Sunteți pe pagina 1din 25
EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de
EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março

Prova Escrita de Geografia A

11.º/12.º Anos de Escolaridade

Prova 719/2.ª Fase

16 Páginas

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

2009

VERSÃO 1

Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

A ausência dessa indicação implica a classificação com zero pontos das respostas aos itens dos Grupos I, II, III e IV.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Pode utilizar régua e máquina de calcular do tipo não alfanumérico não programável.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Escreva de forma legível a numeração dos grupos e dos itens, bem como as respectivas respostas. As respostas ilegíveis ou que não possam ser identificadas são classificadas com zero pontos.

Para cada item, apresente apenas uma resposta. Se escrever mais do que uma resposta a um mesmo item, apenas é classificada a resposta apresentada em primeiro lugar.

Para responder aos itens de escolha múltipla, escreva, na folha de respostas:

• o número do item;

• a letra que identifica a única alternativa correcta.

As cotações dos itens encontram-se no final do enunciado da prova.

Nas respostas aos grupos I, II, III e IV, seleccione a única alternativa que permite obter uma afirmação correcta.

I

Na figura 1 está representada a distribuição da precipitação total registada em Portugal Continental durante o mês de Janeiro de 2008.

em Portugal Continental durante o mês de Janeiro de 2008. Fonte: www.meteo.pt (28/09/2008) Figura 1 –

Fonte: www.meteo.pt (28/09/2008)

Figura 1 – Precipitação total registada, em Portugal Continental, no mês de Janeiro de 2008

1.

As maiores quantidades de precipitação registaram-se, de acordo com a figura 1, na área que se localiza entre os

(A)

41º N a 42º N e os 7º 30’ W a 9º W.

(B)

40º N a 41º N e os 7º 30’ W a 9º W.

(C)

40º N a 41º N e os 6º30’ W a 8º W.

(D)

41º N a 42º N e os 6º30’ W a 8º W.

2. A diferença de precipitação entre o extremo norte e o extremo sul de Portugal Continental, em Janeiro de 2008, foi

(A)

igual ou inferior a 100 mm.

(B)

entre 101 mm e 150 mm.

(C)

entre 151 mm e 199 mm.

(D)

igual ou superior a 200 mm.

3. Os valores de precipitação registados no mês de Janeiro em Portugal Continental devem-se, sobretudo, à ocorrência de chuvas

(A)

ciclónicas e convectivas.

(B)

orográficas e ciclónicas.

(C)

convectivas e frontais.

(D)

frontais e orográficas.

4. A diferença entre os valores de precipitação registados no Noroeste e no Nordeste de Portugal Continental deve-se, entre outras razões, à

(A)

maior ocorrência de chuvas orográficas nas montanhas localizadas a noroeste.

(B)

menor profundidade dos vales da bacia do rio Douro, na região nordeste.

(C)

maior frequência da passagem das perturbações da frente polar, no nordeste.

(D)

menor penetração dos ventos de norte, na região noroeste.

5. A produção de electricidade, em Portugal Continental, a partir de recursos hídricos está muito condicionada pelas condições climáticas, na medida em que

(A)

o aumento do número de dias sem sol faz diminuir a produção de energia solar.

(B)

a redução da velocidade do vento reduz a produção de energia eólica.

(C)

a variação inter e intra-anual da precipitação afecta a produção de energia eléctrica.

(D)

a variação da temperatura ao longo do ano faz diminuir a quantidade de precipitação.

II

A figura 2 mostra a rede de gasodutos na Península Ibérica.

figura 2 mostra a rede de gasodutos na Península Ibérica. Fonte: www.galpenergia.com (30/09/08). (Adaptado) Figura 2

Fonte: www.galpenergia.com (30/09/08). (Adaptado)

Figura 2 – Rede de gasodutos na Península Ibérica

1. A introdução do gás natural em Portugal permitiu a

(A)

utilização de uma fonte de energia renovável.

