema

17-EMEI Irmã Maria Aparecida Monteiro


R. Nupotira Sales, 03 – Esperança
E-mail: ema.irmamaria@uberlandia.mg.gov.br

18-EMEI Prof. Thales de Assis Martins


R. Bahia, 2359 - Marta Helena

19-UDI Cruzeiro do Sul


R. Lourdes B.Garcia,80 Cruzeiro do Sul

20-UDI do Bairro Esperança


R. Jerci R Braga,22 –Esperança

21-UDI Marta Helena


R. Bahia, 2319 - Marta Helena

22-UDI Nossa Senhora das Graças


Av. Clara Camarão, 173 - N. S. das Graças

23-EMEI Maria Pacheco Rezende


Av. Ubiratan Honório de Castro, 680 S. Mônica
Av. Belarmino Cotta Pacheco, 48 S. Mônica

24-EMEI Anísio Spínola Teixeira


Av. Felipe Calixto Milkem, n° 117 - Morumbi
Rua das Vertentes, 328 - Igreja Sto. Antonio

25-EMEI do Bairro Dom Almir


R. da Consolação nº 135 – Dom Almir

26-EMEI Mª Terezinha Cunha Silva


R. Edésio F. de Morais, 75 – Alvorada

27-EMEI Profª. Gesimeire Fátima Araújo


Av. João Naves de Ávila, nº 4155 Jd. Finotti

28-EMEI Profª. Carmelita Vieira dos Santos


Praça das Nações, s/nº – Tibery
E-mail: ema.carmelitavieira@uberlandia.mg.gov.br

29-EMEI Profª. Stela Maria de Paiva Carrijo


R. Quintino Bocaiúva, 985 – Centro
E-mail: ema.stelacarrijo@uberlandia.mg.gov.br
30-UDI Aparecida
Av. João Pinheiro, 1991 – Aparecida

31-UDI Tibery I
R. Londres, 553 – Tibery

32-EMEI Monteiro Lobato


R. Euclides da Cunha, 480 – Custódio Pereira
E-mail: emeimonteirolobato@yahoo.com.br

33-EMEI Pampulha
R. Professor Inácio Castilho, 385 – Pampulha
E-mail: emei.pampulha@uberlandia.mg.gov.br

34- EMEI Paulo Freire


R. Pio 12, s/n – Jardim Ozanan

35-EMEI Planalto
R. do Borracheiro, 291 – Planalto
E-mail: emei.planalto@uberlandia.mg.gov.br

36-EMEI Prof. Horlandi Violatti


R. José R. Santos, 1010 – Brasil

37-EMEI Prof. Saint’ Clair Netto


R. dos Roussels, 789 - Minas Gerais
E-mail: ema.saintclairnetto@uberlandia.mg.gov.br

38-EMEI Profª. Edna Aparecida de Oliveira


R. do Garçom, 476 - Santo Inácio
E-mail: emei.ednaaparecida@uberlandia.mg.gov.br

39-EMEI Grande Otelo


R. Bocaiúva, 14 – Morada da Colina

40-UDI Martins
Av. Sacramento, 599 – Martins

41-UDI Patrimônio I
R. Bocaiúva, 10 – Patrimônio

42-UDI Tubalina I
R. Carlos Gomes, 54 - Tubalina

43-EMEI Profª. Maria Claro (ESCOLA MÃE)


R. do Basalto, s/nº - São José
E-mail: emei.mariaclaro@uberlandia.mg.gov.br

44-EMEI Francisco Bueno Monteiro


Rua Tiago, 286 – Maravilha

45-EMEI Jean Piaget


Rua dos Tamborins, 75 – Taiaman

46-UDI Satélite
Rua 21 de Abril, 1264 – Satélite/Oliveira
47-UDI Tocantins
Rua Dr. Manoel T. T

