Sunteți pe pagina 1din 22

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PROFLETRAS – FACULDADE DE LETRAS


Prof. FABRÍCIO VIEIRA DE MOURA

DIÁLOGOS (INTER-) PESSOAIS NA ESCOLA: UM


PERCURSO DE ESCRITA SIGNIFICATIVA DE
HISTÓRIAS DE VIDA
ÁREA: Linguagens e Letramentos

LINHA: Leitura e produção textual: diversidade


social e práticas docentes

Fabrício Vieira de Moura

Orientador: Prof. Dr. Evaldo Balbino da Silva


Motivação

• Reflexão sobre a prática docente.

• Por que os alunos se distanciam da


escrita?
Objetivos

• O objetivo geral deste trabalho foi elaborar e desenvolver um projeto de ensino e potencializar
nos alunos as competências de escrita, por meio da leitura e escrita do gênero memórias,
contribuindo para a formação de leitores e produtores de textos significativos a partir de um
percurso da história de vida individual ou de seus familiares.

• Os objetivos específicos desta pesquisa foram:

• articular o resgate de saberes sociais aos saberes captados em histórias de vida como
possibilidade de aprimoramento das práticas de produção de textos na escola;
• favorecer a percepção de que as modalidades oral e escrita da língua constituem planos
interpenetrantes e que orientam um trabalho frutífero de produção de textos escritos;
• possibilitar aos alunos (re-) significarem suas trajetórias de vida por meio de relatos de
experiências ou biografias numa perspectiva de multiletramentos.
Percurso Teórico

• Década de 80 - A Língua na perspectiva de uso para se comunicar.


Geraldi (1993, p.165)
acredita que um projeto contemporâneo de ensino de escrita deve pretender [...] devolver à escola o
que a escola diz, mas sim de levar para a escola o que também a escola não sabe (ainda que
possa dela ter uma imagem). A experiência do vivido passa a ser o objeto da reflexão; mas não
se pode ficar no vivido sob pena de esta reflexão não se dar. O vivido é o ponto de partida para a
reflexão.
• Década de 90 – Abordagem Sociointeracional
• PCN’S (1997, p.30) preconizam a mesma preocupação, quando indicam que cabe
à escola “[...] viabilizar o acesso do aluno ao universo dos textos que circulam
socialmente, ensinar a produzi-los e a interpretá-los”.
• Bakthin – dicotomia entre gêneros primários e secundários.
• Letramento literário. Sequência básica.
• Gênero memórias literárias.
Abordagem Sociointeracional
Década de 90
Interação Social Atividades Sociais

• Interação Situada (Escola). • Memórias Literárias.


• Falantes e interlocutores
coordenam as ações para • Saber “quem é este que
perceber a intenção (Alunos rememora no devir humano
7º e 8º anos). em que a experiência da
• Há uma sinalização em vida vivida é fechada em
busca de uma base- sua totalidade, e é por isso
comum para o que é exemplar”
entendimento do que é co-
construído na comunicação (SANTIAGO, 1989, p. 50).
( Memória).
Perspectivas

Uso = Propósitos Reais Tarefas = Pedagógicas

• Leal (2008, p.67) afirma que: Nem sempre


• Proposta de atividades se sabe se aquele que ensina está
disponível para essa abertura. Como é que
em sala de aula que nos formamos leitores e produtores de
texto? É na comunidade (comum-unidade),
servissem a propósitos na relação com o outro. Não é no rigor do
olhar, nem na benevolência, nem nos atos
comunicativos no de indiferença que se encontra a saída. Ela
cotidiano. está, fundamentalmente, no quanto aquele
que ensina e aquele que aprende se abrem,
cada vez mais, para a compreensão ativa.
A Elaboração de Oficinas

Sequência básica – Cosson 2014 Oficinas Propostas


• Atividade 01 – Atividade diagnóstica. Os alunos
• SEQUÊNCIA DIDÁTICA BÁSICA DE LETRAMENTO fizeram uma primeira produção textual.
LITERÁRIO • Atividade 02 – Desenvolvemos o trabalho de
• Para Cosson, a sequência básica de letramento leitura da Obra: Ler, escrever e fazer conta de
cabeça de Bartolomeu Campos de Queirós.
literário é constituída por quatro passos: • Atividade 03 – Análise de aspectos literários
motivação, introdução, leitura e interpretação. (linguagem, estética da construção frasal,
recursos de estilo escolhido pelo autor).
• Sequência básica proposta por COSSON (2014)
• Atividade 04 – Entrevistas pessoas da sua
desenvolvida ao longo de uma sequência família para ouvirem e registrarem as histórias
didática, modelo de estudo e tratamento dos vividas e recolheram essas histórias por meio
gêneros proposto por Schneuwly e Dolz (2004), da escrita.
a partir do livro: Ler, escrever e fazer conta de • Atividade 05 – Rodas de conversas.
• Atividade 06 – Nessa etapa os alunos (re-)
cabeça (QUEIRÓS, 1996). escreveram os relatos de experiências.
• Atividade 07 – Destinou-se à preparação do
evento de apresentação dos textos e na
oportunidade a escola apresentou a publicação
de um jornal para toda a comunidade escolar.
Etapas de produção de textos.
Produção inicial
Trechos literários
Primeiras produções
Ler, escrever e fazer conta de cabeça -
Bartolomeu Campos de Queirós
Apreciando a obra
Constructo Operacionalizado nas Oficinas