(B)

diversificação das fontes de abastecimento de energia.

(C)

valorização de uma fonte de energia endógena.

(D)

diminuição da importação de combustíveis fósseis.

2.

Em Portugal Continental, de acordo com a figura 2, a rede de gasodutos apresenta uma distribuição espacial que

(A)

serve as regiões com maior concentração de população e de actividades.

(B)

coloca todo o país em condições de igualdade de acesso à rede de distribuição.

(C)

favorece o acesso das indústrias do sul do país a uma energia alternativa.

(D)

diminui a nossa dependência energética relativamente aos países do Magreb.

3. O porto de Sines desempenha um papel importante na rede de gasodutos portuguesa, porque

(A)

o gás natural que importamos por via marítima abastece a rede espanhola.

(B)

grande parte do gás natural importado por Portugal chega por via marítima.

(C)

a central termoeléctrica localizada junto ao porto funciona a gás natural.

(D)

possibilita o abastecimento directo de gás natural ao sul do país.

4. Portugal, além da aposta nas energias renováveis, deve promover uma maior eficiência energética, isto é, uma utilização mais racional da energia. Para atingir este objectivo, é importante que se

(A)

incremente o uso de aparelhos de ar condicionado.

(B)

deslocalizem as indústrias que consomem mais energia.

(C)

promova a dispersão das áreas construídas.

(D)

incentive o uso do transporte público colectivo.

5. O sector dos transportes é o principal consumidor de energia final e aquele em que o consumo de energia mais cresceu. Para o país, este facto é…

(A)

positivo, porque o número de automóveis por habitante tem vindo a diminuir.

(B)

negativo, porque contribui para aumentar a factura energética do país.

(C)

positivo, porque favorece a exportação de produtos agro-pecuários.

(D)

negativo, porque diminui a quantidade de energia disponível para os outros sectores.

III

A figura 3 apresenta a percentagem de produtores agrícolas segundo o tempo de actividade na exploração, em Portugal, em 2005.

o tempo de actividade na exploração, em Portugal, em 2005. Fonte: INE. Portugal Agrícola, 1980-2006 .

Fonte: INE. Portugal Agrícola, 1980-2006. 2007

Figura 3 – Produtores agrícolas segundo o tempo de actividade na exploração, em Portugal, em 2005

1. Em Portugal, de acordo com os valores representados no gráfico da figura 3, a percentagem, relativamente ao total nacional, de produtores agrícolas que, em 2005, exerciam outra actividade remunerada foi cerca de

2.

(A)

20%.

(B)

40%.

(C)

60%.

(D)

80%.

Muitos produtores agrícolas, tal como se pode deduzir da análise da figura 3, exercem, além da actividade agrícola, uma outra actividade exterior à exploração. Este facto deve-se à

(A)

necessidade de diversificar as fontes de rendimento.

(B)

crescente valorização dos salários dos trabalhadores agrícolas.

(C)

subida dos preços no mercado dos produtos agrícolas.

(D)

desvalorização das actividades ligadas à silvicultura.

3.

A Madeira é a região agrária portuguesa com a menor percentagem de produtores agrícolas a tempo completo, porque, na ilha da Madeira,

(A)

a produção de vinho e de bordados está concentrada na cidade do Funchal.

(B)

as culturas de subsistência têm um baixo rendimento por hectare.

(C)

a SAU média por exploração é muito grande em toda a região.

(D)

a actividade terciária atrai grande parte da população activa da região.

4. No Continente, a região agrária Entre Douro e Minho é aquela que apresenta a maior percentagem de mulheres produtoras agrícolas singulares. Isto resulta, entre outros factores, do

(A)

elevado nível de instrução das mulheres produtoras agrícolas.

(B)

grande número de emigrantes na última metade do século XX.

(C)

padrão difuso da indústria de componentes eléctricos.

(D)

predomínio de indústrias de capital intensivo.

