Sunteți pe pagina 1din 30

Feridas

NEP
NEP
NUCLEO DE EDUCAÇÃO
NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE
PERMANENTE

Enfª Ana Carolina da Silva Costa


Enfª Denise Kelly de Lima Araújo
Enfª Maria Sidônia Moura
Ana Carolina S. Costa
Enfª Ralessandra Moreira
Denise Kelly L. Araújo
Maria Sidônia Moura
Ralessandra Moreira
OBJETIVO

• Aprimorar a qualidade da assistência, com


foco no bem estar dos pacientes.
Curativos
Principais finalidades dos curativos
Meio terapêutico
para limpeza e • Manter Leito da ferida umedecido
proteção da ferida
• Remover o excesso de exsudação
• Permitir a troca gasosa
O Curativo
sozinho não • Fornecer isolamento térmico
promove a • Ser impermeável às bactérias
Cicatrização
• Estar isento de partículas e tóxicos
contaminadores de ferida
Irrigação da ferida • Permitir a retirada sem provocar trauma
realizada com solução • Promove cicatrização
estéril aquecida
Procedimentos gerais para
limpeza e troca do curativo

• Utilizar sempre material esterilizado;


• Seas gazes estiverem aderidas na ferida, umedecê-las antes de retirá-
las;
• Sehouver mais de uma ferida, iniciar pela menoscontaminada;
• Feridas em fase de granulação realizar a limpeza com soro fisiológico
em jatos;
• Realizar os curativos contaminados com S.F0,9 %aquecido;
• A aplicação de ataduras deve ser realizada no sentido da circulação
venosa, com o membro apoiado.

GLENN, 2012; PRAZERES,2009


Fases da Ferida
Técnica de Curativo
• Em um ambiente hospitalar ou na residência do
cliente, é indispensável o bom conhecimento técnico
para realizar os curativos, acompanhar as
cicatrizações e controlar as possíveis infecções.

• Quem poderá avaliar as feridas, e indicar o tipo de


tratamento, é o enfermeiro, onde o mesmo realiza o
exame físico e a anamnese.

• O técnico de enfermagem as executa, de forma


correta, anota os aspectos e características da
ferida, e acompanha juntamente com o enfermeiro a
evolução da mesma.
Técnica de Curativo
• Um bom curativo começa com uma boa preparação do
carro de curativos. Este deve ser completamente limpo.
Deve-se verificar a validade de todo o material a ser
utilizado.
• Quando houver suspeita sobre a esterilidade do
material que deve ser estéril, este deve ser
considerado não estéril e ser descartado. Deve verificar
ainda se os pacotes estão bem lacrados e dobrados
corretamente.
Técnica de Curativo
• O próximo passo é um preparo adequado do
paciente. Este deve ser avisado previamente que o
curativo será trocado, sendo a troca um
procedimento simples e que pode causar pequeno
desconforto. Os curativos não devem ser trocados no
horário das refeições.
• Se o paciente estiver numa enfermaria, deve-se usar
cortinas para garantir a privacidade do paciente. Este
deve ser informado da melhora da ferida. Esse
métodos melhoram a colaboração do paciente
durante a troca do curativo, que será mais rápida e
eficiente.
Técnica de Curativo
• A limpeza das mãos com água e sabão, que deve ser
feita antes e depois de cada curativo.
• O instrumental a ser utilizado deve ser esterilizado; deve
ser composto de pelo menos uma pinça anatômica (par
de ferro), duas hemostáticas e um pacote de gaze; e
toda a manipulação deve ser feita através de pinças e
gazes, evitando o contato direto e consequentemente
menor risco de infecção.
Técnica de Curativo
• Deve ser feita uma limpeza da pele adjacente à ferida,
utilizando uma solução que contenha sabão, para
desengordurar a área, o que removerá alguns patógenos
e vai também melhorar a fixação do curativo à pele.
• A limpeza deve ser feita da área menos contaminada
para a área mais contaminada, evitando-se movimentos
de vai-e-vem.
Técnica de Curativo
• Nas feridas cirúrgicas, a área mais contaminada é a pele
localizada ao redor da ferida, enquanto que nas feridas
infectadas a área mais contaminada é a do interior da
ferida.
• Deve-se remover as crostas e os detritos com cuidado;
lavar a ferida com soro fisiológico em jato, ou com PVPI
aquoso (em feridas infectadas, quando houver sujidade e
no local de inserção dos cateteres centrais); por fim fixar
o curativo com atadura ou micropore.
Classificação das Feridas
CURATIVO LIMPO
• Ferida limpa e fechada:
• o curativo limpo e seco deve ser mantido oclusivo por 24
horas.
• após este período, a incisão pode ser exposta e lavada
com água e sabão.
• utilizar PVPI tópico somente para ablação dos pontos.
Curativo com Dreno
• O curativo do dreno deve ser realizado separado do da incisão e o
primeiro a ser realizado será sempre o do local menos contaminado.
• O curativo com drenos deve ser mantido limpo e seco. Isto significa que
o número de trocas está diretamente relacionado com a quantidade de
drenagem.
• Se houver incisão limpa e fechada, o curativo deve ser mantido oclusivo
por 24 horas e após este período poderá permanecer exposta e lavada
com água e sabão.
• Sistemas de drenagem aberta (p.e. penrose ou tubulares), devem ser
mantidos ocluídos com bolsa estéril ou com gaze estéril por 72 horas.
Após este período, a manutenção da bolsa estéril fica a critério médico.
• Os drenos de sistema aberto devem ser protegidos durante o banho.
CURATIVO CONTAMINADO
• Estas normas são para feridas infectadas e feridas abertas
ou com perda de substância, com ou sem infecção. Por
estarem abertas, estas lesões são altamente susceptíveis à
contaminação exógena.
• O curativo deve ser oclusivo e mantido limpo e seco.
• O número de trocas do curativo está diretamente
relacionado à quantidade de drenagem, devendo ser
trocado sempre que úmido para evitar colonização.
• O curativo deve ser protegido durante o banho.
• A limpeza da ferida deve ser mecânica com solução
fisiológica estéril.
• A anti-sepsia deve ser realizada com PVP-I tópico.
CURATIVO CONTAMINADO
• As soluções anti-sépticas degermantes são contra-indicadas em
feridas abertas, pois os tensoativos afetam a permeabilidade das
membranas celulares, produzem hemólise e são absorvidos pelas
proteínas, interferindo prejudicialmente no processo cicatricial.
• Gaze vaselinada estéril é recomendada nos casos em que há
necessidade de prevenir aderência nos tecidos.
• Em feridas com drenagem purulenta deve ser coletada cultura
semanal (swab), para monitorização microbiológica.
Tipos de Tecidos