As produções dos alunos:

a) As produções de textos de números 06, 13, 19, 23, 24, 27 e 28 contêm


dramas e situações familiares;
b) As produções de números 04,15,18,21,22,29,31 mostram como esses
alunos lidam com a separação, especificamente com a morte de um ente
querido e como a morte causa dor.
c) Nas produções de números 01, 02, 03, 07, 08, 09, 10, 11,17 e 20, temos
relatos bonitos da entrada no mundo escolar. Os medos, o encontro com
novos amigos, as brincadeiras na rua, na escola, o andar de bicicleta, tudo
revela um primeiro olhar sobre o mundo visto de um aspecto real e solitário,
distante do aconchego da mãe, do pai e mesmo dos irmãos e avós.
Dramas familiares
A separação, a perda, a dor e a
morte
Travesssuras e brincadeiras.
Lembranças de lugares
Mediação do professor - Posição de
interlocutor do texto
Chamar a atenção para
Cuidados necessários: aspectos:
• literários;
• instruções claras; • narrador;
• seleção vocabular; • âmbitos:
• empatia; - lexicais;
• olhar; - prosódicos;
• escuta; - culturais;
• subjetividade. - gestuais,
- linguísticos.
Conclui o autor:

O grande patrimônio que temos é a memória.


Lugar de quem conta uma história não
é simples. A memória guarda o que vivemos e o que
sonhamos.
Rememorar é um movimento E a literatura é esse espaço onde o que
complexo. sonhamos encontra o diálogo.
Exige escuta diferenciada. Com a literatura, esse mundo sonhado consegue
A memória é o lugar do infinito. falar.

A literatura e a leitura como


possibilidades. Bartolomeu Campos de Queirós
Aluno sujeito X leitor crítico.
Referências bibliográficas
• AZEVEDO, Janete M.L. de. Implicações da nova lógica de ação do estado para a educação municipal, Revista
Educação & Sociedade n. 80, Campinas: CEDES, 2002.
• BAKHTIN, M. Os gêneros discursivos. In: BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes,
2000. p. 279-326.
• BALDISSERA, Adelina. Pesquisa-ação: uma metodologia do conhecer e do agir coletivo. Sociedade em debate,
Pelotas, v.7, n.2, p.5-25, ag. 2001. Disponível em: Acesso em: 10 nov. 2016.
• BALTAR, M. A. R.; COSTA, D. R. Gênero textual exposição oral na educação de jovens e adultos. RBLA, Belo
Horizonte, v. 10, n. 2, p. 387-402, 2010.
• BARBOSA, Jacqueline Peixoto. Gêneros do discurso na escola: rediscutindo princípios e prática. 1. Ed. – São
Paulo: FTD, 2012.
• BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura; tradução Sérgio
Paulo Rouanet – 7 ed. – São Paulo: Brasiliense,1994.
• BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo:
Parábola Editorial, 2008. (Estratégias de Ensino; 8).
• BOSI, E. Memória e sociedade. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. BRASIL, Ministério da Educação e do
Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília,
1997.
• COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de gêneros textuais. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
• DOURADO, L.F (ORG). Gestão escolar democrática. Goiânia: editora alternativa, 2003. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia:
saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.
• GERALDI, João Wanderley. (Org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004.
• ______. Portos de Passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993
• HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.
• KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2010.
• LAJOLO, M. Do Mundo da Leitura para a Leitura do Mundo. São Paulo: Ática, 1993.
• LEAL, Leiva de Figueiredo Viana. A formação do produtor de texto escrito na escola: uma análise das relações
entre os processos interlocutivos e os processos de ensino. In: VAL, Maria da Graça Costa, ROCHA, Gladys
(Orgs.). Reflexões sobre práticas escolares de produção de texto – O sujeito-autor. Belo Horizonte: Autêntica \
CEALE \ FAE \ UFMG, 2008.
• LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U. (Editora
Pedagógica e Universitária Ltda.), 1986.
• MARCUSCHI, L. A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In:
SIGNORINI, I. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. 9. Campinas: Mercado de
Letras, 2001.
• ________________. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
• MATALLO JR., H. A problemática do conhecimento. In: Construindo o saber – metodologia científica, fundamentos
e técnicas. Maria Cecília M. de Carvalho (org.), 17a ed., Editora Papirus, 2000.
• MELLO, Carlos Henrique Pereira; TURRIONI, João Batista. Metodologia de Pesquisa: Estratégias, métodos e
técnicas para pesquisa científica em engenharia de produção. UNIFEI, 2008.
• OLIVEIRA, Edson Santos de. O tear da memória em Infância. O Eixo e a Roda – Memorialismo e autobiografia.
Belo Horizonte: FALE, vol. 6, Nov. 1988.
• ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento. São Paulo: Brasiliense, 1983.
• PASSARELLI, Lílian Ghiuro. Ensino e correção na produção de textos escolares. 1ed. – São Paulo: Telos, 2012.
• SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra – São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
• SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica. 2008.