5. O êxodo rural, que ocorreu na década de 60, teve implicações na paisagem rural, porque

(A)

diminuiu a área cultivada.

(B)

aumentou a área de paisagem protegida.

(C)

diminuiu a área de baldios.

(D)

aumentou a área de culturas intensivas.

IV

A figura 4A reproduz uma imagem de satélite da cidade de Castelo Branco e da sua área envolvente. A figura 4B mostra uma área residencial e parte do «parque» industrial desta cidade.

Fonte: maps.live.com (01/12/2008). (Adaptado)
Fonte: maps.live.com (01/12/2008).
(Adaptado)
desta cidade. Fonte: maps.live.com (01/12/2008). (Adaptado) ▼ Figura 4A – Imagens de satélite de Castelo Branco

Figura 4A – Imagens de satélite de Castelo Branco

Figura 4B – Fotografia de uma área residencial de Castelo Branco e do «parque» industrial da cidade

1.

A área construída representada nas quadrículas O1 e O2 da figura 4A corresponde ao «parque» industrial da cidade de Castelo Branco, porque

(A)

é a única área que se localiza junto às principais vias de comunicação.

(B)

os edifícios se localizam a grande distância uns dos outros.

(C)

os edifícios que a constituem são baixos e estendem-se em superfície.

(D)

é a área construída localizada a menor distância do centro.

2. A organização do espaço construído na área correspondente à quadrícula O3 da figura 4A caracteriza-se por apresentar, maioritariamente, ruas de traçado

(A)

radiocêntrico.

(B)

sinuoso.

(C)

rectilíneo.

(D)

circular.

3. O desenvolvimento de cidades como Castelo Branco repercute-se na rede urbana portuguesa, na medida em que

(A)

aumenta a área de influência das cidades médias no interior do país.

(B)

acentua a macrocefalia/bicefalia da rede nacional.

(C)

reduz a importância das cidades transfronteiriças.

(D)

reduz a dimensão das cidades médias nas áreas metropolitanas.

4. A construção da A23 (parcialmente sobreposta a um troço do IP2 na região) constitui um factor de dinamização económica da região em que se localiza Castelo Branco, porque, ao diminuir as distâncias- -tempo, contribui para potenciar o eixo urbano que engloba, além da cidade de Castelo Branco, as cidades

(A)

da Covilhã e da Guarda.

(B)

da Régua e de Vila Real.

(C)

de Torres Novas e do Entroncamento.

(D)

de Portalegre e de Évora.

5. O aumento de população em cidades como Castelo Branco faz-se, sobretudo, à custa do/da

(A)

aumento da taxa de natalidade.

(B)

êxodo rural das áreas circundantes.

(C)

entrada de imigrantes africanos.

(D)

diminuição da taxa de mortalidade.

V

A figura 5 representa a estrutura etária da população portuguesa em 1970 e em 2001.

etária da população portuguesa em 1970 e em 2001. Fonte dos dados: Rosa, M. J. Valente

Fonte dos dados: Rosa, M. J. Valente e Vieira, C. A população portuguesa no século XX. 2003

Figura 5 – Estrutura etária da população portuguesa em 1970 e em 2001

1.

Mencione duas razões explicativas da variação do peso percentual da população com 65 e mais anos, entre 1970 e 2001.

2. Apresente duas causas da descida percentual da população com menos de 20 anos, que a pirâmide étaria de 2001 põe em evidência.

3. Refira duas causas da emigração, um dos fenómenos que está na origem das características da classe etária dos 25 aos 29 anos, na pirâmide etária de 1970.

4. Exponha os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária portuguesa, considerando:

a renovação de gerações;

o índice de envelhecimento.