48-EMEI Profª. Maria Luiza Barbosa de Souza


R. Iraci Marcelino Vieira, 170 - Conj. Viviane
E-mail: emei.marialuiza@uberlandia.mg.gov.br

49-UDI Santa Luzia


R. Emerenciana Clara de Jesus, 134/ Granada
R. Wilibaldo A.Ferreira,171-Santa Luzia

50-UDI Segismundo Pereira


R. Jaime R. Luz, 1991 - Segismundo Pereira

51-EMEI Profª. Olívia Calábria


Rua Alexi Abrahão, 301 – Nova Uberlândia

52-EMEI Raimundo Vieira da Cunha


R. José Flores, 64 – Aclimação

53-EMEI Roosevelt
R. João J. Fernandes, 319 - B. Roosevelt

54-EMEI São Francisco de Assis


Pça. São Francisco de Paula, s/nº - Tubalina

55-.EMEI Zacarias Pereira da Silva


R. José M. Saramago, 534 – B. Santa Mônica

56- EM Profª Benedita Pimentel de Ulhoa Rocha


R. Guiomar de Faria, 40. Bairro Industrial

57- EM Dom Bosco


R. BR 365, KM 20- Zona Rural

58- EM Sebastião Rangel


R. Av José Pedro abalem,779. Distrito de Tapuirama- zona rural

59- EM Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa


R. Cabral Menezes, 216. B. Roosevelt

60- EM Profª Gláucia dos Santos Monteiro


R. José Malaquias dos Santos, 790. B. Carajás

61- EM Profª Stela Saraiva Peano


Av. Clássica, 333. B. Guarani

62- EM Boa Vista


R. Joaquim Ferreira Rodrigues, 460. B. Tocantins

63- EM Profº Luís Rocha e Silva


Av. Afonso Arino, 470. B. Tubalina

64- EM Sebastiana Silveira Pinto


R. Antonio B. da Costa, 161. B. Aurora
COMPETÊNCIAS
Projeto no contexto:
ESCOLAR
. leitura diária na sala de aula a fim de criar o hábito da leitura e desenvolver comportamentos leitores entre as
crianças
.atividades que incitem o desenvolvimento de comportamentos leitores
.encontro com autores
.jogos, sarau
.envolvimento de pais
.feira de livros
.ida a biblioteca e livrarias
FAMILIA
.atividades de leitura entre pais e filhos
.empréstimo domiciliar e com auxilio da biblioteca da escola
COMUNIDADE
.escritores, ilustradores e outros que se disponibilizem para participarem nas ações de leitura.
FORMADORES
.Proporcionar informações e orientações visando reflexão e complementação da prática
.Acompanhar e orientar os diferentes participantes.
.Amparar o conhecimento e entendimento da importância da leitura pelo professor e os desdobramentos
sociais desta ação para as crianças.
FORMANDOS e FORMADORES
.Diagnóstico: identificação e análise de práticas de hábitos de leitura.
.Definir o Projeto Institucional para o desenvolvimento do comportamento leitor.
.Estudo de diferentes autores sobre concepção de leitura, comportamento leitor.
.Estimular prática pedagógica para o desenvolvimento de práticas de leitura.
ESTUDO
Os estudos serão orientados pelas consultoras do Instituto Avisa Lá através da realização de reuniões online
com a participação das formadoras locais, devolutivas em pautas e relatórios, trocas de email.
Às formadoras locais caberá apreciar a pertinência dos domínios de investimentos dos estudos de formação,
desenvolver encontros presenciais de formação com diretores e coordenadores pedagógicos além de
acompanhar as ações desenvolvidas nas escolas a partir de pautas de supervisão
AVALIAÇÃO
Serão utilizadas três tipos de avaliação:
-Diagnóstica a fim de detectar a pertinência da atuação do Projeto.
-Processual - intervenções possível
-Portifólio para registro e acompanhamento dos progressos construídos durante os estudos.
CRONOGRAMA
Carga horária de formação dos coordenadores e diretores = 135 horas
Mês Dia Carga Horária Carga Horária
CEMEPE Escola
Maio 20 e 21 4h 12h
Junho 17 e 18 4h 12h
Junho 27 9h -----
Agosto 26 e 28 4h 15h
Setembro 16 e 17 4h 18h
Outubro 14 e 15 4h 18h
Novembro 18 e 19 4h 18h
Novembro 21 9h -------

Carga horária de formação dos profissionais da escola = 40 horas

Mês Carga horária de formação na escola


Maio 4h
Junho 4h
Junho 4h 30minutos
Agosto 5h
Setembro 5h
Outubro 6h
Novembro 7h
Novembro 4h 30 minutos

Bibliografia
-LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre:artmed,2002
-Brasil. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular
Nacional para a Educação Infantil
-CARVALHO, Silvia Pereira de; KLISYS, Adriana; Augusto, Silvana. Bem-Vindo,Mundo!São
Paulo:Peirópolis,2006.
-GALLART, Isabel Solé. Leitura em Educação Infantil? Sim, obrigado! Pátio Revista Pedagógica- 7 - nov
1998/jan 1999 Educação Infantil – artmed
- GASTALDI, Maria Virgínia. - E depois de ler, fazer o quê? Avisa lá nº 26- abril 2002- Revista para formação
de progessores de Educação Infantil séries iniciais do ensino fundamental –
- NALINI, Denise.O que fazer após ler uma história para crianças. Abisa lá nº 5, abril 2002 -
- CORTEZ,Clélia. O bebê, seu movimento e a construção do gosto pelas palavras –
- GASTALDI, Virginia. Quem conhece pode escolher melhor. A importância de bons livros para as crianças.
Avisa lá 07 Edição julho/2001. REFLEXÕES DO FORMADOR
- Carvalho, Silvia Pereira

