Sunteți pe pagina 1din 26

Frase

simples complexa

Porto Editora
Frase simples
Constituída apenas por um verbo ou por um complexo verbal.

Ex.:
A Maria brinca muito com o irmão. – frase simples (constituída por um verbo)
O Jorge continua a ler aquele livro. – frase simples (constituída por um complexo verbal)

Porto Editora
Frase complexa

Constituída por dois ou mais verbos ou complexos verbais,


ou seja, por duas ou mais orações.

Ex.:
A mãe usa óculos e o pai tem bigode. – frase complexa (constituída por dois verbos)
O Jorge já estava em casa, mas a Inês acabou de chegar. – frase complexa
(constituída por um verbo e um complexo verbal)

Porto Editora
A relação entre orações pode ser
estabelecida por:

coordenação

subordinação

Porto Editora
A. Coordenação

Consiste na juncão de orações ou de constituintes da frase da


mesma categoria ou que tem a mesma função sintática, por meio de
conjunções (ou locuções conjuncionais) coordenativas ou de
advérbios (ou locuções adverbiais) conectivos.

Porto Editora
A coordenação pode ser:

assindética sindética

Porto Editora
As orações ou os constituintes não iniciais não se
introduzem por conjunção.
assindética
Ex.: sindética
[O Pedro jogou ténis], [praticou natação].

Porto Editora
As orações ou os constituintes não iniciais introduzem-se
por conjunção.
assindética sindética
Ex.: [O Pedro jogou ténis] [e praticou natação].

Porto Editora
1. Oração coordenada
Recebem o nome da conjunção ou locução conjuncional
coordenativa que as liga, de acordo com o sentido expresso:

copulativa adversativa

disjuntiva conclusiva

explicativa
Porto Editora
1.1. Oração coordenada copulativa
Expressa ligação ou adição de informações.

Ex.: O público entrou e o espetáculo começou.

Conjunções coordenativas Locuções conjuncionais


copulativas coordenativas copulativas

e, nem, nem… nem* não só… mas também,


não só… como também

* Trata-se de conjunções/locuções conjuncionais correlativas, pois


surgem antes de cada elemento coordenado.

Porto Editora
1.2. Oração coordenada adversativa
Estabelece uma oposição, relativamente à oração anterior.
Ex.: Queria participar no concurso, mas o prazo tinha terminado.

Conjunções coordenativas Advérbios (ou locuções adverbiais)


adversativas conectivos
mas porém, assim, contudo, todavia, no
entanto, não obstante, ainda assim

Porto Editora
1.3. Oração coordenada disjuntiva
Estabelece uma alternativa em relação à oração anterior.

Ex.: Queres uma pera ou preferes uma laranja?

Conjunções coordenativas disjuntivas

ou, ou… ou*, ora… ora*, quer… quer*, seja… seja*

* Trata-se de conjunções/locuções conjuncionais correlativas, pois


surgem antes de cada elemento coordenado.

Porto Editora
1.4. Oração coordenada conclusiva
Indica uma conclusão/o desfecho de um raciocínio.

Ex.: O telemóvel está sem bateria, logo não te posso ligar.

Conjunções coordenativas Advérbios (ou locuções


conclusivas adverbiais) conectivos
logo pois, portanto, assim, por isso

Porto Editora
1.5. Oração coordenada explicativa
apresenta um esclarecimento ou uma justificação.

Ex.: Não posso sair, pois tenho tarefas a cumprir.

Conjunções coordenativas conclusivas

pois, porquanto

Porto Editora
B. Subordinação

A subordinação consiste na junção de orações através de conjunções


ou locuções conjuncionais subordinativas. A oração subordinante e a
oração principal da frase e, geralmente, pode continuar a existir como
oração independente. A oração subordinada apenas tem sentido quando
ligada a subordinante.

Porto Editora
1. Oração subordinada adverbial

As orações subordinadas adverbiais tem esta designação, pois


desempenham funções sintáticas típicas de um advérbio ou de um grupo
adverbial. O seu nome advém da conjunção ou da locução conjuncional
subordinativa que as liga, de acordo com o sentido que expressa.

Porto Editora
1.1. Oração subordinada adverbial temporal
Exprime uma ideia de tempo relativamente ao afirmado na
oração subordinante.
Ex.: Quando viajo de carro, não consigo ler nada.

Conjunções subordinativas Locuções conjuncionais


temporais subordinativas temporais
quando, mal, enquanto, apenas logo que, assim que, até que, antes
que

Porto Editora
1.2. Oração subordinada adverbial causal
Transmite a causa do que se afirma na oração subordinante.

Ex.: Não como morangos porque sou alérgico.

Conjunções subordinativas Locuções conjuncionais


causais subordinativas causais
porque, que, como visto que, já que, pois que

Porto Editora
1.3. Oração subordinada adverbial final
Expressa a finalidade da ideia indicada na oração subordinante.

Ex.: O Rui adiou a reunião para que pudesse ir comigo.

Conjunções subordinativas finais Locuções conjuncionais


subordinativas finais
que, para para que, a fim de que

Porto Editora
1.4. Oração subordinada adverbial condicional
Indica uma condição que permitirá a realização do que é expresso
na oração subordinante.
Ex.: Só troco de computador se este não tiver conserto.

Conjunções subordinativas Locuções conjuncionais


condicionais subordinativas condicionais
se a não ser que, a menos que, desde que,
salvo se

Porto Editora
2. Oração subordinada adjetiva relativa

As orações subordinadas adjetivas tem esta designação, pois


desempenham funções sintáticas típicas de um adjetivo ou de um grupo
adjetival. As orações subordinadas adjetivas relativas são introduzidas por
palavras relativas.

Porto Editora
2.1. Oração subordinada adjetiva relativa restritiva

Limita a informação dada sobre o que a antecede. Na escrita, não


pode ser delimitada por virgulas.

Ex.: O funcionário que me atendeu foi muito simpático.

Porto Editora
2.2. Oração subordinada adjetiva relativa explicativa

Apresenta informação adicional sobre o que a antecede. Na escrita, deve estar


delimitada por virgulas.

Ex.: A minha tia, a quem ofereci uma viagem, criou-me desde pequeno.

Porto Editora
Porto Editora
Em síntese:

Oração coordenada
Copulativa
Adversativa
Disjuntiva
Conclusiva
Explicativa

Porto Editora
Em síntese:

Oração subordinada adverbial


Temporal
Causal
Final
Condicional

Oração subordinada adjetiva relativa


Restritiva
Explicativa

Porto Editora