VI

Na figura 6 está representado, através de uma imagem de satélite, o estuário do rio Tejo e áreas adjacentes. Na imagem de satélite está assinalada a futura localização do novo aeroporto de Lisboa.

a futura localização do novo aeroporto de Lisboa. Localização do novo aeroporto de Lisboa ◄ Ampliação
a futura localização do novo aeroporto de Lisboa. Localização do novo aeroporto de Lisboa ◄ Ampliação

Localização do novo aeroporto de Lisboa

de Lisboa. Localização do novo aeroporto de Lisboa ◄ Ampliação da área assinalada na imagem acima

Ampliação da área assinalada na imagem acima

Fonte: earth.google.com (11/02/2008). (Adaptado)

Figura 6 – Estuário do Tejo e áreas adjacentes, com a localização do novo aeroporto

1.

Refira duas consequências socioeconómicas positivas, para a «margem sul» da Área Metropolitana de Lisboa, decorrentes da construção do novo aeroporto.

2. Mencione duas prováveis alterações na demografia da «margem sul» da Área Metropolitana de Lisboa, decorrentes da construção do novo aeroporto.

3. Apresente duas características da agricultura praticada nos campos em forma de círculo, observáveis na figura 6.

4. Explique a necessidade de preservação dos estuários como o do rio Tejo, considerando a diversidade de ocupação das margens ao longo do seu percurso.

FIM

 

COTAÇÕES

GRUPO I

1.

5 pontos

 

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO II

1.

5 pontos

 

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO III

1.

5 pontos

 

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO IV

1.

5 pontos

 

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO V

1.

10 pontos

 

2.

10 pontos

3.

10 pontos

4.

20 pontos

 

50

pontos

 

GRUPO VI

1.

10 pontos

 

2.

10 pontos

3.

10 pontos

4.

20 pontos

 

50

pontos

 

TOTAL

200 pontos

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de
EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março

Prova Escrita de Geografia A

11.º/12.º Anos de Escolaridade

Prova 719/2.ª Fase

9 Páginas

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

2009

COTAÇÕES

 

GRUPO I

1.

5 pontos

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO II

1.

5 pontos

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO III

1.

5 pontos

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

 

GRUPO IV

1.

5 pontos

2.

5 pontos

3.

5 pontos

4.

5 pontos

5.

5 pontos

 

25

pontos

A transportar

100 pontos

Transporte

100 pontos

 

GRUPO V

1.

10 pontos

2.

10 pontos

3.

10 pontos

4.

20 pontos

 

50

pontos

 

GRUPO VI

1.

10 pontos

2.

10 pontos

3.

10 pontos

4.

20 pontos

 

50

pontos

TOTAL

200 pontos

A classificação da prova deve respeitar integralmente os critérios gerais e específicos a seguir apresentados

CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO

A classificação a atribuir a cada item é obrigatoriamente:

– um número inteiro;

– um dos valores resultantes da aplicação dos critérios gerais e específicos de classificação e previstos na respectiva grelha de classificação.

As respostas que se revelem ilegíveis ou que não possam ser claramente identificadas são classificadas com zero pontos. No entanto, em caso de omissão ou de engano na identificação de um item, o mesmo pode ser classificado se, pela resposta apresentada, for possível identificá-lo inequivocamente.

Se o examinando responder a um mesmo item mais do que uma vez, não eliminando inequivocamente a(s) resposta(s) que não deseja que seja(m) classificada(s), deve ser apenas considerada a resposta que surgir em primeiro lugar.

A ausência de indicação inequívoca da versão da prova (Versão 1 ou Versão 2) implica a classificação com

zero pontos das respostas aos itens dos Grupos I, II, III e IV.

Em cada item de escolha múltipla (Grupos I, II, III e IV), se o examinando apresentar mais do que uma opção, ou se o número do item e/ou a letra da alternativa escolhida forem ilegíveis, a classificação da resposta é zero pontos.

Nos itens de resposta curta (Grupos V e VI), caso a resposta contenha elementos que excedam o solicitado, só são considerados para efeito de classificação os elementos que satisfaçam o que é pedido, segundo a ordem pela qual são apresentados na resposta. Porém, se os elementos referidos revelarem uma contradição entre si, a classificação a atribuir é de zero pontos.