Anexo:
Este anexo do Projeto Institucional – Leitura pelo Professor – 2008, foi elaborado pelo grupo
de formadores das escolas (diretores/ administradores e pedagogos ) e Assessoria e
Coordenação da Educação Infantil , como forma de assegurar a continuidade da formação
destes conteúdos em seus espaços de atuação nos próximos anos visando assegurar a
qualidade na Educação.
O QUE JÁ FAZEMOS EM O QUE QUEREMOS
AÇÕES PARA O PEDAGOGO/
NOSSAS ESCOLAS DESENVOLVER A PARTIR
DIRETOR
DO PROJETO
INSTITUCIONAL
* Leituras esporádicas * Planejamento de rodas de * Participar, acompanhar e
* Leitura como recurso leituras, como atividade auxiliar no processo de reflexão
pedagógico permanente sobre os planejamentos e
* Contação de história * Desenvolver o hábito diário ações diárias
* Histórias dramatizadas da leitura, como momento de * Viabilizar o desenvolvimento
* Musicalidade aliada à prazer dos projetos de leitura na
contação de história * Ressaltar os comportamentos escola e da formação
* Reprodução ou reconto da leitores e os propósitos continuada, através da inserção
história pelos alunos leitores, atentando a dos mesmos no PPP (Projeto
* Teatro de fantoches com importância da leitura em seu Político Pedagógico) e no PIP
variados repertórios portador de origem (Plano de Intervenção
* Leitura e exploração de * Valorizar o livro como Pedagógica)
histórias portador de acesso ao legado * Garantir no calendário escolar
* Escolha de livros sem histórico e cultural da espaço temporal para avaliação
critérios humanidade e reelaboração de propostas
* Leitura sem se preocupar * Valorização da prática social * Ampliar o acervo bibliográfico
com o ambiente da leitura da escola com diferentes
* Leitura com substituição de * Dialogar com a
leitura, gêneros literários, buscando
palavras durante a história ampliando as diversas formas recursos financeiros junto às
* Empréstimos de livros de interpretação, produzindo empresas privadas, órgãos
semanalmente novos conhecimentos públicos e comunidade em
* Livros disponíveis na salas * Ressaltar a leitura como parte geral
para manuseio e leitura do processo de crescimento
* Propiciar passeios culturais
* Poucos esclarecimentos interno e de formação humana
em bibliotecas, museus e
sobre o tipo de texto, do * Valorizar as ações de leitura
outros, com transporte público
livro, do autor e do ilustrador dos pequenos
gratuito.
* Não atentava para * Formar comportamentos
diferença entre ler e contar leitores em toda a equipe da * Fazer parceria com pessoas
uma história escola, como referências de que têm projetos de incentivo a
* Ficar atento ao bons modelos leitura e convidá-los para

comportamento de interesse * Adequar ambientes, aplicação dos mesmos na


ou desinteresse tornando-os próprios para a escola.
leitura, disponibilizando o * Registrar e divulgar os
acervo literário de qualidade trabalhos desenvolvidos na
para profissionais, alunos e escola através de fotos,
comunidade escolar filmagens e confecção de livros
* Listar critérios para escolha com as crianças.
de livros
* Divulgar os trabalhos
* Ler a história na íntegra sem
desenvolvidos na escola
se preocupar com o significado
através do jornalzinho da
de palavras ou sem simplificar
Educação Infantil: “Espaço e
as palavras
Tempo de Alegria, do “Jornal
* Continuar com os
Correio” da cidade de
empréstimos de livros para os
Uberlândia, na seção revistinha
alunos
desse mesmo jornal e da
* Continuar disponibilizando os
Revista Educadores em Ação.
livros para o livre acesso das
crianças * Implantar e implementar o

* Oferecer informações sobre o projeto jornal da escola,


autor, sua forma de escrever, divulgando as ações junto a
curiosidades da sua vida e/ou comunidade escolar.
obras * Incentivar o envolvimento de
* Ter atitude cuidadosa de toda equipe escolar, através do
quem lê para o outro e é momento literário, que consiste
referência de leitor. em reunir os funcionários para
trocar obras literárias.

* Incentivar o empréstimo de
livros entre os funcionários e
comunidade escolar.

* Assegurar tempo para a


observação investigativa e criar
cronograma de
acompanhamento do
desenvolvimento das ações
didático-pedagógicas.
* Sugerir sites, fontes,
referências bibliográficas para a
formação continuada dos
profissionais envolvidos nessas
ações institucionais;

* Analisar o processo formativo


na escola, avaliando as ações
que estão sendo executadas e
intervir.