GRANULAÇÃO ESFACELO

NECROSADO
O QUE OBSERVAR E ANOTAR SOBRE
AS FERIDAS:
• ƒLocalização anatômica ƒ
• Aspecto dos Tecidos Adjacentes: Edema, Coloração, Pulso.
• Em caso de dúvida, comparar com o membro não acometido
pela ferida. ƒ
• Medidas da Ferida – mensurar em sua extensão e
profundidade em centímetros na admissão e semanalmente
para observar a evolução do tratamento.
• No caso de haver exposição óssea, prevenir osteomielite. ƒ
• Aspecto e quantidade do exsudato: Seroso, purulento,
Sanguinolento, misto. ƒ
• Bordos da ferida: Contração, Maceração, Integridade ƒ
• Tecidos da ferida: Granulação, Esfacelo, Necrose.
Coleta de Material
• A coleta de material, para avaliação de microorganismos
nas feridas, deve ser feita com técnica asséptica, após a
limpeza da ferida com soro fisiológico 0.9% e,
preferencialmente, aspirar o exsudato (se houver
coleções fechadas). Se não for possível, o swab só tem
valor se colhido profundamente em tecido limpo (livre de
esfacelo e necrose) para não dar falso resultado, ou seja,
detectar apenas a colonização da ferida. O material
colhido deve ser encaminhado ao laboratório o mais
brevemente possível.
Placas de Hidrocolóides
• Os Hidrocolóides são curativos contendo agentes em formato
gelatinoso, geralmente carboximetilcelulose sódica (NaCMC), pectina
e gelatina.
• Atuam por interação com os exsudatos formando um composto
úmido gelatinoso entre o curativo e o leito da úlcera; este composto
propicia o desbridamento autolítico, otimizando assim a formação do
tecido de granulação.
• Por outro lado, acredita-se que, proporcionando uma cobertura das
terminações nervosas expostas no leito da ferida, os Hidrocolóides
também auxiliam na diminuição da dor.
Placas de Hidrocolóides
• Os Hidrocolóides diminuem os eventos infecciosos na
medida em que oferecem certa barreira bacteriana. É
preciso estar atento para a possibilidade de proliferação
de anaeróbios em determinados pacientes.
Curativo
• É necessário esclarecer que o tratamento de cicatrização de
feridas não é ato privativo do enfermeiro. Portanto, é
importante deixar claro que o tratamento de cicatrização de
feridas não se restringe a um procedimento de curativo.

• A definição de curativo, contida no Manual de Curativos da


Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da Santa Casa
de Misericórdia de Goiânia/GO, diz que “o curativo é um
meio terapêutico que consiste na limpeza e aplicação de
uma cobertura estéril em uma ferida, quando
necessário, com a finalidade de promover a rápida
cicatrização e prevenir a contaminação ou infecção”.
OBRIGADA!!!