As respostas aos itens abertos (Grupos V e VI), que apresentem pontos de vista diferentes dos mencionados nos critérios específicos de classificação, devem ser classificadas se o seu conteúdo for considerado cientificamente válido e estiver adequado ao solicitado. Nestes casos, os elementos cientificamente válidos devem ser classificados, seguindo os mesmos procedimentos previstos nos descritores apresentados.

Nos itens que apresentam critérios específicos de classificação organizados por níveis de desempenho é atribuída, a cada um desses níveis, uma única pontuação. No caso de, ponderados todos os dados contidos nos descritores, permanecerem dúvidas quanto ao nível a atribuir, deve optar-se pelo nível mais elevado de entre os dois tidos em consideração. É classificada com zero pontos qualquer resposta que não atinja o nível 1 de desempenho no domínio específico da disciplina.

Nos itens de resposta aberta com cotação igual a 20 pontos que impliquem a produção de um texto, a classificação a atribuir traduz a avaliação simultânea das competências específicas da disciplina e das competências de comunicação em língua portuguesa. A avaliação das competências de comunicação escrita em língua portuguesa contribui para valorizar a classificação atribuída ao desempenho no domínio das competências específicas da disciplina. Esta valorização é cerca de 10% da cotação do item e faz-se de acordo com os níveis de desempenho descritos no quadro seguinte.

Nível

Descritor

 

Composição bem estruturada, sem erros de sintaxe, de pontuação e/ou de ortografia, ou

3

com erros esporádicos, cuja gravidade não implique perda de inteligibilidade e/ou de sentido.

2

Composição razoavelmente estruturada, com alguns erros de sintaxe, de pontuação e/ou de ortografia, cuja gravidade não implique perda de inteligibilidade e/ou de sentido.

1

Composição sem estruturação aparente, com erros graves de sintaxe, de pontuação e/ou de ortografia, cuja gravidade implique perda frequente de inteligibilidade e/ou de sentido.

No caso de a resposta não atingir o nível 1 de desempenho no domínio específico da disciplina, não é classificado o desempenho na comunicação escrita em língua portuguesa.

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO

São consideradas correctas as seguintes alternativas.

VERSÃO 1

VERSÃO 2

 

GRUPO I

1. A.

1. D.

2. D.

2. A.

3. D.

3. C.

4. A.

4. C.

5. C.

5. B.

 

GRUPO II

1. B.

1. C.

2. A.

2. C.

3. B.

3. A.

4. D.

4. B.

5. B.

5. C.

 

GRUPO III

1. D.

1. A.

2. A.

2. C.

3. D.

3. A.

4. B.

4. A.

5. A.

5. B.

 

GRUPO IV

1. C.

1. D.

2. C.

2. D.

3. A.

3. B.

4. A.

4. C.

5. B.

5. A.

V

1.

10 pontos

A

resposta deve mencionar duas das seguintes razões explicativas da variação do peso percentual da população com

65 e mais anos, ou outras consideradas relevantes:

 

melhoria das condições alimentares;

progresso na medicina preventiva e curativa;

melhoria do acesso a equipamentos/infra-estruturas de saúde;

diminuição do número de jovens.

 

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Menciona duas razões explicativas correctas.

10

Menciona uma razão explicativa correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta.

 
 

ou

5

Menciona uma razão explicativa correcta.

Menciona uma razão explicativa correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta.

 
 

ou

0

Menciona uma ou duas razões explicativas incorrectas.

2.

10 pontos

A

resposta deve apresentar duas das seguintes causas da descida percentual da população com menos de 20 anos,

ou outras consideradas relevantes:

 

quebra acentuada do número de filhos por mulher;

aumento da idade da mulher ao nascimento do primeiro filho;

aumento do número de mulheres no mercado de trabalho;

peso excessivo da educação dos filhos no orçamento familiar.

 

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Apresenta duas causas correctas.

10

Apresenta uma causa correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta.

 
 

ou

5

Apresenta uma causa correcta.

Apresenta uma causa correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta.

 
 

ou

0

Apresenta uma ou duas causas incorrectas.

3.

10 pontos

A resposta deve referir duas das seguintes causas da emigração, ou outras consideradas relevantes:

elevada percentagem de população activa agrícola com baixos rendimentos;

boa acessibilidade aos novos destinos da emigração (França e Alemanha), facilitadora da emigração clandestina;

fuga à guerra colonial;

oferta de emprego em alguns países da Europa no pós-Segunda Guerra Mundial associada às deficientes condições de vida em Portugal.

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Refere duas causas correctas.

10

Refere uma causa correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta. ou

5

Refere uma causa correcta.

Refere uma causa correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta. ou

0

Refere uma ou duas causas incorrectas.

20 pontos

A resposta deve expor que a actual tendência evolutiva da estrutura etária da população portuguesa levanta problemas relacionados com o envelhecimento demográfico, considerando que:

a renovação das gerações só ocorre quando o índice sintético de fecundidade é igual ou superior a 2,1 (2,06) filhos por mulher. No caso de Portugal, o índice sintético de fecundidade está abaixo desse valor desde o início da década de oitenta (1983), tendo diminuído, por um lado, o número e o valor percentual dos jovens e tendo aumentado, por outro lado, o número e o valor percentual dos idosos;

o índice de envelhecimento, que relaciona a população idosa com a população jovem, apresenta uma tendência para continuar a aumentar, o que levanta, por um lado, problemas com os encargos fiscais dos activos, com a queda do poder de compra da população e com o aumento da idade da reforma; por outro lado, a adaptação/criação de equipamentos/infra-estruturas de apoio aos idosos será cada vez mais importante e prioritária, assim como a necessidade de se investir, cada vez mais, na medicina geriátrica.

Descritores do nível de desempenho no domínio da comunicação escrita em língua portuguesa Descritores do
Descritores do nível de desempenho no domínio
da comunicação escrita em língua portuguesa
Descritores do nível de desempenho
no domínio específico da disciplina

5

Expõe os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária

da população portuguesa, recorrendo aos dois pontos considerados de forma completa.

Níveis*

1

2

3

18

19

20

4

Expõe os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária da população portuguesa, recorrendo aos dois pontos considerados de forma menos completa, em termos de conteúdo. ou Expõe os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária da população portuguesa, recorrendo a um dos pontos considerados de forma completa e referindo o outro.

14

15

16

Níveis**

3

Expõe os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária

da população portuguesa, recorrendo a um dos pontos considerados de forma completa.

10

11

12

2

Expõe os problemas que levanta a actual tendência evolutiva da estrutura etária da população portuguesa, recorrendo a um dos pontos considerados de forma

menos completa.

ou

Refere os dois pontos considerados.

6

7

8

1

Refere apenas um dos pontos considerados.

2

3

4

* Descritores apresentados nos critérios gerais.

** No caso de, ponderados todos os dados contidos nos descritores, permanecerem dúvidas quanto ao nível a atribuir, deve optar-se pelo mais elevado dos dois em causa.**

VI

10 pontos

A resposta deve referir duas das seguintes consequências socioeconómicas positivas, ou outras consideradas relevantes:

aumento do emprego;

melhoria da acessibilidade;

criação de novas ofertas turísticas;

aumento da oferta de serviços.

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Refere duas consequências correctas.

10

Refere uma consequência correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta.

 

ou

5

Refere uma consequência correcta.

Refere uma consequência correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta.

 

ou

0

Refere uma ou duas consequências incorrectas.

2.

10 pontos

A resposta deve mencionar duas das seguintes prováveis alterações na demografia da «margem sul» da Área Metropolitana de Lisboa, ou outras consideradas relevantes:

aumento da população residente;

diminuição percentual dos idosos;

aumento do número de activos;

diminuição percentual da população activa agrícola.

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Menciona duas alterações correctas.

10

Menciona uma alteração correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta.

 

ou

5

Menciona uma alteração correcta.

Menciona uma alteração correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta. ou Menciona uma ou duas alterações incorrectas.

0

3.

10 pontos

A

resposta deve apresentar duas das seguintes características da agricultura praticada nos campos em forma de

círculo, ou outras consideradas relevantes:

 

prática de uma agricultura intensiva;

recurso a modernos sistemas de rega;

possibilidade de praticar uma agricultura fora do período normal de precipitação;

maior rendimento por hectare das culturas regadas (milho forrageiro).

 

Situação de resposta

Classificação (em pontos)

Apresenta duas características correctas.

10

Apresenta uma característica correcta e outra incorrecta, mas que não contradiz a correcta.

 
 

ou

5

Apresenta uma característica correcta.

Apresenta uma característica correcta e outra incorrecta que contradiz a correcta. ou Apresenta uma ou duas características incorrectas.

0

4.

20 pontos

A resposta deve explicar que os estuários incluídos na rede Natura 2000, como é o caso do estuário do rio Tejo (o

maior da Europa), além de serem áreas de desova e de crescimento de espécies marinhas e fluviais (nurseries), incluem importantes patrimónios naturais (sapais e outros ecossistemas) e culturais (comunidades piscatórias), que devem ser preservados. Porém, os estuários estão ameaçados por uma ocupação muito densa das suas margens, quer pela actividade agrícola, quer pelas actividades dos sectores secundário e terciário, quer ainda pelas áreas habitacionais. Além disso, a ocupação humana de toda a bacia hidrográfica localizada a montante influencia, igualmente, a qualidade ambiental da área terminal dos rios. Assim, estas actividades, independentemente da sua localização, contribuem para a degradação dos estuários, através da poluição difusa decorrente do uso de químicos na agricultura (fertilizantes, pesticidas e herbicidas), da poluição decorrente dos efluentes industriais (alguns deles de elevada toxicidade para os ecossistemas ribeirinhos) e, ainda, da poluição decorrente das águas residuais (sem tratamento ou com deficiente tratamento) pondo, assim, em perigo a salvaguarda dos patrimónios natural e cultural integrados nas áreas estuarinas.

Descritores do nível de desempenho no domínio da comunicação escrita em língua portuguesa Descritores do
Descritores do nível de desempenho no domínio
da comunicação escrita em língua portuguesa
Descritores do nível de desempenho
no
domínio específico da disciplina
 

Níveis*

1

2

3

   

Explica a necessidade de preservação dos estuários, como o do rio Tejo,

     

5

considerando a ocupação das suas margens pelas actividades económicas de forma completa.

18

19

20

 

Explica a necessidade de preservação dos estuários, como o do rio Tejo,

     

4

considerando a ocupação das suas margens pelas actividades económicas, de forma menos completa em termos de conteúdo.

14

15

16

Níveis**

3

Explica a necessidade de preservação dos estuários, como o do rio Tejo, de forma completa e refere, apenas, os tipos de ocupação das suas margens. ou Refere a necessidade de preservação dos estuários, como o do rio Tejo, considerando a ocupação das suas margens pelas actividades económicas de forma completa.

10

11

12

2

Refere a necessidade de preservação dos estuários, como o do rio Tejo, e refere, apenas, os tipos de ocupação das suas margens.

6

7

8

1

Refere parcialmente um dos aspectos considerados.

2

3

4

* Descritores apresentados nos critérios gerais.

** No caso de, ponderados todos os dados contidos nos descritores, permanecerem dúvidas quanto ao nível a atribuir, deve optar-se pelo mais elevado dos dois em causa.**